You are on page 1of 18

37

ISSN 1517-1981 ISSN 1678-1961 Dezembro, 2008 Outubro 2000

Aclimatação de Mudas de Bananeira ‘Prata Anã’ Regeneradas em diferentes condições de cultivo in vitro

P ecuária e Abastecimento Boletim de Pesquisa e Desenvolvimento 37 Aclimatação de Mudas de Bananeira ‘Prata Anã’ Regeneradas em diferentes condições de cultivo in vitro1 Ana da Silva Lédo Lucas Fonseca Menezes de Oliveira Caroline de Araújo Machado Karla Cristina Santos Freire Aracaju.ISSN 1678-1961 Dezembro. SE 2008 . 2008 opecuária Pesquisa gropecuár asileira Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária esa Brasileir Empr eiros opecuária Pesquisa A gropecuária dos Tabuleiros Costeiros Centro abuleiros Costeir esquisa gropecuár Centro de P ecimento Abasteciment icultur gricultura. ecuária Ministério io Ministér da Agricultura.

Disponível em: http://www.cpatc. constitui violação dos direitos autorais (Lei no 9. II. 3. . SE.br/index. Caroline de Araújo.embrapa. CEP 49025-040 Caixa Postal 44 Fone: (79) 4009-1344 Fax: (79) 4009-1399 www. Oliveira. Karla Cristina Santos.br Comitê Local de Publicações Presidente: Ronaldo Souza Resende Secretária-Executiva: Raquel Fernandes de Araújo Rodrigues Membros: Semíramis Rabelo Ramalho Ramos. Ana da Silva Lédo. V. 37). 2. Machado. III.610). -. Beira Mar. 19 p.772 . Cultivo in vitro.cpatc. Dados Internacionais de Catalogação na Publicação (CIP) Embrapa Tabuleiros Costeiros Lédo.].php?idpagina=fixas&pagina=publicacoesonline Embrapa Tabuleiros Costeiros Av. Ana Veruska Cruz da Silva Muniz. [et al. ISSN1678-1961. no todo ou em parte.br/index. Julio Roberto Araujo de Amorim. Lucas Fonseca Menezes de.Aracaju : Embrapa Tabuleiros Costeiros. 2008. Banana. 3250. IV. I. Série. : il. Supervisora editorial: Raquel Fernandes de Araújo Rodrigues Tratamento de ilustrações: Sandra Helena dos Santos Editoração eletrônica: Sandra Helena dos Santos Foto da Capa: Ana da Silva Lédo 1a edição Todos os direitos reservados.cpatc. Daniel Luis Mascia Vieira. Ana da Silva Aclimatação de mudas de bananeira ‘Prata-anã’ regeneradas em diferentes condições de cultivo in vitro / Ana da Silva Lédo .embrapa. Freire. Maria Geovânia Lima Manos. Fruta tropical. A reprodução não-autorizada desta publicação. Hymerson Costa Azevedo.. Aracaju.embrapa.(Boletim de Pesquisa e Desenvolvimento / Embrapa Tabuleiros Costeiros. Título.embrapa..php?idpagina=fixas&pagina=publicacoesonline 1. Disponível em: http://www.br sac@cpatc. CDD 634.

........................ 5 Abstract ........................................ 8 Material e Métodos ...............................................................................................16 Referências Bibliográficas .Sumário Resumo .... 9 Resultados e Discussão ................................ 7 Introdução ................................................................................ 15 Agradecimentos ............................................................................................................................................ 16 ........ 11 Conclusões ....................................

