ESTADO DO RIO DE JANEIRO PREFEITURA MUNICIPAL DE ITALVA

Edital de Processo Seletivo Simplificado - Nº 01/2011 A Prefeitura do Município de Italva torna público que estarão abertas as inscrições para o Processo Seletivo Simplificado para contratação de pessoal por prazo determinado, visando atender a necessidade temporária de excepcional interesse público com base nos dispositivos da Lei Orgânica Municipal, no art. 37, IX, da Constituição Federal, os quais respaldam e normatizam as regras estabelecidas neste Edital, que tem a execução técnica e administrativa do Instituto Nacional de Concurso Público– INCP. O presente Edital de abertura do 1º Processo Seletivo de 2011 é destinado ao preenchimento de vagas nos Programas de PSF, PACS, CAPS, CRAS, CEMOB, PETI e Programas de Especificidades Regionais. 01- DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES 1.1. Este Processo Seletivo dar-se-á em conformidade com a Lei Municipal de Nº 830 de 10 de março de 2010 e Lei Municipal nº 837 de 20 de dezembro de 2010; 1.2. Este edital contém as cláusulas e condições que regem o Processo Seletivo conforme a legislação vigente. A realização da inscrição implica a concordância do candidato com as regras aqui estabelecidas, com renúncia expressa a quaisquer outras: 1.2.1. O Processo Seletivo terá validade de 01 (um) ano, a contar da data de publicação da homologação do resultado final, prorrogável uma vez, por igual período, se houver candidatos aprovados e ainda não contratados; 1.2.2. Os requisitos exigidos para os empregos, em função de sua natureza, os programas mínimos das provas e as sugestões de bibliografia são os constantes do Manual do Candidato, que será entregue quando da inscrição, ou retirado pela Internet, fazendo o download no site do Processo Seletivo. 1.3. O Processo Seletivo Público será eliminatório e classificatório, constando de prova escrita com questões objetivas, valendo um total de 100 (cem) pontos; para os candidatos de Nível Alfabetizado, Fundamental, Médio e Superior. 1.3.1. O Processo Seletivo Público para o emprego de AGENTE COMUNITARIO DE SAÚDE e AGENTE DE COMBATE ÀS ENDEMIAS será realizado em 3 (três) etapas distintas e subsequentes, a saber: 1ª Etapa: composta de Prova Objetiva de caráter eliminatório; 2ª Etapa: composta de Prova de Títulos de caráter classificatório; e 3ª Etapa: composta de Curso Introdutório de Formação Inicial. 1.3.1.1. As 1ª e 2ª Etapas do Processo Seletivo Público para o emprego de AGENTE COMUNITÁRIO DE SAÚDE E AGENTE DE COMBATE ÀS ENDEMIAS serão eliminatória e classificatória, respectivamente, constando de prova escrita com questões objetivas e de prova de títulos, com os seguintes valores de pontuação: A) A prova escrita objetiva valerá 90 (noventa) pontos; B) A prova de títulos valerá 10 (dez) pontos. 1.3.2. Farão prova escrita e prática, valendo, respectivamente, 80 (oitenta) e 20 (vinte), num total de 100 (cem) pontos, os candidatos à vaga de Motoristas. 1.3.2.1. Somente será permitida ao candidatado a realização da prova prática de direção veicular mediante a apresentação da Carteira Nacional de Habilitação categoria "B", para a vaga de Motorista. Não será aceito protocolo e nem comprovante de perda ou roubo do documento. O horário da prova será divulgado, posteriormente, por Edital e pelo site www.incp.org.br. 1.3.2.2. A duração da prova prática referente ao emprego de Motorista será, no máximo, de 15 (quinze) minutos. 1.4. O candidato ao emprego de Agente Comunitário de Saúde deverá ser residente em Italva, e sua inscrição será válida apenas para a área geográfica na qual sua residência está inserida, conforme descrito no item 1.5.2, conforme o artigo 6º da Lei Federal nº. 11.350, de 5 de outubro de 2006; 1.5. O candidato ao emprego de Agente Comunitário de Saúde terá uma classificação por localidade (área geográfica da Unidade de Saúde da Família – USF) em que se inscreveu; 1.5.1. Para a inscrição ao emprego de Agente Comunitário de Saúde, o candidato deverá identificar seu local de residência dentre as áreas geográficas descritas no quadro de localidades, que estão identificadas por delimitação de parte do logradouro, conforme o caso; 1.5.2. Residir na área da comunidade em que atuar, em atendimento ao art. 6º da Lei Federal nº. 11.350, de 5 de outubro de 2006; 1.5.3. Documento necessário para comprovar a área em que reside: conta de luz, água ou telefone comprovando a residência do postulante, em nome do candidato ou de ascendente ou descendente direto; na inexistência das mesmas, declaração, em que o candidato declara sua residência, com a assinatura de 2 (duas) pessoas com comprovação de residência na localidade, arcando com a exclusão do Processo Seletivo em caso de não constatação da residência, a qualquer tempo, somente para o emprego de Agente Comunitário de Saúde. 1.5.4. As vagas para os empregos de Agente Comunitário de Saúde serão distribuídas dentre as diversas áreas de atuação no município de Italva, a saber:

Página 1 de 31

ESTADO DO RIO DE JANEIRO PREFEITURA MUNICIPAL DE ITALVA

VAGAS ÁREA DE ATUAÇÃO VAGAS QUADRO DE LOCAIS/BAIRROS/RUAS TOTAL Bairros: Morro Grande, Saudade, Nova Cidade e Centro Rua Alvarez Felix, Rua Antonio Aguiar Filho, Rua Antonio de Castro, Rua Antonio Ferreira da Fonseca, Rua Aracy Vilarinho, Rua Avelino Louvain, Rua Berlindo Figueira de Barros, Avenida Cel Luis Salles, Servidão da Manoel Ferreira dos Santos, Beco da Rita, Rua Diva Romano, Beco do Cemitério, Rua Dr. Helvio Salles, Rua Fernando Monteiro, Rua Francisco Jose, Rua Francisco Sabino da Silva, Rua Gabino Salles, Rua Honorato Reis, Rua Joadyr Vilarinho Bonito, Rua João Mérida Padron, Rua Jose Gomes Vilarinho, Rua Joventino Ferreira, Rua Lyra Reis, Rua Manoel Ferreira dos Santos, Rua Manoel Macedo Reis, Rua Maria Ayd Jose, Rua Olívia Faria, Rua Pedro Pacheco da Silva, Vila Poly Gama Francisco, Avenida Portela Salles, Vila Projetada (Olívia Faria), Rua Pojetada A Lot. Vila dos Salles e Rua Rita Faria. AC PD

PACS 01- PROGRAMA SAÚDE DA FAMÍLIA – PSF - ORLANDO MADUREIRA (MORRO GRANDE)

05

-

-

PACS 02-PROGRAMA SAÚDE DA FAMÍLIA - PSF - ANTONIO DE MELO BARRETO – (PARQUE INDUSTRIAL)

Bairros: Parque Industrial e Saldanha da Gama Rua Acy Rangel Coutinho, Rua Adalziza Pessanha Silva (D. Zizinha), Rua Amélia Mota, Rua Ana Aguiar, Rua Antonio Paliscy Barbosa, Rua Antonio Vieira de Souza, Rua Braz Nunes de Siqueira, Rua C Domingos Manhães de Castro, Rua Castro Leão, Rua Crenilma de Souza Fernandes dos Santos, Rua D Domingos Manhães de Castro, Servidão da Rua Vicente da Silva Santos, Rua Danilo Romano da Motta, Rua Dario Henrique de Jesus, Praça das Barcas, Rua Djalma Ribeiro da Motta, Servidão do Lizarb Sepúlveda, Rua Domingos Manhães de Castro, Rua Dr. Said Tanus Jose, Rua E Domingos Manhães de Castro, Rua Edmundo Ribeiro da Motta, Rua Esmenia Macabu de Castro, Rua F Domingos Manhães de Castro, Rua Francelina Duarte Moreira, Rua Francisco Rosa Fernandes, Rua G Domigos Manhães de Castro, Rua H Domigos Manhães de Castro, Rua Ignácio Gomes de Souza, Rua Jandira Rangel Nogueira, Rua João da Silva Moço, Rua Joaquim Xavier de Carvalho, Rua Jose Correa Filho, Avenida Jose Luiz Marinho, Rua Jose Paes, Rua Josias oliveira de Souza, Rua Judith Barreto, Rua Leonor Marinho, Rua Luiz Ribeiro, Rua Manoel Barcelos, Rua Manoel Pereira de Andrade, Rua Maria Inacia, Rua Maria Romano, Rua Mario Pena, Rua Otavio Louro Guimarães, Rua Padre Jose Polycarpo S. Ayres, Rua Pedro Paulo Barcelos Santos, Rua Professora Jessuína T. de Mello Nasse, Rua Rafael de Oliveira, Rua Raul Marinho, Rua Regis Xavier de Carvalho, Rua Rita Machado Fernandes, Rua Saldanha da Gama, Rua São João, Rua São Luiz, Rua São Miguel, Rua São Sebastião, Travessa São Sebastião, Travessa São Sebastião (Igreja Assembléia de Deus), Rua Sebastião G. Pires, Rua Serafim Jose de Oliveira, Rua Tanus Yussef, Rua Vicente da Silva Santos, Rua Vilson Vaz, Travessa Vilson Vaz, Travessa Boa Esperança e Rua Boa Esperança.

04

-

-

Página 2 de 31

ESTADO DO RIO DE JANEIRO PREFEITURA MUNICIPAL DE ITALVA

PACS 03 - PROGRAMA SAÚDE DA FAMÍLIA – PSF - SÃO CAETANO

Bairros: São Caetano, Boa vista, CALCÁRIO e Ilha da Palha Servidão Acy Ribeiro, Rua Aldecy de Souza Amaral, Rua Alípio da Costa Soares, Rua Antonio Biluca, Servidão Antonio Biluca, Rodovia BR 356 KM 77, Rua Carmelita Dias Gomes, Servidão da Adília Mesquita, Servidão Rádio Aliança, Travessa Darcilio Lemos Pereira, Rua Demedite Ferreira Viana, Servidão do Alcides Ribeiro, Servidão do Alemão, Servidão do Batata, Travessa do Dena, Travessa do Heitor, Rua do Nelson, Rua do Tobias, Rua Jaime Pereira Mendes, Rua Jose de Oliveira – Zé Preto, Rua Julia da Conceição Nunes, Travessa Julia da Conceição Nunes, Servidão Luiz Ortega, Rua Margarida Porto Faustino, Rua Proj Motel, Rua Projetada 6, Rua Projetada do Calcário, Travessa Zé Preto, Ilha da Palha, Servidão 1 da Av. Erivelton Alves Marinho, Avenida 12 de Junho, Servidão 3 da Av. Erivelton Alves Marinho, Rua Adair Luiz da Silva, Rua Adelcio Canuto, Rua Alberto Gonçalves, Rua Alto da Boa Vista-Rua 20, Rua Aristides Gonçalves de Souza, Rua Ataly de Souza Amaral, Rua Bolgaviles, Travessa César Mello, Servidão Cristóvão Vares, Servidão da Apae, Rua da Lixeira, Servidão da Marly, Servidão da Rua 3, Servidão da Rua Demedite Ferreira Viana, Servidão da Rua Proj. III, Servidão da Terceira Igreja, Rua das Camélias, Servidão do Jomar, Servidão do Mesquita, Servidão do Nicanor da Silva, Servidão do Paulo, Rua Erecina Salles Aguiar, Avenida Erivelto Alves Marinho, Avenida Erivelton Alves Marinho, Servidão Ezequias, Rua Ezequias Beliene, Rua Gilson de Souza Quintino, Rua Isaltino Vares Gonçalves, Rua Isaque Gonçalves, Travessa Isaque Gonçalves, Rua Januaria Ferreira, Servidão João Freire, Rua João Nogueira, Rua João Peterson Filho, Rua Joaquim Jose da Costa, Rua Jorge Martins Vieira, Rua José Pinto de Souza – Zé Tosta, Rua José Resende Soares, Rua Luis Antônio Luiz de Souza, Rua Marcos Aurélio da Silva, Rua Maria da Conceição dos Santos, Rua Natanael dos Santos, Rua Nelson Rodrigues de Almeida, Rua Nicanor da Silva, Rua Oscar Ribeiro de Souza, Rua Oswaldo Severino, Rua Otilio Monteiro, Rua Pastor Manoel Faria de Souza, Rua Patrícia de Souza Soares, Rua Pedro Alves de Souza, Estrada Ponte de Tabuas, Rua Projetada¨W¨, Rua Projetada 10, Rua Projetada 12, Rua Projetada 13, Rua Projetada 14, Rua Projetada 16, Rua Projetada 17, Rua Projetada 18, Rua Projetada 3, Travessa Projetada 4, Travessa Projetada 4, Rua Projetada 5, Rua Projetada 6, Rua Projetada Cesa Mello, Travessa Projetada do Alípio, Rua Projetada do Mateus, Rua Projetada Elton, Rua Projetada G, Rua Projetada M, Rua Projetada P, Rua Projetada Q, Rua Projetada X , Rua ProjetadaY, Rua Projetada Z, Travessa Vilson Vaz, Rua Walci Rocha, Servidão Zelandia, Rua Zilto de Souza Pereira, Rua da Estação, Rua Fidelis Crispim e Rua Sebastião Barcelos Lontra. Florida, Beira Chão e Surubi Cantagalo, Vila São Joaquim e Pedro Garcia São Pedro Paraíso, Pimentel, Coleginho e Barra Mansa Ponte de Tábua e Alegria Califórnia, Imbé, Boa Sorte, Fazenda Itaipava Guarnieri Sambra, Monte Alegre, Duas Barras Pão de Ló, Bonfim, Cachoeirinha, Macuco, Santa Helena, São João da Cruz Marimbondo Biboca, Cachoeiro Caboclo Dr. Mattos

07

06

01

PACS 04– ZONA RURAL AGENTE COMUNITÁRIO DE SAÚDE PACS 05– ZONA RURAL AGENTE COMUNITÁRIO DE SAÚDE PACS 06– ZONA RURAL AGENTE COMUNITÁRIO DE SAÚDE PACS 07– ZONA RURAL AGENTE COMUNITÁRIO DE SAÚDE PACS 08– ZONA RURAL AGENTE COMUNITÁRIO DE SAÚDE PACS 09– ZONA RURAL AGENTE COMUNITÁRIO DE SAÚDE PACS 10– ZONA RURAL AGENTE COMUNITÁRIO DE SAÚDE PACS 11– ZONA RURAL AGENTE COMUNITÁRIO DE SAÚDE PACS 12– ZONA RURAL AGENTE COMUNITÁRIO DE SAÚDE PACS 13– ZONA RURAL AGENTE COMUNITÁRIO DE SAÚDE PACS 14– ZONA RURAL AGENTE COMUNITÁRIO DE SAÚDE Total

01 01 01 01 01 01 01 01 01 01 01 27

-

-

Página 3 de 31

189.424.34 40 horas 30 horas R$ 35.77 660.1. horário e local de aplicação das mesmas e nota mínima exigida.02 40 horas R$ 25.02 40 horas 30 horas R$ 55.02 4. artigo 37. duração. 2.00 R$ 55.87 2. As vagas reservadas às pessoas portadoras de deficiência estão expressamente mencionadas neste Edital.2.DAS VAGAS E REQUISITOS LEGAIS EXIGIDOS 2. A pessoa portadora de deficiência participará da seleção em igualdade de condições com os demais candidatos às vagas de ampla concorrência no que se refere o conteúdo e avaliação das provas.00 Auxiliar Administrativo Psicólogo Assistente Social 1 2 2 - - Curso de Nível Fundamental Completo Curso de Nível Superior em Psicologia – Registro no CRP Curso de Nível Superior em Serviço Social – Registro no CRESS 660. 2. respeitando o critério de arredondamento preconizado por lei. 2. As vagas definidas pela Prefeitura para este Processo Seletivo estão distribuídas de acordo com o quadro de vagas.00 PETI 05 1 PROGRAMA SAÚDE DA FAMILIA – PSF CÓDIGO EMPREGO TOTAL PSF 01 VAGAS AC PD - PROVA TARDE VENCIMENTO BASE R$ CARGA HORÁRIA SEMANAL VALOR DA INSCRIÇÃO REQUISITOS Técnico em Enfermagem PSF Enfermeiro PSF Médico PSF 3 3 3 - - PSF 02 Nível Médio com Curso Técnico em Enfermagem – Registro no COREN Curso de Nível Superior em Enfermagem – Registro no COREN Curso de Nível Superior em Medicina– Registro no CRM 1.00 R$ 35.98 2.298/99.ESTADO DO RIO DE JANEIRO PREFEITURA MUNICIPAL DE ITALVA 02.50 2.98 695.00 R$ 55. Quadro de Vagas: PROGRAMA DE ERRADICAÇÃO DO TRABALHO INFANTIL – PETI CÓDIGO EMPREGO TOTAL PETI 01 PETI 02 PETI 03 PETI 04 VAGAS AC PD REQUISITOS - PROVA TARDE CARGA HORÁRIA SEMANAL VALOR DA INSCRIÇÃO VENCIMENTO BASE R$ Auxiliar de Serviços Gerais Cozinheira Auxiliar Administrativo Monitor do Peti Assistente Social 2 2 1 4 - - Nível Alfabetizado Nível Alfabetizado Nível Fundamental Completo Nível Médio Curso de Nível Superior em Serviço Social – Registro no CRESS 550. neste Edital. 3.00 40 horas 40 horas 40 horas 30 horas R$ 25.482/95 Decreto Federal nº. VIII.424.3.424.296/04 serão reservados 5% (cinco por cento) das vagas às pessoas portadoras de deficiência. alterado pelo Decreto nº.424.02 2.751. 2.00 40 horas PSF 03 CENTRO DE REFERENCIA DA ASSISTENCIA SOCIAL – CRAS CÓDIGO EMPREGO TOTAL CRAS 01 CRAS 02 CRAS 03 VAGAS AC PD REQUISITOS - PROVA TARDE VENCIMENTO BASE R$ CARGA HORÁRIA SEMANAL VALOR DA INSCRIÇÃO R$ 25. e pela Lei Estadual nº.00 30 horas Página 4 de 31 .77 550. 5. Em cumprimento ao disposto na Constituição Federal.1.1.

S. Pimentel.ZONA RURAL Cantagalo. Cachoeirinha. Duas Barras A.ZONA RURAL Biboca.S.ZONA RURAL Guarnieri A.ZONA RURAL Marimbondo A.C. Vila São Joaquim e Pedro Garcia A.ESTADO DO RIO DE JANEIRO PREFEITURA MUNICIPAL DE ITALVA PROGRAMA AGENTE COMUNITÁRIOS DE SAÚDE – PACS . Mattos Enfermeiro 04 07 01 01 01 01 01 01 01 01 01 01 01 1 06 - 01 Curso de Nível Superior em Enfermagem – Registro no COREN 2.C. .C. São João da Cruz A. .C.ZONA RURAL Florida.S.C.350/06) 550.02 2.424. Coleginho e Barra Mansa A. .00 *AC – ampla concorrência / *PD – portadores de deficiência CENTRO MULTIDISCIPLINAR OBESIDADE INFANTIL – CEMOB CÓDIGO EMPREGO TOTAL CEMOB 01 CEMOB 02 CEMOB 03 VAGAS AC PD REQUISITOS - PROVA MANHÃ VENCIMENTO BASE R$ CARGA HORÁRIA SEMANAL VALOR DA INSCRIÇÃO R$ 25.C.00 Auxiliar Administrativo Psicólogo Nutricionista 2 1 1 - - Curso de Nível Fundamental Completo Curso de Nível Superior em Psicologia – Registro no CRP Curso de Nível Superior em Nutrição – Registro no CRN 660.02 30 horas R$ 55. Monte Alegre.S.S.PROVA MANHÃ CÓDIGO EMPREGO VAGAS TOTAL 05 AC - PD - REQUISITOS VENCIMENTO BASE R$ CARGA VALOR HORÁRIA DA SEMANAL INSCRIÇÃO PACS 01 PACS 02 PACS 03 PACS 04 PACS 05 PACS 06 PACS 07 PACS 08 PACS 09 PACS 10 PACS 11 PACS 12 PACS 13 PACS 14 PACS 15 Agente Comunitário de Saúde – PSF ORLANDO MADUREIRA (MORRO GRANDE) Agente Comunitário de Saúde – PSF ANTONIO DE MELO BARRETO – (PARQUE INDUSTRIAL Agente Comunitário de Saúde –PSF SÃO CAETANO A.C.424. .S.PROVA TARDE CÓDIGO EMPREGO TOTAL VAGAS AC PD REQUISITOS VENCIMENTO BASE R$ CARGA VALOR HORÁRIA DA SEMANAL INSCRIÇÃO PACE 01 Agente de Combate às Endemias 12 11 01 Curso de Nível Fundamental Completo 749. Macuco.S. .00 Curso de Nível Fundamental Completo e comprovar residência conforme (Lei 11. Cachoeiro Caboclo A.C.02 40 horas 30 horas R$ 55. Boa Sorte.S.00 30 horas Página 5 de 31 . Santa Helena.ZONA RURAL Dr.ZONA RURAL Sambra.C. Fazenda Itaipava A.98 2.ZONA RURAL Ponte de Tábua e Alegria A.S.00 *AC – ampla concorrência / *PD – portadores de deficiência PROGRAMA DE AGENTES DE COMBATES ÀS ENDEMIAS .424. .ZONA RURAL Pão de Ló.ZONA RURAL Califórnia. .S. .77 40 horas R$ 25. Beira Chão e Surubi A. .C.S. .05 40 horas R$ 25. Imbé. .C. Bonfim.ZONA RURAL São Pedro Paraíso.

