Blogs Como Ferramenta

XIV Encontro Nacional de Ensino de Química (XIV ENEQ

)

Especificar a Área do trabalho TIC

Blogs como ferramenta de apoio ao ensino presencial em uma disciplina de comunicação científica
Mario Roberto Barro1 (PG)*, Jerino Queiroz Ferreira1 (PG) e Salete Linhares Queiroz1 (PQ)
1 - Instituto de Química de São Carlos – Universidade de São Paulo – Av. Trabalhador São Carlense, 400 – Centro. CEP 13560-970 / São Carlos – SP. *e-mail: mrbarro@iqsc.usp.br Palavras Chave: química, blogs, novas tecnologias.
RESUMO: Nas últimas décadas a aprendizagem através da execução de tarefas por intermédio do computador tem

desempenhado importante papel no aprendizado dos alunos. Neste trabalho descrevemos a elaboração, aplicação e avaliação de blogs como ferramenta de apoio ao ensino presencial em uma disciplina de comunicação científica. Os blogs foram estruturados disponibilizando aos alunos páginas contendo instruções sobre as atividades realizadas durante a disciplina, hiperlinks para revistas eletrônicas, conteúdo com textos utilizados na disciplina, além do editor de mensagens para escrita de comentários, reflexões e envio das atividades extra-classe. A pesquisa teve como sujeitos 28 alunos matriculados na disciplina, que ao final do processo responderam um questionário de avaliação (escala Likert) do blog. A análise dos questionários, assim como a análise dos comentários e refexões dos alunos referentes ao blog, indicou que a ferramenta de blog auxiliou na realização das atividades propostas na referida disciplina.

INTRODUÇÃO A utilização dos blogs no ensino tem sido alvo do interesse de muitos pesquisadores que advogam em favor das suas potencialidades educativas (Baltazar e Aguaded, 2005; Baltazar e Germano, 2006; Barbosa e Serrano, 2005; Carvalho et al., 2006; Gomes e Lopes, 2007; Mantovani, 2006; Oliveira, 2006). Cabe destacar que blog é uma abreviação de weblog e significa registro eletrônico na internet. O que distingue o blog de um site convencional é a facilidade com que se pode fazer registros para a sua atualização, o que o torna muito mais dinâmico e mais simples do que os sites, pois sua manutenção é apoiada pela organização automática das mensagens pelo sistema, que permite a inserção de novos textos sem a dificuldade de atualização de um site tradicional. Seus registros aparecem em ordem cronológica inversa e exigem apenas conhecimentos elementares de informática por parte do usuário (Barbosa e Serrano, 2005). Dentre outras ferramentas gratuitas da Web 2.0, o blog é considerado a ferramenta mais conhecida e utilizada em contexto educativo. (Coutinho e Bottentuit Junior, 2007). A quantidade de trabalhos voltados à utilização de blogs no ensino de ciências, tanto no âmbito nacional quanto no âmbito internacional, ainda é pequena e as abordagens presentes nesses trabalhos são bastante variadas no que diz respeito às atividades propostas e às motivações que originam os estudos. Nessa perspectiva, dois trabalhos nacionais, publicados na Revista Novas Tecnologias na Educação – Renote, são dignos de nota, uma vez que relatam o uso de blogs neste ensino: “Blog, wiki e mapas conceituais digitais no desenvolvimento de

UFPR, 21 a 24 de julho de 2008. Curitiba/PR.

