38

Universidade Regional do Noroeste do Estado do Rio Grande do Sul
DCEEng – Departamento de Ciências Exatas e Engenharias
Cursos: Engenharia Civil, Elétrica e Mecânica e Ciência da Computação












Apostila de
Cálculo I
















Ijuí, março de 2012

2





CRONOGRAMA

Data Descrição do desenvolvimento da aula
28/02/2012
Apresentação e discussão do plano de ensino. Conceitos gerais de funções, exemplos e
resolução de exercícios. Apresentação do trabalho avaliativo que será desenvolvido no
decorrer das aulas, durante o semestre.
06/03/2012
Estudo da função Linear, Quadrática e definida por mais de uma sentença. Conceitos,
exemplos e exercícios. Apresentação do aplicativo Winplot e simulações gráficas.
13/03/2012
Estudo da função cúbica, racional, irracional e modular. Exemplos e resolução de
exercícios. Introdução ao estudo de limites.
20/03/2012
Revisão de potências e logaritmos. Estudo da função exponencial e logarítmica,
exercícios. Introdução ao estudo de limites. Lista de exercícios complementar sobre as
funções já estudadas.
27/03/2012
Estudo das funções trigonométricas e hiperbólicas(diretas, inversas),exemplos,
simulações gráficas e resolução de exercícios.
03/04/2012 Formalização do conceito de limite. Teoremas, exemplos e resolução de exercícios.
10/04/2012
Continuidade de funções no ponto e em intervalos. Definições, exemplos e resolução de
exercícios. Revisão para a primeira avaliação.
17/04/2012 Avaliação Parcial.
24/04/2012
Entrega e discussão da Avaliação Parcial. Estudo da derivada no ponto. Interpretação
geométrica da derivada. Definição, exemplos e exercícios.
08/05/2012 Teoremas de derivadas de funções algébricas, exemplos e resolução de exercícios.
15/05/2012
Revisão sobre fatoração e simplificação. Teoremas da derivada (Regra da Cadeia),
exemplos e resolução de exercícios.
22/05/2012 Teoremas de derivadas (funções transcendentes), exemplos e resolução de exercícios.
29/05/2012 Derivada implícita, exemplos, exercícios. Revisão para a segunda avaliação.
05/06/2012 Avaliação parcial.
12/06/2012
Entrega e discussão da Avaliação Parcial. Derivada de ordem superior, aplicações da
derivada, exemplos e resolução de exercícios.
19/06/2012 Problemas de otimização, exemplos, exercícios.
26/06/2012 Resolução de Exercícios (Revisão Geral).
03/07/2012 Avaliação Sistematizadora.
3

1. FUNÇÕES

Situações-problema podem envolver diversas variáveis. As funções são instrumentos para
estudar as relações, correspondências ou possíveis associações entre essas variáveis. As funções
muitas vezes são modelos matemáticos que representam e simplificam situações reais.
Muitas leis científicas e princípios de Engenharia descrevem como uma quantidade depende da
outra. Em 1673, essa ideia foi formalizada por Leibniz, que cunhou o termo função para indicar a
dependência de uma quantidade em relação à outra.

Exemplos
A área de um círculo depende de seu raio. A lei que relaciona r e Aé dada pela equação
2
r A π = . A cada
número r positivo existe associado um único valor deA e dizemos que A e função de r.

A população humana mundial P depende do tempo t. Por exemplo, P(2000)=6 080 000 000. Para cada
valor do tempo t, existe um valor de P correspondente e dizemos que P é função de t.

O custo C de enviar uma carta pelo correio depende de seu peso w. Embora não haja uma fórmula
simples relacionando w e C, o correio tem uma fórmula que permite calcular C quando é dado w.


Definição: Uma Função expressa o relacionamento entre duas variáveis. Se duas variáveis “x” e “y”
estão relacionadas de forma que “para cada valor atribuído a “x”, existe um único valor associado a
“y”, então dizemos que “y” é uma função de “x” e escrevemos y = f(x).






Teste da vertical: Uma curva no plano xy é o gráfico de uma função de x se e somente se se nenhuma
reta vertical cortar a curva mais de uma vez.




Variável independente
Variável dependente
y = f(x)
4

Conceitos Gerais de funções

Domínio D(f): É o conjunto das abcissas dos pontos do gráfico, isto é, todos os valores que se pode
atribuir à variável x de modo que exista a variável y.

Imagem Im(f): É o conjunto das ordenadas dos pontos do gráfico, isto é, são os valores da variável y.

Gráfico: O gráfico de f consiste em todos os pontos (x, y) do plano coordenado tais que y=f(x) e x está
no domínio de f. O gráfico de uma função f nos dá uma imagem útil do comportamento de uma
função e, também nos permite visualizar o domínio sobre o eixo x (abscissas) e a imagem sobre o eixo
y (ordenadas). Uma vez que a coordenada y de qualquer ponto (x, y) sobre o gráfico é y=f(x).




Zeros de uma função: Os valores de x para os quais ( ) 0 x f = chamam-se zeros ou raízes de uma
função. Matematicamente x é zero de ( ) ( ) 0 x f x f y = ⇔ = .
Geometricamente os zeros de uma função são as abscissas dos pontos onde o gráfico intercepta o eixo
dos x.
No gráfico, temos:
( ) ( )
( ) ( ) 0 5 f e 0 1 f
ou 0 , 5 B e 0 , 1 A
= =

Logo, os números 1 e 5 são os zeros (raízes) da função.


Sinal de uma função: Para estudar o sinal de uma função temos que verificar para que valores de x
temos ( ) ( ) ( ) 0 x f ou 0 x f , 0 x f < = > . Quando a função esta representada no plano cartesiano, basta
examinar se é positiva, nula ou negativa a ordenada
de cada ponto da curva.

5



Função crescente e função decrescente: Sendo x
1
e x
2
elementos quaisquer de um conjunto ( ) f D A ⊂ ,
com
2 1
x x < , diz-se que a função é crescente em A se ( ) ( )
2 1
x f x f < e decrescente se ( ) ( )
2 1
x f x f > .
Considere a função y=f(x) definida pelo gráfico.


Observe que no intervalo A, aumentando o valor de x,
aumenta também o valor de y. Dizemos então que a função é
crescente no intervalo A.
No intervalo B, aumentando o valor de x, o valor de y
diminui. Dizemos então que a função é decrescente no
intervalo B.



Lista 1

Considerando o gráfico de cada uma das funções, responda as questões abaixo:

1. ( ) 4 x 2 x f + =
a) Qual é o domínio da função?
b) Qual é a imagem da função?
c) A função é crescente ou decrescente?
d) Para que valor de x, ( ) 0 x f = ?
e) Para que valores de x, ( ) 0 x f > ?
f) Para que valores de x, ( ) 0 x f < ?
g) A função tem algum ponto de máximo ou de mínimo?



2. ( ) 1 x x f
2
+ − =

Qual é o domínio da função?
Qual é a imagem da função?
Para que valores de x, ( ) f x é crescente?
Para que valores de x, ( ) f x é decrescente?
Para que valores de x, ( ) 0 x f = ?
Para que valores de x, ( ) 0 x f > ?
Para que valores de x, ( ) 0 x f < ?
Qual é o valor máximo da função?

x
y
A B
crescente decrescente
6

3. ( )
x
2 x f = .
a) Qual é o domínio da função?
b) Qual é a imagem da função?
c) Existe x, tal que
( ) 0 x f =
?
d) A função é crescente ou decrescente?
e) Existe x, tal que
( ) 0 x f <
?
f) Para que valor de x, ( ) 1 x f = ?
g) Para que valores de x, ( ) 2 x f > ?




4. ( )
x
2
x f =
a) Qual é o domínio da função?
b) Qual é a imagem da função?
c) A função é crescente ou decrescente?
d) Para que valores de x, ( ) 0 x f > ?
e) Para que valores de x, ( ) 0 x f < ?
f) Para valores de x positivos cada vez maiores, o
valor de ( ) x f se aproxima de que número?
g) Para valores de x negativos cada vez menores, o
valor de ( ) x f se aproxima de que número?

5. Considere o gráfico de f(x) e determine o que se pede.

a) O valor de f(0) e, a imagem do elemento 7.
b) O elemento do domínio cuja imagem é 3.
c) Qual é o valor maior, f(1) ou f(6)?
d) Quais os valores de x que tem como imagem o zero?
e) f(4) é positiva ou negativa?
f) f(6) é positiva ou negativa?
g) Quais são o domínio e a imagem de f(x)?
7

2. FUNÇÕES ALGÉBRICAS

Função linear ou de 1º grau

Definição: Uma função f de ℜ em ℜ recebe o nome de função linear, definida pela lei

( ) b ax x f + =


Com a e b pertencentes a ℜ, a ≠ 0 .

Os coeficientes de b ax y + = ⇒
¹
´
¦
=
=
reta da linear e coeficient b
reta da declive ou angular e coeficient a


Declividade (coeficiente angular)

A direção de uma reta é determinada pela sua declividade, que é definida em termos do ângulo
entre a reta e o eixo x
( )
x
y
x x
y y
tg a
1 2
1 2


=


= θ =

então podemos escrever:

→ − = − ) x x ( a y y
1 1
equação geral da reta

Exemplos
a) ( )
5
3
x 2 x f + = b)
3
2 x
y
+ −
= c) ( ) 4
2
x 3
x f + = d) ( ) x 3 x f − =

Gráfico
O gráfico da função ( ) b ax x f + = é uma reta não paralela nem ao eixo x nem ao eixo y. Seu
domínio é ( ) ℜ = f D e sua imagem é ( ) ℜ = f Im .




8

Função quadrática ou do 2º grau

Definição: Uma função f de ℜ em ℜ recebe o nome de função quadrática, definida pela lei

( ) c bx ax x f
2
+ + =

coma , b, c reais e a ≠ 0 .

Exemplos
a) ( ) 3 x 4 x x f
2
+ − = b)
2
x 9 y − = c) ( )
2
x x f − =

d) ( )
5
2
x 4
3
x
x f
2
+ + − =

Gráfico
O gráfico de uma função do 2º grau é uma curva aberta chamada parábola. A parábola poderá
ter concavidade voltada para cima ou para baixo.
se 0 a > , a concavidade é voltada para cima.
se 0 a < , a concavidade é voltada para baixo.

Zeros (ou raízes)
Denominam-se zeros ou raízes de uma função de 2º grau os valores de x que anulam a função,
ou seja, que tornam ( ) 0 x f = .
Assim, para determinar os zeros ou raízes de uma função do 2º grau devemos resolver a
equação do 2º grau 0 c bx ax
2
= + + , que é resolvida através de Bháskara
a 2
b
x
∆ ± −
= , onde
ac 4 b
2
− = ∆ .
se 0 > ∆ : a função ( ) c bx ax x f
2
+ + = tem duas raízes reais desiguais;
se 0 = ∆ : a função ( ) c bx ax x f
2
+ + = tem duas raízes reais iguais;
se 0 < ∆ : a função ( ) c bx ax x f
2
+ + = não tem raízes reais;

Gráficos da Função Quadrática


Gráficos para . mente respectiva , 0 e 0 , 0 , 0 a < ∆ = ∆ > ∆ >



Gráficos para . mente respectiva , 0 e 0 , 0 , 0 a < ∆ = ∆ > ∆ <
9


Estudo do Vértice
A parábola, que representa o gráfico da função ( ) c bx ax x f
2
+ + = , passa por um ponto V,
chamado vértice, cujas coordenadas são
a 2
b
x
v
− = (abscissa) e
a 4
y
v

− = (ordenada).
Vértice de uma parábola:
|
¹
|

\
|

− − =
a 4
,
a 2
b
V








Exemplo
a) Construir o gráfico da função 3 x 2 x y
2
− − =
Encontrando as raízes:
0 3 x 2 x
2
= − −
16 = ∆ (a função tem duas raízes reais distintas)
¹
´
¦
− =
=
±
=
1 x
3 x
2
4 2
x
2
1

Vértice: 4
) 1 ( 4
16
y ; 1
1 . 2
) 2 (
x
v v
− =

= =
− −
=

Análise do gráfico
O conjunto Domínio é: ℜ = D ; O conjunto Imagem é: { } 4 y / y Im − ≥ ℜ ∈ = (ver y
v
)
f(x) é crescente para valores no intervalo x > 1 (ver x
v
)
f(x) é decrescente para valores no intervalo x < 1 (ver x
v
)
f(x) é nula (f(x) = 0)para valores de x = -1 e x = 3 (ver raízes)
f(x) é positiva (f(x) > 0) para valores no intervalox < -1 e x > 3 (ver raízes)
f(x) é negativa (f(x) < 0) para valoresno intervalo -1 < x < 3 (ver raízes)
f(x) possui um mínimo absoluto em x = 1 (ver x
v
)

Função Cúbica

Definição: Uma função f de ℜ em ℜ recebe o nome de função cúbica, definida pela lei

d cx bx ax y
2 3
+ + + =

em que 0 a ≠ e b, c e d são constantes.

raiz
10


Gráfico
O gráfico de uma função cúbica é uma curva que pode apresentar pontos de máximos e
mínimos. O domínio e a imagem é sempre o conjunto dos números reais. Os valores para os quais
f(x)=0, recebem o nome de zeros da função cúbica. Uma função de grau 3, tem exatamente 3 raízes
reais ou complexas, (com no mínimo uma raiz real), desde que cada raiz seja contada de acordo com
sua multiplicidade. O termo independente determina a interseção com o eixo y.

Zeros (ou raízes)
Caso 1. Quando o polinômio é da forma incompleta, não contendo o termo d, sempre uma das raízes
será zero, ou seja, interceptará o eixo y na origem.


Exemplos
1. f(x)= x
3
+ 2x
2
+ x
x
3
+ 2x
2
+ x = 0
x(x
2
+ 2x + 1) = 0 e então uma das raízes será zero e as outras duas serão obtidas da equação
de segundo grau, x
2
+ 2x + 1 = 0

2. f(x)= x
3
- 7x
2
x
3
- 7x
2
= 0
x
2
(x- 7)=0 e então duas das raízes serão zero e a outra será obtida da equação x-7=0

Caso 2: Quando o polinômio é da forma incompleta, contendo o termo d, ou da forma completa, as
raízes serão determinadas aplicando o método de Briot-Ruffini.

Determinação do método Ruffini
Seja f(x) = ax
3
+ bx
2
+ cx +d, escreve-se esquematicamente

a b c d
x
o
a ax
o
x
o
k
1
x
o
k
2
a b+ax
o
= k
1
c+x
o
k
1
= k
2
d + x
o
k
2


Se d + x
o
k
2
= 0 então x
o
é uma raiz de f(x). E os coeficientes restantes formarão uma função do
segundo grau.

Exemplos
1. Seja f(x) = x
3
– 7x
2
+ 16x –10. Determine as raízes.

1 -7 16 -10
1 1 1 -6 10

1 -6 10 0

Como f(1) = 0, então 1 é uma das raízes de f(x). As outras duas são raízes da equação
x
2
– 6x +10 = 0
11


2. Seja f(x) = x
3
- 3x + 2,determinar as raízes e esboçar o gráfico.

1 0 -3 2
1 1 1 1 -2

1 1 -2 0

Como f(1) = 0, então 1 é uma das raízes de f(x). As outras duas
são raízes da equação x
2
+ x –2 = 0 Sendo x
2
+ x –2= 0, então
x’=x’’=1 (com multiplicidade 2) e x’’’ = -2.



3. Seja ( ) x 6 x x x f
2 3
− + = determinar o domínio, a imagem, as
raízes e a interseção com o eixo y.
Solução
D= R
Im=R
Raízes: x = -3, x = 0 e x = 2
Interseção com o eixo y no ponto (0, 0)




Lista 2
A) Faça o esboço dos gráficos das funções (letras a e b em um mesmo sistema cartesiano) e observe as
modificações que ocorrem de acordo com as variações dos coeficientes.

1. a) 2 x 2 ) x ( f + = b) 2 x 2 ) x ( g + − =
2. a)
4
2 x
) x ( f
+
= b)
4
2 x 2
) x ( g
+ −
=
3. a) 1 x ) x ( f − = b) 1
2
x
) x ( g − =
4. a) 2 x ) x ( f + = b) 1 x ) x ( g − =
5. a) 1 x
2
3
) x ( f + = b) 1 x
2
3
) x ( g − =
6. a) 4
3
x
) x ( f +

= b) 6
3
x
) x ( g +

=
7. a) 4 x ) x ( f
2
− = b) 4 x 2 ) x ( g
2
− =
8. a) x 4 x ) x ( f
2
− = b) x 2 x ) x ( g
2
+ =
9. a) 4 x ) x ( f
2
− = b) 2 x ) x ( g
2
+ =
10. a) 4 x 4 x ) x ( f
2
+ − = b) 4 x 4 x ) x ( g
2
+ + =
11. a) 1 x 2 x ) x ( f
2
+ − = b) 3 x 2 x ) x ( g
2
+ − =


12

B) Das funções definidas abaixo, faça o esboço do gráfico e determine:
a) o domínio e a imagem;
c) a raiz ou as raízes (caso existam);
d)o(s) intervalo(s) onde a função é positiva(caso exista(m));

1)
2
x 3 4
y

= 2)
3
4
x 3 y + = 3) 3 x 2 x y
2
− − =

4)
2
1
x
2
1
x y
2
+ + − =

5) ( ) 6 x 5 x 2 x x f
2 3
+ − − = 6) ( ) 16 x 20 x 2 x 2 x f
2 3
− + − − = 7) x 2 y =

8) 1 x y
2
− − = 9) x 3 x 2 x y
2 3
+ + − =

10) x 2 x y
2
+ = 11) 2 x y
3
+ =


12) Determine a função linear que passa pelos pontos (-1, -1) e (1/3 , 3).

13) Determine a função quadrática que intercepta o eixo x em -3 e 2 e passa pelo ponto (1, -4).

Os gráficos poderão ser analisados com o uso de aplicativo gráfico.


Função racional ou fracionária

Definição: Uma função racional f é a razão entre dois polinômios:

( )
) x ( Q
) x ( P
x f =

onde P e Q são polinômios.

Exemplo:Seja ( )
1 x
1
x f

= . Determinar o domínio a imagem, raízes, interseção com o eixo y, assíntota
vertical assíntota horizontal.
Solução
{ } 1 x / R x D ≠ ∈ =
Im=R
*
A função dada não possui raízes
Interseção com o eixo y no ponto (0, -1)
Assíntota vertical em x = 1
Assíntota horizontal em y = 0




13

Função irracional

Definição: Uma função irracional f é dada pela lei
( )
n
) x ( P x f =
onde n é um número inteiro e P é um polinômio.

Exemplo: Seja 2 x y + = , determinar o domínio, a imagem, as raízes e a interseção com o eixo y.
Solução
{ } 2 x / R x D − ≥ ∈ =
Im=R
+
Raiz em x = -2
Possui interseção com o eixo y em ( ) 2 , 0


Função modular

Definição:Uma função é modular se: x ) x ( f = , como sendo,
( )
¹
´
¦
< −

=
0 x se x
0 x se x
x f

Exemplo: Se 1 x ) x ( f + = , graficamente temos:
Solução
R D =
Im=R
+
Raiz em x = -1
Possui interseção com o eixo y em ( ) 1 , 0


Funções definidas por mais de uma sentença

Definição: Uma função f pode ser definida por várias sentenças, cada uma das quais está ligada a um
domínio D, contido no domínio de f.

Exemplo

¹
´
¦
> +
≤ −
=
2 x para , 4 x
2 x para , 1 x
) x ( f
2


D = R; { } 1 y / R y Im − ≥ ∈ =
Raízes em x = -1 e x = 1
Ponto de mínimo (0, -1)
14

Lista 3
A. Das funções definidas abaixo, determine: a) o domínio e a imagem; b) as raízes (caso existam); c) o
esboço do gráfico, analisando as modificações gráficas.
1. a)
x
1
y = b)
x
2
y

=
2. a)
2 x
3
y
+
= b)
1 x
3
y
+
=
3. a) x y = b) x 2 y =
4.a) 5 x 2 y − = b) 2 x 2 y − =
5. a) 2 x y + − = b) 2 x y − − =
6. a) 4 x 2 y − = b) 4 x 2 y + =

B. Faça o esboço do gráfico das funções a seguir.
1. 1 x y
2
− =
2. 3 x y + − =
3.
¦
¹
¦
´
¦

< +
=
1 x se x
1 x se 1 x
) x ( f
2

4.
¹
´
¦
> + −
≤ −
=
3 x se 4 x
3 x se 2 x
y
5. ( )
¹
´
¦
>
≤ −
=
1 x se 3
1 x se 2 x
x f

Se necessário, utilize um aplicativo gráfico para realizar a correção.

Resolver exercícios complementares Lista 1

Estudos complementares, exemplos e situações no livro online capitulo 2, itens 2.1 a 2.7

3. FUNÇÕES TRANSCENDENTES

Função exponencial

Definição: Seja a um número real positivo e diferente de 1( ) 1 a e a
*
≠ ℜ ∈
+
. Chamamos de função
exponencial de base a à função F:
*
+
ℜ → ℜ , definida por

f(x) = a
x

São exemplos de funções exponenciais:
a) f(x) = 5
x
b) f(x) = (0,4)
x
c) f(x) = ( )
x
5


15

Análise da Função
1. O gráfico fica totalmente acima do eixo “x” e corta o eixo “y” em (0, 1).
2. É crescente quando a > 1.
3. É decrescente quando 0 < a <1 .
4. D = Re Im = R
+
*
.

a>1 0<a<1









f(x) é crescente e Im=IR
+

Para quaisquer x
1
e x
2
do domínio:
x
2
>x
1
⇒ y
2
>y
1










f(x) é decrescente e Im=IR
+

Para quaisquer x
1
e x
2
do domínio:
x
2
>x
1
⇒ y
2
<y
1



A função y = e
x
é também uma função exponencial cuja base é o número irracional
e=2,718281828459..... O número e é irracional, isto é, não pode ser obtido como quociente (p/q) de
dois inteiros. Mais ainda: é um irracional transcendente. Isto significa que não existe um polinômio
P(x) com coeficientes inteiros, que se anule para x = e.



Função logarítmica
Definição: Seja a um número real, positivo e diferente de 1 (quer dizer { } 1 a
*
− ℜ ∈
+
. Chamamos de
função logarítmica de base a à função g: ℜ → ℜ
+
*
definida por

g(x) = log
a
x

Observe que o domínio da função é
*
+
ℜ , ou seja, somente valores positivos poderão ser
atribuídos a x.

São exemplos de funções logarítmicas: a) f(x) = log
3
x ; b)g(x) = x log
2
1


Análise da função
1. f(x) = x log
a
é inversa de g(x) = a
x
ou seja a
x
= y ⇔ x log
a
.


16

2. A função é crescente para a > 1.
3. A função é decrescente para 0 <a< 1.
4. O gráfico não intercepta o eixo “y” e corta o eixo “x” em (1,0).
5) D = R
+
*
e Im = R.

a>1 0<a<1










f(x) é crescente e Im=IR
Para quaisquer x
1
e x
2
do domínio:
x
2
>x
1
⇒ y
2
>y
1











f(x) é decrescente e Im=IR
Para quaisquer x
1
e x
2
do domínio:
x
2
>x
1
⇒ y
2
<y
1



Função Logarítmica Natural ou Neperiana

f(x) = ln x ou log
e
x = ln x.

Lista 4
Construa o gráfico das seguintes funções, determine o domínio e a imagem e classifique a função
como crescente ou decrescente.
a)
x
2 y =

b)
x
) 5 , 0 ( y = c)
x
e y =

d) ( ) 1 x log y − = e) ( ) x log y
3
1
= d) ( ) x ln y =

Estudos complementares, exemplos e situações no livro online capitulo 2,
itens2.10 e 2.13


Funções Trigonométricas

Quando se observam fenômenos que se repetem periodicamente, como as variações da
temperatura terrestre, o comportamento ondulatório do som, a pressão sanguínea no coração, os
níveis de água dos oceanos, etc., estes podem ser modelados por funções trigonométricas.
Os gráficos das funções trigonométricas básicas, seno e cosseno, descrevem esses
comportamentos e podem ser gerados a partir de um círculo trigonométrico de raio unitário.


17

Das relações dessas funções com círculo unitário surgem as relações trigonométricas. Dentre
muitas, algumas estão destacadas abaixo.

Relações Fundamentais e Derivadas
1 x cos x sen ) 1
2 2
= + 0 x cos ;
x cos
senx
x tg ) 2 ≠ =
0 senx ;
senx
x cos
x g cot ) 3 ≠ = 0 x cos ;
x cos
1
x sec ) 4 ≠ =
0 senx ;
senx
1
x sec cos ) 5 ≠ =


Funções trigonométricas diretas

Função Seno
A função que associa a cada x pertencente a R e indicamos: f(x) = sin (x).
Análise da função
1) D = R
2) Im = [-1,1].
3) Valor máximo ⇒ y = 1.
4) Valor mínimo ⇒ y = -1.
5) É periódica e o período é 2π⇒ P = 2π.


A amplitude de uma oscilação é a metade da distância entre os valores máximos e mínimos.
O período de uma oscilação é o tempo necessário para a oscilação evoluir um ciclo completo.