50 695.101.50 2.00 40 horas 40 horas 40 horas 30 horas 30 horas 30 horas R$ 55.50 20 horas 20 horas 20 horas 20 horas 20 horas R$ 35.22 20 horas Programa de Especificidades Regionais CÓDIGO EMPREGO TOTAL VAGAS AC PD - PROVA MANHÃ VENCIMENTO BASE R$ CARGA VALOR HORÁRIA DA SEMANAL INSCRIÇÃO REQUISITOS PER 01 PER 02 PER 03 PER 04 PER 05 PER 06 PER 07 PER 08 PER 09 PER 10 Instrutor de Dança Instrutor de Música Instrutor de Artesanato Instrutor de Pintura Instrutor de Corte e Costura Instrutor de Reciclagem Instrutor de Teatro Instrutor de Canto e Coral Instrutor de Cabeleireiro Instrutor de Manicure 1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 - - Nível Médio Completo com conhecimento na área Nível Médio Completo com conhecimento na área Nível Médio Completo com conhecimento na área Nível Médio Completo com conhecimento na área Nível Médio Completo com conhecimento na área Nível Médio Completo com conhecimento na área Nível Médio Completo com conhecimento na área Nível Médio Completo com conhecimento na área Nível Médio Completo com conhecimento na área Nível Médio Completo com conhecimento na área 695.50 695.62 660.00 CAPS 06 1 CAPS 07 1 CAPS 08 1 CAPS 09 Médico Psiquiatra 1 - - 2.50 695.98 909.50 695.00 20 horas 20 horas 20 horas 20 horas 20 horas Página 6 de 31 .77 1.424.50 695.00 R$ 35.50 695.02 2.50 695. e/ou especialização na área – Registro no CRM 550.ESTADO DO RIO DE JANEIRO PREFEITURA MUNICIPAL DE ITALVA PROGRAMA DE ATENDIMENTO PSICOSSOCIAL – CAPS CÓDIGO EMPREGO TOTAL CAPS 01 CAPS 02 CAPS 03 CAPS 04 CAPS 05 VAGAS AC PD REQUISITOS - PROVA MANHÃ VENCIMENTO BASE R$ CARGA HORÁRIA SEMANAL VALOR DA INSCRIÇÃO Auxiliar de Serviços Gerais Cozinheira Motorista Auxiliar Administrativo Oficinista de Artes Assistente Social Psicólogo Enfermeiro 1 1 1 1 1 - - Nível Alfabetizado Nível Alfabetizado Nível Fundamental Incompleto + CNH categoria B Nível Fundamental Completo Nível Médio Completo com conhecimento na área Curso de Nível Superior em Serviço Social – Registro no CRESS Curso de Nível Superior em Psicologia – Registro no CRP Curso de Nível Superior em Enfermagem – Registro no COREN Curso de Nível Superior em Medicina com resid.02 2.424.02 40 horas 40 horas R$ 25.077 550.50 695.424.644.50 695.

5 Total por Prova 25 20 20 25 10 100 Página 7 de 31 . de questões 10 10 20 40 questões Nota por questão 2.5 2.0 2.5 Total por Prova 25 25 25 25 100 QUADRO DE PROVAS DO NIVEL FUNDAMENTAL COMPLETO Agente Comunitário de Saúde e Agente de Combate às Endemias Pontuação ponderada Provas Disciplinas Língua Portuguesa Conhecimentos Gerais Matemática Conhecimentos Gerais e/ou Locais Conhecimentos Específicos Títulos TOTAL Conteúdo Específico da Área Pertinentes a Área de Atuação Nº de questões Nota por questão 10 10 10 10 40 questões 2.5 Total por Prova 50 25 25 100 QUADRO DE PROVAS DO NIVEL FUNDAMENTAL INCOMPLETO Motorista Pontuação ponderada Provas Disciplinas Língua Portuguesa Conhecimentos Gerais e/ou Locais CTB – Código de Trânsito Brasileiro PROVA PRÁTICA DE DIREÇÃO Nº. de questões 20 10 10 40 questões Pontuação ponderada Nota por questão 2.5 2.5 2.4.ESTADO DO RIO DE JANEIRO PREFEITURA MUNICIPAL DE ITALVA 2.0 2.0 Total por Prova 20 20 40 20 100 pontos Conteúdos Conteúdos Específicos Prova Prática Total QUADRO DE PROVAS DO NIVEL FUNDAMENTAL COMPLETO Auxiliar Administrativo Provas Disciplinas Língua Portuguesa Conhecimentos Gerais Conhecimentos Específicos TOTAL Matemática Conhecimentos Gerais e/ou Locais Conteúdo Específico da Área Nº de questões 10 10 10 10 40 questões Pontuação ponderada Nota por questão 2.0 2.5 2.0 2. ESTRUTURAÇÃO DAS PROVAS OBJETIVAS: QUADRO DE PROVAS DO NIVEL ALFABETIZADO Auxiliar de Serviços Gerais e Cozinheira Provas Disciplinas Língua Portuguesa Conhecimentos Gerais TOTAL Matemática Conhecimentos Gerais e/ou Locais Nº.5 2.5 2.

5 2. Enfermeiro. Oficinista de Artes e Monitor do Peti Nº de questões 15 10 15 40 questões Pontuação ponderada Nota por questão 2.5 2.5 100 Provas Disciplinas Língua Portuguesa Conhecimentos Gerais Matemática Conhecimentos Gerais e/ou Locais TOTAL - QUADRO DE PROVAS DO NIVEL SUPERIOR Assistente Social.ESTADO DO RIO DE JANEIRO PREFEITURA MUNICIPAL DE ITALVA QUADRO DE PROVAS DO NIVEL MÉDIO Técnico de Enfermagem Nº de questões 10 10 10 10 40 questões Pontuação ponderada Nota por questão 2.0 1.0 3.5 2.5 Total por Prova 25 25 25 25 100 Provas Disciplinas Língua Portuguesa Conhecimentos Gerais Matemática Conhecimentos Gerais e Locais Conhecimentos Específicos TOTAL Conteúdo Específico da Área - QUADRO DE PROVAS DO NIVEL MÉDIO Instrutores. Provas Disciplinas Língua Portuguesa Conhecimentos Gerais Conhecimentos Gerais e Locais Saúde Pública Conhecimentos Específicos Total Conteúdo Específico da Área Nº de questões 10 10 10 10 40 questões Pontuação ponderada Nota por questão 2. Psicólogo.5 25 37.5 2.5 2. Nutricionista e todas as Especialidades Médicas.5 Total por Prova 37.0 Total por Prova 20 10 30 40 100 Página 8 de 31 .0 4.

o candidato deverá: A) Pagar a taxa de inscrição.2. 3. em hipótese alguma.1. transferência. HORÁRIO: das 10 às 16 horas (exceto sábados.Italva /RJ VIA PRESENCIAL 3. cheque.1.4.1. O candidato inscrito por procuração assume total responsabilidade pelas informações prestadas por seu procurador no requerimento de inscrição. A inscrição ao Processo Seletivo da Prefeitura Municipal poderá ser feita de duas maneiras: presencial no local indicado ou pela Internet. munido de original e cópia da Carteira de Identidade ou Carteira de Trabalho ou Carteira de Motorista (com foto) ou Passaporte válido ou Identificação do Órgão de Classe (cuja cópia ficará retida) e CPF (cuja cópia ficará retida).ESTADO DO RIO DE JANEIRO PREFEITURA MUNICIPAL DE ITALVA 03. A inscrição Via Presencial para o Processo Seletivo. A inscrição deverá ser feita pelo candidato ou por seu procurador. B) Não serão aceitas inscrições por depósito em caixa eletrônico. fac-símile (fax). ordem de pagamento condicionais e/ou extemporâneas ou por qualquer outra via que não as especificadas neste Edital.2.1. inscrever-se para dois empregos.4. Será facultado ao candidato. Não será aceito.1. será ela cancelada. PERÍODO: 20 de janeiro a 10 de fevereiro de 2011.1. domingos e feriados). Para efetuar a inscrição. O pagamento da taxa não significa que a inscrição está realizada e nem obriga que se processe a inscrição do candidato fora do período previsto neste Edital. 3.1.org.1. Para inscrever-se no Processo Seletivo. 3.1.2.1. 3.1.1. em favor do INSTITUTO NACIONAL DE CONCURSO PÚBLICO.1. com instrumento específico e individual com firma reconhecida por autenticidade.3. Verificado. LOCAL: Biblioteca Pública Machado de Assis ENDEREÇO: Rua Olivia Faria nº 161 – Centro . o recebimento de inscrição que não atenda a todos os requisitos estabelecidos. Bancos conveniados: BANCO Itaú Bradesco AGÊNCIA 6130 2850 CONTA CORRENTE 07510-1 9410-2 3.1.3.3.1.1. Comparecer ao local de inscrição. em espécie.1.4. devendo ser consultado o quadro abaixo: TURNO DE PROVAS TURNO DA MANHÃ TURNO DA TARDE CAPS CEMOB ACS I NSTRUTORES CRAS PSF PETI Agente de Combate às Endemias Página 9 de 31 . caso este em que as cópias das identidades e a procuração serão anexadas ao requerimento de inscrição. acompanhada dos originais. em quaisquer agências dos bancos mencionados no presente Edital.DAS INSCRIÇÕES 3.4. 3. MANEIRAS DE INSCRIÇÕES VIA INTERNET PERIODOS 20/01/2011 A 10/02/2011 20/01/2011 A 10/02/2011 LOCAIS www. 3.3. desde que não haja coincidência de aplicação das Provas Objetivas de sua opção.4. é imprescindível o número de Cadastro de Pessoa Física (CPF) do candidato. arcando com as conseqüências de eventuais erros de preenchimento do documento de inscrição.1.br LOCAL: Biblioteca Pública Machado de Assis ENDEREÇO: Rua Olivia Faria nº 161 – Centro . mediante depósito bancário simples.Italva /RJ 3. pedido de alteração do emprego/função para o qual o candidato se inscreveu.4. realizada no local indicado se dará: 3.1. 3. a qualquer tempo.3.incp.1.1. 3. 3.2. e das cópias dos documentos de identidade do candidato e do procurador.

2. 3. Após preencher todos os campos. até o vencimento constante no boleto.10. o candidato não poderá fazer a prova. Nome do Candidato. 3. 3.4. por quaisquer motivos. do pagamento do boleto bancário. neste caso. no portal www.8.7.incp. deverá ser efetuado conforme as seguintes regras e condições: 3.5. bem como outros fatores de ordem técnica que impossibilitem a transferência de dados e por procedimento indevido dos usuários.5. o candidato deverá seguir os seguintes passos: 3.2.2. Município. 3.4. O Processo de inscrição para Processo Seletivo Público.5. A possibilidade de efetuar mais de uma inscrição proporcionará maior oportunidade de concorrência aos candidatos.br.1. estará concordando com os termos da mesma.5. A inscrição para o Processo Seletivo. 3.3.2.2.5.2.org. pela Instituição Bancária.9.2. Caso contrário deverá ler a declaração situada abaixo dos dados e marcar a caixa que se encontra após a declaração e.5.2. emitido via Internet. não havendo.5. Para efetivar as duas inscrições. Após clicar no hyperlink do Processo Seletivo. será apresentada uma página contendo as publicações disponíveis.2.7. desde as 10 horas do dia 20/01/2011 até as 24 horas do dia 10/02/2011. As inscrições não pagas até a data prevista neste edital estarão automaticamente CANCELADAS.5.3.5. Confirmação de Dados . Página 10 de 31 . A inscrição via Internet que tiver seu pagamento efetuado por outros meios que não seja o disponibilizado pelo site (boleto bancário) será invalidada e cancelada e ainda terá perdido o valor depositado. deve imediatamente entrar em contato com o Instituto. 3. Endereço. Nº. a relação de inscrições não validadas.br 3.org. no caso de aprovação do candidato em mais de um emprego público. através da Internet. Os seguintes campos são de preenchimento obrigatório: emprego Público. no dia da prova. Estará disponível.2. poderá ser efetuado em qualquer banco até a data de vencimento constante no mesmo. A inscrição só será efetivada após a confirmação. CPF. Estado Civil. 3. Data de Nascimento. Em hipótese alguma serão aceitos transferência ou depósito bancário para as inscrições via internet.2. Depois deverá clicar na opção CONCLUIR INSCRIÇÃO. o documento de identificação oficial com foto original. 3.2.12. Só será aceita a inscrição pela Internet através de pagamento do boleto emitido pelo site. 3. em qualquer agência bancária.4. O candidato é responsável pelas informações prestadas no Requerimento de Inscrição.2.2. Caso algum dado esteja errado.incp. se dará: 3. Estado do Órgão Expedidor.4. congestionamento das linhas de comunicação.2.2.2. 3. falhas de comunicação. com isso. deverá clicar em CORRIGIR para voltar. onde serão listados todos os Processo Seletivos disponíveis.2.2. Cep. 3. O INCP não se responsabiliza por solicitações de inscrições via Internet NÃO RECEBIDAS.4.5. 3.1.5. Caso o candidato tenha problemas com a confirmação da sua inscrição. 3. declarado na ficha de inscrição preenchida no site. Órgão Expedidor.2. do Documento de Identidade. Bairro. O pagamento do boleto bancário.5.Os dados preenchidos no formulário serão apresentados na tela e o candidato deverá conferilos. aberto o boleto bancário que DEVERÁ SER IMPRESSO e pago. 3.5.2. todas as informações referentes à sua inscrição. PORTAL: www.2. Estado e e-mail. Para inscrever-se pela Internet.6. Dentro desse período as inscrições serão aceitas a qualquer hora do dia ou da noite.org. O candidato inscrito pela Internet deverá apresentar. o candidato deverá clicar no hyperlink do Processo Seletivo desejado.2.1. realizada pela Internet.13. obrigatoriamente. ressarcimento da taxa de inscrição referente à primeira inscrição.2.5.1.5. 3. 3. pelo portal acima. por não ter como identificá-lo. o candidato deverá ter um endereço próprio de e-mail válido.org. 3.1. as inscrições serão validadas. que deverá ser clicada.2.2.6. IMPRETERIVELMENTE. Não serão aceitos protocolos e outros documentos que não estejam de acordo com o item anterior. O candidato deverá acessar o site: www. PERÍODO NA INTERNET: 3. clicar no botão CONCLUIR INSCRIÇÃO. após o período de inscrições. As inscrições deverão ser feitas com antecedência. evitando possíveis congestionamentos de comunicação nos últimos dias do prazo de inscrição.2. Após ter clicado em FICHA DE INSCRIÇÃO.1. Não serão aceitas inscrições efetuadas sob qualquer forma em períodos anteriores ou posteriores aos aqui determinados. terá sua primeira inscrição automaticamente cancelada.5.5. O processo de inscrição pela Internet estará disponível no site: www. Conclusão .2.2.11.2. O INCP não se responsabiliza pela NÃO CONFIRMAÇÃO DE PAGAMENTO DO BOLETO BANCÁRIO pela Instituição Financeira. arcando com as conseqüências de eventuais erros no preenchimento desse documento.4.2.2.br. sejam de ordem técnica dos computadores. o candidato deverá preencher a Ficha de Inscrição para cada emprego e pagar a taxa de inscrição correspondente a cada opção. ficando o candidato inscrito pela Internet obrigado a acompanhar. Ficha de Inscrição .2.incp. Grau de Instrução. Somente após confirmação do recebimento pela instituição bancária. 3.2.1. cujas provas sejam aplicadas no mesmo momento. devendo ser observada a lei específica que trata sobre a acumulação dos empregos públicos. O candidato que efetivar mais de uma inscrição.2.2. e todo o processo deverá ser feito pelo site.ESTADO DO RIO DE JANEIRO PREFEITURA MUNICIPAL DE ITALVA 3.O candidato deverá preencher corretamente a ficha de inscrição com os seus dados. e ser guardado para posterior comprovação do pagamento. Sexo.incp. Caso não seja apresentado o documento. dentre elas a opção FICHA DE INSCRIÇÃO.2.br e clicar no hyperlink que o levará à página dos Processo Seletivos. 3.Na página seguinte.2.5.

A isenção de que trata o item 3.5. define-se como renda familiar per capita a razão entre renda familiar mensal e o total de indivíduos na família. 3. 3.5.. Conforme o disposto no Decreto nº 6. d) Programa Nacional de Inclusão do Jovem – PróJovem. Antes de efetuar o pagamento da taxa de inscrição feita no local ou via Internet.7 deste Edital deverão ser entregues devidamente preenchidos.4. a cópia da carteira de identidade do procurador e do candidato (o termo e a cópia não necessitam ser reconhecidos em cartório).6.5.ESTADO DO RIO DE JANEIRO PREFEITURA MUNICIPAL DE ITALVA 3.5.3. define-se como família de baixa renda a unidade nuclear composta por um ou mais indivíduos. 3. Será disponibilizado o seguinte número telefônico 0XX-(22)-2726-3252 nos horários das 9 às 12 horas e das 14 às 18 horas. contendo: a) indicação do Número de Identificação Social . Página 11 de 31 . Conforme o disposto no Decreto nº 6. c) Programa Bolsa Família e os programas remanescentes nele unificados.135. Em nenhuma hipótese será admitida a inscrição condicional e nem haverá devolução da Taxa de Inscrição.135.5. assim como a retirada de documentos.135. com renda familiar mensal per capita de até meio salário mínimo ou que possua renda familiar mensal de até 3 (três) salários mínimos. Não será aceita a solicitação de isenção do pagamento da taxa de inscrição via fax e/ou correio eletrônico.8. deste Edital deve ser solicitada mediante requerimento do candidato. nos termos do Decreto nº 6.1. no horário conforme cronograma básico. não cabendo vista nem recurso desta decisão em tempo algum ou por qualquer motivo. e forem membros de família de baixa renda. 3.4 deste Edital.135. A documentação entregue será analisada pelo INCP e a Prefeitura.135.5. Caso o candidato não efetue a entrega da documentação no Posto de Inscrição de uma única vez. O valor da inscrição será de: ITEM A B C D NIVEL DE ESCOLARIDADE NIVEL ALFABETIZADO FUNDAMENTAL NIVEL MÉDIO NIVEL SUPERIOR VALOR R$ 25.5. O INCP disponibilizará um modelo de requerimento mencionado no subitem 3.5. Nesta hipótese.5. 3. de segunda a sexta .12.5. de 26 de junho de 2007. 3. no horário conforme cronograma básico. que decidirão sobre a concessão ou não ao candidato da isenção do pagamento da taxa de inscrição.6 deste Edital. Após preencher o “Requerimento de Isenção do Pagamento da Taxa de Inscrição” e o “Requerimento de Inscrição para o Processo Seletivo”.13. Os Pedidos de isenção deverão ser protocolados impreterivelmente no período de 20 e 21/01/2011.5. de 26 de junho de 2007. 3. identificado como “Requerimento de Isenção do Pagamento da Taxa de Inscrição”. de 26 de junho de 2007.7. no período informado no cronograma existente no Manual do Candidato. de 2 de outubro de 2008.NIS. Os documentos discriminados no subitem 3.. 3.4. o encaminhamento de documentos complementares. não sendo incluídos no cálculo aqueles percebidos dos seguintes programas: a) Programa de Erradicação do Trabalho Infantil. atribuído pelo CadÚnico.593. este terá seu pedido de isenção do pagamento da taxa de inscrição indeferido. o candidato deverá retornar ao Posto de Inscrição. Todas as informações prestadas no “Requerimento de Isenção do Pagamento da Taxa de Inscrição” e no “Requerimento de Inscrição para o Processo Seletivo” são de inteira responsabilidade do candidato. define-se como renda familiar mensal a soma dos rendimentos brutos auferidos por todos os membros da família. e b) declaração de que é membro de família de baixa renda.5.feira.00 3. 3. e) Auxílio Emergencial Financeiro e outros programas de transferência de renda destinados à população atingida por desastres. residente em Municípios em estado de calamidade pública ou situação de emergência.10. respondendo o mesmo civil e criminalmente por qualquer irregularidade constatada. estiverem inscritos no Cadastro Único para Programas Sociais do Governo Federal – CadÚnico. e efetuar a retirada dos mesmos. assim como a idoneidade dos documentos apresentados.00 R$ 25. Não haverá isenção total ou parcial do valor da taxa de inscrição. 3. O candidato que desejar solicitar isenção do pagamento da taxa de inscrição poderá retirar o “Requerimento de Isenção do Pagamento da Taxa de Inscrição” e o “Requerimento de Inscrição para o Processo Seletivo”. 3. Não será aceita a entrega condicional de documento e.5. exceto para os candidatos que. 3.00 R$ 55. após a entrega da documentação no Posto de Inscrição.5. o interessado deverá certificar-se de que preenche os requisitos exigidos neste Edital para a participação no Processo Seletivo Público.00 R$ 35. obrigatoriamente contendo a assinatura do solicitante e data. ao ligar. fornecer seu nome e número de inscrição.11. o candidato assumirá as conseqüências de eventuais erros de seu procurador.1. Deverá haver uma única procuração para cada candidato. 3.4. para informações ao candidato sobre o Processo Seletivo. Todas as ligações serão gravadas e o candidato deverá. A entrega dos documentos poderá ser efetuada por intermédio de procurador. 3. Conforme o disposto no Decreto nº 6.5. entregando sua documentação em outro momento que não o estabelecido no subitem 3. de 26 de junho de 2007.9.2.5.5. se dirigir ao Posto de Inscrição. e efetuar a entrega de ambos os requerimentos. no mesmo período. Distrito Federal ou Municípios.5. de 26 de junho de 2007.1.3. todos moradores em um mesmo domicílio. 3. devendo ser anexados aos documentos o respectivo Termo de Procuração. 3. e f) demais programas de transferência condicionada de renda implementados por Estados.5. b) Programa Agente Jovem de Desenvolvimento Social e Humano. conforme o disposto no Decreto nº 6. de que trata o Decreto nº 6. eventualmente ampliada por outros indivíduos que contribuam para o rendimento ou tenham suas despesas atendidas por aquela unidade familiar.3.

