You are on page 1of 13

PA de ordem Professor Narciso Busatto

PA de ordem n
PA de ordem 2
Observe a seqüência abaixo: (3, 6, 11, 18, 27, 38, 51, … ) Trata-se de uma seqüência crescente infinita. Iniciando o nosso estudo, surge o primeiro questionamento: Essa seqüência é uma PA? Ao testarmos a constância da razão, logo notamos que não se trata de uma PA, já que a razão entre o primeiro e segundo termos é 3 e a razão entre o segundo e terceiro é 5. Assim, como a razão não é constante, podemos descartar a possibilidade de ser uma PA. No entanto, note o que acontece com a razão dessa seqüência: 3 5 7 9 11 13

(3, 6, 11, 18, 27, 38, 51, … ) Note que, a partir da seqüência inicial, obtemos uma segunda seqüência. (3, 5, 7, 9, 11, 13, … ) Trata-se de uma PA infinita. Assim, a primeira seqüência não é uma PA, mas as diferenças entre termos consecutivos geram uma PA. A essa primeira seqüência chamamos de PA de ordem 2. Definição: “Considere que a seqüência : ( , , , … , , … ) não constitua uma PA, mas que a seqüência : ( , , , … , , … ) obtida pelas diferenças de seus termos consecutivos seja uma PA. Logo, a seqüência é denominada progressão aritmética de ordem 2 ou progressão aritmética de 2ª ordem.” Note algumas propriedades dessa definição.

Propriedades: (1) Note que o elemento é a diferença entre e = − Ao fazermos a mesma análise para , temos que = − Então, de forma geral, podemos gerar a fórmula = − . Assim, temos que

1

PA de ordem Professor Narciso Busatto (2) Dada a observação da propriedade anterior, note que, se reescrever essa expressão como = + Usando a mesma análise para , temos que = + Como já sabemos o valor de , ao substituirmos temos: = + + Assim, note que podemos gerar a seguinte fórmula: = Não se esqueça que: = + + + + + ⋯+ + ⋯+ = − , podemos

Aplicando a fórmula da soma, temos: = +

2 + ( − 2) , temos: + + ( − 2) )( − 1) 2 (2 + ( − 2) )( − 1) = + 2 2 ( − 1) + ( − 1)( − 2) = + 2 ( − 1)( − 2) = + ( − 1) + 2 ________________________________________________________________________ Exemplo: Qual é o 20º termo da seqüência (3, 6, 11, 18, 27, 38, 51, … )? Substituindo a fórmula do termo geral ( = + = O termo geral da seqüência acima é = + 2. Logo, = 20 + 2 = 402. Vamos testar se a fórmula acima leva ao mesmo resultado: A partir da seqüência acima, obtemos pela razão dos seus termos consecutivos a seqüência (3, 5, 7, 9, 11, 13, … ) Assim, temos os seguintes dados necessários para a fórmula: =3 , =3 , =2 Substituindo na fórmula, temos: ( − 1)( − 2) = + ( − 1) + 2 ( − 1)( − 2)2 = 3 + 3( − 1) + 2 = 3 + 3( − 1) + ( − 1)( − 2) Como queremos o 20º temos, temos: = 3 + 3(20 − 1) + (20 − 1)(20 − 2) = 3 + 3(19) + (19)(18) = 3 + 57 + 342 = 402 _____________________________________________________________________________ 2

(

+

)( − 1)

PA de ordem Professor Narciso Busatto

(3) Aproveitando uma dica dada no exemplo anterior, vale ressaltar que toda fórmula que define o termo geral de uma PA de ordem 2 é, necessariamente, uma equação do 2º grau. Por exemplo, é necessário saber se uma seqüência cujo termo geral é = + 2 − 2 é uma PA de ordem 2. Como o termo geral é uma equação do 2º grau, isso é suficiente para concluirmos que realmente é. Para testarmos, teríamos: Para Para Para Para = 1, = 2, = 3, = 4,

= 1 + 2.1 − 2 = 1 = 2 + 2.2 − 2 = 6 = 3 + 2.3 − 2 = 13 = 4 + 2.4 − 2 = 22

Observe que a seqüência (1, 6, 13, 22, … ) realmente é uma PA de ordem 2, pois a diferença dos seus termos consecutivos gera a PA (5, 7, 9, … ). (4) Caso seja necessária, a soma dos n primeiros termos de uma PA de ordem 2 é: = . + 2 ( − 1) + 6 ( − 1)( − 2)

PA de ordem 3

= (1, 8, 27, 64, 125, 216, 343, … ) Não é uma PA, pois não possui razão constante. Note que as diferenças entre seus termos consecutivos geram a seqüência = (7, 19, 37, 61, 91, 127, … ) que também não é uma PA. Mas a seqüência gerada pelas diferenças dos termos da seqüência anterior = (12, 18, 24, 30, 36, … ) é uma PA. Assim, podemos afirmar que a seqüência é uma PA de ordem 2 e, portanto, denominamos a seqüência como PA de ordem 3.

