Pós-Graduação e Formação Especializada em

EDUCAÇÃO ESPECIAL
Unidade Curricular: Desenvolvimento curricular e diferenciação pedagógica Docentes: Carga Horária: 30 horas

Introdução
Esta unidade curricular visa aprofundar conhecimentos, proporcionar reflexão fundamentada e desenvolver competências de acção no domínio essencial com que todos os professores trabalham na sua prática diária - a gestão do currículo. Tal gestão implica tomar decisões e organizar e supervisionar processos articulados de promoção eficaz das aprendizagens pretendidas. Tratando-se de um campo de saber que integra necessariamente a acção quotidiana de qualquer docente, a sua relevância acentua-se no exercício de funções de gestão do currículo para alunos que integram grupos portadores de situações de diferença que possam dificultar a sua integração na escola e a sua consecução plena das aprendizagens curriculares.

Objectivos

Constituem objectivos desta unidade curricular, equacionados na perspectiva das competências visadas, os seguintes: 1. Proporcionar informação teórica pertinente e enquadradora de reflexão sobre as concepções e práticas, no campo da gestão curricular. 2. Desenvolver competências de análise reflexiva do currículo e do acto educativo, na sua relação com contextos educativos diversos. 3. Promover competências de construção, supervisão e gestão de projectos curriculares a vários níveis (escola, ciclo, turma, grupo, outros). 4. Proporcionar o desenvolvimento de uma atitude profissional interveniente, autónoma e geradora de processos auto-formativos no domínio do currículo.

Pós-Graduação e Formação Especializada em Educação Especial: Domínio Cognitivo e Motor

Conteúdos Programáticos

I - A escola enquanto instituição curricular O currículo na interface escola/sociedade - reflexo e resposta a necessidades, transmissor mudança. O currículo como organizador das aprendizagens socialmente necessárias - a função curricular da escola. II - A profissionalidade docente e o currículo Caracterizadores de profissionalidade – sua construção referencial. Profissão docente - Especificidade e mudança num processo socialmente construído e estruturador de prioridades, factor de permanência e gerador de

III - Gestão curricular: concepção, supervisão e lideranças intermédias Clarificação de conceitos chave: currículo e projecto, desenvolvimento e gestão curricular. O projecto curricular enquanto expressão de um projecto educativo. A unidade do currículo - lógica integrativa versus lógica aditiva. Instâncias e actores de gestão curricular – a construção de dispositivos de decisão e organização. Investigação como instrumento de gestão curricular e de supervisão – o acompanhamento dos processos e a produção de conhecimento IV- Diferenciação curricular e aprendizagem A Escola Inclusiva. Perspectivas históricas e a actualidade; A legislação nacional e internacional como suporte à diferenciação pedagógica; Operacionalização do conceito de diferenciação Análise e discussão de situações; Produção de estratégias de trabalho na aula.

Metodologia

A metodologia de trabalho assenta numa interacção entre a reflexão sobre situações da prática docente e a fundamentação e aprofundamento teórico das temáticas em estudo. Prevêem-se as seguintes modalidades de trabalho:

 apresentação das temáticas e seus fundamentos;
Pós-Graduação e Formação Especializada em Educação Especial: Domínio Cognitivo e Motor

 debate de questões críticas e modos de actuação docente, com base na leitura de
textos indicados e preparados entre as sessões;

 apresentação e discussão de reflexões produzidas pelos formandos.

Avaliação

A avaliação integrará sempre uma dimensão de avaliação formativa baseada no acompanhamento das actividades desenvolvidas e na produção de pequenos textos, notas de leitura e reflexões acompanhando o desenvolvimento do trabalho A avaliação sumativa da disciplina Desenvolvimento Curricular e Diferenciação Pedagógica será composta por duas partes. No módulo sobre “desenvolvimento curricular” será exigida uma crítica a uma planificação semanal. Essa crítica deve centrar-se sobre a identificação das lacunas e erros da planificação e apresentação das soluções. No módulo sobre “diferenciação pedagógica” será exigida a construção de uma actividade de sala de aula contemplando e justificando a aplicação dos princípios de diferenciação pedagógica para um caso à escolha do formando. Extensão de referência: até 10 páginas, letra Times New Roman, 12, espaço e meio, excluindo capa e referências.

