âcia, v. 23, n. 1,2007.

43

S DE.TRABALH!OS DE COJNCLUSÁO
SEMESTRE]l ABSTRACTS ON CLERKSHIP APHS 2006 [2ND• SEMESTER]
os S. Avaliação do software o da rotina de um de dispensação de Porto Alegre: Faculdade de ~~S 2006. Monografia (Conclusão da ~Es:a;;I'0em Farmácia). . Mauro S. de Castro (FAR02/ da Dispensação Ativa o qual tratou de aprofundar os dados coletados levando a um entendimento maior sobre o paciente e seu estado de saúde. Outro passo da metodologia empregada foi a realização de entrevista com os farmacêuticos proprietários do estabelecimento a fim de saber sua opinião sobre o uso do software na rotina e sua aplicação . Resultados e conclusão: 36 entrevistas foram realizadas dentre as quais 29, ou seja, 80,6 %, finalizadas com êxito enquanto sete, 19,4 %, tiveram de ser encerradas por força de erro funcional do programa. Em sua maioria, os pacientes ficaram satisfeitos com as informações prestadas elogiando tal atividade e reconhecendo o papel do farmacêutico como agente de saúde. Na visão dos farmacêuticos o software pareceu-Ihes uma excelente ferramenta para o exercício do farmacêutico, sua viabilidade, no entanto, foi questionada devido ao caráter comercial da maioria dos estabelecimentos de dispensação de medicamentos utilizado no Brasil. De uma forma geral, o software BOT Plus facilita o registro das atuações do farmacêutico e possibilita uma dispensação e uma indicação farmacêutica de qualidade. O Bot Plus é uma aposta clara para a inovação tecnológica a fim de modernizar a qualidade assistencial farmacêutica e que serve de bom exemplo . como iniciativa para o desenvolvimento de novas práticas na área da Atenção Farmacêutica. UNITERMOS: ATENÇÃO FARMACÊUTICA,SOFTWARE, BOT PLUS, DISPENSAÇÃO BÁSICA,DISPENSAÇÃO ATIVA

.iIIldcH"a: Profª.
--_,·.,r-MGS);

Dr. Denise Bueno Farm. Sara M. Gallina

-birão

grandes desafios deste século de um modelo de prática satisfaça as necessidades da se refere a um tratamento "i!O:.la,do, seguro e efetivo. Para acêutica apresenta-se como o _DoJ..c1uO para o delineamento de lia -_or-::ari,os no processo educativo do çar uma farmacoterapia ••••• oo,,o·ione a melhora da qualidade és do uso racional dos seus 1l4_jeti·y,os: o estudo foi realizado na ~_~õi:1 DPPSS Ltda, localizada na e, Rio Grande do Sul e sd7NélTe BOT Plus por meio da alidade e aplicabilidade no e estabelecimento de a!!Oc:arnentos utilizado no Brasil. _'_~:H a aceitabilidade, por parte ietários da drogaria, : da a rotina. Metodologia: utilizando as ferramentas ensação Ativa, dispostas acêutica do programa de trevistas foram realizadas '"'9"'Y'-"'l,ri'a procurando preencher as fichas inseri das nas m primeiro momento os _ •• ::a:lOS a partir do módulo da de foram solicitadas ao medicamento e sua is acessado o módulo

Caderno de Farmácia 44 -------------------------------------------------------

BARCELOS, Juliana A micelização e suas aplicações no âmbito farmacêutico. Porto Alegre: Faculdade de Farmácia, UFRGS, 2006. Monografia (Conclusão da Disciplina de Estágio em Farmácia). Orientador: Prof. Dr. George G. Ortega (FAR02/ FACFAR/UFRGS) Banca Examinadora: Prof. Dr. Edison L. S. Carvalho (PPGCF/FACFAR/UFRGS); Prof. Dr. Hélder F. Teixeira (FAR02/FACFAR/UFRGS) Data de apresentação: 1.12.2006

BETTONI, Clarissa C. Relação de penetração cutânea de propriedades físico-químicas. Faculdade de Farmácia, UFRGS. (Conclusão da Disciplina de Está Orientador: Profª. Dr. Teresa (FAR02/FACFAR/UFRGS) Co-Orientador: Profª. (FAR1/FACFAR/UFRGS) M.Sc. C H

Micelização é um fenômeno largamente estudado, que demonstra, cada vez mais, diferentes aplicabilidades em Farmácia. No presente trabalho, foi realizada uma revisão bibliográfica sobre este fenômeno e seus aspectos relacionados, desde as bases físico-químicas, os diferentes tipos de micelas e tensoativos, até suas inúmeras aplicações, visando abordar, de uma forma simples, este tema. A formação destas estruturas micelares está vinculada a parâmetros físico-químicos como entropia, energia livre do sistema, interações entre as moléculas de tensoativo, principalmente as hidrofóbicas, e também à concentração e temperatura micelar crítica. As micelas podem adquirir formatos diferentes, dependendo da concentração e do tensoativo utilizado, do tipo de empacotamento das moléculas. A estruturação e estabilidade das micelas são afetadas por fatores como natureza dos grupos hidrofílico e hidrofóbico dos tensoativos, adição de eletrólitos, substâncias solubilizadas e temperatura. O tipo de tensoativo define o tipo de micela formada, que está estritamente relacionado às possíveis aplicações. Dentre os diversos tipos de micelas destacam-se as poliméricas, as de tensoativos geminados, poliônicas, invertidas, conjugadas com polioxietilenoglicóis, as de tensoativos poliquelantes e "em escova", uma vez que concentram os estudos atuais e as novas perspectivas de uso em Farmácia. Dentre as inúmeras aplicações da micelização em Farmácia, podem-se destacar seu uso no carreamento e vetorização de fármacos, agentes de contraste e genes, com melhoria significativa na estabilidade, biodisponibilidade, especificidade, e diminuição da toxicidade. Cada vez mais, novos tensoativos têm sido introduzidos, possibilitando inúmeras combinações e a modulação das características segundo o esperado. Com isto, as micelas têm se mostrado cada vez mais biocompatíveis, específicas, biodegradáveis, detendo um enorme potencial para diferentes aplicações ainda não estudadas. UNITERMOS:
TENSOATIVOS; MICELlZAÇÃO; APLICAÇÕES TIPOS DE MICELAS; EM FARMÁCIA

Banca Examinadora: Med. José Camillo (Santa Casa-RS); ProF-. Guterres (FAR02/FACFAR/UFRGS) Data de apresentação: 6.12.2006 As propriedades físico-químicas dos formas farmacêuticas de aplicação tóclC3lt4 penetração e absorção cutânea dos conhecimento e a relação entre as P"'A"'." pele, da formulação e as características são fundamentais para o entenca•••••• processos envolvidos na permeaçã presente artigo objetiva revisar as carac2JIÍII pele, descrevendo suas camadas. estruturas; discutir as vias de pene de fármacos e, por fim; descrever as físico-químicas de fármacos utilizados pela via cutânea para ação tópica ou uso de promotores químicos da perm também é abordado. UNITERMOS:
ABSORÇÃO FÁRMACOS; PELE; PENETRAÇÃO FíSI~-...&_ DE PENETRAÇÃO CUTÃNEA; PROPRIEDADES

PROMOTORES

BLASCHKE, Cristina P. Proposta seguimento farmacoterapêutico a câncer de mama. Porto Alegre: Farmácia, UFRGS, 2006. Monografia Disciplina de Estágio em Farmácia).

de pacierá_~ Facw::laaal (COI••..•...••••••

Orientador: Prof. Dr. Mauro S. de Castro FACFAR/UFRGS) Co-Orientador: HCPA)) Farm. Sandro L. R. Ness

Banca Examinadora: Profª. Dr. Isabela (FAR02/FACFAR/UFRGS); Farm. Maria Elisa ~ Santos (CNPQ/HCPA) Data de apresentação: 5.12.2006 O câncer de mama é o tipo de tumor mais nas mulheres, sendo a primeira causa de mo câncer no sexo feminino no Brasil. Os h também podem desenvolver câncer de porém mais raramente, constituindo menos e dos casos. Apesar de ser considerado um cân relativamente bom prognóstico, as taxas mortalidade continuam elevadas, provavelrr:

45
seja diagnosticada em ados. Mas, mesmo quando o - é tão precoce, novas terapias têm uitas mulheres viverem com a entarem boa qualidade de vida. As rapêuticas para o tratamento locoa cirurgia e a radioterapia, e para o - têmico a quimioterapia e a "saDia Em geral, os medicamentos apresentam muitos efeitos potencialmente fatais se não adequadamente e ainda outros o paciente com câncer, sendo este receba apoio de uma equipe urante e após o tratamento. Sendo •• ~rvo do presente trabalho é elaborar seguimento farmacoterapêutico a câncer de mama baseada no método e melhorar a compreensão e o o paciente a respeito da sua das informações fornecidas pelo sobre o uso seguro e correto dos explicar os efeitos benéficos do bém as suas reações adversas; oblemas relacionados aos RMs) e monitorar o tratamento Esta proposta de seguimento _iut:ico baseia-se na obtenção de uma allLSló'ri'a farmacoterapêutica do paciente, seus problemas de saúde e os izados por ele. Estas informações izadas de maneira a identificar e a causa destes, propiciando ~EclUadas e um plano de intervenção a o paciente. Com isso, espera-se etividade do tratamento pela prevenção de problemas edicamentos, a fim de aumentar tamento, otimizar sua adesão, os resultados terapêuticos e a o paciente.
CER SAS, ENTE,
1EII.r-"""~.

BOFF, Bruna Investigação da presença de efedrinas em Ephedra tweediana Fisch. & C.A. Meyer e em E. trindra Tul, (Ephedraceae) coletadas em Porto Alegre/RS. Porto Alegre: Faculdade de Farmácia, UFRGS, 2006. Monografia (Conclusão da Disciplina de Estágio em Farmácia). Orientador: Profª. Dr. Renata P. Limberger (FAR03/ FACFAR/UFRGS) Co-Orientador: Farm. Viviane C. Sebben (CIT-RS) Banca Examinadora: Profª. Dr. Maria Gorete Rossoni (CIT-RS); Farm. Adriana S. Andrade (Mestranda PPGCF/FACFAR/UFRGS) Data de apresentação: 7.12.2006 Este estudo teve como objetivo avaliar a presença de efedrinas em amostras de Ephedra tweediana Fisch & C.A. Meyer, coletadas de populações nativas da Reserva Biológica do Lami José Lutzenberger, e em amostras de Ephedra triandra Tul., coletadas de populações cultivadas em Porto Alegre, cujas sementes são originárias da Argentina, bem como estabelecer metodologia que permita análise de efedrinas em drogas vegetais por CG/EM. Para confirmação dos resultados obtidos, além das amostras de Ephedra tweediana e E. triandra, foram analisadas mais cinco amostras comerciais de Ephedra, de procedências distintas, cedidas por farmácias de manipulação locais. Os resultados encontrados indicam a ausência de efedrinas em Ephedra tweediana e E. triandra e presença de efedrina e/ou pseudoefedrina nas amostras comerciais. A metodologia proposta permitiu separação e identificação satisfatórias de efedrina e pseudoefedrina por colunas de polidimetilsiloxano por CG/EM. UNITERMOS: EFEDRINA, PSEUDOEFEDRINA, tweediana, Ephedra triandra, EPHEDRACEAE Ephedra

,

DE

MAMA,

QUIMIOTERAPIA, ATENÇÃO RELACIONADOS

TOXICIDADE, PROBLEMAS DE VIDA

=-=GUIMENTO QUALIDADE

FARMACOTERAPÊUTICO,

BOHNENBERGER, Larissa Fármacos antidepressivos e sua utilização no tratamento da depressão em crianças e adolescentes. Porto Alegre: Faculdade de Farmácia, UFRGS, 2006. Monografia (Conclusão da Disciplina de Estágio em Farmácia). Orientador: Profª. FACFAR/U FRGS) Dr. Isabela Heineck (FAR02/

Banca Examinadora: Profa. Dr. Mirna B. Leal (CBS09/ICBS/UFRGS); Profa. Dr. Tânia A. Amador (FAR02/FACFAR/UFRGS); Data de apresentação: 5.12.2006 A depressão. é o mais comum dos distúrbios afetivos, estando presente em grande parte da população adulta e jovem. Muitos são os seus sintomas, e um alto índice de suicídios está fortemente ligado a essa doença. Existe uma

Caderno de Farmácia, 46 --------------------------------------------------------

grande variedade de fármacos indicados no tratamento da depressão adulta, porém estudos não comprovam essa mesma eficácia em relação às crianças. Este trabalho consiste em uma revisão bibliográfica sobre a depressão, seus sintomas e conseqüências, a diferença destes em adultos e crianças, e, principalmente, sobre os medicamentos utilizados no seu tratamento e a segurança e eficácia que estes medicamentos têm quando utilizados em crianças e adolescentes. UNITERMOS:
ANTIDEPRESSIVOS, PEDIATRIA

CAON, Suhélen Uso racional profiláticos no centro obstétrico de Porto Alegre. Porto Alegre: Farmácia, UFRGS, 2006. Monogr Disciplina de Estágio em Farmácia). Orientador: Prof. FAM ED/U FRGS) Co-Orientador: Dr. Paulo D.

