UNI – UNIÃO NACIONAL DE INSTRUÇÃO

Ensino de Jovens e Adultos

FILOSOFIA

1

UNI – UNIÃO NACIONAL DE INSTRUÇÃO
Ensino de Jovens e Adultos SUMÁRIO

PÀG. I – INTRODUÇÃO 1.1. Qual é a “utilidade” da filosofia? 1.2. As origens do pensamento filosófico 1.3. A Cosmologia dos Pré-socráticos II – OS SOFISTAS 2.1. Sócrates 2.2. Platão 2.3. Aristóteles III - OS FILOSÓFOS MODERNOS E A TEORIA DO CONHECIMENTO 3.1. O racionalismo 3.2. O empirismo 3.3. O criticismo de Kant IV - PENSAMENTO E LINGUAGEM 4.1. O que e Linguagem V – A FILOSOFIA CONTEMPORÂNEA 5.1. Século XIX 5.2. O século XX VI - AS DISCIPLINAS FILOSÓFICAS 6.1. A Metafísica 6.2. Epistemologia 6.3. Ética VII - FILOSOFIA SOCIAL E POLÍTICA VIII - ESTÉTICA IX - DIMENSÃO PEDAGÓGICA DA FILOSOFIA 9.1. Abordagem Filosófica, Metafísica e Epistemológica da Formação da Pessoa X - REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS 01 01 02 02 04 05 05 06 07 08 09 11 11 11 12 12 15 17 17 19 21 23 24 25 26 28

2

UNI – UNIÃO NACIONAL DE INSTRUÇÃO
Ensino de Jovens e Adultos Parabéns! Você optou por fazer um curso na modalidade a distância, um processo diferente da modalidade presencial. Se este é seu primeiro contato com a filosofia, você certamente estará se fazendo a pergunta - O que é a filosofia? Se não é seu primeiro contato, você provavelmente já se deu conta de que esta não é uma das perguntas mais fáceis de serem respondidas. No processo educativo, se pensássemos a filosofia como um instrumento de desenvolvimento de nossa capacidade argumentativa isto já Pitágoras (séc. VI .a.C.) - também conhecido como matemático – usou pela primeira vez a palavra filosofia (philos-sophia), que significa “amor à sabedoria”. É bom observar que a própria etimologia mostra que a filosofia não é puro logos, pura razão: ela é a procura amorosa da verdade. A filosofia propriamente dita tem condições de surgir no momento em que esse pensar é posto em causa, tornando-se objeto de uma reflexão. Examinando a palavra reflexão temos

diversos significados: refletir é retomar o próprio pensamento, pensar o já pensado, voltar para si mesmo e colocar em questão o que já se conhece.

justificaria sua importância e relevância. Se pensarmos a reflexão filosófica apenas como treinamento lógico do pensar, estaremos desvirtuando a filosofia e toda sua história de interação e interesse pelo processo educacional.

1.1. Qual é a “utilidade” da filosofia?

Para responder a essa questão, gostaria de saber o que você entende por utilidade?

I - INTRODUÇÃO A utilidade da filosofia está no fato de que Há uma pergunta que muitos se fazem quando ouve falar de filosofia: que utilidade tem a filosofia? ela, por meio da reflexão permite que o homem tenha mais que uma dimensão. A filosofia é a possibilidade de transcendência humana, a

capacidade que só o homem tem de superar a sua A filosofia, por mais que ignoremos tem exercido uma admirável influência até mesmo sobre a vida de gente que nunca ouviu falar nela. Indiretamente, tem sido destilada através de sermões, da literatura, dos jornais e da tradição oral, afetando assim toda a perspectiva geral do mundo. imanência (situação dada e não escolhida). Pela transcendência o homem surge como um ser de projeto, capaz de construir o seu destino, capaz de liberdade. A filosofia recupera o processo perdido no imobilismo das coisas feitas (mortas porque já ultrapassadas). A filosofia impede a estagnação. Por Você sabe qual a etimologia da filosofia? isso o filosofar sempre se confronta com o poder,

3

entre os séculos VII e VI a. o que significa cada um: os séculos VII e VI a. A filosofia ocidental nasceu na Grécia. significa razão. o que você irá responder? 1. observamos que a verdade é pôr a nu aquilo que estava escondido.1990). Mito – São explicações que se caracterizam por fazer referências a entidades sobrenaturais como sendo as responsáveis pelos fenômenos da natureza. Modificando.C. Veja. Esta expressão pode gerar alguns mal-entendidos em função de seus termos principais: mito e logos. pois o que antes era apenas contado pela tradição oral. Em conversa com seus amigos. que surgiu neste período.C.O termo “logos”. pois seus argumentos são apresentados como verdade revelada pelos deuses. Suas A escrita. Do pouco que sobrou dos escritos do pensamento filosófico destes. teve um papel importante nesta passagem. você disse que está estudando Filosofia. Filosofar não é um exercício puramente intelectual. e aí reside a vocação do filósofo: o desvelamento do que está encoberto pelo costume.3.. com uma preocupação em responder à questão da ordem do universo (cosmos). A Cosmologia dos Pré-socráticos. ciência. Finalmente. linguagem. passou a ser escrito. pelo convencional. pode-se destacar a suposição de que a passagem do “mito” ao “logos” se deu de maneira definitiva. Logos . explicações não fazem referência aos deuses como 4 . a filosofia exige coragem. com o abandono total de referências sobrenaturais. em grego. pelo poder.UNI – UNIÃO NACIONAL DE INSTRUÇÃO Ensino de Jovens e Adultos não devendo sua investigação estar alheia à ética e à política. então. Por isso foram chamados “filósofos da natureza”. assim como achar que a explicação filosófica é dotada de razão. Saber para transformar. Os filósofos Pré-socráticos aparecem entre 1. Mal acabou de falar e logo perguntaram: “O que é filosofia?” E agora. assim. Este momento da história do pensamento é usualmente chamado de passagem do mito ao logos. ao passo que o mito seria destituído dela (REALE e ANTISERI. nota-se que está permeado de mito (religião). A preocupação destes primeiros pensadores era descobrir o princípio que explicasse sua existência e ordem. principalmente na Ásia Menor.2. A filosofia é a crítica da ideologia. As origens do pensamento filosófico. o pensamento e o homem. Atentando para a etimologia grega correspondente à verdade. Descobrir a verdade é ter a coragem de enfrentar as formas estagnadas do poder que tentam manter o status quo. Dentre os malentendidos comuns. é aceitar o desafio da mudança. em todas as colônias gregas que se espalham pela a costa do Mediterrâneo.

V a. crítica esta que reaparecerá mais tarde na República de Platão. sophia. como demonstra os pensadores destacados a seguir: Tales de Mileto (sécs. claro. Anaxímenes de Mileto (séc. até hoje se conhece como teorema de Tales.C. VII-VI a.) foi grande crítico da concepção popular e tradicional dos deuses. a teoria da água de Tales. até início do séc.) . Anaximandro de Mileto (sécs. grande matemático da Antigüidade. na geometria.Ele pensava que a origem de todas as coisas teria de ser o ar ou o vapor. desenvolveu uma teoria filosófica baseada na idéia de que tudo é composto de números – entendidos por ele como pequenas partículas materiais – e a ordem do universo é derivada de harmonias geométricas. segundo consta. o ar constituiria a origem da terra. uma vez indicado como sábio (sophos).UNI – UNIÃO NACIONAL DE INSTRUÇÃO Ensino de Jovens e Adultos sendo a causa única dos acontecimentos deste mundo.C.) .C.Ele achava que a origem de todas as coisas seria a água. VII-VI a. mas devia estar convencido de que toda forma de vida teria se originado da água . mas parece claro que Anaximandro não estava pensando em uma substância conhecida. "sabedoria"). 5 . "aquele que ama". teria respondido que apenas era um "amante da sabedoria" (philo. VI a. Talvez tenha querido dizer que a substância que gera todas as coisas deveria ser algo diferente das coisas criadas.C.) . que em alguns casos explicam não somente o mundo.C. 570 a. é o primeiro a usar o termo filósofo. pois. Xenófanes de Cólofon (c. Anaxímenes conhecia. mas também os deuses como parte dessa mesma estrutura. onde.). da água e do fogo. É neste período que surge o interesse pelo mundo e pelo significado da própria existência. Tinha como fonte as obras de Homero. Os filósofos Pré-socráticos começam a indicar inúmeros princípios e causas físicas ou abstratas. inclusive o Egito. Urna vez que todas as coisas criadas são limitadas.para onde retorna quando se dissolve. Acreditava também que o fogo seria ar rarefeito. calculou a altura de uma pirâmide a partir da proporção entre sua própria altura e o comprimento de sua sombra: essa proporção é a mesma que existe entre a altura da pirâmide e o comprimento da sombra desta. Tales viajou por várias regiões. Não é fácil explicar o que ele queria dizer com isso. aquilo que vem antes ou depois delas teria de ser ilimitado. Esse cálculo exprime o que. Mas de onde vem a água? Anaxímenes acreditava que a água seria ar condensado. É evidente que esse elemento básico não poderia ser algo tão comum como a água. Não sabemos o que exatamente ele queria dizer com isso. De acordo com Anaxímenes.C. tal como Tales concebeu. Pitágoras de Samos (cerca de 530 a.Ele achava que nosso mundo seria apenas um entre uma infinidade de mundos que evoluiriam e se dissolveriam em algo que ele chamou de ilimitado ou infinito.

