ANÁLISE DE CUSTOS: UM ESTUDO DE CASO NA EMPRESA PRODUTORA DE MÓVEIS INFANTIS PUPPI MOBILE.

Edgar Marcel Gionedis1 Fernando Cézar Bertoja Filho2 Luciano Puppi Filho3 Orientadora: Prof.ª Alessandra Fernandes Bichof

RESUMO

O presente trabalho teve como objetivo realizar uma consultoria, focando na composição dos custos e despesas dos principais produtos fabricados pela empresa de médio porte fabricante de móveis infantis, Puppi Mobile, localizada em Campo Largo-PR. O trabalho abordou os métodos de custeio adequados para a companhia, e a inter-relação da margem de contribuição na absorção dos custos fixos das famílias de produtos com maior relevância dentro do faturamento total do ano de 2010. Para a realização do projeto, foi realizado o trabalho de coleta de dados, através de entrevistas com o sócio administrador e com o supervisor da produção e também a partir dos demonstrativos de resultado e do sistema de gestão adotado atualmente pela empresa. A análise das famílias de produtos permitiu a construção do resultado individual, sendo este principalmente a margem de contribuição, e suas implicações no resultado operacional. O resultado obtido foi o aprimoramento na tomada de decisão, através das variáveis preço de venda, custo, e quantidade produzida/vendida/nível de atividade.

Palavras chave: Consultoria. Custos. Empresa fabricante de móveis.

1

Graduando em Administração de Empresas pela FAE - Centro Universitário. E-mail: edgar_gionedis@hotmail.com 2 Graduando em Administração de Empresas pela FAE - Centro Universitário. E-mail: fernando_bertoja@bol.com.br 3 Graduando em Administração de Empresas pela FAE - Centro Universitário. E-mail: lucianopf@puppi.com.br

INTRODUÇÃO

As empresas estão cada vez mais buscando um diferencial sobre sua concorrência, tornando-se assim o foco de seus clientes. Este diferencial pode ser em tecnologia, qualidade, preço, rapidez de entrega. Existem diversos modelos para que uma empresa consiga diferenciarse, tudo depende de seu mercado consumidor. Toda atividade nova ou já existente dentro da empresa geram custos, que todo gestor necessita saber o quanto estes impactam no processo como um todo. “Toda organização, seja ela industrial ou prestadora de qualquer tipo de serviço, precisa ser administrada adequadamente para alcançar seus objetivos com a maior eficiência e economia de ação e de recursos (CHIAVENATO, 2000, p. 5).” Para isso todo gestor ou tomador de decisão necessita de dados para que possa decidir que caminho tomar. Um modelo eficaz para que se possa quantificar, conhecer as origens, verificar o destino, e determinar maneiras de reduzir os custos, é o modelo de gestão dos custos, que tem por definição: A gestão dos custos nas empresas é decorrente da busca pela otimização de resultados, inserção em novos mercados, desenvolvimento de novos produtos, expansão e até mesmo para que possam continuar ativas. O qual tem como objetivo a apuração do custo dos produtos e dos departamentos, atendimento às exigências contábeis, atendimento às exigências fiscais, controle de custos de produção, melhoria de processos, eliminação de desperdícios e auxílio na tomada de decisões gerenciais (SCHIER, 2006).

1. PROBLEMA DA PESQUISA

A gestão dos custos é essencial para que se possa garantir e distribuir os recursos dentro da companhia, pois esta gestão mostra quais são as origens dos custos existentes, qual é o custo real de cada produto, qual é o custo de cada etapa da produção, o custo de esforço existente, entre outros. Estas informações são estritamente necessárias para que decisões de cunho operacional, tático e estratégico possam ser tomadas. Segundo Frugis (2007, p. 76),
“A globalização do mercado transforma-o em único, singular, abrangendo todo o planeta. O mundo passa a ser um mercado diferenciado, constituído por camadas afins. Considerando todos esses aspectos, é importante, ao examinar uma empresa familiar, não perder de vista que ela está inserida nesse contexto e nele tenta sobreviver, mantendo padrões próprios de conduta, enquanto o mundo passa por mudanças cada vez mais rápidas e acentuadas, que modificam padrões industriais e empresariais.”

Diante deste contexto, busca-se realizar análises através da identificação e composição dos custos existentes dentro da empresa Puppi Mobile, para o conhecimento dos resultados atuais e possíveis propostas de melhoria.

