You are on page 1of 18

31º ENCONTRO ANUAL DA ANPOCS

22 A 26 DE OUTUBRO DE 2007, CAXAMBU, MG


ST 33 TEORIA SOCIAL: A ATUALIDADE BRASILEIRA

Sociedade civil internacional: um conceito incipiente de uma realidade já tardia, ou,

Esboço para uma idéia de Associativismo Transnacional

Luciana Maria de Aragão Ballestrin


Sociedade civil internacional: um conceito incipiente de uma realidade já tardia, ou,

Esboço para uma idéia de Associativismo Transnacional1

Luciana Ballestrin2

Desde as duas últimas décadas, as Ciências Sociais têm investido em uma exaustiva pro-

dução acadêmica sobre o processo de globalização. O termo, inclusive, prestou-se a decretar uma

série de “fins” no discurso deste campo científico: das ideologias, dos totalitarismos, dos Estados-

Nação, dos particularismos e, para alguns, da própria História.

A novidade que a identificou como um fenômeno, portanto distinto dos outros registros já

conhecidos de internacionalismo das relações humanas e de troca, foi a alteração das noções de

tempo e espaço para a compreensão das formas de sociabilidade política, cultural, econômica e

científica. Em outras palavras, o que fez e faz da globalização um processo histórico singular,

multidimensional e assimétrico em sua manifestação é o recrudescimento da freqüência, intensi-

dade e abrangência dos fluxos legais ou ilegais de pessoas, bens, serviços, capitais, tecnologias,

discursos e informações.

A constante hibridização entre o nacional/internacional, o interno/externo, o local/global e

a crescente interdependência do mundo impuseram ao alcance explicativo de muitas interpreta-

ções sociológicas clássicas novos desafios epistemológicos no que tange à reavaliação de seus

paradigmas teóricos, parâmetros metodológicos, categorias conceituais e projeções normativas. A

necessidade dessa readaptação tornou inadequada a persistência do que Beck (2004, 139) chamou

de “nacionalismo metodológico”.

1
Versão preliminar. Contribuições serão muito bem-vindas. E-mail: <luballestra@gmail.com>.
2
Cientista Social e Mestre em Ciência Política pela UFRGS; Doutoranda em Ciência Política no DCP/UFMG.
No afã de responder prontamente a esse cenário, conceitos formulados a partir de uma

perspectiva empírica nacional, passaram a ser transpostos para o plano global em um movimento

deslocado das teorias originárias. Não raro, foi observada a agregação indiscriminada dos termos

global, internacional, mundial ou cosmopolita junto a diversas categorias caras especialmente à

Ciência Política, notadamente as de política, cidadania, esfera pública, democracia, governança,

opinião pública e sociedade civil. Para alguns interlocutores, este redirecionamento epistemológi-

co constituiu um exercício precipitado e, sobretudo, não autorizado, uma vez que tais acepções

foram aterritorializadas, e, por conseguinte, isoladas de seus correspondentes taxonômicos ou

equivalentes sistêmicos.

Nesse debate, o conceito de sociedade civil global3 ganhou centralidade posto que permite

pensar os outros, já que se trata de sujeitos potencialmente transformadores em ação. Como as

idéias de globalização e governança, a noção de uma sociedade civil mundial também se encontra

em disputa na dinâmica reflexiva dos atores que compõem a realidade e fazem a teoria. A junção

normativa entre elas irá desembocar em diferentes noções de governança global, que em muito

revela os rumos do pensamento democrático para o século XXI e a postura do intelectual nos

seus papéis de autor e ator.

Por esta razão, o objetivo central deste texto é o de enfrentar a discussão teórico-

normativa em torno da idéia de sociedade civil mundial para posteriormente abrir mão desse con-

ceito em detrimento do que aqui será proposto como “associativismo transnacional”.

3
As expressões sociedade civil global, mundial, internacional ou transnacional serão aqui utilizadas como sinônimos
em um primeiro momento para descrever a atuação de atores individuais ou coletivos, cuja mobilização e reivindica-
ções não se restringem ao âmbito do Estado-Nação no qual nasceram ou vivem, tais como movimentos sociais glo-
bais, organizações não-governamentais (ONG’s), redes cívicas transnacionais, think thanks, etc.
II

A década de noventa foi por excelência a da descoberta da sociedade civil enquanto cate-

goria analítica passível de verificação empírica nos contextos nacionais. A idéia de descoberta - e

não de “reavivamento” ou “ressurgimento” como grande parte da literatura especializada indica -

imprime a novidade no tratamento deste ator e nos contornos modernos que o mesmo assumiu.

Em outras palavras, é a primeira vez na curta história da Ciência Política que a sociedade civil é

tratada como um objeto científico e não filosófico - como o fez primeiramente Aristóteles4. De

modo que, um olhar retrospectivo para a história recente do século vinte, possa sugerir formatos

de sociedade civil não tão anacrônicos ao argumento do “novo” que hoje se sustenta5. Todavia, a

globalização foi o elemento que imputou essa novidade ao criar uma situação inédita para a soci-

edade civil, no que pese seu papel na modernidade como ator político.