Platão e Aristóteles. o ser. Atenas torna-se uma democracia e.) criticou a visão de Heráclito e seus seguidores afirmando que somente a razão poderia fornecer o conhecimento do que é a natureza.UNI – UNIÃO NACIONAL DE INSTRUÇÃO Ensino de Jovens e Adultos Heráclito de Éfeso (sécs. Anaxágoras de Clazômenas (c.) defendeu a idéia de que tudo é um fluxo contínuo gerado por uma guerra eterna entre os contrários. V a. Parmênides de Eléia (sécs. uma série de 424/421 a. O século V a.) se referiu aos quatro elementos (água. passa a atrair. Mas este termo adquiriu uma conotação negativa após a crítica e o ataque ferrenho que receberam de Sócrates. 1982). Um grupo de pensadores e professores se torna importante nesse período.C. Leucipo de Mileto e seu discípulo Demócrito de Abdera (séc. pois modificaram a perspectiva do 6 . mas somente a razão pode mostrar que por trás de tudo que muda está o imutável. nada permanece o mesmo e tudo é e não é ao mesmo tempo. os sentidos percebem o fluxo contínuo do mundo. o povo. se separam e voltam a se reunir para criar novas coisas.C. II – OS SOFISTAS A teoria atômica atual é muito semelhante a de Demócrito. aos aparelhos eletrônicos de nossa época. fogo e ar) como os responsáveis pela composição de tudo. Sua única ferramenta foi a razão. então a natureza tende ser composta por pecinhas minúsculas que se combinam e depois se separam”. Zenão de Eléia (sécs. terra. acreditavam que tudo é composto de pequenas partículas indivisíveis que se unem e se separam continuamente formando todas as coisas (KIRK e RAVEN. um grande número de estrangeiros.) criaram a idéia de átomo. transformações sociais ocorreu no mundo grego. significa "especialista do saber". Empédocles de Agrigento (484/481A palavra SOFISTA.C.C. O poder da aristocracia diminui após uma série de reformas sociais que entregam parte considerável do poder político ao "demo".C. esta lhe dizia que “nada surge do nada e nada desaparece. como grande centro cultural da época. como as demais cidades. VI-V a. o perfeito e eterno. para ele. a natureza é composta de diferentes átomos que se juntam para criar. Demócrito NÊUTRONS não teve acesso e ELÉTRONS. em especial nas grandes cidades.. VI-V a. originalmente. isto é. A ciência descobriu que os átomos podem ser divididos em partículas menores chamadas de PRÓTONS.C.) dizia que tudo na natureza é composto de sementes que determinam sua geração e vida.) foi discípulo de Parmênides e desenvolveu uma série de paradoxos (argumentos que levam a sua própria contradição) sobre a existência do movimento. 500-428 a.C. VI-V a.

enquanto os Pré-socráticos investigavam questões (PLATÃO. Sócrates investigava a natureza humana. Sócrates acreditava que todos possuíam já dentro de si a verdade eterna e única e o conhecimento não era adquirido. aprimoramento do espírito. Ele defendia a idéia de que o mal era fruto da ignorância e que o conhecimento levava ao bem. estabelecer através do nomadismo (viajem de cidade a cidade) uma perspectiva cultural ampla. e se deslocou para a questão antropológica. da alma. o que o levou a ter um grande número de inimizades. voltou-se para a questão do homem e do conhecimento. residia a dificuldade de diferenciar o que era pensamento de Sócrates e o que é era pensamento de Platão. o homem se definia em função de sua alma (psyché) e não de seu corpo. a questão sobre o homem e tudo que o envolve. Embora não tenha fundado escola ele ensinava em locais públicos ou em qualquer um outro lugar que pudesse empreender conversação sobre os mais diversos temas. 1972). foram responsáveis por: difundir e desenvolver a idéia do ensino com todos os professores remunerados. lembrado. em detrimento da satisfação corporal. que escrevia diálogos nos quais Sócrates era sempre seu personagem principal. propiciador da verdade e do aprimoramento espiritual. era o método de ensino remunerado. despertar o interesse pela linguagem. Preparada. O seu principal discípulo foi Platão. as virtudes se designavam na atividade que propicia o desenvolvimento do intelecto. a chamada questão cosmológica. não se revolta. cosmológicas.UNI – UNIÃO NACIONAL DE INSTRUÇÃO Ensino de Jovens e Adultos pensamento que até então se centrava na questão sobre a natureza. No pensamento de Sócrates. uma vez que esta propiciava o consolidar um espírito de liberdade de pensamento e revalorização da lógica. o pensamento de Sócrates pode ser percebido dentro dos escritos de seus discípulos. Muitas vezes. os sofistas além de serem responsáveis por essa virada na percepção do pensamento. Segundo Guthrie (1995). Ao ser condenado a morte. pois acreditava que a verdade devia ser atingida através do diálogo. Sócrates Era ateniense. Como nada escreveu. 7 . Uma importante crítica de Sócrates em relação aos sofistas. Causou forte impressão sobre a juventude ateniense e os mais diversos tipos de pessoas. Para Sócrates. filho de um escultor e uma parteira. e sim. Acreditava na imortalidade da alma humana. Seu primeiro pensamento tinha ligações com a filosofia naturalista.1. compreendia a filosofia como uma preparação para a morte. mas após o contato com os mestres sofistas. Sócrates nunca escreveu suas idéias. que sobre ele escreveram apresentando visões diversas e desenvolvendo escolas filosóficas de inspiração socrática. a alma se livra do corpo e passa a viver em um mundo livre da matéria 2.

(metempsicose). Tornou-se discípulo de Sócrates por volta dos vinte anos.. Sócrates. Enquanto esteve na Academia. o Grande. Na episteme se tem o conhecimento verdadeiro e confiável. só se retirando após a morte do mestre. Aristóteles entra para a Academia de Platão e lá permanece por vinte anos. as suas.C. pelo qual a escola era conhecida. na doxa. "passeio"). cujo verdadeiro nome era Aristoclés. Após a morte do mestre.C. Seu pai foi médico da corte do rei Amintas. Aristóteles Aristóteles nasceu em Estagira. Platão distingue a episteme (conhecimento) da doxa (opinião). uma vez que foi nesse sistema de governo que Sócrates foi condenado à morte.C. "Fédon". Aristóteles volta a Atenas e funda sua escola.na época com treze anos. Platão Platão. cada um deles composto por indivíduos que já nasciam com um tipo de alma com a predisposição a um dos tipos de atividade. ano da morte de Alexandre contraposição às crenças contrárias e nega a ligação indissociável entre corpo e alma. Na busca do verdadeiro conhecimento. o mal é resultado da ignorância e o bem equivale ao conhecer. Essa convivência transformou sua vida e pensamento. pois suas aulas em meio aos jardins eram comuns (perípatos. próxima ao templo dedicado a Apolo Lício. empreende em viagens para Grécia. o legislador. Como Platão assume a posição socrática de inferioridade da matéria . Sua escola se tornou uma revolução no ensino e pólo de atração de alunos e pensadores. daí o nome de "Liceu". Em 343 a. mas precisa se aprimorar por um processo No contínuo diálogo de reencarnação Platão 2. a Academia. Aristóteles conheceu uma série de sábios que ali estavam. a alma é o elemento eterno e perfeito aprisionado no corpo e que teve sua origem no mundo das idéias.3.). pai de Filipe e avô de Alexandre.C. da Macedônia. Em sua interpretação do mundo social.C.que é amorfa (sem forma) e só possui determinação por que é limitada pelas formas/idéias -.2.UNI – UNIÃO NACIONAL DE INSTRUÇÃO Ensino de Jovens e Adultos 2. a ponto de muitas vezes dificultar a diferenciação das idéias de um e do outro. Há no pensamento de Platão a identificação entre a virtude e o conhecimento. região da Macedônia. A sociedade ideal de Platão possuía três estratos: trabalhadores. Em 366 a. o Grande . incorporando a elas. Até 323 a.. A alma é imortal.. Em 387 a. defende a idéia socrática da eternidade da alma em 8 .. Platão assumiu as idéias de seu mestre. Sua principal inovação foi a defesa da existência de um mundo das idéias/formas. Após a subida ao trono de Alexandre (336 a. Itália e Egito. o mutável e inconsistente. em contrapartida. guerreiros e magistrados. na Trácia. funda sua escola em Atenas. Também chamada "escola peripatética". se torna preceptor de Alexandre. era cidadão ateniense de família aristocrática descendente de Sólon. Platão via com desconfiança a democracia.

faça um quadro comparativo. etc. substância. o ser humano só consegue sobreviver em grupo e é nele que desenvolve sua potencialidade. as idéias não se encontram em um mundo em separado. ato. Aristóteles desenvolve a física e a As teorias de Platão e Aristóteles fundamentaram debates durante muitos séculos e somente a partir da filosofia moderna de Descartes (1596-1650) que surge uma nova metodologia com o intuito de resolver os temas da metafísica antiga e medieval. Curiosamente. enciclopédica. estudou os argumentos. O ser humano é um animal racional. chegando a relegar a segundo plano a Academia. Uma das grandes diferenças entre o pensamento de Aristóteles e de seu mestre Platão. falhas. Só o ser 9 . para Aristóteles. leu e escreveu sobre os mais diversos temas. pois. as necessidades materiais têm de ser satisfeitas para atingirmos a contemplação. final). Foi o primeiro sistematizador da lógica clássica e seus princípios. desenvolvendo os conceitos de causa (material. A alma é princípio de vida e qualquer ser vivo possui um tipo de alma. sua composição. Aristóteles foi dotado de mente humano tem alma intelectiva. as idéias são produto da abstração que a mente faz do que é percebido pelos sentidos. foi a crítica e recusa da existência do "mundo das idéias". mas apenas o desenvolvimento do intelecto e das virtudes propicia a máxima felicidade. acidentes. a mesma acusação feita a Sócrates. eficiente. Todos os indivíduos desejam a felicidade. social. Determina a análise do mundo pelo que ele tem de geral. de impiedade. o ser humano é definido como uma composição de matéria e forma. entre as teorias de Platão e Aristóteles.UNI – UNIÃO NACIONAL DE INSTRUÇÃO Ensino de Jovens e Adultos e início da reação antimacedônica em Atenas. etc. identificando pontos de convergência e divergência. seus tipos. potência. formal. sua relação com o raciocínio. Esse vai para Cálcis e deixa Teofrasto no comando do Liceu. metafísica iniciadas pelos pré-socráticos. Para Aristóteles. em 322 a. alguns hoje pertencentes às ciências naturais e humanas. Dentro de sua perspectiva. o Liceu se tornou um grande centro de produção filosófica e científica. compreendida das mais diversas formas. o que não caracteriza um desprezo aos aspectos corporais. mas também é um animal político.C. responsável por sua capacidade racional. Morre poucos meses depois. onde seu corpo é a matéria e sua alma é sua forma. A partir dos conteúdos estudados. foi dirigida a Aristóteles.

que se tornam moderno. científica e O que é o conhecimento? Ele é possível? Quais são os seus limites? Existem regras para a obtenção de conhecimento verdadeiro? Estas eram algumas questões que ocupavam o pensamento filosófico na modernidade. Em uma situação de mudança. 10 . O racionalismo Com a frase “se duvido.1. As relações pessoais são relegadas a um plano secundário. passam a ser contestadas. é porque penso. não existindo idéias inatas. que são vistas como responsáveis pelo erro e pelo engano. Ao contrário. Nascido em La Haye. As relações com Deus. o que é a superação do sistema feudal. acompanha. O indivíduo é agora o cerne das perspectivas econômica. como era crença dos racionalistas. o principal pensador do racionalismo. A dúvida e a posição filosófica que a A partir do século XIV. o empirismo defende a idéia de que todo conhecimento humano tem origem na percepção sensível.OS FILOSÓFOS MODERNOS E A TEORIA DO CONHECIMENTO Essas mudanças têm agora a imprensa para ajudar a propagação. religiosa. A primeira tem como característica privilegiar a razão em detrimento das percepções Com a expulsão dos árabes da península ibérica inicia-se a constituição dos Estados sensoriais. As descobertas de novas terras e o aparecimento dos Estados . com a queda de Constantinopla pelos turcos. nacionais europeus. A filosofia desvincula-se da teologia e o problema central do período medieval – Deus – é substituído por problemas do conhecimento. onde a posição da pessoa já não está garantida. convencionalmente determinado pelos historiadores em 1453. existo” René Descartes. as questões centrais do pensamento 3. em uma família de posses – seu pai era magistrado da Bretanha . a desconfiança para com a tradição se torna a tônica dominante. e se penso. Esse processo de mudança de visão de mundo resultou no fim da Idade Média. uma mudança na civilização européia começa a se processar.UNI – UNIÃO NACIONAL DE INSTRUÇÃO Ensino de Jovens e Adultos III . filósofo e matemático (1596-1650). se tornam o substrato do mundo moderno. As grandes linhas de pensamento que tentam responder a pergunta do conhecimento no Período Moderno são duas: o racionalismo e o empirismo. o ceticismo.ampliam a percepção cultural do homem moderno. com seu poder político desagregado.cedo perdeu a mãe e passou a ser criado por uma ama. intermediadas pela Igreja.

