You are on page 1of 30

15/09/2011

Hemograma
Expressa as condições do sangue periférico num determinado momento; Avalia o número e a qualidade das células do sangue; É um dos exames mais solicitados para diagnóstico, avaliação clínica e acompanhamento de diversas patologias:

Curso de Pós Graduação em Análises Clínicas
Módulo Hematologia Profa. Dra. Sandrine Wagner
sandrine@feevale.br

– Anemias, policitemias, infecções bacterianas e virais, leucemias, aplasias...

Neutrófilo bastão Plaquetas

Eosinófilo

Eritrograma
Homens Mulheres
4,0-5,5 11,5-15,5 36-47 89 ± 9 30 ± 3 33 ± 2 11-15

Crianças
4,0 - 4,7 11-13 36- 44 > 77 28 ± 4 33 ± 2 11-15

Neutrófilo segmentado Linfócito

Monócito Eritrócitos

Basófilo

ERI (x 106/µl) Hb (g/dl) HCT (%) VCM (fl) HCM (pg) CHCM (%) RDW (%)

4,5 - 6,0 13,5-17,5 40-52 89 ± 9 30 ± 3 33 ± 2 11-15

Título > Sub-título > sub-sub-título > nome slide

1

15/09/2011

Leucograma (Adulto)
Leucócitos
Neutrófilo bastão Neutrófilo segmentado Eosinófilos Basófilos Monócitos Linfócitos Total

Absoluto
50-500/µl 2.300-6.600/µl 50-500/ µl 25-80/µl 100-1.000/µl 1.000-4.000/µl 5.000-10.000/µl

Relativo
3±2% 56 ±10% 3±2% <1% 6 ±4% 30 ±10% 100

(----)

Anemia ???
Redução abaixo dos valores de referência de Hb & Hct no sangue periférico Homens Hb (g/dl) Hct (%) Eri (x106/µl) < 13,0 < 39,0 < 4,4 Mulheres < 12; < 11 (gestantes) < 36 < 3,9

OMS, 1959

Investigação e diagnóstico

Anamnese
– – – – – – – Quando começaram os sintomas? É doador de sangue? Fez tratamento com ferro, ac. fólico ou Vit. B12? História familiar? Exposição a drogas ou produtos químicos? Fezes escuras? Coloração anormal da urina?

Título > Sub-título > sub-sub-título > nome slide

2

15/09/2011

Classificação das anemias
Morfológica Microcítica Normocítica Macrocítica Fisiopatológica Falta de produção Excesso de destruição Perdas

VCM

Classificação das anemias
Morfológica Microcítica Normocítica Macrocítica Fisiopatológica Falta de produção Excesso de destruição Perdas

Título > Sub-título > sub-sub-título > nome slide

3

15/09/2011 Classificação das anemias Morfológica Microcítica Normocítica Macrocítica Fisiopatológica Falta de produção Excesso de destruição Perdas Classificação das anemias Morfológica Microcítica Normocítica Macrocítica Fisiopatológica Falta de produção Excesso de destruição Perdas Classificação das anemias Morfológica Microcítica Normocítica Macrocítica Fisiopatológica Falta de produção Excesso de destruição Perdas Título > Sub-título > sub-sub-título > nome slide 4 .

– América latina: 10. HIV/AIDS. As well as affecting a large number of children and women in developing countries. – Não existe via de excreção!!!! http://www. onde será eliminado com esfoliação celular.2 bilhão de pessoas). – Ácido gástrico ↑ absorção.int/nutrition/topics/ida/en/ Metabolismo do ferro Título > Sub-título > sub-sub-título > nome slide 5 . Absorção de ferro: – A absorção é altamente regulada para prevenir excesso. – Absorção intestinal no duodeno. – Parte do ferro permanece nas células intestinais associado à ferritina. – Absorção tem relação direta com o estoque. The numbers are staggering: 2 billion people – over 30% of the world’s population – are anaemic.who. schistosomiasis. Malaria. hookworm infestation. – Dieta humana: 13-18 mg/dia e ~ 1-2 mg são absorvidos.15/09/2011 Anemia ferropriva Surge como uma manifestação tardia do balanço negativa de ferro prolongado Prevalência: – Problema nutricional mais comum no mundo (>1. and other infections such as tuberculosis are particularly important factors contributing to the high prevalence of anaemia in some areas.30% das mulheres e 40-70% das gestantes são anêmicas Metabolismo do ferro Iron deficiency anaemia The challenge Iron deficiency is the most common and widespread nutritional disorder in the world. it is the only nutrient deficiency which is also significantly prevalent in industralized countries. this is frequently exacerbated by infectious diseases. and in resource-poor areas. many due to iron deficiency.

