Pós-Graduação – 2011 METODOLOGIA DA PESQUISA CIENTÍFICA E JURÍDICA

LEITURA OBRIGATÓRIA – AULA 1
AGNALDO IZIDORO DE SOUZA CLAUDIA COELHO HARDAGH SIMONE ROCHA PEREIRA

Publicação: Março de 2.011.

© DIREITOS RESERVADOS
Proibida a reprodução total ou parcial desta publicação sem o prévio consentimento, por escrito, pelos autores.

METODOLOGIA DA PESQUISA CIENTÍFICA E METODOLOGIA DA PESQUISA JURÍDICA
Cursos de Pós-Graduação Lato Sensu Televirtuais | 2011

2 TIPOS DE CONHECIMENTO O conhecimento aqui citados como filosófico. DIALÉTICA Tem o desafio da arte do diálogo. experiências próprias e de outros e tira por si suas próprias deduções e prognósticos.) assume um significado distinto.C. 2 . para Sócrates (470 a.C. se dá desde os primeiros tempos. racionalismo e empirismo. vejamos mais detalhado abaixo: Conhecimento Empírico Demonstra o conhecimento por meio da tradição. está inserido num pesquisador. Enquanto.1 CONSIDERAÇÕES SOBRE CIÊNCIA E CONHECIMENTO 1.-399 a. Assim surgiram muitas questões de discussão nos meios filosóficos denominadas: dialética. não há uma aplicação de método e uma reflexão sobre o objeto de estudo. 1. EMPIRISMO O empirismo apresenta-se em sua forma mais radical no positivismo de August Comte (1798 – 1857). RACIONALISMO Pensadores como Descartes do século XV e Platão IV AC . a busca de explicações para os fenômenos existentes faz com que o mundo social e individual tenha a sede do conhecimento e na tentativa de explicar por que acontece esses fenômenos o indivíduo tenta compreender e fundamentar a relação entre o sujeito e o objeto a ser desvendado. é a técnica de perguntar. empírico e científico. O racionalismo se dá pela experiência do mundo e do acesso do conhecimento. responder e questionar o que se tem aprendido. O positivismo reforça que o verificável empiricamente se sustenta por um método único.1 EVOLUÇÃO DO CONHECIMENTO A evolução da raça humana. porém. Platão para checar no mundo das idéias é somente através do diálogo. levantamento de ideias e contraposições de outras idéias. o processo de aprendizado é natural e a idéias verdadeiras desvendam os conhecimentos racionais reservados no próprio mundo do indivíduo. O conceito de dialética.

arqueológicas e coletivas que lhes dá sustentação. assim como a teoria requer algum conhecimento da prática. entender a relatividade por meio de um relacionamento lógico-dialético. ambientais. mas com o objetivo de inovar e reconstruir o conhecimento fazendo uso exatamente dessa espécie de capacidade crítica e sistemática. É a comprovação dos escritos dos textos Bíblicos devendo ser aceitos e seguidos. o questionamento sobre o objeto de estudo e o UNIVERSO. O conhecimento filosófico formula o questionamento de âmbito mundial. históricas. A ciência um dia nos mostrará o caminho para uma vida melhor? Conhecimento Teológico É o conhecimento da aceitação de axiomas da fé teológica. que tem a atuação de especialistas de diversas áreas das ciências. Galileu. como por exemplo: O homem está preparado para o mundo da tecnologia? O mundo um dia não terá mais os miseráveis ou é o que mais terá. O conhecimento teológico tem na Bíblia a verdade como absoluta. Porém a humanidade tem a fé que também fundamenta-se em experiências espirituais. organizacionais. aliado à intervenção prática inovadora. Bacon. O pesquisador. preocupa-se não só com os efeitos. é provar a existência de Deus. a conclusão de resultados podem ser comprovadas no conhecimento científico. A ciência tem o compromisso de reunir e avaliar informações por meio de métodos. Este conceito ganhou força a partir do século XVI com Copérnico. Conhecimento Filosófico Filosofar é a busca do entendimento. A formação de idéias.Conhecimento Científico O conhecimento científico. 1. A teoria e prática são relevantes para requer o entendimento entre eles. racionalidades em relação a determinado assunto. isto é a prática requer a necessidade da teoria. deve entender que a ciência implica em contradições. 3 . nos aspectos sociais. as causas dos acontecimentos é um ponto principal para o conhecimento científico.3 DEFINIÇÃO DE CIÊNCIA A ciência permite o questionamento sistemático crítico e criativo. Descartes e outros. a maneira de trabalhar esse conhecimento se dá de maneira lenta e evolui num processo de evolução constante de explicações e soluções com reavaliação dos resultados. o processo é crítico.

