Retículo endoplasmático

• complexo sistema membranar em forma de
rede • engloba cisternas, canais, vesículas e cisternas canais vacúolos, vacúolos ligando entre si o lúmen dos diversos compartimentos • possui ligação ao espaço perinuclear contacto do lúmen do RE com o lúmen da membrana nuclear

Retículo endoplasmático
• constituído por 2 porções morfológica e funcionalmente distintas: distintas: - RE rugoso - RE liso

a quantidade e morfologia do RE variam nos diferentes tipos de células ( função)

1

mas extende-se através do citoplasma • À superfície possui ribossomas (formados por rRNA e proteínas) participam activamente na síntese proteíca 2 . mas extende-se através do citoplasma • À superfície possui ribossomas (formados por rRNA) participam activamente na síntese proteíca Retículo endoplasmático RE rugoso: rugoso: • rede contínua de vesículas tubulares e achatadas • encontra-se ligado à membrana nuclear.Retículo endoplasmático RE rugoso: rugoso: • rede contínua de vesículas tubulares e achatadas • encontra-se ligado à membrana nuclear.

Funções do Retículo endoplasmático rugoso Os ribossomas participam activamente na síntese proteíca: proteíca: proteínas membranares enzimas digestivas (lisossomas) e outras enzimas hormonas o RE rugoso é responsável pela formação de vesículas que se direccionam para o complexo de Golgi Proteínas • Compostos de carbono bastante abundantes na célula (cerca de 10-20 % da massa celular) • São macromoléculas • As unidades estruturais aminoácidos • Funções : formação de novos tecidos reparação de tecidos enzimas mensageiros intracelulares das proteínas são os 3 .

Ribossomas: Ribossomas: • unidades ultrastruturais citoplasmáticas. RNP 60S). RNP 40S) e .8S.pequena subunidade ribossomal (rRNA.5S. eucarióticas) • cada ribossoma é constituido por 2 subunidades independentes: .5. ~50 proteínas.18S. onde se sintetizam proteínas • são sintetizados pelo nucléolo • possuem grande densidade electrónica • o tamanho varia entre 25-30 nm de diâmetro (cél. ~30 proteínas. que se apresentam funcionalmente ligadas Ribossomas Célula procariótica Célula eucariótica 1S (Svedberg) = (1Sv=) ~10-13 s – unidade usada em ultracentrifugação 4 .grande subunidade ribossomal (3 rRNA-28S.

O DNA é responsável pela codificação de todas as proteínas Etapa 1: transcrição m DNA mRNA (RNA polimerase) Etapa 2: mRNA sai do núcleo ribosome Etapa 3: mRNA liga-se a um ribossoma. e fornece o código genético para a síntese de proteínas a partir de aa 5 .

os componentes do ribossoma associam-se e ligam-se ao mRNA início da síntese do polipeptídeo. a sequência sinal é eliminada. as subunidades ribossómicas dissociam-se. com a sequência sinal na extremidade (sequência de sinal – sequência de aa hidrofóbicos. continua o alongamento da cadeia polipeptídico para dentro do RE 4. por proteólise limitada. podendo ser reutilizados noutro ciclo Papel do RNA na síntese proteíca • o mRNA é direccionado para o ribossoma • o tRNA lê o código do mRNA e o aa correspondente é inserido na proteína ‘em construção’ • o rRNA cataliza a formação da ligação peptídica e está envolvido na selecção do tRNA correcto 6 . termina a síntese da proteína. prendendo-se a uma proteína que a reconhece .Síntese proteíca no RER 1.PRS) 3. 2. que permite a entrada de uma cadeia peptídica hidrofílica na membrana do RER. a cadeia polipeptídica desprende-se do ribossoma 5.

folha β . dentro da mesma cadeia peptídica ou entre cadeias hidrogénio vizinhas • corresponde ao arranjo 3D da cadeia polipeptídica da proteína • estruturas secundárias: .hélice de poliprolina (colagénio ) .paralela ou antiparalela .Estrutura primária Estrutura 1ária – conjunto de aa ligados entre si (ligação peptídica) Estrutura secundária • estabilizada pelas ligações de hidrogénio.estrura intermédia (‘β-turns’) β 7 .α-hélice .

0 aa/volta • no sentido da mão esquerda • distância entre as hélices: 9.4 Å Estrutura secundária hélice de poliprolina • 3.4 Å Característico das cadeias polipeptídicas das fibras de colagénio 8 .Estrutura secundária α-hélice • 3.6 aa/volta • no sentido da mão direita • distância entre as hélices: 5.

0 aa/volta • pontes de H desigualmente espaçadas • distância entre as hélices: 6.4 Å folha β anti-paralela anti• 2.0 aa/volta • pontes de H espaçadas uniformemente • distância entre as hélices: 6. os domínios hidrofílicos no exterior) Estrutura quaternária proteínas individuais organizam-se para formar complexos simétricos.8 Å Estrutura terciária • conformação 3D biologicamente activa da proteína • estabilizada por interações não covalentes (os domínios hidrofóbicos localizam-se no interior da proteína. A estrutura 4ária é estabilizada por ligações não covalentes 9 .Estrutura secundária folha β paralela • 2.

colesterol…) . cap. De Robertis e E. De Robertis. Azevedo “ Biologia Celular e Molecular” (Lidel) 3ª Ed.produzir lípidos (PL.M. 8. 1996 10 . pp 313-345.produzir enzimas que participam nas reacções de destoxificação – ex. Jr.. “ Biologia Celular e Molecular” (Fundação Calouste Gulbenkian) cap. pp 177-190. 1999 • E. 12. pesticidas e outras substâncias tóxicas (hepatócitos) bibliografia • C.Retículo endoplasmático liso • não possui ribossomas ligados à membrana • a membrana do RE liso é contínua à do RE rugoso • as principais funções do RE liso são: .armazenar Ca2+ (miócitos) .