mas Hb > do que o nível inferior da normalidade 3 Anemia ferropriva: Hb < do que o limite inferior da normalidade. níveis reduzidos de Fe sérico 2 Deficiência latente de Fe: as reservas de Fe estão exauridas.15/09/2011 Distribuição de ferro no organismo Estágios da deficiência de ferro 1 Deficiência de Fe pré-latente: ↓ das reservas de Fe. mas Hb > do que o nível inferior da normalidade 3 Anemia ferropriva: Hb < do que o limite inferior da normalidade. mas Hb > do que o nível inferior da normalidade 3 Anemia ferropriva: Hb < do que o limite inferior da normalidade. níveis reduzidos de Fe sérico 2 Deficiência latente de Fe: as reservas de Fe estão exauridas. reservas de Fe esgotadas Título > Sub-título > sub-sub-título > nome slide 6 . reservas de Fe esgotadas Estágios da deficiência de ferro 1 Deficiência de Fe pré-latente: ↓ das reservas de Fe. reservas de Fe esgotadas Estágios da deficiência de ferro 1 Deficiência de Fe pré-latente: ↓ das reservas de Fe. níveis reduzidos de Fe sérico 2 Deficiência latente de Fe: as reservas de Fe estão exauridas.

• Sulfato ferroso 150-200 mg/dia – Reticulócitos ↑ em 1 semana – Hb ↑ em 3-4 semanas (2 g/dl) Título > Sub-título > sub-sub-título > nome slide 7 . ↓ VCM. tratar – Fornecer a quantidade suficiente para corrigir a anemia e reconstituir as reserva • RDW ↑. ↓ HCM Tratamento • Objetivo: – Identificar a causa e. irritabilidade. se possível.15/09/2011 Causas da deficiência de ferro • Balanço (-) de ferro – Dieta inadequada • Vegetariana • Lactente com leite de vaca • ↑ da perda de ferro – Sangramento gastrointestinal • • • • Úlceras Verminoses Ingestão de AAS hemorróidas – Absorção prejudicada – H. palpitações • Unhas quebradiças • Pica • Atrofia das papilas da língua • Estomatite angular • ↓ do QI (repetência escolar) • ↓ desenvolvimento (capacidade ao trabalho) • ↓ capacidade imunológica • Risco aumentado de parto prematuro • Pode levar ao ↑ da mortalidade infantil e materna • • • • • • • Avaliação do status do ferro Ferritina sérica Ferro sérico Receptores da transferrina Transferrina Saturação da transferrina Capacidade total de ligação do ferro (CTLF) Reservas de ferro na MO (padrão-ouro) Diagnóstico • • • • Fe e ferritina ↓ TIBC (capacidade total de ligação ao Fe) ↑ Receptor solúvel de transferrina ↑ Eritrograma alterado: – ↓ Hb. pillory • ↑ da necessidade – Infância – Gravidez – Lactação – – – – – Fluxo menstrual excessivo Pré e pós-parto Doação de sangue Diálise Hemorragia auto-induzida Manifestações clínicas e consequências da deficiência de ferro • ↓ desenvolvimento mental e motor da criança • Fadiga.

peixes.asp?ed=16 • São causadas por defeitos na síntese de DNA • Ácido fólico e Vit B12 ⇒ síntese de purinas e pirimidinas • Maturação celular anormal ⇒ Células > volume (macrocitose) Ácido fólico e Vit B12 • Ácido fólico: – Fontes: vegetais frescos.15/09/2011 Anemias megaloblásticas http://www.org/suplemento. feijão. leite e derivados – Sintetizada por bactérias intestinais – Depósito: 3-4 anos – Absorção: íleo (combina-se com fator intrínseco) • Deficiência de vit B12 – – – – Colchicina Neomicina Anti-epiléticos Álcool Título > Sub-título > sub-sub-título > nome slide 8 . algumas frutas.rbhh. fígado. rim – Depósito: 3-4 meses – Absorção: duodeno e jejuno Xenobióticos associados à anemia megaloblástica • Deficiência de ácido fólico: – Primidona /fenitoína / carbamazepina – Colestiramina – Álcool – Antibióticos • Vitamina B12: – Fontes: carnes. nozes.

Anemia da doença crônica (ADC) Título > Sub-título > sub-sub-título > nome slide 9 . apesar dos estoques abundantes de ferro presença de resposta inflamatória. anemia e hipoferremia.15/09/2011 Anemia da doença crônica (ADC) • Anemia hipoproliferativa de leve a moderada que acompanha infecções crônicas. processos inflamatórios e neoplasias • Caracterizada pela presença de uma doença crônica.