Objeto de estudo bem definido e de natureza empírica: delimitação e descrição objetiva e eficiente de realidade empiricamente observável. O conteúdo de um trabalho científico deve ser pautado com coerência. isto é. objetividade e por fim com muita importância as maneiras adotadas para aplicação dos resultados. interpretar ou verificar por meio de métodos empíricos (guiados pela evidência obtida através de métodos científicos). restringindo ao máximo o uso de adjetivos. daquilo que se pretende estudar. Consistência: significa a capacidade de fundamentar com resultados fiéis evitando resistir a argumentações contrárias. em seu problema uma proposta de solução. Como não há conhecimento objetivo. meio e fim com uma dedução fiel as conclusões. e se utiliza da atualidade com poder de argumentação e conclusão do objeto pesquisado. é importante salientar que o tema pode ser igual a outro.2 CRITÉRIOS DO TRABALHO CIENTÍFICO O trabalho científico demonstra o intrínsecos desenvolvimento de um raciocínio lógico que busca demonstrar. 4 . originalidade. não existe o critério de objetividade. Coerência: O trabalho deve seguir uma estrutura coerente sem contradição. com argumentação que permita ao longo do texto o desdobramento do tema com começo. Linguagem precisa: sentido exato das palavras. mais do que como gostaríamos que fosse. Originalidade: significa produção não repetitiva. Objetivação: significa a tentativa — nunca completa — de descobrir a realidade social assim como ela é. analisar. Abaixo. consistência. os critérios apresentados por DEMO (1995). mas o problema a ser discutido deve ser sob outro ponto de vista. que é substituído pelo de objetivação.

mas afirmamos que o emprego sistemático de métodos científicos é necessário para a mesma. A utilização de métodos científicos não é uma questão exclusiva da Ciência. em relação a questões ou problemas específicos. Pesquisa processo essencial para encontrar os resultados do problema.3 METODOLOGIA. examinando de uma maneira ordenada as questões: Por que ocorre? Como ocorre? Onde ocorre? Quando ocorre? O que ocorre? Método é o conjunto de processos empregados em uma investigação. antes de desenvolver o método. É importante o esclarecimento que o método aplicado depende do objeto da pesquisa. Sua aplicação do modo específico. o que o pesquisador quer provar. Porém. o uso das etapas para alcançar determinado objetivo científico é considerado pelo menos dois aspectos do método científico: • • Sua aplicação de modo geral. Metodologia pode ser considerada o estudo dos métodos aplicados para a aquisição de conhecimento científico. 5 . MÉTODOS E PESQUISA Metodologia científica. isto é examinar uma situação específico. Cabe aqui o esclarecimento que o método é empregado numa investigação e serve de referência no processo de busca da explicação ou da elaboração de previsões. que têm por base procedimentos racionais e sistemáticos. A pesquisa é realizada quando se tem um problema e não se tem informações para solucioná-lo. é preciso estabelecer os objetivos que pretendemos atingir. mas o pesquisador pode dar sua avaliação quanto as condições de melhoria do problema abordado. aborda as técnicas e processos de uso da ciência para formular e apresentar resultados para a evolução do conhecimento de uma maneira sistemática. de forma clara.