7. 3. sujeitando-se este preenchimento às considerações e regras estabelecidas neste item do Edital quanto ao preenchimento do Requerimento de Inscrição. O candidato portador de deficiência poderá requerer. do Decreto n. para efeito de comprovação.7. 4. de 14/12/1995 poderão concorrer. assim como não serão fornecidas cópias desse laudo. 4. com expressa referência ao código correspondente da Classificação Internacional de Doenças (CID).15. assinatura e número do CRM do médico especialista na área de deficiência / doença do candidato e carimbo. e pela Lei Estadual 2. O “Requerimento de Inscrição para Solicitante de Isenção do Pagamento da Taxa de Inscrição” deverá estar devidamente preenchido.296/2004. 3. O candidato com pedido de isenção do pagamento da taxa de inscrição indeferido poderá efetuar sua inscrição com pagamento da taxa.6. deste Edital.5. 3.5.6 deste Edital. O candidato portador de deficiência. Constatada qualquer inveracidade.2. às vagas especialmente reservadas aos portadores de deficiência. não atendendo o disposto nos subitens 3.2. nas informações prestadas no processo aqui definido para obtenção de isenção do pagamento da taxa de inscrição. O candidato inscrito pela Internet deverá enviar. 4. inclusive deslocamentos para os locais de inscrição e realização das provas serão de inteira responsabilidade do candidato. O candidato cuja solicitação de isenção do pagamento da taxa de inscrição for deferida.5.6. via SEDEX ou carta registrada com aviso de recebimento. conforme previsto no artigo 40.14. 4. portanto amparadas pelo Decreto Federal 3. 3. indicando as condições de que necessita para a realização destas. alterada pela Lei Estadual 2. 4. 3.482/1995. conforme disposto neste item do Edital. sendo compatível com a deficiência apresentada pelo paciente com as atribuições do emprego de ______________________ disponibilizado no Processo Seletivo_______________________ conforme Edital do processo de seleção. o atestado não terá validade. para a Central de Atendimento do Candidato – Processo Seletivo Prefeitura Municipal de Italva (laudo médico). será fato para o cancelamento da inscrição. não necessitará efetuar sua inscrição.2. pois o “Requerimento de Inscrição para Solicitante de Isenção do Pagamento da Taxa de Inscrição” será considerado como Requerimento de Inscrição. parágrafos 1. 4. postado impreterivelmente até o último dia de inscrição. para o dia de realização das provas.1.2. Não será concedida isenção do pagamento da taxa de inscrição ao candidato que: a) omitir informações e/ou torná-las inverídicas.298/99 e suas alterações. Importante: Os candidatos portadores de deficiências que optarem pela inscrição via Internet também deverão cumprir as exigências contidas no item 4 deste Edital. b) encaminhar cópia do CPF e laudo médico original ou cópia autenticada. emitido nos últimos doze meses. para a CAIXA POSTAL -114341 Campos dos Goytacazes/RJ – CEP 28010-972.17. por qualquer via. declarar-se portador de deficiência. sob sua inteira responsabilidade e nos termos da referida legislação. Data ____/____/_____ Nome. 3.2.1. d) não observar o prazo estabelecido no subitem 3.5. cópia do documento utilizado no ato da inscrição.º3. Modelo do Atestado Médico: ATESTADO MÉDICO PARA DEFICIENTES Atesto para os devidos fins que o Sr. 4.2. além de sujeitar-se o candidato às penalidades previstas em lei.5. atestando a espécie e o grau ou nível da deficiência. O INCP não se responsabiliza por qualquer tipo de extravio que impeça a chegada da documentação a seu destino. bem como a provável causa da deficiência. O fornecimento do laudo médico (original ou cópia autenticada) e da cópia do CPF.298/1999. Para concorrer a uma dessas vagas.298/1994. de 28/07/1994. e) apresentar documentos ilegíveis ou preenchidos incorretamente.5.5. 3. O candidato que se declarar portador de deficiência concorrerá em igualdade de condições com os demais candidatos.org. totalizando 5% (cinco por cento) das vagas oferecidas neste Edital. atendimento especial. no ato da inscrição. b) fraudar e/ou falsificar documentação. na forma do subitem 4.5. 3.1. O laudo médico (original ou cópia autenticada) terá validade somente para este Processo Seletivo e não será devolvido.ESTADO DO RIO DE JANEIRO PREFEITURA MUNICIPAL DE ITALVA 3. As pessoas portadoras de deficiência.incp.3. tornando-se nulos todos os atos dela decorrentes.º. e 3.19. se solicitado. O resultado da análise da documentação apresentada será publicado no endereço eletrônico www.DAS INSCRIÇÕES PARA CANDIDATOS PORTADORES DE DEFICIÊNCIA 4.8. no período informado no cronograma existente no Manual do Candidato. Página 12 de 31 .5. CAIXA POSTAL -114341 Campos do Goytacazes/RJ – CEP 28010-972. alterado pelo Decreto Federal 5.1. deverá encaminhar o laudo médico (original ou cópia autenticada) e a cópia do CPF referidos na alínea “b” do subitem 4.º e 2. (a) ____________________________________ é portador da deficiência ___________________código internacional da doença (CID)________. o candidato deverá: a) no ato da inscrição. c) pleitear a isenção instruindo o pedido com documentação incompleta.16. 4. Todas as despesas decorrentes da participação no Processo Seletivo Público.4. caso contrário.1. é de responsabilidade exclusiva do candidato.br. a qualquer tempo.3.2.18.

4.2. a deficiência não poderá ser argüida para justificar a concessão de aposentadoria.º 3. salvo as hipóteses excepcionais de agravamento imprevisível da deficiência que impossibilitem a permanência do empregado em atividade. As condições especiais solicitadas pelo candidato para o dia da prova serão analisadas e atendidas. será permitida a entrada de um acompanhante que ficará com a guarda da criança em local reservado e diferente do local de prova da candidata. resguardadas as ressalvas na legislação vigente.d) lactante . principalmente se o candidato fizer uso de cadeira de rodas.14.b) ambliopia . a reprovação na perícia médica ou o não comparecimento à perícia acarretará a perda do direito às vagas reservadas aos candidatos em tais condições. no ato da inscrição. As vagas definidas no subitem 4.19.havendo necessidade de amamentar no dia da prova. bem como a provável causa da deficiência. o candidato terá o auxílio de um fiscal para transcrição das respostas. não se admitindo a realização da prova em locais distintos. que transcreverá as respostas para o candidato. no ato da inscrição.será disponibilizado local de fácil acesso.4.298/99 e suas alterações. As condições especiais previstas para o portador de deficiência para realização da prova são:a) deficiência visual total . 4. caso obtenham classificação necessária. Para tanto. 4. As condições especiais previstas para realização da prova são: a) limitação visual temporária .20.17. essas serão preenchidas pelos demais candidatos. o candidato terá o auxílio de um fiscal para transcrição das respostas.10.a prova poderá ser realizada com o auxílio de um ledor.18. local de fácil acesso aos candidatos que se encontrem nessa condição. 4. 4.br.11. caso seja aprovado no Processo Seletivo.5. com tamanho de letra correspondente a corpo 24. sobre a incompatibilidade entre as atribuições do emprego e a deficiência apresentada. 4. A relação dos candidatos que tiveram a inscrição deferida para concorrer na condição de portadores de deficiência será divulgada na Internet. deverá relacionar suas necessidades no Requerimento de Inscrição. e-mail ou via SEDEX. não serão aceitos pedidos de revisão. 4. com estrita observância da ordem de classificação. nos termos do artigo 43 do Decreto n.2. Após esse período. sendo imprescindível o comparecimento de tais candidatos aos locais determinados. Os candidatos que se declararem portadores de deficiência. Na falta de pessoas aprovadas para as vagas reservadas aos portadores de deficiência.6.7. serão convocados para se submeter à perícia médica formada por profissionais.4.12. O INCP disponibilizará na medida do possível. que não forem providas por falta de candidato. no estágio probatório. bem como. Havendo necessidade de condições especiais para realização da prova.será disponibilizado local de fácil acesso.9.necessitando de condições especiais para escrever. deverão comparecer à perícia médica. que transcreverá as respostas para o candidato.incp. terão seus nomes publicados em lista à parte e.1 que não forem providas por falta de candidatos portadores de deficiência aprovados serão preenchidas pelos demais candidatos. por reprovação de algum candidato em alguma fase do Processo Seletivo.15. 4. sendo vedadas alterações posteriores.2 acarretará a perda do direito ao pleito das vagas reservadas aos candidatos em tal condição e o não-atendimento às condições especiais necessárias. Os candidatos quando convocados. pessoalmente ou por meio de fax. o portador de deficiência. se não eliminados no Processo Seletivo. A amamentação se dará nos momentos que se fizerem necessários.a prova será realizada com o auxílio de um ledor.1.16.c) dificuldade de locomoção por ausência ou redução de função física . com expressa referência ao código correspondente da Classificação Internacional de Doenças (CID). munidos de laudo médico que ateste a espécie e o grau ou nível de deficiência. O candidato portador de deficiência reprovado na perícia médica por não ter sido considerado deficiente. Caso não o faça. deverá o candidato relacioná-las no formulário de inscrição.1.org. b) dificuldade de locomoção . sejam quais forem os motivos alegados. O candidato disporá de um dia a partir da divulgação da relação citada no subitem anterior para contestar o indeferimento. Após a investidura do candidato. não Página 13 de 31 . fica sob sua exclusiva responsabilidade a opção de realizar ou não a prova. figurará na lista de classificação geral. A não-observância do disposto no subitem 4. A inobservância do disposto no subitem 4. Os candidatos que. e ainda às vagas reservadas aos portadores de deficiência. 4.DAS INSCRIÇÕES PARA CANDIDATOS COM NECESSIDADES ESPECIAIS MOMENTÂNEAS 5. sendo o candidato comunicado do atendimento ou não de sua solicitação quando da Confirmação da Inscrição. O candidato portador de deficiência participará do Processo Seletivo em igualdade de condições com os demais candidatos às vagas de ampla concorrência. 5.d) dificuldade na escrita . figurarão também na lista de classificação geral. 4. 5. poderão ser preenchidas pelos demais aprovados.a prova será confeccionada de forma ampliada. 4. 4. 4. Não serão considerados como deficiências os distúrbios de acuidade visual ou auditiva passíveis de correção simples pelo uso de lentes ou aparelhos específicos. que verificará sobre a sua qualificação como deficiente ou não. principalmente se o candidato fizer uso de cadeira de rodas.º 3. O candidato portador de deficiência reprovado na perícia médica no decorrer do estágio probatório em virtude de incompatibilidade da deficiência com as atribuições do emprego será exonerado. declararem-se portadores de deficiência. c) dificuldade na escrita .8.necessitando de condições especiais para escrever. segundo critérios de viabilidade e razoabilidade.13. na ocasião da divulgação do edital de locais e horários de realização das provas.3. As vagas disponíveis na validade do Processo Seletivo. Admite-se a realização da prova em condições especiais aos candidatos que no ato da inscrição no Processo Seletivo tenham alguma limitação física momentânea. 4.7. sendo vedadas alterações posteriores. 4. por contra-indicação na perícia médica ou outro motivo. no endereço www. observada a ordem geral de classificação. 4.ESTADO DO RIO DE JANEIRO PREFEITURA MUNICIPAL DE ITALVA 4. conforme especificado no Decreto n.298/99 e suas alterações. 4. 5. se não eliminados no Processo Seletivo e considerados portadores de deficiência.

ESTADO DO RIO DE JANEIRO PREFEITURA MUNICIPAL DE ITALVA tendo a candidata nesse momento a companhia do acompanhante. carteiras expedidas pelas Secretarias de Segurança. do dia.1. também. na sala de prova.1.3. Conselhos. 07 . Alfabetizado. constará em seu COMPROVANTE DE CONFIRMAÇÃO DE INSCRIÇÃO (CCI). A prova objetiva para os Níveis Alfabetizado. no dia de realização das provas. 6.1. nele transcritos.br 6. Carteira de Motorista (com foto).4. a inscrição feita pela internet deverá ser corrigida no ato da impressão do CCI no campo destinado a esse fim. pelos Corpos de Bombeiros. 5. Fundamental Incompleto e Completo.1 deste Edital não serão considerados.4. Médio e Superior).3.org.1. horário. de forma a permitir. o candidato deverá solicitar ao encarregado do posto de confirmação a necessária correção. o candidato deverá. O candidato que não apresentar o documento oficial de identidade não realizará as provas. sendo comunicado do atendimento ou não de sua solicitação quando da Confirmação da Inscrição.org.6.incp. além de não ser dado nenhum tipo de compensação em relação ao tempo de prova perdido com a amamentação.br. NO MESMO LOCAL ONDE FEZ A SUA INSCRIÇÃO OU PELA INTERNET. apenas.3.6. 6. no endereço eletrônico do INCP: www.3. 5. Fazer a conferência de todos os dados.4. cópias ou quaisquer outros documentos que impossibilitem a identificação do candidato.1. etc. LOCAL: Biblioteca Pública Machado de Assis ENDEREÇO: Rua Olivia Faria nº 161 – Centro . O documento de identidade do candidato deverá ser apresentado ao fiscal da sala para conferência com o Cartão Resposta e a Lista de Presença. O candidato que não conferir as informações contidas no seu CCI estará assumindo total responsabilidade pelos dados ali registrados e suas conseqüências.2. bem como a verificação de sua assinatura. sendo considerado aprovado o candidato que obtiver o mínimo de 50% (cinqüenta por cento) do total de pontos.). 6. Tomar conhecimento do seu número de inscrição. São de responsabilidade exclusiva do candidato a identificação correta de seu local de realização das provas e o comparecimento no horário determinado. na entrega do Cartão ao término da prova.incp. endereço e sala). Fundamental Incompleto e Completo. 6.3.DAS PROVAS 7. 6. 7. As provas serão organizadas considerando-se o grau de escolaridade (Níveis.3.DA CONFIRMAÇÃO DAS INSCRIÇÕES 6. munido do Comprovante de Confirmação de Inscrição (CCI).incp.3.1.2. Página 14 de 31 .2.org.4. 06 . como também não se responsabilizará por problemas causados à lactante pela ausência de seu acompanhante. O Cartão de Confirmação de Inscrição NÃO será enviado ao endereço informado pelo candidato no ato da inscrição.2. a identificação do candidato e sua assinatura.1. deverão ser comunicados. exigido para o exercício do emprego.Italva /RJ 6.1. Caso haja qualquer erro. 6. A relação dos candidatos que tiveram a inscrição deferida para concorrer na condição de portadores de Necessidades Especiais Momentâneas será divulgada na Internet. com clareza. 6.3. Erros referentes a nome.2. prevalecendo os dados constantes do Cartão de Confirmação de Inscrição. 5. sob qualquer alegação. 7. As informações sobre os respectivos locais de provas estarão disponíveis. obrigatoriamente: 6.5. O comprovante CCI não será enviado ao candidato via Correios. As condições especiais solicitadas pelo candidato para o dia da prova serão analisadas e atendidas. identidade funcional. PERÍODO: 22 e 23 de fevereiro de 2011.5. Ao retirar o Comprovante CCI no local onde realizou a inscrição ou na Internet. Na Internet: 6. pelas Polícias Militares e pelos Órgãos fiscalizadores do exercício profissional (Ordens.4. PERÍODO: 22 e 23 de fevereiro de 2011. e ao tipo de vaga escolhida pelo candidato. Serão considerados documentos de identificação oficial de identidade: Carteira de Trabalho. conforme Edital. documento de identidade ou data de nascimento. O candidato deverá comparecer ao local de realização das provas. constará de 40 (quarenta) questões com duração de 03 (três horas) e será constituída de questão do tipo múltipla escolha com 04 (quatro) alternativas (A – B – C – D).1. que poderá ser retirado. e uma única resposta correta. 7. 6. Médio e Superior com data prevista no calendário básico. Título de Eleitor. Não serão aceitos protocolos. O INCP não se responsabilizará. CPF. no endereço www. local e sala onde fará a prova. que não comprometam a identificação do candidato. que só será assinada. crachás. As informações referentes à data. ou o Comprovante não esteja disponível. com antecedência mínima de 01 (uma) hora do horário estabelecido para o fechamento dos portões de acesso aos locais de prova. na ocasião da divulgação do edital de locais e horários de realização das provas.3. Passaporte com validade e deverá conter foto e estar em perfeitas condições. PORTAL: www.3.3. de documento original de identificação oficial com foto e de caneta esferográfica azul ou preta.7.2. 7. junto ao fiscal que fará a correção em formulário próprio.2. HORÁRIO: das 10 às 16 horas. ao horário e ao local de realização das provas (nome do estabelecimento. 6. A não presença de um acompanhante impossibilitará a candidata de realizar a prova. 6. 7. segundo critérios de viabilidade e razoabilidade.br. Os contatos feitos após a data estabelecida no item 6.2. por eventuais erros de transcrição da prova provocados pelo ledor ou fiscal.

7. assinado pelo candidato no local determinado.7. 7. compassos. 7. 7. 7.5. somente.7. expedido no máximo há 30 (trinta) dias. for surpreendido em comunicação com outro candidato ou em utilização de celular. sob pretexto algum.7. 7. em qualquer hipótese ou meio. para julgamento posterior. segunda chamada nem justificação de falta. realizar a prova em estado etílico (embriagado). A transcrição correta das alternativas para o Cartão-Resposta. como medida preventiva com vistas à segurança do concurso. entrega dos comprovantes de confirmação (CCI) e aplicação da prova.3. 7.5. ao fiscal de sala. rigorosamente.4.7. Cada candidato receberá um Bloco de Provas.7. fizer. réguas.6. ao candidato.5. anotações. obrigatoriamente. 7.3. etc. para julgamento posterior. o candidato poderá retirar-se da sala de Prova. Não será permitido ao candidato entrar na sala de prova portando telefone celular. 7. 7. O Candidato que se retirar antes de cumprido esse prazo estará abrindo mão voluntariamente do direito de posse de seu Caderno de Questões. 7.4 deverá.4.7.6. 7. boné. Não haverá aplicação de provas fora do horário. 7. armas ou aparelhos eletrônicos e não será admitida qualquer espécie de consulta. que deverá ser marcado. será considerado como desistência do candidato e resultará em sua eliminação do Processo Seletivo. 7. Com emenda ou rasura. O candidato só poderá sair levando o Caderno de Questões da Prova Objetiva quando faltar 1 (uma) hora para o término da prova. Em caso de descumprimento dessa determinação. serão adotados os seguintes procedimentos: 7. bem como a assinatura do mesmo. BIP. Os portões de acesso aos locais de realização das provas serão fechados.5. o candidato é obrigado a entregar seu Cartão-Resposta.4. 7. 7. nem a utilização de livros.6.6.8. Página 15 de 31 .1. sob qualquer pretexto. MP3 Player e/ou similares. Caso o telefone celular de um candidato toque durante a prova. O Cartão-Resposta não será aceito.7.6. 7. Ao final da prova. Os três últimos candidatos deverão permanecer juntos na sala. a utilização do detector de metais.1.1. os quais poderão dispor de acompanhantes. contendo questões gerais. manuais. sendo considerado eliminado do Processo Seletivo o candidato que faltar à prova escrita. que ficarão em dependência designada pelo Coordenador do local. for responsável por falsa identificação pessoal. utilizar ou tentar utilizar meios fraudulentos para obter aprovação. 7. O Cartão-Resposta não poderá ser rasurado. walkman.Somente decorrida 01 (uma) hora do início da Prova. chapéu.9. em nenhuma hipótese. obrigatoriamente. o candidato que: 7.2. por motivo de perda. ou qualquer outro receptor de mensagens. códigos. lenço ou qualquer outro acessório que impeça a identificação e a visão total das orelhas do candidato. As provas acontecerão em dias. qualquer que seja o motivo. roubo ou furto.5. notebook. declaração falsa ou inexata. mesmo que tenha desistido do Processo Seletivo.8. 7. tais como anotações em papéis. 7. durante a realização da prova. roupas. não podendo reivindicá-lo posteriormente. portões. Está prevista. Será automaticamente excluído do Processo Seletivo. agendas eletrônicas. imediatamente. O Candidato não poderá alegar desconhecimento dos locais de realização das provas como justificativa por sua ausência. acondicioná-lo desligado em saco plástico fornecido pelos fiscais da sala de prova.8. pois a correção da prova objetiva será feita somente nesse documento e por processamento eletrônico de leitura ótica. portaria.7.6. Não será permitido. relógios com mostrador digital.8. Caso o candidato identifique erros durante a conferência das informações contidas no cartão de respostas. se recusar a entregar o Cartão – Resposta no tempo determinado para o término da prova.6. no corpo. 7. O candidato deverá conferir as informações contidas no cartão de respostas e assinar seu nome em local apropriado. estes deverão ser informados.2. Com mais de uma opção assinalada.8. sendo o candidato submetido a identificação especial. palmtop. gravador. manchado ou ser feito uso de borracha ou corretivo e.6. ao fiscal de sala. data e locais prédeterminados. mesmo que sua assinatura conste da folha de presença.6. o fato será registrado em ata.Por motivo de segurança. podendo acarretar a eliminação do candidato. O candidato que portar qualquer aparelho de que trata o item 7.3.1.6.6. na hora marcada para o início das mesmas. deverá apresentar documento que comprove o registro do fato em órgão policial. será substituído e terá que ser. gorro. obrigatoriamente assinado. 7.8.6.3.4. Poderá haver revista pessoal por meio da utilização de detector de metais e os candidatos com cabelos longos deverão prendê-los.6. 7.7. o fato será registrado em ata.2.7.2. É responsabilidade do candidato assinar o cartão de respostas. O não comparecimento à prova. amassado. Caso o candidato esteja impossibilitado de apresentar documento oficial de identidade. Durante as provas não será permitido o uso de óculos escuros. sob pena de ter sua inscrição cancelada. horários e locais indicados no Comprovante de Confirmação da Inscrição (CCI) do candidato e não haverá. sob pena de não ser válido para leitura e atribuição de nota. podendo acarretar a eliminação do candidato.8. é de inteira responsabilidade do candidato e é obrigatória. O candidato que se retirar antes do prazo mínimo que lhe permita levar seu Caderno de Questões não poderá copiar sua marcação de respostas. ficando seus nomes e números de inscrição registrados pelo fiscal. após a saída do candidato da sala de prova ou após o encerramento da mesma. 7. sendo somente liberados quando o último deles tiver concluído a prova.5. 7.2. for descortês com qualquer membro da equipe encarregada da Inscrição. 7.7 Não será permitido o ingresso de pessoas estranhas ao Processo Seletivo no local da prova.ESTADO DO RIO DE JANEIRO PREFEITURA MUNICIPAL DE ITALVA 7. em qualquer documento.6. comunicação entre os candidatos. Sem opção assinalada. boina.6. não havendo tolerância. em qualquer fase.7. Com exceção dos candidatos portadores de Necessidades Especiais e das candidatas que estejam amamentando lactantes. máquina de calcular. com caneta esferográfica azul ou preta. 7.10. impressos.7. e um único Cartão-Resposta. Na correção do cartão-resposta da prova objetiva será atribuída nota 0 (zero) à questão: 7.1.3. Qualquer observação por parte dos candidatos será igualmente lavrada na Ata.

