ITC – 2007

Hardware Teórico.

Pág.

1 de 19

Cap. 6. Barramentos.
6.1. Introdução aos Barramentos.
Barramentos são conjuntos de sinais digitais através dos quais o processador transmite e recebe dados de circuitos externos. Alguns barramentos são usados para transmissões feitas entre placas, ou dentro de uma mesma placa. Existem vários barramentos nesta categoria: • • • • • • Barramento Local; Barramento da Memória; Barramento PCI; Barramento ISA; Barramento AGP; Barramento AMR/CNR

Estes são os barramentos estudados neste capítulo. Outros barramentos são usados para que o processador e a memória possam receber e transmitir dados para periféricos e dispositivos externos. Entre eles podemos citar os seguintes: • • • • Barramento SCSI; Barramento USB; Barramento Firewire; Barramento IDE.

6.2. Barramento Local, de Sistema ou do Processador.
Através deste barramento o processador faz a comunicação com o seu exterior. Nele trafegam os dados lidos da memória, escritos na memória, enviados para interfaces e recebidos de interfaces. Pode ser dividido em três grupos: • • • Barramento de Dados; Barramento de Endereços; Barramento de Controlo.

Cap. 6 Barramentos Internos.

Elaborado por: Elísio Freitas

sinais que permitem a outro dispositivo tomar o controlo do barramento. Através do barramento de endereços o processador pode especificar qual a placa ou interface através da qual quer transmitir ou receber dados. Cap. sinais de clock. ou seja. 2 de 19 Figura 1. O barramento de dados tem 64 bits na maioria dos processadores modernos. O barramento de endereços é sempre unidireccional. A maioria dos processadores modernos tem barramento de endereços com 36 bits. sinais de especificação de destino/origem de dados (memória ou E/S). sinais de programação e diversos outros. e também especificar o endereço de memória no qual deseja ler ou armazenar dados. ou seja. Existem sinais para indicação do tipo de operação (leitura ou escrita). Pág. outros são de entrada. podendo assim endereçar até 64 GB de memória física. sinais de interrupção. Barramentos do Processador. outros são bidireccionais. os bits são gerados pelo processador. 6 Barramentos Internos. O barramento de controlo contém vários sinais que são necessários ao funcionamento do processador.ITC – 2007 Hardware Teórico. Elaborado por: Elísio Freitas . sinais de sincronismo. ora recebidos pelo processador. os dados são ora transmitidos. O barramento de dados é bidireccional. Alguns dos seus sinais são de saída. bem como controlar o tráfego do barramento de dados.

a Intel e AMD se preocuparam em oferecer taxas de transferência bem elevadas. Tanto é assim que ao lançar novos processadores (como o caso do Athlon/Duron e do Pentium 4 e Itanium). porém o primeiro dado demora mais a estar pronto. Nos processadores modernos. ora pelos circuitos de vídeo. Devido às latências das memórias e de outros dispositivos mais lentos. três ou mais períodos de clock. Infelizmente nem sempre as memórias e outros dispositivos são tão velozes a ponto de acompanhar esta velocidade. já que estaria sendo acedida. Velocidade do Barramento Local. basta multiplicar o clock externo do processador pelo número de bytes do seu barramento de dados. cada operação pode ser feita em um só período de clock. ora pelo processador. por isso vamos discutir o assunto com mais detalhes. A velocidade máxima teórica de um barramento é um ponto bastante importante.ITC – 2007 Hardware Teórico. ou seja. Os barramentos de todos os processadores modernos operam de forma síncrona. Pág. Neste caso o barramento da memória seria o de tráfego mais intenso do computador. a taxa de transferência máxima nunca é obtida na prática. 3 de 19 Na maioria dos casos. Elaborado por: Elísio Freitas . Na prática este valor não é alcançado. um Pentium III operando com 64 bits (8 bytes) e clock de 100 MHz externos. os eventos são sincronizados com um sinal de clock. Por exemplo. uma placa de CPU pode ter o processador operando com barramento de 100 MHz e as memórias operando a 133 MHz. Por exemplo. é o que chamamos de latência. 6. Por exemplo. cada operação era feita em dois. oferece uma taxa de transferência máxima de 800 MB/s (100 MHz x 8). e assim são feitas prorrogações chamadas de wait-states. Nos processadores antigos. mas isto nem sempre ocorre.2. 6 Barramentos Internos. Ter a memória mais rápida é vantajoso no caso de placas com vídeo onboard. No caso de processadores que operam com DDR (Athlon e Duron) o clock Cap. pois nem todas as transferências podem ser feitas em um único ciclo. o barramento do processador é o mais veloz existente numa placa de CPU. Para calcular a taxa de transferência.1. todas as memórias modernas podem transferir dados a cada período de clock.

