ALCOHOL: CONSUMO NORMAL POR PATOLÓGICO ÁLCOOL: CONSUMO NORMAL X PATOLÓGICO

Carvalho de Sousa, Heloísa Karmelina1; Moreira Hazboun, Andressa2; Dantas de Lucena, Marianna Carla Maia3; Rodrigues Paiva da Rocha, Hannia Roberta4; Alchieri, João Carlos5. 1Aluna de Pós-graduação em Psicologia da UFRN, Natal – RN email: helosousa@hotmail.com 2Aluna de Pós-graduação em Psicologia da UFRN, Natal – RN email: dxahaz@gmail.com 3Aluna de Pós-graduação em Psicologia da UFRN, Natal – RN email: hanniaroberta@yahoo.com 4Aluna de Pós-graduação em Psicologia da UFRN, Natal – RN email: mariannacarla.lucena@hotmail.com 5Professor do Programa de Pós-graduação em Psicologia da UFRN, Natal – RN email: jcalchieri@gmail.com helosousa@hotmail.com

RESUMEN: La dependencia de una sustancia, sea de origen psicológico o fisiológico, se caracteriza por la necesidad de su consumo para prevenir los síntomas de abstinencia, llevando a una pérdida crónica de control en el consumo de la droga. En ese sentido, este trabajo propone hacer una revisión teórica acerca de la dependencia y el abuso de alcohol desde el principio hasta la investigación más actual. Con diferentes etiologías que se basan en los aspectos de los determinantes biológicos, así como el desarrollo social y psicológico del individuo, se considera que el alcoholismo es un problema importante de salud pública. Se sabe que el consumo constante de altas dosis de alcohol puede dañar casi todos los sistemas orgánicos, tanto en el tracto gastrointestinal, como en los sistemas cardiovascular y nervioso. Los tratamientos sugeridos para el alcoholismo son diversos; pero, incluso los más eficaces presentan baja capacidad de resolución debido a altos índices de reincidencia en esta población. Por lo tanto, hay una necesidad de más investigación para comprender mejor estas enfermedades y formas eficaces de tratamiento y profilaxis.

ABSTRACT: The dependence of a substance, either of psychological or physiological way, is characterized by the drug usage necessity in order to prevent symptoms of abstinence taking to a chronic loss of control in the ingestion of the drug. In that sense, this paper proposes to make a theoretical review about the abuse and alcohol dependence from the beginnings to the current research.With varied etiologies that supports biological determinants or social and developmental aspects in its establishment, alcoholism currently is considered a public health problem. It is known that frequent consumption of high doses of alcohol can damage almost all the organic systems, as the gastric, cardiovascular and nervous. Treatments pointed are diverse, however, even the most efficient present low resolution due to the high indices of fallen again into this population. It is observed, therefore, the necessity of more research directed to the understanding this pathology and the development of efficient forms of treatment and Prophylaxis.

1
12º Congreso Virtual de Psiquiatría. Interpsiquis 2011 www.interpsiquis.com - Febrero-Marzo 2011 Psiquiatria.com

