Entre o ‘pagamos e depois logo se vê’ e o ‘não pagamos até ver’, vai uma grande distância O Bush invadiu

o Iraque argumentando que havia armas de destruição massiva, não se preocupando em apresentar provas; afinal não havia e o povo iraquiano PAGOU e caro pelo que não devia; e não consta que será indemnizado. Se um banco ou alguém me apresentar uma conta ou uma factura eu só pago se não tiver dúvidas sobre as razões da dívida e sobre os montantes exigidos; se tiver, exijo comprovativos pois, sem isso nem um cêntimo desembolso. Aliás, se pagar levianamente, isso é a assunção de reconhecimento da dívida e não parece que uma reclamação posterior junto dos tribunais seja solução prática. Por outro lado, quando se fala do Equador como procedimento exemplar, sabe-se que os bancos credores só cederam perante uma posição de força do Correa. E ele disse, “não pagamos enquanto auditamos a dívida”; e depois de ter descoberto as vigarices e as renegociações mais ou menos impostas e consentidas pela oligarquia anterior ao Correa, obrigou os bancos a cederem e “esquecer” parte substancial da dívida. É claro que nas condições actuais em que temos um governo gerido por um gauleiter da Frau Merkel, qualquer esforço de auditoria pode trazer pontualmente aspectos indiciadores de trafulhices; as ppp, as obras a mais, etc. Mas uma coisa é indícios, outra é comprovativos; e mesmo perante comprovativos, sabemos todos o respeito que há por aqui sobre as leis, mesmo constitucionais e a qualidade do funcionamento da máquina judiciária. Por isso costumo chamar a “isto” a que ainda se designa por Portugal, uma cleptocracia. A dívida é a parte mediática e visível de um grande iceberg que se chama Estado português. E este está inserido num capitalismo global, numa tradição lusa de canibalização por parte de um patronato nativo inepto e ignorante, numa simbiose Estado-capitalistas muito mais avançada hoje, do que décadas atrás. E apontar exclusivamente para a dívida e esquecer o funcionamento global desse Estado, o papel do corrupto mandarinato, a opacidade sistémica que lhe é inerente não trará grandes resultados. Ou melhor, terá, pois ocultará que o problema aqui é o sistema e não a crise da divida. É evidente que na esquerda portuguesa há uma errónea ideia de que “o Estado somos nós”, quando de facto o Estado “são eles” que estão, por sistema, contra nós

Grazia.tanta@gmail.com

21/12/2011

1

Outro aspecto interessante são as declarações desastradas do José Gusmão e da Ana Benavente quando referem que a auditoria será terminada dentro de seis meses. Querem afirmação mais descredibilizante? Não acredito que tenha sido por ignorância. Porque será? 21/12/2011 FB do IAC

Grazia.tanta@gmail.com

21/12/2011

2

Sign up to vote on this title
UsefulNot useful