Manteve correspondência com diversas mais famosa: se duvido. mas têm comportamentos correlatos. pois não se influenciam mutuamente. em sua procura pelo ponto de partida que garantiria o conhecimento correto. pois era apenas um caminho para a certeza.o ser é uno: a substância ou Natureza: Deus é a própria ordem geométrica necessária a tudo. é o que se convencionou chamar "dúvida metódica". e a res extensa. não uma desconfiança quanto às desconhece". o que traduziu em sua frase 11 . e se penso. isto é. Gottfried Wilhelm Leibniz (16461716) . A certeza absoluta a que Descartes chega é a constatação da própria existência como ser pensante (res cogitans). mente e corpo não interagem. dirigido por jesuítas.faz parte da tradição racionalista. cansado da vida na escola e do que havia aprendido ali. Descartes desenvolveu uma mente que seria uma das mais férteis da modernidade. A alma não é regida por essas leis. depois de inúmeras disputas teóricas. Já maior. parte para conseguir o conhecimento que pretendia. da Suécia. que chamou a atenção para os limites da racionalidade ao admitir que "o coração tem razões que a própria razão personalidades políticas e intelectuais de sua época. é porque penso. "a coisa pensante" (alma). Baruch Spinoza (1632-1677) . as relações entre corpo e alma são apenas ocasionais. Descartes. possibilidades do conhecimento humano. Lá mantinha o hábito da infância de acordar sempre perto do meio-dia. foi mandado para o principal colégio da Europa. Em 1612. "a coisa extensa" (matéria). em sua filosofia. mas advoga a impossibilidade da comunicação entre as substâncias. mas no mundo. Espinosa elimina o dualismo cartesiano:a essência das coisas é uma.UNI – UNIÃO NACIONAL DE INSTRUÇÃO Ensino de Jovens e Adultos sem a presença do pai. no início da manhã em um rigoroso inverno sueco fez com que ele falecesse de pneumonia em 1650. defendendo o paralelismo. não mais nos livros. existo (cogito ergo sum). matemático e físico. Foi acusado de ateísmo. Outros grandes representantes do racionalismo foram: Blaise Pascal (1623-1662) - filósofo. o que negou. O clima do país não lhe foi favorável além de ter que dar aulas na corte. Apesar do horário flexível. que se mantinha ausente por muito tempo. mas acabou sendo preso. o convidasse para lá viver e fundar a "Academia de Ciências". distingue duas substâncias no mundo: a res cogitans . começa um processo de dúvida que tinha como objetivo descartar qualquer coisa que pudesse ser objetável. O mundo (matéria) é regido por leis mecanicistas. Descartes. La Fleche. Essa fama levou com que a rainha Cristina.

UNI – UNIÃO NACIONAL DE INSTRUÇÃO Ensino de Jovens e Adultos 3. David Hume foi um dos primeiros filósofos a advogar explicitamente o ateísmo e sofreu as conseqüências de sua posição. ser destituído e substituído. após um contrato natural tácito. ou seja. em vida.o maior nome do empirismo moderno. Esse ser material. o que nunca conseguiu. o que garante que as coisas existem. 12 . aquilo que pode ser percebido pela mente humana através dos sentidos. Thomas Hobbes (1588-1679) defende que apenas existe a substância material. mas isso não aconteceu. (homem). David Hume (1711-1776) . seus direitos naturais nas mãos de um poder soberano. 1980). 1979). que passa a exercê-los de maneira despótica para garantir a existência da sociedade e a preservação de seus membros (HOBBES. John Locke (1632-1704) – para ele as idéias inatas não existem. Para ele a existência da matéria e o nosso conhecimento se resumem às imagens que temos em nossas mentes (imagens produzidas por nossos sentidos). não temos acesso ao que as coisas são em si mesmas. essa cessão não é incondicional. por estabelecer um pacto implícito para a constituição da sociedade. Locke é um contratualista. é o fato de tudo estar na mente de Deus. Dentre os principais pensadores do todos. ser percebido por Deus (BERKELEY. existir é estar na consciência.2. pode perder a representatividade. se o governante não prestar contas de suas obrigações para com aqueles de onde emana seu poder. embora não havendo certeza de que correspondem ao que os objetos são realmente. tem como traço natural o egoísmo. Seu estado natural é o da "guerra de todos contra todos". mas sua racionalidade faz ver que a existência da sociedade lhe propiciaria uma vida mais longa e segura. Almejou uma cadeira de professor. todas são derivadas da experiência sensível. O empirismo “A mente é uma tabula rasa” John Locke O empirismo é característico do período moderno. mas não acredita que em estado natural a situação seja a de guerra de todos contra percebemos. Da mesma maneira que Hobbes. foi assistente de diversos personagens importantes de sua época e desejou profundamente ser reconhecido. por suas idéias como filósofo. Segundo o bispo irlandês. George Berkeley (1685-1753) Para Berkeley. mesmo quando não as revaloriza a observação e o raciocínio indutivo como produtores de conhecimento científico. em outras palavras. Para Locke as pessoas decidem pela própria condição racional. Entrega. Locke é o grande teórico da democracia empirismo destacam-se: Francis Bacon (1561-1626) - representativa. Para ele “a mente é uma tabula rasa”. e que ao ceder parte de seus direitos para o governo. onde empreende uma crítica à filosofia racionalista e às possibilidades de um conhecimento metafísico nos moldes da filosofia antiga e medieval. ser é ser percebido (esse est percipi).

Muitas outras linhas de pensamento tiveram ali. Alguns influenciados iluministas pelo pensamento especial. iluminista e precursor dentro do espírito romântico. Quando essas impressões não possuem mais as percepções para lhes garantir a força. cessa a alma. ano no qual teve que interromper os estudos de titulação que lhe fariam professor universitário em razão da necessidade de sobreviver. Nesta batalha não houve um vencedor. Para Hume. a sua origem.3. uma vez que cessa a atividade dos sentidos. defendia que a única fonte de idéias em nossa mente eram os sentidos. conhecimento é conjetural. Jean-Jacques do romantismo. criticaram o absolutismo. no progresso irreversível da 13 . criticaram a tradição. a mente humana liga idéias vindas da percepção e cria seres imaginários. ao mesmo tempo. Kant preparou seu sistema filosófico. veneravam a ciência como a expressão máxima da verdade. Além disso. Entre 1770 e 1781. empenharamse em defender a universalização do saber . O criticismo de Kant Criador de um dos mais importantes sistemas filosóficos do século XVIII. uma volta à natureza e uma crítica ao progresso científico e técnico. nossa mente estabelece uma relação que não está no fato em si. mas apenas na nossa disposição em vê-los assim. Estudou na universidade da cidade natal. uma interpretação que a mente humana realiza sobre os fenômenos individuais que observa.UNI – UNIÃO NACIONAL DE INSTRUÇÃO Ensino de Jovens e Adultos Hume. que possuem mais força e vivacidade. O período na livre docência também não foi fácil. Razão e Sentidos travam uma batalha no século XVII. A alma humana é apenas o conjunto dessas impressões e idéias e. Crítica da Razão Pura (1781). o que culminou com o aparecimento de sua grande obra. Todo 3. Como você estudou. Somente em 1755. A figura da mãe foi de enorme influência na vida do pensador. como os demais empiristas.é o caso da elaboração da "enciclopédia" por D'Alembert e Diderot -. mais fracas e tênues. a primeira das empírico. eram otimistas utópicos que acreditavam humanidade. alcança o doutorado e ser livre-docente na Universidade de Königsberg. se tornam idéias guardadas na memória. mas sim vencedores. franceses foram em mulher de pouca cultura formal. Pregava. Rousseau (1712- 1778) foi. Os iluministas criam no poder da razão humana como solução para os problemas do homem e da sociedade. as idéias políticas. de grande rigor religioso. Immanuel Kant (1724-1804) nasceu em Königsberg. Regina Reuter instigou o comportamento reto e a admiração ao saber que Kant levaria por toda sua vida. Aquelas percepções mais próximas no tempo e no espaço formam as impressões. onde se formou em 1747. de família humilde pertencente à seita protestante pietista.

