Limão elétrico

Objetivos: Esta experiência tem como objetivo ver como o sumo de um limão conduz a eletricidade. Material: - Elétrodos de cobre e zinco; - Fios condutores de cobre; - Um galvanómetro ou uma lâmpada de 2V. Procedimento experimental: 1. Inserir os elétrodos de cobre e zinco verticalmente no limão à distância de 2 cm um do outro. 2. Ligar o fio a cada um dos elétrodos e ligar a um terminal do suporte da lâmpada. 3. Ligar a ponta solta do fio ao terminal aberto do suporte da lâmpada. O que acontece: As pilhas são o efeito de reações de oxidação-redução capazes de gerar corrente elétrica. A corrente elétrica surge a partir das diferenças de potenciais elétricos de dois metais que estão envolvidos no sistema (cravados no limão). O melhor resultado surge da combinação de zinco e cobre, mas também podemos obter bons resultados das seguintes combinações; zinco e alumínio, latão e alumínio. Na falta do limão pode usar-se uma fruta cítrica qualquer, como uma laranja, por exemplo, ou mesmo uma batata, que funcionará como pilha alcalina. O sumo do limão funciona como uma solução iónica. O corpo de zinco funcionará como ânodo. O corpo de cobre será o nosso cátodo. Uma única pilha-limão possivelmente não conseguirá acender um LED, mas se encadear meia dúzia delas é bem possível que consiga. Lembre-se sempre de ligar o polo positivo de uma no negativo de outra, do contrário estará criando um curto-circuito. Esta pilha é constituída de dois elétrodos inseridos num limão, um de zinco e outro de cobre. O limão fará o papel de uma solução iónica, possibilitando que os iões livres se movimentem no seu interior. Neste caso particular, o meio será ácido, devido à grande concentração de ácido cítrico do limão. A este tipo de solução se dá o nome de solução condutora. A solução condutora é constituída de iões positivos e negativos. No caso do limão, de entre esses iões há uma grande concentração de iões H+. Os elétrodos são dois pedaços de metais, que reagem quimicamente com a solução. Quando insere-se o elétrodo de cobre no limão, não há condições para uma reação química entre a placa de cobre e a solução. Quando insere-se o elétrodo de zinco no limão, os átomos de zinco da superfície têm uma forte tendência de se desligarem da placa e migrarem para o limão. Esta é uma propriedade do zinco. Ao fechar-se o circuito elétrico, que é constituído da seguinte sequência: (limão)-(placa de zinco)-(fio de conexão)-(relógio)-(fio de conexão)-(placa de cobre)-(limão), os eletrões livres na placa de zinco (que é a carga negativa), dirigem-se pelo fio até a placa de cobre (que é o polo positivo, dado a diferença de potencial natural entre estes metais quando em contato). Então os átomos de zinco começam a migrar da placa para o suco do limão, perdendo dois eletrões cada um, que irão fazer parte da corrente elétrica. O resultado final é que os eletrões migram para o elétrodo de cobre e o zinco vai para a solução como íon Zn2+. Os átomos de cobre são neutros. Os elétrons migram para a placa de cobre a fim de reduzir os íons positivos na superfície do eletrodo, que na sua maioria são íons H+. A redução de 2 íons H+, dá origem a uma molécula H2 de gás hidrogênio.

A intensidade desta corrente elétrica vai depender exclusivamente da quantidade de íons do limão e da área superficial das placas. pois senão eles se concentram na placa de cobre. É importante que os elétrons cheguem aos íons H+.A passagem de elétrons no sentido da placa de zinco para a placa de cobre é chamada corrente elétrica. Isto criaria uma repulsão em relação aos elétrons que estão vindo da placa de zinco. o pedaço de flanela com cargas positivas e o bastão de vidro com cargas negativas. cessando assim a corrente Eletrizar uma palhinha Se atritarmos um pedaço de flanela com um bastão de vidro. Na eletrização por atrito os corpos atritados ficam com cargas elétricas opostas. dizemos então que os corpos foram eletrizados por atrito. os dois corpos antes neutros. . Quanto maior a área da placa de zinco dentro do limão. como por exemplo. agora apresentam propriedades elétricas. mais íons H+ poderão receber elétrons. quanto maior a área de superfície. mais íons de zinco se formarão e e seus elétrons migrarão para o limão. Na placa de cobre.