2003. 2006. que são necessárias maiores investigações que ofereçam um melhor aproveitamento destas ferramentas. pesquisaram. com o objetivo de desenvolver a autonomia e a criatividade de alunos do ensino fundamental. ministrada em um Curso de Bacharelado em Química de uma universidade estadual paulista. 2006). assumindo a edição de seus blogs. Gomes. com o intuito de possibilitar o ensino e aprendizagem de Química e Física. Dutra e colaboradores (2006) apontaram para a necessidade de que os alunos sejam autores do próprio conhecimento e concluíram que o uso dos dispositivos favoreceu este aspecto. elaboraram e publicaram textos ilustrados e links para sites relacionados aos conteúdos curriculares de Química e Física.. . 21 a 24 de julho de 2008. UFPR. Entendemos a análise do uso dos blogs pelos alunos como de primordial importância para que possamos especular sobre a sua eficácia como facilitador do ensino e para que possamos também vislumbrar suas limitações. Deixaram claro ainda. foram aplicados projetos de aprendizagem. as autoras concluíram que os blogs são ferramentas eficazes para alcançar bons resultados escolares e também desenvolver habilidades e competências necessárias na sociedade atual. e o wiki. Moresco e Behar (2006). organizados em grupos.XIV Encontro Nacional de Ensino de Química (XIV ENEQ) Projetos de Aprendizagem com alunos do Ensino Fundamental” (Dutra et al. nos quais os alunos desenvolveram pesquisas a respeito de temas científicos aliadas ao uso das seguintes ferramentas de interação e intervenção suportadas por tecnologia: o blog. os mapas conceituais. 2004). 2006) e “Blogs para a Aprendizagem de Física e Química” (Moresco e Behar. 2005. alguns alunos acharam o trabalho com o blog difícil e cansativo. principalmente por não apresentarem conhecimentos básicos de informática e tiveram que se apropriar ao mesmo tempo dos conhecimentos tecnológicos e científicos.. Por fim. nos quais os alunos. através do software Cmap Tools. Williams e Jacobs. Nos blogs. Silva. auxiliou no registro das atividades e potencializou a interação entre alunos e dos alunos com o os professores. propuseram a criação de blogs educacionais. Segundo as autoras. No trabalho de Dutra e colaboradores (2006). Neste trabalho temos como objetivo descrever a construção de blogs e avaliar a utilização e aceitação dos mesmos junto a estudantes matriculados em uma disciplina de comunicação científica. no ensino médio. cada aluno postou um diário relatando o que compreendeu das suas investigações durante a realização do projeto. Curitiba/PR. Os blogs podem ser utilizados com diversos propósitos educacionais em diversas disciplinas e diferentes níveis de escolaridade devido a sua característica de ferramenta flexível que não apresenta um limite de utilização (Carvalho et al.

com o objetivo de ajudar no processo de decisão na implementação de blogs em sala de aula. 2006). A Figura 1 apresenta um mapa conceitual das modalidades de blogs que. sugeriram oito passos. para ajudar a construir e implementar blogs no ensino universitário de ciências: 1) Decidir o propósito do blog. segundo os autores. 2) Decidir a autoria do blog. Figura 1: Modalidades para os blogs em educação. 3) Estabelecer a avaliação das postagens e esclarecer regras para freqüência das mesmas.XIV Encontro Nacional de Ensino de Química (XIV ENEQ) REFERENCIAL TEÓRICO ADOTADO NA CONSTRUÇÃO DOS BLOGS A construção dos blogs pautou-se no trabalho de Browntein e Klein (2006). 4) Observar as políticas sobre o uso de blogs da instituição de ensino na qual serão aplicados. no qual os autores. UFPR. 21 a 24 de julho de 2008. (Adaptado de Browntein e Klein. publicado no Journal of College Science Teaching. pode ajudar a determinar o propósito do blog. descritos a seguir. Figura 2: Blogs em salas de aulas de ciências (Adaptado de Browntein e Klein. A Figura 2 apresenta um mapa conceitual dos possíveis autores de um blog em salas de aulas. 2006). . Curitiba/PR.