Os gregos. efeitos do cérebro e aspectos do desenvolvimento social e psicológico para o próprio curso do alcoolismo. Com preço mais acessível. o que diminuía a incidência de embriaguez. também produziam tais bebidas. as bebidas alcoólicas vieram a se popularizar e. Ao lado disso. bebiam excessivamente. tanto homens. época em que se iniciou a produção em massa de destilados. os alcoolistas eram vistos como pessoas de “caráter fraco” ou que sofriam de “fraqueza de moral”. a fim de estimular a atividade comercial. costumavam fermentar seus produtos e deram-se conta de que existia um estado de embriaguez ocasionado por estes.Febrero-Marzo 2011 Psiquiatria. uma vez que os nobres bebiam vinho. Pesquisas e considerações sobre alcoolismo Estudos realizados trazem evidências de que o alcoolismo tem as mais variadas origens e muitas vezes. tem sua raiz em determinantes biológicos. No entanto. na Inglaterra. Os povos pré-colombianos. o que era. Phil4 aponta que essa problemática pode estar relacionada tanto com a hereditariedade. bem como consideravam essencial o seu uso em festas e eventos sociais. A despeito dos resultados obtidos. algumas pesquisas apontam a relação dessa problemática tanto com a hereditariedade. assim como os egípcios. essa relação se prolonga através da História 1. o uso do álcool nessa época não era amplamente generalizado. Atualmente. feita da cevada. mas a embriaguez deve ficar restrita a eventos sociais específicos. por exemplo. Aparentemente. ainda não foi possível determinar com precisão a causa do alcoolismo. que era importado e mais caro. Nesse contexto.com . O processo de destilação foi descoberto na China Antiga. de modo semelhante.interpsiquis. e até mesmo crianças. Estudos mostram que pessoas que tem história de alcoolismo na família nuclear. e o acesso. romanos. que começou a dar mais atenção a essa população e mais estudos foram empreendidos acerca do tema ³. tais explicações eram insuficientes para o meio científico. muitas sociedades consideram aceitável o uso de álcool. 50 anos depois. chineses e indianos.ALCOHOL: CONSUMO NORMAL POR PATOLÓGICO 1. por volta do século VIII. 2. concomitantemente a embriaguez do consumidor. por sua vez. Há cerca de 100 anos. gregos. Interpsiquis 2011 www. No contexto sócio-histórico das colônias americanas. os babilônicos criaram o vinho a partir da fermentação das uvas. No entanto. Porém essa intoxicação por destilados era visível apenas nas classes mais baixas. à época. não só consumiam as bebidas.com . a refinação na Arábia. a cerveja. Em virtude do processo de destilação ser relativamente complexo. o proletariado. totalmente aceitável pela sociedade ². as bebidas fermentadas eram a forma mais popular de álcool consumida até o século XVIII. pais -212º Congreso Virtual de Psiquiatría. como com aspectos do desenvolvimento social e psicológico ³. ou seja. Breve histórico acerca do consumo de álcool Na antiguidade. a predominância do consumo de bebida alcoólica era muito maior que na contemporaneidade. mais limitado. quanto mulheres.

na maioria das sociedades. etc. como uma substância legalizada.com . pois até os mais eficazes tratamentos para o alcoolismo apresentam prognósticos pouco animadores e. apresenta mais riscos de desenvolver a doença se comparadas a outras pessoas que não apresentam tal histórico familiar. que as pessoas usam álcool pelas mais variadas razões: seja sentir-se relaxado. Interpsiquis 2011 www. 6. As bebidas alcoólicas estão presentes em diversos eventos nas sociedades: jantares familiares. A aprendizagem do comportamento de beber recebe influências sociais. diminuir as inibições ou. 3. Em outras palavras. nem sempre é considerado uma droga. abuso está diretamente relacionado à dependência de substâncias. o fato de as bebidas alcoólicas serem consideradas. psicológicos e do desenvolvimento interagem com os fatores genéticos e resulta no comportamento do indivíduo.com . levando os demais a repetirem esse comportamento. porque nem todos que tem tal histórico familiar manifestam tal dependência ³. que -312º Congreso Virtual de Psiquiatría. o que é observado ao longo do desenvolvimento histórico e parece persistir nos dias de hoje. Alcoolismo e abuso de substâncias Na atualidade. festas. nas sociedades.ALCOHOL: CONSUMO NORMAL POR PATOLÓGICO e/ou irmãos. A principal característica do abuso de sustâncias é a manifestação de um conjunto de sintomas tanto cognitivos. É estimado que esse risco seja de 4 à 7 vezes maior. é ainda menos favorável 5. ainda. Os comportamentos e ações dos pais no que se refere ao álcool são os maiores prenúncios do uso de bebida na fase da adolescência. com fins recreativos. todavia. mesmo com a verificação de problemas diretamente relacionados a ela. Esse abuso é observado em cerca de 10% dos homens e entre 3 e 5% das mulheres. quanto fisiológicos e comportamentais e a persistência da pessoa no uso da substância. como também para o consumo de substância que venha a produzir o mesmo efeito 5. Dois outros fatores diretamente relacionados são temperamento e comportamento. Em terceiro lugar. as pesquisas atuais tem deixado o seu foco anterior. até mesmo. cada vez mais mulheres e jovens tem feito uso exacerbado da substância psicoativa 7. casamentos. familiares que moldam crenças. que eram estudos acerca dos usuários crônicos de álcool. comportamentos e expectativas acerca do uso do álcool. batizados. e por sua vez. a dependência e o abuso de álcool são um grande problema de saúde pública. Há também a relativa condescendência que a maioria das pessoas expressa quanto aos seus efeitos. Os fatores sociais. Sabe-se. para pacientes com maior cronicidade. Dentre os aspectos que contribuem para essa cultura há alguns que podemos citar. considerando-os pouco negativos ou severos. Essa dinâmica pode explicar porque nem todas as pessoas que manifestam dependência alcoólica tem esse histórico na família. Assim. Primeiramente. Tal modelo pode não se referir apenas para o comportamento do beber. O álcool.interpsiquis.Febrero-Marzo 2011 Psiquiatria. é comum que pessoas importantes na vida de determinado indivíduo façam uso dessa substância e esta faça parte do seu modo vida. e tem se concentrado cada vez mais nos jovens usuários que o consomem socialmente 10 .