Farm. Bárbara C.

Banca Examinadora: Farm. Caro (HI/ULBRA); Farm. Dauana P. Eize HCPA) Data de apresentação: 1.12.2006

BROLESE, Giovana Tratamento farmacológico de pacientes com transtorno alimentar. Porto Alegre: Faculdade de Farmácia, UFRGS, 2006. Monografia (Conclusão da Disciplina de Estágio em Farmácia). Orientador: Profª. Dr. Grace FACFAR/UFRGS) Gosmann (FAR01/

Banca Examinadora: Farm. Lucia M. O. de Almeida (BioquímicalUFRGS); Prof. Dr. Jarbas A. Montanha (FAR01/FACFAR/UFRGS) Data de apresentação: 8.12.2006

Este trabalho tem como objetivo verificar se os antidepressivos, em especial a fluoxetina, podem auxiliar no tratamento dos transtornos alimentares como uma farmacoterapia adicional ao tratamento psicológico. Para isso foi realizada uma revisão da literatura, feita -em bases de dados científicas sem limite de data e também em livros de farmacologia e psiquiatria. Através da análise da literatura selecionada concluiu-se que o tratamento farmacológico com antidepressivos, principalmente os ISRS, quando utilizado como adjuvante à psicoterapia, demonstram melhoras significativas no tratamento de doenças como a bulimia nervosa e a anorexia nervosa. UNITERMOS:
ALIMENTAR BULI MIA NERVOSA, TRANSTORNO E ANTIDEPRESSIVOS

Introdução: O uso indiscriminado de é um tema amplamente discutido. A antibióticos em cesariana é rer.o.r---situações de risco com indicação de cefalosporinas de primeira geração. pretende identificar as c,,,,,""--antibioticoprofilaxia neste procedim hospital de Porto Alegre. Metodol levantamento dos meses com mai r partos, os prontuários foram avaliados e foram colocados em um banco de da Resultados e Discussão: Foram enrvw-.... ••• taxas de cesariana (85,7%), div~Z'II" condutas, falta de adesão ao p instituição, preferência por doses-mú . única e por uso via oral. Conclusões: uso irracional de antibióticos, apon necessidade da elaboração de estra _ promover o uso racional destes medicam UNITERMOS:
RACIONAL ANTIBIOTICOPROFILAXIA, DE MEDICAMENTOS

ISRS

CASTRO, Tatiane Emprego de antimic estratégias para o controle da reslstê Alegre: Faculdade de Farmácia, UFRGMonografia (Conclusão da Disciplina de Es:a;IIlII Farmácia). Orientador: Profª. FACFAR/UFRGS) Dr. Isabela Heineck

Banca Examinadora: Farm. Maria Isab (CIMRS); Farm. Helissara Diefenthaeler (MeStlill. PPGCF/FACFAR/UFRGS) Data de apresentação: 1.12.2006

A utilização inadequada de antimicrobianos determinante na disseminação da resistên . como um grave problema que afeta a individual e coletiva. Neste trabalho revisados diferentes tipos de estudos que ve a inadequada utilização de antimicrobianos hospitais e na comunidade. Diante do uso ex desses medicamentos, diferentes estratégias sido propostas com o objetivo de prom

=

_~IF.:má·cia, v. 23, n. 1,2007.

47
demonstrou-se eficaz quando testado na clínica. Por isso, a única terapia aprovada atualmente é a trombólise com alteplase endovenosa, que pelos riscos de hemorragia é utilizada em apenas cerca de 2 % dos pacientes. Porém, ainda existem alguns tratamentos promissores a serem testados em estudos clínicos e que podem vir a ser futuras estratégias para a terapêutica contra o AVC isquêmico. UNITERMOS:
ISQUEMIA TROMBOLÍTICA, ACIDENTE HIPOTERMIA, VASCULAR TERAPIA CEREBRAL, CELULAR

racional e conter a resistência Organismos como OPAS anamericana da Saúde), OMS ndia! da Saúde) e CDC (Centers antro! and Prevention) estão campanhas propondo mudanças na timicrobianos para controlar a anhas educativas desenvolvidas utilizando diferentes meios de ateriais informativos são úteis e ição na utilização irracional de os hospitais medidas restritivas panhas educativas envolvendo participação dos mesmos no de normas, promovem diminuição cionados à utilização de Concluiu-se que as diferentes C1 conter a resistência apresentam _DCrveiis, mas ainda há necessidade de "'1Çá-tO da sociedade e profissionais da r O aumento da resistência aos
SUMO -.r-JI>IV"·DOBIANA, DE ANTIMICROBIANOS, DIRETRIZES

AVC,

CEREBRAL,

NEUROPROTEÇÃO,

TERAPIA

CUNHA, Tiago S. Mecanismos de ação e de resistência a agentes antifúngicos em humanos, animais e plantas. Porto Alegre: Faculdade de Farmácia, UFRGS, 2006. Monografia (Conclusão da Disciplina de Estágio em Farmácia). Orientador: Profª. Dr. Patrícia V. da Silva (CBS06/ ICBS/UFRGS) Banca Examinadora: Profª. Dr. Maria Lucia Scroferneker (CBS06/ICBS/UFRGS); Biól. Maira P. de Carvalho (Mestranda do PPGBiotlICBS/UFRGS) Data de apresentação: 6.12.2006

,

VIGILÂNCIA,

A. Acidente vascular cerebral --""ento atual e perspectivas. dade de Farmácia, UFRGS, (Conclusão da Disciplina de _aaa). Dr. Christianne G. Salbego

..-=t~S)

__ ora: M.Sc. Ana Paula Horn MiiC8.1CBS/UFRGS); Profª. Dr. Nice

.'CBSIUFRGS) ão: 8.12.2006
cerebral (AVC) isquêrnico é causas de mortalidade e .III-=Ses industrializados, inclusive no da não se tem uma terapia e, por isso, o objetivo desse revisão abordando os eventos _E o~ular após a isquemia cerebral, nas opções terapêuticas as perspectivas em relação tratamento contra o AVC "a:es eventos que levam à morte .a.luo:;,,"iacerebral são o aumento a excitotoxicidade mediada ••••-~a érgicos e a formação de iferentes estratégias de tra o AVC foram divididas agulantes, antiplaquetários, ",e:lr;es, hipotermia e terapia e quantidade de trabalhos nenhum tratamento

Este trabalho tem como objetivo a descrição dos mecanismos de ação e dos mecanismos de resistência dos antifúngicos utilizados em humanos, animais e plantas, assim como, uma possível relação entre eles. O uso indiscriminado dos antifúngicos, a dificuldade de produzir novas drogas e a escassez de estudos nesta área, ocasiona maior dificuldade de combate desses organismos patogênicos. Com isso, estudos mais direcionados aos mecanismos de ação e de resistência, ao desenvolvimento de novas formulações, além de um uso mais racional desses agentes, são as novas perspectivas em relação aos antifúngicos. UNITERMOS:
PATOGÊNICOS, RESISTÊNCIA ANTIFÚNGICOS, MECANISMO DE AÇÃO, ORGANISMOS MECANISMO DE

Caderno de Farmácia 48 --------------------------------------------------------

DALLEGRAVE, Alexsandro, Estilbenos: biossíntese, relação estrutura atividade e atividades biológicas relacionadas. Porto Alegre: Faculdade de Farmácia, UFRGS, 2006. Monografia (Conclusão da Disciplina de Estágio em Farmácia). Orientador: Prof. Dr. José Ângelo S. Zuanazzi (FAR01/FACFAR/UFRGS) Co-Orientador: Farm. Carolina dos (Mestranda PPGCF/FACFAR/UFRGS) S. Passos

DOBLER, Cristina suscetibilidade e resposta dependência de nicotina. Port de Farmácia, UFRGS, 2006. Mo da Disciplina de Estágio em Falllléat. Orientador: Prof. Dr. Claiton H. UFRGS) Banca Examinadora: Profª. D (FFFCMPA); Méd. Alexandre P. P

Banca Examinadora: M.Sc. Simone B. Rossato Data de apresentação: 6.12.2006 (Doutoranda PPGCF/FACFAR/UFRGS); M.Sc .••• ------------Graziele P. Ramos (Doutoranda PPGCF/FACFAR/ Este trabalho tem como UFRGS) bibliografia existente sobre dependência de nicotina, as op Data de apresentação: 7.12.2006 disponíveis e o papel da genética e também na resposta ao tratam e Os estilbenos são metabólitos secundários é considerado um problema de pertencentes à classe dos polifenóis, que agem se encontra associado com várias car.••• como fitoalexinas nos vegetais. O esqueleto básico personalidade, transtornos comport::oo-é o 1,2-diarileteno. Esses polifenóis são sintetizados o uso abusivo de substâncias i' pela junção da via do chiquimato com a via do revisão das formas de tratamento e acetato. A junção dessas duas vias é catalisada possam estar envolvidos na comp pela estilbeno sintase. Os estilbenos são final pode estimular o interesse de pe:!;;::U. encontrados nos vegetais com uma variada avanço das pesquisas na área de f;:;" _ distribuição botânica, nas formas de monômeros, visa criar condições que permitam dímeros, trímeros, polímeros e como heterosídeos. ajuste das doses e a escolha Esses compostos apresentam grande diversidade tratamento personalizadas, de estrutural, além de uma variada atividade biológica. genótipo dos pacientes. Dessa forma A otimização da atividade biológica é feita através avanço na eficácia do tratamento de estudos da relação estrutura atividade, que pode maior adesão dos pacientes. contribuir para o desenvolvimento de novos UNITERMOS: DEPENDÊNCIA fármacos. Dentre as atividades biológicas podemos destacar: antifúngica, na qual as formas agliconas FARMACOGENÉTICA, TRATAMENTO, FARMACOGENÔMICA são mais ativas; antialérgica, que tem nos estilbenos metoxilados a maior atividade; antioxidante, com ação superior dos compostos contendo grupos orto-(3'-4')diidróxi; antiinflamatória, DOMINGOS, Vanessa B. Verificação na qual é essencial a presença de hidroxilas; entre a presença de clorprom . anticâncer com moléculas na conformação eis e produtos de biotransformação, co metoxiladas; inibição da tirosinase com estilbenos indicativos para compostos anfetarl1Íl'l". tetraidroxilados. EMIT, através de análises por CCD Porto Alegre: Faculdade de Farmá UNITERMOS: ESTILBENOS, METABOLISMO 2006. Monografia (Conclusão da OI5CÇ1" SECUNDÁRIO, FITOALEXINAS, ATIVIDADES BIOLÓGICAS Estágio em Farmácia). Orientador: Profª. Dr. Renata P. Limb FACFAR/UFRGS) Co-Orientador: Farm. Viviane C. Sebber

Banca Examinadora: Profª. Dr. Miria:(UNISC); Farm. Maria Cristina Franck (IG Data de apresentação: 7.12.2006 Este trabalho objetivou verificar a relaçã presença de CLP e seus metabólitos e re::;••••• indicativos de ANF pelo ensaio E Monoclonal Anfetamina/Metanfetamina, a:::a._t análises por cromatografia em camada (CCD) e por cromatografia gasosa acoc._ detecto r de massas (CG/EM). Para tanto, a-:.'3II-.t.

de Farmácia, v. 23, n. 1,2007.

