You are on page 1of 6

DOR  ONCOLÓGICA  

Tipos  de  dor:   Somática:  mais  frequente,  continua,  bem  localizada.  Ocorre  em  metástase  óssea,   infiltração  de  músculos  e  tecidos  moles;   Visceral:  Infiltraçãos,  compressão  ou  distensão  de  víscera  torácica  abdominal  ou  pélvia;   Dor  mal  localizada,  em  cólica  ou  constante.  descrita  como  profunda,  aperto  ou   pressão;  Quando  Aguda,  associada  com  disfunção  autonômica;   Neuropática:  Comressão  nervosa,  injuria  química,  infiltração  ou  destruição  de  nervos   periféricos  ou  medula  espinhal;  Dor  em  queimação,  geralmente  severa  e  continua;   Nem  sempre  existe  déficit  motor;   Lembrar  sempre  que  a  dor  é  um  sinal  de  alerta,  um  sintoma  e  não  diagnóstico.   Dor  Vicera  Maciça,  Distençao  da  capsula,  bien  localizado,  continua.   Dor  Vicera  Oca,  mal  localizado,  colica.  

  Escal  Del  DOR  0-­‐10  
1-­‐4  LEVE                                  5-­‐7  MODERADA                              8-­‐10  SEVERA  

Princípios  básicos  para  administração  de  analgésico:  
•  Usar  a  dose  adequada.  •  Titular  a  dose  de  maneira  individual  para  cada  paciente.   •  Administração  regular  nas  24  horas,  levando-­‐se  em  conta  a  farmacologia  da  droga.  

•Administração  de  doses  de  reforço  se  necessário.   •Prevenir  os  efeitos  colaterais  através  de  orientações  específicas.   •Simplificar  o  máximo  o  tratamento  analgésico.  •Usar  vo  sempre  que  possível.   •Revisão  contínua.  

 lesão  de  snc.   •Morfina  via  oral  5-­‐10  mg  de  4/4  horas.     •Drogas  adjuvantes   •Corticóide.  dividir   por  3.  multiplicar  por  3.   •8Metadona  endovenoso  2.   •Ibuprofeno  600  mg  de  8/8  horas.  potencialização   com  outras  drogas.   •Tramadol  endovenoso  50-­‐100  mg  de  6/6  horas.   •.  •Não  desenvolvem  tolerância.•  Confusão.                                                                                      Fortes:  morfina  e  metadona    •Doses  de  início  de  tratamento   •Codeína  30  mg  de  4/4  horas.   •Morfina  endovenoso  5  mg  de  4/4  horas.   •Analgésicos  opióides  •  Mecanismos  de  ação  e  efeitos  colaterais.   Drogas  e  doses  mais  utilizadas   •Acetominofen  500  mg  de  4/4  horas.   •Sedação:afastar  IRA.                                                              .5  mg  de  12/12  horas.insuficiência  hepática.   •  Desvantagens:doença  péptica.  falências  renal  e  hepática.Analgésicos  não  opióides   •Inflamação  ou  meta  óssea.                                      •Antidepressivo.Anticonvulsivante:gabapentina       .  •Vantagens:mecanismo  de  ação  e  toxicidade  diferem   dos  opióides.   •Metadona  via  oral  5  mg  de  12/12  horas.•  Xerostomia  •Depressão  respiratória.   •Dipirona  500  mg  de  4/4  horas.desidratação.   •Fracos:  codeína  e  tramadol.   Sempre  realizar  redução  gradativa.   •Dor  leve  ou  associado  a  opióides.   •Tramadol  via  oral  100  mg  de  6/6  horas.disfunção  plaquetária.  •Morfina  endovenoso  para  oral.   •AAS  500  mg  de  6/6  horas.     •Efeitos  colaterais  dos  opióides    •Constipação.   •Coeficiente  para  calcular  doses  equianalgésicas    •Morfina  oral  para  endovenoso.Náuseas.

