50 SUGESTÕES DE PRESENTES PARA O DIA DAS MÃES

LÁPIS E RÍMEL COLORIDOS ESTÃO NA MODA

Parte integrante do jornal Agora São Paulo - 1º de maio de 2011 - Ano 13 - nº 631 - Fabio Braga/Folhapress - Não pode ser vendida separadamente

Em sentido horário: Ana Destro, 22 anos, Alessio Esteves, 29 anos, e Carol Martins, 25 anos, participam de um grupo que reúne geeks e nerds para conversar

Geração geek
Normalmente confundidos com nerds, os geeks são extrovertidos e fanáticos por tecnologia, games, quadrinhos e séries de TV. Saiba mais sobre eles

4 Capa

Bem-vindo dos

ao mundo

geeks
Fabio Braga/Folhapress

Geeks são aficionados por gibis e tecnologia, mas gostam de se divertir

POR PAULA FELIX

“O geek é um nerd sociável.” A avaliação do consultor de comunicação digital Fernando Souza dá a primeira pista do que gosta e como vive essa tribo. Porém ainda não diz tudo. Quem nunca ouviu falar nos geeks (pronuncia-se “guiques”) pode estranhar o termo, mas vai logo perceber que conhece alguém que se identifica com eles. A primeira e mais básica característica do grupo é a fixação por tecnologia. Na sequência, vem o gosto por quadrinhos e seriados de TV.
Revista da Hora, 1º de maio de 2011

Por tudo isso, frequentemente são tomados por nerds. Mas fazem questão de esclarecer: são extrovertidos e mantêm a vida social agitada. O gerente de marketing Charles Blagitz, 43 anos, considera-se um geek nato. Adquire equipamentos tecnológicos, pesquisa sobre as novidades que estão para chegar ao mercado e vive conectado. “Minha moto tem rede sem fio para eu ouvir rádio on-line. Tenho quatro celulares, converso com minha cadela pelo iPhone e interajo com meu filho em jogos pela internet”, enumera. Blagitz gos-

Capa 5
todos os lugares do mundo. Como é uma personalidade, fica difícil aparentar que a pessoa é um geek”, avalia Souza, referência em internet e redes sociais. Há três anos, o publicitário e professor universitário Bruno Figueredo, 25 anos, começou a ler sobre as redes sociais. A partir daí, passou a participar de eventos, comunidades e a procurar formas de se inteirar mais sobre o tema. Ele diz que se identifica com a denominação geek por ela definir pessoas mais abertas socialmente. “Os geeks querem viajar, fazer contatos, conversar. E são moderninhos, usam roupas descoladas.”

Também é coisa de menina
No Brasil, o principal evento que reúne os geeks é a Campus Party, feira realiza-


ta ainda de videogame, mangá (quadrinhos japoneses) e cinema. Para ele, os geeks são pessoas que conhecem muito bem tecnologia e conseguem usá-la em sua máxima potência. “O geek assimila a informação com mais velocidade, por isso é o principal crítico da tecnologia”, complementa. Embora tenham hábitos semelhantes aos dos nerds, os geeks não possuem um padrão específico que faça com que sejam identificados no meio da multidão. “Não existe esse tipo de fronteira. Há vários tipos de geek, e eles estão em

Os geeks querem viajar, fazer contatos, conversar. E são moderninhos, usam roupas descoladas
Bruno Figueredo, 25 anos, publicitário

da em São Paulo e que já teve quatro edições —a última aconteceu em janeiro deste ano. “Na Campus Party, os participantes assistem a palestras, testam conexões de altíssima velocidade e jogos. Alguns chegam a acampar no evento, que dura cerca de uma semana”, explica André Luiz Hernandez, diretor da empresa Guasti Tecnologia. A publicitária Carla Zatorre, 25 anos, participou do evento pela primeira vez neste ano e ficou acampada no local durante seis dias. “As áreas que mais me interessam são games, programação de computador e mídias sociais”, afirma. Para se manter informada sobre os assuntos que atraem sua atenção, Carla tem uma rotina agitada. Enquanto trabalha, vasculha redes sociais e compartilha conteúdo em grupos na internet. “Fico on-line quase 24 horas por dia.
Revista da Hora, 1º de maio de 2011