Apoio financeiro: Embrapa/Sergipe Parque Tecnológico.1% de carvão ativado. 1 2 . em média. Palavras-chave. substratos.Aclimatação de Mudas de Bananeira ‘Prata Anã’ Regeneradas em diferentes condições de cultivo in vitro1 5 Aclimatação de Mudas de Bananeira ‘Prata Anã’ Regeneradas em diferentes condições de cultivo in vitro1 Ana da Silva Lédo2 . Apesar de não terem sido observadas diferenças significativas.embrapa. areia e húmus de minhoca (1:1:1) apresentaram maior comprimento da parte aérea (42. D. observou-se que o substrato composto por solo. carol@cpatc.33). Musa sp. Caixa Postal 44.O objetivo do presente trabalho foi avaliar o efeito de diferentes substratos na aclimatização de mudas de banana ‘Prata Anã’ após a etapa de enraizamento in vitro na presença e ausência de carvão ativado e após o terceiro subcultivo. Em plantas transferidas diretamente do terceiro subcultivo para a aclimatização. areia e húmus de minhoca (1:1:1) induziu a formação de um maior número de raízes (12. 4 Bolsista PIBIC CNPq/ Embrapa Tabuleiros Costeiros. Lucas Fonseca Menezes de Oliveira3 . um maior número de raízes (14. as plantas enraizadas in vitro na presença de carvão ativado apresentaram um maior valor numérico para a matéria fresca e seca da parte aérea. A matéria fresca das raízes de plantas aclimatizadas no substrato solo. 3 Bolsista ITI CNPq/Sergipetec/ Embrapa Tabuleiros Costeiros.embrapa. Karla Cristina Santos Freire4 Resumo Resumo . areia e pó de casca de coco seco apresentou um maior peso (28. E-mail: analedo@cpatc. CEP 49025040. Aracaju – SE. Caroline de Araújo Machado3.br.br. Observou-se 100% de sobrevivência das plantas em todos os substratos testados.33).embrapa. cultura de tecidos de plantas.micropropagação. lucas@cpatc. Plantas enraizadas in vitro na ausência de carvão ativado e transferidas para substrato vermiculita.11 g). karla@cpatc. as plantas apresentaram. Pesquisadora da Embrapa Tabuleiros Costeiros. Concessão de bolsa: CNPq Eng. Agrônoma.Sc.0 cm).embrapa. Na presença de 0.br.br.

33). . The fresh matter of the roots of plants acclimatized in the substratum soil. on average. In plants transferred directly of the third subculture for the acclimatization. plant tissue culture. In spite of significant differences they have not been observed. it was observed that the substratum composed by soil.0 cm). washed sand and earthworm humus (1:1:1) it induced the formation of a larger number of roots (12.11 g). washed sand and coconut coir dust presented a larger weight (28.1% of activated charcoal. Musa sp. Were observed 100% of the plantlets survived at the all substrates tested.The present work aimed at evaluating the effect of different substrates in the acclimatization of ‘Prata Anã’ banana seedlings after the stage of in vitro rooting in the presence and absence of activated charcoal and after the third subculture. the plants presented. the plants rooted in vitro in the presence of activated charcoal presented a larger numeric value for the fresh and dry matter of the aerial part.micropropagation. Plants rooted in vitro in the absence of activated charcoal and transferred for substratum vermiculita. washed sand and earthworm humus (1:1:1) they presented larger length of the aerial part (42. a larger number of roots (14. In the presence of 0.33). Key-words. substrates.Aclimatação de Mudas de Bananeira ‘Prata Anã’ Regeneradas em diferentes condições de cultivo in vitro1 7 Acclimatization of 'prata anã' Banana Plants Regenerated on the different in vitro culture conditions Abstract Abstract .

