IMPACTOS AMBIENTAIS DA SILVICULTURA NO BIOMA CERRADO

Alex Camargo Fidelis - Universidade Federal de Goiás – Campus Catalão fidelis_alex@hotmail.com João Donizete Lima - Universidade Federal de Goiás – Campus Catalão jodoligeo@superig.com.br

Resumo: Com a preocupação mundial sobre a preservação das florestas nativas, desenvolve-se o manejo das florestas plantadas, escolhendo espécies da flora que possam ter um rápido crescimento e adaptar-se aos diferentes tipos climáticos. Os gêneros Pinus e Eucalyptus são os mais plantados em todo o mundo, sendo várias as suas espécies cultivadas. Essa prática é conseqüência do desenvolvimento pré-industrial do século XIX, requerendo muita madeira para as máquinas a vapor. Hoje, nações em desenvolvimento, China, Índia, Rússia e Brasil estão plantando muito, mas países desenvolvidos, como EUA e Japão, estão entre os maiores silvicultores, refletindo a necessidade mundial de fomentar as indústrias que usam os derivados da madeira. O Brasil tem alcançado altos índices no mercado mundial com a exportação de produtos manufaturados a partir de madeira (re) florestada, como papel e o aço. As grandes plantações nacionais deram-se no Bioma Cerrado, configurando uma nova paisagem e criando especulações sobre as relações ecológicas estabelecidas. Como resultados iniciais de nossos trabalhos, já foi possível identificar que existem grandes plantações predominantemente nos municípios de Ipameri, Campo Alegre de Goiás, Catalão e Ouvidor, as quais impõem uma nova dinâmica nos municípios, ora ocupando locais de antigas pastagens ou de lavouras de culturas temporárias. Mesmo com essas grandes áreas ocupadas por esse tipo de vegetação o estado de Goiás ainda é pouco expressivo na silvicultura brasileira. Assim a preocupação do estudo está na relação da sociedade com essa nova paisagem na região e também com as relações ecológicas dessas espécies plantadas com as outras espécies nativas. palavras-chave: Eucalipto. Pinus. Madeira. Floresta. Cerrado Abstract: With the world-wide concern on the preservation of the native florests, the handling of the planted florests is developed, choosing species of the flora that can have a fast growth and adapt it the different climatic types. The sorts Pinus and Eucalyptus are the most planted in the whole world, being several its cultivated species. This practical is consequence of the development daily payindustrial of century XIX, requiring much wood for the machines the vapor. Today, nations in development as China, India, Russia and Brazil are planting a bunch, but developeds countries, as U.S.A. and Japan, are between the biggest silvicultores, reflecting the world-wide necessity to foment the industries that use wood derivatives. Brazil has reached high indices in the world-wide market with the manufactured exportation from reforested wood, as paper and the steel. The biggest national plantations had been given in the Bioma Cerrado, configuring a new landscape and creating speculations on the established ecological relations. As initial results of our work, it was already possible to identify bigs plantations predominantly in the cities Ipameri , Campo Alegre de Goiás, Catalao and Ouvidor, which impose a new dynamic in those cities, however occupying old pastures or farmings of temporary cultures. Even with these big areas those are full in this kind of vegetation, Goiás state is still a little expressive in the Brazilian forestry. In fact the concern of the study is in the relation of the society with this new landscape in the e region also with the ecological relations of these species planted with the other native species keywords: Eucalytus. Pinus. Wood. Forest. Cerrado 1 Introdução O uso da madeira intensifica-se na pré-indústria e muito mais no período industrial, com isso houve um avanço sobre as florestas nativas em todo o mundo. Assim concluiu-se que essa matéria prima não acompanharia a demanda, e isso fomentou o plantio das florestas, ou seja, tornar esse