4. não fez Kant. Os principais objetos de estudo da metafísica são Deus. o imperativo categórico (KANT. 2002). o que por si mesmo não constitui conhecimento.1. O conhecimento somente se constitui pela organização dos dados da intuição sensível por um elemento a priori que lhes dá forma e ordem. ao mesmo tempo. Morre em 1804. sistema simbólico. o diferenciamos do restante que o cerca. a intuição sensível nos fornece os fenômenos indeterminados. Sua função é objetivar o dado sensorial fornecendo a síntese (união) entre o particular sensorial e a universalidade da estrutura a priori que permite a própria constituição do conhecimento. a alma e a liberdade.PENSAMENTO E LINGUAGEM Kant. dependentes de 14 . convencionados. Com esse simples ato de nomear. beleza. Segundo Kant. ou seja. elaborou uma ética de cunho formal. pois estão além de seus limites (KANT. (liberdade). renunciar suas crenças. sem conteúdo. ele passa a existir para a nossa consciência. sem nenhuma referência ao mundo da experiência. A ação só deve ser realizada se for possível imaginá-la universal. A linguagem pode ser definida como um A conclusão de que Deus não pode ser conhecido pela razão humana. quanto ao critério de ação. um crente fervoroso. estados ou qualidades como tristeza. O que é Linguagem A linguagem é um dos principais IV . Kant é proibido de expressar suas opiniões sobre a religião. dado serem percepções específicas sem traços de universalidade e necessidade. nós o individualizamos. ou seja. Esta estrutura racional ordenadora é uma lógica do entendimento e é vazia em si mesma. por isso mesmo. essa é a máxima de Kant. ações. por exemplo. Tanto espaço e tempo – formas a priori da intuição sensível que ordenam os fenômenos percebidos – quanto as categorias – conceitos puros que permitem a ligação dos fenômenos – constituem. esses objetos não podem ser conhecidos pela razão. não se retrata. O nome é símbolo dos objetos que existem no mundo natural e das entidades abstratas (existem somente no nosso pensamento). pois isso determina o que é bom em si mesmo e não é apenas agradável. mas não aborda mais o assunto. signos arbitrários em relação ao objeto que representam e. Em 1794.UNI – UNIÃO NACIONAL DE INSTRUÇÃO Ensino de Jovens e Adultos críticas a que se seguem. Quando damos nome a um objeto da natureza. é através dela que transcendemos a nossa experiência. "Age sempre de maneira que fosse seu desejo que todos assim o fizessem". distanciamos-nos da inteligência concreta animal e entramos no mundo do simbólico. o modo próprio daquele que conhece e o objeto conhecido. instrumentos na formação do mundo cultural. Crítica da Razão Prática (1788) e Crítica do Juízo (1790). sendo o homem o único animal capaz de criar símbolos. 1985).

Século XIX Georg Wilhelm Friedrich Hegel (17701830) foi o principal representante do idealismo alemão. o crescente e cada vez mais forte processo de interdependência mundial chamado por alguns de "globalização" e por outros de "mundialização". Austin). XX. filosóficas contemporâneas e alguns de seus representantes: 15 . o positivismo (Comte. Hegel criticava a idéia de Kant segundo a qual temos acesso ao fenômeno. a filosofia analítica de linguagem V – A FILOSOFIA CONTEMPORÂNEA artificial (Wittgenstein. não há separação. Engels). Para que você possa melhor assimilar as grandes perspectivas filosóficas. o pragmatismo (Peirce. organizamos os principais pensadores por século. o não-dogmatismo e a diversidade do pensamento contemporâneo. Há uma identidade entre o pensamento e a realidade. XIX e seu declínio no séc. Habermas). das esferas teórica e prática. nosso conhecimento se resume às idéias em nossa mente. duas guerras mundiais. Na filosofia de Hegel tudo que é racional é o materialismo dialético (Marx. o período de bipolarização política entre Estados Unidos e União Soviética. Ayer) e de linguagem ordinária (Wittgenstein. o Sartre). Para Hegel. a Heidegger).1. isto é. mas não temos acesso ao númeno. que afirma que nada é idêntico a si mesmo e tudo se subordina à afirmação e à negação. fenomenologia (Husserl. Stuart Mill). as regras do pensar são também as regras do mundo. Essas regras são regidas pelo princípio de contradição. Uma série de acontecimentos políticos determinam essa época: a Revolução Francesa. não podemos nem mesmo afirmar a existência da coisa em si. a ascensão e posterior queda do poderio europeu no mundo. Gilson). o colonialismo tardio no séc. Vejamos agora.UNI – UNIÃO NACIONAL DE INSTRUÇÃO Ensino de Jovens e Adultos aceitação social. real e tudo que é real é racional. massificação de diversos traços culturais. como em Kant. as principais escolas 5. de tendências fundamentalistas em questões religiosas. cada vez mais forte. A filosofia contemporânea corresponde ao pensamento produzido a partir do século XIX. o positivismo lógico (Carnap). a coisa em si. o neotomismo (Maritain. em nossa consciência. o neomarxismo ou Escola de Frankfurt (Adorno. a independência dos países latino-americanos no século XIX e dos países africanos e asiáticos no século XX. existencialismo (Kierkegaard. James). além de uma perspectiva.

Hegel teve seus críticos ferrenhos. artísticos. o filósofo percebeu o quanto a posição única da existência do indivíduo causa angústia e desespero. Crítico tardio de Hegel e de Schopenhauer. Uma vez que "Deus está morto". Assim como todas as grandes religiões. que possui princípios incompreensíveis à razão (KIERKEGAARD. mas é afirmava a predominância da vontade sobre a realidade. o Cristianismo prega uma moral de cordeiros onde os medíocres (a maioria das pessoas) oprimem aos superiores. ao universal. Uma outra vertente é o positivismo que tem como seu mais conhecido representante o francês estrutura da Igreja Luterana da Dinamarca Kierkegaard a acusava de ter traído o espírito do Cristianismo ao se aliar à teologia de cunho 16 . que faz a si mesmo durante sua vida. foi o dinamarquês Sören Kierkegaard (1813-1855). dessa posição. criador de sua própria moral. Arthur Schopenhauer (1788-1860) hegeliano. somente aquele que é superior aos demais tem a capacidade de assumir sua vontade. Outro crítico da época. orgulhosos e aristocráticos é reservada a condenação. como processo pelo qual o Espírito (Deus) se desenvolve e se mostra. Hegel vê sua época . Hegel advogava o "fim da história". afirmava que tudo o que é tido como bom.em todos os seus aspectos econômicos. científicos e filosóficos . Coincidentemente ou não. os pobres. no sentido de que a partir de então. Apesar de alemão. Assim. principalmente. Nietzsche foi crítico da cultura germânica e da religião. Extremamente religioso e crítico da ele que cria as virtudes necessárias a sua vida (NIETZSCHE. considerado o pai do existencialismo. em especial da cristã.como o momento de culminância do processo dialético de desenvolvimento do Espírito. Nietzsche prega o advento do super-homem. Filósofo pessimista. religiosos. porque não é mais a sociedade que lhe impõe o certo e o errado. Esse homem está "além do bem e do mal". ela é construção existencial de cada indivíduo. sua filosofia foi o último sistema filosófico da história produzido por um único pensador (REALE e ANTISERI. até então aprisionada. Os homens fracos e incapazes se defendem frente àqueles que são superiores por meio de duas armas poderosas: a moral e a religião. 1990). Seus escritos não possuem estilo sistemático argumentativo. por isso nunca atingimos a felicidade.UNI – UNIÃO NACIONAL DE INSTRUÇÃO Ensino de Jovens e Adultos é a dialética hegeliana que se mostra como princípio de ordenação do mundo material. belo e agradável não passa de ilusão. da história da humanidade e. nada mais haveria de relevante a ser revelado. A solução seria o salto no absurdo da fé. 1979). No pensamento do dinamarquês não há essência do ser humano. políticos. Friedrich Nietzsche (1844-1900) é um dos pensadores mais instigadores da atualidade. fracos e humildes merecem tudo e aos fortes. 1992). aquele que é senhor de sua própria vontade. que em especial discordaram da subordinação do indivíduo ao todo.

Marx. somente a observação é fonte de conhecimento científico e todos os demais conhecimentos não passam de ilusão. a fase científica. que foi logo fechado pelo governo. se "converteu" ao Renana". Comte foi expulso da Escola Politécnica de Paris (devido suas idéias republicanas) e começou a dar aulas particulares em casa. onde tudo é explicado pela observação e referência aos fenômenos. mas os homens é que criam Deus. O positivismo defendia a idéia de progresso contínuo e irreversível da humanidade. a segunda. Nessa época. Para Comte e os positivistas. associada a infância. é a fase mítica ou religiosa. cuja filosofia muito influenciou o pensamento e a história do Brasil. pois o capitalista maximiza os lucros através da exploração do trabalho do proletariado. Engels se tornaria . encontra-se a fase metafísica. os dois escreveram juntos o "Manifesto Comunista". Para Comte. em consonância com o positivismo assume a crença no progresso inevitável da humanidade. cuja face mais visível era o desenvolvimento da ciência e da técnica. que exige cada vez menos trabalho assalariado. e se formou em 1841. determinantes de uma mudança contínua.UNI – UNIÃO NACIONAL DE INSTRUÇÃO Ensino de Jovens e Adultos Auguste Comte (1798-1856).mesmo após a péssima impressão que deixou em Marx no primeiro encontro dos dois . onde princípios abstratos e não materiais são indicados como acontecimentos. Marx estudou na Universidade de Berlim. mas isso tem um limite na capacidade física do trabalhador. onde as explicações ocorrem sempre com referências às divindades. pequena obra que sintetizava a visão de mundo dos dois. As leis dialéticas são leis da matéria e por isso mesmo. as civilizações passam por três fases de desenvolvimento: a primeira. de quem assumirá a posição de que não é Deus que cria os homens. Marx era filho de advogado que. No mesmo ano começou a trabalhar como jornalista no jornal "Gazeta judeu. a última é a maturidade.o amigo e colaborador de Marx até o fim da vida desse. obrigado a escolher entre poder exercer a profissão ou respostas aos permanecer protestantismo. Marx toma contato com as idéias de Ludwig Feuerbach (1804-1872). O capitalismo aumenta a produção e os lucros maximizando a técnica. 17 . a juventude. A exposição do pensamento no século XIX não estaria completa sem a apresentação do pensamento do alemão Karl Marx (1818-1883). onde conhece Friedrich Engels (1820-1895). filho de industrial que havia. abandonado o idealismo hegeliano e abraçado o materialismo. entre seus primeiros alunos já havia brasileiros que estudavam na capital francesa. também após a leitura de Feuerbach. Em 1843 vai para Paris. A situação do modo de produção capitalista produz as condições para superação desse mesmo sistema.