15/09/2011 Diagnóstico • Anemia normocítica e normocrômica (microcitose em 30% e hipocromia em 50%) • Fe sérico ↓ • Fe na medula óssea Nl • Reticulócitos Nl ou ↓ • Ferritina Nl ou ↑ Diagnóstico da ADC • Excluir outras formas de anemia. Tratamento direcionado ao processo de base. síndromes reumáticas.O. ciclofosfamida.: – cloranfenicol.. – Aumento da VSG.O.000/μl • Reticulócitos < 1% • Causas – Herdadas: anemia de Fanconi – Adquiridas: medicações. Anemia aplástica adquirida • Radiação ionizante: – usinas nucleares. radioterapia e exposição ocupacional • Drogas que regularmente causam depressão de M.. Título > Sub-título > sub-sub-título > nome slide 10 . • Confirmar que se trata de anemia hipoproliferativa: – Reticulócitos N ou ↓ – Bilirrubina indireta N – LDH normal Tratamento da ADC • • • • A maioria não necessita tratamento. sulfonamidas.: – bussulfan. • Granulócitos < 500/μl • Plaquetas < 20. • Drogas que ocasional ou raramente causam depressão de M. ouro e outros metais pesados. radiação.. gravidez. benzeno.. – Diminuição da albumina sérica Anemia aplástica • Doença hematopoética caracterizada por pancitopenia e medula óssea hipocelular. EPO: – Doença inflamatória crônica severa – Anemia associada ao HIV – Malignidade • Evidências do processo inflamatório crônico: – ↑ da PCR. fibrinogênio e C3. Correção de deficiência de Fe (caso exista). antraciclinas.

– Indução de apoptose das células progenitoras hematopoéticas Benzeno • Hidrocarboneto aromático • Absorção: – Inalação do vapor – Pele • Utilizado como matéria-prima e solventes • Larga e variada aplicação: – Indústria: siderúrgica e petroquímica – Poluente ambiental: emissões dos automóveis e fumaça de cigarro • Relacionado com anemia aplástica. leucemias e outras hemopatias Título > Sub-título > sub-sub-título > nome slide 11 .15/09/2011 Tratamento • • • • Transplante de medula óssea Imunossupressão Androgênios Fatores de crescimento Papel do benzeno na anemia aplástica • Benzeno (e metabólitos: catecol e hidroquinona): – Alteram diferenciação celular na medula óssea.

ethylene oxide and metals (mercury. Mercury and chrome affect the immune system by immunosuppression and by evoking autoimmune reactions. is very sensitive to toxic substances. Reticulócitos Reticulócitos • São células jovens da linhagem eritrocítica que contém remanescentes de Ácido Ribonucléico (RNA) no citoplasma. • É o método mais simples para avaliar a eritropoiese. the authors discuss the pathomechanism of toxic effects of the aforesaid chemicals on the haematopoietic system and peripheral blood cells from the viewpoint of mutagenesis.56(3):249-55. benzene. and individual sensitivity. aluminum. aluminum) exert their toxic effect on the hematopoietic system. cobalt. including benzene.5% Reticulócitos • Manual: através de corantes supra-vitais (azul de cresil brilhante) • Automatizada: através de fluorescentes (Thiazole orange. Dithiocarbamates are suspected to induce leukemia. pesticides (dithiocarbamines). Arsenic compounds act like immunosuppressants. especially non-Hodgkin lymphoma. • Valor de referência: 0. responsáveis pela síntese de hemoglobina nas células em desenvolvimento. Auramina O) Título > Sub-título > sub-sub-título > nome slide 12 . cadmium. Brometo de etídio.5-1. pesticides and ethylene oxide on the haematopoietic system] Pyszel A. Exposure to lead. immunomodulation. lymphomas and bone marrow aplasia.15/09/2011 1: Med Pr. In this paper. apoptosis. 2005. The hematopoietic system. Wróbel T. An analysis of the pathophysiology of individual substances reveal universal toxic mechanisms. Links [Effect of metals. cadmium. Many chemicals. chrome. myelotoxicity. anemia. due to intensive cells proliferation. Andrzejak R. and benzene results in the incidence of anemia. leukemia. lead. exposure to benzene and its metabolites leads to myelodysplastic syndromes. Szuba A. Ethylene oxide induces neoplasm of the hematopoietic system and lymphomas. In addition. Exposure to each of these substances may occur in the work place due to environmental pollution and in municipal or residential areas.