3  Explique  em  termos  simples  o(s)  mecanismo(s)  adjacente(s).Sintomas  Neuropsicológicos   2.2  Candidíase  oral.delírio.3  Dispareunia.   1.  infiltração  tumoral.  1.2  Depressão   5  Cuidados  com  a  pele   5.1  Causados  pelo  câncer:  sangue  no  estômago.  hipóxia  noturna.   1.4  Discuta  as  opções  de  tratamento  com  pacientes  e  familiares.1  Insônia  causada  em  função  de:  dor.hipercalcemia.2  Compressão  de  medula  espinhal     Terapêutica  em  Câncer  Terminal     1  Princípios  Gerais    1.      5.  e  novos  sintomas   irão  aparecer     2  Tratamento  da  Dor   3  Sintomas  do  Tubo  Digestivo   3.  prurido.1  Estético.8  Orientação  cuidadosa.   dor.1  Causas:ansiedade.HIC.   1.   1.9  Revisão!  Revisão!  Revisão!  O  câncer  é  uma  doença  progressiva.2  Impotência.   n6.  derrames  pleural  e  pericárdico.1.ansiedade  dispnéia.1  Liderança  médica.           .   anemia.   1.4  Menopausa.1  Dispnéia:70%  dos  pacientes  terminais  apresentam.1  Pele  seca.3  Náuseas  e  vômitos   3.2  Avaliação  deve  preceder  o  tratamento.  obstrução.2  Pele  úmida.1  Depressão.  4.5  Prescreva  drogas  profiláticas  para  sintomas  persistentes.3  Úlcera  de  decúbito     6  Desordens  Respiratórias   6.                    2.   vômitos.  1.  3.tosse.depressão.uremia     4  Sintomas  Psicológicos   4.  1.5  Ostomias     2.   1.  1.1  Halitose.  mal  funcionamento  pulmonar  e  cardíaco.  constipação.  náuseas.6  Procure  o  conselho  de  um  colega  em  situações  aparentemente  intratáveis.  3.        5.  alterações  do  ritmo  do  sono.     1.3.7  Nunca  diga  “tentei  tudo”  ou  “não  há  mais  nada  o  que  fazer”  1.Cuidados  Com  Sobreviventes  do  Câncer     1  Problemas  Sexuais    1.

 hipocalcemia.2  Tosse:40%  dos  pacientes  com  câncer  avançado  apresentam.haloperidol.pn.2  Tratamento:clorpromazina  (Amplictil).   2-­‐2  Carcinoma  pobremente  diferenciado.  proteólise  muscular  e  lipólise.  falência  cardíaca.   Uma  pessoa  acometida  de  neoplasia  de  sítio  primário  desconhecido.  dpoc.   6.  quimioterapia  e   radioterapia     9  Caquexia   9.  infecção  de  ouvido.   3-­1  Neoplasia  Pobremente  Diferenciada     5%  de  todas  as  neoplasias  de  sítio  primário  desconhecido.  gordura  e  carboidrato.1  Doença  maligna  rapidamente  progressiva  e  não  responsiva  a  terapia.  benzodiazepínicos.2  Patogênese:  aumento  do  metabolismo  basal.3  Soluço   6.3.1  Profundo  processo  de  destruição.   hiponatremia.  uremia.rge.  ausência  de  saliva     6.       .2.  a  despeito  de  adequada  ingesta  calórica  e  nutrientes     11  Contra  indicações  para  NE  e  NPT   11.   2-­‐4  Carcinoma  de  células  escamosas.1Causas:  compressão  gástrica.   2-­‐3  Adenocarcinoma  bem  e  moderadamente  diferenciado.1Causas:gotejamento  nasal  posterior.   gliconeogênese.  apresenta   caracteristicamente.  injúria  aos  nervos  vago  e  frênico.      35%  a  65%  são  linfomas   Não  Hodgkin.   obstrução  respiratória.  mas  também  a  terapêutica:  cirurgia.    Importante  ter  em  mente  que  não  só  o   câncer  causa  emagrecimento.  asma.  caracterizado  por  queima  anormal  de  músculo   esquelético.  esofagite.  infecção.2  Há  evidência  de  doença  terminal  e  não  há  indicação  de  tratamento  antitumoral.6.   11.3.        Acima  de  15%  são  sarcomas  e  melanomas.metoclopramida     8  Emagrecimento   8.  os  sinais  e  sintomas  do  sítio  metastático     2-­  Classificação     2-­‐1  Neoplasia  pobremente  diferenciada.     Neoplasias  de  Sítio  Primário  Desconhecido     A  importância  da  imunoistoquímica.                8.1  Anorexia  +  desordem  no  metabolismo  induzida  pela  resposta  inflamatória  do   crescimento  tumoral.   6.