disponibilizar a criação de blogs coletivos e aceitar postagens individuais com a identificação dos usuários. . CONSTRUÇÃO DOS BLOGS A primeira etapa na construção dos blogs consistiu em determinar a modalidade. segundo o referencial anteriormente citado. gráficos. no qual avaliaram algumas plataformas de blogs e wikis segundo critérios de facilidade de uso. Devido ao caráter das atividades propostas para serem realizadas nos blogs. optou-se por blogs públicos. 7) Adaptar os blogs as necessidades do ensino. apresentar a possibilidade de privacidade escolhida. 6) Criar um guia de regras de etiqueta para uso do blog por parte dos alunos. A Figura 3 apresenta a visualização da página inicial de um dos blogs coletivos estruturado para receber as produções dos alunos.edublogs.org) por: ser uma plataforma voltada especificamente para criação de blogs educacionais. individual e a privacidade relatada acima. porém a publicação de atividades e comentários foi permitida somente aos alunos através de senha. O resultado dos testes apontou como melhor a plataforma disponibilizada pela Edublogs (http://www. as quais envolveriam escrita. Curitiba/PR. Esta escolha está de acordo com os resultados obtidos no trabalho de Lefoe e Meyers (2006). suportasse vários formatos de arquivos para a posterior utilização por parte dos alunos e possibilitasse a autoria coletiva. sem restrição de acesso ao conteúdo por senhas. pesquisa. A terceira etapa consistiu na escolha do layout dos blogs propriamente ditos. ser gratuita e de fácil utilização. 8) Tornar o blog uma extensão agradável da sala de aula. foram feitos testes em plataformas de blogs disponíveis na internet. possuir uma boa ferramenta de edição e suporte a diversos tipos de arquivos de texto. optou-se pela criação de blogs coletivos com possibilidade de autoria individual ou em grupo por parte dos alunos. UFPR. abrindo-se espaço para interação através dos comentários. A segunda etapa consistiu na escolha de uma plataforma de blogs gratuita que se apresentasse estável. os blogs se enquadram principalmente na modalidade de aprendizado.XIV Encontro Nacional de Ensino de Química (XIV ENEQ) 5) Decidir se o blog será público ou privado (decidir quem pode ler e quem pode comentar). possibilidade de inserir documentos. vídeos e outros recursos. De acordo com as exigências acima determinadas. 21 a 24 de julho de 2008. ou seja. disponibilizasse um bom recurso de edição de texto. Devido ao fato da proposta de ensino apresentar atividades em grupo e individuais. a autoria e a privacidade dos mesmos. reflexões e comentários. acessibilidade. Quanto à privacidade.

. Nessa perspectiva. Cabe destacar que. Curitiba/PR. A quinta etapa consistiu em tornar o blog uma extensão agradável da sala de aula e em fazer a sua adaptação às necessidades da proposta de ensino da disciplina. 21 a 24 de julho de 2008. foram inseridas nos blogs – na página “Atividades” acessível pelos links do topo da página inicial dos blogs apresentada na Figura 3 – todas as atividades extra-classe com as devidas instruções para suas realizações e prazos de postagem. Quanto à avaliação das postagens. Na quarta etapa. as regras para freqüência das postagens pelos alunos e avaliação das mesmas pelo professor foram estabelecidas.XIV Encontro Nacional de Ensino de Química (XIV ENEQ) Figura 3: Estrutura elaborada para página inicial dos blogs coletivos apresentando 3 zonas principais: o topo da página contém os links para páginas de informações e instruções sobre as atividades e como resolvê-las no blog. estas foram realizadas através de comentários do professor responsável pela disciplina. A freqüência das postagens foi determinada pelas atividades extra-classe de cunho obrigatório. distribuídas aos alunos no final de cada aula em conjunto com as instruções para realização das mesmas nos blogs e seus prazos de postagem. a zona principal de visualização das mensagens publicadas e a barra lateral de menus secundários de organização das mensagens por categorias contendo também um link para a parte de administração e publicação de mensagens através do Login. UFPR.