O (re)nascimento da sociedade civil a partir da década de setenta foi simultâneo nos con-

textos do Leste Europeu e da América Latina, não obstante a ausência de um intercâmbio de idéi-

as (KALDOR, 2003). O ponto similar deste fenômeno é encontrado na contraposição ao Estado,

este enquanto representante de regimes militares ditatoriais e totalitários, respectivamente (Ibid.,

e COSTA, 2003). Considerando que a polissemia do termo “civil” no seu binômio com a idéia de

sociedade é construída pela realidade e pela teoria em diferentes contextos históricos, em ambos

casos a idéia de “sociedade civil” adquiriu um significado de transformação contraposto à idéia

4
Kaldor (2003, 584), lembra que “a sociedade civil é um conceito moderno, embora como todas grandes idéias polí-
ticas, possa ser remontada a Aristóteles. (...). Você pensa que teve uma idéia nova e quase invariavelmente alguém já
teve antes de você - comumente, Aristóteles” (!) (Tradução Livre).
5
A idéia de ressurgimento pode ser interpretada de várias maneiras, sendo a mais pronta delas uma noção de algo
estava morto e simplesmente reviveu. É preciso lembrar que pelo menos desde os dois últimos séculos, a sociedade
civil se manifestou em diferentes lugares, sob diferentes formas e com diferentes objetivos e nesse passado recente
não se procurou explicar tão sistematicamente o fenômeno como agora. Outrora, a linguagem se referia aos novos
movimentos sociais e à ação coletiva. De Hegel e Tocqueville, passando por Gramsci e Habermas, a sociedade civil
esteve de alguma forma presente não só na teoria política como no mundo. Na Ciência Política, trata-se de uma
descoberta.
de revolução nessas ordens democráticas emergentes6. Dessa idéia, derivam-se outras a respeito

da caracterização moderna da sociedade civil: o distanciamento da violência e da tomada do po-

der do Estado; o “fetiche de autonomia” (SANYAL apud KOSLINSKI, 2006) para preservar sua

autolimitação na estrutura que a distingue do Estado e do mercado7; as idéias de auto-organização

e autodeterminação; a busca pelo consentimento e entendimento pelo diálogo livre e racional; e,

finalmente, o círculo virtuoso estabelecido com a idéia de democracia.

Uma substantiva produção acadêmica sobre sociedade civil pode ser então observada nos

Estados Unidos, na Inglaterra e na América Latina, principalmente no Brasil, onde as particulari-

dades do comportamento desse ator no que tange sua relação com o Estado fomentaram uma a-

genda de pesquisa original - qual seja, a dos estudos sobre Democracia Participativa8.

Por sua vez, os trabalhos sobre “sociedade civil internacional” basicamente surgiram sob a

ótica de duas perspectivas disciplinares diferentes: uma que rompe com o mainstream neo-

realista/utilitarista das Relações Internacionais e outra que a trata enquanto manifestação da po-

tencialidade transnacional entendida como “internacionalização” da sociedade civil. A primeira

diz respeito à ênfase de outros atores que não os Estados9 no estabelecimento de diversos níveis e

tipos de governança supranacional. A segunda encontra suas raízes teóricas na sociologia dos

velhos e novos movimentos sociais, ação coletiva e esfera pública.

6
Daí a idéia de um significado “global” para a sociedade civil, na visão de Kaldor (2003). Para ela (2001, pg. 3), a
sociedade civil global surgiu como “uma resposta à guerra porque o conceito de sociedade civil sempre esteve asso-
ciado à noção de minimizar a violência nas relações sociais, ao uso público da razão como um caminho para resolver
assuntos humanos, ao invés da submissão baseada no medo e na insegurança, ideologia ou superstição. A palavra
“resposta” não significa que a sociedade civil global é uma formula mágica - uma solução ou alternativa à guerra.
Ela é um caminho para direcionar os problemas relativos a ela, debatendo, questionando, discutindo e pressionando
por alternativas ou soluções possíveis” (Tradução Livre).
7
A partir da teorização paradigmática de Cohen & Arato em 1992, a sociedade civil foi caracterizada e normativiza-
da como uma “utopia autolimitada”. Baseando-se na estrutura tripartite do mundo da vida e dos subsistemas econô-
mico e político, os autores buscaram a subversão da lógica habermasiana em seu sentido pessimista frankfurtiano, ao
defenderem a capacidade da esfera pública moderna em “conservar sua autonomia e formas de solidariedade diante à
economia e ao Estado modernos” (Ibid., 2001, 55, Tradução livre).
8
Ver Santos, Boaventura. Democratizar a Democracia. Porto: Afrontamento, 2003; Dagnino et al (2006).
9
Os pioneiros da discussão sobre atores transnacionais em geral foram Kehone e Nye, em 1972 (RUGGIE, 2004).
Subsumidas nessas duas abreviações, os caminhos analíticos potencializam a explicação

desde os episódios mais recentes envolvendo os protestos anti-globalização econômica - em Seat-

tle (1999), Praga (2000) e Gênova (2001) -, os encontros anuais do Fórum Social Mundial, reali-

zados a partir de 2001, a participação das ONGI’s (organizações não-governamentais internacio-

nais) nas conferências mundiais promovidas pelas Nações Unidas (ONU) na década de 90 e nas

chamadas “Conferênciais Paralelas” (PIANTA et all, 2005), até as experiências bem sucedidas na

promoção de campanhas internacionais para pressionar Estados nacionais - que culminaram na

suspensão do Acordo Multilateral de Investimentos e nas campanhas pelo Protocolo de Kyoto,

Tratado de Otawa e Estatuto de Roma.

