1

A interpretação e os sentidos da Sagrada Escritura
1

O contributo de Paul Ricoeur

Introdução

Em tempo e em sede tão exíguos somos desafiados à aventura por temática tão vasta
e infinda. Para não tornar tal tarefa impossível, porque inabarcável, importa restringir a reflexão
ao e no tempo actual, apresentando sobretudo os grandes resultados e consensos ecuménicos
no que toca aos princípios de leitura do texto tão especial que é o texto bíblico. Esta tarefa está
balizada por dois grandes textos recentes: o texto conciliar da Dei Verbum (1965)
2
e o
Documento da Pontifícia Comissão Bíblica (1993) precisamente sobre os motivos que aqui nos
congregam, sendo que este último documento, ainda que não do Magistério como o primeiro,
encontrou a confiança do mesmo pois nele se exprime uma autorizada comissão de peritos em
ciências bíblicas
3
. Propomo-nos, porquanto, a um simples elenco e descrição forçosamente
breve das grandes técnicas de leitura do texto bíblico, dos princípios de leitura específicos que
presidem ao contacto com este texto antigo e actual, e dos sentidos do mesmo, sem entrar
pelas diversas escolas actuais de interpretação, isto é, de hermenêutica, ou melhor dito, pela
questão hermenêutica
4
, tendo essa discussão como pressuposta e como objecto para outras
sedes. É com efeito inegável que actualmente a razão teológica postula-se e tem de se
postular nesta era da idade da razão hermenêutica (Jean Greisch), e da razão em tempos do
dito pensamento débil, o que faz da própria hermenêutica um novo paradigma da teologia. Tal
paradigma é explicável quando nos damos conta não só da ruptura com as metafísicas
clássicas mas também da passagem das filosofias do sujeito às filosofias da linguagem e do
progressivo distanciamento da razão filosófica face à ontologia clássica (aliás, no mínimo,
discutível). Para além destas tendências há igualmente que reconhecer que a questão
hermenêutica coloca-se à teologia desde os seus inícios, pois os textos são eles mesmos uma
interpretação da fé. A hermenêutica como leitura dos textos é coetânea da própria teologia que
começa ela mesma no seio do texto bíblico por ser uma leitura da fé do texto da vida do povo
de Deus e sobretudo dos acontecimentos fundadores de Israel e do acontecimento pascal.
Neste sentido, a Escritura é ela mesma o testemunho de várias experiências hermenêuticas e
de vários hermeneutas que relêem na história o fenómeno da fé, o fenómeno da história
entendida como história de salvação, bem como os textos que dentro deste processo
interpretativo se vão formando e sucessivamente reinterpretando
5
.

1
Dada a vastidão da produção do grande filósofo francês, neste breve espaço optamos por nos centrar
apenas em alguns dos grandes textos que marcam a sua obra.
2
Cf. A. BAXTER, “The Bible Knowledge of God and Dei Verbum”, HeyJ (2001) 183-187.
3
Cf. Pontifícia Comissão Bíblica, A Interpretação da Bíblia na Igreja (1993), Lisboa 1994, 29.
4
Para um resumo histórico desta problemática tão central à filosofia actual e tão importante para o
diálogo epistemológico da teologia com as ciências humanas ver J. GRONDIN, Introduction to
Philosophical Hermeneutics (1991), New Haven – London 1994, 63-135.
5
Cf. C. GEFFRÉ, L’herméneutique comme nouveau paradigme de la théologie. In H. J. ADRIAANSE –
R. ENSKAT (hrsg.), Fremdheit und Vertrautheit. Hermeneutik im europäischen Kontext, Leuven 2000,
189.
2
Mas como estamos diante de um texto, diante de um património religioso com o maior
sucesso editorial de toda a humanidade e desde sempre, é fundamental considerar não tanto a
questão linguística quanto o lugar e o objecto da linguagem bíblica, ela mesma uma Babel de
linguagens (cf. Gen 11,1-8), mas ao contrário de Babel suportada por um fio condutor. É o
sentido ou os sentidos desse fio condutor que nos ocupará na última parte, precisamente
colocando-nos a questão da possibilidade mesma da interpretação, ou seja, da hermenêutica,
isto é, da actualização do texto bíblico.
Ao longo deste pequeno percurso teremos como companhia privilegiada de viagem o
grande filósofo francês que sobretudo desde os anos 60 tem escrito e pensado a relação do
texto com a realidade, e o lugar ou as possibilidades da hermenêutica bíblica, ele que nunca
negou a sua fé e que sempre tentou articular o pensamento filosófico com o texto fundador do
cristianismo
6
. Por conseguinte, não se pretende aqui enveredar por um comentário de maneira
positiv(ist)a do Documento da referida Comissão Bíblica de 1993, como muitos aliás já fizeram
(e bem), nem do seu documento de 2001 sobre as relações da Bíblia Hebraica com a Bíblia
cristã
7
.

1. A questão da linguagem e da linguagem bíblica

A dificuldade do texto escriturístico reside sobretudo na distância temporal entre a sua
origem e o nosso tempo que frequentemente não compreende alguns dos registos de
linguagem nele utilizados
8
, pois efectivamente o contexto civilizacional e cultural pós-moderno
é em muitos aspectos – não todos – diverso. Nesta nossa era marcada pela voragem da
velocidade, em que as coisas envelhecem muito mais depressa pois passam muito
rapidamente de moda, por que motivo(s) continuar a ler textos antigos (pelo menos no tempo),
se não se vendem (dirão alguns dos cultores neo-liberais nossos contemporâneos ou os
directores de informação das nossas televisões ou dos jornais mais ou menos tabloidizados
vergados às leis selvagens dos números, da publicidade ou das audiências)? Será a
actualidade apenas uma questão de datação, como querem fazer crer alguns?
Neste âmbito Paul Ricoeur vai um pouco mais longe......, muito para lá destes
apoucamentos a que a leitura e a escrita são votadas ou relegadas. A distância tem a ver não
tanto, efectivamente, com a questão do tempo cronológico, mas antes de tudo com a questão
textual em si, com a essência do textus, do tecido da escrita. A pergunta essencial é saber
porque é que se escreve um texto e se o lê ou deve ler. Qual a sua natureza? O que leva a lê-
lo, sendo que um texto é uma realidade que distancia o autor e a realidade do autor, distancia o

6
Cf. P. RICOEUR, “You are the Salt of Earth”, Ecumenical Review 10 (1959) 264-276; IDEM, La
Symbolique du Mal, Paris 1960, 323-332; IDEM, Le Conflit des interprétations, Paris 1969, 393-415.458-
486; IDEM, Sur l’exégèse de Genèse 1,1-2,4a. In AA.VV., Exégèse et herméneutique, Paris 1971, 67-
68.85-96; IDEM, “Listening to the Parables of Jesus”, Criterion 13 (1974) 18-22.
7
Cf. Pontificia Comissio Biblica, Il popolo ebraico e le sue Sacre Scritture nella Bibbia cristiana,
Vaticano 2001.
8
Cf. L. ALONSO SCHÖKEL, Hermenéutica de la Palabra. I. Hermenéutica biblica, [= Academia
Christiana 37], Madrid 1987, 93.
3
texto do autor ou da comunidade que lhe deu origem?
9
Parece que distancia em vez de
aproximar. Ora, o mundo do texto, do texto escrito cria no leitor novas possibilidades de ser.
A distância temporal e geográfica já exige então uma re-tradução, uma interpretação.
Qual o sentido dos termos? Como tem este texto que ver connosco? Como pode ser
reactualizado e relido? Qual o papel e a autoria do texto, sabendo nós hoje que muitos deles
são fruto da fé da comunidade que lhes deu origem?
10
A questão não reside só em saber o que
está dito, mas em alcançar o sentido do que está dito, o que é que o texto quer dizer, e
sobremaneira o que o texto pode novamente dizer à comunidade crente actual ou voltar a ser
legível pela comunidade humana, mesmo a que orbita fora dos limites ditos institucionais da fé,
mas que se coloca honestamente as questões sempre pertinentes do mistério do homem e do
seu sentido. Ora, diante de textos antigos, o difícil não é ler. Essa é uma actividade que se
pode tornar mais ou menos mecânica, avulsa, logo superficial. Na intuição acertada de Alonso
Schökel, o difícil é saber ler
11
, pois para lá dos tempos, os próprios géneros literários dos textos
bíblicos e dos textos literários impõem o respeito do respectivo ambiente e finalidade. Não se
pode esquecer que alguns são mesmo destinados à representação, ao canto, à encenação, à
recitação ou à proclamação pública. E só nesses ambientes se tornarão legíveis, isto é,
poderão ser bem interpretados. Como nota Martin Heidegger (1889-1976), é fundamental uma
leitura autêntica que compreenda que o texto apela à nossa existência e à nossa essência
12
.
Legere é na verdade uma lex, uma lei, de acordo com a própria etimologia latina, é uma
prescrição à contemplação do que aparece e brilha
13
para assim ligar, coligar leitor e autor,
texto e mundo. O étimo grego légein não soa a lei mas a lógos, cuja lógica é a da injunção de
palavras que formam a linguagem, à volta da qual se juntam, se dá a conjunção (Sammlung)
dos leitores e do mundo na conexão própria da mesma. A linguagem recolhe assim unitária e
coerentemente ao e no ler, na leitura do escrito. Assim sendo, o leitor, o lente tece e tece-se.
Contempla, pois é desafiado.
Esta tarefa de leitura autêntica e contemplativa tem sido ultimamente uma das tónicas
analíticas da exegese bíblica sobretudo com a chamada leitura pragmalinguística e
narratológica da Sagrada Escritura
14
com ecos e articulações igualmente em campo teológico

9
Cf. P. RICOEUR, Sur l’exégèse de Gen 1,1-2,4a. In AA.VV., Exégèse et Herméneutique, Paris 1971,
48; IDEM, L’herméneutique biblique, Paris 2001, 323-325.
10
Cf. P. RICOEUR, The “Sacred” Text and the Community. In W. D. O‟FLAHERTY (ed.), The Critical
Study of Sacred Texts, Berkeley 1979, 271-276; IDEM, “La logique de Jésus. Romains 5”, Études
Théologiques et Religieuses 55 (1980) 420-425; IDEM, Soi-même comme un autre, Paris 1990, 37.
11
Cf. L. ALONSO SCHÖKEL, Hernenéutica de la Palabra. I, 207.
12
“Was heisst lesen? Das Tragende und leitende im Lesen ist die Sammlung. Worauf sammelt sie? Auf
das Geschriebene, auf das in der Schrift Gesagte. Das eigentliche Lesen ist die Sammlung auf das, was
ohne unser Wissen einst schon unser Wesen in den Anspruch genommen hat, mögen wir dabei ihm
entsprechen oder versagen. Ohne das eigentliche Lesen vermögen wir auch nicht das uns Anblickende zu
sehen und das Erscheinende und Scheinende zu schauen“: M. HEIDEGGER, Denkerfahrungen,
Frankfurt, Klostermann 1983, 61.
13
Cf. “Erscheinende und Scheinende zu schauen“ : Ibidem.
14
Cf. S. LEVINSON, Pragmática, Barcelona 1989; G. REYES, El abecé de la pragmática, Madrid
1995; F. CONESA – J. NUBIOLA, Filosofía del lenguaje, Barcelona 1999, 190-210. Em campo mais
estritamente aplicado ao universo escriturístico ver C. MORA PAZ – M. GRILLI – R. DILLMANN,
Lectura Pragmalinguística de la Biblia. Teoría y aplicación, Navarra 1999, 9-72.
4
com a chamada teologia narrativa como reacção àquela teologia que Ricoeur critica por ser
puramente especulativa, moral e meramente existencial
15
. O autor francês distancia-se logo de
início da hermenêutica decisional e existencial de R. Bultmann (1884-1976) por esta se ficar
por uma teologia kerigmática sem mitologia
16
. Paul Ricoeur critica em Bultmann a “distinção
ingénua entre as expressões míticas objectivantes e as formulações não míticas da
proclamação cristã. No que a estas últimas diz respeito, Bultmann não apresenta nenhuma
teoria da interpretação, desemboca mesmo directamente numa simples adesão da fé, numa
decisão existencial”
17
. Ricoeur submete à crítica a dita linguagem existencialista enquanto
vector interpretativo do próprio acto de fala precisamente por não respeitar o distanciamento do
texto face ao autor e ao leitor, temática aliás tão recorrente no autor francês, e provavelmente o
seu maior contributo à exegese contemporânea, sobretudo nas consequências hermenêuticas
que daqui exalam. Na realidade, o texto escrito destaca-se da pena do autor, e o que está
escrito não coincide mais com a intenção do autor que escreveu esse texto. O texto escrito fará
a partir de então o seu próprio percurso
18
. Assim sendo, neste quadro global de compreensão,
Ricoeur define a hermenêutica como a tarefa que visa não provocar uma Entscheidung, uma
decisão no leitor, mas em primeiro lugar mostrar o mundo da nova aliança, no caso do texto
bíblico
19
. Por isso, a compreensão não será uma contemporaneidade do leitor com o autor mas
efectivamente um distanciamento, uma compreensão na distância, no hiato pessoal e
temporal
20
. Paul Ricoeur dá deste modo um contributo, corrigirá mesmo uma certa tendência
de imediatidade na busca exegética da intenção do autor
21
, esforço hermenêutico este que
prevalece como algo absoluto quer no texto conciliar da Dei Verbum (nº12) quer no Documento
da Comissão Pontifícia de 1993 sobre a Interpretação da Bíblia na Igreja (p. 45).
Com efeito, a interpretação escriturística dá-se conta de que o texto bíblico, mais do
que uma provocação existencial, é fruto de um desejo de comunicação, antigo, desde tempos
imemoriais, mas cuja memória registada por escrito tem os inícios dos seus contornos com a
gesta histórica da experiência exodal mosaica. Oferece uma nova possibilidade de ser exodal.
Porquanto, coloca o leitor diante desse desejo narrando esse desejo, simplesmente. Visto que
é um texto antigo exige por vezes explicações, auxílios sobre o que está dito. Esta é a tarefa da
exegese bíblica, fornecer certas informações complementares sobre os géneros literários, as
instituições, fornecer dados sociológicos e culturais, linguísticos e lexicais, entre outros, ou
seja, dar início a uma espécie de arqueologia sobre o texto. Então o leitor hermeneuta estará

15
Cf. P. RICOEUR, L’hérmeneutique biblique, 326. Também em M. I. WALLACE (ed.), Figuring the
Sacred, Minneapolis 1995, 236. Ricoeur não deixa de considerar a narratologia como uma “simulation de
l‟intelligence narrative au moyen d‟un discours de second ordre appartenant au même degré de rationalité
que les autres sciences du langage” : IDEM, L’hérmeneutique biblique, 330.
16
Cf. P. RICOEUR, Le Conflit des interprétations, 373-392.
17
Cf. F.-X. AMHERDT, Au-dela de Bultmann : les tâches de l’herméneutique biblique. In P. RICOEUR,
L’herméneutique biblique, 52.
18
Cf. P. RICOEUR, La fonction herméneutique de la distanciation. In F. BOVON – G. ROUILLER,
Exegesis. Problèmes de méthode et exercices de lecture, Paris-Neuchatel 1975, 209.
19
Cf. P. RICOEUR, Herméneutique philosophique et herméneutique biblique. In F. BOVON – G.
ROUILLER, 222.
20
Cf. P. RICOEUR, La fonction herméneutique de la distanciation, 214.
21
Cf. Marco NOBILE, Teologia dell’Antico Testamento, [= Logos 8/1], Torino 1998, 40.41.
5
mais apto para perguntar da relação entre o sinal e o intérprete, ou seja, perguntar porque é
que está dito assim, por quem, com que objectivo, e porque agem os personagens de certa
maneira, que motivos presidem à intriga, à narrativa
22
. A resposta a esta questão de
interpretação (que não é a intenção inicial do texto mas a nossa enquanto auscultadores num
primeiro momento da discursividade do autor do texto) atingir-se-á então a partir do próprio
texto, está inscrita na escrita do texto. Esta aparição do texto leva Ricoeur a corrigir também
um pouco o conceito de Zugehörigkeit de H.-G. Gadamer (1900-2002). A empatia terá de ser
dialéctica, elíptica para se abrir ao diferente que é o texto da linguagem bíblica. O texto é para
Ricoeur o grande mediador entre nós e o mundo e não é o mundo com a sua pré-compreensão
e a sua Tradição, mesmo o nosso mundo, que é o mediador entre nós e o texto, como prefere
H.-G. Gadamer
23
. A discussão é assim direccionada das relações do mundo do sujeito e do
autor para o campo mais vasto da linguagem e da referência à realidade, no qual a linguagem
bíblica não é apenas um caso mais e até particular da linguagem filosófica. Ela mesma é um
expoente focal da linguagem em si, pelo que o mundo bíblico não pode ser apenas intra-textual
como defende a escola de Yale
24
. Neste sentido, a fé bíblica não pode ser apensa ou separável
do movimento contínuo da interpretação inerente à própria linguagem, ou seja, o texto bíblico
referindo-se a um conjunto de tensões e relações dialécticas não depende na respectiva
interpretação de um esquema antropológico prévio que o desautonomize completamente,
como advoga a desmitologização radical de Bultmann. Antes, o texto bíblico enriquece a
linguagem mesma, o que o torna o grande mediador entre nós e o mundo por intermédio do
autor. Acontece deste modo um enriquecimento mútuo
25
.
E o que recebemos nós e o mundo? A partir da respectiva leitura o leitor é conduzido a
descobrir que na origem está a intenção da comunicação amorosa de um Deus amante que
privilegiou evidentemente a linguagem do amor e da amizade (D.V. 2) pois essa é a forma
preferida que os amantes e os amigos têm para comunicar entre si. Ora, se no início está um
amor, uma misericórdia imotivada, então o texto bíblico surge ele mesmo como uma palavra
segunda face a esse amor salvador primeiro
26
. A precedência das tradições orais é disso
mesmo eco
27
. Só no quadro desta relação amorosa é que se consegue interpretar o que o
texto finalmente quer dizer, bem como perceber a própria organização do que está dito, pois
por isso mesmo instaura uma relação retórica muito própria com o leitor
28
.
A Sagrada Escritura é assim vista como um grande conjunto de auscultações
epistolares do Deus de Israel ao Seu povo espalhadas por um largo período de tempo. A

22
Sobre esta dimensão operativa do discurso, eminentemente do ponto de vista linguístico, ver F. I.
FONSECA, Deixis, Tempo e Narração, Porto 1992, 235-243.
23
Cf. A. THOMASSET, Paul Ricoeur. Une poétique de la morale, [= BETL 124], Leuven 1996, 307.
24
Cf. A. THOMASSET, Paul Ricoeur. Une poétique de la morale, 306.
25
Cf. A. THOMASSET, Paul Ricoeur. Une poétique de la morale, 308.
26
Cf. P. GILBERT, Petit histoire de l’éxègese biblique (1992), Paris 1997, 28.
27
Primeiro o amor vive e tem de se dizer, e só depois escreve-se : cf. P. GILBERT, Petit histoire de
l’éxègese biblique, 38-39. Aliás, este é o processo da própria tradição bíblica.
28
Cf. K. BÜHLER, Teoría del Lenguaje, Madrid
3
1967, 69; L. ALONSO SCHÖKEL, La Palabra
Inspirada, Barcelona 1966, 115; S. PIÉ-NINOT, La Palabra de Dios en los libros sapienciales,
Barcelona 1972, 242-285.
6
beleza destas cartas abertas, desta carta aberta que é a Sagrada Escritura, está em que
continuam a conseguir criar no leitor o desejo, neste sentido elas não explicam ou esgotam a
realidade, aliás como nenhuma linguagem humana consegue, pois a realidade é sempre maior
do que as palavras, ainda que necessite de aceder sempre à palavra, à linguagem, à
escrit(ur)a, ao texto. Assim sendo, o texto bíblico não é um conjunto de respostas sobre Deus,
o homem ou o mundo. É uma palavra deles a nós e ao mundo, o que é totalmente diferente, e
como qualquer palavra digna desse nome é para ser lida porque nela se encontra o sentido,
desafia o leitor e incita-o a um ser outro. Por isso, a sua antiguidade é apenas aparente. Como
já foi referido, neste contexto o texto bíblico é então uma lei, porque lê Deus, o homem e o
mundo, contempla-os. Nele o leitor recolhe-se na contemplação do mistério, logo não é uma
leitura qualquer, pois narra, mais não pode fazer do que colocar-se devant, diante do leitor.
Face a este mistério o leitor e o mundo são desafiados à possibilidade de um novo modo de
ser, uma nova forma de olhar as coisas
29
, como insiste Ricoeur.
Porquanto, a grande palavra bíblica é a Palavra do Verbo de Deus, essa palavra
primeira à qual temos acesso pela palavra segunda do texto bíblico que ecoa essa palavra
primeira diante da qual nós e o mundo somos colocados. No caso de Jesus os evangelhos não
provam nada, na medida em que de Jesus dão credibilidade e convocam a uma hermenêutica
da credentidade
30
, mas testemunham o desejo pós pascal de viver como Jesus, o homem
verdadeiramente livre, como diz Christian Duquoc, onde o ser humano se encontra, e que
assim é acolhido pelo Pai
31
. Os contemporâneos de Jesus não percebem em Sexta-feira Santa
que ali Jesus é alguém que dá a vida por um ideal e se une a todo o homem livre. Por isso, a
narrativa da paixão é uma narrativa de sentido precisamente porque provoca o desejo
remetendo a uma significação com relevância, instaura no leitor o desejo de viver como Jesus
vive, livre. N‟Ele se revê toda a humanidade, Ele representa todo o homem
32
. Jesus continua
deste modo a ajudar o leitor a desejar a esperança. Pelo texto, o leitor tem então acesso à
ressurreição porque o texto faz surgir no leitor o desejo de continuar a fazer ressurgir a vida, e
uma vida que se dá. Ora, neste quadro há que fazer então uma hermenêutica do testemunho
33
.
Este desejo é dito de muitas formas, de diversos modos. A linguagem desiderativa vai
empregar muitos modos de fala(r), muita(s) fala(s). Deus para comunicar a Sua graça tem de
aceder a múltiplos jogos, a inúmeros registos de linguagem, e tem de falar à maneira humana
para Se fazer entender (D.V.2), para dizer que deseja a humanidade e que sacia o desejo do
humano. Ainda que o desejo humano à esperança e à vida feliz seja constante, procura
palavras adequadas conforme as situações que o exprimam. Pelo que Deus fala e escreve no
desejo Seu e da humanidade, o que confere um duplo autor ao texto bíblico, um autor
teândrico. Ou seja, dito nos termos da teologia formal, Deus re-vela-Se na Sagrada Escritura. E

29
Cf. P. RICOEUR, Teoria da Interpretação, Lisboa (tradução portuguesa de 1996),104.
30
Cf. S. PIÉ-NINOT, La Teología Fundamental, [= Agape 7], Salamanca 2002, 337.465-467.
31
Cf. Ch. DUQUOC, Christologie, II, Essai dogmatique, Paris 1968, 331. Sobre a temática da
representação cristológica ver o nosso trabalho “A filiação divina como condição transcendental de
„representação‟”, Humanística e Teologia 22 : 1 (2001) 73-111.
32
Cf. Ch. DUQUOC, Christologie, I, L'Homme Jésus, Paris 1968, 227.
33
Cf. S. PIÉ-NINOT, La Teología Fundamental, 658.
7
como o próprio termo o exprime, é uma re-velação, o mesmo é dizer, apesar de Se dizer Deus
continua a colocar um véu sobre o texto bíblico, diz do Seu amor para voltar a velar, para
manter a distância da linguagem ao mistério e assim corrigir a tradução luterana do
a:esaìu :·.ti bíblico pelo excessivo e transparente conceito alemão de Offenbarung que não é
totalmente fiel à intuição bíblica
34
. Ora, na terminologia de Ricoeur, esta é a grande referência
(Bedeutung) inscrita no sentido (Sinn) do texto bíblico. Neste contexto, palavra e escrit(ur)a
compartilham esta estrutura originária de distanciamento do sentido com base na diferença
entre o dito (enunciado portador de sentido) e o dizer (a enunciação portadora da sua
referencialidade)
35
. O simples facto de colocar por escrito marca uma distância à
temporalidade, à palavra, ao dizer. Fixa a “intenção significante do locutor”
36
, mas não a
esgota.
A diversidade da linguagem bíblica reproduz desta forma a própria pluralidade da vida
humana na sua diversidade contextual e actancial
37
, a que A. Thomasset, na esteira de
Ricoeur, denomina a polifonia do texto e do mundo bíblicos, ainda que não sinfónica
38
. Daí as
diversas nomeações de Deus, duma realidade plural como é a bíblica, ou seja, a humana, com
as respectivas contradições e aporias
39
.
A linguagem bíblica vai então buscar a potenciação de si mesma. Ora, o texto, e de
forma eminente a poesia, realiza, faz na língua e na linguagem a função mesma da
transgressão, como insiste Ricoeur, pois a realidade impõe-se, o que exige então uma
hermenêutica com as regras exegéticas adequadas. A linguagem está sempre à procura de si
mesma. Para tal, é necessário saber jogar com os correspondentes jogos de linguagem, como
refere Pierre Bourdieu: “saber jogar a regra do jogo até aos limites, mesmo até à transgressão,
sem cair no desregramento”
40
. Saber jogar este jogo de linguagens é o que Ricoeur chama a
“aproximação poética, porque ela chama à atenção no que diz respeito à produtividade da
narrativa, à sua exigência de interpretação. Esta produtividade foi chamada por Aristóteles
poièsis na sua teoria da tragédia entendida como uma mimèsis da acção séria no meio de um
mythos inventado pelo poeta”
41
. A poética é assim compreendida sob influência dos
estruturalistas formalistas russos enquanto factualidade, como factum. Mais do que uma
descrição formal, ela é a essência mesma da linguagem enquanto transgressora do seu fim,
em cuja estrutura reside a tensão entre imagem e sentido que exige por sua vez uma

34
Cf. B. FORTE, “Parola di Dio e Rivelazione”, RevCatTeol 25 (2000) 349-359.
35
Cf. R. VIGNOLO, Questioni di Ermeneutica. In G. GHIBERTI – F. MOSETTO, Pontificia Comissione
Biblica. L’Interpretazione della Bibbia nella Chiesa, Torino 1998, 273.
36
Ibidem, 274.
37
“A ideia de que existe uma única linguagem „normal‟, uma espécie de moeda corrente usada
igualmente por todos os membros da sociedade, é uma ilusão. Qualquer linguagem em uso consiste numa
variedade muito complexa de discursos, diferenciados segundo a classe, região, género, situação, etc., os
quais de forma alguma podem ser simplesmente unificados numa única comunidade linguística
homogénea” : T. EAGLETON, Literary Theory: An Introduction, Oxford 1983, 5 (tradução nossa).
38
Cf. A. THOMASSET, Paul Ricoeur. Une poétique de la morale, 341.
39
Cf. Ibidem, 344.
40
P. BOURDIEU, “Habitus, code et codification”, Actes des Recherches en Sciences Sociales 64 (1986)
41.
41
P. RICOEUR, L’hérmeneutique biblique, Paris 2001, 150.
8
interpretação, na medida em que a organização de um texto, de um enunciado que se escreve,
cristaliza-se e distancia-se da enunciação: “keryma e hermeneia vão de mãos dadas”
42
.
Na verdade, esta conclusão de Ricoeur compreende-se justamente se fôr tido em conta
que o filósofo francês herda no diálogo com as ciências da linguagem na segunda metade do
séc. XX a tradição estruturalista saussuriana, e tenta mesmo integrar de forma dialéctica os
contributos da linguística estruturalista e semiótica na sua reflexão simbólica e metafórica. A
sua insistência no lugar e na importância do texto em si é disto sintomática e expressiva
43
.
Neste contexto, a teologia não pode ser apenas para Ricoeur uma teologia da palavra
(da parole) ou do evento-palavra, como foi sobretudo a partir de K. Barth (1886-1968) e com
Ebeling, baseada numa psicologia da hermenêutica do kerygma
44
, mas a teologia terá que ir
para além da dicotomia saussurriana entre langue e parole. Não pode ficar apenas do lado da
parole para conseguir superar a necessidade de uma empatia vital demasiado próxima e
directa entre texto e leitor, tal como defende essa teologia da palavra. Daí o seu interesse pela
langue e respectivas estruturas
45
. Mas, isto não impede que já em 1976 na sua Interpretation
Theory: discourse and the surplus of meaning, Ricoeur critique a semiótica enquanto
investigação hermenêutica estruturalista que levada ao extremo mata o discurso dissolvendo-o
precisamente num conjunto fechado de estruturas
46
, e a linguagem deixa de ser a mediação
entre as mentes e as coisas, perdendo-se assim a ligação à referência
47
. Desde cedo Ricoeur
mostra consciência quanto ao enclausuramento em que muitas vezes a análise estruturalista
baseada na langue deixa o texto e o autor, na medida que suprime ou suspende essa
“referência ostensiva” do texto in praesentia, transformando o mundo do autor e o texto em
autor sem texto e em texto sem mundo
48
.
A linguagem tem as suas regras, mas quem exegeta o texto bíblico não pode ficar pelo
conhecimento do carácter e da estrutura discursiva do mesmo, daquilo a que Ricoeur
denomina o sens. Começa por aí, aplica ao texto as metodologias modernas à disposição das
ciências do texto e da filosofia da linguagem. Mas existe uma diferença fundamental entre
exegese e hermenêutica. A primeira estuda o que é que o texto diz e como o diz, a segunda
interpreta para dizer novamente o texto. No caso bíblico, o leitor que se quede pela primeira
fase de aproximação ao texto escriturístico não atinge o objectivo do texto e dos autores do
mesmo, a saber, continuar o processo já inscrito na Sagrada Escritura mesma de actualizar
permanentemente o grande rio da Tradição e assim mediar a relação do leitor ao mundo. Essa
é a missão da interpretação, que para além de buscar o que está dito visa eminentemente o
sentido do que o que está dito quer dizer ao contexto contemporâneo do leitor ou eventual
autor de mais texto, o que no caso particular do texto bíblico não se dá mais ao nível da

42
P. RICOEUR, L’hérmeneutique biblique, 153.
43
Cf. P. RICOEUR, L’hérmeneutique biblique, 129-130.
44
Cf. P. RICOEUR, Teoria da Interpretação, 34.
45
Cf. P. RICOEUR, Contribution d’une réflexion sur le langage à une théologie de la parole. Étude. In
AA.VV., Exégèse et herméneutique, Paris, 1971, 305.
46
Cf. P. RICOEUR, Teoria da Interpretação, 14-15.
47
Cf. P. RICOEUR, Teoria da Interpretação, 18.
48
Cf. P. RICOEUR, Teoria da Interpretação, 92.
9
extensão no contexto da conclusão do cânone bíblico. Com efeito, os próprios escritores do
N.T. não se interessaram muito com um sentido objectivo, histórico e positivo do texto canónico
vetero-testamentário. O importante não é o que esses textos precedentes dizem em si, mas o
que dizem à nova comunidade crente do N.T.
49
Isto é hermenêutica, interpretar. O texto bíblico
é ele mesmo uma hermenêutica. Deste modo se estabeleceu e estabelece uma linha de
continuidade com o Israel da antiga aliança, pois é o mesmo rio da Tradição que não desagua
em nenhum tempo e em nenhum lugar, mas continua permanentemente a correr em todos os
tempos e em todos os lugares. É precisamente a inesgotabilidade dessa fonte que permite
outra vez a releitura dos textos bíblicos, a hermenêutica, a actualização para os tempos da
Igreja na comunhão com essa grande Tradição. Essa fonte busca sempre novos tempos e
novos lugares, tenta permanentemente aceder à linguagem, às linguagens humanas de cada
tempo e de cada lugar, mas também de todos os tempos e de todos os lugares. Tal só é
possível devido ao próprio carácter analógico da linguagem, representativa da realidade, onde
a realidade se faz
50
numa busca de sentido a caminho de uma referência de significação, entre
uma arqueologia sobre o texto e uma teologia que o mesmo inaugura
51
.
Ora, isto é o que faz o próprio Deus em colaboração com os autores humanos. O texto
bíblico é esta potenciação dos limites da própria analogia, sem a destruir. O autor divino joga
até ao fim com todas as possibilidades da dicção humana. A linguagem bíblica não é uma
palavra de mero registo humano. É fruto de uma fé, logo é uma hermenêutica da fé na própria
fé. A interpretação bíblica ou o método exegético que esqueça isto não é fiel ao objecto nem ao
objectivo do texto, nem consegue referir nada ao leitor e ao mundo. Como é que Deus joga,
isso cabe à teoria da interpretação – a hermenêutica (provavelmente na sua vertente mais
prática) – e à Igreja também, mãe onde nascem os textos e são acolhidos nessa “estrutura
fundamental”
52
que é o cânone vetero-testamentário.


