[1] ³Texto áureo: ³Porque o reino de deus não é comida nem bebida, mas justiça, e paz, e alegria no Espírito Santo´

(Rm 14.17).´ [1] ³Verdade prática: O conceito de prosperidade em o Novo Testamento vai muito além da aquisição de bens terrenos; ele está fundamentado nas promessas do Reino de Deus na época vindoura.´

[1] ³Introdução: Na lição de hoje, veremos o que significa a prosperidade para o cristão (1 Co 16.2; 3 Jo 2). Entre outras coisas, buscaremos responder a esta importante pergunta: Como o Senhor Jesus e seus apóstolos definiram a verdadeira prosperidade? (Jo 10.10; Fp 4.12,18). Verificaremos que o sentido de prosperidade, em o Novo Testamento, vai muito além das posses materiais. Você tem porfiado por viver uma vida de íntima comunhão com o Senhor? Isso é viver prosperamente.´ LIÇÃO 04 ± A PROSPERIDADE EM O NOVO TESTAMENTO / I ± A PROSPERIDADE NO NOVO TESTAMENTO É ESCATOLÓGICA

[1] ³1. Prosperidade e consumo. Contrastando a doutrina do Novo Testamento sobre a prosperidade com o ensino de determinados mestres, constatamos haver uma abissal diferença entre ambos. Enquanto os tais doutores incentivam o consumo e o acúmulo de bens materiais, o Senhor Jesus e seus apóstolos até desencorajam tal ideia (Mt 6.19; 1 Tm 6.8-10). É por isso que muitos cristãos, apesar das aparências, não se enquadram no modelo apresentado pela Palavra de Deus. Sucesso e consumo são termos que definem o que se considera hoje uma vida próspera. Todavia, é importante ressaltar: a prosperidade, de acordo com o ensino apostólico, não significa realização material, mas o aprofundamento da comunhão do ser humano com Deus. Se para o homem moderno prosperar implica galgar os degraus do sucesso e da fama, para a Bíblia tais coisas não têm valor algum. Aliás, ela até incentiva a perda desses bens (Fp 3.7,8; Lc 18.22; 19.2,8)!´ [2] Amados professores e alunos da EBD, a Paz do Senhor! Estamos diante de uma lição de grande importância para o crescimento espiritual. Se todos os alunos da EBD assimilarem esta lição, a Revista Lições Bíblicas deste primeiro trimestre já valeu a pena. Valorizamos as coisas de acordo com o conhecimento que temos a respeito delas, sendo assim, por que a Igreja primitiva não enfatizava a riqueza material? Por que não buscavam o enriquecimento terreno? Por que não pregavam essa tão conhecida Teologia da Prosperidade? Porque eles já haviam ampliado a visão sobre o que é prosperidade. Quando Deus criou o homem colocou nele um desejo de crescer, de dominar, de conquistar, de evoluir, "[...] Façamos o homem à nossa imagem, conforme a nossa semelhança; e domine [...]" (Gênesis 1:26), "E Deus os abençoou, e Deus lhes disse: Frutificai e multiplicai-vos, e enchei a terra, e sujeitai-a; e dominai sobre os peixes do mar e sobre as aves dos céus, e sobre todo o animal que se move sobre a terra. (Gênesis 1:28). Observe que o homem só dominaria os peixes, as aves e os animais se primeiro ele desejasse esse domínio, então, Deus colocou o desejo de dominar, de sujeitar, de encher, de multiplicar e de frutificar, no coração do homem.