O indivíduo pode expressar ainda desejo persistente de diminuir ou limitar o uso da substância. porém.com . após a manifestação dos sintomas da abstinência. o critério 1 para a dependência de substância é a tolerância. Sendo que o nível em que a tolerância evolui varia substancialmente de uma substância para outra. que são característicos da Dependência.ALCOHOL: CONSUMO NORMAL POR PATOLÓGICO também acarreta em prejuízo no campo social ou do trabalho. resulta em abstinência. em uns poucos casos. incluindo sintomas de abstinência quando o consumo da droga é reduzido ou interrompido 8 . tolerância e abstinência não são critérios suficientes para se fazer um diagnóstico de Dependência de Substâncias. Porém. Interpsiquis 2011 www. no mesmo período de um ano 9. que acontecem quando as concentrações de determinada substância na corrente sanguínea e nos tecidos declinam em uma pessoa que manteve o uso constante e abusivo da substância. Outra grande característica é a existência de um padrão de autoadministração frequente e. todavia. Podemos definir a Dependência como um grupo de três ou mais de sintomas. envolve perda crônica de controle acerca da ingestão de álcool 8. Campbell aponta que a dependência alcoólica. o indivíduo pode fazer uso da substância em maiores quantidades ou em períodos mais longos que o que pretendia de início. O critério 2a do DSM-IV diz respeito a abstinência. a "fissura" – aqui vista como um grande impulso para usar a substância – tende a ser experimentada pela maioria dos indivíduos com Dependência de Substâncias. que se configura como uma alteração comportamental mal adaptada com aspectos tanto cognitivos quanto fisiológicos. já que algumas pessoas manifestam um padrão de consumo compulsivo. as tentativas frustradas são freqüentes. Outro critério diz respeito a pessoa a dedicar muito -412º Congreso Virtual de Psiquiatría. Segundo o DSM-IV. alguns sintomas são menos aparentes e. para determinadas classes. tolerância e comportamento compulsivo de consumo da droga 9 . se não por todos. Com relação ao uso compulsivo de substância. que pode ser expressada em termos estruturais e de funcionamento em distintas e importantes áreas cerebrais. ou um efeito diminuído com o uso persistente da mesma quantidade da substância. mais precisamente. há a possibilidade de se haver maior variação individual da sensibilidade aos efeitos da droga. Com relação aos sintomas da abstinência.Febrero-Marzo 2011 Psiquiatria. Ao se fazer abuso do álcool. ocorrendo a qualquer momento. Os sintomas de Dependência são semelhantes entre as várias categorias em que se encontram as substâncias.interpsiquis. A dependência de uma substância ocorre quando o indivíduo precisa consumir a droga a fim de evitar os sintomas de abstinência. daí o déficit cognitivo 4. que pode ser definida como a necessidade de crescentes quantidades da substância para atingir o efeito desejado. mas sem apresentar sinais de tolerância ou abstinência. A tolerância também varia de acordo com a sensibilidade inicial de cada indivíduo aos efeitos de tais substâncias. Mesmo não sendo especificamente considerada como um critério. a tendência de as pessoas a consumir a substância com a finalidade de aliviar ou de evitar os sintomas desagradáveis 9 . que. nem todos esses sintomas se manifestam. geralmente. Já o critério 2b corresponde a. eles podem variar entre as categorias de substâncias.com . tal dependência pode ser tanto de cunho psicológico como fisiológico ¹.