7. bem como nas dependências do local de provas.9. 7. 7.8.incp. páginas de livros. O candidato que desejar interpor recursos contra os gabaritos oficiais preliminares das provas objetivas com datas previstas no calendário básico.11. Não será aceito recurso via postal.12.8. não sendo enviado. Serão rejeitados também liminarmente os recursos enviados fora do prazo improrrogável. e ainda. No caso de apuração de resultado por processo eletrônico.8.br. no período com data prevista no calendário básico. de força maior ou de qualquer outro fato imprevisível ou previsível. de legislação. 7. independentemente de terem recorrido. a exposição de motivos e argumentos com fundamentações circunstanciais. divulgação do gabarito oficial.3. como seu nome. Se o exame de recursos resultarem anulação de item integrante de prova. com acesso pelo candidato com o fornecimento de dados referentes a inscrição do candidato. Os recursos julgados serão divulgados no site www. a lista de presença e o cartão .8.5. iniciando-se às 10 horas e encerrando-se às Página 16 de 31 . situada na Rua Olivia Faria nº 164 Centro.15.1.7. incluído o fator de desempate estabelecido no Edital. prejudicar ou fraudar o processo de inscrição pela Internet. 7. divulgação da pontuação provisória nas provas e divulgação do resultado final. havendo manifestação posterior da Banca Examinadora. através do Sistema Eletrônico de Interposição de Recursos. 8. A decisão da banca examinadora será irrecorrível. através de requerimento dirigido à Comissão de Processo Seletivo e entregue no PROTOCOLO GERAL DA PREFEITURA MUNCIPAL DE ITALVA. conforme disposições contidas nos site www. O recurso deverá ser individual.14. com a indicação daquilo em que o candidato se julgar prejudicado. aprovado pelos Conselhos de Educação. visual ou grafológico.8. concomitantemente. substituir provas ou atribuir pesos compensatórios. razões pela qual não caberão recursos administrativos adicionais. conforme supra referenciado. Os gabaritos das provas objetivas serão divulgados com data prevista no calendário básico no Órgão Oficial da Prefeitura Municipal e através do portal www. Recurso inconsistente ou intempestivo será preliminarmente indeferido. não realizar a prova ou ausentar-se da sala sem autorização.4.10.incp. ausentar-se do recinto da prova sem permissão. inscrição dos candidatos.8. 8. estatístico. comprovando as alegações com citações de artigos. se necessário. e os que não contiverem dados necessários à identificação do candidato.12. a Comissão Organizadora do Processo Seletivo poderá autorizar a realização da prova nos municípios adjacentes. A interposição de recursos cartão respostas poderá ser feita somente via internet. por questão. 8. sendo soberana em suas decisões.Resposta. A data da realização das provas. independentemente de terem recorridos. 7. 8. consistindo em última instância para recursos. Os gabaritos oficiais preliminares das provas objetivas serão divulgados na Internet. 7. O recurso cujo teor desrespeite a Banca Examinadora será preliminarmente indeferido.10. recursos de recursos e/ou recurso de gabarito oficial definitivo. à instituição realizadora do Processo Seletivo será reservado o direito de cancelar. caso ocorra um número excessivo de candidatos inscritos e se confirmada a impossibilidade de locais suficientes para acomodar no Município de Italva o número de candidatos inscritos. número de inscrição e emprego.8. não devolver o Cartão-Resposta ao término da prova. poderá ser alterada por ato da Comissão Organizadora do Processo Seletivo. Em nenhuma hipótese serão aceitos pedidos de revisão de recursos. exceto em casos de erros materiais.8. for constatado por meio eletrônico. O Candidato deverá ser claro. antes de sair da sala. 7. deixar de assinar. constituindo as etapas: publicação do edital. 7.. Conteúdos e Bibliografias são os constantes do Edital/ Manual do Candidato.3 deste edital. dando ampla divulgação.8. As provas objetivas de múltipla escolha serão elaboradas com base no conteúdo programático dos níveis de escolaridade e / ou profissão.br.ESTADO DO RIO DE JANEIRO PREFEITURA MUNICIPAL DE ITALVA 7.org. 8. após as provas. via fax.11. ou não fundamentados. itens.incp. 8.12. essa alteração valerá para todos os candidatos. Se houver alteração. 7. ou de alguma de suas fases. apenas no prazo recursal.org. 8. 7. 8. 7. exceto no caso previsto no item anterior. 8.org. Na ocorrência de caso fortuito.9. e devidamente fundamentado. As provas poderão ser aplicadas em Municípios vizinhos. e outros diversos do que determina o item 8.9. consistente e objetivo em seu pleito. portando ou não o cartão de respostas.org.6.10.Italva/ RJ . o candidato poderá solicitar. a contar da publicação de cada etapa. via e-mail.13.Horário das 9 as 16 horas. por força de impugnações. ter utilizado outros procedimentos ilícitos na realização das mesmas.br no Link correspondente ao Processo Seletivo Público. 8.incp. 8. É de inteira responsabilidade do candidato acompanhar as publicações de todos os atos e Editais referentes ao presente Processo Seletivo. para dissipar eventual dúvida sobre as alternativas assinaladas. através do Sistema Eletrônico de Interposição de Recursos.15. de modo a viabilizar o Processo Seletivo.2. Caberá recurso ao Edital de Processo Seletivo contra erros materiais ou omissões de cada etapa. a qualquer recorrente o teor dessas decisões. 7. nomes dos autores etc.14.. que poderá ser feita somente via internet. vista do Cartão-Resposta.11. 7. a pontuação correspondente a esse item será atribuída a todos os candidatos. 8. 8. É expressamente proibido fumar durante a prova. a ser concedida através de cópia do cartão. não atender às determinações deste Edital. porém de conseqüências incalculáveis que impeça ou prejudique a realização do Processo Seletivo. não sendo possível o conhecimento do resultado via telefone ou fax. de gabarito oficial preliminar de item de provas.br. individualmente. com data prevista no calendário básico. Ministério da Educação ou Órgão competente de Educação.7.13.6.10. 08 – DA APRESENTAÇÃO DOS RECURSOS 8.1. 8. no site www.

1.3. terá preferência o candidato com mais idade. O resultado final do Processo Seletivo será divulgado por meio de duas listas. para todos os empregos e persistindo o empate serão adotados. da Lei Federal nº 10.1.1. exclusivamente dos candidatos habilitados inscritos como portadores de deficiência.741. encerrando-se assim.2. A classificação dos candidatos será apresentada em ordem decrescente de pontos. até o dia de realização da prova objetiva. até o dia de realização da prova objetiva. C) Ter obtido maior nota na prova de português. terá preferência o candidato com mais idade. Somente se submeterão a prova pratica os candidatos ao emprego de Motorista B. D) Ter obtido maior nota na prova prática.1. 27.2. terá preferência o candidato com mais idade.741. A nota final da Prova Objetiva será calculada somando-se. na forma do disposto no parágrafo único do art.741.2. 50% (cinqüenta por cento) de pontos. 27. para todos os empregos públicos e persistindo o empate serão adotados.ESTADO DO RIO DE JANEIRO PREFEITURA MUNICIPAL DE ITALVA 18 horas do dia previsto no cronograma básico. fax-símile. Todos os candidatos terão sua Prova Objetiva corrigida por meio de processamento eletrônico. E) Persistindo o empate. 9.16. 8. nesta ordem e sucessivamente: A) Ter idade igual ou superior a 60 (sessenta) anos.3. Neste caso. sendo somente considerados habilitados os candidatos que obtiverem. 9. de 01 de outubro de 2003. C) Ter obtido maior nota na parte de português. por nome e código de inscrição.1. 9. Não serão aceitos recursos interpostos por via postal.br no Link correspondente ao Processo Seletivo Público.2. 9. apenas no prazo recursal.2. Os resultados serão divulgados em listagem por ordem classificatória. 9.1.org. na forma do disposto no parágrafo único do art. sucessivamente. nesta ordem e sucessivamente: A) Ter idade igual ou superior a 60 (sessenta) anos. as atribuições do Instituto Nacional de Concurso Publico (INCP).1. conforme disposições contidas nos site www. O desempate dos candidatos ao emprego Agente Comunitário de Saúde e Agente de Combate às Endemias obedecerá aos seguintes critérios. os seguintes critérios: B) Ter obtido maior nota na parte específica da prova objetiva (Legislação de Trânsito).2. de acordo com a classificação obtida do maior para o menor: Emprego Motorista B Quantidade de candidatos convocados para prova pratica 5º Página 17 de 31 . a saber:a)lista contendo a classificação de todos os candidatos habilitados. dentro do quantitativo de corte especificado abaixo. A Publicação do resultado final será na data prevista no calendário básico. 10 – DA PROVA PRÁTICA DE MOTORISTA 10. situada na Rua Olivia Faria nº 164 Centro. nesta ordem e sucessivamente: A).1. de 01 de outubro de 2003. desde que aprovado na prova escrita objetiva de múltipla escolha.4. O desempate dos candidatos ao emprego de Motorista com prova prática obedecerá aos seguintes critérios. simplesmente os pontos de todas as questões. 8. A Publicação do resultado preliminar e gabarito pós-recursos será no dia com data prevista no calendário básico.1. de 01 de outubro de 2003.Italva/ RJ . e-mail. D) Ter obtido maior nota na prova Títulos. inclusive os inscritos como portadores de deficiência. Ter idade igual ou superior a 60 (sessenta) anos. com acesso pelo candidato com o fornecimento de dados referentes a inscrição do candidato. de acordo com o Cronograma do Processo Seletivo. 9.1. já considerando os critérios de desempate. O desempate dos candidatos obedecerá aos seguintes critérios. em listagem específica com nota final.incp. até o dia de realização da prova objetiva. o candidato deverá dirigir-se ao setor do PROTOCOLO GERAL DA PREFEITURA MUNCIPAL DE ITALVA.1. Todo o processo de convocação e contratação do candidato classificado no Processo Seletivo é de competência da Prefeitura Municipal de Italva. 27. contendo as notas das provas objetivas. 9. Será concedido ao candidato ao emprego de Agente Comunitário de Saúde e Agente de Combate às Endemias o direito à recontagem de pontos no prazo de 2 (dois) dias a contar da publicação do resultado da avaliação de títulos.2. para todos os empregos e persistindo o empate serão adotados. ou qualquer outro meio que não o previsto neste Edital. no mínimo. D) Persistindo o empate.1. C) Ter obtido maior nota na parte de português. da Lei Federal nº 10. 9. os seguintes critérios: B) Ter obtido maior nota na parte de conhecimentos específicos da prova objetiva. E) Persistindo o empate. exclusivamente para retificação de erro material.17. sucessivamente. da Lei Federal nº 10. sucessivamente. 9. os seguintes critérios: B) Ter obtido maior nota na parte específica da prova objetiva (quando houver). na forma do disposto no parágrafo único do art. com os desempates já realizados.Horário das 9 as 16 horas.b) lista contendo a classificação. 09 – DOS RESULTADOS E CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO DE CLASSIFICAÇÃO DOS CANDIDATOS 9.

Deverão entregar seus títulos somente os candidatos que obtiverem.org. 11. avaliará o nível de aperfeiçoamento do candidato ao emprego.2.ESTADO DO RIO DE JANEIRO PREFEITURA MUNICIPAL DE ITALVA 10. em estrita observância às normas contidas neste Edital. d) Não usar devidamente o cinto de segurança.1. sem estar o freio de mão inteiramente livre. c) Utilizar ou interpretar incorretamente os instrumentos do painel do veículo. A prova prática tem caráter eliminatório e classificatório. as demais infrações elencadas no capítulo XV do Código Brasileiro de Trânsito. As provas prática serão realizadas na Cidade de Italva-RJ.5. 10.1.2. f) Desobedecer a sinalização da via ou ao agente da autoridade de trânsito. LOCAL: Biblioteca Pública Machado de Assis ENDEREÇO: Rua Olivia Faria nº 161 – Centro .4. sendo que esta comunicação não tem caráter oficial apenas informativo. 11. de forma generalizada. Faltas leves: a) Provocar movimentos irregulares no veículo.3. e) Manter a porta do veículo aberta ou semi-aberta durante o percurso da prova ou parte dele. com nome. 10. no que couber. Os candidatos à Qualificação de Motoristas serão submetidos ao Teste de Habilidade Específica em direção veicular. na prova escrita.1.3.4. Página 18 de 31 . em local que será publicado no quadro de avisos da Prefeitura Municipal e no site da organizadora INCP www. Os candidatos convocados para esta fase deverão comparecer no local indicado para a realização da prova 1 (um) hora antes do horário fixado para seu início.2.2. e colocada dentro do envelope de remessa e devidamente lacrado. desde que acompanhado do original. a sua leitura e avaliação.2.2. no verso. O envelope com o Requerimento de Títulos e os títulos deverá ser entregue no local. A análise dos documentos comprobatórios dos títulos.4.2.br. c) Não sinalizar com antecedência a manobra pretendida ou sinalizá-la incorretamente. com assinatura logo abaixo do último título.1. no todo ou parte dele. c) Faltas leves: 01 ponto.3. número de inscrição e denominação do emprego ao qual o candidato concorre.4. 10. b) Não observar as regras de ultrapassagem ou de mudança de direção. podendo ser ainda observadas. Faltas Graves: a) Perder o controle da direção do veículo em movimento. 10. horário e datas seguintes: 11. documento de identidade.7. 10.incp. 10.1. O candidato ao emprego de Motorista que não comparecer a Prova Pratica será excluído do Concurso. completa e corretamente.2. após o início da prova. dispensada a autenticação cartorial. e) Fazer conversões incorretamente.1 Em caso de empate com o último classificado. PERÍODO: 06 e 07 de abril de 2011. caso contrário não poderão efetuar a referida prova. médias e leves. que é de 50% (cinqüenta por cento) do total de pontos.6. farão prova prática todos os candidatos que obtiverem a mesma nota do último convocado.br. sem motivo justificado.1.2. 10. durante o Teste de Habilidade Específica de prática de direção veicular. b) Colocar o veículo em movimento sem observar as cautelas necessárias. 10.1.Italva /RJ 11. 11 – DAS PROVAS DE TÍTULOS DOS ACS E AGENTE DE COMBATE ÀS ENDEMIAS 11. Os candidatos convocados para a prova prática. 11. para ser visado pelo conferente que os receber.5. Não serão considerados os documentos que não estejam em perfeitas condições. por fotocópia. no site www. de forma a permitir. b) Faltas médias: 02 pontos.2.2.incp. A Prova Prática de Direção Veicular terá caráter classificatório e eliminatório e valerá 20 (vinte) pontos. bem como aquelas classificações em faltas gravíssimas. terão seus nomes e respectivas pontuações divulgados no quadro de avisos da Prefeitura Municipal e no site www. será considerada a seguinte pontuação: a) Faltas graves e gravíssimas: 03 pontos. fornecido pelo candidato. c) Interromper o funcionamento do motor sem justa razão.1.incp. ou no ato da entrega de títulos. totalizando 20 pontos. 11. 11. A obtenção do Requerimento de Títulos do candidato poderá ser feita pela Internet. o percentual mínimo exigido para a aprovação.6. 11. e ser identificado.4. devendo os candidatos que participarem dessa fase comparecer no local de realização da mesma. Faltas médias: a) Executar o percurso da prova. Para quantificar as faltas e/ou transgressões cometidas pelos candidatos à Qualificação de Motorista. f) Usar o pedal de embreagem antes de usar o pedal de freio nas frenagens. 10. HORÁRIO: das 10 às 16 horas.3. d) Ajustar incorretamente o banco do veículo destinado ao condutor. 10. f) Dar partida ao veículo com a engrenagem de tração ligada. conforme cronograma do Concurso Público.org. b) Não ajustar devidamente os espelhos retrovisores. para ser preenchida.br. 10. com clareza. Os itens anteriormente relacionados são exemplificativos.3.org.1.1. valendo um total de 10 (dez) pontos. sendo considerados aprovados apenas os candidatos que obtiverem o percentual mínimo de 50%(cinqüenta por cento) de aproveitamento nas provas. d) Engrenar ou utilizar as marchas de maneira incorreta durante o percurso. e) Apoiar o pé no pedal da embreagem com o veículo engrenado e em movimento. O envelope.4. 11. graves. O título será entregue no local. quando serão observados especificamente os itens abaixo relacionados: 10.1.1. deverá conter o Requerimento de Títulos e as cópias dos títulos.

7.4. com carga horária expressa. por espécie (no caso de o candidato haver participado de mais de um curso com o mesmo conteúdo programático. sem prejuízo das sanções penais aplicáveis à falsidade de declaração. agenda eletrônica. para pontuação.1. visual.br. admitindo-se.8. a apresentação de declaração ou documentos falsos ou inexatos e/ou a não apresentação dos documentos exigidos. portando ou não o cartão de respostas. quer na sala. estatístico. for surpreendido em comunicação com outro candidato ou pessoa não autorizada. 11. nem os que não atenderem às especificações contidas neste Edital. para pontuação. telefones celulares ou qualquer tipo de consulta durante o período de realização de sua prova. não comparecer ao local. deverá ser comprovado por cópia legível do certificado. tais como Editais. denotando contribuição para o aperfeiçoamento de seu exercício. Página 19 de 31 . telefone celular.o) quando. infracionáveis. nulidade da habilitação e perda dos direitos decorrentes. b) durante a realização da prova. notebook. exigido para o exercício do emprego. por curso com um mínimo de 81 (oitenta e um) e o máximo de 160 (cento e sessenta) horas de aulas. Verificada.8. por curso com um mínimo de 41 (quarenta e um) e o máximo de 80 (oitenta) horas de aulas. Não serão considerados os documentos ilegíveis.1.8. Não serão recebidos títulos por fax-símile. c) 3 (três) pontos. Serão computados. já finalizado.8.incp. admitindo-se.7.n) não mantiver atualizado seu endereço junto ao INCP (até a homologação do Processo Seletivo) ou à Prefeitura Municipal de Italva (após a homologação do Processo Seletivo). b) 2 (dois) pontos. para pontuação. Não será aceita a entrega de títulos antes ou depois das datas previstas neste Edital. e deverão ter cargas horárias explícitas. em qualquer documento. para pontuação.1.3. 13 – DAS DISPOSIÇÕES GERAIS 13. 11. admitindo-se. convocações e resultado final da Prova Objetiva na página do Processo Seletivo no endereço eletrônico www.f) desrespeitar membro da equipe de fiscalização ou perturbar a ordem e a tranqüilidade necessárias à realização da prova. somente sendo aceitos cursos da área de conhecimentos específicos do emprego de Agente Comunitário de Saúde e Agente de Combate às Endemias. por curso com um mínimo de 161 (cento e sessenta e um) ou mais horas de aulas. 11. 13. for constatado – por meio eletrônico. apenas os cursos cuja avaliação indique sua correlação com as atividades do Agente Comunitário de Saúde e Agente de Combate às Endemias. m) quando. Manual do Candidato.enviado pelos Correios ou e-mail. d) 4 (quatro) pontos.8. local de prova.8.8.2.h) não realizar a prova ou ausentar-se da sala sem autorização. ou conclusão de ensino médio não será computado como título de aperfeiçoamento e não deverá ser enviado para avaliação. para avaliação. até 2 (dois) títulos desse tipo. etc). processo de inscrição. após sua convocação. 12 – DA ELIMINAÇÃO DO CANDIDATO DO PROCESSO SELETIVO PÚBLICO 12. até 2 (dois) títulos desse tipo.2. 11. até 2 (dois) títulos desse tipo. quer nas dependências do seu local de prova ou banheiros. infracionáveis. até 2 (dois) títulos desse tipo. infracionáveis. O aperfeiçoamento. infracionáveis.8. data e hora designados. palmtop.8.g) descumprir quaisquer das instruções contidas na capa da prova.l) não atender às determinações do presente Edital e de seus Anexos. Além do disposto neste Edital. grafológico ou qualquer meio em Direito admitido – ter o candidato se utilizado de meios ilícitos.5. quer na sala. O candidato poderá obter informações e orientações sobre o Processo Seletivo.6. como títulos. Para o emprego de Agente Comunitário de Saúde e Agente de Combate às Endemias. 11.ESTADO DO RIO DE JANEIRO PREFEITURA MUNICIPAL DE ITALVA 11. após a prova. com rasuras ou emendas. gravador. computados da forma seguinte: a) 1 (um) ponto.d) utilizar-se de livros. 11. levando ou conduzindo) armas ou aparelhos eletrônicos (bip. quer nas dependências do seu local de prova. 11. máquinas calculadoras e similares. declaração falsa ou inexata. códigos. isso importará em insubsistência da inscrição. e com o certificado fornecido por instituição reconhecida. em qualquer época. mesmo que em diferentes instituições).j) deixar de assinar o cartão de respostas ou a lista de presença. impressos. c) for surpreendido durante o período de realização de sua prova portando (carregando consigo.I) não devolver o cartão de respostas. resultados das provas. admitindo-se. 11. o esforço de aperfeiçoamento do candidato será valorizado com a pontuação máxima de até 10 (dez) pontos. também poderá ser eliminado do Processo Seletivo o candidato que: a) chegar ao local de prova após o fechamento dos portões ou comparecer para a realização da prova em local diferente do designado. walkman. O certificado de conclusão do ensino fundamental. receptor. gabaritos.org.e) fizer. por curso com um mínimo de 08 (oito) e o máximo de 40 (quarenta) horas de aulas. pagers. Não haverá atribuição de pontos cumulativos e a pontuação será atribuída a um só título. Os títulos serão enviados à Comissão Especial Organizadora do Processo Seletivo Público.

de 5 de outubro de 2006. A Prefeitura Municipal de Italva e o Instituto Nacional de Concurso Publico – INCP não se responsabilizam pelo fornecimento de quaisquer cursos.br não terão caráter oficial. Toda menção a horário neste Edital terá como referência o horário de Brasília. no que tange à realização deste Processo Seletivo Público. do Curso Introdutório de Formação Inicial e Continuada. deixar de fornecer a documentação exigida ou for INAPTO nos exames médicos pré-admissionais será eliminado do Processo Seletivo Público. A homologação do Processo Seletivo e as convocações são responsabilidades e competência da Prefeitura Municipal de Italva. 13. 13. divulgar os resultados das provas. após o término de sua prova.incp. com aproveitamento. O candidato ao emprego de Agente Comunitário de Saúde deverá freqüentar Curso Introdutório de Formação Inicial e Continuada. não cabendo ao candidato qualquer recurso quanto às normas contidas neste Edital. Os prazos para interposição e recursos em qualquer fase deverão ser contados com estrita observância da hora e dia de sua publicação oficial. 13.org. As disposições e instruções contidas no Manual do Candidato. providenciar a publicação final dos resultados.19. O não cumprimento a essa determinação poderá ocasionar sua ausência à convocação no prazo previsto. O candidato convocado que não se apresentar no local e prazos estabelecidos. O candidato classificado. A contratação do AGENTE COMUNITARIO DE SAÚDE e AGENTE DE COMBATE ÀS ENDEMIAS. juntamente com a Comissão Organizadora. à rigorosa ordem de classificação. em função da disponibilidade de vagas futuras. e ao prazo de validade. prestar às autoridades competentes as informações necessárias sobre o andamento do certame. 13. assim. 13.15. os quais deverão permanecer vinculados a programas custeados pelas esferas Federais e/ou Estaduais. exame este de caráter eliminatório e que constitui condição e pré-requisito para que se concretize sua nomeação. 13. também constituem normas que complementam o presente Edital.16. 13. quando convocado. 13. somente ocorrerá após a conclusão. obrigados a acompanhar todas as publicações oficiais relativas ao Processo Seletivo. deverá submeter-se a exame médico para avaliação de sua capacidade física e mental para exercício do emprego.1. 13. A legislação com entrada em vigor após a data de publicação deste Edital. poderão ser divulgadas outras normas complementares ou avisos oficiais. Caso haja necessidade de alterações nas normas contidas neste Edital. 13. 13.10.8. O prazo de impugnação deste Edital será de 15 (quinze) dias corridos a partir da sua data de publicação.10.6. a ser oferecido pela Secretaria Municipal de Saúde.br. o candidato será considerado desistente.12. por qualquer dos entes referidos.incp. 13. caso haja necessidade futura de comparação de dados.5.11.4. os candidatos apresentarão os documentos comprobatórios do atendimento aos requisitos especificados no quadro de vagas. 13. 13. 13.10.2.8. será definido em contrato administrativo. se houver alguma tentativa de fraude no processo.1. apostilas ou outras publicações referentes a este Processo Seletivo. 13. os candidatos serão comunicados através da Imprensa Oficial Local e/ou através do Portal www.21. Os resultados divulgados no site www. Caso o candidato não possa comprovar o exigido. ficando a concretização desse ato condicionada à observância das disposições legais pertinentes.350.org. Quaisquer alterações nas regras fixadas neste Edital só poderão ser feitas por meio de Edital de Retificação. Deliberar sobre os pedidos de inscrição e casos omissos não previstos neste Edital.19.7.17. A inscrição no Processo Seletivo implicará a aceitação irrestrita das condições estabelecidas. excetuando-se aqueles que digam respeito a questões relativas à matéria de prova. Os candidatos poderão ser fotografados em cada sala de provas. À Comissão Organizadora de Processo Seletivo compete: 13. Sempre que necessário.9. conforme declaração na ficha de inscrição e aceitação no processo de inscrição pelo site. sempre que requisitadas. O Regime Jurídico.20 de janeiro de 2011. implica justa causa a cessação do vínculo empregatício.18.20. Ficam. 13. O candidato será responsável pela atualização de seu endereço residencial junto ao setor competente da Prefeitura Municipal de Italva enquanto este Processo Seletivo estiver dentro de seu prazo de validade. O candidato.ESTADO DO RIO DE JANEIRO PREFEITURA MUNICIPAL DE ITALVA 13.3. conforme fixa a Lei nº 11. será desclassificado por não atender às condições legais exigidas para o emprego. site na Internet e nas capas das provas.1.14. 13. Joelson Gomes Soares Prefeito Página 20 de 31 . A extinção ou o desfinanciamento do programa. no qual serão investidos os candidatos aprovados e contratados. bem como alterações em dispositivos legais e normativos a ele posteriores não serão objeto de avaliação nas provas do Processo Seletivo. no regime administrativo especial. apreciar os recursos apresentados. Nesse caso. 13. Os casos omissos serão resolvidos pelo INCP. Os Candidatos classificados excedentes às vagas atualmente existentes farão parte do banco de concursados durante o prazo de validade do Processo Seletivo e poderão ser convocados. Italva (RJ).13. 13. sendo meramente informativo. não poderá permanecer no estabelecimento onde a mesma foi realizada. Somente quando convocados para contratação. 13. a critério da Prefeitura Municipal de Italva.