1.1 Objetivos

1.1.1 Objetivo Geral Desenvolver uma consultoria de custos na empresa produtora de móveis infantis Puppi Mobile. 1.1.2 Objetivos Específicos      Unir a teoria de custos com a prática de uma empresa em forma de consultoria. Identificar e classificar os custos existentes das famílias de produtos com maior relevância. Realizar os cálculos dos custos e do ponto de equilíbrio. Verificar a inter-relação das famílias de produtos na margem de contribuição. Realizar análises dos dados obtidos considerando a realidade da empresa.

2. METODOLOGIA

A metodologia utilizada para a realização do trabalho foi a de primeiramente entrar em contato com a empresa, verificar o aceite da proposta de realização de um estudo e a possível liberação de dados internos. Após o aceite a segunda etapa tratou de se verificar a necessidade latente interna, o tema que teve mais aceitação foi o de custos. A terceira etapa foi a de coleta de dados com entrevistas com o sócio administrador, a observação direta dos processos existentes da empresa, e de relatórios de custos do ano fiscal de 2010. A etapa seguinte foi a de aprimoramento em leituras e busca de livros e trabalhos relacionados ao tema. A etapa de pesquisa documental foi a de utilizar os documentos fornecidos junto com a síntese das entrevistas com a teoria encontrada. Para o desenvolvimento foi feita a aplicação de métodos de custeio e a análise dos dados obtidos. A última etapa foi a apresentação dos resultados à empresa, mostrando as conclusões e recomendações.

3.

REFERENCIAL TEÓRICO

3.1 Consultoria A modalidade escolhida para compor o trabalho foi a de consultoria, portanto para compreender o conceito de consultoria, pode-se utilizar o que foi descrito por Oliveira (1996, p. 21),
Consultoria empresarial é um processo interativo de um agente de mudanças externo à empresa, o qual assume a responsabilidade de auxiliar os executivos e profissionais da referida empresa nas tomadas de decisões, não tendo, entretanto, o controle direto da situação.

3.2 Terminologia Aplicada a Custos  Custo: Segundo Bernardi (1996, p. 40), “São gastos direcionados à produção de bens; portanto, inerentes à atividade de produzir, incluindo a produção em si e a administração da produção”.

  

Desembolso: Segundo Martins (2008, p. 25), “Pagamento resultante da aquisição do bem ou serviço”. Despesa: Segundo Bernardi (1996, p. 40), “São gastos inerentes à obtenção de receitas e administração da empresa, portanto próprios das atividades de vendas e administração”. Gasto: Segundo Bernardi (1996, p. 39), “Tudo o que se desembolsa para atender às finalidades da empresa, através de atividades de produção, administração e vendas, e inclusive investimentos nas mesmas, é gastos”.

Investimento: Segundo Bernardi (1996, p. 40), “São gastos necessários às atividades produtivas, de administração e de vendas, que irão beneficiar períodos futuros; portanto, ativos de caráter permanente e de longo prazo, que, por meio de depreciação ou amortização, irão tornar-se custos ou despesas, dependendo de sua origem ou natureza”.

 

Perda: Segundo Martins (2008, p. 26), “Bem ou serviço consumidos de forma anormal e involuntária”. Custos Variáveis: Segundo Martins (2008, p. 49), “O valor global de consumo dos materiais diretos por mês depende diretamente do volume de produção. Quanto maior a quantidade produzida, maior seu consumo, o valor do custo com tais materiais varia de acordo com o volume de produção”.

Custos Fixos: Segundo Martins (2008, p. 52), “Custos fixos são os que num período têm seu montante fixado não em função de oscilação na atividade”.

3.3 Métodos para análise de custos  Ponto de equilibro em valor: Segundo Padoveze (2009, p. 380), “Assim, traduzimos o ponto de equilíbrio em valor de vendas, ou seja, qual o valor mínimo deve ser vendido para que a empresa não tenha prejuízo e obtenha lucro zero”.  Ponto de equilíbrio contábil: Segundo Padoveze (2009, p. 380), entende-se ponto de equilíbrio contábil “como a quantidade de vendas que deve ser efetuada para cobrir todos os custos e despesas fixas, deixando de lado os aspectos financeiros e não operacionais”.  Margem de Contribuição: Segundo Martins (2008, p. 179), “É a diferença entre o preço de venda e o custo variável de cada produto; é o valor que cada unidade efetivamente traz à empresa de sobra entre a receita e o custo que de fato provocou”.

