You are on page 1of 73

Economia Política Internacional

Análise estratégica
ISSN 1808-298X n. 7 - outubro a dezembro/2005
Publicação trimestral

BRIC
Instituto de Economia
Centro de Estudos de Relações Econômicas Internacionais - CERI Campinas - São Paulo

Diretor do Instituto de Economia da UNICAMP

Prof. Dr. Marcio Percival Alves Pinto
Diretor Executivo do CERI

Prof. Dr. José Carlos de Souza Braga

Professores

Ana Lúcia Gonçalves da Silva Antonio Carlos Macedo e Silva Fernando Nogueira da Costa José Maria Ferreira Jardim da Silveira José Pedro Macarini José Rubens Dória Porto Luciano Galvão Coutinho Luiz Gonzaga de Mello Belluzzo Márcio Wohlers de Almeida Marcos Antonio Macedo Cintra Maria Alejandra Caporale Madi Mariano Francisco Laplane Mário Ferreira Presser Nelson Prado Alves Pinto Pedro Paulo Zahluth Bastos Rinaldo Barcia Fonseca Rogério Pereira de Andrade Simone Silva de Deos Wilson Cano
Secretaria do CERI

Helena Lopes da Silva Brigante

Projeto gráfico-visual/Normalização/Editoração eletrônica

Célia Maria Passarelli (Secretaria de Publicações)

Unicamp – Instituto de Economia Centro de Estudos de Relações Econômicas Internacionais – CERI Cidade Universitária Zeferino Vaz ! Caixa Postal 6135 " (019) 3788.5731 # (019) 3289.1512 $ ceri@eco.unicamp.br 13083-857 – Campinas, São Paulo – Brasil

n. 7 – outubro a dezembro de 2005
ISSN 1808-298X
Publicação Trimestral do

Centro de Estudos de Relações = Econômicas Internacionais - CERI

Instituto de Economia

SUMÁRIO
EDITORIAL
Os impactos da China, Índia e Rússia na Economia Mundial Marcos Antonio Macedo Cintra Adriana Nunes Ferreira ..................................................... 1 Mudanças estruturais e crise de liderança no Sistema Mundial José Luís Fiori .............................................................. 5 O novo regime cambial chinês e a diplomacia do “Yuan fraco” André Moreira Cunha André Martins Biancareli ...................................... 12 China: uma inserção externa diferenciada Luciana Acioly ............................................................. 24 Reformas econômicas na Índia: discurso e processo Sebastião Velasco ........................................................ 32 Questões em discussão sobre a Rússia de Putin Lenina Pomeranz................................................................ 44 Desequilíbrios externos da economia espanhola José Gilberto Scandiucci Filho.......................................... 50 O Novo Acordo de Basiléia e seus impactos no papel que as instituições financeiras desempenham nos ciclos econômicos Paulo Henrique Costa .................................................. 57 As negociações em NAMA na OMC: impasses e desafios Mário Ferreira Presser ...................................................... 64

EDITORIAL OS IMPACTOS DA CHINA, ÍNDIA E RÚSSIA NA ECONOMIA MUNDIAL Marcos Antonio Macedo Cintra 1 Adriana Nunes Ferreira 1
As persistentes taxas de crescimento dos países continentais – conhecidos por “Bric” (Brasil, Rússia, Índia e China) – têm despertado a curiosidade dos governos, dos pesquisadores e do público em geral (o Brasil em menor grau, evidentemente). Apreende-se uma grande demanda por fontes de informações e por uma maior compreensão da dinâmica dos processos de desenvolvimento desses países. Busca-se, sobretudo, identificar os principais determinantes do desempenho exuberante da China, Índia e Rússia. Observa-se que, em maior ou menor grau, esses países têm procurado implementar uma estratégia neomercantilista, a fim de aperfeiçoar seus parques tecnológicos e integrar suas populações. Eles adotam uma política de taxa de câmbio desvalorizada, mantendo a competitividade das suas exportações, para obter saldos comerciais expressivos e acumular reservas. No final de 2004, a China detinha 38% das reservas internacionais dos países em desenvolvimento; a Índia, 9% e; a Rússia, 7,1%.

____________
1 Professores do Instituto de Economia da Universidade Estadual de Campinas (Unicamp).

. ainda que seja difícil imaginar um bloco entre economias tão diferenciadas..... Do seu ponto de vista..... qualquer posição estratégica comum com os demais..... parece que a defesa da taxa de câmbio real. afora ser grande... no campo geo-econômico e. observa-se uma crescente aproximação entre a Rússia e a China... os fluxos de capitais....... no “mundo da energia”........ a necessidade de manter o ritmo de crescimento acelerado e uma inserção pragmática na economia globalizada. população e fonte de energia...... 2005... entre os velhos e os novos grandes consumidores de petróleo e gás natural disponível no mundo”....... que favorece a expansão do crédito... n.................... nos vários pontos do mapa energético do mundo. Os autores argumentam que a racionalidade do “yuan fraco” deve ser compreendida como parte de uma estratégia de longo prazo e buscada na relação entre a gestão do valor externo da moeda nacional.... Isso poderia abrir espaço para mudanças na política externa de vários países que contestam ou propõem redefinir os termos da hegemonia americana... A Índia também tem realizado movimentações diplomáticas em direção à Rússia e à China.. envolvendo posições estratégicas de fronteira.. que daria a base de sustentação de um maior protagonismo na arena internacional........ até o momento......./set. Praticam também uma política monetária mais lassa.. não parece ter desempenhado.... o sistema internacional estaria perdendo “vitalidade orgânica”. A acumulação de reservas – mediante saldos comerciais elevados e não-contratação de novas dívidas – atende a demanda por liquidez em moeda forte e assegura a estabilidade da taxa de câmbio.... O autor sugere ainda que.. Entre outros temas. do ponto de vista geopolítico. 2 . ANDRÉ MOREIRA CUNHA e ANDRÉ MARTINS BIANCARELI – O Novo Regime Cambial Chinês e a Diplomacia do “Yuan Fraco – defendem que a economia chinesa estaria ancorada em uma política externa cada vez mais ativa........ que podem desencadear uma reorganização e redistribuição dos recursos disponíveis e escassos. Entre os países continentais da periferia do sistema econômico mundial. em particular. está ocorrendo “uma expansão veloz da demanda e um aumento da intensidade da competição. Isso parece demonstrar que os Estados nacionais que aspiram a empreender projetos de desenvolvimento precisam reforçar a independência diante dos mercados financeiros internacionais. dos superávits em conta corrente e a acumulação de reservas elevadas tornaram-se cruciais num mundo de grande mobilidade de capitais e assimetria entre as moedas.Editorial – Marcos Antonio Macedo Cintra / Adriana Nunes Ferreira . aproveitando o estímulo da demanda externa.... 6 – jul... e que os Estados Unidos estariam “sem uma orientação estratégica nítida e consensual”.. JOSÉ LUÍS FIORI – Mudanças Estruturais e Crise de Liderança no Sistema Mundial – discute os impactos da assimilação da economia nacional da China e da Índia pelo “território econômico” do capital financeiro americano.. Dessa forma...... O Brasil. esse número do Boletim de Economia Política Internacional: Análise Estratégica do Centro de Estudos de Relações Econômicas Internacionais do Instituto de Economia da Unicamp procura trazer elementos para o debate da lógica e da dinâmica do desenvolvimento desses países continentais no início do século XXI........... em particular na América Latina.. da produção e do emprego domésticos................ neste início de 2006...... O autor argumenta que um dos possíveis problemas dessa nova ordem seria a busca por “segurança energética” dessas novas máquinas de crescimento..........

... LENINA POMERANZ – Questões em Discussão sobre a Rússia de Putin – procura identificar as questões debatidas na “Rússia de Putin: estatização da economia russa e falta de democracia....... Seria justamente esse papel que lhe permitia uma atuação soberana no cenário político internacional. o controle estatal do setor energético faria parte do esforço de inserção internacional da Rússia.. na tentativa de desempenhar um papel de destaque no suprimento energético..... tais como derivativos de crédito e operações de securitização..... a relevância da agricultura como fonte geradora de empregos.... Para o autor.... Nesse sentido...... no plano internacional”.... analisando as possibilidades desse país apresentar uma crise de balanço de pagamentos........ em defesa dos seus interesses nacionais. a solidez dos grupos econômicos privados locais e a persistência de um vasto setor empresarial estatal.... JOSÉ GILBERTO SCANDIUCCI FILHO – Desequilíbrios Externos da Economia Espanhola – problematiza o fato de a Espanha estar apresentando recorrentes déficits comercial e de transações correntes...Editorial – Adriana Nunes Ferreira / Marcos Antonio Macedo Cintra . 2005.... a autora mostra que a China procurou manter uma política cambial estável e favorável às exportações e estabelecer um marco regulatório para a atuação das empresas transnacionais de acordo com os objetivos da política industrial e tecnológica articuladas com a política de comércio exterior.............. O Novo Acordo procuraria implementar uma estrutura mais sensível ao risco e apresentar incentivos para aperfeiçoar as práticas de gestão de riscos........ no quadro da instabilidade política que marca os demais países produtores de petróleo................ LUCIANA ACIOLY – China: uma Inserção Externa Diferenciada – examina as principais tendências dos fluxos de investimento direto externo para a China. aumentando a amplitude dos ciclos econômicos.... A autora defende que a alardeada “falta de democracia” seria uma estratégia para restabelecer o poder político central do Estado nacional. salientando seu caráter “pragmático”........ Alguns dos traços cruciais desse novo modelo seriam: o papel dinâmico da produção de serviços de informática. SEBASTIÃO VELASCO – Reformas Econômicas na Índia: Discurso e Processo – discute o processo de reformas econômicas na Índia..... Ademais. mostrando que o ambiente institucional foi fundamental na definição do papel virtuoso exercido por esses capitais. A estratégia de inserção internacional por meio do comércio e do investimento direto contou com a criação de um ambiente propício ao crescimento. Ele enfatiza que essa discussão ganha especial relevância na medida em que “coube à Espanha o papel de primeiro experimento de déficits de transações correntes em uma economia monetária completamente integrada às de seus parceiros”....... essa questão não pode ser respondida de forma imediata.......... 6 – jul..... e atuação relativamente independente......... a preocupação de que algumas novas normas bancárias possam estimular o comportamento expansivo e contracionista dos bancos.. PAULO HENRIQUE COSTA – O Novo Acordo de Basiléia e seus Impactos no Papel que as Instituições Financeiras Desempenham nos Ciclos Econômicos – argumenta que o Acordo de Basiléia I não fornece mais uma medida efetiva de adequação de capital para os bancos que usam instrumentos financeiros complexos.. há que se levar em conta que a Espanha é membro da zona do euro... 3 .... e examina a hipótese de uma eventual “emergência de um novo padrão de desenvolvimento”..... no plano interno../set.. n.... no entanto........ O autor identifica......

que o impasse nas negociações em bens agrícolas tem levado os negociadores brasileiros a oferecer informalmente concessões substanciais em NAMA e Serviços........... essa estratégia envolve riscos consideráveis.......... 4 ... O autor defende que as “posições do governo brasileiro nas negociações sobre Non-Agricultural Market Access (NAMA) têm sido cautelosas......... procurando preservar um adequado grau de flexibilidade para perseguir uma estratégia coerente de comércio exterior e desenvolvimento.........../set.......... Para o autor................. 2005......... em face do acirramento das posições da União Européia. contudo...... Sugere........ n..........Editorial – Marcos Antonio Macedo Cintra / Adriana Nunes Ferreira ............... MÁRIO FERREIRA PRESSER – As Negociações em NAMA na OMC: Impasses e Desafios – discute a complexidade e o acirramento das disputas entre os países desenvolvidos e em desenvolvimento nas negociações na Organização Mundial de Comércio.......... em troca de um eventual maior acesso aos mercados agrícolas europeus..... que ainda está por ser definida”.................... 6 – jul.............

e se transformaram na fronteira de expansão e acumulação capitalista do sistema mundial. Nesse sentido. e da China. apenas perderam o seu protagonismo e a sua liderança do processo de acumulação do capital. seus dois _______________ 1 Professor do Instituto de Economia da Universidade Federal do Rio de Janeiro. até 1973. e perdeu seu fôlego global. Esse eixo dinâmico da economia mundial entrou em crise na década de 1970. que está na origem do “milagre europeu” e da economia capitalista. o entrelaçamento econômico desse novo tripé será cada vez maior. não são a mesma coisa. A relação do “ocidente” com as “índias”. uma das relações mais antigas e permanentes da história econômica moderna. 1997. Um tripé que funcionou. Essa “permanência” do sistema mundial. mesmo que alguns setores do establishment político e acadêmico americano sigam propondo o bloqueio da expansão asiática. de fato. enquanto se desfaziam os velhos impérios coloniais europeus. Foram substituídos pelo novo tripé. a relação transcontinental que está na origem da globalização do capitalismo europeu. na década de 1980. e pela competição com a União Soviética. Ao contrário dos seus antigos parceiros. entretanto. mesmo quando a sua competição geopolítica cresça. 2005. cada vez mais ricos. nos anos 1990. 1 A NOVA GEO-ECONOMIA ENERGÉTICA protetorados militares que se transformaram em cadeias transmissoras do dinamismo global. 67). liderando uma reestruturação profunda da economia mundial. . depois dos “descobrimentos”. Depois de 1945. É interessante observar que essa revolução renova. em particular. Dentro dessa nova arquitetura. a um só tempo. e não deve ser alterado nas próximas décadas. Foi o período em que a economia nacional da China – e logo depois. na hierarquia das economias nacionais. a economia capitalista cresceu liderada pelos Estados Unidos. de forma quase continua.MUDANÇAS ESTRUTURAIS E CRISE DE LIDERANÇA NO SISTEMA MUNDIAL José Luís Fiori 1 Mas devemos nos lembrar que esperança e previsão embora inseparáveis. 7 – out. Daqui para frente. p. (Hobsbawn. logo antes que as economias alemã e japonesa entrassem em estado de letargia crônica. a da Índia – foram assimiladas pelo “território econômico” do capital financeiro americano. e pela Alemanha e o Japão. os Estados Unidos cresceram durante as duas últimas décadas do século XX. Economia Política Internacional: Análise Estratégica n. nem diminui o seu impacto sobre N o início de 2006. e de todos os grandes impérios que se constituíram. nem deixaram de ser países ricos. a nova geografia do capitalismo mundial mantém. na Europa e no Sudeste Asiático. unificado pela reconstrução do pós-guerra. de forma absolutamente virtuosa. a escala global. e esta mutação geológica da economia mundial não tem mais como ser revertida no médio prazo./dez. atualiza e potencializa. não elimina a novidade revolucionária da nova geografia econômica do sistema. a Alemanha e o Japão ainda não perderam seu lugar. o eixo econômico do sistema mundial já está completamente refeito. até o limite do enfrentamento explícito.

.. quase belicosa.. neste momento. a despeito da forte oposição dos Estados Unidos..... Em conjunto.. que até 2020.. mas já é possível mapear os primeiros “congestionamentos” e conflitos que estão sendo provocados por desse deslocamento geoeconômico.. a economia mundial... mas hoje. sua dependência do fornecimento externo de petróleo é ainda maior do que a da China.. Costa do Marfim.. o Japão e a Coréia permanecem altamente dependentes de suas importações de petróleo e de gás.. É muito difícil prever todas as suas conseqüências..... 6 . a recente reestruturação naval e a presença militar crescente dos chineses e indianos no Mar da Índia e no Oriente Médio. nos vários pontos do mapa energético do mundo. No caso da Índia.... por exemplo. ou Afeganistão e Paquistão. com relação ao problema da “segurança energética” dessa nova máquina de crescimento.... e na Unocal.. Para complicar o quadro das necessidades asiáticas.... como também no grupo Yukos na Rússia. Vietnã e na própria Rússia. e vêm crescendo nas duas últimas décadas a uma taxa média entre 6% e 10% ao ano. basta olhar para as duas pontas do novo sistema e para as projeções de suas necessidades.... e a Índia em 100%....... pelo petróleo do Mar Cáspio e seus oleodutos alternativos de escoamento.. a aproximação de todos estes países asiáticos com o Irã... Geórgia.. neste momento. Nessas horas de mudança radical. e fica mais fácil identificar conexões e sobreposições entre o jogo geopolítico da defesa e da acumulação do poder. Não é difícil entender a complexidade do novo arranjo que está em curso.... Arzebaijão....... 7 – out.. Síria. a China e a Índia detêm um terço da população mundial.. por exemplo..... Polônia.. a economia e a política tendem a convergir mais do que de costume. com os Estados Unidos e com a Rússia.. Sudão.... do ponto de vista da reorganização e redistribuição – política e econômica – dos recursos disponíveis e escassos. o Conselho de Inteligência Nacional dos Estados Unidos previu em 2005. se for mantido seu dinamismo atual... a China deverá aumentar em 150%. dos Estados Unidos.. se forem mantidas suas taxas de crescimento econômico........ no Irã e na própria China..... e até mesmo na Venezuela.. Por fim.... na África.. em alguns casos – da China na Ásia Central. em Burma.. Além da sua participação conjunta na disputa competitiva...... passou de 70% para 85% do seu consumo interno... 2005. é o segundo maior importador de óleo do mundo.. Como se pode ver.. e o jogo geo-econômico da monopolização e da acumulação da riqueza.. o Instituto Internacional de Estudos Estratégicos de Londres atribui a esta mesma disputa energética.. A China já foi exportadora de petróleo........ para controlar empresas estrangeiras que garantam o fornecimento futuro de petróleo para seus países.... Como n..José Luís Fiori .../dez.. o que contribui ainda mais para a intensificação da competição econômica e geopolítica dentro da própria Ásia...... importações que atendem um terço de suas necessidades internas. as grandes corporações públicas ou privadas chinesas e indianas também têm realizado investidas fora de sua zona imediata de atuação tradicional.. Líbia.. e nestes últimos quinze anos....... e a presença crescente da Índia...... que já comprou participação acionária em empresas no Irã. um verdadeiro quebra-cabeça.. Seguindo a mesma estratégia dos seus governos..... ao fazer seu Mapa do Futuro Global... o mesmo caminho que vem sendo trilhado pelas grandes empresas estatais indianas – a ONGC e a IOC – que já anunciaram novas associações na Rússia. Por isso.. o seu consumo energético......... A necessidade urgente de antecipar-se e garantir o fornecimento futuro de energia é que explica.... Turquia... através da Ucrânia.... Como explica também a ofensiva diplomática e econômica recente – maciça. E nenhum dos dois países tem condições reais de atender a suas necessidades internas por meio do aumento de sua produção doméstica de petróleo ou de gás. Como foi o caso da China National Offshore Corporation...

........ 2005......... é uma expansão veloz da demanda e um aumento da intensidade da competição..... voltou a sua condição de importadora de petróleo.. na sua área imediata de influencia tradicional........... os Estados Unidos estão disputando todos os territórios que tenham disponibilidade ou que apresentem algum potencial futuro.Mudanças estruturais e crise de liderança no sistema mundial .. o governo do presidente Putin está trabalhando de forma tão agressiva para transformar a Rússia num “gigante mundial da energia”.. além disso.. para diminuir sua dependência dos países do Oriente Médio........ e que além disto estão empenhados em diversificar suas fontes de fornecimento.. 7 – out.... unificando e reestatizando suas empresas produtoras..... mas também uma redistribuição radical de suas fontes de produção. na sua condição de poder global.. na região do Mar Cáspio... a Arábia Saudita só atende a 16% da demanda interna dos Estados Unidos que já conseguiu deslocar a maior parte do seu fornecimento de energia para dentro de sua zona imediata de segurança estratégica......... em particular. entre os velhos e os novos grandes consumidores de petróleo e gás natural disponível no mundo.. algo em torno de 80%... nem é o produto de alguma manobra da Organização dos Países Exportadores de Petróleo (OPEP) ou do aumento puro e simples das taxas de crescimento da economia mundial... segundo o modelo ARAMCO. os Estados Unidos vêm trabalhando ativamente para obter um acordo estratégico de longo prazo com a Rússia.. 2 A CRISE DE LIDERANÇA POLÍTICA DO SISTEMA MUNDIAL Por outro lado.. depois de alguns anos... situada no México e no Canadá.. não há dúvida – neste início de 2006 – de que o sistema político internacional está perdendo “vitalidade orgânica”. capaz de garantir a expansão contínua do seu poder econômico e político. a inconclusividade radical da “guerra global” ao n. Mas esta não é apenas uma disputa normal de mercado. o parentesco muito próximo que existe entre os caminhos do mercado e a competição militar. e de que os Estados Unidos estão – neste momento – sem uma orientação estratégica nítida e consensual... Por isso...... da Arábia Saudita...... Pelo contrário.. Isto é. e que deverão estar importando da mesma Rússia....... Hoje... no “mundo da energia”........ No outro lado da ponta desse novo eixo dinâmico da economia mundial.... aos economistas mais ingênuos. E tudo indica que essa tendência deva se manter e se aprofundar durante o ano de 2006..... a Grã-Bretanha. que importam da Rússia... estão os Estados Unidos...... aparecendo a Venezuela logo em seguida. por volta de 2030..... é o produto de uma gigantesca mutação geo-econômica do capitalismo mundial. Mas.... 7 ........ como seu quarto fornecedor mais importante. ao lado dos seus demais sócios da União Européia.... se quisessem relembrar. porque não existe solução imediata para nenhum dos problemas que estão na origem desta “sensação de vácuo”: o pântano em que se transformou a intervenção americana no Iraque./dez....... o que está se vendo no campo geo-econômico e... Para complicar esse quadro. Essa nova mega-empresa deve se transformar num instrumento fundamental de poder... Em síntese. dentro da própria Europa.... 49% do seu gás. na luta russa para se recolocar dentro do jogo econômico das grandes potências e para aumentar a margem de manobra e negociação da Rússia.... do ponto de vista geopolítico.... que está exigindo não apenas um aumento da produção da energia. e vêm avançando de forma agressiva e competitiva em cima dos novos territórios petrolíferos situados na África sub-sahariana e na Ásia Central... que já eram e seguem sendo os maiores consumidores de energia do mundo..

além disso.... 8 ........ A conseqüência imediata desse “atolamento” dos Estados Unidos... deverá enfrentar-se com um lento deterioro de sua situação militar... uma espécie de “cruzada civilizatória” do antigo Império Otomano. uma religião... depois da saída das tropas americanas.. propondo ao mesmo tempo uma parceria estratégica global... mas além disto a prolongação e indefinição da “guerra global” ao terrorismo vem criando dificuldades crescentes para os próprios Estados Unidos.. Uma façanha inédita..... o que ressuscita de imediato o fantasma do Vietnã...... terrorismo.... no ano de 2005.. do segundo governo de George W. a ubiqüidade do adversário “interno” exigiria. mesmo para os norte-americanos.. Bush e... uma verdadeira “cambalhota” no campo da política internacional. a nova estratégia cria uma situação de insegurança coletiva e permanente.. deixará para trás uma guerra civil sangrenta.. alguns analistas americanos têm proposto uma alternativa verdadeiramente “heterodoxa”: uma reaproximação e um acordo para que o Irã assuma a defesa da “nova ordem” e do governo xiita de Bagdad... finalmente....... se decidir permanecer no Iraque.. Essa parceria estratégica..... no seu devido momento... do “Grande Oriente Médio”.. segundo muitos especialistas..José Luís Fiori .......... Em primeiro lugar...... com a indisfarçável complacência dos mais velhos.. só foi aceita pelas grandes potencias de maneira parcial e com o devido respeito pela soberania mútua... 7 – out.. o fracasso iraquiano corroeu a credibilidade das ameaças americanas contra o “eixo do mal” – em particular. Aos poucos. o principal inimigo dos Estados Unidos. o produto final da Guerra do Iraque seria a criação de um “eixo de poder” xiita no Oriente Médio – incluindo o Líbano....... uma nacionalidade.. os Estados Unidos se mostram cada vez mais divididos e impotentes frente a uma ameaça ubíqua... no caso da Coréia do Norte que...... declarada pelo presidente George W.. No caso da “guerra global ao terrorismo”. e agora se encontra numa disjuntiva muito difícil: se o presidente americano retirar de imediato suas tropas do Iraque.... com todas as demais grandes potências.. com o objetivo de combater o “terrorismo internacional”. um controle permanente e cada vez mais rigoroso da própria sociedade americana.. O novo adversário não é. a sociedade e o establishment americano voltaram a dividir-se. Bush: o seu programa de democratização e reforma econômica liberal..... que foi recebido pelos europeus... foi passando lentamente para um segundo plano das preocupações diplomáticas dos Estados Unidos. vai se generalizando a convicção de que o governo Bush criou para si mesmo uma armadilha.. dentro e fora do Oriente Médio../dez.. Nesse caso... entretanto. no Iraque. foi o descrédito e o arquivamento precoce... uma civilização ou um Estado.. Mas. como já havia acontecido na guerra do Vietnã.. Os atentados de 2001 serviram para que os Estados Unidos criassem um novo inimigo bipolar.... uma espécie de Estado de sítio crônico intolerável no longo prazo.. a Síria e o Iraque – sob a liderança do Irã... 2005..... dentro do sistema mundial.. do grande projeto neo-conservador..... e sairá enfraquecido.. porque do ponto de vista da segurança interna dos Estados Unidos.. porque do ponto de vista da segurança externa dos Estados Unidos. Em segundo lugar... nos últimos meses. uma ideologia.. Dois anos e meio depois do presidente Bush anunciar a vitória americana.. e pode ser redefinido a cada momento pelos próprios n.. na Região. em princípio... para ser eficaz.. durante o ano de 2005...... Frente ao impasse... a ausência de um projeto ou de uma ideologia capaz de legitimar o arbítrio americano e mobilizar lealdades no plano internacional. entretanto.... de grupos e redes que não obedecem a nenhuma hierarquia nem muito menos a comando centralizado. a insurgência iraquiana e as perdas humanas aumentam sem parar e....... mas ao mesmo tempo...