– Pós-hemorragias agudas • Reticulocitopenias (↓↓↓): – Aplasias de medula. – Anemias hemolíticas. B12: avaliação da eritropoiese • Indicação da regeneração medular após TMO e quimioterapia • Avaliação de resposta frente à EPO • Auxiliar no diagnóstico das anemias: regenerativas e nãoregenerativas • Em atletas que usam EPO Aplicações clínicas dos parâmetros retics • Reticulocitose (↑↑↑) : – Resposta terapêutica adequada nas anemias carenciais. RETM e RETH) Alarmes: IMM (imaturidade). – Eritroblastose fetal. NRBC. – Crises aplásicas virais. – Anemias megaloblásticas Título > Sub-título > sub-sub-título > nome slide 13 .15/09/2011 Contagem automatizada de retics • Vantagens: – redução da imprecisão: grande número de células avaliadas – rápidas coloração e contagem – intensidade da fluorescência indica estágios de maturação dos reticulócitos – novos parâmetros disponíveis com valor clínico • • • • • • Parâmetros reticulocitários Rtc # e % Contagem corrigida dos Rtc (CRC) Volume reticulocitário médio (MRV) Índice médio de fluorescência (MFI ) Classes de maturação (% e #): RETL. RET+ e RET- Graus de maturidade • Conteúdo de RNA • Intensidade de fluorescência – RETL: baixo conteúdo de RNA (RTC + maduro) – RETM: conteúdo intermediário de RNA (RTC de maturidade intermediária) – RETH: alto conteúdo de RNA (RTC + imaturo) Aplicações clínicas dos parâmetros retics • Suplementação de ferro ou Vit.

54 RET(#) 0.15/09/2011 RET(%) 1.55 CRC 1.55 3 1066/mm3 10 /mm RETICULOCYTES R N A C O N T E N T RETH RET M RETL VOLUME Classificação das anemias Morfológica Microcítica Normocítica Macrocítica Fisiopatológica Falta de produção Excesso de destruição Perdas Diminuição da sobrevida de hemácias maduras Título > Sub-título > sub-sub-título > nome slide 14 .0770 RET(#) 0.54 RET(%) 1.0770 CRC 1.

Drogas – Parasitas – Agentes físicos frio. Anemias hemolíticas: classificação Congênitas • Defeitos da Hb: – Hemoglobinopatias – Talassemias Anemias hemolíticas Adquiridas • Imunológicas – AHAI • Síndromes de fragmentação: – PTT – Válvulas cardíacas • Defeitos de membrana – Esferocitose – Eliptocitose • Defeitos enzimáticos: – Deficiência de G6PD – Deficiência de PK • HPN • Outras: – Infecções.15/09/2011 Anemias hemolíticas Anemias hemolíticas • Pacientes com anemia hemolítica tem reticulocitose (% e abs). calor) Anemias Hemolíticas Manifestações Clínicas • • • • • • • Anemia em grau variado Icterícia (bilirrubina não-conjugada) Crise Aplásica (Parvorírus humano B19) Esplenomegalia Úlcera nas pernas Colelitíase Anormalidades esqueléticas Achados laboratoriais úteis no diagnóstico diferencial • • • • Anormalidades morfológicas específicas Teste da antiglobulina (Teste de Coomb) Teste da fragilidade osmótica Análises enzimáticas Título > Sub-título > sub-sub-título > nome slide 15 . • Caso haja estoques adequados de Fe e outros elementos. Hemólise ↑ EPO ↑ Reticulócitos • Pacientes com > capacidade de produção eritrocitária podem não evoluir para anemia por compensar o ritmo de destruição.

3. a ser investigada Título > Sub-título > sub-sub-título > nome slide 16 .. glutâmico→valina) – Hb C (pos. 2.cse. 6 da cadeia β ác.psu..edu) • A maioria (75%) devido a alteração de 1 único AA • Principais variantes: – Hb S (pos. 6 da cadeia β ác. Modificar a estrutura das cadeias globínicas (Qualitativa) Desequilíbrio na síntese das cadeias globínicas (Quantitativa) Ambos Genes da Globina http://globin.100 Hbs variantes (http://globin.psu.15/09/2011 Hemoglobinopatias Hemoglobinopatias são alterações nos genes da globina que levam a anormalidades quantitativas ou qualitativas na síntese das cadeias globínicas 1. Depende da pop.edu/ Hemoglobinopatias • Qualitativas→ hemoglobinas anormais (variantes) – Alteração estrutural na cadeia globínica • Quantitativas→ talassemias (α ou β) – Deficiência na síntese das cadeias globínicas • Qualitativos e quantitativos combinados – Hb E e Hb Lepore – Hb Constant Spring Variantes com fenótipos talassêmicos • Associações – Hb S/β tal Hemoglobinas variantes • > de 1.cse. glutâmico→lisina) • • • • • • • Outras hbs variantes Hb D Hb Porto Alegre Hb O Hb Constant Spring Hb Rio Grande Hb Ankara Hb Atlanta • • • • • • • Hb E-Saskatoon Hb Tripoli Hb Volga Hb Rio Claro Hb Alabama Hb Zürich Hb Shelby.

