SESSÃO V: DIRETRIZES PARA A ELABORAÇÃO DE

INDICADORES DE CUSTOS NO GOVERNO FEDERAL
Palestrante: Lino Martins da Silva Prof. LD. Programa de Mestrado da UERJ

Rio de Janeiro, 07 de outubro de 2011.

COMO ENTENDEMOS AS NECESSIDADES DO GOVERNO FEDERAL

• Carência de mecanismos que permitam a identificação das diversas potencialidades de uso das informações de custos; • Ausência de instrumentos que permitam a identificação dos objetos de custo. • Ausência de diretrizes para disseminação da cultura de custos na Administração Pública Federal;

Como. Quem. O que? OBJETIVOS • Custo p/indicador/produto • Avaliação de desempenho • Análise custo-benefício •Otimização dos recursos Quanto custou? OBJETIVOS • Avaliação dos Estoques • Balanços • Orçamentos e Preços . Quando.UMA QUESTÃO PRELIMINAR: Contador de Custos x Analistas de Custos O CONTADOR DE CUSTOS Pergunta: O ANALISTA DE CUSTOS Pergunta: Porque Custou? Onde.

Benchmarking .POSTULADOS DA GERÊNCIA ESTRATÉGICA DE CUSTOS Plano estratégico Plano plurianual Plano operacional PREVISÕES Plano de investimentos Plano financeiro Diretrizes orçamentárias Orçamento Anual De investimentos Fiscal Seguridade Social CONTABILIDADE REALIZAÇÕES GERAL CUSTOS CONTROLE ORÇAMENTÁRIO FERRAMENTAS ÚTEIS -Análise estatística -Reingenharia -Análise de valor .

. ele ainda estava vivo”!!!!! .. Colocar sinais de trânsito Patrulhar florestas Limpar o mato Colocar fiscais.. Passar certidões Ministrar aulas Escrever à máquina. Certidões entregues num prazo de x.. x% em n tempo Número de páginas datilografadas Jacques de la Palisse.. OBJETIVOS UTILIZADOS (LA PALISSÉ) Patrulhar estradas. OBJETIVOS CONCRETOS Acidentes reduzidos em x %. Alunos alfabetizados.. nobre militar francês que sempre falava o óbvio e frases sem sentido lógico: “Um quarto de hora antes de sua morte. Incêndios reduzidos em x %..Exemplos de objetivos concretos X Objetivos à La Palissé (1).. Fiscalizar velocidade.. em n tempo. em n tempo..

Facilidade de compreensão.Requisitos a serem seguidos na construção dos indicadores. Concentração nos aspectos essenciais (seletivo). de cálculo e de uso (simplicidade). Representativo do fenômeno observado (cobertura). .

Requisitos a serem seguidos na construção dos indicadores. manutenção e disponibilização . Baixo custo de geração. acessibilidade e disponibilidade das informações para seu cálculo. em qualidade adequada e em tempo útil. Existência. Estabilidade conceitual dos componentes do indicador e do próprio indicador.

. . mas não disponíveis imediatamente. . Objetos de Custeio .Desenvolvidos por terceiros.Subordinação administrativa .Recursos Humanos .Sob gestão do setor Insumo Insumo Produto Produto . . .Chefia .II SEMINÁRIO DO SISTEMA DE CUSTOS DO GOVERNO FEDERAL: ANÁLISE E AVALIAÇÃO DAS INFORMAÇÕES DE CUSTOS MAPEAMENTO DOS PROCESSOS – CONHECENDO O NEGÓCIO Principais atribuições . mas não disponíveis em sistema .Subordinação técnica .Informações existentes em sistema. Fornecedor interno Fornecedor externo Cliente interno Cliente externo .Possibilidade de comparação de custos com outras entidades (Benchmarks) .Servidores de outros órgãos à disposição do setor.Setores segundo os níveis na estrutura.Materiais .Necessários Organograma e quadro de pessoal (quantidades) Processos de negócio Sistema de informações Indicadores de desempenho e/ou de custos.Servidores à disposição de outros órgãos .Planejamento e Administração dos recursos financeiros.Informações necessárias.Usos de informática .Desenvolvidos pela própria área.Atuais .Atuais .Sistemas necessários. .Necessários .

Identificação da necessidade de novas metas. Implantação de mudanças para realinhamento do desempenho. Identificação da necessidade de ações corretivas. Definição dos objetos de custos Determinação dos indicadores de custos. Identificação de responsáveis para cada etapa do processo de mensuração. Estabelecimento de metas para cada atividade. .Etapas de um sistema de avaliação Identificação de atividades a serem medidas.

METODOLOGIA PARA CONSTRUÇÃO DE INDICADORES Identificar as atividades Conhecer os atributos de qualidade Conhecer os objetivos O que espera o cidadão ? O que esperam os gestores ? Conhecer as necessidades de informação Seleção de indicadores Idoneidade. facilidade Adequação aos objetivos Ciclo dos processos Referencias internas e externas Formalização do sistema de indicadores Técnicas de BSC Informação para os Subsídios para gestores Prestação de contas . utilidade.

ATIVIDADES A SEREM DESENVOLVIDAS Orientação metodológica para a construção dos indicadores: – Indicadores de resultado – Indicadores de processo – Indicadores de estrutura. . Adoção de um cardápio terminológico.