nos municípios de Catalão. Nas últimas décadas do século XX. necessita de estudos científicos a fim de compreender as modificações e as novas interações ecológicas. onde as ações necessárias para que os impactos negativos sobre a biota sejam minimizados.2 recurso natural renovável Os gêneros de Eucalyptus e Pinus foram os mais plantados em todo o mundo. e também para nortear no uso do manejo e técnicas adequadas as condições locais. o Bioma Cerrado representava 23% da cobertura vegetal nacional. empresas de embalagem e comércio de madeira serrada. O estado de Goiás está apenas na 12ª posição em área de florestas plantadas e a Microrregião de Catalão é o grande destaque estadual. requer estudos científicos que dêem respostas para os questionamentos da sociedade sobre o ressecamento e empobrecimento do solo. nos baseamos em estudos sobre outros estados que tem plantações florestais. em que o país é líder mundial no setor. Por isso. diminuição de água no subsolo e perda da biodiversidade. A silvicultura ganha espaço como aliado de combate ao efeito estufa. Os impactos ambientais da silvicultura variam em função do tipo de manejo e das técnicas que são usadas nos empreendimentos florestais. em relação à introdução da monocultura do eucalipto e do pinus. A preocupação com os remanescentes de Cerrado. Ipameri e Campo Alegre. as grandes extensões de terras com florestamento de pinus e eucalipto. . Diante dos impactos ambientais da silvicultura no bioma Cerrado. como Minas Gerais e São Paulo. Este estudo iniciou-se com uma revisão literária. No Brasil. a absorver quantidades consideráveis de CO2 para seu crescimento rápido. refletem a política exportadora de aço e papel. devido a uma grande variedade de espécies que são adaptáveis aos diversos tipos de clima e solos da terra. sofreu uma perda de aproximadamente 80%. em função da ocupação moderna pela agricultura e pela pecuária. diminuindo os resultados negativos da monocultura florestal e consequentemente aumentar os impactos positivos. Sociedade Brasileira de Silvicultura (SBS). em todos os continentes há a prática da silvicultura para fins comerciais. mesmo com dificuldades de encontrar estudos sobre a silvicultura na região de Goiás. negativos e positivos. atendem as siderúrgicas de Minas Gerais. 2 Material e métodos O interesse em estudar a silvicultura nas áreas de Cerrado está relacionado com as dúvidas que a sociedade tem enquanto às relações ecológicas que o eucalipto e o pinus estabelecem com as outras formas de vida e também com o solo e água. As plantações de eucalipto atende a demanda das companhias mineradoras instaladas em Catalão que usam como lenha para os fornos de secagem de minério. Fizemos pesquisas em entidades como a Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa). As plantações de pinus que está no chapadão goiano.

a proporção de florestas plantadas no período de 1990 a 2000 (dez anos) é aproximadamente a mesma do período de 2000 a 2005 (cinco anos). Índia (30 milhões ha). 2007. Nessa ida a campo. segundo dados da Food and Agriculture Organization of the United Nations (Organização das Nações Unidas para Agricultura e Alimentação – FAO). com fins de produção. siderúrgicas. com os extensos plantios realizados na China. mesmo porque. 3 Resultados e discussão As técnicas de clonagem de mudas. Por isso..3 Associação Brasileira de Produtores de Florestas plantadas (ABRAF). Fizemos uma visita à empresa Vale do Rio Grande no dia 20/11/2008. diversos setores da economia estão investindo nas plantações florestais para atender a demanda de matéria prima para as indústrias de papel. . EUA (17 milhões ha). o que ajudou a entender o manejo utilizado.18). abastecimento de lenha. para conhecer as plantações de Pinus e o início das plantações de Eucalyptus. A demanda pela madeira oriunda de floresta plantada vem aumentando com os anos. visto que as legislações ambientais em todo o mundo estão bastante restritivas em relação ao desmatamento das florestas nativas. Para adaptar a imagem foi usado o software Corel Paint Shop Pro X4. tanto como matéria prima quanto fonte de energia para o desenvolvimento industrial. O mapa temático disponibilizado pelo Sistema Estadual de Estatística e de Informações Geográficas de Goiás (SIEG). p. permitiu analisar a cobertura vegetal da Microrregião de Catalão. fizemos registros fotográficos. O maior crescimento absoluto aconteceu na Ásia e Pacífico. As florestas plantadas.9 milhões ha) e Japão (10 milhões ha). aperfeiçoamento dos manejos e o avanço dos estudos científicos contribuíram para a expansão do eucalipto pelo mundo. que foi adaptado para a realidade e dimensões do estudo. Rússia (11. Os 5 países com maiores áreas florestais plantadas são pela ordem: China (71. 