You are on page 1of 12

SISTEMA DE CONTROLE DE ACESSO E SEGURANÇA UTILIZANDO RFID PARA O ESTÁDIO ARENA DAS DUNAS

Rodolpho Gustavo RAMOS, Eduardo Pereira TAVARES, Gleidson Aron B. A. da SILVA, Augusto César Pereira da Silva MONTALVÃO (Orientador) Curso Superior de Tecnologia em Redes de Computadores ESTÁCIO FATERN, Rua: Doutor Hernani Hugo Gomes, 90, Capim Macio, CEP: 59082-270 - Natal/RN E-mail: rodolphogustavo@hotmail.com, eduardonacional@hotmail.com, gleidson_aron@hotmail.com, augusto.com.br@gmail.com

RESUMO Nos últimos anos, os eventos esportivos têm sofrido com a falta de organização e segurança em suas sedes. Por isso a indústria tecnológica tem buscado soluções, a fim de obter o controle e monitoramento do público de forma precisa e ágil. Entrando nesse cenário, a tecnologia de Identificação por Radiofrequência - RFID tem despertado grande interesse pela sua capacidade de monitoramento, identificação, controle de acesso e rastreamento de produtos e pessoas. A tecnologia RFID é composta por antenas, leitores e etiquetas. Seu funcionamento é bem simples e consiste em colocar uma etiqueta em algum produto ou pessoa e fazer com que as antenas busquem-na e carreguem seus dados para os leitores que irão processar a informação e passá-las para alguma estação de trabalho. Por essa razão, este trabalho propõe a utilização desta tecnologia, como forma de controle de acesso e segurança para o estádio Arena das Dunas, durante os jogos da copa de 2014. O uso de RFID possibilitará, entre outras coisas, a localização e rastreamento de pessoas perdidas e/ou com dificuldades no interior do estádio bem como a identificação de pessoas que venham a se envolver em qualquer tipo de infração. É proposta ainda a utilização de câmeras de monitoramento acopladas à tecnologia com a finalidade de mostrar, em tempo real, a pessoa, no lugar em que ela estiver. Palavras-chave: RFID, Controle de Acesso, Segurança, Monitoramento.

obtendo agilidade e segurança de forma significativa e com um custo-benefício cada vez mais em conta. quando a Inglaterra desenvolveu um sistema para diferenciar as aeronaves aliadas das inimigas. originando-se assim o sistema chamado de IFF (Identify Friend or Foe) ou simplesmente Identificador Amigo ou Inimigo. imprensa e todo o pessoal alocado no estádio durante os jogos. rastreamento e segurança no estádio Arena das Dunas durante a copa de 2014. tendo como ponto forte nessa mudança sua aplicação nas mais diversas tarefas de controle.RFID. acesso mais rápido ao estádio e um controle em tempo real de todo o público. indústria de eventos. Quando se tem um pequeno número de objetos a organizar. as informações sobre um determinado objeto são armazenadas em uma base de dados. tem-se uma crescente onda nos mais diversos setores. 2 TECNOLOGIA RFID 2. sua forte evolução tecnológica e usabilidade nos últimos anos.1 INTRODUÇÃO No mundo moderno e digital. Seu funcionamento era simples.1 Histórico Para entender melhor a tecnologia deve-se antes conhecer o que está por traz e como surgiu. Seu uso vai desde o ramo industrial. Este trabalho tem como objetivo sugerir sua aplicação no controle de acesso. controle de pedágios. Entretanto. visando uma maior segurança. onde o uso desta tecnologia está revolucionando a forma de controlar e automatizar tarefas. Com o advento da tecnologia de Identificação por Radiofrequência . etc [1]. RFID vem sendo utilizada desde a Segunda Guerra Mundial. logística. em hospitais no controle de ativos. Códigos de barra e cartões magnéticos são exemplos de automatização de entrada de dados mais utilizados na atualidade [1]. é possível que apenas uma pessoa usando uma entrada de dados manual manipule as informações nesta base de dados. hospitalar. implantava-se um . A tecnologia RFID vem substituindo o código de barras e cartões magnéticos com resultados bem mais significativos. quando se tem um elevado número de objetos para controle essa entrada de dados manual se torna demorada e sujeita a erros. rastreamento e identificação. acesso. antes demoradas. É mais eficiente usar meios automatizados para identificação e entrada de dados.