. e agora vai se desfibrando lentamente... na França. sendo portando.. a própria União Européia perdeu fôlego e rumo.. 2005.. E..... e não conseguirá bipolarizar e equilibrar o sistema mundial no longo prazo.... o que significa a auto-atribuição de uma soberania imperial.Mudanças estruturais e crise de liderança no sistema mundial ..... é um prolongado e melancólico final do segundo mandato do presidente Bush.. no caso do recém reeleito governo Blair.. do governo em decadência de Berlusconi. que o mundo esteja vivendo uma crise terminal do poder americano.... Estados Unidos........./dez.. entretanto.. entre democrata-cristãos e social-democratas – da primeira-ministra Ângela Merkel – já nasceu fragilizado pelo fato de reunir num mesmo gabinete os principais adversários das últimas eleições parlamentares alemãs que terminaram praticamente empatadas... Por fim. É importante sublinhar.. depois de que os franceses e holandeses disseram um rotundo “não”. portanto. a retórica dos mercados desregulados e do fim das fronteiras nacionais soa como um jargão ultrapassado. entretanto... favorável à constituição apenas de um mercado comum e de um “império” frouxo.. nesse sentido. portanto... Não é de estranhar.. dentro de suas fileiras partidárias e dentro do seu próprio governo.. Como sugerimos...... Esses fatos e tendências apontam para um futuro imediato em que o mundo sentirá a falta de uma liderança clara e de alguma diretriz estratégica capaz de orientar o cálculo coletivo dos seus principais atores... e a posição franco-alemã... No caso da Alemanha. não significa.... Tudo indica. e perdeu sua força mobilizadora. 9 . que neste início de 2006.. que deve se manter e se aprofundar nos próximos tempos........ deixando a União sem uma estrutura clara de poderes e sem um projeto estratégico de longo prazo... os Estados Unidos estão atolados no Iraque e sem uma porta de saída clara e n. Pelo contrário...... que a atual fragilidade do sistema político internacional não vem apenas dos Estados Unidos. A utopia da globalização virou um lugar comum. os Estados Unidos se guardam no direito de fazer ataques preventivos contra todo e qualquer Estado nos quais eles considerem existir bases ou apoio às ações terroristas... e até mesmo.... no ano de 2005. variável e arbitrário. no médio prazo... o recém formado governo de coalizão......... favorável a um Estado Federal Europeu com um projeto econômico e de poder global... nem de organizar a estratégia ideológica do poder americano.... muitas vezes.... confundindo. mas além disto os Estados Unidos não dispõem no momento de um projeto.... refletindo a profunda divisão da sociedade alemã........ 7 – out. Muitos especialistas têm dificuldade de analisar a conjuntura internacional sem referi-la a um fim próximo.. o mundo se sinta órfão da liderança americana. Dividida entre a posição inglesa... daqui para frente.... Seu governo perdeu o rumo estratégico no Iraque e na guerra ao terrorismo... que a estratégia da luta global contra o terrorismo não tem sustentabilidade no médio prazo.......... porque sua promessa de igualdade e convergência da riqueza das nações e das classes foi sendo desmentida pelos fatos e pelos números do mundo real.. na Itália..... na Inglaterra.. E o que se pode esperar. que foi imediatamente arquivada.. o mundo real com seus desejos ou posições pessoais... ideologia ou utopia capaz de mobilizar seus aliados tradicionais e a opinião pública mundial... deve aumentar as resistências dentro dos próprios Estados Unidos. que decidiu participar da Guerra do Iraque. sem capacidade de mobilizar pessoas.. que vem enfrentando derrotas parlamentares e divisões e deserções sucessivas...... Este quadro. ou a uma ruptura definitiva.... Basta olhar para a Europa para encontrar a mesma falta de vitalidade e de nitidez estratégica no caso notório e terminal do governo Chirac.. Hoje....... e acelerar o retorno do conflito entre as grandes potências...... à nova Constituição Européia.

entre a Alemanha e a Rússia... que se transformado em realidade pode resenhar radicalmente a estrutura de poder dentro da massa eurasiana... foram deslanchadas por duas decisões estratégicas tomadas no mesmo momento em que começava a “crise dos 1970”: a Ostpolitik. a nova relação entre os Estados Unidos e a China reproduz e prolonga o eixo Europa-Ásia que dinamizou o sistema estatal e capitalista desde sua origem. E mantiveram relações econômicas dinâmicas com países que não tinham autonomia militar... nem possibilidade de expandir seu poder político nacional.. E o mesmo acontecerá caso se materialize uma aliança de longo prazo..... n. mas isto não configura uma crise catastrófica do seu pode global... Com a relação americano-chinesa....... A própria necessidade americana de alianças e apoios nas guerras do Afeganistão e Iraque acabou devolvendo. Só que nesse caso...... e o mundo vive por algum tempo sem uma bipolaridade nítida que organize o cálculo estratégico dos seus principais atores... e estão ocorrendo simultaneamente em dois tabuleiros diferentes.José Luís Fiori .. que é um dos componentes mais complicados e estruturais da crise atual da União Européia. é a transformação ou mudança profunda e lenta do eixo geopolítico do sistema mundial.. antigo pesadelo geopolítico dos anglo-saxões..... e de muitas das transformações que culminaram com a reunificação da Alemanha e a desconstrução da União das Repúblicas Socialistas Soviéticas..... A Ostpolitik de Brandt está na origem da abertura européia para o Leste...... Essas transformações podem tomar anos ou décadas. no longo prazo.... ademais da relação econômica complementar e competitiva entre Estados Unidos e China....... do ponto de vista do tempo longo. a complementariedade volta a ser parceira da competição político-militar... os Estados Unidos não têm mais como se desfazer economicamente da China.......... e a “abertura para a China” do governo Nixon do início dos anos 1970..... depois de 1991. Por outro lado. onde se instalaram bases e tropas americanas...... 10 . a Europa perdeu sua centralidade. Mas o que está em curso e que de fato interessa. Mas chegará a hora em que os Estados Unidos terão de enfrentar-se com o dilema de bloquear ou não o movimento expansivo da China para fora de si mesma... mas neste intermezzo....... enquanto a Ásia globaliza definitivamente o modelo interestatal de origem européia.... 2005.... e assuma a forma de uma vontade política imperial..... E segue sendo o primeiro passo de uma crescente convergência ao Leste. Nos dois casos... durante a Guerra Fria...... desde 1949........ econômica e militar.... do fim da década de 1960. Não há dúvida de que os Estados Unidos enfrentarão dificuldades crescentes nas próximas décadas para manter o seu controle global. honrosa... Depois de cinco séculos.... ao mesmo tempo em que permitiu à Rússia reivindicar o seu direito de “proteção” na sua “área de influência” ou “zona de segurança” clássica... entre Berlim e Moscou... a liberdade de iniciativa militar ao Japão e à Alemanha.... no momento em que este movimento não seja mais apenas econômico..... Não é um desatino prever uma aliança crescente entre o poder econômico alemão e o poder militar “ocioso” da Rússia. Mas as duas principais transformações geopolíticas e geo-econômicas que estão em curso dentro do sistema mundial são de duração lenta.. político e econômico...../dez... 7 – out. Nesse momento. É bom lembrar que........ os Estados Unidos mantiveram sua competição militar com um país com o qual não mantinham relações econômicas importantes para o dinamismo de sua própria economia nacional......... não existe passividade ou paralisia dentro do próprio sistema.... o próprio sucesso da relação econômica prenuncia uma disputa cada vez maior pela hegemonia militar no Sudeste Asiático.. do primeiro-ministro alemão Willy Brandt..... e a relação privilegiada dos Estados Unidos com o Japão. recentemente.

................. das Letras.................. 7 – out.... In: SOBRE história... portanto....Mudanças estruturais e crise de liderança no sistema mundial ..... (1997).. como a história também é feita de permanências e repetições. BIBLIOGRAFIA HOBSBAWN............... não é de se estranhar o aumento periódico dos conflitos nas relações intra-regionais do Sudeste Asiático......... Até mesmo na América Latina..... Eric.. Enquanto isso....... 67.. E.. n... Aos poucos está se formando uma nova polarização dentro do Oriente Médio com o surgimento de um eixo de poder xiita e a possibilidade de um confronto generalizado com as forças sunitas................ do outro lado do mundo........... é possível identificar mudanças significativas na política externa de vários países que contestam ou propõem redefinir os termos da hegemonia americana no “hemisfério ocidental”. A história e a previsão do futuro. p...... 11 ... mas não é provável que se repita na Ásia algo parecido com a União Européia........... São Paulo: Cia... dispersas por vários Estados da região./dez............. o sistema estatal e capitalista asiático se parece cada vez mais com o bem-sucedido modelo do “milagre europeu”. 1998..... 2005........

Versão: janeiro de 2006. E-mail: <andremb@eco. A complementaridade entre “Estado” e “Mercado”. A globalização. Na perspectiva chinesa.cn/e-white/index.htm.china. e não um fim em si mesmo determinado pela adesão a uma pretensa (e definitiva) ordem liberal. haveria uma opção pela “ascensão pacífica”3 àquela _______________ 1 Professor do Departamento de Economia da Universidade Federal do Rio Grande do Sul e Pesquisador do CNPQ. na qual a adesão aos mecanismos de mercado para regular parcelas crescentes do mundo da produção e distribuição da riqueza. Nos anos 1990. No caso asiático. A experiência chinesa recente recoloca a questão dos “estilos de desenvolvimento” ou das formas alternativas de modernização capitalista. Renck. é objeto de preocupação dos EUA. Trata-se de uma estratégia política de longo prazo. . a crise financeira de 1997-1998 foi apontada por muitos críticos do “capitalismo organizado” como a prova definitiva dos desvios causados pela tentativa do Estado direcionar as forças de mercado. 3 A perspectiva oficial aparece em “China's Peaceful Development Road” (http://www./dez.unicamp. especialmente Coréia do Sul e Taiwan – mostraram um elevado dinamismo. Por muito tempo – pelo menos até meados da década de 1980 – os modelos alemão e japonês – esse replicado pelos newly industrialized countries (NICs) asiáticos. Agradeço ao apoio de pesquisa do bolsista PIBIC-CNPQ. Nega-se portanto a inevitabilidade da guerra como mecanismo de afirmação de um certo poder que busca espaços de reprodução. especialmente em sua dimensão financeira. Henrique B.O NOVO REGIME CAMBIAL CHINÊS E A DIPLOMACIA DO “YUAN FRACO” André Moreira Cunha 1 André Martins Biancareli 2 INTRODUÇÃO condição. Todavia.cnpq.br>. acessado em dezembro de 2005). E-mail: <amcunha@hotmail. onde a via anglo-saxônica ou liberal tem por antagonismo conceitual os distintos modelos de “capitalismo organizado”. daria a base de sustentação da trajetória de afirmação de um maior protagonismo na arena internacional. 7 – out. isso não tem impedido a China de investir em modernização de suas forças armadas. expressão evidente do hard power chinês.com> ou <andre. a substituição de modelos de modernização fortemente centrados no papel do Estado como promotor do crescimento por modelos baseados no binômio “liberalização-desregulamentação” mostrou-se questionável em seus resultados econômicos e sociais. e a subordinação do mundo das finanças aos interesses desenvolvimentistas. 2005. Nesses dois casos. O sucesso da estratégia chinesa contrasta com as experiências frustradas de “big bang” na transição das economias de planejamento central do antigo bloco soviético ou de implementação do Consenso de Washington na América Latina.org. 2 Pesquisador do Centro de Estudos de Conjuntura e Política Econômica do IE/Unicamp e Doutorando do IE/Unicamp. A economia. O poder militar. eram apontados como elementos virtuosos.br>. o que era virtude passou a ser compreendido como fragilidade.cunha@pesquisador. Todavia. não foi capaz de realizar as promessas de crescimento e estabilidade anunciadas a partir do final dos anos 1980. Economia Política Internacional: Análise Estratégica n. ancorada por uma política externa cada vez mais ativa. é um instrumento do objetivo maior da modernização chinesa. expressa pelo governo e por acadêmicos. a U m dos fatos mais marcantes da ordem internacional pós Guerra Fria tem sido a emergência da China à condição de potência global.

a China tem uma estratégia de longo prazo...... Como sugerem Dooley e Garber (2005) os países periféricos melhor sucedidos na promoção do crescimento vêm perseguindo os ecos das estratégias desenvolvimentistas e intervencionistas – especialmente no que se refere à regulação dos mercados financeiros – que viabilizaram a reconstrução européia e japonesa no pós-guerra. própria recuperação dos países da região e a manutenção do drive chinês. em que o yuan renminbi6 mantinha uma vinculação direta com o dólar norte-americano (somente dólar... onde a gestão da moeda nacional (e de seu valor externo) se vincula estreitamente ao objetivo da preservação do crescimento e da estabilidade econômica e política...... quanto na econômica. Eventualmente “yuan” e “renminbi” serão utilizados isoladamente ao longo do texto.4 impõem uma reflexão mais cuidadosa sobre as relações entre política e economia...O novo regime cambial chinês e a diplomacia do “yuan fraco” .. 13 . Por vezes.. Esta....... 2005. que está transformando as relações econômicas regionais e internacionais. cujos vetores centrais nos permitem especular sobre a existência de uma hierarquia de determinantes. a adoção de um sistema de flutuação administrada com base em uma cesta de moedas.. que a nova política cambial chinesa deve ser compreendida à luz da estratégia desenvolvimentista do país........ seu regime cambial..... de agora em diante).............. onde a economia e os “mercados” aparecem como instrumentos da afirmação de uma certa visão política...... a expansão das bases materiais da sociedade torna-se fonte de acumulação de poder. A DIPLOMACIA DO YUAN E O NOVO REGIME CAMBIAL A flexibilização do yuan é um exemplo importante de como a China maneja os instrumentos econômicos com um sentido estratégico de longo prazo..... De fato. em uma dimensão que está para _______________ 4 Ver Medeiros (2005)... O ajuste tático representado por tal mudança não parece significar um desvio fundamental no foco de longo prazo anteriormente explicitado./dez. 2005).. interna e externa.... sua coesão interna e proteção externa.. tanto na esfera política.. da seguinte forma: a China se percebe como uma civilização em busca de espaços de reprodução e afirmação em uma realidade internacional complexa... 6 O Yuan Renminbi (RMB) é a moeda oficial da China... o Banco do Povo da China (BPoC) anunciou... As políticas econômicas nas mais diversas dimensões funcionam de forma subordinada ao objetivo maior de fortalecimento e perpetuação da nação (ou civilização) chinesa.. por sua vez.. ao mesmo tempo.. um pré-requisito para a existência da nação. Após mais de uma década de câmbio fixo...... ainda que especulativamente...... 7 – out... aquela mudança introduziu a possibilidade de uma maior flexibilidade na relação entre a moeda chinesa e as principais divisaschave da economia internacional........... em julho de 2005...... onde não parece ser possível qualquer estratégia de isolamento. a busca desses objetivos se revela contraditória.... n......... Depois de anos de forte pressão externa....... qual seja.. Assim........ que poderia ser formulado...... Por isso insinua-se aqui a existência de uma diplomacia do “yuan fraco”........... Devem ser lidos como simplificações de uma mesma unidade monetária. 5 Também aqui a China parece reproduzir o “modelo asiático” estabelecido pelo Japão e replicado pelos NICs (Medeiros.... O desenvolvimento econômico é um objetivo e..5 É nesse contexto mais amplo que se procura compreender aqui a racionalidade política da mudança recente em um dos principais aspectos da política macroeconômica da China. também poderia ser vista como um meio para o alcance de um objetivo ainda mais amplo. na seqüência.. Argumenta-se.......

..... 2005)..asp.... Isto pode implicar movimentos mais largos com respeito às moedas que individualmente compõem a cesta....adb. Wei....... com a cotação RMB 8. Assim. o BPoC se considera responsável por “... financeiros e não financeiros.....7 o Banco do Povo da China anunciou que o país passaria a adotar um regime de flutuação administrada para o yuan tendo por base uma cesta de moedas.8 A partir de julho.”11 e garantir “maior flexibilidade” na relação entre o dólar e o renminbi (RMB).... faziam eco a interesses privados. 2004 (acessado em julho de 2005 no site http://www... aprimorar o sistema de economia socialista de mercado na China... Os elevados níveis de reservas oficiais – que atingiram a marca de US$ 818.. assim.. n. 10 Na média do período 2001-2003.... tais como o perfil da dívida externa da China em termos de denominação monetária.... 2005c) as economias asiáticas têm se preocupado em não “descolar” o valor de suas moedas com respeito ao yuan para não perder competitividade nos mercados ocidentais. Os objetivos oficiais da reforma no regime cambial parecem dar conta de responder às pressões advindas do governo e do Congresso dos EUA.”... manter a taxa de câmbio do RMB basicamente estável em um nível adaptativo e de equilíbrio..” Há nessa nova estratégia chinesa um reconhecimento de que os superávits em conta corrente e na conta capital podem agravar o quadro de desequilíbrios no comércio internacional. com os países da região do Euro respondendo por cerca de 10%..... além do que sugere a análise de modelos macroeconômicos de economias abertas na tradição MundellFleming... Ver Medeiros (2005). Tradução dos autores)..../dez. o yuan renminbi passou a poder flutuar9 dentro de uma banda estreita.. em 2003).. Ver: Economic.... No dia 21 de julho de 2005. bem como a origem dos fluxos de investimento externo.. o que fica explícito quando anuncia que “...André Moreira Cunha / André Martins Biancareli ... também... Len.27 desde 1997. de modo a promover o equilíbrio do balanço de pagamentos e assegurar a estabilidade macroeconômica e financeira. tendo crescido US$ 208.. a ponderação exata de cada moeda naquela cesta foi apenas sugerida por declarações oficiais....... e a Coréia do Sul com 7%.. 11 Cf.1128 e RMB 8..... Assim.. Por outro lado....... levando analistas de mercado a acreditar que o dólar responderá por cerca de 45%.. o yuan flutuou entre RMB 8.. Estimativas do autor com base no Asian Development Bank Key Indicators......... De acordo com o FMI (IMF. o anúncio do BPoC fala em “. 9 Entre o final de julho de 2005 e a primeira quinzena de agosto.9 bilhões ao longo do _______________ 7 A Malásia fez o mesmo movimento...... 14 . 8 É importante lembrar que a opção chinesa de não desvalorizar o yuan quando da crise asiática foi um elemento estabilizador da região.. 2005. o BPoC manteve o compromisso de atuar no mercado em função de uma estratégia econômica mais ampla. a política de mais de uma década de fixação do valor da moeda chinesa em termos do dólar. Japão e EUA participaram com um pouco mais de 15% da corrente de comércio chinesa (que foi de US$ 850 bilhões ou 60% do PIB..0980 por dólar.. por sua vez..... que tem sido a forma predominante de absorção de capitais (Prasad...... 7 – out. Public… (2005.... abandonando o câmbio fixo e adotando uma flutuação administrada... capacitando os mercados de desempenharem de forma plena a alocação dos recursos .10 também teria sido levado em conta aspectos financeiros...........org/Documents/Books/Key_Indicators/2004/default... irá fazer ajustes na banda cambial do RMB sempre que necessário de acordo com os movimentos de mercado e..... com o iene participando com 20% e o euro com 15%.... em torno de uma eventual valorização da moeda chinesa frente ao dólar... Até agora. com um potencial político de provocar retaliações sobre o país...11. que. Além da participação de cada país no comércio exterior chinês..... Abandonavase. (2005)...... centrando-se em 8.9 bilhões ao final de 2005. 2005.... Prasad e Wei (2005)....... como o dólar... a situação econômica e financeira.....

. várias análises14 apontavam que a rigidez na relação entre o dólar e o yuan estaria dificultando a redução dos desequilíbrios internacionais de pagamentos... ano – atestariam o movimento interno de absorção dos superávits no balanço de pagamentos e sustentação no antigo regime de câmbio fixo com referência no dólar. que passaram a apostar em um yuan mais forte nos mercados futuros.............. A opção de ligar o yuan a uma cesta de moedas..15 _______________ 12 Estudo recente (Official........ Tal influxo de recursos – que explica grande parte do ritmo inédito de acumulação de reservas12 e dificulta a operação da política monetária – tornava crescente o descolamento entre a antiga cotação oficial do RMB e o seu valor nos mercados futuros.... 14 As referências podem ser encontradas em Goldstein (2005)....... entre 2001 e 2004....... Tal competitividade seria espúria na visão de muitos............. uma valorização do yuan nos níveis desejados em Washington e Wall Street – algo entre 10% e 20% – poderia causar um profundo desequilíbrio patrimonial nos bancos chineses.... longe de lançarem luz sobre o tema.... Por conta de tal expectativa..... parece revelar a preocupação do governo chinês em equilibrar tensões que são contraditórias... os influxos crescentes de capitais de curto prazo posicionados nos mercados futuros em torno de apostas em um yuan forte vêm adicionando um elemento especulativo ao processo corrente de ajuste cambial.. É bem verdade que predominam os resultados que reafirmam a percepção convencional de um “yuan fraco”. na medida em que apontam resultados muitos dispersos que vão desde a ausência de subvalorização até níveis em que esta atinge cerca de 50%........... especialmente nas ameaças de retaliações protecionistas dos EUA....... acabam gerando mais divergências. e o conjunto da economia./dez..... a China passou a experimentar uma maior absorção de capitais de curto prazo.. havia de se compatibilizar um eventual fortalecimento da moeda doméstica com o equilíbrio do sistema financeiro. O debate em torno do nível da taxa de câmbio de equilíbrio do yuan vincula a presença crescente da China no comércio internacional à manipulação da taxa de câmbio. denotando a perseguição de uma estratégia mercantilista por parte da China.. 2005) mostra que para a China.... Com isso... 15 Dunaway e Li (2005) oferecem uma survey atualizada. os estudos empíricos que buscam definir tal nível de “equilíbrio”... os acréscimos aos estoques de reservas representam mais de 200% dos saldos em conta corrente – o que também é verdade (em menor escala) para outros asiáticos.... Os exemplos recentes da crise financeira japonesa e de outros países asiáticos......... Nos últimos anos os bancos chineses foram capitalizados com ativos financeiros denominados em dólares. Nos últimos anos. como Coréia...... com efeitos potencialmente desestabilizadores sobre o sistema financeiro..... 13 Uma análise detalhada dos riscos envolvidos na (então possível) valorização do yuan sobre o sistema financeiro chinês pode ser encontrada em Roubini e Setser (2005).. Todavia... 2005.. em particular. no plano interno.. enfatizando o caráter “gradual” e “adaptativo” do novo sistema... em uma perspectiva mais geral. períodos e variáveis representativas dos fundamentos econômicos no cálculo do nível de “equilíbrio” do yuan.. 7 – out..13 O novo regime cambial veio à luz em um momento no qual cresciam as pressões oficiais e de mercado sobre a moeda chinesa..... Esperava-se que uma valorização do yuan poderia fazer com que a taxa de câmbio real e efetiva do dólar caísse o suficiente para reverter a trajetória explosiva dos déficits em transações correntes dos EUA – que passaram de um patamar médio de 2% do PIB no começo dos anos 1990 para algo entre 6% e 7% do PIB no biênio 2004-2005....... Ademais. Por outro lado. Indonésia e Tailândia............O novo regime cambial chinês e a diplomacia do “yuan fraco” .. n... a pressão pela valorização do yuan frente ao dólar manifesta-se no plano comercial e diplomático. parecem assombrar os líderes da tecnocracia econômica chinesa. 15 ..... Constatam que a dispersão dos resultados reflete a adoção de distintas metodologias.... No front externo..

Seria essa gestão pró-dinamismo.. A economia e não a “guerra”17 garantiria o “espaço vital” da expansão chinesa........... sustentando a demanda agregada e o clima favorável aos investimentos.... depois de crescer cerca de 9% ao ano no quarto de século que se seguiu ao início do processo de abertura...... A complexidade da dinâmica de modernização da China vem impondo um lento.. desenvolvimento e cooperação com todos os países do mundo. especificamente em relação à política macroeconômica. O “caminho do desenvolvimento para uma ascensão pacífica” pretendia utilizar os instrumentos de mercado..... a China irá transcender as diferenças ideológicas para aspirar paz. Ao invés disso.cn/english/features/44506.. É por isso que Bijian (2005) afirma que “a mais significativa decisão estratégica feita pelos chineses foi a de abraçar a globalização. e na condução heterodoxa dos instrumentos fiscais e monetários...china. gradual e controlado processo de incorporação/adaptação dos mecanismos de mercado.... entre outros elementos bastante distantes das idéias do Consenso de Washington...” Ver Bijian (2005)...... O governo chinês trabalha com um horizonte de longo prazo para a realização plena dos objetivos de modernização....... não se pode confundir essa opção como a adesão aos princípios do neoliberalismo.... foram estabelecidas as metas de longo prazo de crescimento (http://www........ Flassbeck (2005) descreve uma estratégia baseada na fixação unilateral da taxa de câmbio em níveis competitivos.5 bilhão de habitantes. Ou seja.. ao invés de rechaçá-la”. Em um segundo estágio.. a renda per capita atingiria um nível intermediário. na manutenção de uma conta de capital ainda bastante restrita...... A conclusões semelhantes chega a tentativa de Ramo (2004) de definir o que seria o “Consenso de Pequim”..... 16 ..André Moreira Cunha / André Martins Biancareli .. Tal opção precisa ser compreendida a partir da necessidade da China administrar uma série de tensões contraditórias...... quando as lideranças do Partido Comunista Chinês (PCC).. 7 – out. 17 “A China não irá seguir o caminho que levou a Alemanha a Primeira Guerra Mundial. quando esses países pilharam recursos de forma violenta ou perseguiram a hegemonia.. realizado em 2002.. quando a renda per capita atingiria o nível intermediário de US$ 3.. Contudo... O foco no crescimento e na melhoria das condições de vida da população em geral foi estabelecido já em 1978.000 dólares...16 Em meados de 2030... É nesse sentido que se faz necessário um olhar sobre a estratégia de “ascensão pacífica” da China.. as lições da ascensão chinesa aos demais países em desenvolvimento: alta prioridade à inovação tecnológica..... especialmente no que se refere ao objetivo de preservar sua trajetória de crescimento e modernização versus reduzir um conjunto de pressões externas – que vêm de fontes oficiais e privadas cujos interesses comerciais........ sugerindo que o novo regime cambial chinês tenderá a refletir a disposição dos policymakers chineses em promover um ajuste “gradual” e “adaptativo” no valor externo de sua moeda........ iniciaram o processo de reconversão e abertura da economia..... financeiros e geopolíticos se chocam com o papel cada vez mais ativo do país na ordem internacional – e internas – derivadas dos desequilíbrios criados com a rapidez de sua expansão...... e somente em 2050. na casa de 7% ao ano pelos 50 anos seguintes./dez. É importante destacar que até agora (fevereiro de 2006) a apreciação do yuan frente ao dólar tem oscilado na casa de 2%. Pretendia-se dobrar o PIB em 2010 sob a base de 2000.... busca de crescimento equilibrado e sustentado.... ao fim desse processo.. aliada aos demais fatores _______________ 16 No 16º Congresso Nacional do Partido Comunista Chinês...... Tal ritmo de expansão deverá ser mantido até meados de 2050.. na Guerra Fria. e a Alemanha e Japão a Segunda Guerra Mundial.... 2005. autodeterminação e busca dos próprios caminhos... a China vislumbra a necessidade de sustentar um ritmo ainda elevado de crescimento.. competiram pela dominação global..... o PIB voltaria a dobrar até 2020. E.... Tampouco a China seguirá o caminho das grandes potências que.......... sob a batuta de Deng Xiaoping...org. na reforma das regras de determinação salarial em meados dos 1990..... n..htm. especialmente para absorção de tecnologia e capacidades administrativas do Ocidente. acesso em dezembro de 2005). sua população se estabilizaria ao redor de 1.

. especialmente petróleo e gás. dos quais metade para a América Latina e 40% para países asiáticos....20 O rápido desenvolvimento chinês tem chamado à atenção da comunidade internacional.... 19 Tal visão oficial está no White Paper “China's Peaceful Development Road”..... Ademais...... e (iii) um aprofundamento das relações econômicas no plano regional.. 23 Prasad e Wei (2005) reportam um movimento de expansão de investimento externo originado na China e estimulado pelo governo – desde 2001 estão sendo implementadas medidas de desregulamentação da conta capital com esse intuito....21 influenciando a estruturação da política externa em pelo menos três dimensões: (i) a busca de fontes de energia.....O novo regime cambial chinês e a diplomacia do “yuan fraco” ... enfatizava outros aspectos que não a ampliação da democracia ou da participação do setor privado na economia: seria necessário tornar o dinamismo menos desigual em termos regionais........ a escassez de matérias-primas e os problemas ambientais.... como Irã. Zweig e Jianhai (2005) e Jisi (2005). a respeito... quanto pela construção de laços institucionais mais sólidos.. pelos quais o país busca cooptar vizinhos que poderiam... n... 20 Esse ponto está muito bem analisado em Medeiros (2005) e Unctad (2005). acessado em dezembro de 2005.. o que tem levado a China a se aproximar de países que fazem parte da área de influência dos EUA ou. os níveis de renda do país (em termos absolutos e per capita) e sua constelação de recursos naturais e populacionais sugerem a necessidade da manutenção do crescimento... (2005) e China...... O sucesso das zonas costeiras modernas deve ser gradualmente replicado no interior.. ao contrário do que desejariam as demandas ocidentais. no que vem se denominando uma “corrida ao oeste”... tanto funcionais quanto regionais.. O avanço tecnológico não pode comprometer a incorporação de mão-de-obra. disponível em: http://www. especialmente no ciclo mais recente (desde 1994). Não à toa..htm.. Mais do que isso.. A escassez potencial de energia. que estão em confronto com o hegemon. esse analista sugere que a atual geração de lideranças é a melhor que o país dispõe em décadas.. Venezuela e Sudão... teriam sido perto de US$ 4 bilhões. 21 Cf...... serem deslocados dos _______________ 18 Mahbubani (2005) destaca que o PCC e a burocracia estatal chinesa experimentaram uma profunda transformação nos últimos anos..... além de socialmente mais inclusivo.. matérias-primas para a produção industrial e alimentos... Five....china.. a abertura não pode suprimir a busca pela independência.. e o imperativo da eficiência econômica não deve se sobrepor à harmonia e coesão da sociedade. menos dependente do investimento e menos poluente.... adiantadas em outubro de 2005 pelo comitê central do PCC. especialmente em infra-estrutura e habitação popular. bem como evidenciam alguns de seus limites. (2005). 2005... para tanto utiliza seus “campeões nacionais”...... estruturais. Em 2004. As linhas gerais do programa quinquenal para o período 2006-2010.... Ver..... apesar do avanço do último quarto de século.. tanto pela via usual dos fluxos de comércio e investimento. a China tem anunciado investimentos em diversas economias periféricas23 e mesmo economias avançadas ricas em recursos naturais (como Canadá e Austrália)....... 22 Detalhes em Zweig e Jianhai (2005).. e que vêm sendo incentivados pelo governo a avançar em seus processos de internacionalização.. na medida em que gera externalidades que podem ser percebidas (potencialmente) como ameaças............. especialmente nas áreas militar e de segurança energética. 7 – out. estaria no centro das preocupações do governo chinês..... No discurso oficial... que explicaria a trajetória espetacular daquele país..22 (ii) complementando a “diplomacia do petróleo”.org..19 Em particular.. os conglomerados estatais eleitos para nuclear o esforço industrializante.. mesmo. em princípio... 17 ......./dez........cn/ewhite/index. Os planejadores da burocracia chinesa18 e as lideranças do PCC estão conscientes das tensões provocadas pelo crescimento acelerado..... com vistas à ampliação das fontes de suprimento de insumos estratégicos...... vêm se constituindo nos instrumentos de sustentação do ritmo de crescimento nos momentos de desaceleração das exportações.... os investimentos públicos... preocupam-se em evitar os desequilíbrios distributivos.

