LIGA DE ENSINO DO RIO GRANDE DO NORTE

FACULDADE NATALENSE PARA O DESENVOLVIMENTO DO RIO GRANDE DO NORTE

PLANO DE ENSINO
I – IDENTIFICAÇÃO DA DISCIPLINA CÓDIGO
A03.021

2008.2 .2

NOME
Filosofia do Direito

PROFESSOR
FLÁVIO FREIRE

PERÍODO

CARGA HORÁRIA
60 HORAS

CURSO
Direito

II – EMENTA
Ontologia Jurídica. Idéia de Direito e Idéia de Justiça. Direito Positivo e Direito natural. Bases fundamentais da noção ocidental de direito. Análise da tradição filosófica ocidental à luz da problemática acerca da origem e natureza do fenômeno jurídico.

III – OBJETIVOS
Geral: Compreensão dos fundamentos filosóficos do fenômeno jurídico. Específicos: 1) Delimitar o papel da idéia de justiça no pensamento ocidental; 2) Capacidade de compreender os conceitos fundamentais que subsistem aos institutos jurídicos contemporâneos; 3) habilidade de situar as discussões contemporâneas acerca do papel e do sentido do direito no contexto das principais correntes de pensamento jus filosóficas; 4) Capacidade de construção de textos com conteúdo filosófico que versem sobre problemas relativos a ontologia jurídica, a epistemologia jurídica e a deontologia jurídica.

IV - CONTEÚDO PROGRAMÁTICO

1a UNIDADE

I – Introdução à Filosofia do Direito

   

1) 2) 3) 4)

Prolegômenos. Filosofia. Conceito. Objetivos. Distinção entre Filosofia do Direito e Ciência Jurídica Divisões da Filosofia do Direito Direito Natural e Direito Positivo

II – Jusnaturalismo
    1) Antígona de Sófocles 2) Direito como expressão da ordem natural das coisas (Platão e Aristóteles) 3) Direito e a expressão da lei divina (São Tomás de Aquino) 4) Direito como materialização da razão universal (Kant e a Filosofia do Direito; Hugo Grócio e o direito internacional)

2a UNIDADE

III – Historicismo
   1) Hegel e a materialização histórica da razão. 2) Savgny e o direito como expressão do espírito do povo 3) Marx e a idéia de fim do direito

2001. além de trabalhos em grupo. São Paulo: Saraiva. Curso de Filosofia do Direito. 2002. Trad. FOUCAULT. Teoria Pura do Direito. 3) leitura em sala de aula de textos jus filosóficos. 1998. Org. José. Campinas: Bookseller. Sir. Clarence. acerca do conteúdo ministrado em aulas expositivas e/ou trabalhos individuais ou em grupo. Os Grandes Filósofos do Direito. ARISTÓTELES. 1999. São Paulo: Martins Fontes. Ética à Nicômaco. Eichmann em Jerusalém: um relato sobre a banalidade do mal. FULLER. Contribuição Contemporânea à História da Filosofia Brasileira: balanço e perspectivas. e ALMEIDA. KANT. Londrina: Edições CEFIl. 1999. CARVALHO. Hans. BITTAR. 2000. Michel. Para a paz perpétua – um esboço filosófico. BARRETO. . Rio de Janeiro: Forense. B. J. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Editor. Jonathan. Filosofia do Direito. Norberto. Guinsburg. Luis Carlos Borges. Howard. São Paulo: Atlas Jurídico. Teoria Política Grega. A República. Tobias. São Paulo: Landy. ______________. 1996. Hannah. PLATÃO. Jhering e Kelsen) 3) Teoria da primazia da lei como fonte do Direito 4)Teoria da imperatividade da norma 4) Teoria do Ordenamento jurídico V – METODOLOGIA Teorica: A abordagem dos conteúdos será realizada mediante a análise da evolução histórica dos conceitos das principais correntes de pensamento jus filosóficas. prova de múltipla escolha acerca do conteúdo ministrado em aulas expositivas. Porto Alegre: Sergio Antonio Fabris Editor. 2004. REALE. Brasília: UNB. O Positivismo Jurídico. São Paulo: Loyola. 2003. 2001. São Paulo: perspectiva. O caso dos Exploradores de Cavernas. 1996. 2004. Guilherme Assis de. 2000. São Paulo: Martins Fontes. Petrópolis: Vozes. Aristóteles. São Paulo: Companhia das Letras. 2001.IV – Juspositivismo      1) Pressupostos comteanos 2) teoria da coação (Kant. Dicionário Kant. O que é Justiça?. REALE. BARNES. 2003. MORRIS. bem como o da sua relação com os problemas do direito contemporâneo. 2001. 2000. Introdução ao Estudo do Direito/política brasileira. São Paulo: Ícone. São Paulo: Saraiva. __________. Estudos de Direito. 2º Etapa: avaliação de leitura de textos filosóficos realizada em sala de aula. BAKER. CAYGILL. Eduardo C. José Maurício de Carvalho. Ernst. 1999. 2008. CRETELLA JÚNIOR. São Paulo: Martin Claret. São Paulo: Martins Fontes. Prática: 1) aula expositiva. 2002. • COMPLEMENTAR ARENDT. Miguel. 2) produção de artigos acadêmicos. Miguel. VI – AVALIAÇÃO 1º Etapa: prova escrita de múltipla escolha e/ou subjetiva. Vigiar e Punir. KELSEN. VII – BIBLIOGRAFIA • BÁSICA BOBBIO. Lon L. In: A Paz perpétua. Immanuel. Filosofia do Direito. Curso de Filosofia do Direito. São Paulo: Martin Claret.

Hegel. John. São Paulo: UNESP. LOSURDO. HABERMAS. 2001. O problema da Justiça. Flamarion. Paidéia: A formação do homem grego. São Paulo: Martins Fontes. São Paulo: Martins Fontes. 2003. 1997. Paulo Dourado de. Michel. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Editor. A Luta pelo Direito. O conceito de Direito em Kant. Filosofia do Direito: definições e fins do direito/ os meios do direito. 1998. 2000. 2000. Rio de Janeiro: Forense. Jean-Pierre. Sófocles & Antígona. Hans. Justiça e Democracia. Kathrin H. São Paulo: Ícone. As Origens do Pensamento Grego. Otfried. 2001. Immanuel Kant. 2003. VANDEVELDE. Pensando como um advogado. Filosofia do Direito. TERRA. VERNANT. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil. VILLEY. São Paulo: Martins Fontes. NADER. . PAVIANI. Jürgen. Marx e a Tradição Liberal. RAWLS. Jayme. 2003. 2003. São Paulo: Martin Claret. IHERING. Direito e moral. LEITE. ROSENFIELD. Ricardo. 2001. Rio de Janeiro: Jorge Zahar. Domenico. 2005. Paulo. JAEGER. Filosofia do Direito.GUSMÃO. HÖFFE. São Paulo: Martins Fontes. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Editor. 1997. Kant e o Direito. Rio de Janeiro: Forense. Platão & A República. São Paulo: Martins Fontes. Rudolf von. 2003. Kenneth J. Lisboa: Instituto Piaget: 2002. 2003. Werner. São Paulo: Martins Fontes. KELSEN.