1.3. A maioria dos chipsets possui registradores que permitem Cap. o desempenho do seu barramento será menor que o de um processador que use barramento de 133 MHz. 6. 6. Um outro factor pode ainda fazer com que a taxa real seja ainda menor. como é o caso do Pentium 4 e do Xeon). através de chips chamados buffers bidireccionais. A função do chipset nesta conexão não é de apenas amplificar corrente. Taxa de Transferência Máxima Teórica. 4 de 19 deve ainda ser multiplicado por 2. e para processadores que operam com QDR (Quad Data Rate. Por exemplo. Barramento das Memórias. 6 Barramentos Internos. Tabela 1. Portanto a velocidade do barramento do processador era igual à velocidade do barramento das memórias. se um processador Athlon ou Duron operando com barramento de 100 MHz (200 MHz efectivos usando DDR) for ligado a memórias PC133. Velocidade do Barramento das Memórias. permitindo que o barramento de dados fosse ligado a um número grande de chips de memória. o clock deve ser multiplicado por 4.3. As latências das memórias impedem que essas taxas sejam obtidas na prática. Pág. Actualmente as memórias são ligadas ao processador através do chipset. Esses chips tinham como único objectivo amplificar a corrente vinda do processador. Elaborado por: Elísio Freitas . A tabela a seguir mostra a taxa de transferência máxima teórica dos principais processadores produzidos nos últimos anos.ITC – 2007 Hardware Teórico. Nas placas de CPU antigas. e não de 200 MHz. as memórias eram ligadas directamente ao barramento do processador.

resultando em temporizações como 2-11-1 ou 3-1-1-1. Outros podem ter o processador operando a 200 MHz e as memórias a 133.75 transferências por ciclo. O processador estaria neste caso fazendo leituras e escritas directamente na memória. ou 133 MHz. 5 de 19 que a memória opere de forma assíncrona ao processador. o que resulta em 0. Finalmente um outro factor contribui para reduzir ainda mais o desempenho. com um clock diferente. A maioria dos acessos à memória passam pelas caches do processador. em média. Podemos encontrar barramentos de memória operando com diversas velocidades: Tabela 2. Mais tempo é perdido antes de cada transferência. 6 Barramentos Internos. Elaborado por: Elísio Freitas . Cap. que é a actuação da cache. já que a cada 3 transferências em que usam um só ciclo.ITC – 2007 Hardware Teórico. Pág.8 e 0. mas certos ciclos podem ser feitos no modo uncached (sem passar pela cache). Existem vários outros exemplos de clocks diferentes. Essas taxas não são sustentadas por períodos significativos. e nunca são obtidos na prática. Alguns chipsets podem ter o processador operando a 100 MHz e as memórias a 66. As taxas de transferência mostradas na tabela acima são meros limites teóricos. Nesses casos dizemos que a memória está operando de forma assíncrona ao processador. é exigida uma transferência inicial que dura 2 ou 3 ciclos (latência 2 ou 3). Taxas de Transferência do Barramento de Memória. ao serem usados os comandos de leitura e gravação. ou seja.

