0544 - p291 - 112

Apendices: - Cancioneiro Infantil (que vai seguir com - Contos e Lendas - Provérbios - Cancioneiro Religioso
Cancioneiro de Serpa 112

CANCIONEIRO DE SERPA - De Maria Rita Ortigão Pinto Cortez - Edição do Município de Serpa, 1944

0544 - p293_112 Apêndice 1 - Cancioneiro Infantil Cancioneiro de Serpa 112

CANCIONEIRO DE SERPA - De Maria Rita Ortigão Pinto Cortez - Edição do Município de Serpa, 1944 Pode ler as notas da autora: http://www.joraga.net/gruposcorais/pags09_pautas_09_CSerpa_MRitaOPC/0544_CdeSerpa _MRitaCortez_p295_112_1infantil_nota.htm e ler lengalengas http://www.joraga.net/gruposcorais/pags09_pautas_09_CSerpa_MRitaOPC/0544_CdeSerpa _MRitaCortez_p297_112_1lengas.htm

Apendice 1 - Cancioneiro Infantil

0545 - p298 - 113 A Viscondessa Cancioneiro de Serpa 113

A Viscondessa
CANCIONEIRO DE SERPA - De Maria Rita Ortigão Pinto Cortez - Edição do Município de Serpa, 1944

113 A Viscondessa - Vim aqui à Viscondessa (Viscondensa) ensinar língua francesa, que a Senhora Viscondesa dá-me uma das suas filhas! - Eu não dou as minhas filhas, nem por ouro, nem por prata, nem por fios de algodão! Ai, tão lindas que elas são!

- Tão alegre como eu vinha, tão triste que agora vou! A Senhora Viscondessa prometeu-me e faltou! - Volta atrás, ó cavaleiro, Se queres ser homem de bem! Vai àquele conventinho, e escolhe uma para teu bem! - Não quero esta por ser rosa, nem esta por ser um cravo, nem esta por ser jasmim, Só quero esta cá pra mim!

Pode ver outras versões em diversos trabalhos e uma obra de joraga em: http://www.joraga.net/gilvicente/pags/condessa.htm e uma recolha em 42 páginas – ../obras_condessaAragao_42p_2010.pdf

0546 - p302 - 114 Floreira, Jardineira Roda infantil Cancioneiro de Serpa 114

Floreira, Jardineira - Roda infantil
CANCIONEIRO DE SERPA - De Maria Rita Ortigão Pinto Cortez - Edição do Município de Serpa, 1944

114 Floreira, Jardineira - (Roda infantil)

- "Feloreira", jardineira, - "Feloreira", jardineira, o que andas a vender? o que andas a vender? - Vendo cravos, vendo rosas, Vendo cravos, vendo rosas, raminhos de mal-me-quer! raminhos de mal-me-quer! Indo eu p'r aqui abaixo, à procura dos amores, encontrei uma laranjeira carregadinha de "felores".

Sentei-me debaixo dela para o Sol não me crestar. Era meio-dia em ponto, Rouxinol 'stava a cantar. - Rouxinol, que tão bem cantas, quem te ensinou a cantar? - No palácio da Rainha, onde o Rei vai passar! A Rainha foi à fonte, eo Rei vai para o lagar, apanhar conchinhas de oiro para o Infante brincar!

0547 - p304 - 115 Na Botica Nova Cancioneiro de Serpa 115

Na Botica Nova
CANCIONEIRO DE SERPA - De Maria Rita Ortigão Pinto Cortez - Edição do Município de Serpa, 1944

115 Na Botica Nova Na botica nova lá no boticário, canta o pintassilgo, responde o canário. Responde o canário, do alto castelo: - Além vem meu bem, de fato amarelo! De fato amarelo, de fato alvadio. Além vem meu bem, descendo o navio! Descendo o navio, vai para a estação. Além vem meu bem, apertar-me a mão!

0548 - p306 - 116 Olha a borboleta Cancioneiro de Serpa 116

Olha a borboleta
CANCIONEIRO DE SERPA - De Maria Rita Ortigão Pinto Cortez - Edição do Município de Serpa, 1944

116 Olha a borboleta Olh'à borboleta que se atira ao ar! Olh'à borboleta que se atira ao ar! A menina Bia (ou outra) (A m'nina Guadalupe) não se quer casar! Não se quer casar, quer morrer donzela. Não se quer casar, quer morrer donzela. Quer levar à cova palmitos e capela!

0549 - p308 - 117 Rosa branca ao peito Cancioneiro de Serpa 117

Rosa branca ao peito
CANCIONEIRO DE SERPA - De Maria Rita Ortigão Pinto Cortez - Edição do Município de Serpa, 1944

117 Rosa branca ao peito

Rosa branca ao peito a todos 'stá bem! Rosa branca ao peito a todos 'stá bem! À menina Anazinha (Nita ou outra), olaré Melhor que ninguém! Melhor que ninguém, por dentro ou por fora Melhor que ninguém, por dentro ou por fora O menino Domingos (ou outro), olaré! Quem ela namora! Quem ela namora, quem ela namorou. Quem ela namora,

quem ela namorou. Ao sair da escola, olaré, a mão lhe apertou. A mão lhe apertou, a mão lhe apertaria. A mão lhe apertou, a mão lhe apertaria. Ao sair da escola, olaré, o que mais seria! Cinco senhoras é um altar cheio, duas de cada lado e uma no meio!