É uma etapa que pode ser realizada in vitro ou ex vitro e a opção por um dos sistemas depende da qualidade das partes aéreas obtidas na fase de multiplicação. assim.. e cultivo em meio de cultura in vitro. Pereira et al. o suprimento de água e nutrientes e as trocas gasosas entre as raízes e o ar atmosférico. 2005). Assim. A rizogênese in vitro é uma fase que se caracteriza pela formação de raízes adventícias nas partes aéreas provenientes da multiplicação. intensidade luminosa. da espécie.. ao contrário do que geralmente ocorre com espécies lenhosas (Grattapaglia & Machado. 2001). físicas e biológicas. O enraizamento de espécies herbáceas é geralmente fácil. 1996. o posterior transplantio para condições ex vitro. Além disso. a cultura de tecidos de bananeira é muito utilizada produção de mudas básicas de novas cultivares desenvolvidos pelos programas de melhoramento genético (Braga et al. 1998)... entre outros fatores (Braga et al. que sejam viáveis para a aclimatização é de grande relevância. 2001. exerce grande influência na adaptação e desenvolvimento inicial das plantas em condições naturais. os quais devem garantir a sustentação mecânica do sistema radicular. A aclimatização de plantas tem sido um grande entrave na micropropagação de muitas espécies. é fundamental a determinação dos substratos adequados para a aclimatização. Grattapaglia & Machado. ou mesmo sua eliminação. 1998). As principais vantagens desse método são as altas taxas de multiplicação em comparação aos métodos tradicionais e à alta qualidade fitossanitária das mudas. do genótipo e da disponibilidade de infra-estrutura adequada em casa de vegetação (Grattapaglia & Machado.) com Menor Comprimento do Estipe Introdução A micropropagação da banana consiste no isolamento de ápices vegetativos de filhos de matrizes vigorosas e produtivas. em condições assépticas. A utilização de substratos alternativos. O substrato. Lins et al. entretanto a bananeira tem apresentado excelente desempenho nesta etapa em diversas condições em termos de tipo e fertilidade de substrato. pois o aproveitamento de resíduos da agroindústria em praticas agrícolas apresenta-se . por meio de suas características químicas. 2003. não prejudica a sobrevivência e o posterior desenvolvimento ex vitro de determinadas espécies (George. permitindo. 1998).8 Seleção de Cultivares de Coqueiro (Cocos nucifera L. Alguns pesquisadores suportam a hipótese de que a redução do período de enraizamento in vitro. a estabilidade da planta. umidade e aeração.

. baixo custo e alta disponibilidade.. Além da facilidade de produção. de forma economicamente viável e ambientalmente sustentável (Bakker. 2007). as mudas foram lavadas em água corrente e receberam cortes sucessivos no pseudocaule e no rizoma para redução das dimensões. 2002).Aclimatação de Mudas de Bananeira ‘Prata Anã’ Regeneradas em diferentes condições de cultivo in vitro1 9 como uma alternativa para a solução de problemas sociais e ambientais (Silveira et al. 2002). SE. Terceiro Neto et al. O presente trabalho teve por objetivo avaliar o efeito de diferentes substratos na aclimatização de mudas de banana ‘Prata Anã’ após a etapa de enraizamento in vitro na presença e ausência de carvão ativado e após o terceiro subcultivo. 2003. na composição de substratos. Em seguida. Em estudos de aclimatização de abacaxizeiro Souza Júnior et al. em hipoclorito de sódio comercial 1-1. Material e Métodos As atividades foram conduzidas na Embrapa Tabuleiros Costeiros. (2001) observaram que substrato com húmus de minhoca induziu melhor crescimento. promove um aumento na capacidade de troca de cátion.. é uma alternativa de uso adequado para os resíduos agroindustriais de coco (Carrijo et al. Foram utilizadas mudas do tipo chifrinho cv. os explantes foram imersos em álcool 70% (v/v) por 5 minutos. Silva et al. 2007. A adição de húmus ao substrato.. Após a coleta no campo.25% por 30 minutos.. oriundas do Campus Rural da Universidade Federal de Sergipe situado no município de São Cristóvão. Ledo et al. fornece macro e micronutrientes. 2007. diminui a compactação e melhorar a aeração e o enraizamento. tem sido promissor para a produção de mudas de diferentes espécies (Correia et al. em Aracaju. O uso de pó de casca de coco verde ou maduro. 2004. 1994). Bomfim et al. Prata Anã.. por meio do aumento na disponibilidade de nutrientes. Posteriormente. mantendo intacto em seu interior o meristema apical. segundo Rossi & Shimoda (1995). no ano de 2007. A utilização de húmus de minhoca permite o enriquecimento da matéria orgânica disponível. foram submetidos a três . SE. diminui o efeito tóxico do alumínio.. aumenta a atividade microbiana.