3.4 Métodos de custeio

O método de custeio é o fundamento da contabilidade de custos ligado á decisão de como deve ser mensurado o custo dos produtos, sendo assim o método é um modelo de decisão mensuração e informação. O objetivo principal de um método de custeio é de apurar o custo de uma unidade de produto fabricado (PADOVEZE, 2009).
FIGURA 1 - MÉTODOS DE CUSTEIO E SEUS RESPECTIVOS GASTOS.

Gastos totais - Diretos e Indiretos Tipos de Gastos Teoria das Restrições Matéria Prima, Materiais Diretos e Embalagens Despesas Variáveis Mão de Obra Direta Mão de Obra Indireta Despesas Gerais Industriais Depreciação Mão de Obra Administrativa/Comercial Despesas Administrativas/Comerciais Despesas Financeiras
Fonte: Padoveze (2009)

Métodos de Custeio Custeio Direto/Variável

Custeio por Absorção

Custeio ABC Custeio Integral

4. ANÁLISE DO ESTUDO

4.1 A empresa

A empresa iniciou suas atividades no mercado em janeiro de 1992. Atua no mercado moveleiro com uma linha de móveis infantil, tornando-se referência no desenvolvimento de novos produtos e tecnologia de acabamento. Os principais produtos da Puppi Móbile são:

RKW

Berços, roupeiros, cômodas, e outros acessórios para quarto de bebê, a empresa se destaca neste mercado pela qualidade e modelos diferenciados de seus produtos, hoje presentes nas principais lojas e cidades de todo Brasil. Os produtos Puppi Móbile são elaborados com extrema responsabilidade. Produzidos dentro das normas técnicas e utilizando matéria prima de alta qualidade. É pioneira na utilização de revestimento PET totalmente atóxico no acabamento, oferecendo não só beleza e segurança, mas, acima de tudo, respeito ao consumidor, seus filhos e a natureza, a empresa está continuamente investindo em tecnologia de produção, com centros de usinagem modernos, controles rigorosos de corte, lixamento, pintura, montagem, embalagem para assegurar ao consumidor um produto de qualidade superior.

4.2 Classificação das famílias de produtos Para buscar uma gama adequada de produtos para estudo, estes foram separados por famílias. O critério utilizado para a separação foi de porcentagem simples sobre o faturamento, buscando verificar quais famílias foram mais representativas. Os dados disponibilizados referemse ao relatório dos produtos mais vendidos em ordem de quantidade e valores em reais. A tabela a seguir mostra a quantidade vendida, o valor em reais e a porcentagem representativa do total do faturamento da empresa no ano de 2010.
TABELA 1 - QUANTIDADE VENDIDA, VALOR TOTAL E PORCENTAGEM DAS FAMÍLIAS DE PRODUTOS.

Família Roupeiro Cômoda Berço Cama Mini cama Cama auxiliar Acessórios Outros/reposições assistências técnicas Total de vendas

Quantidade vendida (UN) 2 501 4 203 6 026 1 110 188 409 1 627 3 735 19 799

Valor Total Porcentagem (R$) 2 044 947.34 34.26% 1 580 100.04 1 801 120.21 297 651.11 35 896 80 056.5 87 821.05 42 160.37 5 969 752.62 26.47% 30.17% 4.99% 0.60% 1.34% 1.47% 0.71% 100%

4.3 Classificação dos itens de custeio Para que a análise de custos pudesse ser feita, foi necessário apurar todos os custos e despesas existentes diretamente e indiretamente as famílias de produtos, a classificação foi feita a partir do método contábil existente. Para que os produtos sejam transformados, a empresa utiliza diversas linhas e tipos de máquina, obtendo-se a completa compreensão das atividades que cada uma exerce. Após a descrição e classificação, os custos e despesas identificados foram quantificados, representados em reais. Para finalizar o levantamento de dados permitindo a realização dos cálculos, foram coletados os valores dos materiais diretos utilizados para a produção de cada família de produtos. Os custos diretos dos materiais são classificados como custos variáveis diretos, incluindo todos os componentes de matéria prima utilizados na fabricação do produto. Para a apropriação de custo direto utilizou-se dos tempos de maquinário, para apropriar os custos dentro das famílias de produtos escolhidas para análise. O tempo de apropriação base utilizado foi de 8.8 horas diárias, durante 5 dias por semana, verificando as capacidades e tempos de alocação por máquina. Para cada máquina no processo de produção da empresa, este representado em quilowatts hora (KWH), a quantidade de quilowatts foi descoberta a partir da leitura individual de consumo por maquinário. De acordo com cada quantidade de energia dispendida foi possível descobrir o custo por hora de cada máquina utilizado o valor descrito na leitura mensal de energia elétrica da empresa. Para concluir o custo de maquinário o cálculo da depreciação foi feito de acordo com o método linear de depreciação, o maquinário passou então pela depreciação de 10 anos, as que não atingiram o tempo foram inclusas no cálculo de depreciação e as máquinas que já foram depreciadas não entraram no cálculo. Os funcionários diretos de produção, formando a mão de obra direta da empresa somam um total de 56, e estão alocados para cada centro de produção, onde se somaram os funcionários envolvidos em cada setor e seu respectivo salário, tendo já incluso todos os encargos que estão diretamente embutidos na remuneração. A parcela do salário que diretamente está incluso no