73% dessas áreas são manejadas para fins produtivos e 27% para fins de proteção. (SBS. Dentre eles o Brasil ocupa o 9º lugar. a onda é preservar as florestas para conter o efeito estufa. que se iniciou com a necessidade de madeiras para consumo nas indústrias norte-americanas e européias. o que mostra o aumento da demanda dos recursos florestais nos últimos anos. A área total das plantações florestais cresceu 35% no período de 1990 a 2005. e as principais espécies florestais cultivadas pertencem aos gêneros Pinus e Eucalyptus. Segundo a Sociedade Brasileira de Silvicultura (2007): As plantações florestais representam uma parcela crescente da área florestal total em distintas regiões. Para a FAO (2007).]. entrevista com o técnico responsável pelo empreendimento florestal e tivemos um contato direto com as plantações. Os países com maiores áreas de florestas plantadas no mundo detêm 182 milhões de ha.. [. madeiras para embalagens e ainda comercializar créditos de carbono.3 milhões ha). Existem cerca de 147 milhões de hectares de plantações florestais no mundo. respondem por quase 50% da produção global de madeira.

com decréscimo de 1. A silvicultura brasileira se dá predominantemente por dois gêneros plantados. ocorreram no Rio Grande do Sul. ora fornecendo dormentes para linhas de locomotivas ou carvão para as siderúrgicas ora matéria prima para a polpa celulósica nas indústrias de papel. De 2006 a 2007. constata-se um incremento na área plantada de 318.428 ha. 2008) A tabela 01 apresenta as áreas plantadas com pinus e eucalipto no Brasil durante o período . principalmente de eucalipto. Tudo isso baseado no aprimoramento tecnológico.1% de acréscimo no eucalipto. na década de 60.203 ha. É comum andar pelo Brasil e ver grandes florestas dessas culturas.786 ha em relação a 2006. que só poderá ser atendida pelos florestamentos extensivos de espécies de crescimento rápido. (REMADE. com o objetivo de suprir as necessidades de lenha. Durante o período dos incentivos fiscais. “O Eucalyptus é nativo da Austrália e foi introduzido no Brasil em 1868 no Rio Grande do Sul. [. De acordo com o Anuário Estatístico da Associação Brasileira de Produtores de Florestas Plantadas (2008): As áreas de florestas plantadas com eucalipto e pinus no Brasil totalizaram. Sua comercialização intensificou-se a partir do início do século XX. As diversas etapas da silvicultura brasileira acompanham o desenvolvimento das indústrias.38). acréscimo de 3. Apresenta-se como uma espécie vegetal de rápido crescimento e adaptada para as situações edafobioclimáticas brasileira. postes e dormentes das estradas de ferro na Região Sudeste”. em 2007. como matéria-prima. representando um crescimento de 186. Porém. devido à crescente demanda por madeira. por volta de 1880. que confere ao Brasil destaque internacional tanto na produção da madeira quanto na expedição de um dos melhores papéis do mundo. o que torna essas paisagens bastante familiares. postes e dormentes das estradas de ferro na região Sudeste. 2004). (ABRAF. como o Eucalyptus e Pinus.].560. Pinus e Eucalyptus.4%. Esse período foi considerado um marco na silvicultura brasileira dada os efeitos positivos que gerou no setor. Esses incentivos perduraram até meados dos anos 80. p. Na década de 50 passa a ser produzido. ou seja. 2008). sua expansão foi ampliada... A espécie de Pinus é nativa principalmente da América do Norte e da América Central e as primeiras introduções de que se tem notícia do Pinus canariensis no Brasil. e está presente em quase todos os estados. para fins silviculturais o pinus começou a ser cultivado no Brasil por volta de 1936 (REMADE. para o abastecimento das fábricas de papel e celulose. A Revista da Madeira (2008) informa que: O eucalipto foi introduzido no Brasil em 1904.4% em pinus e 10. Segundo Lima (1993. n. com o objetivo de suprir as necessidades de lenha.4 Acredita-se que este aumento será ainda mais acentuado no decorrer dos anos vindouros. 116. 5.