6 Capa
Meu celular está sempre conectado à internet, e eu durmo, em média, duas ou três horas por noite. Mas não deixo de sair, ir ao cinema. Apesar de os meus amigos reclamarem que vivo no celular.” Para Karin Breitman, doutora em informática e professora da PUC-Rio (Pontifícia Universidade Católica), “ser geek também é coisa de menina”. “Eu sou uma geek de tecnologia móvel”, exemplifica. A professora relaciona o sucesso entre pessoas de ambos os sexos e de diferentes classes sociais à capacidade que as tecnologias têm de deixar os indivíduos mais próximos. “O que há de mais atual, hoje em dia, é a conversão das mídias. Todas as formas de informação estão se ‘derretendo’ e se tornando uma coisa só”, acrescenta. Mangá, anime (animação japonesa), cinema e livros com referências a acontecimentos históricos
Almeida Rocha/Folhapress

são temas que despertam o interesse da gerente de conta Andreza Fernandez, 25 anos. Quando vai pesquisar, Andreza segue o perfil dos geeks e vai mais fundo. “Busco bases mais sólidas [do que uma rápida busca na web]. Procuro opiniões diferentes, sites especializados e amigos com o mesmo perfil”, detalha. Diferentemente de Carla, ela prefere não participar de eventos que reúnem as diferentes tribos de geeks: “Esses eventos são muito abertos e focados na moda, por isso, não me interessam”. Mas a tendência que colocou os geeks em evidência, é motivo de comemoração para o mercado de tecnologia, como avalia Hernandez, da Guasti Tecnologia: “Eles têm toda a importância para o

A publicitária Carla Zatorre, 25 anos, é aficionada por mídias sociais

Revista da Hora, 1º de maio de 2011

8 Capa
Robson Ventura/Folhapress

Charles Blegitz, 43 anos, gerente de marketing, gosta de ter todas as novidades do mercado

mercado. São os primeiros a experimentar qualquer novidade que aparece, a apontar falhas e ir fundo nos testes de novos aparelhos”.

A palavra dos nerds
Supervisor de informática, Alessio Esteves, 29 anos, considera-se um nerd, mas com hábitos abertos, geralmente associados aos geeks. “O padrão que temos dos nerds é muito norte-americano, mas o nerd dos anos 1980 mudou. Hoje, ele aparece mais”, analisa. Há quatro meses, ele organiza o Nerdeteco, termo que vem da mistura das palavras “nerd” e “boteco”, evento onde amigos se encontram para tomar cerveja e conversar sobre assuntos diversos. “Discutimos sobre videogame, RPG, quadrinhos, mas já tivemos Nerdetecos em que falamos de futebol e sexo também. A ideia é fazer uma reunião para conversar e beber”, explica. A radialista Ana Destro, 22 anos, diz
Revista da Hora, 1º de maio de 2011

que a diferença entre os nerds e os geeks existe apenas no que diz respeito aos gostos: “O geek é o cara que consome tecnologia, e os nerds consomem um determinado tipo de cultura”. Desde criança, ela gosta de quadrinhos e, ao longo da adolescência, foi se interessando por outras áreas, como cinema, RPG e jogos de diversão e de aventura.

Mercado de trabalho
Sem parar de mexer no celular, a publicitária Carol Martins, 25 anos, era uma das que seguiam a linha geek entre os integrantes do Nerdeteco. Ela foi ao encontro vestida com uma jaqueta que homenageava o filme “Star Wars” e contou que gosta de anime e RPG, além de ser fã de tecnologia. “Gerencio as contas do Twitter e do Facebook da empresa em que trabalho. Sempre procuro comprar um celular melhor, porque a tendência do mundo é estar com tudo na palma da mão”, afirma.

Capa 9

Do que os geeks gostam
Nem só tecnologia chama a atenção dos geeks. Pesquisadores natos, eles conseguem devorar informações de várias áreas do conhecimento, absorvê-las e compartilhá-las com um grande número de pessoas, principalmente por meio das redes sociais. Entre as áreas pelas quais eles mais se interessam estão: Quadrinhos Seriados de televisão Games Filmes RPG

Mangá

Animação

A moda geek

Os geeks são figuras antenadas, que buscam unir elementos da cultura pop às tendências da moda. O estilo marcante conta, geralmente, com:

Blazer

Camiseta com referência a algum personagem de quadrinhos, filme ou seriado

Óculos com armação grossa, que pode ser colorida

Fontes: Fernando Souza, consultor de comunicação digital; Guilherme Loureiro, criador do site Nós Geeks; Rafael Fragoso, criativo de tecnologias da agência de publicidade Fisher+Fala!; Karin Breitman, doutora em informática pela PUC-Rio (Pontifícia Universidade Católica)

Revista da Hora, 1º de maio de 2011

Sign up to vote on this title
UsefulNot useful