número de raízes. utilizou-se o meio MS suplementado com 4 mg L-1 de bezilaminopurina e 30 g L-1 de sacarose.8 e todos os tratamentos foram submetidos à esterilização em autoclave a 121ºC durante 15 minutos. número de folhas. em volume) e substrato comercial . contendo os seguintes substratos esterilizados: vermiculita. As mudas foram aclimatizadas por 60 dias em telado sombreado a 50% com sistema de irrigação por microaspersão.SC. As culturas foram mantidas em sala de crescimento com temperatura variando de 25 ± 2ºC.SAH (1:1:1. areia lavada e húmus de minhoca .VAH (1:1:1. O experimento foi instalado no delineamento inteiramente casualizado em esquema fatorial 2 x 5 (presença ou ausência de carvão ativado na fase de enraizamento in vitro x cinco substratos) com três repetições. comprimento das raízes (cm). em volume). Na fase de enraizamento as brotações adventícias foram transferidas para meio MS na presença e ausência de 1 g L-1 de carvão ativado. Plantas provenientes de meio de cultura de enraizamento in vitro. 1962) gelificado com 6 g L-1 de agar. deionizada e autoclavada.MS (Murashige & Skoog. solo. sem a adição de reguladores de crescimento.10 Aclimatação de Mudas de Bananeira ‘Prata Anã’ Regeneradas em diferentes condições de cultivo in vitro1 lavagens sucessivas com água destilada. em volume).SAPC (1:1:1. areia lavada e húmus de minhoca . com duas a três folhas bem formadas tiveram seu sistema radicular uniformizado com podas até o comprimento de 6 cm. O pH do meio de cultura foi ajustado para 5. Cada parcela experimental foi composta de um recipiente com uma muda. solo. na presença ou ausência de carvão ativado.SPC (2:1. umidade relativa do ar em torno de 70% em fotoperíodo de 12 horas de luz branca fria (52 µmol m-2 s-1 de irradiância). Do primeiro ao terceiro subcultivo. inoculou-se um explante por frasco de vidro com capacidade de 250 mL contendo 30 mL de meio de cultura de Murashige & Skoog. peso da matéria fresca e matéria . em volume). Aos 60 dias após a transferência para condições ex vitro foram realizadas as seguintes avaliações: comprimento da parte aérea (cm). Após a redução final dos explantes para dimensões de 10 mm x 5 mm x 5 mm. A cada sete dias foi realizada a suplementação de macro e micronutrientes por meio de solução com metade da concentração de sais do meio MS. Em seguida foram transferidas para recipientes plásticos com capacidade de 300 cm3. areia lavada e pó de casca de coco seco . solo e pó de casca de coco seco .

até atingir peso constante.mudas sem folhas comprometidas ou necrosadas. matéria fresca da parte aérea e matéria seca das raízes (Tabela 1). Cada parcela experimental foi composta de três recipientes com uma muda cada. em volume). 2. na matéria fresca das raízes e na matéria seca da parte aérea das mudas de banana ‘Prata Anã’ provenientes do terceiro subcultivo e aclimatizadas em diferentes substratos... As médias referentes às notas de vigor foram submetidas à análise não paramétrica e comparadas pelo teste de Kruskal-Wallis em nível de 5% de probabilidade no programa estatístico SAS (SAS Institute Inc. provenientes do terceiro subcultivo. Não foram detectadas diferenças significativas entre os tratamentos para o número de folhas. areia lavada e húmus de minhoca . vigor.Aclimatação de Mudas de Bananeira ‘Prata Anã’ Regeneradas em diferentes condições de cultivo in vitro1 11 seca da parte aérea (g) e da raiz (g) e vigor. 2000). solo e pó de casca de coco seco . O experimento foi instalado em delineamento inteiramente casualizado com três tratamentos e sete repetições. em volume) e solo. plantas com duas a três folhas e sistema radicular uniformizado com comprimento de 6 cm foram transferidas para recipientes plásticos com capacidade de 300 cm3. em volume). 2000). Para determinação da matéria seca realizou-se a secagem da parte aérea (folhas e bainhas) e do sistema radicular em estufa à temperatura de 60ºC.SPC (2:1. As mudas foram mantidas nas mesmas condições anteriores e aos 60 dias foram avaliadas as mesmas variáveis. contendo os seguintes substratos esterilizados: solo.mudas com duas ou mais folhas comprometidas ou necrosadas. comprimento da parte aérea e da raiz. Resultados e Discussão Houve diferença significativa no número de raízes.SAPC (1:1:1. 3. Para avaliação do vigor foram atribuídas notas conforme a presença ou ausência de folhas necrosadas: 1. As médias das variáveis foram submetidas à análise de variância e comparadas pelo teste de Tukey em nível de 5% de probabilidade no programa estatístico Sisvar (Ferreira et al.SAH (1:1:1. na aclimatização ex vitro em diferentes substratos.mudas com uma ou duas folhas comprometidas ou necrosadas. . areia lavada e pó de casca de coco seco . Para avaliação do desempenho de plantas.

