Extraída de: http://a-gramatica.blogspot.

com/

1

Funções sintácticas
Os vários grupos que constituem a frase (GN, GV, GPrep, GAdj, GAdv) estabelecem entre si diferentes tipos de relação gramatical, por isso desempenham funções sintácticas específicas: A. Funções sintácticas a nível da frase: . Sujeito: > simples; > composto; > nulo: - subentendido; - indeterminado; - expletivo. . Vocativo . Modificador da frase

. Predicado: . Complementos: > Complemento directo; > Complemento indirecto; > Complemento oblíquo; > Complemento agente da passiva; . Predicativo do sujeito; . Predicativo do complemento directo. . Modificador

2

Complemento do advérbio 3 . Funções sintácticas internas ao Grupo Adjectival: . Modificador do adjectivo D. > Modificador apositivo. Complemento do adjectivo .B. Funções sintácticas internas a Grupos Nominais: . Complemento do nome . Funções sintácticas internas ao grupo adverbial: . Modificador do nome: > Modificador restritivo. C.

nomes de parentesco (pai. 2. altera o sentido do nome: . hipótese): . nomes icónicos (fotografia. tio. procura): .. Definição O complemento do nome é uma função sintáctica que pode ser desempenhada por um grupo adjectival ou preposicional que integra o grupo nominal. O pai do Pedro chama-se Ernesto.nomes deverbais (desejo.): . .): . 2.1. A ideia de fugir é-me abjecta. nomes epistémicos (ideia. A fotografia da Ernestina é horrível. sendo seleccionado por um nome.2.. A procura turística (= dos turistas) tem diminuído em Castelo Rodrigo.Complemento do nome 1. A previsão meteorológica (= da meteorologia) propicia os incêndios. CN com a forma de grupo preposicional Há determinados nomes que se constroem com um grupo preposicional: . . mãe. isto é. Complemento do nome com a forma de grupo adjectival O complemento do nome que assume a forma de grupo adjectival surge a direita do nome e forma com este uma unidade de sentido. .2. Representação 2. . imagem. O desejo de sucesso aumentou nos últimos anos.1.. nomes derivados de verbos . se o adjectivo for retirado. CN com a forma de grupo preposicional não oracional 4 .. 2.

Achei a corrida sem interesse. CD Pred. designar. . CD PCD 5 . ter por. CD PCD . Todos o têm por competente. O predicativo do complemento directo pode ser constituído por: » um grupo nominal: . tratar. CD Predicativo do CD » um grupo adjectival: . CD PCD .Luísa. CD PCD . Os portugueses elegeram Cavaco Silva Presidente da República. julgar. nomear. eleger. dou os trabalhos de casa por concluídos. CD PCD . . considerar. Os alunos consideram-me um mau professor. CD PCD . Alguns portugueses consideram Carlos Cruz inocente. . que atribui uma propriedade ao complemento directo.Acho esta anedota com piada.Acho-te linda.. Achei este prato sem sabor.Há nomes que Predicativo do complemento directo O predicativo do complemento directo é a função sintáctica desempenhada pelo constituinte seleccionado por um verbotransitivo-predicativo. CD PCD » um grupo preposicional: . . CD . Os verbos transitivo-predicativos são os seguintes: achar. CD PCD . declarar. supor.Meus queridos alunos. fazer.. considero-te muito estudiosa. chamar. tornar. .