sendo dividido em duas partes. de maneira unidirecional ou bidirecional dependendo da tecnologia utilizada. desenvolveram o sistema de pedágio usado atualmente ao redor do mundo. O governo americano também investiu no desenvolvimento deste sistema. Essa tecnologia chegou a ser apresentada à diretoria da General Motors (GM). vindo a ser largamente usada para essa aplicação algum tempo depois [4]. transmitiam um sinal de resposta. obteve a patente de um transponder passivo que tinha como aplicação abrir uma porta sem o uso de chave. RFID é uma tecnologia sem fio de atribuição e leitura de um objeto através de uma etiqueta inteligente. Em 1973 aparecem as primeiras patentes utilizando tecnologia RFID. 2.transmissor nas aeronaves aliadas que ao receber um sinal de uma das estações de radares. foi incumbido de desenvolver um sistema de rastreamento de material nuclear. Os cientistas que trabalharam no desenvolvimento desse projeto mais tarde deixaram o laboratório e colocaram sua própria empresa. instalando o cartão de comunicação próximo à placa do automóvel e colocando leitores ao longo da via. O empresário californiano Charles Walton. o Los Alamos National Laboratory. os identificando como aliado.1 Funcionamento De maneira simples. Essa invenção ficou em descredito por um tempo até que foi comprada por um grande fabricante americano [3]. Diferente do código de barras que necessita de um feixe luminoso para leitura. a identificação do material e o controle de acesso. Pela falta de recursos tecnológicos essa implementação não foi bem sucedida. Também nessa mesma época se tentou aplicar esse modelo para cobrança de pedágio. RFID utiliza-se de uma frequência de rádio. destrava a fechadura. Por volta de 1970. porém foi rejeitada ao ser considerada futurista demais. enviando seu código de identificação e o leitor ao receber um código válido. suas informações são capturadas e repassadas . O transponder ainda é usado atualmente em todos os aviões em operação [2]. que consiste em um cartão acoplado ao para-brisas e os leitores que ficam na praça de pedágio [3] [4]. uma referência mundial em RFID. Desta forma quando uma etiqueta inteligente chamada transponder ou tag entra em uma área de leitura de uma antena ou leitor. onde utilizando um cartão que se comunicava com um receptor próximo a porta.

As etiquetas mais simples sem o uso do CI são mais baratas e sua operação mais simplificada.para um sistema de informação. As principais características de uma etiqueta é a presença de um chip. Figura 1 – Exemplo da arquitetura RFID. conter o circuito oscilatório. Um sistema RFID é formado basicamente de três componentes: Antena. dependendo da aplicação utilizada. registro de data e hora. 1. e por isso o principal alvo das pesquisas e desenvolvimento. 2. Um exemplo desta arquitetura pode ser visto na Fig. além de requisitos de melhor custo-benefício [6]. eficiência e compatibilidade. Leitor (com decodificador) e Etiqueta [5]. este último se comunica com os diferentes sistemas de gestão dependendo da aplicação a qual se destina essa informação [5]. baseando-se apenas na reflexão da onda incidente. entre elas. Existem diferentes arquiteturas de etiquetas. pois um único modelo não atende aos diferentes requisitos e aplicações da tecnologia. etc. funções anticolisão. o armazenamento. Os objetivos principais das pesquisas visam em atender os requisitos de mercado: baixo custo. confiabilidade. uma memória e os mais avançados tecnologicamente tem a presença de um circuito integrado (CI) gerenciando suas principais funções. .2 Etiqueta Esse é o elemento principal da tecnologia. criando um padrão de resposta único [6].

tais como cartões. materiais plásticos. porém seu impacto em um sistema funcional é de grande diferença. tipo e implementações. E as que tem total característica de leitura e escrita. elas operam de maneira diferente quanto a sua energização e alcance. embora dentro de um mesmo escopo. Quanto à memoria. já as ativas contam com uma bateria própria mantendo seu circuito radiotransmissor continuamente ativo [6]. utilizadas em linha de produção permitindo que lhes seja atribuído um número de identificação que não poderá mais ser apagado. As etiquetas passivas se utilizam da onda eletromagnética enviada pelas antenas para se energizar e iniciar a comunicação. sustentado por sua própria bateria e operando mesmo com sinais fracos [5] [6]. Há as que permitem escrita uma única vez.Existem dois tipos principais de etiquetas. Em contrapartida as etiquetas ativas atingem respostas de alta intensidade. pastilhas. Na Fig. Pode parecer um detalhe essa diferença. Existem as de somente leitura. levando em conta que a etiqueta passiva se utiliza do sinal da antena para se energizar. argolas. que são predominantemente passivas e sem chip. logo o sinal tem que ser forte o suficiente para mantê-la energizada durante a comunicação e limitando essa resposta a baixos níveis de intensidade. epóxi. destas se tem a possibilidade . já programadas de fábrica e com um código único aleatório. sendo as mais baratas e amplamente utilizadas. etiquetas adesivas e etc. 2 podem ser vistos diversos tipos de etiquetas e em diversos formatos. pode-se encontrar variedades de tamanho. Figura 2 – Exemplos de etiquetas. vidros. a ativo e a passivo.