.....26 Tal nível também não encontra precedentes no desempenho corrente ou na história recente de outras regiões. a de crises financeiras geradas pela conversibilidade da conta capital... tem induzido à adoção de medidas de esterilização do excesso de crédito doméstico. com a China posicionando-se como importador líquido de insumos e equipamentos mais sofisticados dentro da região......... mercados globais por força da concorrência chinesa e que passam a ter no próprio mercado chinês uma fonte substituta de dinamismo.. por exemplo. A contrapartida da menor flexibilidade cambial nos países asiáticos aparece na aceleração do ritmo de acumulação de reservas internacionais.. A CHINA E AS ECONOMIAS ASIÁTICAS A China tem se consolidado com o principal centro dinâmico do Pacífico Asiático... o déficit passou de US$ 13 bilhões para US$ 30 bilhões (Prasad. Em uma perspectiva mais ampla.. 26 Estimativas dos autores com base nos dados de diversos World Economic Outlook Database...... por sua vez.. Com respeito à Ásia. Tal opção é compreensível tendo por pano de fundo a experiência dos anos 1990 de liberalização financeira e crise.... qual seja.. O país absorve mais de 40% dos investimentos diretos direcionados para a região...... Antes dela o país havia anunciado a intenção de tornar a conta capital plenamente conversível no ano 2000... Coréia do Sul e Hong Kong. a maioria dos países da região logrou experimentar uma vigorosa recuperação já a partir de 1999..... 7 – out.... e exportador líquido de manufaturas para os mercados ocidentais...... muitas economias asiáticas passaram a ter como estratégia (implícita ou explícita) a criação de colchões de liquidez (em dólares) suficientemente elásticos para afastar o que se passou a perceber na região como um risco inerente ao processo de globalização.. 18 . um desempenho desfavorável no mercado mundial de _______________ 24 Entre 2000 e 2004. aquela crise determinou um olhar mais cauteloso sobre a globalização financeira.24 A sua estratégia macroeconômica de procurar preservar o crescimento via drive exportador....... Para a China... é preciso considerar que as economias asiáticas vêm demonstrando um renovado dinamismo nesses anos que se seguiram à crise financeira......André Moreira Cunha / André Martins Biancareli ... a queda do dólar tem levado.......25 e evidenciada pela sensível melhoria das contas externas e reversão da vulnerabilidade que precedeu a crise de 1997-1998.... o superávit do comércio chinês com os EUA e a Europa pulou de US$ 37 bilhões para US$ 115 bilhões.. Wei..... a uma ampliação do esforço oficial de sustentação das moedas asiáticas..... 2005). entre 2001 e 2005. A racionalidade de tal proteção é admitida até por seus críticos. algo em torno de 5%. n.... tal tendência reverteu-se e o país passou a acumular mais reservas.. em particular.imf... com um interregno em 2001 e 2002 em função da retração da economia norte-americana e... em muitos momentos........ uma parcela considerável desses recursos se origina na própria Ásia.../dez. parece estar sendo compartilhada por outros países da região.. No caso asiático... contra uma média pouco superior a 1% do período 1970-2000....... o que.. 2005....... Depois da crise. Como se verá na seqüência.. Após a abrupta interrupção de uma trajetória até então sustentada de crescimento com estabilidade econômica e avanços significativos em áreas sociais.. O comércio bilateral tem crescido fortemente.... Depois de 1998.....org>...... por decorrência....... a variação de reservas como proporção da renda atingiu o nível médio mais elevado das últimas quatro décadas. especialmente no Japão. A partir de 2002.. combinando uma gestão mais estrita do câmbio e dos fluxos de capitais. 25 Ver..... Eichengreen (2004). disponíveis em <www...........

. principalmente. a ampliação da liquidez doméstica alimentada pelo crédito externo gerou um boom de investimentos reais e financeiros que contribuiu para o acúmulo de fragilidades financeiras e reais. cuja estrutura econômica era (e é) muito mais profunda e desenvolvida que vários de seus vizinhos do leste e... Já na conta capital.. alguns países......... a manutenção de resultados bastante expressivos nas contas externas.... especialmente no complexo eletrônico (o que contribuiu para a queda nos preços dos produtos eletrônicos no período que antecedeu à crise). Entre 1999 e 2004..... 7 – out. o excesso de investimento em setores produtivos.... 2005.. em 2004 – e o nível de recomposição das reservas – que é a contrapartida contábil daquele resultado – passaram a ocorrer de uma forma que não encontra precedentes na história recente da economia internacional (World Bank....... Entre 1997 e 2001...... a região digeriu a crise ampliando exportações o que permitiu.. em média.. 2005).. os países asiáticos vêm tentando lidar com as pressões oriundas de um ambiente internacional marcado pela crescente abertura econômica. e pela recorrência de episódios de ampliação e contração da liquidez financeira gerada nos países avançados. com destaque para o caso coreano... até a crise os países da região absorveram..... Malásia..... explicitada quando da crise cambial iniciada na Tailândia./dez. ao qual somou-se o resultado em conta corrente já superior a US$ 100 bilhões/ano em média nos últimos três anos (World Bank............. A partir de 2002...... a ampliação do endividamento do setor privado (de curto prazo e denominado em dólares). Neste ano.. também..... verificou-se um expressivo superávit da conta capital... O superávit global do balanço de pagamentos regional chegou à casa dos US$ 200 bilhões em 2003.. A inflação nos preços dos ativos financeiros. os anos de 2003 e 2004 marcaram não somente uma expansão forte do produto como. a região vem crescendo em um ritmo superior à média mundial.... resultados excepcionais em transações correntes.. o esforço de redução da vulnerabilidade externa na região..... pois ele marca uma diferença fundamental em relação ao período que antecedeu à crise financeira refletindo. Com níveis internos de poupança já elevados... bens eletrônicos.. entre 5% e 8% em média ao ano.. verificou-se uma saída líquida de recursos – inclusive com uma queda no ritmo de expansão dos investimentos... salvo na retração do mercado eletrônico. ampliaram o grau de conversibilidade de suas contas capitais desde o final dos anos 1980. mesmo no caso chinês.. Assim.. n.. O crescimento dependeu fortemente de políticas fiscais e monetárias mais acomodatícias e do drive exportador........... e a redução da rentabilidade em diversos setores produtivos..O novo regime cambial chinês e a diplomacia do “yuan fraco” ... 2005).... A contrapartida disso foram os elevados déficits em transações correntes... o resultado global do balanço de pagamentos – que passou de 3. do sudeste asiático (ADB.. 19 . Desde o início dos anos 1990..... como Coréia........ algo entre 3% e 4% dos respectivos produtos em poupança externa......1% em 2001... os superávits em transações correntes mais do que compensaram os déficits nos fluxos de capitais permitindo uma persistente recomposição dos níveis de reservas externas. especialmente dos mercados financeiros... Em resposta a esse fato.. compuseram o quadro que deu margem a uma crescente vulnerabilidade. também. Ademais..... e que logo contaminou os demais países da região. Tailândia.. 2005)..3% do PIB.. em 2001. Tal desempenho externo merece uma atenção especial..... para 9... Indonésia.. e US$ 312 bilhões de 2004.. Em particular....... dependendo do grupo de países considerados – especialmente se há a inclusão da China..

.. 33% do IDE originou-se em Hong Kong.. Hong Kong... Por outro lado. Taiwan e Coréia..... foram reduzidos os impostos de importação dos produtos primários de origem agropecuária para níveis entre 0% e 5%..4% na Coréia.. O comércio nesse setor vem crescendo a um ritmo de 15% ao ano entre tais países (World Bank. amplia os riscos de “efeito-contágio” no caso de uma reversão da conjuntura externa. 2005. Este fato vem garantindo a viabilização do acordo de cooperação que tem por objetivo criar uma área de livre comércio China-ASEAN..... p...... em última instância. a consolidação da China como motor de transmissão regional dos impulsos de crescimento vindos do ocidente está configurando um novo quadro de integração das economias asiáticas o que. a ser implementada entre 2010 e 2015. o crescimento anual de sua demanda esteve na casa dos 16% entre 1997 e 2004... p. 30 Sobre a complementaridade e concorrência entre China e os demais países da região ver Rajan (2005)..29 A demanda chinesa por matériasprimas e equipamentos fica patente no fato de suas importações passarem de uma média mensal de US$ 20 bilhões no começo de 2002.30 Assim... para mais de US$ 50 bilhões/mês no final de 2004. cria espaço para (em um futuro que ainda não pode ser visualizado) a emergência de um novo bloco geopolítico mais orgânico. Assim..... O efeito-China tem se manifestado no aumento na demanda internacional de commodities..4% no Japão.3% em Taiwan.... vêm se tornando fontes importantes de suprimento de máquinas e equipamentos que dão sustentação a um ritmo intenso de ampliação dos investimentos no setor produtivo industrial.. Aqui.... Há... Em termos mais amplos. 20 . quanto para países como a Coréia que dependem sensivelmente do drive exportador em manufaturados mais sofisticados......... Coréia e Taiwan... a China importa em um mês e meio o que o Brasil importa em um ano.. pela abundância relativa de mão-de-obra barata....../dez....28 enquanto importa produtos tropicais.. 29 Dados de Prasad & Wei (2005. países com estruturas produtivas mais complexas que a China.. um ano marcado por uma sensível recuperação da demanda mundial......... por exemplo.. Em 2003. e por cerca de 15% em 2004.. entre 2002 e 2004 as importações chinesas foram responsáveis por metade do crescimento das exportações dos demais países da região (World Bank. e 6. 8.. Ademais.. Japão.. por um lado. 17).. 2005)... Para se colocar em perspectiva. 7 – out.André Moreira Cunha / André Martins Biancareli . Segundo as estimativas do Banco Mundial. 2005..... 41). Somente quatro economias da região. n.. É importante observar que por ser uma praça financeira internacional...... Por outro lado. Capital e tecnologia fluem na forma financeira – via investimento direto externo – ou na importação de equipamentos modernos... o que representou 60% da procura mundial naquele período (World Bank.......... A China tem sido o motor do cada vez mais intenso processo de integração comercial e financeira da região asiática.... capitais da própria China e de terceiros países que fazem arbitragem regulatória com vista a obtenção de vantagens tributárias.. 28 Association of South-East Asian Nations (Associação das Nações do Sudeste Asiático)...... desde a crise financeira...... 9. a presença cada vez mais forte das exportações chinesas em terceiros mercados tem se revelado um importante desafio tanto para os países que apresentam vantagens comparativas semelhantes às chinesas. o crescimento chinês respondeu por ¼ da expansão do comércio mundial em 2002 e 2003... um esforço _______________ 27 Para se tomar um dos exemplos mais expressivos.......... início de 2005. quando se toma em perspectiva o comércio intra-regional.27 o que contribuiu para uma forte expansão nos preços dos produtos agrícolas e minerais nos últimos três anos. por exemplo.. 2005... e por outro. como Japão. deve-se ressaltar a complementaridade entre a estrutura produtiva e comercial da China com os demais países da região. basta lembrar que a China foi responsável por 1/5 da demanda mundial por produtos minerais em 2004........ 22).... p..... uma parcela não desprezível do IDE de Hong Kong representa....... Nesse processo. vêm respondendo por cerca de 60% do IDE absorvido pela China.. no setor agropecuário a China é exportadora de produtos temperados para os países da ASEAN......

. Em uma “fase dois”.. 7 – out......... Desde 2001..... bem como permitindo que seus vizinhos utilizem o yuan para liquidar pagamentos no comércio bilateral regional.. desde logo um tema que não encontra consenso na literatura empírica..... em 2005).... quanto nas finanças. com o intuito de viabilizar a fixação das poupanças na região – e a idéia de criação de um Fundo Monetário Asiático (inicialmente esboçada pelos japoneses em 1997. Na “fase dois” a moeda chinesa segue mirando o dólar.. vêm dando vida ao que se pode perceber com a busca politicamente consciente de ampliar margens de manobra para a realização de estratégias desenvolvimentistas em um novo ambiente de globalização econômica com predomínio das finanças privadas......31 Assim... _______________ 31 Esta é uma afirmação ainda especulativa... tanto no comércio..... porém não se pode descartar a funcionalidade do fortalecimento do yuan em linha não só com o crescimento da produtividade local como. Com uma capacidade para exportar mais robusta.............. o que impõe o pragmatismo na definição das políticas na área econômica.O novo regime cambial chinês e a diplomacia do “yuan fraco” . Há uma fronteira tênue entre “força” e “fraqueza”..... crescente de institucionalização da cooperação econômica...... É nesse sentido que a “diplomacia do yuan fraco” deve ser compreendida.... tratava-se de priorizar a absorção de capitais (na forma de investimentos diretos e não de dívida) e tecnologia.. Medidas recentes............. como os acordos de swap da Iniciativa de Chiang Mai. a manutenção da moeda “subvalorizada” em termos do dólar norte-americano funcionava como um apoio adicional ao drive exportador....... a China pôde minimizar o temor da escassez de alimentos e matérias-primas. 21 ........./dez........ em última instância. Pode-se inclusive especular sobre a emergência de uma nova fase da internacionalização chinesa.... mas que deve pautar nossos esforços futuros de compreensão da estratégia chinesa.. o que seria um limite objetivo à continuidade do crescimento.. mas sim quando se percebe que a gestão do valor externo do yuan e dos fluxos financeiros guarda uma relação estreita com a necessidade de manter o ritmo de crescimento acelerado e inserção pragmática na economia globalizada.. Assim... a “flexibilização” do yuan aparece como um movimento tático da China em seu esforço estratégico de manter uma bem-sucedida trajetória de modernização e crescimento econômico. Não se trata de uma insinuação sobre um certo nível de equilíbrio para a taxa de câmbio real....... o governo vem estimulando os investimentos internacionais das estatais em áreas estratégicas.... além de diversos acordos de livre comércio....... 2005........ na “fase um”.. No quarto de século que se seguiu à abertura promovida por Deng Xiaoping. CONSIDERAÇÕES FINAIS Procurou-se argumentar nesse trabalho que a idéia da existência de “diplomacia do yuan fraco” tem racionalidade quando se considera não o nível da taxa de câmbio.... e retomada pelo Banco Asiático de Desenvolvimento.. além de ampliar a geração de divisas por meio do comércio internacional... O que se procurou demarcar é que o valor externo do yuan e a gestão dos fluxos de capitais são determinados..... pela ponderação entre os objetivos políticos de longo prazo e a necessidade de adaptação às circunstâncias conjunturais de adaptação da China a um ambiente de internacionalização e de rápidas mudanças estruturais.. da internacionalização dos capitais chineses... n.... os “Asian Bond Market Initiatives” – uma série de medidas voltadas ao aprimoramento dos mercados de capitais da região.. A burocracia estatal chinesa parece ter consciência de que o país encontra-se em uma situação na qual a força (econômica e política) acumulada nos últimos anos ainda não é suficiente para a afirmação dos seus objetivos estratégicos.... o país parte para a internacionalização de seus capitais e da sua moeda... também....

ao ampliar a autonomia da política monetária e criar espaço para o desenvolvimento dos mercados financeiros... a China está movendo de forma mais explícita suas peças no xadrez geopolítico e geoeconômico internacional... China’s peaceful rise to great power status. 2005. The Economist Global Agenda... cujas repercussões tendem a transbordar cada vez mais para fora da própria China e seu entorno. Ademais... quanto dos interesses financeiros dos que estão apostando nos mercados futuros em um yuan forte........ P..... Manila: Asian Development Bank...... o que eximia a atual administração republicana (no Tesouro) e greenspaniana (no FED) de qualquer culpa pela bolha consumista e pela especulação em diversos segmentos dos mercados de ativos. Explorou-se aqui o fato de que os desequilíbrios correntes nos pagamentos internacionais vêm sendo amortecidos pela política de aquisição de ativos denominados em dólares realizada pelos bancos centrais asiáticos..... 2005. as pressões em torno da valorização do yuan vinham tanto dos interesses comerciais de quem via na sua política cambial uma fonte adicional de vantagens competitivas... GARBER.. Ppromoting competition for long term development... Disponível <http://www. mesmo que não se confirme as previsões de um yuan consideravelmente valorizado e determinado pelas forças de mercado num futuro próximo..... Is It 1958 or 1968? Three notes on the longevity of the revived Bretton Woods System...... M. que vem sendo percebido como um sinal de “boa vontade” diante das pressões externas.......André Moreira Cunha / André Martins Biancareli ... Brookings Panel on Economic Activity.. 2005.... 2005. A China optou por um modelo “gradual” e “adaptativo” de ajuste no yuan.com/agenda/displaystory.. em: DOOLEY. Foreign Affairs.... Council of Foreign Relations... no período recente.. New York.. CHINA contemplates change.... dos instrumentos de hedge cambial...... n. 7 – out... n... Desde fora...economist. Ainda é prematuro afirmar que tal desdobramento é inexorável. Oct. estaria o temor de se gerarem desequilíbrios patrimoniais nos bancos.......... Ademais....... também parece ameaçar alguns dos pilares da estratégia de desenvolvimento chinês no último quarto de século. No plano interno. especialmente em imóveis./dez... com destaque para o Banco do Povo do China......... nessa perspectiva mais cautelosa. v. tende a crescer a possibilidade dos EUA terem de ajustar seus desequilíbrios externo e fiscal mediante a elevação do nível de poupança interna – pública e privada –.. Pesando no sentido contrário.. BIJIAN.. com a necessidade de administrar tensões externas e internas aparentemente contraditórias.. o que colocaria em xeque o padrão corrente de crescimento liderado pelo consumo e endividamento.. Todavia.. o país defrontou-se... 1. A mudança no regime cambial chinês.. atingindo os mais distintos mercados – de mercadorias e financeiros – dos países centrais e periféricos..... uma valorização traria benefícios potenciais na gestão macroeconômica chinesa.. mais especificamente... 22 .... um yuan mais forte e com a cotação crescentemente determinada pelas forças de mercado....... March 31-Apr..... Z. além de uma maior abertura para a tomada de posições especulativas na esfera financeira. 5... 84.. introduz no horizonte de médio e longo prazo a possibilidade daquele arranjo perder vitalidade.. 2005. BIBLIOGRAFIA ADB – Asian Development Outlook. P. 17th. Se tal hipótese se verificar....... parte significativa do establishment oficial e privado norte-americano passou a canalizar para o “problema chinês” os desconfortos causados pela dimensão externa dos déficits gêmeos.....cfm?story_id=5014759>..... Não se pode deixar de ficar atento a tais movimentos..... Acessado em janeiro de 2006. Expandindo-se a um ritmo anual de 9% no último quarto de século.

.. 12th Aug.. 2005.. (Não. R.. PUBLIC announcement of the people’s Bank of China on reforming the RMB exchange rate regime. Acessado a partir do site www..... FLASSBECK. New York: United Nations. K. 2005. 2005.... The Chinese approach to capital inflows: patterns and possible explanations..pbc. 1.asp?col=6400&id=542. B. 2005 ECONOMIC review: China deepening reform of RMB exchange rate. Sept. S.. B... disponível em: www. DUNAWAY.. DC: International Monetary Fund.. NY: Council of Foreign Relations v... 2004. DC: World Bank. S. Disponível em: http://www...adb... MEDEIROS. Estimating China´s “equilibrium” exchange rate.org. 05/79)... 2005..peopledaily. Asia-Pacific Trade and Investment Review. Global imbalances and the lessons of Bretton Woods.....cn. Washington. The Beijing Consensus.. 5...... Jul. Cambridge. Apr.. 2005..O novo regime cambial chinês e a diplomacia do “yuan fraco” . MA: National Bureau of Economic Research..publicado). Trade and Development Report.html#anchor1.. ZWEIG. 84. Geneve: United Conference on Trade and Development.. Foreign Affairs. JIANHAI.. Disponível em: http://www. International Monetary Fund. Disponível em: www. Understanding China. 2005... n./dez. 2005. J.. Geneva Reports on the World Economy. PRASAD. IMF Working Paper.. MAHBUBANI... 5.... AEP Regional Overview... NY: Council of Foreign Relations v. China in a Globalizing World...497).. LI.... DC: Institute for International Economics. Washington.iie.. Global Economic Form... 21. EICHENGREEN. 5.gov...com. DC. reality and the future.... W. (IMF Working Paper. n. Apr....cn/english/detail. FIVE more years.. WORLD BANK.. A.. N.... Acessado em agosto de 2005. 2005. Acessado em agosto de 2005.... em 16/08/2005... 84. A China como um duplo pólo na economia mundial e a recentralização da economia asiática. n... ROUBINI.. UNCTAD. Washington.. Foreign Affairs.. n....com..morganstanley. n.... n. China’s spectacular growth since the Mid-1990s – Macroeconomic conditions and economic policy changes. C. NY: Council of Foreign Relations v.. 2004.. China has a wider basket than I had thought. L.rgemonitor..aric..... 05/2002. The China Trip. v.. LEN.. (IIE Working Paper 05-7).... em agosto de 2005.......com. WEI.... 1.. 2005. In: UNCTAD. B. 2005. London: The Foreign Policy Centre. The Economist Print Edition. JISI. 2005... China´s search for stability with America..... RAMO.. 23 . 2005. X.com/GEFdata/digests/20050812-fri.. 2005.. H. Disponível em: http://www.... People`s Daily. 7 – out. D.... 10. Bangkok.. 84.... Oct. 2005.. S. GOLDSTEIN.. OFFICIAL reserves and currency management in Asia: myth... Foreign direct investment and the internalization of production in Asia-Pacific region: issues and policy conundrums.. 2005.. (NBER Working Papers. SETSER. 13rd. Thailand: United Nation Economic and Social Commission for Asia and the Pacific.. E. Foreign Affairs.... 7. Acessado em junho de 2005. 2005. 2005. RAJAN... M.. China’s global hunt for energy.. What might the next emerging-market financial crisis look like? Washington.... C.....

CHINA: UMA INSERÇÃO EXTERNA DIFERENCIADA Luciana Acioly 1

INTRODUÇÃO

mundial dos países e regiões, tanto de destino quanto de origem desses investimentos, dadas as relações existentes entre investimento, comércio, tecnologia e fluxos financeiros. As corporações transnacionais (TNCs) possuiriam “recursos de eficiência” derivados de uma série de vantagens que contribuiriam positivamente para a performance econômica dos países, desde que fossem retiradas todas as barreiras relativas às transações internacionais, incluindo aí a liberalização dos fluxos de IDE, comércio e tecnologia. Uma análise das principais características apresentadas pelos fluxos globais de investimento direto externo nos últimos 20 anos indica que houve mudanças importantes em sua natureza e direção quando comparadas ao período compreendido entre o pós-guerra e início dos anos 1980. Os investimentos recentes têm sido caracterizados pela predominância crescente das operações de fusões e aquisições de empresas – acompanhadas de uma grande expansão do investimento de portfólio e da formação de megacorporações – por sua menor abrangência espacial e por seu direcionamento majoritariamente ao setor de serviços. Em que pesem essas tendências mais gerais, alguns países conseguiram se beneficiar dessa nova onda de investimentos, como exemplifica o caso da China. Grande líder na atração de investimentos diretos nos anos 1990 – ocupando o primeiro lugar no ranking dos países em desenvolvimento – este país vem recebendo volumes crescentes de IDE sob a forma de novos projetos de instalação de empresas e dirigidos majoritariamente para a indústria de transformação, particularmente para as atividades de maior valor agregado. A contribuição do IDE para a notável inserção da China no comércio internacional também é um outro ponto que diferencia a China de outros países em desenvolvimento que se lançaram às políticas de atração de investimentos diretos. O presente artigo tem como objetivo apontar, em linhas gerais, as principais tendências dos fluxos de investimento direto externo na China a partir dos anos 1980, em termos de sua evolução, modos de entrada e distribuição setorial/espacial, discutindo em que medida o ambiente institucional criado para receber esses investimentos foi fundamental na definição do papel a ser exercido pelo IDE na economia chinesa e, conseqüentemente, na inserção no comércio internacional.

A

retomada do crescimento dos fluxos globais do investimento direto externo (IDE) pósrecessão do início dos anos 1980 gerou uma série de expectativas positivas por parte de analistas e governos com relação ao papel que o IDE exerceria na integração econômica

_______________
1 Pesquisadora do Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada – IPEA. Economia Política Internacional: Análise Estratégica n. 7 – out./dez. 2005.

China: uma inserção externa diferenciada ........................................................................................................................................................

1 TENDÊNCIAS DO INVESTIMENTO DIRETO EXTERNO NA CHINA Entre 1990 e 1999, a China cresceu a uma taxa média de 9,5% ao ano e nesse período acumulou cerca de US$ 213, 7 bilhões em investimento direto externo, ocupando o terceiro lugar no rank dos maiores absorvedores de investimento do mundo, e o primeiro lugar entre os países em desenvolvimento. A participação da China nos fluxos de IDE destinados aos países em desenvolvimento passou de 7,2% entre 1980-1989 para 24% entre 1990-1999, chegando a 25% entre 2000 e 2003. Note-se que esse país respondeu sozinho por 40% dos investimentos destinados à Ásia no período (Unctad, 2001 a 2004 – Anexos Estatísticos). Apesar dos altos volumes de investimentos diretos recebidos pela China, a inserção deste país nesses fluxos não esteve associada ao seu envolvimento nas fusões e aquisições transfronteiras, fenômeno tão característico dos fluxos globais de IDE. Essas operações foram ausentes nos anos 1980 e somaram cerca de US$ 9 bilhões entre 1990-1999, resultando numa participação média dessas operações sobre o total de IDE recebido de apenas 3,1% no período (Gráfico 1). As privatizações, via investimento direto, também não ultrapassaram o valor de US$ 400 milhões ao longo da década, um valor baixo quando comparado, por exemplo, com os US$ 32 bilhões recebidos pelo Brasil sob essa rubrica (Unctad, 2000).
GRÁFICO 1. China: Investimento Direto Externo recebido e fusões e aquisições (vendas), 1987-2002

Em US$ milhões

60000 40000 20000 0 1987 1988 1989 1990 1991 1992 1993 1994 1995 1996 1997 1998 1999 2000 2001 2002 IDE recebido F&As (vendas)

FONTE: UNCTAD. World Investment Report. Elaboração da autora.

Quanto à evolução setorial da distribuição dos investimentos diretos recebidos pela China nas décadas de oitenta e noventa, esta esteve vinculada às diversas fases da abertura de sua economia ao IDE. Assim, durante o período inicial da reforma (1979-1986), os investimentos concentraram-se nas atividades de prospecção geológica, na indústria manufatureira trabalho-intensiva (indústria tradicional, especialmente têxtil e confecções de roupas) e no setor de serviços (atividades imobiliárias). A partir de 1986, com o início da segunda fase da abertura ao IDE, o governo chinês tomou uma série de medidas para mudar a estrutura setorial dos investimentos diretos recebidos, dirigindo-os para a indústria de transformação e para os setores export-oriented e de mais alta tecnologia. Desse modo, o IDE no setor primário caiu de 40,9% em 1988 para 3,1% em 1993, e o setor manufatureiro passou a ser o principal setor de destino dos investimentos diretos externos (World Bank, 1997). Nos anos 1990 – período que compreendeu a terceira e quarta fases da abertura – algumas medidas mais fortes foram tomadas para aumentar a participação do IDE nas indústrias capitaln. 7 – out./dez. 2005.

25

Luciana Acioly ........................................................................................................................................................

intensivas. A prioridade era o desenvolvimento e fortalecimento da indústria química, de máquinas e equipamentos de transporte, eletrônicos e comunicações. Recentemente, foram abertas ao investimento direto externo novas atividades no setor de serviços e dados maiores estímulos ao surgimento de setores de tecnologia de ponta e ao estabelecimento de centros de pesquisa e desenvolvimento no país. Inicia-se, então a quinta fase a abertura da economia chinesa com a adesão da China a OMC em 2001. Dessas políticas resultou a seguinte distribuição setorial do IDE: em 2000 a indústria de transformação e os serviços contabilizavam, em termos de valores acumulados, 61% e 37%, respectivamente (Tabela 1). Destaque deve ser dado à indústria eletrônica e de telecomunicações, que se tornaram foco de fortes investimentos diretos a partir de 1997, enquanto que a indústria tradicional experimentou uma estagnação (MOFTEC, 2001). Dentro dos serviços, as atividades imobiliárias predominaram (24%), enquanto que o IDE nas atividades de intermediação financeira foi quase inexistente, devido à legislação proibitiva. A mudança na tendência da distribuição do IDE entre os macro-setores da economia chinesa pode ser observada pela predominância que vai assumindo o setor secundário vis-à-vis os demais setores (Gráfico 2). Deve-se ressaltar, nesse contexto, a crescente participação das firmas estrangeiras no produto industrial chinês – que passou de 5,5% em 1991, para 22,5%, em 2000, em termos de valor (MOFTEC, 2001, p. 6-31).
TABELA 1. Distribuição setorial do IDE na China. Acumululado até 2000 (Em US$ milhões e %) Setor Total Agricultura, caça e pesca Indústria Construção Transportes, correios e telecomunicações Comércio varejo e atacado Imóveis e utilidades públicas Saúde, esporte e serviços sociais Art. rádio, filme e televisão Pesquisa científica e serviços politécnicos Outros N. projetos 363.885 10.355 265.609 9.059 4.027 18.410 37.252 1.030 1.336 2510 14297 % 100,0 2,8 73,0 2,5 1,1 5,1 10,2 0,3 0,4 0,7 3,9 Valor contratual 676.097 1.231 411.534 19.691 16.386 23.396 159.443 4.773 2.123 2.124 24.217 % 100,0 0,2 60,9 2,9 2,4 3,5 23,6 0,7 0,3 0,3 3,6

FONTE: MOFTEC ( 2001). Retirado de Pingyao (2002, p. 25). GRÁFICO 2. China: distribuição do IDE por macro-setor, 1979-2000

100 80 (Em %) 60 40 20 0 197989 1990 1991 1992 1993 1994 1995
Secundário

1996

1997

1998

1999

2000

Primário

Terciário

FONTE: China Foreign Economic Statistical Yearbook (vários anos).

n. 7 – out./dez. 2005.