Suj. o complemento directo e o predicativo do complemento directo podem ser parafraseados por uma oração subordinada substantiva completiva finita. estar. o predicativo do sujeito. [o = bonita] Por outro lado. CD PCD (masculino) (plural) (masculino) (plural) Por vezes. CD PCD (masculino) (singular) (masculino) (singular) . A turma designou três alunos representantes da escola. . revelar-se. permanecer. parecer. contrariamente ao que sucede com os 6 . ficar. Os alunos consideram-me um mau professor. mas a Li Peng não o é. Os alunos consideram que eu sou um mau professor. em que o complemento directo passa a sujeito e o predicativo do complemento directo a predicativo do sujeito: . Eu sou muito baixo. tornarse): ____predicado__ . A Maria Kirilenko é bonita. CD PCD . Predicativo do sujeito Predicativo do sujeito O predicativo do sujeito é a função sintáctica desempenhada pelo constituinte (palavra ou expressão) seleccionado por umverbo copulativo (ser. continuar. A turma designou o Pedro representante da escola. o predicativo do complemento directo concorda em género e número com o complemento directo: . O Antunes permaneceu na água mas enregelado.Por outro lado. sujeito | predicativo do sujeito verbo copulativo .

. A felicidade do Djaló é contemplar a Floribela. O predicativo do sujeito pode ser constituído por: . . Os meus filhos são lindos. Onde estiveste de férias? . . Caeiro era de estatura mediana. O Eusébio foi um atleta extraordinário. Os acidentados permanecerão aqui. 7 . A minha mãe está em Mangualde. . contribuindo. . O meu aniversário foi ontem. uma oração: . . . assim. um grupo preposicional: .complementos. . Fiquei em casa. O Pedro é um rapaz triste e azedo. umapropriedade ou uma localização (espacial ou temporal) ao sujeito. um grupo adjectival: . Fiquei espantado com o empate de Portugal. . . Fiquem bem. um grupo adverbial: . A minha avó parece uma abóbora. . . amigos! . . um grupo nominal: . Pensar é estar doente dos olhos. A minha escola é ali. . atribui uma característica. para a sua interpretação. O PM está sem ânimo. Os alunos pareciam muito tranquilos.

→ compl. por + as > pelas): . configurando um grupo nominal: . por + os > pelos. → complemento directo sujeito predicado .Complemento agente da passiva O complemento agente da passiva é a função sintáctica desempenhada em frases passivas por uma expressão geralmente introduzida pela preposição por . Um camião atropelou a minha avó. agente da passiva . A Josefina foi amada pelo Napoleão. O Napoleão amou a Josefina. agente da passiva Na frase activa correspondente. Este "post" foi escrito por mim. → compl. sujeito . Eu escrevi este "post". 8 . o complemento agente da passiva desempenha a função sintáctica de sujeito. por + a > pela. A minha avó foi atropelada por um camião. sujeito Pelos exemplos apresentados. → complemento agente da passiva sujeito predicado . facilmente se conclui que o complemento agente da passiva integra o predicado.grupo preposicional (ou pelo «resultado» da sua contracção com os determinantes artigos definidos: por + o > pelo.

quando tal substituição gera agramaticalidade. podemos concluir que. → complemento oblíquo . O advogado foi a Elvas. Atentemos nos dois exemplos seguintes.Complemento oblíquo 1. quando a expressão / o grupo preposicional é passível de ser substituído pelo pronome lhe / lhes. Caso a substituição dê origem a frases com sentido. Os acusados do processo Casa Pia vão para a prisão? → complemento oblíquo . * Carlos Cruz não concordou-lhe. em que ambas as expressões são iniciadas por uma preposição: . O Cristiano Ronaldo gosta de automóveis. * Os acusados do processo Casa Pia vão-lhe? Assim. de um grupo preposicional ou a coordenação de ambos. → complemento oblíquo . estamos perante um cumplemento indirecto. desempenha a função de complemento oblíquo. O Cruz ofereceu uma prenda à namorada. Além disso. desempenha a função sintáctica de complemento indirecto. «Definição» O complemento oblíquo (CObl) é uma função sintáctica que integra o predicado. . O CObl enquanto grupo preposicional Por vezes. → complemento indirecto . estamos na presença de um complemento oblíquo: . O Cruz ofereceu uma prenda à namorada. → complemento indirecto . Carlos Cruz não concordou com a decisão. * O advogado foi-lhe. O advogado foi a Elvas. pode também apresentar diferentes valores semânticos.lhe / lhes. . 2. Uma forma de esclarecer esta dúvida passa pela sua substituição pela forma dativa do pronome pessoal . pode surgir a dúvida sobre a identificação do CObl. se a substituição originar frases agramaticais. confundindo-o com o complemento indirecto. . 9 . É seleccionado pelo verbo e pode assumir a forma de um grupo adverbial. . O Cruz ofereceu-lhe uma prenda.