A tomada empírica desses fatos em conjunto é o que permitiu pensar sobre o aparecimen-

to de atores que eventualmente comporiam uma sociedade civil mundial. O argumento é mais

recente do que ao da sociedade civil, o que não permite, contudo, que a sociedade civil interna-

cional seja considerada como um epifênomeno das sociedades civis nacionais. Embora esses dois

atores sejam capazes de articulação e intercomunicação, trata-se de dois fenômenos distintos e

heterogêneos em seu interior.

À diferença da idéia de sociedade civil, não apenas inexiste uma teoria(s) da “sociedade

civil internacional”, como também um conceito minimamente compartilhado para defini-la como

objeto analítico aparte das idiossincrasias. É pelo menos desde os meados da década de noventa

que a produção acadêmica em geral ainda discute se existe ou não uma sociedade civil global em

emergência. Essa discussão pode ser observada principalmente através de artigos isolados em

revistas especializadas sobre assuntos internacionais ou coletâneas organizadas por autores ingle-

ses e norte-americanos em sua grande maioria. Uma produção teórica e empírica sistemática pode
ser observada no Centre for Global Governance (CGG), na London School of Economics and

Politics (LSE)10.

Na América Latina, este debate é incipiente na academia, sendo pouco problematizado pe-

los pesquisadores da região. No Brasil, o cenário não é diferente, embora alguns trabalhos tenham

sido realizados11. O livro de Liszt Vieira (2001) foi o primeiro a problematizar de forma mais

otimista a questão da sociedade civil na era da globalização12. De um ponto de vista mais cético

em relação às virtudes dos “argonautas da cidadania”, as maiores contribuições vieram de Costa

(2002, 2003), Costa e Avritzer (2004), Sorj (2005) e Villa e Tostes (2006).

Teorizar sobre a sociedade civil internacional implica na discussão de projetos normativos

em disputa. Da mesma forma que o conceito de sociedade civil, o conceito de sociedade civil

internacional está sobrecarregado de expectativas positivas em relação à democratização, no caso

do sistema mundial, à fiscalização de uma Governança Democrática Global - cooperativa, não-

hierárquica -, à formação de uma esfera pública mundial, à condução de políticas transnacionais e

construção de domínios e bens públicos globais (RUGGIE, 2004).

Essa visão é atualmente sustentada pelos teóricos que identificaram que o fenômeno da

globalização desafiou a validade dos princípios constitutivos do Estado moderno - soberania,

autonomia, legalidade, territorialidade - e da aplicação da Teoria da Democracia nos contextos

domésticos13. Mediante esta dupla dinâmica, a Teoria Política Contemporânea, por tomar o Esta-

do como unidade central de análise e estar orientada pelos princípios democráticos, necessitou

10
Atualmente dirigido por David Held e Mary Kaldor, o centro foi constituído em 1992 e se trata do núcleo pioneiro
nos estudos sobre globalização e política. Desde 2001, publica o Global Civil Society Yearbook, que traz contribui-
ções teóricas, empíricas e metodológicas referenciais, privilegiando estudos sobre o Leste Europeu. Para maiores
informações, consultar: http://www.lse.ac.uk/Depts/global/.
11
No Brasil, poucos autores se dedicam à produção teórica e empírica sobre sociedade civil global, e o fazem de
maneira autônoma. Há, porém, um crescente número de alunos das pós-graduações em Sociologia, Ciência Política e
Relações Internacionais, que desenvolvem seus trabalhos sobre alguma organização, encontro ou temática específica.
12
Inclui-se na linha de Vieira (2001), um capítulo na obra de Teixeira (2001) e outro na de Herz e Hoffmann (2004).
13
Essa constatação foi primeiramente percebida por David Held (1991, 1995), para quem o processo de globalização
afetou o funcionamento nacional das democracias representativas liberais. Em outras palavras, o autor identificou
uma ameaça à validade da regra da maioria - característica da representação nas democracias ocidentais -, devido aos
crescentes processos decisórios protagonizados por instâncias internacionais impermeáveis ao escrutínio popular.
processar normativamente essa equação. A partir daí, o revival do pensamento kantiano de “Á

Paz Perpétua” forneceu novo fôlego para a Teoria Crítica e inspirou as novas Teorias Cosmopoli-

tas da Democracia14, cuja preocupação nuclear é a necessidade de estruturar as bases representa-

tivas e participativas de sustentação política da nova ordem mundial.