49

-

res condições de extração de CLP em extração líquido-líquido (ELL) e por em fase sólida (SPE). A metodologia por ostrou-se efetiva para análise de CLP em rmitiu concluir que amostras de urina de que estavam fazendo uso de CLP foram para ANF no EMIT. Assim, a presença de urina pode levar a resultados falsopara análise de ANF por EMIT, ente devido à formação de aminas como produtos de biotransformação. OS:
COMPOSTOS ANFETAMíNICOS,

DUARTE, Mariana Estudo do tratamento tópico de infecções bucais em pacientes portadores do vírus da imunodeficiência humana e em pacientes imunossuprimidos. Porto Alegre: Faculdade de Farmácia, UFRGS, 2006. Monografia (Conclusão da Disciplina de Estágio em Farmácia)" Orientador: Prof. Dr. George G. Ortega (FAR02/ FACFAR/UFRGS) Banca Examinadora: Profª. Dr. Denise Bueno (FAR02/FACFAR/UFRGS); Profª. Dr. Tânia A. Amador (FAR02/FACFAR/UFRGS) Data de apresentação: 4.12.2006

"'c:.ti~INA,

EMIT, CG/EM • Vinícius Câncer de mama: uma bre tratamento e reações adversas. e: Faculdade de Farmácia, UFRGS, grafia (Conclusão da Disciplina de armácia). Prof. Dr. José Ângelo S. Zuanazzi FARlUFRGS) or: Farm. Raquel PGCF/FFAR/UFRGS) B. Giordani

inadora: Farm. Ramatis Oliveira; aulo de Andrade (Mestrando PPGCF .:IFAR/UFRGS)

e a disseminação incontroladas no as anormais das próprias células m ser consideradas uma definição ~irv'$>r. Devido à agressividade da terapia este trabalho tem como objetivo incipais fármacos utilizados no tumor de mama quanto as suas ••••.• sas, Reações adversas relacionadas ~::r-..~mo de ação dos fármacos, como _I.SE~ e vômitos tiveram alto índice de ções adversas graves como e reações cardiovasculares "1I1!nr.i"a importante e merecem especial pela gravidade, mas também por ausente sintomatologia. Não se e tre o custo unitário dos fármacos de indução, quantidade ou reações adversas. Ainda, nos especificidade, e conseqüente -"';-""=-se a ocorrência de reações toxicidade. Faz-se necessária a _izi:IÇã- o dos profissionais da saúde no .1!r\I'olver estratégias interdisciplinares •• "'VIr manejo das reações adversas agentes antineoplásicos no .1::3'"'CP.rde mama, para dessa forma, idade de vida aos pacientes tratamento.
=R DE MAMA, REAÇÕES ADVERSAS,

-

O paciente que sofre de imunodepressão ou imunossupressão está suscetível a doenças oportunistas infecciosas. As doenças oportunistas da mucosa oral,· causadas por fungos, vírus bactérias e protozoários, provocam grande desconforto ao paciente, podendo levar à perda de peso devido à disfagia e complicações. À diferença dos pacientes imunocompetentes, se não tratadas apropriadamente podem atingir níveis sistêmicos e se tornarem letais, por isso devem ser diagnosticadas corretamente e seu tratamento deve merecer especial atenção. Os resultados inequívocos e a toxicidade mínima dos compostos azólicos fazem deles um tratamento atrativo em infecções fúngicas em pacientes com AIOS" Contudo, algumas restrições têm sido levantadas em relação às manifestações adversas decorrentes do uso sistêmico e à ocorrência de resistência cruzada. Como alternativa para contornar esses efeitos indesejáveis é a utilização tópica de alguns fármacos conhecidos, como anfotericina B e terbinafina, e de outros nem tão conhecidos, como levamisol e extrato de óleos essências de Melaleuca alternifolía. Comparado com os fungos, o tratamento do herpes simples tem sofrido menos modificações nos últimos anos. Destacam-se nesse sentido os diversos estudos que comprovaram a atividade de plantas medicinais, algumas delas de origem sulamericana: Infecções necrosantes na gengiva, causadas por bactérias, podem evoluir para periodontite, ocorrendo perda de tecido gengival e ósseo. Para este grupo de microorganismos não foram constatadas alterações significativas no tratamento de pacientes com AIOS" A remoção mecânica de placas e utilização de anti-sépticos como clorexidina e, em casos mais graves, a utilização de tetraciclinas são indicadas. Recentemente se aponta para o surgimento de tratamentos com sistemas de liberação prolongada, géis e de formas farmacêuticas similares às pastilhas. UNITERMOS:
CANDIDOSE,

,

AIOS,

HIV,

TRATAMENTO BUCAIS

TÓPICO,

HERPES,

INFECÇÕES

Caderno de Farmácia. 50 ----------------------------------------------------~

FURINI, Cristiane R.G. Ação de alcalóides em mecanismos de memória. Porto Alegre: Faculdade de Farmácia, UFRGS, 2006. Monografia (Conclusão da Disciplina de Estágio em Farmácia). Orientador: Prof. Dr. José (FAR01/FACFAR/UFRGS) Ângelo S. Zuanazzi

GODOV, Sabrina da C. Estudo atenção farmacêutica a paci que recebem terapia anti-reI!l'IIIIIIIill Hospital de Porto Alegre, Faculdade de Farmácia, UFRGS, (Conclusão da Disciplina de Está Orientador: Profª. Dr. Tânia A FACFAR/UFRGS) Co-Ori.entador: Farm. Fabiana F Banca Examinadora: Farm. Ch~·c:rr,;;:_ (Mestranda PPGCF/FACFARIU Márcia C. do Nascimento (HCC/H Data de apresentação: 4.12.2006

Co-orientadora: Profª. Dr. Lia R. Bevilaqua (Centro da MemórialIPB/PUCRS) Banca Examinadora: Profª. Dr. Raquel Bridi (FAR01/FACFAR/UFRGS); Profª. Dr. Miriam A. Apel (UNISC) Data de apresentação: 7.12.2006 Os alcalóides formam um grupo heterogêneo de substâncias orqarucas, que são compostos nitrogenados farmacologicamente ativos e encontrados predominantemente nas angiospermas e em sua maioria possuem caráter alcalino. O amplo espectro das atividades biológicas reportadas aos alcalóides pode ser relacionado com sua variedade estrutural. Sendo a presença de alcalóides assinalada em ampla gama de atividades biológicas investigadas, como, amebicidas, anticolinérgicos, antitumorais, hipoanalgésicos, estimulantes e depressores do SNC, simpatomiméticos, tratamento do mal de Alzheimer, entre outras atividades. Memória é a aquisição, formação, a conservação e a evocação de informações. A memória humana é parecida com a dos demais mamíferos, no que se refere aos seus mecanismos essenciais, às áreas nervosas envolvidas e seu mecanismo molecular de operação, mas não no que se refere à seu conteúdo. Levando-se em consideração o grande emprego de plantas para a memória, o amplo espectro de ação apresentado pelos alcalóides e sua ampla atividade biológica, o objetivo deste trabalho foi reunir dados científicos quanto aos efeitos de alcalóides nos diferentes mecanismos de memória. Sendo que os dados encontrados foram divididos em relação à classe de alcalóides à que pertencem. Realizou-se um levantamento em bases de dados, com limite para estudos dos últimos dez anos, e também bibliografia relacionada à área de Farmacognosia e Memória. Pode-se observar que, enquanto alguns alcalóides demonstraram melhorar, outros apresentaram não ter efeito sobre déficits de memória. Entretanto, ainda há muito a ser pesquisado e descoberto sobre o mecanismo de ação e efeito dos compostos já existentes nos mecanismos de memória, além de muitos outros compostos ainda não conhecidos. UNITERMOS: memória, alcalóides

Em relação aos pacientes pediátri HIV, a intervenção farmacêutica uma alternativa na busca da me forma a conter o avanço da doença e a qualidade de vida dos pacientes. descreve-se o perfil dos pacie atendidos pelo programa de Atençã do SAE/GAAP-HCC, bem como o proo •• _ de atenção a estes pacientes. Para um estudo exploratório por meio dados socioeconômicos dos cuidado e dos dados clínicos de 31 pacientes pe::iril1I tratamento anti-retroviral. UNITERMOS:
PACIENTES ATENÇÃO PEDIÁTRICOS

GOERCK, Greice C. Uso de Hoocfj como anorexígeno: uma revisão. P Faculdade de Farmácia, UFRGS, 2006. (Conclusão da Disciplina de Estágio em F Orientador: Praf. ICBS/UFRGS) Dr. Mirna B. Lea.

Co-orientador: Farm. Viviane de (Mestranda PPGCF/FACFAR/UFRGS) Banca Examinadora: M.Sc. Mich (Doutoranda PPGNeuro/ICBS/UFRGS); Renata P. Limberger (FAR03/FACFARIU Data de apresentação: 6.12.2006 A obesidade é um problema social cresce de plantas medicinais para o tratam obesidade e para a perda de peso em crescido nos últimos anos. Hoodia gord cacto usado tradicionalmente na África supressor do apetite, e tem seu uso aumen-;;,~l. todo o mundo para este fim. O objeti trabalho foi reunir dados da literatura sobre a H. gordonii, que dêem embasamento para o como anorexígeno. Paralelamente, foi fe; levantamento da comercialização de n~'f"III_ contendo esta planta em farmácias de Porto A.el:.~

51
tados do levantamento em bases de •• 1Qs:;c,uamque há poucos estudos sobre a onii, apesar de haver uma grande _1Iiz::çã- o. Em Porto Alegre-RS, 94,80% das uisadas comercializam produtos com substância ativa é um glicosídio 57 que demonstrou aumentar os _1ICI:=.J!;aresde ATP, diminuindo a ingestão ecessários mais estudos pré-clínicos, -1I"'!!I"IrY)lógicosque certifiquem a efetividade o uso desta planta. oodia gordonii,
Nto!.)RfxíG ENO OBESIDADE, PLANTAS

GLUZ, Ivan C. Aspectos químicos e farmacológicos do Citrus aurantium na redução de peso, gordura corporal e hiperglicemia. Porto Alegre: Faculdade de Farmácia, UFRGS, 2006. Monografia (Conclusão da Disciplina de Estágio em Farmácia). Orientador: Profª. Dr. Grace Gosmann FACFAR/UFRGS) (FAR01/

Banca Examinadora: Farm-Bioq. e Nutr. Denize M. Guaragna; Profª. Dr. Vera M. Steffen (FAR03/ FACFAR/UFRGS) Data de apresentação: 8.12.2006

Elisa H. As informações contidas indústrias farmacêuticas sobre Porto Alegre: Faculdade de l.mGS, 2006. Monografia (Conclusão da 'gio em Farmácia). -. Dr. Célia M. G. Chaves (FAR02/ Profª Dr. Miriam A. B. da Costa; Farm. ção: 4.12.2006 tas para tratar doenças já ocorre •• _il..<:f1ória, e, atualmente, há um ilização de fitoterápicos como ",1:I.oI.,Il;u. Dentre as espécies mais , o Ginkgo biloba, originário da , muitos anos. O mesmo possui . ades farmacológicas, atuando irculação cerebral e periférica. ,.u..::sul·as produzem medicamentos à s sites dessas indústrias foram rmações disponibilizadas foram eratura e com as legislações desses endereços eletrônicos com todas as legislações, e trata sobre propaganda de um medicamento tarjado, as ser restritas a profissionais da uma legislação mais rigorosa • .-x:as (principalmente na internet), •.• .,."r7;:!ção do setor regulatório nas ~1LL;J.;i:j~. As informações divulgadas medicamentos devem ser erenciadas, visto que os vezes se baseiam nesses rem a automedicação. Aos conhecimento na área de esse tipo de tema é muito Idades de medicina