Para ver e ouvir AQUI - Músicas da Carochinha 3 [18] Rosa branca ao peito http://www.youtube.com/user/childrenvideos - http://www.youtube.com/watch?v=S_RQQc5tW38

0550 - p310 - 118 Ó Senhora Dona Anica Cancioneiro de Serpa 118

Ó Senhora Dona Anica 118 Ó Senhora Dona Anica Ó Senhora Dona Anica, A criada lá de cima venha abaixo ao seu jardim! é feita de papelão! Ó Senhora Dona Anica, A criada lá de cima venha abaixo ao seu jardim! é feita de papelão! Para ver as costureiras* Quando vai fazer a cama a fazer assim, assim! (mímica) diz assim para o patrão: Ó Senhora Dona Anica, venha abaixo ao seu jardim! Ó Senhora Dona Anica, venha abaixo ao seu jardim! Para ver os passarinhos a fazer rechi(u), chi(u), chi(u)!
CANCIONEIRO DE SERPA - De Maria Rita Ortigão Pinto Cortez - Edição do Município de Serpa, 1944

- Sete e sete são catorze, com mais sete são vinte e um. - Sete e sete são catorze, com mais sete são vinte e um. Tenho sete namorados e não gosto de nenhum!
*lavadeiras / sapateiras / cozinheiras / alfaiatas / ...

Ver e ouvir AQUI - Músicas da Carochinha 3 [11] Senhora Dona Anica http://www.youtube.com/user/childrenvideos http://www.youtube.com/watch?v=gMJNdxRaNWQ

0551 - p312 - 119 Diga lá, minha menina! Cancioneiro de Serpa 119

CANCIONEIRO DE SERPA - De Maria Rita Ortigão Pinto Cortez - Edição do Município de Serpa, 1944

Diga lá, minha menina! 119 Diga lá, minha menina!

- Menina, que sabe ler, vamos lá a passear! (ou) também sabe soletrar! - Menina, que sabe ler, vamos lá a passear! (ou) também sabe soletrar! Diga lá, minha menina: quantos peixes há no mar?

- Quantos peixes há no mar? 'inda lá não fui ao fundo! - Quantos peixes há ni mar? 'inda lá não fui ao fundo! - Diga lá, minha menina: quantos homens há no mundo? - Quantos homens há no mundo? todos tiram o chapéu! ou quantos tiram o chapéu! - Quantos homens há no mundo? todos tiram o chapéu! ou quantos tiram o chapéu! - Diga lá, minha menina: quantos anjos há no céu? - Quantos anjos há no céu? 'inda lá não fui acima! - Quantos anjos há no céu? 'inda lá não fui acima! - Diga lá, minha menina: quantos gomos tem a lima? - Quantos gomos tem a lima? Tem tantos com'ó limão! - Quantos gomos tem a lima? Tem tantos com'ó limão! - Diga lá, minha menina, da raiz do coração!

0552 - p314 - 120 As pombinhas da Catrina Cancioneiro de Serpa 120

As pombinhas da Catrina
CANCIONEIRO DE SERPA - De Maria Rita Ortigão Pinto Cortez - Edição do Município de Serpa, 1944

120 As pombinhas da Catrina As pombinhas da Catrina Ao passar da ribeirinha, andaram de mão em mão. pus o pé, molhei a meia. As pombinhas da Catrina Não casei na minha terra, andaram de mão em mão. fui casar em terra alheia. Foram ter à Quinta Nova, Fui casar em terra alheia, ao pombal de São João. podendo casar na minha. Foram ter à Quinta Nova, Pus o pé, molhei a meia, ao pombal de São João. ao passar da ribeirinha. Ao pombal de São João, Ao passar da ribeirinha, à quinta da Roseirinha. água sobe e água desce. Ao pombal de São João, Dei a mão ao meu amor, à quinta da Roseirinha. antes que ninguém soubesse. Minha mãe mandou-me à fonte, e eu parti a cantarinha! Se tu és o meu amor, Minha mãe mandou-me à fonte, dá-me cá os braços teus! e eu parti a cantarinha! Se não és o meu amor, vai-te embora, adeus, adeus!
Para ver e ouvir AQUI - Músicas da Carochinha - 14 - As Pombinhas da Catrina http://www.youtube.com/user/childrenvideos - http://www.youtube.com/watch?v=AgSTBwEwjt8

O Cancioneiro de Serpa segue com: 0554 - p357 - 122 Cancioneiro Religioso Cancioneiro de Serpa 122

Ver nptas da Autora http://www.joraga.net/gruposcorais/pags09_pautas_09_CSerpa_MRitaOPC/0554_CdeSerpa_MRitaCorte z_p357_122_cReligioso.htm Recolha, organização, digitalização e reescrita de www.joraga.net – 2012 01

Sign up to vote on this title
UsefulNot useful