2. A interpretação na Escritura

Os dados bíblicos estatísticos sobre a terminologia relacionada com a interpretação e a
hermenêutica podem-se considerar dispersos, não unívocos ou pelo menos não lineares. No
entanto, as técnicas de comentário peshárico ou midráshico, bem como as inúmeras citações
do A.T. no N.T. comprovam a recorrente e contínua tarefa interpretativa no seio do mundo
bíblico.

49
Cf. P. GRECH, Ermeneutica e teologia biblica, Roma 1986, 99. Para um estudo deste processo
interpretativo já dentro do A.T. em contexto profético ver do mesmo autor “Interprophetic Re-
interpretation and Old Testament”, Augustinianum 9 (1969) 235-265.
50
Cf. M. COCAGNAC, L’énergie de la Parole biblique, Paris 1996, 257.
51
“Per interpretare un texto non ci si limiterà allora a ricostruirne l‟origine, ma – a partire da essa – di
dovrà cogliere la virtualità di senso ivi trattenuta e destinata a dispiegarsi nelle nuove situazioni dei futuri
destinatari. Ogni (necessaria) archeologia del texto sta tuttavia in funzione della teleologia di senso che
esso inaugura” R. VIGNOLO, Questioni di Ermeneutica, 274.
52
P. RICOEUR, Herméneutique philosophique et herméneutique biblique, 217.
10
Na secção dos carismas (1 Cor 12,10) um dos dons destina-se precisamente à
interpretação (interpretatio Vg), ao discernimento das línguas (aìì. e. . i.ç,µ ¡a·a euia¡..i,
aìì. [e. | :çe|µ·.ta, aìì. [e. | etasçtc.t, :i.u¡a·.i, . ·. ç. ,. iµ ,ì.cc.i, aìì. e. . 硵i.ta
,ì.cc.i). Se alguém possuir esse dom é exortado a colocá-lo ao serviço (14,26) para a
construção da comunhão (. 硵i.tai . ,.t· :ai·a :çe , et seee¡µi ,ti. cò.). André leva o seu irmão
Simão a Jesus (Jo 1,42), e o quarto evangelista traduz (interpretatur Vg) o nome para Pedro
(`Iµceu, .t :.i· cu .t Lt ¡.i e ut e , `I.a iieu, cu sìµòµcµ Kµ|a,, e . 硵i.u.·at E. ·çe,). O mesmo
acontece quando Jesus cura o cego de nascença (9,7), e ao leitor é traduzido o nome hebraico
da piscina (seìu¡¡µòçai ·eu Ltì.a¡ e . 硵i.u.·at a:.c·aì¡. ie,), pelo menos na etimologia. Este
processo de tradução (interpretatur Vg) continua com o particípio presente passivo do mesmo
verbo .硵i.u. (Heb 7,2; cf. F. Jos, Ant. 6,156; 2 Esd 4,7) oferecendo-se a primeira parte do
significado do nome de Melquisedec no encontro com Abraão (:ç.·ei ¡. i . 硵i.ue¡.ie,
¡actì.u, etsatecu iµ,).
Na tradução dos LXX esta raíz aparece em Sir 47,17 para exaltar a capacidade
hermenêutica do sábio rei Salomão que a todos deslumbrava com as suas interpretationibus
(sat . i . 硵i.tat, a:.òau¡acai c. ,.çat). No prólogo deste livro (1,20), o leitor é avisado pelo
tradutor para a dificuldade técnica de passar de hebraico para grego expressões que são
intransponíveis de uma língua para a outra (·.i sa·a ·µi . 硵i.tai :.|tìe:eiµ¡. i.i ·tcti ·.i
ì.¸..i aeuia¡.ti). Por outro lado, no que ao sujeito da interpretação ou da tradução diz
respeito, José e Daniel poderão ser apresentados como paradigmas do hermeneuta, na
medida em que José durante todo o processo com os irmãos no Egipto estes não sabem que
ele é um verdadeiro exegeta do que dizem e do que está a acontecer, enquanto que Daniel é
chamado a decifrar o enigma ao rei Baltasar (Dan 5,7-28). O substantivo .硵i.u·µ,
(interpretem Vg) traduz curiosamente (·:-:·: ¦·::¬ ·: ¡:·· r:: ·: ·r·· s: ‘:¬ · ) o raro
particípio hiphil da raíz ¦·: (Gen 42,23). Aliás, os irmãos de José interpretaram naturalmente
essa raíz na sua forma mais comum qal, a qual significa precisamente fazer troça, gozar,
ridicularizar. Terão pensado que estavam exactamente a ser alvo de um tipo de situação desse
género por parte do seu irmão até aí ainda anónimo. Ainda no hiphil, mas sem artigo, em Job
33,23 Elihu, filho de Baraquel, de Buz, da família de Rame irritou-se contra o pobre Job (cf.
32,3) e indignou-se contra os seus amigos pela insuficiência das respectivas respostas (v.3).
No seu protesto Elihu exorta Job a encontrar um intérprete, uma espécie de anjo intercessor,
adequado, mesmo entre mil, que lhe resolva o enigma do sofrimento e do mal imerecido de
modo a ensinar-lhe o que deve fazer ·:·s: ··. ¬ : ¡: s ·.: ·~ s ¦·:: ¸s:: Ÿ··:’r :· :s. No caso
de Daniel, ele é conhecido pela invulgar capacidade de ler e de decifrar enigmas. Por isso foi
chamado à sala do rei (Dan 5,16):
¸··:¡· ·:e:: ¸··:e _:·:·-¦ (::·-,·: _¸: r¦ (¸·:r , -r :: ‘¬:s·
·:-r· ·¬: ‘¬·:e· s·¡:: s:-: _:·:’-¦ (::·-, ¸¬ ¸r‡: s·:::
A versão dos LXX traduz o aramaico desta vez diversamente por . ^aitµì eu iµ ¡et
u:ee.t¸at ·e cu,sçt¡a e a Vulgata por “audivi de te quod possis obscura interpretari et ligata
dissolvere si ergo vales scripturam legere et interpretationem indicare”. Traduções equivalentes
11
encontram-se igualmente nos vv.12.15.25.28, o que pode levar a concluir que efectivamente no
período intertestamentário o método peshárico de exegese passa quer pelo acto de leitura quer
pelo comentário e pela interpretação. Assim se chegará ao targum.
Além da raíz . 硵i.u. o N.T. e os LXX apresentam uma outra forma de interpretação
com a raíz .¸µ,. e¡at, em que sobressai sobretudo não tanto o acto de tradução quanto o acto
de contar, de narrar, de dizer o sentido. O respectivo particípio aoristo médio é empregue para
Cornélio contar (narrasset Vg) tudo aos seus servos antes de os enviar a Jope (Act 10,8) ao
encontro de Pedro (sat . ¸µ,µca¡.ie, a:ai·a au·et, a:. c·.tì.i au ·eu, .t, ·µ i `Ie ::µi). Jesus é o
Unigénito que exegeta (enarravit Vg) o Pai pois está voltado (Jo 1,18) para o Seu seio
(¡eie,.iµ, ò.e, e .i .t, ·ei se ì:ei ·eu :a·çe, . s.tie, . ¸µ,µca·e). No concílio de Jerusalém (Act
15,14) Tiago explica tudo o que Simão contou (narravit Vg) acerca das maravilhas que Deus
fez junto dos gentios (Lu¡..i . ¸µ,µca·e saò., :ç.·ei e ò.e , . :.cs. ¦a·e ìa¡.ti . ¸ . òi.i ìae i ·.
e ie ¡a·t au ·eu ). Pouco antes (v. 12) tinha sido a vez de Paulo e Barnabé fazerem o mesmo
(narrantes Vg) com o particípio presente médio (sat Eauìeu . ¸µ,eu¡. i.i e ca . :etµc.i e ò.e ,
cµ¡.ta sat ·. ça·a . i ·et, . òi.cti et` au·. i). O imperfeito médio do mesmo verbo serve em Lc
24,35 não para contar mas para interpretar, para buscar o sentido exegetando (narrabant Vg) a
experiência pela qual passaram os dois discípulos de Emaús após a fracção do pão (sat au·et
. ¸µ,eui·e ·a .i ·µ e e. sat ., .,i.còµ au·et, . i ·µ sìac.t ·eu aç·eu).
Nos LXX encontramos esta raíz 12 vezes e com vários significados, ora como visão,
ora como interpretação, adivinhação, ensino ou relato. Nas leis da pureza ritual do código
sacerdotal o infinito aoristo médio . ¸µ,µcacòat de Lev 14,57 exegeta a situação do leproso para
ficar a saber ( -··¬: ) se está limpo ou impuro. O aoristo médio é utilizado pelo autor do livro de
Job. No fim dos respectivos discursos (28,27) mostra como o próprio Deus, que tem a
Sabedoria por companhia, a investiga (enarravit Vg) e explica, ou seja, a exegeta (. ¸µ,µca·e
au·µi . ·et¡aca, . ¸t,itac.i). O futuro indicativo já serviu a Job em 12,8 para exortar os amigos a
contemplar a sabedoria de Deus espalhada por todas as criaturas (. ¸µ,µcei·at cet et t,òu., ·µ,
òaìaccµ,). Será a própria criação a exegetar (narrabunt Vg) a favor de Job a sabedoria de Deus.
Em Gen 41,24 aparece o substantivo de função quando o faraó conta a José o seu sonho
(narravi Vg) e queixa-se que os exegetas (:·: :·~¬ :s = mágicos do reino) não puderam dizer-
lhe (··. : ¸·s· ) o sentido do sonho (.t :a eui ·et, . ¸µ,µ·at, sat eu s µi e a:a,,. ìì.i ¡et), ou seja,
não conseguiram interpretá-lo por muito que tentassem (v.8). Mas em Prov 29,18 o mesmo
substantivo traduz a visão hebraica ¸··~ ¸·s: e não o visionário (eu ¡µ u:a縵 . ¸µ,µ·µ, . òi.t
:açaie ¡.). A ausência de quem exegete é causa de perdição para o povo. Mas a outra situação
extrema pode igualmente ser fonte de infelicidade, pois a má companhia da exegese de um
louco (Sir 21,16), a exegese (narratio Vg) desmedida ou disparatada (. ¸µ ,µct, ¡.çeu ., . i e e.
|eç·tei) é como um fardo de viagem, não acrescenta sabedoria, antes a perverte. No ciclo de
Gedeão (Jz 7,13), o grande juíz lança-se contra os madianitas e encontra um homem que se
dedica à interpretação onírica (sat µìò.i l.e..i sat t eeu aiµç . ¸µ,eu ¡.ie,). Aqui a raíz verbal
significa não tanto a tradução mas a narração enquanto tal (:·:~¬ ·e:: -s ). Neste caso a
12
interpretationem (Vg) é dada no v.15 como equivalente de cu ,sçtcti (uma comparação: cf Sab
7,8). Esta raíz hebraica ·e: vamos também encontrá-la após o episódio com a sunamita como
original da tradução afim da narrativa diegética de 2 Re 8,4-6 (etµ,µcat eµ ¡et). O rei pede ao
seu servo Guiezi para lhe expôr (narra mihi Vg) tudo o que o profeta Eliseu fizera que o tornara
tão conhecido. Depois de o servo obedecer e narrar tudo (sat . ,. i.·e au ·eu . ¸µ,eu¡. ieu ·.
¡actì.t), não só contando diegéticamente mas dando também o sentido (narraret Vg), o rei
Jorão ouviu atentamente a resposta (·µ i ,uiatsa sat etµ,µca·e au ·.) que a mulher lhe deu (·:
·e:-· ).
Por fim, importa não esquecer que subsistem igualmente na Bíblia Hebraica duas
outras raízes que evocam o fenómeno hermenêutico da decifração ou da interpretação: ·-e e
·:e. A primeira só se encontra no ciclo de José como verbo em Gen 40,22; 41,13 e como
substantivo em Gen 40,8.15.16; 41,12. O seu significado será portanto restrito a interpretatio
somnium. Todavia, ·:·-e em Gen 40,12.18 é vertido nos LXX por cu ,sçtct, (combinação), cuja
raíz é muitíssimo recorrente e como que a querer significar que a compreensão é fruto de um
confronto, de comparações, e não apenas fruto de uma mera técnica ou da habilidade
hermenêutica do intérprete.
De acordo com as atestações, ·:e será muito provavelmente de origem tardo-aramaica.
À excepção de Qo 8,1 só se encontra em onze ocasiões e no tardio livro de Daniel. Em Qo 8,1
é vertido nos LXX pelo pouco frequente ìu cti. A hermenêutica peshárica de Dan 2,25; 4,3.15 é
apresentada como a obtenção da solutionem (Vg), ao passo que em 2,30.45; 4,21; 5,16.26
equivale a uma interpretatio. Mais uma vez, neste último versículo os LXX enveredam pelo já
comum cu,sçt¡a. Em suma, parece que quem conta faz uma diegese pelos factos acontecidos
e quem ouve é obrigado a uma exegese, à interpretação comparativa. Ora, é precisamente
entre uma narrativa dita e a mesma narrativa escutada que Deus vai escrevendo a história de
salvação com o povo.

3. A hermenêutica e a hermenêutica bíblica

A questão da linguagem bíblica abre assim à temática mais vasta (e por isso mesmo
mais fundamental) da relação entre Deus e o homem a partir do texto enquanto espaço e
tempo de mediação dessa relação. E como mediação que é afigura-se como um vector
mediador do tempo, pois Deus relaciona-se sempre com o humano no tempo. Este tempo
adensa-se no tempo bíblico como tempo canónico, ou seja como paradigma, logo normativo, à
luz do qual adquirem sentido todos os outros tempos. O tempo fica assim marcado pelo tempo
bíblico, a história está marcada pela salvação (no tempo), crónica (cronológica) que faz do
tempo um tempo não apenas tempo do chrónos.
Se se desemboca assim na relação entre Deus e o homem, nessa relação dada por
tempos, com tempo, e para além dos tempos, então coloca-se uma outra questão, desabrocha
um outro tema : qual a relação entre o horizonte kairológico e o horizonte cronológico, ou
filosoficamente entre Heidegger e Paulo? Na linguagem de Paul Beauchamp e de Ricoeur, qual
13
a relação entre o tempo do texto e o tempo do mundo, entre o texto e o mundo, tendo nós a
impressão de que o segundo é maior do que o primeiro? Então qual o lugar e a razão de ser do
primeiro?
Heidegger revisitou temas e conceitos paulinos, nomeadamente a relação entre ser e
tempo, entre kairos e chrónos. De acordo com Paulo, o kairós é um contramovimento, um
tempo contrário, não a-crónico ou u-crónico, mas que dissolve a concepção vulgar do tempo e
adensa o sentido do próprio tempo em si. Vai jusqu’au bout. É um tempo que não procura
escapatórias, mas que interpreta a integralidade da própria existência possível à luz de um
instante (Augenblick) iminente a partir do qual adquirem sentido todos os outros instantes da
vida humana. Paulo torna-se assim essencial para a compreensão do horizonte especulativo
da hermenêutica heideggeriana na qual a pergunta sobre a historicidade da existência e sobre
a irrupção do tempo kairológico no tempo cronológico, do ser no tempo não se faz mais em
termos de essência subsistente, como presença, como ousía, mas como parousía, ou seja
como advento, como o outro diferente que chega e com o qual nos confrontamos, à luz de cujo
encontro todos os outros encontros adquirem sentido. Neste sentido, o ser e o tempo passam
paulinamente a ser definidos como dons. Essa doação de tempo no tempo torna-se, para
utilizar a terminologia de Ricoeur, a mediação de nós ao mundo, ou na linguagem joanina, para
mediar a condição daqueles que estão no mundo mas não são do mundo (Jo 17,11.16).
Esta doação do tempo de Deus no tempo dos homens coloca a questão da
interpretação do tempo bíblico como horizonte de compreensão do tempo do homem e dos
tempos do mundo, o que nos transporta à questão hermenêutica propriamente dita.
Por hermenêutica entende-se o conjunto de princípios teóricos que presidem à
interpretação, enquanto que por exegese se compreende a “constelação de métodos”
53
, o
conjunto de métodos práticos de aplicação desses princípios teóricos orientadores da
interpretação
54
. A hermenêutica pode deste modo ser considerada como maior ou mais
abrangente do que a exegese, sem no entanto desta poder prescindir. Ela constitui, como a
define H.-G. Gadamer, “uma capacidade natural da pessoa”
55
, que faz do homem um ser que
inexoravelmente interpreta. Normalmente o mundo protestante distingue ainda uma terceira via
– a aplicação – como aquela propriamente dita da retradução para o homem contemporâneo,
digamos que a dimensão ad-extra do texto bíblico
56
. O Documento da Comissão Bíblica de
1993 não emprega este termo, mas contudo fala em abordagens, em actualizações e na
inculturação como esse esforço de ponte entre uma teoria da interpretação e o(s) respectivo(s)
método(s) utilizado(s)
57
. Na verdade, na distinção acertada de L. Alonso Schökel, a exegese
tem sobretudo a ver com a ciência, enquanto que a hermenêutica tem eminentemente que ver

53
P. RICOEUR, Sur l’exégèse de Gen 1,1-2,4a. In AA.VV., Exégèse et Herméneutique, Paris 1971, 35.
54
Cf. L. ALONSO SCHÖKEL – J. M. BRAVO ARAGÓN, Appunti di Ermeneutica, [= Collana Studi
Biblici 24], Bologna 1994, 15; T. TODOROV, Poética, Lisboa 1993 (original francês de 1973), 8; J. M.
CABALLERO CUESTA, Hermeneutica y Biblia, Estella 1994, 65.198.253.
55
H.-G. GADAMER, Hermeneutik. II. Warheit und Methode. Ergänzungen. Register (1986), [= GW 2],
Tübingen 1993, 301.
56
Cf. K. BERGER, Hermeneutik des Neuen Testaments, [= UTB 2035], Tübingen-Basel 1999, 110.
57
Cf. Pontifícia Comissão Bíblica, A Interpretação da Bíblia na Igreja (1993), 65.73.137.143.
14
com a sabedoria, pois para além da teoria da interpretação ou dos princípios que a constituam,
ela sobrevive em grande parte no leitor intérprete para nele aumentar a sabedoria
58
.
Dentro dos princípios hermenêuticos gerais da filosofia hermenêutica, a interpretação
bíblica é na verdade um caso especialíssimo quer pela antiguidade, quer pela origem, quer
pela potenciação da linguagem mesma. Neste sentido não é um apêndice à linguagem, um
anexo, mas faz parte da mesma. Entre hermenêutica bíblica e hermenêutica filosófica Ricoeur
faz notar que não existe disparidade ou desconhecimento. Também não se pode considerar a
primeira apenas como uma aplicação da segunda, pois subsiste uma “relação complexa de
inclusão mútua”
59
.
A dificuldade de interpretação do texto bíblico advém também da estranheza de
algumas imagens por ele empregue. No entanto, essa estranheza é recente e não se encontra
no momento da redacção do texto. A “estranheza de um texto não é garantia de que ele
sempre foi, em toda a parte, „estranho‟ : era-o apenas em contraposição a um certo pano de
fundo linguístico normativo”
60
. Para suplantar esta distância de estranheza é de suma
importância a determinação daquilo a que desde H. Gunkel (1862-1932) se chama o género
literário de que se servirão os métodos histórico-críticos.
Os géneros literários não são indiferentes à vigência de contratos de leitura entre o
autor e o leitor, pois o título ou o subtítulo de uma obra (as Odes Modernas de Antero, os
Contos de Montanha de Torga, ou o Diário de Anne Frank) desde logo remetem para o
respectivo conteúdo e género literário, e convocam um certo leitor a um certo tipo de leitura, a
um posicionamento equivalente de leitura, logo de interpretação. Conforme a forma se lerá o
conteúdo. Subsiste assim uma relação de interpenetração, de inseparabilidade. Como refere
Roland Barthes, o género literário já não se apresenta apenas como uma categoria estético-
formal, mas é para ser considerado como um tipo de discurso enquanto tal
61
. Neste sentido, a
forma do texto vai condicionar a pretensa interpretação infinita e vai finitizá-la
62
, mas sem a
fossilizar. Pelo que o texto, ao tornar-se independente do autor e do leitor, não permite que se
diga o que bem se entende ou quer e que se interprete como muito bem apraz ou convém. O
texto depois de escrito torna-se referente independente ao autor e ao leitor, distancia-se, como
insiste Paul Ricoeur em vários dos seus textos
63
.
Os géneros literários mostram igualmente que cada linguagem tem a sua função, ou
pelo menos pretende orientar-se para uma. Mas as várias modalidades do uso linguístico não
esgotam a linguagem humana
64
, entendendo esta última como a dicção de tudo aquilo que é

58
Cf. L. ALONSO SCHÖKEL, Hermenéutica de la Palabra. I, 229.
59
P. RICOEUR, Herméneutique philosophique et herméneutique biblique, 216.
60
T. EAGLETON, 6.
61
Cf. R. BARTHES, Linguistica e Literatura. In Linguistica e Literatura, [= Signos 9], Lisboa 1980
(original francês de 1968) 14.
62
Cf. U. ECO, Os limites da interpretação, Lisboa 1992, 41 (original italiano de 1990). Representa uma
revisão de Trattato di semiotica generale, Milano 1975 e de Lector in fabula, Milano 1979.
63
Cf. P. RICOEUR, Herméneutique philosophique et herméneutique biblique, 221; IDEM, Teoria da
Interpretação, 37.87.
64
Esta relação entre a linguagem e as suas funções é tematizada, por exemplo, por Coseriu na relação
entre a linguagem e a poesia : cf. E. COSERIU, El hombre y su lenguaje, Madrid 1977, 203.
15
humano. Ora, é precisamente por encarnar no humano que os textos bíblicos são plurais. Por
isso, as linguagens que mais possibilidades deixam abertas à pluralidade são as privilegiadas
no texto bíblico – as linguagens simbólicas da poesia e da metáfora. Com efeito, a poesia e a
metáfora proporcionam ao autor remeter o leitor para lá do conceito abrindo-o para lá de uma
lógica logolátrica sempre redutora porque identitária. O símbolo, os grandes símbolos
arquetipais, têm a capacidade de reenviar, pois são portadores de uma sobredeterminação
65
.
Este esforço de remetimento, diga-se, nunca deixou de existir, pelo menos como
reacção, dentro da própria tradição da modernidade logocêntrica aprisionada na herança de
Saussure, no que à linguística diz respeito
66
. A metáfora é, à semelhança do símbolo e da
poesia, o esforço de narrar historicamente uma transcendência, de remeter para lá do sentido
para uma significação. O ser humano conta, narra, porque isso é constitutivo do seu ser
pessoal e histórico no mundo
67
. Na metáfora busca a palavra de si mesmo, de si mesmo e para
si mesmo. E provavelmente a melhor maneira de contar será essa – a da metáfora no seio de
uma “rede de metáforas”
68
– porque ela dá corpo e nome às coisas sem esgotar a realidade.
Ora, é assim que as coisas ganham sentido e os conceitos deixam de padecer de puro
nominalismo. A metáfora ou a sua paráfrase não esgota a realidade. Ela também não é apenas
uma simples substituição nem mais um acrescento retórico de embelezamento
69
. Antes, ela
oferece um significado (Bedeutung) novo para lá do sentido semântico (Sinn) sem se
transformar numa diáfora. Na sua essência ela escapa à cataforia da linguagem e do discurso
enquanto sistema. Neste sentido, goza de um estatuto anafórico e epifrástico, pois ajuda a
completar o sentido, ganhando em significabilidade.
A metáfora permite então a transferência, o reenvio, a referência. Nas palavras do
Estagirita, ela “é a transferência a uma coisa de um nome que designa outra coisa”
70
. A
metáfora metaforiza a palavra. Ela é, como diz Ricoeur, a fusão entre o sens et les sens
71

própria a um ícone, de uma obra de arte que opera um changement de sens
72
. É um ícone
verbal, que precisamente pelo seu carácter icónico liga e desliga a transcendência numa
imanência, diz e respeita a distância do não dizível, do não dito, do inaudito, do não ouvido
73
, a
diferença entre sentido e significação. A tarefa da hermenêutica consistirá então em mostrar a
direcção dessa transformação icónica verbal de uma transcendência que acede à palavra
numa narratividade. Neste sentido, o homem bíblico conta, não explica, mas conta porque
compreende, vê como e não vê nem chega a fazer ver
74
. Conta para conseguir a abolição do
enunciado, a destruição não da própria referência, mas a superação da sintaxe e da semântica

