You are on page 1of 1

Contratos sem licitação com Visa Vale são investigados - Diário do Gr...

http://www.dgabc.com.br/News/5917225/contratos-sem-licitacao-com...

Fotos

Vídeos

Blogs Colunas

Fale Conosco
SETECIDADES

ESPORTES

ECONOMIA

CULTURA & LAZER

NACIONAL

INTERNACIONAL

BEM-ESTAR / SAÚDE

POLÍTICA

TURISMO

AUTOMÓVEIS

DIARINHO

D+

Minuto-a-Minuto

Classificados

Cinema

Tudo Imóvel

Dia-a-Dia Revista

Leia na íntegra [DGABC Virtual]

ECONOMIA
Tamanho da fonte + Imprimir Sugestão de matéria Indique esta matéria Comente domingo, 2 de outubro de 2011 12:00

Contratos sem licitação com Visa Vale são investigados
0 comentário(s)

Dezenas de prefeituras do interior de São Paulo deram contratos sem licitação à administradora de vale-refeição Visa Vale, empresa do Banco do Brasil (BB) e do Bradesco. Boa parte desses negócios foi intermediada pelo BB, que tinha um parecer de seu departamento jurídico para embasar a dispensa de concorrência pública. Essas transações agora estão sendo questionadas pelo Tribunal de Contas do Estado (TCE) e pelo Ministério Público (MP) paulista. Para evitar a licitação, os municípios empacotaram operações que chegam a movimentar milhões de reais como se fossem contratos de no máximo R$ 8 mil, que não precisam passar por concorrência. As prefeituras contrataram a Visa Vale para administrar os cartões magnéticos que seus funcionários usam nos pagamentos em restaurantes e supermercados. É um filão muito disputado pelas empresas do setor. Em geral, prefeituras e órgãos públicos escolhem os fornecedores por meio de concorrência, seguindo a Lei de Licitações. O TCE e o MP já intimaram vários municípios a explicar por que pularam a regra no caso da Visa Vale. Essas operações devem movimentar pelo menos R$ 40 milhões este ano, segundo é possível apurar no Portal do Cidadão, site do TCE em que os municípios registram suas prestações de contas. A Visa Vale foi contratada com dispensa de licitação por mais de 30 municípios, além de Câmaras de Vereadores e órgãos municipais. Procurada, a administradora enviou nota para dizer que segue a Lei de Licitações e é uma empresa ética e transparente, mas não quis dar explicações. Polêmica O centro da polêmica está na definição do valor dos contratos: deve-se contar o valor total do benefício, que pode movimentar milhões de reais, ou apenas a taxa de administração da empresa, que não passa de R$ 8 mil? Nesse caso, a operação se enquadra numa brecha que prevê dispensa de licitação nos contratos abaixo desse teto. A reportagem conversou com as prefeituras de Bragança Paulista, Americana, Jacareí, Cruzeiro, Cerquilho, Capela do Alto e Castilho - apenas Osasco, dona do maior contrato de todos (R$ 2 milhões por mês), não quis dar informações. Todos os outros afirmam considerar como contrato apenas a taxa de administração, já que o dinheiro dos benefícios vai direto para os cartões dos servidores. Como a Visa Vale geralmente não cobra a taxa - ou cobra menos de R$ 8 mil -, não fizeram licitação. Os concorrentes dizem que o argumento seria uma manobra para escapar da Lei de Licitações. Alegam que a taxa de administração é a parte menos importante do negócio e que as administradoras ganham dinheiro mesmo é com as comissões de 2% a 4% cobradas dos restaurantes e supermercados onde os servidores usam os cartões. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.
Tamanho da fonte + Imprimir Sugestão de matéria Indique esta matéria Comente

RELACIONADAS
Nenhuma notícia relacionada

TAGS
vale-refeição, visa vale, contratos, prefeituras, investigações

COMENTÁRIOS
Nenhum comentário ainda. Seja o primeiro, clique aqui!

PROJETOS ESPECIAIS

NEWSLETTER
Receba noticias por e-mail

RSS
Assine o RSS do Diário Online

TWITTER
Siga-nos no Twitter @dgabc

CELULAR
Acesse do seu celular

Fale Conosco

Mídia Kit

Expediente

Publicidade Legal

Assine o Diário

Trabalhe Conosco

DGABC Gráfica

Política de Privacidade

1 de 1

05/10/2011 08:42