A Obesidade é um dos problemas de saúde que mais afeta as pessoas em todas as idades. O fruto do Citrus aurantium contém sinefrina, fenilefrina, octopamina e tiramina que estimulam a lipólise, termogênese e recaptação da glicose. Devido aos efeitos adversos associados ao uso de efedra e seus derivados, estes foram substituídos pelo Citrus aurantium em produtos para redução de peso e "queimadores de gordura". Estão presentes no Citrus aurantium furanocumarinas que podem elevar os níveis sé ricos de fármacos de diversas classes terapêuticas. Nesta presente revisão, serão apresentados os constituintes químicos e seus aspectos farmacológicos; um sumário sobre os receptores adrenérgicos; o estímulo à lipólise, termogênese e recaptação da glicose nos tecidos adiposo e muscular; estudos clínicos e possíveis efeitos adversos; interações com outros fármacos e informações sobre a eficácia e segurança do Citrus aurantium. UNITERMOS:
AMINAS REDUÇÃO SINEFRINA, OCTOPAMINA, LlPÓLlSE, FENILEFRINA, TERMOGÊNESE,

"

ADRENÉRGICAS,

DE PESO E FURANOCUMARINAS

GUZATTO, Paula Análise de prescrições medicamentosas dispensadas na Farmácia de uma Unidade Básica de Saúde de Porto AlegreRS. Porto Alegre: Faculdade de Farmácia, UFRGS, 2006. Monografia (Conclusão da Disciplina de Estágio em Farmácia). Orientador: Profª. FACFAR/UFRGS) Dr. Denise Bueno (FAR02/

_-=IS

Banca Examinadora: Méd. Álvaro A. Rodrigues (PFS Nossa Senhora das Graças); Farm. Simone C. Fogaça (HCPA) Data de apresentação: 5.12.2006

biloba,

INTERNET,

Este trabalho teve como objetivo avaliar as prescrições de medicamentos a partir dos erros encontrados e da demanda não atendida, visando à qualificação da assistência farmacêutica e a promoção do uso racional de medicamentos. Para isso, foi realizado um estudo longitudinal

Caderno de Farm' 52 ------------------------------------------------~--.

retrospectivo a partir das prescrições medicamentosas dispensadas em uma unidade básica de saúde em Porto Alegre-RS. Analisando os resultados obtidos, concluímos que é necessária educação permanente dos profissionais da saúde, que a regionalização da dispensação de medicamentos qualifica e amplia a assistência farmacêutica nas UBS e que a interdisciplinaridade é uma estratégia para promoção do uso racional de medicamentos. UNITERMOS: ASSISTÊNCIAFARMACÊUTICA, ATENÇÃO FARMACÊUTICA, USO RACIONAL DE MEDICAMENTOS, ERROSDE MEDICAÇÃO, BS, SUS, ATENÇÃOPRIMÁRIA, U PRESCRiÇÕES MÉDICAS,EDUCAÇÃO PERMANENTE

UNITERMOS: FLAVONÓIDES, ATIVIDADEANALGÉSICA,MODEIJDA DOR

HABEKOST, Luciana T. Tra linha da tuberculose (rifamp' pirazinamida): aspectos hepatotoxicidade. Porto AI Farmácia, UFRGS, 2006. Monnnr:<lliilll. Disciplina de Estágio em Farmá Orientador: Prof. Dr. Luciano Z. FAMED/UFRGS) Banca Examinadora: Profª. Dr. (FAR01/FACFAR/UFRGS); Dr. (HCPA) Data de apresentação: 7.12.2006

HAAS, JULlANA S. Atividade analgésica de flavonóides. Porto Alegre: Faculdade de Farmácia, UFRGS, 2006. Monografia (Conclusão da Disciplina de Estágio em Farmácia). Orientador: Profª. Dr. Gilsane L. von Poser (FAR01/ FACFAR/UFRGS) Banca Examinadora: Farm. Ana Paula M. Bernardi (Doutoranda PPGCF/FACFAR/UFRGS); Prof. Dr. Jarbas A. Montanha (FAR01/FACFAR/UFRGS) Data de apresentação: 8.12.2006 Flavonóides são compostos bastante estudados, sendo conhecidos por suas propriedades antioxidante e cardioprotetora, entre outras. São encontradas mais de 4000 estruturas desta classe na natureza, constituindo importância fisiológica para seus organismos produtores, assim como função ecológica por suas interações com o meio ambiente. Atualmente, os fármacos conhecidos com atividade analgésica opióide e não-opióide vêm sendo discutidos por seu amplo uso, assim como os efeitos adversos a eles relacionados. Novas formas de tratamento para a dor se fazem necessários, sendo o estudo de flavonóides uma possibilidade para a busca de novos compostos ativos. No presente trabalho, relata-se dados sobre características químicas e biológicas sobre os compostos fenólicos trabalhados, remetendo especial atenção às suas atividades analgésicas. Aspectos sobre a fisiologia de mecanismos da dor são também mostrados, assim como algumas formas para seu tratamento e para avaliação de atividade em modelos experimentais. Na revisão realizada, verificou-se que vários flavonóides demonstraram atividade analgésica, sendo que para alguns estudos realizados com extratos de plantas, a atividade encontrada foi atribuída à presença dos mesmos. Estudos como clínicos, de farmacocinética, mecanismo de ação são necessários para que se possa remeter o uso dessas substâncias como forma de tratamento e também para avaliar o seu potencial de ação.

A tuberculose é hoje uma ca morbi-mortalidade em diferentes tratamento de primeira linha para inclui isoniazida, rifampicina e pira.2'1"1111111 profilaxia, em muitos casos, inclui a havido uma antiga preocupa hepatotoxicidade gerada pelos Iárrn a necessidade de uma revisão an medicamentos e seu possível e fígado, levando em conta caJCiClerilll fármacos e seus prováveis fatores de risco para hepatoxicidade aos conhecidos, tais como hepatites idade avançada, VIH, entre outros, fe no trabalho. Foi constatado que • fármacos são potencialmente lesiv que a associação deles pode auml'!M:I" especialmente quanto à induçã causada pela rifampicina. Além grande discussão sobre a influê genético quanto à capacidade de ace determina que o processo de mefa::Xlii" isoniazida seja mais lento ou mais ráp que, é atribuído a um metabólito a hep.:m'" produzida, sendo concluído que os lentos possuem maior risco de hepar Portanto, a identificação de fatores e hepatoxicidade, tais como: hepatites vi idade avançada, VIH, são fundam garantir a eficácia e segurança do tratam tuberculose nos pacientes submetidos a UNITERMOS: TUBERCULOSTÁTICOS; TRAPRIMEIRA LINHA; ISONIAZIDA; P ::; RIFAMPICINA; HEPATOTOXICIDADE

• ia, v. 23, n. 1, 2007.

53
JORGE, Renan S. O envolvimento do sistema glutamatérgico na neurotoxicidade causada pelo chumbo. Porto Alegre: Faculdade de Farmácia, UFRGS, 2006. Monografia (Conclusão da Disciplina de Estágio em Farmácia). Orientador: Profª. Dr. Susana T. Wofchuk (CBS01/ ICBS/UFRGS) Co-Orientador: Profª. Dr. Vera M. Steffen (FAR03/ FACFAR/UFRGS) Banca Examinadora: Profª. Dr. Ângela T. de S. Wyse (CBS01/ICBS/UFRGS); Cíntia E. Battú

Doença de Alzheimer: ai e novas perspectivas para orto Alegre: Faculdade de _~;S" 2006. Monografia (Conclusão da aEsraç_'õo em Farmácia). Dr. -'~'''''S) ___ Iora: M.Sc. Micheli euro/ICBS/UFRGS); Figueiró Enf. Christianne G. Salbego

objetivo realizar uma revisão _a::orerapia atual da Doença de como sobre estratégias Ú'loaJmentadas no mecanismo ça e algumas abordagens _1IiiIC:a5 na epidemiologia. Apesar de de a primeira descrição da atual mostra-se limitado a moderados por um curto endimento dos mecanismos a DA, até o momento, tem e fármacos com possíveis 'ftCcncar esses mecanismos. Os aii::r'Y'':::tdos estão voltados à .::alde do peptídeo beta-amilóide. tamento surgiram através tiDQeliTliológicos, como os _::-esteróides e as estatinas, efício desses fármacos na iqada. Considerando as !Y::!rY'LP aumento no número de o a maior expectativa de •••açãc. o desenvolvimento de um tees::õe'1ci'al para uma intervenção "1Ii:::Micíade de modificar o curso :: ALZHEIMER, PEPTíDEO RES DA COLlNESTERASE, IINFLAMATÓRIOS NÃO_511'=:- =RAPÊUTICAS

Data de apresentação:
2

4.12.2006

O chumbo (Pb +) é um metal pesado sem função biológica aparente. A contaminação indiscriminada do ambiente, a propensão para causar um largo espectro de efeitos tóxicos e o número de indivíduos afetados em todo o mundo faz desse neurotoxicante um problema de saúde pública de magnitude global. 2 O efeito tóxico do Pb + em crianças está relacionado com alterações neurocomportamentais, principalmente déficits de memória e aprendizado. O glutamato é o principal neurotransmissor excitatório do sistema nervoso central (SNC) de mam íferos e está envolvido em diversos processos fisiológicos, entre eles memória e aprendizado. No desenvolvimento cerebral, a interação de neurotoxinas com sítios pré-sinápticos e/ou póssinápticos de neurônios glutamatérgicos pode alterar a plasticidade sináptica. Através da bibliografia disponível em base de dados online (pubmed, science direct) foi feito uma revisão sobre o envolvimento do sistema ~Iutamatérgico na neurotoxicidade causada pelo Pb + • UNITERMOS: INTOXICAÇÃO GLUTAMATO, EUROTOXICIDADE N POR CHUMBO,

,

LARENTIS, Elisa R. Avaliação da influência de psinefrina na proliferação e morte celular. Porto Alegre: Faculdade de Farmácia, UFRGS, 2006. Monografia (Conclusão da Disciplina de Estágio em Farmácia). Orientador: Profª. Dr. Renata P. Limberger (FAR03/ FACFAR/UFRGS) Banca Examinadora: Profª (CBS09/ICBS/UFRGS); Profª. (FAR03/FACFAR/UFRGS) Data de apresentação: Dr Mirna B. Leal Dr Vera M. Steffen

7.12.2006

p-Sinefrina é uma amina biogênica presente em plantas e alimentos, comercialmente obtida do fruto imaturo e seco de Citrus aurantium, sendo freqüentem ente incorporada em suplementos alimentares utilizados para facilitar a perda de peso, especialmente por promover lipólise. Entretanto, devido à estimulação adrenérgica, pode causar

d

Caderno de Farmác· 54 ----------------------------------------------------~

efeitos adversos no sistema cardiovascular. É considerada uma amina traço, as quais possuem níveis alterados em transtornos psiquiátricos e neurológicos. Devido à escassez de dados sobre a toxicidade da p-sinefrina e a sua semelhança estrutural com anfetaminas, o objetivo deste trabalho foi avaliar o efeito deste composto em cultura de células C6 de glioma de rato, utilizando a efedrina a título de comparação. Tanto a p-sinefrina, quanto a efedrina não induziram morte nem levaram a alterações na proliferação celular nas concentrações e tempos de tratamentos testados. Já a avaliação da morfologia mostrou que as células basais mantiveram sua forma arredondada e levemente fusiforme, enquanto que as células tratadas, em determinadas concentrações e tempos testados, apresentaram retração do corpo celular e formação de processos. Os resultados obtidos demonstraram que as alterações morfológicas podem estar sinalizando para uma diferenciação ou morte celular e merecem investigações posteriores para melhor compreensão das vias de sinalização envolvidas neste efeito. UNITERMOS:
MORTE CELULAR, P-SINEFRINA, PROLIFERAÇÃO EFEDRINA, CELULAR, TOXICIDADE, GLlOMA

meses, a excreção de GAGS MPS I em terapia de reposição L-iduronidase recombinante hu foram comparados com as anteriores à terapia, mostrando urinários, o que significa diminuo GAGS nos tecidos. UNITERMOS:
DOENÇAS TERAPIA ERROS INATOS LlSOSSÔMICAS

