You are on page 1of 116

Processos de fabricação I

Bibliografia, conteúdo e sistemática de avaliação

Bibliografia
FERRARESI, D. – Fundamentos da Usinagem dos Metais. – São Paulo: MM Editora, 1995 RESENDE, M.O. – Princípios de Processos de Produção – São Carlos Vol. I, 1992 RESENDE, M.O. – Princípios de Processos de Produção – São Carlos Vol. II, 2001 RESENDE, M.O. – Princípios de Processos de Produção – São Carlos Vol. III, 1997 CHIAVERINI, V. – Tecnologia Mecânica – São Paulo MM Editora, 1995, 3v.

Conteúdo programático
Apresentação dos processos de fabricação na área metal-mecânica:
Fundição operações e peças típicas Sinterização (metalurgia do pó) Forjamento a frio e a quente Laminação a frio e a quentes Soldagem processos e suas aplicações
Tipos de processos utilizados nas indústrias: eletrodo revestido, TIG, MIG, MAG, Arco submerso e Oxicorte. Metalurgia da Soldagem Automação na Soldagem

Usinagem de operação e acabamento
Processo de Torneamento Fresamento Furação Retificação Brunimento

Estudo de Viabilidade Econômica para cada setor.

Conteúdo programático .

Conteúdo programático .

Conteúdo programático .

Conteúdo programático .

Conteúdo programático .

Sistema de avaliação A nota final será composta pela média aritmética das notas bimestrais As notas bimestrais serão originadas das provas bimestrais (P1.P2.P3 e P4) .

Processos de fabricação I Fundição .

sem gdes alterações Apenas nos últimos 70 anos Demandas recentes Alto volume Acabamento superficial Tolerâncias dimensionais Propriedades dos metais .Fundição Introdução Etapas Fabricar moldes Preparar e fundir metais Limpar peças Recuperar areia Histórico: desde 2000 A.C.

Fundição Molde de areia .

Fundição Molde de areia .

Fundição Fundir e limpar as peças .

Fundição Areia de fundição .

Fundição Fatores fundamentais a considerar Molde Cuidado com contração Material do molde: refratário Fusão adequada e constante Vazamento: assegurar escape de ar e gases Bolhas Desmoldagem Molde de areia: fácil Molde permanente: cuidadoso Limpeza e rebarbação pós desmolde .

Fundição Processos de fundição – a diferença: maneira de formar o molde Moldagem em areia Moldagem em casca (shell molding) Moldagem em cêra perdida Moldagem em gesso Moldagem em cerâmica Fundição em molde cheio Fundição em molde permanente Fundição em molde permanente misto (coquilha) Fundição sob pressão Fundição centrífuga Fundição contínua .

Fundição (moldagem em areia) + antiga e + econômica Caixa de moldagem Partes superior e inferior alinhadas por pinos guias Macho – peça colocada na cavidade que a peça deverá ter .

Fundição (moldagem em areia) Metal fundido Bacia de vazamento – canal de descida – canal de distribuição e canal de entrada Alimentadores ou massalotes (suprimento de metal para contrapor contração) .

Fundição (moldagem em areia) Etapas (produção de pequenas quantidades) Modelos (partes) Impressão do molde na areia dá origem machos molde .

Fundição (moldagem em areia) Enchendo com areia verde Completado metade do molde .

Fundição (moldagem em areia) Completado outra metade Detalhes da moldagem em areia .

Fundição (moldagem em areia) Caixa de moldagem prensada Molde sem a caixa .

Fundição (moldagem em areia) Moldagem da parte inferior Modelo sobre a mesa + cx de areia + soquete (compactação) Inverte-se a cx e passa a régua Joga-se areia fina e seca p/ dividir Dureza d+ : ñ expele gases Dureza d.: desmorona Moldagem da parte superior Meio modelo sup com pino guia + bacia de vazamento + canal de descida e alimentadores Separação das partes e retirada do modelo Saca-se o modelo da peça e colocam-se os machos Montagem das partes Monta-se as partes e os machos com cola apropriada nas juntas Molde em 2 partes 5” .

