You are on page 1of 4

Centro Chiara Lubich

Movimento dos Focolares
www.centrochiaralubich.org

(Transcrição) Budapeste (Hungria), 6 de abril de 20031

Mensagem de Chiara para o encontro ecumênico dos jovens: «A quem buscais?»2 «Diálogo do povo»

Caríssimos, uma saudação cordial a todos vocês, jovens, reunidos neste encontro ecumênico. Como vocês sabem, no âmbito da Jornada de hoje, intitulada: «A quem buscais?», fui convidada a oferecer-lhes uma experiência singular de um povo, que encontrou realmente o que procurava; um povo que está surgindo em várias partes do mundo, composto por fiéis de 350 Igrejas diferentes. Todos esses cristãos são animados por um modo específico de viver, por uma espiritualidade chamada da "unidade", que alguns consideram ecumênica e que é um dom do Espírito Santo. A "espiritualidade da unidade" que, tendo florescido num Movimento (o Movimento dos Focolares) agora é patrimônio universal porque, por exemplo, João Paulo II já a propôs a toda Igreja católica com o nome de "espiritualidade de comunhão". Os principais pontos em que se fundamentam emergiram do Evangelho. Quem a vive, pode tornar-se um instrumento que colabora na realização do testamento de Jesus: «Pai, que todos sejam um» (cf Jo 17,21), isto é, a unidade e, com ela, a fraternidade universal; unidade e fraternidade universal, tão necessárias também no nosso tempo. De fato, como vocês sabem, hoje mais do que nunca, com os ameaçadores ventos de guerra e o terrorismo, que realmente aterroriza, o nosso mundo precisa de coesão e de solidariedade. A guerra divide os homens, aliás, os massacra; e o terrorismo produz imensos danos, por rancor ou vingança, causados sobretudo pelo desequilíbrio que existe no mundo entre países ricos e países pobres. Portanto, mais do que nunca é necessário almejar a unidade e suscitar em toda a parte a fraternidade que pode gerar partilha, inclusive de bens. Como é possível promover no mundo a fraternidade, para que ela faça da humanidade uma única família? Isso é possível, se descobrirmos quem é Deus. Nós, cristãos, acreditamos em Deus, sabemos que Ele existe, mas Deus, embora o vejamos perfeitíssimo, onisciente e todo-poderoso, muitas vezes é imaginado por nós muito distante, inacessível e por isso não temos um relacionamento com ele. São João Evangelista nos diz quem é Deus: «Deus é amor» (1 Jo 4,8) e por isso é Pai nosso e de todos. Essa afirmação, bem compreendida, muda radicalmente as coisas. De fato, se Deus é Amor e é Pai, ele está muito perto de nós, de mim, de você, de vocês. Ele acompanha cada passo que dão. Ele se esconde por trás de todas as circunstâncias da vida de vocês, alegres, tristes ou indiferentes. Conhece tudo de vocês e de nós. Por exemplo, é o que diz a seguinte frase de Jesus: «Também os cabelos da vossa cabeça estão contados» (Lc 12,7), contados pelo seu amor, pelo amor de um Pai. Portanto, devemos estar
1 2

Mensagem gravada por Chiara no dia 25 de fevereiro de 2003, em Rocca di Papa. (Jo 18,7)