apresentou um maior peso (28. número de raízes (NR). o crescimento radicular é lento. A matéria fresca das raízes de plantas aclimatizadas no substrato SAPC (solo. Provavelmente a adição de pó de casca de coco seco conferiu ao substrato maior capacidade de retenção de água e. o estresse hídrico das plantas é geralmente o maior problema e a manutenção da umidade relativa alta desde a retirada das plantas do meio de cultura até a retomada do crescimento é um fator chave para a sua sobrevivência inicial (Grattapaglia & Machado. Houve um maior acúmulo de matéria seca na parte aérea (7. 1998). 2008. SAH – solo.11 g) quando comparada com as mantidas no substrato SAH.62. A proliferação das raízes depende da disponibilidade de água e nutrientes no microambiente que as circundam. O maior número de raízes observado nesse substrato provavelmente pode ser atribuído à presença de húmus. matéria seca das raízes (MSR). matéria fresca das raízes (MFR). melhor sobrevivência e vigor das plantas. Se a rizosfera é pobre em nutrientes ou muito seca. Médias seguidas pela mesma letra maiúscula na coluna e minúscula na linha não diferem entre si pelo teste de Tukey e de Kruskal-Wallis (*) a 5% de significância. SPC – solo e pó de casca de coco seco.12 Aclimatação de Mudas de Bananeira ‘Prata Anã’ Regeneradas em diferentes condições de cultivo in vitro1 Tabela 1. areia lavada e húmus de minhoca.81 e 9. Médias do número de folhas (NF). comprimento de raízes (CR). induziu na fase de aclimatização a formação de um maior número de raízes (12. quando comparado aos demais substratos (9. que promove maior disponibilidade de nutrientes do composto favorecendo o desenvolvimento de um sistema radicular mais numeroso. comprimento da parte aérea (CPA). SAPC – solo. consequëntemente. areia lavada e pó de casca de coco seco. matéria seca da parte aérea (MSPA) e vigor (V) de mudas de banana ‘Prata Anã’ aos 60 dias em diferentes substratos na fase de aclimatização. areia e pó de casca de coco seco). areia e húmus de minhoca (SAH). Na fase de aclimatização.33). respectivamente). matéria fresca da parte aérea (MFPA). SE. Aracaju.77 g) das plantas aclimatadas no substrato SPC (solo e . 2006). O substrato composto por solo. sendo que à medida que as condições melhoram. o crescimento radicular aumenta (Taiz & Zeiger.