+ refratário. baixa rugosidade e baixa geração de gases .Fundição (moldagem em areia) Moldagem em areia natural A mais usada é a sílica (SiO2) Granulometrica Expansividade Alta – vazão alta e acaba/to ruim Baixa – vazão baixa e acaba/to bom Areia natural Bom para ferro e não ferrosos 66% sílica 22% argila – ligar os grãos 12% impurezas – impedem escape gás Areia sintética Areia verde 95% sílica – grãos uniformes e + refratários 5% argila – bentonita Curiosidade: molde e macho – mesmo material. porém o macho possui mais óleo e cereal curados a 200oC Características que o macho deve ter: + resistente.

porém + automatizado Usa areia sintética (areia verde) Para maior desempenho (resistência. rugosidade. porém com o tempo deverá ser reciclada e peneirada Destorroador de areia Cuidados: separar areia que se queima adicionar mais argila. resistência do molde e separar partículas metálicas vira cerâmica . umidade. e controlar: tamanho dos grãos. permeabilidade.Fundição (moldagem em areia) Etapas (produção em grandes quantidades) Igual ao de pequenas qtdades. argila. etc) misturador circular de areia adiciona-se produtos orgânicos A areia é reaproveitada. dureza do molde.

Fundição (moldagem em areia) destorroador Misturador de areia .

Fundição (moldagem em areia) Resumo da moldagem em areia Econômico e flexível Limitada para: paredes finas e formatos intrincado e acabamento ruim Alternativas Sílica pura + 10% cimento Portland + 5% água areia recuperada compostos diferentes de areias conforma-se o molde e completa-se com (cura – 72h pças de gde porte) Moldagem com areia cimento Moldagem com silicato Areia silicosa sem argila + 5% de silicato de sódio Endurecimento: ação do gás carbônico (CO2) conforma-se molde e machos Moldagem com areia auto endurecível Sílica pura + ligante + catalisador Cuidado: mistura e moldagem em tempo determinado endurecimento: reação natural .

Fundição (moldagem em casca) Shell molding areia + resina ligante modelo aquecido Casca (5 a 10 mm) Cura é feita com alta temp Desmoldagem maior rigidez destruição da casca Indicação: peças pequenas com bom acabamento superficial .

Fundição (moldagem em casca) .

Fundição (moldagem por cera perdida) Investment casting ou fundição de precisão Modelo em cera ou plástico Envolver modelo com material refratário Cobertura fina de cerâmica e areia grossa e fluidização Remoção da cera e vazamento Acabamento .

Fundição (moldagem por cera perdida) Etapas do processo: 1 – produção do padrão 2 – montagem dos padrões 3 – banho fuidizado cerâmico 4 – remoção da cera por calor 5 – vazamento do metal 6 – destrição do molde 7 – separação das peças 8 – acabamento e inspeção O processo de cera perdida 2” .

Fundição (moldagem em gesso) Assemelha-se a modelagem em areia Sulfato de cálcio Conformação do molde Aquecimento para cura e eliminação de água Características: -superfícies lisas (alta precisão) -baixa capacidade de extração de calor -velocidade de resfriamento baixa -custo alto .

Fundição (moldagem em cerâmica) Processo Shaw Pasta cerâmica com zirconita e mulita (3:1) + ligante Cura (3 a 4 minutos) sobre o molde – placa modelo Cozida e finamente granulada e coberta com areia grossa Característica: custo baixo .

Fundição em molde cheio Processo recente Consiste em desenvolver o modelo em material combustível a base de poliuretano (isopor) Modelo de material combustível (isopor) Metal vaza e derrete modelo .

que deve ser mantido sempre aquecido evita resfriamento rápido Características: Usado para baixos pontos de fusão (alumínio.Fundição em molde permanente Parece um livro de aço com dobradiças (coquilha) Processo: usa-se fina camada refratária (tinta) para evitar adesão do material fundido ao molde. magnésio e cobre) Bom acabamento superficial com alta definição de detalhes Usado para produção em larga escala .

Fundição em molde permanente Fundição em coquilha Molde permanente 3” .

Fundição em molde permanente misto Composto de parte metálica (coquilha) e areia Características: Parte do molde é coquilha e parte é em areia Coquilha (menos refratária) esfria mais rápido – inverso da areia Resultado na região da coquilha: camada metálica mais dura .

C) Máq.C . com câmara quente (bba imersa no metal líquido) Ligas de baixo ponto de fusão (zinco – 400º. com câmara fria (bba fora do metal líquido) Ligas com ponto de fusão sup a 500º.Fundição sob pressão Processo sob pressão constante até solidificação Metais não ferrosos Molde metálico (matriz) Solidificação sob pressão Características: Seções delgadas e bom acabamento Princípio de funcionamento é o hidráulico (pistão) 2 tipos Máq.

Fundição sob pressão Hot chamber Cold chamber .

Fundição sob pressão Peças produzidas por fundição sob pressão Fundição sob pressão 3” simulação .