Luís Antonio. Frase e oração. antônimos. RJ. divisor ou fator.NÍVEL ELEMENTAR – ALFABETIZADO Auxiliar de Serviços Gerais.denatran. Frações e números decimais. Problemas envolvendo números inteiros. Pontuação. et allii. Ática.gov. fatoração. prosódia. parônimos e homônimos. Douglas. divisão. CONHECIMENTOS GERAIS E/OU LOCAIS: Sobre o Município e atualidades: Assuntos de interesse geral nas esferas: Municipal. Ortoépia.italva. FERREIRA. Regência Verbal e Nominal. PROGRAMA DE MATEMÁTICA: Conjuntos: Determinação de conjuntos. Elementos da comunicação: emissor. fatoração completa. dígrafos. Ordenação. Emília. televisão e/ou sites na internet. FERREIRA. Números Naturais: Conceito. Dízimas periódicas simples e compostas. Fonemas: vogais e consoantes. ênfase em Substantivos e Adjetivos. Problemas envolvendo sistema monetário brasileiro. TUFANO. Página 21 de 31 . Sistemas de Numeração. Números Racionais: Conceito. Igualdade de conjuntos. Semântica: denotação e conotação. televisão e/ou sites na internet. Gramática. subtração. Comparação. SP.br/download/Resolucoes/RESOLUCAO_CONTRAN_160. revistas. Expressões numéricas com números racionais.denatran. Noção elementar numérica e gráfica de conjuntos. Sintaxe: frase e oração. rádio. FERREIRA. número e grau. Ed. Resoluções do CONTRAN 160 e 168. intersecção. Concordância Verbal e Nominal. Operações com números naturais (adição.com/ ESCOLARIDADE . BIBLIOGRAFIA: AMARAL. CONHECIMENTOS GERAIS E/OU LOCAIS: Sobre o Município e atualidades: Assuntos de interesse geral nas esferas: Municipal. Ordenação. Cássia Leslie. Fonologia: letra. Números primos. Livro Didático “De Olho no Futuro”.br/download/Resolucoes/RESOLUCAO_CONTRAN_168. Aurélio Buarque de Holanda. 4ª série. Decomposição em fatores primos. divisão. irregulares e auxiliares. sinônimos. BIBLIOGRAFIA: http://www. Acentuação tônica e gráfica. Nova Fronteira. Mauro. Novo Dicionário da Língua Portuguesa. Problemas com números naturais. Gramática. FTD. multiplicação. amplamente veiculados na imprensa escrita e/ou falada (jornais. Ed. multiplicação. Nossa Gramática. Ortografia. Problemas envolvendo números racionais. Novo Dicionário da Língua Portuguesa. divisão silábica. Cozinheira PROGRAMA DE PORTUGUÊS: Gramática. haver. Ed. Agente Comunitário de Saúde. Ortografia. Operações (adição. BIBLIOGRAFIA: FARACO & MOURA. Significação das palavras: sinônimos e antônimos. Múltiplos e Divisores (Seqüências. estar) – conjugação em todos os modos e tempos simples e formas nominais. ter. diferença e complementar). subtração. Pontuação.pdf ESCOLARIDADE . Divisão silábica. PROGRAMA DE MATEMÁTICA: Adição. www. ambigüidade. volume único. MDC E MMC. critérios de divisibilidade. Celso Ferreira da Gramática de Base.gov. rádio. Acentuação tônica e gráfica. Atual Editora. CUNHA.gov. multiplicação e divisão de números naturais. amplamente veiculados na imprensa escrita e/ou falada (jornais. subtração.com/ CONTEÚDOS ESPECÍFICOS PARA MOTORISTA MOTORISTA: Código de Transito Brasileiro e suas alterações. potenciação e raiz quadrada). multiplicação. www. potenciação e raiz quadrada).br http://www. FTD. GIACOMOZZI. Giglio et allii. Relações de pertinência e inclusão. TERRA. Equivalência.pdf http://www. Ortografia. MEC/ FENAME. Conjugação de verbos pronominais. Termos essenciais da oração: sujeito e predicado. Aurélio Buarque de Holanda. encontros vocálicos e consonantais. Operações com números inteiros (adição. mensagem. orações coordenadas e subordinadas. Verbos regulares. Substantivos e Adjetivos: gênero e número. Operações com conjuntos (união. Ed. Crase. Estadual e Nacional. Colocação pronominal (próclise.). fonema. Quinteto Editorial. Nova Fronteira. Ed. sílaba e divisão silábica. divisão. Sintaxe: termos das orações. Agente de Combate às Endemias CONTEÚDOS GERAIS PROGRAMA DE LINGUA PORTUGUESA: Leitura e interpretação de textos. Scipione. et allii. Classes de palavras: identificação e flexões. ênclise e mesóclise). Estudos de Gramática. Verbos – regulares e auxiliares (ser. Números Irracionais. Expressões numéricas com números naturais. Problemas de contagem.NÍVEL FUNDAMENTAL INCOMPLETO (4ª série ou 5º ano) Motorista PROGRAMA DE LINGUA PORTUGUESA: Leitura e interpretação de textos. SP. Verbos regulares.ESTADO DO RIO DE JANEIRO PREFEITURA MUNICIPAL DE ITALVA ESCOLARIDADE . potenciação e raiz quadrada).NÍVEL FUNDAMENTAL COMPLETO (9º ANO) Auxiliar Administrativo. Ed. Expressões numéricas com números inteiros. Comparação. GARCIA. código. Estadual e Nacional. receptor. Ernani.italva.denatran. Gramática. Pontuação. Acentuação tônica e gráfica. Problemas envolvendo números naturais. Módulo. Números Inteiros: Conceito. revistas. Classes de palavras: substantivos e adjetivos – flexões de gênero. Partição de conjuntos. Moderna. SACCONI. subtração.

7ª. Laercio Correia de. revisão técnica Wagner Luiz Zucchi. Componentes básicos de um PC: CPU.. Planilhas eletrônicas e Processadores de Texto (Microsoft Office). 6ª. BIBLIOGRAFIA: BIANCHINI. satisfação do usuário e do trabalhador. Matemática na medida certa: 5ª. 2° ed. Matemática. BIGODE. Maria Isabel N. Sentenças e Proposições. 5ª ed.. N. Conhecimentos geográficos da área/região/município de atuação. Sistema de Informação em Saúde. do adolescente. 127 p. ed. Cadastramento familiar e territorial: finalidade e instrumentos. Gráficos e tabelas para tratamento da informação. 26. Participação e mobilização social: conceitos. Laércio. Proposições condicionais e bicondicionais. 1398 p. Promoção da saúde: conceitos e estratégias. Porcentagem. potenciação e raiz quadrada). São Paulo: Makron Books. Matemática: 5ª. il. subtração. 2002. amplamente veiculados na imprensa escrita e/ou falada (jornais. 4. Domínio e Imagem. tipos. 17. Pen Drive. Dispositivos de entrada e saída. 8. il. 24. microárea e área de abrangência. Kit multimídia: placa de som.São Paulo: Makron Books 214 páginasISBN-13: 9788534614122 MANZANO. São Paulo: Editora FTD. Polinômios e suas operações. c2006. ISBN [Broch. powerpoint. 16. São Paulo: Scipione. Tadeu (Org.Introdução ao Microsoft Windows 2000 Professional . 2001. Cálculo Algébrico: Fatoração. M. Domínio e imagem de uma função. Dicas arrasadoras para Office: excel. ISBN-13: 9788534614047 EXCEL 2002 PASSO A PASSO LITE. diferenças e interdependência. Edwaldo. Problemas envolvendo números reais. Áreas das principais figuras planas. Estadual e Nacional. Formas de aprender e ensinar em educação popular. Informática: conceitos básicos. 4ªed. ISBN (Broch. 14. A função como relação entre dois conjuntos. 21.. Editora Scipione: São Paulo. volume. 2005. G. Tudo é Matemática: 5ª. Simplificação de frações algébricas.2004 Ned Snell . Informação. 19. CD-ROM. Grandezas e Medidas: Comprimento. Estratégia de avaliação em saúde: conceitos. Marcelo. 2000.. 7. xii. Hoje é feito Assim. Funções: A noção de função.com/ CONTEÚDOS ESPECÍFICOS DO NIVEL FUNDAMENTAL COMPLETO (9º ano) AUXILIAR ADMINISTRATIVO: Aplicação da informática. MACHADO. a negação. Internet. 7ª e 8ª séries. David L. André Luiz N. ed. São Paulo: Addison-Wesley. 22. Memória. Intersetorialidade: conceito e dinâmica políticoadministrativa do município. eficiência e efetividade em saúde coletiva. instalações. Microsoft Word 2002: passo a passo.Aprenda Microsoft Windows Xp Em 21 Dias . rev.italva.. VELLOSO. São Paulo: Ática. 5. M. STIENECKER.). 6ª. Fernando de Castro. multiplicação. J. 6ª. 5ª a 8ª séries. Processo saúdedoença e seus determinantes/condicionantes. ISBN (Enc. Estudo dirigido de informática básica. humanização do cuidado. Semelhança. Congruência. DANTE. Técnicas de levantamento das condições de vida e de saúde/doenças da população. ROSS. infância desprotegida. 7. São Paulo: Livros Érica. Matemática e Vida: 5ª. a conjunção e a disjunção. Tradução de Arlete Simille Marques. São Paulo: FTD. desemprego. 240 p. Sistemas de equações e inequações.207 p. Conceitos e critérios de qualidade de atenção à saúde: acessibilidade. ed. 7. John Paul . culturais e epidemiológicos.. Redes de computadores e a internet: uma abordagem top-down. drive de CD-ROM. São Paulo: Makron Books. 10. Rio de Janeiro: Axel Books. Serviços públicos. Princípios e Diretrizes do Sistema Único de Saúde e a Lei Orgânica da Saúde. área. Conceitos de eficácia. Potências de 10 e Notação Científica. São Paulo: Digerati Books. 25. 2. Lideranças: conceitos. Meios de transmissão. xxxvi. Principais problemas de saúde da população e recursos existentes para o enfrentamento dos problemas. GIOVANNI. Jose e LELLIS. Operações (adição. BIBLIOGRAFIA: Página 22 de 31 . 24 cm. 7ª e 8ª séries. 12. São Paulo: Makron Books. Ed. divisão. e LELLIS. IEZZI. J. analfabetismo. Lógica? É lógico. tipos e características das impressoras. ferramentas de navegação. Gráficos. JAKUBOVIC. L. James F. fatores facilitadores e/ou dificultadores da ação coletiva de base popular. Noções de ética e cidadania. 20. CONHECIMENTOS GERAIS E/OU LOCAIS: Sobre o Município e atualidades: Assuntos de interesse geral nas esferas: Municipal. Equações de 1° e 2° graus: Resoluções de equações.Aprenda em 24 Horas Internet . xx. O Sistema Operacional: Windows XP. 250 p. São Paulo: Moderna. e atual. Possibilidades e chances. xiii. tipos e processos de constituição de lideres populares. Keith W. Gelson et al. instrumentos e técnicas. 18. Matemática e realidade. Representações na reta. 9. Zeros ou raízes. 634 p. Juros. Razões e Proporções. capacidade. 5ª. Saúde da criança. Rio de Janeiro: Elsevier. 11. Luiz Roberto. Ajuda dos Softwares da Microsoft. outros. do adulto e do idoso. conceito e formas de conexão. Resoluções de problemas envolvendo equações. 5ª a 8ª séries. Correio eletrônico. 7ª e 8ª séries. Ângulos. (Coleção P. PC ideal. : 5ª. Estatuto da criança. 13. medidas facilitadoras de inclusão social e direito legais. TORRES. AGENTE COMUNITÁRIO DE SAÚDE: 1. abordagem. 6ª. Expressões algébricas.). Comunicação de dados. ISBN Broch. Indicadores epidemiológicos. access. do adolescente e do idoso. 7ª e 8ª séries.. IMENES. Área de círculo). O uso dos conectivos. São Paulo: Ática. BONJIOVANNI et al. Características de microprocessadores. il. Função de 1° e 2° graus: Conceito. 23. 6. CARMONA. 3. Geometria Plana: Noções Fundamentais. Relações Métricas e Razões Trigonométricas de um Triângulo Retângulo. 2001. A Conquista da Matemática. massa e tempo. G.. 2ª ed. 2007.]. Noções de estatísticas e probabilidade. Como ter mais MHz. D. processos migratórios.).). il. Expressões numéricas com números reais. A. 15. equidade. MB e GB no seu PC gastando pouco. São Paulo: Atual. Problemas. Perímetro. outros. Jerry .Editora Campus. Lógica: Quantificadores. rádio. word. KUROSE. 407 p. Matemática para todos. ISBN (Broch. Análise dos gráficos. 8ª séries. il. 334p. VASCONCELOS. www. Critérios operacionais para definição de prioridades: indicadores sócioeconômicos. José Rui e outros. Revisão técnica Marcelo Ferreira dos Santos. 1ª ed. VASCONCELOS FILHO. ISBN (Broch. MMC e MDC.Editora Makron. Rio de Janeiro: Scipione. Gabriel. L. educação e comunicação: conceitos. Produtos Notáveis.). Valor numérico. 2004. Jogos e enigmas (coleção). 7ª e 8ª séries. Apresentador de Slides. Condições de risco social: violência. Equivalência de proposições. revistas. BIBLIOGRAFIA: Honeycutt. televisão e/ou sites na internet. Conceito de territorialização.). il. 6ª.Editora Campus. MANZANO. sistemas. Revisão técnica Acyr de Azevedo Marques. ISBN (Broch. 4. conceitos básicos. Hardware. Hardware: curso completo. Polígonos. 6ª.). Círculo e Circunferência (comprimento da circunferência e de arcos.ESTADO DO RIO DE JANEIRO PREFEITURA MUNICIPAL DE ITALVA Números Reais: Conceito. São Paulo: Moderna. Gerenciamento de Banco de dados. Cultura popular e sua relação com os processos educativos. ausência ou insuficiência de infra-estrutura básica. Interpretação demográfica. Mueller. renovada. Pessoas portadoras de necessidades especiais..

CARVALHO. ed. .gov.pdf> 5. A.aracati. ALMEIDA. N.epsjv. ed – Brasília: editora do Ministério da Saúde. A pessoa com deficiência e o Sistema Único de Saúde / Ministério da Saúde.gov.br/portal/pdfs/13_ Biblioteca/ Publicacoes/mobilizacao_social. Noções de ética e cidadania.inea. BRASIL .. A. A saúde de adolescentes e jovens : uma metodologia de auto-aprendizagem para equipes de atenção básica de saúde : módulo básico / Ministério da Saúde. proteção e recuperação da saúde.pdf> 3.gov.html>. Naomar de. BRASIL. Sistema de Informação em Saúde para os Municípios. Legislação de Saúde). HumanizaSUS: documento base para gestores e trabalhadores do SUS. Estatuto do Idoso / Ministério da Saúde.sc.pdf BRASIL.br/portal/arquivos/pdf/manual_roedores. 10. Secretaria do Ambiente.gov.saude. Banco de Conhecimento e Estudos Temáticos da Assembléia Legislativa do Estado de Minas Gerais. 79. Introdução a Epidemiologia. Regulamento técnico da inspeção sanitária de alimentos. Disponível em: < http://bvsms. Departamento de Vigilância Epidemiológica. Disponível em: <http://bvsms. Dengue. WERNECK.uem. 12. Estatuto da Criança e do Adolescente / Ministério da Saúde. Fundação Nacional de Saúde. E. 11. Portaria 1428. Política Nacional de Promoção da Saúde / Ministério da Saúde. Coordenação de Saúde da Comunidade: Brasília Ministério da Saúde.pdf>.saude. ações em saúde.saude.pdf > 6.html>. O território da Saúde: A organização do sistema de saúde e a territorialização. 2006. 13. Medidas preventivas para controle de vetores e pragas urbanas. Disponível em: < http://dtr2004. Visita Domiciliar.080 e 8. C.saude. Ministério da Saúde.planalto. Legislação de Saúde).br/editora/produtos/livros/popup/05_0118. Fundação Nacional de Saúde. 2006. Disponível em:< http://www. 2000. BARRIOS. LOPES. Disponível em: < http://www. gov. O Conceito de Saúde e do Processo Saúde e Doença. G. Brasília.R.142. M. B. n. de. de 20/11/1993. MASSAROLI.142/90).br/ bvs/publicacoes/estatuto_idoso_2ed. Vigilância em Saúde Pública.gov.saude. Ministério da Saúde. BRASIL.. 3. – (Série E.Brasília: Fundação Nacional de Saúde. br/legis/portarias/1428_93. TORO A. 2000. 9.fiocruz. 70 p.saude. Lei 8080 de 19 de setembro de 1990 e Lei 8142 de 28 de dezembro de 1990. – 2. 2010. – 2. dataprev. LOPES. – Brasília : Editora do Ministério da Saúde.gov. Cedes. – (Série E. Departamento de Ações Programáticas Estratégicas.saude.pdf>. Disponível em: <http://www.br/gestores/sala_de_leitura/ saude_ e_cidadania/ed_06/index. INSTITUTO ESTADUAL DO AMBIENTE. Disponível em: <http://www. – Brasília : Ministério da Saúde.gov. Secretaria de Vigilância em Saúde. LISBOA. Dispõe sobre as condições para a promoção. Ministério da Saúde. 2. roedores e animais peçonhentos em estabelecimentos comerciais e residências. ed. Ana Paula Serrata. Disponível em: < http://bvsms.gov.inea.br/portal/saude/profissional/area. Lei Nº 8. Disponível em: < http://www.080 . Revista Saúde e Cidadania. 408 p. Núcleo técnico da política Nacional de Humanização. J. 7. 2009. Cad. Planejamento em Saúde.br/bvs/publicacoes/pessoa_ deficiencia_sus_2ed. Educação popular. p. Disponível em: < http://www.ESTADO DO RIO DE JANEIRO PREFEITURA MUNICIPAL DE ITALVA 1. Revista Saúde e Cidadania.almg. BRASIL. M.br/gestores/sala_de_leitura/saude_e_cidadania/ed_07/index. ed. Secretaria de Atenção à Saúde. S. Departamento de Ações Programáticas Estratégicas. set.gov.pdf >. E. A. AGENTE DE COMBATE ÀS ENDEMIAS: Princípios e Diretrizes do Sistema Único de Saúde (SUS) e a Lei Orgânica da Saúde (Lei 8. 1993. Departamento de Ações Programáticas Estratégicas. 2008 Abr/Jun. Manual de controle de roedores.pdf > 8. de 19 de setembro de 1990.br/gestores/sala_de_leitura/ saude_e_cidadania/ed_01/03. de O. Mobilização Social um Modo de Construir a Democracia e a Participação. INSTITUTO ESTADUAL DO AMBIENTE. E. Vetores e Pragas Urbanas. Secretaria do Ambiente.gov. 2004. Ministério da Saúde. BRASIL. da C. Distritos sanitários: concepção e organização. 3. Avaliação das áreas de risco ambiental e sanitário. saude. Visita Domiciliar: Tecnologia Para o Cuidado. Secretaria de Atenção à Saúde. BRASIL.htm >. BRASIL.br /fma/ medidas-preventivas. 16. Página 23 de 31 . 2009 Disponível em: < http://www.br/ internet/ arquivos/biblioteca/eng/eng_saneam.htm>. WALDMAN. Luis Carlos Ludovikus Moreira de. Noções básicas de doenças com Leishmaniose Visceral e Tegumentar.saude. BRASIL. Disponível em < http://portal. ampl. Atenção Básica à Saúde da criança. Ética e Cidadania. F. ed. Departamento de Vigilância Epidemiológica.– Brasília: Ministério da Saúde.pdf >. Disponível em: < http://periodicos. 2001.html>.htm>.gov.gov.br/ojs/index. Disponível em: < http://portal. BRASIL. 98p. Disponível em: < http://www. Controle de vetores. html>.htm>. BRASIL. 2007. o Ensino e a Pesquisa. Disponível em: <http://bvsms. rev. Manual de saneamento. 2002. Ministério da Saúde. a organização e o funcionamento dos serviços correspondentes e dá outras providências.funasa. Disponível em: <http://www.gov.rj. 4. Revista Saúde e Cidadania./dez. 2006. Ministério da Saúde. S.pdf>. Disponível em: < http://www. – Brasília: Editora do Ministério da Saúde. Brasília: Ministério da Saúde.asp?cat=50 >. Disponível em: < http://www. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde.br/bvs/publicacoes/politica_nacional_promocao_saude_3ed. Rev. G..br/ccivil_03/Leis/L8080. BRASIL. Disponível em: < http://bvsms.br/bancoconhecimento/tematico/EtiCid. – Brasília: Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Campinas. – 4. pdf>. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde..br/upload/ArtCient/20. ROUQUAYROL. TANCREDINI. – Brasília : Editora do Ministério da Saúde.saude.br/pdf/ ccedes/v29n79/06. 14. – 2. Ministério da Saúde. CARVALHO.sc. Esquistossomose e outras doenças infecciosas e parasitárias prevalentes. Wanda de Oliveira. MALFITANO. Doenças infecciosas e parasitárias: guia de bolso / Ministério da Saúde. J. 2009. Texto de apoio para Agente Comunitário de Saúde.br/dab/docs/publicacoes/geral/manual_siab2000. Roseli Esquerdo.Brasília: Ministério da Saúde. Cienc Cuid Saude. 114 p. Aline. Disponível em: < http://www. CASTRO.gov. Ministério da Saúde. 361-372.sc. B. 29. 2005.br/bvs/publicacoes/guia_bolso_4ed. . Departamento de Atenção Básica. J. H.pdf>. B. <http://www010.asp? cat=110>. T.gov.gov.br/sislex/paginas/42/1990/8142. et al..gov. 13a Conferencia Nacional de Saúde : saúde e qualidade de vida : políticas de Estado e desenvolvimento : relatório final/Ministério da Saúde.gov.anvisa. C. Secretaria de Atenção à Saúde.L.br/bvs/publicacoes/cd09_05a.. Malária. Disponível em: <http://dtr2001. 3ª reimpressão. O Trabalho do Agente Comunitário de Saúde. Saúde e Cidadania.org. GONDIM Grácia M.saude. de 28 de dezembro de 1990.saude. DOU. 17. EDUARDO. 7(2):241-247. Conselho Nacional de Saúde. Fundação Nacional de Saúde. ed. atual. ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan.php/CiencCuidSaude/ article/view/ 5012/3247>. ROSA.. Departamento de Ações Programáticas Estratégicas. Ministério da Saúde.br/ gestores/sala_de_leitura/saude_e_cidadania/ ed_02/ 04_ 01. de P. Brasil.SIAB: Manual do Sistema de Informação de Atenção Básica/Secretaria de Assistência e Saúde. Atenção Integrada às doenças Prevalentes na infância (AIDPI). demandas e intervenções sociais: o papel dos Agentes Comunitários de Saúde.gov. Disponível em:< http://www. Secretaria de Atenção à Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde.cfm?id_area=1108 > 2. Maria Zélia. D.br/fma/vetores-pragas-urbanas. M.rj. rev. BIBLIOGRAFIA: ALMEIDA FILHO. BRASIL. 2008. BRASIL.scielo. BRASIL. Rosita. vol. Lei Nº 8. – Brasília: Editora do Ministério da Saúde. FERREIRA. 15. SAUPE. Secretaria de Políticas de Saúde. Conselho Nacional de Saúde. 2003.sc. Secretaria de Atenção à Saúde. – 3.saude. Noções Básicas de epidemiologia. meio ambiente e saneamento.