na aclimatização. nos substratos comerciais Plantagro® e Bioplant®.0 cm) quando comparado com os demais tratamentos (Tabela 3). Resultados semelhantes foram obtidos por Souza Júnior et al.Aclimatação de Mudas de Bananeira ‘Prata Anã’ Regeneradas em diferentes condições de cultivo in vitro1 13 pó da casca de coco). Em estudos conduzidos com plantas de coqueiro anão oriundas da cultura de embriões zigóticos.. areia e húmus de minhoca (VAH) apresentaram maior comprimento da parte aérea (42. (2007) observaram que a adição de pó de casca de coco seco à areia lavada. (2001) que observaram valores médios inferiores para variáveis de crescimento de plantas de abacaxizeiro aclimatadas em substrato composto por areia. induziu às plantas maior crescimento da parte aérea e maior número de folhas. dos substratos para comprimento da raiz e da interação dos dois fatores para o comprimento da parte área. Ledo et al. Plantas enraizadas in vitro na ausência de carvão ativado e transferidas para o substrato vermiculita. 2004). corroborando com os efeitos positivos do pó de casca de coco seco no vigor das mudas. . seguidos pelo pó de casca de coco seco e vermiculita (Terceiro Neto et al. na proporção de 1:1 em volume. matéria fresca da raiz e parte aérea (Tabela 2). Na aclimatização de mudas de banana ‘Prata Anã’ em diferentes substratos após a etapa de enraizamento in vitro houve efeito significativo do carvão ativado para o número de raízes. Mudas de violetaafricana (Saintpaulia ionantha Wendl) apresentaram bom crescimento.

areia lavada e húmus de minhoca. matéria seca das raízes e matéria seca da parte aérea de mudas de banana ‘Prata Anã’ aos 60 dias em diferentes substratos na fase de aclimatização. SAH – solo. SE.14 Aclimatação de Mudas de Bananeira ‘Prata Anã’ Regeneradas em diferentes condições de cultivo in vitro1 Tabela 2. areia lavada e húmus de minhoca . número de raízes. areia lavada e pó de casca de coco seco e SC – substrato comercial . comprimento da parte aérea. Aracaju. 2008 Médias seguidas pela mesma letra maiúscula na coluna e minúscula na linha não diferem entre si pelo teste de Tukey a 5% de significância. matéria fresca das raízes. VAH -vermiculita. SPC – solo e pó de casca de coco seco. matéria fresca da parte aérea. SAPC – solo. comprimento de raízes. Médias do número de folhas. .

. Diversos autores têm relatado os efeitos benéficos do carvão ativado em meio de cultura no desenvolvimento radicular e da parte aérea de plantas de banana cv.29 raízes/planta (dados não apresentados). principalmente se as brotações tiverem tamanho reduzido no momento do enraizamento.. O desempenho das mudas aclimatadas diretamente após o terceiro subcultivo na fase de multiplicação. 1990. 2005). Conclusões 1. Preciosa e Japira. 12. em média. na fase ex vitro apresentaram. ‘Grand Naine’ (Costa et al.40 g) e da raiz (33. 2007) e Annona glabra (Santana et al. maior número de raízes (14. O efeito benéfico do carvão ativado na rizogênese in vitro foi potencializado em condições ex vitro. .. (2008) reportam a necessidade da fase de enraizamento in vitro para as cultivares Caipira.. areia lavada e húmus de minhoca (1:1:1) promove maior comprimento da parte aérea de plantas enraizadas in vitro na ausência de carvão ativado. em média.21 g) de mudas de banana ‘Prata Anã’. (2005) também para a ‘Prata Anã’ e Costa et al. ASH e SAPC promoveram um bom desenvolvimento da matéria fresca das raízes. Observou-se uma excelente adaptação das mudas aclimatizadas diretamente nas condições de telado sombreado a 50%.Aclimatação de Mudas de Bananeira ‘Prata Anã’ Regeneradas em diferentes condições de cultivo in vitro1 15 Plantas mantidas em meio de cultura com 0. favorecendo a adaptação às condições ex vitro. e na rizogênese in vitro de morangueiro (Villegas. Apesar de não terem sido observadas diferenças significativas. sugere que a etapa de enraizamento in vitro em meio na ausência de reguladores de crescimento é dispensável tendo em vista que 100% das plantas apresentavam. O substrato composto por vermiculita. Entretanto Costa et al. coqueiro anão verde (Ledo et al. O substrato VAH promoveu um maior peso da matéria fresca da parte aérea (45. 2006).33). citado por Calvete et al. 2002). Os substratos VAH. concordando com resultados obtidos por Pereira et al. (2008) para as cultivares Caipira. Preciosa e Japira. as plantas enraizadas in vitro na presença de carvão ativado apresentaram um maior valor numérico para a matéria fresca e seca da parte aérea na fase de aclimatização.1% de carvão ativado.