representante foi Edmund Husserl (1859-1938). participou do movimento de estudantes de 1968. As principais são: Pragmatismo . mas recusou. O pragmatismo é uma reação ao materialismo positivista que escolhe o caminho da prática. participou ativamente da política francesa do pós-guerra apoiando sindicatos e greves. escreveu romances e peças teatrais. A fenomenologia é o método privilegiado do existencialismo. pois dizia que a filosofia. 2004). Dentro do existencialismo e da fenomenologia. Jean-Paul Sartre (1905-1980).UNI – UNIÃO NACIONAL DE INSTRUÇÃO Ensino de Jovens e Adultos aumentando a produtividade. foi agraciado com o Nobel de literatura. XX são: Martin Heidegger (1889-1976). independentes de suas relações. como vinha sendo produzida desde Sócrates. não propiciaria a posse da verdade – Nietzsche fazia a mesma crítica dizendo que a verdadeira filosofia era a dos présocráticos – e a saída seria o retorno à linguagem poética. o que leva a crises sucessivas de excesso de produção. Neomarxistas . Fenomenologia seu principal Sartre se tornou o mais popular filósofo do século XX. A influência das idéias de Marx na política foi imensa. Karl Jaspers (1883-1969). flertou com o marxismo soviético e chinês. viajou o mundo apoiando revoluções sociais. 18 . ANTISERI. O existencialismo de Sartre era ateu e sua filosofia pregava o controle da náusea e da angústia inevitáveis ao se perceber que Deus não existe e que todos os atos são de inteira responsabilidade do indivíduo. William James (1842-1919) e John Dewey (1859-1952). que seria a única a permitir a posse do ser. desemprega uma massa de trabalhadores que não terá renda para consumir. A filosofia de Heidegger é extremamente influente. Husserl argumenta que devemos compreender os fenômenos como eles nos aparecem. 5. que não se reporta a nada para decidir sua existência e determinar sua própria essência (REALE. É considerado um dos filósofos da "morte da filosofia".os principais representantes são Charles Sanders Peirce (1839-1914).2. por isso são chamados de neomarxistas. foi da Resistência na época da Segunda Guerra Mundial. O pragmatismo afirma de maneira clara que o método pragmático consiste no estudo de várias doutrinas do ponto de vista de suas conseqüências práticas e seus resultados. Os principais representantes existencialismo no séc. Ao mesmo tempo. Gabriel Marcel (1887-1973) e Maurice Merleau-Ponty (1908-1961). O século XX No século XX temos uma pluralidade de perspectivas filosóficas.os teóricos da Escola de do Frankfurt recriaram em novos moldes a abordagem de Marx (teoria crítica). forjando parte da história do século XX e produzindo o ordenamento mundial atual. 1990) (SARTRE.

então. cujas sentenças são verificáveis. Segundo os positivistas lógicos. que segundo ele. Karl Popper (1902-1994) assumiu a questão de determinar o que é ou não ciência.é tida como científica. que eram ideólogos do mundo soviético. que não podem ser verificadas. ou positivismo lógico responsável por uma das revoluções do pensamento filosófico no século XX. um ideal dos neopositivistas. eram plenas de sentido e muitas vezes fonte de teorias científicas (POPPER. O projeto faliu. Popper não dizia que teorias metafísicas não possuíam sentido. Com ele a filosofia sofre o que se convencionou chamar de "giro lingüístico". mas no caráter falsificável de uma teoria. Em função desse interesse pelo conhecimento científico. das artes.UNI – UNIÃO NACIONAL DE INSTRUÇÃO Ensino de Jovens e Adultos lógica Não devemos confundir o pensamento de Frankfurt com os ditos marxistas. somente são consideradas ciências aquelas áreas de A preocupação do positivismo com a questão da demarcação científica era reflexo da extrema importância que a ciência adquiriu dentro da sociedade ocidental. O trabalho da filosofia estaria resumido à análise da linguagem das ciências por meio da 19 . não estaria na verificação. ciência simbólica. esses teóricos desenvolveram uma crítica da sociedade de massas. defendiam. ao contrário dos positivistas lógicos. determinando que a análise da linguagem se tornasse a atividade primordial da filosofia. mesmo a física. Teorias que nunca podem ser falsificadas são teorias metafísicas. possui proposições metafísicas. Mas. uma área específica da filosofia surgiu no século XX: a filosofia da ciência. os positivistas lógicos chamavam a atenção para o fato de que a linguagem comum não seria adequada para o conhecimento científico. da ciência e da razão instrumental ligada à técnica. Além desse critério de verificação. que estabelecia uma separação entre o que é e o que não é científico. Usando a teoria de Marx e dela fazendo uma mescla com outras doutrinas – por exemplo a psicanálise. conhecimento. 1993. Crítico do positivismo lógico. 1994). Era essa linguagem que propiciaria a unificação das ciências. modelo de para os positivistas lógicos. da cultura. o marxismo da Escola de Frankfurt não era aceito pela ortodoxia dos países comunistas. que somente uma linguagem artificial lógica e simbólica poderia tratar do conhecimento. Popper defendeu um novo critério de demarcação. Somente uma teoria que se coloca à prova dizendo exatamente o que admite ou não e como isso pode ser testado . Neopositivismo.

além da perspectiva geral que procura falar de todas as ciências. daí "metafísica". a "filosofia primeira". ordenando os livros em ordem alfabética grega.1. e a estética. Aristóteles utilizava a expressão "filosofia primeira" para se referir à disciplina que hoje denominamos metafísica. seria a área da filosofia que abordaria as causas primeiras de toda a existência. O que existe? O que define a existência específica de algo e do todo? Que tipo de existência pode-se advogar da essência das coisas? Existem causas e quais? O que é necessário e o que é contingente? Todas estas são questões metafísicas. Estas divisões não tornam as disciplinas filosóficas estanques.C.. o ser em si mesmo. a ética. Andrônico de Rodes. São cinco as grandes áreas de investigação da filosofia: a metafísica. 6. Muitos ao que Aristóteles identificava como Deus. 20 . Que tal começar? De maneira introdutória pode-se dizer que a metafísica trata dos problemas do ser e da existência. (ARISTÓTELES. percebeu um problema. As três primeiras disciplinas que você estudará são: metafísica. organizador da obra completa de Aristóteles no século I a. Dentro destas grandes áreas.UNI – UNIÃO NACIONAL DE INSTRUÇÃO Ensino de Jovens e Adultos VI . em grego "tà metà tà fisicà". pois o livro posterior à "Física" não tinha nome. No caso de Aristóteles. 1984). O nome dado por Andrônico veio a se tornar aceito. epistemologia. A Metafísica Este termo é o título de uma das principais obras de Aristóteles. Andrônico o nomeou "o livro que vem depois da Física". pelo contrário. a epistemologia e a ética. ou metafísica. Aristóteles já igualava o estudo metafísico ao estudo de Deus e essa tem sido uma preocupação constante dentro da filosofia. em especial porque o termo se refere à coisas que estão além do que é físico.AS DISCIPLINAS FILOSÓFICAS A filosofia divide suas disciplinas em função dos problemas a que responde. a filosofia política. apesar do filósofo grego não o os filósofos têm se perguntado pela possibilidade da existência ou não de uma entidade supra-natural. temos divisões em disciplinas mais específicas que tiveram sua delimitação estabelecida a partir do século XIX e durante o século XX. a conhecimento. criadora ou co-eterna com o mundo. ou teoria do ter utilizado. os problemas filosóficos se encontram e se inter-relacionam. Veja um exemplo! Dentro da epistemologia há a filosofia da ciência que. constituindo uma rede com diversos nós de ligação. formais e sociais. Desde a Antigüidade. pode se dividir em filosofia das ciências naturais.

2001). favoráveis à crença na existência de Deus. Richard Swinburne . 1984). 1979). Alguns filósofos argumentam que não há sentido na existência pessoal. os objetivos que você traça em sua vida e as ações que realiza para alcançálos. Pascal. 2002).inspirado no argumento de demonstra uma indiferença constante à existência e ao que o ser humano produz. Outros dirão que mesmo que se produza significado. Santo Descartes Agostinho. que ele identificou como uma divindade co-eterna ao universo (ARISTÓTELES. nas preocupações sociais. Procurar sentido no que fazemos pode perspectiva cristã. este é apenas subjetivo. Em especial este problema se coloca quando o homem se defronta com condição mortal. santo um Anselmo argumento e – estar nos desejos pessoais.filósofo britânico da contemporaneidade . Talvez o ser humano não devesse se 21 . 2002). observe: Platão chegou a identificar as idéias do Belo e do Bom com Deus e negou as divindades gregas como representativas da Divindade verdadeira (PLATÃO. 1984) (ANSELMO. em especial o do Cristianismo (SWINBURNE. também é um problema metafísico e com reflexos imediatos para o nosso viver cotidiano. desenvolveu um argumento baseado na maior probabilidade de acerto da crença na existência de Deus (PASCAL. que se daria pelo acaso e demandaria a produção livre e pessoal de um significado. o que ficou conhecido como as "cinco vias" sobre a existência de Deus (AQUINO. dentre todas as causas observadas.UNI – UNIÃO NACIONAL DE INSTRUÇÃO Ensino de Jovens e Adultos longo do tempo desenvolveram argumentos Pascal utiliza um teorema da probabilidadeestatística (teorema de Bayes) para advogar a utilizam racionalidade da crença em um Deus pessoal. ou em algo fora desse mundo. 1973). Os argumentos elaborados inúmeras abordagens. 1998). A razão da existência pessoal e da existência como um todo. à época de Descartes. sob pena de se admitir até mesmo o suicídio como resposta à falta de significado da existência. já que tudo será consumido pelo tempo e desaparecerá para sempre. pois o universo desenvolveram chamado de ontológico – que afirmava a existência de Deus a partir da própria idéia de Deus (AGOSTINHO. 1979) (DESCARTES. Kant afirmou a necessidade moral da crença em Deus. além da definição de que é algo bom ou ruim. Por exemplo. Santo Tomás de Aquino desenvolveu os argumentos de Aristóteles dentro de uma A morte apressa as questões acerca do significado da vida. sem a qual nenhuma vida moral poderia se constituir (KANT. mesmo as lembranças que tenham de nós e de nossas ações. Aristóteles falava de uma causa primeira.