Faz-se necessário resgatar a dimensão escatológica que caracterizava a Igreja Primitiva (Mt 6. Isso levou o apóstolo Paulo a desejar ardentemente a vinda do Senhor (1 Ts 4. para ser. Prosperidade e futuridade. muito pequena. A pergunta que faço agora é: Qual visão nós temos sobre a prosperidade? da bicicleta ou do carro? Se estamos preso à Teologia da Prosperidade.19). eles tinham os corações completamente voltados para a manifestação plena do Reino de Deus. e o nosso desejo nos impulsionará a trocar o que temos pelo novo. E por que fazemos isso? Porque o homem é movido pelo desejo. estamos com uma visão muito limitada. ele precisou apenas aguçar o desejo de "ser" do homem. Se estamos com a visão da Igreja primitiva. Desde então todos os homens desejam ser dominadores. mas sim o Reino de Deus e as riquezas espirituais.Esse desejo de querer.29.31). Por já estarem desfrutando das bênçãos do mundo vindouro (Mc 10. mas a parti do momento que conhecemos o carro. A Escritura exorta-nos a não confiar nas riquezas (1 Tm 6. basta nos mostrar outro celular e alguém dizer que esse é melhor. buscamos e desejamos aquilo que conhecemos. bem-sucedida e livre de aflições nada tem a ver com a visão escatológica dos primeiros cristãos. Tenham todos uma excelente aula! Um grande abraço! [1] ³2. de acordo com o ensino apostólico. Se o crente colocar o coração nos bens materiais certamente cairá na tentação da cobiça (1 Tm 6.6. Tiago alerta que a confiança nos bens terrenos conduz à opressão e ao engano (Tg 2. de ser. então temos uma visão ampliada da prosperidade e os bens materiais não serão o nosso alvo.8. Nesse simbolismo a bicicleta representa os bens materiais. É a mesma coisa que desejarmos a bicicleta por pensarmos que a bicicleta é o melhor meio de transporte. A Igreja primitiva já havia rompido com essa visão das coisas materiais. desejam ser o melhor de toda a criação terrena. mesmo que o atual ainda esteja funcionando bem. o aprofundamento da comunhão do ser humano com Deus. Desde então Satanás vem usando a mesma tática para que o homem deseje o que não é bom para sua vida. por isso e por aquilo. então a bicicleta não vai deixar de ser boa. basta apresentar um conhecimento falso das coisas e o homem já estará lá lutando para ter. Por isso Satanás ao saber que o desejo estava no coração do homem.17) nem acumulá-las (Mt 6. Mas porque estou dizendo tudo isso? Porque a Teologia da Prosperidade apresenta uma visão equivocada das coisas. porém. o conhecimento a respeito das coisas eternas os fizeram ver que havia algo muito melhor para se desejar do que as riquezas terrenas. Devo acrescentar que esse desejo não é pecado. rica.30). agora vamos desejar e buscar ter o carro. e o carro representa a prosperidade.9. Porque Deus sabe que no dia em que dele comerdes se abrirão os vossos olhos. e sereis como Deus.´ LIÇÃO 04 ± A PROSPERIDADE EM O NOVO TESTAMENTO / II ± A PROSPERIDADE EM O NOVO TESTAMENTO É MAIS UMA QUESTÃO DE SER DO QUE DE TER . Trocamos o computador ou o celular por outro mais moderno. 5.4). Satanás disse para Eva "Então a serpente disse à mulher: Certamente não morrereis. apenas trouxe um conhecimento falso das coisas para que o homem desejasse o que era pecado diante de Deus." (Gênesis 3:4-5) Satanás não obrigou Eva a comer do fruto proibido. 2 Tm 4.10). sabendo o bem e o mal. A promessa de uma vida absolutamente saudável. mas vai deixar de ter tanto valor para nós.8).17. de dominar. 2 Co 5. deseje o que é pecado diante de Deus. vem desde o primeiro homem. e faz com que o homem deseje e busque coisas perecíveis e deixe de buscar e valorizar as coisas eternas.