das atividades e prazos de postagens. como por exemplo as páginas de: “Instruções”. resultados e discussão – e descrevem resultados originais de uma investigação científica. 21 a 24 de julho de 2008. “Atividades”. mais conhecida como editor de mensagens ou postagens. contendo o horário de monitoria que ocorria em horário diferente da aula com a presença de monitores que tiravam as dúvidas dos alunos quanto as atividades e a utilização do blog. As referidas páginas na sua totalidade são de fácil acesso pela categoria “Páginas” da barra lateral da página inicial e nos links do menu no topo do blog. apresentada na Figura 4. materiais e métodos. no segundo semestre de 2007. PERCURSO METODOLÓGICO E COLETA DOS DADOS A pesquisa teve como sujeitos 28 alunos matriculados na disciplina de comunicação científica. “Monitoria”. Interciência. a escolha. Nesta página os alunos encontraram links para as bases de dados (Scielo. Cabe ainda esclarecer que consideramos como artigos científicos aqueles cuja organização é destacada pela divisão em seções – introdução. as quais envolveram a busca. “Cronograma”. Curitiba/PR. No primeiro dia de aula o docente responsável pela disciplina formou grupos de trabalho (3 a 5 membros por grupo) e esclareceu a forma como o acesso ao blog seria realizado por cada membro dos grupos na realização das atividades que seriam solicitadas durante o semestre. a análise de um artigo científico e a produção individual de um texto final sobre o assunto apresentado no artigo escolhido pelos grupos. Probe) e revistas eletrônicas conhecidas da área de química (Química Nova. Para tanto fizeram uso dos links especialmente criados para adaptar o blog às necessidades da atividade. Foram também apresentadas as atividades que deveriam ser realizadas no blog. ambos apresentados na Figura 3. para facilitar a busca pelo artigo científico com os quais os alunos trabalharam durante a proposta. O procedimento de postagem foi explicado apresentandose a área existente nos blogs para escrita. relacionadas tanto à localização e ao entendimento do formato destes artigos quanto ao seu conteúdo. conforme define Campanário (2004). visaram favorecer o entendimento da linguagem UFPR.XIV Encontro Nacional de Ensino de Química (XIV ENEQ) uma página “Busca-Artigos” foi inserida nos blogs dos grupos. Eclética Química) e de áreas correlatas sugeridas (Revista Saúde Pública. contendo um manual de instruções de utilização do blog. Durante um bimestre letivo os alunos responderam questões em atividades realizadas extra-classe. conforme mencionado anteriormente. com postagem feita pelo blog. respondidas na forma escrita. Estas questões. Nesse sentido de adaptação. contendo as atividades e as instruções para sua realização. . Scientia Agrícula). também foram publicadas outras páginas no blog. contendo o cronograma da disciplina.

“Indeciso”. logo abaixo do editor e a barra lateral de menus secundários de organização das mensagens por categorias. foi utilizada escala Likert de 5 pontos com alternativas: “Concordo Fortemente”. Curitiba/PR. 21 a 24 de julho de 2008. analisamos as colocações dos alunos a respeito da utilização do blog presentes nos comentários e reflexões publicadas por eles nos blogs. “Discordo”. a zona principal de edição do corpo da mensagem a ser publicada. Além da análise quantitativa. RESULTADOS E DISCUSSÃO Avaliação Quantitativa dos Blogs Para quantificação e análise das respostas apresentadas pelos alunos. além do conteúdo da área de química e também o entendimento do processo de construção da ciência. “Concordo”. aceitação. entre outros.XIV Encontro Nacional de Ensino de Química (XIV ENEQ) científica contida nos artigos. Algumas das afirmações que dizem respeito ao uso e UFPR. . que versam sobre a utilização. uma área para carregamento de arquivo anexo (Upload). A seguir discutimos as afirmações relacionadas à aceitação do blog pelos alunos. “Discordo Fortemente”. Ao final da proposta os alunos responderam a um questionário composto de 4 afirmações relacionadas ao uso e aceitação do blog. pautada nas afirmações presentes nos questionários. Figura 4: Estrutura do editor de mensagens dos blogs apresentando 4 zonas principais: o topo da página com link para visualização da postagem (View site). vantagens e desvantagens consideradas pelos mesmos no uso desta ferramenta.