26

2005.... os quais queriam gozar de tratamento preferencial dado aos investidores estrangeiros. A estratégia chinesa de acessar o mercado mundial gerou um extraordinário crescimento de suas exportações e importações....... o investimento direto externo foi considerado a melhor maneira de alcançar três diferentes tarefas: aumentar a participação do país no comércio internacional..China: uma inserção externa diferenciada ..... com alguma desconcentração nos anos recentes.... como os investimentos de portfólio e os empréstimos bancários... 2004). Sun. Esse quadro explica-se pelo contexto da experiência da abertura da economia e das reformas.... contribuindo com 51% do total acumulado no período. Taiwan (Província da China) (8%) e Singapura (5%).. Em seguida vieram os Estados Unidos (9%).. A afirmação da China como pólo mundial da produção industrial gerou grandes transformações na economia asiática..... a predominância dos investimentos de Hong Kong e Taiwan também representou a busca por baixo custo de mão-de-obra para exportações a partir ZEEs nos anos 1980......... implicando importante “desvio de comércio e de investimentos” na Ásia... Hong Kong2 foi a maior fonte de IDE para a China entre 1979-2000.... 7 – out... n.... Com relação aos países de origem...../dez. de modo que o processo de abertura da economia chinesa disse respeito quase _______________ 2 Parte dos investimentos oriundos de Hong Kong representou uma reciclagem do capital da Grande China... 12). esta foi bastante concentrada nos anos 1990.. 2 A ABERTURA DA ECONOMIA CHINESA E AS DIRETRIZES DA POLÍTICA PARA O INVESTIMENTO DIRETO EXTERNO Buscando a modernização de sua economia e uma melhor inserção internacional. Nos anos 1990 predominaram os investimentos ocidentais e japoneses motivados pelo mercado interno chinês..... contribuindo com mais de 65% do total contratual de IDE naquele país.... foi fundamental para o comércio regional e para as estratégias de localização das empresas multinacionais (Medeiros.. Em termos das subregiões da Ásia... 2004)... a China inicia seu processo de abertura econômica em 1979...... quando os países competidores – incluindo o Japão – desvalorizaram suas moedas. e para as economias asiáticas em particular. Entre 2000-2003 essa participação caiu para 85% (Wei... p... deslocando muitos exportadores asiáticos do mercado americano e absorvendo importantes fluxos de investimento direto externo.... Outras formas de investimento internacional foram desestimuladas..... Do total de IDE recebido pela China de 1989 até 1997.. 1997). um grande mercado em expansão com forte presença de investimento direto externo.. criando para a economia mundial.... 2000). Os Estados Unidos e a União Européia.............. sendo a China o principal destino desses investimentos (Unctad............. 2005... Nesse contexto........ favorecer seu acesso às fontes externas de capital e tecnologia avançada e introduzir modernas técnicas administrativas nas empresas chinesas (Lemoine..... No que se refere à distribuição regional do investimento direto externo na China. A sustentação da taxa nominal do yuan a partir de 1997.... Mas. devido à política de atração e localização de investimentos diretos nas áreas costeiras.. têm concentrado seus investimentos nos setores intensivos em capital e tecnologia. 27 .. as áreas costeiras tiveram uma participação em torno de 90%.. Esse processo explica por que os fluxos de investimentos intra-asiáticos cresceram substancialmente ao longo dos anos 1990.......... através de incentivos e reduções fiscais inicialmente focados em apenas 4 zonas econômicas especiais (ZEEs) mais voltadas para as exportações (Broadman... que somaram 18% do total acumulado de IDE na China...... o Leste Asiático domina o IDE na China. União Européia (9%) Japão (8%)......

3 Ainda com o objetivo de atrair mais investimentos e aumentar a difusão de seus efeitos diretos e indiretos para o interior e outras regiões. valores abaixo de US$ 100 milhões (MOFCOM. Outros investimentos permaneceram limitados e aumentaram apenas em 1997 (12% do financiamento externo) (Wei...... no sentido de orientar setorialmente e regionalmente esses investimentos.......... “restritas” e “proibidas”....... 7 – out. Tendo em vista a consecução das três tarefas acima mencionadas.. cujo foco era incentivar os investimentos estrangeiros em tecnologia para o desenvolvimento dos setores de energia e transportes....... o número de zonas alvos de políticas especiais foi aumentando na faixa costeira do país e foram estabelecias as Zonas de Desenvolvimento Econômico e Tecnológico. podem aprovar valores abaixo de US$ 50 milhões...... 2005)....... com 70% do total....... 5 As províncias têm competência para aprovar projetos de investimentos apenas dentro dos parâmetros estabelecidos no “Catálogo Industrial”.......5 _______________ 3 A contrapartida dos governos locais deu-se através do fornecimento de infra-estrutura...... os recursos externos quintuplicaram para US$ 327 bilhões e o IDE tornou-se a maior fonte de fundos dirigidos à China... as condições de entrada do IDE no país foram estabelecidas gradualmente e em termos bastante seletivos....... localizadas em Guandong e nas províncias Fujian.. dando as condições e limites de sua entrada em vários setores/regiões da economia chinesa.... o perfil do financiamento externo da China passou por três fases: entre 1983-1991 acumulou um total de US$ 67 bilhões em financiamento externo.. nos setores “encorajados” e “permitidos”. as mais destacadas foram as que estimularam a entrada de empresas no setor produtivo.... Zhuhai. A gradualidade e a seletividade que caracterizaram as políticas de atração de investimento direto externo na China....... 4 O “Guiding Foreign Investment – Industrial Catalogue” estabeleceu para o capital estrangeiro quatro categorias de industrias: “prioritárias”. tais como transporte.. com projetos acima de 10 anos.. que exclusivamente à entrada de investimento direto externo vinculado à sua política de comércio exterior... Dessa expansão. a China estabeleceu em 1980 quatro zonas econômicas especiais..... água./dez...... assim como a estrutura legal criada para lhes dá suporte..... incluíam-se os serviços e as políticas de incentivos a uma maior dispersão geográfica dos investimentos... “permitidas”. Com o objetivo de orientar a localização dos investimentos recebidos........ como projeto piloto de uma abertura mais ampla: Shenzhen..4 Nesse novo arranjo... Dentre as políticas para as empresas estabelecidas nas zonas econômicas.......... só ganham sentido quando são levados em conta três conjuntos de preocupações centrais do governo chinês: a questão da localização setorial/espacial dos investimentos (para garantir investimentos em setores tradables).Luciana Acioly .. telecomunicações e..... mas regional do IDE. Xiamen e Shantou... Assim... Nos setores considerados “restritos”. Em meados dos anos 1990.. 28 ... a obtenção de reservas em moeda estrangeira (para manter o ritmo da modernização) e o controle da propriedade do capital (tipos de associação entre o capital estrangeiro e o capital nacional) (Acioly..... 2005. a concessão de privilégios no uso da terra. Com o sucesso dessas experiências.. 2004). n. foram criados os chamados Triângulos do Desenvolvimento... 2005). especialmente... entre 1992-1998... luz.... com os empréstimos contabilizando 60% desse total. A política de atração de investimentos foi baseada em tratamentos administrativos preferenciais e redução e isenções tarifárias naquelas indústrias para as quais o IDE foi considerado desejado: setores exportadores e setores alvos de política de substituição de importações.... foi criado para as empresas estrangeiras um quadro regulatório mais estruturado. resultou um padrão de distribuição não só setorial........

.. O forte desempenho das exportações refletiu-se no aumento do market share do país – de menos de 2% para mais de 6% no período...... as exportações chinesas passaram de 26 bilhões de dólares para 249 bilhões de dólares entre 1985 e 2000........ a conservar em equilíbrio suas receitas e gastos em moeda estrangeira se quisessem investir no país....... n...... A participação das exportações intensivas em tecnologia partiu de 3% em 1985 para 22% em 2000. abrindo assim........ Quanto ao modo de entrada de investimento direto externo na China.......... as firmas estrangeiras deveriam gerar as divisas que precisassem para remeter lucros. permitidas apenas dentro das zonas especiais. através de lei...... Vale notar que todas as restrições acima mencionadas vêm sendo relaxadas com a entrada da China na OMC após 2000...... e os dez principais produtos de exportação do país em 2000 (42% do total exportado) corresponderam a produtos dinâmicos no comércio internacional. sem o quê os preços de exportação seriam majorados (Chunlai.. Mais tarde.. de 35%. as empresas 100% estrangeiras foram autorizadas.. 7 – out... Só depois de muita controvérsia e após um período de julgamento.... essas condicionalidades têm sido relaxadas ou mesmo anuladas. 2005.. sendo que as exportações de manufaturas não baseadas em recursos naturais subiram para 89%. Essa forma jurídica foi autorizada em 1979..... em 2000 essa participação era de apenas 12%.. o governo não pretendia lançar esse tipo de empresa para o restante do país. Desde meados dos anos 1990..... pela qual a distribuição dos lucros não dependia da quota de participação dos parceiros nas ações.... no entanto./dez.. tanto na condução da política para o IDE quanto na política comercial.. A preocupação com as reservas em moeda estrangeira foi uma constante... 29 .. a cooperative joint venture.. Entre 1990 e 1999. Como RMB não era conversível até 1995... 2000)... A segunda forma de entrada de IDE foi por meio da organização das Wholly foreign firms – empresas com participação estrangeira total...... em termos de valor.... os produtos primários e manufaturados baseados em recursos naturais respondiam por 49% do total.. as empresas 100% estrangeiras tiveram uma participação média nos investimentos recebidos pela China. frente à inexistência de um setor privado....China: uma inserção externa diferenciada .......6 Os dois diferentes regimes comerciais estabelecidos nos anos 1980 – uma para as empresas estrangeiras (FIEs) e outro para as empresas nativas – mantiveram as importações das empresas domésticas em níveis relativamente baixos.... essa forma jurídica de empresas foi sendo estimulada para além das zonas especiais..... Para evitar a evasão de divisas.... e estipulou que o capital estrangeiro poderia contabilizar 25% do capital total de uma joint-venture..... 1997). mas seria determinada pelo acordo entre os parceiros no contrato... mas somente caso exportassem 50% de sua produção ou produzissem mercadorias tecnologicamente avançadas.... as empresas estrangeiras foram requisitadas..... mais ainda com a entrada da China na OMC em 2001. Deve-se ressaltar que. e outras distribuições. dividendo.... _______________ 6 Sob o regime de controle cambial..... enquanto que as importações de bens de capital e de bens intermediários para as empresas exportadoras ficaram livres de impostos alfandegários... foram impostas às empresas multinacionais cotas de exportações e obrigações para manter o equilíbrio das contas em moedas estrangeiras. 3 A CONTRIBUIÇÃO DO IDE PARA A INSERÇÃO COMERCIAL DA CHINA: ALGUNS INDICADORES Após 20 anos de políticas de atração de investimento direto externo e de promoção comercial.... enquanto as joint-ventures contabilizam 62% (MOFTEC. Estabeleceu-se uma variação dessa forma.. em 1986. uma conta de depósito em Renminbi e outra em separado para os depósitos em moeda estrangeira junto ao Banco da China ou outro banco aprovado pelo State Administration for Exchange Control (SAEC).. gastos.. A estrutura setorial das exportações na China também mudou: em 1985........ este se deu primeiramente sob a forma de joint ventures – as chamadas foreign invested enterprises (FIEs).......

... à forma assumida pela associação entre o capital estrangeiro e o capital nacional... particularmente em alguns setores de alta tecnologia.. o estágio de desenvolvimento do país no momento da abertura..... BROADMAN... em 2002... entre 1989 e 2001......... WB Policy Research Working Paper.. 2004.. a interação/associação entre investimento direto externo e acesso ao mercado internacional não decorreu da simples remoção dos obstáculos à livre movimentação de capitais.. 2005. Existe uma interação entre as estratégias de investimento e localização das empresas estrangeiras numa determinada economia e o ambiente institucional criado para recebê-las. 7 – out.. 1997.. as preocupações referentes à localização setorial/espacial das empresas.. respondiam por metade do total... n. o seu grau de engajamento no circuito financeiro internacional (inexistência de dívida externa) e o fato de o país não fazer parte do Acordo Geral sobre Tarifas e Comércio (GATT) – o que lhe permitiu adotar políticas para concentrar os investimentos na indústria de transformação e associar as atividades das empresas estrangeiras ao seu desempenho exportador..... L. CONCLUSÃO A experiência da China mostra que a natureza e direção que assume o investimento direto externo numa economia.... A criação das Zonas Econômicas Especiais (SEZs) incentivou a entrada das Foreign Invested Enterprises (FIEs) basicamente no setor industrial.. como eletrônicos.. 162).... a manutenção de uma política cambial estável e favorável às exportações e o estabelecimento de um marco regulatório para a atuação dessas empresas de acordo com os objetivos da política industrial e tecnológica amplamente articulada com a política de comércio exterior.. Três desses produtos saíram dos setores high-tech: equipamentos de telecomunicação.... e à manutenção das reservas em moeda estrangeira foram fundamentais para o êxito da estratégia chinesa. SUN.. Feb....... p.................. Campinas... a participação das filiais estrangeiras no total das exportações no ano de 2000 foi de 91%. Tese (Doutoramento)/ Instituto de Economia da Unicamp.. The distribution of foreign direct investment in China...... China e Índia: o investimento direto externo nos anos noventa...... DC. Esse país enveredou por uma estratégia de inserção internacional via comércio e investimento direto para a qual contaram..... A contribuição das empresas estrangeiras no dinamismo das exportações da China deve ser destacada..... além de suas vantagens específicas... Contaram. cap.... depende de como esse país promoveu a abertura e as reformas..... máquinas de processamento de dados e partes e acessórios para computadores (Unctad. automação e processamento de dados e telefonia móvel. 3.Luciana Acioly .... as filiais estrangeiras contabilizavam menos de 9% do total das exportações e... No caso da China. Em 1989.... Brasil....... BIBLIOGRAFIA ACIOLY...../dez.... assim como a contribuição que o mesmo pode dar à inserção externa do país....... As exportações chinesas cresceram a uma taxa anual de 15%. que passou a absorver 61% do total acumulado de IDE no país.... 2002..... 30 ..... Washington.. outros fatores como a criação de ambiente macroeconômico favorável ao crescimento (sem o qual seria impossível receber investimentos novos e negociar com as empresas multinacionais).. Na indústria de transformação........ a favor da trajetória chinesa.... Nesse sentido..

. 2001... 2005.... 1997. A. World Investment Report 2003: FDI policies for development. World Investment Report 2004: the shift towards services. 1997... 2005. 2000... (Annexes). n... (Annexes). CEPII. (Annexes). National and international perspectives. China engaged. 2004..... Colóquio para Autoridades da Administração Econômica da China e dos Países de Língua Portuguesa. World Investment Report 2002: transnational corporations and export competitiveness... PINGYAO. Chen.. Washington... UNCTAD.. A economia política da internacionalização sob liderança dos EUA: Alemanha.... MEDEIROS...... Japão e China.. MOFTEC. DC........ DC... Sahng-Jin The Chinese approach to capital inflows: carrots and sticks.. CHUNLAI....... 7 – out...China: uma inserção externa diferenciada . UNCTAD... UNCTAD. WORLD BANK........... China: maio.. Foreign direct investment in China: recent trends and patterns. or deeper forces at work? Washington.. O poder americano....... Washington.. 2005..... 1999. The evolution and main features of China’s foreign direct investment policies. 2001... n. UNCTAD.. China & World Economy. New York: United Nations....... New York: United Nations.... UNCTAD.. Global development finance....../dez....). 2... 139-178.. C. 2003. New York: United Nations..... Australia: Chinese Economic Research Center... Françoise. (Annexes)... In: FIORI.. Petrópolis. 2004. World Investment Report 2000: Cross-border mergers and acquisitions and development. integration with the global economy.... Beijing......... 2002..... 2000... 31 . New York: United Nations.. China. MOFCOM.. FDI and the opening up of China’s economy. Lai... (IMF Working Paper) WORLD BANK. Apr. LEMOINE... WEI. (Documentos Avulsos).. New York: United Nations.. Beijing...... World Investment Report 2001: Promoting linkages... 2002. José Luís (Org........ p... DC: International Monetary Fund.. FDI Statistics...

REFORMAS ECONÔMICAS NA ÍNDIA: DISCURSO E PROCESSO Sebastião Velasco 1 o Brasil. 1 PARTICULARIDADES DO PROCESSO INDIANO DE REFORMAS Neste ponto.*. Pode-se reduzir sua N _______________ 1 Professor do Instituto de Filosofia e Ciências Humanas (IFCH) da Unicamp. a experiência da Índia difere sob muitos aspectos do padrão observado em outros casos nacionais. Economia Política Internacional: Análise Estratégica n. liberalização financeira. Mas isso é o passado. 7 – out. e em outras partes do mundo. Por meio do exame de um único aspecto – o padrão indiano de reforma econômica – pretende-se fornecer elementos para uma interpretação menos enviesada da experiência daquele país e. 2005. para indicar os seus silêncios e desmontar os artifícios que lhe dão plausibilidade. O presente artigo será dedicado a um objetivo mais modesto. é uma noção um tanto vaga. com isso.. do brasileiro. assegurar maior eficiência na alocação de recursos. privatização. O cardápio das referidas reformas tampouco reserva maiores surpresas. O presente artigo divide-se em duas seções: na primeira. A pergunta fica no ar. contudo. marcado por desigualdades sociais profundas.* Abstração feita de certa cautela vocabular e de algumas barretadas aos princípios consagrados./dez. Gradualismo.*. desde meados da última década a Índia vem acumulando sucessos. País pobre. o relato resumido no parágrafo precedente diz mais pelo que omite do que pelo que informa. base de uma trajetória de crescimento forte e estável. o discurso das reformas econômicas na Índia guarda notável semelhança com aquele encontrado em outras partes do mundo. Não caberia passá-lo em revista na íntegra aqui. Mire-se no exemplo da Índia. seu desenvolvimento econômico foi por longo tempo tolhido pelo fardo de uma cultura ancestral fortemente hostil aos valores capitalistas e pela ação intrusiva de um Estado de dimensões desmesuradas. na segunda. desregulamentação. Ilustração paradigmática do círculo vicioso da pobreza. No entanto. Tendo adotado de forma coerente uma política de liberalização econômica interna e de integração decidida na economia globalizada.. parte-se da indagação sobre como entender a persistência desse mesmo processo para formular algumas conjecturas a respeito da emergência eventual de um novo padrão de desenvolvimento nesse país. *. como em outros países. tem sido muito difundida nos últimos anos esta história edificante. Aqui. as mudanças são tidas como necessárias para corrigir as distorções do mercado e. que se medem nas elevadas taxas de crescimento e nos avanços em setores de alta tecnologia. antes. Por que não imitá-la? Como é próprio do gênero. reforma das relações laborais. . A agenda é bem conhecida: liberalização comercial. Todos esses pontos estão presentes no processo indiano de reforma.*. por tabela. apologistas e detratores estão de acordo: o gradualismo é o traço mais saliente do processo indiano de reformas. salientando suas peculiaridades. apresentam-se algumas informações essenciais sobre o processo de reformas econômicas na Índia. a Índia afirma-se hoje como um dos candidatos mais fortes na disputa pela condição de grande potência.

.. no início dos anos 1990. Neste texto..6 for India is not only the highest.... p. Terceiro. principalmente.. 7 – out..... e em 2001 restavam apenas quatro grandes categorias tarifárias: 35%........ the average applied tariff rate of 51. que incluía a quebra do monopólio estatal de importação de 55 produtos (o regime foi mantido apenas para a importação de petróleo e de produtos agrícolas)... Esses resultados foram produzidos de forma escalonada.... Segundo este autor.... o termo pragmatismo para predicar.. que assegurou a conversibilidade da rúpia nas operações correntes. distinguindo nitidamente dois significados que ela recobre: a aplicação de um plano pré-estabelecido de forma escalonada... outros – como o da privatização – exemplificariam o segundo Ahluwalia (2005).... elas passaram a incidir sobre cerca de 21% deles dez anos depois. apesar da expressiva redução verificada no período.. com redução significativa nos picos e na dispersão das alíquotas aduaneiras. que parece guiada por um roteiro preciso.. o pragmatismo é patente mesmo na reforma do comércio exterior../dez.... para minimizar riscos de retrocessos... Como se sabe.. Com efeito... uma ampla reforma tarifária.. p.” (Srinivasan..... p. Quanto às barreiras não-tarifárias. componentes e bens de capital (Ahluwalia... caberia mencionar a liberalização cambial. mas bem examinados os dados – e conjugados com outras informações –.2 Segundo..... 22). Por fim.... de 87% a 25.. comparativamente.... 15%. que. 2003.... but also nearly three time as high as the average level of 19.. Alguns casos. é possível perceber que o movimento que eles descrevem encerra algo mais do que simples gradualismo.Reformas econômicas na Índia: discurso e processo . como o da abertura comercial.. _______________ 2 “Taking all the product categories put together. ambas as acepções se aplicam às reformas econômicas na Índia.. no mesmo período..... a tarifa média ponderada. E não é só: grande parte do avanço obtido na remoção das mesmas se deu sob pressão da OMC.... estão até hoje entre as mais elevadas do mundo... a tarifa máxima caiu de 355% a 45%.. 2000.4%...... a Índia continua a exibir níveis de proteção tarifária muito altos.... 12)..... não tanto as políticas. e 5% (Srinivasan. apoiado em fundamentos teóricos e empíricos sólidos..... A consideração do que aconteceu no tocante às barreiras não-tarifárias também é instrutiva: elas continuam a valer para a importação de bens de consumo e... entre 1990-1991 e 1997-1998...... Adota-se.. as tarifas praticadas pela Índia distam muito do patamar em que se situam as suas tarifas consolidadas (isto é.. em determinando momento – mais precisamente... n... insumos........... 2005. 33 . à qual a Índia resistiu o quanto pôde. e a condução compassada de um processo de mudança com base em consenso sobre a direção. para muitos produtos. 2003. a tendência à queda nas alíquotas tarifárias se interrompe e dá lugar a uma sensível elevação.... para produtos agrícolas... as autoridades indianas promoveram a abertura comercial mediante a aplicação do pacote usual de medidas.. então... seriam ilustrativos do primeiro tipo. já nos dois primeiros anos da reforma elas foram praticamente abolidas para importações de matérias-primas industriais..2 percent for the countries studied....... Assim. 20)... em 1997 –. ambigüidade.... afetando 93% dos bens comercializáveis no período anterior à reforma..... e a drástica diminuição no número de bens cuja importação estava sujeita a restrições quantitativas ou outras barreiras não-tarifárias.... diluindo no tempo os custos nele envolvidos.. mas na ausência de certeza e/ou acordo a respeito de caminhos a tomar.. mas a atitude predominante de seus gestores... alíquotas às quais tem o compromisso de não ultrapassar por força de acordo firmado em negociações multilaterais no âmbito do Acordo Geral sobre Tarifas e Comércio (GATT)/ Organização Mundial do Comércio (OMC).. Primeiro.. prefere-se utilizar um termo que sintetiza esses dois significados mediante leve deslocamento de seu referente.. 25%.. segundo sugestão de Ahluwalia.

.. que se traduz ainda na invocação de argumentos de prudência para justificar as escolhas efetuadas. I gave a lot of weightage to the advice of the Governor of the Reserve Bank. Além de provirem de dois especialistas renomados. o espaço em que se desenvolve o debate econômico na Índia situa-se à esquerda daquele em que o mesmo debate é travado em outros países. Os juízos transcritos acima importam igualmente porque se materializam em instituições e práticas.. desregularam as taxas de juros – inteiramente no tocante a depósitos.. da opinião liberal em matéria econômica. I put a halt to the automatic route through which the Reserve Bank was to fund the Government. a determinação de evitar compromissos com fórmulas pré-fabricadas que passem a operar como camisas de força.. sobre o tema polêmico dos controles de capital: .. 34 ... entre os quais o Brasil.... embora apresente estrutura semelhante..Sebastião Velasco . no eixo ortodoxia/heterodoxia... 2001... condutor das reformas econômicas em sua primeira etapa e atual primeiro ministro indiano. But extreme forms of foreign exchange control can result in leakages through under-invoicing or over-invoicing.. n... p... 7 – out.. seria possível reproduzir formulações de teor análogo feitas por muitos outros economistas igualmente ilustres e de idêntica inclinação. unmindful of other objectives of economic policy........... Aqui também./dez. De fato. capital controls in relation to specific types of capital flows are understandable and acceptable.. antes submetidas a estrito controle: elas reduziram significativamente as exigências incidentes sobre os bancos de aplicar em papéis do governo de baixa rentabilidade. Em todas as situações aludidas.... 2005....... 110). O que leva a concluir que..... transparece nos comentários de Manmohan Singh. seguindo de perto as recomendações do Comitê da Basiléia. esses pronunciamentos são importantes porque representativos.. o pragmatismo dá a nota........................ 94).. sobre um tema tão sensível quanto o da independência do Banco Central............. encorajaram a concorrência no setor mediante a remoção de barreiras às operações de crédito de instituições não-bancárias e a concessão de licenças a bancos privados... 2001.. But to say that the Central Bank can operate in isolation of the overall economic environment.. But I do not believe that the Reserve Bank can be totally independent. Por outro lado..... it should be made known to the public that advice was not accepted.... que tiveram papel decisivo no processo de reformas indiano...... e em grande medida no que diz respeito a empréstimos. (Rangarajan.... I think the emphasis on trying to restrict short-term flows is well understood.... As Finance Minister...... we need a high degree of co-ordination between monetary and fiscal policies. Ademais........ Discouraging purely shortterm flows is acceptable and I think we should do it… Yes.. Essa atitude. nesse país...... p....... Rangajaran. É o que se constata ao voltar-se para outra vertente importante do processo de reforma: a liberalização financeira.. We should not go back to that kind of a situation.. A mesma atitude é reconhecida nas declarações de C.... modernizaram e fortaleceram os dispositivos de regulação e supervisão das práticas bancárias... (Singh.. is not possible. um traço em comum: a flexibilidade..... Mas não se trata apenas de debates... … I believe that the Bank must have as much autonomy as possible in the sense that it must be free to give advice and if the government does not accept its advice... I do believe that because of the close linkages between fiscal and monetary policies.. O primeiro passo dado pelas autoridades indianas foi a liberalização gradual das taxas de juros. ex-presidente do banco central e tido como expressão solitária do monetarismo na Índia..... nacionais e estrangeiros.... a disposição de mudar de curso sempre que as circunstâncias assim o recomendem.

. o que parece excluído por obstáculos políticos intransponíveis.... The sequence proposed was to first liberalize foreign direct investment.. telecomunicações.. 35 ........... O comentário de um observador participante de credenciais impecáveis é a esse respeito instrutivo. and a lot of the instability that arose there in 1997 was the result of huge amount of short-term external debt having been incurred....... cf.. mantiveram o percentual do crédito compulsoriamente canalizado para os setores prioritários (40%).../dez. Nessas e em outras áreas o pragmatismo se traduz em uma linha de conduta que rejeita a ordem unida...... because it is the least volatile... A atração do investimento direto para acelerar a modernização da economia era um dos objetivos da reforma.. reabriu ao investidor estrangeiro o setor de serviços.... there was a lot of pressure from domestic business to liberalize policies on capital flows....... ao contrário do que se constata em outros casos nacionais.. salienta Ahluwalia.. mas não obteve sucesso............... As operações de curto prazo até hoje continuam objeto de controles muito rígidos.... and portfolio investment.. e. elevou o limite de participação acionária estrangeira permitida a 51% para a maioria dos setores industriais. exploração de petróleo e gás) e empenhou-se fortemente para atrair investimentos externos para esses setores... e não transferiram ao setor privado (nacional ou estrangeiro) nenhum banco estatal: dez anos depois de inaugurado o programa de reformas....... O governo abandonou a política de exigir contrapartidas em termos de transferência de tecnologia e desempenho exportador em projetos de associação de empresas estrangeiras com empresas indianas..... _______________ 3 Sobre a reforma bancária. quebrou monopólios públicos na área de infra-estrutura (geração de energia elétrica.. o governo – em seus dois níveis...... muitas das barreiras até então existentes foram suprimidas... Vale a pena acompanhar testemunho do autor...... n.. Um comitê criado junto ao banco central para formular propostas de reforma bancária chegou a sugerir a venda de participações do governo nos bancos públicos até um teto de 33% do controle acionário.. That is pretty much what happened in East Asia.. Mas. This was good advice that was followed by the government. recommended that India liberalize the capital account in a gradual manner... construção de estradas e portos. 2005.......... 9). (Ahluwalia... p... Prova disso é que o Banco Central da Índia constituiu em fins de 1996 um comitê com a tarefa de estudar a conveniência de liberalizar a conta de capital e sugerir os modos mais adequados de fazer isso. submitted before the East Asian crisis..... Além do mais.. India avoided that problem because its decision to liberalize the capital account remained essentially cautious... não se confunde com hostilidade à idéia de mudança. Alhluwalia (2000) e Hanson (2004).... when there was ample liquidity in world markets.....3 O mesmo padrão se observa na administração das mudanças no regime de investimentos estrangeiros.. A efetivação da proposta depende de emenda na Lei de Nacionalização Bancária... … the report was emphatic that short-term flows should not be liberalized until the fiscal deficit was brought under control and the banking system was made much stronger.Reformas econômicas na Índia: discurso e processo . because such investment is a little more self-regulating..... nesse sentido... Contudo. Cautela. em duas esferas as peculiaridades resultantes dessa abordagem se destacam: na reforma do regime de pequenas indústrias e nas políticas voltadas para o setor empresarial do Estado..... The committee’s report.. o governo indiano sempre foi muito sensível à diferença entre investimento produtivo e aplicações financeiras de curto prazo........ Porém.. In the did-1990s... with appropriate sequencing. e a 100% em alguns casos. com o efeito potencialmente desestabilizador que elas encerram. central e estadual – ainda controlava 80% dos ativos dos bancos comerciais..... 7 – out.... 2005..