203 Fonte: ABRAF. Goiandira.050 5. C.880 121.148 701. como: indústrias montadoras de automotores.637 1. Campo Alegre de Goiás. Ouvidor e Três Ranchos.334. Segundo o IBGE (2006).248 143.867 2006 1.808.521 824. indústrias extrativas minerais e .008 222.453 530. Davinópolis.156 habitantes e está dividida em onze municípios: Anhangüera.842km².751.771.932 3.961 813.623 64. Tabela 1 .828 75. estabelecendo ao proprietário o dever de preservar dentro da sua propriedade 20% de vegetação nativa. que regulamenta sobre áreas de Reserva Legal. no caso do Bioma Cerrado.222. Os estados de Minas Gerais e São Paulo possuem a maior área plantada com gênero Eucalyptus e com uma razoável plantação de Pinus.417 Total 2007 1. mas pequenas manchas podem ser encontradas distribuídas no território goiano.279 1. quando comparado com as unidades estaduais citadas acima.037 182. sendo.623 65. concentrando as principais atividades geradoras de renda.Florestas Plantadas com Pinus e Eucalipto no Brasil (ha) – (2006-2007) ESTADO 2006 MG SP PR SC RS GO OUTROS TOTAL 152.269 Pinus 2007 144.437.206.045 1.744 963. Adapt: FIDELIS. STCP 2007.235.409 112. A. torna-se difícil conseguir madeira para uso nas fazendas.209 956. especificamente o Código Florestal Brasileiro LEI Nº 4. Ipameri.393 3.333 365.361 601.372 123.992 181. tanto em Pinus quanto em eucalyptus. O estado de Goiás tem plantações modestas.378 13.336 2006 1083.000 156. visto que boa parte já foi suprimida.245 49. A cidade de Catalão funciona como polo regional.354 808.578 548. Cumari.361.560. A Microrregião de Catalão é uma das 18 microrregiões do estado de Goiás. e a vegetação de Preservação Permanente.119 1. Corumbaíba.045 404. e para atender essas necessidades.908 70.474 686.563 1.373. juntos.250.648 622. fazem pequenas plantações com eucalipto.5 2005 a 2007. Com isso.107 1.824. Nova Aurora. que. possuem uma área total de 15.744 816.245 51.378 14. Paraná e Santa Catarina os líderes em área plantada em todo o território nacional.957 5. Catalão. possui população estimada em 133.148 Eucalipto 2007 1. O pinus concentra-se na porção sudeste do estado goiano e o eucalipto aparece na região norte no município de Niquelândia e também na região sudeste nas cidades de Catalão e Ouvidor.105. Essas pequenas plantações são reflexo das políticas ambientais.070 74.341 184. localizada no sudeste goiano. que recebe destaque nos estados sulinos.549.