custo do produto, está relacionada ao dispêndio de tempo que os componentes do produto final somam-se no setor. As variáveis, energia elétrica, depreciação e salários diretos formam os custos que estão diretamente alocados nos maquinários.

4.4 Alocação dos custos diretos nas famílias de produto

Após a descoberta dos custos diretos dos maquinários foi possível tratar dos custos aplicados às famílias de produtos selecionadas para estudo. Foram utilizadas as quantidades necessárias de materiais para a fabricação das famílias em cada máquina. Obteve-se o tempo que cada componente de família passava pela operação, este dado foi obtido a partir de uma planilha disponibilizada pela empresa, assim foi possível encontrar o custo direto por minuto do produto em cada maquinário. 4.5 Rateio dos custos e despesas fixas

Para a elaboração dos cálculos foram obtidos dados dos custos e despesas fixas mensais, e o tempo que cada grupo de família permanece dentro do processo de produção da empresa. A base do rateio foi feita de acordo como o tempo que cada produto fica na empresa, encontrando assim a quantidade em valores (R$) que cada família de produtos absorve de custos e despesas fixas.

4.6 Custo Total As famílias com maior relevância dentro da empresa têm seus custos totais de acordo com os dados da tabela 2, a seguir:
TABELA 2 - CUSTO TOTAL DE PRODUTO

Roupeiro (R$) Matéria prima Custo direto Total rateio Tributação total Custo Total 198.83 50.09 155.33 148.07 552.32

Cômoda (R$) 89.52 23.08 85.00 68.28 265.88

Berço (R$) 101.22 37.00 89.05 51.07 278.34

Cama (R$) 68.66 29.64 72.83 48.19 219.31

4.7 Apuração das margens de contribuição e lucro

Na tabela 3 estão demonstradas as quantidades médias vendidas pela empresa em 2010, o preço médio praticado, os custos variáveis, despesas variáveis e a margem de contribuição unitária por produto.
TABELA 3 - APURAÇÃO GLOBAL

Descrição Quantidade Preço de venda - unitário Custos variáveis - unitário Despesas variáveis - unitário Tributos unitários Margem de contribuição - unitária Vendas totais Custos variáveis totais Despesas variáveis totais Tributos totais Margem de contribuição total Margem de contribuição percentual (-) Custos e despesas fixos totais Lucro operacional total Margem operacional percentual Participação dos produtos na margem de contribuição total

Berço 502 298.89 138.22 35.86 51.07 73.74 150 092.60 69 410.40 18 007.70 25 645.65 37 028.85 24.67% 44 715.83 -7686.99 -5.12% 22.41%

Roupeiro 209 817.65 248.91 98.11 148.07 322.56 170 888.85 52 022.51 20 504.99 30 946.63 67 414.72 39.45% 32 464.76 34 949.96 20.45% 40.80%

Cômoda 350 375.95 112.59 45.10 68.28 149.98 131 676.49 39 435.85 157 96.28 23 915.07 52 529.29 39.89% 29 771.09 22 758.20 17.28% 31.79%

Cama 93 268.15 98.30 32.17 48.19 89.49 24 803.88 9 092.94 2 975.73 4 457.58 82 77.63 33.37% 6 736.51 1 541.12 6.21% 5.01%

A participação dos produtos na margem de contribuição total ficou com a família de berços em 22,41%, a de roupeiros em 40,80%, a de cômodas em 31,79% e a de camas 5,01%.