características físicas. Tais oscilações ocorrem em direções fixas a serem determinadas pela antena. Caso não seja necessária uma leitura constante o campo pode ser ativado por meio de sensores [5]. Quanto melhor o alinhamento da etiqueta com a direção do campo eletromagnético. com características próprias para cada aplicação. Estas etiquetas podem ser lidas através de uma variedade de substâncias. na maioria dos casos tem um tempo de resposta de 100 milissegundos. andamento de linhas de produção etc [5] [6]. Quando antena. tais como neve. As frequências mais genéricas do RFID são: 125 – 134 kHz. leitor e decodificador estão encapsulados em um mesmo involucro. podendo atualizar suas informações sempre que desejado.56 MHz. estas estão entre as principais [6]. capacidade de operação junto a metais e superfícies molhadas. entre outras coisas. . são fabricadas em diversos formatos e tamanhos. tamanho do enrolamento das etiquetas. 2. recebem o nome de reader (leitor RFID) [5].8 GHz. RFID opera em várias faixas de frequência. elas são frequências exatas de utilização e controladas pela agência reguladora de rádio de cada país.45 GHz e 5. Suas faixas de operação se diferem em termos de características. O campo eletromagnético de uma antena pode ser contínuo no caso de múltiplas leituras serem esperadas de forma contínua. pintura. maior a corrente induzida no seu circuito e com isso a leitura será melhor. nevoeiro.de programar as mais diversas aplicações. 400 – 960 MHz. 2. sujeira dentre outras condições ambientais desafiadoras aonde os códigos de barra e outras tecnologias ópticas seriam inúteis. 13. gelo. podendo-se atualizar critérios de auditoria. As etiquetas ativas com sua capacidade de leitura e escrita tem uma vantagem significativa em sistemas interativos de rastreamento e trabalhos em processo contínuo [5]. Elas podem ser lidas em altas velocidades.3 Antena A antena é responsável por emitir o sinal de rádio para ativar a etiqueta e assim enviar/trocar informações dentro do processo de leitura e escrita. Responsável pela comunicação entre a etiqueta e o leitor. pois. da degradação do sinal provocado pelo meio e das interferências eletromagnéticas. Embora existam outras frequências utilizadas. fogo. O processo de leitura ainda depende da posição da etiquetaem relação à antena.

A leitura simultânea de várias etiquetas semelhantes causa o embaralhamento de suas informações. 3 podem ser vistos vários modelos de leitores RFID. Figura 3 – Modelos de Leitores RFID. facilitando de forma considerável a implementação de projetos RFID [7]. Atualmente esse middleware é fabricado no Brasil com um alto grau de interoperabilidade com a maioria das etiquetas disponíveis no mercado. Tendo seu raio de leitura limitado a etiqueta pode ser separada de forma espacial no momento de sua leitura. . ocasionando interferência entre elas. Encontram-se no mercado desde leitores de mão. Com isso tem-se uma fácil integração com o hardware legado. O leitor RFID também pode ser dotado de um sistema anticolisão. um algoritmo verifica se esse sinal é uma repetição de transmissão. O desenvolvimento do leitor RFID exige um alto grau de conhecimento técnico do hardware que ele vai operar. tornando incompreensível os dados de todas elas. que podem se utilizar de mais de uma antena. que defina que cada etiqueta transmita a seu tempo [2].2. o que nem sempre é possível. Também após o recebimento de um sinal. que ocorre quando várias ondas diferentes se propagam ao mesmo tempo. caracterizando a colisão. na Fig. até grandes leitores. do tamanho de um celular. a etiqueta é ativada enviando seus dados que após ser decodificado é enviado pelo leitor RFID para a central de processamento. Os mais evoluídos tecnologicamente possuem sistemas de controle de erro de paridade e correção de dados. especialmente quando operando na mesma frequência. Torna-se necessário o uso de um protocolo anticolisão.4 Leitor RFID Ao passar por um campo de cobertura de uma antena.