6 . Comparação . por meio de uma experimentação ampla para que a generalização obtida seja considerada verdadeira. para outra menor e chegando a uma conclusão particular. p. Premissa menor– Manoel é torcedor do Palmeiras Atlético Clube. Hipótese . ou de forma induzida). geralmente são baseadas na experimentação e observação. e seus argumentos apresentam-se como verdadeiros. note-se que nesse método é imprescindível a verificação do dado particular. a fim de não comprometer a validade da conclusão” (MEZZAROBA. Conclusão – Logo. assim como de sua utilização de forma geral. para evitar equívocos na análise o pesquisador deverá se certificar que a relação que se pretende generalizar é verdadeira. a generalização do método indutivo. “A questão fundamental da dedução está na relação lógica que deve ser estabelecida entre as proposições apresentadas. Há. pois parte da premissa maior. Destacamos algumas etapas para a utilização do método indutivo: Observação . Importanteavaliar o método indutivo. que os fenômenos ou fatos relacionados devem ser idênticos e. Vamos ver um exemplo: Premissa maior – Os torcedores do Palmeiras Atlético Clube são favoráveis a construção de um novo estádio. Experimentação .análise da reação “causa-efeito”. Generalização . a conclusão não terá validade. O método dedutivo é utilizado por pesquisadores . a conclusão também o será. se a premissa maior for considerada falsa. 2009. não se pode relevar o aspecto quantitativo dos fatos ou fenômenos. pois já foram validados pela ciência. Ele parte do geral para o particular. por fim.classificar e analisar os dados obtidos. MONTEIRO.tratar de forma universal os dados obtidos. portanto. 65).Identificação de fenômenos da realidade (natural.4 MÉTODOS E TIPOS DE PESQUISA 4. inicia-se de um ponto particular para o geral.resposta prévia. Dedutivo O método dedutivo é o oposto do indutivo.1 SEGUNDO BASES DE INVESTIGAÇÃO Indutivo É um método que parte de questões particulares até chegar a conclusões generalizadas. pois caso a primeira seja considerada inválida. uma relação lógica entre as premissas gerais e os particulares. Manoel é a favor da construção de um novo estádio Importante avaliar a premissa. Portanto.

Surgir a partir dos pressupostos verificáveis previsões. com critério científico. e examiná-los. Aprender a interpretar o fenômeno vivido. Recolha sistemática de dados. ou ao encontrarmos em outras interpretações. Não se deve esquecer também que os métodos de abordagem devem estar presentes em todos os momentos da pesquisa. ou compreensões diferentes . não importando sua natureza real ou fictícia. caso sejam refutadas. MASINI (2004. 63) afirma: “A Pesquisa Fenomenológica. buscando compreendê-lo por meio da intuição. faz parte da metodologia fenomenológica. é constituído pelas seguintes fases: A observação. busca-se o falseamento delas. mas a emissão de opiniões é válida e considerada fundamental para uma argumentação sustentada. Também chamado método hipotético-dedutivo. p. o que se coloca perante o pesquisador como verdade deve ser contraditada. O método encerra-se com a comprovação das hipóteses. permite a argumentação e contraargumentação em relação a assuntos que não podem ser demonstrados.provar sua sustentabilidade. Dedução. Fenomenológico O método fenomenológico. o que e onde pretende chegar. confrontado com outras realidades e teorias para se obter uma conclusão. Ao apresentar o aspecto interpretativo do método da fenomenologia. as quais possuem uma certa viabilidade para responder um determinado problema de natureza científica. ao escolher o método para sua pesquisa. Ao percebermos novas características do fenômeno. independentemente da parte do trabalho científico que está sendo analisado. Popper e consiste na eleição de hipóteses (proposições hipotéticas). a fim de com. o fenômeno. 7 . sem lançar mão de deduções ou empirismos. parte da compreensão de nosso viver –não de definições e conceitos – da compreensão que orienta a atenção para aquilo que se vai investigar. O método dialético disciplina a construção de conceitos para diferenciar os objetos.O pesquisador. Hipotético-dedutivo O método hipotético-dedutivo busca unir os dois anteriores. as hipóteses deverão ser refeitas. visando apenas o dado. deverá levar em consideração os seus objetivos. Dar hipóteses para tentar explicar um fenômeno. limita-se aos aspectos essenciais e intrínsecos do fenômeno. Formulação de hipóteses. Dialético A dialética permite ao indivíduo dialogar.surge para nós uma nova interpretação que levará a outra compreensão”. portanto. e não apenas fazer uma descrição passiva. uma nova teoria. Após a eleição dessas hipóteses. acrescentando a racionalização do método dedutivo à experimentação do método indutivo. Foi desenvolvido por Karl R. ou seja.