Nessa perspectiva, a riqueza do universo empírico que compõe sociedade civil global é

muitas vezes reduzido às ONGI’s, muito em função do seu êxito e conquistas via transnational

network advocacy15 nas grandes do Meio Ambiente e Direitos Humanos. A função quase missio-

nária que lhes é atribuída é questionada pela reprodução de uma noção despolitizada ou neolibe-

ral da Governança Global (CHANDHOKE, 2003, JAEGER, 2007). Essa questão envolve a real

permeabilidade do Sistema ONU em ceder pressões, e diante tal engessamento, a perpetuidade

das assimetrias Norte/Sul dissimulada em um novo tipo colonialismo16. A “sociedade civil pro-

fissional” (PINTO, 2006) ou a “versão neoliberal da sociedade civil global17” (KALDOR, 2001,

2003) se faz sentir especialmente em contextos africanos, onde projetos políticos e econômicos

estão encobertos pela retórica das intervenções humanitárias, da assistência à democracia e aos

direitos humanos.

Portanto, a expressão sociedade civil global possui um déficit conceitual que se traduz em

equívocos políticos indesejados, “porque sugere que está se formando uma agenda social a partir

14
Para um cosmopolitismo ideológico como alternativa às passadas experiências nacionalistas, socialistas, comunis-
tas e neoliberais, ver especialmente Vandenberghe (2006). Para um cosmopolitismo metodológico, ver Beck (2004).
Para governança cosmopolita ver: Held (1995), Habermas (2001). Para um olhar cosmopolita feminista ver: Young
(2001) e Benhabib, Seyla. Another cosmopolitanism. Oxford, 2006.
15
O trabalho de Keck e Sikkink (1998, 8) foi pioneiro a verificar empiricamente o trabalho das redes transnacionais
de advocacy que são “formas de organização caracterizadas por padrões voluntários, recíprocos e horizontais de
comunicação e troca”. As mesmas podem ser compostas por “ONG’s nacionais e internacionais de pesquisa e defen-
soria; movimentos sociais locais; fundações; a mídia; igrejas, sindicatos, organizações de consumidores, e intelectu-
ais; partes de organizações intergovernamentais regionais e internacionais e partes do executivo e/ou legislativo dos
governos nacionais (Ibid, pg. 9, Tradução livre)”. As autoras criaram a idéia de “padrão bumerangue”, isto é, a rede
de influência que se cria quando as organizações da sociedade civil nacional precisam se aliar a atores internacionais
para pressionar de fora ou do alto seus próprios Estados.
16
Ver Costa (2003), Sorj (2005), Pinto, (2006), Koslinski (2006).
17
A título de nota, é preciso lembrar que a autora não problematiza de forma suficiente o rico universo das ONG’s
nacionais e internacionais, que formam praticamente outro universo dentro do universo da sociedade civil. Por e-
xemplo, quando a autora enquadra as ONG’s na versão neoliberal, mas ao mesmo tempo classifica a Anistia Interna-
cional e o Grenpeace como componentes da “versão ativista da sociedade civil global”.
das experiências acumuladas nas diferentes regiões do mundo e, mais, que tal agenda permanece

submetida ao crivo de uma esfera pública mundial porosa e democrática18” (COSTA, 2003, 6)..

O cuidado que as novas teorias cosmopolitas devem tomar, portanto, é o de refletir se a

maneira tal como prescrevem a função da sociedade civil global não acaba por forjar um cosmo-

politismo euroetnocêntrico, o quê limita o potencial inclusivo desses aportes que pretendem sig-

nificar um contraponto crítico às analises celebrantes ou neoliberais da globalização19. Ao homo-

geneizar esse ator, esses autores não levam em conta as outras versões da sociedade civil global e

os outsiders constitutivos da lógica de sua governança. Além disso, essa questão semântica se

não bem colocada, totaliza e torna as culturas incomensuráveis, o que inviabiliza a prática do

argumento cosmopolita moderno e solapa o argumento democrático que o sustenta.

Essas observações acerca da pesquisa e teoria sobre a sociedade civil mundial revelam

que o problema do conceito é a tentativa de generalizar precipitadamente uma categoria ainda

muito imprecisa, que não foi devidamente decomposta. Generalização similar ocorre com o con-

ceito de sociedade civil que atualmente é utilizado para descrever as mais diversas situações

(PINTO, 2006) e legitimar projetos políticos antagônicos (DAGNINO et all, 2006).

Por essa razão e pela dificuldade operacional do conceito do ponto de vista da pesquisa

empírica, na próxima parte a idéia principal é a de pensar neste objeto em termos de um associa-

tivismo transnacional. Pretende-se fornecer um esboço para uma proposta analítica que sirva co-

mo ferramenta útil de algumas questões que já foram ou estão sendo superadas pela sua categoria

mater de sociedade civil.