(informação verbal)1. durante a desbastagem e corte das toras é produzido um resíduo da madeira. para a produção de madeira para serraria. Ainda. A empresa atende algumas siderúrgicas em Belo Horizonte. que são bastante ocupados pela agricultura moderna. e recentemente iniciou-se testes para o plantio de eucalipto. O grupo possui o setor de reflorestamento responsável por plantar o gênero Eucalyptus para atender sua própria demanda de madeira. Figura 1. a madeira é picotada em forma de cavacos e se tornará carvão para a produção de aço. Ver figura 1. em 11 de novembro de 2008. entre outras. As florestas são plantadas nos municípios de Catalão e Ouvidor.000 ha são de floresta plantada. e para a metalurgia do nióbio.durante entrevista nas dependências da fazenda. Os pinus são cortados com 12 anos acima. As empresas mineradoras do Grupo Angloamerican usam a lenha para alimentar fornos que fornecem calor para a secagem do minério apatítico. Mapa de Cobertura Vegetal – 2008. a nordeste da microrregião. . que nesse caso. milho e pinus. A empresa Vale do Rio Grande é proprietária de mais de 16.000 ha dos quais 12. no abastecimento dos fornos. O empreendimento foi iniciado em 1978. que será utilizado por uma cerâmica local. que atende a demanda dos setores moveleiros e fabricantes de diversos tipos de embalagens. com soja. A silvicultura com pinus se dá nos municípios de Catalão. A microrregião é marcada pelos chapadões. trigo. com os primeiros plantios de pinus na região.Cassiano .6 agricultura. Estas plantações 1 Informação dada pelo Técnico Agrícola da empresa Vale do Rio Grande . Ipameri e Campo Alegre de Goiás.

Segundo Ribeiro e Walter (2008). conhecer o Bioma é fundamental para podermos identificar as mudanças com a introdução silvicultural. O Cerrado. mantém divisa com os outros Biomas . Maranhão. talvez pelo fato de não estarem em áreas contíguas. O Bioma Cerrado ocupava por volta de 23% do território brasileiro. Percebe-se plantios pontuais de eucalipto na região. estão na Microrregião de Catalão. C. com uma área de aproximadamente de dois milhões de km² cobrindo áreas de alguns estados brasileiros: Bahia.600 0 Ipameri 10.000 0 Ouvidor 0 4.370 21.100 260. Lenha Madeira em tora Municípios Carvão Vegetal (ton) (m³) (m³) Campo Alegre de Goiás 1.000 0 ESTADO DE GOIÁS 20. A sociedade questiona. dando destaque para a microrregião dentro do estado. em pequenas “ilhas” no Paraná. Apresenta a alta biodiversidade dos biomas brasileiros. tanto em fauna quanto em flora. Por isso. São Paulo e Tocantins. Pará e Roraima e ao sul. situado no Brasil Central.000 0 Catalão 1.011 935. Analisando-se a tabela 2. como carvão vegetal.000 Davinópolis 0 1. Distrito Federal. grifo dos autores) Os limites desse domínio estratigráfico vão dos paralelos 3º e 24º de latitude sul e 41º e 63º de longitude oeste. Tabela 2 . além dos pontos de concentração das mineradoras e da empresa Vale do Rio Grande.Quantidade e valor da produção na silvicultura.500 Fonte: SEPLAN-GO / SEPIN / Gerência de Estatística Socioeconômica – 2005. FIDELIS. constata-se que 70% da produção de derivados da silvicultura em 2004. Mato Grosso do Sul. na qual o município de mesmo nome e o de Ipameri apresentam as maiores produções. segundo os municípios – 2004. o que significa que a silvicultura está ganhando novas áreas. ou talvez porque a instituição considerar apenas áreas comerciais de florestamento em seus levantamentos.7 de eucalipto não aparecem no mapa do SIEG. Adapt. é necessário conhecer o Bioma Cerrado a fim de compreender os impactos ambientais nesse ecossistema. por estar na porção central do país.900 32. 156.350 350. sendo o segundo maior domínio brasileiro. lenha e madeira em tora. 2008. Minas Gerais. A.000 20. Amazonas. que as plantações florestais estabelecem relação de prejuízo com a natureza. Piauí. Rondônia. Goiás. e também ocorre em áreas disjuntas ao norte dos estados do Amapá. (RIBEIRO E WALTER. Diante dessa abordagem da silvicultura. com inúmeros exemplares de espécies endêmicas. p. Mato Grosso. sem embasamento científico.