65
Cf. P. RICOEUR, De l’intérpretation. Essai sur Freud, Paris 1965, 477-478.
66
Cf. P. RICOEUR, La métaphore vive, Paris 1975, 159.
67
Cf. P. RICOEUR, Temps et récit I, Paris 1983, 85.
68
P. RICOEUR, Teoria da Interpretação, 76.
69
Cf. P. RICOEUR, Teoria da Interpretação, 64.
70
“¡.·a|eça e. .c·t i eie ¡a·e, aììe·çteu .:t|eça µ a:e ·eu ,.ieu, .:t .tee, µ a:e ·eu .teeu, .:t ·e
,. ie, µ a:e ·eu .t eeu, .:t .tee, µ sa·a ·e aiaìe,ei”: ARISTÓTELES, Peri poihtikh/j, cap. 21,
1457b.6, editado por J. HARDY, Paris 1952, 61.
71
Cf. P. RICOEUR, La métaphore vive, 265.
72
Cf. P. RICOEUR, La métaphore vive, 156.
73
Cf. P. RICOEUR La métaphore vive, 36.
16
para as transgredir. Este é o paradoxo. Pelo que, a metáfora torna a interpretação literalizante
impossível. Porquanto a leitura fundamentalista não respeita nem a realidade da linguagem
nem a realidade em si. Por isso, como método hermenêutico, é impossível em exegese bíblica.
Há assim em tudo isto uma contrapartida. A metáfora permanece viva e aviva a
curiosidade do leitor porque ela consegue uma torção do sentido literal das palavras sem ser
torcionária à maneira existencialista de Bultmann ou à maneira dicotómica linguística de F.
Saussure
75
, sem retorcer o sentido, sem distanciar as palavras das coisas, sem separar
explicação e compreensão, ou sem identificar as duas. O sentido não é retorcido, apenas é
suspenso. Pelo que, a metáfora está ao serviço da função po(i)ética da linguagem
76
, essa
estratégia de discurso pela qual a linguagem “se desembaraça da sua função de descrição
directa”
77
. Ela confere deste modo sentido enquanto ela dá corpo, dá nome às coisas,
ultrapassa a cisão entre os nomes e as coisas, entre o sentido e as coisas
78
. Ela ajuda a ver as
coisas porque lhe dá figura, mas não vê as coisas. Faz figura, faz sinal, dá corpo às coisas : “a
figura é aquilo que faz aparecer o discurso dando-lhe, como no corpo, contorno, traços, forma
exterior”
79
. Assim as coisas ganham nome e a realidade acede à linguagem, a linguagem é a
matéria da própria realidade. Esta é a verdade das próprias coisas. Ou seja, a verdade é
metafórica pois é contemplada nas respectivas figurações que lhe dão corpo. É neste corpo
que a realidade é olhada em si. Nos signos que dão corpo à realidade essa mesma realidade é
olhada no signo e não através do signo como se o signo – essa figura da linguagem que dá
corpo à realidade, que faz figura da realidade – fosse totalmente transparente e por ela o
hermeneuta, o intérprete conseguisse tudo explicar sobre a realidade figurada, desta forma
tudo compreender, e assim esgotar racionalmente
80
.
Um pequeno exemplo do A.T.
81
em que a metáfora é uma figura do discurso mas que
faz figura da salvação. A simples titulatura do livro de Jer 1,1 TM confrontada com Jer 1,3 TM é
por si mesma uma metáfora. A palavra dabar oscila aqui entre o sujeito profeta e o sujeito
Javé, pelo que o texto metaforiza o profeta enquanto tal ao ponto de iconizar essa personagem
o próprio Deus de Israel
82
. A recitação de Jer 1,1 em Dan 9,2 na época macabaica
imediatamente atira o leitor para o período do exílio com uma simples informação histórica
“literal”. Desta forma, num período pós exílico surge a expectativa de que o exílio afinal não

74
Cf. P. RICOUER, La métaphore vive, 130.
75
Cf. P. RICOEUR La métaphore vive, 289.
76
Consideramos aqui a poética como a capacidade de simbolização a partir da linguagem num jogo
tensional entre significante e significado, e não na acepção formal de Tzvetan Todorov, que considera a
poética como o meio, o instrumento que permite chegar àquilo (“alguma coisa”) que faz de um texto um
texto literário. Neste sentido, o formalista russo faz da poética sobretudo uma técnica linguística cujo
objecto não é o conjunto de factos empíricos (as obras literárias) mas uma estrutura abstracta (a literatura)
: T. TODOROV, Poética, 17.98-99; cf. G. GENETTE, O Dia; A Noite. In Linguística e Literatura, 43.
77
Cf. P. RICOEUR, La métaphore vive, 311. “Metaphor creates in the field of sensory and aesthetic
values”: cf. L. DORNISCH, “Paul Ricoeur and Biblical Exegesis”, Studia Missionalia 52 (2003) 226.
78
Cf. P. RICOEUR, La métaphore vive, 159.
79
Cf. P. RICOEUR, La métaphore vive, 83.
80
Cf. P. RICOEUR, La métaphore vive, 311.
81
J. HILL, Friend or Foe ? The Figure of Babylon in the Book of Jeremiah MT, [= Biblical Interpretation
Series 40], Leiden 1999, 198-199.
82
Cf. J. HILL, Friend or Foe?, 197.
17
acabou
83
, metaforizando o tempo, os personagens, os actores e os autores. Por este meio a
metáfora exílica coloca o leitor na tensão de semelhança de um tempo e de um lugar cuja
identidade é semelhante mas também diferente. Oscila permanentemente entre uma
interpretação literal e a interpretação metafórica, entre uma identidade e uma diferença, entre
uma semelhança e uma dissemelhança.
Para além dos condicionalismos formais da leitura de um texto, a leitura também é
condicionada, orientada, por aquilo que se espera da obra, do género a que pertence (ou julga
pertencer), ou por aquilo que se espera do autor (já conhecido por outra ou outras obras). Há
assim a priori, como refere Jacinto Prado Coelho, um horizonte de expectativa
84
que
legitimamente contextualiza a leitura e a interpretação. Este horizonte de expectativa cria
precisamente possibilidades, expectativas no texto e no leitor, as quais podem ou não ser
correspondidas. Este horizonte de expectativas faz parte do círculo hermenêutico
85
que se
estabelece entre o texto, o autor e o leitor, e que os enriquece reciprocamente, e assim por
todos enriquece o mundo. Isto dá origem a uma fusão de horizontes própria daquilo a que se
convencionou denominar na teoria hermenêutica por círculo hermenêutico. Mas o círculo
hermenêutico (e sobretudo num dos seus expoentes máximos como é o caso da
Horizontverschmelzung gadameriana)
86
não deixa de manter a inexorável tensão
87
entre o
texto e o seu contexto, entre o autor e o leitor, e entre nós e o mundo, o que por sua vez
provoca necessariamente uma “instabilidade de fronteiras” inerente a qualquer interpretação
88
.
Ainda que independente face ao leitor, o texto só chega à palavra quando lido, e quem o lê
investe o texto no estatuto de palavra
89
, pois quem lê interpreta. Faz passar o texto da
condição gramática à condição gráfica, de ,ça¡¡a a ,ça|µ , da letra a Escritura pelo Espírito que
inspirou a escrever. É Ele que permite ir jusqu’au bout como refere o saudoso mestre Paul
Beauchamp
90
, interpreta em profundidade, vai até ao fim do sentido, busca significado no
sentido : “é Ele que nos torna aptos para sermos ministros de uma nova aliança, não da letra,
mas do Espírito, porque a letra mata enquanto que o Espírito vivifica” (2 Cor 3,6).

83
Cf. J. HILL, Friend or Foe?, 212.
84
J. P. COELHO, Introdução à sociologia da leitura literária. II. A leitura como criação e como
construção : motivações socioculturais dos modos de ler. In Problemática da leitura, Lisboa, INIC 1980,
20-22.
85
Cf. J. BLEICHER, Hermenêutica contemporânea (1980), [= O Saber da Filosofia 30], Lisboa 1992,
153-164.
86
Cf. H.-G. GADAMER, Hermeneutik, I. Warheit und Methode. Grundzüge einer philosophischen
Hermeneutik (1960), [=GW 1], Tübingen 1990, 270.346; IDEM, Hermeneutik. II. Warheit und Methode,
478; T. TODOROV, Poética, 8.
87
Cf. L. ROHDEN, “O „círculo hermenêutico‟ como estrutura. O „enquanto‟ da hermenêutica filosófica”,
Veritas 44 : 1 (1999) 128.
88
J. P. COELHO, “Conceito e fronteiras do literário”, Colóquio de Letras 80 (1984) 28.
89
Neste processo há sempre uma contextualização do texto, no que ao acto de leitura diz respeito. Por
outro lado, há também que considerar o contexto em que nasce o texto, pois esse é o contexto originário.
Sobre a influência do contexto na obra literária e na respectiva criação ver Pierre BOURDIEU, As Regras
da Arte. Génese e estrutura do campo literário, Lisboa 1996, 81.308. Sobre o lugar da literatura na
transição do séc. XIX para o séc. XX até ao período da Segunda Guerra enquanto contexto de transporte
de cultura, pelo menos de uma certa cultura marxista e marcada pelo contexto da linguística dos
formalistas russos ver György LUKÁCS, Sociologia de la literatura, [= história, ciencia, sociedad 2],
Madrid 1966.
18
Assim se estabelece uma circularidade hermenêutica entre o autor, o texto e o leitor, e
a seguir entre nós e o mundo a partir da grande mediação que é o texto em si. O autor e o
texto precisam do leitor. Este último parte para o texto sempre com uma falta, sempre com algo
que falta dizer, com uma necessidade de satisfação, uma insatisfação
91
. O sujeito lente sabe
que fala e lê porque a verdade se lhe escapa sempre
92
, falta-lhe, pelo que “o movimento do
acto de leitura entre o leitor e o texto assegura um largo espaço à significação do texto e à
significação da vida do leitor face ao texto.......e ao acrescentar ao texto o leitor assume o risco
da interpretação”
93
. Assim, “o leitor faz fazer o texto”
94
. Na verdade, no contexto da já famosa
fusão de horizontes, H.-G. Gadamer chega mesmo a afirmar que sendo assim então nem
sequer se pode em sentido estrito falar em leitor : “es gibt nie ein Leser”
95
. O leitor enquanto tal
não existe nem nunca existiu, mas tão somente o lente, o que interpreta, pois se fundem no
mesmo rio da Tradição. Desta forma, H.-G. Gadamer faz a linguagem passar de um estatuto
epistemológico a um estatuto ontológico. A hermenêutica em Gadamer é uma ontologia
96
, tal
como Heidegger já tinha proposto a hermenêutica como a forma mesma do pensar, como uma
ontologia ou teoria geral do saber. Pensar e interpretar coincidem.
Esta reflexão é assumida pelo filósofo francês, e é enquadrada na crítica mais global a
que Ricoeur submete a filosofia hermenêutica mais recente da modernidade no âmbito mais
vasto da relação entre hermenêutica e verdade, pois a interpretação visa a verdade para existir
em autenticidade, em verdade. Como o próprio Ricoeur escreve já em 1969 “assim resistiremos
à tentação de separar a verdade, própria à compreensão, do método posto em acção pelas
disciplinas saídas da exegese”
97
. Ricoeur não nega o contributo de Gadamer à filosofia
hermenêutica, sobremaneira no que ao papel da Tradition diz respeito. Todavia, permanece
insatisfeito pois na fusão de horizontes gadameriano subsisite uma circularidade tal quase
opressiva. Deste modo se compreende como o conceito de distanciation permite a Ricoeur
libertar-se dessa “estrutura de antecipação da experiência humana”
98
para não iludir as
conquistas dos métodos histórico-críticos
99
.
Com efeito, o filósofo francês denuncia algumas das respectivas reduções a partir de F.
D. E. Schleiermacher (1768-1834) e de I. Kant (1724-1804), sobretudo a oposição romântica

90
Cf. P. BEAUCHAMP, D’une montagne à l’autre. La Loi de Dieu, Paris 1999, 129.
91
“Die Zuwendung zum Text der Schrift zum Zwecke der Applikation (!) erfolgt nicht aus reiner Neugier
und schon gar nicht aus wissenschaftlicher Neugier, sondern weil man vom Text „Hilfe‟ erwartet. Das
heisst : Das Ratsuchen oder Trostsuchen bei der Schrift erfolgt, weil hier Heil angeboten wird angesichts
einer hilfs-und stützungsbedürftigen, definiztärten Wirklichkeit. Basis ist daher eine wie auch immer
geartete menschliche, materielle oder geistliche Not. Daher lautet unsere Ausgangsthese : Basis für die
Applikation der Schrift ist Verheissung im Angesicht von Unvollkommenheit und Not. In dieser Situation
leistet die Applikation Hilfe oder Kritik, jedenfalls soll sie die „Not wenden‟”: K. BERGER, Hermeneutik
des Neuen Testaments, [= UTB 2035], Tübingen-Basel 1999, 139.
92
Cf. A. FORTIN, “Lire le geste théologique des Écritures”, Sémiotique et Bible 105 (2002) 23.
93
A. FORTIN, 23.
94
A. FORTIN, 23.
95
H.-G. GADAMER, Hermeneutik. I. Warheit und Methode, 345.
96
Cf. Ibidem, 442.
97
P. RICOEUR, Le conflit des interprétations, 14-15.
98
P. RICOEUR, La tâche de l’herméneutique. In F. BOVON – G. ROUILLER, Exegesis. Problèmes de
méthode et exercices de lecture, 198.
19
entre explicar e compreender (erklären e verstehen), o que levou a entender a hermenêutica
como a arte geral da compreensão destinada a fornecer os pressupostos teórico-filosóficos às
ciências do espírito em contraponto às ciências da natureza. A tarefa actual propriamente dita
da hermenêutica será então para Ricoeur a de ultrapassar esta dicotomia
100
entre as ciências
humanas (Naturwissenschaften) e as ciências ditas do espírito (Geistwissenschaften): “a
dicotomia entre a compreensão e explicação na hermenêutica romântica é simultaneamente
epistemológica e ontológica. Opõe duas metodologias e duas esferas da realidade: a natureza
e o espírito. A interpretação não é um terceiro termo nem, como tentarei demonstrar, o nome
da dialéctica entre explicação e compreensão. A interpretação é um caso particular da
compreensão. É a compreensão aplicada às expressões escritas da vida. Numa teoria dos
signos que minimiza a diferença entre a fala e a escrita e que, acima de tudo, não realça a
dialéctica de evento e significação, pode esperar-se que a interpretação surja apenas como
uma província do império da compreensão”
101
. E prossegue, “a polaridade entre explicação e
compreensão na leitura não deve abordar-se em termos dualistas, mas como uma dialéctica
complexa e altamente mediada. O termo interpretação deve, pois, aplicar-se não a um caso
particular de compreensão, a das expressões escritas da vida, mas a todo o processo que
abarca a explicação e a compreensão”
102
.
Esta distinção serve a Ricoeur para se distanciar de uma tendência latente em muitas
exegeses e discursos que resvalam frequentemente para a pretensão de tudo explicar do e
sobre o texto, como se a realidade do texto fosse completamente esgotável ou disponível, a
partir da qual o texto fosse completamente manipulável e explicável ficando no total domínio do
leitor. Como ele mesmo nota, compreender não é explicar um texto ou o sentido escondido do
mesmo, mas é “desenvolver a possibilidade de ser indicada pelo texto”
103
. Por isso, para
Ricoeur, o “texto é mudo”
104
, isto é, “entre o texto e o leitor estabelece-se uma relação
assimétrica na qual apenas um dos parceiros fala pelos dois. O texto é como uma partitura
musical e o leitor como o maestro que segue as instruções das notações. Por conseguinte,
compreender não é apenas repetir o evento do discurso num evento semelhante, é gerar um
novo acontecimento, que começa com o texto em que o evento inicial se objectivou”
105
. Neste
sentido, o texto é para leitor, como já foi referido, o grande mediador entre nós e o mundo.
Ricoeur, por conseguinte, quer fazer a interpretação passar ao nível filosófico da epistemologia
à ontologia, tendo em conta que o ser não existe senão como ser que se compreende
106
, para
depois enveredar pelo percurso inverso, da ontologia à epistemologia, tentanto ir para além de
W. Dilthey (1833-1911), Heidegger e Gadamer, para lá da dicotomia antinómica ou oposição

99
Cf. P. RICOEUR, La tâche de l’herméneutique, 196.
100
Cf. P. RICOEUR, La tâche de l’herméneutique, 179.182.
101
P. RICOEUR, Teoria da Interpretação, 85.
102
Ibidem, 86.
103
P. RICOEUR, La tâche de l’herméneutique, 193.
104
P. RICOEUR, Teoria da Interpretação, 87.
105
Ibidem, 87.
106
Cf. P. RICOEUR, La tâche de l’herméneutique, 190.
20
alternativa entre verdade e método, entre distanciamento alienante objectivante e pertença
107
.
Esta tentativa de superação inicia-a Ricoeur com a realidade do texto, com a “chôse du texte”.
De seguida passa à questão do discurso e termina na relação entre palavra e escrita, entre o
que se pode escrever e o que se diz
108
.
Ora, estes serão os pressupostos onde se integra a realidade da metáfora como
acesso à verdade, pois nela aflora a questão da relação entre verdade e método, entre
epistemologia e ontologia, entre linguagem e ser, tendo presente que a grande intuição de
Ricoeur consiste na superação precisamente da antinomia entre verdade e método, entre ser e
linguagem, entre explicação e compreensão. A partir da metáfora, Ricoeur reflecte a mediação
entre explicação e compreensão, entre ser e entender no horizonte global da relação entre
verdade e método, entre linguagem e ser, sendo que a linguagem é casa desse mesmo ser,
dando razão a Heidegger, mas sem confundir metáfora e realidade como faz L. Wittgenstein
(1889-1951). Neste contexto, então os profetas bíblicos também farão aceder o ser de Deus à
linguagem. Aqui adquirirá suma importância o saltério. A linguagem é a essência mesma da
experiência por que passam, seja ela mediada por acontecimentos históricos ou por sonhos, ou
releituras de textos já existentes do A.T. Nesses momentos “Israel cristaliza a sua experiência
religiosa colectiva e individual no escrito: desta cristalização nasce o cânone. O escrito
diversifica-se do discurso oral na medida em que torna objectiva e congela a linguagem
primitiva : esta graphê deve ser „descongelada‟ para poder ser reconduzida à experiência de fé
primitiva....esta é a tarefa da hermenêutica”
109
.
Neste contexto de cristalização da enunciação da referência, o texto adquire
capacidade de universalização na medida em que passa a distanciar-se do autor para se
distanciar em todos os tempos e todos os lugares, ultrapassa os limites contingentes espacio-
temporais do discurso para se tornar legível por qualquer leitor competente. Ora, a leitura
contemporânea exige assim este processo de „descongelamento‟. Aqui, a hermenêutica
filosófica aporta à hermenêutica bíblica os contributos recentes da filosofia hermenêutica,
obrigando no estudo e aplicação do texto bíblico a usar os métodos sincrónicos e diacrónicos
da exegese no quadro de um modelo hermenêutico amplo, que não apenas técnico
110
. Por
outro lado, Paul Ricoeur ensina a centrar a atenção curiosamente não na intenção do autor,
mas no mundo do texto, na “coisa mesma” do texto da qual ele fala
111
, salvaguardando sempre
o carácter específico da hermenêutica bíblica como hermenêutica teológica no seio do próprio
texto bíblico como hermenêutica da fé.





107
Cf. P. RICOEUR, La fonction herméneutique de la distanciation, 201.
108
Cf. Ibidem, 202.
109
Cf. P. GRECH, Ermeneutica e teologia bíblica, 102-104.
110
Cf. R. VIGNOLO, Questioni di Ermeneutica, 275.
111
Cf. Ibidem, 276.
21
4. Os princípios de hermenêutica da Sagrada Escritura

Esta tarefa de re-interpretação exige assim factores estabilizadores. Importa então
enumerar alguns dos grandes princípios que suportam a interpretação da Sagrada Escritura,
texto dado em primeiro lugar à Igreja, mas também texto da Igreja, mas não só dela, que o
acolhe como uma Palavra outra para ela e para toda a humanidade. Na verdade, o texto
escriturístico também oscila e faz oscilar entre linguagem e realidade metaforizável e
enigmática, entre sentido e referência com significado, ou como diz Philibert Secretan, entre
velado e desvelado, entre Schein e Erschein, entre o enigma e a “phania” inerentes ao
processo hermenêutico enquanto tal, origem do normal conflito de interpretações
112
. Este
processo de desocultação, de desvelamento, dá início à tarefa hermenêutica que se dá entre
“as reduções explicativas do enigma e a produção do símbolo”
113
, ou seja, antes da exegese,
quando o próprio autor tenta cristalizar na escritura a passagem do enigma ao símbolo, do
velado ao desvelado. Ora, na interpretação desta busca que é pessoal efectivamente, o
Documento da Comissão Bíblica de 1993 mostra grande empatia pela reflexão de Ricoeur,
sobretudo na forma como tenta articular a difícil relação entre hermenêutica filosófica e
hermenêutica bíblica dada a especificidade da segunda. O referido Documento apresenta
porquanto quatro condições fundamentais das quais decorrerão depois os grandes princípios
de interpretação da Sagrada Escritura. Aponta a hermenêutica filosófica como o quadro geral
imprescindível onde se desenvolverá toda a actividade de interpretação dos textos sagrados.
Esta por sua vez assumir-se-á sem receios de incompatibilidade, mas mostrará igualmente a
insuficiência da hermenêutica filosófica face à própria Sagrada Escritura. Por fim, quer uma
quer outra darão primazia sempre ao texto como princípio regulador de qualquer actividade
interpretativa
114
. Neste quadro geral de compreensão podem então assumir-se alguns
princípios orientadores dessa actividade hermenêutica.
O princípio da releitura faz notar que a questão hermenêutica inicia-se já na própria
Escritura. Dan 9,2 questiona-se sobre o significado de Jer 25,11-12; 29,10 : “no primeiro ano do
seu reinado, eu Daniel, pus-me a estudar os livros sagrados e a meditar nos setenta anos,
durante os quais Jerusalém ficaria em ruínas, segundo aquilo que o Senhor comunicou ao
profeta Jeremias”. De facto, a Escritura contém ela mesma releituras da comunidade, do(s)
autor(es) do texto, e ela mesma é uma releitura e interpretação da comunidade como tal.
O princípio da partilha adverte o leitor e acordo com 2 Ped 1,20 ( “nenhuma profecia da
Escritura é da própria elucidação do profeta”) que a mensagem do texto bíblico é para ser
partilhada em comunhão e confrontada com a grande e original tradição apostólica pois esse é
o contexto, o berço primeiro onde nasce. Isto significa também que o que está escrito vai para
além do sentido literal. O que está escrito é para ser partilhado, colocado em comunhão inter-
textual com o restante texto bíblico, na medida em que o escrito é igualmente já uma partilha
da fé da comunidade.

112
Cf. Ph. SECRETAN, Herméneutique et Vérité. In F. BOVON – G. ROUILLER, 171.
113
Ibidem, 171.
22
O princípio da teandricidade diz o carácter humano e divino da Escritura, pelo que a
encarnação será sempre o paradigma da interpretação bíblica. O texto relê e interpreta o
mistério de Deus tal como o Filho é o exegeta do Pai, o que faz desta palavra uma palavra não
de mero registo humano, mas dita sub specie humanitatis. Isto é o que permite recusar os
fundamentalismos ou os integrismos que hipostaziam a salvação na letra recusando toda a
crítica histórica. Não representam mais do que um suicídio do pensamento. Na verdade, o
carácter teândrico do texto bíblico diz à partida que não existe um acesso directo nem à Bíblia
nem a Deus. É sempre mediado. É esta dimensão do texto bíblico que exige que se tome a
sério a sua natureza humana, pois Deus permanece oculto na palavra, vela-Se novamente
nela.
O princípio da encarnação, por analogia com a encarnação do Verbo, enuncia a
intenção de comunicação amorosa e salvadora de Deus que encarna nas linguagens humanas
com todas as suas virtualidades e limites. Não tem outro meio. Neste contexto, o intérprete
recusa todo e qualquer monofisismo espiritualista (adepto de um acesso imediato porque único
a Deus) como recusa também qualquer nestorianismo racionalista (que pressupondo uma
mera leitura racional com critérios literários introduza uma cisão interna na própria Sagrada
Escritura).
O princípio da ecdoticidade averigua o texto bíblico na sua materialidade enquanto é
um texto antigo que exige uma crítica textual e a recomposição do mesmo precisamente devido
ao seu carácter humano.
O princípio do crescimento chama à atenção para o crescimento do texto, e permite
não confundir ingenuamente o estado final (escrito) com o inicial (oral) ou mesmo com as
sucessivas releituras que foram enriquecendo o texto. Isto significa que o texto não é o
resultado de um ditado, mas de uma redacção (re)pensada.
O princípio da contextualidade alerta para o facto de que para conhecer o que Deus
quis dizer é preciso conhecer os condicionamentos dos autores humanos, os
condicionamentos das linguagens, que não dependem da intenção do autor. Isto obriga a
aceitar a distância entre o que um autor quer dizer e aquilo que escreve. Mas não quer isto
dizer que Deus quisesse comunicar algo diverso daquilo do que queriam os autores humanos
comunicar. O sentido do que disseram os autores é o sentido tentado por Deus por esses
autores e fundamentalmente obtido. Por outro lado, implica igualmente reter como originante
do texto o contexto eclesial em que vem à luz o texto bíblico
115
. Ao leitor isto exige no mínimo a
abertura para a crítica e revisão da própria compreensão ou para a colocação pessoal e
madura com o contexto histórico da tradição eclesial em que nasce o texto
116
. Subsiste deste

114
Cf. R. VIGNOLO, Questioni di Ermeneutica, 279.
115
Cf. P. STUHLMACHER, Schriftauslegung aus dem Weg zur biblischen Theologie, Göttingen 1975,
221.
116
Cf. Ibidem, 221.
23
modo um nexo intrínseco entre a história e o Espírito inspirador do texto bíblico no seio da
respectiva comunidade que lê e é relida pelo texto
117
.
O princípio da metodologia implica a exigência de libertar métodos e géneros literários
dos princípios filosóficos que possam colidir com a natureza teândrica da Escritura (D.V.12bc)
em nome do normal agnosticismo metodológico das ciências
118
. Isto significa que todas as
leituras são válidas mas nem todas são possíveis e uma é mesmo impossível – a
fundamentalista. Significa igualmente a exigência da verificação da compaginação das
conclusões hermenêuticas a que se chegou no estudo de um texto com o método aplicado
desde o início desse estudo.
O princípio da literariedade segundo o qual importa estudar o texto bíblico com todos
os métodos à disposição actualmente para estudar qualquer outro texto literário, pois o texto
bíblico é um texto literário antigo. Este problema já remonta aos tempos do Pe. Lagrange, a
essa época difícil para os estudos bíblicos, cujos ecos encontramos na encíclica Divino Afflante
Spiritu de Pio XII de 1943 (EB nº 558):
“qual seja o sentido literal não é muitas vezes tão claro nas palavras e escritos dos
antigos orientais quanto nos escritos da nossa época.....É absolutamente necessário que o
intérprete se traslade mentalmente àqueles remotos séculos do Oriente, para que, ajudado
convenientemente com os recursos da história, da arqueologia, etnologia e outras disciplinas,
veja com distinção que géneros literários, como dizem, quiseram utilizar e realmente utilizaram
os escritores daquela idade antiga. Porque os antigos não empregavam simplesmente as
mesmas formas e as mesmas maneiras de dizer que hoje usamos, mas aquelas que tinham
sido recebidas do uso corrente dos homens do seu tempo e dos seus países. Quais fossem
essas formas não o pode estabelecer o exegeta de antemão, mas apenas pela escrupulosa
indagação da antiga literatura oriental”. Na verdade, o texto tem uma autoridade literária face a
qualquer leitor
119
.
O princípio da analogia que respeita o nexo interno das verdades fé e a possibilidade
mesma de uma correspondência entre a fé e a sua formulação
120
. Neste sentido, não pode
haver incoerência entre o que diz a Escritura e o que diz a Igreja, e antes ainda, não poderá
subsistir incoerência entre o que Deus quis dizer e o que os hagiógrafos dizem, ou entre o que
diz a exegese e a hermenêutica bíblica e o que sistematiza a reflexão teológica. Não há
portanto que recear nem a verdade nem a ciência
121
. A analogia da fé permite também por
outro lado a correspondência em qualquer tempo da fé apostólica com a fé da Igreja
122
,