18
Costa (2003) detecta a ausência do caráter bidimensional cultural/defensiva da sociedade civil global e, por conse-
guinte, de seu ancoramento em um suposto mundo da vida mundial, que seria a característica garantidora do caráter
democrático/democratizante dessa sociedade, a partir de sua projeção em uma esfera pública também mundial
19
Também porque resgatam o papel do “Estado militante” ou “solidário pós-moderno”, (SANTOS, FALK apud
PUREZA, 2001, 250) em comprometer-se com a execução de políticas internas mundiais (HABERMAS, 2001)
frente a idéia da globalização do estado mínimo.
III

Costa (2003) foi o autor que com propriedade argumentou que a ausência de um subsis-

tema político coercitivo - ou Estado Mundial - e de um mundo da vida mundialmente comparti-

lhado não autoriza conceber uma concepção desterritorializada da sociedade civil e, logo, da esfe-

ra pública. Daí deriva a dificuldade de se propor uma teoria sistêmica, de longo alcance, onde a

sociedade civil global fosse significada a partir de um processo de diferenciação histórica social

frente as suas contrapartes instrumental e estratégica, vertente moderna na qual se espelha a con-

cepção de sociedade civil. Aos que argumentam que o Sistema ONU poderia cumprir este papel

desde que democraticamente reformado (HELD, 1995, HABERMAS, 2001 YOUNG, 2001),

lembra-se que não obstante o funcionamento de suas instituições, ele não possui o mínimo das

características que o permitiriam atuar como subsistema político alternativo, especialmente aque-

las relacionadas às idéias de território, coerção, autoridade, legitimidade, e, principalmente, cida-

dania. Desta forma, a sociedade civil mundial não tem a quem se contrapor, dirigir, diferenciar ou

intervir; não tem de se identificar ou se constituir frente a um ator antagônico como o foi nos con-

textos nacionais.

Outro agravante que inibe este tipo de teorização é a complexificação social da moderni-

dade. Os discursos globalizados são muitos, as formas de dominação estão mais diluídas e as

ações podem ser contraditórias: a mesma empresa que destrói o meio ambiente, doa parte de seus

lucros à pobreza na África; o mesmo Estado que assina importantes tratados pela defesa dos Di-

reitos Humanos é o maior violador deles; uma organização não-governamental recebe fundos dos

mesmos agentes que combatem e assim por diante. Os tipos puros de ação, descritos de Weber a

Habermas, diluem-se na bricolagem da empiria global que se coloniza mutuamente20. Coer-

20
Nesse sentido, ver Dagnino et al (2006, 43), que muito bem argumenta como o mercado pode se apropriar de idéi-
as originalmente criadas pela sociedade civil, como, por exemplo, responsabilidade e justiça social, empresa cidadã,
ção/poder, competição/dinheiro e solidariedade/comunicação deixaram de ser razões e meios

exclusivos destinados à explicação do funcionamento do Estado, do mercado e da sociedade civil,

respectivamente.

A literatura sobre sociedade civil global, portanto, não utiliza a estrutura tripartite em re-

lação aos atores e suas coordenadas de ação e racionalidade. Keck e Sikkink (1998), por exem-

plo, incluem no seu conceito de transnational advocacy networks (vide nota 17) a idéia de atores

governamentais; Tarrow (2005) incorpora no seu conceito de “cosmopolitas enraizados” sujeitos

que não se associam e não fazem parte da elite internacional, como empresários e imigrantes,

respectivamente21; Herz e Hoffman (2004) incluem na idéia de sociedade civil global a idéia de

comunidades epistêmicas que são grupos de pesquisa científica destinados a produzir conheci-

mento especializado sobre determinado assunto.

Essas dificuldades de ordem teórica aliadas àquelas de ordem normativa, tornam o concei-

to de sociedade civil mundial inoperável para a descrição e explicação das múltiplas formas que o

associativismo e a ação coletiva internacional vêm assumindo.

Considerando que este terreno não foi explorado de forma satisfatória para responder uma

série de questões prementes, o exercício proposto a seguir pretende esboçar uma linha estrutural

para uma abordagem alternativa, tomando emprestado o argumento central de Warren no seu

livro Association and Democracy (2001).

A idéia é fazer uma readaptação que auxilie o esclarecimento de questões ainda não pro-

blematizadas pelos aportes existentes, principalmente no que se refere aos possíveis efeitos e po-

tencialidades democráticas dos atores que compõem a problemática idéia de “sociedade civil glo-

bal”. “Possíveis” porque os teóricos da sociedade civil global lançam essa condição como dada,

etc. Pertinente é então a idéia de uma “confluência perversa” que tende a obscurecer no plano discursivo a idéia de
conflito, necessária para transformação social, como já mostrava a tradição teórica de Laclau e Mouffe.
21
É importante ressaltar que ambos autores das Relações Internacionais não usam o conceito de sociedade civil glo-
bal e sim de transnational networks advocacy e new transnational activism, respectivamente.
sem apresentar de fato qual o compromisso que essa vasta gama de atores tem com a democracia,

seja das instituições do sistema internacional ou dos Estados onde atuam.

A idéia de associativismo e dos efeitos democráticos que as associações podem ou não

surtir, abre um cenário para a longa e complexa tarefa de identificar quem são realmente os atores

que fazem e empregam sentido ao associativismo e à ação coletiva transnacional. Muitas deles,

inclusive, possui uma história antes mesmo de se tornar objeto analítico, como a Cruz Vermelha,

por exemplo22. A opção por utilizar uma idéia de associativismo transnacional minimiza ou desa-

parece com vários problemas que obstacularizam o desenvolvimento teórico do conceito de soci-

edade civil mundial e afins.