. Curitiba/PR. Esta afirmação trata da aceitação dos alunos ao uso da ferramenta como apoio às aulas presenciais. Para a afirmação de número 3. a análise das respostas dos alunos nos permitiu construir o gráfico da Figura 5. Abaixo se encontram elencadas estas afirmações: 1) Eu considero a utilização do blog nesta disciplina relevante. citada no trabalho de Barbosa e Serrano (2005). 25 responderam o questionário de avaliação. Dentre os 28 alunos matriculados. O questionário foi composto por 4 afirmações relacionadas ao uso e aceitação do blog. para a afirmação de número 1. sugerindo que um número considerável de alunos acredita na facilidade de uso do blog. dentro das categorias “Concordo” e “Concordo Fortemente”. foram distribuídos segundo a ocorrência das alternativas escolhidas nas questões. UFPR. verificou-se que mais de 80% dos estudantes registraram respostas favoráveis. verificou-se que mais de 50% dos estudantes registraram respostas favoráveis. 4) As instruções contidas no blog auxiliaram a realização das atividades. No gráfico. dentro das categorias “Concordo” e “Concordo Fortemente”. dentro das categorias “Concordo” e “Concordo Fortemente”. Este resultado vem corroborar a afirmação sobre a facilidade de se fazer registros no blog. Analisando os dados das afirmações 1 e 2. que trata da facilidade do uso do blog. Com relação às afirmações que versam sobre o uso do blog. que trata sobre a relevância da utilização do blog na disciplina. observamos que alguns dos estudantes que não concordaram com a relevância da utilização dos blogs concordaram em mantê-lo na disciplina. verificou-se que mais de 70% dos estudantes registraram respostas favoráveis. 3) Eu acho o blog fácil de usar.XIV Encontro Nacional de Ensino de Química (XIV ENEQ) aceitação dos blogs foram elaboradas tomando por base o trabalho de Selim (2003) que utiliza o Modelo de Aceitação da Tecnologia (MAT) para avaliar o uso e a aceitação de websites como ferramenta de ensino. 2) O blog deve ser mantido nas próximas edições da disciplina. Para a afirmação de número 2. Este tipo de tratamento tem como principal meta fornecer parâmetros genéricos de análise e indicar tendências gerais apresentadas pelos alunos. A partir da análise das respostas dadas ao questionário foram destacados os aspectos da ferramenta de blog avaliada positiva e negativamente pelos usuários. 21 a 24 de julho de 2008. em comparação a um site convencional. que trata sobre manter o blog nas próximas edições da disciplina. de uma forma geral. Os dados resultantes da aplicação do questionário. foram adquiridos indícios sobre a viabilidade do uso desta ferramenta no ensino. Desta forma.

vantagens e desvantagens no uso desta ferramenta. Estas publicações reforçaram as impressões já constatadas na análise das respostas ao questionário de avaliação quantitativa. para a afirmação de número 4. Avaliação Qualitativa dos Blogs Como descrito na metodologia da pesquisa. verificou-se que aproximadamente 80% dos estudantes registraram respostas favoráveis. muitas destas declarações são abrangentes e podem ser localizadas em mais de uma categoria. a análise qualitativa é decorrente dos comentários e reflexões publicadas no blog. As publicações foram reunidas em categorias que revelam aspectos mais enfatizados nas respostas dos estudantes ao questionário. Eu acho o blog fácil de usar. UFPR. Curitiba/PR. O blog deve ser mantido nas próximas edições da disciplina. 50 40 30 20 As instruções contidas no blog auxiliaram a realização das atividades. 70 60 Eu considero a utilização do blog nesta disciplina relevante. sugerindo que um número considerável de alunos acredita no auxílio das instruções contidas no blog para a realização das atividades. 10 0 Discordo Fortemente Indeciso Concordo Fortemente Figura 5: Gráfico do índice de respostas para as 4 afirmações relativas ao uso e aceitação do blog. aceitação. . 21 a 24 de julho de 2008. através das quais os estudantes puderam expressar suas opiniões em relação à utilização. dentro das categorias “Concordo” e “Concordo Fortemente”.XIV Encontro Nacional de Ensino de Química (XIV ENEQ) Por fim. que trata sobre o auxílio das instruções contidas no blog para a realização das atividades propostas na disciplina. Naturalmente.