117
Cf. L. BOUYER, Gnosis. La conoscenza di Dio nella Scrittura, [= Sacra Scrittura 2], Vaticano 1991,
125-127.
118
Cf. C. COULOT (dir.), Exégèse et Herméneutique, [= LD 158], Paris 1994, 9-10.
119
Cf. W. VOGELS, “L‟autorité de la Bible ou l‟autorité que le lecteur donne à la Bible”, Église et
Théologie 29 (1998) 189.
120
Cf. J. M. SANCHEZ CARO, “Hermenéutica Bíblica y Teología. Reflexiones metodológicas”, Scripta
Theologica (1997) 862.
121
Cf. A. IBAÑEZ ARANA, Inspiración, Inerrancia e Interpretación de la S. Escritura en el Concilio
Vaticano II, [= Biblica Victorensis 5], Vitoria 1987, 226.239; Th. SÖDING, “Hermeneutik. II. Biblische”,
LThK
3
(1996) 3-6.
122
Cf. S. PIÉ-NINOT, La Teología Fundamental, 566.
24
respeitando sempre a distância que vai do texto à palavra, da linguagem ao mistério. Pelo que
a dicção de Deus é sempre apofática, aliás como a linguagem, o que permite novos
enriquecimentos das interpretações. Esta apofaticidade tem vindo a ser explorada de forma
sistemática pela teologia da negatividade
123
explorando o para lá do inaudito, a distância entre
o dito e o dizer, entre o sentido e o significado, para usar novamente a terminologia de Paul
Ricoeur.
O princípio da unidade que respeita a unidade soteriológica da história quer do A.T.
quer do N.T., pois sempre foram entendidos como uma única palavra dita em épocas diferentes
da história, daí que seja uma única, una e mesma história da salvação. De facto, o Antigo
Testamento foi o meio pelo qual os apóstolos adquiriram o seu universo conceptual para
exprimir a fé nos tempos após o Pentecostes. Neste sentido, o A.T. é parte do N.T. e de toda a
Escritura. Não se percebe o N.T. sem o que o precede no tempo. Para os cristãos, o A.T. e o
N.T. são duas partes de uma mesma sinfonia
124
o que pede uma leitura inter-textual e intra-
textual
125
.
O princípio da diversidade que decorre dos anteriores, na medida em que um livro,
escrito durante um período tão grande de tempo, necessariamente teria de contemplar uma
diversidade de perspectivas e de releituras sucessivas. A diversidade da Escritura é o sinal e o
legado de “um tão grande leque de testemunhas” (Heb 12,1). Daí que não seja fácil (se não
mesmo será impossível) uma teologia sistemática a partir dos dados bíblicos, devido à
diversidade da própria Escritura, como recorda Ricoeur quer no que diz respeito às chamadas
memórias perigosas quer às várias nomeações de Deus conforme as tradições interpretativas
no seio do povo de Israel ou da Igreja. Por exemplo, basta ver que em Rom 13,1-7 Paulo insta
os cristãos a permanecer fiéis às autoridades romanas e a submeter-se-lhes. Ao invés, no livro
do Apocalipse, o autor, ainda que não convoque a uma rebelião, postula a possibilidade da
objecção de consciência, ao desrespeito pelo império romano e pelo sistema social
correspondente. Estes e muitos outros exemplos provocam necessariamente a exegese
bíblica. Não se pode fazer tábua rasa das diferenças, teologias e tradições plurais do texto
bíblico. Neste contexto surge uma outra questão: qual o papel do cânone como factor
hermenêutico e horizonte de compreensão para a interpretação do A.T., no A.T. e para a
hermenêutica do A.T no N.T.?
126
Para Klaus Berger o problema da multiformidade dos escritos
bíblicos não pode ser resolvido, como pretendeu E. Käsemann, pelo cânone como fundamento

123
Cf. E.-M. FABER, “Negative Theologie heute. Zur kritischen Aufnahme und Weiterführung einer
theologischen Tradition in neuerer systematischer Theologie”, Theologie und Philosophie 74 (1999) 481-
503; J. HOCHSTAFEL, “Apophatische Theologie”, LThK I (1993) 848.
124
Pontifícia Comissão Bíblica, Il popolo ebraico e le sue Sacre Scritture nella Bibbia cristiana,
Vaticano 2001, 19-22 (nº 3-5).
125
Cf. P. TULL, “Intertextuality and the Hebrew Scriptures”, CR:BS 8 (2000) 73.
126
Sobre o lugar hermenêutico do cânone em contexto protestante ver E. SCHWEIZER, “Qué es el canon
bíblico?”, Selecciones de Teología 44 (1972) 349-358. Este autor oferece uma interpretação rígida do
cânone bíblico, opondo a dimensão pós-pascal à dimensão humana do mesmo : ibidem, 354-355. Para
uma hermenêutica canónica sobre o lugar do Antigo Testamento no contexto de toda a Escritura Hebraica
e Cristã, ver as questões suscitadas pela “Hermeneutik im AT und die Hermeneutik des AT” em Ch.
DOHMEN, “Hermeneutik. II. Altes Testament”,
4
RGG III (2000) 1649-1651 e W. SCHENK,
“Hermeneutik. IV. Neues Testament”, TRE 15 (1986) 144-150.
25
da Igreja. Antes, ele mesmo com a respectiva história interpretativa mostra a diversidade de
confissões. Pelo que, uma via intermédia será, segundo o exegeta de Heidelberg, uma forma
de tentar resolver historicamente esta problemática como um desenvolvimento ele mesmo de
teologias diversas com base num tronco comum
127
. Com efeito, este poderá tornar-se um filão
ecuménico para a própria exegese bíblica, por forma a ultrapassar o princípio rígido da
Scriptura sui ipsius interpres. No entanto, persiste a dificuldade: o que entender por esse tronco
comum, pois o simples facto de se falar em tronco comum pressupõe já outros ramos que não
são comuns. E comuns a quê? Com que critérios se hierarquizam, e qual a relação entre si?

5. A metodologia exegética

Com base nestes princípios, há que tentar traduzi-los em técnicas de interpretação às
quais se chamam os métodos da exegese bíblica.
É comum entendimento que o estudo sistemático do texto bíblico se inicia no período
pós-tridentino no contexto do diálogo e das vicissitudes da relação ou divórcio entre a Bíblia e a
ciência, visto que a partir dessa época nasce efectivamente uma nova metodologia científica
128
,
o que desembocará nas incompreensões da época moderna no confronto entre a fé e a
ciência. Este estudo começou pela aplicação crítica ao A.T., ainda que nem sempre criteriosa,
dessa metodologia. Para este avanço o impulso veio a partir de dentro da própria comunidade
científica crente com os progressos da crítica textual e face à necessidade de revisão do dito
textus receptus.
De uma maneira geral, dividem-se em dois grandes grupos os conjuntos de métodos
de investigação à disposição da investigação textual bíblica na fase posterior à superação do
carácter ecdótico do texto bíblico. O primeiro grupo de métodos exegéticos aplicáveis ao texto
é formado pelos ditos métodos diacrónicos, enquanto que o segundo abrange os chamados
métodos sincrónicos. Os primeiros são os ditos métodos histórico-críticos que se subdividem
em três grandes correntes: a história das formas, a história da redacção, e a história da
tradição
129
. Tentam restabelecer a história, a génese e a evolução do texto, quais as tradições
onde nasceu e que assimilou, bem como quantos redactores deixaram nele o seu cunho
pessoal e as formas literárias usadas no texto. A crítica histórica constitui uma arqueologia
sobre o texto, na qual é muito importante determinar os géneros literários (D.V. 12).
Os métodos sincrónicos são o conjunto de técnicas interpretativas mais utilizados
actualmente na exegese bíblica. Privilegiam o estudo do texto no estado final. Todavia, os
investigadores resvalam normalmente para uma leitura irenizante ao nível metodológico
130
, pois
têm a consciência de que não se pode abdicar da utilização do primeiro grupo de métodos se

127
Cf. K. BERGER, Hermeneutik des Neuen Testaments, 11-13.
128
Para o estudo deste período ver P. GRELOT, “L‟éxègese biblique au carrefour”, NRT 108 (1976)
416-434; A. SUELZER – J. S. KSELMAN, Modern Old Testament Criticism. In NJBC, London 1997,
2nd edition, 1114-1117.
129
Sobre a relação entre a pluralidade de leituras da Escritura e a unidade da e na narrativa ver D.
TRACY, “Pluralidad de lectores y posibilidad de una vision compartida”, Concilium 233 : 1 (1991) 160.
130
Cf. Ch. BICO, “Synchronie et diachronie : enjeu d‟une dichotomie”, RB 108 : 2 (2001) 240.
26
quisermos ser fiéis ao texto e ao respectivo contexto. Depois de um exagerado investimento na
utilização dos métodos histórico-críticos e, por reacção, numa focagem exclusivista em alguns
quadrantes na leitura semiótico-estruturalista até aos anos 80, assiste-se hoje a um esforço de
equilíbrio, pois nenhum método por si só é suficiente para corresponder à riqueza do dado
bíblico
131
.
Devido à necessidade de clarificação, o Documento da Comissão Bíblica divide o
conjunto de métodos sincrónicos em três tipos de leitura: a análise literária estruturalístico-
semiótica
132
, a análise retórica
133
, e a leitura da narratologia
134
. Ficam por abordar a
pragmalinguística
135
, o recente método metaforológico
136
, bem como as consequências do
desconstrutivismo ao nível hermenêutico. A primeira análise centra a sua atenção nos semas,
na estrutura semiótica do texto a partir da qual o texto deixaria encontrar o seu sentido. A
análise retórica clássica tem produzido os seus frutos, sobretudo, aplicada recentemente ao
epistolário paulino
137
. A análise retórica debruça-se sobre a arte de compôr discursos
persuasivos, e efectivamente constata-se que a Escritura é um texto bastante persuasivo em
muitas ocasiões. A narratologia por seu turno estuda a forma como o texto organiza a intriga e
coloca o herói face a esse complot literário
138
.
O documento distingue os métodos sincrónicos de outras abordagens, entendendo por
estas uma leitura segundo um ponto de vista particular. Nestas abordagens como nos ditos
métodos sincrónicos a focagem é sobretudo a do leitor, individual ou comunitário
139
, ao
contrário da interpretação histórico-crítica diacrónica em que a focagem é quase
exclusivamente a partir do texto e do respectivo contexto. Dentre as diversas abordagens
destacam-se as da Tradição (a leitura canónica
140
, a intertestamentária
141
, e a
Wirkungsgeschichte
142
), as abordagens das ciências humanas (as leituras a partir da

131
Pontifícia Comissão Bíblica, A Interpretação da Bíblia na Igreja, 45.
132
Cf. T. TODOROV, Théorie de la Littérature, Paris 1965; J.-N. ALETTI, “Exégèse biblique et
sémiotique. Quels enjeux?”, Recherches de Sciences Religieuses 80 (1992) 9-28.
133
Cf. R. MEYNET, “Un nuovo metodo per comprendere la Bibbia : l‟analisi retorica”, La Civiltà
Cattolica (1994) 121-134.
134
Cf. S. BAR-EFRAT, Narrative Art in the Bible, Sheffield 1989.
135
Cf. F. LENTZEN-DEIS, “Metodi dell‟esegesi tra mito, storicità e comunicazione: Prospettive
„pragma-linguistiche‟ e conseguenze per la teologia e la pastorale”, Gregorianum 73 (1992) 731-737.
136
Cf. R. SCIBONA, Temporalità ed eternità in Os 1-3 «Come la sabbia del mare (k
e
hol hayyaem)». La
metaforizzazione nel discorso di Dio. In A. CASALEGNO, Tempo ed eternità. In dialogo com Ugo Vanni
S.I., [= RdT Library 7], San Paolo 2002, 90.97; G. EIDEVALL, Grapes in the Desert, Stockholm 1996,
253-259; M. BLACK, “More about metaphor”, Dialectica 31 (1997) 431-457.
137
Cf. J.-N. ALETTI, La Lettera ai Romani e la Giustizia di Dio, Roma 1997, 24-70; A. PITTA, Lettera
ai Galati, Bologna 1996.
138
E. SALVATORE, “Analisi narrativa : un nuovo approccio alla Bibbia ?”, RdT 39 (1998) 390.393.398.
139
Cf. Pontifícia Comissão Bíblica, A Interpretação da Bíblia na Igreja, 36.
140
Cf. J. A. SANDERS, “Canon”, ABD I, 837-852.
141
Cf. G. ARANDA PÉREZ, Apocrifos del Antiguo Testamento. In IDEM – F. GARCÍA MARTINEZ –
M. PÉREZ FERNÁNDEZ, Literatura judía intertestamentária, Estella (Navarra) 1996, 243-416.
142
Cf. H. SIMIAN-YOFRE, Ana-cronia e Sincronia : Ermeneutica e Pragmática. In IDEM (a cura di),
Metodologia dell’Antico Testamento, [= Studi Biblici 35], Bologna 1995, 171-195.
27
sociologia
143
, da antropologia cultural, e da psicanálise), e as abordagens contextuais (a leitura
feminista e a da teologia da libertação). A leitura fundamentalista é a única excluída.

6. A noemática bíblica

Quer os princípios quer os métodos exegéticos ajudam a descobrir mais do que um
sentido do que o sentido literal. Ao conjunto dos vários sentidos possíveis e válidos do texto
bíblico chama-se a noemática bíblica.
Sto Agostinho cultivou vários métodos de interpretação: comentários, homilias, scholia,
quaestiones, pois as situações moldam as respectivas conclusões conforme comente ou
pregue, ou elabore teologia anti-pelagiana. De um modo muito geral, sem nos aventurarmos
pela vastidão da temática, poder-se-á afirmar que para o santo bispo de Hipona o objectivo da
interpretação consiste na edificação da caridade por forma a estabelecer a verdade. Insiste na
disposição espiritual do intérprete, mas defende que há que começar pelo sensus litterae para
encontrar sensus auctoris. A interpretação para Sto Agostinho é eminentemente uma tradução,
uma interpretatio
144
. Interpretação de quê? Do sentido literal e do sentido alegórico do texto (De
Gen.ad.litt. I,1). S. Jerónimo por seu turno desdobrará esta teoria noemática dupla numa tripla.
A Sagrada Escritura oferece três sentidos fundamentais ao leitor: o histórico, o tropológico e o
anagógico-espiritual
145
.
Ao longo da história da teologia, vários foram os sentidos percebidos como imanentes
ao próprio texto bíblico. A alta Idade Média aceitou vários desses sentidos, mas não todos.
Subsistiu sempre uma certa resistência à interpretação alegórica ou alegorizante. Em 1282 o
dominicano Agostinho de Dácia sintetizou em quatro esses sentidos no famoso adágio latino:
littera gesta docet, quid credas allegoria, moralis quid agas, quo tendas anagogia. Assim, no
séc. XIII o leitor encontraria no texto bíblico um sentido literal, um sentido alegórico ou
espiritual, uma intenção moral, e um sentido anagógico.
Em Portugal tivemos entre outros o esforço de Sebastião Barradas (1543-1615) com a
sua teoria noemática bíblica, no contexto do chamado século de ouro da história da exegese
moderna (1563-1663)
146
. Ao publicar em Antuérpia em 1613 um comentário aos evangelhos

143
Cf. G. THEISSEN, Studien zur Soziologie des Urchristentums, Tübingen
2
1983, 331-348; M. PESCE,
Approcio secondo le scienze umane. In G. GHIBERTI – F. MOSETTO (a cura di), L’interpretazione
della Bibbia nella Chiesa, Torino 1998, 195-205.
144
“Ideo E硵, Graece, quod sermo vel interpretatio, quae ad sermonem utique pertinet, .硵i.ta dicitur
ideo et mercibus praeesse, quia inter vendentes et ementes sermo fit medius, alas eius in capite et pedibus
significare volucrem ferri per aera sermonem; nuntium dictum, quoniam per sermonem omnia cogitata
enuntiatur” : De Civ.Dei VII, 14 : CC 47,197; PL 41,205.
145
“Triplex in corde nostro descriptio et regula scripturarum est : prima, ut intelegamus eas juxta
historiam, secunda juxta tropologiam, tertia juxta intellegentiam spiritalem. In historiam eorum, quae
scripta sunt, ordo servatur; in tropologia de littera ad maiora consurgimus et, quicquid in priori populo
carnaliter factum est, juxta moralem interpretamur locum et ad animae nostrae emolumenta convertimus;
in spiritali ò..çta ad sublimiora transimus, terrena dimittimus, de futurorum beatitudine et caelestibus
disputamus” : Epist. 120,12 : CSEL 55,513-514; PL 22,1005; BAC 220 (Madrid 1962) 485.
146
Cf. M. M. GONÇALVES, A Noemática Bíblica de Sebastião Barradas (1543-1615). In J. C. NEVES
– V. COLLADO BERTOMEU – V. VILAR HUESO (eds.), III Simposio Bíblico-Español (I Luso-
Español), Valencia-Lisboa 1991, 543.
28
elenca aqueles que para si são os vários objectivos do texto bíblico: o histórico-literal, o visível-
externo, o interno, o místico, o sublime, o espiritual, o psíquico, o oculto, o alegórico, o
exemplar, o típico, o antitípico, o parabólico, o tropológico e o anagógico
147
. Com todos estes
nomes assume e resume no fim a dita teoria binária dos sentidos bíblicos com sentido moral: o
sentido antropológico (mais ou menos o literal) e o sentido típico-espiritual
148
.
A exegese histórico-crítica, devido à multiplicidade de sentidos e para combater a
derrapagem subjectivista, adopta mais ou menos a tese da unicidade de sentido segundo a
qual um texto não pode apresentar simultaneamente vários significados. No entanto, esta tese
choca com os dados das filosofias da linguagem e sobretudo com a linguística. Na verdade, há
que considerar a variedade de géneros literários, e como já vimos, os casos particulares da
metáfora, da parábola, do símbolo e da linguagem poética.
O documento da Pontifícia Comissão Bíblica reduz os sentidos a três
149
.
O primeiro é o sentido literal. É o sentido entendido pelo autor bíblico, e não significa o
sentido literalista ou fundamentalista. Para compreender o sentido literal é fundamental o
estudo dos géneros literários. Mas será que assim o sentido literal de um texto é único? De
uma forma geral poder-se-á responder afirmativamente. Todavia, este não é um princípio
absoluto.
O segundo sentido é o espiritual, compreendido como aquele sentido expresso pelos
textos bíblicos quando lidos sob o influxo do Espírito Santo. Representa um aprofundamento no
conhecimento do mistério de Deus revelado no mistério pascal do Filho.
O terceiro sentido é dito o sensus plenior. É um sentido mais profundo ainda do texto. É
uma releitura de textos bíblicos anteriores que descobre um sentido querido por Deus não
claramente expresso pelo autor humano. Na prática parece assemelhar-se a um sentido
figurativo, mas que traz evidentemente algumas dificuldades no que toca à sua delimitação e
ao perigo de resvalar para o subjectivismo. Um exemplo: como conceber a relação entre o A.T.
e o N.T.? Será o segundo uma sentido mais profundo do primeiro?

Conclusão

Há que partir sempre do sentido literal, como exige a exegese científica e qualquer
literatura. Mas depois das reflexões de Ricoeur será possível querer buscar sempre a intentio
auctoris? Na verdade, o texto distanciou-se definitivamente dela, já não mais coincide o texto
com a intenção do autor, pelo menos de forma absoluta. Bastará ficar-se pelo texto e pelo seu
autor? Para Paul Ricoeur, “a coisa do texto ou o mundo do texto é a categoria central, quer
para a hermenêutica filosófica quer para a hermenêutica bíblica”
150
.
O texto bíblico é um registo linguístico poliglota nos meios e heteroglóssico nos
registos, uma multidão de linguagens diatópica e diastraticamente diversas, ou seja,

147
Cf. M. M. GONÇALVES, 547-549.
148
Cf. M. M. GONÇALVES, 572.
149
Cf. Pontifícia Comissão Bíblica, A Interpretação da Bíblia na Igreja, 91.
150
P. RICOEUR, Du texte à l’action II Essais d’herméneutique, Paris 1986, 117.
29
heteroglóssico não só nos autores poliglotas mas também nos actores ao longo de vários
lugares e tempos, o que obriga a exegese a escavar vários estratos textuais dentro do próprio
texto. Na verdade, como nota Ricoeur, o texto bíblico é uma plurifonia.
Na gramática bíblica inscreve-se a dramática de Deus. Para além de narrar o drama de
um povo anuncia uma teodramática. Nesta palavra de Deus dita em texto, o leitor tem acesso a
um drama
151
. Para ler e interpretar esse drama necessita de uma, de várias gramáticas tal
como os autores teândricos do texto. Como qualquer texto também este é encarnado. O
mistério da Encarnação do Verbo aparece assim como o paradigma da interpretação bíblica,
cujo sentido último é o do agraciamento elevante do humano, pois Ele coloca-Se como o
grande Mediador entre nós e o mundo onde Deus nos quer salvar. Para aceder à verdade é
necessária empatia, mas uma empatia dialéctica e não congénita, como refere o filósofo
francês, empatia que se consiga libertar dos riscos gadamerianos de subjectivismo fundindo os
horizontes do leitor e do autor. Ricoeur ao contrário tenta distanciar um do outro. Todavia, mais
parece que por vezes os afasta. Na realidade, não se pode contrapôr o sensus auctoris ao
sensus textus. São complementares ainda que nem sempre coincidentes.
Essa empatia face a face é dada pelo mesmo Espírito do texto. É o mesmo ao longo da
única história da Salvação. Significa que é Ele que possibilitará em certa medida uma
contemporanização entre o leitor e o mundo do texto do autor sacro sem ser totalmente
congénita à maneira de Schleiermacher. Deste modo se construirá uma específica
hermenêutica teológica. Deus continua a escrever a Sua e nossa história da salvação nas
páginas encarnadas das vidas mais santas ou mais conturbadas dos Seus filhos. Neste
sentido, a Sagrada Escritura continua a expandir-se, a ser escrita agora na biografia dos
santos, dos baptizados, da Igreja, não obstante a tortuosidade da condição humana. Continua
a mediar-nos ao mundo. Por isso, ao contrário do que diz Gadamer com receio do historicismo
hegeliano, a compreensão não se dá apenas no âmbito da pré-compreensão linguística da
Tradição à qual pertence o leitor, mas a compreensão é a mediação entre a minha avaliação
da leitura e o que eu encontro na mesma. Logo é histórica. Aliás, a minha compreensão, a
minha interpretação mesma é um acontecimento histórico, e não pode nunca considerar-se
definitivo. O mundo hoje continua a ser mundo de história de salvação que o texto ilumina.
Paul Ricoeur tenta na realidade sair do risco do subjectivismo do círculo hermenêutico
gadameriano. Partindo do contributo da exegese estruturalista e dos estudos histórico-críticos
sobretudo de Gerhard von Rad, tenta credibilizar o texto como instância crítica do autor e do
leitor. O recurso às reflexões sobre o símbolo e a metáfora permite ao filósofo francês uma
âncora na realidade do texto e da linguagem que não fique dependente apenas do sujeito.
Neste sentido, Ricoeur afigura-se como bastante actual na medida em que ao tentar
dialogar com o mundo das ditas ciências humanas e da linguagem é levado a respeitar
também a própria fragmentação da pós-modernidade que se reflecte mesmo nas inúmeras
publicações hermenêuticas e exegéticas dos últimos anos dessas ciências de acordo com as
diversas metodologias. Mas todas elas, porque fragmentadas, mostram igualmente não só os

151
Cf. M. NERI, “Dio : grammatica e drammatica di un nome”, Il Regno 2 (2002) 18-20.
30
limites da exegese bíblica, bem como principalmente a polifonia do discurso bíblico.
Curiosamente, um filósofo, dá-se conta dessa plurifonia. Ricoeur não a considera de todo uma
sinfonia, e neste sentido rejeita todas as tentativas feitas até agora, sobretudo a partir do
Concílio, de ler toda a Escritura cristã com o conceito informador de Heilsgeschichte. Paul
Ricoeur submete à crítica a perspectiva cristã na sua dimensão de linearidade
152
. Com efeito, a
filosofia do séc. XX, que ele conhece tão bem, veio mostrar que subsistem histórias e aporias
dificilmente conciliáveis com essa perspectiva histórico-salvífica enquanto história de salvação
linear no quadro de uma aliança eterna entre Deus e a humanidade. Ricoeur é aqui muito
devedor da teologia política de Johann Baptist Metz e de Jürgen Moltmann. Algumas narrativas
depois de Auschwitz dificultam, se não mesmo impedem, de integrar o luto na razão. Algumas
memórias põem em causa esse princípio demasiado lógico e simplificador, essa grelha de
leitura da Heilsgeschichte. A essas memórias chama Ricoeur memórias perigosas que põem
em perigo a pretensa linearidade do “esquema cronológico universal da história da
salvação”
153
. Essas memórias perigosas fazem igualmente parte do discurso bíblico, no seio de
muitas outras narrativas que contam uma relação plural de Deus com o Seu povo.
Assim tenta Ricoeur recuperar o lugar e a necessidade quer do récit quer da teologia
narrativa enquanto organizadoras de símbolos e de redes de metáforas. Isto exige esforço ao
leitor, um esforço de leitura e de re-interpretação, pois provavelmente terá hoje de utilizar
outras parábolas, outras imagens que sejam conhecidas dos nossos contemporâneos por
forma a que se abeirem e fiquem cativados pela sedução eterna de Deus. Talvez assim, em
vez de se falar de Deus se consiga pôr Deus a falar mesmo nas situações mais difíceis ou
perigosas
154
. A reproposição da Sagrada Escritura não consiste apenas numa mera
arqueologia do texto, mas eminentemente numa teleologia, em redizer as grandes metáforas
comuns a toda a humanidade e a todos os tempos. Este é que é o esforço da interpretação, ou
seja, da actualização. E muitos dos textos da Escritura ficaram na memória porque utilizaram o
grande género literário parabólico e sempre falaram dos grandes desafios de sentido do
humano. A palavra à procura de se atirar para além de si mesma (pará-bola) intui
permanentemente o elemento noético da dicção bíblica que sapiencialmente passa para além
do tempo da redacção do texto.
Curiosamente, o conhecido estruturalista do fenómeno da linguagem Algirdas J.
Greimas reconhece que nos últimos tempos, em que se tem vindo a acentuar ao nível
epistemológico o meta-realismo das ciências, tem-se felizmente percorrido um caminho de
encontros e de avanços comuns à filosofia da linguagem e à linguística. De uma démarche
mais taxinómica e estruturalista tem-se passado a uma abordagem mais discursiva,

152
Cf. P. RICOEUR, L’herméneutique biblique, 333.
153
Cf. P. RICOEUR, L’herméneutique biblique, 329.
154
Ver o nosso texto “O anúncio do evangelho na pós-modernidade : uma contextualização de 2 Tim
3,10-17”, Humanística e Teologia 22 : 2 (2001) 261-286.262.274.285.
31
comunicacional das actividades de comunicação humana formuladas sob a forma de discurso,
“como sequência organizadas de acções e de paixões, de finalidades e de resultados”
155
.
Neste processo de interpretação importa então tomar alguns cuidados para não cair em
exageros e proceder a uma autêntica interpretação actualizadora do texto bíblico, da
possibilidade de ser da nova aliança
156
:
a) o escolasticismo : forma de cativeiro do texto bíblico na qual o texto bíblico é reduzido a um
mero objecto científico de pesquisa e de exegese como fim em si mesmo. Deste modo, a
investigação analítica poderá tornar-se céptica face ao texto, e os sermões transformam-se
em veículos de informação sobre o texto e não assimilação e encarnação do texto.
b) o culturalismo : o uso consciente ou inconsciente da Escritura para justificar uma situação
cultural, promovê-la, ou defendê-la a todo o custo, como se esse fosse o objectivo do texto
bíblico e da sua leitura. Neste sentido, é fácil encontrar quem identifique, a partir de Gal
5,1, as democracias ocidentais com a liberdade da fé proposta e defendida nesse texto
paulino, e identifique a salvação com popularidade social e saúde mental.
c) o moralismo : esta é uma velha propensão da homilética e da pregação. É no entanto uma
redução do texto bíblico. Sem dúvida que a Palavra de Deus é um desafio à conversão e a
Palavra de Deus tem uma dimensão ética, mas os textos não visam em primeiro lugar
oferecer um conjunto de princípios ou normas rígidas de moral.
d) o compartimentalismo : silenciando alguns aspectos da existência humana, fazendo uma
interpretação estanque dos textos.
e) o biblicismo : é o risco de elevar o texto bíblico acima da Boa Nova que pretende
anunciar
157
. Nessa altura, a Escritura fala apenas a sua própria linguagem, e talvez a
linguagem dos especialistas. Tal sucede quando o literalismo tira toda a veia poética,
metafórica e simbólica ao texto bíblico, quando extirpa toda a ironia, toda a plurivalência
dos conceitos e imagens, mesmo a sua ambivalência. Normalmente, o biblicismo faz mais
fé na palavra bíblica do que na Palavra de Deus. Nessa situação, prega-se mais a Bíblia do
que o Evangelho.
f) o a(na)cronismo : é o risco de ler o texto fora do seu tempo de origem como se ele tivesse
caído do céu na forma como o temos hoje e como hoje é reconhecido como Palavra de
Deus. Uma exegese baseada somente no texto final pode conduzir à separação entre o
texto e o acontecimento que dá origem ao texto, remetendo para o leitor a missão de
decidir o que é importante no texto bíblico. Esta intemporalidade ou atemporalidade resvala
normalmente para o subjectivismo, o qual levado ao extremo é sempre ditatorial. Pelo que
a negação da encarnação bíblica e/ou escriturística acaba por levar ao fundamentalismo e
à negação da hermenêutica.