+ limpo. + qualidade superficial e solidificação direcional Princípio de funcionamento: força centrífuga e dispensa uso de machos para cavidades cilíndricas internas Fundição centrífuga 2” o processo Fundição centrífuga 2” de eixos .Fundição centrífuga Processo Metal vazado Molde em rotação em x ou y (aprox. 200 m/min) Características: usado para objetos simétricos (exemplo: tubos) Benefícios: elimina canais de alimentação. produz metal + denso.

Fundição centrífuga Processo .

Fundição contínua .

Fundição contínua Fundição contínua 2” .

Primeira placa de aço saindo da unidade de fundição contínua 4 .Aço líquido a caminho da unidade de fundição contínua 2 .Plataforma de fundição na usina siderúrgica 3 .Pronta para o transporte: a primeira placa de aço .Fundição contínua 1 .

leve e difícil de fissurar). metal.Fundição – confecção de modelos Projeto do modelo influencia no custo e depende de Tipo de metal Quantidade Possibilidade de repetição do pedido do fundido Material dos modelos Em moldes de areia abrasividade Alto desgaste Usa-se em geral: madeira (mogno ou cedro – compacto. plástico. Fabricação mecanizada de modelos 7” . etc.

00% 1. considerar a contração do próprio modelo Aço fundido Ferro fundido Alumínio Bronze 2.00% 1.20% .: se o modelo for em metal.Fundição – confecção de modelos Tolerâncias do modelo de contração de saída de sobre metal Tolerância de contração OBS.25% 1.

Fundição – confecção de modelos Tolerância devido a saída É a conicidade de saída de extração da areia. do modelo Aumenta material Aumenta custo .

Fundição – confecção de modelos Tolerância devido ao sobre metal de usinagem Variável de 3 a 5 mm de acordo com a precisão e qualidade do processo .

Fundição .tipos de modelos Modelo sólido – peça única .

Fundição .tipos de modelos Modelo dividido .

tipos de modelos Modelo emplacado Quando posso usar placas separadamente agilizando a produção .Fundição .

Fundição .tipos de modelos Modelo de chapelona Alternativa de baixo custo para peças de revolução Elimina modelo tridimensional .

Noções sobre solidificação Processo de solidificação Conhecê-lo Previne defeitos Contração do metal Três estágios de contração Contração líquida Contração de solidificação Contração sólida (sem efeito sobre defeitos de contração .

Noções sobre solidificação Processo de solidificação .

Noções sobre solidificação
Controle da solidificação – tipos

Solidificação simulada 1”

Areia do molde Metais puros Material sólido Material pastoso Ligas Material líquido

Noções sobre solidificação
Cuidados importantes
Solidificação lateral e longitudinal
Solidificação progressiva do ponto mais distante da peça para o alimentador Gradiente de temperatura adequado para metal passar pela formação de cunha

Noções sobre solidificação
Gradiente de temperatura

Noções sobre solidificação Gradiente de temperatura .

Noções sobre solidificação Gradiente de temperatura .

Noções sobre solidificação Gradiente de temperatura Solidificação simulada_2 1” .

Noções sobre solidificação
Solidificação direcional inclui:
Canais e alimentadores: propiciam gradientes de temp. favoráveis Vazão e temperaturas adequados Espessura dos fundidos Resfriadores Material do molde com características térmicas deferentes

Colocação de canais e alimentadores
Função principal qualidade da peça fundida, que depende Gradiente de temperatura Presença de contaminações Presença de gases ou ar Custos dos canais de alimentação Presença de erosão no molde/macho (evitar velocidade alta de vazamento)

Noções sobre solidificação
Local do alimentador
Onde há mais massa a ser solidificada (última a ser solidificada) e deve ser grande para
Solidificar apenas após a peça, e Suprir de metal a peça quando essa necessitar

Discutir o uso de: Resfriadores Isolantes ou exotérmicos

Equipamentos de fusão e vazamento
Manual

Equipamentos de fusão e vazamento Automático .

Equipamentos de fusão e vazamento Forno de cadinho Usa gás ou óleo como combustível .

Equipamentos de fusão e vazamento Forno a óleo Usa óleo com chama direto no material É suspenso para descarga .

Equipamentos de fusão e vazamento Forno cubilô Forno de cuba vertical e usado quase exclusivamente para ferro fundido em produção contínua de 1 a 50 ton/hora .

Forno a arco direto 3” Custo alto devido a energia .Equipamentos de fusão e vazamento Forno de arco direto Arco é formado entre os eletrodos e a carga de metal Calor gerado entre no arco (6000º.C) Capacidade máxima 125 t.