MUCOPOLlSSACARIDOSES, DE REPOSiÇÃO

Gucos.1I
ENZIMÁTICA

LlESENFELD, Letícia O uso parenteral em neonatologia. Faculdade de Farmácia, UFRGS, (Conclusão da Disciplina de Estági Orientador: Prof. Dr. Helder F. FACFAR/UFRGS) Banca Examinadora: Prof. Dr. Carvalho (PPGCF/FACFAR/UFRGS B. Lopes (HSL-PUCRS) Data de apresentação: 30.11.2006 Nos últimos anos, a nutrição pare amplamente utilizada em neonatolo ia, indicação é na nutrição de r prematuros, bem como em doenças alimentação oral é inviável, em es;::aill aquelas que acometem o trato gastrintes •• contexto, este trabalho de revisão . dados relativos ao uso da nutrição n;:u~" neonatologia. Em uma primeira etapa relativos à população neonatal (i.e. nascimentos, peso, malformação con cidade de Porto Alegre foram agrup informações relativas às indicações, às necessidades nutricionais, à preparaçã e às vias de administração foram revisaI_ uma última etapa, foram discutidas as co potenciais oriundas do uso da nutrição em neonatologia. UNITERMOS:
INCOMPATIBILIDADE NUTRiÇÃO PARENTERAL,

C6

LAZZARONI, Katia Excreção de glicosaminoglicanos na urina de pacientes com mucopolissacaridose I em terapia de reposição enzimática. Porto Alegre: Faculdade de Farmácia, UFRGS, 2006. Monografia (Conclusão da Disciplina de Estágio em Farmácia). Orientador: Profª. Dr. Janice Coelho (SGM/HCPA) Co-Orientador: Profª. Dr. Maira Burin (SGM/HCPA) Kristiane M. Tirelli; Maria

Banca Examinadora: Verónica M. Rojas

Data de apresentação: 30.11.2006 Os erros inatos do metabolismo são defeitos metabólicos envolvendo processos de síntese, degradação, transporte e armazenamento de moléculas no organismo. Dentro deles existem as doenças lisossômicas de depósito, nas quais há uma deficiência enzimática que causa o acúmulo de substâncias no interior dos lisossomos. As mucopolissacaridoses (MPS) são doenças lisossômicas de depósito, nas quais a enzima deficiente está ligada à degradação dos glicosaminoglicanos (GAGS). A MPS do tipo I é causada pela ausência ou baixa atividade da enzima a-L-iduronidase, acumulando heparan e dermatan sulfato nos lisossomos. A terapia de reposição enzimática é uma alternativa de tratamento para a MPS I que tem se mostrado segura e eficaz. Um dos parâmetros comumente usado para verificar a diminuição do depósito lisossomal de GAGS é a dosagem de GAGS urinários. Este trabalho acompanhou, durante 4

Farmácia, v. 23, n. 1, 2007.

55
MASZLOCK, Virgínia P. Protozoários de veiculação hídrica importantes em saúde pública: Cryptosporidium e Giardia. Porto Alegre: Faculdade de Farmácia, UFRGS, 2006. Monografia (Conclusão da Disciplina de Estágio em Farmácia). Orientador: Profª. ICSS/UFRGS) Dr. Marilise S. Rott (CSS061

••••

ochele K. Uma revisão sobre as biológicas e toxicidade de plantas ais cultivadas no Rio Grande do Sul. : Faculdade de Farmácia, UFRGS, rafia (Conclusão da Disciplina de armácia). Profª. Dr. Stela M. K. Rates (FAR011 ~GS)

_.dor:

Profª Dr. Mara R. Ritter (S10021 SI M.Sc. Giovana S. (Doutoranda PPGSotlIS/UFRGS); Steffen (FAR03/FACFARI ntação: 8.12.2006

Banca Examinadora: Profa. Dr. Ana Cristina A. da a Silva (PUCRS), Prof . Dr. Márcia S. Mentz (CSS061 ICSS/UFRGS) Data de apresentação: 8.12.2006

"caino

foi realizado um levantamento com o objetivo de compilar dados populares, a toxicidade e outras ógicas das seguintes espécies de entais cultivadas no Rio Grande do "rr::::I1nda cathartica L., Bouganvillea Id., Cycas revoluta Thunb., Dietes Sweet ex Klatt, Duranta repens L., _rrin" a L., Fuchsia hybrida Hort. ex V. balsamica L., Pelargonium peltatum ododendron simsii Planch, Rosa "' Strelitzia reginae Aiton, Tagetes Viola x wittrockiana Gams. Essas selecionadas de acordo com a citações em literatura de plantas e venda em floriculturas regionais. A. cathartica, B. spectabilis, C. ns, F. benjamina, I. balsamica, R. erecta e Viola x wittrockiana) são icina popular e seis (A. cathartica, " revoluta, D. repens, F. benjamina e ,.n:::::;entam relatos de toxicidade. Para _hal-fj"ca, B. spectabilis, C. revoluta, D. 'amina) foram encontrados relatos e uso popular. A maioria dos usos é fundamentada por estudos
=>-ANTAS _IWC:A:JE ORNAMENTAIS, MEDICINA RIO

BIOLÓGICA,

TOXICIDADE,

Muitas formas de vida do planeta, incluindo os seres humanos, dependem da água para sobreviver. Porém a água contaminada pode carrear vários organismos patogênicos, como as formas transmissíveis de parasitos, por exemplo, causando infecções nos seres humanos. Entre os protozoários de veiculação hídrica, os gêneros Giardia e Cryptosporidium são conhecidos por causarem desordens nutricionais e diarréias em seres humanos e animais. O objetivo do trabalho é revisar os principais conhecimentos sobre Cryptosporidium e Giardia,com informações sobre a biologia destes organismos e métodos de análise e purificação da água. O protozoário Cryptosporidium foi identificado no início do século passado e ganhou mais atenção após causar uma série de surtos de criptosporidíase. Estes surtos acometeram cidades inteiras devido à veiculação do parasito na água tratada para consumo, através da rede de abastecimento. Os oocistos de Cryptosporidium são mais resistentes que os cistos de Giardia aos processos de tratamento de água convencionais. Nos EUA existe o método 1622 da USEPA que regulamenta a purificação da água quanto à presença de Cryptosporidium e o método 1623 é um aperfeiçoamento do método 1622. No Brasil existe a portaria 518/04 que recomenda a pesquisa e eliminação destes protozoários da água tratada para consumo humano. Vários pesquisadores preocuparám-se em estudar formas de eliminar a presença destes parasitos na água tratada, através do conhecimento das fontes de contaminação, da sobrevivência no ambiente, etc. E devido a isso, existe um aperfeiçoamento de técnicas de detecção e de desinfecção. Conclui-se que Cryptosporidium e Giardia continuam sendo dois dos mais importantes patógenos da água e que a aplicação de novos métodos, como o método 1623 da USEPA em combinação com métodos moleculares, têm melhorado a habilidade de detectar baixos níveis de contaminação da água por protozoários. UNITERMOS: Giardia, SURTOS,
PROTOZOÁRIOS, DETECÇÃO,

,

Cryptosporidium,

FILTRAÇÃO

Caderno de Farmácia, 56 ------------------------------------------------~--~

MORIMOTO, Lúcia N. Informações e alerta a profissionais da saúde sobre intoxicações por benzodiazepínicos e derivados anfetamínicos. Porto Alegre: Faculdade de Farmácia, UFRGS, 2006. Monografia (Conclusão da Disciplina de Estágio em Farmácia). Orientador: UFRGS) Profª. Dr. Mirna B. Leal (CBS09/ICBS/ Profª. Dr. Eliane Dallegrave (CITCarolina (FAR02/

PEREIRA, Dariane C. Modelo para de cadastro de usuários em farma. primária do município de P Brasil. Porto Alegre: Faculda e UFRGS, 2006. Monografia (Concl de Estágio em Farmácia). Orientador: Profª. FACFAR/UFRGS) Dr. Denise

Co-orientadora: RS)

Banca Examinadora: Farm. M.Sc. (GHC); Farm. Mauro L. G. Velleda (S Data de apresentação: 5.12.2006 As informações a respeito da saúde são fundamentais, porém, a imp acessar e integrar dados de pacientes de grupos de pacientes registrados e manuais resulta em uma visão fraan." objetivo deste trabalho foi o de ferramenta digital que viabilize o cad farmácia dos usuários da região a unidade básica de saúde de Port Brasil. Para isto utilizou-se o aplica' MS Office® 2000. A informatização d apresentou como objetivo facilitar, qualificar os processos, além de possibilidades de geração e uso de fY'>f-n." em assistência farmacêutica, bem como a do atendimento aos usuários do sistema Essa informatização caracteriza-se processo gerado de dentro da UBS para assim suas informações podem ser tr outros níveis. UNITERMOS: ASSISTÊNCIA FAR CADASTRAMENTO, SUS, INFORMÁTICA ATENÇÃO PRIMÁRIA

Banca Examinadora: Farm. Ana Tramontina; Profª. Dr. Tânia A. Amador FACFAR/UFRGS) Data de apresentação: 6.12.2006

Este trabalho foi baseado num estudo retrospectivo, onde foram analisados os casos de intoxicação humana por benzodiazepínicos (BZD) e derivados anfetamínicos (DA) registrados no CIT-RS entre os anos de 1997 a 2004. Foram identificadas as principais situações de risco, as causas, a faixa etária e a classe dos medicamentos envolvidos. A partir desses dados foi formulado um material contendo informações e alerta aos profissionais da saúde sobre intoxicações por benzodiazepínicos e derivados anfetamínicos. De acordo com as principais circunstâncias de intoxicação identificadas para cada faixa etária foram feitas observações, com o intuito de alertar quanto à alta incidência destes casos, as principais situações de risco e sugerir alternativas para redução destes danos. Espera-se ter como repercussão com a divulgação desses dados, através do material informativo, mudanças nas condutas terapêuticas, nos critérios de prescrição médica e dispensação de BZD e DA, bem como uma maior orientação quanto a guarda desses medicamentos, evitando o risco de exposição desnecessária a esses fármacos, sobretudo às crianças, tendo em vista as conseqüências que podem resultar o mau uso. A disponibilidade de informação sobre medicamentos é uma condição necessária para promover o uso racional. Informações chamando a atenção para os cuidados com o uso de medicamentos e para as conseqüências de sua utilização incorreta podem contribuir para incrementar a racional idade deste uso. UNITERMOS: INTOXICAÇÕES, BENZODIAZEPíNICOS, DERIVADOS ANFETAMíNICOS, PROFISSIONAIS AÚDE S

PINTO, Carolina F. Presença de frutas-do-conde. Porto Alegre: Facul Farmácia, UFRGS, 2006. Monografia (Con Disciplina de Estágio em Farmácia). Orientador: Profª. Dr. Renata P. Limberger FACFAR/UFRGS) -

Banca Examinadora: Farm. Marcelo D (Mestrando PPGCF/FACFAR/UFRGS); Pr ~ Mirna B. Leal (CBS09/ICBS/UFRGS) Data de apresentação: 7.12.2006 No Brasil, os representantes da família Anno são apreciados por seus frutos comp-c::1"-destacando-se as frutas-do-conde ( squamosa e Rollinia salicifolia). De acordo literatura, até o momento não há relatos presença de p-sinefrina (uma amina adrené_ em espécies desta família. Sendo assim, trabalho investiga a presença dessa amina frutas-do-conde coletadas no Rio Grande do S

57
ealizada por CLAE-UV e os teores de pfrutos verdes e folhas foram similares 'ados em frutos imaturos das espécies e contém de 0,01 g% a 0,2 g%. FRUTA-DO-CONDE,ANNONACEAE, Pcom baixa utilização de EPI (somente 23,3 % utilizam todos os EPI), e um elevado número de suicídios na cidade (23,16/100 mil hab) quando comparado com a média da Coordenadoria Regional de Saúde na qual o município está inserido (13,99/100 mil hab). Segundo relatos na literatura, a intoxicação por agrotóxicos pode levar a diversas neuropatias tais como: polineuropatia retardada, síndrome intermediária e efeitos comportamentais (principalmente ansiedade e depressão). Conforme alguns autores, esses sintomas estão intimamente ligados à prática suicida, gerando a hipótese de que o número de suicídios aumentados na cidade em questão poderia estar associado ao uso de agrotóxicos. Este trabalho encontrou indícios de que os agrotóxicos utilizados no município poderiam estar ocasionando distúrbios neurológicos nos agricultores, mas ainda é cedo para estabelecer sua co-relação com o uso destes produtos, uma vez que muitos fatores podem estar contribuindo para este acontecimento. UNITERMOS: AGROTÓXICOS, EXPOSiÇÃO OCUPACIONAL, INTOXICAÇÕES, NEUROPATIAS, surcíoio

t_..-

_.OS:

Análise de Risco à exposiçao aos agrotóxicos e sua associação •• _:i'dio no município de Dom Feliciano. : Faculdade de Farmácia, UFRGS, "!II"Y'\.nlrafia (Conclusão da Disciplina de ácia). Vera M. Steffen (FAR03/

,

••••."or. Profª. Dr. Renata
~rAIH/UFRGS)

P. Limberger

Farm. Fabiane Farias PGCF/FACFAR/UFRGS); Farm. o (Mestrando PPGCF/FACFAR/ ção: 8.12.2006 exposiçao ocupacional aos •• DJJire uma dimensão de forte impacto • _.Ieit· o à saúde pública, já que o uso uito difundido em nosso meio, e eta desses agentes, por uso na diluição, ou mesmo na rodutos (falta de equipamentos .iI~'ldual), sugerem que a ocorrência acidentais individuais e/ou estar sendo favoreci da. s do Sistema Nacional de -Farmacológicas (SINITOX, computadas, no país, 5945 •• --'""'s por agrotóxicos de uso e 164 óbitos. O estado do Rio os estados de maior produção ",p"n da federação. A cultura do agrícola arcaica, extremamente grande quantidade de a literatura e denúncias por apontando uma relação do os, especialmente dos ao suicídio. Com base nos e trabalho foi feito buscando _-.."",iO dos agrotóxicos utilizados a cidade de Dom Feliciano, os, se este uso está •.• ::rescõ· mo no número de suicídios -_ 'cultores fazem a utilização !_IIÍ;;i2dio um estudo do tipo "~"Y"'I, através da aplicação de aos agricultores da cultura assim como pesquisa na 1Il1:r..~::lfou-se que os agricultores diferentes de agrotóxicos,

REITER, Keli C. Oxazolidinonas: uma nova classe de quimioterápicos. Porto Alegre: Faculdade de Farmácia, UFRGS, 2006. Monografia (Conclusão da Disciplina de Estágio em Farmácia) . Orientador: Prof. Dr. Ana Maria Bergold (FAR01/ FACFAR/UFRGS) Banca Examinadora: Profª. Dr. Ana Lúcia P. de Freitas (FAR03/FACFAR/UFRGS); Prof. Or. Pedro E. Fr6ehlich (FAR01/FACFAR/UFRGS) Data de apresentação: 6.12.2006

O tratamento de infecções devido a organismos gram-positivos tem se tornado um desafio para os médicos. A maioria das modificações químicas das classes de antimicrobianos ocorreu para gramnegativos, 0 que resultou no aparecimento de resistência entre gram-positivos, como S. aureus, S. pneumoniae e E. faecium. No final dos anos 70, pesquisadores iniciaram o estudo de uma das mais novas classes de antimicrobianos sintéticos existentes atualmente, conhecida como oxazolidinonas. Assim, o objetivo deste trabalho foi apresentar o desenvolvimento de novos análogos da classe, cujo único representante comercializado é a linezolida. Para melhorar a utilização da classe na terapia clínica, foi desenvolvido um roteiro de pesquisas em torno do protótipo OuP-721. Vários análogos foram sintetizados e estudados in vitro pela CIM e in vivo pela EOso. Estes estudos, aliados a modificações químicas do protótipo, possibilitaram a descoberta da linezolida e de outros análogos, os quais foram ativos até mesmo contra organismos resistentes. Compostos como PNU-100480, AZO2563 e RBx-8700 apresentaram atividade contra

58
micobactérias, e outros como DA-7867 e RBx-7644 (rambezolida) contra organismos gram-positivàs. A REA demonstrou que o anel oxazolidinona é necessário para a atividade, bem como a configuração S do C-5 e o grupamento N-aril, onde a presença de flúor na posição 3 aumenta a atividade. As oxazolidinonas são agentes antibacterianos atrativos devido ao seu espectro de ação, também por não demonstrarem resistência cruzada com outros antimicrobianos. Resistência ao quimioterápico já foi evidenciada, e por isso é necessário o desenvolvimento de novos compostos através de estudos da REA e segurança/eficácia, para a obtenção de fármacos ativos e confiáveis. UNITERMOS: OXAZOLIDINONAS, LlNEZOLlDA,RELAÇÃO ESTRUTURA ATIVIDADE

Caderno de Farmá

.

_

SANTOS, Gabriella A Assi ~ na Atenção Primária so profissionais de saúde de u de Saúde. Porto Alegre: Fa,CUlca. UFRGS, 2006. Monografia (COII1Cl:lSiii. de Estágio em Farmácia). Orientador: Profª. FACFAR/UFRGS) Dr. Denise

Banca Examinadora: Profª Dr. (FAR02/FACFAR/UFRGS); Prof. (FAR02/FACFAR/UFRGS) Data de apresentação: 6.12.2006

ROCHA, Doença Farmácia, Disciplina

Lauren Z. Novo tratamento para a de Crohn. Porto Alegre: Faculdade de UFRGS, 2006. Monografia (Conclusão da de Estágio em Farmácia).

Orientador: Prof. Dr. Jarbas A. Montanha (FAR01/ FACFAR/UFRGS) Banca Examinadora: Sc. Carolina L. Dias Data de apresentação: Farm. Denise S. Jornada; M. 6.12.2006

A doença de Crohn é caracterizada pela inflamação transmural crônica que atinge tanto o intestino delgado quanto o grosso. Com incidência de 0,5 a 5 por 100.000 casos registrados. A doença atinge adultos jovens e tem prevalência em mulheres, e diversas terapias são utilizadas para o tratamento. A terapia convencional está baseada no uso de corticóides, sulfassalazina, metronidazol, ciprofloxacino, azatioprina, 6-mecaptopurina, metotrexato, ciclosporina. Entretanto, têm surgido novas terapêuticas com o emprego de produtos de origem biológica, como TNF-a um agente desencadeador da inflamação. O infliximabe, uma substância anti-TNF-a, tem sido usado em diversos pacientes com sintomas diferentes da doença. Ele tem se mostrado eficaz em pacientes com atividade leve, moderada e grave, esteróide-dependentes, refratários a outras terapias e com fístulas. Em alguns pacientes o infliximabe pode causar efeitos adversos, que podem ser leves, como febre, ou graves, como tuberculose. Porém, a melhora da qualidade de vida dos pacientes supera qualquer possibilidade de efeito adverso. UNITERMOS: INFLlXIMABE, DOENÇA DE CROHN, DIETA,ETIOLOGIA

Este trabalho tem como objetivo o"a. etnográficos de avaliação das prá Assistência Farmacêutica, T,-::::IIiII_ conhecimento ampliado destas entender como esta construção Primária à Saúde (APS). P "a entrevistados oito profissionais de Unidade Básica de Saúde, entre e enfermeiros, 2 farmacêuticos, 1 oaJIIII nutricionista. A metodologia qualitativa, utilizando a técnica etnográfica, coletando-se os dados gravadas e posteriormente tr::!",~_1IJ analisado o conteúdo das mesmas. sobre Assistência Farmacêutica par •••...••• _ fragmentado entre os entrevistad preocupação maior com os aspectos orientação do usuário do que aque es à gestão. O farmacêutico é . responsável pela Assistência Farrnacêc profissionais entendem que esta p toda a equipe. Várias contribuições Farmacêutica na qualidade de a erV"Í-usuário foram citadas, entre elas, o es::::a•• de aspectos relacionados ao meáica." desmedicalização e a adesão ao trarn~'"'1B_ há um entendimento adequado sobre Assistência Farmacêutica dentro da trabalho sistemático de equipe de como insumo o medicamento, não az exercício cotidiano. Concluímos que a Farmacêutica está em processo de cor: APS, segundo concepções dos prol~~_ saúde da Unidade em estudo. UNITERMOS: ATENÇÃO PRIMÁRIA ASSISTÊNCIA FARMACÊUTICA, ••,.,--....-•• ETNOGRÁFICA, SUS

-".I:''''''''ácia, v. 23, n. 1, 2007.

59

ana Caracterização físico-química liminares de estabilidade de semi-sólidas contendo Porto Alegre: Faculdade de GS, 2006. Monografia (Conclusão da Estágio em Farmácia). rof. Dr. Martin Steppe (FAR02/ B. Silva ••• inadora: Farm. Aletéia S. Alano; Prof. L.S. Carvalho (PPGCF/FACFAR/ tação: 1.12.2006 é um agente despigmentante muito terapêutica e, freqüentemente, farmácias. A grande dificuldade as preparações é a manutenção da de, visto que a hidroquinona é . a em contato com o ar e em altas temperaturas. Buscando reduzir de e padronizar sua produção, foi estudo onde as preparações foram a condições de armazenagem e acondicionamento em embalagens e-se observar a influência que estes •• If!n':em sobre sua estabilidade. O 1iIIIIIr'f~to em embalagem metálica pareceu _ 'iIIJE:Quado,bem como o armazenamento raturas e o controle adequado do pH _iÇ>es. A instabilidade de amostras trou a importância do controle de dê bases farmacêuticas, como de dos, anterior a dispensação de à base de hidroquinona, a fim de uto magistral.
HIDROQUINONA, UALlDADE, .: JUINI PU LAçÃO FORMULAÇÃO ESTABILIDADE, MAGISTRAL,

SCAPIN, Diogo Medicamentos fora de uso em estoques domiciliares: impacto na saúde e na economia e o fracionamento de medicamentos. Porto Alegre: Faculdade de Farmácia, UFRGS, 2006. Monografia (Conclusão da Disciplina de Estágio em Farmácia). Orientador: Prof. Dr. Pedro R. Petrovick FACFAR/UFRGS) (FAR02/

"~GS)

Banca Examinadora: Farm. Ana Maria Giacomelli (Farmácia Quiron); Profª. Dr. Célia M. G. Chaves (FAR02/FACFAR/UFRGS) Data de apresentação: 5.12.2006 A presença de medicamentos em casa é muito grande. Uma parcela fica estocada em casa sem utilização, sendo um gasto desnecessário e uma fonte para intoxicações, além do problema com o descarte. Partindo desses pressupostos, foi feito um levantamento dos medicamentos em desuso presente nesses estoques domiciliares para avaliar o real valor perdido com esses medicamentos e possíveis soluções para essa questão. As fontes de informações foram trabalhos realizados por alunos da Faculdade de Farmácia sobre os medicamentos presentes em casa. Foi encontrada uma média de 3 medicamentos para cada morador, sendo que a classe mais encontrada foi a de antiinflamatórios não-esteróide. O maior motivo de abandono, somando 77 %, foi pelo medicamento não ser mais necessário. Cerca de 48 % desses medicamentos são formas farmacêuticas apresentadas em embalagens que poderiam ser fracionadas. Aproximadamente 51 % do valor gasto poderiam ser economizados se fosse realizado o fracionamento, mostrando a grande importância dessa proposta. UNITERMOS:
ABANDONO MEDICAMENTOS FARMÁCIA DE EM DESUSO CASEIRA, FRACIONAMENTO, CUSTO DE MEDICAMENTOS,

,

SFAIR, LetíCia L. Análise de cápsulas de progesterona micronizada preparadas em Farmácia de Manipulação. Porto Alegre: Faculdade de Farmácia, UFRGS, 2006. Monografia (Conclusão da Disciplina de Estágio em Farmácia). Orientador: Prof. FACFAR/UFRGS) Dr. Martin Steppe (FAR02/

Banca Examinadora: Farm. Juliana Sippel (Mestranda PPGCF/FACFAR/UFRGS); Profª. Dr. Nádia M. Volpato (FAR02/FACFAR/UFRGS) Data de apresentação: 8.12.2006 A progesterona, hormônio sexual feminino, é biossintetizada a partir do colesterol e secretada pelo ovários, principalmente pelo corpo lúteo, durante a segunda metade do ciclo menstrual. A progesterona é muito utilizada na terapia de

Caderno de Farmá 60 ----------------------------------------------------

.

reposrçao hormonal em mulheres na menopausa, mas também é importante para mulheres que sofrem de desequilíbrio hormonal. Atualmente estão surgindo outros estudos com novas indicações terapêuticas como, por exemplo, na prevenção do nascimento prematuro, na tensão pré-menstrual (TPM), entre outros. Como os medicamentos preparados em farmácia de manipulação devem ter a sua qualidade garantida assim como os medicamentos produzidos pelas indústrias, o objetivo deste trabalho foi avaliar as cápsulas de progesterona produzidas em uma farmácia de manipulação. Foram realizados testes de identificação, doseamento e uniformidade de conteúdo. Para a realização deste estudo foram utilizadas cápsulas contendo 5,0 mg e 70,0 mg do fármaco. Os resultados obtidos demonstraram que as cápsulas analisadas apresentaram teor de progesterona fora dos limites permitidos pelos códigos oficiais. No doseamento, a quantidade de fármaco contido nas cápsulas foi de 60,01 mg a 65,42 mg. No teste de uniformidade de conteúdo das cápsulas de 70,0 mg, a quantidade de fármaco apresentou variação entre 49,74 mg e 58,63 mg. Nas cápsulas de 5,0 mg, a quantidade de fármaco variou entre 2,70 mg e 3,74 mg. Sendo assim, é necessário rever o procedimento de preparação das cápsulas e realizar um controle de qualidade que garanta o teor mínimo de fármaco especificado, uma vez que o peso médio não avalia a quantidade de fármaco em cada cápsula e sim some-nte a quantidade de pó presente.