Tesouros no céu. havia diferentes classes sociais.26). encontramos alguém que estava mais preocupado em ter do que ser. mas demonstrou total descaso em ³ser´ alguém zeloso pelas coisas espirituais (Lc 12.10). Assim orientado. Ele queria ³ter´ muitos bens materiais.´ . Lc 19. 25).´ [1] ³2.´ [1] ³2. foram exortados pelo apóstolo (2 Co 8. a classe média.20). A Bíblia condena o ³amor do dinheiro´.28). que eram tidos como as colunas da igreja em Jerusalém. Eis por que não se importou de perder tudo para ganhar o Filho de Deus (Fp 3. Cristo deve ser buscado e almejado. Fm 10.2). os ricos deveriam ser tratados com especial deferência.7. Quando a Igreja teve início. foram condenadas. Tanto Paulo quanto os outros apóstolos a todos instruía indistintamente (1 Co 7. que resulta em paz interior. O Novo Testamento adverte-nos quanto ao perigo da inversão dos valores eternos (Lc 12. Embora possamos ser agraciados com bens materiais. Havia também uma boa parte da população que era amparada pelo governo.24). A riqueza em si não é má. Diante disso. as verdadeiras riquezas são as espirituais e não as materiais. pessoas de todas essas camadas sociais agregaram-se à nova fé (At 6. pois tinham a Deus sempre em primeiro plano (Mt 27. este nada tinha preparado (Lc 12. nossa vida não deve ser direcionada por uma cultura de consumo que busca desenfreadamente a realização do ego em detrimento dos valores espirituais. Há muitos crentes que. Porém. embora social e economicamente heterogênea. Na doutrina apostólica.10). Sim. O ³ter´ está relacionado com aquilo que possuímos.15). muitos preferem as riquezas a manter uma profunda e doce comunhão com o Senhor (Lc 18.9).´ LIÇÃO 04 ± A PROSPERIDADE EM O NOVO TESTAMENTO / III ± A PROSPERIDADE EM O NOVO TESTAMENTO É FILANTRÓPICA / CONCLUSÃO [1] ³1. A pobreza entre os crentes hebreus deu-se em decorrência da fome que acabou por atingir o mundo daquela época (At 11.30. Não se esqueça.24. quem pode ser salvo?´ Acreditava-se que a riqueza era evidência de salvação! Jesus prontamente corrigiu essa ideia (Lc 12. Por causa disso. era homogênea em sua fé (At 4. os verdadeiros valores são os eternos e não os temporais. Foi por isso que os discípulos estranharam quando Jesus afirmou: ³Quão dificilmente entrarão no Reino de Deus os que têm riquezas! Porque é mais fácil entrar um camelo pelo fundo de uma agulha do que entrar um rico no Reino de Deus´ (Lc 18. mas ajuda-los com alegria.32). entretanto. encontramos várias pessoas ricas e.10).13-21). pediram-lhe que não se esquecesse dos pobres (Gl 2. A Igreja. nem por isso. não se mostram entusiasmados para cooperar. É o que nos ensina o Novo Testamento. Tiago e João. Paulo recorda que Pedro. O cuidado com os menos favorecidos é um dever da Igreja.3). Os judeus do tempo de Jesus acreditavam que a posse dos bens terrenos era sinal do favor divino.7).´ [1] ³Conclusão: A vida abundante está relacionada a um correto relacionamento com Deus. embora ricos espiritualmente. Uma igreja com diferentes classes sociais. Havia os ricos. porque nEle estão todos os verdadeiros tesouros e riquezas (Cl 2. o que fazemos dela pode transformar-se em algo danoso para nos e para os que nos cercam (Sl 62. Mas. Na História Sagrada. Nessa passagem. Logo.31). enquanto que o ³ser´ com aquilo que realmente somos.8). carecem de bens materiais para a sua sobrevivência.[1] ³1. A estes não devemos fechar o coração.57. Os irmãos de Corinto.8. 1 Co 1. As igrejas gentias responderam generosamente ao apelo do apóstolo (Rm 15.21). Tesouros na terra. infelizmente. mas não a sua aquisição através do trabalho honesto e responsável (1 Tm 6. Não esquecer dos pobres. Nos dias de Jesus. indagaram: ³Logo.18). Paulo iniciou uma campanha para arrecadar donativos para os crentes pobres de Jerusalém. O texto sagrado revela que quando Deus pediu a alma daquele homem. Paulo deixa bem claro que os bens espirituais transcendem infinitamente os materiais (Ef 3. os diaristas e os escravos.21. A prosperidade legitima-se com a generosidade.