Função Cosseno


A função que associa a cada x pertencente a R e indicamos: f(x) = cos (x).
Análise da função
1) D = R.
2) Im = [-1, 1].
3) Valor máximo ⇒ y = 1.
4) Valor mínimo ⇒ y = -1.
5) É periódica e o período é 2π⇒ P = 2π.







18

Função Tangente
É uma função que associa a cada Ζ ∈ π +
π
≠ k , k
2
x o número tan(x) pertencente aos reais e indicamos
por: ( ) x tan ) x ( f = ( )
( )
( ) x cos
x sin
x tan = com ( ) 0 x cos ≠
Analise da função
1) / x { D ℜ ∈ = Ζ ∈ π +
π
≠ k , k
2
x }
2) ℜ = Im
3) Valor Máximo ⇒∃/ .
4) Valor Mínimo ⇒∃/ .
5) Período π = →P


Função Cotangente

É uma função que associa a cada Ζ ∈ π ≠ k , k x o número cot(x) pertencente aos reais e indicamos por:
( ) x cot ) x ( f = ( )
( )
( ) x sin
x cos
x cot = com ( ) 0 x sin ≠
Analise da função
1) / x { D ℜ ∈ = Ζ ∈ π ≠ k , k x }
2) ℜ = Im
3) Valor Máximo ⇒∃/ .
4) Valor Mínimo ⇒∃/ .
5)Período π = →P



Função Secante
A função que associa a cada Ζ ∈ π +
π
≠ k , k
2
x , o número sec(x) pertencente aos reais e indicamos por:
( ) x sec ) x ( f = ( )
( ) x cos
1
x sec = com ( ) 0 x cos ≠
Analise da função
1) / x { D ℜ ∈ = Ζ ∈ π +
π
≠ k , k
2
x }
2) [ 1 , 1 ] Im − ℜ− =
3) Valor Máximo ⇒∃/ .
4) Valor Mínimo ⇒∃/ .
5) Período π 2 = →P





19

Função Cossecante

É uma função que associa a cada Ζ ∈ π ≠ k , k x o número csc(x) pertencente aos reais e indicamos por
( ) x csc ) x ( f = ( )
( ) x sin
1
x csc = com ( ) 0 x sin ≠
Analise da função
1) / x { D ℜ ∈ = Ζ ∈ π ≠ k , k x }
2) [ 1 , 1 ] Im − ℜ− =
3) Valor Máximo ⇒∃/
4) Valor Mínimo ⇒∃/ .
5) Período π 2 = →P



Lista 5
Construa o gráfico das funções indicando período, imagem e domínio. Analise a influência de cada um
dos parâmetros a, b e c , na função f(x)=b+asen(cx), comparando com a função y = sen(x).
a) f(x)= 2+sen (x)
b) f(x) = - 2sen (x)
c) f(x) = -1 + 2sen (x).
d) f(x) = (1/2) sen (x)
e) f(x) =sen (2x)


Estudos complementares, exemplos e situações no livro online capitulo 2, item 2.15


Funções trigonométricas inversas

Função Arco seno
Em relação à ( ) x sin arc ) x ( f = temos:
D = [-1, 1] Im =
(
¸
(

¸

π π

2
,
2




Função Arco cosseno
Em relação à ( ) x cos arc ) x ( f = temos:
D = [-1, 1] Im = [ ] π , 0



20


Função Arco Tangente
Em relação à ( ) x tan arc ) x ( f = temos:
D = RIm =

¸

(
¸
(
π π

2
,
2





Estudos complementares, exemplos e situações no livro online capitulo 2, item 2.16.


Funções hiperbólicas

As funções hiperbólicas são definidas como combinações de funções exponenciais e estão
relacionadas com a hipérbole, da mesma maneira que as funções trigonométricas estão relacionadas
com o círculo. As funções seno e co-seno hiperbólico são denotadas e definidas respectivamente
como ( ) ( )
2
e e
x senh x f
x x −

= = ; ( ) ( )
2
e e
x cosh x f
x x −
+
= = .






Gráficosde f(x) = senh(x) e cosh(x), respectivamente.

As demais funções trigonométricas hiperbólicas são obtidas através das relações do senh(x) e cosh(x) e
são elas:
( ) ( )
x x
x x
e e
e e
x tanh x f


+

= = , ( ) ( )
x x
x x
e e
e e
x gh cot x f



+
= = , ( ) ( )
x x
e e
2
x h sec x f

+
= = , ( ) ( )
x x
e e
2
x h csc x f


= = .


Gráficos de f(x) = tanh(x) e coth(x), respectivamente.

21


Gráficosde f(x) = sech(x) e cosch(x), respectivamente.


Veja mais exemplos e situações no livro online capitulo 2, tem 2.17.


Funções hiperbólicas inversas

Função Arco Seno Hiperbólico
Definida por arcsinh(x)= ) 1 x x ( ln
2
+ + , onde o
D = R e a Im = R.



Função Arco Cosseno Hiperbólico
Definida por arccosh(x)= ) 1 x x ( ln
2
− + , onde o
D = [1, ∞[ e a Im = [0, ∞[.



Função Arco Tangente Hiperbólica
Definida por arctanh(x)=
|
¹
|

\
|

+

x 1
x 1
ln
2
1
,
onde o D = ]-1, 1[ e a Im = R.




3. LIMITES E CONTINUIDADE

O desenvolvimento teórico de grande parte do Cálculo foi realizado utilizando a noção de
limite. Por exemplo, as definições de derivada e de integral definida, independentemente de seu
significado geométrico ou físico, são estabelecidas usando limites.


22

DEFINIÇÃO
Dada uma função y = f (x), a teoria dos limites estuda a que valor tende y, a medida em que x
tender a um determinado valor x
0
. Se x → x
0
tanto pela direita como pela esquerda e y tender a um
mesmo valor L então dizemos que ( ) L x f lim
0
x x
=


Exemplo
Para calcular o limite da função
1 x
1 x x 2
) x ( f
2

− −
= quando x →1, vamos utilizar a definição de
limites, ou seja, analisar os limites laterais, isto é, o ) x ( f lim
1 x


e o ) x ( f lim
1 x
+

.
x → 1
-
f (x) x → 1
+
f (x)




como 3 ) x ( f lim
1 x
=
+

e 3 ) x ( f lim
1 x
=


então 3 ) x ( f lim
1 x
=

, caso contrário, diz-se que a função é ilimitada.

Observamos que na medida em que x fica cada vez mais próximo de 1, f(x) torna-se cada vez mais
próximo de 3. Graficamente temos









Teoremas sobre limites

Suponha que L ) x ( f lim
a x
=

e M ) x ( g lim
a x
=

, então:

1. ) x ( g ) x ( f lim
a x
±

= M L ) x ( g lim ) x ( f lim
a x a x
± = ±
→ →

2. ) x ( g ) x ( f lim
a x


= M L ) x ( g lim ) x ( f lim
a x a x
⋅ = ⋅
→ →

3. ) x ( f c lim
a x


= L c ) x ( f lim c
a x
⋅ = ⋅


4.
) x ( g
) x ( f
lim
a x→
=
M
L
) x ( g lim
) x ( f lim
a x
a x
=



5. ( )
c
a x
) x ( g lim

= ( )
c c
a x
M ) x ( g lim =


6. c c lim
a x
=


23

7. a x lim
a x
=


8. b ma ) b mx ( lim
a x
+ = +


9. Se r é um inteiro positivo qualquer então
( ) ( ) 0
x
1
lim ii 0
x
1
lim i
r
x
r
x
= =
∞ − → ∞ + →

10. ∞ =

r
0 x
x
1
lim
¹
´
¦

∞ −
=
∞ =


+

par é r se
ímpar é r se
x
1
lim ) ii
x
1
lim ) i
r
0 x
r
0 x


11. Se 0 ) x ( f lim
a x
=

e c ) x ( g lim
a x
=


Se c > 0 e f(x) → 0 para valores positivos Se c < 0 e f(x) → 0 para valores positivos
∞ =

) x ( f
) x ( g
lim ) i
a x
−∞ =

) x ( f
) x ( g
lim ) iii
a x

Se c > 0 e f(x) → 0 para valores negativos Se c < 0 e f(x) → 0 para valores negativos
−∞ =

) x ( f
) x ( g
lim ) ii
a x
∞ =

) x ( f
) x ( g
lim ) iv
a x



As “Indeterminações”
1

Em diversos exemplos sobre o cálculo de limites nos defrontamos com situações desse tipo e
"escapamos" delas através de manipulações algébricas. Não podemos esquecer que o limite do
quociente é o quociente dos limites somente quando os limites do numerador e do denominador
existem, sendo o do denominador diferente de zero.
Uma expressão da forma
0
0
é denominada uma "indeterminação". Essa denominação advém
do fato que se um limite é dessa forma, a priori, não sabemos qual é o resultado... Pode ser qualquer
um...

Casos de indeterminação:∞-∞;∞. 0; 0/0; ∞/∞; 0
0


Vejamos alguns exemplos:
a)
0
0

1
x
x
lim
0 x
=

2
x
x 2
lim
0 x
=

0
x
x
lim
2
0 x
=


x
1
lim
x
x
lim
0 x
2
0 x → →
= que não existe, pois +∞ =
+

x
1
lim
0 x
e −∞ =


x
1
lim
0 x



1
http://www.cepa.if.usp.br/e-calculo/
24

b)



1
x
x
lim
x
=
∞ →
2
x
x 2
lim
x
=
∞ →
0
x
x
lim
3
x
=
∞ →


Dicas na determinação do limite de uma função
Se a função for algébrica ou fracionária, basta substituir o x pelo valor ao qual ele tende e efetuar.
Nos casos de indeterminação, usamos os seguintes artifícios:
1. Fatorar a função fracionária e simplificar;
2. Dividir numerador pelo denominador ou vice-versa, considerando o polinômio de maior grau.

Exemplos: Calcule os limites
a) 1
3
3
x 1
3
lim
2 x
= =
+


b)
2
3
1 1
3
x 1
3
lim
1 x
=
+
=
+


c)
0
0
x 2
x x
lim
3
0 x
=


indeterminação, então:
2
1
2
1 x
lim
x 2
) 1 x ( x
lim
x 2
x x
lim
2
0 x
2
0 x
3
0 x

=

=

=

→ → →

d) 7 7 0 0 7 x x lim
2
0 x
− = − − = − −


e)
0
0
4 x
16 x
lim
2
4 x
=
+

− →
indeterminação, então: 8 4 x
4 x
) 4 x )( 4 x (
lim
4 x
− = − =
+
+ −
− →

f)


=
+

∞ →
5 x 2
3 x
lim
x
indeterminado, logo
2
1
x
5
2
x
3
1
)
x
5
2 ( x
)
x
3
1 ( x
5 x 2
3 x
lim
x
=
+

=
+

=
+

∞ →



Limites unilaterias

Ao considerarmos ) x ( f lim
a x→
estamos interessados nos valores de x em um intervalo aberto
contendo a, mas não no próprio a; isto é, em valores de x próximos de a e maiores ou menores que a.

Limite à direita e a esquerda, respectivamente.


25

Exemplos: Determine os limites unilaterais caso eles existam


a) ( ) ⇒ − = 4 x x f 0 4 x lim
4 x
= −
+








b) ( ) ⇒
¹
´
¦
> +
≤ −
=
1 x x 2
1 x x 4
x h
2
2
3 x 2 lim e 3 x 4 lim
2
1 x
2
1 x
= + = −
+ −
→ →







c) ( )
¦
¹
¦
´
¦

>
=
< −
=
0 x se 1
0 x se 0
0 x se 1
x f 1 1 lim e 1 1 lim
0 x 0 x
− = − =
− +
→ →
.
Como podemos observar o limite pela esquerda e pela
direita não são iguais, dizemos que o limite bilateral
( ) x f lim
0 x→
, não existe.


Limites no infinito

Seja f uma função definida em todo número no intervalo ( ) ∞ + ∞ − , . O limite de f(x), quando x
cresce ou decresce ilimitadamente, é L e pode ser escrito como: ( ) ( ) L x f lim ou L x f lim
x x
= =
∞ − → ∞ + →

Exemplos
Encontre os limites indicados abaixo
a)


=
+
∞ →
1 x
x
lim
x
causa indeterminação,
simplificando temos:

+
=
|
¹
|

\
|
+
∞ → 1
1
1
x
1
1 x
x
lim
x
=1, ou seja, na medida em que x
tende ao infinito, f(x) se aproxima de 1 e temos então
uma assíntota horizontal.
26

Graficamente podemos observar a tendência do limite


b) ∞ =

=
+
− ∞
=
∞ +
+
∞ +
− ∞
=
|
¹
|

\
|
+
|
¹
|

\
|

=
+

∞ + → ∞ + →
2 0 2
0
5
2
3
4
x
5
2 x
x
3
x 4 x
lim
5 x 2
3 x 4
lim
x
2
x





c)
( ) ( )
( )
0
4
0
1
4
5 1 2
x
1
4 x
x
5
x
1
x
2
x
lim
1 x 4
5 x x 2
lim
3
3 2
3
3
3 2
3
x
3
2
x
= =
∞ −

∞ −
+
∞ −

∞ −
=
|
¹
|

\
|

|
¹
|

\
|
+ −
=

+ −
∞ − → ∞ − →





Limites infinitos

Seja f uma função definida em todo número no intervalo aberto I contendo a, exceto,
possivelmente, no próprio a. Quando x se aproxima de a, f(x)cresce ou decresce ilimitadamente, o que
pode ser escrito como: ( ) ( ) ∞ − = ∞ + =


x f lim ou x f lim
a x
a x
.

Exemplos
Utilizando os conceitos de limites, esboce o gráfico das seguintes funções:
a) ( )
( )
2
2 x
3
x f

= b) ( )
1 x
x 2
x h

= c)
1 x
x
y
2
2

= .
Solução
Calculando os limites laterais em cada caso, obtemos:
( )
+∞ =

+

2
2 x
2 x
3
lim e
( )
∞ + =



2
2 x
2 x
3
lim
( )
+
−∞ →
=

0
2 x
3
lim
2
x
e
( )
+
+∞ →
=

0
2 x
3
lim
2
x

27




Para a função ( )
1 x
x 2
x h

= temos que:

+∞ =

+

1 x
x 2
lim
1 x
e −∞ =



1 x
x 2
lim
1 x



−∞ →
=

2
1 x
x 2
lim
x
e
+
+∞ →
=

2
1 x
x 2
lim
x




Para a função
1 x
x
y
2
2

=

+∞ =

−∞ =

− +
− → − →
1 x
x
lim e
1 x
x
lim
2
2
1 x
2
2
1 x

+
+∞ →
+
−∞ →
=

=

1
1 x
x
lim e 1
1 x
x
lim
2
2
x
2
2
x



Lista 6

1) Calcule os limites a seguir.
a) 2 x 5 x x lim
2 3
2
1
x
+ + −


b)
|
|
¹
|

\
|



1 x
1 x
lim
4
2
1
x

c)
2 x
4 x 4 x
lim
2
2 x

+ −


d)
1 x
1 x
lim
5
0 x




e)
|
|
¹
|

\
|



1 x
1 x
lim
4
1 x
f)
|
|
¹
|

\
|
+ −
+ −

3 x 2 x
6 x 5 x
lim
2
3
0 x

g)
|
|
¹
|

\
|
+ +
+
− →
1 x x
1 x
lim
2
2
1 x

h)
x 1
x
e lim
∞ →

i)
|
¹
|

\
|
+

∞ →
1 x
2
4 lim
x

j)
|
|
¹
|

\
| +
∞ →
x
x 1
x
e
e 1
lim l)
|
|
¹
|

\
|
+
+ −
∞ →
2 t
4 t 5 t 3
lim
2
2
t
m)
|
|
¹
|

\
| +
∞ − →
x
x 1
x
e
e 1
lim
n)
|
¹
|

\
|
+

x
0 x
e 1
x
lim
o)
|
|
¹
|

\
|
+
+
∞ →
6
5 4
x
x 2 x 3
x 5 x
lim
p) ) 3 1 ( lim
x 1
x
+
∞ →

28

q)
|
|
¹
|

\
|
+
∞ →
x 2 x
5 - 9x
lim
3
2
x

r)
2 3 4
x
x x 5 x lim − +
∞ →

s)
|
|
¹
|

\
|
+
∞ →
2x 3x
x
lim
5
4
x


2) Calcule os limites laterais abaixo.
a)
x
2 x
lim
1 x
+
+

b)
x
4 x
lim
2
1 x
+


c)
9 x
x
lim
2
3 x

+



Respostas
1) a) 35/8; b) 15/8; c) 0; d) 1; e) 4; f) 2;
g) 2; h) 1; i) 4; j) 0; l) 3; m) ∞; n) 0;
o) 0; p) 2; q) 0; r) ∞; s) 0

2) a) 3; b) 5 ; c) ∞


Continuidade de funções

A noção de continuidade em Matemática é a que utilizamos no dia a dia, isto é, onde não há
interrupção ou, então, onde não existem partes separadas umas das outras.

Continuidade de função em um número

Definição:Dizemos que a função f é contínua no número “a” se e somente se as seguintes condições
forem satisfeitas

(i) f(a) existe (ii) ( ) x f lim
a x→
existe (iii) ( ) x f lim
a x→
= f(a)

Se uma ou mais de uma dessas condições não forem verificadas em “a”, a função f será descontínua
em “a”.

Exemplo
Considere a função f(x) e analise a continuidade em x = 1.
( )
¦
¦
¹
¦
¦
´
¦
=



=
1 x se 1
1 x se
1 x
1 x
x f
2

Analizando as condições de continuidade
(i) f(1) = 1 (ii) ( ) 2 x f lim
1 x
=

(iii) ( ) ≠

x f lim
1 x
f(1)

29

percebe-se que a função está definida para todos os reais, mas f(x) não é contínua em 1 pois o terceiro
critério não se verifica. Pode-se, também, observar a descontinuidade da função representando-a
graficamente.


Continuidade de função em um intervalo dado

Definição: Uma função cujo domínio inclui o intervalo fechado [a, b] é contínua em [a,b] se e somente
se (se e) ela for contínua no intervalo aberto (a, b), e se também for contínua à direita em a e à
esquerda em b.

Exemplos
1) Verificar se a função
4 x
16 x
y
2


= é contínua no intervalo [-2, 5]
Solução: A função é descontínua no intervalo, pois ela é descontínua em x = 4, que pertence ao
intervalo indicado.

2) Determinar o intervalo de continuidade da função f(x) =
1 x
3


Solução: contínua para todos os Reais exceto onde x = 1 ou ) , 1 ] [ 1 , ( ∞ + ∩ −∞ .

Lista 7
A) Determinar o ponto ou intervalo de descontinuidade da função, caso exista:
1.
4 x
16 x
y
2
+

= 2.
x 2
1
y = 3.
x 2 x
2
y
2
+
= 4. y = x
3
+ x
2
-2x

5. ( )
2
x
1
x f = 6.
1 x
1 x
) x ( f
+

= 7. y =
9 x
1
2



B) Nos problemas a seguir: (a) trace o esboço do gráfico das funções dadas; (b) ache os limites laterais
das funções quando x tende para a pela direita e pela esquerda (c) determine o limite da função
quando x tende para a e (d) use a definição de continuidade e diga se a função é contínua em a.
1. f(x) = 3 a
3 x se x 9
3 x se x 5
=
¹
´
¦
> −
≤ +
2. f(x) = 0 a
0 x se 1
0 x se 0
0 x se 1
=
¦
¹
¦
´
¦
>
=
< −


3. f(x) = 1 a
1 x se x 3
1 x se x 3
=
¹
´
¦
> −
≤ +
4. f(x) = 1 a
1 x se x
1 x se x 2
2
=
¹
´
¦

> −


C) Determine se cada função é contínua ou descontínua em cada intervalo dado:

30

1. f(x) =
2
x 4 − em [-2, 2], [2, 3], (-2, 2) e (-1, 5)

2. f(x) =
1 x
3
+
em (-∞, 1), (-3, -1), (-∞, -1), (-1, ∞), [-1, ∞)e [-2,2]

3. f(x) =
36 x
6 x
2

+
em (-∞, 6], (-∞, -4], (-6, ∞), [-6, 9] e [-7, ∞)

4. f(x) =
¹
´
¦
≤ ≤ −
< −
2 x 1 se x 2
1 x se 2 x 3
em (- ∞, 1), (1, 2) e [1, 2]

Respostas
A)1. Descontínua em 4 x − = ; 2. Descontínua em 0 x = ; 3. Descontínua em 0 x = e x = -2; 4. Não
existem pontos de descontinuidade; 5. Descontínua em 0 x = ; 6. Descontínua em 1 x − = ; 7.
Descontínua em [ ] 3 , 3 − .

B)1. Descontínua em 3 x = , pois não existe o ( ) x f lim
3 x→
; 2. Descontínua em 0 x = , pois não existe o
( ) x f lim
0 x→
;3. Descontínua em 1 x = , pois não existe o ( ) x f lim
1 x→
;4. Contínua em 1 x = .

C)1) [-2, 2] = contínua, [2, 3]= descontínua, (-2, 2)= contínua e (-1, 5)=descontínua;
2) (-∞, 1) = descontínua, (-3, -1) = contínua, (-∞, -1)= contínua, (-1, ∞)= contínua, [-1, ∞) = descontínua
e [-2,2]= descontínua; 3) descontínua em todos os intervalos; 4) contínua em todos os intervalos.


Resolver os Exercícios Complementares – Lista 2

4. DERIVADAS

Origem do conceito de derivada de uma função
O conceito de função que hoje pode parecer simples é o resultado de uma lenta e longa
evolução histórica iniciada na Antiguidade. Só no séc. XVII, quando Descartes e Pierre Fermat
introduziram as coordenadas cartesianas, se tornou possível
transformar problemas geométricos em problemas algébricos e estudar
analiticamente funções. Foi enquanto se dedicava ao estudo de
algumas destas funções que Fermat deu conta das limitações do
conceito clássico de reta tangente a uma curva como sendo aquela que
encontrava a curva num único ponto. Tornou-se assim importante
reformular tal conceito e encontrar um processo de traçar uma
tangente a um gráfico num dado ponto - esta dificuldade ficou
conhecida na História da Matemática como o "Problema da Tangente".

31


Derivada no ponto x
o

Definição
Seja f uma função definida em um intervalo aberto I e x
o
um elemento de I. Chama-se derivada
de f no ponto x
o
o limite

( ) ( )
o
o
x x
x x
x f x f
lim
o −




se este existir e for finito.

A derivada de f no ponto x
o
é habitualmente indicada com uma das seguintes notações:

( )
o
x x
o
x Df ou
dx
df
ou ) x ( ' f
o
=
(
¸
(

¸

A diferença
o
x x x − = ∆ é chamada de acréscimo ou incremento da variável x relativamente ao
ponto x
o
. A diferença ( ) ( )
o
x f x f y − = ∆ é chamada de acréscimo ou incremento da função f
relativamente ao ponto x
o
. O quociente
( ) ( )
o
o
x x
x f x f
x
y


=


recebe o nome de razão incremental de f
relativamente ao ponto x
o
.
Podemos indicar a derivada de f no ponto x
o
pode ser indicada das seguintes formas:

( )
( ) ( )
o
o
x x
o
x x
x f x f
lim x ' f
o −

=

ou ( )
x
y
lim x ' f
0 x
o


=
→ ∆
ou ( )
( ) ( )
x
x f x x f
lim x ' f
o o
0 x
o

− ∆ +
=
→ ∆


Quando existe f’(x
o
) dizemos que f é derivável no ponto x
o
. Dizemos também que f é derivável
no intervalo aberto I quando existe f’(x
o
) para todo I x
o
∈ .

Exemplos
1) Calculemos a derivada de ( ) x 2 x f = no ponto 3 x
o
= .
Solução
( )
( ) ( ) ( )
2
3 x
3 x 2
lim
3 x
6 x 2
lim
3 x
3 f x f
lim 3 ' f
3 x 3 x 3 x
=


=


=


=
→ → →

Outra maneira de proceder seria esta:
( )
( ) ( ) ( )
2 2 lim
x
6 x 3 2
lim
x
3 f x 3 f
lim 3 ' f
0 x 0 x 0 x
= =

− ∆ +
=

− ∆ +
=
→ ∆ → ∆ → ∆


2) Calculemos a derivada de ( ) x x x f
2
+ = no ponto 1 x
o
= .
32

Solução
( )
( ) ( ) ( ) ( ) [ ] [ ]
=

+ − ∆ + + ∆ +
=

− ∆ +
=
→ ∆ → ∆
x
1 1 x 1 x 1
lim
x
1 f x 1 f
lim 1 ' f
2 2
0 x 0 x

( )
3 3 x lim
x
x 3 x
lim
0 x
2
0 x
= + ∆ =

∆ + ∆
→ ∆ → ∆


3) Calculemos a derivada de ( )
3
x x f = no ponto 0 x
o
= .
Solução
( )
( ) ( )
3 2 0 x
3
0 x 0 x
x
1
lim
x
x
lim
0 x
0 f x f
lim 0 ' f
→ → →
= =


= portanto, como +∞ =

3 2 0 x
x
1
lim , não existe ( ) 0 ' f .