Primeiro, porque possibilita desprender as formas de associativismo transnacional de sua

carga normativa funcional e apriorística atribuída pelas Teorias Cosmopolitas da Democracia e

outras que a vêem somente em sua versão “desejável”, visto que assume o comportamento de

uma heterogeneidade de associações que não necessariamente possuem uma relação direta com a

política - por exemplo, grupos de Esperanto.

Segunda, porque relativiza a noção de pertencimento e identidade atrelada a uma noção de

território, já que as origens da “solidariedade entre estranhos” (HABERMAS, 2001) para além

das fronteiras territoriais nacionais podem ser observadas já no final do século XIX, com as cam-

panhas pela abolição da escravatura e pelo sufrágio feminino (KECK & SIKKINK, 1998). A i-

déia de associativismo transnacional, portanto, não desqualifica ou anula o debate em função da

ausência de um Estado ou lifeworld globais. Ao contrário, instiga uma discussão também neces-

22
Tarrow corrobora essa idéia argumentando que o ativismo transnacional tem uma história e que o mesmo não pode
ser considerado como um produto da e contra a globalização. O papel desta última foi sim o de produzir incentivos e
temas para a ação coletiva internacional como facilidades de interconexão, comunicação, locomoção, criação de
identidades pós-nacionais - pelo menos sua tentativa pela Comunidade Européia, diria Habermas - , espaços, temas e
políticas que exigem um pensar e um agir coletivo global.
sária e já iniciada sobre esfera pública e modernidade dos meios de comunicação, mediante um

contexto de interconexão cultural e a interação virtual cada vez mais latente.

Terceiro, pela possibilidade de decompor os vários tipos de associação que participam da

noção de sociedade civil global em relação à produção de seus efeitos democráticos sobre os in-

divíduos, esfera pública e instituições, seguindo a idéia de Warren. Dagnino et al (2006, 31) os

designa em suma como “capacidades pessoais de análise e argumentação, o exercício da delibe-

ração, a tolerância e a solidariedade; ou a criação de espaços e seu impacto na definição da agen-

da pública, na vigilância das autoridades e na defesa de direitos”.

A opção pela qualidade “transnacional” acompanha uma noção de que a idéia de “relações

internacionais” está em vias de desuso no mundo globalizado, conforme Kaldor (2003). Conceber

algo transnacionalmente amplia os espaços tradicionais de deliberação política e sobrepõe diver-

sos níveis de análise no tocante à identificação das influências contextuais. Embora isso torne

mais complexo e difícil a pesquisa sobre associações e os possíveis efeitos democráticos que elas

surtem nos mais diversos lugares por onde se fazem de alguma forma presente, a denotação de

transversalidade em contraposição à globalidade possibilita apreender a interconexão de estrutu-

ras espaciais hibridizadas pela globalização, sem perder de vista as especificidade locais e o pró-

prio papel dos Estados nesse processo.

Dentre algumas das vantagens de utilizar o argumento da sociologia das associações de

Warren é desvelar também a heterogeneidade de objetivos, recursos e influência de atores cuja

riqueza do universo empírico é obscurecida pela idéia de “sociedade civil mundial”. Este raciocí-

nio é o empregado por Warren para legitimar sua tese, defendendo que o conceito de “sociedade

civil” é setorial e vago, algo já difundido entre os especialistas, mas que ele buscou enfrentar com

mais fôlego.
Outro ganho importante ao aplicar seu argumento para o objeto em questão, é que não

obstante sua tradição tocqueveliana, o autor relativiza a correlação necessária e direta entre asso-

ciativismo e democracia. Isso permite a formulação de mais dois pressupostos, um que questiona

firmemente o papel democratizante do associativismo transnacional nas versões de governança

global e outro adicional que postula igualmente o fato de que além de não produzirem necessari-

amente efeitos democráticos, as associações transnacionais podem produzir efeitos não democrá-

ticos. Isso significa enfrentar o fenômeno associativo em sua versão normativa “não desejada”

em escala global.

Ainda que verificada num contexto de associativismo nacional, Armony (2004) trouxe

uma profunda contribuição a esse debate quando refutou com dados históricos o círculo virtuoso

entre associativismo cívico, capital social e fortalecimento democrático. O autor através dos e-

xemplos da República de Weimar e do regime de segregação racial nos Estados Unidos na meta-

de do século XX demonstrou como uma vida associativa robusta ajudou a recrutar membros e

propagar idéias nazistas e racistas, respectivamente. O contexto onde as associações nascem en-

tão se tornam uma variável independente.