(CObl) .O que aconteceu com o Bruno Alves? . Por outro lado. CObl enquanto grupo adverbial À semelhança do que sucede com o grupo preposicional. O que fez + sujeito? » Os arguidos atacaram as testemunhas acolá.Por outro lado.O Bruno Alves escorregou além. também neste caso não é possível substituir o CObl pelas formas pronominais lhe / lhes: . * Os pedófilos portam-se-lhe. 3. . viver é viver em algum lado. Dito de outra forma. discordar é discordar de alguém ou de algo. . Tal significa que determinados verbos se combinam com outras unidades.A Paris Hilton levou longe os seus desatinos. o CObl é seleccionado pelo verbo. etc. O que se passa com + sujeito? » A Paris Hilton levou longe os seus desatinos.O que se passa com a Paris Hilton? .Os arguidos atacaram as testemunhas acolá. vir é vir de algum lado. (complemento oblíquo) . O que aconteceu com + sujeito? » O Bruno Alves escorregou além. O CObl enquanto coordenação de um grupo preposicional e de um grupo adverbial 10 . o CObl (enquanto grupo adverbial) surge obrigatoriamente em respostas não redundantes a perguntas como: . ir é ir a algum lado. como foi acima afirmado. .O que fizeram os arguidos? . (CObl) 4. . portar-se é portar-se de um determinado modo. Os pedófilos portam-se mal.

O meu julgamento foi adiado até Janeiro. Vou para Mangualde. . Confio em ti. O frade andava ao peditório. Conclusões a) O complemento oblíquo (CObl) é seleccionado pelo verbo e faz parte do predicado. . Desloquei-me até ao hospital.. O Antunes gosta de filmes americanos. O Dr. . A sua supressão pode gerarincorrecções (agramaticalidade) ou alterações de sentido. O Outono dá umas pinceladas douradas nas uvas brancas. (ideia de lugar) . Todos concordaram em participar. Coloca o livro aí. 11 . A Célia cuida da avó. . b) O CObl pode ser constituído por um grupo preposicional. Duvido dos arguidos. Exemplos . (ideia de modo) . minha esposa. Os alunos do 11. . . Mergulhou numa melancolia intransponível. (ideia de lugar) . . c) O CObl não pode ser substituído pelas formas pronominais lhe / lhes. . . (ideia de lugar) . . Insisti no tema. . 6.º A transitaram de ano. Barroso participou num congresso. Eu antipatizo / simpatizo com a Josefina. O Rui portou-se mal. Não mexas no pudim. Tu estudas aqui (CObl) ou em Paris (CObl) ? 5. Os juízes condenaram os arguidos à prisão. . . . um grupo adverbial ou pela coordenação de ambos.

Fontes: 12 .