Lista 8
Nos problemas que seguem, calcule ( )
o
x ' f .
a) ( ) 2 x , 1 x 3 x f
o
= + =
b) ( ) 1 x , 5 x 2 x x f
o
2
= + + =
c) ( ) 1 x , x x f
o
= =
d) ( ) 1 x , x x f
o
3
− = =
Respostas:a)3; b) 4; c) ½ ; d) 3



Interpretação geométrica da derivada

Seja f uma função definida em um intervalo aberto I. Admitamos que existe a derivada de f no
ponto I x
o
∈ .
Dado um ponto I x∈ , tal que x ≠ x
o
, considerando a reta s determinada pelos pontos P(x
o
, f(x
o
))
e Q(x, f(x)).


33


A reta s é secante com o gráfico de f e seu coeficiente angular é:

( )
( ) ( )
o
o
x x
x f x f
tg


= α

portanto, tg(α) é a razão incremental de f relativamente ao ponto x
o
.

Se f é contínua em I, então, quando x tende a x
o
, Q desloca-se sobre o gráfico da função e
aproxima-se de P. Consequentemente, a reta s desloca-se tomando sucessivamente as posições s
1
, s
2
,
s
3
, .... e tende a coincidir com a reta t, tangente à curva no ponto P.
Como existe ( )
( ) ( )
( ) ( ) β =
|
|
¹
|

\
|
α = α =


=

→ →
tg lim tg tg lim
x x
x f x f
lim x ' f
o
o o
x x
x x
o
o
x x
o
concluímos:

A derivada de uma função f no ponto x
o
é igual ao coeficiente angular da reta tangente ao
gráfico de f no ponto de abcissa x
o
.

Quando queremos obter a equação de uma reta passando por
P(x
o
, y
o
) e com coeficiente angular m, utilizamos a relação da
Geometria Analítica, que determina a equação de uma reta
( )
o o
x x m y y − = −

ou
( )
o o o
x x ) x ( ' f ) x ( f y − = −

Exemplo
Qual é a equação da reta tangente à curva x 3 x y
2
− = no seu ponto de abcissa 4?

Solução
( ) 4 12 16 4 3 4 x f 4 x
2
o o
= − = ⋅ − = ⇒ =

Então P(4, 4) é o ponto da tangência.
( )
( ) ( ) ( )
=

− −
=


= =
→ →
4 x
4 x 3 x
lim
4 x
4 f x f
lim ) 4 ( ' f x ' f
2
4 x 4 x
o

( )( )
( ) 5 1 x lim
4 x
1 x 4 x
lim
4 x 4 x
= + =

+ −
→ →
,

Portanto, o coeficiente angular de t é 5 e sua equação é:

( ) 4 x 5 4 y − = − ou 16 x 5 y − =



34

Lista 9
Determine, em cada caso, a equação da reta tangente ao gráfico de f no ponto x
o
. Represente
graficamente cada situação.
a) ( ) 3 x , 1 x x f
o
= + =
b) ( ) 1 x , x 2 x x f
o
2
= − =
c) ( ) 1 x ,
x
1
x f
o
= =
d) ( ) 4 x , x x f
o
= =
Respostas: a) 1 x y + = ; b) 1 y − = ; c) 2 x y + − = ; d) 1 x y
4
1
+ =


Definição de função derivada

Seja f uma função derivável no intervalo aberto I. Para cada x
o
pertencente a I existe e é único
o limite

( )
( ) ( )
x
x f x x f
lim x ' f
o o
0 x
o

− ∆ +
=
→ ∆
.

Portanto, podemos definir uma função R I : ' f → que associa a cada I x
o
∈ a derivada de f no
ponto x
o
. Esta função é chamada função derivada de f ou, simplesmente, derivada de f.

Habitualmente a derivada de f é representada porf ’ou
dx
df
ouDf.

A lei de f’(x) pode ser determinada a partir da lei f(x), aplicando-se a definição de derivada de
uma função, num ponto genérico I x∈ :


( )
( ) ( )
x
x f x x f
lim x ' f
0 x

− ∆ +
=
→ ∆


A partir da definição da derivada, originam-se as regras (teoremas) de derivação que
determinam da mesma forma o coeficiente angular da reta tangente a um ponto de uma curva, ou
seja, o crescimento ou decrescimento da curva em qualquer ponto desta.


Regras de derivação

Sejam ( ) x u u= e ( ) x v v = funções deriváveis.

Se ( ) ( ) 0 x ' u então , R c , c x u = ∈ = .
35

Se ( ) ( ) m x ' u então , 0 a e R b , m ; b ax x u = ≠ ∈ + = .
Se ( ) ( )
1 n n
x n x ' u então , R n , x x u

= ∈ = .

Regra de Soma: As funções v u± são deriváveis e

( ) ( ) ) x ( ' v ) x ( ' u x ' v u ± = ±

ou ( ) ' v ' u ' v u ± = ±

Exemplos
Calcular a derivada de
a) = ′ ⇒ = y 3 y
b) = ′ ⇒ = y x y
7

c) = ′ ⇒ = y x 4 y
5

d) = ′ ⇒ + = y x 2 x y
4 3

e) = ′ ⇒ + = y ) 4 x ( y
2 2

f) = ′ ⇒ + + = y 3 x
5
2
x y
5 3

g) = ′ ⇒ + = y ) 3 x ( x y
2 3


Lista 10
1- Derivar as funções abaixo:
a) 7 ) x ( f =
b) 2 x ) x ( f
5
+ =
c) 3 3 ) x ( f − =
d)
3
2
² x ) x ( f + =
e) 5 ³ x 2 ) x ( f − =
f) 75 . 0 x ) x ( f
8
+ =
g)
2
3
x
4
9
y
4
+ =
h) 5 ² x 5 ) x ( f − − =
i)
6
x 2 ) x ( f =
j)
x 5
2
x
5
1
x y
10
+ − =
k)
3
2
x 9 y
8
− =
l) 1 x
9
1
³ x
7
3
x 3 x 4 y
6 9
− − + − =
m)
9
1
x
2
x y
6
5
+ − =
n) 2 x
3
4
² x 4 ³ x x y
4
+ − + − =
o) x
3
x
2
³ x
y
5
+ + =
36

p)
x
2
x
x 7
x
1
y
3 2
+ − =
q) 5 x ² x ³ x ) x ( f + + − =
r) 8 x
5
4
³ x 5 ) x ( f
5
+ − =
s) x
3
1
x
3
2
x 2 ) x ( f
4 5
+ − =
t) 5 . 4 x ³ x
5
4
x
5
2
) x ( f
5
+ − − =

Respostas
a) 0
b)
4
5x
c) 0
d) x 2
e) ² 6x
f)
7
8x
g) ³ 9x
h) x 10 −
i)
5
12x
j)
2
9
x 5
2
5
1
x 10 − −
k)
7
72x
l)
9
1
²
7
9
18 36
5 8
− + − x x x
m)
7 4
x 12 x 5

+
n)
3
4
8 ² 3 ³ 4 − + − x x x
o)
x 2
1
3
x 5
2
² x 3
4
+ +
p)
3
3
x x 3
2
x
12

q) 1 2 ² 3 + − x x
r)
4
4 ² 15 x x −
s)
3
1
³
3
8
10
4
+ − x x
t) 1 ²
5
12
2
4
− − x x




Regra do Produto: A função v u⋅ é derivável e

( ) ( ) ) x ( ' v ) x ( u ) x ( v ) x ( ' u x ' v u ⋅ + ⋅ = ⋅

ou ( ) ' v u v ' u ' v u ⋅ + ⋅ = ⋅


Regra do quociente:A função
v
u
é derivável e

( )
( )
( ) 0 x v se
) x ( v
) x ( ' v ) x ( u ) x ( v ) x ( ' u
x '
v
u
2

⋅ − ⋅
=
|
¹
|

\
|

ou
( )
0 v se
v
' v u v ' u
'
v
u
2

⋅ − ⋅
=
|
¹
|

\
|


Exemplos
a) ( ) ( )( ) = ⇒ − + = ) x ( ' f 1 x 2 2 x x f
3

b) = ⇒

+
= ' y
1 x 2
2 x
y
3

37

c) = ′ ⇒ + + + + = y 5 x 2
x
1
x 5
2
x
x
y
2
3

d) ( ) ( )( ) = ⇒ − + = ) x ( ' f 2 x x 2 x 4 x f
3

e) = ⇒


= ' y
1 x 2
5 x 3
y
2
2


Lista 11

Derivar as funções abaixo:
a) ) 1 x 6 )( x 4 ² x 3 ( y + − =
b) ²) x 1 ²)( x 1 ( y + − =
c) ) x 2 x )( 4 ² x ( y
4
+ − =
d)
4
x y =
e)
² x x 2
15
y
+ +
=
f)
1 x
x 4
y

=
g)
2 x
x 10
y
+
=
h) ) x ² x 3 )( 5 x 3 )( 1 x 2 ( y + + + =
i) ) x 5 ² x )( 2 ² x )( 5 x 2 ( y + + + =
j)
x 3
x 2
y

+
=
k)
x 1
x 1
y

+
=
l)
³ x 1
² x
y

=
m)
1 ² x
3
y

=
n)
2 n
x 5 y
+
=
o) ) 5 ² x )( 1 ² x 3 ( y + − =
p)
5 x
5 x
y
+

=
q)
1 ² x
3 ² x 3
y


=
r)
1 ² x 4
² x 3
y
+
=
s)
2
x
1
y =
t)
x
2
y

=
u) 10
x 5
6
x 3
4
y
100 3
− + =

Respostas
a) 4 42 ² 54 − − x x
b) ³ 4x −
c) 4 ² 3 ³ 32 12
5
− + − x x x
d)
4 3
4
1
x

e)
( )
2
2
2
30 15
x x
x
+ +
− −

f)
( )
2
1 x
4



g)
( )
2
2
20
+ x

h) 5 56 ² 135 ³ 72 + + + x x x
i) 50 60 ² 87 ³ 60 10
4
+ + + + x x x x
j)
)² 3 (
5
x −

38

k)
)² 1 (
2
x −

l)
³)² 1 (
2
4
x
x x

+

m)
)² 1 ² (
6


x
x

n)
1
) 2 ( 5
+
+
n
x n
o) x x 28 ³ 12 +
p)
)² 5 (
10
+ x

q) 0
r)
)² 1 ² 4 (
6
+ x
x

s)
3
2

− x
t)
2
2

x
u)
101 4
120 4
− −
− − x x

Regra da Cadeia: Utilizada quando trabalhamos com funções compostas, como por exemplo
100 6 9
) 1 x x ( ) x ( v + + = . Para determinar a derivada de uma função composta de forma mais simples,
usamos o teorema da regra da Cadeia.

Teorema: Seja ( ) ( )
n
) x ( u x v = , funções diferenciáveis, então:

( ) ( ) ) x ( ' u ) x ( u n x ' v
1 n
⋅ =

ou ( ) ' u u n ' v
1 n
⋅ =



Exemplos
Calcular a derivada de:
a) ( )
100
3
2 x y + =

b) 1 x x 2 y
2
− + =

c)
3
2
x
3 x 2
y

=

d) ( )
3
2
2
2 x 2 x y + − =




Lista 12
Derivar as funções abaixo usando a regra da cadeia:
a) )³ 7 x 2 ( y − =
b)
4
) 4 x 9 ( 3 y − =
c)
3
2
) 2 t 9 ( y + =
d)
3
x 4 ³ x 3 y + =
e)
2
1
²) x 25 ( y

+ =
f) ) 5 ² x 3 )²( 1 x 5 )³( 3 x ( y − + + =
g)
2
1
) 4 x 4 ² x ( 5 y + − =
i) 1 x 3 ² x y − + =
j) 1 ² x ² x y + =
k)
5
1
3
2
) 1 ² x ( x y + =
39

l)
4
4 x 3
1 x 2
y
|
¹
|

\
|
+
+
=
m)
4
1 ³ x 2
1 ² x
y
+

=
n)
)³ 1 x 2 (
) 1 x (
y
4
+

=

Respostas
a) )² 7 2 ( 6 − x
b) )³ 4 9 ( 108 − x
c)
3
1
) 2 9 (
6
+ t

d)
3
)² 4 ³ 3 ( 3
4 ² 9
x x
x
+
+

e)
2
3
²) 25 ( x
x
+

f)
)] 1 x 5 )( 3 x ( x 6 ) 5 ² x 3 )( 3 x ( 10
) 5 ² x 3 )( 1 x 5 ( 3 )[ 1 x 5 )²( 3 x (
+ + + − +
+ − + + +

g)
4 4 ²
) 2 ( 5
+ −

x x
x

h)
1 3 ² 2
3 2
− +
+
x x
x

i)
1 ²
2 ³ 3
+
+
x
x x

j)
5
4
3
3
5
) 1 ² x ( 5
² x x 2
x 3
) 1 ² x ( 2
+
+
+

k)
5
) 4 3 (
)³ 1 2 ( 20
+
+
x
x

l)
|
|
¹
|

\
|
+
+ + −
|
¹
|

\
|
+


)² 1 ³ 2 (
² 3
1 ³ 2
1 ²
2
1
4
4
3
x
x x x
x
x

m)
4
) 1 2 (
)] 1 ( 3 ) 1 2 ( 2 )³[ 1 ( 2
+
− − + −
x
x x x


Resolver os Exercícios Complementares – Lista 3

Derivadas das Funções Elementares

Função exeponencial: Se ( )
x
a x u = então, ( ) a ln a x ' u
x
⋅ =

Em particular se ( )
x
e x u = então ( )
x
e x ' u =

Exemplos
Calcular a derivada das seguintes funções:
a)
x 2
2 y =
b)
x 2
e y =
c)
x
e y =
d)
x
1
2
1
y
|
¹
|

\
|
=
e)
2
x
e 3 2 y + =
40

f)
x
e
2
y =
g) e 2 e 2 e 2 y
x x
2
+ + =

Função Logarítmica: Seja 1 a 0 que tal R a ≠ < ∈ e y = log
a
u(x) então,
a ln ). x ( u
) x ( ' u
' y =

Para o caso dey = ln u(x) temos:
) x ( u
) x ( ' u
' y =


Exemplos
Calcular a derivada das funções abaixo:
a) ( ) 1 x log y
2
+ =
b)
2
x log y
3
=
c) ( )
2
x ln y =
d) ( ) x 2 ln y =
e) ( ) x 2 ln x 5 y + =
f) ( ) x 2 ln x 5 y =


Funções trigonométricas: Sejam u=u(x) e v=v(x) funções diferenciáveis, então:
( ) u sen y =

então, ( ) u cos ' u y ⋅ = ′

( ) u cos y =

então, ( ) u sen -u' y ⋅ = ′
( ) u tg y =

então, ( ) u sec ' u y
2
⋅ = ′
( ) u cotg y =

então, ( ) u cossec ' u y
2
⋅ − = ′
( ) u sec y =

então, ( ) ( ) u tg u sec ' u y ⋅ ⋅ = ′

( ) u cossec y =

então, ( ) ( ) u cotg u cossec ' u y ⋅ ⋅ − = ′

Exemplos
Calcular a derivada das funções abaixo:
a) ) x ( sen y
2
=
b) ) x ( sen y
2
=
c) ( ) x 2 cos 3 y =
d) ( ) π − = x 3 tg y
e) ( ) ( ) x 2 sec x 2 g cot y − π + =
41

f) ( ) x ec cos y =



Lista 13

1) Derivar as funções trigonométricas abaixo:
a) ) x 2 ( sen y =
b) ) x 3 cos( y − =
c) ) x 2 cos( x 2 y + =
d) ) x 3 ( sen y π + =
e) ) x 2 cos( y π − =
f) ) x ( sen ³. x y =
g) ) x ( sen ). 5 ² x ( y − =
h)
x
) x ( sen
y =
i) ³) x 1 ( sen y − =
j) ) x ( sen y
5
=
k) ) x 5 3 ( sen ². x y − =
l) ) x ( sen y
5
=
m) ³) x 4 ( sen 7 y
6
− =
n) ) 2 ² x ( sen y
3
+ =
o)
) x cos( 2 1
) x ( sen
y

=
p)
) x cos( 2
) x ( sen 2
y
+

=
q) ) 1 x 3 cos( y − =
r) ) x 4 ( tg 9 ²) x 3 ( sen 6 y + =
s) ) 1 x ( tg 5 y
6
− =

2) Derivar as funções exponenciais e logarítmicas abaixo:
a)
x
e y =
b) ²) x ln( y =
c) ) x 3 ln( y =
d) ) 1 x 4 ln( y + =
e) ) x 6 ² x ( log y
10
+ =
f)
x
e . x y =
g)
x
3 y =
h)
) x 3 ( sen
2 y =
i)
² x 2
e y =
j)
2 x 6
2 y

=
k)
) x 3 ²( sen
e y =
l)
² x 2
e . 2 y

=

Respostas
1)
a) ) 2 cos( 2 x
b) ) 3 ( 3 x sen
c) ) 2 ( 2 2 x sen −
d) ) 3 cos( 3 π + x
e) ) 2 ( 2 π − − x sen
f) ) cos( ³. ) ( ². 3 x x x sen x +
g) ) cos( ). 5 ² ( ) ( . 2 x x x sen x − +
h)
²
) ( ) cos( .
x
x sen x x −

i) ³) 1 cos( ². 3 x x − −
j) ) cos( ). ( 5
4
x x sen
k) ) 5 3 cos( ². 5 ) 5 3 ( . 2 x x x sen x − − −
l) ) cos( . 5
5 4
x x
m) ³) 4 cos( ³). 4 ( ². 504
5
x x sen x −
42

n)
3
3
)² 2 ² ( 3
) ) 2 ² ( cos( . 2
+
+
x
x x

o)
))² cos( 2 1 (
2 ) cos(
x
x



p)
))² cos( 2 (
1 )) cos( ) ( ( 2
x
x x sen
+
− −

q) ) 1 3 ( 3 − − x sen
r) ) 4 ²( sec 36 ²) 3 cos( . 36 x x x +
s) ) 1 ²( sec ). 1 ( 30
5
− − x x tg

2)
a)
x
e
b)
x
2

c)
x
1

d)
1 4
4
+ x

e)
) 10 ln( ). 6 ² (
6 2
x x
x
+
+

f)
x x
e x e . +
g) ) 3 ln( . 3
x

h) ) 2 ln( . 2 ). 3 cos( 3
) 3 ( x sen
x
i)
² 2
. 4
x
e x
j) ) 2 ln( . 2 . 6
2 6 − x

k)
) 3 ²(
). 3 cos( ). 3 ( 6
x sen
e x x sen
l)
² 2
. 8
x
e x



Resolver os Exercícios Complementares – Lista 4

Demais fórmulas são encontradas em formulários nos livros de Cálculo Diferencial e Integral


Derivação implícita
Se y é uma função de x definida pela equação y = 3x
2
+ 5x + 1, então y é definida
explicitamente em termos de x e podemos escrever y = f(x) onde f(x) = 3x
2
+ 5x + 1.
Entretanto, nem todas as funções estão definidas explicitamente. Por exemplo, a equação:
x
6
– 2x = 3y
6
+ y
5
– y
2
, não pode ser resolvida para y explicitamente como uma função de x. Neste
caso dizemos que y é definida implicitamente pela equação dada. Podemos encontrar a derivada
de y em relação a x, pelo processo denominado diferenciação implícita.
D
x
= 6x
5
– 2 e D
y
= 18y
5
+ 5y
4
–2y, então
y 2 y 5 y 18
2 x 6
dx
dy
4 5
5
− +

= .

Exemplos
1) Derive as seguintes funções implicitamente
a) 2x
3
y + 3xy
3
=5 b)
y 2 x
y 2 x
x
2

+
= c)
3
x 3 xy y = +

Lista 14
1) Derive implicitamente as seguintes funções:
a) 10 y x 8
2 2
= + b) x y 2 x 4
3 3
= −
43

c) 0 y 4 xy x 5
2 2
= − − d) 16 y xy x 2
3
= + −
e) ( ) 1 y y sen x
2 2
= − + f) ( ) y tg xy =

2) Calcule a inclinação da reta tangente à circunferência 25 y x
2 2
= + no ponto ( ) 4 , 3 . Qual é a
inclinação no ponto ( ) 4 , 3 − ?




Respostas
1) a)
y
x 8
dx
dy −
= b)
2
2
y 6
1 x 12
dx
dy −
= c)
( )
( ) y 8 x
y x 10
dx
dy
+

=


d)
( )
( ) xy y 6 x
y xy 4
dx
dy
2
+ −
− −
= e)
( )
( ) ( ) y sen y 4 y cos
y sen x 4
dx
dy


= f)
( ) y sec x
y
dx
dy
2


=

2)
4
3
e
4
3




Derivada de ordem superior

A segunda derivada de uma função f(x) fornece informações sobre a derivada primeira, ou
seja, é a taxa de variação da taxa de variação, no caso de um movimento, a derivada primeira
define a velocidade e a derivada segunda define a aceleração. Para a análise do comportamento
gráfico de uma função, a derivada de segunda ordem fornece informações sobre a concavidade de
f(x).
De um modo geral, se uma função é derivável, então a derivada ' f é novamente derivável, e a
segunda derivada de f é representada por ' ' f e assim por diante.

x
D
dx
dy
) x ( y ) x ( f = = ′ = ′ , são representações da derivada primeira

2
x 2
2
D
dx
y d
) x ( y ) x ( f = = ′ ′ = ′ ′ , são representações da derivada segunda

3
x 3
3
D
dx
y d
) x ( y ) x ( f = = ′ ′ ′ = ′ ′ ′ ,são representações da derivada terceira ...

44

Lista 15
1. Seja a equação do movimento
2
t
2
t S − = com S em metros e t em segundos. Encontre os
valores da velocidade e da aceleração quando s
2
1
t = .

2. Determine a derivada 2ª das funções dadas:
a) ( ) 7 x x y
2 2
+ = b) ) x 2 ( sen x y
2
= c)
3 x 2
) x 2 x (
y
2

+
=

Mais exemplos e situações veja o item 4.9 do livro online


5. APLICAÇÕES DA DERIVADA

A derivada como taxa de variação

Velocidade instantânea
Definição: Definimos a velocidade média de uma partícula no movimento retilíneo como
sendo o quociente da variação da distância pela variação do tempo.

Exemplo
1. Uma partícula move-se sobre uma linha reta com a equação do movimento: t t 3 ) t ( S
2
+ = ,
calcular a velocidade da partícula no instante em que t = 2 segundos.
Solução: S´(t)= 6t + 1
S´(2) = 13m/s

Taxa da variação instantânea em geral
As considerações a respeito da taxa de variação da distância em relação ao tempo poderão
ser generalizadas e assim serão aplicáveis para quaisquer quantidades variáveis de qualquer
espécie. Por exemplo, a taxa de crescimento de bactérias, a taxa de variação de uma reação
química. Em economia, a receita marginal, o custo marginal e o lucro marginal, são taxas de
variação.
Exemplos
1) Se R(x) for o rendimento total recebido das vendas de x aparelhos de televisão e
20
x
x 600 ) x ( R
3
− = , determine: a) a função taxa de variação do rendimento ou o rendimento
marginal; b) a taxa de variação do rendimento quando x = 20;
Solução: a)
20
x 3
600 ) x ( R
2
− = ′ ; b) 540
20
) 20 ( 3
600 ) 20 ( R
2
= − = ′
45


2) Uma bola é lançada verticalmente para cima, desde o solo. A equação do movimento é
t 20 t 5 ) t ( S
2
+ − = (S em m e t em seg.), determine:
a) a velocidade instantânea em t=1seg;
b) a velocidade instantânea em t=3seg;
c) o instante em que a bola começa retornar ao solo.
Solução: a) s / m 10 20 10 ) 1 ´( S = + − = ; b) s / m 10 20 30 ) 3 ´( S − = + − = ; c) seg 2 t 0 ) t ´( S = ⇒ =

Mais exemplos e situações veja os itens 4.11 e 4.12 do livro online


Máximos e mínimos

Função crescente e decrescente
1. Uma função f(x) é crescente quando 0 (x) ' f > ;
2. Uma função f(x) é decrescente quando
0 (x) ' f <
;
3. Pontos críticos: valores de x para os quais 0 (x) ' f = ou não existe (podem ser ponto de máximo,
de mínimo ou de inflexão).

Testes para máximos e mínimos locais
a) Teste da primeira derivada
1. Se (x) ' f passa de + para -, f (x) passa por um máximo;
2. Se (x) ' f passa de - para +, f(x) passa por um mínimo;
3. Se (x) ' f não muda de sinal, f(x) não passa por máximo nem por mínimo, pode ser um ponto de
inflexão.


b) Teste da segunda derivada:
1. Se ) (x ' ' f
0
<0, f(x) passa por um máximo;
2. Se ) (x ' ' f
0
>0, f(x) passa por um mínimo;
3. Se ) (x ' ' f
0
= 0, o teste falha.
Obs.: x
0
é o ponto crítico determinado pela
derivada primeira.



Ponto de inflexão
É o(s) ponto(s) onde a curva muda de concavidade. Uma
curva y = f(x) tem um ponto de inflexão quando:
Inflexão
46

(x) ' ' f = 0 ou não existe
(x) ' ' f troca de sinal quando x passa por x
0
.
Se (x) ' ' f >0 a concavidade é voltada para cima
Se (x) ' ' f <0 a concavidade é voltada para baixo



Exemplos
1) Quando uma droga é injetada em um músculo, a concentração da droga nas veias tem uma
curva tempo-concentração como aparece no gráfico (adaptado de GOLDSTEIN, 2000) a seguir.