Mas vem fazendo isso muito lentamente: em outubro de 2004... 2005......Sebastião Velasco ................ corretamente.... Esse fato já era claramente identificado pelos gestores da política econômica nos idos de 1980. de nova metodologia de classificação industrial. e passaram a viver em crônica dependência dos cofres do Estado.... subsídios – o Estado indiano fez uso de um dispositivo especial. o processo de ampliação da lista foi detido... em 1989.. Com a adoção. Mas os gestores da reforma econômica na Índia parecem conviver com ele sem muito sacrifício. chegando a 504 em abril de 1978.. O tratamento dado ao setor empresarial do Estado é outro ingrediente do processo indiano de reformas que causa espécie ao desavisado. 36 .. It was amply clear by the 1980s that public sector profits were consistently falling short of the levels projected in successive plan exercises... E concluem.. e continha 47 itens.in/>.... Restaria acrescentar que o desempenho das empresas públicas na Índia abastece de argumentos os que desejariam vê-la adotada.. Mas reconhecem também que o mundo é mais complexo do que a representação idealizada dos manuais. E conhecese igualmente a receita aviada pela ortodoxia para enfrentá-lo. Além dos instrumentos comumente acionados em outros países para promover esse segmento – assistência técnica../dez...... A partir daí..............nic... Naturalmente. the rest of the public sector _______________ 4 Cf. E não fez isso esporadicamente.. que os custos econômicos da tentativa política de “corrigir essa distorção do mercado” seria provavelmente muito maior do que os benefícios dela deriváveis............ Com efeito. como o revela o fato de existir na estrutural organizacional do governo indiano um ministério dedicado especificamente ao tema – o Ministry of Small Scale Industries.. Part of the logic of establishing public sector enterprises (PSE’s) was that they would generate profits which would not be dissipated in consumption of the wealthier classes but be used to achieve higher levels of investment than would occur otherwise.... n..... Reservation Policy. que reagem de pronto à simples menção do termo política industrial... A primeira lista de produtos com manufatura reservada exclusivamente ao setor de “pequena escala” foi divulgada em 1967. Sabe-se do gigantismo do setor estatal na Índia... The only enterprises making substantial profits were those in the petroleum sector. Excluding these profits........ Government of India < http://ssi. o número de produtos reservados aumentou progressivamente...... 7 – out.. com membros de vários ministérios..4 Para economistas liberais de epiderme sensível.......... dela retirando 37 itens.. Many public sector enterprises were making large losses while others were only marginally profitable. 605 itens permaneciam com produção reservada exclusivamente ao setor. as empresas públicas disseminaram-se por todos os setores de atividades.. o número de produtos reservados pulou para 807...... perturbador do ponto de vista do liberalismo econômico: a reserva de certas classes de produtos às “indústrias de pequena escala”. que previa a criação de um Comitê Consultivo sobre Reserva. de 1948.. A política de apoio às pequenas indústrias é altamente institucionalizada.... A ênfase atribuída pelo planejamento indiano à pequena indústria tem raízes em vertentes importantes da ideologia econômica que inspirou o movimento nacional na luta pela independência.... linhas preferenciais de crédito. Em 1997 o governo começou a enxugá-la... Nas palavras de um deles.. esse resultado é quase um ultraje..... – bem versados em teoria que são – reconhecem os prejuízos em termos de eficiência microeconômica que ele envolve. E a lista continuou crescendo até atingir a marca de 836. disponível no site do Ministry of Small Scale Industries... nesse ano........ Nesse ano... as análises correntes se repetem no apontar de suas mazelas: criadas com o fim precípuo de implantar novos ramos industriais e impulsionar o crescimento da economia..... A política de reserva foi introduzida pela Primeira Resolução sobre Política Industrial........

. o Estado continuaria na condição de proprietário das empresas....... à atmosfera da época é preciso para realçar o significado das escolhas que prevaleceram na Índia.... Aludir. 7 – out...... 6). ainda que telegraficamente..” (Ahluwalia. Em todas.. Gestores de um dos sistemas empresariais públicos mais vastos e diversos fora do bloco socialista............... como meio de grande eficácia para silenciar vozes discrepantes......... Convém frisar esse ponto: além do significado econômico universal que lhe era atribuído – condição necessária à retomada dos investimentos e à elevação da produtividade agregada da economia –.... procuraram reestruturar aquele sistema mediante uma política cautelosa de “desinvestimento” – venda de participações. 2002.... Naturalmente...... fixadas as metas. e a interpretação prevalente na Suprema Corte de que as decisões das empresas públicas estavam sujeitas.... não foi ele o determinante principal das grandes ondas de privatização a que se assiste em tantos países.. estas passariam a ser geridas com tal autonomia que seu comportamento se assemelharia àquele das empresas privadas.... as ações seriam n.... como ingrediente básico.. a deterioração das contas públicas teve peso decisivo na detonação do processo... Então... a privatização das empresas públicas............ dos quais o mais importante era o Memorandum of Understanding (MOU)./dez.. como pano de fundo. A decisão por esse tipo de programa foi tomada em 1991. p.. 2005.... funcionários travestidos de filósofos evocam o tema do fim da história.. a obrigatoriedade de aprovação de seus planos de investimento pelo governo... Para o argumento aqui exposto.... inclusive de seus funcionários são algumas dignas de menção. adrede acoimadas de retrógradas... A presença de representantes de ministérios nos conselhos de administração das empresas.. Por meio dele.... a privatização adquiriu nessa quadra histórica um halo de moralidade.............. enquanto jovens e talentosos economistas percorrem o mundo a vender suas receitas garantidas de bem-estar e prosperidade........Reformas econômicas na Índia: discurso e processo .. o desmanchar vertiginoso das economias socialistas... Em todos eles. De acordo com as regras estabelecidas na ocasião. mas.. sem transferência de controle sobre as empresas consideradas.. logo depois da eleição que devolveu o governo ao Partido do Congresso.. A resposta que os dirigentes indianos conceberam para esses problemas tinha ampla aceitação internacional na época: trava-se de instilar novos modos de operação nas empresas públicas através de vários mecanismos..... que seguia a linha do nosso conhecido “contrato de gestão”... 37 .. … Most public sector enterprises were unable to generate the resources they needed to modernize and upgrade technology and it was becoming increasingly clear that they would not be able to survive without special support from government budgets and preferred access to public sector banks.. constitucionalmente... Primeiro lustro da década de 1990: a Índia foi oficialmente lançada em ambicioso programa de reforma econômica.. a recurso legal das partes lesadas..... A literatura aponta várias razões para explicar a frustração dessas expectativas... Ao invés de grandes programas de privatização... Mas a argumentação no terreno dos princípios – econômicos e ético-políticos – desempenhou um papel não-desprezível. mais importante do que dissecar essa política é salientar a prudência da escolha feita pelas autoridades indianas depois de constatado o seu relativo fracasso. taken together was making a net loss......... os dirigentes indianos preferiram trilhar caminhos próprios. Os tempos agora são outros......

. Pode-se intuir o quanto o tema era sensível quando se observa que a alternância de governo ditada pelos resultados das eleições gerais de 2004 trouxe consigo uma sensível redefinição da posição oficial sobre o mesmo.......... sindicatos. o governo da Frente Unida não durou o bastante para pôr em prática essas recomendações.. Em 1995.. 7 – out. Esse fato... que detinha o monopólio das operações internacionais de telecomunicações.. The policy is that public sector will occupy an important place in India’s economy.... essa comissão sugeriu a transferência de 37 empresas ao setor privado.. 29 delas para “sócios estratégicos”. ministro de Finanças do governo formado pelo Partido do Congresso..... Dada a ausência de qualquer norma impedindo que tais instituições transferissem as participações recém-adquiridas..... Mas........ que substituiu o Congresso. Dotada de presidente a ela dedicado em tempo integral e composta por especialistas e acadêmicos. Em 1998....... No entanto... Well there is a change in the policy... o sistema foi alvo de crítica pela baixa transparência dos procedimentos previstos e pelo caráter restritivo de suas regras. as oito restantes ao comprador que oferecesse melhor preço pelas ações ofertadas. em média. da Índia Petrochemical Ltd.. guardando a prerrogativa de vender mais adiante suas participações para o público... O governo da Frente Unida... o universo dos compradores potenciais foi ampliado mediante a decisão que permitiu a venda de ações nos mercados internacionais em troca de recibos de depósitos globais de ações (global depository recipts ...Sebastião Velasco ............ com participação limitada a instituições financeiras locais. com o necessário respaldo da interpretação dominante na Suprema Corte.. em 1996.. maior fabricante de automóveis da Índia..000 empregados.. transferidas em leilões... 38 ... (IPCL) e. Mas nem por isso deixava de suscitar controvérsias... padaria com 13 estabelecimentos espalhados pelo país....../dez.... da Maruti Udyog. apoiado em uma coalizão débil.. como se vê na resposta de Chidambaram........ 2005.. a resposta alcançada não foi animadora: nos cinco anos em que teve vigência. o partido do nacionalismo hindu... Mesmo assim. liderada pelo Bharatiya Janata Party..... now our coalition Government does not share that view and I am not going to engage in a debate here whether we are right or wrong.... De significado econômico maior foram as privatizações da VSNL... menos de ¼ do PIB por ano (Ahluwalia. sobretudo.. not be privatized… n. o governo cedia o controle acionário ao sócio japonês... aprofundaria essa política com o estabelecimento nesse mesmo ano da Comissão de Desinvestimento... The previous government.. as a general rule. 2002.. entre elas a Modern Foods India Ltd. p.. 14).. escolhidos com base em sua capacidade para gerir a empresa... quando interpelado sobre o assunto em debate com acadêmicos e consultores realizado em Londres. Na operação........ I am merely responding to a question and stating the policy. seria confirmado a seguir pela privatização de algumas empresas.... É a partir desse momento que o tema da privatização entra com todas as letras na agenda da política indiana.... os resultados das eleições gerais levaram ao governo a Aliança Nacional Democrática........ partidos de esquerda e parcelas expressivas da opinião pública continuavam resistindo à idéia da transferência maciça de ativos ao setor privado... uma joint-venture entre o governo indiano e a japonesa Suzuki Motor Corporation... e mais de 2. a política de desinvestimento rendeu ao governo indiano... ainda sob o governo de Narasimha Rao... Pelo contrário... Profit making public sector companies will.. GDRs). pursued privatisation as an end in itself... a emergência de grupos de acionistas puramente privados era tida como certa... A privatização estava consagrada finalmente como um dos eixos da política governamental...... que já se manifestava na criação de um Ministério do Desinvestimento para implementar as decisões governamentais nessa área..

. que temia um retrocesso no processo de liberalização.... e organismos cujo vigor era tido... a Índia viveu vários testes – externos e internos. a taxa de crescimento do PIB indiano sofre uma queda de três pontos percentuais.. 39 . Mas tal modelo carece de fundamentação teórica.... entre eles os dois partidos comunistas do país. ele acenava com o seu aprofundamento: dava um passo adiante no processo de reforma das empresas públicas...... Seemingly profitably companies.. O mais evidente deles foi a crise financeira que se abateu na Ásia em 1997.. chronic loss making public sector enterprises will be sold off. E a ação do governo não frustrou as expectativas que esse programa gerava.. which are profitable only because they function in a monopoly situation. Nesse intervalo de tempo... foram três...... a configuração institucional da economia assegura o processamento relativamente suave dos desequilíbrios que surgem cotidianamente no processo de acumulação e se. quando o resultado das urnas acabou se traduzindo no governo da Frente Unida..... Por tudo que foi discutido até aqui. sem ter conhecido no meio tempo nenhum dos acontecimentos traumáticos que afetaram os seus vizinhos. Ao todo.... 2 UM NOVO PADRÃO DE DESENVOLVIMENTO? Forma indireta de abordar o problema aflorado no parágrafo acima é considerar a questão da continuidade do processo de reforma..... Tão ou mais importantes para a discussão encetada aqui são os testes políticos pelos quais o processo de reformas passou com sucesso. Como se sabe......... which means bringing in a strategic partner to run and expand that business.. de 1991 a 2005. Loss making.. sob a liderança do ex-ministro chefe de Karnataka.. absorveu relativamente bem o tranco e no ano seguinte já havia recuperado o seu dinamismo anterior..... will be examined on a case by case basis and they will be candidates for strategic disinvestment. embora mesmo assim tenha se situado em invejáveis 4.. Refere-se aqui às mudanças de governo ocorridas ao longo do período.. Será esse o caso da Índia? Na parte final deste artigo. estendeu-se à Rússia em meados do ano seguinte.... como exemplar – caso da Coréia.... composta... 2005.. A Índia não é o único caso de gestão pragmática de reformas orientadas para o mercado.. como a Indonésia. essa fórmula parece equivocada.... tecem-se alguns breves comentários sobre essa questão. A mudança é um traço inerente ao capitalismo. no entanto. e – com sucesso maior – de abertura externa (reforma tarifária... O programa mínimo comum do governo da Nova Frente Unida foi acolhido com surpresa pelo “mercado”.. 2005). Dave Gowda.... Ao invés disso.... pelos quatorze partidos desejosos de evitar um novo pleito... relaxamento das regras restritivas e incentivo ao investimento estrangeiro)...... 7 – out........ a turbulência levou de roldão economias sabidamente frágeis. o governo esforçou-se para levar a cabo sua política de liberalização interna (desregulação e reforma do setor público)..... O primeiro se deu em 1996. Com efeito... como já foi visto... O que importa é indagar se....... até então. já se contam 14 anos desde o momento em que o programa de reformas foi iniciado. aqui ou ali.. Com efeito.... proclamava a intenção de atrair o investimento estrangeiro na infra-estrutura e comprometia-se a utilizar apenas instrumentos fiscais para desencorajar a entrada de “multinacionais de baixa prioridade” no mercado indiano. (Chidambaram. Em 1997.Reformas econômicas na Índia: discurso e processo . ao fim do qual bateu em nossas portas.. A despeito da cerrada oposição dos dois partidos comunistas..... prometia abrir o setor de seguros ao investimento privado..... A Índia não deixou de sentir esse abalo sísmico........./dez... Todavia......8 %... por isso mesmo.. Desses países diz-se com freqüência tratar-se de casos de transição incompleta............. n. ela pressupõe a existência de um modelo extrínseco que permitisse afirmar se (ou quando) o processo de transição teria terminado..... é razoável esperar que ela apresente grau mais ou menos elevado de estabilidade..

... Compreende-se...... Shri P. e consiste na experiência de governo da UPA (United Progressive Alliance)... Desenvolvida em perspectiva comparada e informada por uma visão metodológica sofisticada... o governo da Aliança Democrática Nacional enfrentou a oposição militante do núcleo duro do BJP – a Rashtriya Swayamsavac Sang....... Essa experiência já envolveu uma correção de rumos no tocante à política de privatização. o elevado grau de socialização dos dirigentes no jogo democrático etc.. p..... cap.... opunha a visão de uma economia organicamente integrada à sociedade... O traço mais forte desse partido era a prática de uma política identitária calcada na rejeição do secularismo.../dez................. cf..Sebastião Velasco . Mas sua negação do consenso sobre o qual se edificou o Estado indiano não se restringia a esse plano: o BJP impugnava também o modelo de desenvolvimento adotado pelo Partido do Congresso.... 7 – out....... – permitem à liderança reformista a realização bem-sucedida de jogos táticos que tendem a fragmentar e/ou cooptar os opositores e a neutralizar sua resistência às reformas.. tanto na versão socializante predicada por Nehru e seus seguidores. que fez o possível para aprofundá-las no governo da Frente Unida... no comando de uma coalizão de dezoito partidos............ supostamente em harmonia com as tradições ancestrais da cultura indiana.... Rebatendo os liberais dogmáticos que se aprestam a condenar o padrão conciliatório da política indiana pela lentidão das reformas... interna e externa.... Democratic Politics and Economic Reform in Índia. pois.... tendo como primeiro-ministro Manmoham Singh. Nayar (2001.. Jenkins inverte os termos da questão e demonstra como as características da democracia indiana – a natureza de suas instituições formais e informais..... governo de coalizão formado pelo Partido do Congresso em 2004. de onde a informação contida neste parágrafo foi extraída. 7...5 O terceiro teste está em curso. Mas. 223-258)..... a inquietude produzida por sua vitória em certos setores. contudo........ é o tema central do trabalho de Rob Jenkins. o discurso do BJP rejeitava tanto o comunismo como o capitalismo por suas origens forâneas... que oferece a seus opositores amplas condições para contestá-la. Chindambaram. A apreensão..... esse princípio não se traduzia no compromisso com a imagem idílica de uma economia tradicional de subsistência.. quando os resultados eleitorais devolveram o poder ao BJP (Bharatiya Janata Party).. Essa postura levava o BJP a uma atitude seletiva diante das reformas: ao tempo em que aprovava as medidas de liberalização interna. organização política religiosa da qual se originou – e impôs a implementação de um programa que previa o aprofundamento do processo de reforma econômica em suas duas faces... Sob o comando do primeiroministro Atall Behari Vajpayee. Na verdade........ 40 . e como ministro das Finanças...... como na versão liberalizante ensaiada por Narasimha Rao... A continuidade das reformas liberalizantes em contexto político altamente competitivo.... que depende do voto comunista para se sustentar..... 2005. a obra de Jenkins lança luz sobre o processo geral das reformas liberalizantes ao mostrar como ele gera permanentemente incentivos materiais e simbólicos cujo acesso (nem sempre _______________ 5 Para uma análise detida da experiência do BJP no governo.. não durou muito. não há nenhum risco de que o governo venha a alterar a orientação geral do processo... mas sim na disposição de fazer prevalecer o interesse nacional na escolha dos meios para garantir o desenvolvimento econômico... criticava a abertura externa e seu complemento – a ideologia da globalização... Na formulação programática que serviu de plataforma para sua campanha nas eleições de 1998... entre 1996 e 1998... o pai das reformas. além de desvelar as regras tácitas e as práticas informais que pavimentam o caminho da mudança econômica na Índia... n...... Contra ambos.. O segundo teste ocorreu dois anos depois...

.1 5...8 3 3.9 4.5 9 5..2 5. lubrificante (peso 14.4 10.1 10. n..7 7.....3 5... 2005. e o fato de não ter sido frustrada em suas expectativas.Reformas econômicas na Índia: discurso e processo .1 5..4) 11.../dez.4 3 12.4 8.4 2. ao ano) Taxa de crescimento do PIB real a custo de fator Ano PIB real custo de fator 5.553 0.. Essa condição se aplica a muitos dos países que nos são familiares.5 6..3 Agricultura e correlatos 4...2 3.1 4..75 13. à inflação e às taxas básicas de juro no período.5 8..5 7....69 12......601 0.........9 5.1 2.3 12. e na reconstituição dos problemas e das alternativas com que eles se viam (vêem) confrontados.1 15.8 -1...3 7. a despeito das mudanças de conjuntura e de governo.8 3.77 10.95 9.4 4.601 0.75) commodities 10. a Índia situa-se claramente no segundo grupo...2 Indústria Serviços Índice de preços por atacado Inflação de Manufaturados todas as (peso 63..7 Juros de Participação títulos do nos lucros Governo 11.1 7.. o crescimento mais do que proporcional do setor de serviços...2 8..7 5...78 12....8 6...9 5...8 12.602 0... de maneira geral.41 11.....4 7. com base 1993-4 = 100).567 0. É exatamente essa circunstância.9 12.. porém. Na verdade..579 0. Conforme o prometido.7 -3.. a pergunta sobre um novo padrão de desenvolvimento...4 3.9 7. Pelo contrário. Mas não à Índia.3 7..4 5.5 3.8 3.6 4..6 -1..3 13.. Daí a pouca ênfase na caracterização dos atores políticos e sociais envolvidos.3 13..589 0. Em relação à primeira daquelas dimensões... Antes..9 3..7 12 1..2) 12. Jenkins ignora em sua reflexão o fato de que outros países – com organização e tradições políticas muito diferentes da Índia – vêm persistindo também. Mesmo diante de resultados às vezes desastrosos...3 8....... na divisória entre os países que optaram pela reforma por desespero e aqueles que o fizeram pela percepção das vantagens a alcançar.8 2....1 4. no caso da Índia.... Inicia-se por aqueles concernentes ao crescimento do produto. Taxas de inflação calculadas a partir de valores indexados pelo preço por atacado..1 NOTA: 1).01 11.46 12. 7 – out......4 13.3 -0..34 0.7 6.. eles desenham uma tendência que já se fazia sentir desde a década anterior.... Tendências de preço e produto (%..3 8...7 3. Nesse sentido. 41 ..5 7.3 1. por vias legais) é um dos móveis que impulsionam os atores a ele associados... como se pode ver pela tabela abaixo.6 10....538 0...8 8.2 9.7 3...596 0. chama a atenção nesses números a evolução invejável do PIB.4 5.86 11. termina-se este texto com um comentário sobre ela...3 10.6 4. a sabedoria conservadora de Jenkins em sua crítica ao discurso da sociedade civil e da boa governança difundido pelo Banco Mundial é sumamente salutar...7 10.6 Produtos primários (peso 22) 13 18.1 8.4 12...8 Combustível.7 3.6 5.7 5.... no caminho das reformas.6 1...9 20.. energia.63 11..2 9 28.4 2....8 4.5 8....9 0..4 -1 4...1 10.9 15.9 13. Por não dar maior atenção a esses elementos..5 5.2 12.3 7.6 -0.9 7..3 7.1 2..4 11..4 Produtos alimentícios (peso 15.8 5 6. que traz à baila.1 5.598 90-1 91-2 92-3 93-4 94-5 95-6 96-7 97-8 98-9 99-00 00-1P 01-2Q 02-3R 7.4 1.4 12.44 7..6 2.6 3..3 5.4 5..9 3.6 3. o comportamento muito positivo da indústria...7 8. TABELA 1....2 14. O que limita sua contribuição é o fato de tomar o processo da reforma em si mesmo como um dado não problematizado...7 8..4 6. e o fraco desempenho da agricultura. Daí também o silêncio sobre as conexões significativas entre as reformas na Índia e as mudanças em curso na economia política internacional. convém apresentar alguns dados..

It is worth noting that the strong performance of the economy during the mid-1990 was broad based.4 6.6 7.6 25.7 6......2 24 23...6 8. Revival of industry seems to be the key to achieve a higher growth target....8 7 6. (Parikh.1 26 26. Entre uma década e outra...4 4.1 21...5 24.4 6.1 10......5 4.4 7.5 2 4.9 24.. Média anual / Crescimento do PIB 1981-82 a 1990-91 PIB Agricultura Indústria Serviços 5...3 -1 -1 -2.....1 16..1 2.7 7 6..6 6...7 1992-93 a 2001-02 6.... n.5 3........2 23.....6 8..7 18.. p.9 14.6 2...Sebastião Velasco ...2 23... No tocante à evolução dos preços... vale a pena citar o comentário do relatório do qual foram extraídos esses dados...2 17 17.. It was led by the industrial sector which grew by about 10 per cent followed by the service sector which grew by about 8 per cent..2 8.7 3..5 4..6 18.3 22. 29)..8 1997-98 a 2001-02 5..7 18.6 3.7 4........3 7.. E avança-se na sua compreensão. a diferença mais significativa está na substituição da indústria pelo setor de serviços no papel de acelerador do crescimento.7 8 8..1 22.4 24 Setor privado 15. TABELA 2..5 24. A esse respeito.6 8.7 Ano Setor corporativo privado 19.4 7.5 8./dez.9 6.. quando são levadas em conta as outras dimensões contempladas na primeira dessas três tabelas.7 16.. os números que ela exibe confirmam o padrão indiano de inflação controlada e atestam o êxito de sucessivos governos no sentido de mantê-la alinhada à norma internacional.3 6.6 1..5 15..6 23. p....1 3...9 2.1 5.2 9.. Julga-se conveniente reproduzir esse comentário menos pelo que ele esclarece a respeito do comportamento passado da economia indiana do que pelo que revela a respeito do horizonte com o qual os analistas trabalham quando projetam o seu futuro.1 23.7 16 14.8 7..5 24. 22). Radhakrishna.4 8.1 Setor público 1..8 8...2 11..5 13.......9 4...7 2 1...1 1997-98 a 2002-03 5....8 21.. TABELA 3..8 9.. Pode-se começar a entender o otimismo implícito nele quando se consideram os dados sobre os níveis de poupança e de investimento que têm caracterizado a economia indiana...9 25..6 23.5 4 -2. 22).....6 0... 7 – out..6 6...1 21.8 Setor público 9.. 42 .6 6.9 9. 2005..5 13 14.....6 22... Poupança e formação de capital Poupança Doméstica Bruta Formação Bruta de Capital Total 23.3 1.7 6.7 7.5 18.....7 1.2 3.8 16.7 3.. 2005..4 8..8 20.6 6..3 17 17.4 4.3 1990-1 1991-2 1992-3 1993-4 1994-5 1995-6 1996-7 1997-8 1998-9 1999-2000 2000-1 2001-2 22..8 1992-93 a 2002-03 5..2 5 8 FONTE: Apud Parikh e Radhakrishna (2005.5 5....4 19....8 22..3 Setor corporativo privado 4.3 6.... Quanto aos juros pagos pelos títulos públicos..... It would be difficult to maintain a high GDP growth of 7-8 per cent without a strong manufacturing expansion.1 2 1.2 11.5 FONTE: Apud Parukh e Radhakrishna (2005...9 4. p...3 Formação de capital bruto doméstico 26.

.. Conversations with Indian economists.. p... a solidez dos grupos econômicos privados locais..... 7 – out. 99-119. India and globalisation.. Cambridge: Cambridge University Press... o setor público e o privado parecem alicerçar na Índia um vigoroso capitalismo nacional.. Nirupam (Ed. n. University of Pennsylvania. In: ________ et al. a predominância do capital produtivo na composição dos mesmos.Reformas econômicas na Índia: discurso e processo .... Seria necessário fazer uma ampla pesquisa para que se pudesse caracterizar o padrão de desenvolvimento que se imagina estar ganhando forma na Índia. depois de cair até 6.. In: BALASUBRAMANYAN. ele voltou a crescer. 2003. CHIDAMBARAM.. New Delhi: Oxford University Press. New Delhi: Sage Publications. 2001.. India Development Report. AHLUWALIA. Anne O. 1950-2000.. GOYAL....)..... Reforming India's external. o papel dinâmico da produção de serviços de informática...... London.. N.... basta afirmar que ele reforça a suspeita de que a economia indiana encontrou um padrão sustentável de crescimento elevado. 17th.. In: BALASUBRAMANYAN./dez. In: KRUEGER.. 2005... N. 3 fev.. India’s economic reforms: an appraisal.).).... T. Center for the Advanced Study of India.. p. Disponível em <http://scid. Reforming India’s external.. (Ed.. Não é necessário acompanhá-los (Goyal.. eles acusam forte tendência à queda nos últimos anos. (Ed. Isso. N.. Os especialistas divergem na solução desse enigma da coexistência de déficits expressivos e economia saudável.... Jeffrey. 2000...... SRINIVASAN.4% do Produto Interno Bruto (PIB). Apr. R. Stanford: Stanford University Press.... BIBLIOGRAFIA AHLUWALIA. V.. Democratic politics and economic reform in India... World Bank and Oxford University Press.. combinados.... New Delhi: Oxford University Press. 2002.. 83-98.. Integrating India with the world economy.. Para os propósitos deste artigo..... 43 . SING. e o fato de que. 2005... NAYAR. In: SACHS. Globalization and nationalism. India in the era of economic reform.. que já aparecia como objetivo central desde o pacote de reformas de 1991. Kirit S.... Privatization: from policy formation to implementation.. RADHAKRISHNA..4% em 1996-7. Development challenges in the 1990s – Leading policymakers speak from experience.. 2005. R. Montek S..edu/pdf/ credpr104. Lessons from India’s economic reforms”.. 2002.... The changing balance in India’s economic policy...... Entrevista. Na ocasião. In: KRUEGER. 2001.... Oxford: Oxford University Press... CHINOY.stanford.. 2004.... Baldev Raj.... HANSON. 2005. Conferência proferida no The Foreign Policy Centre.. James A... a despeito do insucesso reiterado na meta de redução do déficit fiscal. In: PARIKH... India Development Report.... New Delhi: Oxford University Press.... AHLUWALIA. Hampshire/New York: Palgrave. 171-190)... BAJPAI..... and fiscal policies.). RANGARAJAN. 171-190. Alguns dos seus traços são bem conhecidos – por exemplo. para atingir o pico de 10% do PIB em 2002-2003... p. Hampshire/New York: Palgrave. (Ed... 97-125.. 2004-2005. The view from inside. V..... N. 2004-2005. 5... Termina-se este texto com a indicação sumária de alguns deles: a importância fundamental da agricultura como fonte geradora de empregos. 2001. Ann O.. embora elevados. Montek Singh. Market liberalization and the pressures for institutional and market framework reform. In: ANNUAL FELLOW’S LECTURE 2002. Rob. Outros são menos alardeados... p. 2005.. financial and fiscal policies. 17-51.. Shri P.. PARIKH.. Ashima. Indian banking.. 1999. KIRIT S... o déficit fiscal bruto conjunto do governo central e dos governos estaduais era de 9. Puzzles in Indian performance: deficits without disasters.. (Ed. CHINOY. Sajjid Z. Montek S..).pdf> JENKINS. financial.. p.. RADHAKRISHNA... Sajjid Z... p. Manmohan... Conversations with Indian economists... 2005. a persistência de um vasto setor empresarial do Estado. Entrevista.