É de notar que apenas estas formas de terceira pessoa (lhe / lhes) desempenham sempre a função de complemento indirecto. Não lhe dês resposta. sintacticamente. que te enganaste. Quando posso eu (sujeito). ou seja. O complemento indirecto pode ser substituído pela forma dativa do pronome pessoal de terceira pessoa lhe / lhes: . . Ofereci flores à minha namorada. Dá-me a prenda. → . mãe (vocativo). → complemento directo 13 . Ó Lili. . Admite. O Antunes viu-me nu na praia. visto que as formas de primeira e de segunda pessoa (me. passa-me o sal. não é com ele que o verbo concorda. Come a sopa. Distingue-se do sujeito porque está isolado por vírgulas e não determina a concordância verbal. que chamamos ou interpelamos. João. . Ofereci-lhe flores. o vocativo é reforçado pela interjeição ó. O João telefonou à mãe. te. O João telefonou-lhe. o vocativo identifica o interlocutor. → . O João telefonou à mãe. Surge apenas no discurso directo. João! Por vezes. O vocativo pode surgir em diferentes posições na frase: . nos. vos) podem também desempenhar a função de complemento directo: . que o antecede: . oferecer-te uma prenda? Complemento indirecto O complemento indirecto é um grupo preposicional (geralmente introduzido pela preposição a) seleccionado pelo verbo: . come a sopa! . → complemento indirecto . João. A pergunta tola não dês resposta. isto é.Vocativo O vocativo é a função que representa. O vocativo e o sujeito podem co-ocorrer numa frase: . → . ocorrendo em frases imperativas. a pessoa ou realidade a quem nos dirigimos. exclamativas e interrogativas.

Flores foram-lhe oferecidas por mim. → . Procedendo às duas substituições em simultâneo e contraindo os dois promomes (lhe + as). . desempenha a função sintáctica de complemento directo e indirecto. O Ernesto ofereceu-as à Miquelina. na praia. Neste caso. a mesma expressão pode desempenhar. → . Tal não é possível com as formas lhe / lhes: . O Ernesto ofereceu-lhe flores. 14 . → . nós. vos) desempenham a função de complemento directo. vós (vocês). concluímos que lhas. a expressão à Miquelina pode ser substituída pelo pronome pessoal lhe: . O Antunes viu-te nu na praia. directo) à Miquelina (c. Tu foste visto nu. as funções sintácticas decomplemento directo e de complemento indirecto: . obteremos a seguinte frase: . pelo Antunes. O Antunes espancou-me.Quando as referidas formas pronominais (me.  a palavra flores (c. Eu fui espancado pelo Antunes. o resultado da contracção do pronome pessoal lhe com o pronome pessoal as. Em determinadas circunstâncias. A partir da observação destes dados. indirecto). podemos confirmar esse facto transformando as frases activas em que ocorrem em passivas. O Ernesto ofereceu flores (c. tu. te. Vejamos os seguintes exemplos: . Eu ofereci-lhe flores. os pronomes assumem as formas eu. simultaneamente. directo) pode ser substituída pelo pronome pessoal as: . O Ernesto ofereceu-lhas [lhe (à Miquelina) + as (flores)].  por sua vez. nos.

iniciando-se frequentemente pela preposição a. O João telefonou à mãe. → complemento indirecto É cada vez mais frequente ouvir (em conversas de amigos.Sempre que existam dúvidas acerca da correcta identificação do complemento indirecto. » Ofereceu flores a quem? Resposta: à Miquelina. Ora.. a forma correcta é a seguinte: . Em suma. c) O CI é um grupo preposicional. → complemento indirecto . familiares. 15 . → complemento indirecto . Esse teste consiste em perguntar ao verbo a quem ou a quê: . d) O CI pode ser substituído pelo pronome pessoal lhe / lhes. O Ernesto ofereceu flores à Miquelina. *Encontrei-lhe no XP. podemos concluir que: a) O complemento indirecto (CI) é seleccionado pelo verbo. existe um TESTE (além da sua substituição pelo pronome pessoal lhe / lhes) que permite o seu esclarecimento. A pergunta tola não dês resposta. Encontrei-o no XP. b) O CI faz parte do predicado.. » Não dês resposta a quê? Resposta: a pergunta tola. nos corredores ou nas salas de aulas.) frases em que a forma dativa do pronome pessoal (lhe / lhes) é utilizada enquanto complemento directo: . » Telefonou a quem? Resposta: à mãe.