Quando t = 0 não há nenhuma droga nas veias, quando injetada no músculo, a droga
começa a se difundir na corrente sanguínea. A concentração aumenta e atinge o seu máximo em
aproximadamente 2 horas. Depois desse instante começa a ser removida do sangue pelos
processos metabólicos do organismo. A concentração da droga se reduz a um nível tão pequeno
que para todos os objetivos práticos ela é zero.


2) Estudar a variação de cada função identificando ponto de máximo e mínimo.

a) Seja dada a função 10 x 3 x 4 ) x ( f
2
+ − − = , vamos estudar o sinal da (x) ' f . Temos que
3 - -8x (x) ' f = . Observamos que (x) ' f é uma função do 1º grau, que intercepta o eixo x no
ponto
8
3
x − = , então temos a seguinte representação:





Observando a representação acima podemos afirmar que:


8
3

+ -
47

f é estritamente crescente em:

¸

(
¸
(
− ∞ −
8
3
, ;f é estritamente decrescente em:

¸

(
¸
(
∞ + − ,
8
3

8
3
x − = é o valor onde obtemos o ponto de máximo absoluto da função dada. Representando a
função 10 x 3 x 4 ) x ( f
2
+ − − = podemos constatar as afirmações acima

b) Seja dada a função 10 x 3 x ) x ( f
3
+ − = . Temos que 3 - 3x (x) ' f
2
= . Para 0 (x) ' f = tem-se que
1 x ou 1 x − = = . A (x) ' f é uma parábola de concavidade para cima (a >0 ) que intercepta o eixo
x nos pontos –1 e 1. Representando, podemos observar que:

f’(x)





Representando a função 10 x 3 x ) x ( f
3
+ − = podemos constatar as afirmações acima


c) Seja a função 10 x 6 x
2
5
3
x
) x ( f
2
3
− + − = . Temos que 6 x 5 x ) x ( f
2
+ − = ′ é uma função quadrática
de concavidade voltada para cima. Os pontos críticos obtidos de 0 6 x 5 x
2
= + − são x = 2 ou x = 3
. Temos então:




Representando a função 10 x 6 x
2
5
3
x
) x ( f
2
3
− + − = podemos constatar
as afirmações acima



1
+ + _
-1
f é estritamente crescente em: ] [ ] [ +∞ ∞ − , 3 2 , U
f é estritamente decrescente em: ] [ 3 , 2
x = 2 é ponto de máximolocal ; A (2, -5.33)
x = 5/2 é ponto de inflexão I (2.5 , -5,4)
x = 3 é ponto de mínimo local ; B (3, -5.5)
+ + _
2 3
f é estritamente crescente em : ] [ ] [ +∞ − ∞ − , 1 1 , U
f é estritamente decrescente em : ] [ 1 , 1 −
x = -1 é ponto de máximo local ; A(-1, 12)
x = 0 é ponto de inflexão ; I(0, 10)
x = 1 é ponto de mínimo local; B(1, 8)
48

Mais exemplos e situações veja os ites 5.3, 5.4 e 5.5 do livro online

Problemas de otimização

Os métodos aprendidos para encontrar valores extremos têm aplicações práticas em
muitas áreas do dia-a-dia. Um homem de negócios quer minimizar custos e maximizar lucros. Um
viajante quer minimizar o tempo de transporte. Agora vamos resolver problemas tais como
maximizar áreas, volumes e lucros, e minimizar distâncias, tempo e custos. Na solução de tais
problemas práticos o maior desafio está frequentemente em converter o problema em um
problema de otimização matemática, estabelecendo a função que deve ser maximizada ou
minimizada.

Exemplos
a) Quer-se construir um cercado retangular aproveitando-se uma parede já existente. Se existe
material suficiente para se construir 80 metros de cerca, quais as dimensões do cercado para se
ter a maior área cercada possível?
Solução: O cercado terá duas dimensões iguais a x >0 e y >0 , conforme mostra o desenho :







Resposta: O cercado terá a maior área possível se tiver dimensões iguais a 20m e a 40 m .

Quer-se construir uma trave de um campo de futebol enterrando-se cada lado a uma
profundidade de 1 metro. Para isso dispõe-se de 10 metros de madeira numa peça só. Como
deverá ser cortada a peça de madeira para que se tenha a maior área possível sob a trave?


Solução:Sejam x >0 a medida de dois pedaços de madeira e, y > 0 o outro pedaço, como mostra o
desenho. Temos então que 2x+y=10 e assim y=10-2x . A área da trave será :
A = (x-1).y .
Portanto A(x)= (x-1).(10-2x) = 10x-2x²-10+2x = -2x² +12x-10 . Logo A ‘(x) = -4x+12 e assim


Temos então que: 2x+y=80 e assim y=80-2x e A
=x.yLogo: A(x) = (80-2x).x = 80x-2x² , x > 0
A’ (x) = 80-4x
80-4x=0 ⇒ x = 20

x = 20 é ponto de máximo e y = 80 -2.20 = 40
x= 3 é ponto de máximo absoluto,

logo o valor de y = 10-2.3 = 4
49

Resposta: A madeira deverá ser cortada em três pedaços: dois iguais a 3m e um igual a 4m .

c) Quer-se construir uma piscina infantil de base quadrada e que encerre um volume de 32m
3
. O
preço do m² da base equivale a 2 salários mínimos, enquanto que o preço do m² das faces laterais
equivale a 16 salários mínimos. Quais as dimensões da piscina para que se tenha preço mínimo?

Solução:Sejam x >0 a medida do lado do quadrado
da base e, y > 0 a altura. O volume deve ser 32 m³
então temos que x ². y = 32 e daí, y = 32/x ². Note
que a área total da piscina é a soma da área da base
x ² e mais a área de 4 retângulos de área x.y, assim
a função custo é dada por: C = 2x ² + 4.x.y.16
salários mínimos.
Temos
2
3
2
2
x
2048 x 4
x
2048
- 4x (x) ' C e
x
2048
x 2 ) x ( C

= = + = . ' C é uma fração cujo o denominador é positivo,
então, basta apenas estudar o sinal do numerador ( ) 2048 x 4 x g
3
− = .
Calculando temos que g(x)=0 implica x= 8





Resposta: Para que o custo da piscina seja mínimo, o lado da base deverá ser 8m e a profundidade
de meio metro

Lista 16
1) Dada a função 5 x 2
2
x
3
x
) x ( f
2 3
+ − + = , utilize as derivadas e determine:
a) os pontos críticos;
b) os intervalos onde y é crescente ou decrescente
c) os valores máximos locais e mínimos locais, inflexão;
d) o esboço do gráfico.

2) Analise o comportamento das funções usando a derivada:
a) x 4
3
x
) x ( f
3
− = b) 2 x 3
3
x
4
x
) x ( f
2
3 4
+ − + =

x = 8 é ponto de mínimo absoluto, logo
2
1
8
32
y
2
= =
50

3) Considere a quantidade de produção vegetal como função da quantidade de sementes x
colocadas na cova, dada pela equação
2 3
x 12 x ) x ( f + − = (kg/ha), analise os intervalos onde a
função é crescente ou decrescente e calcule:
a) a taxa de variação da produção em x = 6 e em x = 10 e justifique seus significados,
b) a quantidade x de sementes por cova para uma produção máxima,
c) a produção máxima,
d) Represente graficamente para valores reais.

4) De uma longa folha retangular de metal de 75cm de largura deve-se fazer uma calha dobrando
as bordas perpendicularmente à folha. Quantos cm devem ser dobrados de cada lado de modo
que a calha tenha capacidade máxima?

5) Um terreno retangular à margem de um rio deve ser cercado, com exceção do lado ao longo do
rio. Se o custo do material for de R$ 12,00 por metro linear no lado paralelo ao rio e de R$ 8,00
por metro linear nos dois extremos, ache o terreno de maior área possível que possa ser cercado
com R$ 3.600,00 de material.


Respostas
f´(x) = x
2
+ x – 2 = 0
x
1
=-2 e x
2
= 1
crescente para x<-2 e x > 1
decrescente para -2< x < 1.
f(-2) = 25/3 máximo localA(-2, 25/3)
f(1) = 23/6 mínimo localB( 1, 23/6)
Inflexão em x= -1/2

2) a) f´(x) = x
2
– 4
pontos críticos x
1
=-2 e x
2
= 2
decrescente para valores de x entre -2 e 2.
f(-2) = 16/3 máximo localA(-2, 16/3)
f(2) = -16/3 mínimo localB(2, -16/3)
Inflexão em x = 0


b) a) f´(x) = x
3
+ x
2
– 6x
pontos críticos x
1
= -3 x
2
= 0 e x
3
= 2
decrescente para valores de x entre 0 e 2 e menores que -3
f(2) = -10/3 mínimolocal ; A( 2, -3.33)
f(0) = 2máximo local ; B(0, 2)
f(-3) = -55/4 mínimo local ; C(-3, -13.75)



51


3) f´(x) = - 3x
2
+24x
f´(6) = 36 taxa positiva indica crescimento da produção
f´(10) = -60 taxa negativa indica decrescimento da produção
- 3x
2
+24x = 0
x
1
= 0 e x
2
= 8
a produção é crescente até 8 sementes por cova
produção máxima é f(8) = 256kg/ha

4) 18,75 cm
5) dimensões 150 x 112,5 metros




Mais exemplos e situações veja o item 5.6 do livro online





52


6. LISTAS COMPLEMENTARES

Lista 1
1. Sabe-se que f(x) = 2x – b é positiva para x > 4 e negativa para x < 4. Quanto vale b?

2. O preço a ser pago por uma corrida de táxi inclui uma parcela fixa, denominada bandeirada, e
uma parcela que depende da distância percorrida. Se a bandeirada custa R$ 5,33 e cada
quilômetro rodado custa R$ 0,92, calcule:
a) Qual a lei desta função;
b) O preço de uma corrida de 11 km;
c) A distância percorrida por um passageiro que pagou R$ 24,65 pela corrida.

3) Escreva a equação da reta que contém o ponto P e tem coeficiente angular ou linear dado:
a) P = (0, 0) a = 3 c) P = (0, 20) a =-2
b) P = (8, 15) b = -1 d) P = (-2, 1) b = 13

4) Dada a função F(x) = ax + 2, determine o valor de a para que se tenha f(4) = 22. Analise se a função
é crescente ou decrescente. Faça o estudo do sinal desta função.

5) Dada a função F(x) = ax + b e sabendo-se que F(3) = 5 e F(-2) = -5. Calcule
f(1/2), determine o zero desta função, o domínio e a imagem e faça um esboço do gráfico.

6) Considere as funções definidas por:
A.
2
1
) (


=
x
x f D) 3 2 ) (
2
− − = x x x f
B.
4
7 3
) (
+
+
=
x
x
x f E) 12 6 ) ( − = x x f
C.
2
1 2
) (
2
− +
+
=
x x
x
x f F)
1
2
) (

=
x
x
x f
a. Determine o domínio e a imagem de cada função.
b. Determine, se existir, as assíntotas verticais e horizontais de cada função.
c. Qual(is) o(s) zero(s) de cada função.
d. Determine, se existir, o ponto de máximo ou de mínimo.
e. Represente graficamente estas funções num gráfico para cada função.

7) Analise a função f(x) = -3x – 5, assinale V (verdadeiro) ou F (falso) em cada afirmativa, de acordo
com conceitos estudados anteriormente:
( ) O gráfico da função é crescente.
( ) O ponto onde a função intercepta o eixo y é (0, -5).
( ) O gráfico da função é decrescente.
( )
2
5
x − = é zero da função.

8) Determinar os valores de x para os quais 2
x
=1.

53

9) Determinar o valor de x para o qual 3
3
1
=
|
¹
|

\
|
x
.

10) O movimento de um projétil, lançado para cima verticalmente, é descrito pela equação
x 200 x 40 y
2
+ − = . Onde y é a altura, em metros, atingida pelo projétil x segundos após o
lançamento. Qual a altura máxima atingida e o tempo que esse projétil permanece no ar?


11) O valor mínimo do polinômio c bx x y + + =
2
, cujo gráfico é mostrado na figura, é:
Justifique.
(A) -1 (B) -2
(C)
4
9
− (D)
2
9


(E)
2
3




12) A representação cartesiana da função c bx ax + +
2
é a parábola abaixo. Tendo em vista
esse gráfico, podemos afirmar que: Justifique

(A) a<0, b<0 e c>0
(B) a>0, b>0 e c<0
(C) a>0, b>0 e c>0
(D) a<0, b>0 e c<0
(E) a<0, b>0 e c>0


13) Esboce o gráfico, determine o domínio e a imagem da função
x y
log
10
1
=


14) Observe os gráficos e relacione os mesmos com as respectivas funções:


a) f(x)=x³-4 b) g(x)=5
c) h(x)=2x+3 d) t(x)=x²-2

15) Os zeros de uma função quadrática f(x) = x²+bx+c são x
1
=-7 e x
2
=-1. Obter o vértice da
parábola que representa o gráfico desta função e verificar se é ponto de máximo ou ponto de
mínimo, determine o domínio e a imagem desta função.
54


16) Determine o domínio das seguintes funções:
a) 3 2 − = x y

b)
2
3 2
+
+
=
x
x
y

c)
x
x
y


=
3
d)
3
3
1
x
y

=

e)
1
1
+
=
x
y

f)
x
x
y

=
4


17) Determine o domínio, a imagem, o período(das funções trigonométricas) e faça o esboço do
gráfico das seguintes funções:
a) y = 3 sen(x) b) y = -2cos(x) c) y = sen (2x)
d) y = 2 + cos(x) e) y = 1/2cos(x) f) y = tg(x)
g) y = -1 + 4 cos(2x) h) f(x) = e
x
i) y = (1/5)
x

j) f(x) = 2
x
k) f(x) = (1/3)
x
l) f(x) = e
-x

18) Determine as raízes e faça a representação gráfica das seguintes funções:
a) f(x) = x
3
+2 x
2
+ x b) f(x) = x
3
-7x
2

c) f(x) = x
3
- 7 x
2
- x + 7 d) f(x) = x
3
- 3 x+2

Respostas
1) b= 8
2) a) y = 0,92x + 5,33 b) R$ 15,45 c) 21 km
3) a) y= 3x b) y= 2x – 1 c) y= -2x + 20 d) y= 6x + 13
4) a = 5; f(x) é crescente; 0 ) (
5
2
> → − > x f parax ; 0 ) (
5
2
< → − < x f x para
5) ; 0 )
2
1
( = f ;
2
1
= x ; : Im : ℜ ℜ D






6) A)
a) { } { } 0 : ) Im( 2 : − ℜ − ℜ f D
b) Assíntotas: 0 : 2 : = = y Horizontal x Vertical
c) : Raiz não possui
d)
Não possui

e) Gráfico ao lado




55


B)
a) { } { } 3 : ) Im( 4 : − ℜ − − ℜ f D
b) 3 : 4 : = − = y Horizontal x Vertical
c)
3
7
: − = x Raiz
d)
Não existe

e) Gráfico ao lado


C)
a) { } ℜ − − ℜ : ) Im( 1 , 2 : f D
b) 0 y : Horizontal ; 1 x e 2 x : Vertical : totas sin As = = − =
c)
2
1
: − = x Raiz
d)
Não possui

e) Gráfico ao lado




D)
a) [ ) ∞ − − ≥ ℜ , 4 , , 4 : ) Im( ; : ) ( ou y f f D
b) : sin totas As não possui
c) 3 1 : = − = x e x Raízes
d) ( ) 4 , 1− = V ponto de mínimo
e) Gráfico ao lado


E)
a)
+
ℜ ≥ : ) Im( 2 : ) ( f x f D
b)
Não possui assintotas

c) 2 : = x Raiz
d) y = 0 ponto de mínimo
e) Gráfico ao lado


F)
a) { } { } 2 : ) Im( 1 : ) ( − ℜ − ℜ f f D
b) 2 : 1 : = = y Horizontal x Vertical
c) 0 : = x Raiz
d)
Não possui

e) Gráfico ao lado

56

7) (F), (V),(V), (F)
8) x = 0
9) x = -1
10) y
v
= 250 m t=5 s
11) c
12) e
13) ℜ > : ) Im( ; 0 : ) ( ) f x f D a
14) c; d; a e b
15) V=(-4,-9) ponto de mínimo ; [ ) +∞ − ℜ , 9 : Im ; : D
16)
)
`
¹
¹
´
¦
≥ ℜ ∈
2
3
x / x ) a

{ } 2 / ) − ≠ ℜ ∈ x x b

{ } 0 / ) ≤ ℜ ∈ x x c
27 ) ≠ x d

{ } 1 x / x ) e − > ℜ ∈

{ } 0 4 / ) ≠ ≤ ℜ ∈ x e x x f


17) a) b)
[ ] π 2 , 3 , 3 : ) Im( : = − ℜ p f D

[ ] π 2 , 2 , 2 : ) Im( : = − ℜ p f D




c) d)
[ ] π = − ℜ p f D , 1 , 1 : ) Im( :

[ ] π 2 , 3 , 1 : ) Im( : = ℜ p f D








e) f)
π 2 ,
2
1
,
2
1
: ) Im( : =
(
¸
(

¸

− ℜ p f D

ℜ ∈
)
`
¹
¹
´
¦
+ ≠ ℜ ∈ : ) Im( ,
2
/ : f z k k x x D π
π





57


g) h)
[ ] π = − ℜ p f D 3 , 5 : ) Im( :

0 : ) Im( : > ℜ y f D





i) j)
0 : ) Im( : > ℜ y f D

0 : ) Im( : > ℜ y f D





k) l)
0 : ) Im( : > ℜ y f D

0 : ) Im( : > ℜ y f D


















58


18) a) Raízes: x = 0;x = -1 e x = -1 b) Raízes: x = 0;x = 0 e x = 7





c) Raízes: x = -1;x = 1 e x = 7 d) Raízes: x = -2 ;x = 1 e x = 1



Lista 2
1) Seja f(x) a função definida pelo gráfico abaixo, determine os seguintes limites:
a) ) ( lim
3
x f
x


b) ) ( lim
3
x f
x
+


c) ) ( lim
3
x f
x→

d) ) ( lim x f
x ∞ − →

e) ) ( lim x f
x ∞ + →

f) ) ( lim
4
x f
x→




2) Seja f(x) a função definida pelo gráfico abaixo,
determine os seguintes limites:

a) ) ( lim
2
x f
x
+
− →
b) ) ( lim
2
x f
x

− →


c) ) ( lim
2
x f
x − →
d) ) ( lim x f
x ∞ + →


59


3) Seja f(x) a função definida pelo gráfico. Determine os seguintes limites:

a) ) ( lim
2
x f
x
+

b) ) ( lim
2
x f
x



c) ) ( lim x f
x ∞ + →
d) ) ( lim x f
x ∞ − →

e) ) ( lim
1
x f
x→







4) Obtenha os limites:
a)
3
9
lim
2
3



x
x
x
b)
2
5
25
5
lim
x
x
x



c)
x x
x
x


2
3
0
2
lim

d)
2
8
lim
3
2



x
x
x
e)
1
3 4
lim
3
2
1

+ −

x
x x
x
f)
2
3 3
lim
2 3
2 3
1
+ −
− − +
− →
x x
x x x
x


g)
5 8 4
4 6 3
lim
2 3
2 3
1
− + −
− + −

x x x
x x x
x
h)
3 4
2 3
lim
4
3
1
+ −
+ −

x x
x x
x
i)
8 12 2 7 2
4 12 5 2
lim
2 3 4
2 3 4
2
− − + +
− − − +
− →
x x x x
x x x x
x


j) ) 1 2 3 5 ( lim
2 3
− − −
∞ + →
x x x
x
k) ) 1 2 2 ( lim
2 4 5
− + −
∞ − →
x x x
x
l) ) 1 2 3 ( lim
2 4
− + −
∞ − →
x x
x


m) ) 8 5 3 ( lim
2 4
+ +
∞ + →
x x
x
n) ) 2 3 5 ( lim
3
− + −
∞ − →
x x
x
o) ) 2 3 ( lim
2
− + −
∞ + →
x x
x


p)
1
1 2
lim
2
2

+
∞ − →
x
x
x
q)
3 5 9
1 2 5 3
lim
2 3
2 3
− + −
+ + −
∞ − →
x x x
x x x
x
r)
2 4
2 3
7
5 4
lim
x x
x x x
x
+
+ −
∞ + →


s)
20 8 6
7 3
lim
4 5
4 5
+ +
+ −
∞ − →
x x
x x x
x
t)
2 4
5 12 4
lim
2 3
2 5
+ +
+ +
∞ − →
x x
x x x
x



5) Determine as assíntotas (se existirem), a intersecção com o eixo y, analise a continuidade e
esboce o gráfico das funções abaixo:
a)
3
5

=
x
y
b)
1
1 3

+
=
x
x
y
c)
x
y
2
=
d)
2
) 1 (
2

=
x
y
e)
¦
¹
¦
´
¦
− =
− ≠
+
=
2 3
2
2
1
x se
x se
x
y
f)
6
3
2
− +
=
x x
y
60

g)
1
1
2

=
x
y
h)
2
3

+
=
x
x
y


6) Seja a função f definida por [ ] 3 , 3 9 ) (
2
− ∈ − = x x x f . Verifique se f é contínua nesse intervalo.

7) Sabendo que f dada por 1 , 0
4
) (
2
3
≠ ≠


= x e x para
x x
x x
x f , é uma função contínua em zero,
calcule f(0).

8) Determine, quando existirem os pontos de descontinuidade das funções e faça o esboço do
gráfico:
a)
5
4
) (

+
=
x
x
x f

x
x f b
1
) ( ) =

9
5
) ( )
2

=
x
x
x f c

x x x f d 5 ) ( )
2
+ =

Respostas:

1) 1 ) − a

3 ) b

existe não c)

1 ) − d

3 ) e

3 ) f

2) 0 ) a

0 ) b

0 ) c

∞ + ) d


3) 0 ) a

0 ) b

∞ + ) c

∞ − ) d

1 ) e

4) 6 ) a

10
1
) b

0 ) c

12 ) d

3
2
) − e

5
4
) − f

1 ) g

2
1
) h

8
7
) i

∞ + ) j

∞ − ) k

∞ − ) l

∞ + ) m

∞ + ) n

∞ − ) o

2 ) p

3
1
) q

0 ) r

2
1
) s

∞ ) t


5)
a) Assíntota Vertical, x=3;Assíntota Horizontal y=0, intercepta eixo y =
3
5

b) Assíntota Vertical, x=1;Assíntota Horizontal y=3, intercepta eixo y = - 1
c) Assíntota Vertical, x=0;Assíntota Horizontal y=0, não intercepta eixo y
d) Assíntota Vertical, x=1;Assíntota Horizontal y=0, intercepta eixo y = 2
e) Não têm Assíntotas, intercepta eixo y =
2
1

f) Assíntota Vertical, x= - 3 e x = 2;Assíntota Horizontal y=0, intercepta eixo y =
2
1

g) Assíntota Vertical, x= - 1 e x = 1;Assíntota Horizontal y=0, intercepta eixo y = 1 −
61

h) Assíntota Vertical, x = 2;Assíntota Horizontal y=1, intercepta eixo y =
2
3


6) Sim

7) 4

8) 5 ) ≠ x em a Descontinu a

0 ) ≠ x em a Descontinu b

3 3 ) ≠ − ≠ x e x em a Descontinu c

idade descontinu existe Não d)


Lista 3

Obtenha a derivada de cada uma das seguintes funções.
1. 2 x 5 x 3 x ) x ( y
2 3
− + − =
2.
4 8
x x
8
1
) x ( y − =
3.
2
2
x
1
x 3 x ) x ( F + + =
4.
4 2
x
5
x
3
) x ( g + =
5. ) s s ( 3 ) s ( f
2 3
− =
6. ( )( ) x 6 x 5 1 x 2 ) x ( f
3 4
+ − =
7.
1 x 2 x
1 x 2 x
) x ( H
2
2
+ −
+ +
=
8.
1 x
x
) x ( f

=
9.
2
x 2 1
x 5
) x ( h
+
=
10.
8 x
8 x
) x ( f
3
3
+

=
11. ( ) 1 x 3
5 x
1 x 2
) x ( f −
+
+
=
12. ( )
3
2
5 x 4 x ) x ( F − + =
13. ( )
2
3 4
1 t 2 t 7 t 2 ) t ( f − + − =
14. ( )
2
4 x ) x ( f

+ =
15. ( ) ( )
2
3
2
1 u 3 5 u 3 ) u ( h − + =
16. ( ) ( )
2 1
3 x 4 5 x 2 ) x ( g
− −
+ − =
17.
2
2 y
7 y
) y ( f
|
|
¹
|

\
|
+

=
18.
1 x 3 x 7
2
) x ( f
2
− +
=
19. ( ) ( )
2
3
2
5 r 2 1 r ) r ( f + + =
20.
( )
( )
2
2
3
2
4 z
5 z
) z ( f
+

=
21. ( )3
2
5 x 3 ) x ( f + =
22.
1 x 3
5 x 2
) x ( g
+

=
23.
2
1
2
1
x 5 x 4 ) x ( f

+ =
24.
3 2 3
x x 5 x 2 ) x ( F + − =
25.
t
2
t 2 ) t ( g + =
26.
x
1 x
) x ( F
2