155
A. J. GREIMAS, “Novos desenvolvimentos nas ciências da linguagem”, Cruzeiro Semiótico 11-12
(1989-1990) 189.
156
Cf. V. HOWARD, The Bible and Preaching. In IBC, Collegeville 1998, 150.
157
Cf. V. HOWARD, 151.
32
Em síntese, em Ricoeur a exegese bíblica é redimensionada numa circularidade
interpretativa própria de uma ontologia da linguagem, pois a hermenêutica coloca
imediatamente a questão mais vasta da verdade e do método de acesso à mesma, e a questão
da relação entre ser e linguagem
158
. O texto está aí, entre dois mundos, como mediador
simbólico. Logo tenta mediar-nos ao ser e inserir-nos numa comunhão ontológica
159
na
linguagem do signo que faz sinal. Assim, respeita-se o princípio da interdependência segundo
o qual tudo depende de tudo
160
, e não restam compartimentos estanques na realidade. Ora, o
símbolo e a metáfora ajudam precisamente a esta inserção. Neles o “infinito não se afirma nem
se nega, mas faz sinal”
161
, ou seja, a realidade inscreve-se. Pelo que o círculo hermenêutico
em Paul Ricoeur postula uma transcendência do sentido à significação. A transcendência do
sentido não se separa nesta circularidade da transcendência da significação, precisamente por
se tratar de uma circularidade, de um vai e vém do ser à linguagem, da linguagem ao ser, da
epistemologia à ontologia e vice-versa. Neste sentido Ricoeur não se desvia da difícil e
inexorável tarefa da filosofia hermenêutica, a saber, fazer a ponte entre a fenomenologia e o
dogmatismo distanciando-se da tradição da Aufklärung tributária de um endeusamento da
razão, qual postulado da modernidade defensor intransigente da supremacia da verdade lógica
sobre o mistério. Esta ponte é uma ponte hermenêutica, um caminho filosófico, de auscultação
do mistério da verdade ou da verdade do mistério santo no dizer de Rahner. O texto bíblico
percorre este caminho na fé, fé essa que tem um texto fundador. E como qualquer texto
contém símbolos e metáforas, mas é mais do que isso, é uma narrativa, um récit, um mythos.
Ricoeur recupera efectivamente este conceito clássico porque percebe que não pode haver
acesso à verdade sem mito, sem empatia nem sem narrativa. À hermenêutica cabe então
interpretar este conto no qual se inscreve a aventura da verdade. Ela será assim uma
interpretação dos limites e nos limites do humano
162
, do humano na sua historicidade que
nomeia os seus próprios limites nas experiências fundadoras do mal, do sentido, da esperança
e da fé. Esta dinâmica interpretativa dar-se-á na distância entre uma transcendência e uma
finitude
163
. Deste modo, de facto tem razão Ricoeur, o símbolo dá que pensar.

José Carlos Carvalho
Didaskália 34: 1 (2004) 35-78.


158
Cf. J. De FINANCE, Connaissance de l’être. Traitè d’Ontologie, Paris 1966, 40.
159
Cf. J. De FINANCE, 37.
160
Cf. L. PEÑA, Fundamentos de ontologia dialectica, Madrid 1987, 277.
161
Ph. SECRETAN, Herméneutique et Vérité, In F. BOVON – G. ROUILLER 172.
162
Cf. Ph. SECRETAN, Herméneutique et Vérité, 173.
163
Cf. M. RUGGENINI, Hermeneutik der Endlichkeit. Der unendliche Gott der Metaphysik und der
endliche Gott der Offenbarung. In H. J. ADRIAANSE – R. ENSKAT (hrsg.), 226-232.

Mas como estamos diante de um texto, diante de um património religioso com o maior sucesso editorial de toda a humanidade e desde sempre, é fundamental considerar não tanto a questão linguística quanto o lugar e o objecto da linguagem bíblica, ela mesma uma Babel de linguagens (cf. Gen 11,1-8), mas ao contrário de Babel suportada por um fio condutor. É o sentido ou os sentidos desse fio condutor que nos ocupará na última parte, precisamente colocando-nos a questão da possibilidade mesma da interpretação, ou seja, da hermenêutica, isto é, da actualização do texto bíblico. Ao longo deste pequeno percurso teremos como companhia privilegiada de viagem o grande filósofo francês que sobretudo desde os anos 60 tem escrito e pensado a relação do texto com a realidade, e o lugar ou as possibilidades da hermenêutica bíblica, ele que nunca negou a sua fé e que sempre tentou articular o pensamento filosófico com o texto fundador do cristianismo . Por conseguinte, não se pretende aqui enveredar por um comentário de maneira positiv(ist)a do Documento da referida Comissão Bíblica de 1993, como muitos aliás já fizeram (e bem), nem do seu documento de 2001 sobre as relações da Bíblia Hebraica com a Bíblia cristã .
7 6

1. A questão da linguagem e da linguagem bíblica

A dificuldade do texto escriturístico reside sobretudo na distância temporal entre a sua origem e o nosso tempo que frequentemente não compreende alguns dos registos de linguagem nele utilizados , pois efectivamente o contexto civilizacional e cultural pós-moderno é em muitos aspectos – não todos – diverso. Nesta nossa era marcada pela voragem da velocidade, em que as coisas envelhecem muito mais depressa pois passam muito rapidamente de moda, por que motivo(s) continuar a ler textos antigos (pelo menos no tempo), se não se vendem (dirão alguns dos cultores neo-liberais nossos contemporâneos ou os directores de informação das nossas televisões ou dos jornais mais ou menos tabloidizados vergados às leis selvagens dos números, da publicidade ou das audiências)? Será a actualidade apenas uma questão de datação, como querem fazer crer alguns? Neste âmbito Paul Ricoeur vai um pouco mais longe......, muito para lá destes apoucamentos a que a leitura e a escrita são votadas ou relegadas. A distância tem a ver não tanto, efectivamente, com a questão do tempo cronológico, mas antes de tudo com a questão textual em si, com a essência do textus, do tecido da escrita. A pergunta essencial é saber porque é que se escreve um texto e se o lê ou deve ler. Qual a sua natureza? O que leva a lêlo, sendo que um texto é uma realidade que distancia o autor e a realidade do autor, distancia o
8

6

Cf. P. RICOEUR, “You are the Salt of Earth”, Ecumenical Review 10 (1959) 264-276; IDEM, La Symbolique du Mal, Paris 1960, 323-332; IDEM, Le Conflit des interprétations, Paris 1969, 393-415.458486; IDEM, Sur l’exégèse de Genèse 1,1-2,4a. In AA.VV., Exégèse et herméneutique, Paris 1971, 6768.85-96; IDEM, “Listening to the Parables of Jesus”, Criterion 13 (1974) 18-22. 7 Cf. Pontificia Comissio Biblica, Il popolo ebraico e le sue Sacre Scritture nella Bibbia cristiana, Vaticano 2001. 8 Cf. L. ALONSO SCHÖKEL, Hermenéutica de la Palabra. I. Hermenéutica biblica, [= Academia Christiana 37], Madrid 1987, 93.

2

texto do autor ou da comunidade que lhe deu origem? Parece que distancia em vez de aproximar. Ora, o mundo do texto, do texto escrito cria no leitor novas possibilidades de ser. A distância temporal e geográfica já exige então uma re-tradução, uma interpretação. Qual o sentido dos termos? Como tem este texto que ver connosco? Como pode ser reactualizado e relido? Qual o papel e a autoria do texto, sabendo nós hoje que muitos deles são fruto da fé da comunidade que lhes deu origem?
10

9

A questão não reside só em saber o que

está dito, mas em alcançar o sentido do que está dito, o que é que o texto quer dizer, e sobremaneira o que o texto pode novamente dizer à comunidade crente actual ou voltar a ser legível pela comunidade humana, mesmo a que orbita fora dos limites ditos institucionais da fé, mas que se coloca honestamente as questões sempre pertinentes do mistério do homem e do seu sentido. Ora, diante de textos antigos, o difícil não é ler. Essa é uma actividade que se pode tornar mais ou menos mecânica, avulsa, logo superficial. Na intuição acertada de Alonso Schökel, o difícil é saber ler , pois para lá dos tempos, os próprios géneros literários dos textos bíblicos e dos textos literários impõem o respeito do respectivo ambiente e finalidade. Não se pode esquecer que alguns são mesmo destinados à representação, ao canto, à encenação, à recitação ou à proclamação pública. E só nesses ambientes se tornarão legíveis, isto é, poderão ser bem interpretados. Como nota Martin Heidegger (1889-1976), é fundamental uma leitura autêntica que compreenda que o texto apela à nossa existência e à nossa essência . Legere é na verdade uma lex, uma lei, de acordo com a própria etimologia latina, é uma prescrição à contemplação do que aparece e brilha
13 12 11

para assim ligar, coligar leitor e autor,

texto e mundo. O étimo grego légein não soa a lei mas a lógos, cuja lógica é a da injunção de palavras que formam a linguagem, à volta da qual se juntam, se dá a conjunção (Sammlung) dos leitores e do mundo na conexão própria da mesma. A linguagem recolhe assim unitária e coerentemente ao e no ler, na leitura do escrito. Assim sendo, o leitor, o lente tece e tece-se. Contempla, pois é desafiado. Esta tarefa de leitura autêntica e contemplativa tem sido ultimamente uma das tónicas analíticas da exegese bíblica sobretudo com a chamada leitura pragmalinguística e narratológica da Sagrada Escritura
14

com ecos e articulações igualmente em campo teológico

9

Cf. P. RICOEUR, Sur l’exégèse de Gen 1,1-2,4a. In AA.VV., Exégèse et Herméneutique, Paris 1971, 48; IDEM, L’herméneutique biblique, Paris 2001, 323-325. 10 Cf. P. RICOEUR, The “Sacred” Text and the Community. In W. D. O‟FLAHERTY (ed.), The Critical Study of Sacred Texts, Berkeley 1979, 271-276; IDEM, “La logique de Jésus. Romains 5”, Études Théologiques et Religieuses 55 (1980) 420-425; IDEM, Soi-même comme un autre, Paris 1990, 37. 11 Cf. L. ALONSO SCHÖKEL, Hernenéutica de la Palabra. I, 207. 12 “Was heisst lesen? Das Tragende und leitende im Lesen ist die Sammlung. Worauf sammelt sie? Auf das Geschriebene, auf das in der Schrift Gesagte. Das eigentliche Lesen ist die Sammlung auf das, was ohne unser Wissen einst schon unser Wesen in den Anspruch genommen hat, mögen wir dabei ihm entsprechen oder versagen. Ohne das eigentliche Lesen vermögen wir auch nicht das uns Anblickende zu sehen und das Erscheinende und Scheinende zu schauen“: M. HEIDEGGER, Denkerfahrungen, Frankfurt, Klostermann 1983, 61. 13 Cf. “Erscheinende und Scheinende zu schauen“ : Ibidem. 14 Cf. S. LEVINSON, Pragmática, Barcelona 1989; G. REYES, El abecé de la pragmática, Madrid 1995; F. CONESA – J. NUBIOLA, Filosofía del lenguaje, Barcelona 1999, 190-210. Em campo mais estritamente aplicado ao universo escriturístico ver C. MORA PAZ – M. GRILLI – R. DILLMANN, Lectura Pragmalinguística de la Biblia. Teoría y aplicación, Navarra 1999, 9-72.

3

P. Oferece uma nova possibilidade de ser exodal. Ricoeur não deixa de considerar a narratologia como uma “simulation de l‟intelligence narrative au moyen d‟un discours de second ordre appartenant au même degré de rationalité que les autres sciences du langage” : IDEM. Com efeito. 19 Cf. ROUILLER. No que a estas últimas diz respeito. O texto escrito fará a partir de então o seu próprio percurso . RICOEUR. L’hérmeneutique biblique. RICOEUR. Bultmann não apresenta nenhuma teoria da interpretação. O autor francês distancia-se logo de início da hermenêutica decisional e existencial de R. 52. uma decisão no leitor. Esta é a tarefa da exegese bíblica. L’herméneutique biblique. Au-dela de Bultmann : les tâches de l’herméneutique biblique. ROUILLER. P. Marco NOBILE. [= Logos 8/1]. P. P. Porquanto. as instituições. coloca o leitor diante desse desejo narrando esse desejo.41. 21 Cf. 236. linguísticos e lexicais. P. Assim sendo. e o que está escrito não coincide mais com a intenção do autor que escreveu esse texto. neste quadro global de compreensão. moral e meramente existencial . Paul Ricoeur dá deste modo um contributo.com a chamada teologia narrativa como reacção àquela teologia que Ricoeur critica por ser puramente especulativa. 373-392. 214. e provavelmente o seu maior contributo à exegese contemporânea. In F. corrigirá mesmo uma certa tendência de imediatidade na busca exegética da intenção do autor . mas em primeiro lugar mostrar o mundo da nova aliança. Exegesis. a interpretação escriturística dá-se conta de que o texto bíblico.). é fruto de um desejo de comunicação. Teologia dell’Antico Testamento. entre outros. fornecer dados sociológicos e culturais. Torino 1998. Visto que é um texto antigo exige por vezes explicações. sobretudo nas consequências hermenêuticas que daqui exalam. antigo. AMHERDT. Paris-Neuchatel 1975. Bultmann (1884-1976) por esta se ficar por uma teologia kerigmática sem mitologia . 209. temática aliás tão recorrente no autor francês. o texto escrito destaca-se da pena do autor. 40. I. 17 Cf. RICOEUR. fornecer certas informações complementares sobre os géneros literários. simplesmente. Por isso. no hiato pessoal e temporal . Problèmes de méthode et exercices de lecture. Le Conflit des interprétations. RICOEUR. Então o leitor hermeneuta estará 15 21 20 19 18 17 16 15 Cf. Também em M. RICOEUR. numa decisão existencial” . mais do que uma provocação existencial. Herméneutique philosophique et herméneutique biblique. Figuring the Sacred. 330. 326. 20 Cf. 4 . desemboca mesmo directamente numa simples adesão da fé. Ricoeur submete à crítica a dita linguagem existencialista enquanto vector interpretativo do próprio acto de fala precisamente por não respeitar o distanciamento do texto face ao autor e ao leitor.-X. 222. Minneapolis 1995. L’hérmeneutique biblique. Ricoeur define a hermenêutica como a tarefa que visa não provocar uma Entscheidung. mas cuja memória registada por escrito tem os inícios dos seus contornos com a gesta histórica da experiência exodal mosaica. 45). esforço hermenêutico este que prevalece como algo absoluto quer no texto conciliar da Dei Verbum (nº12) quer no Documento da Comissão Pontifícia de 1993 sobre a Interpretação da Bíblia na Igreja (p. WALLACE (ed. La fonction herméneutique de la distanciation. ou seja. a compreensão não será uma contemporaneidade do leitor com o autor mas efectivamente um distanciamento. uma compreensão na distância. RICOEUR. La fonction herméneutique de la distanciation. In P. auxílios sobre o que está dito. desde tempos imemoriais. dar início a uma espécie de arqueologia sobre o texto. no caso do texto bíblico . In F. BOVON – G. Na realidade. 18 Cf. BOVON – G. 16 Cf. Paul Ricoeur critica em Bultmann a “distinção ingénua entre as expressões míticas objectivantes e as formulações não míticas da proclamação cristã. F.

Ela mesma é um expoente focal da linguagem em si. a fé bíblica não pode ser apensa ou separável do movimento contínuo da interpretação inerente à própria linguagem.-G. Tempo e Narração.V. 242-285. Paul Ricoeur. como prefere H. A Sagrada Escritura é assim vista como um grande conjunto de auscultações epistolares do Deus de Israel ao Seu povo espalhadas por um largo período de tempo. Deixis. 235-243. este é o processo da própria tradição bíblica.-G. Petit histoire de l’éxègese biblique (1992). P. 25 Cf. Neste sentido. BÜHLER. se no início está um amor. 69. 24 Cf. A. GILBERT. está inscrita na escrita do texto. Só no quadro desta relação amorosa é que se consegue interpretar o que o texto finalmente quer dizer. A resposta a esta questão de interpretação (que não é a intenção inicial do texto mas a nossa enquanto auscultadores num primeiro momento da discursividade do autor do texto) atingir-se-á então a partir do próprio texto. que motivos presidem à intriga. 38-39. [= BETL 124]. Barcelona 1966. I. pois por isso mesmo instaura uma relação retórica muito própria com o leitor . que é o mediador entre nós e o texto. 307. THOMASSET. A precedência das tradições orais é disso mesmo eco . elíptica para se abrir ao diferente que é o texto da linguagem bíblica. o texto bíblico referindo-se a um conjunto de tensões e relações dialécticas não depende na respectiva interpretação de um esquema antropológico prévio que o desautonomize completamente. A empatia terá de ser dialéctica. O texto é para Ricoeur o grande mediador entre nós e o mundo e não é o mundo com a sua pré-compreensão e a sua Tradição. P. Une poétique de la morale. 27 Primeiro o amor vive e tem de se dizer. Paul Ricoeur. 28 Cf. e só depois escreve-se : cf. GILBERT. 308. perguntar porque é que está dito assim. K. uma misericórdia imotivada. 28. PIÉ-NINOT. Leuven 1996. Gadamer . 23 Cf. Teoría del Lenguaje. Ora. 115. Madrid 31967. THOMASSET. mesmo o nosso mundo. L. bem como perceber a própria organização do que está dito. THOMASSET. Aliás. Acontece deste modo um enriquecimento mútuo . 26 Cf. ver F. A. FONSECA. E o que recebemos nós e o mundo? A partir da respectiva leitura o leitor é conduzido a descobrir que na origem está a intenção da comunicação amorosa de um Deus amante que privilegiou evidentemente a linguagem do amor e da amizade (D. com que objectivo. por quem. A 28 27 26 25 24 23 22 22 Sobre esta dimensão operativa do discurso. como advoga a desmitologização radical de Bultmann. A discussão é assim direccionada das relações do mundo do sujeito e do autor para o campo mais vasto da linguagem e da referência à realidade. o que o torna o grande mediador entre nós e o mundo por intermédio do autor. e porque agem os personagens de certa maneira. à narrativa . ou seja. 306. no qual a linguagem bíblica não é apenas um caso mais e até particular da linguagem filosófica. Esta aparição do texto leva Ricoeur a corrigir também um pouco o conceito de Zugehörigkeit de H. Gadamer (1900-2002). Barcelona 1972.mais apto para perguntar da relação entre o sinal e o intérprete. Une poétique de la morale. S. 5 . Une poétique de la morale. Porto 1992. A. pelo que o mundo bíblico não pode ser apenas intra-textual como defende a escola de Yale . La Palabra de Dios en los libros sapienciales. eminentemente do ponto de vista linguístico. então o texto bíblico surge ele mesmo como uma palavra segunda face a esse amor salvador primeiro . Antes. La Palabra Inspirada. Paul Ricoeur. ou seja. ALONSO SCHÖKEL. 2) pois essa é a forma preferida que os amantes e os amigos têm para comunicar entre si. Paris 1997. o texto bíblico enriquece a linguagem mesma. Petit histoire de l’éxègese biblique.

essa palavra primeira à qual temos acesso pela palavra segunda do texto bíblico que ecoa essa palavra primeira diante da qual nós e o mundo somos colocados. como diz Christian Duquoc. 331. para dizer que deseja a humanidade e que sacia o desejo do humano. É uma palavra deles a nós e ao mundo. Como já foi referido. neste sentido elas não explicam ou esgotam a realidade. neste contexto o texto bíblico é então uma lei. E 29 30 33 32 31 30 29 Cf. o homem ou o mundo. como insiste Ricoeur. mas testemunham o desejo pós pascal de viver como Jesus. o que confere um duplo autor ao texto bíblico. Sobre a temática da representação cristológica ver o nosso trabalho “A filiação divina como condição transcendental de „representação‟”. e uma vida que se dá. Paris 1968. Essai dogmatique. Cf. a sua antiguidade é apenas aparente. La Teología Fundamental. e que assim é acolhido pelo Pai . DUQUOC. pois a realidade é sempre maior do que as palavras. PIÉ-NINOT. DUQUOC. Ora. Pelo texto. S. livre. a grande palavra bíblica é a Palavra do Verbo de Deus. onde o ser humano se encontra. Os contemporâneos de Jesus não percebem em Sexta-feira Santa que ali Jesus é alguém que dá a vida por um ideal e se une a todo o homem livre. S. No caso de Jesus os evangelhos não provam nada. mais não pode fazer do que colocar-se devant. procura palavras adequadas conforme as situações que o exprimam. Deus para comunicar a Sua graça tem de aceder a múltiplos jogos. I. Porquanto. 33 Cf. RICOEUR. 6 . PIÉ-NINOT. dito nos termos da teologia formal. desafia o leitor e incita-o a um ser outro. II. porque lê Deus.465-467. à linguagem. e como qualquer palavra digna desse nome é para ser lida porque nela se encontra o sentido. 32 Cf. um autor teândrico. 337. o homem verdadeiramente livre. Christologie. Deus re-vela-Se na Sagrada Escritura. diante do leitor. L'Homme Jésus. Ou seja. a narrativa da paixão é uma narrativa de sentido precisamente porque provoca o desejo remetendo a uma significação com relevância. Ainda que o desejo humano à esperança e à vida feliz seja constante. A linguagem desiderativa vai empregar muitos modos de fala(r). Salamanca 2002. Humanística e Teologia 22 : 1 (2001) 73-111. pois narra. Pelo que Deus fala e escreve no desejo Seu e da humanidade. logo não é uma leitura qualquer. o que é totalmente diferente. 227. Nele o leitor recolhe-se na contemplação do mistério. Por isso. Teoria da Interpretação. Ele representa todo o homem . Este desejo é dito de muitas formas. ainda que necessite de aceder sempre à palavra. de diversos modos. Ch. N‟Ele se revê toda a humanidade. e tem de falar à maneira humana para Se fazer entender (D.104. P. aliás como nenhuma linguagem humana consegue. Face a este mistério o leitor e o mundo são desafiados à possibilidade de um novo modo de ser. Ch. Por isso. à escrit(ur)a. uma nova forma de olhar as coisas . está em que continuam a conseguir criar no leitor o desejo.beleza destas cartas abertas. Jesus continua deste modo a ajudar o leitor a desejar a esperança.V.2). Paris 1968. instaura no leitor o desejo de viver como Jesus vive. ao texto. o leitor tem então acesso à ressurreição porque o texto faz surgir no leitor o desejo de continuar a fazer ressurgir a vida. [= Agape 7]. a inúmeros registos de linguagem. neste quadro há que fazer então uma hermenêutica do testemunho . 31 Cf. muita(s) fala(s). desta carta aberta que é a Sagrada Escritura. o homem e o mundo. 658. La Teología Fundamental. na medida em que de Jesus dão credibilidade e convocam a uma hermenêutica da credentidade . Christologie. contempla-os. Lisboa (tradução portuguesa de 1996). o texto bíblico não é um conjunto de respostas sobre Deus. Assim sendo.

sem cair no desregramento” . diz do Seu amor para voltar a velar. 344. Saber jogar este jogo de linguagens é o que Ricoeur chama a “aproximação poética. na esteira de Ricoeur. Fixa a “intenção significante do locutor” . 37 “A ideia de que existe uma única linguagem „normal‟. R. 274. é necessário saber jogar com os correspondentes jogos de linguagem. etc. A diversidade da linguagem bíblica reproduz desta forma a própria pluralidade da vida humana na sua diversidade contextual e actancial . ainda que não sinfónica . FORTE. Qualquer linguagem em uso consiste numa variedade muito complexa de discursos. para manter a distância da linguagem ao mistério e assim corrigir a tradução luterana do avpokalu. Ibidem. o mesmo é dizer. Actes des Recherches en Sciences Sociales 64 (1986) 41. é uma ilusão. Ora. Ora. Oxford 1983. 36 Ibidem. 39 Cf. apesar de Se dizer Deus continua a colocar um véu sobre o texto bíblico. pois a realidade impõe-se. ao dizer. L’Interpretazione della Bibbia nella Chiesa. 38 Cf. BOURDIEU. Para tal. esta é a grande referência (Bedeutung) inscrita no sentido (Sinn) do texto bíblico. com as respectivas contradições e aporias . Torino 1998. In G. o que exige então uma hermenêutica com as regras exegéticas adequadas. “Parola di Dio e Rivelazione”. a humana. realiza. L’hérmeneutique biblique. faz na língua e na linguagem a função mesma da transgressão. O simples facto de colocar por escrito marca uma distância à temporalidade. B. género. RevCatTeol 25 (2000) 349-359. denomina a polifonia do texto e do mundo bíblicos. e de forma eminente a poesia.como o próprio termo o exprime. em cuja estrutura reside a tensão entre imagem e sentido que exige por sua vez uma 41 40 39 38 37 36 35 34 34 35 Cf. 41 P. Neste contexto. região. A linguagem está sempre à procura de si mesma. THOMASSET. “Habitus. como refere Pierre Bourdieu: “saber jogar a regra do jogo até aos limites. Questioni di Ermeneutica. 341. o texto. RICOEUR. uma espécie de moeda corrente usada igualmente por todos os membros da sociedade.ptein bíblico pelo excessivo e transparente conceito alemão de Offenbarung que não é totalmente fiel à intuição bíblica . 273. 5 (tradução nossa). como factum. A poética é assim compreendida sob influência dos estruturalistas formalistas russos enquanto factualidade. como insiste Ricoeur. A linguagem bíblica vai então buscar a potenciação de si mesma.. Cf. Paul Ricoeur. 150. diferenciados segundo a classe. é uma re-velação. ou seja. mesmo até à transgressão. Daí as diversas nomeações de Deus. code et codification”. Thomasset. à palavra. situação. A. duma realidade plural como é a bíblica. Une poétique de la morale. GHIBERTI – F. Pontificia Comissione Biblica. palavra e escrit(ur)a compartilham esta estrutura originária de distanciamento do sentido com base na diferença entre o dito (enunciado portador de sentido) e o dizer (a enunciação portadora da sua referencialidade) . a que A. na terminologia de Ricoeur. ela é a essência mesma da linguagem enquanto transgressora do seu fim. mas não a esgota. EAGLETON. Paris 2001. os quais de forma alguma podem ser simplesmente unificados numa única comunidade linguística homogénea” : T. à sua exigência de interpretação. porque ela chama à atenção no que diz respeito à produtividade da narrativa. 40 P. Literary Theory: An Introduction. MOSETTO. VIGNOLO. 7 . Mais do que uma descrição formal. Esta produtividade foi chamada por Aristóteles poièsis na sua teoria da tragédia entendida como uma mimèsis da acção séria no meio de um mythos inventado pelo poeta” .

de um enunciado que se escreve. como foi sobretudo a partir de K. 129-130. 47 Cf. 14-15. 44 Cf. Começa por aí. que para além de buscar o que está dito visa eminentemente o sentido do que o que está dito quer dizer ao contexto contemporâneo do leitor ou eventual autor de mais texto. P.interpretação. continuar o processo já inscrito na Sagrada Escritura mesma de actualizar permanentemente o grande rio da Tradição e assim mediar a relação do leitor ao mundo. P. 18. Teoria da Interpretação. 8 . 45 Cf.VV.. e tenta mesmo integrar de forma dialéctica os contributos da linguística estruturalista e semiótica na sua reflexão simbólica e metafórica. Teoria da Interpretação. RICOEUR. Teoria da Interpretação. 92. RICOEUR. RICOEUR. Neste contexto. Daí o seu interesse pela langue e respectivas estruturas . na medida em que a organização de um texto. e a linguagem deixa de ser a mediação entre as mentes e as coisas. Exégèse et herméneutique. P. P. A sua insistência no lugar e na importância do texto em si é disto sintomática e expressiva . o leitor que se quede pela primeira fase de aproximação ao texto escriturístico não atinge o objectivo do texto e dos autores do mesmo. RICOEUR. Contribution d’une réflexion sur le langage à une théologie de la parole. Essa é a missão da interpretação. Mas existe uma diferença fundamental entre exegese e hermenêutica. 1971. P. Ricoeur critique a semiótica enquanto investigação hermenêutica estruturalista que levada ao extremo mata o discurso dissolvendo-o precisamente num conjunto fechado de estruturas . L’hérmeneutique biblique. A linguagem tem as suas regras. RICOEUR. Teoria da Interpretação. RICOEUR. a segunda interpreta para dizer novamente o texto. a teologia não pode ser apenas para Ricoeur uma teologia da palavra (da parole) ou do evento-palavra. Cf. Não pode ficar apenas do lado da parole para conseguir superar a necessidade de uma empatia vital demasiado próxima e directa entre texto e leitor. esta conclusão de Ricoeur compreende-se justamente se fôr tido em conta que o filósofo francês herda no diálogo com as ciências da linguagem na segunda metade do séc. mas quem exegeta o texto bíblico não pode ficar pelo conhecimento do carácter e da estrutura discursiva do mesmo. Desde cedo Ricoeur mostra consciência quanto ao enclausuramento em que muitas vezes a análise estruturalista baseada na langue deixa o texto e o autor. XX a tradição estruturalista saussuriana. 48 Cf. isto não impede que já em 1976 na sua Interpretation Theory: discourse and the surplus of meaning. Na verdade. na medida que suprime ou suspende essa “referência ostensiva” do texto in praesentia. tal como defende essa teologia da palavra. 34. In AA. mas a teologia terá que ir para além da dicotomia saussurriana entre langue e parole. perdendo-se assim a ligação à referência . o que no caso particular do texto bíblico não se dá mais ao nível da 48 47 46 45 44 43 42 42 43 P. Barth (1886-1968) e com Ebeling. aplica ao texto as metodologias modernas à disposição das ciências do texto e da filosofia da linguagem. Mas. 305. A primeira estuda o que é que o texto diz e como o diz. RICOEUR. daquilo a que Ricoeur denomina o sens. a saber. Paris. L’hérmeneutique biblique. Étude. cristaliza-se e distancia-se da enunciação: “keryma e hermeneia vão de mãos dadas” . P. baseada numa psicologia da hermenêutica do kerygma . 153. 46 Cf. No caso bíblico. transformando o mundo do autor e o texto em autor sem texto e em texto sem mundo .