um adjectivo. O gato comeu o rato. A Sara agrediu a Verónica. 2. a. O Juvenal adora bananas. b) uma oração substantiva completiva: . Representatividade O CD situa-se. . Eu adoro uvas. » A Sara agrediu-a. Quero que te portes bem. » Agostinho Oliveira convocou-os. . Agostinho Oliveira convocou João Moutinho e Manuel Fernandes. regra geral. um nome. . Amo-te. . os. . não precedido de preposição: . à direita do verbo e pode ser representado por: a) um grupo nominal: . Definição O complemento directo (CD) é um constituinte obrigatório seleccionado pelo verbo (transitivo directo).Complemento directo Os complementos são constituintes da frase seleccionados por um verbo.. as): . um advérbio. O Jorge afirmou que o Carlos Queirós é um treinador assim-assim. pode ser substituído pela forma acusativa do pronome pessoal de 3. 1..ª pessoa (o. Fui à feira e comprei dois sacos de batatas. Quando o CD é um grupo nominal. 16 .

nas: . Eles deram-no (CD) ao Luís. recomendamos a consulta do «post» referente aos pronomes pessoais. os. 122). pode ser substituído por um pronome demonstrativo: . «Alguns grupos nominais que ocorrem com verbos como pesar. Note-se. as) podem apresentar outras formas quando surgem depois de: a) r. s. a transformação da forma activa para a forma passiva implica que o CD passe a desempenhar a função sintáctica de sujeito e se desloque para o início da frase: 17 . nos. » O Luís pesou-o. O João disse que o Benfica jogava mal. se o GN (grupo nominal) com a função sintáctica de sujeito desempenhar também a função semântica de agente: . com a função semântica de paciente. editada pela Areal Editores (p. O Luís pesou o saco. respondendo à pergunta quanto + V + suj?: . Quando o verbo admite a passiva. → . Compras a consola (CD)? → . na. » O saco foi pesado pelo Luís. a. los. quando o CD é um uma oração subordinada substantiva. mas sim de Cobl (complemento oblíquo). na obra Gramática da Língua Portuguesa. Para aprofundar este tema. z (que desaparecem): passam a lo. Eles deram um presente (CD) ao Luís. custar ou medir não têm a função de CD. porém. las. Clicar AQUI. uma vez que não admitem a pronominalização pela forma acusativa do pronome pessoal nem a passiva.» Por outro lado. O João disse isso. → . que os mesmos verbos podem seleccionar um CD. O João disse-o. → . De acordo com Clara Amorim e Catarina Sousa.Note-se que os acima referidos pronomes pessoais (o. Este saco pesa dez quilos? » * Este saco pesa-os? » * Dez quilos são pesados por este saco. Compra-la (CD)? b) m e ditongo ou vogal nasal: passam a no. las: .

. A quem madruga. As Intermitências da Morte) Note-se que. » Vi quem? → Resposta: a Joana. Teste Além dos testes acima apresentados que permitem a identificação do complemento directo. as e.  para evitar ambiguidade: . → .  quando o CD é um pronome pessoal antecedido de uma preposição: . os. A mim não me enganam. a. Vi a Joana na feira. desempenham a função sintáctica de sujeito. Adoro a Deus. Adoro a Deus. 3. O Pedro assaltou a escola. . (José Saramago. pelo que não os podemos considerar complementos indirectos ou complementos oblíquos: . » O Pedro assaltou o quê? Resposta: a escola. O CD pode ser antecedido da preposição a em determinadas circunstâncias:  com verbos que exprimem sentimentos relativos a seres humanos e antes do nome Deus: . . malhar de repente. Deus é adorado por mim. O gato comeu o rato (CD). Deus ajuda. existe outra forma de o detectar:perguntar ao verbo quem? ou o quê?: . Adoro-o. é possível substituir o CD pelas formas pronominais o. A ferro quente. Caim matou a Abel. (CD) 18 . → .  quando o CD se encontra antes do verbo e é realizado pelo pronome quem: . (CD) . nestes casos. O rato (sujeito) foi comido pelo gato. na passiva.