Observe a seqüência

3

PA de ordem Professor Narciso Busatto CURIOSIDADE: No exemplo acima, o termo geral da seqüência é = 6 + 6. Como o termo é uma equação do 1º grau o que indica uma PA (“PA de ordem 1”). O termo geral da seqüência é = 3 + 3 + 1 o que indica uma PA de ordem 2 (propriedade (3)). Por fim, o termo geral da seqüência é = o que caracteriza uma equação do 3º grau e, conseqüentemente, uma PA de ordem 3.

PA de ordem n
Define-se uma PA de ordem como sendo uma seqüência, que não constitua uma PA, mas que as diferenças dos seus termos gerem uma PA de ordem − 1. Dando continuidade ao processo, chegamos a uma PA de ordem 3, que gera uma PA de ordem 2, que, por fim, gera uma PA (processo em cadeia).

Propriedades: (1) Toda fórmula que define o termo geral de uma PA de ordem n é, necessariamente, uma equação de grau n.

(2) A soma dos

primeiros termos de uma PA de ordem n é: =∆ +1 +∆ + ⋯∆ 2 + 1

sendo ∆ a diferença entre os dois primeiros da PA de ordem , ou seja, é o primeiro elemento da PA de ordem − 1 ∆ a diferença entre os dois primeiros da PA de ordem − 1, ou seja, é o primeiro elemento da PA de ordem − 2 ... a diferença entre os dois primeiros da PA de ordem 2, ou seja, é o primeiro elemento da ∆ PA. ∆ a diferença entre os dois primeiros da PA, ou seja, é a razão da PA. e é a representação do número binomial cuja fórmula é = ( − )! ! !

A demonstração dessa fórmula está disponível no ANEXO I 4

PA de ordem Professor Narciso Busatto

_____________________________________________________________________________ Exemplo: Temos a seqüência (1, 32, 243, 1024, 3125, 7776, 16807, 32768, … ) Trata-se de uma PA de ordem 5. Desejamos criar uma fórmula para a soma dos n primeiros termos dessa seqüência, para isso, temos: • =1 • ∆ = 32 − 1 = 31 • ∆ = 211 − 31 = 180 • ∆ = 570 − 180 = 390 • ∆ = 750 − 390 = 360 • ∆ = 480 − 360 = 120 Usando a fórmula, temos: =∆ = 120 6 6 +∆ + 360 5 5 +∆ 4 +∆ 4 3 +∆ 3 2 + 2 1 1

+ 390

+ 180

+ 31

+1

Para os 7 primeiros termos: 1 + 32 + 243 + 1024 + 3125 + 7776 + 16807 = 29008 Pela fórmula: 7 7 7 7 7 7 = 120 + 360 + 390 + 180 + 31 +1 6 5 4 3 2 1 = 120.7 + 360.21 + 390.35 + 180.35 + 31.21 + 1.7 = 840 + 7560 + 13650 + 6300 + 651 + 7 = 29008 _____________________________________________________________________________

Termo Geral
Em alguns casos, é necessária a obtenção do termo geral de uma PA de ordem . Uma dica para facilitar o processo de obtenção é conhecendo os termos gerais das PAs de ordem + 1 ou − 1. O segredo está na fórmula: = −

(1) De cima para baixo. Temos a seqüência = (1, 8, 27, 64, 125, 216, 343, … ) 5

PA de ordem Professor Narciso Busatto . A seqüência obtida pelas diferenças dos termos consecutivos é: = (7, 19, 37, 61, 91, 127, … ) Para obtermos seu termo geral, temos: = − = = ( + 1) . Substituindo: = ( + 1) − = +3 +3 +1− cujo termo geral é =

Note que

e

cancelando

=3 +3 +1 O que é esperado já que trata-se de uma PA de ordem 2.