Esta oligarquia é representada pelos grupos econômicofinanceiros que deram apoio ao presidente na sua re-eleição. o governo e a atuação do presidente Vladimir Putin. num processo de privatização considerado o escândalo do século. a presidência rotativa do Grupo dos 8. 2005. revelariam um retorno ao regime político soviético e.QUESTÕES EM DISCUSSÃO SOBRE A RÚSSIA DE PUTIN Lenina Pomeranz 1 Rússia assumiu. para visitar o país. como contrapartida à obtenção dos maiores e melhores ativos econômicos do país. conseqüentemente. Esta. pesquisadora visitante do Instituto de Estudos Avançados (IEA-USP) e membro do Conselho Acadêmico do Grupo de Conjuntura Internacional (Gacint-USP). além de se considerar as medidas assumidas nessas negociações como uma “represália russa à Ucrânia. própria dos processos de transformação político-social mais profunda./dez. desde os relativos à apropriação do patrimônio estatal até os vinculados ao domínio econômico e político das antigas elites regionais. Como a abertura do summit coincidiu com o pico da crise das negociações sobre o fornecimento de gás natural à Ucrânia. numa franca contradição à posição adotada pelos USA e alguns países da União Européia. estar-se-ia diante de um antigo coronel da KGB. . criou uma situação de caos social. sob o seu comando a Rússia teria vivido um período de ampla democracia. perde-se o fio condutor do processo de transformação sistêmica da Rússia. Esta situação caótica. inclusive. que tem como foco principal a segurança energética internacional. cuja formação marcaria profundamente o seu procedimento à frente do Estado. uma “falta de democracia” que invalidaria a participação do país no G-7. associada a medidas internas de caráter autoritário adotadas pelo governo russo – assim considerada. 7 – out. o qual. No primeiro caso. a lei de controle do financiamento externo às ONGs russas – e a abusos dos direitos humanos na guerra da Tchetchênia. do governo e da atuação do presidente Boris Yeltsin. não obstante ser o ex-presidente Yeltsin também formado como aparatchnick soviético. como num sistema político caracterizado por um poder central débil. com base no qual se constituíram interesses particulares de todo tipo. Nesta perspectiva. neste ano. no plano internacional. implicando um desmonte do sistema político totalitário e de uma gestão diretiva centralizada da economia. negativamente. e não como uma situação propriamente democrática. Com mais argumentos ainda. e atuação relativamente independente. Economia Política Internacional: Análise Estratégica n. foram intensificadas as reiteradas críticas sobre a “estatização da economia russa”. por sua adesão ao Ocidente”. manteve-se durante toda a gestão Yeltsin e resultou não só numa nova estrutura econômico-social. no segundo caso. E por que sobre a Rússia “de Putin”? Porque é assim que se intenta distinguir. na mídia ocidental.2 _______________ 1 Professora livre-docente da Faculdade de Economia e Administração da Universidade de São Paulo (FEA-USP). A Neste quadro já se podem identificar as questões que estão sendo discutidas sobre a Rússia de Putin: estatização da economia russa e falta de democracia. que pode ser caracterizada mais como uma situação de desordem social. no plano interno. tendo em vista a posição assumida pela Rússia na questão da energia nuclear iraniana e o convite aos governantes recém-eleitos do Hamas. com forte influência da oligarquia econômica. 2 Ver Freeland (2000).

. que manteve a música do hino soviético... posteriormente.. em artigo calcado em seu depoimento à Comissão Helsinski americana.. Para tanto. estão sendo exibidas séries televisivas de Máster e Marguerita...... frente a não suficientemente esclarecidos atos terroristas em Moscou e outras cidades russas.. a câmara alta do Parlamento russo. que competem eleitoralmente e atuam no Parlamento. o Primeiro Círculo.... 7 – out. em primeiro lugar. a Putin........ restringiu os poderes legislativos dos governadores.. sobre o que se discorrerá adiante.......... não se está diante de um sistema político monopartidário.. 45 . uma das maiores empresas petrolíferas da Rússia.. A manutenção do poder central se fez.. na sua contraposição ao comando central. de Bulgakov.. entre os quais o Partido Comunista....... cuja missão consistiu em compatibilizar a legislação regional com a central e em controlar o fluxo da arrecadação fiscal entre o poder central e as regiões..... assim................. Acrescente-se o julgamento e a condenação de Mikhail Khodorkovsky.. 42-2006).. Para isto.... 2005........ de restabelecimento do poder de Estado no processo de transformação sistêmica..... a percepção popular de humilhação pelo desmoronamento da URSS e conseqüente perda de prestígio internacional do país.. modificando a representação regional no Conselho da Federação... estabelecendo com eles um acordo. Por outro lado./dez. no que concerne ao controle da mídia. presidente da Yukos... Desta forma...... de Solzhenitzin e do _______________ 3 Segundo Nicolai Petro.. da nova Rússia. além do aspecto destacado acima. que constituíram a assim chamada “democracia administrada” russa.. mais recentemente. ainda. foi assegurado o controle político do Parlamento pelo partido do governo... lembrando o período imperial.. em manobras de representação eleitoral e utilização do sistema judiciário. para demonstração de firmeza de decisão. Em primeiro lugar. Tendo em vista........ por meio da criação de seus novos símbolos: o brasão... e toda a celeuma em torno da regulamentação do financiamento estrangeiro às ONGs russas e ter-se-á a base das críticas sobre a falta de democracia e a tentativa de um retorno ao sistema autoritário soviético.. assim como não afeta a produção de milhares de jornais e televisões locais. nos quais é ampla a divulgação de editoriais e opiniões de analistas políticos contrários ao governo. possibilitandolhe a aprovação das leis de seu interesse.... revistas e livros é superior a 10% anuais.... Seguiu-se o périplo de visitas internacionais e... com a águia de duas cabeças.. restabelecer o poder central.... o hino.. Coube.. caminhou por duas linhas bem definidas: buscou restringir a influência ostensiva dos oligarcas econômicos. mesmo sendo o poder e o processo político controlados pelo partido do governo.... mais de um terço das estações locais de TV são auto-suficientes financeiramente e o crescimento da produção de jornais. Na discussão desta questão.. atribuídos aos separatistas tchetchenos... Além disso.. professor da Universidade de Rhode Island e conselheiro político do Departamento de Estado americano.. E o controle da mídia televisiva e parte da mídia escrita de âmbito nacional..3 Além disso... e a bandeira tricolor. este não afeta alguns importantes jornais de circulação nacional.. existindo outros partidos políticos. o restabelecimento do poder central foi feito em paralelo às primeiras medidas de restabelecimento da Rússia como nação.Questões em discussão sobre a Rússia de Putin . e procurou delimitar o poder dos governadores regionais...... Johnsons Russia List (n. n... o que estabelece diferenças significativas em relação ao sistema político soviético. cabem ainda algumas outras considerações. mediante o qual estes deixariam de se imiscuir nos negócios do Estado. mantendo a lembrança desta fase da história russa...... nomeou sete interventores regionais. o deslanche da segunda fase da guerra da Tchetchênia....... inclusive emendas constitucionais. através dos instrumentos indiretos oferecidos pelas instituições do formal sistema democrático......

no que alguns analistas políticos consideram parte dos esforços do governo para restabelecimento do orgulho nacional russo.... possível com o bom desempenho da economia proporcionado pelos preços internacionais do petróleo.................... proibidas durante o regime soviético.. De todo modo..... e será tratada mais adiante... com eles afinados.... qualquer que seja o qualificativo que se atribua a esta ordem..... Sobre a estatização da economia russa... Ainda é cedo para afirmar que estes passos significam abertura no controle exercido sobre a TV estatal.... do ponto de vista géo-estratégico. inclusive estrangeiras. Mas esta é uma questão que deve ser considerada sob outra perspectiva. A acusação de espionagem.. Este apoio..... como foi dito acima. coincidentemente encarregado da distribuição de recursos a várias ONGs russas.... segundo analistas políticos.. cabe considerar que o presidente Putin goza do amplo apoio popular.... na Ossétia do Norte. da morte de reféns em um teatro em Moscou..... na Rússia. não se está diante do rígido controle político-ideológico vigente no sistema soviético.. principal produto de exportação da Rússia.... contudo. iniciada com a agressiva atuação do governo contra Mikhail Khodorkovsky. E da condução da política econômica segundo os cânones da ortodoxia econômica. Menos como um retorno ao passado soviético.. em defesa dos interesses nacionais russos.. o controle estatal do setor energético faz parte do esforço de inserção internacional da Rússia....... Não se trata somente da dominância da propriedade privada.. amplamente apoiadas no financiamento externo.. Na opinião de analistas políticos.Lenina Pomeranz ... sujeitas ainda a melhoramentos para o seu eficiente desempenho. além de outras obras da literatura russa..... na Geórgia e no Quirguistão.. não obstante os tristes episódios de afundamento do submarino Kursk.. a atuação soberana no cenário político internacional. mas do papel que pode desempenhar no suprimento energético.. Em segundo lugar.... envolvendo um funcionário da embaixada da Grã Bretanha em Moscou. que variam em torno e acima dos 70%.... relaciona-se com o papel que elas desempenharam nas mudanças de governo na Ucrânia. não se pode desconsiderar que o autoritarismo que marca a gestão política de Putin serve à consolidação da ordem capitalista. a não menos importante das quais é o apoio de que goza o presidente Putin no desempenho de seu cargo...... tanto no plano econômico.. desta vez num assalto perpetrado por terroristas tchetchenos a uma escola em Beslan. expresso nos índices de aprovação de sua gestão nas pesquisas de opinião pública.. frente ao que considera incursões pouco n. Doutor Jivago.. proprietário da Yukos.. 46 .. 2005... além.../dez.... Finalmente. por várias razões... da marcante melhoria do padrão de vida da população. evidencia a nãodisposição do governo russo de correr riscos.. 7 – out. de certa forma....... A celeuma em torno da regulamentação do financiamento externo das ONGs russas e do funcionamento das ONGs no país..... no quadro da instabilidade política que marca os demais países produtores de petróleo.... o quadro de mobilização popular feita pelas ONGs na Ucrânia.. É este papel que lhe permite....... quanto no plano geopolítico.... derivaria do restabelecimento da “ordem” e do orgulho nacional....... desta vez não através da ameaça nuclear. tão ferido com a humilhação do desmoronamento da URSS... ela deve ser considerada. naturalmente... de Pasternak. dificilmente poderia repetir-se.. pelo ministro do Desenvolvimento e do Comércio e pelo Ministro das Finanças. O aumento da participação do Estado no setor energético contrariaria estes cânones.... durante as operações de seu resgate e da morte de crianças durante outra operação de resgate.... mas do conjunto de instituições criadas para o funcionamento do sistema de economia de mercado......

em alto e bom tom que......... surgidos com o apoio da Rússia como membro do grupo quadripartite do qual fez parte.. Khodorkovski encontra-se atualmente cumprindo pena de nove anos de prisão. após a concretização da joint venture pela qual ele transferiria 50% de suas ações para a Texaco e a Exxon.... como monopólio da produção e exportação de gás natural./dez...... membro do Partido Comunista.. amigas dos Estados Unidos e da União Européia... e de certa forma ainda continua sendo... ou seja..Questões em discussão sobre a Rússia de Putin ............ que resultaram na chamada Revolução Laranja.. a Ucrânia acumulou entre 1994 e final dos anos 1990. portanto depois das eleições presidenciais na Ucrânia..... E durante as eleições para o Legislativo russo... aduziram à celeuma.. entre os quais se encontrava um de seus diretores. Estas circunstâncias explicam.. por que a escolhida para a operação de controle do setor energético fosse a Yukos e não outra das várias empresas produtoras de petróleo.. E a maneira como a liquidação da Yukos se fez......5 bilhão de US$ por gás subtraído do volume transitado para a Europa Ocidental e consumido no país. uma delas. com enorme subsídio (50 dólares por mil metros cúbicos versus 230 dólares pagos pela mesma unidade de gás nos países da Europa Ocidental) e os serviços de trânsito de gás através da Ucrânia eram pagos na forma de barter... Além disso. ele pretendia. aliás... que já duravam meses...... indicando a expansão de suas atividades para o setor petrolífero.... Tudo isso encobriu a questão estratégica....... 47 ..... em região remota da Sibéria.. por meio da Organização do Tratado do AtlânticoNorte (OTAN) ou diretamente.... a tese de que se tratou de uma manobra para assegurar aos siloviki (assim chamados os antigos colegas dos serviços de segurança. além da formação de pessoal e de obras de natureza social por ele desenvolvidas nas áreas de atuação das diversas plantas da empresa.. para o governo)......... a parcela da propriedade estatal que não obtiveram durante o processo de privatização da propriedade realizado pela gestão Yeltsin. após o 11 de setembro dos Estados Unidos. no sentido de eliminar um eventual concorrente nas eleições presidenciais de 2008.... financiou candidatos de oposição de todos os partidos. para suprimento do gás à Europa Ocidental. 7 – out. dedicar-se à política.... e com as operações de compra de ações da Sibneft...... Em março de 2005..... empresas estatais a cuja testa encontram-se pessoas do governo e da confiança pessoal do presidente Putin..... a despeito de uma primeira fase de cooperação irrestrita no combate internacional contra o terrorismo.... trazidos pelo Presidente Putin....... objeto de grande celeuma. uma dívida de 1... associada à British Petroleum. em áreas consideradas de sua influência política... como ficou conhecido... Khodorkovsky anunciou. por crime de sonegação fiscal. que foi ficando mais nítida à medida que se efetuava o fortalecimento da Gazprom. através de formas não monetárias de pagamento.. 2005... Com efeito.. E é nesse plano que se colocam a proposta de tratamento do urânio em joint venture com o Irã – em território russo e respeitadas as regras de controle internacional da tecnologia nuclear – e o convite aos governantes eleitos do Hammas para visita à Rússia e estabelecimento de colaboração bi-lateral – assegurados o direito de Israel à existência como Estado e o respeito aos acordos de paz assinados pela Autoridade Palestina. Tornou-se também mais clara com a ruptura das negociações.. no tocante n. Ao mesmo tempo. especialmente porque no processo de sua apropriação viu-se mais uma atuação política de Putin...... em torno do preço do gás fornecido à Ucrânia e da tarifa a ser paga pela Rússia pela utilização dos gasodutos situados na Ucrânia.... O caso Yukos. mediante a utilização da Rosneft e da Gasprom.. que propriamente o desejo do Estado de acertar contas com um grande fraudador fiscal............ foi....... talvez. A Rússia fornecia o gás à Ucrânia.. num encontro entre os presidentes dos dois países ficou acordado que as relações entre eles..

Ou seja.... A tarifa de trânsito do gás russo à Europa Ocidental nos gasodutos situados em território ucraniano passaram de US$ 1.60 por mil metros cúbicos por 100 quilômetros de gasoduto. Gazprombank e Raiffeisenbank........ 48 .. o impasse provocado pelo que ele chama de "complexo de não vulnerabilidade [da Ucrânia] encorajado pelos americanos" demonstrou a habilidade de tornar perigoso o bem estar econômico e pessoal da Europa..... o suprimento de gás natural à Ucrânia será feito através do consórcio Rosukrenergo.. mas se trata aparentemente de um esforço de modernização de dois setores considerados importantes para a diversificação econômica do país. n... Dado o sentido neo. ao mesmo tempo em que considera indivisível o significado econômico e político da questão energética...... 1. as partes russa e ucraniana chegaram a bom termo4 e a retórica do governo russo. (Johnson´S Russia List. 05-01-2006)..... passariam a realizar-se de forma transparente. refuta as críticas à utilização política dos recursos energéticos do país. é que se programou a construção do gasoduto norte-europeu.. Segundo ainda o Ministro Victor Khristenko. O preço do gás para a Ucrânia foi estabelecido em 95 dólares por 1000 metros cúbicos. pretendendo enviá-la para apreciação do Parlamento no próximo mês de março.... ocorridas no final de 2005... como se disse acima. O que levaria os europeus a levar em consideração os interesses russos na Ucrânia................... estas tentativas poderiam indicar o parecer dos partidários da necessidade de intervenção estatal para contornar os riscos da “doença holandesa” e criar estímulos para o crescimento diversificado da economia russa... ao gás natural....... Naftogaz Ukrainy....liberal da condução da política econômica e as divergências que grassam no governo a seu propósito. numa posição... dado o seu papel como grande produtor e consumidor de energia. o Ministério de Energia está elaborando uma lei que estabelece as condições de participação do capital estrangeiro nos setores estratégicos da economia russa. pari passu ao fortalecimento do controle estatal. e com isso a dar à Rússia a possibilidade de exercer um tipo de política que lhe pode dar uma chance de luta para recuperar o que perdeu em estatura geopolítica nos últimos 15 anos. como a do setor automobilístico e do setor de aeronáutica......... em trabalho divulgado através da Internet. com isto interrompendo também o suprimento do mesmo à Europa Ocidental.Lenina Pomeranz ... tornado possível por um outro acordo firmado pela Gazprom com os supridores de gás da Ásia Central à Rússia. em pleno inverno...... o foco do summit do G...... tema que constitui.. na expressão do seu Ministro de Energia. 7 – out... com a realização de fusões e mergers em que se incluem empresas de capital estrangeiro. Só um _______________ 4 Nos termos do acordo assinado em 4 de janeiro de 2006./dez... 36-2006). Segundo ele5. 5 Entrevista concedida a Russia Profile....8 e com a qual a Rússia pensa poder contribuir efetivamente. de certa forma antagônica à americana..... na fronteira russo-ucraniana – ainda inferior aos 230 dólares pagos pelos países europeus ocidentais –.......... Na questão da estatização da economia... presidido pelo ex-chanceler da Alemanha Gerhard Schroeder. através de um consórcio russo-alemão...... No impasse criado nas negociações sobre este preço...... (BOFIT Weekly. formado pela Gazprom russa. Na implementação dessa política também não está descartada a participação do capital estrangeiro.... Na avaliação de um analista político Peter Zeihan. Para garantir a segurança de seu suprimento de gás à Europa....... a Rússia chegou a interromper o suprimento de gás natural para a Ucrânia... No começo de janeiro. em 06 de fevereiro deste ano. são apontadas ainda outras tentativas do governo Putin nesta direção.. 2005......... a política energética da Rússia é conduzida tendo em vista o objetivo de “segurança energética global”.. n. As notícias são ainda vagas. e eliminar a dependência de uma única rota de trânsito.. seriam liquidadas as operações de barter e os preços do gás passariam a ser ditados pelo mercado. um banco austríaco....09 para Us$ 1... no qual a Gazprom tem participação acionária.... na base do mercado... n...

..... The sale of the century..... 2005............. sabendo-se que deverão ser realizadas em 2008 as eleições para a presidência do país e que Putin.... da USP........Questões em discussão sobre a Rússia de Putin ... 28.... Chrystia.... Em síntese....... está impedido................ New York: Crown Publishers. n....... _______________ 6 Para este tema específico. Elas não estão desligadas. Mas este é um tema específico. boletim do GACINT – Grupo de Análise da Conjuntura Internacional.... são essas as questões mais discutidas sobre a Rússia de Putin....... de obter um terceiro mandato..... 2000. dez... acompanhamento e uma análise mais acurada das intenções e ações nesta direção permitirão avaliar se é disso que efetivamente se trata......... 7 – out. 2005/abril 2006...6 REFERÊNCIA BIBLIOGRÁFICA FREELAND....... da questão eleitoral........ n.. ver Panorama da Conjuntura Internacional............... pela Constituição russa..... naturalmente.........../dez........ tendo já exercido dois mandatos........ que foge aos limites do presente artigo... 49 ...

*.6% do PIB.5% do PIB (ainda não foram divulgados os números de dezembro). ao confundir competências das autoridades nacionais e supranacionais. abaixo de 7. pois o euro não é apenas a moeda nacional espanhola. mas uma moeda “plurinacional”. Em 2005. pois é necessário ter presente um ingrediente adicional na nossa equação: a Espanha é membro da zona euro. A Espanha tem apresentado.* A experiência histórica e os livros-texto de economia ensinam que é muito difícil para qualquer economia nacional (com a exceção. em 2005. talvez. O que deverá ocorrer com a macroeconomia espanhola no médio prazo? *. o processo de integração européia. O país deveria corrigir rapidamente o rumo de suas contas externas. A instituição da união monetária européia (UME) e a conseqüente criação do euro levaram esses desafios ao paroxismo.*. A desvalorização da taxa de câmbio. O volume crescente de endividamento externo./dez. isto é.8 bilhões de euros. sob pena de assistir a uma corrida contra a sua moeda nacional. conduziria. não terá sido. corolário do excesso de absorção da economia doméstica em relação ao produto interno.DESEQUILÍBRIOS EXTERNOS DA ECONOMIA ESPANHOLA José Gilberto Scandiucci Filho 1 graves na conta corrente do balanço de pagamentos. Não há qualquer sentido em imaginar uma “crise cambial” na economia espanhola. por sua vez. a dificuldades na captação de recursos internacionais a baixo custo. . cedo ou tarde. O valor do euro responde aos fundamentos e às especulações referentes ao conjunto dos doze países que o adotam e o PIB espanhol não alcança 12% do PIB da zona euro. Então a Espanha está à beira de uma crise de balanço de pagamentos? A resposta a essa questão não pode ser imediata. o déficit comercial espanhol atingiu 77. Economia Política Internacional: Análise Estratégica n. integra uma área monetária mais ampla. professor do Instituto Rio Branco e diplomata da Embaixada do Brasil na Espanha. é o instrumento clássico de correção dos desequilíbrios. nos últimos anos. sobretudo no que se refere à possibilidade de manutenção de desequilíbrios “externos” em países que se encontram dentro das fronteiras da UME. 2005. dos Estados Unidos. o que corresponde a cerca de 8. volumes crescentes de déficit comercial e de transações correntes.*. As opiniões expressas neste texto são de total responsabilidade do autor e não refletem necessariamente as posições de política externa do Ministério das Relações Exteriores ou de qualquer outro órgão do Governo brasileiro. O déficit das transações correntes do balanço de pagamentos. trouxe interessantes desafios de política econômica. 7 – out. seja o fruto ex post da corrida dos mercados internacionais. Coube à Espanha o papel de primeiro experimento de déficits graves de transações correntes em uma economia monetária completamente integrada às de seus parceiros. seja estimulada ex ante pelas autoridades monetárias. Desde o início. que emitem a moeda internacional por excelência) conviver por muito tempo com desequilíbrios _______________ 1 Doutor em Economia pelo Instituto de Economia (IE) da Universidade Estadual de Campinas (Unicamp).

3% em 2004. desempenho que.2%.. A preocupação com o equilíbrio orçamentário era uma das bandeiras do governo conservador de José María Aznar. A economia vem há anos crescendo a taxas acima de 2.... por outro lado......1% na zona euro...7% para 38. vem caindo sistematicamente (com exceção dos anos 2001-2003) e atingiu 8.. o conjunto dos 15 países anterior à acessão.. estatística jamais atingida por Aznar... atingindo o valor de cerca de 900 bilhões de euros.. mas é interessante notar que a chegada ao poder dos socialistas não acarretou a deterioração das contas públicas.3% do PIB e estabilizando-se nesse patamar.*. em 2004. mas também uma resposta indesejável a desequilíbrios internos da economia espanhola.. É verdade....... Zapatero pôde anunciar um resultado positivo de 1% do setor público consolidado em 2005.... o que tem acarretado a convergência do padrão de vida espanhol à média do continente.. É verdade que o valor relativamente baixo da taxa agregada de desemprego encobre algumas deficiências do mercado de trabalho espanhol... tais como a desigualdade de gênero (entre as mulheres o desemprego é de 11... que os socialistas lograram o bom resultado graças às maiores receitas e não ao corte de despesas.*.........*... o PIB espanhol cresceu provavelmente 3. 51 . observaram-se a manutenção do ritmo de crescimento da economia espanhola e a redução das taxas de desemprego. Em linhas gerais./dez...... As despesas do setor público reduziram-se significativamente entre 1996 e 2001. A Espanha encontra-se atualmente entre as oito maiores economias do mundo e algumas organizações empresariais já manifestaram a legitimidade do país para ingressar no G-8.. Superando todas as expectativas...* Mas nem todos os dados de 2005 revelam-se favoráveis ao Governo Zapatero. 2005. as receitas.. O crescimento econômico tem contribuído para o aquecimento do mercado de trabalho. Em 2005...... por outro lado... muitos analistas temem que a inflação não seja fruto apenas da convergência naturalmente originada pela unificação monetária..3% da média da UE-15 (isto é........... passando de 43........... pelo contrário.... acelera-se no final de sua trajetória....4% do PIB nos dois anos). Se em 1995 o PIB per capita do país equivalia a 78.. Em 2005.. *.5%. dos 10 países do leste europeu)... sempre se mantiveram na casa dos 38%. outrora a maior preocupação macroeconômica da Espanha (22.. O bom desempenho da economia espanhola não tem sido liderado pelos gastos governamentais.... contra 38....... embora modesto para os padrões asiáticos ou mesmo norteamericano.1% em 1996)... Os preços na Espanha aproximam-se rapidamente dos preços médios da zona euro.. A taxa de desemprego aberto. Frente a essa anomalia. porém... há vários anos o cenário é de ajustamento das contas públicas.....Desequilíbrios externos da economia espanhola .. n...5% para os homens) e a utilização generalizada da figura do “trabalho temporário” como modo de contornar os custos trabalhistas... supera com folga as estatísticas da União Européia.... hoje já supera os 90%.... o esforço de arrecadação do Governo Zapatero permitiu arrecadação recorde de 39... contra 6............4% no terceiro trimestre de 2005........ as despesas....... mas é curioso que a convergência não se manifeste de forma gradual: ao contrário.4% do PIB.7% contra 2. A inflação continua a superar a média européia e em 2005 o diferencial ampliou-se: inflação de 3... A recente divulgação dos principais dados estatísticos referentes ao ano de 2005 permite uma primeira avaliação do recente desempenho da economia espanhola no ano passado.. 7 – out.... mantiveram-se constantes (38..5% (dado provisório do Banco de Espanha).

. Um dos desequilíbrios mais evidentes pode ser constatado a partir da decomposição setorial do PIB.... não deveria a Espanha tentar arriscar estratégia de especialização nos setores de serviços. simultaneamente... não corresponde à realidade espanhola... contudo.. de forma que a renda gerada no estrangeiro pela exportação de mercadorias do resto da UE para a Espanha retornasse na forma de gastos em serviços. No terceiro trimestre de 2005.... é necessário recordar que a UE não constitui um mercado comum perfeito..... importadora de bens industriais – da mesma forma que..... o que pode explicar a queda nas taxas de desemprego aberto......... por exemplo..... justamente porque os setores de serviços não estão completamente integrados... As transferências ao exterior aumentam... situação que não será significativamente alterada com a recente aprovação da polêmica Diretriz Bolkestein (16/02/2006)................ Por outro lado. à Espanha poderia caber o papel de fornecedora de serviços e..... distribuição de energia. A indústria de transformação e as atividades agropecuárias revelaram desempenho medíocre sistematicamente em todos os anos.. a conta de transferências será provavelmente deficitária (em 1 bilhão de euros).......... algumas cidades cumprem a função de pólo de serviços........... o setor de serviços cresceu 4.... O cenário acima. O saldo da conta de turismo internacional.... visto que se trata de atividade com alto perfil empregador.... impedir o endividamento externo crescente.. está assentado sobre o setor de serviços. encolhendo suas atividades.. 52 .......... Em outras palavras. Antes de mais nada. portanto...... A indústria raramente obtém taxas anuais de crescimento acima de 1% e a agricultura vem observando crescimento negativo.. sem qualquer atividade manufatureira significativa.. mas o crescimento da renda per capita e a valorização do euro têm incentivado igualmente as viagens de espanhóis ao exterior... dentro de um país. 2005.. Nessas circunstâncias. tantas foram as emendas restritivas ao seu conteúdo e alcance. quando comparado a igual período do ano anterior... Como membro de um mercado comum tão sólido e desenvolvido como a União Européia.. O ciclo de crescimento da economia espanhola.. quando os espanhóis no exterior eram muito mais numerosos do que os imigrantes na Espanha. O requisito necessário desse cenário hipotético seria o consumo recorrente de serviços por parte dos nãoresidentes.0% e a construção civil 6.José Gilberto Scandiucci Filho .. mesmo com os subsídios da Política Agrícola Comum.. 7 – out.9%..... mas estabilizou-se na casa dos 22 bilhões de euros desde 2001....... a indústria cresceu 1.... a especialização de um país em serviços comercializáveis (“tradables”) poderia garantir o equilíbrio das transações correntes e.... n. a conta de serviços é tradicionalmente superavitária no balanço de pagamentos espanhol. que já financiou mais de 100% do déficit comercial........ seria possível imaginar um cenário no qual a economia espanhola se concentrasse nos setores de serviços... serviços profissionais) contam com limites rígidos de circulação entre os membros da UE. não aumenta há anos e atualmente cobre apenas 35% do desequilíbrio do balanço comercial. É verdade que os ingressos na conta de turismo não cessaram de aumentar. que se verifica há sete ou oito anos....2%. contrariando os resultados positivos históricos. Vários setores (serviços financeiros..0% e o setor de agricultura e pesca 0.. dentro de um mercado comum. em função das remessas de imigrantes aos seus países de origem: em 2005..... Em princípio./dez.... Além disso – ou talvez por causa disso –.. sem que essa característica implicasse maior fragilidade de suas contas externas.. É notável o papel desempenhado pela construção civil no crescimento do PIB espanhol..