3) 23 (22. *p<0. Diminuição de Hb total (anemia). 2001) 170 (50.3%) n =170 Porto Alegre – RS (Wagner e cols.ou αα/--) Doença da Hb H (α-/--) Hidropsia fetal (--/--). corpos de inclusão. 2009) 69 (68. Dano da membrana.psu.5%) 1 (0.05 Tabela: Genótipos encontrados em indivíduos com microcitose em Campinas (SP) e Porto Alegre (RS) Eritrócitos microcíticos e hipocrômicos F Título > Sub-título > sub-sub-título > nome slide 17 .15/09/2011 Talassemias • Redução parcial + ou total 0 das cadeias α ou β.001* 0.8%) 18 (5.psu.001* <0.cse.cse.7 αHphIα/αα --MED/αα Campinas – SP (Borges e cols.220 0.186 0.9) n =101 p 0.edu) • (20 80% das talassemias beta.7/αα -α3. Incompatível com a vida!!!!! Talassemia alfa Feto Adulto α Talassemia alfa no Br e RS Genótipo αα/αα -α3.Hiperesplenismo Fisher’s exact test. – – – – Desequilíbrio entre as cadeias globínicas.edu) Talassemia beta • Talassemia major: – Nível de Hb: entre 2 e 3 g/dl (dependente de transfusão sanguínea e quelação de ferro) • Talassemia intermedia – Variabilidade clínica e hematológica • Talassemia minor (traço tal β): – Anemia leve a moderada.Huisman et al.585 0. 1997) • Genericamente: – – – – Portador silencioso (αα/α-) Traço talassêmico alfa (α-/α..Hipoxia Instabilidade de homotetrâmeros.1%) 145 (42. Sobrevivência reduzida das hemácias .0011 γ α2γ2 γ4 Hemoglobina Bart’s β α2β2 β4 Hemoglobina H Excesso Excesso Alta afinidade ao oxigênio . Microcitose >390 alterações moleculares gerando talassemias (http://globin.3%) 5 (1. com VCM e CHCM Importância: diferenciação da anemia ferropriva!!!!!!!!! Talassemia beta • Causas: Talassemia alfa – Deleções envolvendo 1 ou ambos genes alfa – Deleções envolvendo o cluster dos genes ζe α – Pequenas deleções ou mutações de ponto • > 200 mutações (http://globin.7/-α3.Hemólise Esplenomegalia .8) 9 (8.

C. D e E • Vantagens: – ampla cobetura – diagnóstico em outros membros família • Diagnóstico do adulto – Amostra: sangue total – Avaliação hematológica – Identificação e quantificação das frações hemoglobínicas: • Investigação de Hbs variantes • Investigação das anemias microcíticas (talassemias) • Desvantagem: – Falha ao avaliar as talassemias Hb AS Hb AC Título > Sub-título > sub-sub-título > nome slide 18 .15/09/2011 Investigação laboratorial das Hbpatias • Hemograma com reticulócitos • Eletroforeses • Teste de falcização • Pesquisa de Hb H • Biologia molecular (PCR convencional e seqüenciamento) • Identificação e dosagem das frações hemoglobínicas: – Focalização isoelétrica (FIE) – Cromatografia líquida em alta pressão (HPLC) – Espectrometria de massa Título > Subtítulo > Nome slide Finalidade do diagnóstico e material biológico • Diagnóstico neonatal – Amostra coletada em papel filtro – Triagem qualitativa: Hb F. S. A.

3% Título > Sub-título > sub-sub-título > nome slide 19 .6% 14.15/09/2011 FIE Hb AA Controle AFSC Hb AS Hb AC Janelas de Identificação P2 e P3 são picos menores associados à Hb A Calibração e mix das principais Hbs Eletroforese x HPLC • Vantagens do HPLC: – Rapidez e menor complexidade – Precisão e exatidão para quantificação de Hbs presentes em baixas concentrações % Hb A2 Densitometria Coluna HPLC CV 33.6% 4.