(2) De baixo para cima. = (1, 5, 9, 13, 17, … ) = 4 − 3. Trata-se de uma PA de razão 4. Desejamos utilizá-la para cujo termo geral é obtermos uma PA de ordem 2. Lembre-se aqui que é necessária a escolha do primeiro termo da PA de ordem 2. Portanto, considere que = 2. Para obtermos o termo geral da PA de segunda ordem, partimos do princípio de que esse termo geral é uma equação do 2º grau (propriedade (3)). Assim, escreveos: = + + Por conseqüência, = ( + 1) + ( + 1) + Assim, tomando a equação = − temos, 4 − 3 = ( + 1) + ( + 1) + − ( + + ) − − 4 − 3 = ( + 1) + ( + 1) + − Desenvolvendo, temos: 4 −3= +2 + + + + − − − Cancelando, temos: 4 −3=2 + + Dessa equação obtemos o seguinte sistema − = + + 4=2 −3 = + Resolvendo, obtemos = 2, = −5 Assim, chegamos à =2 −5 + Aqui entra a importância da escolha de . Sem essa escolha, não conseguimos obter o valor de . Considerando = 1, temos 6 Temos a seqüência

PA de ordem Professor Narciso Busatto = 2. 1 − 5.1 + = 2 2−5+ =2 =5 =2 −5 +5

e o termo geral

Fazendo um teste, a PA de ordem 2 obtida pelo escolhido e pela PA em questão é: (2, 3, 8, 17, 30, 47, 68, … ) Para o teste, note que = 68. Pelo termo geral obtido, temos: = 2. 7 − 5.7 + 5 = 98 − 35 + 5 = 68

Curiosidade
O Triângulo de Pascal apresenta uma curiosidade interessante: 1 1 1 1 1 1 1

1 2 3 4 5 6

1 3 6 10 15

1 4 10 20 ....

1 5 15

1 6

1

Note que a primeira coluna possui apenas valores 1. Já a segunda, é uma PA. Como a terceira coluna se apóia na segunda, trata-se de uma PA de ordem 2. A quarta, uma PA de ordem 3. E assim sucessivamente

7

PA de ordem Professor Narciso Busatto

EXERCÍCIOS
01. (UnB) Julgue os itens abaixo como certo ou errado. Se uma seqüência de números reais { }, = 1, 2, 3, … é uma progressão aritmética de razão , então = + ( − 1) . Dessa forma, os pontos do plano cartesiano que têm coordenadas (1, ), (2, ), (3, ), … estão alinhados. Para essa seqüência, a soma de seus primeiros termos é igual a
( )

.

Suponha agora, que a seqüência de números reais { }, = 1, 2, 3, … não constitua uma PA, mas que a seqüência { }, formada pelas diferenças de seus termos consecutivos, isto é, = − seja uma PA. Nesse caso, { } é denominada progressão aritmética de ordem 2. Com base nesses conceitos e considerando { }, = 1, 2, 3, … uma PA de ordem 2 e { } a seqüência formada pelas diferenças de seus termos consecutivos, como definido anteriormente, julgue os itens que se seguem: (1) A seqüência 1, 4, 11, 22, 36, 53, 73 é um exemplo de uma PA de ordem 2. = − , para = 1, 2, 3, …, é uma PA (2) A seqüência cuja fórmula do termo geral é de ordem 2. (3) = + + + ⋯+ . (4) = + ( − 1) , em que = − 2 + .

02. Considere a seqüência com formato triangular 2 4 6 8 10 12 14 16 18 20 … (a) Qual é o primeiro elemento que está na 22ª linha? (b) Qual é o último elemento da 25ª linha?

03. (UENF) Observe a seqüência numérica a seguir (0, 3, 8, 15, 24, … ) Determine, em relação a esta seqüência: (a) seu 6º elemento; (b) a expressão do termo de ordem n.

8

PA de ordem Professor Narciso Busatto 04. (UnB) Considere a construção de escadas, em diversos estágios, efetuada empilhando-se cubos de mesmas dimensões, como mostrado na figura seguinte, na qual os cubos que servem de apoio para as aparentes estão ocultos.

3º estágio 1º estágio 2º estágio

escada 1

escada 1

escada 2

escada 1 escada 2 escada 3

Com referência a situação descrita e representando por empregados no n-ésimo estágio, julgue os itens. (1) > 60. (2) No n-ésimo estágio, existem (3) =
( × ) ( )

o número total de cubos

cubos na escada n.

(4) Se representa o número de cubos da escada n no n-ésimo estágio, então a = − , para ≥ 2, forma uma progressão seqüência das diferenças aritmética.

+

.

05. (UCB) Observe a seqüência de triângulos

, em que

= 1, 2, 3, …

No vigésimo triângulo da seqüência acima, triângulo

, teremos

triângulos

não hachurados. Com base nessas informações, determine o valor da expressão − 40.