O texto bíblico é esta potenciação dos limites da própria analogia. 217. sem a destruir. É fruto de uma fé. não se interessaram muito com um sentido objectivo. representativa da realidade. Paris 1996. Essa fonte busca sempre novos tempos e novos lugares. Tal só é possível devido ao próprio carácter analógico da linguagem. entre 51 uma arqueologia sobre o texto e uma teologia que o mesmo inaugura . O texto bíblico é ele mesmo uma hermenêutica. nem consegue referir nada ao leitor e ao mundo. Com efeito. 9 .T. isso cabe à teoria da interpretação – a hermenêutica (provavelmente na sua vertente mais prática) – e à Igreja também. comprovam a recorrente e contínua tarefa interpretativa no seio do mundo bíblico. VIGNOLO. mãe onde nascem os textos e são acolhidos nessa “estrutura fundamental” 52 que é o cânone vetero-testamentário.T. Roma 1986. A interpretação na Escritura Os dados bíblicos estatísticos sobre a terminologia relacionada com a interpretação e a hermenêutica podem-se considerar dispersos. ma – a partire da essa – di dovrà cogliere la virtualità di senso ivi trattenuta e destinata a dispiegarsi nelle nuove situazioni dei futuri destinatari.T. mas continua permanentemente a correr em todos os tempos e em todos os lugares. Para um estudo deste processo interpretativo já dentro do A.T. 50 Cf. Augustinianum 9 (1969) 235-265. 99. 49 Isto é hermenêutica. 2. L’énergie de la Parole biblique. 51 “Per interpretare un texto non ci si limiterà allora a ricostruirne l‟origine. M.T. Questioni di Ermeneutica. tenta permanentemente aceder à linguagem. A interpretação bíblica ou o método exegético que esqueça isto não é fiel ao objecto nem ao objectivo do texto. GRECH. É precisamente a inesgotabilidade dessa fonte que permite outra vez a releitura dos textos bíblicos. onde a realidade se faz 50 numa busca de sentido a caminho de uma referência de significação. Ora. COCAGNAC. Ermeneutica e teologia biblica. em contexto profético ver do mesmo autor “Interprophetic Reinterpretation and Old Testament”. a hermenêutica. as técnicas de comentário peshárico ou midráshico. às linguagens humanas de cada tempo e de cada lugar. no N. P. 274.extensão no contexto da conclusão do cânone bíblico. 52 P. Deste modo se estabeleceu e estabelece uma linha de continuidade com o Israel da antiga aliança. A linguagem bíblica não é uma palavra de mero registo humano. mas o que dizem à nova comunidade crente do N. bem como as inúmeras citações do A. interpretar. Ogni (necessaria) archeologia del texto sta tuttavia in funzione della teleologia di senso che esso inaugura” R. não unívocos ou pelo menos não lineares. Como é que Deus joga. No entanto. O autor divino joga até ao fim com todas as possibilidades da dicção humana. Herméneutique philosophique et herméneutique biblique. RICOEUR. histórico e positivo do texto canónico vetero-testamentário. 49 Cf. O importante não é o que esses textos precedentes dizem em si. logo é uma hermenêutica da fé na própria fé. pois é o mesmo rio da Tradição que não desagua em nenhum tempo e em nenhum lugar. mas também de todos os tempos e de todos os lugares. 257. isto é o que faz o próprio Deus em colaboração com os autores humanos. a actualização para os tempos da Igreja na comunhão com essa grande Tradição. os próprios escritores do N.

26) para a construção da comunhão (e`rmhnei. a qual significa precisamente fazer troça. klhqh. Ainda no hiphil.n gine. Por isso foi chamado à sala do rei (Dan 5. mesmo entre mil.Pi ÎlWKïytiÐ ¿lk.m.3) e indignou-se contra os seus amigos pela insuficiência das respectivas respostas (v. 6. na medida em que José durante todo o processo com os irmãos no Egipto estes não sabem que ele é um verdadeiro exegeta do que dizem e do que está a acontecer. Este processo de tradução (interpretatur Vg) continua com o particípio presente passivo do mesmo verbo ermhneu. ab'øt'K.sqw). Jos.nwn tisi.j dikaiosu.qiw> rv:ßp. adequado. enquanto que Daniel é chamado a decifrar o enigma ao rei Baltasar (Dan 5.mil.a'_-yNImi dx'a.seij pneuma.twn( e`te.Ð profhtei.n se cw/rai). @l.mwn o` ui`oj VIwa.7) oferecendo-se a primeira parte do significado do nome de Melquisedec no encontro com Abraão (prw/ton me.llw| de. e`rmhnei.rw| ge.WTÀ û!he ![.an e. Terão pensado que estavam exactamente a ser alvo de um tipo de situação desse género por parte do seu irmão até aí ainda anónimo.20).23 Elihu.nh glwssw/n( a.w (Heb 7.sh| Khfa/j( o] e`rmhneu. are_v.xewn avdunamei/n). ‘Hrev. ele é conhecido pela invulgar capacidade de ler e de decifrar enigmas.an pefiloponhme. No seu protesto Elihu exorta Job a encontrar um intérprete. da família de Rame irritou-se contra o pobre Job (cf.nhj). André leva o seu irmão Simão a Jesus (Jo 1.10) um dos dons destina-se precisamente à interpretação (interpretatio Vg). th. e ao leitor é traduzido o nome hebraico da piscina (kolumbh.42). su. ao discernimento das línguas (a. acontece quando Jesus cura o cego de nascença (9. Aliás. No caso î de Daniel.mil.a glwssw/n).mata duna.j (interpretem Vg) traduz curiosamente (`~t'(nOyBe #yliÞMeh.n e`rmhnei.‡K.3). evn e`rmhnei.llw| de. ridicularizar. No prólogo deste livro (1.llw| Îde.WtÀ-yDI( Î%l'ê[]Ð ¿%yIl.gkrima e a Vulgata por “audivi de te quod possis obscura interpretari et ligata dissolvere si ergo vales scripturam legere et interpretationem indicare”.etai Pe. de Buz.7-28). os irmãos de José interpretaram naturalmente essa raíz na sua forma mais comum qal. mas sem artigo.meÞvo yKiî W[êd>y"¥ al{å ‘~hew> ) o raro particípio hiphil da raíz #yliÞ (Gen 42. O substantivo ermhneuth.qran tou/ Silwa.l.j oivkodomh.mewn( a.2.17 para exaltar a capacidade hermenêutica do sábio rei Salomão que a todos deslumbrava com as suas interpretationibus (kai.23).vi ‘hn"a]w: ] ä ynIt. !yrI±v. que lhe resolva o enigma do sofrimento e do mal imerecido de modo a ensinar-lhe o que deve fazer `~d'äa'l. #yliªme %a'ªl. Na tradução dos LXX esta raíz aparece em Sir 47. o leitor é avisado pelo tradutor para a dificuldade técnica de passar de hebraico para grego expressões que são intransponíveis de uma língua para a outra (tw/n kata. pelo menos na etimologia. no que ao sujeito da interpretação ou da tradução diz respeito. Traduções equivalentes 10 . Ant.n tw/n le.etai avpestalme.16): !yrIåj. cf.[À t[em.ê[ud'Ahl. em Job 33. filho de Baraquel. ÎlWk’TiÐ ¿lk.nta pro.cei\ pa.mil. 32.a( a.menoj basileu.Ð diakri. yKiî @sE+Ay [.nh| moi u`podei/xai to. dyGIßh. e o quarto evangelista traduz (interpretatur Vg) o nome para Pedro (VIhsou/j ei=pen\ su.noj).n e`rmhneuo. uma espécie de anjo intercessor. F. ä A versão dos LXX traduz o aramaico desta vez diversamente por w= Danihl du. Ÿwyl'’[' vyEÜ-~ai. ei= Si.aij avpeqau.llw| Îde.156. gozar.nnou( su.7). Se alguém possuir esse dom é exortado a colocá-lo ao serviço (14.m o] e`rmhneu. evnergh. 2 Esd 4. O mesmo .masa.Na secção dos carismas (1 Cor 12.troj).piW areªq. José e Daniel poderão ser apresentados como paradigmas do hermeneuta. Por outro lado.

lpon tou/ patro.encontram-se igualmente nos vv.saj evxicni.8) ao encontro de Pedro (kai.on) é como um fardo de viagem. No fim dos respectivos discursos (28.n evxhgh.mi-ta.13). soi oi` ivcqu. não acrescenta sabedoria.24 aparece o substantivo de função quando o faraó conta a José o seu sonho (narravi Vg) e queixa-se que os exegetas (~yMiêjur>x.sqh auvtoi/j evn th/| kla.n ko.27) mostra como o próprio Deus.sato kaqw.8). ou seja.sasqai de Lev 14.sei tou/ a. que tem a Sabedoria por companhia.qnesin diV auvtw/n). O futuro indicativo já serviu a Job em 12. 12) tinha sido a vez de Paulo e Barnabé fazerem o mesmo (narrantes Vg) com o particípio presente médio (kai.h-la. No ciclo de Gedeão (Jz 7. para buscar o sentido exegetando (narrabant Vg) a experiência pela qual passaram os dois discípulos de Emaús após a fracção do pão (kai.sshj). Em Gen 41.j prw/ton o` qeo.w o N. = mágicos do reino) não puderam dizer. evn th/| o`dw/| kai.j eivj th.qnei parano.18 o mesmo substantivo traduz a visão hebraica !Azx'â !yaeäB. ouvk h=n o` avpagge. Jesus é o Unigénito que exegeta (enarravit Vg) o Pai pois está voltado (Jo 1. rP:ôs.n e`toima. antes a perverte.menoj a[panta auvtoi/j avpe.T. evxhghsa.sato).ghsij mwrou/ w`j evn o`dw/| forti.hsen o` qeo.pphn).menoj). Nos LXX encontramos esta raíz 12 vezes e com vários significados.yato labei/n evx evqnw/n lao.rata evn toi/j e.8 para exortar os amigos a contemplar a sabedoria de Deus espalhada por todas as criaturas ( evxhgh.14) Tiago explica tudo o que Simão contou (narravit Vg) acerca das maravilhas que Deus fez junto dos gentios (Sumew. não conseguiram interpretá-lo por muito que tentassem (v. Pau. Nas leis da pureza ritual do código sacerdotal o infinito aoristo médio evxhgh.j qeo. ora como interpretação. O respectivo particípio aoristo médio é empregue para Cornélio contar (narrasset Vg) tudo aos seus servos antes de os enviar a Jope (Act 10.j o` w'n eivj to. Mas a outra situação extrema pode igualmente ser fonte de infelicidade.n VIo.( lhe (dyGIßm. pois a má companhia da exegese de um louco (Sir 21. ora como visão.mati auvtou/).mw).nwn o[sa evpoi. evxhgou/nto ta.j e. ) se está limpo ou impuro. a exegese (narratio Vg) desmedida ou disparatada (evxh. em que sobressai sobretudo não tanto o acto de tradução quanto o acto de contar.35 não para contar mas para interpretar.28. !yaeîw> ) o sentido do sonho (ei=pa ou=n toi/j evxhghtai/j kai. h=lqen Gedewn kai.lou evxhgoume. e não o visionário (ouv mh.57 exegeta a situação do leproso para ficar a saber ( tro§Ahl. u`pa.rxh| evxhghth.25.n tw/| ovno.llwn moi). ou seja.j evkei/noj evxhgh. O imperfeito médio do mesmo verbo serve em Lc 24. Além da raíz e`rmhneu.omai. ensino ou relato. e os LXX apresentam uma outra forma de interpretação com a raíz exhge. Assim se chegará ao targum. adivinhação. Aqui a raíz verbal significa não tanto a tradução mas a narração enquanto tal ( ~Al±x]h. auvtoi.steilen auvtou. No concílio de Jerusalém (Act 15. de dizer o sentido.16). de narrar. o grande juíz lança-se contra os madianitas e encontra um homem que se dedica à interpretação onírica (kai.j shmei/a kai. ivdou.r evxhgou. Neste caso a 11 . a exegeta (evxhgh. w`j evgnw.asen). o que pode levar a concluir que efectivamente no período intertestamentário o método peshárico de exegese passa quer pelo acto de leitura quer pelo comentário e pela interpretação.18) para o Seu seio (monogenh. A ausência de quem exegete é causa de perdição para o povo.ej th/j qala. avnh.j evpeske. te.sontai.rtou).15. Mas em Prov 29. Pouco antes (v.). Será a própria criação a exegetar (narrabunt Vg) a favor de Job a sabedoria de Deus.12.sato auvth. O aoristo médio é utilizado pelo autor do livro de Job. a investiga (enarravit Vg) e explica.

rvp será muito provavelmente de origem tardo-aramaica. Mais uma vez. 4.gkrisij (combinação). Depois de o servo obedecer e narrar tudo (kai.15. Em Qo 8.22. e não apenas fruto de uma mera técnica ou da habilidade hermenêutica do intérprete. Se se desemboca assim na relação entre Deus e o homem. A primeira só se encontra no ciclo de José como verbo em Gen 40. nessa relação dada por tempos. à luz do qual adquirem sentido todos os outros tempos. logo normativo. 4. De acordo com as atestações. moi). O tempo fica assim marcado pelo tempo bíblico.18 é vertido nos LXX por su.sin. Este tempo adensa-se no tempo bíblico como tempo canónico. 41.gkrima.ghsai dh. ou seja como paradigma.30. cuja raíz é muitíssimo recorrente e como que a querer significar que a compreensão é fruto de um confronto.sato auvtw/|) que a mulher lhe deu (Al=- rP. qual 12 . Ora. a história está marcada pela salvação (no tempo). o rei Jorão ouviu atentamente a resposta (th.12. 5.13 e como substantivo em Gen 40.16. com tempo. Esta raíz hebraica rPs vamos também encontrá-la após o episódio com a sunamita como original da tradução afim da narrativa diegética de 2 Re 8.21.T. A hermenêutica peshárica de Dan 2. pois Deus relaciona-se sempre com o humano no tempo.45. E como mediação que é afigura-se como um vector mediador do tempo.n gunai/ka kai. crónica (cronológica) que faz do tempo um tempo não apenas tempo do chrónos.15 é apresentada como a obtenção da solutionem (Vg).w: ). parece que quem conta faz uma diegese pelos factos acontecidos e quem ouve é obrigado a uma exegese. O seu significado será portanto restrito a interpretatio somnium.8.1 só se encontra em onze ocasiões e no tardio livro de Daniel.3. é precisamente entre uma narrativa dita e a mesma narrativa escutada que Deus vai escrevendo a história de salvação com o povo.Pi em Gen 40. à interpretação comparativa.gkrisin (uma comparação: cf Sab 7.s.interpretationem (Vg) é dada no v. A hermenêutica e a hermenêutica bíblica A questão da linguagem bíblica abre assim à temática mais vasta (e por isso mesmo mais fundamental) da relação entre Deus e o homem a partir do texto enquanto espaço e tempo de mediação dessa relação. e para além dos tempos. An=rot. neste último versículo os LXX enveredam pelo já comum su.4-6 (dih. À excepção de Qo 8. dihgh.16.12. importa não esquecer que subsistem igualmente na Bíblia Hebraica duas outras raízes que evocam o fenómeno hermenêutico da decifração ou da interpretação: rtp e rvp. 3. Em suma. evge. ao passo que em 2.26 equivale a uma interpretatio. então coloca-se uma outra questão.8).1 é vertido nos LXX pelo pouco frequente lu. não só contando diegéticamente mas dando também o sentido (narraret Vg).nou tw/| basilei/). desabrocha um outro tema : qual a relação entre o horizonte kairológico e o horizonte cronológico. Por fim. 41.15 como equivalente de su. Todavia.25. ou filosoficamente entre Heidegger e Paulo? Na linguagem de Paul Beauchamp e de Ricoeur. de comparações.neto auvtou/ evxhgoume. O rei pede ao seu servo Guiezi para lhe expôr (narra mihi Vg) tudo o que o profeta Eliseu fizera que o tornara tão conhecido.

CABALLERO CUESTA. o conjunto de métodos práticos de aplicação desses princípios teóricos orientadores da interpretação . o que nos transporta à questão hermenêutica propriamente dita. É um tempo que não procura escapatórias. Exégèse et Herméneutique. para utilizar a terminologia de Ricoeur. Poética. 15. Bologna 1994. enquanto que a hermenêutica tem eminentemente que ver 57 56 55 54 53 53 54 P. 110. mas contudo fala em abordagens. um tempo contrário.a relação entre o tempo do texto e o tempo do mundo. K. o ser e o tempo passam paulinamente a ser definidos como dons.253. entre kairos e chrónos. Vai jusqu’au bout. entre o texto e o mundo. “uma capacidade natural da pessoa” .4a. J.11. mas que interpreta a integralidade da própria existência possível à luz de um instante (Augenblick) iminente a partir do qual adquirem sentido todos os outros instantes da vida humana. Na verdade. Alonso Schökel. Pontifícia Comissão Bíblica. 301. Ergänzungen. como o outro diferente que chega e com o qual nos confrontamos. 65. M.. II.-G.137. Tübingen-Basel 1999. T. In AA. Register (1986). Hermeneutik des Neuen Testaments. enquanto que por exegese se compreende a “constelação de métodos” . L. na distinção acertada de L. como presença.143. em actualizações e na inculturação como esse esforço de ponte entre uma teoria da interpretação e o(s) respectivo(s) método(s) utilizado(s) . mas que dissolve a concepção vulgar do tempo e adensa o sentido do próprio tempo em si. Normalmente o mundo protestante distingue ainda uma terceira via – a aplicação – como aquela propriamente dita da retradução para o homem contemporâneo. que faz do homem um ser que inexoravelmente interpreta. TODOROV.VV. Warheit und Methode. 57 Cf. do ser no tempo não se faz mais em termos de essência subsistente.198. Esta doação do tempo de Deus no tempo dos homens coloca a questão da interpretação do tempo bíblico como horizonte de compreensão do tempo do homem e dos tempos do mundo. Ela constitui.1-2. O Documento da Comissão Bíblica de 1993 não emprega este termo.-G. Hermeneutik. Neste sentido. RICOEUR. Tübingen 1993. tendo nós a impressão de que o segundo é maior do que o primeiro? Então qual o lugar e a razão de ser do primeiro? Heidegger revisitou temas e conceitos paulinos. ou na linguagem joanina. Paris 1971. 55 H. [= Collana Studi Biblici 24]. a mediação de nós ao mundo. Por hermenêutica entende-se o conjunto de princípios teóricos que presidem à interpretação. Essa doação de tempo no tempo torna-se. a exegese tem sobretudo a ver com a ciência. ALONSO SCHÖKEL – J. A Interpretação da Bíblia na Igreja (1993). Appunti di Ermeneutica. [= GW 2]. [= UTB 2035]. De acordo com Paulo. Gadamer. 56 Cf. Lisboa 1993 (original francês de 1973). digamos que a dimensão ad-extra do texto bíblico . Cf. BRAVO ARAGÓN. GADAMER. à luz de cujo encontro todos os outros encontros adquirem sentido. como ousía. mas como parousía. Hermeneutica y Biblia. sem no entanto desta poder prescindir. M. para mediar a condição daqueles que estão no mundo mas não são do mundo (Jo 17. nomeadamente a relação entre ser e tempo. 8. 65. o kairós é um contramovimento. como a define H. Estella 1994. A hermenêutica pode deste modo ser considerada como maior ou mais abrangente do que a exegese. não a-crónico ou u-crónico. Paulo torna-se assim essencial para a compreensão do horizonte especulativo da hermenêutica heideggeriana na qual a pergunta sobre a historicidade da existência e sobre a irrupção do tempo kairológico no tempo cronológico.73. 13 . BERGER. ou seja como advento. Sur l’exégèse de Gen 1. 35.16).

Neste sentido não é um apêndice à linguagem. os Contos de Montanha de Torga. 60 T. L. Dentro dos princípios hermenêuticos gerais da filosofia hermenêutica. 203. A “estranheza de um texto não é garantia de que ele sempre foi. 37. Entre hermenêutica bíblica e hermenêutica filosófica Ricoeur faz notar que não existe disparidade ou desconhecimento. Lisboa 1992. Para suplantar esta distância de estranheza é de suma importância a determinação daquilo a que desde H. entendendo esta última como a dicção de tudo aquilo que é 64 63 62 61 60 59 58 58 59 Cf. pois para além da teoria da interpretação ou dos princípios que a constituam. ECO. Pelo que o texto. 229. ou pelo menos pretende orientar-se para uma. Herméneutique philosophique et herméneutique biblique. por Coseriu na relação entre a linguagem e a poesia : cf. EAGLETON. ou o Diário de Anne Frank) desde logo remetem para o respectivo conteúdo e género literário. Os limites da interpretação. 64 Esta relação entre a linguagem e as suas funções é tematizada. de inseparabilidade. 6. quer pela potenciação da linguagem mesma. o género literário já não se apresenta apenas como uma categoria estéticoformal. E. P. Subsiste assim uma relação de interpenetração. a interpretação bíblica é na verdade um caso especialíssimo quer pela antiguidade. RICOEUR. 216. mas é para ser considerado como um tipo de discurso enquanto tal . Representa uma revisão de Trattato di semiotica generale. El hombre y su lenguaje. Milano 1975 e de Lector in fabula. e convocam um certo leitor a um certo tipo de leitura. em toda a parte. 14 . Conforme a forma se lerá o conteúdo. a um posicionamento equivalente de leitura. [= Signos 9]. a forma do texto vai condicionar a pretensa interpretação infinita e vai finitizá-la . Hermenéutica de la Palabra. Os géneros literários mostram igualmente que cada linguagem tem a sua função. 62 Cf. mas sem a fossilizar. Linguistica e Literatura. como insiste Paul Ricoeur em vários dos seus textos . ALONSO SCHÖKEL. O texto depois de escrito torna-se referente independente ao autor e ao leitor. ela sobrevive em grande parte no leitor intérprete para nele aumentar a sabedoria . IDEM. In Linguistica e Literatura. não permite que se diga o que bem se entende ou quer e que se interprete como muito bem apraz ou convém.com a sabedoria. 221. BARTHES. Teoria da Interpretação. No entanto. Lisboa 1980 (original francês de 1968) 14. ao tornar-se independente do autor e do leitor. A dificuldade de interpretação do texto bíblico advém também da estranheza de algumas imagens por ele empregue. 41 (original italiano de 1990). U. P. distancia-se. Os géneros literários não são indiferentes à vigência de contratos de leitura entre o autor e o leitor. I. um anexo. quer pela origem. mas faz parte da mesma. pois subsiste uma “relação complexa de inclusão mútua” . COSERIU. Milano 1979. Neste sentido. 63 Cf. logo de interpretação. Como refere Roland Barthes. Mas as várias modalidades do uso linguístico não esgotam a linguagem humana . „estranho‟ : era-o apenas em contraposição a um certo pano de fundo linguístico normativo” . RICOEUR.87. Também não se pode considerar a primeira apenas como uma aplicação da segunda. pois o título ou o subtítulo de uma obra (as Odes Modernas de Antero. Madrid 1977. Gunkel (1862-1932) se chama o género literário de que se servirão os métodos histórico-críticos. Herméneutique philosophique et herméneutique biblique. R. 61 Cf. por exemplo. essa estranheza é recente e não se encontra no momento da redacção do texto.

70 “metafora. P. como diz Ricoeur. vê como e não vê nem chega a fazer ver . De l’intérpretation. de uma obra de arte que opera um changement de sens . a referência. 21. Paris 1952. 477-478. porque isso é constitutivo do seu ser pessoal e histórico no mundo . 64. apo. P. ganhando em significabilidade. P. mas conta porque compreende. do não dito. to. tou/ ei. Na sua essência ela escapa à cataforia da linguagem e do discurso enquanto sistema. a fusão entre o sens et les sens 72 71 70 69 própria a um ícone. Este esforço de remetimento. tou/ ge. RICOEUR. Conta para conseguir a abolição do enunciado. E provavelmente a melhor maneira de contar será essa – a da metáfora no seio de uma “rede de metáforas” 68 67 66 65 – porque ela dá corpo e nome às coisas sem esgotar a realidade. 36. P. à semelhança do símbolo e da poesia. 69 Cf. A metáfora permite então a transferência. RICOEUR. 61. 67 Cf. Neste sentido. que precisamente pelo seu carácter icónico liga e desliga a transcendência numa imanência. narra. Ela é. tou/ ei. P. pelo menos como reacção. Cf. Paris 1965. 71 Cf. é precisamente por encarnar no humano que os textos bíblicos são plurais. a destruição não da própria referência. RICOEUR La métaphore vive. o homem bíblico conta. Nas palavras do Estagirita.douj epi. o reenvio. A metáfora é. Antes. 76. 15 . A tarefa da hermenêutica consistirá então em mostrar a direcção dessa transformação icónica verbal de uma transcendência que acede à palavra numa narratividade. nunca deixou de existir. dentro da própria tradição da modernidade logocêntrica aprisionada na herança de Saussure. diga-se.ou epifora h. Na metáfora busca a palavra de si mesmo. O ser humano conta. pois ajuda a completar o sentido. A metáfora metaforiza a palavra. Essai sur Freud. apo.n ono.logon”: ARISTÓTELES. Ora. apo. cap. É um ícone verbal. do não ouvido . Teoria da Interpretação. Neste sentido. RICOEUR. P. não explica. Ela também não é apenas uma simples substituição nem mais um acrescento retórico de embelezamento . Teoria da Interpretação.matoj allotri. A metáfora ou a sua paráfrase não esgota a realidade. Por isso. Com efeito. a diferença entre sentido e significação. ei/doj h. 72 Cf. Paris 1983. Paris 1975. RICOEUR. Ora.6.noj h. P. 156.humano. é assim que as coisas ganham sentido e os conceitos deixam de padecer de puro nominalismo.nouj epi. RICOEUR. os grandes símbolos arquetipais. O símbolo. do inaudito. Peri poihtikh/j. de remeter para lá do sentido para uma significação. HARDY. ei/doj h. 265. 159. ela “é a transferência a uma coisa de um nome que designa outra coisa” . editado por J. a poesia e a metáfora proporcionam ao autor remeter o leitor para lá do conceito abrindo-o para lá de uma lógica logolátrica sempre redutora porque identitária. têm a capacidade de reenviar. esti.douj epi. La métaphore vive. no que à linguística diz respeito . kata. Temps et récit I. ana. ela oferece um significado (Bedeutung) novo para lá do sentido semântico (Sinn) sem se transformar numa diáfora. ge. as linguagens que mais possibilidades deixam abertas à pluralidade são as privilegiadas no texto bíblico – as linguagens simbólicas da poesia e da metáfora. de. La métaphore vive. RICOEUR. RICOEUR. o esforço de narrar historicamente uma transcendência. goza de um estatuto anafórico e epifrástico. La métaphore vive. pois são portadores de uma sobredeterminação . 1457b. 73 Cf. to. 85. diz e respeita a distância do não dizível. mas a superação da sintaxe e da semântica 74 73 65 66 Cf. 68 P. de si mesmo e para si mesmo.