para eu o ver. É como pensar em razões e fins Quando o começo da manhã está raiando. Então acredito nele. e pelos lados das árvores Um vago ouro lustroso vai perdendo a escuridão. o que não nos faz pensar.) Mas se Deus é as flores e as árvores E os montes e sol e o luar. E por isso eu obedeço-lhe. Então acredito nele a toda a hora. que não sabemos dar por elas. Se ele quisesse que eu acreditasse nele. Que é a de não saber para que vivem Nem saber o que não sabem? "Constituição íntima das cousas". Mas que melhor metafísica que a delas. O único sentido íntimo das cousas É elas não terem sentido íntimo nenhum. Obedeço-lhe a viver. Mas abre os olhos e vê o sol. Para mim pensar nisso é fechar os olhos E não pensar. É incrível que se possa pensar em cousas dessas. E a minha vida é toda uma oração e uma missa. Como quem abre os olhos e vê. denominada O Mistério das Cousas. Porque a luz do sol vale mais que os pensamentos De todos os filósofos e de todos os poetas. ela possibilitará a reflexão sobre o que você estudou. Sol e luar e flores e árvores e montes. por não saber o que é olhar para as cousas. Metafísica? Que metafísica têm aquelas árvores? A de serem verdes e copadas e de terem ramos E a de dar fruto na sua hora. Para que lhe chamo eu Deus? Chamo-lhe flores e árvores e montes e sol e luar. O mistério das cousas? Sei lá o que é mistério! O único mistério é haver quem pense no mistério. A luz do sol não sabe o que faz E por isso não erra e é comum e boa. É correr as cortinas Da minha janela (mas ela não tem cortinas). Não compreende quem fala delas Com o modo de falar que reparar para elas ensina.. 2004). 2001. Tudo isto é falso. se ele se fez. Se ele me aparece como sendo árvores e montes E luar e sol e flores. como pensar na saúde Ou levar um copo à água das fontes. 22 . Começa a não saber o que é o sol E a pensar muitas cousas cheias de calor.UNI – UNIÃO NACIONAL DE INSTRUÇÃO Ensino de Jovens e Adultos preocupar tanto com sua existência como um ser único. Mas se Deus é as árvores e as flores E os montes e o luar e o sol... E uma comunhão com os olhos e pelos ouvidos. espontaneamente. "Sentido íntimo do Universo" . A nós. Antes de continuar dê uma parada e leia a poesia de Fernando Pessoa. tudo isto não quer dizer nada. O Mistério das Cousas Alberto Caeiro (Fernando Pessoa) Há Metafísica bastante em não pensar em nada. achando que ele é especial (NAGEL. E amo-o sem pensar nele. Pensar no sentido íntimo das cousas É acrescentado. E chamo-lhe luar e sol e flores e árvores e montes.. Que idéia tenho eu das cousas? Que opinião tenho sobre as causas e os efeitos? Que tenho eu meditado sobre Deus e a alma E sobre a criação do Mundo? Não sei. E já não pode pensar em nada. O que penso eu do mundo? Sei lá o que penso do mundo! Se eu adoecesse pensaria nisso. Aqui estou! (Isto é talvez ridículo aos ouvidos De que. Não acredito em Deus porque nunca o vi. Porque. É que ele quer que eu o conheça Como árvores e montes e flores e luar e sol. (Que mais sei eu de Deus que Deus de si próprio?). Sem dúvida que viria falar comigo E entraria pela minha porta dentro Dizendo-me. Quem está ao sol e fecha os olhos.

Uma outra teoria.UNI – UNIÃO NACIONAL DE INSTRUÇÃO Ensino de Jovens e Adultos E penso-o vendo e ouvindo. o conhecimento privilegiado. a "teoria da correspondência" ou "teoria especular". elas sustentam o status de verdadeiras. durante o século XIX e ainda hoje para alguns. pois supõe que os conhecimentos que cada pessoa possui se espelham a realidade ou correspondem ao mundo como ele é. 23 . Ao tentar defender a existência da mente como algo imaterial a justificativa deverá possuir não só uma argumentação logicamente correta. trata de todas as questões acerca do conhecimento humano: como procede.2. Segundo esta teoria. mas também apresentar fatos plausíveis e não contraditórios em defesa do que se pretende afirmar como verdade. neste caso preciso de evidência observacional que deverá ser coletada. sua definição está ligada ao tipo de conhecimento que se pretende advogar. ou seja. Dentre elas temos a mais comum. A ciência tem uma enorme importância na sociedade de hoje. seus tipos. verdadeira é a crença que reproduz a estrutura do mundo e falsa é a crença que não reflete esta estrutura. O mesmo não acontece se a crença que pretendo justificar é a de que determinado vírus é o causador de uma doença específica. seus limites. Todas estas características dizem respeito ao conhecimento. E ando com ele a toda a hora. Quanto à justificação. seu pragmatista. Assim. Epistemologia A epistemologia. de onde parte. enquanto estas produzem o resultado esperado em termos de finalidades práticas. o procedimento de justificação se resume ao conjunto de regras lógicas de demonstração e não necessito de evidência além do próprio cálculo lógico. o procedimento necessário para atingi-lo e as evidências relevantes. em especial o das ciências naturais. mensurada e relacionada com os efeitos que pretendo explicar. o que pode ser apreciado ao notar o grande interesse e dependência que se possui das questões científicas e tecnológicas. O termo "especular" se refere a espelho. Dentro desta definição encontram-se dois conceitos que devem ser clarificados: verdade e justificação. ou teoria do conhecimento. Aos filósofos interessam indagar o que caracteriza o conhecimento científico. 6. A ciência se tornou. O conhecimento científico. pretende-se encontrar crenças verdadeiras justificadas. mas há uma área específica da epistemologia que se consolidou no passar dos séculos XIX e XX: a filosofia da ciência. Ao procurar conhecimento. a verdade é uma característica provisória das crenças. mais nova. é a Veja uma explicação! Se o que pretendo provar é um teorema matemático. se desenvolveu enormemente a partir do início da modernidade com a Revolução Científica e a Revolução Industrial. Existem diversas teorias que definem o que é a verdade.

existem as questões mais específicas. e nossas teorias estão Veja estes exemplos! O aborto poderia ser eticamente justificado? A eutanásia não seria apenas um assassinato? Pode-se realizar pesquisas com células-tronco embrionárias? Estas questões estão ligadas com a permanentemente se mostrando falhas. O cético é um terrorista do conhecimento que pretende deixar em escombros o edifício do conhecimento. concepção de ser humano. A moral tradicional e as religiões tentam respondê-las. nosso dia-a-dia. O que é certo fazer? O que não devemos fazer? Qual ou quais são as fontes da moralidade? Há alguma relação entre o certo e o útil? A felicidade pessoal é a justificativa final das É importante ressaltar ainda. o papel da filosofia se mostra primordial. 6. perceberemos que os diferentes povos e civilizações possuíam concepções contraditórias acerca do certo e do errado. nunca conhecimento de como ele realmente é. conhecimento foi utilizada por Descartes em sua obra "Discurso do Método". pois com o uso da nossa capacidade racional comum pode-se tentar o acordo. suas teorias e a realidade da qual pretende falar. tem percepção do bem e do mal também 24 . confundimos sonho e realidade. assim como os políticos. as sociedades hoje existentes.3. A metáfora do edifício do ações humanas? Além das questões éticas de cunho geral referidas acima. onde pretendia se defender dos argumentos céticos. uma das posições mais radicais contra as convicções realistas do conhecimento: o ceticismo. mas como as Em suma. no máximo podemos afirmar que temos opiniões acerca do mundo. humanidade. somos enganados pelos sentidos. relativas à época em que se vive. O cético chama atenção para o fato de que constantemente o ser humano erra: nosso raciocínio se mostra errado. Ética Os problemas éticos. não podemos dar crédito às nossas percepções e crenças. são os que mais se relacionam com o É bom lembrar que o problema da demarcação do que é ou não conhecimento científico vem desde o início dos questionamentos em filosofia da ciência e está ligado à questão do progresso da ciência.UNI – UNIÃO NACIONAL DE INSTRUÇÃO Ensino de Jovens e Adultos método ou métodos. em especial aquelas que dizem respeito à vida. Se prestarmos atenção à história da possuímos garantia alguma da correção delas. pois não concepções morais são variadas e as religiões são muitas. As questões éticas são relativas ao agir humano.

. Nisto estão ao lado das maiores tradições religiosas da história da humanidade (SINGER. como pais e educadores agem? Dizem a seus filhos e alunos "façam o que desejam"? A idéia de educação moral está justamente baseada no controle dos desejos subjetivos. Alguns de seus mais famosos Posso condenar um ato terrorista se esta pode ser uma ação vista como correta dentro do grupo ao qual o terrorista pertence? Olhe para os inúmeros subgrupos dentro da sociedade em que você vive. As posições relativistas vêm desde a Antigüidade. para o relativista moral não podemos condenar moralmente as ações de determinado povo. os problemas se repetem. Aristóteles. mesmo quando estas respostas não derivam teorias éticas comuns. A conclusão destas observações para o relativista moral é a de que a norma moral depende da sociedade em que se vive. Imagine você se o certo e o errado fossem os objetos do desejo dos indivíduos. de educação moral e reforma social ao Deste modo. mas todos eles coincidiram em suas críticas ao relativismo e na possibilidade de chegarmos No caso do subjetivismo ético. Kant e diversos outros pensadores não coincidiram em suas propostas de uma teoria ética definidora do certo e do errado no agir humano. Sócrates constituiu seu pensamento na luta contra as posições céticas e relativistas dos sofistas. assim como Platão. os utilitaristas. e o que é errado é a ação que aquela sociedade tenta proibir. no início do Período Moderno. se esta é a natureza 25 . 2002). não poderiam ocorrer dentro da sociedade. racionalmente ao que usualmente chamamos de "regra áurea". Se em um destes subgrupos a prática religiosa é diferente da maioria da sociedade. ela teria que ser condenada como errada? admitirmos a posição relativista.UNI – UNIÃO NACIONAL DE INSTRUÇÃO Ensino de Jovens e Adultos variadas. representantes foram os sofistas. assim como a imputação de culpa. Novamente. Qualquer tipo de repreensão moral seria derivada de uma atitude etnocêntrica. Como. Segundo os críticos do relativismo. na Grécia Antiga. por exemplo. os filósofos cristãos da Idade Média. e Montaigne. os empiristas. A crítica ao relativismo também é tão antiga quanto seus representantes. Como bem disse Thomas Hobbes. o que é certo é aquele tipo de ação que a sociedade procura incentivar ou toma como normal.. Platão. pois este está simplesmente fazendo aquilo que pensa estar certo. uma norma moral universal. As críticas ao relativismo e ao subjetivismo estão centradas na idéia da impossibilidade de crítica moral. basta que você se pergunte quais seriam as razões para condenar um ato em um grupo social diferente do seu ou em um subgrupo social da sociedade em que se está inserido. Há uma coincidência nas diversas respostas dadas ao relativismo moral. A responsabilidade moral. os racionalistas modernos.