Devido à dinâmica do uso do Bioma Cerrado. o bioma sofre com as queimadas que acontecem nos períodos secos sazonais. milho e outras. o Cerrado pode ser definido de acordo com as fitofisionomias. Estudiosos já fizeram algumas definições importantes de Cerrado. 2005. recortada por uma intensa malha hídrica.. 2003. que cada vez mais perdem espaço para a agricultura e pecuária. (AB’SÁBER. por gramíneas coexistentes com árvores e arbustos esparsos. A precipitação média anual chega a 1500mm e é a fonte de recarga de todos os canais fluviais. onde retirou-se toda a vegetação e instalaram-se projetos de agronegócio com imensas monoculturas da soja. 43). Faixas de campos limpos ou campestres sublinham as áreas de cristas quartizíticas e xistos aplainados e mal pedogenetizados dos bordos dos chapadões onde nascem bacias de captação de torrentes dotadas de forte capacidade de dissecação [. 2005. sendo: [. No sudoeste do estado de Goiás está à bacia sedimentar do Paraná. p. Para Ferreira (2003). como uma espécie de fênix dos ecossistemas brasileiros. aos violentos artifícios tecnológicos inventados pelos homens ditos civilizados. 118. sendo corredor ecológico de diversos tipos de animais. grandes áreas de Cerrado foram completamente removidas. sobre um solo ácido e relevo suave ondulado. 43). trigo. zona de recarga do maior aquífero de água doce conhecido no mundo. Ab’Sáber (2005) define o Cerrado a partir de critérios geomorfológicos e também de aspectos fitofisionômicos: [. p. arbustiva e árvores formadas. Não resiste. ...] uma savana tropical constituída por vegetações rasteira. (AB’SÁBER. a vegetação dos cerrados conseguiu a façanha ecológicas de resistir às queimadas. do Paraná e do São Francisco.. O Cerrado brasileiro é tido como o berço das águas brasileiras.]. ou seja. p. Na década de 70 quando o projeto de plantio de florestas foram incentivados e financiados pelo governo brasileiro para atender as industrias de celulose e papel.] o domínio dos cerrados apresenta cerrados e cerradões predominantemente nos interflúvios e vertentes suaves dos diferentes tipos de planaltos regionais. estando em Goiás as nascentes das grandes bacias hidrográficas nacionais: Amazônica. tem uma grande lista de animais em extinção como o Chrysocyon brachyurus (Lobo Guará).. porém. (FERREIRA.. principalmente. englobando os aspectos florísticos e fisionômicos da vegetação. entre outros. Além disso. fator que lhe confere alta biodiversidade. Ab’Sáber (2005) assim define essa situação: Além de conviver com alguns dos piores solos do Brasil intertropical. O Cerrado sofreu uma grande intervenção da agricultura moderna. principalmente nos chapadões. renascendo das cinzas.8 brasileiros. grifos do autor).