Hb A2 e Hb S Hb A1> Hb S >> Hb A2 Hb A2 falsamente ↑ por HPLC % de Hb S: 22 a 45 % Hb AS • Hemograma normal • Microscopia: morfologia de série vermelha normal ausência de hemácias falciformes Título > Sub-título > sub-sub-título > nome slide 20 .15/09/2011 Anemia Falciforme (Hb SS) • Eletroforese em pH alcalino: bandas de Hb S e Hb A2. a Hb F Exemplos de resultados • Microscopia: identificação de hemácias falciformes (em 70% dos casos) M Hb SS Traço falciforme (Hb AS) • Eletroforese: – – – – 3 bandas→ Hb A1. podendo estar presente ou não.

com VCM e CHCM – Fe e ferritina: normal Importância: diferenciação da anemia ferropriva!!!!!!!!! • Desvantagem: – Falha ao avaliar as talassemias Diagnóstico Hb A2 > 3.Hb AC 3. A.5% Título > Sub-título > sub-sub-título > nome slide 21 .Hb AS 2. D e E Traço talassêmico beta – Genótipos: β/β+ • Vantagens: – ampla cobetura – diagnóstico em outros membros família • Diagnóstico do adulto – Amostra: sangue total – Avaliação hematológica – Identificação e quantificação das frações hemoglobínicas: • Investigação de Hbs variantes • Investigação das anemias microcíticas (talassemias) – Anemia leve a moderada. C.Hb CC Hb A Hb S Hb C/A2 - 1 2 3 4 Portador de Hb C (Hb AC) • Eletroforese: – 2 bandas→ Hb A1 e Hb C e Hb A2 sobrepostas – Hb A1> Hb C/Hb A2 Hb AC • Microscopia: morfologia de série vermelha normal ou presença de células em alvo Finalidade do diagnóstico e material biológico • Diagnóstico neonatal – Amostra coletada em papel filtro – Triagem qualitativa: Hb F.Hb AA 4.15/09/2011 Doença da Hb C (Hb CC) • Eletroforese em pH alcalino: bandas de Hb C e Hb A2 sobrepostas • Microscopia: • numerosas células em alvo (40 a 90 %) • micrócitos e esferócitos • presença de cristais intra-eritrocitários • leve anemia normocrômica e normocítica + 1. S.

7 3 -α3.15/09/2011 Talassemia alfa • Anemia microcítica.7/--MED 4 -.normal 2.ou αα/--) – Doença da Hb H (α-/--) – Hidropsia fetal (--/--). D e E Diagnóstico neonatal Metodologia • Padrão normal: Hb FA • Amostras sem H A ou com Hb var são submetidas ao segundo teste (FIE ou HPLC).SEA/Hph 5 -α3.Heterozigose -α3. • Vantagens: – ampla cobetura – diagnóstico em outros membros família • Diagnóstico do adulto – Amostra: sangue total – Avaliação hematológica – Identificação e quantificação das frações hemoglobínicas: • Investigação de Hbs variantes • Investigação das anemias microcíticas (talassemias) • Desvantagem: – Falha ao avaliar as talassemias Título > Sub-título > sub-sub-título > nome slide 22 . S. Incompatível com a vida!!!!! 1.7/ -α20.5 F Finalidade do diagnóstico e material biológico • Diagnóstico neonatal – Amostra coletada em papel filtro – Triagem qualitativa: Hb F. com Hb A2 e Hb F normais. A. C. • Diagnóstico: análise molecular • Genericamente: – Portador silencioso (αα/α-) – Traço talassêmico alfa (α-/α.

15/09/2011 Aspectos do diagnóstico neonatal • Prevalências de Hbs no país • Diagnóstico precoce das síndromes falciformes: – inclusão em programas de prevenção e tratamentos. programa sickle cell short) Na retestagem e/ou amostra dos pais. Identificação de frações Hb por HPLC (sistema Variant I Bio-Rad. ? Mix of Hb variants Estratégia para identificação das Hbs raras Estratégia para identificação das Hbs raras • Análise dos cromatogramas: – Tempo de retenção – % de Hb var • Análises moleculares – PCR-RFLP – Sequenciamento dos genes alfa e beta • Análise da FIE: – Ponto isoelétrico – % de Hb var Título > Sub-título > sub-sub-título > nome slide 23 . • Heterozigotos: – Aconselhamento genético e triagem em outros membros da família • Hbs variantes raras: – Associação de métodos diagnósticos e implantação de técnicas moleculares. com redução de mortalidade...