O ser humano tem que ter autonomia na escolha. VII . categórico": age de tal maneira que seja seu desejo que todos ajam da mesma forma. Há uma tentativa. dos sistemas de governo e da justiça já era comum no pensamento dos filósofos da Antigüidade grega. Isso é possível? Pense em você! Quando decidiu fazer este curso. com base no pensamento de Kant. Kant estabeleceu uma regra moral de aplicação universal que se configurou no chamado "imperativo O determinismo defende que todas as ações no mundo estão determinadas por causas anteriores a elas. Nesta teoria. 2002). mas o faz almejando algo mais além de fazer o que é certo. incluso as ações humanas. Uma das críticas a esta posição está ligada à exigência de total imparcialidade. 1979). de controlar o subjetivismo. A questão mais central. se você faz o que é certo. Os seres humanos são efetivamente livres ao tomarem uma decisão ou isto não passa de uma ilusão? Diversos determinismo como autores a defenderam teórica o mais disciplinas filosóficas: a filosofia política e a estética. você não foi influenciado por nada a tomar esta decisão? (RAWLS. diante das Agora. O pensador que defende esta teórica foi o filósofo americano John Rawls. Em algum momento nossa capacidade de decisão ou nossa vontade de poder escolher deve ocorrer sem nenhum constrangimento. apropriada ao nosso conhecimento sobre o mundo e o ser humano. o estado da natureza é a guerra de todos contra todos (HOBBES. A ética de Imagine! Você levaria igualmente em consideração os interesses de seus familiares e de um desconhecido? Kant é extremamente rígida e vinculada à noção do "dever".UNI – UNIÃO NACIONAL DE INSTRUÇÃO Ensino de Jovens e Adultos egoística do homem.FILOSOFIA SOCIAL E POLÍTICA posição A estrutura política. então a ação foi viciada. levando os interesses de todas as pessoas – incluso ele próprio – igualmente em consideração Kant é responsável por uma das mais influentes elaborações éticas da filosofia. você estudará mais duas conseqüências para a possibilidade de uma ética é a questão do livre-arbítrio. 26 . isto é. o indivíduo deve se colocar na posição de um observador ideal que procuraria ter o máximo conhecimento possível sobre a ação a ser realizada – inclusive as possíveis conseqüências – e procurar agir com total imparcialidade nas ações. Esta faz referência ao conceito de "observador ideal". ao decidir sobre a ação.

mesmo que pessoalmente em sua vida particular não o fizesse. Maquiavel estabelece uma diferença entre o que hoje chamamos "razão de Estado" e as razões pessoais do governante. a política possui regras próprias e o agir político deve ser definido pelos seus fins inerentes.UNI – UNIÃO NACIONAL DE INSTRUÇÃO Ensino de Jovens e Adultos Porém há dois tipos de contraposições teóricas clássicas na filosofia política. e dela vêm as demais organizações sociais. não é necessariamente certo para um governante. Para finalizar as referências aos problemas e respostas abordados dentro da filosofia política. pois é nela que deve se esforçar por adquirir hábitos virtuosos. A segunda trata das relações entre ética e política que apresenta aqueles que defendem uma regulação ética da política e aqueles que defendem uma regulação exclusivamente política. Se necessário aos fins específicos do Estado. o diplomata e pensador político florentino Nicolau Maquiavel irá se contrapor à ligação entre ética e política. pois o homem não é uma besta que vive solitária. o governante deve agir na sua dependência. o Estado é apenas o ápice do desenvolvimento social e gregário da natureza humana. Os pensadores naturalistas são aqueles que afirmam o aspecto natural e evolutivo do Quase dois mil anos depois de Aristóteles. 1973). Um ser humano somente se define em sociedade. Rawls defendeu a importância do Estado como o elaborador e realizador de mecanismos sociais e econômicos que produzam justiça social. aparecimento e desenvolvimento das sociedades. John Rawls e Robert Nozick foram dois filósofos americanos atuais que representaram idéias contrárias sobre a justiça distributiva. (MAQUIAVEL. nem um deus que não precisa dos outros para existir (ARISTÓTELES. A primeira diz respeito à origem da sociedade e está dividida entre naturalistas e contratualistas. As pessoas possuiriam diversos direitos que são naturais e por meio de uma decisão racional decidem por viver em grupo. façamos referência à questão da justiça e sua distribuição. Esta progressão é natural e evolutiva. 27 . Para Aristóteles. Seu representante foi Aristóteles que definia o ser humano como um animal político. que para ele são a manutenção do poder e da ordem na sociedade. O lema "os fins justificam os meios" é a expressão da desvinculação entre os preceitos éticos pessoais e os preceitos políticos públicos Aquilo que individualmente para uma pessoa seria o correto fazer. Os contratualistas afirmam que qualquer sociedade surge em função de um pacto implícito entre os indivíduos que a comporão. Para ele. 1985). abdicando de todos ou de alguns direitos naturais. a política é a continuação da ética. O núcleo social básico é a família. Para Maquiavel.

todo o mundo físico é imitação do mundo das idéias. Em Platão. A ação dos indivíduos dentro da sociedade deve ser livre de qualquer constrangimento. uma pessoa e um quadro quando dizem que todos são belos? Quanto à emoção produzida naquele que percebe a situação não é menos problemática.ESTÉTICA A estética é a área da filosofia que trata da beleza e da arte. as pessoas têm opiniões diferentes sobre o que é belo ou não. pois possibilita percepção e a vivência de experiências múltiplas. Mas o que há de comum em uma paisagem. quão bonita é uma paisagem. a mais usual perspectiva existentes em determinados períodos e locais. quanto aquela que ocorre em quem aprecia. tanto a que o artista pretenderia expressar. Arte é aquilo que foi estabelecido como arte pelos manuais de história. pelos marchands e pelos críticos.UNI – UNIÃO NACIONAL DE INSTRUÇÃO Ensino de Jovens e Adultos Caberia ao Estado diminuir as distâncias das diferenças entre as condições materiais dos estética é a da imitação. Como posso ter certeza da apreensão correta da emoção do artista? Observe: Pode-se dizer que certas composições musicais são belas. mais a arte permite o a indivíduos que compõem uma sociedade. Alguns outros teóricos se concentraram na emoção. além de falar da beleza de coisas diferentes. Mas os problemas logo aparecem. Dentro desta perspectiva há uma coincidência com o relativismo moral em ética 28 . Nem todas as teorias estéticas advogam um subjetivismo extremo. A tendência natural é chegar à conclusão de que gosto não se discute. fala-se sobre a beleza de algumas pessoas. o que percebemos através da nossa capacidade racional que ultrapassa o sensorial e apreende a idéia imaterial e eterna do belo. encanta-se com os quadros e as esculturas como belas. uma música. aprimoramento VIII . a beleza em si mesma. Quanto mais perfeita a imitação realizada. pelos artistas. Nozick. O mesmo ocorreria com a concepção de beleza. Na perspectiva de Aristóteles a arte é por definição arte imitativa. Se a emoção estética produzida por algo é diferente em duas pessoas é porque aquilo é falho? Não posso admitir que algo seja arte sem que aquilo produza em mim algum tipo de emoção? Um outro tipo de posição em estética advoga uma posição sociológica e histórica. Esta concepção afirma que a beleza e a arte são definidas em função das condições psicológicas e sociais Você já deve ter se perguntado sobre isso e já deve ter percebido que. era frontalmente contra qualquer tipo de ação que interferisse nos direitos naturais de uma pessoa. A apreciação estética é parte do nosso cotidiano. humano.

Platão estabelece estritas regulações do processo educacional em relação aos tipos A partir de agora vamos nos aprofundar nestes aspectos que envolvem o processo educativo. Atualmente. Por exemplo: aristotelicamente. o padrão de identificação do que é belo está ligado ao fato de evolutivamente as espécies reconhecerem a relação entre saúde e organismos de corpos simétricos. a missão de preparar a vida deixa de ser uma função da filosofia e passa a ser da religião. Sócrates mestre é a de um indivíduo preocupado com os caminhos que o conhecimento e o aprimoramento moral do indivíduo poderiam tomar. IX – DIMENSÃO FILOSOFIA PEDAGÓGICA DA Iniciaremos revisitando Platão e Sócrates. Após a vitória do Cristianismo como religião dominante no mundo ocidental. como também produz normatização acerca dos procedimentos de formação. entendida como orientação para a vida. e esta prudência se aplica à prática. que se dará de maneira interativa com os outros e com as situações com que se defronta. 1996). Uma concepção antropológica da natureza humana mais comedida seria a interpretação aristotélica do ser humano como um ser com características próprias. Metafísica e Epistemológica da Formação da Pessoa A filosofia possibilitará a formação do indivíduo quando retomar a noção de razão prática. Sócrates é apresentado nos diálogos de Platão como mais preocupado com o procedimento do que com o resultado final do empreendimento cognitivo.UNI – UNIÃO NACIONAL DE INSTRUÇÃO Ensino de Jovens e Adultos e com o ceticismo em epistemologia (GARDNER. pela prudência. A imagem do A preocupação grega com a formação do indivíduo se desdobrou nas inúmeras interpretações do que é o ser humano e as condições de maleabilidade de formação a que está submetido. A filosofia não pretende somente justificar a interpretação do que é o homem. assim como a verdade não se apreende de todo. 29 . Abordagem Filosófica. diríamos que: A educação envolve aspectos sociais. Esta perspectiva socrática vai até o advento do Cristianismo. 2002). mas a prática educacional defendida por ele não permite variedade. políticos e éticos que fazem dela uma arte regida 9. A concepção de ser humano encontrada em Platão permite o aprimoramento pessoal. O processo educacional não termina.1. psicológicos que acreditava existirem. Esta hipótese explicativa é fruto de uma aliança nem sempre aceita entre estética e biologia evolucionista (WRIGHT. mas maleável em sua formação.

A atenção aos significados e crenças vinculados no processo educacional nos remete à estrutura da argumentação. A linguagem produz significado dentro da constituição estável do ser humano que não muda com o tempo Ao advogarmos um modo específico de educar estamos supondo uma constituição estável do ser humano que não muda com o tempo. compará-los e disseminá-los em sua pluralidade. A linguagem é o veículo privilegiado dos processos educacionais.UNI – UNIÃO NACIONAL DE INSTRUÇÃO Ensino de Jovens e Adultos Para isto devemos levar em consideração alguns fatores importantes para uma abordagem filosófica. que determina o uso dos termos. Aspectos influenciam a educação um Por último – mas não seriam só estes os fatores existentes – citamos os aspectos econômicos de influência na educação. Uma educação plena e democrática deveria reproduzir os valores. A linguagem é o meio de compartilhamento de crenças. A figura do Sócrates inquiridor é exemplar dos descaminhos do processo educacional. Podemos justificar certas práticas educacionais. Não perceber a historicidade dos procedimentos educacionais impede a compreensão da mudança e a contextualidade destes processos. As condições materiais podem ser um fator decisivo para tolher as práticas econômicos que enriquecedora. a ponto de se tornarem prejudiciais à formação da pessoa. mas a dificuldade de que tais práticas ocorram sempre da mesma forma e resultem nos resultados pretendidos é uma pretensão que até a ciência natural contemporânea problematiza pelo uso contínuo da estatística e do cálculo de probabilidades. A indicação de propriedades definidoras não é empreendimento fácil e devemos ter o cuidado em não cristalizar interpretações e práticas. A processo histórico A educação e seus processos obedecem a uma referência histórica. metafísica e epistemológica da formação da pessoa. do diálogo. da formação pragmática do significado. Nenhum procedimento educação enquanto 30 . repô-los. Perceber a educação como um jogo lingüístico ajuda a tomá-la como um processo de interação segundo regras. humano está desvinculado de seu momento histórico e dos valores que constituem as comunidades. A cultura enquanto um conjunto de valores para as comunidades A cultura apresenta um conjunto de valores que norteiam todas as atividades dentro de uma comunidade. Educação: a busca de uma A linguagem como veículo dos processos educativos. criticá-los. Ausência processo educacional A falta de regularidade do processo educacional também deve ser levada em conta para uma perspectiva pedagógico-filosófica de regularidade do comunidade de falantes.