entender a importância da delimitação de uma temática de estudo. sua natureza e características. Mostra aspectos subjetivos e atingem motivações não explícitas. ou busca padrões numéricos relacionados a conceitos cotidianos. É uma pesquisa indutiva. hipóteses e modelos pré-concebidos. seus elementos essenciais é a quantificação. 4. sua relação e conexão com os outros. ideias e entendimentos a partir de padrões encontrados nos dados. o pesquisador desenvolve conceitos. explorar maiores informações sobre determinado assunto. analisar. isto é. nível de escolaridade. pois o seu planejamento é bastante flexível e assume a forma de pesquisa bibliográfica ou de estudo de caso. classificar e interpretar os fatos ou fenômenos (variáveis).4. ainda. objeto ou conceito. e outros. sem que o pesquisador interfira neles ou os manipule. pois utiliza instrumentos estruturados (questionários). registrar. procedência. já que os resultados são concretos e menos passíveis de erros de interpretação. Mostra-se apropriada quando existe a possibilidade de medidas quantificáveis de variáveis e inferências a partir de amostras numéricas. ou seja. de maneira espontânea. descobrir um novo enfoque para o estudo que se pretende realizar e dessa forma possibilita desenvolver um estudo inédito. É também utilizada amostragem com a finalidade de mensurar e permitir o teste de hipóteses. Pesquisa quantitativa Tem caráter numérico. com a precisão possível. São inúmeros os 8 . estado de saúde física e mental. Em muitos casos criam-se índices que podem ser comparados ao longo do tempo.2 SEGUNDO ABORDAGEM DO PROBLEMA Pesquisa Qualitativa É utilizada quando se busca percepções e entendimento sobre a natureza geral de uma questão. é mais adequada para apurar opiniões e atitudes explícitas e conscientes dos entrevistados. visam estudar as características de um grupo: sua distribuição por idade.2 SEGUNDO O OBJETIVO GERAL A pesquisa exploratória tem por finalidade. permitindo traçar um histórico de informação. ao invés de coletar dados para comprovar teorias. ou mesmo conscientes. A descrição das características de determinada população ou fenômeno faz parte da pesquisa descritiva. Tem caráter exploratório e estimula os entrevistados a pensarem livremente sobre algum tema. sexo. Tem como um dos objetivos descobrir. a frequência com que um fenômeno ocorre. definir os objetivos ou formular as hipóteses de uma pesquisa ou. A pesquisa descritiva procura observar.

Assim. Pesquisa Documental O método da Pesquisa Documental vale-se de documentos originais. na produção de monografias da área da Comunicação. • Atualizar-se sobre o tema escolhido. Essa etapa influenciará as demais. esta pesquisa não se confunde com a bibliográfica.3 SEGUNDO O PROCEDIMENTO TÉCNICO Pesquisa Bibliográfica A pesquisa bibliográfica. na medida em que o pesquisador fundamentar a sua pesquisa. seleção. Documentos pessoais. 4. tais como o questionário e a observação sistemática. gravações. A pesquisa bibliográfica. A pesquisa bibliográfica tem os seguintes objetivos: • Fazer um histórico sobre o tema. • Levantar contradições sobre o tema. que ainda não receberam tratamento analítico por nenhum autor. Documentos institucionais de uso restrito. coletar dados em documentos bastante diversificados: • • • • Documentos institucionais conservados em arquivos. como cartas e e-mails. vídeos. melhor será o resultado e o embasamento teórico necessário. • Encontrar respostas aos problemas formulados. ou seja o referência teórico é uma etapa fundamental num trabalho científico. e instrumentos como a observação e o formulário. Procede-se à solicitação de informações a um grupo significativo de pessoas acerca 9 . fichamento e arquivamento de informações relacionadas à pesquisa.estudos que podem ser classificados como pesquisa descritiva e uma de suas características mais significativas é a utilização de técnicas padronizadas de coletas de dados. Fotografias. É comum. Pesquisa de levantamento Caracterizada pela interrogação direta das pessoas cujo comportamento se deseja conhecer. • Evitar repetição de trabalhos já realizados. consiste no levantamento.