Equipamentos de fusão e vazamento Forno de arco indireto Arco é formado entre os dois eletrodos sem passar pelo material Calor propagado por radiação as paredes do forno que gira O movimento do forno redistribui o calor a carga .

Equipamentos de fusão e vazamento Forno de indução Correntes elétricas são induzidas no metal como se fosse um transformador comum .

Equipamentos de fusão e vazamento Forno de indução Forno de indução – aplicações 3” .

Equipamentos de fusão e vazamento Altos fornos Altos fornos 3” .

Equipamentos de fusão e vazamento Fundição centrífuga .

de metal fundido Panelas Grande porte – mecanizada e percorre grandes distancias Pequeno porte – manual e percorre pequenas distancias .Equipamentos de mov.

Fundição .defeitos Bolhas – oriundas de gases como o vapor da umidade Abertas ou fechadas .

defeitos Ar e outros gases aprisionados Oriundo do escoamento turbulento do metal vazando (em geral aprisionam-se na parte superior) .Fundição .

Fundição .defeitos Defeitos de contração Falhas no interior do fundido por falta de alimentação do metal ou temperatura de vazamento .

Fundição .defeitos Ruptura a quente Oriundas da contração sólida em metais com baixa resistência .

defeitos Inclusões (no caso é areia) .Fundição .

defeitos Juntas frias Oriundas do encontro de 2 correntes frias de metal – não se fundem .Fundição .

Fundição .defeitos Penetração de metal Quando metal permeia a areia do molde .

Fundição .defeitos Macro porosidades .

Fundição .defeitos Deslocamento do macho ou moldes .

defeitos Inchamento Pressão do metal líquido faz molde ceder .Fundição .

Métodos de inspeção de defeitos Destrutivo (serramento. quebra. etc ) ou não-destrutivo Inspeção visual Restritivo à superfície .

Métodos de inspeção de defeitos Inspeção dimensional Para efeito principalmente de usinagem .

Métodos de inspeção de defeitos Testes de pressão Submetendo-os a pressão interna para aqueles que se destinam a contentores de líquidos ou gases .

Raios tendem a atravessar onde há menos material. .Métodos de inspeção de defeitos Radiografia Partes suspeitas são expostas a raios X ou gama com filme em seu caminho.

visualizando no alinhamento das partículas metálicas dispostas do lado oposto (usado em material poroso) Inspeção por partículas magnéticas via seca 1” .Métodos de inspeção de defeitos Partícula magnética (magnaflux) O campo magnético formado por correntes de 400 A se distorce se houver trincas.

Métodos de inspeção de defeitos Líquidos penetrantes Inspeção por líquidos penetrantes 11” .

efetuando a leitura da condição interna do material.Métodos de inspeção de defeitos Ultra som Cristal colocado contra a superfície do fundido emite som e capta seu retorno. Inspeção por ultrasom 1” .

Métodos de inspeção de defeitos Termografia .

Projeto de peças fundidas Os erros de forma podem ser minimizados considerando: Espessuras mínimas Variáveis: fluidez e temperatura Regras: aço fundido > 6 mm ferro fundido > 3 mm Alterações nas espessuras das seções da peça Regra: manter as espessuras uniformes .

Projeto de peças fundidas União de nervuras: evitar cantos vivos e acúmulo de massa Formação de cubos de engrenagens e volantes Evitar acúmulo de massa no cubo para evitar rechupe .

Projeto de peças fundidas Raios de polias e volantes Variável: espessura da coroa Volume grande: solidifica por último Volume pequeno: solidifica primeiro .

Projeto de peças fundidas Seções para peças fletidas Para peças que trabalharão com flexão é mais indicado: perfil quadrado ou retangular oco que o perfil I .

Avaliação dos processos de fundição Escolha do melhor processo para Menor custo Depende: da liga e de sua temperatura de fusão do tamanho e complexidade da peça quantidade requerida tolerâncias específicas acabamento superficial .

sup.Avaliação dos processos de fundição Custos dos processos de fundição: 3 tipos Equipamentos. M.O. Moldagem em areia Moldagem em casca Moldagem em gesso Moldagem em cera perdida Fundição em molde permanente Fundição sob pressão médio médio médio médio médio médio . Acab. mão de obra e acabamento superficial Processo Equip.

manganês e enxofre Aços fundidos Materiais ligados a outros elementos e com baixo % de carbono comparado ao ferro fundido Ligas não ferrosas As mais comuns são cobre. zinco.Metais e ligas usadas em fundição Ferro fundido (altos teores de carbono) ligados normalmente a carbono. estanho e chumbo . alumínio. silício.