Curitiba/PR. que estão detalhadas nos depoimentos a seguir. estou postando outros 2 artigos que pesquisei.. mas não atende à exigência da tarefa. por mostrar uma mediação assíncrona possibilitada pela ferramenta.. visando propiciar uma melhor utilização do blog pelos alunos. “O artigo que você indicou é legal. 21 a 24 de julho de 2008.. nunca lembrava a senha. mas que julgamos importante destacar..XIV Encontro Nacional de Ensino de Química (XIV ENEQ) • Relevância da utilização do blog na disciplina “Sobre a utilização do sistema de blogs. gráficos. “Como houve erro na escolha do artigo. mesmo!!” (Professor). o blog é muito simples de ser utilizado”. . “Eu nem sabia o que era blog. Concorda comigo?” (Professor). “Se o texto da atividade final não fosse escrito no blog e fosse escrito a mão não colocaríamos figuras.. Conforme mencionado anteriormente. estas considerações são importantes. • Vantagens/Desvantagens de uso do blog “O uso do blog economiza papel”. melhorou muito em relação ao antigo CoL (Ambiente Virtual de Aprendizagem utilizado na disciplina de comunicação científica anterior)” • Facilidade/Dificuldade de uso do blog “. Agora é só levar as cópias do artigo para a próxima aula” (Professor). • Outros comentários/reflexões “Não imaginava que o blog poderia ser utilizado como recurso didático ou para atividades de ensino/aprendizagem”. “Escolha OK. em primeiro vem o link do artigo sobre oxidação. Alguns comentários foram reunidos em uma categoria a parte das categorias que foram exploradas no questionário de avaliação do blog. UFPR.. tabelas. acho inclusive que esse sistema de blogs. pois em uma próxima aplicação podemos enfatizar o uso destas funções. Se pudéssemos escolher a senha seria mais fácil”. além do mais.”. principalmente para termos um meio a mais de comunicação com o próprio grupo e com a professora. “Foi um suplício descobrir como anexar arquivos na mensagem postada”. Não é um artigo original de pesquisa. Muito boa. Achava que era mais um recurso fútil da internet”. conforme foi solicitado. o qual estava correto” (Aluno). procurei esse sobre aerossóis” (Aluno).”. “Tive problemas com a senha de acesso. achei muito relevante para a disciplina. “Acho de suma importância o trabalho que estamos desenvolvendo em sala de aula e em casa. “Já que o artigo do cérebro não vale. • Interação professor/aluno “Olá!!! A tarefa do grupo está OK. Apenas dois estudantes relataram as dificuldades encontradas na utilização do programa.

up. Curitiba/PR. n. por sua vez. n. na qual através dos comentários o professor mesmo não estando na Universidade interagiu com os alunos avaliando suas atividades. Disponível em: <http://www. 3. 2005.cetac.com . 18 a 22 Set. In: Actas do VII Colóquio UFPR. 21 a 24 de julho de 2008. n. Ignacio. aplicação e avaliação de blogs como meio de apoio às atividades de uma disciplina de comunicação científica. autonomia e autoria dos alunos.org. Juan Miguel. Os alunos. 2006. REFERÊNCIAS Baltazar. Florianópolis/SC. Podendo também existir contribuição da ferramenta na motivação. Campanario. Blogue: Uma ferramenta com potencialidades pedagógicas em diferentes níveis de ensino. Robert. 35. Claudia Aparecida. 22. 365-378.18-22. Disponível em: <http://prisma. . Luís e Cruz. Carvalho. Journal of College Science Teaching. 20 a 21 Out.XIV Encontro Nacional de Ensino de Química (XIV ENEQ) CONSIDERAÇÕES FINAIS Este trabalho concentrou-se na elaboração. 6. Brownstein. 2004.abed. Joana. Portugal: Aveiro. 2005. Ana Amélia. v. 2006. tiveram oportunidade de refazer as atividades. os resultados das avaliações dos blogs por parte dos estudantes sugerem boa aceitação e mostram o blog como uma ferramenta de apoio ao ensino presencial de fácil utilização que pode contribuir na interação professor/aluno através da mediação a qualquer dia e horário. Conceição Aparecida Pereira e Serrano. Enseñanza de lãs Ciencias. Erica e Klein. Algunas posibilidades del artículo de investigación como recurso didáctico orientado a cuestionar ideas inadecuadas sobre la ciencia. Neusa e Germano. Blogs: Applications in Science Education. Moura. out. Adelina. baseada nas sugestões do trabalho de Browntein e Klein (2006). Weblogs como recurso tecnológico numa nova educação. Pereira. Neusa e Aguaded. Sónia. Baltazar. 3.2008. A construção dos blogs. De maneira geral.pdf> Acesso em: 13. Os weblogs e a sua apropriação por parte dos jovens universitários. pois permitiu uma construção mais próxima às necessidades da proposta de ensino da disciplina. In: 12º Congresso de Educação a Distância (ABED).br/congresso2005/por/pdf/011tcc3.Revista de Ciências da Informação e da Comunicação do CETAC.Abril. p. In: Actas do 4º Congresso da Associação Portuguesa de Ciências da Comunicação. O Blog como Ferramenta para Construção do Conhecimento e Aprendizagem Colaborativa. Abril.2008. v. Prisma. p. Barbosa.pdf> Acesso em: 13. mostrou-se um caminho enriquecedor. O caso do curso de Ciências da Comunicação da Universidade do Algarve. on-line.pt/artigospdf/1_neusa_baltazar_e_joana_germano_prisma. corrigindo seus erros e tendo liberdade de expressar seus pontos de vista para o professor.