83. dá corpo às coisas : “a figura é aquilo que faz aparecer o discurso dando-lhe. Faz figura. 17. É neste corpo que a realidade é olhada em si. o instrumento que permite chegar àquilo (“alguma coisa”) que faz de um texto um texto literário. sem distanciar as palavras das coisas. 311. 289. Esta é a verdade das próprias coisas. P. o intérprete conseguisse tudo explicar sobre a realidade figurada.98-99. entre o sentido e as coisas . faz sinal. 16 .1 em Dan 9. Nos signos que dão corpo à realidade essa mesma realidade é olhada no signo e não através do signo como se o signo – essa figura da linguagem que dá corpo à realidade. a metáfora está ao serviço da função po(i)ética da linguagem . HILL. apenas é suspenso. RICOEUR. 77 Cf. La métaphore vive. 198-199. ultrapassa a cisão entre os nomes e as coisas. Leiden 1999. RICOEUR. Há assim em tudo isto uma contrapartida. 79 Cf. 76 Consideramos aqui a poética como a capacidade de simbolização a partir da linguagem num jogo tensional entre significante e significado. Ou seja. P.para as transgredir. Pelo que. 197. num período pós exílico surge a expectativa de que o exílio afinal não 74 75 82 Cf. essa estratégia de discurso pela qual a linguagem “se desembaraça da sua função de descrição directa” . 130. TODOROV. mas não vê as coisas. Studia Missionalia 52 (2003) 226. “Metaphor creates in the field of sensory and aesthetic values”: cf. Poética. Friend or Foe?. G. RICOEUR. La métaphore vive. Friend or Foe ? The Figure of Babylon in the Book of Jeremiah MT. Pelo que. a metáfora torna a interpretação literalizante impossível.T. Neste sentido. Porquanto a leitura fundamentalista não respeita nem a realidade da linguagem nem a realidade em si.3 TM é por si mesma uma metáfora.1 TM confrontada com Jer 1. RICOUER. J. HILL. 159. ou sem identificar as duas.2 na época macabaica imediatamente atira o leitor para o período do exílio com uma simples informação histórica “literal”. é impossível em exegese bíblica. P. que considera a poética como o meio. como no corpo. In Linguística e Literatura. A recitação de Jer 1. Ela ajuda a ver as coisas porque lhe dá figura. Saussure . Desta forma. 82 Cf. O sentido não é retorcido. desta forma tudo compreender. traços. o formalista russo faz da poética sobretudo uma técnica linguística cujo objecto não é o conjunto de factos empíricos (as obras literárias) mas uma estrutura abstracta (a literatura) : T. A simples titulatura do livro de Jer 1. L. 81 80 79 78 77 76 75 em que a metáfora é uma figura do discurso mas que faz figura da salvação. Por isso. La métaphore vive. La métaphore vive. P. RICOEUR. Cf. Um pequeno exemplo do A. como método hermenêutico. P. A Noite. 311. e assim esgotar racionalmente . cf. contorno. DORNISCH. 43. forma exterior” . Este é o paradoxo. Ela confere deste modo sentido enquanto ela dá corpo. que faz figura da realidade – fosse totalmente transparente e por ela o hermeneuta. 80 Cf. e não na acepção formal de Tzvetan Todorov. sem separar explicação e compreensão. sem retorcer o sentido. RICOEUR La métaphore vive. P. A palavra dabar oscila aqui entre o sujeito profeta e o sujeito Javé. “Paul Ricoeur and Biblical Exegesis”. [= Biblical Interpretation Series 40]. A metáfora permanece viva e aviva a curiosidade do leitor porque ela consegue uma torção do sentido literal das palavras sem ser torcionária à maneira existencialista de Bultmann ou à maneira dicotómica linguística de F. dá nome às coisas. La métaphore vive. 81 J. Assim as coisas ganham nome e a realidade acede à linguagem. pelo que o texto metaforiza o profeta enquanto tal ao ponto de iconizar essa personagem o próprio Deus de Israel . a linguagem é a matéria da própria realidade. O Dia. GENETTE. a verdade é metafórica pois é contemplada nas respectivas figurações que lhe dão corpo. 78 Cf.

pois quem lê interpreta. A leitura como criação e como construção : motivações socioculturais dos modos de ler. Este horizonte de expectativa cria precisamente possibilidades. Sociologia de la literatura. 8. Ainda que independente face ao leitor.308. no que ao acto de leitura diz respeito. J. P. Por este meio a metáfora exílica coloca o leitor na tensão de semelhança de um tempo e de um lugar cuja identidade é semelhante mas também diferente. o texto só chega à palavra quando lido. 88 J. Hermeneutik. Friend or Foe?. É Ele que permite ir jusqu’au bout como refere o saudoso mestre Paul Beauchamp . expectativas no texto e no leitor. Poética. [= história. 478. J. os actores e os autores. In Problemática da leitura. vai até ao fim do sentido. INIC 1980. Génese e estrutura do campo literário. por aquilo que se espera da obra. 85 Cf. Colóquio de Letras 80 (1984) 28. interpreta em profundidade. Lisboa 1996. IDEM. mas do Espírito. XX até ao período da Segunda Guerra enquanto contexto de transporte de cultura. busca significado no sentido : “é Ele que nos torna aptos para sermos ministros de uma nova aliança.6). e quem o lê investe o texto no estatuto de palavra . Warheit und Methode. ROHDEN. sociedad 2]. COELHO. 17 . Faz passar o texto da condição gramática à condição gráfica. “Conceito e fronteiras do literário”. 20-22. ou por aquilo que se espera do autor (já conhecido por outra ou outras obras). metaforizando o tempo. GADAMER. Warheit und Methode. J. Sobre a influência do contexto na obra literária e na respectiva criação ver Pierre BOURDIEU. Há assim a priori. não da letra. Mas o círculo hermenêutico (e sobretudo num dos seus expoentes máximos como é o caso da Horizontverschmelzung gadameriana) 86 87 não deixa de manter a inexorável tensão entre o 88 texto e o seu contexto. Madrid 1966. como refere Jacinto Prado Coelho. a leitura também é condicionada. Lisboa 1992. P. Oscila permanentemente entre uma interpretação literal e a interpretação metafórica. Grundzüge einer philosophischen Hermeneutik (1960). II. O „enquanto‟ da hermenêutica filosófica”.acabou . 89 Neste processo há sempre uma contextualização do texto.. Sobre o lugar da literatura na transição do séc. orientada. o autor e o leitor. COELHO. BLEICHER. Tübingen 1990. 153-164. [= O Saber da Filosofia 30]. 212. Introdução à sociologia da leitura literária. Lisboa. Veritas 44 : 1 (1999) 128. L. entre uma semelhança e uma dissemelhança. Isto dá origem a uma fusão de horizontes própria daquilo a que se convencionou denominar na teoria hermenêutica por círculo hermenêutico. pelo menos de uma certa cultura marxista e marcada pelo contexto da linguística dos formalistas russos ver György LUKÁCS. Por outro lado.346. o que por sua vez provoca necessariamente uma “instabilidade de fronteiras” inerente a qualquer interpretação . “O „círculo hermenêutico‟ como estrutura. do género a que pertence (ou julga pertencer). XIX para o séc. entre uma identidade e uma diferença. 90 89 83 84 Cf. de gramma a grafh. T. 87 Cf. os personagens. Hermeneutik. e assim por todos enriquece o mundo. As Regras da Arte. H. pois esse é o contexto originário. porque a letra mata enquanto que o Espírito vivifica” (2 Cor 3. ciencia. II. entre o autor e o leitor.-G. e que os enriquece reciprocamente. 86 Cf. HILL. 270. um horizonte de expectativa 84 83 que legitimamente contextualiza a leitura e a interpretação. Para além dos condicionalismos formais da leitura de um texto. [=GW 1]. I. as quais podem ou não ser correspondidas. da letra a Escritura pelo Espírito que inspirou a escrever. Hermenêutica contemporânea (1980). 81. e entre nós e o mundo. TODOROV. há também que considerar o contexto em que nasce o texto. Este horizonte de expectativas faz parte do círculo hermenêutico 85 que se estabelece entre o texto.

Problèmes de méthode et exercices de lecture. “Die Zuwendung zum Text der Schrift zum Zwecke der Applikation (!) erfolgt nicht aus reiner Neugier und schon gar nicht aus wissenschaftlicher Neugier. sondern weil man vom Text „Hilfe‟ erwartet. em verdade. RICOEUR. “Lire le geste théologique des Écritures”. I. Paris 1999. própria à compreensão. 14-15. 442. Warheit und Methode. e é enquadrada na crítica mais global a que Ricoeur submete a filosofia hermenêutica mais recente da modernidade no âmbito mais vasto da relação entre hermenêutica e verdade. 345.. sobretudo a oposição romântica 99 98 97 96 95 93 94 92 91 para não iludir as 90 91 Cf. Esta reflexão é assumida pelo filósofo francês. Basis ist daher eine wie auch immer geartete menschliche.. jedenfalls soll sie die „Not wenden‟”: K. O autor e o texto precisam do leitor. mas tão somente o lente. como uma ontologia ou teoria geral do saber.. Na verdade. FORTIN.-G. BERGER. Exegesis. D’une montagne à l’autre. falta-lhe. 139. com uma necessidade de satisfação. P. 129. Assim. Le conflit des interprétations. Hermeneutik.Assim se estabelece uma circularidade hermenêutica entre o autor. O sujeito lente sabe que fala e lê porque a verdade se lhe escapa sempre . La Loi de Dieu. 96 Cf. sobremaneira no que ao papel da Tradition diz respeito. 23. A. H. do método posto em acção pelas disciplinas saídas da exegese” . o filósofo francês denuncia algumas das respectivas reduções a partir de F.. Com efeito. BOVON – G. La tâche de l’herméneutique. Ricoeur não nega o contributo de Gadamer à filosofia hermenêutica. GADAMER. 92 Cf. uma insatisfação . weil hier Heil angeboten wird angesichts einer hilfs-und stützungsbedürftigen. e a seguir entre nós e o mundo a partir da grande mediação que é o texto em si. 18 .. ROUILLER. In dieser Situation leistet die Applikation Hilfe oder Kritik. Deste modo se compreende como o conceito de distanciation permite a Ricoeur libertar-se dessa “estrutura de antecipação da experiência humana” conquistas dos métodos histórico-críticos . O leitor enquanto tal não existe nem nunca existiu. definiztärten Wirklichkeit.-G. o texto e o leitor. o que interpreta.e ao acrescentar ao texto o leitor assume o risco da interpretação” . pois se fundem no mesmo rio da Tradição. Das heisst : Das Ratsuchen oder Trostsuchen bei der Schrift erfolgt. Desta forma. Schleiermacher (1768-1834) e de I. permanece insatisfeito pois na fusão de horizontes gadameriano subsisite uma circularidade tal quase opressiva. sempre com algo que falta dizer. Este último parte para o texto sempre com uma falta. Pensar e interpretar coincidem. Hermeneutik des Neuen Testaments. Kant (1724-1804). Daher lautet unsere Ausgangsthese : Basis für die Applikation der Schrift ist Verheissung im Angesicht von Unvollkommenheit und Not. H. materielle oder geistliche Not. 98 P. Ibidem. 95 H. 198. RICOEUR. E. 23. [= UTB 2035]. 94 A. Tübingen-Basel 1999. “o leitor faz fazer o texto” . 97 P. Sémiotique et Bible 105 (2002) 23. tal como Heidegger já tinha proposto a hermenêutica como a forma mesma do pensar. Gadamer faz a linguagem passar de um estatuto epistemológico a um estatuto ontológico. In F.. 93 A.-G. BEAUCHAMP. Gadamer chega mesmo a afirmar que sendo assim então nem sequer se pode em sentido estrito falar em leitor : “es gibt nie ein Leser” . pelo que “o movimento do acto de leitura entre o leitor e o texto assegura um largo espaço à significação do texto e à significação da vida do leitor face ao texto. FORTIN. FORTIN. D. no contexto da já famosa fusão de horizontes. A hermenêutica em Gadamer é uma ontologia . Como o próprio Ricoeur escreve já em 1969 “assim resistiremos à tentação de separar a verdade. Todavia. pois a interpretação visa a verdade para existir em autenticidade.

La tâche de l’herméneutique. Ricoeur. RICOEUR. compreender não é apenas repetir o evento do discurso num evento semelhante. Teoria da Interpretação. 179. E prossegue. Por conseguinte. O texto é como uma partitura musical e o leitor como o maestro que segue as instruções das notações. não realça a dialéctica de evento e significação. Teoria da Interpretação. pode esperar-se que a interpretação surja apenas como uma província do império da compreensão” 101 . 87. acima de tudo. 105 Ibidem. A interpretação é um caso particular da compreensão. tendo em conta que o ser não existe senão como ser que se compreende 106 . P. RICOEUR. RICOEUR. P. quer fazer a interpretação passar ao nível filosófico da epistemologia à ontologia. pois. 85. para lá da dicotomia antinómica ou oposição 99 Cf. mas como uma dialéctica complexa e altamente mediada. A interpretação não é um terceiro termo nem. mas é “desenvolver a possibilidade de ser indicada pelo texto” Ricoeur. RICOEUR. 196. o que levou a entender a hermenêutica como a arte geral da compreensão destinada a fornecer os pressupostos teórico-filosóficos às ciências do espírito em contraponto às ciências da natureza. Esta distinção serve a Ricoeur para se distanciar de uma tendência latente em muitas exegeses e discursos que resvalam frequentemente para a pretensão de tudo explicar do e sobre o texto. La tâche de l’herméneutique. mas a todo o processo que abarca a explicação e a compreensão” 102 . é gerar um novo acontecimento. RICOEUR. compreender não é explicar um texto ou o sentido escondido do mesmo. É a compreensão aplicada às expressões escritas da vida. o “texto é mudo” 104 103 . a partir da qual o texto fosse completamente manipulável e explicável ficando no total domínio do leitor. La tâche de l’herméneutique. Dilthey (1833-1911). o nome da dialéctica entre explicação e compreensão. 86. para depois enveredar pelo percurso inverso. como já foi referido. tentanto ir para além de W. isto é. 190. “a polaridade entre explicação e compreensão na leitura não deve abordar-se em termos dualistas. para .entre explicar e compreender (erklären e verstehen). Por isso. por conseguinte. P. aplicar-se não a um caso particular de compreensão. “entre o texto e o leitor estabelece-se uma relação assimétrica na qual apenas um dos parceiros fala pelos dois. RICOEUR. o texto é para leitor. 87. 104 P.182. o grande mediador entre nós e o mundo. Cf. 193. 101 P. O termo interpretação deve. que começa com o texto em que o evento inicial se objectivou” 105 . da ontologia à epistemologia. Neste sentido. como se a realidade do texto fosse completamente esgotável ou disponível. como tentarei demonstrar. La tâche de l’herméneutique. Heidegger e Gadamer. 103 P. Numa teoria dos signos que minimiza a diferença entre a fala e a escrita e que. 106 Cf. A tarefa actual propriamente dita da hermenêutica será então para Ricoeur a de ultrapassar esta dicotomia 100 entre as ciências humanas (Naturwissenschaften) e as ciências ditas do espírito (Geistwissenschaften): “a dicotomia entre a compreensão e explicação na hermenêutica romântica é simultaneamente epistemológica e ontológica. a das expressões escritas da vida. Como ele mesmo nota. Opõe duas metodologias e duas esferas da realidade: a natureza e o espírito. 102 Ibidem. 100 19 .

que não apenas técnico mas no mundo do texto. R. com a “chôse du texte”.esta é a tarefa da hermenêutica” 109 . entre distanciamento alienante objectivante e pertença 107 . seja ela mediada por acontecimentos históricos ou por sonhos. Ricoeur reflecte a mediação entre explicação e compreensão. VIGNOLO. Nesses momentos “Israel cristaliza a sua experiência religiosa colectiva e individual no escrito: desta cristalização nasce o cânone. entre epistemologia e ontologia. tendo presente que a grande intuição de Ricoeur consiste na superação precisamente da antinomia entre verdade e método. entre explicação e compreensão.alternativa entre verdade e método. 109 Cf. Aqui. A linguagem é a essência mesma da experiência por que passam. dando razão a Heidegger. Ora. Neste contexto de cristalização da enunciação da referência.. 202. entre o que se pode escrever e o que se diz 108 . 275. Ermeneutica e teologia bíblica. então os profetas bíblicos também farão aceder o ser de Deus à linguagem. Questioni di Ermeneutica. Ora. GRECH. A partir da metáfora. ou releituras de textos já existentes do A. RICOEUR. pois nela aflora a questão da relação entre verdade e método. ultrapassa os limites contingentes espaciotemporais do discurso para se tornar legível por qualquer leitor competente. 102-104. Neste contexto. entre ser e entender no horizonte global da relação entre verdade e método. 107 108 Cf. Ibidem. La fonction herméneutique de la distanciation. entre ser e linguagem. o texto adquire capacidade de universalização na medida em que passa a distanciar-se do autor para se distanciar em todos os tempos e todos os lugares. 201. Aqui adquirirá suma importância o saltério. a hermenêutica filosófica aporta à hermenêutica bíblica os contributos recentes da filosofia hermenêutica. Por outro lado. 20 . estes serão os pressupostos onde se integra a realidade da metáfora como acesso à verdade. .. a leitura contemporânea exige assim este processo de „descongelamento‟. 110 Cf. sendo que a linguagem é casa desse mesmo ser. obrigando no estudo e aplicação do texto bíblico a usar os métodos sincrónicos e diacrónicos da exegese no quadro de um modelo hermenêutico amplo. O escrito diversifica-se do discurso oral na medida em que torna objectiva e congela a linguagem primitiva : esta graphê deve ser „descongelada‟ para poder ser reconduzida à experiência de fé primitiva. entre linguagem e ser. salvaguardando sempre o carácter específico da hermenêutica bíblica como hermenêutica teológica no seio do próprio texto bíblico como hermenêutica da fé.. Wittgenstein (1889-1951). mas sem confundir metáfora e realidade como faz L. na “coisa mesma” do texto da qual ele fala 111 110 . De seguida passa à questão do discurso e termina na relação entre palavra e escrita. entre linguagem e ser. Paul Ricoeur ensina a centrar a atenção curiosamente não na intenção do autor. 276. P. P. Esta tentativa de superação inicia-a Ricoeur com a realidade do texto. 111 Cf. Cf.T. Ibidem.

entre velado e desvelado. Aponta a hermenêutica filosófica como o quadro geral imprescindível onde se desenvolverá toda a actividade de interpretação dos textos sagrados. sobretudo na forma como tenta articular a difícil relação entre hermenêutica filosófica e hermenêutica bíblica dada a especificidade da segunda. origem do normal conflito de interpretações “as reduções explicativas do enigma e a produção do símbolo” 113 112 . 29. o texto escriturístico também oscila e faz oscilar entre linguagem e realidade metaforizável e enigmática. In F. pus-me a estudar os livros sagrados e a meditar nos setenta anos. Os princípios de hermenêutica da Sagrada Escritura Esta tarefa de re-interpretação exige assim factores estabilizadores. O que está escrito é para ser partilhado. durante os quais Jerusalém ficaria em ruínas. do velado ao desvelado. entre Schein e Erschein. Isto significa também que o que está escrito vai para além do sentido literal. mas mostrará igualmente a insuficiência da hermenêutica filosófica face à própria Sagrada Escritura.11-12. entre sentido e referência com significado. Este processo de desocultação.4. O referido Documento apresenta porquanto quatro condições fundamentais das quais decorrerão depois os grandes princípios de interpretação da Sagrada Escritura. mas também texto da Igreja. SECRETAN. Por fim. o Documento da Comissão Bíblica de 1993 mostra grande empatia pela reflexão de Ricoeur. segundo aquilo que o Senhor comunicou ao profeta Jeremias”. colocado em comunhão intertextual com o restante texto bíblico. antes da exegese. que o acolhe como uma Palavra outra para ela e para toda a humanidade.2 questiona-se sobre o significado de Jer 25. Esta por sua vez assumir-se-á sem receios de incompatibilidade. O princípio da releitura faz notar que a questão hermenêutica inicia-se já na própria Escritura. eu Daniel. O princípio da partilha adverte o leitor e acordo com 2 Ped 1. mas não só dela. Ibidem. entre o enigma e a “phania” inerentes ao processo hermenêutico enquanto tal. 171. 112 113 Cf. ROUILLER. texto dado em primeiro lugar à Igreja. Dan 9. 21 . De facto. 171. Ph.20 ( “nenhuma profecia da Escritura é da própria elucidação do profeta”) que a mensagem do texto bíblico é para ser partilhada em comunhão e confrontada com a grande e original tradição apostólica pois esse é o contexto.10 : “no primeiro ano do seu reinado. ou seja. Ora. a Escritura contém ela mesma releituras da comunidade. na medida em que o escrito é igualmente já uma partilha da fé da comunidade. de desvelamento. quer uma quer outra darão primazia sempre ao texto como princípio regulador de qualquer actividade interpretativa 114 . do(s) autor(es) do texto. dá início à tarefa hermenêutica que se dá entre . BOVON – G. Neste quadro geral de compreensão podem então assumir-se alguns princípios orientadores dessa actividade hermenêutica. e ela mesma é uma releitura e interpretação da comunidade como tal. Na verdade. Importa então enumerar alguns dos grandes princípios que suportam a interpretação da Sagrada Escritura. o berço primeiro onde nasce. Herméneutique et Vérité. quando o próprio autor tenta cristalizar na escritura a passagem do enigma ao símbolo. na interpretação desta busca que é pessoal efectivamente. ou como diz Philibert Secretan.

Isto é o que permite recusar os fundamentalismos ou os integrismos que hipostaziam a salvação na letra recusando toda a crítica histórica. O sentido do que disseram os autores é o sentido tentado por Deus por esses autores e fundamentalmente obtido. VIGNOLO. Não representam mais do que um suicídio do pensamento. mas de uma redacção (re)pensada. Schriftauslegung aus dem Weg zur biblischen Theologie. e permite não confundir ingenuamente o estado final (escrito) com o inicial (oral) ou mesmo com as sucessivas releituras que foram enriquecendo o texto. O princípio do crescimento chama à atenção para o crescimento do texto. 22 . O texto relê e interpreta o mistério de Deus tal como o Filho é o exegeta do Pai. os condicionamentos das linguagens. Não tem outro meio. por analogia com a encarnação do Verbo. Cf. R. Neste contexto. Isto significa que o texto não é o resultado de um ditado. O princípio da ecdoticidade averigua o texto bíblico na sua materialidade enquanto é um texto antigo que exige uma crítica textual e a recomposição do mesmo precisamente devido ao seu carácter humano. 221. O princípio da encarnação. Isto obriga a aceitar a distância entre o que um autor quer dizer e aquilo que escreve. STUHLMACHER. P. Na verdade. Göttingen 1975. mas dita sub specie humanitatis. Mas não quer isto dizer que Deus quisesse comunicar algo diverso daquilo do que queriam os autores humanos comunicar. Ao leitor isto exige no mínimo a 116 abertura para a crítica e revisão da própria compreensão ou para a colocação pessoal e madura com o contexto histórico da tradição eclesial em que nasce o texto . enuncia a intenção de comunicação amorosa e salvadora de Deus que encarna nas linguagens humanas com todas as suas virtualidades e limites. O princípio da contextualidade alerta para o facto de que para conhecer o que Deus quis dizer é preciso conhecer os condicionamentos dos autores humanos. Ibidem. Subsiste deste 114 115 Cf. É sempre mediado. o que faz desta palavra uma palavra não de mero registo humano. o intérprete recusa todo e qualquer monofisismo espiritualista (adepto de um acesso imediato porque único a Deus) como recusa também qualquer nestorianismo racionalista (que pressupondo uma mera leitura racional com critérios literários introduza uma cisão interna na própria Sagrada Escritura). 116 Cf. pois Deus permanece oculto na palavra. que não dependem da intenção do autor. Por outro lado. pelo que a encarnação será sempre o paradigma da interpretação bíblica. 221. É esta dimensão do texto bíblico que exige que se tome a sério a sua natureza humana.O princípio da teandricidade diz o carácter humano e divino da Escritura. o carácter teândrico do texto bíblico diz à partida que não existe um acesso directo nem à Bíblia nem a Deus. implica igualmente reter como originante do texto o contexto eclesial em que vem à luz o texto bíblico 115 . 279. Questioni di Ermeneutica. vela-Se novamente nela.

BOUYER. Inerrancia e Interpretación de la S. S. [= LD 158]. “L‟autorité de la Bible ou l‟autorité que le lecteur donne à la Bible”.modo um nexo intrínseco entre a história e o Espírito inspirador do texto bíblico no seio da respectiva comunidade que lê e é relida pelo texto 117 . ou entre o que diz a exegese e a hermenêutica bíblica e o que sistematiza a reflexão teológica. Reflexiones metodológicas”. SANCHEZ CARO.. não pode haver incoerência entre o que diz a Escritura e o que diz a Igreja.. [= Biblica Victorensis 5].). Na verdade. 120 O princípio da analogia que respeita o nexo interno das verdades fé e a possibilidade mesma de uma correspondência entre a fé e a sua formulação . 121 Cf.239. J.É absolutamente necessário que o intérprete se traslade mentalmente àqueles remotos séculos do Oriente. Escritura en el Concilio Vaticano II. 23 . Scripta Theologica (1997) 862. 9-10. mas aquelas que tinham sido recebidas do uso corrente dos homens do seu tempo e dos seus países. Significa igualmente a exigência da verificação da compaginação das conclusões hermenêuticas a que se chegou no estudo de um texto com o método aplicado desde o início desse estudo. VOGELS. A analogia da fé permite também por 122 outro lado a correspondência em qualquer tempo da fé apostólica com a fé da Igreja . Église et Théologie 29 (1998) 189. A. Exégèse et Herméneutique. quiseram utilizar e realmente utilizaram os escritores daquela idade antiga. Isto significa que todas as leituras são válidas mas nem todas são possíveis e uma é mesmo impossível – a fundamentalista. 122 Cf. para que.12bc) em nome do normal agnosticismo metodológico das ciências 118 . Lagrange.V. pois o texto bíblico é um texto literário antigo. 566. Biblische”. não poderá subsistir incoerência entre o que Deus quis dizer e o que os hagiógrafos dizem. COULOT (dir. veja com distinção que géneros literários. e antes ainda. C. II. Vaticano 1991. O princípio da metodologia implica a exigência de libertar métodos e géneros literários dos princípios filosóficos que possam colidir com a natureza teândrica da Escritura (D. 120 Cf.. Este problema já remonta aos tempos do Pe. mas apenas pela escrupulosa indagação da antiga literatura oriental”. 226. IBAÑEZ ARANA. PIÉ-NINOT. ajudado convenientemente com os recursos da história. 118 Cf. O princípio da literariedade segundo o qual importa estudar o texto bíblico com todos os métodos à disposição actualmente para estudar qualquer outro texto literário. Neste sentido. da arqueologia. 119 Cf. etnologia e outras disciplinas. Gnosis. [= Sacra Scrittura 2]. 117 Cf. a essa época difícil para os estudos bíblicos. M. como dizem. La Teología Fundamental. Paris 1994. Inspiración. Não há portanto que recear nem a verdade nem a ciência 121 . “Hermeneutik. Th. Quais fossem essas formas não o pode estabelecer o exegeta de antemão. LThK 3(1996) 3-6.. La conoscenza di Dio nella Scrittura. cujos ecos encontramos na encíclica Divino Afflante Spiritu de Pio XII de 1943 (EB nº 558): “qual seja o sentido literal não é muitas vezes tão claro nas palavras e escritos dos antigos orientais quanto nos escritos da nossa época. Vitoria 1987. “Hermenéutica Bíblica y Teología. 125-127. W. Porque os antigos não empregavam simplesmente as mesmas formas e as mesmas maneiras de dizer que hoje usamos. SÖDING. o texto tem uma autoridade literária face a qualquer leitor 119 . L.