Bibliografia recomendada
AINSCOW, M. et al. (1997). Caminhos para as Escolas Inclusivas. Lisboa: IIE. ALARCÃO, I. (2001). Escola Reflexiva e Nova racionalidade. Porto Alegre: Artmed. ALONSO, L. (1996). Desenvolvimento Curricular e Metodologia de Ensino - Manual de apoio ao desenvolvimento de projectos curriculares integrados. Braga: Instituto de Estudos da Criança. ALONSO, L. et al.. (2002) Projecto PROCUR- Contributo para a mudança nas escolas. Braga, Universidade do Minho- Centro de Estudos da Criança APPLE, M (1997). Os Professores e o Currículo: Abordagens Sociológicas. Lisboa: Educa. AUSUBEL, D. et al. (1978). Educational Psychology - a Cognitive View. Nova Iorque: Holt, Rinehart and Winston. BARROSO, J. (1996). O Estudo da Escola. Porto: Porto Editora. BRUNER, J (1996). The Culture of Education. Cambridge MA: Harvard University Press. CALDWELL, B. (2001) A “Public Good” test to guide the transformation of public education. The Journal of Educational Change, vol I, nº 4, 303-306. CARRILHO RIBEIRO, A. (1990). Desenvolvimento Curricular. Lisboa: Texto Editora. CANÁRIO, R. , ALVES, N. E ROLO, C. (2001). Escola e Exclusão Social. Lisboa: Educa.
Pós-Graduação e Formação Especializada em Educação Especial: Domínio Cognitivo e Motor

CÉSAR, M. (2003). A Escola inclusiva enquanto espaço-tempo de diálogo de todos para todos. In D. Rodrigues (Org.), Perspectivas sobre a Inclusão – Da Educação à Sociedade (pp.117-149). Porto: Porto Editora. CÉSAR, M. & SANTOS, N. (2006). From exclusion to inclusion: Collaborative work contributions to more inclusive learning settings. European Journal of Psychology of Education, XXI(3), 333-346. CHARLOT, B. (1997). Du Rapport au Savoir - Éléments pour une Théorie. Paris: Anthropos. CHARLOT, B., BAUTIER, E., & ROCHEX, J. (1992, 1999). École et Savoir dans les Banlieues …et Ailleurs. Paris: Colin. DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO BÁSICA (1999). Forum: Escola, Diversidade e Currículo. Lisboa: Departamento de Educação Básica e Instituto de Inovação Educacional. DEWEY, J. (1956; 1ª ed. 1902). The Child and the Curriculum. Chicago: University of Chicago Press. DEWEY, J. (1966; 1ª ed. 1916). Democracy and education. New York: Free Press. FORMOSINHO, J. (1991). Currículo uniforme - pronto-a-vestir de tamanho único. In F. Machado & M.F. Gonçalves (eds.), Currículo e Desenvolvimento Curricular (pp.262-267). Porto: Edições ASA. FULLAN, M. (2001). The new meaning of Educational Change. London: Falmer Press (3rd ed.). GASPAR, M.I., & ROLDÃO, M.C. (2007). Elementos do desenvolvimento curricular. Lisboa: Universidade Aberta. GIMÉNO SACRISTÁN, J. Morata. (1994, 4ª ed). El Curriculum: una reflexión sobre la práctica. Madrid:

GOODSON, I. (1997). A Construção Social do Currículo.Lisboa: Educa. HARGREAVES, A. (1988). Os Professores em Tempos de Mudança – O trabalho e a cultura dos professores na idade pós-moderna. Lisboa: McGraw Hill HOPKINS, D. (2000). Powerful learning, powerful teaching, powerful schools. The Journal of Educational hange, vol 1, nº2, 135-154. MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO (2001). Currículo Nacional do Ensino Básico – Competências essenciais. Lisboa: ME-DEB. NIZA, Sérgio (2000). A cooperação educativa na diferenciação do trabalho de aprendizagem. Escola Moderna, 39-46, nº 9, 5ª série. NÓVOA, A. (1991) (org). Profissão Professor. Porto: Porto Editora. OECD (1994). The Curriculum Redefined: Schooling for the 21st Century. Paris: OECD Documents. OECD/CERI (1999). Innovating Schools (Schooling for Tomorrow Project). Paris : OECD Documents. PACHECO, J. (1996). Currículo: teoria e praxis. Porto: Porto Editora PACHECO, J. (1999). A diferenciação curricular no contexto das políticas curriculares. In SPCE (ed.). Investigar e formar em educação (pp. 303-309). Aveiro: Sociedade Portuguesa de Ciências da Educação, PACHECO, J. (org.) (2000). Políticas de integração curricular. Porto: Porto Editora. PERRENOUD, P. (1985). Les pédagogies nouvelles sont-elles élitaires ? – Réflexion sur les contradictions de l’école active. In Actes du Colloque « Classes Populaires et Pédagogies », Université de Haute Normandie, Rouen, 14-16 Mars 1985. PERRENOUD, P. (1996). Rendre l’élève actif…c’est vite dit !. Génève : Université de Génève, Faculté de Psychologie et Sciences d’Éducation.
Pós-Graduação e Formação Especializada em Educação Especial: Domínio Cognitivo e Motor