redução da velocidade da água das chuvas e também a aumenta a infiltração das águas da chuva. e da mesma forma causa impactos e a perda da biodiversidade é um dos grandes impactos causados. ocupa áreas de antigas pastagens e lavouras. O eucalipto é como outro tipo de árvore consome quantidades de água necessária ao seu crescimento e por este ser rápido o consumo é considerável em função da velocidade do seu desenvolvimento. Assim a perda de solo no cultivo do eucalipto é menor que em outras culturas que deixam o solo exposto no mínimo duas vezes ao ano. ou como acontece recente. Segundo Lima (1993) e Scolforo (2008). prática predominante no meio florestal. (ABRAF. por haver poucas variedades de plantas e animais. 2008). Segundo a ABRAF (2008). suas raízes não ultrapassam 2. e assim foi com o Cerrado brasileiro. podia ter sido feito uma combinação entre o Cerrado e a floresta plantada. isso preserva a microfauna do solo. a ocupação dos solos ácidos.5 metros de profundidade e não conseguem chegar aos lençóis freáticos. que prejudicou a imagem da silvicultura no país. Nas florestas naturais e nas plantadas as copas promovem a diminuição da incidência dos raios solares e da temperatura na superfície do solo. pois não era necessário o desmatamento. milho. Isso mostra que o eucalipto num resseca o solo de forma agressiva como muitos já . possibilitada pelo uso de fertilizantes e corretivos de solo propiciaram que as monoculturas de soja.9 A tecnologia nos diversos setores permitiu ao homem ocupar espaços que antes ele não podia ocupar. As plantações são conhecidas como desertos verdes. sobretudo. como deixar faixas de vegetações nativas o que aumenta a biodiversidade de animais nas florestas. folhas e outros. quase sempre localizados em profundidade bem superiores. No caso dos plantios de clones. se instalassem nos Latossolos do Cerrado. os grandes empreendimentos têm repensado novas formas de plantar. Junto com isso a modificação genética das mudas tem feito a raiz crescer menos. e também diminuir o adensamento das árvores para que haja espaço para surgimento de plantas para a formação dos sub-boques. de um modo geral. Estudos comprovam que a água disponível para o crescimento do eucalipto é proveniente. solos degradados. A introdução do eucalipto no Bioma Cerrado foi mal planejada e com manejo inadequado e isso causou sérios impactos ambientais. da camada superficial do solo. normalmente. A serrapilheira protege o solo contra a compactação. A eucaliptocultura é uma monocultura como as outras. erosão pluvial. Inicialmente era retirada da vegetação nativa para dar lugar ao eucalipto. eucalipto e outras. Nutrientes são incorporados ao solo através da matéria orgânica oriunda de galhos.

Entendemos que a prática da silvicultura modifica o ecossistema em que foi inserido. o uso de técnicas como terraceamento. no Brasil. entre outros aspectos físicobióticos. entre outras. Equador. Mas. combustível fóssil. porém. a partir dele podemos identificar melhor a área de ocupação da silvicultura na microrregião de Catalão. Isso pode ser explicado pela qualidade dos solos. consorciação de culturas. Rússia e EUA. fechando os estômatos e diminuindo a transpiração. mas principalmente pela proximidade do paralelo zero. nem de algumas áreas pontuais. Pesquisador como Scolforo (2008) afirma que. absorvendo quantidades consideráveis de CO2 e liberando O2. faixas de vegetação nativa. Fizemos considerações sobre o Bioma Cerrado. O uso do bicombustível. Possui apenas 3% do comércio mundial. enquanto nos períodos secos. 2008). Scolforo (2008) diz que a produtividade do eucalipto no Brasil é seis vezes mais do que em outros países. com um custo de produção três vezes menor. A retirada da água pela planta é maior nos períodos úmidos. que é energia renovável. município de Catalão. carvão vegetal. Culturas com cana-de-açúcar e café consomem a mesma quantidade de água. disponibilidade de água. a silvicultura tem contribuído e muito para minimizar os danos climáticos que nosso planeta tem sofrido. são formas de minimizar os impactos negativos da perda . o eucalipto consome menos água. que sofrem maior impacto do plantio de florestas de rápido crescimento. em Goiás e na Microrregião de Catalão. não libera gases de efeito estufa como o carvão mineral. Dessa forma. próximas às cidades de Catalão e Ouvidor. A adaptação do mapa da cobertura vegetal da microrregião permitiu-nos avançar na pesquisa. dos solos e da cobertura vegetal nativa. 4 Considerações finais Foram levantados dados gerais sobre a silvicultura no mundo. Estudos em florestas homogêneas de eucalipto comprovaram que não há efeito adverso no regime das águas. essas florestas plantadas contribuem para a diminuição do aquecimento global. que garante luz solar o ano todo. espaçamento entre as árvores. Em função disso. Os solos do Cerrado são profundos e consegue armazenar quantidades de água suficientes para o desenvolvimento da planta. esse mesmo mapa não traz as plantações de florestas de eucalipto do Grupo Angloamerican. próximas ao Distrito de Pires Belo. nas quais se atentou para as questões dos recursos hídricos. a poder superar o eucalipto e o pinus. (Scolforo. tem uma área relativamente pequena quando comparado com países líderes: China.10 afirmaram sem embasamento teórico. Índia.