A amostragem probabilística é submetido a tratamento estatístico que permite compensar erros amostrais. por isto. é preterida. Pesquisa Ação Quando concebida e realizada em estreita associação com uma ação ou com a resolução de um problema coletivo. mas não representativos da mesma. fenômenos ou padrões existentes. não aceita diversas aplicações estatísticas e. Os pesquisadores e participantes representativos da situação ou do problema estão envolvidos de modo cooperativo ou participativo. Hoje. Neste tipo de amostragem. Apresentamos duas grandes divisões no processo de amostragem: a probabilística e a não.probabilística. 4. Estudo de caso Quando envolve o estudo profundo e exaustivo de um ou poucos objetos de maneira que se permita o seu amplo e detalhado conhecimento. Evidentemente. é realizado a partir de um caso em particular e. dificilmente se aceita urna amostragem não-probabilística. pressupondo que estes têm a capacidade de influenciar toda a população estatística. exceto nos casos em que a amostragem probabilística não pode ser feita. O pesquisador não se dirige à "massa". esta técnica não permite generalizações do resultado e tem validade apenas dentro de um certo contexto. normalmente. qualquer amostra tem a mesma probabilidade de ser selecionada. A amostragem não-probabilística. posteriormente é realizada uma análise comparativa com outros casos. O tipo mais comum de amostragem não-probabilística é a intencional.do problema estudado para em seguida mediante análise quantitativa obterem-se às conclusões correspondentes aos dados coletados. Em uma amostragem probabilística ou aleatória. 10 . Este tipo de pesquisa. Amplamente utilizada no levantamento das características e parâmetros de funcionamento ou operação de sistemas e processos. por não fazer uso de forma aleatória de seleção. o pesquisador está interessado na opinião de determinados elementos da população estatística. Quando se desenvolve a partir da interação entre pesquisadores e membros da situação investigada.4 POPULAÇÃO E AMOSTRA Muitas pesquisas se utilizam de um elemento balizador ou referência para obter um resultado o mais próximo possível do seu objeto de pesquisa. mas àqueles que entende serem os líderes.

4 TECNICA DE COLETA DE DADOS Questionários Também chamado de survey (pesquisa ampla). Podem ser desenvolvidos para medir atitudes. Podem ser aplicados individualmente ou em grupos. comportamento. realizadas de maneira informal. onde você possa avaliar as perguntas respondidas. ou mesmo pelo correio. garante o anonimato e pode conter questões para atender a finalidades específicas de uma pesquisa. A entrevista pode fornecer uma quantidade de informações muito maior do que o questionário. treinamento adequado dos observadores. ou do tipo sim ou não.4. etc. o questionário é um dos procedimentos mais utilizados para obter informações. Aplicada criteriosamente. Pode incluir questões abertas. Observações realizadas em fases iniciais de um projeto ou mesmo antes de seu início podem ser de caráter não estruturado. Nesse método. fechadas. A análise dos dados permite: 11 . é aconselhável um questionário teste. Este método requer um bom planejamento prévio e habilidade do entrevistador para seguir um roteiro de questionário. se está de acordo com o proposto ao seu objeto de estudo e os objetivos gerais e específicos. ou seja. impactos.5 ANÁLISE E TRATAMENTO DOS DADOS ANÁLISE DOS DADOS Trata-se da análise estatística dos dados que visa verificar o que os dados significam para a pesquisa. É uma técnica de custo razoável. com possibilidades de introduzir variações que se fizerem necessárias durante sua aplicação. esta técnica apresenta elevada confiabilidade. 4. Entrevistas É um método flexível de obtenção de informações qualitativas sobre um projeto. apresenta as mesmas questões para todas as pessoas. circunstâncias da vida do cidadão. processos. Observação Direta Este método de coleta de dados baseia-se na atuação de observadores treinados para obter determinados tipos de informações sobre resultados. a aplicação de uma entrevista requer um tempo maior do que o de respostas a questionários. por telefone. e outras questões. opiniões. Um dos requisitos para aplicação desta técnica é que o entrevistador possua as habilidades para conduzir o processo. supervisão durante aplicação e procedimentos de verificação periódica para determinar a qualidade das medidas realizadas. de resposta numérica. Em geral. Requer um sistema de pontuação muito bem preparado e definido. de múltipla escolha.