ocular. vigilância epidemiológica. relativos). Noções de Estatísticas. Legislação do SUS (Sistema Único de Saúde).saude. Ed. nasal. Assistência de enfermagem a pacientes em situação de urgência. IEZZI. pré-escolar. Matemática para o Ensino Médio. sufixos e radicais. renal. 2002. ISBN 85-7346-032-6 Disponível em http://portal. Concordância nominal e verbal. l. Matemática. Geometria de Posição Espacial. Relações e Funções. CEREJA. 842p. 80 p – Disponível em http://dtr2001. Joyce – Avaliação em pediatria – Rio de Janeiro: Reichmann & Affonso Editores. Scipione. FERREIRA. BIBLIOGRAFIA: BEZERRA. Trigonometria. Programa de Assistência à Saúde da Mulher. Carme – Curso de enfermagem básica – São Paulo: DCL. Textos Básicos em Saúde Brasília – DF-2005. classes de palavras – identificação e flexões: substantivos. Tratado de Enfermagem Médico . pronomes (pessoais.saude. Ed. Rio de Janeiro. conotação.gov. classificação das coordenadas e subordinadas. Assistência de enfermagem ao paciente cirúrgico no pré. Números Complexos. preparo do paciente para exames. conforto e segurança ao paciente. interrogativos.saude. ed. atenção primária em saúde.br/editora/produtos/livros/pdf/05_0080_M. Gramática. 2003. de 25 de junho de 1986. retal. Logaritmos. Enfermagem Médico-Cirúrgica: Assistência de enfermagem a pacientes portadores de afecção cardiovascular. parturiente e puerpério). SUDDARTH. Gramática. Giglio. Níveis de linguagem: informal coloquial e formal culta. Ed. 2005. homônimos e parônimos. Geometria Analítica. CONTEUDO GERAIS PARA TODOS OS EMPREGOS PROGRAMA DE LINGUA PORTUGUESA: Leitura e interpretação de texto. cuidado com a higiene. Biossegurança. administração de medicamentos por via oral. conjunção. FERRÉ GRAU. Coleção Fundamentos de Matemática Elementar. Morfologia: Processo de formação de palavras: prefixos. William Roberto e MAGALHÃES. advérbios. acentuação tônica e gráfica. Binômio de Newton. Técnico de Enfermagem PSF. S. Gelson e Outros.pdf COFEN – Código de Ética dos Profissionais de Enfermagem. Progressões. 2003. 10ª ed. Ed. ENGEL. Volume único. crase. 2001. consonantais e dígrafos. revistas. respiratória. Tereza Cochar. Guanabara Koogan. 1993. Editora Ática. no parto normal e de risco e ao recém nascido normal e de risco.gov. cadeia epidemiológica. artigo. Assistência à criança nas fases de lactente. Scipione.br/portal/arquivos/pdf/guia_vig_epi_vol_l. adjetivos. escolar e adolescente no seu desenvolvimento. Função Logarítmica. Função Modular. GIACOMOZZI. encontros vocálicos. PROGRAMA DE MATEMÁTICA: Cálculo Numérico e Algébrico. indefinidos. possessivos. interjeição. Novo Dicionário da Língua Portuguesa. Guia de Vigilância Epidemiológica / Fundação Nacional de Saúde. crônico-degenerativas e processo de reabilitação. sub cutânea. www. rádio. GENTIL. Evanildo. polissemia e ambigüidade. Matemática para o Ensino Médio. Todos os Instrutores do Programa de Especifidades Regionais. Luiz Roberto. numeral. Função do 2° grau. 5. BIBLIOGRAFIA: Agenda de compromissos para a saúde integral da criança e redução da mortalidade infantil / Ministério da Saúde Secretaria de Atenção à Saúde. Disponível em http://dtr2001. Assistência de enfermagem na prevenção e controle de doenças infecto-parasitárias. otológica. 2002. Walter. RJ. irregulares e auxiliares nas formas simples e compostas. /Ministério da Saúde. Probabilidade. Geometria Métrica Espacial.gov. FACCHINI. trans e pósoperatório.498. Polinômios. televisão e/ou sites na internet. venosa. intramuscular. endócrina. pontuação. Nelson e Outros. Editora Scipione. TERRA.NÍVEL MEDIO COMPLETO Monitor do PETI. demonstrativos.br/editora/produtos/livros/pdf/05_0379_M. Sistemas Lineares. Criança e do Trabalhador. Manoel Jairo e outro. realização de curativo. Ed.ESTADO DO RIO DE JANEIRO PREFEITURA MUNICIPAL DE ITALVA ESCOLARIDADE . Brasília: FUNASA. Atual Ed. digestiva. FTD. Nova Fronteira. Volume Único. Função do 1° grau. Equações Polinomiais ou Algébricas. Ernani. Gramática da língua Portuguesa. – Brasília: Ministério da Saúde. et allii. Estudos de Gramática. amplamente veiculados na imprensa escrita e/ou falada (jornais. Prevenção e controle de infecção hospitalar. Enfermagem em Saúde Pública: Noções de epidemiologia. Gramática Reflexiva. Conjuntos. Ed. São Paulo: Editora Atual. São Paulo: Editora Saraiva. FARACO &MOURA. Figuras de linguagem. Determinantes. Função Exponencial. organização da unidade do paciente. Estadual e Nacional.italva. DANTE. Enfermagem MaternoInfantil: Assistência de enfermagem à mulher no ciclo vital (gestante.pdf Página 24 de 31 . PASQUALE &ULISSES. conjugação pronominal. Enfermagem em Saúde Mental: Integração da assistência de enfermagem às novas políticas públicas de atenção à saúde mental da criança e adulto. IEZZI. Análise Combinatória. indicadores de saúde.com/ CONTEÚDO ESPECÍFICO DO NIVEL MÉDIO TÉCNICO DE ENFERMAGEM: Fundamentos de Enfermagem: Noções básicas de saúde e doença. Aurélio Buarque de Holanda. Matemática. Ática. uso de maiúsculas e minúsculas. Gelson e Outros.s. Volume Único. Programa Nacional de Imunização.Cirúrgica. antônimos. Lucerna. 2005. neurológica e hematológica. COFEN – Lei nº 7. de tratamento. CONHECIMENTOS GERAIS E/OU LOCAIS: Sobre o Município e atualidades: Assuntos de interesse geral nas esferas: Municipal. Ortografia: emprego de letras. preposição. verbos (conjugação dos regulares. Matemática Contexto & Aplicações. Gramática Escolar da Língua Portuguesa. Conjuntos Numéricos. Caminhos para uma Política de Saúde Mental Infanto-juvenil. D. Volume Único. BIBLIOGRAFIA: BECHARA. Semântica: denotação. Matrizes. Regência nominal e verbal. ações de enfermagem com relação à aferição de sinais vitais. Geometria Plana. Sintaxe: termos das orações.pdf BRUNNER. Fonologia/ fonética: letra/fonema. vozes verbais). São Paulo: Editora Ática. Departamento de Ações Programáticas Estratégicas. Série B. Porcentagem. Editora Atual. sinônimos. Oficinista de Artes. Volume Único.

televisão e/ou sites na internet. INFANTE.Luiz Carlos. (Série . Kenya Schmidt (Org.pdf UTYAMA. KRAUSER. Ática.ESTADO DO RIO DE JANEIRO PREFEITURA MUNICIPAL DE ITALVA Manual de Normas de Vacinação. sinonímia. 114 p.saude. Carlos Alberto e TEZZA. dialetos e registros. Rio de Janeiro: UFSC. amplamente veiculados na imprensa escrita e/ou falada (jornais.Princípios e Diretrizes . Ed. Programa de Humanização do Parto: Humanização no Pré-Natal e Nascimento. FIGUEIREDO. Indicadores de saúde. 1985.saude. Nébia Maria Almeida de. Celso Ferreira e LINDLEY. (Série . Doenças infecciosas e parasitárias: guia de bolso.Auxiliar de Enfermagem.gov. CONHECIMENTOS GERAIS E/OU LOCAIS: Sobre o Município e atualidades: Assuntos de interesse geral nas esferas: Municipal.Disponível em http://dtr2001. Contextualizando o auxiliar de enfermagem na assistência ao adulto e ao idoso. Atual Ed. Luiz. São Paulo:LOYOLA. MALETTA.br/editora/produtos/livros/pdf/05_0661_M.saude. Coesão e coerência textuais.6ª ed. Administração na saúde e na enfermagem. . ed. SOUSA. Carlos Henrique Mudado. Testes Diagnósticos. Técnicas fundamentais de enfermagem. William Roberto e MAGALHÃES. O Sistema Único de Saúde. sintaxe de colocação. 1997. Enfermeiro PSF.gov. Scipione. Francisco Platão e FIORIN.saude. BIBLIOGRAFIA: BECHARA. www. Brasília: Ministério da Saúde. Lucia Toyoshima. Ed. 2006. Noções de Amostragem. Teoria e Prática Hospitalar. SAVIOLI. A Reforma Sanitária e a Construção do SUS. 1999. figuras de linguagem. MATÃO. Cristóvão. Ed. o texto. São Paulo: Atheneu. Moderna Gramática Portuguesa. Disponível em http://dtr2001.br/svs/pub/pdfs/manu_normas_vac. 3ª Ed.saude. Sanitária e Ambiental. 2005. Lidina..Belo Horizonte:[s. Nutricionista.Ministério da Saúde 82p. Estadual e Nacional. medidas de controle e tratamento. polissemia e ambigüidade. Brasília: Ministério da Saúde: Fundação Nacional de Saúde. 1999. Santos. Endemias/epidemias: Situação atual.20p. LIMA. com ênfase em verbos.2008. Epidemiologia e Saúde Pública. Goiânia: AB.br/editora/produtos/livros/genero/s_mulher. Idelmina Lopes de. Morfologia: estrutura e processos de formação de palavras. 2005. MUSSI. Planejamento e programação local de saúde. Textos Básicos de Saúde). – Grande Tratado de Enfermagem Prática – Conceitos Básicos. Disponível em http://dtr2001. Gramática da Língua Portuguesa. Prática de Texto. Gramática Escolar da Língua Portuguesa. revistas. Rio de Janeiro: Senac. CUNHA. CEREJA.br/editora/produtos/livros/pdf/04_0177_M. Lições de texto. http://dtr2001. (Série B. Cortez. Fundamentando o exercício profissional do técnico em enfermagem. 2004 Disponível em http://dtr2001.ed. 161 p. Departamento de Enfermagem. Maria Eliane Liégio. Organização da Média e Alta Complexidade. TÚLIO. Nova Gramática do Português Contemporâneo. Ensinando a Cuidar em Saúde Pública.Auxiliar de Enfermagem). classes de palavras: flexões. IWA K. 2003. Gramática Reflexiva.Ingedore e TRAVAGLIA.Ministério da Saúde. PASQUALE e ULISSES. Medidas de Posição/ Dispersão. regência nominal e verbal. 1998. Médico Psiquiatra. Prevenção e Controle – 2 ed. Ed. paronímia. conjunções e preposições. 2.Matemática Aplicada à Enfermagem – Cálculo de Dosagens – São Paulo: Editora Atheneu. História das Políticas de Saúde no Brasil. Disponível em http://dtr2001. História da Epidemiologia.1999.ª reimpressão Série D.132 p. ZOBOLI. Enfermeiro.1ª edição 1. Vol.italva.br/editora/produtos/livros/genero/s_mulher. BECHARA. Maria Aparecida – Manual de Infecção Hospitalar – Epidemiologia. CONTEÚDO COMUM A TODOS OS CARGOS DO NIVEL SUPERIOR PROGRAMA DE LÍNGUA PORTUGUESA: A Comunicação: linguagem. Curso de gramática aplicada ao texto. Indicadores de Saúde. 2001. Bioestatística. Médico PSF. Psicólogo. HORR. Vozes. Nair Miyamoto et al. 2002. São Paulo:EPU.Texto e coerência. Língua padrão: ortografia. 1997.gov. Departamento de Vigilância Epidemiológica. 1999. 2001 72p. BIBLIOGRAFIA: FORTES. acentuação e pontuação. Ed. Reuniões e Conferências Brasília – DF 2005. 3. Legislação do SUS (Sistema Único de Saúde): Lei n° 8080/90 e Lei n° 8142/90. 2003. Evanildo. Ruth. Evanildo. 2000. Testes de Hipóteses. Mercilda.A et al.htm POTTER. Secretaria de Vigilância em Saúde. História Natural e Prevenção de Doenças. Intertextualidade e polifonia. concordância nominal e verbal.saude. 2001. rádio. contexto e a construção dos sentidos. São Paulo.gov. José Luiz. Vigilância Epidemiológica. 1995.n. Ulisses. KOCK. Epidemiologia das Doenças Crônicas não Transmissíveis. pronomes. Saúde da Família. Maria de Lourdes de. crase. Princípios e Base Legal do SUS. A Língua: norma culta e variedades lingüísticas. emprego e valores semânticos. Coesão e Coerência. Página 25 de 31 . controle social.2000. 2006.br/editora/produtos/livros/genero/s_mulher. homonímia.gov.6). Vigilância Ambiental em Saúde . gíria. Setor Privado: Histórias. 539 p. Ed. Saúde Mental e Economia Solidária: Inclusão Social no Trabalho . Maria Zélia – Epidemiologia e Saúde. Ministério da Saúde. texto e discurso.1997. Perspectiva da Eqüidade no Pacto Nacional pela Redução da Mortalidade Materna e Neonatal: Atenção à Saúde das Mulheres-Ministério da Saúde.Bioética e Saúde Pública.Textos de Epidemiologia –Ministério da Saúde. 1. 2005. 2004. 1999. ESCOLARIDADE . BARTMANN. ed. Noções de Probabilidade. Sistema de notificação e de vigilância epidemiológica e sanitária. enfoque estratégico.htm ROUQUAYROL.).pdf BRASIL. O papel das Normas Operacionais Básicas no Processo de Descentralização e Regionalização.htm Política Nacional de Atenção Integral à Saúde da Mulher . – Rio de Janeiro: Medsi.pdf MARTINS. Distritos Sanitário. Ed. Patrícia Ann e PERRY. Manual do técnico e auxiliar de enfermagem. _ Rio de Janeiro: Medsi. Nova Fronteira.Leonor. Florianópolis: UFSC. Paulo Antônio de Carvalho. FAVERO. Modalidades e Formação. Lucerna. Principais Características dos Subsistemas Públicos e Privados que Integram o SUS. REIBNITZ.com/ SAÚDE PÚBLICA: Organização dos serviços de saúde no Brasil: Sistema Único de Saúde – Princípios e diretrizes.]. Contexto. Ed. Lucerna. Anne G.NÍVEL SUPERIOR Assistente Social. Scipione. Sintaxe: Termos e Orações coordenadas e subordinadas. Orçamento da Seguridade Social e Formas de Financiamento do Setor. Organização da Atenção Hospitalar. Elma Lourdes Campos Pavone.2003.gov. 7. Tereza Cochar. v. antonímia. UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA (Brasil). FARACO. Semântica: denotação e conotação.

A influência do materialismo histórico e da fenomenologia na idealização e na ação do Serviço Social. ed. Avaliação e linguagem: relatórios. (org). História da Saúde no Brasil) Epidemiologia & saúde . Ana Elizabete et all. BRAVO. Código de ética profissional do assistente social. Política social. Desenvolvimento do Serviço Social na América Latina. Seção II. São Paulo: Hucitec. BRASIL.al.jul.).1997. Emenda Constitucional Nº 29. Uma reflexão a partir de uma experiência concreta. Potyara Amazoneida Pereira. Fenomenologia e Funcionalismo). D. Ciênc. São Paulo: Cortez. São Paulo: Cortez. Saúde da família: limites e possibilidades. ROUQUAYROL. Gabinete do Ministro. Marilda Villela. CZERESNIA. 2 ( Série I. de transição reconceituada. Gabinete do Ministro. BIBLIOGRAFIA: BONETTI. Portaria n. ON. São Paulo:Cortez. Curitiba:Ibpex. São Paulo: Atheneu. 1995.A assistência nas políticas sociais brasileiras. CONSELHO FEDERAL DE SERVIÇO SOCIAL. saúde coletiva [online].). Aborto e saúde pública no Brasil : 20 anos / 2009 . MINISTÉRIO DA SAÚDE. proteção e recuperação da saúde. artigos 196 a 200. 3.. Aborto e saúde pública no Brasil: 20 anos. DF: Ministério da Saúde. capítulos I.Vol. Secretaria de AAtenção à Saúde. Maria Cristina. visitas e teorias de base no processo de intervenção social. CORTESÃO J. LEAL. Porto Alegre: Artmed. Maria Lúcia. Maria Zélia. orgs. Ludmila Fontenele et all.º 8. PEREIRA. Ministério da Saúde. Ministério da Saúde. 2 . Eduardo Mourão et all (org. BRASIL. O processo de institucionalização do serviço social. Isabela Soares. Epidemiologia e Saúde Pública. Maurílio Castro de. 2003. Giovanella L et al. Portaria Nº 648/GM de 28 de março de 2006. Constituição.ed.. CAVALCANTI.MIGUEZ. Constituição Federal de 1988 . T. relatório. As características metodológicas do Serviço Social em suas configurações clássicas ou tradicionais.2008. 1995 MOTA. 2008.Código de Ética Profissional. Ministério da Saúde. Brasilia. Estatuto da Criança e do Adolescente (ECA) e suas atualizações. Política social e democracia. 4. Maria Alicia Dominguez e Porto. O Serviço Social nos programas de saúde pública ao nível de assistência primaria. II.º 2. KRUG. Portaria n. . MAGALHÃES. BRASIL. São Paulo:LCTE. Saúde da família:um retrato . Senado Federal: Centro Gráfico. UEC. Salma Tannus. BRASIL.14(3):911-918. 1988. estabelecendo a revisão de diretrizes e normas para a organização da Atenção Básica para o Programa Saúde da Família (PSF) e o Programa Agentes Comunitários de Saúde (PACS). Mione Apolinário. O mix públicoprivado no Sistema de Saúde Brasileiro: financiamento. São Paulo: Cortez. A. 2. Serviço social e saúde:formação e trabalho profissional. Saúde da família: um retrato. TEMPORALIS. 2008. MARTINELLI.ed. 1993. 1996.n. Brasília: Ministério da Saúde.. BRASIL. Título VIII. 3.2. Suzanne W.2002. Maria Lucia Rodrigues. Epidemiologia & saúde. Rio de Janeiro. ________. 2008. ed. 4 . NAJAR. laudos e pareceres. Maria Inês Souza . BRASIL. Gabinete do Ministro. Selma Marques.º 373/02.1988. SAM. 2. família e juventude: uma questão de direitos. SALES.080/90. Ilma. 2.203/96. Brasilia:ABEPSS. São Paulo: Cortez. 2004. Política e gestão em saúde. São Paulo: Veras. Epidemiologia clínica: elementos essenciais. Processos de trabalho do Serviço Social. Serviço social e políticas sociais. BRASIL.2.ROSEN. A história da saúde pública. BRASIL.ESTADO DO RIO DE JANEIRO PREFEITURA MUNICIPAL DE ITALVA MALETTA. Dilséa Adeodata . Epidemiologia. NOB – SUS 01/96. Mudanças globais e desenvolvimento: importância para a saúde. Informe Epidemiológico do SUS. A institucionalização da assistência no Brasil. George. Estatuto do Idoso e suas atualizações. CONTEÚDOS ESPECÍFICOS DO NIVEL SUPERIOR ASSISTENTE SOCIAL: 1 .ed. (Et al. 2002. 2.2008. MATOS. Gabinete do Ministro.. jan. Samira. 2009. As grandes instituições de assistência no Brasil. Brasília: Ministério da Saúde. Belo Horizonte:.. Institui a Norma Operacional Básica do Sistema Único de Saúde.º 8. Rio de Janeiro: UFRJ. The hygienic hypothesis and transformations in etiological knowledge: Paim JS & Teixeira CF.. 2006Epidemiologia MEDRONHO. 2009. Luis Eugenio Portela Fernandes de Souza. República Federativa do Brasil. Pesquisa em Serviço Social. NOBRE C. Silvia Marta. Abordagens psicossociais: perspectivas para o serviço social. O uno e o múltiplo nas relações entre as áreas do saber. orgs. et.v. 2. BRASIL. 1992. Uga. Reflexões sobre instrumentais em serviço social: observação sensível. S. 2009.. REZENDE.142/90.BRASIL. / 1994 . oferta e utilização de serviços de saúde... Lei n. Portaria Nº 399/GM de 22 de fevereiro de 2006.ed. O serviço social na contemporaneidade: trabalho e formação profissional. Os três vertentes do Serviço Social (Materialismo Histórico e Dialético.capítulo II. Robert H. O SUS necessário e o SUS possível: estratégias de gestão. MINISTÉRIO DA SAÚDE. FLETCHER. Secretaria de Ciência. Página 26 de 31 . São Paulo: UNESP. Titulo II. O Serviço Social nas áreas de saúde e sua articulação com as organizações sociais de base. org. Lei n. Brasília. CHAVES. Departamento de Ciência e Tecnologia.2000. CONFALONIERI. Uma história da saúde pública. 2006. v. Ênfase na realidade brasileira. Constituição. M. O Serviço Social no Brasil e sua inserção no processo de produção e reprodução das relações sociais. Movimentos sociais urbanos. MINISTÉRIO DA SAÚDE. Divulga o Pacto pela Saúde 2006 – Consolidação do SUS e aprova as Diretrizes Operacionais do Referido Pacto. Aprova a Política Nacional de Atenção Básica. CARDOSO. a organização e o funcionamento dos serviços correspondentes e dá outras providências. Brasilia. entrevista. de 28/12/1990. São Paulo: Cortez.Perspectivas teórico metodológicas do Serviço Social. Instrumentos e técnicas do Serviço Social. 3 . ed. Carlos Henrique Mudado.2004. CHAME. Rio de Janeiro:UERJ. Ciência & Saúde Coletiva. III. FLETCHER. Tecnologia e Insumos Estratégicos.. NOAS – SUS 01/2002. orgs. Um . Santos. 2.Dispõe sobre as condições para a promoção. Institui a Norma Operacional de Assistência à Saúde do Sistema Único de Saúde. IAMAMOTO. JDG. 1988. Roberto A. São Paulo: Cortez. de 19/9/1990 . Gestão pública de serviços sociais. DF: Ministério da Saúde.3. Serviço social e ética:convite a uma nova práxis. 3. Maria de Fátima Matos. ed. KAUCHAKJE. Rev Saúde Pública 2006. Dispõe sobre a participação da comunidade na gestão do Sistema Único de Saúde (SUS) e sobre as transferências intergovernamentais de recursos financeiros na área da saúde e dá outras providências.ed. ed.3.A questão da saúde no contexto da política social brasileira.. MUCHAIL. (orgs).. VASCONCELOS. . HACON. Renovação e conservadorismo no serviço social: ensaios críticos.