2008. ed. FOOD AND AGRICULTURE ORGANIZATION OF THE UNITED NATIONS.11 de biodiversidade e perda de solo. 2003. setembro. PERES..org. 242 f.sbs. Disponível em: < http://www.br/pt/revista. T. Rome.br/FatoseNumerosdoBrasilFlorestal.abraflor. p. M. O afogar das veredas: uma análise comparativa espacial e temporal das Veredas do Chapadão de Catalão (GO). 2008. 1993. FAO. mas de um modo que seja garantida a sustentabilidade no ecossistema em que está inserido. Brasília: Embrapa informações tecnológicas. 3. 2007. 2008. Essas funções de seqüestrar carbono e energia renovável são os impactos positivos que o eucalipto e o pinus causam na natureza. Por outro lado. Universidade Estadual Paulista. Disponível em: <http://www. Acessado em: 22 out. A sociedade necessita dos produtos florestais. In: SANO. Ano base.com. LIMA. 2008. FERREIRA. 72p.fao. O mundo Eucalipto: os fatos e mitos de sua cultura. 90 p. E a madeira reflorestada é uma grande fonte de energia renovável. S. diminui a concentração desse gás de efeito estufa. WALTER. 116. J. J. 109 p. Espécie de uso múltiplo de Eucalipto. 2008. 302 p. J. W. 2008. ALMEIDA. n. tornar-se-á possível usarmos o meio natural de forma ecologicamente equilibrada. I. 2007. SCOLFORO. São Paulo: Ateliê.org/forestry/sofo/en/>. Rio de Janeiro: Mar de Idéias.php>. F. RIBEIRO. A. M. ed. Anuário estatístico. ou seja. 2. P. S. São Paulo: Edusp. Brasília. Brasília. 2003. The state of world’s forests 2007. ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE PRODUTORES DE FLORESTAS PLANTADAS. São Paulo. Rio Claro. 2008. 152–212. Para isso.br/estatisticas. P. Tese (Doutorado em Geografia) .org. Cerrado: ecologia e flora. não paginado. 2005. Disponível em: <http://www. acessado em: 19 set. RIBEIRO. Revista da madeira. ABRAF. N. Impactos ambientais do eucalipto. . Fatos e números do Brasil florestal. R. Acessado em: 30 nov. 2008. M. o uso do manejo adequado e de práticas ecológicas. as plantações de florestas tem sido um aliado contra o aquecimento global.asp>.. Acessado em: 16 set. REFERÊNCIAS AB’SÁBER. 144 p. R. Disponível em <http://www. SOCIEDADE BRASILEIRA DE SILVICULTURA. F.pdf>. As principais fitofisionomias do bioma Cerrado.Instituto de Geociências e Ciências Exatas. 160 p. As árvores são um tipo de sequestradores de carbono da atmosfera. na forma de carvão vegetal. por isso é necessário ver o eucalipto e o pinus como uma forma de atender as demandas sociais. fevereiro. B. Os domínios da natureza no Brasil: potencialidades paisagísticas. 2008. SBS.remade.