(dictiossomas) associados a vesículas de secreção.grandes vacúolos cheios de material amorfo ou granular Complexo de Golgi Cada dictiossoma é polarizado ( diferenciação de membrana) • face cis (proximal ou de formação) . • face trans (distal ou de maturação) .Complexo de Golgi •Conjunto de membranas com origem no RE. •Através de vesículas de secreção pode fundir-se com porções específicas da membrana plasmática.sacos achatados (cisternas) .grupos de túbulos e vesículas com ~ 60 nm . •Apresenta em geral 3 componentes membranosos: .próxima do núcleo e convexa. •É formado por pilhas de discos achatados.côncava 11 .

.as cisternas são libertadas à velocidade de 1 em poucos minutos (algas e hepatócitos) 12 .dictiossomas renovam-se todos os 20 a 40 minutos.Complexo de Golgi a face cis recebe vesículas contendo proteínas sintetizadas de novo no RER (e lípidos no REL) as proteínas do RER passam através do complexo de Golgi para serem modificadas antes de ocorrer a secreção a face trans liberta vesículas contendo as proteínas modificadas. que são enviadas para outras células ou que são mantidas na célula Complexo de Golgi .existe um mecanismo contínuo de fluxo de membrana para compensar a libertação de vesículas de secreção .

plasmática (aprox. Clivagens proteolíticas específicas (ex.cél.tiamino-pirofosfatase tiamino.transferem glicosiloligossacarídeos para as (glico)proteínas glico)proteínas (a sua proporção aumenta na direcção trans) trans) cis Etapas das modificações ocorridas: ocorridas: 1. Adição de hidratos de carbono (formação de glicolípidos e glicoproteínas: os grupos prostéticos hidrocarbonados são adicionados de uma forma sequencial no complexo de Golgi pela acção de glicosil-transferases) 2. β pancreáticas) 3.glicosil-transferases . proinsulina insulina . Direccionamento das vesículas de secreção (membrana plasmática ou lisossomas) 13 . 40% lípidos e 60% proteínas em fígado) Enzimas características: .Composição química: Composição fosfolipídica (e conteúdo em proteínas) do complexo de Golgi intermédia entre o RE e a memb.

RER e REL membranas de Golgi vesículas de secreção lisossoma ou membrana plasmática Glicoproteínas .existem cadeias laterais terminais. contendo outros resíduos de açúcar 14 .possuem uma cadeia oligossacarídica ramificada.a maior parte contém um núcleo comum. ligada ao polipeptídeo . constituído por 5 resíduos de açúcar (manose ou NAcGlc) ligados a um resíduo de Asn (Ser) .

vesículas de secreção.mediana .trans – adição de galactose • face trans adição de ác.adição N-acetil-glucosamina . β pancreáticas) (todas as células) 3 clivagens 1 clivagem proteínas sintetizadas na forma inactiva 15 .remoção dos resíduos de manose .Locais onde ocorrem as modificações das proteínas e lípidos no CG •face cis fosforilação dos oligossacarídeos • cisternas do complexo de Golgi . membrana plasmática) Clivagens proteolíticas específicas • proalbumina albumina • proinsulina insulina (cél. siálico Secreção (lisossomas.cis – remoção dos resíduos de manose .

5.anticorpos secreção descontínua (grânulos de zimogénio) cél.Complexo de Golgi • as proteínas sintetizadas no RER são transportadas para o complexo de Golgi (face cis cis) • no complexo de Golgi as proteínas são modificadas. α pancreáticas – glucagina cel. noradrenalina …. 2. 3. 6. Fase ribossómica – síntese de proteínas no RER Fase cisternal – transporte vectorial das proteínas para o interior do lúmen do RE Transporte intracelular – as proteínas segregadas entram em túbulos e vesículas de transição. adrenais – adrenalina. e direccionadas para o seu destino através das vesículas de secreção (face trans) trans (principal função do CG) secreção contínua - hepatócitos – glicoproteínas glob. Etapas de secreção 1.brancos . β pancreáticas – insulina cél. que conduzem ao CG onde se fundem com os grandes vacúolos de condensação (fase de maturação do CG) Concentração da secreção – vacúolos de condensação convertidos em grânulos de zimogénio Acumulação intracelular – formação dos grânulos de secreção Exocitose – necessita Ca2+ e ATP (fusão-fissão) 4. 16 .

pp 347-381. 9. De Robertis. cap.. 16.M. pp 233-243. De Robertis e E.Complexo de Golgi e a formação de lisossomas O complexo de Golgi está envolvido na formação de lisossomas primários a fase de maturação encontra-se na região Golgi-transGolgi-trans-reticular (GERL – fosfatase ácida) síntese. 1999 • E. Jr. Azevedo “ Biologia Celular e Molecular” (Lidel) 3ª Ed. 1996 17 . agregação e transporte de (glico)proteínas bibliografia • C. “ Biologia Celular e Molecular” (Fundação Calouste Gulbenkian) cap.