=
27.
3
1 x
1 x
) x ( h
+

=
28.
3 2 2
3 x 5 x ) x ( f + − =



62

Respostas

1. 5 x 6 x 3 ) x ( ' y
2
+ − =
2.
3 7
x 4 x ) x ( ' y − =
3.
3
x
2
3 x 2 ) x ( ' F − + =
4.
5 3
x
20
x
6
) x ( ' g − − =
5. ( ) s 2 s 3 3 ) s ( ' f
2
− =
6. 6 x 15 x 60 x 70 ) x ( ' f
2 4 6
− − + =
7.
( )
( )
3
1 x
1 x 4
) x ( ' H

+
− =
8.
( )
2
1 x
1
) x ( ' f

− =
9.
( )
( )
2
2
2
x 2 1
x 2 1 5
) x ( ' h
+

=
10.
( )
2
3
2
8 x
x 48
) x ( ' f
+
=
11.
( )
( )
2
2
5 x
1 x 10 x 6
) x ( ' f
+
+ +
=
12. ( )( )
2
2
5 x 4 x 2 x 6 ) x ( ' f − + + =
13. ( )( ) 1 t 2 t 7 t 2 2 t 21 t 8 2 ) t ( ' f
3 4 2 3
− + − + − =
14. ( )
3
4 x 2 ) x ( ' f

+ − =
15. ( )( ) ( ) 5 u 3 u 12 5 u 3 1 u 3 6 ) u ( ' h
2
2
2
+ − + − =
16. ( )( ) ( )
3 2
3 x 4 5 x 2 17 x 12 2 ) x ( ' g
− −
+ − + − =
17. ( )( )
3
2 y 7 y 18 ) y ( ' f

+ − =
18. ( )( )
2
2
1 x 3 x 7 3 x 14 2 ) x ( ' f

− + + − =
19. ( ) ( )( ) 4 r 30 r 16 5 r 2 1 r ) r ( ' f
2
2
2
+ + + + =
20. ( ) ( ) ( ) f z z z z z ' ( ) = − + +

2 5 22 4
2
2
2 2
3

21. ( ) 3
1
5 x 3 2 ) x ( ' f

+ =
22.
( )
3
1 x 3 5 x 2 2
17
) x ( ' g
+ −
=
23.
2
3
2
1
x
2
5
x 2 ) x ( ' f
− −
− =
24.
( )
3
2
2 3
2
x x 5 x 2 3
1 x 10 x 6
) x ( ' F
+ −
+ −
=
25.
2 t
t
t 2
1
) t ( ' g
2
− =
26.
1 x x
1
) x ( ' F
2 2

=
27.
( )
3
4
1 x 1 x 6
5 x
) x ( ' h
+ −
+
=
28.
( )
( )
3
2
2 2
2
3 x 5 x 3
1 x 5 x
) x ( ' f
+ −

=

Lista 4

Utilize o formulário e encontre a derivada das funções abaixo:
a)
) x ( sen
1
y = b)
x
2
e
) x ( sen x
y

= c)
x
e x
) x cos(
y

=
d) ) x ( tg y
2
= e) y =
) x cos( ) x ( sen
) x ( tg
+
f) ) x ( sen y
3
=
g) )) x (cos( log y
2
= h) ) x ( sen y = i)
2
) x ( arcsen y =
j)
|
¹
|

\
|
+
=
5
1 x 4
h tg y k)
|
¹
|

\
|
=
x
1
gh cot y

63

Respostas
a)
( )
( ) x sen
x cos
' y
2

=
b) ( ) ( ) ( ) ( ) x sen x x 2 x cos x e ' y
2 2 x
− + =


c)
( ) ( ) ( ) ( )
x 2
e x
x cos x cos x sen x
' y
− + −
=
d) ( ) ( ) x sec x tg 2 ' y
2
=

e)
( ) ( ) ( ) ( ) ( ) ( )
( ) ( ) ( ) [ ]
2 2
2 2
x cos x sen x cos
x sen x cos x cos x sen x cos x sen
' y
+
+ − +
=

f) ( ) ( ) x cos x sen 3 ' y
2
=
g)
( )
( ) 2 ln x cos
x sen
' y

=
h)
( )
( ) x sen 2
x cos
' y =
i)
( )
2
x 1
x sen arc 2
' y

=
j)
|
¹
|

\
|
+
=
5
1 x 4
h sec
5
4
' y
2

k)
2
2
x
x
1
h sec cos
' y
|
¹
|

\
|
=



BIBLIOGRAFIA BÁSICA
ANTON, H. Cálculo: um novo horizonte. Porto Alegre: Bookman, 2000.
AVILA, Geraldo. Cálculo: das funções deuma variável. 7. ed. - Rio de Janeiro : LTC, c2004. – v.1
BOULOS, Paulo. Cálculo diferencial e integral. São Paulo : Makron Books, 2004. - v. 1
FLEMMING, Diva Marilia. Cálculo A: funções, limite, derivação, integração. 5.ed., São Paulo: Makron
Books do Brasil, 2004, 617 p.
LEITHOLD, L. O cálculo com geometria analítica. São Paulo: Harbra&Row do Brasil, 1982.
SHENK, A. Cálculo com geometria analítica. Rio de Janeiro: Campus, 1985.
STEWART, James. Cálculo. São Paulo:Thomson, 2005, v.1.

BIBLIOGRAFIA COMPLEMENTAR
BOULOS, Paulo. Pré-Cálculo. São Paulo: Pearson Education do Brasil, 2001.
EDWARDS, etall. Cálculo com geometria analítica. LTC, Rio de Janeiro, 1998.
MUNEM, A. e FOULIS, D.J. Cálculo. Rio de Janeiro, LTC, 1982.

http://www.ime.uerj.br/~calculo/pdfpsiu.html

CRONOGRAMA Data Descrição do desenvolvimento da aula

Apresentação e discussão do plano de ensino. Conceitos gerais de funções, exemplos e 28/02/2012 resolução de exercícios. Apresentação do trabalho avaliativo que será desenvolvido no decorrer das aulas, durante o semestre. 06/03/2012 13/03/2012 Estudo da função Linear, Quadrática e definida por mais de uma sentença. Conceitos, exemplos e exercícios. Apresentação do aplicativo Winplot e simulações gráficas. Estudo da função cúbica, racional, irracional e modular. Exemplos e resolução de exercícios. Introdução ao estudo de limites.

Revisão de potências e logaritmos. Estudo da função exponencial e logarítmica, 20/03/2012 exercícios. Introdução ao estudo de limites. Lista de exercícios complementar sobre as funções já estudadas. 27/03/2012 Estudo das funções trigonométricas e hiperbólicas(diretas, inversas),exemplos, simulações gráficas e resolução de exercícios. Continuidade de funções no ponto e em intervalos. Definições, exemplos e resolução de exercícios. Revisão para a primeira avaliação. Entrega e discussão da Avaliação Parcial. Estudo da derivada no ponto. Interpretação geométrica da derivada. Definição, exemplos e exercícios. Revisão sobre fatoração e simplificação. Teoremas da derivada (Regra da Cadeia), exemplos e resolução de exercícios.

03/04/2012 Formalização do conceito de limite. Teoremas, exemplos e resolução de exercícios. 10/04/2012

17/04/2012 Avaliação Parcial. 24/04/2012

08/05/2012 Teoremas de derivadas de funções algébricas, exemplos e resolução de exercícios. 15/05/2012

22/05/2012 Teoremas de derivadas (funções transcendentes), exemplos e resolução de exercícios. 29/05/2012 Derivada implícita, exemplos, exercícios. Revisão para a segunda avaliação. 05/06/2012 Avaliação parcial. 12/06/2012 Entrega e discussão da Avaliação Parcial. Derivada de ordem superior, aplicações da derivada, exemplos e resolução de exercícios.

19/06/2012 Problemas de otimização, exemplos, exercícios. 26/06/2012 Resolução de Exercícios (Revisão Geral). 03/07/2012 Avaliação Sistematizadora.

2

1. FUNÇÕES
Situações-problema podem envolver diversas variáveis. As funções são instrumentos para estudar as relações, correspondências ou possíveis associações entre essas variáveis. As funções muitas vezes são modelos matemáticos que representam e simplificam situações reais. Muitas leis científicas e princípios de Engenharia descrevem como uma quantidade depende da outra. Em 1673, essa ideia foi formalizada por Leibniz, que cunhou o termo função para indicar a dependência de uma quantidade em relação à outra. Exemplos A área de um círculo depende de seu raio. A lei que relaciona r e Aé dada pela equação A = π r 2 . A cada número r positivo existe associado um único valor deA e dizemos que A e função de r. A população humana mundial P depende do tempo t. Por exemplo, P(2000)=6 080 000 000. Para cada valor do tempo t, existe um valor de P correspondente e dizemos que P é função de t. O custo C de enviar uma carta pelo correio depende de seu peso w. Embora não haja uma fórmula simples relacionando w e C, o correio tem uma fórmula que permite calcular C quando é dado w.

Definição: Uma Função expressa o relacionamento entre duas variáveis. Se duas variáveis “x” e “y” estão relacionadas de forma que “para cada valor atribuído a “x”, existe um único valor associado a “y”, então dizemos que “y” é uma função de “x” e escrevemos y = f(x).

y = f(x) Variável independente Variável dependente

Teste da vertical: Uma curva no plano xy é o gráfico de uma função de x se e somente se se nenhuma reta vertical cortar a curva mais de uma vez.

3

isto é. Geometricamente os zeros de uma função são as abscissas dos pontos onde o gráfico intercepta o eixo dos x. 0 ) e B(5. 4 . Uma vez que a coordenada y de qualquer ponto (x. basta examinar se é positiva. Imagem Im(f): É o conjunto das ordenadas dos pontos do gráfico. são os valores da variável y. os números 1 e 5 são os zeros (raízes) da função. 0 ) ou f (1) = 0 e f (5) = 0 Logo. y) do plano coordenado tais que y=f(x) e x está no domínio de f. temos: A(1. isto é.Conceitos Gerais de funções Domínio D(f): É o conjunto das abcissas dos pontos do gráfico. nula ou negativa a ordenada de cada ponto da curva. Matematicamente x é zero de y = f (x ) ⇔ f (x ) = 0 . Gráfico: O gráfico de f consiste em todos os pontos (x. O gráfico de uma função f nos dá uma imagem útil do comportamento de uma função e. Zeros de uma função: Os valores de x para os quais f (x ) = 0 chamam-se zeros ou raízes de uma função. Quando a função esta representada no plano cartesiano. f (x ) = 0 ou f (x ) < 0 . todos os valores que se pode atribuir à variável x de modo que exista a variável y. y) sobre o gráfico é y=f(x). também nos permite visualizar o domínio sobre o eixo x (abscissas) e a imagem sobre o eixo y (ordenadas). Sinal de uma função: Para estudar o sinal de uma função temos que verificar para que valores de x temos f (x ) > 0 . No gráfico.

Função crescente e função decrescente: Sendo x1 e x2 elementos quaisquer de um conjunto A ⊂ D(f ) . diz-se que a função é crescente em A se f (x 1 ) < f (x 2 ) e decrescente se f (x 1 ) > f (x 2 ) . f ( x) é crescente? Para que valores de x. o valor de y diminui. Dizemos então que a função é crescente no intervalo A. f (x ) = 0 ? Para que valores de x. No intervalo B. f (x ) > 0 ? f) Para que valores de x. aumenta também o valor de y. Lista 1 Considerando o gráfico de cada uma das funções. f (x ) > 0 ? Para que valores de x. Considere a função y=f(x) definida pelo gráfico. f (x ) = −x 2 + 1 Qual é o domínio da função? Qual é a imagem da função? Para que valores de x. aumentando o valor de x. f (x ) < 0 ? Qual é o valor máximo da função? 5 . y crescente decrescente A B x Observe que no intervalo A. responda as questões abaixo: 1. f ( x) é decrescente? Para que valores de x. f (x ) < 0 ? g) A função tem algum ponto de máximo ou de mínimo? 2. f (x ) = 2x + 4 a) b) c) d) Qual é o domínio da função? Qual é a imagem da função? A função é crescente ou decrescente? Para que valor de x. Dizemos então que a função é decrescente no intervalo B. aumentando o valor de x. com x 1 < x 2 . f (x ) = 0 ? e) Para que valores de x.

3. O elemento do domínio cuja imagem é 3. a) Qual é o domínio da função? b) Qual é a imagem da função? c) Existe x. f (x ) = 2 x . f (x ) > 0 ? e) Para que valores de x. f(1) ou f(6)? Quais os valores de x que tem como imagem o zero? f(4) é positiva ou negativa? f(6) é positiva ou negativa? Quais são o domínio e a imagem de f(x)? 6 . o valor de f (x ) se aproxima de que número? 5. f (x ) < 0 ? f) Para valores de x positivos cada vez maiores. f (x ) = 2 x a) b) c) d) Qual é o domínio da função? Qual é a imagem da função? A função é crescente ou decrescente? Para que valores de x. tal que f (x ) = 0 ? d) A função é crescente ou decrescente? e) Existe x. tal que f (x ) < 0 ? g) Para que valores de x. a) b) c) d) e) f) g) O valor de f(0) e. Qual é o valor maior. f (x ) = 1 ? 4. Considere o gráfico de f(x) e determine o que se pede. a imagem do elemento 7. o valor de f (x ) se aproxima de que número? g) Para valores de x negativos cada vez menores. f (x ) > 2 ? f) Para que valor de x.

definida pela lei f(x ) = ax + b Com a e b pertencentes a ℜ. Seu domínio é D(f ) = ℜ e sua imagem é Im(f ) = ℜ . FUNÇÕES ALGÉBRICAS Função linear ou de 1º grau Definição: Uma função f de ℜ em ℜ recebe o nome de função linear.2. a =coeficient e angular ou declive da reta Os coeficientes de y = ax + b ⇒  b = coeficient e linear da reta Declividade (coeficiente angular) A direção de uma reta é determinada pela sua declividade. 7 . a ≠ 0 . que é definida em termos do ângulo entre a reta e o eixo x a = tg(θ) = y 2 − y 1 ∆y = x 2 − x 1 ∆x então podemos escrever: y − y 1 = a (x − x 1 ) → equação geral da reta Exemplos a) f (x ) = 2x + 3 5 b) y = −x+2 3 c) f (x ) = 3x +4 2 d) f (x ) = −3x Gráfico O gráfico da função f(x ) = ax + b é uma reta não paralela nem ao eixo x nem ao eixo y.

que tornam f (x ) = 0 . respectivamente. respectivamente. Assim. A parábola poderá ter concavidade voltada para cima ou para baixo. Zeros (ou raízes) Denominam-se zeros ou raízes de uma função de 2º grau os valores de x que anulam a função. se a > 0 . para determinar os zeros ou raízes de uma função do 2º grau devemos resolver a equação do 2º grau ax 2 + bx + c = 0 . a concavidade é voltada para baixo. ∆ = 0 e ∆ < 0. a concavidade é voltada para cima. Gráficos da Função Quadrática Gráficos para a > 0. ∆ = 0 e ∆ < 0. c reais e a ≠ 0 . se ∆ = 0 : a função f (x ) = ax 2 + bx + c tem duas raízes reais iguais. Gráficos para a < 0. que é resolvida através de Bháskara x = ∆ = b 2 − 4ac . onde 2a se ∆ > 0 : a função f (x ) = ax 2 + bx + c tem duas raízes reais desiguais. definida pela lei f (x ) = ax 2 + bx + c coma . 8 . se ∆ < 0 : a função f (x ) = ax 2 + bx + c não tem raízes reais.Função quadrática ou do 2º grau Definição: Uma função f de ℜ em ℜ recebe o nome de função quadrática. Exemplos a) f (x ) = x 2 − 4x + 3 b) y = 9 − x 2 c) f (x ) = −x 2 d) f (x ) = − x2 2 + 4x + 3 5 Gráfico O gráfico de uma função do 2º grau é uma curva aberta chamada parábola. se a < 0 . b. ∆ > 0. ou seja. −b ± ∆ . ∆ > 0.

1 4(1) raiz Análise do gráfico O conjunto Domínio é: D = ℜ . 9 . cujas coordenadas são x v = − ∆  b Vértice de uma parábola: V =  − . definida pela lei y = ax 3 + bx 2 + cx + d em que a ≠ 0 e b. yv = = −4 2. 2a 4a Exemplo a) Construir o gráfico da função y = x 2 − 2x − 3 Encontrando as raízes: x 2 − 2x − 3 = 0 ∆ = 16 (a função tem duas raízes reais distintas) 2 ± 4  x1 = 3 x=  2 x 2 = −1 − (−2) − 16 Vértice: x v = = 1 .Estudo do Vértice A parábola. −   2a 4a  b ∆ (abscissa) e y v = − (ordenada). c e d são constantes. que representa o gráfico da função f (x ) = ax 2 + bx + c . passa por um ponto V. chamado vértice. O conjunto Imagem é: Im = {y ∈ ℜ / y ≥ −4} f(x) é crescente para valores no intervalo x > 1 (ver xv) f(x) é decrescente para valores no intervalo x < 1 (ver xv) f(x) é nula (f(x) = 0)para valores de x = -1 e x = 3 (ver raízes) f(x) é positiva (f(x) > 0) para valores no intervalox < -1 e x > 3 f(x) é negativa (f(x) < 0) para valoresno intervalo -1 < x < 3 f(x) possui um mínimo absoluto em x = 1 (ver xv) (ver yv) (ver raízes) (ver raízes) Função Cúbica Definição: Uma função f de ℜ em ℜ recebe o nome de função cúbica.

ou seja.Gráfico O gráfico de uma função cúbica é uma curva que pode apresentar pontos de máximos e mínimos. x2 + 2x + 1 = 0 2. Exemplos 1. sempre uma das raízes será zero.7)=0 e então duas das raízes serão zero e a outra será obtida da equação x-7=0 Caso 2: Quando o polinômio é da forma incompleta. contendo o termo d. então 1 é uma das raízes de f(x). f(x)= x3 + 2x2 + x x3 + 2x2 + x = 0 x(x2 + 2x + 1) = 0 e então uma das raízes será zero e as outras duas serão obtidas da equação de segundo grau. O termo independente determina a interseção com o eixo y. escreve-se esquematicamente a a a b axo b+axo = k1 c xok1 c+xok1 = k2 d xok2 d + xok2 xo Se d + xok2 = 0 então xo é uma raiz de f(x). Uma função de grau 3. 1 1 1 -7 1 -6 16 -6 10 -10 10 0 1 Como f(1) = 0. Os valores para os quais f(x)=0. as raízes serão determinadas aplicando o método de Briot-Ruffini. E os coeficientes restantes formarão uma função do segundo grau. O domínio e a imagem é sempre o conjunto dos números reais. Zeros (ou raízes) Caso 1. As outras duas são raízes da equação x2 – 6x +10 = 0 10 . Seja f(x) = x3 – 7x2 + 16x –10. f(x)= x3 . tem exatamente 3 raízes reais ou complexas. Determine as raízes. recebem o nome de zeros da função cúbica.7x2 x3 . interceptará o eixo y na origem. ou da forma completa. (com no mínimo uma raiz real). desde que cada raiz seja contada de acordo com sua multiplicidade.7x2 = 0 x2 (x. Quando o polinômio é da forma incompleta. Exemplos 1. Determinação do método Ruffini Seja f(x) = ax3 + bx2 + cx +d. não contendo o termo d.

Seja f(x) = x3 . Seja f (x ) = x 3 + x 2 − 6x determinar o domínio. a) f ( x ) = x 2 − 4 10. 0) Lista 2 A) Faça o esboço dos gráficos das funções (letras a e b em um mesmo sistema cartesiano) e observe as modificações que ocorrem de acordo com as variações dos coeficientes. a) f ( x ) = x − 1 4. a) f ( x ) = x 2 − 4 x 9. as raízes e a interseção com o eixo y. a) f ( x ) = x 2 − 2 x + 1 b) g ( x ) = 2x 2 − 4 b) g( x ) = x 2 + 2 x b) g ( x ) = x 2 + 2 b) g ( x ) = x 2 + 4 x + 4 b) g( x ) = x 2 − 2 x + 3 11 . a) f ( x ) = 2 x + 2 2. 1 1 1 0 1 1 -3 1 -2 2 -2 0 1 Como f(1) = 0.3x + 2. a imagem. a) f ( x ) = x 2 − 4 8. Solução D= R Im=R Raízes: x = -3.2.determinar as raízes e esboçar o gráfico. a) f ( x ) = x + 2 3 2 −x +4 6. a) f ( x ) = x 2 − 4 x + 4 11. 3. então x’=x’’=1 (com multiplicidade 2) e x’’’ = -2. a) f ( x ) = 3 5. então 1 é uma das raízes de f(x). a) f ( x ) = x+2 4 b) g ( x ) = −2x + 2 b) g( x ) = b) b) b) b) − 2x + 2 4 x g(x ) = − 1 2 g( x ) = x − 1 3 g( x ) = x − 1 2 −x g( x ) = +6 3 3. a) f ( x ) = x + 1 7. x = 0 e x = 2 Interseção com o eixo y no ponto (0. As outras duas são raízes da equação x2 + x –2 = 0 Sendo x2 + x –2= 0. 1.

c) a raiz ou as raízes (caso existam). Determinar o domínio a imagem. Os gráficos poderão ser analisados com o uso de aplicativo gráfico. 1 . -1) e (1/3 . d)o(s) intervalo(s) onde a função é positiva(caso exista(m)). -1) Assíntota vertical em x = 1 Assíntota horizontal em y = 0 12 . assíntota x −1 vertical assíntota horizontal. raízes. 3). 13) Determine a função quadrática que intercepta o eixo x em -3 e 2 e passa pelo ponto (1. -4). Solução D = {x ∈ R / x ≠ 1} Exemplo:Seja f (x ) = Im=R* A função dada não possui raízes Interseção com o eixo y no ponto (0. 1) y = 4 − 3x 2 2) y = 3x + 4 3 3) y = x 2 − 2x − 3 1 1 4) y = −x 2 + x + 2 2 7) y = 2x 5) f (x ) = x 3 − 2x 2 − 5x + 6 8) y = −x 2 − 1 6) f (x ) = −2x 3 − 2x 2 + 20x − 16 10) y = x 2 + 2x 11) y = x 3 + 2 9) y = −x 3 + 2x 2 + 3x 12) Determine a função linear que passa pelos pontos (-1. Função racional ou fracionária Definição: Uma função racional f é a razão entre dois polinômios: f (x ) = P(x) Q (x) onde P e Q são polinômios. faça o esboço do gráfico e determine: a) o domínio e a imagem. interseção com o eixo y.B) Das funções definidas abaixo.

a imagem. determinar o domínio. -1) 13 . como sendo. Im = {y ∈ R / y ≥ −1 } Raízes em x = -1 e x = 1 Ponto de mínimo (0. x se x ≥ 0 f (x ) =  − x se x < 0 Exemplo: Se f(x) = x + 1 . Solução D = {x ∈ R / x ≥ −2 } Im=R+ Raiz em x = -2 Possui interseção com o eixo y em 0. para x > 2 D = R.Função irracional Definição: Uma função irracional f é dada pela lei f (x ) = n P(x) onde n é um número inteiro e P é um polinômio. graficamente temos: Solução D =R Im=R+ Raiz em x = -1 Possui interseção com o eixo y em (0. para x ≤ 2 f(x) =  x + 4 . cada uma das quais está ligada a um domínio D. Exemplo: Seja y = x + 2 . 1) Funções definidas por mais de uma sentença Definição: Uma função f pode ser definida por várias sentenças. Exemplo x 2 − 1. as raízes e a interseção com o eixo y. contido no domínio de f. 2 ( ) Função modular Definição:Uma função é modular se: f(x) = x .

Chamamos de função + exponencial de base a à função F: ℜ → ℜ * . itens 2. Resolver exercícios complementares Lista 1 Estudos complementares. exemplos e situações no livro online capitulo 2. FUNÇÕES TRANSCENDENTES Função exponencial Definição: Seja a um número real positivo e diferente de 1 (a ∈ℜ * e a ≠ 1) . a) y = − x + 2 6. determine: a) o domínio e a imagem. a) y = 1 x 3 x+2 3.a) y = 2x − 5 5. y = x 2 − 1 2. analisando as modificações gráficas. y = − x + 3 3.4)x c) f(x) = ( 5) x 14 . f (x ) =  Se necessário. a) y = 2 x − 4 b) y = 2x − 2 b) y = − x − 2 b) y = 2 x + 4 B. 1. a) y = 2.1 a 2. c) o esboço do gráfico. a) y = x −2 x 3 b) y = x +1 b) y = 2 x b) y = 4. 1. f ( x ) =  4. definida por + f(x) = ax São exemplos de funções exponenciais: a) f(x) = 5x b) f(x) = (0. b) as raízes (caso existam). Faça o esboço do gráfico das funções a seguir. y =  x + 1 se x < 1   2 x se x ≥ 1  x − 2 se x ≤ 3 − x + 4 se x > 3  x − 2 se x ≤ 1 se x > 1 3 5.7 3. Das funções definidas abaixo. utilize um aplicativo gráfico para realizar a correção.Lista 3 A.