4.8 Ponto de equilíbrio em quantidade

Está demonstrado o ponto de equilíbrio em quantidade, individual, para cada produto escolhido na consultoria feita na empresa.

TABELA 4 - PONTO DE EQUILÍBRIO EM QUANTIDADE

Descrição Ponto de equilíbrio Preço de venda Custos variáveis - unitário Despesas variáveis - unitário Tributos unitários Margem de contribuição - unitária Vendas totais Custos variáveis totais Despesas variáveis totais Tributos totais Margem de contribuição total Margem de contribuição percentual (-) Custos e despesas fixos totais Lucro operacional total

Berço 606 298.89 138.22 35.86 51.07 73.74 181 251.01 83 819.62 21 746.00 30 969.55 44 715.84 24.67% 44 715.83 0.00

Roupeiro 101 817.65 248.91 98.11 148.07 322.56 82 294.57 25 052.37 9 874.54 14 902.90 32 464.76 39.45% 32 464.76 0.00

Cômoda 199 375.95 112.59 45.10 68.28 149.98 74 627.94 22 350.35 8 952.57 13 553.92 29 771.09 39.89% 29 771.09 0.00

Cama 75 268.15 98.30 32.17 48.19 89.49 20 185.93 7 400.03 2 421.71 3 627.67 6 736.51 33.37% 6 736.51 0.00

Conforme demonstrado na tabela, para que se alcance o lucro zero, a família de berços deve produzir e vender a quantidade 606 unidades de produto, a de roupeiros deve produzir 101 unidades de produto, a de cômodas 199 e a de camas 75 unidades.

4.9 Ponto de equilíbrio em valor O modelo utilizado para calcular o ponto de equilíbrio em valor é por utilização com múltiplos produtos. O ponto de equilíbrio em valor foi de R$328,481.76, conforme demonstra a tabela 5.
TABELA 5 - PONTO DE EQUILÍBRIO EM VALOR
Descrição Quantidade Percentual Ponto de equilíbrio em quantidade para múltiplos produtos Preço de venda x porcentagem do mix Custos e despesas variáveis unitários com porcentagem e tributos Margem de contribuição x percentual do mix Margem de contribuição em porcentagem sobre preço de venda (-) Custos e despesas fixos totais Ponto de equilíbrio em valor Berço 502 43.52% 130.07 32.09 Roupeiro 209 18.11% 148.09 58.42 Cômoda 350 30.35% 114.11 45.52 Cama 93 8.02% 21.50 7.17 Total com porcentagens aplicadas 794 100.00% 793.87 413.77 270.57 143.21 34.61% 133 688.20 328 481.76

4.10 Modelo de redução de custos para alavancagem Foi utilizado um modelo que visa reduzir os custos dos produtos com margem de contribuição abaixo da média dos outros produtos, deixando a empresa abaixo da margem de lucro desejada, atualmente 15%. O objetivo desta redução é aumentar a margem de contribuição de berço e cama, portanto os custos que influenciam diretamente na margem de contribuição são os custos e despesas variáveis. 4.11 Alavancagem da margem de contribuição total e do resultado com aumento em quantidade Foram abordadas possíveis alterações para alavancagem das margens de contribuição dos produtos. Sendo berço e cama os produtos com margem abaixo da esperada pela empresa, foi simulado nesta sessão uma solução em nível de alavancagem de quantidade vendida, para que os resultados de berço e cama atinjam 15% em lucro operacional.

TABELA 6 - MODELO ALAVANCAGEM QUANTIDADE

Descrição Quantidade vendida Preço de venda Preço de venda (-) 15 % Custos Variáveis - Unitário Despesas variáveis - Unitário Tributos unitários Margem de Contribuição - unitária Vendas Totais Custos variáveis totais Despesas Variáveis Totais Tributos Totais Margem de Contribuição Total Margem de contribuição percentual (-) Custos e despesas fixos totais Lucro Operacional Total Lucro Operacional Total em porcentagem

Berço 1547 298.89 254.05 138.22 35.86 51.07 28.9 462 382.83 213 826.34 55 475.42 79 005.29 114 075.78 24.67% 44 715.83 69 359.94 15.00%

Cama 137 268.15 227.92 98.30 32.17 48.19 49.26 36 736.55 13 467.38 4 407.29 6 602.03 12 259.84 33.37% 6 736.51 5 523.32 15.00%

