You are on page 1of 3

Escola Secundária Dr.

Manuel Gomes de Almeida - Espinho

113 de 154 Professores subscreveram esta moção.

Exmª. Senhora Presidente do Conselho Geral Transitório

Exmª. Senhora Presidente do Conselho Executivo

Exmª. Senhora Presidente do Conselho Pedagógico

Com conhecimento:

Exmº. Senhor Presidente da República

Exmº Senhor Presidente da Assembleia da República

Exmº Senhor Primeiro Ministro

Exmª Senhora Ministra da Educação

Exmª Senhora Directora Regional da Educação do Norte

Exmº Senhor Director do Centro de Área Educativa de Entre Douro e Vouga

Exmº Senhor Presidente do Conselho Municipal de Educação

Exmº Senhor Presidente da Associação de Pais da Escola Secundária Dr. Manuel Gomes de Almeida

COMUNICAÇÃO DE SUSPENSÃO DO ACTUAL PROCESSO DE AVALIAÇÃO DE


DESEMPENHO DOS DOCENTES

Os signatários, professores da Escola Secundária Dr. Manuel Gomes de Almeida, reunidos em


Plenário no dia 13 de Novembro de 2008, pelas 18.30 horas, no refeitório da Escola, na sequência de
uma profunda reflexão sobre a implementação do modelo de avaliação do desempenho docente
previsto no Decreto Regulamentar 2/2008 de 10 de Janeiro, consideram que a aplicação prática deste
normativo legal se revela inexequível e imbuída de múltiplos aspectos com os quais estão em profundo
desacordo, a saber:

• Este modelo gera situações de desigualdade, dentro do mesmo departamento, no que se refere
às condições científicas e pedagógicas de quem avalia face aos avaliados;

1
• É um modelo excessivamente burocrático, deixando pouco tempo disponível para aquela que
é a verdadeira e mais importante actividade do professor: o acto de ensinar;

• Os professores avaliadores concorrem com os professores avaliados no mesmo processo de


progressão na carreira, facto que, mesmo de forma inconsciente e não intencional, poderá
levar à desvirtuação dos resultados da avaliação e consequentes situações de parcialidade e até
de injustiça;

• A atribuição de quotas em cada estabelecimento escolar pode impedir que docentes com
qualificações semelhantes progridam, devido a uma limitação que é de natureza burocrático-
administrativa e não de natureza técnico-científica;

• No mesmo departamento são candidatos às mesmas quotas professores que leccionam


disciplinas/anos cujos alunos estão sujeitos a avaliação externa e outros cujos alunos não estão
sujeitos a essa avaliação;

• Neste modelo não é feita qualquer discriminação entre docentes que leccionam turmas sem
situações problemáticas e os que leccionam turmas com situações problemáticas;

• A avaliação de desempenho dos professores e a sua progressão na carreira aparecem, neste


modelo, subordinadas a factores que não podem ser imputados aos professores, como é o caso
do abandono escolar, bem como à avaliação atribuída aos seus alunos e ao sucesso dos
mesmos;

• Este modelo condiciona artificialmente os resultados escolares dos alunos, uma vez que
assenta sobretudo em preocupações estatísticas;

• O presente modelo não favorece o trabalho de equipa, hoje generalizado na escola, nem a
partilha de saberes e experiências. Num tempo em que as mudanças são constantes, quer ao
nível dos conteúdos, quer das metodologias, o trabalho em grupo e a partilha são
fundamentais;

• O clima de trabalho na escola, a qualidade de ensino e o desenvolvimento profissional dos


professores irão necessariamente deteriorar-se com a implementação deste modelo de
avaliação.

• Este processo de avaliação é confuso, gerador de conflitos entre os professores e facilitador da


degradação da qualidade do ensino na escola pública a que, preocupantemente, se assiste.

• A distinção entre professores titulares e não titulares criada por este modelo de avaliação
favorece a criação de situações em que um professor possa ser avaliado por um colega com
uma formação científico-pedagógica inferior ou ainda pertencente a uma área disciplinar
diferente da sua;

2
• Este modelo obriga muitos dos professores a avaliarem colegas sem que, para isso, tenham
recebido uma formação adequada;

• Este modelo de avaliação põe em causa princípios de equidade, justiça e universalidade, ao


não garantir direitos constitucionalmente protegidos, como sejam: maternidade/paternidade,
doença, participação em eventos de reconhecida relevância social ou académica, cumprimento
de obrigações legais, nojo, entre outros.

Assim, os professores abaixo-assinados da Escola Secundária Dr. Manuel Gomes de Almeida,


interessados numa avaliação com um carácter formativo e visando a melhoria das práticas educativas,
decidem suspender todos os actos referentes ao actual processo de avaliação de desempenho docente,
em particular:

a. Não apresentando qualquer proposta de objectivos individuais;

b. Não preenchendo qualquer ficha ou grelha relativa ao processo;

c. Não elaborando quaisquer documentos especificamente orientados para este processo.

Assinatura Nº Bilhete de Identidade