PERRENOUD, P.(1997). Construire des Compétences dés l’École. Paris : ESC POPKEWITZ, T. (1994). História do currículo, regulação social e poder. In Tomás Tadeu da Silva (org.). O Sujeito da Educação: Estudos Foucaultianos, pp. 173-209. Petrópolis: Vozes RODRIGUES, D. (org.) (2003). Perspectivas sobre a inclusão: da educação à sociedade. Porto: Porto Editora. ROLDÃO, M.C. (1999). Currículo como projecto - o papel das escolas e dos professores. In R. Marques & M. C. Roldão(org)(1999). Reorganização e Gestão Curricular no Ensino Básico (pp. 1122). Porto: Porto Editora, Colecção CIDInE, nº 8 ROLDÃO, M.C. (1999). Gestão curricular- Fundamentos e práticas. Lisboa: DEB. ROLDÃO, M.C. (1999). Os Professores e a Gestão do Currículo - perspectivas e práticas em análise. Colecção CIDInE, nº9. Porto: Porto Editora. ROLDÃO, M.C. (2001). A problemática da diferenciação curricular no contexto das políticas educativas actuais. In R. Marques. & M.C. Roldão (org) Inovação, Currículo e Formação (pp 121133). Porto: Porto Editora, Colecção CIDInE, nº 12. ROLDÃO, M.C. (2000). O currículo escolar: da uniformidade à contextualização – campos e níveis de decisão curricular. Revista de Educação IX (1), 81-92. ROLDÃO, M.C. (2001). A formação como projecto – do plano-mosaico ao currículo como projecto de formação (2001). Cadernos de Formação de Professores, nº 1, 6-20. Lisboa: INAFOP. ROLDÃO, M.C. (2003). Gerir o Currículo e Avaliar Competências – As questões dos professores. Lisboa: Presença. ROLDÃO, M.C. (2003). Diferenciação curricular e inclusão. In David Rodrigues (org.), Perspectivas sobre a Inclusão – Da Educação à Sociedade (pp. 151-166). Porto: Porto Editora. SCHÖN, D. (1983). The Reflective Practitioner: How Professionals Think in Action. London: Temple Smith. SCHÖN, D. (1987). Educating the Reflective Practitioner. New York: Jossey-Bass. STENHOUSE, L.(1991). Investigación y Desarrollo del Curriculum (1ª ed. 1981). Madrid. Ediciones Morata. TADEU DA SILVA, T. (2000). Teorias do Currículo: Uma introdução crítica. Porto:: Porto Editora. UNESCO (1994). Declaração de Salamanca – Sobre princípios, política e prática na área das necessidades educativas especiais. Paris: Unesco. UNESCO (2001). Open file on inclusive education. Paris: Unesco. VARELA DE FREITAS, C. (1995). Caminhos para a descentralização curricular. Colóquio Educação e Sociedade, 10, 99-118. YOUNG, M. (1998). The Curriculum of the Future – From the New Sociology of Education’ to a critical theory of learning. London: Falmer Press ZABALZA, M. ( 1992 ) Planificação e Desenvolvimento Curricular. Porto: Edições ASA ZEICHNER, K.M. (1993). A Formação Reflexiva de Professores: Ideias e práticas. Lisboa: Porto Editora.

Pós-Graduação e Formação Especializada em Educação Especial: Domínio Cognitivo e Motor