. Os resultados são mostrados na Tabela 1..... Ocorrerá..... e não das condições financeiras de um país-membro em particular..04 2.. O fraco resultado da indústria.. o diferencial com a UE vem crescendo. o que contribuiria para a modernização do parque produtivo.. observam-se déficits crescentes do balanço de transações correntes..13 0.. a oferta de financiamento externo é infinitamente elástica.......14 0...4 bilhões de euros (5... No final das contas...5% do PIB). que em 2004 foi de 44.. pela redução drástica dos fluxos externos....* A união monetária européia garante à Espanha o financiamento automático dos déficits em transações correntes... tal como seria previsível numa economia com moeda própria...84 0......35 3.34 0................... bem como as dificuldades em enfrentar o desafio tecnológico mundial...76 2.... 2... Frente a esse quadro....92 1..10 53 . já citado acima. assim. isso sim.*.... média anual (%) Produção por ocupado Total 1981-1995 1996-2002 Indústria 1981-1995 1996-2002 Serviços 1981-1995 1996-2002 FONTE: Banco de Espanha. cujos saldos negativos são crescentemente alarmantes... em que oferece uma estimativa da evolução da produtividade da economia nacional.. 2005.. Nesse cenário hipotético..........*.... Em outras palavras. em particular a sensibilidade de ambas às eventuais variações das taxas de juros... 7 – out.. Vejamos.3% do PIB) e em 2005 deverá superar a casa dos 70 bilhões de euros (7. à pergunta inicial: será sustentável essa situação de endividamento externo crescente? *.44 1...*. pelas decisões autônomas dos agentes domésticos e para tanto é necessário avaliar: (i) a evolução da produtividade da economia espanhola.. Volta-se.. A liquidez na região depende das taxas básicas fixadas pelo Banco Central Europeu. A estrutura das importações poderia..0........ o dinamismo concentrado apenas no setor de serviços e os persistentes déficits comerciais são duas faces da mesma moeda... TABELA 1.... portanto....... A reversão do quadro de endividamento crescente espanhol não será ocasionada.. ao invés de diminuir..04 Produtividade total dos fatores 0.46 .16 0.......12 1..12 Produção por hora trabalhada 3........ Mas esta não é a realidade espanhola.. As taxas de juros praticadas nos mercados financeiros são praticamente idênticas em toda a zona euro.. Taxa de crescimento de indicadores de produtividade.61 0...07 1. o déficit exterior poderia ser definido como a contrapartida dos investimentos externos na economia doméstica. e (ii) a estrutura de suas dívidas e de suas correspondentes carteiras de ativos.. revelar uma alta participação de máquinas e equipamentos de alta tecnologia. Déficits prolongados em conta corrente não significam necessariamente que a economia nacional é pouco competitiva... portanto....... O Banco de Espanha publicou interessante estudo recentemente. A baixa produtividade da indústria espanhola reflete-se claramente nos resultados da balança comercial... por exemplo.. n.Desequilíbrios externos da economia espanhola ... revela a baixa competividade da economia... A produtividade da economia espanhola cresce abaixo na média européia e..89 0./dez.

. o restante do setor privado aumentou sua dívida externa de 106 para 244 bilhões.... na casa dos 8-10%. certamente tem por contrapartida o endividamento líquido dos nacionais espanhóis em relação ao sistema financeiro.. Observou-se um verdadeiro “boom” do mercado imobiliário............ 54 .. ou seus credores domésticos. Como pode ser notado... por sua vez. Os espanhóis aproveitaram a conjuntura favorável para aumentar rapidamente os seus gastos.... a taxa média de crescimento da produtividade da economia espanhola é muito baixa.....José Gilberto Scandiucci Filho .... Entre o final de 2002 e o terceiro trimestre de 2005.... o estoque de dívida externa das instituições financeiras espanholas passou de 308 bilhões de euros para 515 bilhões. visto que os mercados internacionais não depositavam sobre a peseta o mesmo grau de confiança atribuído ao marco alemão ou ao franco francês.. no momento de entrada na união monetária...... São números que mostram um crescimento entre 80% a 120% em três anos. cujos preços aumentaram até 35% ao ano....... pode ser encontrada nos escritos de John Maynard Keynes da primeira metade dos anos 20 sobre o problema das reparações alemãs.. tudo indica que o endividamento externo da economia espanhola. razão pela qual nunca foi necessário ao Banco Central Europeu aplicar taxas básicas de juros acima de 4..... em que a produtividade da indústria é bastante baixa para os padrões europeus..... passarão a se preocupar com o estoque de suas dívidas em relação à sua capacidade de pagamento.. reduzir seus gastos sem a diminuição simultânea de sua renda. o resultado foi um longo período de taxas reais bastante baixas e mesmo negativas..... 7 – out........... Não parece possível orientar imediatamente a poupança agregada para a produção e exportação de bens comercializáveis.... A Espanha estava habituada a taxas de juros relativamente elevadas.. o financiamento aos domicílios espanhóis passou de 377 bilhões (dos quais 254 bilhões para habitação) para 640 bilhões de euros (465 bilhões para habitação). o que contribuiu para a redução sistemática do estoque da dívida pública no mercado.. 2005.. por sua vez. que impede o desvio automático da diminuição do gasto para o setor externo. de poupar com a finalidade de amortizar os empréstimos passados..... o qual.. Em algum momento...... Mas por quanto tempo persistirá o déficit? É preciso recordar que déficits de transações correntes significam aumento do endividamento externo... A rigidez da economia real impede a transformação automática da estrutura produtiva e isso é ainda mais verdadeiro no caso espanhol.. então. a depender do perfil importado. No plano interno.. já nasceu como uma moeda internacional de elevado prestígio... n.. isto é... Nessas circunstâncias.... Assim.. O processo de endividamento do setor privado espanhol certamente respondeu à brusca redução das taxas de juros..... na prática. O problema é que nenhuma economia logra.. portanto. Mas é certo que esse quadro não deverá persistir por muito tempo. Viu-se que o setor público tem apresentado resultados superavitários em suas contas. a população necessariamente está se endividando... Para a Espanha. sobretudo no financiamento habitacional. no ano de 1999. Haverá.. na média. dependendo da região... cujas taxas de inflação não convergiram imediatamente à média européia......... sobretudo nos últimos anos.... O país absorve mais do que produz e...... O euro.....75% ao ano... os cidadãos espanhóis.............../dez. é o setor privado espanhol que vem acumulando estoques crescentes de compromissos financeiros... uma tentativa de saldar as dívidas..... continuará a crescer.2 _______________ 2 Uma discussão interessante sobre a “rigidez” da economia real...

......... uma espiral deflacionária de preços e salários... nota-se que a estrutura de passivos e ativos dos agentes domésticos é amplamente desfavorável a eventuais subidas das taxas de juros... em suas duas pontas.. 7 – out.. a maior parte dos ativos espanhóis..... As dívidas são sempre indexadas às variações das taxas de juros. 55 .. Nesse caso.... portanto......... cujos preços tradicionalmente evoluem inversamente aos movimentos dos juros................. Em síntese... acompanhado de desvalorização cambial......... A correção deverá brotar do comportamento autônomo de gasto e de endividamento dos agentes domésticos........ para compreender os verdadeiros efeitos de desequilíbrios externos no seio de uma união monetária../dez........ é representada por imóveis... o que significa que seu volume responderia positivamente a pressões contracionistas do Banco Central Europeu....... como membro da zona euro....... Os estudos sobre o antigo padrão-ouro devem se retomados..... 2005... Por outro lado.............. contrapartida do endividamento crescente. A reversão do comportamento do setor privado poderá trazer..Desequilíbrios externos da economia espanhola . coloca toda a carga do ajustamento sobre os preços e salários... n.. Para agravar essa situação. o eventual aumento da taxa básica de juros fragilizaria a estrutura de ativos/passivos do cidadão espanhol.. verifica-se que o desaparecimento dos instrumentos de política cambial... a correção do desequilíbrio externo da Espanha não deverá ocorrer pelo mecanismo clássico de corte das linhas externas de financiamento..... Analisando por outro ângulo............ até o momento em que a maior competividade das mercadorias domésticas permita o aumento do volume exportado e o início do processo de retomada do produto sem aumentar o endividamento líquido dos agentes..... corolário da união monetária............ com custos sociais muito maiores..... o argumento aqui é o de que......

que é baseado em apenas uma métrica de risco. O Acordo atual foi eficaz em reverter a tendência de declínio dos índices de capital verificada antes de sua implementação (Karacadag. Ele é mais flexível e mais sensível ao risco que o Acordo atual. Inglaterra. e Superintendente Nacional de Administração de Risco Corporativo da Caixa Econômica Federal. 2005.O NOVO ACORDO DE BASILÉIA E SEUS IMPACTOS NO PAPEL QUE AS INSTITUIÇÕES FINANCEIRAS DESEMPENHAM NOS CICLOS ECONÔMICOS Paulo Henrique Costa 1 INTRODUÇÃO negócio bancário. 2002). Economia Política Internacional: Análise Estratégica n. O Novo Acordo de Capitais de Basiléia (Novo Acordo) propõe uma estrutura mais sensível ao risco para substituir o Acordo vigente. mas mantém o mesmo nível de capital regulatório. além de requerer que os órgãos supervisores entendam completamente e revisem criticamente as práticas adotadas pelas instituições financeiras (Large. outros buscam apenas atingir o nível mínimo de capital regulatório e não investem no desenvolvimento de metodologias acuradas de administração de riscos. ele não é mais eficiente para avaliar a adequação do nível de capital das instituições financeiras (Barritsch. supervisão bancária e disciplina de mercado. A pós a implementação bem-sucedida do Acordo de Capitais da Basiléia de 1988 (Acordo). 2000. 2003). visando a refletir as principais transformações observadas recentemente no _______________ 1 Mestre em finanças pela Universidade de Birmingham./dez. Esse fato acrescentou um novo componente de instabilidade ao sistema financeiro. Brasília. . Isso se deve a novos e mais complexos instrumentos financeiros. nas práticas de administração de riscos. 7 – out. requerendo que os órgãos reguladores fornecessem incentivos para o aperfeiçoamento das práticas de administração de risco (Baritsch. o Comitê de Supervisão Bancária da Basiléia (Comitê) propôs uma nova regulação. 2000). 2002). que permitem aos bancos atingirem qualquer nível de ativos ponderados pelo risco (Jones. Os novos instrumentos levaram alguns bancos a aperfeiçoar suas técnicas de administração de riscos. Flannery. Um dos objetivos do Novo Acordo é aumentar a segurança e a coerência do sistema financeiro por meio de uma estrutura baseada em três pilares: requerimento mínimo de capital. O Novo Acordo se propõe a unir as preocupações regulatórias e de supervisão bancária com as melhores práticas de mercado para estimular as instituições financeiras a aperfeiçoarem sua capacidade de gestão. como os derivativos de crédito e as operações de securitização. nos métodos de supervisão bancária e nos mercados financeiros. No entanto. o capital do banco. No entanto. DF. 2002). reforçando os pontos fortes e aumentando a estabilidade do sistema financeiro.

O excesso de liquidez pode resultar em superinvestimento e bolhas financeiras e imobiliárias (Mullineux... anunciou que não aceitará os ratings de agências.........O novo acordo de Basiléia e seus impactos no papel que as instituições financeiras desempenham nos ciclos econômicos ..... a autoridade monetária tende a evitar os efeitos negativos _______________ 2 O Banco Central do Brasil.. (III) permite aos bancos classificar seus créditos usando ratings fornecidos por agências classificadoras de risco (Comitê da Basiléia.. apresenta as razões para as preocupações sobre os impactos na nova regulação e sugere ações que as autoridades monetárias e supervisoras podem tomar para minimizar esses impactos..... (II) permite aos bancos com práticas de administração de risco mais avançadas que usem seus modelos internos. como observado na crise dos países Asiáticos em 1997. n..... estabilidade de preços e baixas taxas de juros criam otimismo que leva ao excesso na concessão de crédito........... por meio do Comunicado 12.746/04. 2005. Estabilidade de preços.... não assegura a prevenção de bolhas. Então.. regulação e supervisão do sistema financeiro e política monetária ineficientes geram alocação de capital ineficiente.. o que estimula a criação de excessos de liquidez durante o crescimento dos ciclos econômicos.. ações e imóveis (Mullineux..... 2002)...... que resultam em bolhas....... 2002).. 2002).. No entanto.. 2003).... 7 – out.... especialmente Schumpeter e Shackle........... os benefícios de um sistema financeiro mais seguro e mais eficiente serão muito maiores....... reduzindo a ênfase quantitativa e fornecendo uma estrutura mais equilibrada.. em investimentos e na assunção de riscos. aumento nos preços dos ativos e elevados níveis de investimentos geralmente levam a conseqüências negativas para os mercados financeiros e a economia real (White. 57 ..... existe uma preocupação generalizada de que a nova regulação proposta possa levar a um comportamento das instituições financeiras que amplie as mudanças nos ciclos econômicos. Na verdade........... Este artigo descreve o papel que os bancos possuem nos ciclos econômicos. Taxas de juros têm um papel contra-cíclico ao evitar a criação de bolhas e devem ser elevadas ao primeiro sinal de uma bolha. para evitar superinvestimento em fábricas... 1 BANCOS E CICLOS ECONÔMICOS A relação entre os bancos e a economia real não é clara (White....... No entanto... O processo de destruição criativa de Schumpeter explica o papel preponderante que os bancos desempenham na geração dos ciclos econômicos por meio do financiamento da inovação e da destruição na redução do crédito em crises.... contudo. O Comitê trabalhou conjuntamente com supervisores e instituições financeiras para reduzir custos e ajustar as exigências do Novo Acordo à realidade do mercado financeiro..... A política monetária deve ser conduzida de forma adequada.2 O Novo Acordo envolverá custos significativos para os bancos e órgão supervisores (Large..... a combinação de rápido crescimento de crédito................. Embora o fato de que o valor justo dos ativos financeiros não seja conhecido reduz a possibilidade de intervenções na política monetária.../dez..... 2002).. parte da influência das instituições financeiras nos ciclos econômicos foi descrita pela “Escola Austríaca”.. No entanto. O Novo Acordo apresenta basicamente três inovações: (I) acrescenta ao padrão quantitativo atual dois novos pilares qualitativos.. equipamentos... Por outro lado....... 2001)...

..Paulo Henrique Costa .......... reduzindo o significado e a utilidade do último.. 2003). o mau funcionamento do sistema financeiro tende a produzir conseqüências negativas mais fortes para a economia real.. Pilar I: Requerimento mínimo de capital O primeiro pilar determina requerimentos mínimos de capital que serão ampliados para todo o conglomerado financeiro............ Finalmente... derivativos de crédito e à securitização...... e a amplitude das mudanças no ciclo econômico. como a crise mexicana (1994/1995) e a crise dos países do Sudeste Asiático (1997/1998). que operam instrumentos complexos e mensuram risco diferentemente do capital regulatório. uma vez que os bancos estão mais interessados em emprestar durante a fase crescente do ciclo econômico e menos durante a queda no ciclo econômico.. maior é o impacto no ciclo econômico (Mullineux. Os motivos para a preocupação envolvendo a adequação de capital baseada em risco é que ela tende a ampliar os ciclos econômicos..... 2002)... uma vez que (I) os bancos terão a opção de usar seus modelos internos.. reconhecem a existência de ciclos de crédito relacionados aos ciclos econômicos e à política monetária..... Portanto..... 2002)./dez. do aumento nas taxas de juros na confiança e na riqueza (Greenspan... (II) o risco operacional será incluído pela primeira vez. O Novo Acordo é baseado em três pilares que se reforçam mutuamente e que..... (III) o Novo Acordo dá atenção especial ao tratamento de colaterais..... garantias........ como Mullineux (2002)............. vão aumentar a eficiência do sistema financeiro.... quanto mais tempo leva para agir..... 2003).. 2005. No entanto....... fazendo com que os bancos amplifiquem a amplitude das mudanças nos ciclos econômicos. Os mercados financeiros são mais interdependentes e sujeitos a crises financeiras.. a diminuição do crédito aumenta a amplitude da queda no ciclo econômico......... Porém........... O desejo dos bancos de emprestar é um fator-chave para os ciclos econômicos.. desde que revisados e aprovados pelo órgão supervisor.. Esse _______________ 3 No Brasil.. à liberalização e às melhorias nas comunicações e na tecnologia da informação (Mullineux... 2 MOTIVOS PARA PREOCUPAÇÃO – O NOVO ACORDO DE CAPITAIS E SEUS PILARES O Novo Acordo foi proposto porque o Acordo atual é ineficiente para os grandes bancos internacionais.. O Novo Acordo não modifica a definição de capital e o requerimento mínimo de capital de 8%3 dos ativos ponderados pelo risco.. Crockett........... 2002... acredita-se.. Alguns autores... A harmonização da política monetária. a capacidade dos bancos influenciarem o ciclo econômico é limitada pela regulação prudencial e pela política monetária. existem melhorias significativas na administração do risco.... 58 .. Enquanto o excesso de crédito gera superinvestimento. n. o requerimento mínimo de capital é de 11% dos ativos ponderados pelo risco......... ataques especulativos e contágio.. O impacto atual dos bancos nos ciclos econômicos é maior que no passado devido à globalização........ 7 – out. da regulação prudencial e da supervisão reduz o impacto do comportamento expansionista e contracionista dos bancos nos ciclos econômicos (Mullineux.

..... No entanto.. os órgãos supervisores revisarão melhor o perfil de risco e a estratégia de negócios de cada banco (Large 2003).......... Conseqüentemente........................ Os supervisores serão capazes de fornecer assistência e avaliar os procedimentos dos bancos com base no seu conhecimento sobre as práticas de mercado. Portanto.. baseado em uma completa avaliação dos seus riscos.. como alguns países em desenvolvimento e pequenas e médias empresas.......... o conhecimento imediato de riscos potenciais evitam futuros problemas e refletem o nível de risco do portfólio de crédito.. A avaliação do capital de cada banco deve envolver a situação atual e a evolução durante o ciclo de crédito. mais agudos serão os efeitos no excesso e na redução do crédito (Mullineux.... possíveis necessidades de capital para amortecer n.. a adequação de capital baseada em risco....... Isso impacta o ciclo da economia mundial e de economias individuais que dependem dessas empresas....... Por outro lado.. Em linha com os incentivos fornecidos para a melhoria das práticas de administração de riscos.. a reavaliação periódica dos ratings para determinar o nível de capital proposta pelo Novo Acordo aumenta essas tendências.... A idéia é que bancos bem administrados devem desenvolver seus processos internos para mensurar adequadamente a sua necessidade de capital........... Esse pilar não deveria trazer preocupações com impactos nos ciclos econômicos. 7 – out. Certamente... 59 ...... incluindo testes de estresse... Ademais. O Novo Acordo é menos prescritivo e assume que as regras não têm como incluir todos os procedimentos e informações sobre risco. a análise individual permitirá aos supervisores identificar fontes adicionais de risco... como a da Alemanha. A segunda fonte de preocupação é que políticas mais rigorosas de aprovisionamento para créditos de liquidação duvidosa tendem a aumentar as mudanças nos ciclos econômicos e de crédito....O novo acordo de Basiléia e seus impactos no papel que as instituições financeiras desempenham nos ciclos econômicos . esses princípios exageram as mudanças sobre os empréstimos bancários e têm efeitos procíclicos que podem causar danos ao sistema financeiro e à economia real. O Novo Acordo objetiva melhorar a precificação dos riscos...... excesso de concessão de crédito... quanto mais proativas forem as medidas tomadas. aumentando a amplitude dos ciclos econômicos...... Adicionalmente............. não banir os tomadores de crédito de maior risco.... excesso de endividamento e diminuir a seleção adversa – portanto... 2002). uma vez que ele requer uma relação mais próxima entre os bancos e os órgãos supervisores. comportamento reforça as tendências de excesso de crédito e restrição de crédito.. Pilar II: Supervisão bancária O processo de supervisão bancária requer que os órgãos supervisores assegurem que cada banco possui processos internos adequados para avaliar a adequação do seu capital. 2005... deve aumentar a estabilidade financeira....... porque estimulam a exclusão dos tomadores que apresentam maior nível de risco....... seguros de depósitos e precificação de empréstimos são fatores essenciais para evitar dinheiro barato..../dez..........

Considerando a possibilidade de securitização....../dez.. Ainda é possível questionar que supervisores individuais podem fornecer incentivos. não há diferença significativa em relação à primeira opção. Certamente...... Isto permitirá aos bancos estocar capital suficiente durante o boom para ser consumido durante a queda do ciclo econômico. Então... 2001).......... As seguintes sugestões podem reduzir os riscos que sua implementação pode trazer para a ampliação das mudanças nos ciclos econômicos..... Esse pilar objetiva utilizar a disciplina de mercado para estimular os bancos a adotarem práticas seguras e coerentes. observada antes da implementação do Acordo atual... No entanto.. 2003a).. a necessidade de soluções para a securitização e os derivativos de crédito é necessariamente complexa e mina a principal razão para esta alternativa: a simplicidade.....Paulo Henrique Costa ............... o capital real já está abaixo dos níveis exigidos.... Baritsch (2002) propõe três opções.... Quando bancos divulgam as metodologias e os procedimentos complexos que utilizam.... A maior compreensão do perfil de risco de cada banco permitirá aos participantes do mercado ajustar os custos e a disponibilidade de recursos e facilitar a comparação entre bancos (Ferguson... evitadas (Ferguson....... 60 ... O que não parece apropriado......... e respostas indesejadas que podem afetar a estabilidade econômicofinanceira. O Comitê deve assegurar que os órgãos supervisores estão aptos a avaliar os procedimentos internos dos bancos e fornecer orientação para os riscos específicos de cada banco........... A primeira é não fazer nada... Embora essa alternativa possa parecer atraente.. 7 – out. A terceira alternativa é implementar o Novo Acordo com os seus três pilares e considerando as preocupações do mercado e de reguladores do mundo inteiro.... Esse processo já começou e a importância do Novo Acordo se baseia no papel que a indústria tem desempenhado em sua elaboração... 2003a).. O enfoque de estoque para a exigência de capital e o aprovisionamento para créditos de liquidação duvidosa evitam respostas pontuais indesejadas e atenuam as mudanças nos ciclos n..... um dos maiores objetivos do Novo Acordo não seria atingido – a motivação para adoção de melhores práticas de administração de risco.. Pilar III: Disciplina de mercado O terceiro pilar se concentra em práticas de divulgação para melhorar a disciplina de mercado e aumentar a compreensão do mercado sobre o perfil de risco e o nível de adequação do capital dos bancos (Comitê da Basiléia................. a implementação diferenciada da regulação prejudicaria a competitividade e a disciplina de mercado.... porque a ausência de incentivos para aperfeiçoar as práticas de administração de riscos pode levar bancos a simplesmente desconsiderar os fatores externos.. 3 O QUE PODE SER FEITO PARA REDUZIR OS RISCOS DO NOVO ACORDO? Em relação à implementação do Novo Acordo... o ajuste da regulação à evolução do negócio é menos difícil..... Isto apresenta um risco para a estabilidade financeira e pode reforçar a tendência de redução de capital... A segunda alternativa envolve um acordo revisado com apenas as abordagens padronizadas..... 2005..... as perdas podem ser identificadas.................

.... No entanto.... controles.. Os aspectos macro prudenciais da estrutura de supervisão precisam ser fortalecidos para assegurar que a nova regulação será implementada corretamente e levando em consideração as implicações que os comportamentos individuais podem ter na estabilidade sistêmica.. econômicos. a implementação adequada do segundo pilar estimula um diálogo mais próximo entre bancos e reguladores e aumenta a governança..O novo acordo de Basiléia e seus impactos no papel que as instituições financeiras desempenham nos ciclos econômicos ... como derivativos de crédito e operações de securitização. incentivos adicionais fornecidos pelo Novo Acordo para a melhoria da administração e precificação dos riscos tendem a diminuir surpresas futuras e a ciclicalidade inerente... que é essencial para reduzir riscos (White.... O papel que os bancos desempenham nos ciclos econômicos não é completamente entendido./dez.......... 2005. a política monetária e a regulação prudencial são complementares e ações preventivas de taxas de juros devem ser tomadas para reduzir a amplitude das mudanças inevitáveis no ciclo econômico.. Adicionalmente.. supervisores devem assegurar que os ratings internos reflitam dinamicamente o risco do tomador de crédito durante todo o ciclo de crédito.......... O processo de destruição criativa de Schumpeter relaciona as instituições financeiras com a criação e a destruição de ciclos econômicos.......... independência do processo de concessão de rating e do processo de revisão interna... 2003). Embora adequação de capital ponderada pelo risco seja um componente cíclico.. CONCLUSÃO O sistema financeiro está mudando rapidamente e o Acordo atual não fornece uma medida efetiva de adequação de capital para bancos que usam instrumentos financeiros complexos... Para atingir esse objetivo.... existe uma preocupação generalizada de que algumas das novas normas bancárias podem estimular o comportamento dos bancos que aumentem a amplitude das mudanças nos ciclos econômicos......... No entanto...... É importante enfatizar que um pré-requisito para a implementação bem-sucedida do Novo Acordo é a homogeneidade internacional das normas para evitar oportunidades de arbitragem regulatória e assunção excessiva de riscos (Baritsch... o que requer bases de dados adequadas. A regulação e a supervisão bancárias devem atuar como um componente anti-cíclico.......... Crockett... (Crockett........ As principais preocupações sobre o impacto da nova regulação bancária são obviamente relacionados com os três pilares do Novo Acordo e incluem a adequabilidade de capital relacionada ao risco... 61 . alguns economistas o explicam parcialmente........... O Novo Acordo fornece uma estrutura mais sensível ao risco e apresenta incentivos para a melhoria das práticas de administração de riscos..... além do envolvimento da Alta Gestão..... 2002...... 2003)....... Finalmente.. 2000........... políticas mais rigorosas de provisionamento para créditos de liquidação duvidosa e princípios n.... 7 – out.. A política monetária e as normas de supervisão e regulação bancárias influenciam a amplitude dos impactos que os bancos possuem nas mudanças dos ciclos econômicos............. transparência... 2002).....