96%) Hb AC: 588 (0.57%) Ref. et al 2005) (Serjeant 2000) Rio de Janeiro 99.88%) Hb AC: 31 (0.615 (0. et al 2005) Rio Grande do Sul 117. et al 2003) Campinas.15/09/2011 Caso 1: criança diagnosticada na triagem como Hb SS Hb Shelby (β131GAG AAG) Caso 2: Hb A2: 52. et al 2004) Paraná 548.1% Hb Osu-Christianborg (β 52 GAT AAT) Frequência dos principais fenótipos hemoglobínicos no Br População Natal – Rio Grande do Norte Salvador-Bahia Minas Gerais Número 1940 Doenças falciformes n (%) Hb SS: 1 (0. (de Araujo. caracterizado por anemia.02%) Hb AS: 1. et al 2008) Santa Catarina 40.419 Hb SS: 1 (0.08%) Hb AD: 9 (0.01%) Hb SS: 29 Hb SC: 26 Hb S/beta thal: 4 Hb SC: 26 Hb SS: 12 Hb SC: 18 Hb S/beta tal: 16 Hb SS: 3 Hb SC: 2 Hb SS: 1 Hb SC: 2 (Lobo.197 (1.08%) (Adorno.19%) Hb AD: 45 (0. icterícia intermitente.São Paulo 281.5%) Hb AC: 6 (0.884 (Brandelise.260 Hb SS: 62 (0.810 Hb AS: 8321 (1.98%) Hb AC: 1.02%) Hb SD 3 (0.14%) Hb AS: 5.5%) (Watanabe. et al 2006) Esferocitose hereditária • Distúrbio hemolítico familiar.04%) (Backes.028 Hb AS: 353 (0. et al 2004) Anemias hemolíticas por defeito de membrana • Grupo heterogêneo de doenças caracterizadas por anormalidades na forma e flexibilidade das hemácias devido a deficiências/disfunções de uma ou mais proteínas de membrana menor sobrevida das hemácias.8%) Hb SS: 486 (0. • Esferocitose hereditária • Eliptocitose hereditária 502 605.320 (Sommer.31%) Hb AS: 57 (9.8%) Hb AC: 38 (6.05%) Heterozigose n (%) Hb AS: 29 (1.3% Hb AS: 3.59%) Hb AD: 142 (0.2% Hb AC: 1.2%) Hb SC: 4 (0.933 (3.342 (1. esplenomegalia e resposta à esplenectomia • Patogênese: célula intrinsicamente anormal em um ambiente circulatório normal • Morfologia clássica: esferócitos Título > Sub-título > sub-sub-título > nome slide 24 .14%) Hb AC: 225 (0.6%) Hb SC: 18 (0.5%) Hb AS: 3.

como vesículas. Esferocitose hereditária Diagnóstico • Exame físico – Anemia – Icterícia – Esplenomegalia • Exame laboratorial – – – – – – CHCM ↑ Reticulocitose Bilirrubina indireta ↑ Fragilidade osmótica ↑ Teste de Coomb negativo Ectacitometria (gold standard) Esferocitose hereditária Evolução • Crises imprevisíveis • Hemólise compensada • Hipoplasia de medula óssea (infecção vírus) • Tratamento: esplenectomia em casos graves (risco de sepse pós-operatória) Outras condições que causam esferocitose • Anemia hemolítica auto-imune • Reações transfusionais tardias • Hemólise induzida por picada de cobra Título > Sub-título > sub-sub-título > nome slide 25 . da membrana. Ocorre perda de lipídios. gerando esferócitos.15/09/2011 Esferocitose hereditária • Herança autossômica dominante • Variabilidade clínica • Deficiência de espectrina e anquirina → redução do citoesqueleto e à conseqüente instabilidade das áreas não sustentadas da dupla camada lipídica.

3-DPG • Derivação de Hexose Monofosfato (HMP) (Shunt das Pentoses) Aeróbico = 10% – NADPH (protege contra agentes oxidantes) Deficiência de G6PD • G6PD: catalisa o passo inicial na via pentose fosfato da glicólise. importante para reduzir a glutationa oxidada a glutationa reduzida (GSH) • GSH: detoxifica o peróxido de oxigênio e peróxidos orgânicos • Logo: defesa contra agentes oxidativos • Estima-se 130 milhões de afetados no mundo Título > Sub-título > sub-sub-título > nome slide 26 . mas conteúdo enzimático alterado • Alterações mais comuns: – Deficiência na via glicolítica principal (Embden-Meyerhof): Piruvato quinase (PK) – Deficiência de enzimas no Shunt das pentoses: G6PD – Deficiência no metabolismo de nucleotídeos: Pirimidina 5’nucleotidase Glicólise • Ciclo Embden-Meyerhof (EM) Anaeróbico = 90% – ATP – NADH (ferro reduzido) – 2.15/09/2011 Eliptocitose hereditária • Herança autossômica dominante • Anormalidades que afetam a integridade do citoesqueleto eritrocitário • Defeito na autoconjugação dos dímeros de espectrina • Manifestações clínicas variáveis (maioria é assintomática) • 0 a 100 % de eliptócitos Anemias hemolíticas Deficiências enzimáticas • Glóbulo vermelho normal. cuja função é a redução da NADP para NADPH.