1

como seria humano desejar. É preciso tomar a cruz. embora dirigido a um homem ou a uma mulher. que é dirigido quase que exclusivamente aos parentes e aos amigos.23).20). e é o mesmo amor que vive em Deus. porém. tudo é possível! 2 . É mesmo assim. não arrastá-la. Se nós vivermos assim.34). voltando para as nossas famílias ou comunidades. mas o amor verdadeiro que foi derramado em nossos corações. peço uma atenção particular a todos vocês.)» (Lc 9. uma simples amizade ou só filantropia. coragem. da minha e de outra religião. O sofrimento tem. aquele Jesus que considera feito a si o bem ou o mal que se faz aos próximos (cf Mt 25. luz.40. E se Ele está presente. antes dos nossos sonhos. estabelecemos então o amor recíproco. porém. É preciso empunhá-la como uma arma. na escola ou no escritório. Jesus disse claramente: «Quem ama o pai e a mãe mais do que a mim não é digno de mim» (Mt 10.Centro Chiara Lubich Movimento dos Focolares www. No entanto. (. nem sempre é fácil. alegrar-se com quem se alegra. tentemos amar a todos desse modo. no fundo. Amai-vos reciprocamente é – pode dizer quem o viveu – o Paraíso na Terra. jovens! Esse amor não é limitado. ardor. se somos vários a viver este amor. ajudar a todos concretamente. quem viveu assim.. Um amor que. eu lhes asseguro que. Jesus conosco! Vocês já pensaram nisso? Já experimentaram? Talvez não! Pois bem. Esse amor tem qualidades especiais. acontecerá um fato extraordinário: florescerá entre nós a presença espiritual de Jesus no meio. ir em frente e continuar a amar. devemos nos comportar como seus filhos e irmãos entre nós. como o amor humano. tudo aquilo que o Céu exige de nós. uma força nova. para o cristão um nome: chama-se cruz. qual deve ser a nossa atitude em relação a Ele? É óbvio: se Ele é Pai de todos nós. a tomar sempre a iniciativa. senão não somos autênticos cristãos. ao da nossa pátria e ao estrangeiro. aceitá-la. antes das nossas coisas. O que fazer? Parar na dor? Não. vivido. Este amor. alegria. desde o batismo. pelo Espírito Santo. E Jesus nos disse como nos devemos comportar com as cruzes: «Quem quer vir após mim. Dificuldades próprias ou dos outros muitas vezes o abalam e isso causa sofrimento.. Vamos nos deter um pouco para compreender e acolher no coração uma maravilhosa conseqüência do amor recíproco vivido. isto é. e são todos efeitos da sua presença. da minha e de outra Igreja.. E ainda. Ele prometeu: «Onde dois ou três estiverem reunidos em meu nome (isso quer dizer: no meu amor). ainda. amigo ou inimigo. Mas não basta: devemos colocar Deus no primeiro lugar do nosso coração. Ele é endereçado a todos: ao simpático e ao antipático. antes dos nossos parentes. O nosso amor para com o próximo. É um amor que impele a ser os primeiros a amar.centrochiaralubich. não feito de palavras ou de sentimentos. experimentou no seu coração um amor novíssimo. eu estou no meio deles» (Mt 18. sem esperar ser amado. Sabendo sofrer com quem sofre. realiza-se o mandamento de Jesus que diz: «Amai-vos uns aos outros como eu vos amei» (Jo 13. Caríssimos jovens. não deve ser um amor comum.37). devemos viver aquele amor que é a síntese do Evangelho.. deseja amar Jesus neles. Agora. pode suscitar no mundo uma revolução em nós e ao nosso redor: é a revolução cristã.org certos de que Ele nos ama.) tome a sua cruz todo dia (. este amor. é nosso Pai.45). E nasce outra pergunta: se Deus é Amor. Um amor. antes de nós mesmos. como nos será dito no dia do Juízo Universal.