José (orgs. p. Rosa Meire Carvalho. Prisma. Blogs na educação: construindo novos espaços de autoria na prática pedagógica. 311-315. Selim.pdf> Acesso em: 13. Portugal: Porto. António Marcelino. como e porquê? In: Brito. Wendy.). Disponível em: <http://www. 2007. In: Actas do VII Simpósio Internacional de Informática Educativa (SIIE). 2 a 6 Set. 4. 635-652. n.Revista Novas Tecnologias na Educação.). RENOTE .0. 232-247. Coutinho. Becker. Portugal: Leiria. 2. Julia Lângaro. 2006. Disponível em: <http://www.up. jul. 40. 21 a 24 de julho de 2008. Weblogs na educação. Dez. p. Abril.ufrgs.br/renote/dez2006/artigosrenote/25064.pdf > Acesso em: 13. Disponível em: <http://prisma. 4. n. p. on-line. 333-346.ufrgs. 1. on-line.III Colóquio Luso-Brasileiro sobre Questões Curriculares. Silvia Ferreto da Silva e Behar. n. In: 23rd annual Australasian Society for Computers in Learning in Tertiary Education (ASCILITE) conference. Austrália: Sydney. Piccinini. Patricia Alejandra. Aprendizagem mediada e avaliada por computador: a inserção dos blogs como interface na educação. Oliveira. In: Silva. Setúbal : Centro de Competência CRIE. Lefoe. Ana Margô. Léa da Cruz. Dutra. 2006. 117-133. Carlos Augusto.Abril. 3 experiências. Blogs para a aprendizagem de Física e Química. Ítalo Modesto. Jeremy Barton.pdf > Acesso em: 13. 2007.pt/artigospdf/18_ana_margo_mantovani_prisma.XIV Encontro Nacional de Ensino de Química (XIV ENEQ) sobre Questões Curriculares . 2003. Geraldine e Meyers. São Paulo: Edições Loyola.cetac. Blogues escolares: quando. Belo Horizonte/MG. 2006. p. 2003. José e Duarte. Curitiba/PR.2008. 3. In: Actas do IX Simpósio Internacional de Informática Educativa (SIIE). v. Torres. Jan Alyne Barbosa. Australasian Journal of Educational Technology. Williams.Abril. RENOTE . UFPR. 2. 2006. Exploring the use of blogs as learning spaces in the higher education sector. 3 a 6 Dez.br/renote/jul2006/artigosrenote/a44_21233. Blog. 14 a 16 Nov. 20.2008. Clara Maria Pereira e Bottentuit Junior. v. v. Computers & Education. 3 testemunhos. João Batista . p. Stéfano Pupe e Fagundes. 2005. Gomes. 2006. n. Maria João e Lopes. Moresco. 199-204.Revista de Ciências da Informação e da Comunicação do CETAC. Mantovani. Marco e Santos. Joanne. Maria João. p. 343-360. v.Revista Novas Tecnologias na Educação. p. Blogs: um recurso e uma estratégia pedagógica. In: XXVI INTERCOM Congresso Anual em Ciência da Comunicação. Gomes. on-line. Johann.2008. Avaliação da aprendizagem em educação online.com . Weblogs: múltiplas utilizações e um conceito. Portugal: Braga. Silva. Blog e Wiki: os futuros professores e as ferramentas da Web 2. 2006. 16 a 18 Nov.. Modelling blended learning environments: Designing an academic development blog. 2004. n. Hassan M. An empirical investigation of student acceptance of course websites. e Jacobs. Conceição. .451-454. p . 9 a 11 Fev. Edméa (orgs.cinted. wiki e mapas conceituais digitais no desenvolvimento de projetos de aprendizagem com alunos do ensino fundamental. out.cinted. 4.

Sign up to vote on this title
UsefulNot useful