Web usability and accessibility

Carlos Eduardo Carvalho, David Teixeira, Sofia Azevedo

Abstract. A usabilidade e acessibilidade web como disciplina de suporte na garantia de produtividade dos sistemas web. Consideração do perfil do utilizador final no desenvolvimento e actualização de plataformas web-based.

Keywords: Usabilidade, acessibilidade, sistema web, internet, produtividade web, web design, utilizador web.

1

Usabilidade - Conceito

Existem imensas definições de usabilidade na actualidade. Uma breve pesquisa leva o investigador a centenas de definições, mais ou menos extensas, de maior ou menor rigor científico ou semântico. No entanto, é fácil perceber que todas convergem no sentido de dar um significado perceptível ao conceito de ‘utilização do software’. Assim, e na falta de uma definição concreta, suficientemente abrangente e específica, o recurso à International Standard Organization (ISO) resolve esta questão de forma prática e eficaz. De acordo com esta organização, que representa o centro procedimental normativo e de standarização internacional, e reportando à norma ISO/IEC 9126, “A usabilidade refere-se à capacidade de um software ser 1

em cenários e condições pré-determinadas. eficiência e satisfação com a que um produto permite atingir objectivos específicos num contexto de utilização também específico”. 1994)[1]. 2 . A usabilidade não pode ser valorizada estudando um produto de forma isolada (Bevan. refere-se à forma como o utilizador realiza determinadas tarefas específicas. temos então uma definição centrada no conceito de qualidade de utilização. funcionalidade. mas também do utilizador. de forma simples e agradável. ou seja. utilizado e ser atractivo para o utilizador. A usabilidade depende não só do produto. o conceito de usabilidade assenta na análise do comportamento dos utilizadores. aprendido. só terá a capacidade de ser utilizado num contexto particular e por um grupo de utilizadores de referência. e na aplicação de técnicas para a realização de tarefas. Claro que esta definição se centra na importância. resulta que. de forma efectiva ou com relativa frequência. Se fizermos o reporte à norma ISO/IEC 9241.compreendido. teoricamente utilizável. sendo que a “Usabilidade é a efectividade. Assim. ou relevância. sem muito esforço e alcançando o máximo de resultados possível. Os utilizadores devem ser levados a concretizar as tarefas pretendidas. que contribuem de alguma forma para a valorização da sua usabilidade. geralmente web-based. e. É por esta razão que um determinado produto. num ambiente gráfico simples. das características internas e externas do suporte. condições específicas de utilização”. eficiência e eficácia.

ou outras. ou outro qualquer individuo que. independentemente de quaisquer condicionantes. nível de domínio tecnológico. sejam elas de hardware. comunicação. fruto de circunstâncias externas. De forma 3 . Alguns autores referem de forma clara e objectiva a necessidade de facilitar o acesso e a utilização da web nas suas definições. 3 Diretrizes de acessibilidade ao conteúdo da Web (WCAG) Há um conjunto de documentos com as Diretrizes de acessibilidade ao conteúdo da Web (WCAG). e explicam como produzir conteúdos para a Web que sejam acessíveis às pessoas portadoras de necessidades especiais. a acessibilidade corresponde à propriedade das ferramentas e equipamentos necessários à utilização da web. mobilidade e manipulação” [Francisco Godinho. tipos de redes. estarem acessíveis a qualquer indivíduo. condicionantes geográficas.2 Acessibilidade – Conceito Fazer referência à acessibilidade web é tentar universalizar o acesso à web. ou de algum recurso da internet. 2010][2]. oferta de um leque variado de produtos e serviços que cubram as necessidades de diferentes populações (incluindo produtos e serviços de apoio). adaptação. Envolve o Design Inclusivo. produtos e serviços por qualquer pessoa e em diferentes contextos. meios alternativos de informação. software. económicas ou culturais. “A acessibilidade consiste na facilidade de acesso e de uso de ambientes. Na verdade. tenha o acesso à informação condicionado. quer seja portador de deficiência ou outra limitação.

os criadores de ferramentas de avaliação da acessibilidade. "conteúdo" da Web refere-se à informação contida numa página ou plataforma web.generica.w3. sendo certo que um conjunto alargado destas orientações. o pessoal responsável pelo desenvolvimento de conteúdos para a Web (autores de páginas web.Simblogia W3C Aqui será possível aceder a directrizes de acessibilidade aos conteúdos web. incluindo-se aí. Fig. formulários e sons.). O portal de referência nesta matéria é sem dúvida. textos. os programadores de ferramentas para a Web. etc. têm como destinatários. projectistas de sites. ou ainda a uma aplicação baseda na internet. 4 Principais atributos da usabilidade web entender utilidade Fácil Fácil decomo De utilização recordar utilização DeDe boa eficiente utilizar segura Metas de usabilidade 4 . essencialmente. imagens. o www. . que compila toda a informação relevante nesta matéria.org. 1.

ou pelo menos. 5 .3 De boa utilidade: O sistema fornece um conjunto apropriado de funções. 4.1 De utilização eficiente: Assim que o utilizador esteja familiarizado com o sistema web.Fig. e com que mais se identificam.4 Fácil de entender: O sistema é de fácil aprendizagem. . que permite aos utilizadores a realização de todas as tarefas da forma que desejam. 4. e permite que as tarefas fundamentais sejam asssimiladas rapidamente. e ainda deverá estar dotado de uma forma que permita a rápida recuperação desses erros. ele irá ter maior produtividade.2 De utilização segura: O sistema deverá estar preparado para evitar que o utilizador cometa erros.Metas de usabilidade 4. manter a anterior. 4. 2.