9

PA de ordem Professor Narciso Busatto

GABARITO
01. E, C, C, C. 02. (a) 464 (b) 650 = 03. (a) 35 (b) 04. E, C, C, C. 05. 87

−1

10

PA de ordem Professor Narciso Busatto

ANEXO I
Demonstração da Soma dos n primeiros termos de uma PA de ordem k
Para darmos início à demonstração, façamos a seguinte suposição: Considere uma PA de ordem n: ( , , ,…, ) Suponha que a seqüência gerada pelas diferenças dos termos consecutivos da seqüência anterior seja: ( , , ,…, ) Ou seja, uma PA de ordem − 1. Continuando o processo, obtemos uma PA de ordem − 2: ( , , ,…, ) e assim por diante, até obtermos a PA de ordem 2: ) ( , , ,…, e a PA: ( , , ,…, ) de razão . primeiros termos da PA de ordem . Assim, considere que: = + + + …+ Utilizando as equações observadas na propriedade (1), temos: = + = + + ... = + + + + ⋯+ Substituindo, temos: = + + + …+ = + ( + ) + ( + + ) + …+ ( + + + + ⋯+ ) Juntando, temos: = + ( − 1) + ( − 2) + … + Fazendo o mesmo processo com os elementos da PA de ordem − 1 em relação aos elementos da PA de ordem − 2, temos: = + = + + ... = + + + + ⋯+ Substituindo, temos: = + ( − 1) + ( − 2) + ( − 3) + ⋯ + = + ( − 1) + ( − 2)( + ) + ( − 3)( + + ) + ⋯ + ( + + + + ⋯+ ) Juntando, temos: ( − 1) ( − 1)( − 2) ( − 2)( − 3) = + + + + ⋯+ 2 2 2 Nosso interesse é a soma dos

11

PA de ordem Professor Narciso Busatto Continuando, temos: = = + = + + +

+ ...

+ + ⋯+

Substituindo, temos: ( − 1) ( − 1)( − 2) ( − 2)( − 3) ( − 3)( − 4) = + + + + … 2 2 2 2 + ( − 1) ( − 2)( − 3) ( − 1)( − 2) ( + ) = + + + 2 2 2 ( − 3)( − 4) ( + + )…+ ( + + + + ⋯+ ) + 2 ( − 1) ( − 1)( − 2) ( − 1)( − 2)( − 3) + + 2 6 6 ( − 2)( − 3)( − 4) + + ⋯+ 6 Podendo ser reescrito como: −1 −2 = + + + + + ⋯+ 3 3 3 1 2 Observe que no próximo passo, teremos: −1 −2 = + + + + + ⋯+ 3 3 3 1 2 −1 −2 ( = + + + + + )+ ⋯+ 3 3 3 1 2 Note que: 3 −1 −2 = + + + + + ⋯+ +⋯+ 3 3 3 3 1 2 Usando uma das propriedades do Triângulo de Pascal: = + 1 Terminando o processo, temos: = = 1 + + 2 −1 −3 3 + 3 = + + + 2 4 + 3 + 4 −1 −1 + + ⋯+ + −1 −1 −1 −1 + + −1 −2 −2 ( −1 + ) Juntando, temos:

+ ⋯+ + ⋯+ +

+ + = 2 1

+ ⋯+ 4

1

−3 ( −1 + + 2

+

+2 ) + ⋯+ ( −2 + −1 + 3

+( − ) )

+ ⋯+ 4 −3 2 + ⋯+ −1

+ −1 −1 ( − ) −1

É válida a relação:

−2 + −1

−3 2 + ⋯+ −1 12

−1 ( − )= −1

+1

PA de ordem Professor Narciso Busatto Isso ocorre, pois: −1 + −1 −1 = −1

+

−1 −3 + + ⋯+ + −1 −1 −1 −1 ( −2 −3 + 2 + ⋯+ − )= −1 −1 −1

−1 + −1

−1 + + −1 −1 … −1

= −1 +1 = −1

+1 +2 −2

+ ⋯+

−3 = −1 −2 = −1

+1

Logo, + + + + ⋯+ + + +1 3 −1 1 2 4 Por fim, considere que exista uma seqüência {∆ }, com = 1, 2, … , formada pelos primeiros elementos de cada seqüência utilizada nessa demonstração, exceto a própria PA de ordem , mais a razão da seguinte forma: (∆ , ∆ , ∆ , … , ∆ , ∆ ) = ( , , , … , , ) Assim, substituindo, temos: = De forma reduzida, 1 +∆ 2 + ⋯+∆ +∆ +1 =

=

1

+

+1 ∎

13