Proposta de suspensão da aplicação do modelo de Avaliação do Desempenho aprovado pelo Decreto-Regulamentar nº 2/2008

Exº Senhor Presidente do Conselho Pedagógico; Ex.º Senhor Presidente do Conselho Executivo; Os professores da Escola Secundária de Pinheiro e Rosa subscritores deste documento vêm propor ao Conselho Pedagógico e ao Conselho Executivo a suspensão do processo de avaliação do desempenho dos docentes em curso, nos termos e com os fundamentos seguintes: Considerações gerais: O modelo de avaliação do desempenho aprovado pelo Decreto-Regulamentar 2/2008 não reúne condições de aplicação com justiça, objectividade e exequibilidade. É um modelo que não está orientado para a qualificação do serviço docente, como um dos caminhos a trilhar para a melhoria da qualidade da Educação, enquanto serviço público destinando-se, sobretudo, a institucionalizar uma cadeia hierárquica dentro das escolas e a dificultar ou, mesmo, impedir a progressão dos professores na sua carreira. Nos tópicos que se seguem faz-se uma análise crítica embora sumária do novo modelo de avaliação, enquadrada por três grandes interrogações: O que vai ser avaliado? Como vai ser avaliado? Quem vai avaliar? 1 - O que vai ser avaliado segundo o novo modelo de avaliação? • São avaliadas as componentes externas do processo de ensino aprendizagem, de carácter muito subjectivo e com parâmetros de difícil mensurabilidade tornando impraticável a avaliação objectiva do professor. • Não há avaliação da componente científica, o que perverte o processo de avaliação da actividade docente, uma vez que a componente científica é fundamental e não é possível ignorá-la quando se pretende avaliar os docentes de forma objectiva e rigorosa. • O professor é avaliado por aspectos que não dependem somente da qualidade do seu desempenho, como sejam, o sucesso dos alunos e o abandono escolar (Decreto Regulamentar nº 2/2008, Artigo 8º, ponto 1, alínea b). Relativamente ao tópico “sucesso escolar dos alunos” consideramos que a imputação de responsabilidade individual ao docente pela avaliação dos seus alunos, cuja progressão e níveis classificatórios entram com um peso específico de 6,5% na sua avaliação de desempenho, configura uma clara violação do Despacho Normativo que regula a avaliação no ensino secundário e estabelece, no nº 35º do Capítulo II, que “ a decisão final quanto à classificação a atribuir é da competência do Conselho de Turma, que, para o efeito, aprecia a proposta apresentada por cada professor, juntamente com as informações justificativas da mesma e a situação global do aluno.” Por outro lado fazer depender, mesmo que em parte, a avaliação de desempenho do professor e a sua progressão na carreira deste tipo de critérios, é ignorar a complexa teia de factores que os determinam

e introduzir elementos que escapam ao controlo e responsabilidade do professor. Desta forma criamse também condições desiguais entre os colegas como por exemplo as turmas serem constituídas por alunos com diferentes motivações e especificidades e as próprias disciplinas terem graus de dificuldade diferenciados. Acrescente-se igualmente o facto de existirem disciplinas sujeitas a uma avaliação externa – os exames nacionais - e outras que não o são. 2 – Como vai ser o processo de avaliação segundo o novo modelo? • Processo muito burocratizado baseado no preenchimento de inúmeras grelhas por parte dos vários intervenientes no processo de avaliação (professor avaliado, professor avaliador, presidente do conselho executivo) tornando muito difícil uma avaliação criteriosa. • Processo que implica reuniões diversas e um acréscimo de trabalho brutal não deixando espaço para as tarefas essenciais da actividade do professor – preparação de aulas, correcção de testes e fichas de trabalhos, avaliação dos alunos entre outras - e prejudicando igualmente a sua vida pessoal e familiar. Esta situação é já evidente pelo muito trabalho já realizado onde, tempo dispendido, os recursos e a implicação com a comunidade educativa são bem indiciadores da complexidade de um modelo de difícil concretização. • Processo que não tem em consideração as diferentes condições de trabalho dos professores – número de turmas e número de alunos por turma, características dos alunos - entre outras. • Processo que estabelece quotas para a atribuição das menções qualitativas de Excelente e Muito Bom, de acordo com o despacho 20131/2008, condicionando, à partida, os resultados da avaliação, comprometendo a sua imparcialidade e impedindo mais de dois terços docentes do aceder ao topo da carreira. • Processo que põe em causa direitos constitucionalmente protegidos, como o direito à maternidade e à paternidade, assistência à família, obrigações legais e actividades de formação profissional, entre outros, pois a ausência às actividades lectivas e não lectivas será penalizadora para o docente, condicionando a sua progressão na carreira. 3 - Quem vai avaliar segundo o novo modelo de avaliação? • Os avaliadores são recrutados entre os professores titulares, categoria surgida na sequência do Concurso de Acesso a Professor Titular que se baseia em critérios altamente discutíveis, como sejam, a ocupação de cargos nos últimos sete anos lectivos, independentemente de qualquer avaliação da competência e da adequação técnica, pedagógica ou científica com que os mesmos foram exercidos. Esta lotaria irresponsável gerou uma divisão artificial e gratuita entre “professores titulares” e “professores”, criando injustiças insanáveis que minam, inelutavelmente, a credibilização deste modelo de avaliação do desempenho. • O professor avaliador pode não pertencer à área disciplinar do professor avaliado (exemplo: um professor de Biologia pode avaliar um professor de Informática).

O avaliador não tem qualificações específicas que o credibilizem para ser avaliador. Perante o exposto, propõem os professores da Escola Secundária de Pinheiro e Rosa, subscritores

deste documento, a suspensão imediata da aplicação do novo Modelo de Avaliação de Desempenho, decorrente da implementação do novo Estatuto da Carreira Docente, cuja publicação não acolheu a aprovação da maioria dos docentes. Aguardaremos a revisão do processo de avaliação do desempenho de modo que o mesmo seja exequível, justo, transparente, ou seja, capaz de contribuir realmente para o fim que persegue: uma Escola Pública de Qualidade. Faro, 13 de Novembro de 2008 Nome Completo Assinatura Nº BI

Nome Completo

Assinatura

Nº BI

Nome Completo

Assinatura

Nº BI