5 Fácil recordar como utilizar: O sistema fornece um bom suporte de interface. onde o utilizador desenvolva a sua própria capacidade cognitiva e criativa. 4. importa desenvolver sistemas interactivos.6 Experiência do utilizador Curiosamente. a partir do uso do sistema. deverão ser na perspectiva de quem avalia: • • • • • • • • • Satisfatórios Agradáveis Motivadores Interessantes Úteis Emocionalmente adequados Esteticamente apreciáveis Incentivadores de criatividade Compensadores 1 Heurísticas e Princípios de Usabilidade Existem já técnicas de avaliação da usabilidade. Assim. No fundo são abstracções genéricas que visam orientar o projecto de design dos sistemas web. Desta forma será garantida a ‘junção’ do interesse do utilizador com a utilidade do sistema. Os requisitos a considerar na prática de utilização do sistema. que auxilia o utilizador a lembrar como as tarefas devem ser realizadas.4. é frequente verificar a tentativa de focar a atenção na experiência do utilizador dos sistemas desenvolvidos. 6 .

servem para avaliar o que foi desenvolvido. deverá ser considerada: • • • • • • • • • • • Heurística de Nielsen Visibilidade do status do sistema. Prevenção de erros . mas parte de premissas básicas e ajudam a considerar os principais requisitos que o site deverá possuir. Basicamente. Consistências e padrões utilizados. Ajuda e documentação. Controle do utilizador e liberdade de acção. que pela sua aplicabilidade prática. Flexibilidade e eficiência de uso. 1 Como avaliar a usabilidade Há imensas formas de avaliar a usabilidade. Esta ferramenta de avaliação consiste numa folha de cálculo que avalia a usabilidade de um site. diagnosticar e recuperar erros.Não são guias orientadores. é a heurística de Nielsen. O resultado é facilmente interpretado pelo ‘peso’ em percentagem de cada um dos factores em análise. em função dos critérios que vão sendo introduzidos. 7 . Ajuda os utilizadores a reconhecer. Reconhecimento em vez de memorização. Estética e design minimalista. conhecida por ExpertReviewCheckPoints. Uma destas heurísticas. Uma das técnicas possíveis será a utilização da ferramenta de avaliação de usabilidade dos sistemas. Compatibilidade do sistema com o mundo real.

podemos concluir que os especialistas realizam testes formais. através de diferentes técnicas. e nessa perspectiva. Estes testes poderão contar com a participação de utilizadores do sistema.Exemplo de resultado com o ExpertReviewCheckPoints. Assim. Há um conjunto de procedimentos distintos para cada ferramenta de avaliação de usabilidade. Claro que a avaliação depende sempre da abordagem heurística em que se baseia. importa considerar a observação da interação. 8 .Fig. 3. e noutros pressupostos associados. .

Dar especial atenção ao utilizador e às tarefas .Design Interativo – Ciclos de “design. as interações dos utilizadores com os protótipos devem ser registadas e analisadas.entrevistas e questionários. teste. e envolvendo-os no processo de design do próprio sistema.1 Abordagem centrada no utilizador Para se proceder ao desenvolvimento de um produto que leve em consideração as necessidades dos utilizadores reais.1 Algumas atividades que ajudam na focagem no utilizador: A força do desenvolvimento do sistema reside nas tarefas que o utilizador realiza– Importa considerar que tecnologias estão 9 . Se não houver participação de utilizadores. quantas vezes forem necessárias. conhecer as suas características cognitivas e comportamentais. Este procedimento é feito através da ‘observação’ e registo durante a realização das suas tarefas. A focagem no utilizador implica a utilização de metodologia própria.Avaliação Empírica – Durante todo o processo de desenvolvimento. A abordagem centrada no utilizador. 1. 3.Entender quem são os utilizadores do sistema. avaliação” por utilizadores reais e “re-design”. Desta forma. até o sistema estar devidamente optimizado. importa considerar as actividades principais que auxiliam na tarefa de focagem da atenção no utilizador final e na forma como se ‘move’ no sistema. 1. assim como a abordagem sem intervenção do utilizador são consideráveis neste tipo de testes. 2. importa: 1. importa considerar o percurso cognitivo e a avaliação heurística.