Normas de classificação: • • • • • Definir em classes ou categorias Exemplo: Sexo M ou F Na mesma questão não pode haver mais de um critério Exemplo: Sexo/Menor de idade para o mesmo campo As categorias em que a população ou universo é dividido devem abranger cada um dos elementos. • Exemplo: Estado Civil (Casado ou Solteiro). Codificação dos dados É o processo de atribuir um símbolo a cada classe de cada categoria. • • Mostrar a relação entre si das diferentes variáveis. na forma de linguagem numérica. Este símbolo pode ser apresentado na forma de palavras ou. dando ordem às partes e colocando cada uma em seu lugar. pertencentes ao universo. • A classificação deve ser constituída por categorias que se excluam mutuamente. preferivelmente. Descrever indivíduos. deixa de fora viúvo ou outros. Indicar até que ponto variam os indivíduos no grupo. • A classificação não deve ser demasiadamente minuciosa. 12 . sem deixar nenhum de fora. Mostrar outros aspectos da maneira pela qual os indivíduos se distribuem em relação à variável que está sendo medida. • Exemplo: Se já perguntei se é Maior de Idade então não preciso perguntar se é adolescente.• • • Caracterizar o que é típico no grupo. as diferenças entre dois ou mais grupos de Classificação dos dados Dividir o todo (universo) em partes.

O trabalho de investigação. 13 . por meio da coleta de informações. O interesse na ciência e a descoberta dos fenômenos. em sua evolução demonstra o processo de conhecimento cada vez mais inserido na humanidade. sociais. para então chegar às conclusões e a utilização da prática metodológica. são as fontes primeira de validade de qualquer pesquisa e de sua expressão escrita. As etapas apresentadas contemplam os métodos e técnicas das regras relativas a procedimentos de pesquisa e sua apresentação que serão objeto deste curso. que é a monografia ou a produção de um artigo. Importante frisar desde já que estas regras. naturais. organização e a disciplina. CONSIDERAÇÕES FINAIS A Pesquisa Científica. permitido mapear todo o processo e evitar imprevistos. ambientais interferem na curiosidade dos pesquisadores. hoje também são utilizadas com objetivos profissionais. além de servirem como orientação. A pesquisa científica permite o estudo constante e a atualização permanentes. A monografia ou o artigo não precisam ser necessariamente acadêmicas ou teóricas. A Pesquisa Científica atende à essa busca constante de construção do conhecimento. é uma arte para aqueles que tenham interesse na descoberta.5. sejam eles. Cada vez mais estudantes buscam compreender e entender tais fenômenos. O projeto de pesquisa é desenvolvido por etapas que devem ser muito claras ao pesquisador.

NBR 6022: informação e documentação: artigo em publicação periódica científica impressa: apresentação. São Paulo: Thomson. MASINI. 2002. Metodologia e Tecnica de Pesquisa em Ciencias Sociais Aplicadas. E. Cláudia Servilha. AZEVEDO. Enfoque fenomenológico de pesquisa em educação. 2004. 1995. Antonio Joaquim. São Paulo: Atlas. 11. Introdução à metodologia do trabalho científico: elaboração de trabalhos na graduação. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS ANDRADE. Atlas. LENGRAND. 2001. Fundamentos de metodologia científica. E. DIEHL. LAKATOS. O prazer da produção científica: descubra como é fácil e agradável elaborar trabalhos acadêmicos. 2009. São Paulo: Cortez. Metodologia científica em ciências sociais. ed. São Paulo: Prentice Hall. Maria Margarida de. São Paulo: Saraiva. Metodologia do Trabalho Científico. 104 p.6. A. Barcelona: Ariel. ed. Irineu. Vicente. rev. M. SEVERINO. O. São Paulo: Hagnos. 5 ed. ASSOCIAÇÃO Janeiro. BERVIAN. 205 p. Fundamentos de metodologia.ed. Paul. Metodologia da pesquisa educacional. 557. SALOMON. São Paulo: Atlas. PAIM. Israel Belo de.. Délcio Vieira. ed. São Paulo: Cortez. 2004. 5 ed. BASTOS.R. 4. Mário (1980). Passo Fundo: Clio Livros. Como fazer uma monografia. 2003. 2004. ed. 2002. DEMO. S. CERVO. P. M. 6ª edição. 2003. BUNGE. São Paulo. MARCONI. 16. Denise Carvalho.Astor Antonio. OLIVEIRA. Aprendendo a aprender: introdução à metodologia científica. Metodologia científica aplicada ao Direito. A. 8.”Teoria Estática”. MARTIM. Petrópolis: Vozes. 2002. atual. MEZZAROBA. A. 14 BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS. MONTEIRO. 1999. 9. Metodologia Científica. 413. F. Orides. Manual de metodologia a pesquisa no direito. La Investgación Científica: su Estrategia y su Filosofia. 2003. 2006. Pedro. São Paulo: Martins Fontes. Rio de . FACHIN. KELLER. São Paulo: Saraiva. Cleverson Leite. 3ª ed. pp. Silvio Luiz de.