Ressalta-se a necessidade de mais estudos. Em muitos casos de Dependência de Substância todas as atividades do indivíduo giram em torno da substância. déficits cognitivos e alterações degenerativas no cerebelo 4. na atualidade. Alcoolismo na atualidade Atualmente o alcoolismo atinge entre 10 e 12% da população mundial. Em todo o mundo a doença causada pelo álcool preocupa enormemente os sistemas de . não deve ser objeto de preconceitos ou julgamentos morais 12 . Tanto a tolerância quanto a abstinência podem estar relacionadas com um risco maior para problemas médicos e com uma taxa alta de recaídas 9. observa-se.com . como nos sistemas cardiovascular e nervoso. Sendo essa droga psicoativa a principal causa de acidentes de trânsito (60%) saúde 11 12 . isso reflete nos 11. cujas conseqüências vão além dos malefícios à saúde da pessoa que faz uso. Interpsiquis 2011 www. Nessas situações.Febrero-Marzo 2011 Psiquiatria. O alcoolista. apesar de ter o conhecimento e admitir que a substância contribui para o seu problema psicológico e/ou físico. -512º Congreso Virtual de Psiquiatría. quanto fisiológicos e comportamentais.com . Quanto ao uso patológico de álcool. tanto cognitivos. tais como déficit de memória grave. É considerado.ALCOHOL: CONSUMO NORMAL POR PATOLÓGICO do seu tempo na tentativa de obter a substância desejada. principalmente. assim como se caracteriza em situações de abuso de sustâncias. a manifestação de um conjunto de sintomas. 4. a pessoa persiste fazendo uso de uma substância.interpsiquis. tanto que as atividades que antes eram prazerosas podem ser abandonadas ou reduzidas devido a seu uso. portanto. visando melhor compreensão dessa patologia e formas eficazes de tratamento e profilaxia. Entre 65 a 70% dos casos de violência contra a mulher estão relacionados ao consumo da substância psicoativa. e. como uma doença. o indivíduo continua fazendo uso da mesma 8. Conclusões Esse é um tema de extrema importância para a sociedade. O consumo constante de altas doses de substância alcoólicas pode interferir em quase todos os sistemas orgânicos. uma vez que problemas relacionados ao consumo e dependência de substancias são cada vez mais visíveis.2% da população brasileira. O alcoolismo é um sério problema de saúde pública. tanto no trato gastrointestinal. mesmo com o aparecimento de problemas diretamente relacionados à mesma 9.

da Ministério da Saúde. Blaney PH. Dicionário de Psiquiatria.br/saude/visualizar_texto. ed. Wadsworth: Cengage Learning. Psicologia dos Transtornos Mentais. Porto Alegre: Artmed. 5.com . 11. Projeto diretrizes. ed. Marlatt GA. 8. Alderazi Y. Substance Abuse: Diagnosis. and psychopatology. 2009. Washington: APA. 20 p. 193-196. 13. ed. Pihl RO. Associação Médica Brasileira e Conselho Federal de Medicina. comorbidity. Brett F. 7. ed. Nathan PE. In. p. n. Terapia cognitivo-comportamental de transtornos de abuso de álcool e drogas. p. 4.pdf 12. Ribeiro M. Disponível em: http://portal. cap 7. Oxford Textbook of Psychopatology. Millon T.Febrero-Marzo 2011 Psiquiatria. 6. Saint Louis: Paperback. 2007. 2009. 2002. Brasília: Ministério saúde. Rangé B. Projeto Diretrizes: Abuso e dependência do álcool. Davis RD.saude. Skinstad AH. Drugs: Across the Spectrum. 2. 2. Feist J. Diagnostic and statistical manual of mental disorders. cap 9 p. Cengage Learning.br/projeto_diretrizes/002. 8.interpsiquis. 4. Goldberg R. 30(2): 88-95. p. Alcohol and the nervous system. Marques ACPR.ALCOHOL: CONSUMO NORMAL POR PATOLÓGICO Referências 1. Health Psychology: A introduction to behavior and health. Schiff W. 3. Revista Brasileira de Psiquiatria 2008 Out. Essencial Concepts for Health Living. Holmes DS. In Current Diagnostic Pathology. 10. Interpsiquis 2011 www. New York: Oxford University Press. Alters S. American Psychiatric Association.com . [capturado em 2010 nov 2]. ed. Langenbucher JW. 2009. Wadsworth. Campbell RJ. 2006. 2006. 6. Álcool – da diversão ao vício. 2002. p. 203–209. Factors related to alcohol abuse and dependence. Oxford Textbook of Psychopatology. São Paulo: Martins Fontes.gov. 9.227-248. 113-128 7. Substance Abuse: etiological. New York: Oxford University Press.org. 2010. cap 10. 2001. Brennon L. [capturado em 2010 nov 2] disponível em: http://www. In: Millon et al.cfm?idtxt=557 -612º Congreso Virtual de Psiquiatría.projetodiretrizes.249-276.