Por exemplo. Para os cristãos. Para uma hermenêutica canónica sobre o lugar do Antigo Testamento no contexto de toda a Escritura Hebraica e Cristã.T. pois sempre foram entendidos como uma única palavra dita em épocas diferentes da história. entre o sentido e o significado. pelo cânone como fundamento 123 Cf. e para a hermenêutica do A. o que permite novos enriquecimentos das interpretações. quer do N. “Negative Theologie heute. 4RGG III (2000) 1649-1651 e W. II.1-7 Paulo insta os cristãos a permanecer fiéis às autoridades romanas e a submeter-se-lhes. opondo a dimensão pós-pascal à dimensão humana do mesmo : ibidem. da linguagem ao mistério. 124 Pontifícia Comissão Bíblica. ver as questões suscitadas pela “Hermeneutik im AT und die Hermeneutik des AT” em Ch.? 126 Para Klaus Berger o problema da multiformidade dos escritos bíblicos não pode ser resolvido. “Intertextuality and the Hebrew Scriptures”. ainda que não convoque a uma rebelião.respeitando sempre a distância que vai do texto à palavra. 19-22 (nº 3-5). é parte do N. no livro do Apocalipse. sem o que o precede no tempo. Estes e muitos outros exemplos provocam necessariamente a exegese bíblica. 126 Sobre o lugar hermenêutico do cânone em contexto protestante ver E. DOHMEN. A diversidade da Escritura é o sinal e o legado de “um tão grande leque de testemunhas” (Heb 12. HOCHSTAFEL. Daí que não seja fácil (se não mesmo será impossível) uma teologia sistemática a partir dos dados bíblicos.T.. De facto. escrito durante um período tão grande de tempo. Pelo que a dicção de Deus é sempre apofática. Neste sentido. postula a possibilidade da objecção de consciência. Zur kritischen Aufnahme und Weiterführung einer theologischen Tradition in neuerer systematischer Theologie”. Esta apofaticidade tem vindo a ser explorada de forma sistemática pela teologia da negatividade 123 explorando o para lá do inaudito.T. LThK I (1993) 848.T. O princípio da diversidade que decorre dos anteriores. una e mesma história da salvação. 354-355. devido à diversidade da própria Escritura. o autor. e de toda a Escritura.. ao desrespeito pelo império romano e pelo sistema social correspondente. na medida em que um livro. Theologie und Philosophie 74 (1999) 481503. para usar novamente a terminologia de Paul Ricoeur. como recorda Ricoeur quer no que diz respeito às chamadas memórias perigosas quer às várias nomeações de Deus conforme as tradições interpretativas no seio do povo de Israel ou da Igreja. teologias e tradições plurais do texto bíblico.T. “Hermeneutik. o A.T. basta ver que em Rom 13.-M. Este autor oferece uma interpretação rígida do cânone bíblico. O princípio da unidade que respeita a unidade soteriológica da história quer do A. Neues Testament”. 24 .T. Käsemann. o Antigo Testamento foi o meio pelo qual os apóstolos adquiriram o seu universo conceptual para exprimir a fé nos tempos após o Pentecostes.T. Selecciones de Teología 44 (1972) 349-358. Altes Testament”. no A. “Hermeneutik. 125 Cf.T. Não se percebe o N. Ao invés. são duas partes de uma mesma sinfonia textual 125 124 o que pede uma leitura inter-textual e intra- . J. IV. como pretendeu E. SCHWEIZER. a distância entre o dito e o dizer.T.1). SCHENK. o A. TRE 15 (1986) 144-150. “Qué es el canon bíblico?”. P. Não se pode fazer tábua rasa das diferenças. “Apophatische Theologie”. aliás como a linguagem. Neste contexto surge uma outra questão: qual o papel do cânone como factor hermenêutico e horizonte de compreensão para a interpretação do A.T no N. E. TULL. FABER. necessariamente teria de contemplar uma diversidade de perspectivas e de releituras sucessivas. Vaticano 2001. Il popolo ebraico e le sue Sacre Scritture nella Bibbia cristiana. CR:BS 8 (2000) 73. daí que seja uma única. e o N.

enquanto que o segundo abrange os chamados métodos sincrónicos. 130 Cf. SUELZER – J. Pelo que. segundo o exegeta de Heidelberg. quais as tradições onde nasceu e que assimilou. 129 Sobre a relação entre a pluralidade de leituras da Escritura e a unidade da e na narrativa ver D. No entanto. Tentam restabelecer a história. RB 108 : 2 (2001) 240. uma via intermédia será.V. TRACY. In NJBC. e qual a relação entre si? 5. dividem-se em dois grandes grupos os conjuntos de métodos de investigação à disposição da investigação textual bíblica na fase posterior à superação do carácter ecdótico do texto bíblico. De uma maneira geral. por forma a ultrapassar o princípio rígido da Scriptura sui ipsius interpres. dessa metodologia. Para este avanço o impulso veio a partir de dentro da própria comunidade científica crente com os progressos da crítica textual e face à necessidade de revisão do dito textus receptus. ele mesmo com a respectiva história interpretativa mostra a diversidade de confissões. os investigadores resvalam normalmente para uma leitura irenizante ao nível metodológico 130 . “Pluralidad de lectores y posibilidad de una vision compartida”. BICO. persiste a dificuldade: o que entender por esse tronco comum. “L‟éxègese biblique au carrefour”. bem como quantos redactores deixaram nele o seu cunho pessoal e as formas literárias usadas no texto. Privilegiam o estudo do texto no estado final.. 2nd edition. há que tentar traduzi-los em técnicas de interpretação às quais se chamam os métodos da exegese bíblica. 11-13. A crítica histórica constitui uma arqueologia sobre o texto. GRELOT. Hermeneutik des Neuen Testaments. Ch. na qual é muito importante determinar os géneros literários (D. Com efeito. 1114-1117. a génese e a evolução do texto. London 1997. “Synchronie et diachronie : enjeu d‟une dichotomie”. pois têm a consciência de que não se pode abdicar da utilização do primeiro grupo de métodos se 127 128 Cf. Os primeiros são os ditos métodos histórico-críticos que se subdividem em três grandes correntes: a história das formas. Todavia. Os métodos sincrónicos são o conjunto de técnicas interpretativas mais utilizados actualmente na exegese bíblica. a história da redacção. este poderá tornar-se um filão ecuménico para a própria exegese bíblica. 25 . NRT 108 (1976) 416-434. Concilium 233 : 1 (1991) 160. A. KSELMAN. O primeiro grupo de métodos exegéticos aplicáveis ao texto é formado pelos ditos métodos diacrónicos. S. Para o estudo deste período ver P.da Igreja. Modern Old Testament Criticism. o que desembocará nas incompreensões da época moderna no confronto entre a fé e a ciência. K. Antes. E comuns a quê? Com que critérios se hierarquizam. A metodologia exegética Com base nestes princípios.T. É comum entendimento que o estudo sistemático do texto bíblico se inicia no período pós-tridentino no contexto do diálogo e das vicissitudes da relação ou divórcio entre a Bíblia e a ciência. ainda que nem sempre criteriosa. 12). e a história da tradição 129 . pois o simples facto de se falar em tronco comum pressupõe já outros ramos que não são comuns. Este estudo começou pela aplicação crítica ao A. visto que a partir dessa época nasce efectivamente uma nova metodologia científica 128 . BERGER. uma forma de tentar resolver historicamente esta problemática como um desenvolvimento ele mesmo de teologias diversas com base num tronco comum 127 .

171-195. Apocrifos del Antiguo Testamento. e a leitura da narratologia 136 . TODOROV. J. ALETTI. Metodologia dell’Antico Testamento. Pontifícia Comissão Bíblica. “Canon”. Narrative Art in the Bible. na estrutura semiótica do texto a partir da qual o texto deixaria encontrar o seu sentido. Roma 1997. Grapes in the Desert. Ana-cronia e Sincronia : Ermeneutica e Pragmática. Lettera ai Galati. A narratologia por seu turno estuda a forma como o texto organiza a intriga e coloca o herói face a esse complot literário 138 . SALVATORE. 253-259. H. BLACK. 45. 139 Cf.-N. pois nenhum método por si só é suficiente para corresponder à riqueza do dado bíblico 131 . Stockholm 1996. [= Studi Biblici 35]. “Un nuovo metodo per comprendere la Bibbia : l‟analisi retorica”. A Interpretação da Bíblia na Igreja. Recherches de Sciences Religieuses 80 (1992) 9-28. LENTZEN-DEIS. Ficam por abordar a pragmalinguística . Quels enjeux?”. o recente método metaforológico . In IDEM – F.. J. Sheffield 1989. 140 Cf. Cf. bem como as consequências do desconstrutivismo ao nível hermenêutico. ARANDA PÉREZ. 36. “Exégèse biblique et sémiotique. R. as abordagens das ciências humanas (as leituras a partir da 131 132 Pontifícia Comissão Bíblica. Nestas abordagens como nos ditos métodos sincrónicos a focagem é sobretudo a do leitor. [= RdT Library 7]. “Metodi dell‟esegesi tra mito. 133 Cf. aplicada recentemente ao epistolário paulino 137 . PITTA. CASALEGNO. a intertestamentária . Depois de um exagerado investimento na utilização dos métodos histórico-críticos e. MEYNET. 24-70. M. Devido à necessidade de clarificação. 136 Cf. S. “More about metaphor”. 26 . entendendo por estas uma leitura segundo um ponto de vista particular.-N. 137 Cf. SANDERS. PÉREZ FERNÁNDEZ. SIMIAN-YOFRE. In A. Estella (Navarra) 1996. A. sobretudo.I. La metaforizzazione nel discorso di Dio. ao contrário da interpretação histórico-crítica diacrónica em que a focagem é quase exclusivamente a partir do texto e do respectivo contexto. 138 E. SCIBONA. Bologna 1996. A primeira análise centra a sua atenção nos semas. La Civiltà Cattolica (1994) 121-134. O documento distingue os métodos sincrónicos de outras abordagens. Gregorianum 73 (1992) 731-737. 90. Temporalità ed eternità in Os 1-3 «Come la sabbia del mare (kehol hayyaem)». A análise retórica clássica tem produzido os seus frutos.398. e a Wirkungsgeschichte ). Théorie de la Littérature. Bologna 1995. BAR-EFRAT. A. F. RdT 39 (1998) 390. 142 Cf.quisermos ser fiéis ao texto e ao respectivo contexto. Dialectica 31 (1997) 431-457. In dialogo com Ugo Vanni S. numa focagem exclusivista em alguns quadrantes na leitura semiótico-estruturalista até aos anos 80. A Interpretação da Bíblia na Igreja. o Documento da Comissão Bíblica divide o conjunto de métodos sincrónicos em três tipos de leitura: a análise literária estruturalísticosemiótica 132 133 134 . “Analisi narrativa : un nuovo approccio alla Bibbia ?”. G. ABD I. Literatura judía intertestamentária. T. In IDEM (a cura di). A análise retórica debruça-se sobre a arte de compôr discursos persuasivos. ALETTI. La Lettera ai Romani e la Giustizia di Dio. 134 Cf. 141 Cf. e efectivamente constata-se que a Escritura é um texto bastante persuasivo em muitas ocasiões.393. San Paolo 2002.97. Tempo ed eternità. por reacção. G. storicità e comunicazione: Prospettive „pragma-linguistiche‟ e conseguenze per la teologia e la pastorale”. 243-416. EIDEVALL. Dentre as diversas abordagens destacam-se as da 142 140 141 Tradição (a leitura canónica . R. a análise retórica 135 . individual ou comunitário 139 . 837-852. J. 135 Cf. GARCÍA MARTINEZ – M. assiste-se hoje a um esforço de equilíbrio. Paris 1965.

alas eius in capite et pedibus significare volucrem ferri per aera sermonem. quaestiones. 146 Cf. quo tendas anagogia. quid credas allegoria. 120. ermhnei. A interpretação para Sto Agostinho é eminentemente uma tradução. NEVES – V. In historiam eorum. e um sentido anagógico. no contexto do chamado século de ouro da história da exegese moderna (1563-1663) 143 146 .205. GHIBERTI – F. Jerónimo por seu turno desdobrará esta teoria noemática dupla numa tripla. 195-205. 145 “Triplex in corde nostro descriptio et regula scripturarum est : prima. In G. quoniam per sermonem omnia cogitata enuntiatur” : De Civ.1).j Graece.sociologia 143 . o tropológico e o anagógico-espiritual 145 . C.197. THEISSEN. A noemática bíblica Quer os princípios quer os métodos exegéticos ajudam a descobrir mais do que um sentido do que o sentido literal. da antropologia cultural. pois as situações moldam as respectivas conclusões conforme comente ou pregue. in spiritali qewri. III Simposio Bíblico-Español (I LusoEspañol).ad. MOSETTO (a cura di). quia inter vendentes et ementes sermo fit medius. juxta moralem interpretamur locum et ad animae nostrae emolumenta convertimus. PL 22. XIII o leitor encontraria no texto bíblico um sentido literal. ut intelegamus eas juxta historiam. COLLADO BERTOMEU – V. secunda juxta tropologiam.1005.litt.). ordo servatur.513-514. 543. terrena dimittimus. quae ad sermonem utique pertinet. Em Portugal tivemos entre outros o esforço de Sebastião Barradas (1543-1615) com a sua teoria noemática bíblica. PESCE. 144 “Ideo Ermh. mas defende que há que começar pelo sensus litterae para encontrar sensus auctoris. mas não todos. 331-348. M. de futurorum beatitudine et caelestibus disputamus” : Epist. no séc. Approcio secondo le scienze umane. VILAR HUESO (eds. um sentido alegórico ou espiritual. M. uma intenção moral. M. Sto Agostinho cultivou vários métodos de interpretação: comentários. homilias. 27 . nuntium dictum. vários foram os sentidos percebidos como imanentes ao próprio texto bíblico. Studien zur Soziologie des Urchristentums. A Noemática Bíblica de Sebastião Barradas (1543-1615). 14 : CC 47. PL 41. Ao publicar em Antuérpia em 1613 um comentário aos evangelhos Cf. quod sermo vel interpretatio. e da psicanálise).Dei VII. Assim. A leitura fundamentalista é a única excluída. In J. sem nos aventurarmos pela vastidão da temática. Valencia-Lisboa 1991. quae scripta sunt.a dicitur ideo et mercibus praeesse. Subsistiu sempre uma certa resistência à interpretação alegórica ou alegorizante. S. in tropologia de littera ad maiora consurgimus et. Insiste na disposição espiritual do intérprete.a ad sublimiora transimus. G. Ao longo da história da teologia.12 : CSEL 55. Interpretação de quê? Do sentido literal e do sentido alegórico do texto (De Gen. I. L’interpretazione della Bibbia nella Chiesa. quicquid in priori populo carnaliter factum est. A alta Idade Média aceitou vários desses sentidos. A Sagrada Escritura oferece três sentidos fundamentais ao leitor: o histórico. Em 1282 o dominicano Agostinho de Dácia sintetizou em quatro esses sentidos no famoso adágio latino: littera gesta docet. BAC 220 (Madrid 1962) 485. 6. ou elabore teologia anti-pelagiana. Torino 1998. uma interpretatio 144 . poder-se-á afirmar que para o santo bispo de Hipona o objectivo da interpretação consiste na edificação da caridade por forma a estabelecer a verdade. Tübingen 21983. De um modo muito geral. Ao conjunto dos vários sentidos possíveis e válidos do texto bíblico chama-se a noemática bíblica. tertia juxta intellegentiam spiritalem. moralis quid agas. GONÇALVES. scholia. e as abordagens contextuais (a leitura feminista e a da teologia da libertação).

É o sentido entendido pelo autor bíblico. o parabólico. Pontifícia Comissão Bíblica. Na prática parece assemelhar-se a um sentido figurativo. uma multidão de linguagens diatópica e diastraticamente diversas. adopta mais ou menos a tese da unicidade de sentido segundo a qual um texto não pode apresentar simultaneamente vários significados. RICOEUR. e o N. o antitípico. O documento da Pontifícia Comissão Bíblica reduz os sentidos a três 149 . Du texte à l’action II Essais d’herméneutique. o exemplar. M.T.T. e não significa o sentido literalista ou fundamentalista. mas que traz evidentemente algumas dificuldades no que toca à sua delimitação e ao perigo de resvalar para o subjectivismo. esta tese choca com os dados das filosofias da linguagem e sobretudo com a linguística. há que considerar a variedade de géneros literários. quer para a hermenêutica filosófica quer para a hermenêutica bíblica” 150 . A exegese histórico-crítica.elenca aqueles que para si são os vários objectivos do texto bíblico: o histórico-literal. 147 148 Cf. “a coisa do texto ou o mundo do texto é a categoria central. ou seja. devido à multiplicidade de sentidos e para combater a derrapagem subjectivista. No entanto. Bastará ficar-se pelo texto e pelo seu autor? Para Paul Ricoeur. o interno. o texto distanciou-se definitivamente dela. da parábola. Um exemplo: como conceber a relação entre o A. GONÇALVES. o oculto. o alegórico. O primeiro é o sentido literal. os casos particulares da metáfora. Cf. Com todos estes nomes assume e resume no fim a dita teoria binária dos sentidos bíblicos com sentido moral: o sentido antropológico (mais ou menos o literal) e o sentido típico-espiritual 148 . o espiritual. M. o sublime. M. Mas será que assim o sentido literal de um texto é único? De uma forma geral poder-se-á responder afirmativamente. o típico. É um sentido mais profundo ainda do texto. este não é um princípio absoluto. como exige a exegese científica e qualquer literatura. Representa um aprofundamento no conhecimento do mistério de Deus revelado no mistério pascal do Filho. já não mais coincide o texto com a intenção do autor. GONÇALVES. 149 Cf. o místico. O texto bíblico é um registo linguístico poliglota nos meios e heteroglóssico nos registos. 547-549. 91. M. compreendido como aquele sentido expresso pelos textos bíblicos quando lidos sob o influxo do Espírito Santo. 28 . Mas depois das reflexões de Ricoeur será possível querer buscar sempre a intentio auctoris? Na verdade. Paris 1986. e como já vimos. O segundo sentido é o espiritual. o visívelexterno. 117. Todavia. pelo menos de forma absoluta. do símbolo e da linguagem poética. O terceiro sentido é dito o sensus plenior. Para compreender o sentido literal é fundamental o estudo dos géneros literários. A Interpretação da Bíblia na Igreja. 150 P. 572. o tropológico e o anagógico 147 .? Será o segundo uma sentido mais profundo do primeiro? Conclusão Há que partir sempre do sentido literal. o psíquico. Na verdade. É uma releitura de textos bíblicos anteriores que descobre um sentido querido por Deus não claramente expresso pelo autor humano.

M. Il Regno 2 (2002) 18-20. É o mesmo ao longo da única história da Salvação. a ser escrita agora na biografia dos santos. mais parece que por vezes os afasta. a minha compreensão. o texto bíblico é uma plurifonia. O recurso às reflexões sobre o símbolo e a metáfora permite ao filósofo francês uma âncora na realidade do texto e da linguagem que não fique dependente apenas do sujeito. Logo é histórica. Ricoeur ao contrário tenta distanciar um do outro. a Sagrada Escritura continua a expandir-se. Mas todas elas. Deus continua a escrever a Sua e nossa história da salvação nas páginas encarnadas das vidas mais santas ou mais conturbadas dos Seus filhos. o que obriga a exegese a escavar vários estratos textuais dentro do próprio texto. porque fragmentadas. Paul Ricoeur tenta na realidade sair do risco do subjectivismo do círculo hermenêutico gadameriano. mas uma empatia dialéctica e não congénita. Aliás. pois Ele coloca-Se como o grande Mediador entre nós e o mundo onde Deus nos quer salvar. a compreensão não se dá apenas no âmbito da pré-compreensão linguística da Tradição à qual pertence o leitor. Essa empatia face a face é dada pelo mesmo Espírito do texto. Para ler e interpretar esse drama necessita de uma. e não pode nunca considerar-se definitivo. mostram igualmente não só os 151 Cf. Para aceder à verdade é necessária empatia. a minha interpretação mesma é um acontecimento histórico. Neste sentido. Na verdade. Na gramática bíblica inscreve-se a dramática de Deus. dos baptizados. não obstante a tortuosidade da condição humana. mas a compreensão é a mediação entre a minha avaliação da leitura e o que eu encontro na mesma. Na realidade. “Dio : grammatica e drammatica di un nome”. Por isso. como refere o filósofo francês. tenta credibilizar o texto como instância crítica do autor e do leitor. Continua a mediar-nos ao mundo. O mistério da Encarnação do Verbo aparece assim como o paradigma da interpretação bíblica. NERI. Ricoeur afigura-se como bastante actual na medida em que ao tentar dialogar com o mundo das ditas ciências humanas e da linguagem é levado a respeitar também a própria fragmentação da pós-modernidade que se reflecte mesmo nas inúmeras publicações hermenêuticas e exegéticas dos últimos anos dessas ciências de acordo com as diversas metodologias. empatia que se consiga libertar dos riscos gadamerianos de subjectivismo fundindo os horizontes do leitor e do autor. como nota Ricoeur. de várias gramáticas tal como os autores teândricos do texto. o leitor tem acesso a um drama 151 . Como qualquer texto também este é encarnado. cujo sentido último é o do agraciamento elevante do humano. Todavia. São complementares ainda que nem sempre coincidentes. 29 . Significa que é Ele que possibilitará em certa medida uma contemporanização entre o leitor e o mundo do texto do autor sacro sem ser totalmente congénita à maneira de Schleiermacher. não se pode contrapôr o sensus auctoris ao sensus textus. Nesta palavra de Deus dita em texto. Partindo do contributo da exegese estruturalista e dos estudos histórico-críticos sobretudo de Gerhard von Rad. Neste sentido. Deste modo se construirá uma específica hermenêutica teológica. Para além de narrar o drama de um povo anuncia uma teodramática. O mundo hoje continua a ser mundo de história de salvação que o texto ilumina.heteroglóssico não só nos autores poliglotas mas também nos actores ao longo de vários lugares e tempos. da Igreja. ao contrário do que diz Gadamer com receio do historicismo hegeliano.

Paul Ricoeur submete à crítica a perspectiva cristã na sua dimensão de linearidade 152 . A reproposição da Sagrada Escritura não consiste apenas numa mera arqueologia do texto. A palavra à procura de se atirar para além de si mesma (pará-bola) intui permanentemente o elemento noético da dicção bíblica que sapiencialmente passa para além do tempo da redacção do texto. Talvez assim.274. de integrar o luto na razão. a filosofia do séc. Curiosamente. 329. Essas memórias perigosas fazem igualmente parte do discurso bíblico. no seio de muitas outras narrativas que contam uma relação plural de Deus com o Seu povo. um filósofo. outras imagens que sejam conhecidas dos nossos contemporâneos por forma a que se abeirem e fiquem cativados pela sedução eterna de Deus.10-17”. em redizer as grandes metáforas comuns a toda a humanidade e a todos os tempos. De uma démarche mais taxinómica e estruturalista tem-se passado a uma abordagem mais discursiva. pois provavelmente terá hoje de utilizar outras parábolas. um esforço de leitura e de re-interpretação. sobretudo a partir do Concílio. L’herméneutique biblique. de ler toda a Escritura cristã com o conceito informador de Heilsgeschichte. Ricoeur é aqui muito devedor da teologia política de Johann Baptist Metz e de Jürgen Moltmann. P. P. RICOEUR. da actualização. Isto exige esforço ao leitor. Assim tenta Ricoeur recuperar o lugar e a necessidade quer do récit quer da teologia narrativa enquanto organizadoras de símbolos e de redes de metáforas. XX. e neste sentido rejeita todas as tentativas feitas até agora. Com efeito. Algumas memórias põem em causa esse princípio demasiado lógico e simplificador. bem como principalmente a polifonia do discurso bíblico. A essas memórias chama Ricoeur memórias perigosas que põem em perigo a pretensa linearidade do “esquema cronológico universal da história da salvação” 153 . L’herméneutique biblique. ou seja. em vez de se falar de Deus se consiga pôr Deus a falar mesmo nas situações mais difíceis ou perigosas 154 . tem-se felizmente percorrido um caminho de encontros e de avanços comuns à filosofia da linguagem e à linguística. 152 153 Cf. 154 Ver o nosso texto “O anúncio do evangelho na pós-modernidade : uma contextualização de 2 Tim 3.limites da exegese bíblica. 333. que ele conhece tão bem. RICOEUR. mas eminentemente numa teleologia.262. dá-se conta dessa plurifonia. essa grelha de leitura da Heilsgeschichte. Humanística e Teologia 22 : 2 (2001) 261-286. o conhecido estruturalista do fenómeno da linguagem Algirdas J. E muitos dos textos da Escritura ficaram na memória porque utilizaram o grande género literário parabólico e sempre falaram dos grandes desafios de sentido do humano. veio mostrar que subsistem histórias e aporias dificilmente conciliáveis com essa perspectiva histórico-salvífica enquanto história de salvação linear no quadro de uma aliança eterna entre Deus e a humanidade.285. Algumas narrativas depois de Auschwitz dificultam. Ricoeur não a considera de todo uma sinfonia. Cf. Curiosamente. se não mesmo impedem. Greimas reconhece que nos últimos tempos. Este é que é o esforço da interpretação. 30 . em que se tem vindo a acentuar ao nível epistemológico o meta-realismo das ciências.

31 . Tal sucede quando o literalismo tira toda a veia poética. quando extirpa toda a ironia. Esta intemporalidade ou atemporalidade resvala normalmente para o subjectivismo. Pelo que a negação da encarnação bíblica e/ou escriturística acaba por levar ao fundamentalismo e à negação da hermenêutica. “como sequência organizadas de acções e de paixões. GREIMAS. e identifique a salvação com popularidade social e saúde mental. Cruzeiro Semiótico 11-12 (1989-1990) 189. a investigação analítica poderá tornar-se céptica face ao texto. da possibilidade de ser da nova aliança 156 : a) o escolasticismo : forma de cativeiro do texto bíblico na qual o texto bíblico é reduzido a um mero objecto científico de pesquisa e de exegese como fim em si mesmo. Neste sentido.1. ou defendê-la a todo o custo. mas os textos não visam em primeiro lugar oferecer um conjunto de princípios ou normas rígidas de moral. fazendo uma interpretação estanque dos textos. Collegeville 1998. Normalmente. prega-se mais a Bíblia do que o Evangelho. 151. HOWARD. Nessa altura. o qual levado ao extremo é sempre ditatorial. é fácil encontrar quem identifique. d) o compartimentalismo : silenciando alguns aspectos da existência humana. e talvez a linguagem dos especialistas. Sem dúvida que a Palavra de Deus é um desafio à conversão e a Palavra de Deus tem uma dimensão ética. o biblicismo faz mais fé na palavra bíblica do que na Palavra de Deus. 155 A. HOWARD. as democracias ocidentais com a liberdade da fé proposta e defendida nesse texto paulino. de finalidades e de resultados” 155 . J. metafórica e simbólica ao texto bíblico. “Novos desenvolvimentos nas ciências da linguagem”. 150. mesmo a sua ambivalência. Deste modo. Uma exegese baseada somente no texto final pode conduzir à separação entre o texto e o acontecimento que dá origem ao texto. Nessa situação. É no entanto uma redução do texto bíblico. como se esse fosse o objectivo do texto bíblico e da sua leitura. c) o moralismo : esta é uma velha propensão da homilética e da pregação. The Bible and Preaching. a partir de Gal 5. e) o biblicismo : é o risco de elevar o texto bíblico acima da Boa Nova que pretende anunciar 157 . f) o a(na)cronismo : é o risco de ler o texto fora do seu tempo de origem como se ele tivesse caído do céu na forma como o temos hoje e como hoje é reconhecido como Palavra de Deus. Neste processo de interpretação importa então tomar alguns cuidados para não cair em exageros e proceder a uma autêntica interpretação actualizadora do texto bíblico. remetendo para o leitor a missão de decidir o que é importante no texto bíblico. V. toda a plurivalência dos conceitos e imagens. 157 Cf. V. b) o culturalismo : o uso consciente ou inconsciente da Escritura para justificar uma situação cultural.comunicacional das actividades de comunicação humana formuladas sob a forma de discurso. a Escritura fala apenas a sua própria linguagem. 156 Cf. promovê-la. In IBC. e os sermões transformam-se em veículos de informação sobre o texto e não assimilação e encarnação do texto.

da esperança e da fé. ou seja. Cf. 32 . pois a hermenêutica coloca imediatamente a questão mais vasta da verdade e do método de acesso à mesma. Esta ponte é uma ponte hermenêutica. In H. 158 159 Cf. 40. qual postulado da modernidade defensor intransigente da supremacia da verdade lógica sobre o mistério. In F. mas é mais do que isso. de um vai e vém do ser à linguagem. José Carlos Carvalho Didaskália 34: 1 (2004) 35-78. em Ricoeur a exegese bíblica é redimensionada numa circularidade interpretativa própria de uma ontologia da linguagem. Neles o “infinito não se afirma nem . sem empatia nem sem narrativa. Ricoeur recupera efectivamente este conceito clássico porque percebe que não pode haver acesso à verdade sem mito. Esta dinâmica interpretativa dar-se-á na distância entre uma transcendência e uma finitude 163 . M. De FINANCE. um récit. Pelo que o círculo hermenêutico em Paul Ricoeur postula uma transcendência do sentido à significação. um mythos. J. é uma narrativa. Logo tenta mediar-nos ao ser e inserir-nos numa comunhão ontológica 160 na linguagem do signo que faz sinal. 173. do humano na sua historicidade que nomeia os seus próprios limites nas experiências fundadoras do mal. 277. entre dois mundos. Deste modo. SECRETAN. 162 Cf. 37. de facto tem razão Ricoeur. Hermeneutik der Endlichkeit. mas faz sinal” 161 . A transcendência do sentido não se separa nesta circularidade da transcendência da significação. ENSKAT (hrsg. O texto está aí. PEÑA. do sentido. Ph. 226-232. de auscultação do mistério da verdade ou da verdade do mistério santo no dizer de Rahner. a saber.Em síntese. 161 Ph. Assim. e a questão da relação entre ser e linguagem 158 . um caminho filosófico. ADRIAANSE – R. Madrid 1987. precisamente por se tratar de uma circularidade. J. Connaissance de l’être. da epistemologia à ontologia e vice-versa. Herméneutique et Vérité. 163 Cf.). Paris 1966. RUGGENINI. fé essa que tem um texto fundador. ROUILLER 172. E como qualquer texto contém símbolos e metáforas. o símbolo dá que pensar. À hermenêutica cabe então interpretar este conto no qual se inscreve a aventura da verdade. Der unendliche Gott der Metaphysik und der endliche Gott der Offenbarung. Fundamentos de ontologia dialectica. da linguagem ao ser. BOVON – G. Herméneutique et Vérité. Ora. o símbolo e a metáfora ajudam precisamente a esta inserção. Traitè d’Ontologie. De FINANCE. Neste sentido Ricoeur não se desvia da difícil e inexorável tarefa da filosofia hermenêutica. L. fazer a ponte entre a fenomenologia e o dogmatismo distanciando-se da tradição da Aufklärung tributária de um endeusamento da razão. a realidade inscreve-se. Ela será assim uma interpretação dos limites e nos limites do humano 162 . e não restam compartimentos estanques na realidade. SECRETAN. como mediador 159 simbólico. respeita-se o princípio da interdependência segundo o qual tudo depende de tudo se nega. 160 Cf. J. O texto bíblico percorre este caminho na fé.