D = Re Im = R+*.. 4. É crescente quando a > 1. O número e é irracional.718281828459.. O gráfico fica totalmente acima do eixo “x” e corta o eixo “y” em (0. Chamamos de + função logarítmica de base a à função g: ℜ * → ℜ definida por + g(x) = logax Observe que o domínio da função é ℜ * . isto é. 2. 15 . que se anule para x = e. f(x) = log a x é inversa de g(x) = ax ou seja ax = y ⇔ log a x . somente valores positivos poderão ser + atribuídos a x. ou seja.. 1). São exemplos de funções logarítmicas: a) f(x) = log3 x . positivo e diferente de 1 (quer dizer a ∈ ℜ * − {1 } . não pode ser obtido como quociente (p/q) de dois inteiros.. É decrescente quando 0 < a <1 . Isto significa que não existe um polinômio P(x) com coeficientes inteiros.Análise da Função 1. 3. Mais ainda: é um irracional transcendente. a>1 0<a<1 f(x) é crescente e Im=IR+ Para quaisquer x1 e x2 do domínio: x2>x1⇒ y2>y1 f(x) é decrescente e Im=IR+ Para quaisquer x1 e x2 do domínio: x2>x1⇒ y2<y1 A função y = ex é também uma função exponencial cuja base é o número irracional e=2. Função logarítmica Definição: Seja a um número real. b)g(x) = log 1 x 2 Análise da função 1.

3. A função é crescente para a > 1. o comportamento ondulatório do som. exemplos e situações no livro online capitulo 2.5)x e) y = log 1 (x ) 3 c) y = e x d) y = ln (x ) Estudos complementares. como as variações da temperatura terrestre.0). descrevem esses comportamentos e podem ser gerados a partir de um círculo trigonométrico de raio unitário.2. 4. itens2. determine o domínio e a imagem e classifique a função como crescente ou decrescente. estes podem ser modelados por funções trigonométricas. os níveis de água dos oceanos.10 e 2. Os gráficos das funções trigonométricas básicas. O gráfico não intercepta o eixo “y” e corta o eixo “x” em (1. a>1 0<a<1 f(x) é crescente e Im=IR Para quaisquer x1 e x2 do domínio: x2>x1⇒ y2>y1 f(x) é decrescente e Im=IR Para quaisquer x1 e x2 do domínio: x2>x1⇒ y2<y1 Função Logarítmica Natural ou Neperiana f(x) = ln x ou loge x = ln x. 16 . 5) D = R+* e Im = R. a pressão sanguínea no coração. a) y = 2 x d) y = log (x − 1) b) y = (0. etc.. seno e cosseno.13 Funções Trigonométricas Quando se observam fenômenos que se repetem periodicamente. Lista 4 Construa o gráfico das seguintes funções. A função é decrescente para 0 <a< 1.

Função Cosseno A função que associa a cada x pertencente a R e indicamos: f(x) = cos (x). senx ≠ 0 senx 1 . A amplitude de uma oscilação é a metade da distância entre os valores máximos e mínimos. 2) Im = [-1. Análise da função 1) D = R 2) Im = [-1.Das relações dessas funções com círculo unitário surgem as relações trigonométricas. 17 . 3) Valor máximo ⇒ y = 1. 1]. Dentre muitas. cos x ≠ 0 cos x 1 . senx ≠ 0 5) cos sec x = senx 2)tg x = senx .1]. 5) É periódica e o período é 2π⇒ P = 2π. algumas estão destacadas abaixo. 5) É periódica e o período é 2π⇒ P = 2π. Relações Fundamentais e Derivadas 1)sen2 x + cos 2 x = 1 3) cot g x = cos x . 4) Valor mínimo ⇒ y = -1. cos x ≠ 0 4) sec x = cos x Funções trigonométricas diretas Função Seno A função que associa a cada x pertencente a R e indicamos: f(x) = sin (x). 4) Valor mínimo ⇒ y = -1. O período de uma oscilação é o tempo necessário para a oscilação evoluir um ciclo completo. 3) Valor máximo ⇒ y = 1. Análise da função 1) D = R.

/ 5) Período → P = 2π π + kπ.1[ 3) Valor Máximo ⇒ ∃ . k ∈ Ζ o número cot(x) pertencente aos reais e indicamos por: cos (x ) f(x) = cot (x ) cot (x ) = com sin (x ) ≠ 0 sin (x ) Analise da função 1) D = {x ∈ ℜ / x ≠ kπ. / 4) Valor Mínimo ⇒ ∃ . / 5)Período → P = π Função Secante A função que associa a cada x ≠ π + kπ.Função Tangente É uma função que associa a cada x ≠ por: f (x) = tan(x ) tan (x ) = sin (x ) com cos (x ) ≠ 0 cos (x ) π + kπ. k ∈ Ζ . k ∈ Ζ } 2 18 . k ∈ Ζ } 2 2) Im = ℜ 3) Valor Máximo ⇒ ∃ . / 4) Valor Mínimo ⇒ ∃ . / 5) Período → P = π Função Cotangente É uma função que associa a cada x ≠ kπ. o número sec(x) pertencente aos reais e indicamos por: 2 1 f(x) = sec (x ) sec (x ) = com cos (x ) ≠ 0 cos (x ) Analise da função 1) D = {x ∈ ℜ / x ≠ 2) Im = ℜ− ] − 1. k ∈ Ζ o número tan(x) pertencente aos reais e indicamos 2 Analise da função 1) D = {x ∈ ℜ / x ≠ π + kπ. k ∈ Ζ } 2) Im = ℜ 3) Valor Máximo ⇒ ∃ . / 4) Valor Mínimo ⇒ ∃ .

Analise a influência de cada um dos parâmetros a. comparando com a função y = sen(x). / 5) Período → P = 2π Lista 5 Construa o gráfico das funções indicando período. exemplos e situações no livro online capitulo 2.1[ 3) Valor Máximo ⇒ ∃ / 4) Valor Mínimo ⇒ ∃ . imagem e domínio.Função Cossecante É uma função que associa a cada x ≠ kπ. a) f(x)= 2+sen (x) b) f(x) = . 1]  π π Im = − . k ∈ Ζ o número csc(x) pertencente aos reais e indicamos por 1 f(x) = csc (x ) csc (x ) = com sin (x ) ≠ 0 sin (x ) Analise da função 1) D = {x ∈ ℜ / x ≠ kπ. k ∈ Ζ } 2) Im = ℜ− ] − 1. na função f(x)=b+asen(cx). b e c . d) f(x) = (1/2) sen (x) e) f(x) =sen (2x) Estudos complementares.15 Funções trigonométricas inversas Função Arco seno Em relação à f(x) = arc sin(x ) temos: D = [-1. item 2.2sen (x) c) f(x) = -1 + 2sen (x).   2 2 Função Arco cosseno Em relação à f(x) = arc cos(x ) temos: D = [-1. π] 19 . 1] Im = [0.

16. respectivamente.Função Arco Tangente Em relação à f(x) = arc tan (x ) temos:  π π D = RIm =  − . item 2. da mesma maneira que as funções trigonométricas estão relacionadas com o círculo.   2 2 Estudos complementares. As demais funções trigonométricas hiperbólicas são obtidas através das relações do senh(x) e cosh(x) e são elas: f (x ) = tanh(x ) = e x − e −x e x + e −x 2 2 . As funções seno e co-seno hiperbólico são denotadas e definidas respectivamente e x − e −x e x + e −x . Funções hiperbólicas As funções hiperbólicas são definidas como combinações de funções exponenciais e estão relacionadas com a hipérbole. x −x −x −x e +e e −e e +e e − e −x Gráficos de f(x) = tanh(x) e coth(x). como f (x ) = senh(x ) = 2 2 Gráficosde f(x) = senh(x) e cosh(x). 20 . f (x ) = cosh(x ) = . respectivamente. f (x ) = csc h(x ) = x . exemplos e situações no livro online capitulo 2. f (x ) = sec h(x ) = x . f (x ) = cot gh(x ) = x .

21 . ∞[. Por exemplo. Funções hiperbólicas inversas Função Arco Seno Hiperbólico Definida por arcsinh(x)= ln (x + x 2 + 1 ) . onde o D = R e a Im = R. Função Arco Tangente Hiperbólica 1 1+ x  Definida por arctanh(x)= ⋅ ln  . tem 2. LIMITES E CONTINUIDADE O desenvolvimento teórico de grande parte do Cálculo foi realizado utilizando a noção de limite. respectivamente. são estabelecidas usando limites.Gráficosde f(x) = sech(x) e cosch(x). ∞[ e a Im = [0.17. 2 1−x  onde o D = ]-1. 1[ e a Im = R. as definições de derivada e de integral definida. independentemente de seu significado geométrico ou físico. onde o D = [1. 3. Veja mais exemplos e situações no livro online capitulo 2. Função Arco Cosseno Hiperbólico Definida por arccosh(x)= ln (x + x 2 − 1 ) .

a teoria dos limites estuda a que valor tende y. lim f(x) ± g(x) = lim f(x) ± lim g(x) = L ± M x →a x →a x →a x →a 2. vamos utilizar a definição de x −1 limites. lim c ⋅ f(x) = c ⋅ lim f(x) = c ⋅ L x →a x →a 4. f(x) torna-se cada vez mais próximo de 3. a medida em que x tender a um determinado valor x0. lim f(x) ⋅ g(x) = lim f(x) ⋅ lim g(x) = L ⋅ M x →a x →a 3. ou seja. diz-se que a função é ilimitada.DEFINIÇÃO Dada uma função y = f (x). lim c = c 22 . o lim− f(x) e o lim+ f(x) . então: x →a x →a 1. x →1 x →1 x →1 Observamos que na medida em que x fica cada vez mais próximo de 1. isto é. analisar os limites laterais. lim(g(x)) = lim g(x) c = M c c x →a x →a ( x →a ) 6. Graficamente temos Teoremas sobre limites Suponha que lim f(x) = L e lim g(x) = M . caso contrário. lim lim f(x) L f(x) = x →a = x→a g(x) lim g(x) M x →a 5. Para calcular o limite da função f(x) = x→1 x→1 x → 1- f (x) x → 1+ f (x) como lim+ f(x) = 3 e lim− f(x) = 3 então lim f(x) = 3 . Se x → x0 tanto pela direita como pela esquerda e y tender a um mesmo valor L então dizemos que lim f (x ) = L x →x 0 Exemplo 2x 2 − x − 1 quando x →1.

if. Essa denominação advém 0 do fato que se um limite é dessa forma. lim r = ∞ x→ 0 x 1 − ∞ se r é ímpar ii) lim− r =  x→ 0 x  ∞ se r é par 11.7. lim(mx + b) = ma + b x →a 9. 0.. lim x = a x →a 8.cepa. Casos de indeterminação:∞-∞. não sabemos qual é o resultado. 0/0. Se r é um inteiro positivo qualquer então (i) xlim∞ 1r = 0 (ii) xlim∞ 1r = 0 →+ x →− x 1 i) lim+ r = ∞ x→ 0 x 1 10. 0 Uma expressão da forma é denominada uma "indeterminação". a priori. Pode ser qualquer um.br/e-calculo/ 23 . Não podemos esquecer que o limite do quociente é o quociente dos limites somente quando os limites do numerador e do denominador existem.. pois lim+ = +∞ e lim− = −∞ x →0 x x →0 x x →0 x x →0 x 1 http://www.usp.. Se lim f(x) = 0 e lim g(x) = c x →a x →a Se c > 0 e f(x) → 0 para valores positivos g(x) i) lim =∞ x →a f (x) Se c > 0 e f(x) → 0 para valores negativos g(x) ii) lim = −∞ x →a f(x) Se c < 0 e f(x) → 0 para valores positivos g(x) iii) lim = −∞ x →a f (x) Se c < 0 e f(x) → 0 para valores negativos g(x) iv) lim =∞ x →a f(x) As “Indeterminações” 1 Em diversos exemplos sobre o cálculo de limites nos defrontamos com situações desse tipo e "escapamos" delas através de manipulações algébricas. 00 Vejamos alguns exemplos: 0 a) 0 x2 x 2x lim = 0 lim = 1 lim = 2 x →0 x x →0 x x →0 x 1 x 1 1 lim 2 = lim que não existe. sendo o do denominador diferente de zero.∞. ∞/∞..

Dividir numerador pelo denominador ou vice-versa. considerando o polinômio de maior grau. em valores de x próximos de a e maiores ou menores que a. usamos os seguintes artifícios: 1. Exemplos: Calcule os limites 3 3 a) lim = =1 x →2 1 + x 3 3 3 3 b) lim = = x →1 1+x 1+1 2 c) lim x →0 x3 − x 0 x3 − x x(x 2 − 1) x2 − 1 − 1 = indeterminação. 24 . respectivamente. Limite à direita e a esquerda. basta substituir o x pelo valor ao qual ele tende e efetuar. logo lim x →∞ 2x + 5 x → ∞ 2x + 5 5 5 2 ∞ x(2 + ) 2 + x x Limites unilaterias Ao considerarmos lim f(x) estamos interessados nos valores de x em um intervalo aberto x→a contendo a. 2. mas não no próprio a. então: lim = lim = lim = x →0 2x x →0 x →0 2x 0 2x 2 2 d) lim x 2 −x −7 = 0 − 0 − 7 = −7 x →0 e) lim x 2 − 16 0 (x − 4)(x + 4) = indeterminação. então: lim = x − 4 = −8 x →− 4 x →− 4 x+4 0 x+4 3 3 x(1 − ) 1 − x −3 x−3 ∞ x = x =1 f) lim = = indeterminado. Nos casos de indeterminação. isto é. Fatorar a função fracionária e simplificar.b) ∞ ∞ lim x →∞ x =1 x lim x →∞ 2x =2 x lim x →∞ x =0 x3 Dicas na determinação do limite de uma função Se a função for algébrica ou fracionária.

na medida em que x lim = x →∞  1 1 x 1 +  1 + ∞ x  tende ao infinito. f(x) se aproxima de 1 e temos então uma assíntota horizontal. O limite de f(x). não existe. + ∞ ) . quando x cresce ou decresce ilimitadamente. ou seja. é L e pode ser escrito como: lim f (x ) = L x →+ ∞ ou x →− ∞ lim f (x ) = L Exemplos Encontre os limites indicados abaixo x ∞ a) lim = causa indeterminação. x →0 Limites no infinito Seja f uma função definida em todo número no intervalo (− ∞. 25 . x →∞ x + 1 ∞ simplificando temos: x 1 =1.Exemplos: Determine os limites unilaterais caso eles existam a) f (x ) = x − 4 ⇒ lim+ x − 4 = 0 x →4 4 − x 2 x ≤ 1 ⇒ lim− 4 − x 2 = 3 b) h(x ) =  x →1 2 + x2 x > 1  e lim+ 2 + x 2 = 3 x →1 − 1 se x < 0  c) f (x ) =  0 se x = 0 ⇒ lim+ 1 = 1 x →0  1 se x > 0  e lim− − 1 = −1 . x →0 Como podemos observar o limite pela esquerda e pela direita não são iguais. dizemos que o limite bilateral lim f (x ) .

possivelmente.Graficamente podemos observar a tendência do limite 3  x  4x −  4∞ − 3 4x − 3 x +∞ = ∞−0 = ∞ =∞ = b) lim = lim  x → + ∞ 2x + 5 x →+ ∞ 5 5 2+0 2  2+ x 2 +  +∞ x  2 2 1 5 5 2 1 − + x3  − 2 + 3  2 3 2x − x + 5 0 x x x  − ∞ (− ∞ ) (− ∞ ) c) lim = lim  = = =0 3 x→− ∞ 4x − 1 x →− ∞ 1 1 4  4− x3 4 − 3  (− ∞ )3 x   2 Limites infinitos Seja f uma função definida em todo número no intervalo aberto I contendo a. x2 − 1 Solução Calculando os limites laterais em cada caso. o que pode ser escrito como: lim f (x ) = + ∞ ou lim f (x ) = − ∞ . no próprio a. obtemos: 3 3 lim+ = +∞ e lim− = +∞ 2 2 x →2 (x − 2 ) x →2 (x − 2 ) x → −∞ lim 3 (x − 2) 2 = 0 + e lim 3 x → +∞ (x − 2) 2 = 0+ 26 . exceto. esboce o gráfico das seguintes funções: a) f (x ) = 3 (x − 2)2 b) h(x ) = 2x x −1 c) y = x2 . x→ a x →a Exemplos Utilizando os conceitos de limites. Quando x se aproxima de a. f(x)cresce ou decresce ilimitadamente.

Para a função h(x ) = 2x temos que: x −1 x →1+ lim 2x 2x = +∞ e lim− = −∞ x →1 x − 1 x −1 2x 2x = 2 − e lim = 2+ x → −∞ x − 1 x → +∞ x − 1 lim Para a função y = x2 x2 − 1 x2 x2 = −∞ e lim 2 = +∞ 2 x → −1+ x − 1 x → −1− x − 1 lim x2 x2 = 1 + e lim 2 = 1+ 2 x −1 x → +∞ x − 1 lim x → −∞ Lista 6 1) Calcule os limites a seguir. a) lim x 3 − x 2 + 5x + 2 1 x→ 2  x4 − 1   b) lim   1  x→  x − 1  2 c) lim x 2 − 4x + 4 x →2 x −2 d) lim x5 − 1 x →0 x − 1  x4 − 1   e) lim  x →1  x − 1    h) lim e1 x x →∞  x 3 − 5x + 6   f) lim  2 x → 0  x − 2x + 3    2   i) lim  4 −  x →∞ x +1   x2 + 1   g) lim  2 x → −1 x + x + 1     1 + e1 x j) lim  x x→∞   e  x  n) lim  x →0  1 + e x       3t 2 − 5t + 4   l) lim 2  t →∞   t +2   x 4 + 5x 5   o) lim  x → ∞  3x + 2x 6     1 + e1 x m) lim  x x→ − ∞   e p) lim (1 + 31 x ) x →∞     27 .

p) 2. c) 0. a) lim+ x →1 x +2 x b) lim − x→1 x2 + 4 x c) lim+ x →3 x x −9 2 Respostas 1) a) 35/8. 2) a) 3. m) ∞. Exemplo Considere a função f(x) e analise a continuidade em x = 1. isto é. onde não existem partes separadas umas das outras. então. o) 0. x2 − 1 se x ≠ 1   x −1 f (x ) =    1 se x = 1  Analizando as condições de continuidade (i) f(1) = 1 (ii) lim f (x ) = 2 x →1 (iii) lim f (x ) ≠ f(1) x →1 28 . Continuidade de função em um número Definição:Dizemos que a função f é contínua no número “a” se e somente se as seguintes condições forem satisfeitas (i) f(a) existe (ii) lim f (x ) existe x→a (iii) lim f (x ) = f(a) x→a Se uma ou mais de uma dessas condições não forem verificadas em “a”. 9x 2 . i) 4. j) 0. d) 1. l) 3. h) 1. c) ∞ Continuidade de funções A noção de continuidade em Matemática é a que utilizamos no dia a dia. b) 15/8.5   q) lim  3 x →∞  x + 2x    r) lim x 4 + 5x 3 − x 2 x →∞  x4   s) lim  5 x →∞  3x + 2x    2) Calcule os limites laterais abaixo. b) 5 . s) 0 e) 4. r) ∞. g) 2. n) 0. a função f será descontínua em “a”. onde não há interrupção ou. f) 2. q) 0.

Pode-se. y = 2 x + 2x 2 4. y = x +1 1 x2 − 9 B) Nos problemas a seguir: (a) trace o esboço do gráfico das funções dadas. (b) ache os limites laterais das funções quando x tende para a pela direita e pela esquerda (c) determine o limite da função quando x tende para a e (d) use a definição de continuidade e diga se a função é contínua em a. 5 + x 1. y = x3 + x2 -2x 5. + ∞) . Exemplos x 2 − 16 é contínua no intervalo [-2. f(x) = 0 1 se x > 0  a= 0 3 + x 3. caso exista: 1. observar a descontinuidade da função representando-a graficamente. e se também for contínua à direita em a e à esquerda em b. b] é contínua em [a. Continuidade de função em um intervalo dado Definição: Uma função cujo domínio inclui o intervalo fechado [a. 2) Determinar o intervalo de continuidade da função f(x) = Lista 7 A) Determinar o ponto ou intervalo de descontinuidade da função. f(x) = 3. também. mas f(x) não é contínua em 1 pois o terceiro critério não se verifica. 1) Verificar se a função y = 3 x −1 Solução: contínua para todos os Reais exceto onde x = 1 ou (−∞ . 1[ ∩ ] 1. que pertence ao intervalo indicado. 5] x−4 Solução: A função é descontínua no intervalo. b). y = x 2 − 16 x+4 1 x2 2. f (x ) = x −1 7. y = 1 2x 6. f(x) =  2 x se x > 1 se x ≤ 1 a=1 C) Determine se cada função é contínua ou descontínua em cada intervalo dado: 29 . pois ela é descontínua em x = 4. f(x) =  3 − x se x ≤ 1 se x > 1 2 − x a = 1 4.b] se e somente se (se e) ela for contínua no intervalo aberto (a.percebe-se que a função está definida para todos os reais. f(x) =  9 − x se x ≤ 3 se x > 3 − 1 se x < 0  se x = 0 a = 3 2.

Descontínua em x = −4 . 3]. Descontínua em x = 3 . 3. Descontínua em x = −1 . Tornou-se assim importante reformular tal conceito e encontrar um processo de traçar uma tangente a um gráfico num dado ponto . ∞). x→ 0 x→1 C)1) [-2. 6]. Descontínua em [− 3. [-6. 4) contínua em todos os intervalos.1. Descontínua em x = 0 .2]= descontínua. 3) descontínua em todos os intervalos.esta dificuldade ficou conhecida na História da Matemática como o "Problema da Tangente". pois não existe o lim f (x ) . ∞) se x < 1 se 1 ≤ x ≤ 2 3. Descontínua em x = 0 . Não existem pontos de descontinuidade. XVII. 2] = contínua.2] x +1 x+6 x 2 − 36 em (-∞. [-1. 2)= contínua e (-1. 2. 2] Respostas A)1. 30 . -4]. (-1. 4. (-∞. 5)=descontínua. f(x) =  2 − x em (. ∞)e [-2. 3] . 3]= descontínua. (-2. 5) 2. 6. 2]. -1) = contínua. 2. Contínua em x = 1 . 1). f(x) = 3 em (-∞. 2) e [1. pois não existe o x→3 lim f (x ) . 9] e [-7. ∞) = descontínua e [-2. -1)= contínua. f(x) = 3x − 2 4.4. (1. 1). -1). Descontínua em x = 0 . [2. [2. (-∞. 1) = descontínua. Descontínua em x = 1 . 2) e (-1. se tornou possível transformar problemas geométricos em problemas algébricos e estudar analiticamente funções. (-3. ∞). 2) (-∞.3. ∞)= contínua. (-2. Só no séc. DERIVADAS Origem do conceito de derivada de uma função O conceito de função que hoje pode parecer simples é o resultado de uma lenta e longa evolução histórica iniciada na Antiguidade. (-1. B)1.∞. Resolver os Exercícios Complementares – Lista 2 4. Descontínua em x = 0 e x = -2. Foi enquanto se dedicava ao estudo de algumas destas funções que Fermat deu conta das limitações do conceito clássico de reta tangente a uma curva como sendo aquela que encontrava a curva num único ponto. (-∞. [-1. (-3. f(x) = 4 − x2 em [-2. 7. -1). (-6. 5. pois não existe o lim f (x ) . quando Descartes e Pierre Fermat introduziram as coordenadas cartesianas.