» AZEREDO. Conclusões     O complemento directo (CD) é seleccionado pelo verbo. Fontes: » Dicionário Terminológico. Gramática da Língua Portuguesa. O CD. O CD pode ser constituído por um grupo nominal ou por uma oração. as e aoração com a mesma função pelas formas pronominais o ou isso. porque seleccionado pelo verbo.4. O grupo nominal que desempenha a função sintáctica de CD pode ser substituído pelas formas pronominais o. faz parte do predicado. 19 . Gramática Prática de Português.  Aquando da transformação de uma frase activa para a passiva. Clara e SOUSA. os. Olga et alii. a. Areal Editores. » AMORIL. Lisboa Editora. Catarina. o CD desloca-se geralmente para o início da frase e passa a desempenhar a função sintáctica de sujeito.

. . complemento agente da passiva. Amanheceu. . complemento indirecto. . complemento directo. Este pode ser constituído somente pelo verbo (O Joãocaiu. Eu comprei um balão e tu também (também compraste um balão). modificador(es). . . Identificação do predicado O predicado pode ser identificado se acrescentarmos e + grupo nominal + também / também não à oração: . . Julguei-o morto. Nós não gostamos de favas e o King Kong também não (também não gosta de favas). predicativo do complemento directo. 2.). . ou por um verbo e pelos seus complementos e / ou modificadores: .) ou complexo verbal (O João foi atacado por um cão. . A Ernestina é feiíssima. complemento oblíquo. Ele comprou um carro. Mr. . Chance. verbo. Definição O predicado é a função sintáctica desempenhada pelo grupo verbal. O Pedro faltou. Hoje ele está a realizar correctamente os exercícios. predicativo do sujeito. O Antunes ofereceu um presente à namorada. . . . . O rato foi comido pelo gato.Predicado 1. Introduziste a pen no computador? Dito de outro forma. 20 . o predicado pode ser constituído por / pelo: . . .

Aquele golo foi irregular. o sujeito é a função sintáctica desempenhada pelo constituinte da frase que controla a concordância. o sujeito era aquele que praticava (O João comeu a maçã. Surgiu um contratempo. Todos aqueles filmes me agradam. Os meus filhos são chatos. . . verificando-se um fenómeno de derivação imprópria ou conversão). Representação O sujeito pode ser representado por um grupo nominal ou por uma frase: » Grupo nominal: . Segundo a «nova» gramática. pode surgir também após o verbo: . relativamente ao verbo e. em número e pessoa. O Benfica é um grande clube. 3. Posição Geralmente.Sujeito (funções sintácticas) 1. é um constituinte com função central a nível da frase. um nome: .voz passiva). 21 . Cantar faz bem à alma. Mangualde é uma cidade interessante. . . um determinante e / ou quantificador e um ou mais nomes: .cantar. Definição (?) De acordo com a gramática tradicional. . estamos perante uma forma verbal substantivada . . juntamente com o predicado. No entanto. Desapareceu o Cristiano Ronaldo. . o sujeito surge à esquerda do verbo: . Espanta-me que os alunos não estudem. 2. . . O Pedro e a Maria fugiram para o Brasil. (neste caso. .voz activa) ou sofria a acção (O rato foi comido pelo gato. O Antunes caiu.

Os alunos que conheço são preguiçosos. nunca visitou Portugal. na forma nominativa. . um nome com modificador: . Quando o sujeito é constituído por um grupo nominal ou uma oração subordinada substantiva relativa. Nós assassinámos o poema. O golo madrugador foi insuficiente. → . Eu e a Josefina assassinámos o poema. . uma oração subordinada substantiva relativa: . . » Oração: . (adjectivo + nome) . .. Quem leu Eça de Queirós tem mais dois valores na avaliação. . Eu comprei um «Magalhães». uma oração subordinada substantiva completiva: . . Quem cala consente. Ela avariou. O treinador do Benfica inventou contra o Nacional da Madeira. (oração adjectiva relativa junto do nome) . um pronome: . com o qual o verbo concorda: . Isso é um enorme disparate. É probido dar calduços. Uma bela mulher foi raptada em Peniche. É preciso que o Benfica jogue bem. . pode ser substituído por um pronome pessoal. Elas são lindas! . . → . A Naomi Watts. A televisão avariou. um nome com complemento: . É evidente que o Eusébio copiou. uma bela mulher. 22 . (nome + adjectivo) .