  1/3  são  adenocarcinoma  pobremente  diferenciado.      Acomete  meia  idade  ou  idosos.  rx  de  tórax  e  estudar  a  necessidade  de  realizar  tomografia   computadorizada  de  tórax  e  abdômen  total.  exame  físico.  fígado.  Examinar  cuidadosamente  vulva.   Todo  homem  deve  realizar  PSA  e  toda  mulher.   vagina.  laboratório  e  rx  de  tórax.   Tumores  de  células  germinativas  e  linfomas  são  encontrados  neste  grupo.  exame  físico.mediastino  e  retroperitôneo.                  Evidência  de  rápido  crescimento  tumoral     Sítios  predominantes:linfonodos  periféricos.  há  presença  de  carcinoma  pobremente  diferenciado       .   Avaliação:história  clínica.   40%  dos  tumores  têm  sítio  primário  descobertos  à  necrópsia     Diagnóstico:história  clínica.  colo  uterino.  pulmões  e  ossos.    2  Envolvimento  de  linfonodo  inguinal.   3-­3  Adenocarcinoma  de  Sítio  Primário  Desconhecido     São  os  mais  comuns  (60%  dos  pacientes)   Tipicamente  são  idosos  e  têm  tumor  metastático  em  múltiplos  sítios.  com  sobrevida  média  de  3-­‐4  meses.  Exame  digital  e  anuscopia.  mamografia.  Linfonodo  cervical  inferior  ou  supraclavicular:neoplasia  escamosa   de  pulmão.   Sítios  comuns  de  metástase:linfonodos.  60%  dos  pacientes  têm  o  sítio  primário  detectado.  geralmente  determinam  a  apresentação  clínica.   Extensiva  avaliação  de  áreas  assintomáticas.  exames  laboratoriais  incluindo  alfa  feto   proteína  e  beta  hcg.  próstata  e  ovário.  com  resultados   falso  positivos     3-­4  Carcinoma  Escamoso  de  Sítio  Primário  Desconhecido      Envolvimento  de  linfonodo  cervical  e/ou  supraclavicular    Linfonodos  cervicais  são  os   sítios  metastáticos  mais  frequentes.   A  maioria  apresenta-­‐se  com  múltiplos  sítios  metastáticos  e  pobre  PS.  raramente  são  o  sítio  primário.    Abuso  de  álcool   e/ou  fumo        Linfonodo  cervical  superior  ou  médio:tumores  de  cabeça  e  pescoço  e  terço   superior  do  esôfago.   Os  sítios  com  envolvimento  tumoral.  é  cara  e  raramente  útil.  Em  50%  dos   casos.   Pobre  prognóstico.   Adenocarcinoma  de  mama.   O  curso  clínico  é  geralmente  dominado  por  sinais  e  sintomas  relacionados  à  metástase.  pênis  e  bolsa  testicular.3-­2  Carcinoma  Pobremente  Diferenciado     30%  das  neoplasias  de  sítio  primário  desconhecido.   Rápida  progressão  dos  sintomas.   Os  sítios  primários  mais  frequentes  são  pulmão  e  pâncreas  (40%  dos  sítios  primários   identificados).   À  necrópsia.

  b)ficar  alerta  para  os  primeiros  sinais  e  sintomas.  90%  da  vida  biológica  do  tumor  já  está  alcançada.  TRH.  hormônios.  por  exemplo).  é  possível  prevenir   a  progressão  da  doença  e  suas  complicações     Prevenção  Terciária     Objetivo:evitar  recidiva  local  e/ou  doença  metastática  após  tratamento  com  intenção   curativa           Câncer  de  mama:  o  risco  atribuído  a  obesidade  no  desenvolvimento  do  câncer  de  mama   pós  menopausa  é  comparável  a  história  familiar     Há  evidências  que  os  hormônios  não  causem  degeneração  maligna  dos  tecidos.  Câncer  de  próstata:exposição  exacerbada  a  testosterona       .   Prevenção  Primária     Objetivo:reduzir  a  incidência  do  câncer.  via  redução  da  incidência  do  câncer.    Estima-­‐se  que   30%  de  todas  as  mortes  provocadas  pelo  câncer.Prevenção  do  Câncer       a)câncer  não  apresenta  sinais  ou  sintomas  em  fases  iniciais.    O  alvo  é  o  indivíduo  sadio.  radiação.   d)os  tratamentos  são  caros  e  mutiladores.  mas   estimulariam  o  crescimento  de  lesões  pré  malignas.  etc).   c)ao  diagnóstico.     Prevenção:redução  da  mortalidade.    Quando  tratado  efetivamente.  35%   com  a  dieta  e  35%  com  outras  causas  (vírus.    Câncer  de  mama:exposição   exacerbada  ao  estrogênio.  estejam  relacionados  com  fumo.  menopausa  induzida  (proteção).   Câncer  de  endométrio:exposição  exacerbada  ao  estrogênio.   Prevenção  Secundária     Objetivo:detectar  lesões  pré  malignas.  obesidade  e  síndrome  do   ovário  policístico.  controlando  ou  evitando  exposição  aos  fatores   de  risco  ou  aumentando  a  resistência  do  indivíduo  para  estes  fatores  de  risco  (por   imunização.