Kaldor (2003), Tarrow (2005) e Keohane (2003) problematizam en passant essa questão

aplicada ao ativismo transnacional, facilitada pela neutralidade das redes enquanto formas de

organização típicas da globalização, devido às novas tecnologias de comunicação e facilidade de

locomoção. Expressões de incivilidade global podem ser verificadas em grupos fundamentalistas,

organizações criminosas e tráfico. O fenômeno é complexo e não se trata de descartá-lo simples-

mente pelo incentivo à violência, lucro ou desejo de tomada do poder. A questão é medir o grau

de voluntarismo secundário23, da participação na tomada de decisão coletiva, da autonomia indi-

vidual do associado no que se refere a sua noção de pertencimento no mundo (efficacy), (Ibid.

2001, 71) e o desenvolvimento de sua capacidade e juízo crítico.


23
A primária consiste nos laços familiares e por isso não constitui uma opção individual (WARREN, 2001).
O primeiro passo para o estudo do associativismo transnacional, portanto, é admitir que a

pluralidade de atores que atuam transnacionalmente não possui correlação direta com a democra-

tização do sistema internacional. Trata-se de identificar três eixos distintos das associações: vo-

luntarismo, meio de coordenação (solidariedade, dinheiro ou poder) e objetivos. Seria possível

diferenciar assim os grupos que obedeceriam a tipos ideais ou se afastariam radicalmente deles,

em relação a efeitos democráticos independentemente de seus objetivos - igrejas, comunidades

epistêmicas universitárias e virtuais, ONG’s, movimentos sociais anti-globalização, ativistas iso-

lados, grupos e redes de defesa dos direitos da mulher, meio ambiente, Direitos Humanos, funda-

ções, associações profissionais e assim por diante24.

Constituindo um perfil dessas associações, muito se pode dizer também sobre a correlação

entre associativismo transnacional e solidariedade/responsabilidade global, no contexto da socie-

dade do risco e dos riscos globais25. Com isso, pode ser aplicada a idéia de efficacy e se resgata

uma das maiores contribuições das teorias cosmopolitas da democracia, que é a possibilidade de

consciência, construção e intervenção dos sujeitos na ordem mundial, ou seja, a susceptibilidade

de uma “autoconsciência internacionalista” (TARROW, 2005), ainda que não necessariamente

coletiva, universal e cosmopolita.

Pensar sobre as (im)potencialidades dos efeitos democráticos que o associativismo trans-

nacional surte nos contextos nacionais (no Estado, mercado e sociedade civil nacional), nas insti-

tuições internacionais e nos espaços públicos (formais, informais ou virtuais), é uma tarefa com-

24
Admitindo essas possibilidades, a questão da autolimitação praticamente não se coloca para o associativismo
transrnacional, mesmo porque a característica “heterogênea” comporta associações que de fato desempenham papéis
na governanca e exercem soft power. Essa idéia é pertinente muito mais para entender as ONGI’s ativistas centrali-
zadas em relação à autonomia das filiais nacionais diante a sede internacional.
25
A idéia de sociedade do risco postula que “as ações cotidianas de um indivíduo possuem conseqüências globais”
(GIDDENS et al., 1997, 75). O desequilíbrio entre “o poder de produzir e o poder de destruir (ARENDT, 2002, 87)”
ganhou nova ênfase devido às múltiplas lógicas que permeiam o processo de globalização. O ápice da sofisticação
tecnológica aliada ao estágio mais avançado do capital se traduz nos riscos ambientais, militares e biogenéticos.
plexa porque multidimensional e transversal na sua ocorrência espacial, mas necessária para a-

firmações mais enfáticas sobre o rótulo genérico sociedade civil mundial.

IV

O presente artigo partiu da premissa central de que a ausência de um marco teórico con-

ceitual não idiossincrático da sociedade civil mundial dificulta o avanço do conhecimento sobre

essa realidade. Procurou demonstrar que tal conceito está apoiado em bases teóricas frágeis e

sobre ele há uma carga moral muito mais normativa do que empírica por parte da nova Teoria

Crítica, eminentemente européia e norte-americana. Do longo percurso da categoria mater de

sociedade civil, algumas lições podem ser tiradas para evitar que se incorra no mesmo tipo de

generalização ou expectativa.

Uma teoria do associativismo transnacional precisa ser criticamente pensada, no que pese

sua associação com as grandes transformações que a globalização logrou para a esfera política,

suas especificidades e o significado político de seus projetos. Nesse sentido, várias questões estão

em aberto por serem grandezas empíricas ainda passíveis de verificação: compromisso com a

democracia, efeitos democráticos independentemente de seus objetivos, intencionalidade condi-

zente com alguma noção de pertencimento a um mundo globalizado, onde se fazem representar,

para quem e por quem.

Por fim, resta dizer que para uma compreensão maior e melhor do fenômeno é necessário

que haja uma integração entre o maior número de amostras empíricas e perspectivas teóricas con-

tinentais, para que o ideal de justiça e igualdade em tempos de globalização rompa também as

fronteiras de cosmopolitismos etnocêntricos.


REFERÊNCIAS

AVRITZER, Leonardo e COSTA, Sérgio. Teoria Crítica, Democracia e Esfera Pública: concep-
ções e usos na América Latina. Dados, Revista de Ciências Sociais. Rio de Janeiro: v.47 n.4,
2004.

ARENDT, Hannah. O que é política? Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2002.