Para identificar o sujeito de uma frase. mas nem sempre está expresso na frase. 4. Ele errou na contratação do Roberto. → É pena isso. Sujeito simples O sujeito simples é constituído por um só grupo nominal (cujo núcleo é um nome ou um pronome): . Quem espera e quem tem paciência alcança os seus objectivos. 4. colocados antes do verbo: . O Eusébio marcou um golo. Classificação 4. ou por mais do que uma oração: . Quem tudo quer tudo perde. 4. . . ou por uma oração: .Quando o sujeito é constituído por uma oração. diz-se que o sujeito é nulo. O Jorge Jesus errou na contratação do Roberto. É pena que tenhas faltado. .1. Quando tal sucede. ou pela combinação de um grupo nominal e de uma oração: . podemos formular uma pergunta ao verbo com o interrogativo Quem ou O que.3. . → Foi lamentável aquilo. É provável que o Benfica troca de guarda-redes. Sujeito composto O sujeito composto é constituído por mais do que um grupo nominal: . Eu e tu somos inteligentes. O Pedro e a Maria assaltaram a caixa de esmolas. pode ser substituído muitas vezes por um pronome demonstrativo: . O Antunes e quem o ama foram de férias para a Guatemala.2. → Quem marcou (um golo)? → Resposta: O Eusébio (= sujeito). → O que avariou? → Resposta: A televisão (= sujeito). A televisão avariou. Existem três tipos de sujeito nulo: 23 . . Foi lamentável que aquela bola não tivesse entrado. Sujeito nulo O sujeito é um elemento frásico sintacticamente obrigatório.

Diz-se que te vais reformar. .1. o sujeito nulo indeterminado por ser parafraseado por «alguém». o sujeito não está expresso na frase (não tem realização lexical). » o verbo ser: .. Quem disse? Quem falou? Quem diz? Quem bebe? Nenhuma das frases permite responder a cada uma das perguntas. acompanhado. Falou-se muito no acidente de hoje na A25. Chorei desalmadamente a morte do meu pai. Disseram que a ministra da Educação se demitiu. Ele há cada coisa! . Choveu torrencialmente. → sujeito: nós.4. São quinze horas e vinte e três minutos. No entanto. Por outro lado. «há quem». → sujeito: eu. Nevou no Paquistão. vivia na floresta de Tallac uma ursa. Faltámos à aula de Português. Há professores que não têm respeito pelos alunos.3. . » o verbo haver com sentido de existir: . «há pessoas que»: . Há muitos anos. . Sujeito nulo expletivo Este tipo de sujeito ocorre com verbos impessoais: » formas verbais referentes a fenómenos da natureza: .ª pessoa do plural ou do singular. Bebe-se demasiado álcool em Portugal. . .3. Sujeito nulo indeterminado Este tipo de sujeito não tem realização lexical e ocorre quando o verbo se encontra na 3. 4. . 4. » o verbo haver no início de determinados textos narrativos: . resultando daí uma ênfase da acção ou evento: . neste último caso. do pronome pessoal se com valor impessoal. Anoiteceu. determinadas regiões e determinados grupos sociais realizam o sujeito nulo expletivo recorrendo à forma pronominal pessoal ele.3. Sujeito nulo subentendido Neste caso. Ele muito trovejou hoje! 24 . daí concluirmos que o sujeito das quatro formas verbais é indeterminado.2.3.. contudo pode ser recuperado a partir do contexto e pela flexão verbal (pessoa e número): .

Sign up to vote on this title
UsefulNot useful