Resulta-se em 1547 unidades de berços a serem vendidas, e 908 para cama. O que seria um aumento de 308% e 982% respectivamente. Esta é uma opção para empresa, em alavancagem de quantidade vendida, para maximizar a margem de contribuição de berço e cama, que passam a ser 36% e 26% sobre a nova margem de contribuição total da empresa, de R$ 315.274,80. 4.12 Inter-relação Como a empresa fabrica diversos produtos, foi necessário avaliar a inter-relação de um produto quando no resultado global da empresa, este se apresenta com prejuízo, mas sua margem de contribuição é positiva. Embora a família de berços não absorva integralmente os custos fixos alocados em seu processo, o resultado vendas totais (-) custos e despesas variáveis totais, resultam em sua margem de contribuição, sendo positiva, são suficientes para que esta família agregue resultado positivo no lucro da empresa, ou seja, está contribuindo na absorção dos custos fixos totais, alavancado o resultado de outros produtos. Pode-se observar que na tabela 7 de apuração de todos os produtos, o berço apresenta prejuízo para a empresa, individualmente.

TABELA 2 - INTER-RELAÇÃO

Descrição Quantidade Preço de venda - unitário Custos variáveis - unitário Despesas variáveis - unitário Tributos unitários Margem de contribuição - unitária Vendas totais Custos variáveis totais Despesas variáveis totais Tributos totais Margem de contribuição total Margem de contribuição percentual (-) Custos e despesas fixos totais Lucro operacional total Margem operacional percentual Participação dos produtos na margem de contribuição total

Roupeiro 209 817.65 248.91 98.11 148.07 322.56 170 888,85 52 022,51 20 504,99 30 946,63 67 414,72 39.45% 32 464,76 34 949,96 20.45% 52.58%

Comoda 350 375.95 112.59 45.10 68.28 149.98 131 676,49 39 434,65 15 796,28 23 915,07 52 529,29 39.89% 29 771,09 22 758,20 17.28% 40.97%

Cama 93 268.15 98.30 32.17 48.19 89.49 24 803,88 9 092,75 2 975,73 4 457,58 8 277,63 33.37% 6 736,51 1 541,12 6.21% 6.46%

Total 327 369,21 100 549,91 39 276,99 59 319,28 128 223,04 113 688,19 14 533,45 11.33% -

Como a margem de contribuição da família de berços representa 22 % da margem de contribuição total de todos os produtos, no resultado global, é um produto que alavanca todo o resto da empresa, ajudando na absorção dos custos fixos. Com a retirada do berço da linha de produção, o lucro da empresa recua como mostra a tabela 7 com resultados de roupeiro, cômoda e cama, agora, tendo que absorver também os custos fixos que eram direcionados no berço. 4.13 Redução de custos fixos para redução do ponto de equilíbrio

Foi utilizado um modelo para demonstrar a relação da diminuição dos custos e despesas fixos para a diminuição do ponto de equilíbrio. A cada 1% de redução nos custos e despesas fixos se tem exatamente o mesmo 1% de redução no ponto de equilíbrio. O mesmo vale para aumentos, portanto se o planejamento da empresa permite alterações nos custos fixos, pode-se verificar a redução necessária para chegar a uma quantidade desejada para ponto de equilíbrio. Utilizado o modelo com a família de berços, a qual que teve médias de venda de 502 unidades por mês no ano de 2010, e seu ponto de equilíbrio atual é de 606 peças, a redução necessária para pelo menos auferir lucro zero é de 104 peças, uma redução de 17,16%. Esta

porcentagem deve ser a redução nos custos fixos, para que o novo ponto de equilíbrio seja 502 unidades. Custos fixos R$ 44 715,83 (-) 17,16% = R$ 37,041,83.
TABELA 8 - PONTO DE EQUILÍBRIO COM REDUÇÃO NOS CUSTOS FIXOS

Descrição Ponto de equilíbrio Preço de venda Custos variáveis - unitário Despesas variáveis - unitário Tributos unitários Margem de contribuição - unitária Vendas totais Custos variáveis totais Despesas variáveis totais Tributos totais Margem de contribuição total (-) Custos e despesas fixos totais

Berço 502 298.89 138.22 35.86 51.07 73.74 150 145.22 69 434.74 18 014.01 25 654.64 37 041.83 37 041.83

5. CONCLUSÃO

5.1. Resultados Alcançados A empresa apenas possui dados, como a apuração geral do resultado, sem nenhuma classificação dos seus custos, também tem todo o levantamento da capacidade de sua produção, porém não foca na abordagem de custeio, que agrega em seu produto final, portanto não há nenhum método de custeio. A consultoria feita desenvolveu e analisou todos estes dados, agrupando-os para que estes se tornassem informações viáveis para a utilização do gestor em sua tomada de decisão.