Analisando os resultados obti que os grupos de apoio fortalecimento da APS, em ainda não esteja inserido, ha isto. UNITERMOS:
UNIDADE ATENÇÃO FUNCIONAMENTO, DE SAÚDE, BÁSICA

PRIMÁRIA À SAÚDE

SILVA, Ana Paula Erros de questão de saúde pública. Faculdade de Farmácia, UFRGS, (Conclusão da Disciplina de Estáqi Orientador: Profª. Dr. Célia G.M. FACFAR/UFRGS) Co-Orientador: Farm. Clair Macha Méd.

Banca Examinadora: Farm. Paula Ramos

Data de apresentação: 6.12.2006 Este trabalho tem por objetivo conseqüências dos erros de prescri aspectos técnico e legais para a saú sensibilizar os profissionais da saú importância da qualidade da presc dispensação e administração e promoção do uso racional de m proporcionando ao paciente maior segurança do seu tratamento farma erros de prescrição podem acarr conseqüências aos pacientes, pro instituições de saúde. Estes resultam causas, dentre elas a ilegibilidade e a o requisitos técnicos e legais das pre.!".N-r.Ii. erros de prescrição, que são por definiçã são um sério problema de saúde pública perdas de vidas e desperdício imp recursos financeiros. A dispensação real" farmacêutico pode possibilitar mel terapêutica, bem como contribuir identificação e prevenção dos possív Desta forma, se faz necessário instituir, . prescritores, medidas que reforcem o be uma prescrição completa e correta e que. da melhoria organizacional, tecnolé educacional, o risco de erro de medicação paciente possa ser reduzido. UNITERMOS:
PRESCRiÇÃO DE MEDICAMENTOS. ILEGíVEIS _ DE PRESCRiÇÃO, PRESCRiÇÕES

UNITERMOS:
MICRONIZADA, HORMONAL, CONTEÚDO

_cÁPSULAS CONTROLE DOSEAMENTO,

DE

PROGESTERONA REPOSiÇÃO DE

DE QUALIDADE,

UNIFORMIDADE

SIEBERT, Marina Contribuição de grupos de apoio no fortalecimento da Atenção Primária à Saúde. Porto Alegre: Faculdade de Farmácia, UFRGS, 2006. Monografia (Conclusão da Disciplina de Estágio em Farmácia). Orientador: Profª. FACFAR/UFRGS) Dr. Denise Bueno (FAR02/

Banca Examinadora: Prof. Francisco J. A. Q. de Oliveira (MED01/FAMED/UFRGS); Prof. Dr. Mauro S. de Castro (FAR02/FACFAR/UFRGS); Data de apresentação: 6.12.2006 Este trabalho teve como objetivo descrever o funcionamento dos grupos de apoio da Unidade Básica de Saúde HCPA-Santa Cecília e, a contribuição dos mesmos no fortalecimento da Atenção Primária à Saúde (APS). A metodologia empregada foi de observação participante em uma unidade de APS em Porto Alegre, RS. Os grupos observados foram: o do Tabagismo, o da Dor nas Costas, o de Gestantes e o Vida Saudável.

de Farmácia,

v. 23, n. 1,2007.

61

Giovana P. Diagnóstico situacional do de distribuição de medicamentos de um de Porto Alegre/RS. Porto Alegre: e de Farmácia, UFRGS, 2006. Monografia ~ólU::l>i:1-0 da Disciplina de Estágio em Farmácia). Tânia A. Amador (FAR02/

TINOCO, Cristina Alternativas para a abordagem de resíduos sólidos em Farmácias. Porto Alegre: Faculdade de Farmácia, UFRGS, 2006. Monografia (Conclusão da Disciplina de Estágio em Farmácia). Orientador: Profª. Dr. Louise (FAR01/FACFAR/UFRGS) Banca Examinadora: Prof. Dexheimer (PRÓ-AMBIENTE); Herwig Data de apresentação: M. J. de Seixas M.Sc. Farm. Marco Adriana A. K.

Examinadora: Prof. Dr. Edison L. S. (PPGCF/FACFAR/UFRGS); Farm . . Lindenmeyer (Hospital Cristo Redentor) resentação: 4.12.2006 um país pioneiro na realização de saúde que visam à melhoria do aos portadores de HIV/AIDS, dentre ressalta o acesso universal e gratuito da aos medicamentos anti-retrovirais (ARV). - o dos medicamentos não é suficiente o sucesso da terapia ARV, para isso é também a adesão ao tratamento, na t.acente recebe as. orientações, entende, segue a prescrição. Um programa de •• -'<:Icêutica pode ser útil para auxiliar os HIV a aderirem ao tratamento licações adicionais. Este trabalho objetivo principal realizar um para caracterizar a situação de infraística do serviço de distribuição de RV na farmácia de dispensação de especiais do Hospital N. Sra. da oesquisa caracterizou-se como um o, de natureza exploratória e realizada entrevista com o setor para caracterizar as -estrutura e recursos humanos e ários do serviço para descrever a esse em um serviço de atenção esultados apontam a necessidade anos e infra-estrutura para a deste porte. Sobre a satisfação o serviço de dispensação a satisfeito, especialmente por não •••• eeanento dos ARV; 60% dos de atendimento com hora acêutico, com a finalidade de .ç:es e sanar suas dúvidas com o "'*'rn a ser apresentado ao serviço •• oade de maior espaço físico, mentos e contratação de ara que o atendimento seja lução dos problemas dos
- 3UIÇÃO RAIS, DE MEDICAMENTOS,

30.11.2006

Por muito tempo, a produção humana esteve em equilíbrio com o meio ambiente, mas com o aumento da população, o descarte de resíduos passou a se tornar um problema. A atividade industrial costuma ser responsabilizada, e muitas vezes com justa razão, porém, não é a única responsável, pois outras unidades geradoras de resíduos também contribuem para o fenômeno de contaminação ambienta!. Por outro lado, a redução de desperdícios de matéria-prima e insumos traz ganhos ambientais e econômicos para as empresas e aumenta sua competitividade. Considerando-se especialmente as farmácias, é necessária uma análise da questão dos resíduos, não pela ótica de resíduos industriais, mas sim como resíduos de serviços de saúde. Este trabalho analisa a legislação vigente, Resoluções e Normas discutindo os aspectos mais relevantes com focalizando na classificação, destinação e responsabilidade dos resíduos e efluentes. A partir da análise de uma amostra de 10 farmácias de manipulação, é discutido como estas lidam com seus resíduos frente a legislação vigente e são apresentadas propostas e sugestões no foco de uma Produção mais Limpa. Estas propostas envolvem a segregação, acondicionamento, coleta e identificação dos resíduos, e alertam para a necessidade de maiores estudos para atender ou propor sub-classificações no Grupo B, bem como em seus tratamentos. O objetivo é a construção de uma imagem positiva frente aos usuários, como uma empresa ecologicamente correta e a obtenção de vantagens econômicas por minimização e gerenciamento adequado dos resíduos. UNITERMOS:
MAIS LIMPA, RESíDUOS, TRATAMENTO, PRODUÇÃO LEGISLAÇÃO, FARMÁCIAS

,

••• ~.,..

HIV, AIOS

~Ca~d~e~rn~o~de~~~~~ 62 _________________________________________________

TORTATO, Caroline Terlipressina: uma alternativa farmacológica na síndrome hepatorrenal? Porto Alegre: Faculdade de Farmácia, UFRGS, 2006. Monografia (Conclusão da Disciplina de Estágio em Farmácia). Orientador: Profª. Dr. Leila B. Moreira (CBS09/ ICBS/UFRGS; HCPA) Co-Orientador: HCPA) Farm. Joice Zuckermann (CIM/

TREMARIN, Gabriela gerencial em uma farmácia Alegre/RS. Porto Alegre: UFRGS, 2006. Monografia iC::a::::I" de Estágio em Farmácia). Orientador: Profª. Dr. FACFAR/UFRGS)

r

Banca Examinadora: Farm. Jacqueline Martinbiancho (UNAF/HCPA); Dr. Guilherme B. Sander (HCPA) Data de apresentação: 8.12.2006

Banca Examinadora: Pro(FAR02/FACFAR/UFRGS); (HCPA! UBS Santa Cecília) Data de apresentação: 4.12.

presente trabalho é uma revisão da fisiopatologia e tratamento farmacológico da síndrome hepatorrenal (SHR). Foi realizada busca eletrônica de estudos da última década em bases de dados e pesquisa em livros texto da área. A SH~ é um distúrbio renal funcional que se caracteriza por falência renal aguda resultante da hipoperfusão renal em pacientes que geralmente possuem doença hepática grave, devido à cirrose, hepatite alcoólica ou a tumor metastático. Em pacientes cirróticos, a vasodilatação esplâncnica arteriolar conduz à ativação compensatória dos sistemas vasoconstritores renal e sistêmico. A progressiva vasoconstrição renal causa hipoperfusão. rer:al pronunciada com redução na taxa de filtração glomerular e aumento na reabsorção tubular de sódio e água levando à falência renal severa. A SHR é classificada em dois tipos, SHR tipo 1 e tipo 2 sendo que a primeira é mais grave e menos comum que a segunda, com um taxa de mortalidade de 80 % em 2 semanas. Transplante de fígado é o único tratamento curativo da síndrome hepatorrenal. Na revisão da literatura identificaram-se 79 artigos dos quais foram selecionados 13, sendo 8 de tratamento (5 relatos de caso, 2 ensaios clínicos e 1 metanálise). Os estudos que avaliaram o efeito da terlipressina na reversão da SHR, definida pela recuperação da função renal, são pequenos, carecem de randomização e grupo controle adequado. Porém, a melhora de pa.râmetros laboratoriais e hemodinâmicos, comparativamente aos de valores pré-tratamento, sugerem benefício de terlipressina, que parece potencializado com uso concomitante de albumina. Há necessidade de realização de ensaio clínico randomizado, duplo cego, comparado com placebo e em paralelo, capaz de avaliar se esse possível efeito benéfico sobre desfechos substitutos é traduzido em aumento de sobrevida. UNITERMOS:
TERLlPRESSINA, SíNDROME ALBUMINA HEPATORRENAL,

o

Os medicamentos não pode como insumos, mas um impo que os princípios do SUS se Portanto pode-se inferir q e produtos está relacionada a ins1:a.;açil_ a preparação do pessoal, a trabalho, ao controle, arma.zJ:niI_ distribuição racional. Considera! foi realizada a elaboração e apli como a avaliação dos resultados tJe!!". farmácia de controlados do Modelo. Foram elaborados POP e fluxogramas, baseando-se princi"ioa.,.,._ nº 328/99 e Portaria nº 344/98. destas ferramentas foram aborda de recebimento de medicamentos registro de entrada de armazenamento, controle de es registro de medicamentos suje" especial, dispensação, acolhimento e atendimento. Após o treinamen farmácia foi acompanhada por processo de avaliação da implanta possível perceber melhorias no usuário com a aplicação do acolhime o tempo de espera em fila; na es:lX':i. medicamentos ao considerar as boas armazenamento; no controle de es: tornou mais efetivo, inclusive rea.-J2i_ inventário mensal; aplicação informatizadas de controle de estoque e receitas, diminuindo gradualmente as entre o estoque físico e os regSll. dispensação, os procedimentos elabo respeito da presença de dados indis:n<>.-.c:: •••• prescrição de medicamentos sob contr _ das orientações necessárias ao paci procedimentos para o aviamento das avaliação final do acompanhamento da dos POP, junto aos membros da equi que houve uma grande aceitação na uti~r;iI•• procedimentos operacionais e rotinas para Além disso, demonstrou que os POP grande importância na prestação de se descrevem com detalhes os processos e realizados nos setores e unidades, vis assistência farmacêutica é muito importa _"" tarefas desenvolvidas estejam claramente

~-...!l __

Farmácia,

v. 23, n. 1,2007.