ATIVIDADES A SEREM DESENVOLVIDAS • QUESTÕES BÁSICAS: – – – – Para que serve a atividade ou programa? O que se deseja medir (seleção de prioridades) Qual o impacto das informações na gestão do negócio? Sob quais perspectivas se deseja analisar e avaliar os custos (comparabilidade)? – Quais os principais usuários da informação? – Qual a periodicidade desejada para obter as informações? .

QUE AGREGAM VALOR Aumentam o valor dos produtos e serviços perante os olhos do cliente de acordo com as metas da organização .CUIDADOS NA CONSTRUÇÃO DOS INDICADORES Atividades Criam resultados e consomem recursos QUE NÃO AGREGAM VALOR Atividade que pode ser eliminada. Não afeta a qualidade e a Eficácia da atividade Desenvolvida.

II SEMINÁRIO DO SISTEMA DE CUSTOS DO GOVERNO FEDERAL: ANÁLISE E AVALIAÇÃO DAS INFORMAÇÕES DE CUSTOS Metas Estratégicas Unidade Administrativa/ Gestora/ Centro de Custos Entidade/ Programa Custos Atividades Programa Custo por ação Custo por produto ou serviço População Atendida Indicadores .

Outros custos diretos INDICADORES QUALITATIVOS •Taxa de frequencia à escola da população na faixa etária de 0 a 3 anos (%) •Taxa de frequencia bruta no ensino médio (%) •Taxa de frequencia liquida a préescola da população na faixa etária de 4 a 6 anos.II SEMINÁRIO DO SISTEMA DE CUSTOS DO GOVERNO FEDERAL: ANÁLISE E AVALIAÇÃO DAS INFORMAÇÕES DE CUSTOS MINISTÉRIO VISÃO ORÇAMENTÁRIA Pessoal Material Serviços Outros OBJETO DE CUSTOS (Brasil escolarizado) VISÃO DE CUSTOS Custos de materiais Custos de mão de obra Custos de serviços contratados. INDICADOR DE CUSTOS INDICADORES QUANTITATIVOS •Total de alunos Matriculados •Total de livros distribuídos para educação básica •Total do material e Livros didáticos para ensino fundamental .

DIMENSÕES DE UM SISTEMA DE CUSTOS Entidade .Função – Programa – Projeto .Produto Nível • • • • Custo pleno ou integral Custo de produção Custo de distribuição Custo de administração •Custos completos • Custos parciais • Custos Diretos e Variáveis •Custo real/Custo histórico • Custo pré-determinado • Custo padrão. .

missão. Envolvimento e participação dos servidores Capacidade para reestruturar o serviço de atendimento.Fazer benchmarking em outras entidades Implementar e gerenciar um projeto piloto Capacidade para vencer o obstáculo da burocracia .AVALIAÇÃO DAS INFORMAÇÕES DE CUSTOS Fatores-Chave do Sucesso Comprometimento com o processo de mudança. orientado para o cliente. metas e objetivos Indicadores de desempenho mensuráveis .

. PATRICK Gibert. Les Editions D`Organisation (coleção Management Public). critica sobretudo o método dos custos completos por conduzir a “resultados de difícil utilização”. Le Contrôle Dans Les Organisations Publiques. Ed.AVALIAÇÃO DAS INFORMAÇÕES DE CUSTOS MENSAGEM FINAL SOBRE CUSTOS NO SETOR PÚBLICO Patrick Gibert depois de observar que “a precisão dos valores obtidos é falaciosa. já que a confiabilidade das regras de repartição dos custos é limitada”.

Tese apresentada à Faculdade de Economia. . 1991. Ed. September 2000. SILVA. Iberê .. AID.Do Controle Financeiro e Orçamentário. GAO – Government Accountability Offi ce – USA – GAO Cost Estimating and Assessment Guide. Rio de Janeiro. Rio de Janeiro.Agência para o Desenvolvimento Internacional.SIMAFAL. CONTRIBUIÇÃO AO ESTUDO PARA IMPLANTAÇÃO DE SISTEMA DE CUSTOS NA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA. IFAC . Sistema de Informações de Custos Diretrizes para Integração ao Orçamento Público e à Contabilidade Governamental. Artigo premiado com o 2º lugar no concurso de monografias da Secretaria do Tesouro Nacional e que teve por base a tese de Livre Docência defendida na Universidade Gama Filho. Le controle de gestion dans lês organisations publiques. dezembro de 2002. Marche 2009. Study 12. Nelson. e TAYLOR. Les Editions d`organization (coleção “Management Public). Tradução de Carlos Kronauer. GILSON. Fundação Getúlio Vargas. Washington. NAO – National Audit Offi ce – UK. GILBERT. Measuring the Performance of Government Departments. Graeme M. MACHADO. Administração e Contabilidade da USP. Harley H. Orçamento Programa e análise de custobenefício: casos. Patrick.International Federation of Accountants. March 2001. Revista da Inspetoria Geral de Finanças.AVALIAÇÃO DAS INFORMAÇÕES DE CUSTOS REFERENCIAS BIBLIOGRÁFICAS AID . 1974. Modelo de Administração Financeira. mar/abril de 1974 HINRICHS. textos e leituras. Lino Martins da. Perspectives on Cost Accounting for Government. Controle e Auditoria . Sistema Integrado.

AVALIAÇÃO DAS INFORMAÇÕES DE CUSTOS MUITO OBRIGADO Contactos: E-mail: lino.martins@gmail.com/ .com Blog: http://linomartins.wordpress.

Sign up to vote on this title
UsefulNot useful