enquanto as outras guardam seus números obtidos. A maioria dos protocolos utilizados atualmente operam em modulação por largura de pulso para representar 0 e 1 e um símbolo NULL servindo para sinalizar comandos direcionados ao transponder.2. Há uma preocupação por meio dos consumidores principalmente no que diz respeito a privacidade e segurança de informações. um dos mais utilizados segue o método conhecido por Slotted Aloha aonde cada transponder escolhe um número aleatório em um intervalo definido pelo leitor. área de leitura compatível com aplicações industriais atendidos na banda UHF. uma das soluções foi a utilização de criptografia dos dados armazenados. o protocolo define: a interface aérea (compreendendo como a informação é enviada. até que todas tenham transmitido ou não-respondido [8]. após cada resposta recebida ou não-resposta esse número é decrescido em 1 em todos as etiquetas. O que ficar com o numero 0 transmite primeiro.5 Protocolos e Comunicação A maneira de organizar uma comunicação entre um ou mais dispositivos e garantir que esta seja transmitida é através da padronização do protocolo de comunicação. No caso de RFID. 2. Existem duas organizações que vem trabalhando no sentido de padronizar um protocolo de uso mundial. o invasor terá . porém elas conflitam entre si em alguns pontos. seu tempo de transmissão e como serão tratadas as colisões). Para que se tenha acesso aos dados de forma ilícita. abertura global uma vez que produtos possam ser rastreados ao redor do mundo. Embora procurem atender ao mesmo mercado que demanda baixo custo. Existem estudos para solucionar os problemas de vulnerabilidade citados. e definições de dados. o reconhecimento de sinais e o tipo de modulação).6 Segurança Várias são as questões de segurança quando se fala em RFID. o controle de acesso ao meio (definindo quais dispositivos podem transmitir. de forma que em qualquer local essas informações pudessem ser acessadas [8]. são a EPC Global e a ISO. evitando o acesso por pessoas não autorizadas. O controle de acesso ao meio é feito de maneira também distinta. englobando o tipo e significado das informações associadas a cada transponder [8].

7]. 3 SISTEMA DE CONTROLE DE ACESSO E SEGURANÇA UTILIZANDO RFID PARA O ESTÁDIO ARENA DAS DUNAS A aplicação desta tecnologia para controle de acesso ao estádio Arena das Dunas assim como seu uso no rastreamento em tempo real do público. além de proporcionar o uso de prontuários automatizados. assim como para recolher dados sobre a presença da equipe médica. Calcula-se uma redução em torno de 80% no tempo gasto para o acesso do público e demais pessoas autorizadas ao Arena das Dunas. Hoje. Os hospitais utilizam RFID para localizar e identificar pacientes e as equipes médicas dentro de suas dependências. e de aplicar medicação. em bibliotecas. 2. destacam-se entre elas: uso em hospitais. evitando transtorno e aglomerações . O rastreamento em tempo real do local onde cada pessoa se encontra. imprensa e funcionários seria um passo importante para o avanço tecnológico do estado. utilizado principalmente em centros cirúrgicos. Possibilitando que os enfermeiros e médicos. identifiquem os pacientes antes de cirurgias e transfusões de sangue. O uso no controle de acesso e no rastreamento de pessoal. nas indústrias. em pedágios. como por exemplo o RSA [7] [8]. Tal solução não garante 100% de segurança. cria um sistema eficiente para empresas e eventos. porém torna RFID mais confiável. pois estaria fomentando a pesquisa e desenvolvimento em uma tecnologia que é o futuro para o controle e segurança de eventos. vemsendo utilizado como ponto eletrônico em algumas empresas [5 . Esse sistema foi implementado também para que se acompanhe todo o fluxo de pacientes e materiais no hospital.7 Aplicações Existem inúmeras aplicações para a tecnologia RFID. controle de acesso e rastreamento. recolher dados de fluxo afim de identificar qualquer problema de segurança.que decifrar um código comprovadamente confiável. descartando os prontuários manuscritos que geram muitas confusões [5] [7]. identificando todos que passaram por um determinado local no momento da ocorrência são algumas das vantagens aqui. para identificação de possíveis culpados em erros médicos.