disponível em http://www. 2005. SUDDARTH.. Criança e do Trabalhador. BORGES-ANDRADE.. Família.São Paulo: Editora Atheneu.interface. M. BERTOLLO. escolar e adolescente (clínico e cirúrgico). 10ª ed. Maria H. . Brasília: FUNASA.pdf NUNES FILHO. O. Cadernos de psicologia social do trabalho. 842p. ENGEL. Violência e Representação Social na adolescência no Brasil. Código de Ética Profissional do Psicólogo. MYERS. C. exclusão social e desenvolvimento humano.13.. ASSIS. A. Eustáchio Portela. ISSN 1020-4989. ES.br/editora/produtos/livros/pdf/05_0379_M. São Paulo.Comunic. O processo de luto. de. 1. Sobre a morte e o morrer. . PATTO. saúde e desenvolvimento humano. Rio de Janeiro. São Paulo: Editora Atheneu. BURD. Elisabeth. pré-escolar. Ética e bioética na prática psicológica. C. Enfermagem em Saúde Mental: integração da assistência de enfermagem às novas políticas públicas de atenção à saúde mental da criança e adulto. respiratória. Assistência de enfermagem a paciente cirúrgico no pré-trans e pós-operatório.7. São Paulo: Atlas. 1. Perigoso e carente: representações de adolescentes em conflito com a lei em material jornalístico. Oliveira. hematológica e genito-urinário.br/pathos/vicongresso/anais/Co75.Cirúrgica.org.pdf CIANCIARULLO. CFP. Psic (São Paulo). São Paulo: editora Ícone. 2002.bvs-psi. M. A. Diniz. Resoluções CFP nº 001/99. NARDI. (2005) – A produção do fracasso escolar: histórias de submissão e rebeldia.saude. 2001. Wayne. TRINDADE. Disponível em <http://www. Guia de Vigilância Epidemiológica / Fundação Nacional de Saúde. 1988. 5. Álvaro e cols. Daniel J. 2004. Representação Social. P. Diagnóstico dos Distúrbios de Aprendizagem. Psiquiatria e Saúde Mental: Conceitos Clínicos e Terapêuticos Fundamentais. Porto Alegre: ARTMED. . MINAYO. M. A. Stress e trabalho: uma abordagem psicossomática.org. Zélia Maria de. Porto Alegre: ARTMED. A inserção e a intervenção do psicólogo nas organizações e no trabalho. COFEN – Código de Ética dos Profissionais de Enfermagem. Porto Alegre. Enfermagem MédicoCirúrgica: Assistência de enfermagem ao cliente adulto e idoso portador de afecção cardiovascular. Tâmara Iwanow. S. Artes Médicas. João Romildo. . K. 80 p – Disponível em http://dtr2001. Caminhos para uma Política de Saúde Mental Infanto-juvenil.) . Cultura e Saúde nas organizações. Regina H de Freitas. Z.saude. 2003.gov. Saúde mental. PENNINGTON. 1997. neurológica.saude. 007/03 e 010/05. 2002. ENDILICH. Porto Alegre: ARTMED. São Paulo: Pioneira/Thomson. Â. Pioneira. método e prática.br/revista13/artigo5. DELAMATER.unicap.16. Antonio Egidio. 018/02. Resolução CFP nº 001/99. Andrew. 1993. renal. São Paulo: Casa do Psicólogo. M. . TRINDADE. BUSNARDO. Formas de produzir saúde no contexto hospitalar: uma intervenção em psicologia. ed. (Org. Nilton C. Resolução CFP nº 001/09 ENFERMEIRO: Fundamentos de Enfermagem: Sistematização da Assistência em Enfermagem. JFB (orgs). 11-20. Processo de Enfermagem. Resolução CFP nº 010/05. Antonio V. 2005. .s. 2004. Psicologia Social. Departamento de Ações Programáticas Estratégicas. Psicologia da Saúde. 2004. Ed. digestiva.. Organizações e Trabalho no Brasil. Disponível em http://dtr2001. . COFEN – Lei nº 7. C. MENANDRO. ROLKE. gênero e violência. Sistema de Assistência de enfermagem: evolução e tendências. 7. BASTOS.. S. Elaboração e execução de estratégias de prevenção. M. Revista Panamericana de Salud Pública. São Paulo. Cultura. Avelino Luiz. 2005. Joviana Q. Nas trilhas do trabalho comunitário e social: teoria. DALBELLO. Psicologia da saúde no contexto social e hospitalar. Conceito da Violência: Uma Reflexão Nas Relações Familiares. 1987. BFT. ed.cfm ARAUJO. C. 1992. Enfermagem Materno-Infantil: Assistência de enfermagem ao recém-nascido normal e de alto risco. Willian César Castilho Pereira. Novas Contribuições da Psicologia aos Processos de Ensino e Aprendizagem. S. disponível em <http://pepsic. endócrina. Resolução CFP nº 007/03. (Org. D. José Carlos. Assistência de enfermagem a paciente em situação de urgência. Belo Horizonte: Vozes: PUC Minas. Tratado de Enfermagem Médico . R. ZANELLI. v. Série B. F. EPU. Programa Nacional de Imunização. Richard O. Educ. 2004. Saúde. PAÍN. v. Exame Físico. Saúde. Z.gov. 2005. GP.br/legislacao/leg_codetica. Santos. WEITEN. BUENO. A. Disponível em http://www. Melo.498. Processos Educacionais e Sociais. (orgs) Psicologia. Diagnóstico e tratamento dos problemas de aprendizagem.R. Julio de. . Psicologia da Aprendizagem. M. Malaquias. Disponível em http://www. Epidemiologia. LOMÔNACO. M. Estresse e processos psicossomáticos. – Brasília: Ministério da Saúde. Resolução CFP nº 018/02. 2006. Psicologia Social Comunitária: da solidariedade à autonomia. NJAINE. 1. 2001. l. Jhon D. 2002. 2002. Petrópolis: VOZES. M. AZEREDO. http://crepop. CIANCIARULLO. (Org. 2006. S. p.br/portal/arquivos/pdf/guia_vig_epi_vol_l. Aspectos Éticos e Legais da Prática de Enfermagem. Bittencourt.br/editora/produtos/livros/pdf/05_0080_M. vol.br – Centro de Referência Técnica em Psicologia e Políticas Públicas. Introdução à psicologia: temas e variações. H. p. Prevenção e controle de infecção hospitalar. KÜBLER ROSS. de 25 de junho de 1986. Disponível em <http://pepsic. H. Anais do VI CONGRESSO BRASILEIRO DE PSICOPATOLOGIA FUNDAMENTAL. São Paulo: Martins Fontes.) . crônicodegenerativas.pol.ESTADO DO RIO DE JANEIRO PREFEITURA MUNICIPAL DE ITALVA PSICÓLOGO: A profissão de Psicólogo e as suas áreas de atuação. Brasília: Editora Universidade de Brasília. O Código de Ética Profissional. São Paulo: Casa do Psicólogo. Simone G. .org.gov. 1999. TAMAYO. ISBN 85-7346-032-6 Disponível em http://portal. F. Avanci. Violência. Processos organizacionais e saúde. v.) . ALMEIDA. LIMA. 300 p. Enfermagem em Saúde Pública: Assistência de enfermagem na prevenção e controle de doenças infecto-parasitárias.br> FRANÇA. Os processos organizacionais. Cortez. BIBLIOGRAFIA: ALENCAR. Biossegurança.S. n.org> CAMPOS. E. Estudos em representações sociais. Psicologia Social e Psicologia Comunitária. São Paulo. 2005. MELO FILHO. Programa de Assistência à Mulher. RODRIGUES.bvs-psi.. e processo de reabilitação.org. n. BIBLIOGRAFIA: Agenda de compromissos para a saúde integral da criança e redução da mortalidade infantil / Ministério da Saúde Secretaria de Atenção à Saúde. G. . Instrumentos Básicos para o Cuidar: um desafio para a qualidade de assistência. Jairo Eduardo. MARCHIORI. Desenvolvimento psicológico e Educação.scielosp.org. 2003. Raquel V. Textos Básicos em Saúde Brasília – DF-2005. v. Política educacional e a atuação do psicólogo escolar. Interface .pdf BRUNNER. (Org. Guanabara Koogan. 5.br> ESPINDULA. São Paulo: Pioneira Thomson Learning. Violência na escola: identificando pistas para a prevenção. T.PDF MICHENER. M. Tâmara Iwanow. D. 37-51. 1992. S. Ana Cristina Limongi. Mirian (orgs) Doença e família.. 2002. SANTOS.pdf Página 27 de 31 . Preparo e Administração de medicamentos/soluções. Ed. S. STRAUB. promoção e intervenção no âmbito da psicologia. WITTER. Joyce – Avaliação em Pediatria – Rio de Janeiro: Reichmann & Affonso Editores. Juaci V.pol.119-34. PEREIRA. p. Temas básicos em psicologia. /Ministério da Saúde. F.) . Assistência à criança nas fases de lactente.

portalcofen. Rio de Janeiro. Secretaria de Políticas de Saúde. AIDS e HPV). Enfermagem Pediátrica. ENFERMEIRO (PSF): 1. 1999. 2006.M. 12.saude. 80 p – Disponível em: http://dtr2001. São Paulo: Rufo. SINASC). Doenças e agravos não transmissíveis (Diabetes. Moacyr et al.ESTADO DO RIO DE JANEIRO PREFEITURA MUNICIPAL DE ITALVA Manual de Normas de Vacinação. FONTINELE JÚNIOR. Ministério da Saúde. Classificação dos transtornos mentais. 3ª Ed.ª reimpressão Série D. Brasília: MS. 2006. 3 ed. Departamento de Atenção Básica. Departamento de Atenção Básica. Secretaria de Vigilância em Saúde. Lore Cecilia.br/editora/produtos/livros/pdf/05_0661_M. Programa de Saúde do Trabalhador. Pesquisa em saúde: ética. Brasília: MS. São Paulo: Scipione. Sistematização da Assistência de Enfermagem . Maria Zélia – Epidemiologia e Saúde. 29. 9.Processo e diagnóstico em Enfermagem Fundamentos de Enfermagem. 15. Ed. Ministério da Saúde. 10. Segurança e Saúde no trabalho em Serviços de Saúde. 1986. Política Nacional de Atenção Básica . A et al. Luiza Chitose.pdf > BRASIL. et al. Saúde da Criança. Doenças sexualmente transmissíveis (sífilis. Rio de Janeiro. J. 1998. B.132 p. SCLIAR. MINISTÉRIO DA SAÚDE.pdf MARTINS. ed. 1998. Cadernos de Atenção Básica . tricomoníase. 10 ed. SIM. 8ª ed. 1997.br/dab/docs/publicacoes/cadernos_ab/abcad15.C. 2005.htm Política Nacional de Atenção Integral à Saúde da Mulher .saude. Programa de Humanização do Parto: Humanização no Pré-Natal e Nascimento. 1991. Teoria e Prática Hospitalar. Ética . Tratado de Enfermagem Médico-Cirúrgica. Hipertensão Arterial Sistêmica. em especial a Estratégia de Saúde da Família. Imunização (Calendário de vacinação.asp?InfoID=81&EditionSectionID=15&SectionParentID= ROUQUAYROL. Curitiba: Os Autores. Disponível em http://dtr2001. Assistência de Enfermagem ao Paciente Gravemente Enfermo.gov. http://dtr2001.n.pdf Página 28 de 31 . Afecções do aparelho geniturinário. Tuberculose. Nelson.br/svs/pub/pdfs/manu_normas_vac. 1986. Administração em Enfermagem. v. 18. (Série B. Programas e Ações na Unidade Básica. Editora: Guanabara Koogan. Lei do Exercício Profissional.gov.br/editora/produtos/livros/genero/s_mulher. Brasília: MS. soluções . Saúde pública: histórias.br/editora/produtos/livros/pdf/05_0080_M. Vigilância em Saúde: notificação compulsória. Doenças infecciosas e parasitárias: guia de bolso. 2004. 4. Cuidados de Enfermagem ao Paciente Cirúrgico. 2. SMELTZER. Princípios e Diretrizes do Sistema Único de Saúde e a Lei Orgânica da Saúde.br/bvs/publicacoes/guia_de_hanseniase. Hipertensão e Neoplasias). São Paulo: EPU. Doenças infecciosas e parasitárias: guia de bolso. HERMANN. 26. Hepatites. et al. Disponível em: http://bvsms. 2003. 2000. 19. MINISTÉRIO DA SAÚDE. Cadernos de Atenção Básica .saude. 2 vol.n. Anne G.htm POTTER. Assistência Domiciliar e visitas domiciliares.São Paulo. Departamento de Atenção Básica. 2002. & FORTES. Saúde do Adolescente. Brasília: Ministério da Saúde.º 15. Fundamentos de Enfermagem.br/bvs/publicacoes/guia_bolso_4ed. 2005.br/dab/docs/publicacoes/cadernos_ab/abcad16. WHALEY e WONG. Administração de Medicamentos – Revisando uma Pratica de Enfermagem. Disponível em: http://bvsms. Rede de Frios e Acondicionamento de Imunobiológicos). 2001. Patrícia Ann e PERRY. 20.gov.pdf BRASIL. Patrícia Ann – Semiologia em Enfermagem – 4ª ed. Cadernos de Atenção Básica . – Grande Tratado de Enfermagem Prática – Conceitos Básicos. 16. Manual de gerenciamento de enfermagem. 17. 3. Ministério da Saúde. Modelos de atenção à saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Saúde e Sociedade.gov. 2005. 2002.saude. 6ª ed. Textos Básicos de Saúde). Maria Zélia. Rio de Janeiro: Reichimann & Affonso Ed. Conhecimentos/Princípios que fundamentam a Estratégia de Saúde da Família. MORITA. São Paulo: Hucitec. SANTOS.htm Resolução COFEN-172/1994 Normatiza a criação de Comissão de Ética de Enfermagem nas instituições de saúde . 30. SCHRAIBER. Ed. (Série B.br/_novoportal/section_int. 24. Brasília: Ministério da Saúde: Fundação Nacional de Saúde. MEEKER. E. S.br/editora/produtos/livros/genero/s_mulher. MOZACHI. 2004. O Hospital: manual do ambiente hospitalar.pdf CINTRA.n.. 2002.Textos de Epidemiologia –Ministério da Saúde. São Paulo: Difusão Paulista de Enfermagem.gov. e BARE. Epidemiologia e Saúde. 2005. 2002. 11. FIGUEREDO. Rio de Janeiro.saude. Disponível em http://dtr2001. 31. Secretaria de Políticas de Saúde. Departamento de Vigilância Epidemiológica. Dimensões de saúde e doença mental. São Paulo: Editora Atheneu. Departamento de Vigilância Epidemiológica. Consulta de Enfermagem e educação em saúde. 2003. 14.gov. Secretaria de Atenção à Saúde. 1997. Auditoria hospitalar do serviço de enfermagem. Anne G.Portaria n° 648/GM/2006. Brasília: Ministério da Saúde. C. bioética e legislação. A. Agenda de compromissos para a saúde integral da criança e redução da mortalidade infantil / Ministério da Saúde. 8.PNAB .gov. Guia para o controle da Hanseníase. Ltda. 2005. Iraci et al – Enfermagem Assistencial no Ambiente Hospitalar: Realidade. BIBLIOGRAFIA BRASIL. São Paulo: EPU. Maria Aparecida – Manual de Infecção Hospitalar – Epidemiologia. KAWAMOTO. GALLO. Goiânia: AB. Klinger. São Paulo. L. Afecções gastrintestinais.saude. 1998. SINAN. POTTER. Enfermagem em Doenças Transmissíveis.1. GALANTE. Disponível em http://dtr2001. 13. 2004-( Série Atualização em Enfermagem. HUDAK. Ministério da Saúde. Grande Tratado de Enfermagem Prática Clinica e Prática Hospitalar.br/editora/produtos/livros/pdf/04_0177_M. (Coleção Mosaico: ensaios & documentos). 6. Atheneu. Cuidados Intensivos de Enfermagem: uma visão holística.Disponível em http://dtr2001. 23. Conhecimentos/Princípios que fundamentam as técnicas e os procedimentos de Enfermagem.º 10.disponível em http://www.ª edição 1.gov. POTTER.Princípios e Diretrizes . Eliane de Araújo. 21. Paulina.gov. Editora Guanabara Koogan. São Paulo: Pedagógica Universitária. – Brasília: Ministério da Saúde. Disponível em: < http://dtr2004.I. 7. 2002. 22. 2001. Hanseníase.6ª ed. Saúde do Adulto. Anderson Cleyton. 2000. Disponível em http://dtr2001. B. BRASIL.gov. 1ª ed.. 5 ed. 5ª ed. 25.. políticas e revolta. Reuniões e Conferências Brasília – DF 2005. Doenças Transmissíveis (Dengue. . 2ª ed.2).br/editora/produtos/livros/genero/s_mulher.pdf Vigilância Ambiental em Saúde .G. Sistemas de Informação (SIAB.Ministério da Saúde 82p. 2005. tratamento dos transtornos mentais e Assistência de Enfermagem.Legislação Aplicada à Enfermagem.E. B.saude. 3. Diabetes Mellitus.pdf > BRASIL. Saúde Mental e Economia Solidária: Inclusão Social no Trabalho . Departamento de Ações Programáticas Estratégicas. Editora Guanabara Koogan. _ Rio de Janeiro: Medsi.º 16. 114 p. ROQUAYROL. Disponível em: < http://dtr2004. Rio de Janeiro: Guanabara. Educação Permanente em Saúde. Santos.gov. questões. MINISTÉRIO DA SAÚDE. & PEGORARO. H.saude. gonorréia. Violência na família. 28. 20p. Conceitos Básicos de Epidemiologia.M.saude.saude. MARX. Enfermagem em Psiquiatria. Saúde do Idoso. Nébia Maria de. COM. Rio de Janeiro/São Paulo: Santos Editora. 2001 72p. Secretaria de Políticas de Saúde. Prevenção e Controle – 2 ed. 5.pdf BRASIL. Goiânia: AB.. Ed. 2001. Metodologia da Assistência de Enfermagem.saude. Textos Básicos de Saúde). KURCGANT. 27. Saúde Mental. Rio de Janeiro: Medsi. – Rio de Janeiro: Medsi. Saúde da Mulher. Patrícia A et PERRY.gov. Perspectiva da Eqüidade no Pacto Nacional pela Redução da Mortalidade Materna e Neonatal: Atenção à Saúde das Mulheres-Ministério da Saúde.