63

nhecimento de todos os funcionários Isso evita condutas indesejáveis, processo e diminui a ocorrência de

PROCEDIMENTOS - __ OGRAMAS, QUALIDADE,

OPERACIONAIS ASSISTÊNCIA

VIANA, Lílian da R. Prevalência e fatores associados ao consumo de drogas entre estudantes do ensino médio de escolas da rede estadual em bairros de classe média de Porto Alegre. Porto Alegre: Faculdade de Farmácia, UFRGS, 2006. Monografia (Conclusão da Disciplina de Estágio em Farmácia). Orientador: Profª. FACFAR/UFRGS) Dr. Vera M. Steffen (FAR03/

_ •.-..ov.
•••

oline R. Plantas utilizadas ~1h:I1T1ento da gripe e do Alegre: Faculdade de Monografia (Conclusão da t· ••••Farmácia).

no Brasil resfriado Farmácia, Disciplina

Co-Orientador: Profª. Renata P. Limberger (FAR03/ FACFAR/UFRGS) Banca Examinadora: Farm. Fabiane M . Farias Farm. (doutoranda PPGCF/FACFAR/UFRGS); Viviane C. Sebben (CIT/RS) Data de apresentação: 8.12.2006

f. Dr. Jarbas A. Montanha (FAR01/ GS) re..,ni·inadora: Profª. Dr. Mirna B. Leal FRGS); Profª. Dr. Raquel Bridi RII::r=ARlUFRGS) tação: 7.12.2006 trabalho tem por objetivo fazer uma infecções virais comuns do trato sobre relatos de plantas utilizadas Brasil para o tratamento destas ionando o uso popular com as esentadas na literatura científica. .raç:ã-.o deste trabalho foram selecionados ao uso popular no Brasil de 34 . fecções respiratórias e foram os científicos sobre a atividade tas selecionadas que pudessem • .:x1S ao uso popular para infecções respiratório. De 34 plantas, ~2, das quais oito apresentaram c:. os vírus causadores do resfriado ~ . e e nove continham compostos . iral.
IVIRAL, - UENZA, VíRUS, PLANTA, GRIPE, VíRUS

,

RINOvíRUS,

ICIAL, ADENovíRUS,

CORONAVíRUS,

OBJETIVO: Traçar a prevalência do uso de drogas entre estudantes do ensino médio de escolas da rede estadual em bairros de classe média, na cidade de Porto Alegre, identificando-se as drogas mais utilizadas pelos estudantes e fatores associados ao consumo. MÉTODOS: Trata-se de um estudo epidemiológico descritivo do tipo cortetransversal. Um questionário de auto-preenchimento e anônimo foi aplicado coletivamente em salas de aula. Fatores como consumo de drogas e freqüência de uso das mesmas foram avaliados. A análise estatística foi realizada pelo teste Quiquadrado com resíduos ajustados. RESULTADOS: A amostra foi constituída por 915 estudantes. Foram verificados os maiores índices de uso na vida para o álcool (69,1 %), tabaco (37,5 %) e maconha (20,9 %). Para drogas lícitas e ilícitas, os alunos do 3º ano do ensino médio apresentaram consumo na vida significativamente maior que os demais estudantes (87,1 % e 31,6 %). Houve maior consumo na vida de esteróides anabolizantes por indivíduos do sexo masculino (2,1 %), bem como de anfetaminas por alunas do sexo oposto (9,2 %). Não se verificou relação significativa entre execução de atividades extra-classe e não utilização de drogas. Entretanto, o número de usuários de substâncias psicoativas foi significativamente menor entre os estudantes que revelaram praticar esportes. DISCUSSÃO: OS dados obtidos neste trabalho assemelham-se aos anteriormente registrados por outros autores, para a população estudada. O uso da maconha prevaleceu sobre o dos solventes, provavelmente devido ao nível socioeconômico e cultural dos pesquisados. Pode-se supor que as diferenças no consumo de drogas entre as diferentes escolas, turnos, séries e idades estejam refletindo as desigualdades epidemiológicas existentes no meio urbano. Acredita-se que a realização de levantamentos epidemiológicos seja de fundamental contribuição em termos de informação a ser utilizada no planejamento e na execução de políticas educativas e programas de intervenção preventiva.

64
UNITERMOS:
TRANSTORNOS SUBSTÃNCIAS, SOCIOECONÔMICOS PREVALÊNCIA, RELACIONADOS DISTRIBUiÇÃO POR DROGAS AO SEXO, ILÍCITAS, USO DE FATORES

~C~ad~e~r~n~o~d~e~F~a~~~

ser desenvolvidos a fim de racional para o controle de que o aumento desta sobrevi da maior. UNITERMOS:
SEPSE;

HSP;

VIANNA, térmico

Damiana (HSP70)

da R. Proteínas de choque na sepse: possível efeito.

r~~~

protetor induzido pela febre. Porto Alegre: Faculdade de Farmácia, UFRGS, 2006. Monografia (Conclusão da Disciplina de Estágio em Farmácia). Orientador: Prof. Dr. Paulo I. H. de Bittencourt Jr. (CBS03/ICBS /UFRGS) Banca Examinadora: M.Sc. Elza M. So'da Silveira (IBCM); Prof. Dr. Uno P. de Oliveira Junior (UNISINOS) Data de apresentação: 4.12.2006 Este estudo teve como objetivo relacionar, através de levantamento teórico na literatura científica, o efeito protetor das proteínas de choque térmico (HSP, do inglês, heat shock proteins) induzido pela febre durante a sepse. A sepse uma Síndrome de Resposta Inflamatória Sistêrnica (SRIS) causada por fatores, como cirurgias de grande porte, trauma generalizado, queimaduras de grande extensão e bacteremias (septicemias) não-controladas. Representa uma das principais causas de morte nas unidades intensivas de tratamento causando um alto custo para a saúde pública. Um dos principais sintomas da sepse, a febre, é imediatamente tratada com terapias antipiréticas, apesar desta prática não ser fundamentada teoricamente. Proteínas de choque térmico, que são induzidas durante o estado febril, conferem citoproteção além de apresentarem um forte efeito antiinflamatório. Entretanto, esse mecanismo de indução de citoproteção durante a sepse não está esclarecido. Por esta razão, no presente trabalho foi investigado o possível efeito protetor das HSP na sepse. A coleta de dados baseou-se numa busca das principais fontes bibliográficas e banco de dados da Internet sem limite de tempo ou tipo de publicação, no período de agosto a novembro de 2006, tendo como palavraschave sepsis, HSP and fever. Nesta revisão, a febre foi associada com uma alta expressão de HSP 70 como resultado do dano séptico. Verificou-se nestes trabalhos uma relação positiva da elevação de HSP com a ativação de células polimorfonucleares, repressão da transcrição de TNF-Q e de outras citocinas ligadas com a gravidade e a mortalidade de acidentes sépticos, termotolerância e um maior tempo de sobrevivência. Dessa forma, como a terapia antipirética ocasiona a supressão dessas proteínas, questiona-se seu emprego na sepse. Além disso, é possível que o tratamento antipirético possa ser a causa de muitos dos efeitos adversos da sepse incluindo sua alta taxa de mortalidade. A partir deste trabalho, fica evidente que estudos sobre a terapia com antipiréticos na sepse precisam

VI EIRA, Sofia Perfil dos unidade pediátrica do Ho Porto Alegre que fazem u que necessitam de mani."
o

••...•. ~-~~~

••...•. ~--

hospitalar. Porto Alegre: Faw ••• UFRGS, 2006. Monografia (Co de Estágio em Farmácia). Orientador: Prof. Dr. Mauro S. FACFAR/UFRGS) Co-Orientador: (HCPA) Farm.

Banca Examinadora: Profª (FAR02/FACFAR/UFRGS); Farm. (HCPA) Data de apresentação: 4.12.2006 Diversos medicamentos não são cornall forma farmacêutica apropriada para crianças, sendo necessário utilí triturados ou conteúdo de cápsulas formulações adequadas para uso pe~. a isto, torna-se importante identificar de orientação a tutores de pacientes preparação das formas farmacê pós-alta hospitalar. Para isso, for dados referentes aos registros de medicamentos derivados de formas sólidas prescritas nos últimos 2 unidades pediátricas do Hospital Porto Alegre; consultadas as prescri hospitalar dos meses de se entrevistados cinco tutores de pacien es usuários destes medicamentos. Fora 5775 preparações de formas a! derivadas no período de um ano e 24 prescritas pós alta-hospitalar no períod Em entrevista aos tutores dos pacientes houve relato de que as orientações em medicamentos prescritos e modo de administração são feitos pelo médico momento da alta. Os dados avaliados mo~. necessidade de orientação farmacêutica de pacientes pediátricos para promover a em saúde e com isto alcançar uma maior tratamento. O estudo deve ser aprofund às limitações encontradas e às várias levantadas. UNITERMOS:
ORIENTAÇÃO PACIENTES FORMAS FARMACÊUTICAS

o=.

FARMACÊUTICA, PEDIÁTRICOS

ADESÃO AO TRA-

65
que apresentam um grande uso popular e cosmético. Para o estudo foram escolhidos óleo de andiroba (Carapa guianensis), manteiga de cupuaçu (Theobroma grandiflorum) e extrato de parapiroba (Pothomorphe umbellata). O óleo de andiroba possui ação repelente de insetos e anticelulítica, além da propriedade emoliente, assim como a manteiga de cupuaçu, que também possui atividade antiinflamatória devido à presença de fitoesteróis. Como constituinte químico mais abundante do extrato de parapiroba tem-se o 4-nerolidilcatecol que vem merecendo atenção especial devido à sua atividade antioxidante superior ao a-tocoferol, indicando-a como potencial fármaco para condições patológicas onde ocorra participação de estresse oxidativo. Após a conclusão deste trabalho pode-se constatar que, de fato, a flora amazônica apresenta um potencial de fornecimento de novos ativos cosméticos. No entanto, as pesquisas neste campo são escassas e ainda são realizadas, em sua maioria, pelos próprios fornecedores destas matérias-primas. UNITERMOS:
BRASILEIRA, PARAPIROBA ÓLEOS, COSMÉTICOS, EXTRATOS, BIODIVERSIDADE ANDIROBA, CUPUAÇU,

Patricia H. Aplicação cosmética de de origem amazônica. Porto Alegre: de Farmácia, UFRGS, 2006. Monografia .s-oda Disciplina de Estágio em Farmácia).

."Ir..
•••• -

Profª. Dr. Sílvia S. Guterres RGS) Graziela

(FAR02/ Mezzalira

ador: Profª. M.Sc. CFAR/UFRGS)

inadora: Farm. Cleonice Rodrigues ermacare); Prof. Dr. Edison L.S. GCF/FACFAR/UFRGS) entação: 6.12.2006 de ingredientes provenientes da •• a::1e brasileira tem sido uma tendência ostrado um diferencial competitivo os produtos do setor de higiene !!IP!"hnT'laria e cosméticos. No entanto, iadas as opções de ingredientes da os benefícios vão além do forte eting. O mercado nos oferece _itÕElS quando pensamos em aditivos os produtos estão os extratos e origem vegetal. Este trabalho tem tar e avaliar informações a respeito s de plantas típicas da Amazônia

"