e interpretadas num determinado padrão. do seu trabalho e do seu ambiente. e ditará o sucesso da sua implementação e utilização futura. Os utilizadores são consultados em todas as etapas do desenvolvimento. a disciplina que permite um enlace entre o sistema e o seu utilizador. nas fases de desenho e desenvolvimento do 10 . e quais as metas que deverão ser alcançadas. intelectuais e físicas. Todas as decisões de design são tomadas dentro do contexto dos utilizadores finais. a memória e a facilidade de inetrpretação. e a sua contribuição é seriamente levada em conta. O sistema é desenhado no sentido de fornecer um suporte. como a atenção. bem como outros aspectos mais subjectivos. resultante do estudo do comportamento do utilizador e do contexto da utilização que o mesmo faz do prórpio sistema – Entender o comportamento dos utilizadores na realização das principais tarefas. 2 Importância da usabilidade A usabilidade é fundamental no desenvolvimento de aplicações ou sistemas web. que servirá de base para o desenho do sistema – importa levar em consideração as eventuais limitações culturais. As características dos utilizadores são registadas.disponíveis para melhorar a forma como os utilizadores interagem com o sistema. até à conclusão. A usabilidade e acessibilidade web é. Este enlace é possível pelo respeito das normas de usabilidade. na realidade. A necessidade de uma articulação plena entre a plataforma a utilizar e o utilizador dessa mesma plataforma é determinante. desde a fase inicial.

Se não houver utilizadores para um sistema. Talvez seja preferível testar convenientemente todo o conjunto so sentido de minimizar ao máximo qualquer possibilidade de erro. • A confiança pode demorar a ganhar consistência. Quem manda nas páginas de internet é quem as utiliza. mas perde-se facilmente. “A ciência e a arte de organizar e rotular sites dando suporte a usabilidade e facilidade de busca” (Information Architecture Institute) • Na web. Uma boa forma de agilizar a navegação e leitura da informação disponibilizada é a colocação das conclusões logo no início. Tal como na vida real. Imprta pois considerar uma interface dinâmica. • Bom perfil de segurança. ou interagir com um sistema que revele falta de segurança. assim como o acesso deverá ser directo. conteúdos interessantes. Algumas regras e técnicas já amplamente difundidas. importa ter confiança no sistema de segurança utilizado. a qualidade baseia-se na rapidez de acesso e utilização. e que respeitam o perfil final de utilização humana a que se destina. o sistema deixa de ter utilidade. Por vezes basta uma ligação não funcionar para a credibilidade do sistema ser imediatamente questionada. são as que a seguir se resumem: • Autonomia.próprio sistema. O aspecto deverá ser preterido em função da rapidez. • Boa distribuição dos conteúdos e utilização condicionada de cores. etc. Nenhum utilizador tem interesse em fornecer dados. A confiança perde-se assim. Isto quer dizer que se o site. O utilizador deve sentir que controla a sua própria navegação. página ou plataforma web morrem se não forem visitados. se houver falhas funcionais detectáveis pelo utilizador. e na confiança. simples e nada complexo. Este procedimento provoca uma sensação de 11 . portal. e que são já respeitadas pelos responsáveis pelo desenvolvimento de sistemas web-based.

Resumir a informação ao essencial. Simplificar e Optimizar nas várias fases (desenho desenvolvimento e implementação). na administração pública. O utilizador deve sentir conforto na navegabilidade e utilização de um sistema web. especialmente a sua navegação" (WEST. Esta temática não se esgota na recomendação de utilização de normas identificadas. • Eliminação da informação redundante. “Tornar claro o que é complexo” (Wurman.conforto no utilizador. ou 12 . • Conteúdos de fácil leitura. a usabilidade e acessibilidade web em ambiente empresarial. Importaria aprofundar. é considerado no desenho dos próprios sistemas. 1997)[4]. A leitura num monitor é sempre mais dificil do que no convencional papel. Recomenda-se o resumo para 25% do que seria escrito em papel. por não perder tempo na busca da informação mais relevante. A produtividade está directamente relacionada com a facilidade de utilização. As cores deverão ser uniformes e de fácil interpretação. assim como a coocação das conclusões logo no inicio serão boas prácticas a considerar. 1 Conclusão Usabilidade e acessibilidade web são sinónimos de boas práticas. Cada vez mais o perfil do utilizador final dos sistemas web. Este efeito poderá ter um efeito adverso no utilizador. A sofisticação poderá resultar num efeito contrário ao pretendido. • Simplicidade. com declarado interesse científico. A utilização de interfaces facilitadores da leitura poderá ser um bom procedimento. e fazer com que ele opte por evitar o sistema respectivo. Uma boa forma de optimizar um sistema é a utilização da trilogia Reduzir. Há um efeito ‘ensurdecedor’ no excesso de informação revelado.” A prática de projetar a infra-estrutura de um webwebsite. 1999)[5]. no que concerne aos sistemas web.

fica em aberto um estudo mais empírico. Mas sendo esta uma ciência recente. M. MacLeod. R. [2]Godinho. F. 2 Referências [1]Bevan. Usability Measurement in Context. The art of information architecture. [4] West. 1999 13 . A.. Janeiro 2010. [3] Wurman. 1997. e em rápida evolução. Information Architects..nos processos de ensino-aprendizagem. Acessibilidade. 1994. N..