5.2 Recomendações A partir destas análises, é possível aplicar modelos de decisão da margem de contribuição para maximização do lucro. Os componentes do modelo podem ser trabalhados de forma a alavancar o resultado líquido total da empresa. O desenvolvimento do trabalho levantou aspectos relevantes da empresa Puppi Móbile, para elaboração de planos de trabalho. Como foco da consultoria, a área de custos, foi dado o diagnóstico das principais famílias de produto da empresa. Identificados pontos críticos para o alcance do resultado esperado pelo gestor, podem-se detalhar quais as melhorias, através de modelos e demonstrações que promovendo alterações quantitativas, alavancariam os pontos redutores do resultado, permitindo ao gestor tomar frente a políticas de longo prazo, baseado nas variáveis existentes que sejam mais próximas a realidade da empresa. A redução de custos deve ser um processo sistêmico, englobando toda a empresa. O alcance de novos patamares torna-se facilitado focando no cunho estratégico, o qual permite possibilidade de planejamento sólido, pensando-se no longo prazo, esta consideração explica-se devido às limitações de investimento da empresa, e carência de profissionais que liderem projetos, e mudanças. Também se ressalta a necessidade de reforço dos valores e cultura organizacionais e elaboração de novos, permitindo a motivação de todos os envolvidos na empresa pela busca contínua de redução de custos.

REFERÊNCIAS

BERNARDI, Luiz Antonio. Política e Formação de Preço de Venda - Uma Abordagem Competitiva, Sistêmica e Integrada. São Paulo: Atlas, 1996. CHIAVENATO, Idalberto. Introdução à Teoria Geral da Administração. Rio de Janeiro: Campus; 6. Ed., 2000. COSTA, Armando Joao Dalla. Sucessão e Sucesso nas Empresas Familiares. Curitiba: Juruá Editora, 2006. FRUGIS, Leonardo Ferretti. As Empresas familiares e a continuidade na gestão das Terceiras Gerações. São Paulo: EDUC; Fapesp, 2007. GIL, Antonio Carlos. Como elaborar projetos de pesquisa. 4. Ed. São Paulo: Atlas, 2002. JACINTHO, PAULO RICARDO BECKER. “Consultoria empresarial: procedimentos para aplicação em micro e pequenas empresas.” 2004. http://pt.scribd.com/doc/925722/CONSULTORIA-EMPRESARIAL (acesso em 19 de Junho de 2011). LEONE, George Sebastião Guerra. Custos: planejamento, implantação e controle. São Paulo: Atlas, 3. ed., 2000. MAHER, Michael. Contabilidade de Custos: Criando Valor Para a Administração. São Paulo: Atlas, 2001. MARCONI, Marina de Andrade, e Eva Maria LAKATOS. Fundamentos de metodologia científica. São Paulo: Atlas, 6ed., 2007. —. Técnica de pesquisa: planejamento e execução de pesquisas, amostragens e técnicas de pesquisa, elaboração, análise e interpretação de dados. 7. ed. São Paulo: Atlas, 2008. MARTINS, Eliseu. Contabilidade de Custos. 9 Ed. Atlas, 2008. MICHAELIS. Dicionário escolar língua portuguesa. São Paulo: Melhoramentos, 2008. OLIVEIRA, Djalma de Pinho Rebouças de. Manual de Consultoria Empresarial: conceitos, metodologia, práticas. São Paulo: Atlas, 1996. PADOVEZE, Clóvis Luís. Controladoria Estratégica e Operacional . São Paulo: Cengage Learning; 2. Ed., 2009. PARREIRA, Francisco E. Consultoria, consultores e clientes. São Paulo: Érica, 1997. São Paulo: Érica, 1997. RICCA, Domingos. Sucessão na Empresa Familiar: Conflitos e Soluções. Cla Editora, 2007. SANTOS, José Luiz dos, Paulo SCHMIDT, Paulo Roberto PINHEIRO, e Marcelo Santos NUNES. Fundamentos de contabilidade de custos. São Paulo: Atlas, 2006.