pentaquina • Sulfonamidas: sulfacetamina. hepatite www.org Título > Sub-título > sub-sub-título > nome slide 27 . durante infecção grave. cetoacidose diabética. sulfametaxazol. trinitrotolueno (TNT). sulfapiridina • Vários: azul de metileno.15/09/2011 Fisiopatologia • ↓ G6PD → ↓ NADPH reduzido → ↓ glutationa (GSH): não protege mais proteínas e globinas da oxidação = precipitação (corpúsculos de Heinz) • Conseqüência: hemólise intravascular causada por estresse oxidativo • Clínica: variável espectro hemolítico • • • • • • • Deficiência de G6PD Manifestações clínicas após a exposição a um fármaco oxidante hemólise hemoglobinemia (plasma róseo a marrom) hemoglobinúria icterícia necrose tubular e insuficiência renal Deficiência confere proteção ao Plasmodium falciparum • ↑incidência em áreas endêmicas Drogas desencadeantes de crises • Antimaláricos: primaquina.g6pd. naftaleno. pamaquina. azul de toluidina • Outros: feijão fava.

Giugliani R.13(2):85-6. precipitando na forma de pontilhado basofílico • Pb inibe a atividade desta enzima Título > Sub-título > sub-sub-título > nome slide 28 . transfusões de sangue J Med Screen. seu RNA é degradado em nucleotídeos purina (adenina e guanina) e pirimidina (citosil e uracil) • Na deficiência de pirimidina 5’-nucleotidase. Tavares V. dosagem enzimática e biologia molecular • Tratamento: retirada da droga e. se necessário. Deficiência de pirimidina 5’nucleotidase • Durante o amadurecimento do reticulócito. o RNA não é degradado. Dadalt V.4%): total deficiência – 181 (6. Prevalence of G6PD deficiency in newborns in the south of Brazil.799 RNs: – 39 (1.9% com deficiência parcial ou total • • • • Achados laboratoriais Corpúsculos de Heinz Células mordidas Hemoglobinúria Icterícia neonatal • Diagnóstico: testes de triagem para deficiência de G6PD. Castro S. Weber R. 2006.15/09/2011 No Rio Grande do Sul • Estudo de G6PD com 2.5%): deficiência parcial – Totaliza: 7.

ovale Anemias imuno-hemolíticas • Anemias hemolíticas auto-imunes – – – – Teste de coombs direto + Reagentes ao frio (4º) e ao calor (37º) (+ comum) > incidência > 50 anos Hemólise de gravidade variável • Anemia hemolítica droga-induzida – Penicilina. quinina. falciparum P. nas regiões tropicais e quentes – Transmissão • • • • P. malarie P.15/09/2011 Infecções parasitárias • Malária – Distribuição mundial. vivax P. metildopa • Anemia hemolítica isoimune – Transfusão de sangue incompatível – DHRN Aglutinação eritrocitária Título > Sub-título > sub-sub-título > nome slide 29 .

2003 • Hoffman R et al.15/09/2011 Outras causas de anemia hemolítica adquirida • Fragmentação eritrocitária • Hiperesplenismo • HPN: – Distúrbio clonal adquirido. Bibliografia • Lukens. Artmed. Atlas colorido de Hematologia Clínica. T. 3 nd. Wintrobe’s Clinical Hematology. • Miscelânea: – Químicos. • Lewis SM et al. toxinas. • Revista Brasileira de Hematologia e Hemoterapia • www. Hematologia Prática de Dacie e Lewis...br • www..br Título > Sub-título > sub-sub-título > nome slide 30 . Manole.bireme. Artmed. drogas. 2006. Hematology – Basic Principles and Practice. 2009. Fundamentos em Hematologia. Atlas de Hematologia. • Lorenzi.sbhh. 2006. Lippincott. Churchill Linvingstone. 9 ed. J et al. • Failace. com membranas defeituosas sensíveis à hemólise • Secundária – Nefropatias. • Hoffbrand AV. 2001.. • Hoffbrand AV. Edition. R. 2000. Pettit JE. Artmed. infecções. 2008.Manual de interpretação. hepatopatias. Hemograma.com. Guanabara Koogan. Porto Alegre.