potência das antenas. O passo seguinte será escolher as características técnicas do sistema. tipo de etiquetas (provavelmente pela boa relação custo-benefício. como: frequência de operação. sistema que será utilizado para gerenciar os dados. no caso de pessoas perdidas. as câmeras. já com o acesso via RFID esse tempo cai para menos de 2 segundos em média. onde será possível identificar os possíveis locais onde serão implantadas as antenas de cobertura elevada (antenas omnidirecionais de grande cobertura). A proposta de utilização de RFID no estádio Arena das Dunas é simples. O objetivo deste esquemático usando a tecnologia RFID é de proporcionar conforto e praticidade para qualquer pessoa que esteja nas dependências do estádio Arena das Dunas. o sistema de rastreamento em tempo real garantirá uma total gestão de tudo que acontece no estádio.623 pessoas. os terminais de consulta e os leitores RFID para transações financeiras. Há a garantia de que cada pessoa só tenha acesso as suas áreas autorizadas. No quesito segurança. Com o acesso via RFID. a etiqueta passiva será escolhida). garantindo o máximo de renda e a segurança já que todo o público dentro do estádio está devidamente identificado. Após essas etapas serão realizadas a instalação e a fase de testes operacionais. 4 pode ser vista a planta baixa do estádio disponibilizada pela prefeitura da cidade de Natal que será utilizada na implementação do projeto aqui exposto. Na Fig. No ponto inicial do projeto será feito um levantamento topográfico e logístico do estádio. O tempo padrão de acesso a um estádio por pessoa no modo tradicional de roletas é em torno de 15 segundos. bastará um chamado a central de dados para que esta seja rastreada e acione a segurança. e em caso de alguma infração haverá agilidade em identificar e rastrear o(os) participante(es). o índice de bilhetes falsificados e cambistas vai a praticamente 0%. devido a longas filas de espera. agilizando o chamado de enfermeiros no caso de alguma pessoa se ferir ou passar mal.durante os jogos. entre outras características. reduzindo também o índice de pessoas que necessitariam de atendimento médico. tipo de leitores. . lembrando que o estádio terá capacidade para 42.

permitindo uma melhor e mais confiável visibilidade de todos os acontecimentos durante o evento. fornecendo ao público um nível de segurança de primeiro mundo. Mas para isso é necessário que os investimentos em pesquisa e desenvolvimento cheguem a tempo. eliminando-se a possibilidade de falha humana e fornecendo uma visão macro de todo o estádio. e que iniciativas para que projetos como este sejam avaliados e colocados em prática aconteçam por meio do governo do estado e da prefeitura do Natal. Já percebe-se a grande vantagem de utilização desta tecnologia. agregando eficiência e segurança para o público em geral. A agilidade do controle de acesso. As vantagens do desenvolvimento tecnológico em paralelo com o evento da copa 2014 para o estado virão com certeza.Figura 4 – Estádio Arena das Dunas . . 4 CONCLUSÃO Supõe-se que essa tendência de uso da tecnologia RFID para controle de acesso e rastreamento em eventos já aplicada em outros países seja comumente utilizada no Brasil.planta baixa. a possibilidade do armazenamento de todo o fluxo de pessoal em bancos de dados. garantindo um controle exato. torna RFID extremamente efeciente.

[7] Wikipedia. Acesso em: 07/11/2011. Acesso em: 07/11/2011.html. Julia Sakamoto. COUTO.com/article/view/1338. Acesso em: 07/11/2011. Antonio J. 2006. Disponível em: http://www.rfidjournal. Adoção e Implantação de RFID. RFID Essentials Web Course.br/grad/09_1/versao- final/rfid/index.com/doc/ 6685529/The-History-of-RFID. TCC de Especialização.gta.com /tech/rfid/rfid_frequency. Acesso em: 08/11/2011.html. Acesso em: 07/11/2011. São Paulo.org/ wiki/Identificacao_por_radiofrequencia. Disponível em: http://pt.wikipedia. The History of RFID. J. Acesso em: 08/11/2011. Disponível em: http://www. rfidrevolution . [4] LANDT. Marcos Vinicius Bentes. Dan.Este trabalho propôs com clareza a utilização da tecnologia RFID como forma de controle de acesso e monitoramento no âmbito do estádio Arena das Dunas na Copa do Mundo de 2014.com/topics. The History of RFID Technology. Disponível em: http://pt. alcançando assim seu objetivo principal.hightechaid.scribd. Disponível em: http://www. RFID Radio Frequency Identification.asp.ufrj. [2] QUENTAL. 155p.org/technologies/rfid/what_is_rfid. Acesso em: 08/11/2011. [8] PAIS.htm. PUC. Disponível em: http://www. Uma visão Geral na Cadeia de Suprimentos. . [5] ASSOCIATION FOR AUTOMATIC IDENTIFICATION AND MOBILITY. Identificação por Radiofrequência. What is RFID? Disponível em: http://www. Jeremy. RFID The Frequencies. [3] RFID JOURNAL.aimglobal. [6] HIGH TECH AID. REFERÊNCIAS [1] DOBKIN.