) cv. T. M. BEZERRA. 60p. P. de A. CNPq e Sergipe Parque Tecnológico pela concessão de bolsas de iniciação científica e ao assistente de pesquisa Inácio Roque de Andrade Júnior pelo apoio na execução do trabalho. .. 3. C. Referências Bibliográficas BAKKER. Horticultura Brasileira. M. G. jun 2002. N. v. de. KÄMPF. SP.. p.). A. areia lavada e húmus de minhoca (1:1:1). 41-48. 3. S. Concentração de sacarose no enraizamento in vitro de morangueiro. P. P. E. agosto 2001 CALVETE. n. de. E. Avaliação de um protocolo para multiplicação in vitro da bananeira (musa sp. 1994. p. V. BRAGA. MARIA SÁ. V.16 Aclimatação de Mudas de Bananeira ‘Prata Anã’ Regeneradas em diferentes condições de cultivo in vitro1 2. 2007. & Tul. Plantas enraizadas in vitro na presença de 0. B. C. 2. Agradecimentos A FINEP. Tese. areia lavada e pó de casca de coco seco (1:1:1) promove maior acúmulo de matéria fresca das raízes. M. AZEVEDO. n. induz a formação de um maior número de raízes em plantas aclimatizadas após o terceiro subcultivo e o substrato composto por solo. M. VIANA. do.. 20. L. Brasília. 1. MUSTAFÁ. M. F. CARVALHO. de. F.. p. Fortaleza: Universidade Federal do Ceará. de. Revista Brasileira de Fruticultura. Caipira (AAA). A. 215-219. SUZIN. 186-191. O. A.1% de carvão ativado apresentam maior número de raízes na fase de aclimatização.. P. n. v. BOMFIM. 23. Jaboticabal. Efeito do húmus de minhoca e da inoculação do fungo micorrízico arbuscular Glomus macrocarpum Tul. sobre o desenvolvimento de mudas de cajueiro anão-precoce (Anacardium occidentale L. OLIVEIRA. Aclimatização ex vitro de abacaxizeiro ornamental em substratos à base de pó-de-coco. C. v. A. Plant Cell Culture and Micropropagation. O substrato composto por solo.2. K.

de S.Aclimatação de Mudas de Bananeira ‘Prata Anã’ Regeneradas em diferentes condições de cultivo in vitro1 17 CARRIJO.533-535. A. A. F. 2. p. M.. S. FERREIRA. 143-147. 4. 30. F. 2000. F. M. Plant propagation by tissue culture. 45. 1.. S. v. 1996. v. da S. PEREIRA. 2003. E. A. E.. E. de V.. E.. NORÕES. MIYATA. Jaboticabal . J. Jaboticabal – SP. Análises estatísticas por meio do Sisvar para Windows versão 4. S.. RODRIGUES. VIEIRA... 28. COSTA. S.SP. S. Cultura de tecidos e transformação genética de plantas. S. 1998. de. LIZ. D.. K. São Carlos. ROCHA. Utilização de Gigaspora margarita em plantas micropropagadas de bananeira em diferentes estádios de enraizamento... 2008.. de. TUPINAMBÁ. In: Reunião Anual Da Região Brasileira Da Sociedade Internacional De Biometria. Fibra da casca de coco verde como substrato agrícola. B. .. E. A. A. (Ed. Horticultura Brasileira. p. 280-283. MACHADO. v.. Cultivo in vitro de embriões zigóticos e aclimatação de plântulas de coqueiro anão. CORREIA. cv. Revista Brasileira de Fruticultura. PASQUAL.. Uso do pó da casca de coco na formulação de substratos para formação de mudas enxertadas de cajueiro anão precoce. M. 25. F. M. OLIVEIRA. J. A. S. G.. B. L. p.557-558. n. COSTA. Micropropagação. Anais. Efeito da interação entre carvão ativado e N6 -benzilaminopurina na propagação in vitro de bananeira. Revista Brasileira de Fruticultura. MAKISHIMA. n. Jaboticabal – SP.183-260. PEREIRA. G. S. LINS . n. M. n. CALDAS. 2006. 20. TRINDADE . 2nd ed. de L. Revista Brasileira de Fruticultura. 2002.. 2007. R. 42. p. In: TORRES. GOMES. K. C. Y. de F. Brasília: Embrapa-SPI/Embrapa-CNPH. R. 147-154. H.). S.3. L. p. Relação entre o tempo de enraizamento in vitro e o crescimento de plantas de bananeira na aclimatização. Edington: Exegetics. F. A.. A. A. GRATTAPAGLIA. 280-283.. J. 0. ARAGÃO. Grand naine (AAA). N. 25. 2000. P. p. D. BUSO. V. A.. São Carlos: UFSCar. H. LEDO. v. p. 1361 p.. H. n.. O. da S.. Pesquisa Agropecuária Brasileira . ROSA. p. PEREIRA. BARBOZA. J. F. ARAÚJO. Revista Brasileira de Fruticultura . P. GEORGE. M. v. W.255-258. C. v. 2003. D. 1..