sentimos que já formamos "um povo cristão". De fato. Alguns anos depois do nascimento do Movimento dos Focolares na Igreja católica. no início eu lhes prometi contar a experiência de um povo novo. católicos. vivida. todos foram irmanados por este estilo de vida. conhecendo-nos e amando-nos. é a espiritualidade. entre metodistas e armênios. junto com a nova espiritualidade que temos em comum. que é vivido de modo especial na Semana de Oração pela Unidade dos cristãos. de alguma forma nos faz sentir "unidos". depois o Antigo e o Novo Testamento. ficaram admirados. bispos.centrochiaralubich. por exemplo. fiéis de Igrejas diferentes. que tanto desejam em seus pequenos grupos. gostaram da ideia de Jesus no meio. apesar de termos que trabalhar muito para recompor a unidade visível entre as nossas Igrejas. teve o grande privilégio de despertar o interesse. se assim desejarmos e se o amarmos. 3 . Esta espiritualidade da unidade. a espiritualidade da unidade. porque é Cristo mesmo que nos une. sacerdotes. recomposição dos matrimônios. possam ser potencializados por este diálogo: Jesus em meio a pessoas que se amam pode iluminar sempre. religiosos. Os ortodoxos ficaram interessados pelo fato de que sublinhamos a vida e o amor. o batismo. Com todos esses irmãos e irmãs das diversas Igrejas. entre católicos e evangélicos. por exemplo. o diálogo da oração.org Caríssimos jovens. porque Jesus. Este é um vínculo tão forte que nos faz dizer: ninguém poderá nos separar. Pois bem. ilumina o caminho para a plena comunhão visível. pode estar presente espiritualmente. quantas grandes riquezas já tínhamos em comum: em primeiro lugar. sob um aspecto ou outro. mas se vivia com grande intensidade o Evangelho. como já disse. embora fossem cristãos de Igrejas diferentes. novas vocações. ainda. como aquele da caridade. mas também por autoridades das outras Igrejas. Caríssimos jovens. que suscitou esta realidade. nas comunidades. os dogmas dos primeiros Concílios. de que tenho falado até agora. fiéis de 350 Igrejas ou Comunidades eclesiais! E a nossa vida em comum sempre foi abençoada e encorajada pelas autoridades católicas. a fé. entre todos. como a vida da graça. Antes vivíamos quase como se este patrimônio não existisse. unidade entre as gerações. em virtude do batismo. somos leigos. Agora. etc. além do diálogo teológico. Os anglicanos. E os reformados. nos une naquilo que chamamos "diálogo do povo". o Credo. que era muito vivo entre Paulo VI e Atenágoras. pastores. esperamos que outras formas de diálogo. Os efeitos desse modo de viver nas várias Igrejas são os mesmos: conversões a Deus. a esperança. renovação nas paróquias. Aliás. os padres da Igreja gregos e latinos. porque não só se falava. na Inglaterra. Aos metodistas agradou a tensão à santidade que esta espiritualidade suscita. tocar e impressionar. a caridade. aderem ao Movimento. em contato conosco. o modo de viver. e muitos outros dons do Espírito Santo. assim como entre reformados e ortodoxos. como que pela primeira vez. foram atraídos pela ideia e pela praxe da unidade e nos convidaram a fazer o mesmo. Eles nos pediram para ajudá-los a difundir esta vida em suas paróquias e comunidades. a época em que vivemos pede a todos nós que façamos todo o esforço para realizar no mundo a fraternidade universal e pede a cada um de nós para recompor a unidade da Igreja.Centro Chiara Lubich Movimento dos Focolares www. Os evangélicos luteranos. descobrimos também. E. agora nos damos conta de que tudo isso. os mártires e outras coisas.

Eu mencionei. tinham todos os bens em comum! Então. sendo os primeiros. caríssimos jovens. no mundo hostil a nós. amando concretamente. não foi mantida por nós e ainda não existe plenamente. coragem! Jesus disse: «Eu venci o mundo!» Se nos propusermos a amar. Acreditem: nem tudo é culpa dos terroristas. Nós sabemos que os cristãos são muito numerosos no mundo. suscitando assim pensamento de vingança. de fato. a fim de que Ele esteja presente entre nós. no início. que eram um só coração e uma só alma e. é claro. Mas a unidade. há mais alguma coisa: a culpa também é nossa. portanto. se bem que ambos os fatores sejam certamente as causas mais graves do sofrimento da humanidade hoje. iria reconhecer a Ele como o verdadeiro Deus. nós demos e podemos dar? Infelizmente. houve alguém que. «Nisso conhecerão que sois meus discípulos.org dilacerada há séculos. Contudo. E nem se deve unicamente ao fato de que as nações mais ricas não tenham ajudado e não ajudem outras nações em grande e extrema pobreza.t.Centro Chiara Lubich Movimento dos Focolares www.d. 4 . as estatísticas de 2003 indicam que os católicos atualmente no mundo são 61 milhões. com um fundo de verdade. portanto. como sabem. se estamos vivendo um momento de tamanha emergência. Jesus. Quantos seremos todos juntos? Um número enorme! Mesmo assim. da sua verdade e do seu amor. os ventos de guerra e o terrorismo existentes no nosso planeta. se tiverem amor uns pelos outros» (Jo 13. como vocês sabem. reconhecendo Jesus em todos. logo depois do atentado às Torres Gêmeas. Coragem. nos disse que o mundo nos teria reconhecido como seus discípulos e. o que fazer? Penso que só nos resta formular no coração um sincero propósito: começar amando – como eu disse – a todos. De fato. e Jesus saberá repetir o milagre dos primeiros cristãos. Ele nos dará a vitória. por nosso intermédio. Deus deseja isso e repete e grita também com as atuais circunstâncias dolorosas que Ele permite3. em setembro de 2001. já não somos como os primeiros cristãos.35).centrochiaralubich. qualificou os cristãos até de "ateus" e de "infiéis": uma mentira cósmica. e amando-nos reciprocamente. Que testemunho de Cristo. 3 Chiara se refere à guerra no Iraque (n. graças ao amor recíproco.).