RJ: Nova Fronteira. Moderna. 1999. Sílvio (coord. SP: CONCLUINDO. Assim. Rio de Janeiro. SERRES. Foi um prazer ter concluído o estudo dessa unidade com você. Júlio Fischer. 1992. 1991. 1993.. NEEDLEMAN. novos modos de pensar a realidade. o apaixonado pela sabedoria. GALLO. 1994. Marilena de Souza. Felix. Jacob. 2ª ed. O coração da filosofia. Bento Prado Jr. Aristóteles já fazia referência à necessidade de um mínimo material para a vida de contemplação e a obtenção de felicidade. Gilles e GUATTARI. 1993. ou para incrementá-las. Convite à Filosofia. mas é necessário justificar como eticamente ARANHA. SP: Palas Athena. Certamente você percebeu que os aspectos focados nesta unidade nos mostra a necessidade de. X . SP: Moderna. Maria Lúcia de A. 5ª ed.. Campinas. Michel. DELEUZE. Temas de Filosofia. Trad. O que é a Filosofia? Trad. São Paulo. 34. São Paulo. SP: Cia das Letras.). Ética e Cidadania: Caminhos da Filosofia: elementos para o ensino de Filosofia. Maria Helena P. e Alberto Alonso Muñoz. CHAUÍ. SP: Ática. ARANHA.UNI – UNIÃO NACIONAL DE INSTRUÇÃO Ensino de Jovens e Adultos educacionais. Essa finitude do saber filosófico não é acidental. Trad. SP: Papirus. estamos valorizando o pensamento que abre novas estradas entre a ciência e a filosofia. São Paulo. RJ: Ed. O Mundo de Sofia: romance da história da filosofia. GAARDER. Filosofando: Introdução à filosofia. São Paulo. assim. Maria Helena P. 1995. Mostrando os limites da filosofia. Maria Lúcia de A.REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS indispensável o acesso a tais condições. à filosofia não basta reconhecer a importância dos meios materiais. Basta olhar para o sentido etimológico do termo ‘filosofia’. Os gregos deram a esse saber.. Maria Ignez Duque Estrada.. Jostein. 1992. Filosofia mestiça. o nome philosophia. São Paulo. continuar questionando e buscando sempre. MARTINS. 31 . ‘filósofo’ significa aquele que busca a sabedoria.. Rio de Janeiro. 2ª ed. MARTINS.

2002. GEUSS. 2002. 31ª 1985. As mais belas lendas da mitologia. WATANEBE. FEYERABEND. São Paulo / Brasília: Martins Fontes / Edunb. 3. São Paulo: Abril. ed. Barcelona: Iberia. HUISMAN. 1973a. P. RJ: Freitas Bastos. São Paulo: Abril. 2004 ANSELMO. Denis. Campinas: ______. Raymond. 2000. Proslógio. Philotheus. Estética. Ética a Nicômaco. (Coleção Os Pensadores) DESCARTES. 32 .UNI – UNIÃO NACIONAL DE INSTRUÇÃO Ensino de Jovens e Adultos ARON. Papirus. ed. São Paulo: Loyola. 1973b. Etienne. Introdução ao Pensar: o AGOSTINHO. Arcângelo R. 1984. 1984. A filosofia na Idade Média. René. – São Paulo. George. a linguagem. BERKELEY. Política. Rio de Janeiro: Francisco Alves. São Paulo: Loyola. Contra o método. ARISTÓTELES. 1979. Petrópolis: Vozes. 1995. ed. In: BUNNIN. São Paulo: Abril. GILSON. Discurso do método. ed. 2. São Paulo: Abril. ______. 2. Tomás de. 1985. 1988. (Coleção Os Pensadores) GILSON. TSUI-JAMES. do conhecimento humano. Etienne. (Coleção Os Pensadores) BOEHNER. Lygia Araujo. Tratado sobre os princípios VERGEZ. ed. São Paulo: Paulinas. E. BUZZI. Raymond. (Coleção Os Pensadores) GARDNER. 1987. São Paulo: Martins Fontes. São Paulo: Abril. Sebastian. As etapas do pensamento STAHEKL Mônica (tradução). Compêndio de filosofia. 1979. Rio De Janeiro. Vozes. SP: Martins Fontes. SP: Moderna. Confissões. Paul. 1980. 1982. Nicholas. ser. 2. Brasília: EDUNB. 1995. – São Paulo. (Coleção Os Pensadores) AQUINO. História dos filósofos ilustrada pelos textos.Petrópolis: ed. Metafísica. Suma teológica. 2. ed. Teoria crítica. ______. André. Platão por mitos e hipóteses. 1989. sociológico. 5ª ed. o conhecimento. História da filosofia cristã. Poética.

São Paulo: Abril. G. 1982. Martin. 1978. C. 1980. Temor e tremor . LYCAN. entendimento humano. Pensadores) HEIDEGGER. Lisboa: Kalouste Gulbenkian. ______. (Coleção Os Pensadores) KIRK. Søren. Thomas. São Paulo: Martins Fontes. 1979b. Hume. John. (Coleção Os Pensadores) HOBBES. Compêndio de filosofia. Filosofia da mente. 2. Niterói: EDUFF. William G. Bauru: Edusc. São Paulo: Abril. costumes. 1979. São Paulo: Abril. ______. ed. ed. E. 1995. Os intelectuais na Idade ______. (Coleção Os Pensadores) Média. Os filósofos présocráticos. metafísica (Coleção dos Os HESÍODO. MACINTYRE. P. Nicholas. ed. E. 2. 1979. Crítica da razão pura . Peter. TSUI-JAMES. 2. In: BUNNIN. W. Teogonia. Os sofistas. ed. Ilíada. Crítica da razão prática. O fim da filosofia e a tarefa do pensamento. São Paulo: Loyola. P. K. São Paulo: Abril. S. ed. Jacques. E. São Paulo: Brasiliense. 2002. ed. 33 . ______. 1978. Investigação sobre o LOCKE. J. 2002. São Paulo: Abril. TSUI-JAMES. ed. RAVEN. Depois da virtude. Odisséia. São Paulo: Ars Poética. David. Lisboa: Calouste Gulbenkian. 1989. São Paulo: Abril. Segundo tratado sobre o governo. São Paulo: Loyola. LE GOFF. (Coleção Os Pensadores) Fundamentação São Paulo: da Abril. (Coleção Os Pensadores) KANT. HUME. 2. 2. ______. 1992. O desespero humano. 1979a. 2002. Leviatã. Nicholas. Alasdair. Rio de Janeiro: Ediouro. 2. Ensaio acerca do entendimento humano. 1986. 1985. Immanuel. 2. In: BUNNIN.UNI – UNIÃO NACIONAL DE INSTRUÇÃO Ensino de Jovens e Adultos GUTHRIE. HOMERO. 2001. Compêndio de filosofia.. São Paulo: Paulus. São Paulo: Abril. 2002. (Coleção Os Pensadores) JONES. (Coleção Os Pensadores) KIERKEGAARD.

Wesley C. 1973. Iniciação à História da Filosofia: dos Pré-socráticos a Wittgenstein. São Paulo: Companhia das Letras. (Coleção Os Pensadores) RAWLS. Filosofia da ciência. ed. (Coleção Os Pensadores) STEGMÜLLER. Nicholas. 1990. 2002. SISSA. NOZICK. Michele Federico. P. Wolfgang. A filosofia contemporânea. 1972. E. A lógica da pesquisa científica. São Paulo: Martins Fontes. Além do bem e do mal. O príncipe. REALE. 2002. Blaise. A república. (Coleção Os Pensadores) ______. Conjecturas de refutações. TSUI-JAMES. ed. Dario. Compêndio de filosofia. São Paulo: Martins Fontes. 9. 1972. 2001. 1992. Lógica . Ensaios. São Paulo: Loyola. 8. Paulo: Martins Fontes. 1993. ed. 1977. SALMON. PAPINEAU. Danilo. 34 . Ética prática. São Paulo: Abril. 1967. Brasília: Edunb. PLATÃO. Rio de NIETZSCHE. Marcel. Friedrich. Lisboa: Calouste Gulbenkian. estado e utopia. ed. POPPER. São NAGEL. São Paulo: Abril. David. In: BUNNIN. ANTISERI. ed. 3. Anarquia. 3 v. São Paulo: Paulinas. 9. 2002. (Coleção Os Pensadores) gregos. São MONTAIGNE. 1994. Pensamentos. Nicolau. John. Robert. Uma teoria da justiça. São Paulo: Martins Fontes.UNI – UNIÃO NACIONAL DE INSTRUÇÃO Ensino de Jovens e Adultos MAQUIAVEL. Karl. MARCONDES. Rio de Janeiro: Jorge Zahar. ed. DETIENNE. Peter. Os deuses PASCAL. Thomas. São Paulo: Companhia das Letras. 1991. Uma breve introdução à filosofia. 3.ed Rio de Janeiro: Jorge Zahar. São Paulo: EPU. 1993. Michel de. SINGER. Paulo: Cultrix. Visão a partir de lugar nenhum. Filosofa: antiguidade e Idade Média. São Paulo: Abril. São Paulo: Abril. História da Janeiro: Prentice-Hall. 1990. ______. 1973. filosofia. 2001. 4. Geovanni. 2004. História da ______. 2004. 3. Giulia. SCIACCA. São Paulo: Mestre Jou. Fédon.

WITTGENSTEIN. E. Ludwig. Lisboa: Calouste Gulbenkian. 1998. 1987. P. Richard. Tratado lógico- filosófico / Investigações filosóficas. Será que Deus existe? Lisboa: Gradiva. In: BUNNIN. TALIAFERRO. Compêndio de filosofia . São Paulo: Loyola. 2002. Nicholas.UNI – UNIÃO NACIONAL DE INSTRUÇÃO Ensino de Jovens e Adultos SWINBURNE. TSUI-JAMES. 35 . Filosofia da religião. Charles.