– 3. – Brasília: Editora do Ministério da Saúde. 2. Sistema de Informação.br/bvs/publicacoes/caderno_atencao_basica. Departamento de Atenção Básica. Legislação de Saúde). Disponível em: http://dtr2004. Departamento de Ações programáticas estratégicas. Departamento de Ações Programáticas Estratégicas.pdf BRASIL. Fundação Oswaldo Cruz. Brasília: Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção a Saúde. Brasília: Ministério da Saúde: Fundação Nacional de Saúde. : il.saude.pdf BRASIL.saude.2005.br/bvs/publicacoes/manual%200902. S.n. 2002. Ministério da Saúde. Página 29 de 31 .gov. color . Disponível em: http://bvsms. Lei Nº 8. 2004.anvisa. Disponível em: http://dtr2001. Lei Nº 8. 754 p. Ministério da Saúde. Disponível em: http://bvsms. Departamento de Ações Programáticas Estratégicas.br/bvs/publicacoes/partes/guia_psf1. 98p. Dispõe sobre as condições para a promoção. Ministério da Saúde. 2000. Educação Permanente. Departamento de Ações programáticas estratégicas.gov.: il. Secretaria de Atenção à Saúde. atual. Guia prático do programa de saúde da família. Guia de Vigilância Epidemiológica / Ministério da Saúde.br/bvs/publicacoes/crescimento_desenvolvimento. Ministério da Saúde. Textos Básicos de Saúde).pdf BRASIL . S. 163 p. A Política do Ministério da Saúde para atenção integral a usuários de álcool e outras drogas / Ministério da Saúde.gov. Brasília: Ministério da Saúde.124 p. Departamento de Ações programáticas estratégicas. – (Série E. rev.br/dab/docs/publicacoes/geral/manual_siab2000. Disponível em: http://dtr2001. Disponível em: < http://dtr2004. – (Série E. – Brasília: Ministério da Saúde. – (Série Cadernos de Atenção Básica. Secretaria de Políticas de Saúde. n.gov.saude. Disponível em: http://bvsms. – Brasília: Editora do Ministério da Saúde. Área Técnica da Saúde da Criança e Aleitamento Materno. – (Série A. – Brasília: Ministério da Saúde. 2005.saude.fiocruz. Disponível em: http://dtr2004. Secretaria de Atenção à Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. 2002. n. -.br/editora/produtos/livros/pdf/06_0004_M.pdf BRASIL.br/portal/svs/area. Brasília. 2001.br/bvs/publicacoes/estatuto_crianca_adolescente_3ed. Departamento de Ações Programáticas Estratégicas. D. Aprova a Política Nacional de Atenção Básica. MINISTÉRIO DA SAÚDE.gov. (Série A.saude.142. (Série Direitos sexuais e direitos reprodutivos nº 5).pdf BRASIL. Secretaria de Políticas de Saúde. ed. Brasília: . Ministério da Saúde.gov.saude. Disponível em: < http://bvsms. ed. Ministério da Saúde.gov.saude.htm?sid=168 > BRASIL.gov.: il. Saúde da criança: acompanhamento do crescimento e desenvolvimento infantil / Ministério da Saúde. Violência intrafamiliar: orientações para prática em serviço / Secretaria de Políticas de Saúde.: il.ESTADO DO RIO DE JANEIRO PREFEITURA MUNICIPAL DE ITALVA BRASIL.saude. Ministério da Saúde.gov. Cadernos de Atenção Básica .br/bvs/publicacoes/guia_vig_epid_novo2. Sistemas de Informações sobre Mortalidade (SIM) e Nascidos Vivos (SINASC) para os profissionais do Programa Saúde da Família. n. Disponível em : http://bvsms. Disponível em: http://portal. Coordenação Nacional de DST/Aids.pdf BRASIL. 2008. 2000. Manual para utilização da caderneta de saúde da criança / Ministério da Saúde. MINISTÉRIO DA SAÚDE. 2005.br/dab/docs/legislacao/portaria_648_28_03_2006.pdf BRASIL Ministério da Saúde. Disponível em: http://www. Ministério da Saúde. 2008. Secretaria de Atenção à Saúde. Brasília: Ministério da Saúde. Normas e Manuais Técnicos).saude. Ministério da Saúde.pdf BRASIL.º 06. Disponível em: < http://www. – (Cadernos de Atenção Básica.br/dab/docs/publicacoes/geral/importancia_sim_sinasc. Ministério da Saúde. 96 p. Área Técnica de Saúde do Trabalhador. (Série Cadernos de Atenção Básica.br/bvs/publicacoes/cad03_educacao. 2004. 40 p. Guanabara Koogan.br/bvs/publicacoes/manual_tecnico_prenatal_puerperio.pdf BRASIL.gov. Departamento de Ações Programáticas Estratégicas. L. Departamento de Ações Programáticas e Estratégicas.pdf BRUNNER. Secretaria de Políticas de Saúde.saude. Normas e Manuais Técnicos). Normas e Manuais Técnicos. Ministério da Saúde.: il. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde.pdf BRASIL. 60 p. Disponível em: http://bvsms. Ministério da Saúde.gov.saude. Secretaria de Vigilância em Saúde. Área Técnica de Saúde do trabalhador.gov. Caderno 3. .gov.br/bvs/publicacoes/trabalhador_leg.pdf > BRASIL. Portaria nº.cfm?id_area=460 BRASIL.pdf BRASIL. : il.gov. Secretaria de Políticas de Saúde. Departamento de Atenção Básica. Disponível em: http://bvsms. 50 p. Disponível em: http://bvsms.pdf BRASIL.rj.exe/sys/start.shtml BRASIL. Coordenação de Controle de Infecção Hospitalar. 2001 72p. Ministério da Saúde. Área Técnica de Saúde do Trabalhador Saúde do trabalhador / Ministério da Saúde. Programa Saúde da Família.gov. proteção e recuperação da saúde.saude. Ministério da Saúde.br/bio/cgi/cgilua. 11). Departamento de Atenção Básica. 2001. 816 p. – Brasília: Ministério da Saúde. Ministério da Saúde. Secretaria Executiva. Brasília: MS. a organização e o funcionamento dos serviços correspondentes e dá outras providências. Tratado de Enfermagem Médico . Departamento de Atenção Básica. 10ª ed. elaborado e organizado por Letícia Coelho da Costa– Brasília : Ministério da Saúde. ed. Legislação de Saúde .br/bvs/publicacoes/cd05_19.br/bvs/publicacoes/agenda_mulher. – (Série A.: il.br/bvs/publicacoes/manual_estrutura_ubs. Coordenação Nacional de DST e Aids.ISBN 85-334-1047-6 Disponível em: http://bvsms. 2001.br/editora/produtos/livros/pdf/03_0277_%20M.saude.saude.2.1994. 3ª ed. – (Série B. 8) – (Série A.gov. 648.pdf BRASIL.SIAB: Manual do Sistema de Informação de Atenção Básica/Secretaria de Assistência e Saúde.Cirúrgica. Área Técnica de Saúde do Trabalhador . 38 p.br/bvs/publicacoes/cd03_12. Área técnica de Saúde da Mulher: Agenda da Mulher. Secretaria de Atenção à Saúde. Textos Básicos de Saúde). Secretaria Executiva. 5) Disponível em: http://bvsms.gov. SUDDARTH. 3ª reimpressão. 131).gov. Manual e estrutura física das unidades básicas de saúde: saúde da família.saude. Manual Técnico para o controle da Tuberculose. Normas e Manuais Técnicos). Área técnica de Saúde da Mulher: Pré natal e Puerpério: Atenção qualificada e humanizada – manual técnico/Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção a Saúde.gov. Ministério da Saúde. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. – (Serie B.saude. 5). 44p.br/servicosaude/controle/processamento_artigos.pdf BRASIL. 100 p. Saúde integral de adolescentes e jovens: orientações para a organização de serviços de saúde / Ministério da Saúde.br/portal/saude/visualizar_texto. Normas e Manuais Técnicos. 2003. Disponível em: http://bvsms. 96 p. – Brasília: Ministério da Saúde. Calendário de vacinação. Secretaria de Políticas de Saúde.cfm?idtxt=28894 BRASIL.br/legislacao/lsus. Ministério da Saúde. Brasília: Ministério da Saúde. Disponível em: http://bvsms.Caderno de saúde do trabalhador : legislação / Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. 2006.Série A. Secretaria de Políticas de Saúde. de 28/03/2006. 2005.pdf BRASIL. Ministério da Saúde. Departamento de Atenção Básica. 6. Disponível em: http://portal. Secretaria de Atenção à Saúde.gov. ed.Brasília.080.pdf > BRASIL.br/bvs/publicacoes/saude_adolescente_competencias_habilidades. Rio de Janeiro.gov. – Brasília : Editora do Ministério da Saúde.saude. Manual de Normas de Vacinação. de 19 de setembro de 1990. Coordenação de Saúde da Comunidade: Brasília Ministério da Saúde.saude. Saúde do adolescente: competências e habilidades / Ministério da Saúde. Processamento de Artigos e Superficies em Estabelecimentos de Saúde.pdf BRASIL.saude.pdf BRASIL. 2005. Disponível em: http://www. Disponível em: http://bvsms.saude. de 28 de dezembro de 1990.gov.gov. Disponível em: http://bvsms.63p. 2006.saude. -. Estatuto da Criança e do Adolescente / Ministério da Saúde.saude.

Ciências nutricionais. Disponível em: http://www. São Paulo: Difusão Paulista de Enfermagem. Claudia. Rio de Janeiro: Atheneu. Ministério do Emprego e Trabalho. 2002.311/2007 – Código de ética dos profissionais de enfermagem. Ornellas. 2003. Ética e Bioética: Desafios para a Enfermagem e a Saúde./set. Controle sanitário na área de alimentos. Lei nº 7498 de 25 de junho de 1986 – Dispõe sobre a regulamentação do exercício da enfermagem e dá outras providências. pré-preparo e preparo dos alimentos. fundamental e nível médio das redes públicas e privadas. Disponível em: < http://www. anemia ferropriva. Revista Brasileira de Saúde da Família. Elsevier.htm PORTARIA Nº 198/GM de 13 de fevereiro de 2004 . Faustino...saude. Brasília: Ministério da Saúde. 2001. H. M. Classificação. São Paulo: EPU. 11 ed. E. Mezomo. 2008. Z. FIGUEIREDO. Enfermagem em Doenças Transmissíveis. Rio de Janeiro: Cultura Médica. atributos e diretrizes para a população brasileira. análise de dados e informação em serviços de saúde.ESTADO DO RIO DE JANEIRO PREFEITURA MUNICIPAL DE ITALVA BUDO. Avaliação do PAT. do sistema renal. 2006.pdf OGUISSO T. Disponível em: http://www.Ministério da Saúde 82p.nas Instituições de Saúde Brasileira. CARBONI. transporte. classificação. Resolução COFEN . Funções.. de 08 de junho de 1987 – Regulamenta a Lei nº 7.gov.doc POTTER P. Disponível em: http://dtr2001. Disponível em: http://www. L. e dá outras providências.São Paulo: editora Ícone. Alimentação saudável: princípios.63-67. S. nas carências nutricionais e na obesidade. ZOBOLI ELCP. 2004. proteínas.D. Sistema de Vigilância Alimentar e Nutricional. Portaria Nº 193. São Paulo: Sarvier.mte. de 5/12/2006. p. lipídios. propósito. Elisa Maria de Aquino.16. Fundamentos de Enfermagem. responsabilidades institucionais. Gestão de Unidades de Alimentação e Nutrição: Diagnóstico.org. J. características. 2 ed. Manole. VILASBÔAS. São Paulo: Roca. no.php?lang=pt&component=68&item=20 ROUQUAYROL. Disponível em: http://www.Institui a Política Nacional de Educação Permanente em Saúde como estratégia do Sistema Único de Saúde para a formação e o desenvolvimento de trabalhadores para o setor e dá outras providências. Nutrição na gestação e lactação. COM. clínica e bioquímica. 2006.saude. 2004. desnutrição. Nutrição e Dietoterapia.br/admin_ses/diretoria_desenv_humano/educacaopermanente/PORTARIA%20198. Lacerda.gov. 1ª ed. na adolescência. Técnica Dietética: Conceitos.Princípios e Diretrizes . Banco de leite humano. Portaria interministerial nº 1. 2004. A. A. Maria de Lourdes Denardin.: il. 6ª Ed.L. Brasília: Organização Pan-Americana da Saúde. Contaminação. J. ISSN 0104-0707. NR32 – Segurança e Saúde no trabalho em Serviços de Saúde. planejamento.asp?sectionParentID=35&sectionID=30 COSTA. TEIXEIRA.gov. MACHADO. C. Brasília: Ministério da Saúde. Diretrizes para a promoção da alimentação saudável nas escolas de educação infantil.Q. Água e eletrólitos. 2 ed.br/php/level.498. Portaria n° 101. Texto contexto . Decreto nº 94. Balanço energético. Processo de cuidado nutricional. Krause: Alimentos.homolog. na infância.sc. 2001. antropométrica. 2007. HERMANN. B. Indicadores de Saúde no Brasil: conceitos e aplicações. Concepções de violência e práticas de cuidado dos usuários da estratégia de saúde da família: uma perspectiva cultural. Brasília: Ministério da Saúde. Necessidades nutricionais. 2006.F. Nutrição na Saúde Coletiva: Epidemiologia dos problemas nutricionais: sobrepeso/obesidade. Vigilância Alimentar e Nutricional – Sisvan: Orientações básicas para a coleta. Avaliação dietética. do sistema digestivo e glândulas anexas.br/legislacao/portarias/2006/p_20061205_193. Nas alergias e intolerâncias alimentares.H.pdf Brasil. A. Rio de Janeiro: Atheneu: 2003.htm Política Nacional de Atenção Integral à Saúde da Mulher . MATTIONI. Ripsa. rev. Técnica Dietética: Seleção e Preparo de Alimentos.enferm. Lactário.406. 1998. Resolução COFEN . Terapia Nutricional: Nas patologias cardiovasculares. 2001.. Nutrição em obstetrícia e pediatria. na idade adulta e para a pessoa idosa.B. atualizada e revisada.br/editora/produtos/livros/genero/s_mulher. Elizabeth. 1ª Ed.3. Nº 16. Deficiência e toxicidade. nos distúrbios alimentares. et al. Brasil. Dutra de Oliveira.gov. endócrinas e do metabolismo. Aconselhamento para mudança nutricional.010/2006.saude.Disponível em: http://dtr2004. 5 ed. Portaria nº 710 de 10/06/1999. Administração de Medicamentos – Revisando uma Pratica de Enfermagem. Rio de Janeiro: Rúbio.272/2002 .pdf Brasil. que dispõe sobre o exercício da Enfermagem.br/072005/legislacoes/anexos/nr_32. A. Bases epidemiológicas e científicas das diretrizes nacionais.pdf NUTRICIONISTA: Nutrientes (carboidratos.S. Página 30 de 31 . diretrizes. K. E. 349 p. Franco.Sistema de Assistência de enfermagem: evolução e tendências . na hipertensão arterial. Parâmetros nutricionais do Programa de Alimentação do Trabalhador – PAT. M.corensp. de 25 de junho de 1986. A.mte.gov. Disponível em: http://www. carência de vitamina A. PERRY AG. Programa de Alimentação do Trabalhador (PAT) e Programa Nacional de Alimentação Escolar (PNAE) BIBLIOGRAFIA: Accioly.. & PEGORARO. Programas de Alimentação e Nutrição.. Brasil. Disponível em: http://dtr2001. 2005. Política Nacional de Alimentação e Nutrição: portaria. Escott-Stump.org. CONSELHO FEDERAL DE ENFERMAGEM. Perspectiva da Eqüidade no Pacto Nacional pela Redução da Mortalidade Materna e Neonatal: Atenção à Saúde das Mulheres. Fernanda Carlise. CIANCIARULLO.SAE . Microbiologia dos alimentos. vol. vitaminas e sais minerais) Definições. Ed. Nutrição. Ministério do Emprego e Trabalho. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan. acompanhamento e avaliação. Tiago da Silva et al.E.br/2007/section. M et al. Ministério da Saúde. neoplásicas. alteração e conservação dos alimentos. REDE Interagencial de Informação para a Saúde. 20p. Mahan.ripsa. Fontes alimentares.br/editora/produtos/livros/genero/s_mulher.saude.S. Tâmara Iwanow .G. 2003. Avaliação e Cuidado Nutricional: Conceitos.portalcofen. Marchini. excreção. absorção. Guia alimentar para a população brasileira: Promovendo a alimentação saudável. Brasília: Ministério da Saúde. I. Saúde da família: uma abordagem interdisciplinar.gov. M. Interações entre drogas e nutrientes. Política Nacional de Alimentação e Nutrição. Ministério da Saúde. Saúde da família e vigilância em saúde: em busca da integração das práticas. Digestão. – Epidemiologia e Saúde. Nébia Maria de. Saunders. Toxinfecções alimentares.br/pat/avaliacao. Controle Higiênico-Sanitário: Fundamentos microbiológicos. Teixeira Neto. A.gov. Recomendações. 2006. em âmbito nacional. p. – Rio de Janeiro: Medsi. APPCC. Os Serviços de Alimentação: Planejamento e Administração. 2002. Nutrição clínica.511-519. M.. Ltda.br/dab/docs/publicacoes/revistas/revista_saude_familia16. na saúde óssea e no diabetes mellitus. 2003. Recursos humanos e aspectos físicos das unidades de alimentação e nutrição. Rede Interagencial de Informação para a Saúde. 2005. Rio de Janeiro: Manole. jul.Dispõe sobre a Sistematização da Assistência de Enfermagem . Nutrição na infecção pelo vírus da imunodeficiência humana e síndrome da imunodeficiência adquirida.S. processamento.6ª ed.L. Fagundes. de 12/12/2004. 7 ed. organização e controle.

Transtornos Ansiosos. Neurobiologia do comportamento. LEVY. Climatério. As bases neurais da cognição. BIBLIOGRAFIA: Manual de Condutas Médicas: Programa Saúde da Família . Socioterapias. Chiado no Peito. CARDIOLI. Dor Pélvica. Brasília. Editora Guanabara Koogan. Koeppen Stanton. Cem bilhões de neurônios. Acidente Vascular Cerebral. Alterações de Equilíbrio e Prevenção de Quedas no Idoso.esquizoafetivos e delirantes. KANDEL JAMES H. serviços e tecnologia. Infecções do Trato Urinário em Adultos e Idosos. Giugliani – Artmed . Problemas mais Comuns na Gestação. Dor Precordial. Diabetes. SCHWARTZ. Brasília. Tratado de fisiologia médica.Tremores e doenças de Parkinson. Síndrome de Olho Vermelho. Doenças Alérgicas. Asma. Pré-natal. Diarréia Aguda e Persistente. somatoformes e dissociativos (ou conversivos). MS. Malária. Incontinência Urinária. Principais problemas Oculares. Esquistossomose. Transmissão sináptica. Liguagem. UNESCO / MS. Epistáxes. Emergências em psiquiatria. Atenção ao Adulto: Hipertensão Arterial. Dieta e Nutrição do Lactente. Transtornos relacionados e substâncias Sexualidade humana Transtornos alimentares. Dores Musculoesqueléticas. Glomerulenefrite Difusa Aguda. Emergências Psiquiátricas. Formas de Tratamento e sua Evolução Histórica. (Secretaria de Política de Saúde. Bárbara Atenção Primária: Equilíbrio entre necessidades de saúde. O desenvolvimento do sistema nervoso. nº. Disúria e Hematúria.J. Universidade de São Paulo. Insuficiência Cardíaca Congestiva. Parasitoses Intestinais. Medicina ambulatorial: Condutas de atenção primária baseadas em evidências 3ª edição. SPS). Página 31 de 31 . Pneumonias Agudas. Diverculite Aguda. MS. Aspectos Metodológicos da Vigilância da Saúde. Sadock e Greebb. Dependência de Drogas. Asma. Artrite Reumatóide. Prevenção do Câncer Genital Feminino e da Mama. Roberto. Afecções. Litíase Urinária. Diarréia. Ed. Dispepsia Funcional. São Paulo. Hepatite a Vírus. Rinofaringites e Faringoamigdalites. mistos de ansiedade e depressão etc. GUYTON. Bruce B Duncan. psiquiátricos associados à epilepsia. Compêndio de Psiquiatria. MÉDICO PSIQUIATRA: Código de Ética Médica. humor aprendizado e memória. Prostatismo.Instituto para o Desenvolvimento da Saúde. Doença Pulmonar Obstrutiva Crônica. psiquiátricos associados ao uso de substâncias psicoativas. Anemias. Afecções da Coluna Cervical. Puerpério Normal e Aleitamento Materno. Colecistite. Distúrbio Nutricional Calórico Protéico. 13. 4ª edição. Amato Neto. BRASIL. Icterícias. Tratamento de Alcoolismo.ESTADO DO RIO DE JANEIRO PREFEITURA MUNICIPAL DE ITALVA MÉDICO (PSF): Abordagem da Família: Promoção à Saúde. 2006. Guia Prático do Programa Saúde da Família. Preenchimento da Declaração de óbito. Brasília. Transtornos neuróticos relacionados ao estresse e somatoformes. 5ª edição. Cefaléia. Deficiência mental. Fisiologia. 2006. 2000. DF. Raquitismo. 4ª edição. LOPES. Distúrbios: mentais orgânicos (agudos e crônicos). Vômitos e Refluxo-Gastroesofágicos. Doenças de Notificação Compulsória. Distúrbios: esquizotípicos. Ombro. Princípios do Atendimento Clínico anamnese. Doenças Benignas da Mama. Diagnóstico de Gravidez e Contracepção. Obesidade. Regurgitações. Câncer de Pulmão. Robert M. Atheneu 2001. 2001. A célula e a biologia do neurônio. Arthur S. Queimaduras. Pré-natal da Adolescência. Anemia. Maria Inês Schmidt e Elsa R. Doença da Vulva e da Vagina. alimentares (anorexia e bulimia nervosa). psicológica e social dos Transtornos Mentais História da Psiquiatria no Brasil e no Mundo. Atenção ao Idoso: Avaliação clínica do Idoso. Problemas de Saúde na Adolescência. Manole. Psiquiatria Infantil. Hérnias da Parede Abdominal. Osteoartrose. Psicoterapias. Vicente. 2004. Leptospirose. Varizes dos Membros Inferiores. Obstipação Intestinal. Psicofarmacologia. 2001. Cadernos de Atenção Básica: Controle dos cânceres do colo do útero e da mama. Eplepsia. 10ª Ed. Assistência em planejamento familiar: Manual técnico. Assistência Pré-natal. Tabagismo. Suicídio e tentativa de suicídio. Doenças Sexualmente Transmissíveis. Síndrome do Intestino Irritável.). Aristides Volpato – Psicofarmacos – 3ª Edição – Editora Artmed – 2005. Delirium. percepção. Roca. Princípios da Neurociência ERIC R. Atenção à Mulher: Alterações do Ciclo Menstrual. do sono. Ano-Rectais. Mark F. Doença da Tireóide. pensamento. Hanseníase. BERNE. Brasília – DF. Angina e Cuidados Pós-Infarto do Miocárdio. Manual de Hipertensão Arterial e Diabetes Mellitus. Esquizofrenia. Ministério da Saúde. Rino-sinusites. O desenvolvimento Normal e os Sinais de Alerta. demência e transtornos amnésticos. Dengue e Febre Amarela. M S. Brasília. Atenção à Criança e o Adolescente: Semiologia Pediátrica. Avaliação do Risco Cardiovascular. Alteração da Cavidade Oral. Artmed. Sinais e Sintomas mais Freqüentes na Prática Clínica: Alterações da Pele da Criança e do Adulto. GOODMAN E GUILMAN. BIBLIOGRAFIA: Kaplan. Incontinência Fecal. no diagnóstico e na orientação. movimento. doença de Alzheimer. Departamento de Atenção Básica. Artmed 2002 .. Depressão. LENT. Infecção Urinária. Tratado de Clínica Médica. Desidratação. Hemorragia Digestiva. As bases farmacológicas da terapêutica. 3ª ed. Tratamento biológico em psiquiatria. Neurociências. Insuficiência Arterial dos Membros. 2002. Vigilância Epidemiológica. Psicofisiologia geral. 2002 Starfield. 2003.2006. ansiosos (de pânico. 9ª edição. Principais Problemas Ortopédicos na Criança. Crescimento Normal e Baixa Estatura. Lombalgia. Anticoncepção na Adolescência. Editora Guanabara Koogan. Tuberculose. emoção e comportamento homeostase. 2002. transtornos de personalidade e comportamentos em adultos. do sono e do controle de impulsosMedicina Interna e Psiquiatria. do humor. Otites e Sinusites. Vacinação a Criança e no Adulto. Antonio Carlos. Dores Recorrentes. Tontura e Vertigem. 1ª ed. Doenças Infecciosas: AIDS. Úlcera Péptica. Excitação. Drogadição. Ministério da Saúde – Brasília: Ministério da Saúde. Elsevier. Neuropatias Periféricas. BEAR. Abordagens Biológica. esquizofreniformes. Como lidar com o Paciente Fora da Possibilidade de Terapeuta de Cura.