Dizemos também que f é derivável no intervalo aberto I quando existe f’(xo) para todo x o ∈ I . O quociente relativamente ao ponto xo. Chama-se derivada de f no ponto xoo limite f (x ) − f (x o ) x − xo x →x o lim se este existir e for finito. Exemplos 1) Calculemos a derivada de f (x ) = 2x no ponto x o = 3 . Solução f (x ) − f (3) 2x − 6 2(x − 3) = lim = lim =2 x →3 x →3 x − 3 x →3 x − 3 x −3 Outra maneira de proceder seria esta: f (3 + ∆x ) − f (3) 2(3 + ∆x ) − 6 = lim = lim 2 = 2 f' (3) = lim ∆x →0 ∆x →0 ∆x → 0 ∆x ∆x f' (3) = lim 2) Calculemos a derivada de f (x ) = x 2 + x no ponto x o = 1 . A derivada de f no ponto xo é habitualmente indicada com uma das seguintes notações:  df  f' (x o ) ou   ou Df (x o )  dx  x =x o A diferença ∆x = x − x o é chamada de acréscimo ou incremento da variável x relativamente ao ∆y f (x ) − f (x o ) recebe o nome de razão incremental de f = x − xo ∆x ponto xo. A diferença ∆y = f (x ) − f (x o ) é chamada de acréscimo ou incremento da função f relativamente ao ponto xo. Podemos indicar a derivada de f no ponto xo pode ser indicada das seguintes formas: f' (x o ) = lim f (x ) − f (x o ) f (x o + ∆x ) − f (x o ) ∆y ou f' (x o ) = lim ou f' (x o ) = lim ∆x →0 ∆x ∆x → 0 ∆x x − xo x →x o Quando existe f’(xo) dizemos que f é derivável no ponto xo. 31 .Derivada no ponto xo Definição Seja f uma função definida em um intervalo aberto I e xo um elemento de I.

b) 4. f(xo)) e Q(x. Solução f' (0 ) = lim 3 1 f (x ) − f (0 ) x 1 = +∞ . x o = 2 c) f (x ) = x . como lim = lim = lim x →0 3 2 x →0 x →0 x x →0 3 2 x−0 x x Lista 8 a) f (x ) = 3x + 1 . considerando a reta s determinada pelos pontos P(xo. portanto. b) f (x ) = x 2 + 2x + 5 . c) ½ . calcule f' (x o ) . tal que x ≠ xo. x o = 1 Respostas:a)3. f(x)). x o = −1 Nos problemas que seguem. Dado um ponto x ∈ I . d) 3 Interpretação geométrica da derivada Seja f uma função definida em um intervalo aberto I. 32 . x o = 1 d) f (x ) = x 3 .Solução f' (1) = lim lim f (1 + ∆x ) − f (1) (1 + ∆x )2 + (1 + ∆x ) − 12 + 1 = lim = ∆x → 0 ∆x → 0 ∆x ∆x ∆x = lim ∆x + 3 = 3 ∆x → 0 [ ] [ ] (∆x )2 + 3∆x ∆x →0 3) Calculemos a derivada de f (x ) = 3 x no ponto x o = 0 . Admitamos que existe a derivada de f no ponto x o ∈ I . não existe f' (0 ) .

que determina a equação de uma reta y − y o = m (x − x o ) ou y − f(x o ) = f' (x o ) (x − x o ) Exemplo Qual é a equação da reta tangente à curva y = x 2 − 3x no seu ponto de abcissa 4? Solução x o = 4 ⇒ f (x o ) = 4 2 − 3 ⋅ 4 = 16 − 12 = 4 Então P(4. Como existe f' (x o ) = lim x →x o   f (x ) − f (x o ) = lim tg (α ) = tg lim α  = tg(β) concluímos:  x →x  x →x o x − xo o   A derivada de uma função f no ponto xo é igual ao coeficiente angular da reta tangente ao gráfico de f no ponto de abcissa xo. então. quando x tende a xo. Consequentemente. .. Se f é contínua em I.. x →4 x →4 x−4 Portanto. Quando queremos obter a equação de uma reta passando por P(xo. o coeficiente angular de t é 5 e sua equação é: y − 4 = 5(x − 4 ) ou y = 5x − 16 ( ) 33 . a reta s desloca-se tomando sucessivamente as posições s1. tg(α) é a razão incremental de f relativamente ao ponto xo.A reta s é secante com o gráfico de f e seu coeficiente angular é: tg(α ) = f (x ) − f (x o ) x − xo portanto. f' (x o ) = f' (4) = lim f (x ) − f (4 ) x 2 − 3x − 4 = lim = x →4 x →4 x−4 x−4 (x − 4 )(x + 1) lim = lim (x + 1) = 5 . utilizamos a relação da Geometria Analítica. e tende a coincidir com a reta t. s3. yo) e com coeficiente angular m. 4) é o ponto da tangência.. tangente à curva no ponto P. s2. Q desloca-se sobre o gráfico da função e aproxima-se de P.

dx A lei de f’(x) pode ser determinada a partir da lei f(x). em cada caso. derivada de f. c ∈R. 1 c) f (x ) = . Se u(x ) = c . x d) f (x ) = x . Para cada xo pertencente a I existe e é único o limite f' (x o ) = lim f (x o + ∆x ) − f (x o ) . d) y = 1 x + 1 4 Definição de função derivada Seja f uma função derivável no intervalo aberto I. ∆x → 0 ∆x Portanto. a) f (x ) = x + 1. 34 . ou seja. c) y = −x + 2 . num ponto genérico x ∈ I : f' (x ) = lim f (x + ∆x ) − f (x ) ∆x → 0 ∆x A partir da definição da derivada. podemos definir uma função f ': I → R que associa a cada x o ∈ I a derivada de f no ponto xo. aplicando-se a definição de derivada de uma função.Lista 9 Determine. então u' (x ) = 0 . b) y = −1 . Regras de derivação Sejam u = u(x ) e v = v(x ) funções deriváveis. xo = 1 xo = 1 xo = 4 Respostas: a) y = x + 1 . originam-se as regras (teoremas) de derivação que determinam da mesma forma o coeficiente angular da reta tangente a um ponto de uma curva. o crescimento ou decrescimento da curva em qualquer ponto desta. a equação da reta tangente ao gráfico de f no ponto xo. Represente graficamente cada situação. Habitualmente a derivada de f é representada porf ’ou df ouDf. x o = 3 b) f (x ) = x 2 − 2x . simplesmente. Esta função é chamada função derivada de f ou.

Derivar as funções abaixo: a) f (x) = 7 b) f(x) = x 5 + 2 1 2 j) y = x 10 − x + 5 5x k) y = 9x 8 − 2 3 c) f(x) = −3 3 d) f (x) = x ² + 2 3 3 1 l) y = 4x 9 − 3x 6 + x ³ − x − 1 7 9 m) y = x 5 − 2 1 + x6 9 e) f (x) = 2x ³ − 5 f) f(x) = x 8 + 0. então u' (x ) = n x n−1 .75 9 3 g) y = x 4 + 4 2 h) f (x) = −5x ² − 5 i) f(x) = 2x 6 4 n) y = x 4 − x³ + 4x ² − x + 2 3 o) y = x³ x 5 + + x 2 3 35 . então u' (x ) = m . m.Se u(x ) = ax + b. Regra de Soma: As funções u ± v são deriváveis e (u ± v )' (x ) = u' (x) ± v' (x) Exemplos Calcular a derivada de a) y = 3 ⇒ y ′ = b) y = x 7 ⇒ y ′ = c) y = 4 x 5 ⇒ y ′ = d) y = x 3 + 2x 4 ⇒ y′ = e) y = (x 2 + 4)2 ⇒ y ′ = 2 f) y = x 3 + x 5 + 3 ⇒ y ′ = 5 g) y = x 3 (x 2 + 3) ⇒ y ′ = ou (u ± v )' = u'±v' Lista 10 1. b∈ R e a ≠ 0. Se u(x ) = x n . n ∈R.

5 5 5 q) f (x) = x ³ − x ² + x + 5 4 r) f(x) = 5x ³ − x 5 + 8 5 Respostas a) 0 b) 5x 4 c) 0 d) 2 x e) 6x ² f) 8x 7 g) 9x³ h) − 10 x i) 12x 5 1 2 j) 10x 9 − − 2 5 5x 7 k) 72x l) 36 x 8 − 18 x 5 + m) 5x 4 + 12x −7 9 1 x² − 7 9 n) 4 x ³ − 3 x ² + 8 x − 4 3 3x ² 5x 4 1 o) + + 2 3 2 x 12 2 p) 3 − x 3x 3 x q) 3x² − 2 x + 1 r) 15 x ² − 4 x 4 8 1 s) 10 x 4 − x ³ + 3 3 12 t) 2 x 4 − x ² − 1 5 Regra do Produto: A função u⋅ v é derivável e (u ⋅ v )' (x ) = u' (x) ⋅ v(x) + u(x) ⋅ v' (x) ou (u ⋅ v )' = u'⋅v + u ⋅ v' Regra do quociente:A função é derivável e u'(x) ⋅ v(x) − u(x) ⋅ v'(x) u se v (x ) ≠ 0  ' (x ) = (v(x))2 v Exemplos a) f (x ) = (x 3 + 2 )(2x − 1) ⇒ f ' (x) = b) y = x3 + 2 ⇒ y' = 2x − 1 u v ou  u  u'⋅v − u ⋅ v' se v ≠ 0  ' = (v )2 v 36 .p) y = 1 7x 2 − 3 + 2 x x x 2 1 s) f(x) = 2x 5 − x 4 + x 3 3 2 4 t) f(x) = x 5 − x ³ − x + 4.

c) y = x3 2 1 + 2 + + 2 x + 5 ⇒ y′ = x 5x x d) f (x ) = 4 x 3 + 2x x − 2 3x 2 − 5 e) y = 2 ⇒ y' = 2x − 1 ( )( ) ⇒ f ' (x) = Lista 11 Derivar as funções abaixo: a) y = (3x ² − 4 x)(6x + 1) b) y = (1 − x ²)(1 + x ²) c) y = (x ² − 4)(x + 2x ) 4 m) y = 3 x² − 1 n) y = 5x n+2 o) y = (3x ² − 1)(x ² + 5) p) y = q) y = r) y = s) y = t) y = u) y = x−5 x+5 3x ² − 3 x² − 1 3x ² 4x² + 1 1 x2 −2 x 4 6 + 100 − 10 3 3x 5x d) y = 4 x 15 e) y = 2 + x + x² 4x f) y = x −1 10x g) y = x +2 h) y = (2x + 1)(3x + 5)(3x² + x) i) y = (2x + 5)(x ² + 2)(x ² + 5x) j) y = k) y = l) y = 2+x 3−x 1+x 1−x x² 1 − x³ Respostas a) 54 x² − 42 x − 4 b) − 4x ³ c) 12 x 5 − 32 x ³ + 3 x ² − 4 1 d) 44 x 3 − 15 − 30 x e) 2 2 + x + x2 ( ) −4 (x −1)2 20 g) (x + 2)2 h) 72 x ³ + 135x² + 56 x + 5 i) 10 x 4 + 60 x ³ + 87 x ² + 60 x + 50 5 j) (3 − x )² f) 37 .

Teorema: Seja v (x ) = (u(x))n . Para determinar a derivada de uma função composta de forma mais simples. funções diferenciáveis. então: v' (x ) = n (u(x))n−1 ⋅ u' (x) Exemplos Calcular a derivada de: 100 ou v' = n (u)n−1 ⋅ u' a) y = (x 3 + 2) b) y = 2x 2 + x − 1 c) y = 3 2x − 3 x2 2 d) y = 3 (x 2 − 2x + 2) Lista 12 Derivar as funções abaixo usando a regra da cadeia: a) y = (2x − 7)³ b) y = 3(9x − 4)4 c) y = (9t + 2) 2 3 f) y = (x + 3)³(5x + 1)²(3x ² − 5) g) y = 5(x ² − 4x + 4) i) y = x ² + 3x − 1 j) y = x ² x ² + 1 1 2 d) y = 3 3x ³ + 4 x e) y = (25 + x ²) −1 2 k) y = x 3 (x ² + 1) 2 1 5 38 .k) l) 2 (1 − x)² p) x 4 + 2x (1 − x ³)² − 6x m) ( x ² − 1)² n) 5(n + 2) x n +1 o) 12 x ³ + 28x 10 ( x + 5)² q) 0 6x r) (4 x ² + 1)² s) − 2 x −3 t) 2 x −2 u) − 4 x −4 − 120 x −101 Regra da Cadeia: Utilizada quando trabalhamos com funções compostas. como por exemplo v(x) = (x 9 + x 6 + 1)100 . usamos o teorema da regra da Cadeia.

 2x + 1  l) y =    3x + 4  m) y = 4 4 (x − 1)4 n) y = (2x + 1)³ x² − 1 2x ³ + 1 Respostas a) 6( 2 x − 7)² b) 108(9 x − 4)³ 6 c) 1 (9t + 2) 3 9 x² + 4 d) 33 (3 x ³ + 4 x)² e) − f) g) h) i) j) k) 3x ³ + 2 x x² + 1 2 (x² + 1) 5 33 x + 2x 3 x ² 55 (x ² + 1) 4 20( 2 x + 1)³ (3 x + 4) 5 −3 4 x (25 + x ²) 5( x − 2) x² − 4 x + 4 2x + 3 3 2 1  x² − 1  l)   2  2x³ + 1  ( x + 3)²(5x + 1)[3(5x + 1)(3x ² − 5) + 10( x + 3)(3x ² − 5) + 6 x ( x + 3)(5x + 1)]  − x 4 + 3x ² + x    (2 x ³ + 1)²     2( x − 1)³[2(2 x + 1) − 3( x − 1)] m) (2 x + 1) 4 2 x ² + 3x − 1 Resolver os Exercícios Complementares – Lista 3 Derivadas das Funções Elementares Função exeponencial: Se u (x ) = a x então. u ' (x ) = a x ⋅ ln a Em particular se u(x ) = e x então u ' (x ) = e x Exemplos Calcular a derivada das seguintes funções: a) y = 2 2 x b) y = e 2x c) y = e x 1 1 x d) y =   2 e) y = 2 + 3e x 2 39 .

então: y = sen (u) então. y ′ = -u' ⋅ sen (u) y = tg (u) então. y ′ = u' ⋅ sec 2 (u) y = cotg (u) então. ln a Exemplos Calcular a derivada das funções abaixo: a) y = log (x 2 + 1) b) y = log 3 x 2 c) y = ln x 2 ( ) d) y = ln(2x ) e) y = 5x + ln (2x ) f) y = 5x ln (2x ) Funções trigonométricas: Sejam u=u(x) e v=v(x) funções diferenciáveis. y ′ = u' ⋅ cos (u) y = cos (u) então. y ′ = −u' ⋅ cossec (u) ⋅ cotg (u) Exemplos Calcular a derivada das funções abaixo: a) y = sen (x 2 ) b) y = sen 2 (x) c) y = 3 cos (2x ) d) y = tg(3x − π ) e) y = cot g (2x ) + sec (2π − x ) 40 . y ′ = u' ⋅ sec (u) ⋅ tg (u) y = cossec (u) então.f) y = 2 ex 2 g) y = 2e x + 2e x + 2e Função Logarítmica: Seja a ∈R tal que 0 < a ≠ 1 e y = loga u(x) então. y ' = u' (x) Para o caso dey = ln u(x) temos: y ' = u' (x) u(x) u(x). y ′ = −u' ⋅ cossec 2 (u) y = sec (u) então.

cos( x ) − sen( x) x² i) − 3 x ². cos( x ) g) 2 x.sen ( x ) + x ³.sen (3 − 5 x ) − 5 x ². cos( x 5 ) m) − 504 x ².sen 5 (4 x ³). cos(1 − x ³) j) 5sen 4 ( x). cos( x ) k) 2 x.sen ( x ) + ( x ² − 5). cos(4 x ³) 41 . cos( x ) h) x. cos(3 − 5 x ) l) 5 x 4 .f) y = cos ec x ( ) Lista 13 1) Derivar as funções trigonométricas abaixo: a) y = sen(2x) b) y = − cos(3x) c) y = 2x + cos(2x) d) y = sen(3x + π) e) y = cos(2x − π) f) y = x ³.sen(3 − 5x) l) y = sen(x 5 ) m) y = −7sen6 (4x ³) n) y = sen(3 x ² + 2 ) o) y = p) y = sen(x) 1 − 2 cos(x) 2 − sen(x) 2 + cos(x) q) y = cos(3x − 1) r) y = 6sen(3x ²) + 9 tg(4 x) s) y = 5tg 6 (x − 1) i) y = sen(1 − x ³) j) y = sen5 (x) 2) Derivar as funções exponenciais e logarítmicas abaixo: a) y = e x g) y = 3x b) y = ln(x ²) c) y = ln(3x) d) y = ln(4 x + 1) e) y = log 10 (x ² + 6x) f) y = x.sen(x) h) y = sen(x) x k) y = x ².sen(x) g) y = (x ² − 5).e x h) y = 2 sen (3x ) i) y = e2x ² j) y = 2 6 x −2 k) y = e sen²(3x) l) y = 2.e −2 x ² Respostas 1) a) 2 cos( 2 x) b) 3sen(3 x) c) 2 − 2 sen ( 2 x) d) 3 cos( 3 x + π ) e) − 2 sen ( 2 x − π ) f) 3 x ².

e sen ²( 3 x ) l) − 8 x. a equação: 6 x – 2x = 3y 6 + y5 – y2. ln(2) k) 6 sen(3 x ).2 6 x − 2. cos(3 ( x ² + 2) ) 33 ( x ² + 2)² q) − 3sen (3 x − 1) r) 36 x. cos( 3 x ²) + 36 sec ²( 4 x) s) 30tg 5 ( x − 1). então = . ln(10) f) e x + x. Por exemplo. Podemos encontrar a derivada de y em relação a x.n) 2 x.e x g) 3 x . Dx = 6x – 2 5 e dy 6x 5 − 2 Dy = 18y + 5y –2y. Neste caso dizemos que y é definida implicitamente pela equação dada. não pode ser resolvida para y explicitamente como uma função de x. ln(3) h) 3 cos(3 x ). Entretanto.2 sen (3 x ). sec ²( x − 1) cos( x) − 2 o) (1 − 2 cos( x))² 2( sen( x) − cos( x)) − 1 p) (2 + cos( x))² 2) a) e x 2 b) x 1 c) x d) 4 4x + 1 2x + 6 e) ( x ² + 6 x ). nem todas as funções estão definidas explicitamente. então y é definida explicitamente em termos de x e podemos escrever y = f(x) onde f(x) = 3x2 + 5x + 1. dx 18y 5 + 5y 4 − 2y 5 4 Exemplos 1) Derive as seguintes funções implicitamente x + 2y a) 2x3y + 3xy3 =5 b) x 2 = x − 2y c) y + xy = 3x 3 Lista 14 1) Derive implicitamente as seguintes funções: a) 8x 2 + y 2 = 10 b) 4x 3 − 2y 3 = x 42 . pelo processo denominado diferenciação implícita.e −2 x ² Resolver os Exercícios Complementares – Lista 4 Demais fórmulas são encontradas em formulários nos livros de Cálculo Diferencial e Integral Derivação implícita Se y é uma função de x definida pela equação y = 3x2 + 5x + 1.e 2 x ² j) 6. ln(2) i) 4 x. cos(3 x ).

é a taxa de variação da taxa de variação. Qual é a Respostas 1) a) dy − 8x = dx y b) dy 12x − 1 = dx 6y 2 2 dy (10x − y ) = dx (x + 8 y ) c) d) − 4 xy − y dy = dx − x + 6y 2 xy ( ( ) ) e) − 4x sen(y ) dy = dx cos(y ) − 4 y sen(y ) f) dy −y = dx x − sec 2 (y ) 2) − 3 3 e 4 4 Derivada de ordem superior A segunda derivada de uma função f(x) fornece informações sobre a derivada primeira. ou seja..são representações da derivada terceira . − 4) ? 2) Calcule a inclinação da reta tangente à circunferência x 2 + y 2 = 25 no ponto (3.c) 5x 2 − xy − 4 y 2 = 0 e) x 2 + sen(y ) − y 2 = 1 d) 2x − xy + y 3 = 16 f) xy = tg(y ) inclinação no ponto (3. então a derivada f ' é novamente derivável. De um modo geral. se uma função é derivável. no caso de um movimento. a derivada de segunda ordem fornece informações sobre a concavidade de f(x). dx 3 f ′′′(x) = y ′′′(x) = 43 . e a segunda derivada de f é representada por f ' ' e assim por diante.. Para a análise do comportamento gráfico de uma função. são representações da derivada primeira dx f ′′(x) = y ′′(x) = d2 y = D x2 . são representações da derivada segunda dx 2 d3 y = D x 3 . 4) . a derivada primeira define a velocidade e a derivada segunda define a aceleração. dy f ′(x) = y ′(x) = = D x .

determine: a) a função taxa de variação do rendimento ou o rendimento 20 marginal.9 do livro online 5. Exemplo 1.Lista 15 1. o custo marginal e o lucro marginal. Encontre os t2 1 valores da velocidade e da aceleração quando t = s . Exemplos 1) Se R(x) for o rendimento total recebido das vendas de x aparelhos de televisão e x3 . Determine a derivada 2ª das funções dadas: a) y = x 2 (x 2 + 7 ) b) y = x 2sen (2x) c) y = (x 2 + 2x) 2x − 3 Mais exemplos e situações veja o item 4. a receita marginal. Em economia. Uma partícula move-se sobre uma linha reta com a equação do movimento: S(t) = 3t 2 + t . Seja a equação do movimento S = t − 2 com S em metros e t em segundos. a taxa de variação de uma reação química. 20 b) R′(20) = 600 − 3(20)2 = 540 20 44 . calcular a velocidade da partícula no instante em que t = 2 segundos. R(x) = 600x − Solução: a) R′(x) = 600 − 3x 2 . Por exemplo. Solução: S´(t)= 6t + 1 S´(2) = 13m/s Taxa da variação instantânea em geral As considerações a respeito da taxa de variação da distância em relação ao tempo poderão ser generalizadas e assim serão aplicáveis para quaisquer quantidades variáveis de qualquer espécie. 2 2. são taxas de variação. a taxa de crescimento de bactérias. APLICAÇÕES DA DERIVADA A derivada como taxa de variação Velocidade instantânea Definição: Definimos a velocidade média de uma partícula no movimento retilíneo como sendo o quociente da variação da distância pela variação do tempo. b) a taxa de variação do rendimento quando x = 20.

para +.11 e 4. b) S´(3) = −30 + 20 = −10m / s . f(x) passa por um mínimo. f (x) passa por um máximo. Pontos críticos: valores de x para os quais f ' (x) = 0 ou não existe (podem ser ponto de máximo. Uma função f(x) é crescente quando f ' (x) > 0 . A equação do movimento é S(t) = −5t 2 + 20t (S em m e t em seg. 3. c) o instante em que a bola começa retornar ao solo. de mínimo ou de inflexão).12 do livro online Máximos e mínimos Função crescente e decrescente 1. 2. Se f ''(x 0 ) <0. Se f '(x) passa de .2) Uma bola é lançada verticalmente para cima. c) S´(t) = 0 ⇒ t = 2 seg Mais exemplos e situações veja os itens 4. Uma função f(x) é decrescente quando f ' (x) < 0 . b) Teste da segunda derivada: 1. Obs. pode ser um ponto de inflexão. desde o solo. Se f '(x) passa de + para -.: x0 é o ponto crítico determinado pela derivada primeira. 2. Uma curva y = f(x) tem um ponto de inflexão quando: Inflexão 45 .). 2. determine: a) a velocidade instantânea em t=1seg. b) a velocidade instantânea em t=3seg. f(x) passa por um mínimo. Testes para máximos e mínimos locais a) Teste da primeira derivada 1. Se f ''(x 0 ) = 0. Se f '(x) não muda de sinal. Solução: a) S´(1) = −10 + 20 = 10m / s . Ponto de inflexão É o(s) ponto(s) onde a curva muda de concavidade. f(x) não passa por máximo nem por mínimo. o teste falha. f(x) passa por um máximo. 3. 3. Se f ''(x 0 ) >0.

que intercepta o eixo x no 3 ponto x = − . quando injetada no músculo. vamos estudar o sinal da f ' (x) . a droga começa a se difundir na corrente sanguínea. a concentração da droga nas veias tem uma curva tempo-concentração como aparece no gráfico (adaptado de GOLDSTEIN. Depois desse instante começa a ser removida do sangue pelos processos metabólicos do organismo. 2000) a seguir. A concentração aumenta e atinge o seu máximo em aproximadamente 2 horas. então temos a seguinte representação: 8 + - − 3 8 Observando a representação acima podemos afirmar que: 46 . Se f ''(x) >0 a concavidade é voltada para cima Se f ''(x) <0 a concavidade é voltada para baixo Exemplos 1) Quando uma droga é injetada em um músculo.3 .f ''(x) = 0 ou não existe f ''(x) troca de sinal quando x passa por x0. A concentração da droga se reduz a um nível tão pequeno que para todos os objetivos práticos ela é zero. Temos que f ' (x) = -8x . a) Seja dada a função f ( x ) = −4 x 2 − 3x + 10 . 2) Estudar a variação de cada função identificando ponto de máximo e mínimo. Observamos que f ' (x) é uma função do 1º grau. Quando t = 0 não há nenhuma droga nas veias.

-5.f é estritamente decrescente em:  − . Temos que f ' (x) = 3x 2 .4) x = 3 é ponto de mínimo local . A f ' (x) é uma parábola de concavidade para cima (a >0 ) que intercepta o eixo x nos pontos –1 e 1. I(0. 12) x = 0 é ponto de inflexão . + ∞     8  8     3 x = − é o valor onde obtemos o ponto de máximo absoluto da função dada.5) Representando a função f(x) = as afirmações acima x3 5 2 − x + 6x − 10 podemos constatar 3 2 47 . A(-1. -5. Representando a 8 função f ( x ) = −4 x 2 − 3x + 10 podemos constatar as afirmações acima b) Seja dada a função f ( x ) = x 3 − 3x + 10 .3 .+∞ [ f é estritamente decrescente em : ] − 1.33) x = 5/2 é ponto de inflexão I (2. −  . 2 [ U ] 3. Temos que f ′(x) = x 2 − 5x + 6 é uma função quadrática 3 2 são x = 2 ou x = 3 de concavidade voltada para cima.3 3 f é estritamente crescente em:  − ∞.5 . Para f ' (x) = 0 tem-se que x = 1 ou x = −1 . Os pontos críticos obtidos de x 2 − 5x + 6 = 0 . Representando. -5. 1 [ x = -1 é ponto de máximo local .+∞ [ f é estritamente decrescente em: ] 2. 10) x = 1 é ponto de mínimo local. 8) Representando a função f(x) = x 3 − 3x + 10 podemos constatar as afirmações acima c) Seja a função f(x) = x3 5 2 − x + 6x − 10 .−1 [ U ] 1. Temos então: f é estritamente crescente em: + 2 _ 3 + ] − ∞. A (2. B (3. podemos observar que: f’(x) + -1 _ 1 + f é estritamente crescente em : ]− ∞. B(1. 3 [ x = 2 é ponto de máximolocal .