mas torna-o menos soldável. baixa-lhe o ponto de fusão.porém aumenta a sua aptidão para a tempera. a maleabilidade e a tenacidade. por outro lado.Metais e ligas usadas em fundição O carbono dá ao ferro tanto mais dureza quanto maior for o seu teor. .

mais capacidade de amortecer vibrações .Metais e ligas usadas em fundição Ferro fundido cinzento Nome devido a cor da fratura (muita grafita) Usado como corpo de peças Não pode ser dobrado ou deformado e resiste mal ao choque.

ao desgate (rolos de laminação e moagem. rodas de vagões.Metais e ligas usadas em fundição Ferro fundido branco Nome devido a cor da fratura (muita cementita) Usado em peças que exigem resist. etc) Mais duro e frágil como o cinzento .

Metais e ligas usadas em fundição Ferro fundido maleável (é o branco recozido) 20 a 120 h a 850 graus C (transforma cementita em perlita) = melhor resistência a tração e ao alongamento Usado em conexões de tubulações. âncoras. certas correntes e vagões ferroviários .

etc. engrenagens. Progressivamente substituindo os maleáveis .Metais e ligas usadas em fundição Ferro fundido nodular Nome devido ao formato com que se apresenta o carbono Usado em virabrequins.

Metais e ligas usadas em fundição Ferro fundido especiais Resistência ao desgaste Resistência ao calor Resistência a corrosão .

Metalurgia do pó Introdução Trata dos pós metálicos Alumínio e bronze em tintas Em plásticos para ganho de resistência Fogos e artifícios para efeitos pirotécnicos Metalurgia do pó 2” .

Metalurgia do pó Precursores Fabricação da platina maleável por Wollaston (1829) Platina (1775 `C): além do alto pto de fusão. o paládio e o ródio . dando uso em lâmpadas William D. Coolidge – descobriu o Raio X William Hyde Wollaston descobriu além da platina. se contaminava facilmente Fabricação do filamento de tungstênio por Coolidge (1909) Obteve pó de tungstênio e sinterizou e forjou a temp. bem abaixo do pto de fusão.

Metalurgia do pó Processos e operações Pó Mistura com aglutinante Compactação Sinterização Metalurgia do pó – filme 2” .

silício e bismuto Processo de atomização (spray dry) – usado para ferro. estanho. etc.Metalurgia do pó Obtenção dos pós metálicos Processo de moagem (moinho de bola) – usado para materiais frágeis como antimônio. Metalurgia do pó Metalpó atomização 1” . chumbo. aço.

Metalurgia do pó Obtenção dos pós metálicos Processo de decomposição térmica – aquecimento seguido de pressão baixa e temperatura alta Processo de redução de óxidos de metais – uso do moinho a temperaturas controladas Processo de eletrólise – produção em banhos com precipitação eletrolítica de soluções .

. etc. misturadores de pás ou de rolos.Metalurgia do pó Mistura dos pós Homogeneização através de moinhos de bolas.

/cm2 Sinterização (2 tipos) Pós constituintes não se fundem (tem baixo pto de fusão) Bucha porosa de bronze – estanho se funde e cobre fica sólido (auto lubrificante com óleo lubrificante impregnado nos espaços) Metal duro – cobalto se funde e carboneto de tungstênio permanece sólido Pós se fundem Materiais se fundem a 60 a 80% da temperatura de fusão ./cm2 1 a 5 ton./cm2 4 a 7 ton.Metalurgia do pó Compactação Dar forma final ao produto e exige pressões diferentes Ferro e aço Latão Metal duro 5 a 6 ton.

Metalurgia do pó Compactação e sinterização Metalurgia do pó Metalpó processo 1” .

zircônio e titânio Porosidade (pode ser minimizada por prensagem a quente e infiltração) .Metalurgia do pó Aplicações e produtos do pó Metais não ligáveis (chave elétrica com níquel e prata) União de metálicos e ñ-metálicos (escova do motor elétrico com grafita e cobre) União de metais com pto de fusão muito alto (filamento de tungstênio) Uso de materiais duros e frágeis (metal duro) Produtos específicos (bucha auto lubrificante) Eliminação de usinagem Limitações Custo elevado – difícil armazenamento Alto custo de equipamentos Tamanho da pç tem relação com tamanho da prensa Falta de fluidez do pó Alguns pós são explosivos como alumínio. magnésio.