>. Especialista em Administração com ênfase em Marketing .The Global Association For Marketing At Retail e Membro da Associação Brasileira de Marketing em Saúde. Tem experiência na área de Educação como professora de EJA. Palavras chave: WEB 2.php?modulo=11&texto=631. formação de professores. Gestão em Recursos Humanos. atuando principalmente nos seguintes temas: workflow. Logística. Atualmente.UNISANTOS.0. Atualmente professora iv . currículo. Professora on line dos cursos de formação de professores e gestores da rede pública do Sudeste. Propaganda e Gestão do Conhecimento do Centro Universitário Anhanguera São Paulo. de História do Ensino Fundamental e Médio e coordenadora pedagógica na rede pública (Prefeitura municipal de Santos) e privada. Avaliadora de curso na modalidade EaD da Secretaria Estadual de Educação do Estado de São Paulo e selecionada para a Capacitação de Avaliadores do Basis para atos de reconhecimento. história da indumentária e novas tendências na educação. AGNALDO IZIDORO Possui graduação em Processamento de Dados pela Universidade Norte do Paraná (1994) e mestrado em Ciências da Computação pela Universidade Federal de Santa Catarina (2001). Drogaria Ipiranga e Jornal Plantão Saúde. 2011. nordeste e Sul do Programa de Pós-Graduação da PUC.Serviço Nacional de Aprendizagem Comercial . Currículos Resumidos CLAUDIA COELHO HARDAGH Doutora em Educação Currículo pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo. mapeamento e trabalhos científicos.br/ler. em empresas como Coca-Cola (Panamco Brasil). autorização de cursos e EaD.UNISANTOS. Disponível em: <http://www. Possui Licenciatura em História pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo e Pontifícia Universidade Católica Rio Grande do Sul (1985). SIMONE ROCHA PEREIRA Experiência consolidada de 30 anos nas áreas de Marketing e Comercial.FECAP e Bacharel em Comunicação Social com habilitação em Propaganda e Publicidade . Professora / Especialista na área de Marketing. é Coordenadora dos Cursos de Tecnologia em Marketing.serprofessoruniversitario. Coordenadora dos 15 . com ênfase em Banco de Dados.pro. Acesso em: 24 fev. Antropolgia do conhecimento. Membro POPAI . Concluiu Pedagogia pela Faculdade de Filosofia Ciências e Letras de Registro (1996) com ênfase em gestão escolar e Especialização em Sociologia pela Escola de Sociologia e Política de São Paulo. Tem experiência na área de Ciência da Computação.SP e assessora pedagógica da Editora do Brasil.TEIXEIRA. auto-avaliação. Membro efetivo do banco de avaliadores MEC/INEP. professora da Pós-Graduação do Centro Universitário Anhanguera. Gilberto. Mestranda da Universidade Católica de Santos .. Publicidade. web applications.SP.

identificando oportunidades de negócios no mercado. Experiência com projetos de relacionamentos e gestão administrativa. C. Como citar este texto: HARDAGH. S. SOUZA. A. e PEREIRA. Contato com clientes. . visando à prospecção de novos negócios.Metodologia da Pesquisa Científica e Jurídica – Material de Aula da Disciplina: Metodologia da Pesquisa Científica e Jurídica. C. R. ministrada nos Cursos de Pós-Graduação Lato Sensu Televirtuais da Anhanguera-Uniderp | Rede LFG. 16 . I.Projetos de Iniciação Científica do Centro Universitário Anhanguera São Paulo da Unidade Brigadeiro. 2011.