ARMONY, Ariel. The Dubious Link: civic engagement and democratization. Califórnia: Stan-
ford, 2004.

BECK, Ülrich. Cosmopolitical realism: on the distinction between cosmopolitanism in philoso-


phy and the social sciences. 2004. Disponível em: http://www.blackwell-
synergy.com/doi/pdf/10.1111/j.1471-0374.2004.00084.x?cookieSet=1. Acesso: Dez. 2006.

CHANDHOKE, Neera. The Limits of Civil Global Society. IN: Global Civil Society 2002.
GLASIUS, Marlies; KALDOR, Mary; ANHEIER, Helmut (eds). Disponível em:
< http://www.lse.ac.uk/Depts/global/yearbook02chapters.htm.>. Acesso em: 02 Agos. 2005.

COHEN, Jean. Sociedade Civil e Globalização: repensando categorias. Dados, Revista de Ciên-
cias Sociais, Rio de Janeiro, Vol 46, n. 3, 2003.

COHEN, Jean & ARATO, Andrew. Sociedad civil y teoría política. México: Fondo de Cultura
Económica, 2001.

COSTA, Sérgio. Democracia Cosmopolita: déficits conceituais e equívocos políticos. Revista


Brasileira de Ciências Sociais, vol. 18, n°. 53, 2003.

COSTA, Sérgio. As Cores de Ercília: esfera pública, democracia e configurações pós-nacionais.


Belo Horizonte: UFMG, 2002.

DAGNINO, Evelina; OLVERA, Alberto; PANFICHI, Aldo (orgs). A disputa pela construção
democrática na América Latina. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 2006.

GIDDENS, Anthony, BECK, Ülrich; & LASH, Scott. Modernização Reflexiva: política, tradição
e estética na ordem social moderna. São Paulo: Unesp, 1997.

HABERMAS, Jürgen. A constelação pós-nacional: ensaios políticos. São Paulo, Littera Mundi,
2001.

HELD, David. A democracia, o Estado-Nação e o sistema global. Lua Nova, São Paulo, n 23,
1991.

JAEGER, Hans-Martin. “Global Civil Society” and the Political Depoliticization of Global Go-
vernance. International Political Sociology, 1, 2007.

KALDOR, Mary. Global Civil Society: An Answer to War. Cambridge: Polity Press, 2001.
KALDOR, Mary. The idea of global civil society. International Affairs, n. 79, vol. 3, 2003.

KECK, Margaret & SIKKINK, Kathryn. Activists beyond borders: advocacy networks in Inter-
national Politics. Ithaca: Cornell University Press, 1998.

KEOHANE, Robert. Global Governance and Democratic Accountability. IN: HELD, David and
KOENING-ACHIBUGI, Mathias. Taming Globalization: frontiers of governance. London, Po-
lity Press, 2003.

KOSLINSKI, Mariane. Depender de agências internacionais, perder autonomia em relação ao


Estado ou diversificar parceiros: um estudo sobre ONG’s e suas relações de accountability. 30°
Encontro Anual da ANPOCS. Caxambu: 2006. CD-ROM.

PIANTA, Mario, SILVA, Federico, ZOLA, Duccio. Global Civil Society Events: Parallel Sum-
mits, Social For a, Global Days of Action. 2005.
Disponível em: <www.lse.ac.uk/Depts/global/yearbook04chapters.htm - 33k ->. Acesso em:
Nov. 2006.

PINTO, Céli. Sociedade Civil: os (des) caminhos da desterritorialização de um conceito. Paper


apresentado no 30° Encontro da ANPOCS, Caxambu, 2006.

PUREZA, Manuel. PUREZA, José Manuel. Para um internacionalismo pós-vestefaliano. IN:


SANTOS, Boaventura (org). Globalização: fatalidade ou utopia? Porto: Afrontamento, 2001.

RUGGIE, John Gerard. Reconstituting the global public domain: issues, actors and practices.
European Journal of International Relations, vol. 10, n. 4, 2004.

SORJ, Bernardo. Sociedades civis e relações Norte-Sul: ONG’s e dependência. Working Paper 1,
Nov de 2005. Disponível em: < www.centroedelstein.org.br/article/Sorj_Artigo.pdf>. Acesso em:
Nov. 2006.

TARROW, Sidney. The new transnational activism. Cambridge University Press, 2005.

TEIXEIRA, Elenaldo Celso. O Local e o Global: Limites e Desafios da Participação Cidadã. São
Paulo: Cortez, 2001.

VANDENBERGHE, Fredéric. The State of Cosmopolitanism. XVIth World Congress of Socio-


logy, South Africa, July, 2006.

VIEIRA, Liszt. Os argonautas da cidadania: a sociedade civil na era da globalização. Rio de Ja-
neiro: Record, 2001.

VILLA, Rafael Duarte e TOSTES, Ana Paula. Democracia cosmopolita versus Política Interna-
cional. Revista Lua Nova, São Paulo, n. 66, 2006.

YOUNG, Iris Marion. Inclusion and Democracy. Oxford: Oxford University Press, 2000.

WARREN, Mark E. Democracy and Association. Princenton University Press, 2001.