.. DC.. 2001.W. 2000. Warwick University MMF-UEM Conference. Embora essas práticas possam aumentar as mudanças nos ciclos econômicos. Cyclicality and banking regulation... Andrew.... Washington.. House of Representatives.. William.. 4th. ROGER W. 2003. 1/2.. 2002.... In: BARITSCH.. London. É importante que o Novo Acordo seja implementado homogeneamente nos mercados financeiros para evitar arbitragem regulatória e incentivos à assunção de riscos. a política monetária e a regulação prudencial são complementares e ações preventivas podem aliviar o impacto do comportamento dos bancos nas mudanças de ciclos. Journal of Banking and Finance. S. 4th. The Basel Accord – a regulatory perspective. The business cycle in a globalizing new economy: implications for bank regulation and monetary policy.. Basel II and systemic stability. William L. 7 – out... 4 Sept.. Sept.. Sept...... The Basel Accord – a regulatory perspective.. 2000. British Bankers’ Association – Basel II / CAD 3 Conference. 2002.. Basle: Bank for CROCKETT. In: BARITSCH. Andrew..... The Basel Accord – a regulatory perspective.. Conference on Bank Structure and Competition.Paulo Henrique Costa .. algumas ações podem ser tomadas pelas autoridades responsáveis pela política monetária e pela regulação prudencial. 2. LARGE... 13th. Trade and Technology. A. 2003. TAYLOR. Sept.. Feb. Vincent. May 31st........... Marrying the micro.... International standard setting in financial supervision. Mar. Mar... n.” University of Florida. WHITE.. Emerging problems with the Basel Accord: regulatory capital arbitrage and related issues. Sept. 62 . May 10th.. BASEL Committee on Banking Supervision. n. Conference of Banking Supervisors. Warwick University MMF-UEM Conference. David.... MULLINEUX. 2003a.... JONES. RUTLEDGE.... M.. Jan. Alan.. In: BARITSCH. 13th..... 27th..... City University. 2003. GREENSPAN... 2005..... contábeis de valor justo... n. CROCKETT.. C.. Bank of France’s International Monetary Seminar.. Finalmente... Implementing the New Basel Accord.. p 35-58. 2002.. Andrew. 10. Financial cycles and stability.. Vincent. International Settlements. FLANNERY.... 2002. v. International FERGUSON Jr. p...... Journal of Financial Regulation & Compliance......... Warwick University MMF-UEM Conference.. 162-167. The New Basel Accord: an explanatory note. 4th. 2002. 5th.......... 21.. Warwick University MMF-UEM Conference.and macro-prudential dimensions of financial stability. v.....S. Feb..... SUERF.. RANGAN.. 24....... Basle.. London. May 2002.. 2002. Vincent.. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS BARITSCH.... KARACADAG. Federal Reserve Bank of Chicago. 2000./dez... The new capital adequacy framework: institutional constraints and incentive structures. London: Cass Business School. Market forces at work in the banking industry: evidence from the capital build up of the 1990s. British Bankers’ Association – Basel II/CAD 3 Conference... Basel II.. The Basel Accord – a regulatory perspective...... Subcommittee on Domestic and International Monetary Policy. U.... Chicago.. Vincent. M.. Jan.. Committee on Financial Services.. 2002.

que envolve basicamente a liberalização do comércio de produtos manufaturados. O Anexo B do Acordo-Quadro de 2004 apenas esboçou os “elementos iniciais” da negociação sobre modalidades em NAMA. 3 Ver a Declaração Ministerial de Hong Kong. os cortes poderiam se limitar à metade dos valores determinados pela sua aplicação para certo percentual das linhas tarifárias (10% colocado entre colchetes. NAMA – Non-Agricultural Market Access) da Rodada Doha na Organização Mundial do Comércio (OMC). ou ao menos preservar. O comércio de produtos manufaturados representa mais de 73% do comércio mundial de mercadorias e cresce sistematicamente a taxas mais altas do que o comércio de produtos agrícolas. 2 Para uma discussão sobre o conceito e formas de aumentar policy space na OMC.3 em seus parágrafos sobre NAMA. levantada na Unctad XI Conference (13-18 de Junho de 2004. quando apropriado – os objetivos. São Paulo.org/english/thewto_e/minist_e/ min05_e/final_text_e.). o espaço de manobra para perseguir políticas de fomento à industrialização (a questão de policy space. ver: Hamwey (2005. os cortes não seriam aplicados ou _______________ 1 Professor do Instituto de Economia da Universidade Estadual de Campinas – Unicamp. Quanto ao tratamento especial e diferenciado. os países em desenvolvimento têm manifestado duas preocupações estratégicas: garantir maior acesso de seus principais produtos de exportação aos mercados dos países desenvolvidos./dez. já que boa parte da proteção residual nestes países é dirigida contra estes produtos. 35% para quase todas as posições tarifárias). desde que o valor agregado das importações dessas linhas não superasse um determinado percentual das importações totais (novamente. Economia Política Internacional: Análise Estratégica n. com menor reciprocidade por parte dos países em desenvolvimento e lhes assegurando tratamento especial e diferenciado.wto. 10% entre colchetes). as metas e as técnicas utilizadas nas negociações de acesso aos mercados na OMC. .2 A Declaração Ministerial de Hong Kong. Nas negociações em Acesso a Mercados de Bens Não-Agrícolas As tarifas consolidadas na OMC seriam o ponto de partida das reduções (para o Brasil. reconhecendo o dissenso sobre seus pontos principais.AS NEGOCIAÇÕES EM NAMA NA OMC: IMPASSES E DESAFIOS Mário Ferreira Presser1 (conhecidas por sua sigla em inglês. 4 Modalidades denominam – em linguagem detalhada e números.4 A Declaração reafirmou elementos para essas negociações que constavam do Anexo B do Acordo-Quadro de 1º de agosto de 2004. ver Presser (2004). significando ausência de consenso sobre este valor). refletiu uma dinâmica dessas negociações na Rodada que.5 mas também acrescentou algumas importantes novidades.htm. os períodos de implementação das reduções nas tarifas das importações seriam mais longos para os países em desenvolvimento e seriam oferecidos dois tipos de flexibilidade na aplicação da fórmula. ainda continuava distantes do estabelecimento das modalidades. e aumentar. Segunda. disponível em: http://www. 5 Para uma análise do Acordo-Quadro de 2004. segundo o relatório do presidente do grupo negociador à Conferência (incluído no Anexo B desta Declaração). 2005. Brasil). Um dos raros pontos em que houve algum consenso é que uma fórmula não-linear seria adotada em acesso a mercados. Primeira. 7 – out.

...... Os Países Menos Avançados (PMAs) não realizariam concessões em acesso a mercados.. efetuadas desde a consolidação das suas tarifas na Rodada Uruguai.... isto é.. reduz a distância entre picos tarifários e tarifas mais baixas........ com coeficientes diferenciados para países desenvolvidos e em desenvolvimento...... Justamente o que seja “um nível comparável de ambição” e seus condicionantes acima mencionados é o que se encontra em disputa em Genebra.. A identificação de barreiras não-tarifárias.. 2005....... receberiam créditos nas atuais negociações. a primeira novidade foi a redação de um parágrafo específico – parágrafo 24 – determinando que deva haver um nível comparável de ambição nas negociações em agricultura e NAMA: “Reconhecemos que é importante avançar nos objetivos de desenvolvimento desta Rodada por meio de maior acesso a mercados tanto em Agricultura como em NAMA para países em desenvolvimento...... O paralelismo entre as negociações em Agricultura e NAMA ficou sacramentado com o estabelecimento na Declaração da mesma data – 30 de abril de 2006 – para um possível acordo sobre as modalidades nos dois temas. A segunda novidade foi o anúncio de uma fórmula suíça. para calcular os cortes das tarifas nas negociações em NAMA..... como elementos futuros das modalidades...... instruímos nossos negociadores para assegurar que haja um nível comparável de ambição em acesso a mercados para Agricultura e NAMA.... Outros elementos do Anexo B estabeleciam que as negociações tivessem como objetivo reduzir ou eliminar as tarifas em produtos exportados por países em desenvolvimento........ significando na prática uma maior disciplina sobre suas políticas comerciais... Esta ambição deve ser atingida de maneira equilibrada e proporcional.... denomina-se aquela que harmoniza a estrutura tarifária.... incluindo picos tarifários... seria intensificada com vistas sua redução ou eliminação..... 64 ..... Finalmente......... Para este fim.......... Na Declaração de Hong Kong............ segundo o modelo geral: _______________ 6 Existem 49 países em desenvolvimento classificados como PMAs pela Organização das Nações Unidas (ONU)... nos quais os interesses do Brasil em geral são defensivos....... já que não poderiam elevar as tarifas acima dos valores consolidados.6 mas teriam de consolidar substancialmente suas posições tarifárias junto à OMC.. Por fórmula suíça..... com vista à harmonização ou eliminação das tarifas em setores com elevado dinamismo no comércio internacional. tarefa que exige intenso trabalho técnico... desde que o valor agregado das importações dessas linhas não superasse 5% (entre colchetes) das importações totais do país em questão.. reconhecia-se que a liberalização reduziria as preferências comerciais recebidas por certos países em desenvolvimento e que este problema deveria receber consideração adequada nas negociações.... Prometiam-se “estudos apropriados” sobre os efeitos da liberalização e medidas para desenvolver capacitações para negociar e exportar nos países em desenvolvimento..... As liberalizações autônomas dos países em desenvolvimento... n../dez..Mário Ferreira Presser .. consistente com o princípio do tratamento diferenciado”.. ainda as tarifas poderiam permanecer não consolidadas para 5% (entre colchetes) das linhas tarifárias...... 7 – out........ Continuariam na pauta as negociações setoriais. escalada tarifária e barreiras não-tarifárias..........

.. segundo. Disponível em: www.. maior a redução das tarifas consolidadas.. Os membros da Quad não se cansam de reafirmar as vantagens para os países em desenvolvimento da liberalização unilateral do comércio e dos investimentos diretos.............. contrariando um dos objetivos dos países em desenvolvimento nessas negociações.... se os coeficientes forem únicos para todos os países em desenvolvimento. além daqueles constantes no Anexo B de 2004... uma vitória dos defensores do livre-comércio e dos interesses ofensivos dos membros da Quad7 sobre os defensores do comércio administrado e de maior policy space para os países em desenvolvimento na Rodada Doha./dez. nos dois casos uma política comercial com maior seletividade. se o valor de a é 15.... haverá maior harmonização na estrutura tarifária dentro de cada país............ Vale dizer..tradeobservatory....... nenhuma tarifa final poderá ser maior do que 15%.. 2005. haverá maior harmonização entre as estruturas tarifárias destes países...... como parte do tratamento especial e diferenciado..... confirma-se a sensação partilhada por muitos analistas de que a Rodada Doha objetiva sobretudo uma substancial liberalização de todos os mercados...... 65 ....org................ questionando o conceito e a própria necessidade de maior policy space. em determinada data. Essa vitória é ainda mais significativa se for considerado o fato de que não houve nenhuma concessão ou compromisso dos países desenvolvidos aos países em desenvolvimento em NAMA.. a é um coeficiente que representa o valor máximo das tarifas finais e T1 é a tarifa a ser consolidada depois da aplicação da fórmula nesta posição tarifária.. reafirmando que seus interesses e necessidades devem estar no centro das atenções da Rodada Doha... favorecendo setores julgados “estratégicos”.. onde t0 é o valor inicial de cada posição tarifária... pela primeira vez na história das reuniões ministeriais da OMC.. o Japão e o Canadá. mesmo com coeficientes individualizados para cada país em desenvolvimento....... Nesse sentido. 7 – out..... Esta data foi fixada em 2008 ou _______________ 7 Quad é a denominação do agrupamento que reúne nas negociações na OMC os mais poderosos e influentes países desenvolvidos: os EUA..... Impõe-se a conclusão de que a adoção de uma fórmula suíça é. A implementação dos compromissos constantes nessas declarações tem sido lenta.... Em conseqüência da pouca flexibilidade da Quad nas negociações da Rodada..... que promoveria os prometidos ganhos em termos de desenvolvimento.As negociações em NAMA na OMC: impasses e desafios . Esses parágrafos estabeleciam que as exportações dos PMAs tivessem.. a União Européia... uma reunião e uma proposta conjunta ao plenário de todos os grupos negociadores representando os países em desenvolvimento........ registrou-se em Hong Kong..... n.. bem como aos dos países em desenvolvimento que decidissem acompanhálos nessa concessão.. A escolha de uma fórmula suíça tem dois importantes efeitos sobre as possibilidades das políticas comerciais que devem ser destacados: primeiro.......... Quanto menor o coeficiente.8 A terceira novidade foi o avanço nas negociações sobre os parágrafos 45 do Anexo A e 19 do Anexo B de do Acordo-Quadro de 2004 em Hong Kong........ As questões próprias do desenvolvimento têm sido pouco mais do que um instrumento conveniente de retórica e marketing da Quad nas declarações ministeriais da OMC.. árdua e sujeita a grande desapontamentos.. t1 = (a x t0)/(a + t0)..... acesso livre de tarifas e quotas aos mercados dos países desenvolvidos. em princípio. como se mostra a seguir. 8 Ver: G-110 Proposal. tem seu espaço reduzido.... Por exemplo......

. no início da implementação da Rodada Doha. o acesso aos mercados de produtos “sensíveis” nos quais há maior competitividade dos PMAs (notoriamente. Índia e União Européia) e sem condições internas de atender essa demanda.. produtos esportivos. têxteis e vestuário para os EUA e arroz para o Japão) continuará sujeito a discriminações. argumentando que são “muito críticos e muito sensíveis” para serem incluídos nas regras gerais. previstas no Anexo B de 2004.... matérias-primas... mas é reduto de forte protecionismo tarifário e não-tarifário na agricultura... Como os Estados Unidos e a União Européia... Porém. dos quais só permaneceu na pauta de negociações a Facilitação do Comércio depois de Cancun..... Estados Unidos e Japão vetaram a liberalização plena e o texto ofereceu esta liberalização para 97% das linhas tarifárias dos países desenvolvidos.htm......... Ver... 2002). Essas negociações... com tarifas médias consolidadas sobre produtos industriais de 3. calçados.... Rob Portman. Serviços.. estão se dando numa gama de produtos: bicicletas. Home Textiles Today (2006)..... 7 – out... as exceções para 3% das linhas tarifárias praticamente anulam o valor econômico da concessão. 2005). produtos florestais.. entidade que congrega muitos produtores das cadeias de têxteis e vestuários..... Estados Unidos......2% (USTR..... em especial dos países em desenvolvimento.int/comm/trade/issues/global/gsp/eba/index_en.. Agreement on Trade-Related Aspects of Intellectual Property Rights (TRIPS) e Regras.. em indústrias onde os interesses globais de empresas americanas são proeminentes. os membros com maior poder de barganha na OMC...... equipamento elétrico e eletrônico. pressionada a melhorar sua oferta em Agricultura por todos os demais membros do grupo informal que liderava essas negociações (Five Interested Parties – Austrália...... Brasil. imediatamente começou a sugerir aumentar “a previsibilidade e a certeza” do acesso nesses setores como componente das negociações. produtos da química. tem insistido que suas ofertas em bens agrícolas estarão ligadas às ambições dos demais em NAMA. pescados..eu... a União Européia endureceu os termos... 66 .Mário Ferreira Presser .. Como as exportações dos PMAs são concentradas em poucos produtos..... têxteis e vestuário.. 10 Numa embaraçosa reviravolta.. dão importância crucial às negociações setoriais........ Regras e os chamados “temas de Cingapura”.. das quais participam apenas países-membros interessados..... Note-se que a União Européia já oferece acesso livre aos PMAs com sua iniciativa Everything But Arms desde fevereiro de 2001.. 2005).... Assim sendo.org.. que significa. em áreas onde possui fortes interesses ofensivos: NAMA......... o negociador-chefe dos Estados Unidos..........9 Segundo a OXFAM (http://www. Às vésperas de Hong Kong.. o objetivo estratégico dos EUA na Rodada Doha é “nivelar o campo de jogo para os negócios americanos”.. que possui tarifas médias em torno de 4% em bens industriais. jóias e pedras preciosas...... produtos da farmacêutica... reduzir tarifas consolidadas nos países em desenvolvimento.. está exigindo que qualquer acordo nesses setores seja menos ambicioso do que o acordo geral em NAMA... Neste sentido. 2005./dez.. a União Européia. automobilística (inclusive partes e peças)... equipamentos médicos. na prática. analisam o texto sobre NAMA constante da Declaração de Hong Kong? Os Estados Unidos gabam-se ser uma das economias mais abertas do mundo.... a American Manufacturing Trade Action Coalition (AMTAC). onde se encontram questões _______________ 9 Disponível em: http://europa..... Serviços.... Dada as dificuldades de aceitação desta proposta..... Passou a condicionar qualquer nova oferta em Agricultura a concessões reais dos demais..... os Estados Unidos propuseram em NAMA um coeficiente extremamente ambicioso na fórmula suíça para os países em desenvolvimento (a = 8) na implementação da Rodada e tarifa zero em 2015 (USTR....... n....uk).10 Desde o início da rodada Doha.oxfam. ilustrando as enormes dificuldades que os temas do desenvolvimento enfrentam na Rodada Doha (OXFAM.

As negociações em NAMA na OMC: impasses e desafios ...... oferecendo em troca reduções mais agressivas de tarifas em têxteis.......... no qual “todos os temas devem se mover em concerto”... 2005. como Argentina.... consolidou-se o novo enfoque nas negociações.13 sacramentando o processo da “grande barganha”......org.wto... 14 Em declarações veiculadas pela imprensa nos últimos sessenta dias.... Suíça.. Note-se que com a eleição do ex-negociador-chefe da União Européia.. especialmente suas conexões com Agricultura nas negociações ora em curso. incluindo veículos. em janeiro de 2006.... muito mais agressiva em NAMA e Serviços... Disponíveis em: www..htm........ os países em desenvolvimento..... 13 Ver as inúmeras declarações de Pascal Lamy neste sentido.11 Nessa proposta.... depois da Ministerial de Hong Kong....... 7 – out.. Lamy tem explicitado candidamente os termos dessa nova “grande barganha” multilateral que julga possível e desejável na Rodada Doha: os EUA e a União Européia melhorariam suas ofertas na Agricultura e os países em desenvolvimento (exceto os Países Menos Avançados) abririam substancialmente seus mercados em Agricultura......... Pelo novo enfoque.. e operacionalizar o compromisso com o desenvolvimento sustentável... e TN/MA/W/11/Add.. em http://www.. negociador-chefe da União Européia..org/english/news_e/sppl_e/sppl_e./dez.. o comissário de comércio da União Européia... teriam que anunciar suas concessões em NAMA e Serviços para avançar nas negociações em Agricultura... 67 ...... as tarifas máximas consolidadas dos países em desenvolvimento cairiam para 15%...... Peter Mandelson.. numa reunião informal dos principais negociadores da Rodada Doha em Davos......... 12 Ver: Presser (2005)... afirmou que um coeficiente a de 15 na fórmula suíça simples (este é o coeficiente mínimo até agora citado como passível de consenso nas negociações para países em desenvolvimento) e exceções de 10% nas linhas tarifárias nas _______________ 11 Ver documentos da OMC: TN/MA/W/11/Add. vestuário e calçados por todos os membros da OMC (este seria o conteúdo de desenvolvimento e tratamento especial e diferenciado da proposta). Peter Mandelson. Pascal Lamy. a União Européia propôs um “mecanismo de compressão” nos corte tarifários para reduzir as tarifas mais elevadas......... China e Índia........ 13 December 2002... para facilitar o comércio e os investimentos.. Brasil.. a tese de uma nova “grande barganha” multilateral que envolva alguma compensação à liberalização em Agricultura ganhou força redobrada entre os membros da Quad...... autopeças... não as consolidadas junto à OMC) de setores industriais inteiros......... para ser o novo Diretor-Geral da OMC.wto.12 A intransigência européia e a pressão de Lamy surtiram efeito em Hong Kong: os parágrafos da Declaração sobre NAMA e Serviços.. diversas que dizem respeito ao seu objetivo estratégico declarado de que uma nova Rodada de liberalização comercial na OMC deveria ser acompanhada de novas regras em diversas áreas..... avançaram os termos da “grande barganha”. das tarifas aplicadas. tem afirmado que só haverá acordo na Rodada Doha se os países emergentes oferecerem redução efetiva das tarifas de importação (leia-se.1... produtos de informática. siderúrgicos e calçados... n.. Em janeiro de 2006. Especificamente em NAMA. Desde sua posse em setembro...2.....14 Confirmando essa nova postura negociadora. especialmente os “emergentes” que ainda têm considerável protecionismo tarifário residual. 1 April 2003. os picos tarifários e o escalonamento das tarifas... Produtos Não-Agrícolas (NAMA) e Serviços..

leva em conta as preferências nacionais. entre NAMA e Agricultura... 2006).. não só entre países desenvolvidos e países em desenvolvimento..... expressas nesses compromissos.. Namíbia. Argentina..org...... 2nd Feb... Indonésia.. mas entre os próprios países em desenvolvimento.......... onde. t1 é a tarifa final a ser consolidada para cada posição tarifária. Os países em desenvolvimento necessitam flexibilidade para assegurar suficiente espaço para os imperativos de políticas de desenvolvimento industrial para diversificar suas exportações e aumentar sua integração no sistema de comércio global.. Argentina. Brasil e Índia apresentaram em abril de 2005 uma variante desta que parte dos compromissos tarifários originais de cada membro da OMC em NAMA. 16 Ver... reafirmados na Declaração de Hong Kong..... Disponível em: www... Índia... as flexibilidades que devem ser outorgadas aos países em desenvolvimento.. ta é a média das tarifas atuais consolidadas..... Disponível em: www. sendo. 2005. Brasil e Índia... n........ 2006... Aplicando-se esta fórmula.. Tunísia e Venezuela)...... Filipinas..tradeobservatory.... O grupo chama a atenção para dois itens nas negociações de NAMA onde têm propostas.. não dariam acesso suficiente aos mercados de Brasil e Índia. fornecidas a esses países pelo Anexo B do Acordo-Quadro de 2004... que refletiria as ambições negociadas em outras áreas.....15 Esse grupo defende três princípios nas negociações sobre NAMA: 1.Mário Ferreira Presser ...... 2005.... 15 Apr.... quanto ao papel que as tarifas devem jogar nas políticas de desenvolvimento industrial.. e entre NAMA e as demais áreas em negociação..... um tema sobre o qual há profunda discordância na academia..... 7 – out... t0 é a tarifa atual consolidada..16 Logo... teriam uma maior harmonização de suas tarifas dentro dos seus territórios nacionais... O reconhecimento que há preocupações específicas sobre o desenvolvimento desses países que devem ser respeitadas nas modalidades...... na linguagem de Mandelson) (EU Trade..... como pelos compromissos de menor reciprocidade e tratamento especial e diferenciado.... TN/MA/W/54. por exemplo... flexibilidades.wto....../dez..... A reação dos países em desenvolvimento tem sido tentar preservar as flexibilidades e fazer cumprir as promessas até agora realizadas.. A ofensiva da Quad passou também pela oportuna inclusão do Japão – país com interesses muito ofensivos em NAMA e Serviços – no seleto grupo de países encarregados de avançar as negociações (com isto. A variante é: t1 = (B x ta x t0)/(B x ta + t0)... Egito.. tanto pelo parágrafo 8 do Anexo B do Acordo-Quadro de 2004.... insuficientes (paper cuts. Primeiro.. mas continuariam a deter _______________ 15 Statement by the NAMA group of developing countries to the NAMA Session. 68 .....org. a Five Interested Parties tornaram-se seis na negociação-chave anunciada para março em Paris). a fórmula suíça com coeficientes diferenciados.... portanto. O resultado das negociações deve ser justo e equilibrado em NAMA... B é um coeficiente a ser negociado. e 3... que têm ta entre 30 e 35.. O Brasil juntou-se em fevereiro a um grupo de países em desenvolvimento com preocupações e interesses semelhantes em NAMA (África do Sul. 2.... Segundo.. Quanto à fórmula suíça...........

. relevantes barreiras à entrada nos mercados de países desenvolvidos expressas em medidas técnicas.. que justamente tenciona ganhar acesso aos mercados dos grandes países emergentes nesta Rodada..... suplementado por estudos de caso de vários países (UNCTAD. 2005.... Quanto às flexibilidades. uma estrutura tarifária bem diversa da do Chile... ambientais. como o número de linhas tarifárias (10%... como os demandados pela Quad... porque os países em desenvolvimento ainda permaneceriam com uma estrutura de proteção tarifária mais alta do que aquela dos países desenvolvidos no período de implementação........ a Unctad ressalta que países em desenvolvimento... n.. em regra. justificando grande cautela com compromissos mais ambiciosos.. não têm políticas e instituições que possam compensar os perdedores (safety nets). Os países em desenvolvimento são standard-takers no comércio internacional e esta é uma assimetria estrutural que permanecerá no sistema de comércio por um longo tempo...... em regra dirigidas às exportações dos países em desenvolvimento. A menor reciprocidade estaria automaticamente contemplada.. A principal conclusão é que um acordo para reduzir as barreiras tarifárias e não-tarifárias em NAMA pode representar ganhos significativos no longo prazo para os países em desenvolvimento em exportações........... que consolidou uma tarifa única relativamente baixa na OMC.... Os países em desenvolvimento só dispõem da maior proteção tarifária para equilibrar essa assimetria... Quanto ao tratamento especial e diferenciado.. com simulações utilizando modelos de equilíbrio geral computável.... devem incorporar os compromissos de menor reciprocidade e tratamento especial e diferenciado aos países em desenvolvimento. A Quad tem manifestado sua interpretação que uma fórmula menos ambiciosa (que... 69 ........ 2005a)../dez.... além do protecionismo tarifário residual.. investigações antidumping e outras medidas legalizadas pelos acordos da OMC..... reafirmados na Declaração de Hong Kong.. emprego e eficiência econômica... seria privilégio do PMAs...... O coeficiente da fórmula suíça deveria ser baixo o suficiente para reduzir as tarifas médias aplicadas....... As posições negociadoras da Quad são cristalinas.... sanitárias............ 7 – out. fitossanitárias. Note-se que nas negociações em NAMA..... Entretanto... Note-se que a Quad pretende tarifas médias de um dígito e picos tarifários não superiores a 15% para os países em desenvolvimento........ as questões cruciais da escolha dos coeficientes na fórmula suíça.. produção dos setores que competem com as importações e receitas fiscais em cenários de maior ambição nas liberalizações. Mesmo assim... por exemplo... favorecendo os interesses comerciais dos países desenvolvidos..... Essa fórmula encontra enorme resistência de aceitação pela Quad....As negociações em NAMA na OMC: impasses e desafios . há custos de ajustamento no curto prazo que podem representar perdas significativas em termos de emprego...... seria uma fórmula suíça simples com coeficiente a superior a 10) deve automaticamente reduzir o número de linhas tarifárias isentas dos cortes plenos... A United Nation Conference on Trade and Development (Unctad) finalizou um estudo sobre cenários da liberalização em NAMA......... para a Quad.......... no mínimo) que serão isentas dos cortes plenos... da menor reciprocidade por parte dos países em desenvolvimento e do seu tratamento especial e diferenciado estão longe de obter qualquer consenso. Cabe lembrar que existem. esses países defendem que tanto a fórmula....

. além da abertura comercial.......... dois desenvolvimentos recentes justificam redobrada atenção da sociedade brasileira e um pedido de maior transparência nas negociações em NAMA. automobilística e máquinas e equipamentos... n.. Finalmente.17 Note-se que as simulações desconsideram a importante questão do endividamento externo prévio à liberalização e as eventuais dificuldades de financiamento das maiores importações...... 2005..... procurando preservar um adequado grau de flexibilidade para perseguir uma estratégia coerente de comércio exterior e desenvolvimento. diversificação da estrutura produtiva.. é o retorno da tese de provocar um novo choque de abertura comercial para elevar a produtividade da economia e reverter a sobrevalorização do real.. 7 – out... como desenvolvimento social.. sendo maior ênfase posta na abertura comercial... HOME Textiles Today..... elevadíssima taxa de juros e uma taxa de câmbio em processo permanente de valorização. Feb...... Disponível em: www... Sept.. Em geral. Disponível em: http://www. questões de suma importância para os grandes devedores.. OXFAM. que ainda está por ser definida.oxfam.. As posições oficiais do governo brasileiro nas negociações sobre NAMA têm sido cautelosas.../dez.. O segundo é o impasse nas negociações em Agricultura. Nessas simulações..htm.... 2005.. _______________ 17 Ver o estudo de caso do Brasil..........uk/what_we_do/issues/trade/bp85_hongkong... um país para obter sucesso na sua inserção comercial na globalização. 85).....org. Robert.. 3rd....... 2005. promovida pelos setores do governo do presidente Luiz Inácio Lula da Silva responsáveis pela condução da política econômica..hometextilestoday. deve perseguir múltiplos objetivos numa estratégia coerente de comércio exterior e desenvolvimento.. o Brasil registraria perdas importantes de postos de trabalho em têxteis. Geneva: South Centre. que tem levado os negociadores brasileiros a oferecer informalmente concessões substanciais em NAMA e Serviços. Adicione-se que as condições macroeconômicas atuais. As relações entre comércio e desenvolvimento são complexas e de longo prazo........ 2006.... No entanto....... também não são favorecem a materialização dos ganhos com a liberalização.. como comprovado pela experiência dos dois governos de Fernando Henrique Cardoso...... em UNCTAD (2005a). sustentabilidade ambiental e outros (UNCTAD.. Textile Organization call for separate WTO negotiation. 70 ..com.. 2005b).Mário Ferreira Presser . O primeiro.... como resposta ao pífio crescimento em 2005.... os países em desenvolvimento com menor sucesso perseguem estratégias desequilibradas. (Oxfam Briefing Paper.. em troca de uma maior abertura européia em acesso a mercados na Agricultura. BIBLIOGRAFIA HAMWEY.. num cenário ambicioso para cortes de tarifas de produtos industriais utilizando a fórmula suíça....... Em outro estudo quantitativo sobre as relações entre comércio e desenvolvimento.... n. há novamente sinais de desindustrialização precoce no Brasil (Ricupero 2006).. escrito por Lia Valls Pereira.......... Ambos podem tornar letra morta nossas posições oficiais em NAMA na OMC. Haveria também perdas significativas de receitas fiscais.. What happened in Hong Kong? Dec..... Expanding national policy space for development: why the multilateral trading system must change....... a Unctad mostrou que...............

Centro de Estudos em Relações Econômicas Internacionais/Instituto de Economia/Unicamp... 5 mar. De volta ao pau-brasil.. 2005.gov..... 2... Folha de São Paulo... Disponível em: http://www........ UNCTAD... RICUPERO...... Economia Política Internacional./dez..... Geneva....... p.asp...... UNCTAD. Disponível em: http://192.......S..... Update from Hong Kong: Non-Agricultural Market Access (NAMA). Centro de Estudos em Relações Econômicas Internacionais/Instituto de Economia/Unicamp.. São Paulo.. Trade and Development Index....br/asp-scripts/boletim_ceri/boletim2....eco.. n. Mário. PRESSER... USTR. USTR..... A volta da “grande barganha”: as negociações na OMC às vésperas da Reunião Ministerial de Hong Kong........ Disponível em: http://www.asp..ustr. Coping with trade reforms: a developing-country perspective on the WTO industrial tariff negotiations....eco.38/tab/events/namastudy/Coping... 2005.. Disponível em: www.91.. U..... 2004..... n. 2005a............... Rubens... n... B2.247.. Campinas.. Developing countries in international trade..As negociações em NAMA na OMC: impasses e desafios ..br/aspscripts/boletim_ceri/boletim6...2005 Disponível na página eletrônica – www... 2005.. PRESSER.unicamp.........unicamp.... Economia Política Internacional.............. 2005b.asp.. 6.. Caderno Dinheiro.. 2002..... 2006.gov.. Mário.ustr. 71 .... 7 – out. Proposes A Tariff-Free World – Modalities. Um breve guia para o acordo-quadro firmado na OMC em 1º de Agosto..