1. C. p. E. F. F. C..) Merril] cv. Pesquisa Agropecuária Tropical. Pérola. 2. . R. Jaboticabal . 31. B.. V. P. HERNANDEZ. v. v. M. de. SALLES. Horticultura Brasileira. (Ed. LIMA. C. B. Efeito de substratos e recipientes na aclimatação de plântulas de abacaxizeiro [Ananas comosus (L. L. n. Aclimatização “ex vitro” de mudas de antúrio em diferentes substratos. C... Plant Growth Regulators. S. SILVEIRA. F. Revista Ciência Agronômica. F. RODRIGUES... M. n. v. C. p. The use of charcoal in in vitro culture – a review. C. A. 2. Viçosa: UFLA. v. R. p. M. 188-191. Nutrição mineral. A. v. J. L. V.. 2007. Apostila de minhocultura. F. 238-240.. S. Efeito de diferentes substratos na aclimatação “ex vitro” de mudas de violeta africana (Saintpaulia ionantha Wendl). Physiologia Plantarum. P. n. 473-497. B. 1998. HERNANDEZ. J. E. E. TAIZ. J.. 3.. F. 2. 147-151. C.. J. SHIMODA. SAS INSTITUTE INC. KOJI KOBAYASHI. T. F. p. SILVIA NIETSCHE. Aclimatização de mudas micropropagadas de bananeira sob diferentes condições de luminosidade. NUNES. de. de. 2. 2005. 2. L. J. S. p. SAS/STAT User´s Guide: version 8. n. J. SOUZA JÚNIOR. 2002. A.. VAN STADEN. GOMES. E. p. ZEIGER. 2004. N. D. 20. F. n. p. v. 38. Pó de coco como substrato para a produção de mudas de tomateiro.. T. Revista Brasileira de Fruticultura. L. C. B. F.155-163. F. In: TAIZ.. 1962. MESQUITA. v. C. v. C. 2004.) trad.. A. B. The Hague.. DINIZ. ROSSI. E. R. 15. SOUZA. F. Inc. L.. GONÇALVES. F. A revised medium for rapid growth and bioassays with tobacco tissue cultures. Revista de Biologia e Ciências da Terra. BARBOZA. SKOOG.. MARIANO. PEREIRA.18 Aclimatação de Mudas de Bananeira ‘Prata Anã’ Regeneradas em diferentes condições de cultivo in vitro1 MURASHIGE. et al. 4. Cary NC: SAS Institute.0.. L. C. CAVALCANTI.. TERCEIRO NETO. p. SOUSA. ZEIGER. BEZERRA. M. Porto Alegre: Artmed. 2001. R. E. F. BEZERRA. 95112. 1995. D.SP. SILVA.. Brasília.. PAN. Fisiologia vegetal. 2000. L. 10p. n.. J. V. MORAIS. SANTARÉM.. P. D. E. 211-216..26. FRANÇA. 27.

Tabuleiros Costeiros .