Mais exemplos e situações veja os ites 5.3, 5.4 e 5.5 do livro online

Problemas de otimização
Os métodos aprendidos para encontrar valores extremos têm aplicações práticas em muitas áreas do dia-a-dia. Um homem de negócios quer minimizar custos e maximizar lucros. Um viajante quer minimizar o tempo de transporte. Agora vamos resolver problemas tais como maximizar áreas, volumes e lucros, e minimizar distâncias, tempo e custos. Na solução de tais problemas práticos o maior desafio está frequentemente em converter o problema em um problema de otimização matemática, estabelecendo a função que deve ser maximizada ou minimizada. Exemplos a) Quer-se construir um cercado retangular aproveitando-se uma parede já existente. Se existe material suficiente para se construir 80 metros de cerca, quais as dimensões do cercado para se ter a maior área cercada possível? Solução: O cercado terá duas dimensões iguais a x >0 e y >0 , conforme mostra o desenho :
Temos então que: 2x+y=80 e assim y=80-2x =x.yLogo: A(x) = (80-2x).x = 80x-2x² , x > 0 A’ (x) = 80-4x 80-4x=0 ⇒ x = 20 e A

x = 20 é ponto de máximo e y = 80 -2.20 = 40

Resposta: O cercado terá a maior área possível se tiver dimensões iguais a 20m e a 40 m . Quer-se construir uma trave de um campo de futebol enterrando-se cada lado a uma profundidade de 1 metro. Para isso dispõe-se de 10 metros de madeira numa peça só. Como deverá ser cortada a peça de madeira para que se tenha a maior área possível sob a trave?

Solução:Sejam x >0 a medida de dois pedaços de madeira e, y > 0 o outro pedaço, como mostra o desenho. Temos então que 2x+y=10 e assim y=10-2x . A área da trave será : A = (x-1).y . Portanto A(x)= (x-1).(10-2x) = 10x-2x²-10+2x = -2x² +12x-10 . Logo A ‘(x) = -4x+12 e assim
x= 3 é ponto de máximo absoluto, logo o valor de y = 10-2.3 = 4

48

Resposta: A madeira deverá ser cortada em três pedaços: dois iguais a 3m e um igual a 4m . c) Quer-se construir uma piscina infantil de base quadrada e que encerre um volume de 32m3. O preço do m² da base equivale a 2 salários mínimos, enquanto que o preço do m² das faces laterais equivale a 16 salários mínimos. Quais as dimensões da piscina para que se tenha preço mínimo? Solução:Sejam x >0 a medida do lado do quadrado da base e, y > 0 a altura. O volume deve ser 32 m³ então temos que x ². y = 32 e daí, y = 32/x ². Note que a área total da piscina é a soma da área da base x ² e mais a área de 4 retângulos de área x.y, assim a função custo é dada por: C = 2x ² + 4.x.y.16 salários mínimos. Temos C(x) = 2x 2 + 2048 2048 4x 3 − 2048 . C' é uma fração cujo o denominador é positivo, e C ' (x) = 4x - 2 = x x x2

então, basta apenas estudar o sinal do numerador g(x ) = 4x 3 − 2048 . Calculando temos que g(x)=0 implica x= 8
32 1 = 82 2

x = 8 é ponto de mínimo absoluto, logo y =

Resposta: Para que o custo da piscina seja mínimo, o lado da base deverá ser 8m e a profundidade de meio metro

Lista 16
1) Dada a função f(x) = a) b) c) d) x3 x2 + − 2x + 5 , utilize as derivadas e determine: 3 2

os pontos críticos; os intervalos onde y é crescente ou decrescente os valores máximos locais e mínimos locais, inflexão; o esboço do gráfico.

2) Analise o comportamento das funções usando a derivada: a) f(x) = x3 − 4x 3 b) f(x) = x4 x3 + − 3x 2 + 2 4 3

49

3) Considere a quantidade de produção vegetal como função da quantidade de sementes x colocadas na cova, dada pela equação f(x) = −x3 + 12x2 (kg/ha), analise os intervalos onde a função é crescente ou decrescente e calcule: a) a taxa de variação da produção em x = 6 e em x = 10 e justifique seus significados, b) a quantidade x de sementes por cova para uma produção máxima, c) a produção máxima, d) Represente graficamente para valores reais. 4) De uma longa folha retangular de metal de 75cm de largura deve-se fazer uma calha dobrando as bordas perpendicularmente à folha. Quantos cm devem ser dobrados de cada lado de modo que a calha tenha capacidade máxima? 5) Um terreno retangular à margem de um rio deve ser cercado, com exceção do lado ao longo do rio. Se o custo do material for de R$ 12,00 por metro linear no lado paralelo ao rio e de R$ 8,00 por metro linear nos dois extremos, ache o terreno de maior área possível que possa ser cercado com R$ 3.600,00 de material.

Respostas f´(x) = x2 + x – 2 = 0 x1=-2 e x2= 1 crescente para x<-2 e x > 1 decrescente para -2< x < 1. f(-2) = 25/3 máximo localA(-2, 25/3) f(1) = 23/6 mínimo localB( 1, 23/6) Inflexão em x= -1/2 2) a) f´(x) = x2 – 4 pontos críticos x1=-2 e x2= 2 decrescente para valores de x entre -2 e 2. f(-2) = 16/3 máximo localA(-2, 16/3) f(2) = -16/3 mínimo localB(2, -16/3) Inflexão em x = 0

b) a) f´(x) = x3 + x2 – 6x pontos críticos x1= -3 x2= 0 e x3= 2 decrescente para valores de x entre 0 e 2 e menores que -3 f(2) = -10/3 mínimolocal ; A( 2, -3.33) f(0) = 2máximo local ; B(0, 2) f(-3) = -55/4 mínimo local ; C(-3, -13.75) 50

5 metros Mais exemplos e situações veja o item 5.3) f´(x) = .3x2+24x f´(6) = 36 taxa positiva indica crescimento da produção f´(10) = -60 taxa negativa indica decrescimento da produção .75 cm 5) dimensões 150 x 112.3x2+24x = 0 x1 = 0 e x2 = 8 a produção é crescente até 8 sementes por cova produção máxima é f(8) = 256kg/ha 4) 18.6 do livro online 51 .

e uma parcela que depende da distância percorrida. se existir. Analise se a função é crescente ou decrescente. determine o valor de a para que se tenha f(4) = 22. c. 0) a=3 c) P = (0. 5 ( ) x = − é zero da função. f ( x) = x+4 2x 2x + 1 C. 3) Escreva a equação da reta que contém o ponto P e tem coeficiente angular ou linear dado: a) P = (0. f ( x ) = D) f ( x) = x 2 − 2 x − 3 x−2 3x + 7 E) f ( x) = 6 x − 12 B. Sabe-se que f(x) = 2x – b é positiva para x > 4 e negativa para x < 4. b. 6) Considere as funções definidas por: −1 A.6. 5) Dada a função F(x) = ax + b e sabendo-se que F(3) = 5 e F(-2) = -5. Qual(is) o(s) zero(s) de cada função. Determine. ( ) O ponto onde a função intercepta o eixo y é (0. e. Quanto vale b? 2. denominada bandeirada. 15) b = -1 d) P = (-2. 20) a =-2 b) P = (8. se existir. 1) b = 13 4) Dada a função F(x) = ax + 2. Represente graficamente estas funções num gráfico para cada função. determine o zero desta função. as assíntotas verticais e horizontais de cada função. Faça o estudo do sinal desta função.65 pela corrida. f ( x) = 2 F) f ( x) = x −1 x + x−2 a. -5). 52 . 2 8) Determinar os valores de x para os quais 2x=1. o domínio e a imagem e faça um esboço do gráfico. Determine. b) O preço de uma corrida de 11 km. assinale V (verdadeiro) ou F (falso) em cada afirmativa. de acordo com conceitos estudados anteriormente: ( ) O gráfico da função é crescente. LISTAS COMPLEMENTARES Lista 1 1. o ponto de máximo ou de mínimo.33 e cada quilômetro rodado custa R$ 0. ( ) O gráfico da função é decrescente. Determine o domínio e a imagem de cada função.92. Calcule f(1/2). O preço a ser pago por uma corrida de táxi inclui uma parcela fixa. 7) Analise a função f(x) = -3x – 5. calcule: a) Qual a lei desta função. d. c) A distância percorrida por um passageiro que pagou R$ 24. Se a bandeirada custa R$ 5.

determine o domínio e a imagem desta função. b>0 e c<0 (C) a>0. Obter o vértice da parábola que representa o gráfico desta função e verificar se é ponto de máximo ou ponto de mínimo. lançado para cima verticalmente. é descrito pela equação y = −40x 2 + 200x . cujo gráfico é mostrado na figura.1 9) Determinar o valor de x para o qual   = 3 . Tendo em vista esse gráfico. b>0 e c>0 13) Esboce o gráfico. é: Justifique. em metros.  3 x 10) O movimento de um projétil. Qual a altura máxima atingida e o tempo que esse projétil permanece no ar? 11) O valor mínimo do polinômio y = x 2 + bx + c . 53 . podemos afirmar que: Justifique (A) a<0. b>0 e c<0 (E) a<0. b<0 e c>0 (B) a>0. Onde y é a altura. atingida pelo projétil x segundos após o lançamento. determine o domínio e a imagem da função y = 14) log 1 10 x Observe os gráficos e relacione os mesmos com as respectivas funções: a) f(x)=x³-4 c) h(x)=2x+3 b) g(x)=5 d) t(x)=x²-2 15) Os zeros de uma função quadrática f(x) = x²+bx+c são x1=-7 e x2=-1. b>0 e c>0 (D) a<0. (A) -1 (B) -2 9 9 (C) − (D) − 4 2 3 (E) − 2 12) A representação cartesiana da função ax2 + bx + c é a parábola abaixo.

a imagem.92x + 5. para x < − → f ( x) < 0 5 5 1 1 5) f ( ) = 0. f(x) é crescente.45 c) 21 km c) y= -2x + 20 d) y= 6x + 13 2 2 4) a = 5. 2 2 b) y= 2x – 1 6) a) b) c) d) e) A) D : ℜ − {2} Im( f ) : ℜ − {0} Assíntotas: Vertical : x = 2 Horizontal : y = 0 Raiz : não possui Não possui Gráfico ao lado 54 . D : ℜ Im : ℜ. o período(das funções trigonométricas) e faça o esboço do gráfico das seguintes funções: a) y = 3 sen(x) d) y = 2 + cos(x) g) y = -1 + 4 cos(2x) j) f(x) = 2x b) y = -2cos(x) e) y = 1/2cos(x) h) f(x) = e x c) y = sen (2x) f) y = tg(x) i) y = (1/5)x l) f(x) = e-x k) f(x) = (1/3)x 18) Determine as raízes e faça a representação gráfica das seguintes funções: a) f(x) = x3+2 x2+ x c) f(x) = x3. parax > − → f ( x) > 0 .3 x+2 b) R$ 15.x + 7 Respostas 1) b= 8 2) a) y = 0. x = .16) Determine o domínio das seguintes funções: 2x + 3 b) y = a) y = 2 x − 3 x+2 1 1 d) y = e) y = 3 3− x x +1 −x 3− x 4−x f) y = x c) y = 17) Determine o domínio.7 x2.33 3) a) y= 3x b) f(x) = x3 -7x2 d) f(x) = x3.

1} Im( f ) : ℜ As sin totas : Vertical : x = −2 e x = 1 . ou.−4) ponto de mínimo Gráfico ao lado E) a) D( f ) : x ≥ 2 Im( f ) : ℜ+ b) Não possui assintotas c) Raiz : x = 2 d) y = 0 ponto de mínimo e) Gráfico ao lado a) b) c) d) e) F) D( f ) : ℜ − { } Im( f ) : ℜ − {2} 1 Vertical : x = 1 Horizontal : y = 2 Raiz : x = 0 Não possui Gráfico ao lado 55 . ∞ ) As sin totas : não possui Raízes : x = −1 e x = 3 V = (1. Horizontal: y = 0 1 Raiz : x = − 2 Não possui Gráfico ao lado a) b) c) d) e) D) D( f ) : ℜ. [− 4.a) b) c) d) e) B) D : ℜ − {− 4} Im( f ) : ℜ − {3} Vertical : x = −4 Horizontal : y = 3 7 Raiz : x = − 3 Não existe Gráfico ao lado a) b) c) d) e) C) D : ℜ − {− 2. Im( f ) : y ≥ −4.

k ∈ z Im( f ) : ℜ 2   56 .-9) ponto de mínimo . (V).3].2]. d. Im : [− 9. p = 2π  2 2 f) π   D :  x ∈ ℜ / x ≠ + kπ .+∞) 3  b){x ∈ ℜ / x ≠ −2} c){x ∈ ℜ / x ≤ 0} 16) a)x ∈ ℜ / x ≥  2  e){x ∈ ℜ / x > −1} f ){x ∈ ℜ / x ≤ 4 e x ≠ 0} d ) x ≠ 27 17) a) b) D :ℜ Im( f ) : [− 3.3]. a e b 15) V=(-4. p = 2π c) D : ℜ Im( f ) : [− 1. D : ℜ.7) (F).1]. (F) 8) x = 0 9) x = -1 10) yv= 250 m t=5 s 11) c 12) e 13) a ) D ( f ) : x > 0. p = 2π e)  1 1 D : ℜ Im( f ) : − .(V). p = 2π D : ℜ Im( f ) : [− 2. p = π d) D : ℜ Im( f ) : [1. Im( f ) : ℜ 14) c.  .

3] p =π h) D : ℜ Im( f ) : y > 0 i) D : ℜ Im( f ) : y > 0 j) D : ℜ Im( f ) : y > 0 k) D : ℜ Im( f ) : y > 0 l) D : ℜ Im( f ) : y > 0 57 .g) D : ℜ Im( f ) : [− 5.

x = -1 e x = -1 b) Raízes: x = 0. determine os seguintes limites: a) lim− f ( x ) b) lim+ f ( x ) x→3 x→3 c) lim f ( x) x→ 3 d) lim f ( x) x→− ∞ e) lim f ( x ) x→ + ∞ f) lim f ( x) x→ 4 2) Seja f(x) a função definida pelo gráfico abaixo.x = 1 e x = 7 d) Raízes: x = -2 . determine os seguintes limites: a) lim + f ( x ) x→ − 2 b) lim − f ( x ) x→ − 2 c) lim f ( x) x→ − 2 d) lim f ( x ) x→ + ∞ 58 .x = 1 e x = 1 Lista 2 1) Seja f(x) a função definida pelo gráfico abaixo.x = 0 e x = 7 c) Raízes: x = -1.18) a) Raízes: x = 0.

Determine os seguintes limites: a) lim+ f ( x) x→ 2 b) lim − f ( x) x→ 2 c) lim f ( x) x→ + ∞ d) lim f ( x ) x→ − ∞ e) lim f ( x ) x→ 1 4) Obtenha os limites: x2 − 9 5− x b) lim a) lim x→ 3 x − 3 x → 5 25 − x 2 d) lim x3 − 8 x−2 c) lim x→ 0 x3 2x 2 − x x 3 + 3x 2 − x − 3 x3 − x2 + 2 x→ 2 e) lim x→ 1 x 2 − 4x + 3 x3 −1 f) lim x→ − 1 g) lim x→ 1 x 3 − 3x 2 + 6 x − 4 x3 − 4 x 2 + 8x − 5 h) lim x→ 1 x3 − 3x + 2 x4 − 4x + 3 i) lim x→ −2 x 4 + 2 x 3 − 5 x 2 − 12 x − 4 2 x 4 + 7 x 3 + 2 x 2 − 12 x − 8 x→ − ∞ j) lim (5 x 3 − 3 x 2 − 2 x − 1) k) lim (2 x 5 − x 4 + 2 x 2 − 1) x→ + ∞ x→ − ∞ l) lim ( −3x 4 + 2 x 2 − 1) o) lim ( − x 2 + 3 x − 2) x→ + ∞ m) lim (3 x 4 + 5 x 2 + 8) x→ + ∞ n) lim ( −5 x 3 + 3 x − 2) x→ − ∞ p) lim x→ 2x 2 + 1 − ∞ x2 −1 q) lim x→ 3x 3 − 5x 2 + 2 x + 1 − ∞ 9 x 3 − 5x 2 + x − 3 r) lim x→ 4x 3 − 5x 2 + x +∞ x4 + 7x2 s) lim x→ 3x 5 − x 4 + 7 x − ∞ 6 x 5 + 8 x 4 + 20 t) lim x→ 4 x 5 + 12 x 2 + 5 x −∞ x3 + 4x 2 + 2 5) Determine as assíntotas (se existirem).3) Seja f(x) a função definida pelo gráfico. analise a continuidade e esboce o gráfico das funções abaixo: 5 2 a) y = d) y = x−3 ( x − 1) 2 3x + 1  1 b) y =  se x ≠ −2 x −1 e) y =  x + 2 2  3 se x = −2  c) y = x 3 f) y = 2 x + x−6 59 . a intersecção com o eixo y.

Assíntota Horizontal y=3.Assíntota Horizontal y=0. intercepta eixo y = − 1 2 g) Assíntota Vertical. x=1. intercepta eixo y = − 1 60 .Assíntota Horizontal y=0. x= . e x ≠ 1 . x= . 7) Sabendo que f dada por f ( x) = calcule f(0). x=0.3 e x = 2. intercepta eixo y = − 5 3 b) Assíntota Vertical. não intercepta eixo y d) Assíntota Vertical.3] . intercepta eixo y = . Verifique se f é contínua nesse intervalo.Assíntota Horizontal y=0.1 c) Assíntota Vertical. x=3.1 e x = 1. 8) Determine. intercepta eixo y = 2 f) Assíntota Vertical.g) y = 1 x −1 x+3 h) y = x−2 2 6) Seja a função f definida por f ( x ) = 9 − x 2 x ∈ [− 3. é uma função contínua em zero. b) 1 10 1 h) 2 e) − 2 3 f)− 4 5 i) 7 8 k) − ∞ l) − ∞ r) 0 n) + ∞ t) ∞ o) − ∞ q) 1 3 s) 1 2 5) a) Assíntota Vertical.Assíntota Horizontal y=0. intercepta eixo y = 2 1 e) Não têm Assíntotas. quando existirem os pontos de descontinuidade das funções e faça o esboço do gráfico: x+4 1 5x a) f ( x) = c) f ( x) = 2 b) f ( x ) = d ) f ( x) = x 2 + 5 x x −5 x x −9 Respostas: 1) a ) − 1 2) a ) 0 3) a ) 0 4) a ) 6 g) 1 m) + ∞ b) 3 b) 0 b) 0 c) não existe c) 0 c) + ∞ c) 0 d ) 12 j) + ∞ p) 2 d) −1 d) + ∞ d) − ∞ e) 1 e) 3 f)3 x 3 − 4x para x2 − x x ≠ 0. x=1.Assíntota Horizontal y=0.

F(x) = 27. H(x) = 8. g(x) = 19. g(x) = 3 5 + x2 x 4 1 x2  y −7 17. f(x) = 2 7x + 3x − 1 3 2 6. F(x) = x 2 + 3x + 4. F(x) = 3 2x 3 −5x 2 + x 25. x = 2. f(z) = (z 22.h) Assíntota Vertical. 11.Assíntota Horizontal y=1. g(t) = 2t + 26. F(x) = x 2 + 4x − 5 3 15. f(x) = x 2 − 5 3 x 2 + 3 16. h(u) = (3u2 + 5) (3u − 1)2 3 14. 5. 9. 1. f(t) = (2t x 2 + 2x + 1 x 2 − 2x + 1 x f(x) = x −1 5x h(x) = 1 + 2x 2 x3 − 8 f(x) = 3 x +8 2x + 1 (3x − 1) f(x) = x+5 4 2x − 5 3x + 1 1 − 1 2 23. g(x) = (2x − 5)−1 (4 x + 3)−2 61 . f (x) = (2x 4 − 1)(5x 3 + 6x ) 7. f(r) = (r 2 + 1) (2r + 5)2 2 2 + 4) − 5) 3 2 21. f(y) =   y +2    2 18. f(x) = (3x + 5) 3 2 ( 13. y(x) = x 8 − x 4 8 3. intercepta eixo y = − 6) Sim 7) 4 8) a ) Descontinu a em x ≠ 5 c) Descontinu a em x ≠ − 3 e b) Descontinu a em x ≠ 0 d ) Não existe descontinu idade 3 2 x≠3 Lista 3 Obtenha a derivada de cada uma das seguintes funções. 10. y(x) = x 3 − 3x 2 + 5x − 2 1 2. h(x) = 2 t x2 − 1 x 3 12. f(x) = (x + 4 ) − 7t + 2t − 1) −2 ) 3 2 x −1 x +1 28. f (s) = 3 (s 3 − s 2 ) (z 20. f(x) = 4x 2 + 5x 24.

f' (x) = 2x 8.Respostas 1. F' (x) = 2x + 3 − 2 x3 6 20 g' (x) = − 3 − 5 x x 17. g' (t) = (x + 8 ) 6(x + 10x + 1) f' (x) = (x + 5)2 2 2 26. F' (x) = (1 + 2x ) 48x 2 3 2 2 33 (2x 3 − 5x 2 + x ) 6x 2 − 10x + 1 2 2 25. 15. F' (x) = 27. f' (x) = −2(14x + 3)(7x 2 + 3x − 1) 2 f' (y) = 18(y − 7 )(y + 2 )−3 −2 f' (r) =(r 2 + 1) (2r + 5)(16r 2 + 30r + 4 ) f ' (z) = 2z ( z 2 − 5) f' (x) = 2(3x + 5)− 3 1 2 ( z 2 + 22)(z 2 + 4) −3 f' (s) = 3 (3s 2 − 2s ) f' (x) = 70x 6 + 60x 4 − 15x 2 − 6 g' (x) = 17 2 2x − 5 − 1 2 H' (x) = − f' (x) = − h' (x) = f' (x) = 4(x + 1) (x − 1)3 (3x + 1)3 3 23. 18. 5(1 − 2x 2 ) 1 (x − 1)2 5 − − x 2 2 2 24. h' (u) = 6(3u − 1)(3u2 + 5) (12u2 − 3u + 5) 2 f' (x) = −2(x + 4 ) 3 x 2 − 5 3 (x 2 + 3) x(5x 2 − 1) 2 16. y' (x) = x 7 − 4x 3 3. 11. 22. h' (x) = 3 1 t − 2 2t t 2 1 x2 x2 − 1 x+5 6 x − 1 3 (x + 1)4 13. 20. 10. f' (t) = 2(8 t − 21t + 2 )(2t − 7t + 2t − 1) 3 4 f' (x) = 6(x + 2)(x + 4x − 5) −3 2 28. f' (x) = 14. g' (x) = 2(− 12x + 17 )(2x − 5)−2 (4 x + 3)−3 Lista 4 Utilize o formulário e encontre a derivada das funções abaixo: 1 a) y = sen(x) d) y = tg 2 (x) g) y = log 2 (cos(x))  4x + 1  j) y = tg h    5  x 2 ⋅ sen(x) b) y = ex e) y = tg(x) sen(x) + cos(x) c) y = cos(x) x ⋅ ex f) y = sen3 (x) i) y = arcsen(x)2 h) y = sen(x) 1 k) y = cot gh   x 62 . 19. 21. 12. 7. y' (x) = 3x 2 − 6x + 5 2. 4. 6. 5. 9.

São Paulo: Makron Books do Brasil. MUNEM. v. LTC. Cálculo diferencial e integral. Rio de Janeiro: Campus.uerj. Paulo.1. Cálculo com geometria analítica. – v. LTC. LEITHOLD. . 2005.ed. BIBLIOGRAFIA COMPLEMENTAR BOULOS. Cálculo A: funções.1 BOULOS. 1985. etall.html 63 . AVILA. D. Cálculo. 2004. A. . 2001. São Paulo: Harbra&Row do Brasil. SHENK. 1 FLEMMING. limite. Porto Alegre: Bookman. Rio de Janeiro. Cálculo: das funções deuma variável. São Paulo : Makron Books.. H.Respostas − cos(x ) a) y' = sen2 (x ) c) y' = g) y' = h) y' = i) y' = − x (sen(x ) + cos(x )) − cos(x ) x 2e x d) y' = 2tg(x ) sec 2 (x ) e) y' = 2 b) y' = e − x (x 2 cos(x ) + (2x − x 2 )sen(x )) − sen(x ) cos(x )ln 2 2 arc sen(x ) 1 − x2 cos(x ) 2 sen(x ) sen(x ) + cos (x ) − sen(x ) cos (x ) + cos (x )sen (x ) cos 2 (x )[sen(x ) + cos(x )]2 2 4  4x + 1  j) y' = sec h2   5  5  f) y' = 3sen2 (x ) cos(x ) 1 cos sec h2   x k) y' = 2 x BIBLIOGRAFIA BÁSICA ANTON. derivação. James. São Paulo:Thomson. 5. 617 p. São Paulo: Pearson Education do Brasil. 1982.ime. 1982. A. integração. ed.v. http://www. L. c2004.br/~calculo/pdfpsiu. 7.Rio de Janeiro : LTC. Geraldo. Cálculo: um novo horizonte. O cálculo com geometria analítica. e FOULIS. Cálculo. STEWART. 1998. EDWARDS. 2004.J. Pré-Cálculo. 2000. Paulo. Cálculo com geometria analítica. Rio de Janeiro. Diva Marilia.

Sign up to vote on this title
UsefulNot useful