no mesmo soquete onde instalamos um módulo de 512 MB. o que resulta em variações no número de bits de endereços. Por exemplo. respectivamente. Essas diferenças não são uma “despadronização”. Diferenças podem existir nos barramentos de endereços. 7 e até 8 slots ISA.ITC – 2007 Hardware Teórico.3. Já o barramento de memória não admite variações.4. Placas de som. No tempo em que não existiam barramentos mais avançados. Os slots ISA são utilizados por várias placas de expansão. entre as quais: • • Placas fax/modem. . As raras placas produzidas actualmente que possuem slots ISA apresentam apenas um ou dois desses slots. Os Sinais de um Barramento de Memória. as placas de CPU passaram a apresentar apenas 2 ou 3 slots ISA.2. Elaborado por: Elísio Freitas Cap. 6 Barramentos Internos. O barramento ISA (Industry Standard Architecture) surgiu no início dos anos 80. Existe um padrão que deve ser seguido por todos os fabricantes. Entretanto. Outros sinais são padronizados em módulos de qualquer capacidade. Pág. as placas de CPU possuíam 6. podemos encontrar slots ISA em praticamente todos os PCs produzidos nos últimos anos. também precisam ser suportados módulos de menores capacidades. principalmente no número de bits do barramento de dados e de endereços dos chips de memória. Por exemplo. 6. Existem algumas diferenças. 6 de 19 6. os sinais RAS e CAS dos módulos SDRAM DIMM/168 devem sempre ocupar os pinos 115 e 111. Depois da popularização do barramento PCI. Barramento ISA. O que ocorre é que o barramento deve ser compatível com módulos de diferentes capacidades. os barramentos dos módulos SDRAM DIMM/168 devem ter sempre 64 ou 72 bits. Apesar de ter sido lançado há muito tempo. já que módulos de maior capacidade exigem mais bits para seu endereçamento. Foi criado pela IBM para ser utilizado no IBM PC XT (8 bits) e no IBM PC AT (16 bits). Apenas a partir do ano 2000 tornaram-se comuns novas placas de CPU que aboliram completamente os slots ISA.

e atingem tanto as placas de expansão. e não fabricam mais novos modelos ISA. Placas de rede. pois a definitivamente o padrão PCI. a interface para drives de disquetes. com excepção do BIOS. 6. por isso foram as primeiras a serem produzidas no padrão PCI. De qualquer forma. através dos slots. apesar de não utilizarem os slots. o CMOS. o PC Speaker e o BIOS.1. São as interfaces seriais. Outro problema é que o barramento ISA possui muitos pinos. dos fabricantes de placas de expansão já adoptou Note que estamos a falar principalmente de modelos antigos. 6 Barramentos Internos. Já as placas de vídeo. como circuitos da placa de CPU. Mesmo descontando pinos que Cap. placas de rede. a presença de slots ISA em uma placa de CPU é útil caso seja necessário aproveitar placas de expansão antigas. a interface paralela. Elaborado por: Elísio Freitas . Ainda assim possuem circuitos internos que precisam estar disponíveis. todos esses circuitos fazem parte do chip conhecido como Super I/O.ITC – 2007 Hardware Teórico. interfaces SCSI e digitalizadoras de vídeo operam com taxas de transferência mais elevadas. Os slots de 16 bits têm ao todo 98 pinos. a interface de teclado. apesar de serem originalmente ligados ao barramento ISA.4. o substituto do ISA em placas modernas. etc. Seria preciso manter um barramento ISA interno apenas para a ligação desses dispositivos. LPC. O motivo desta demora é que o tráfego de dados que elas utilizam mal chega a ocupar 5% da capacidade de transferência de um slot ISA. as interfaces para drives de disquete. Pág. Por exemplo. O Barramento ISA é um conjunto de sinais digitais que partem do chipset e do processador. 7 de 19 • • maioria Interfaces proprietárias. As placas fax/modem e as placas de som foram as que mais demoraram para adoptar o padrão PCI. Note que nas placas modernas. interfaces seriais e interface paralela embutidas na placa de CPU são controladas através do barramento ISA. As placas de CPU modernas não utilizam mais slots ISA. Observe que Barramento ISA não é sinónimo de Slot ISA. a interface para mouse.

8 de 19 normalmente não são necessários para o funcionamento do Super I/O e do BIOS. o barramento LPC não tem necessidade de operar com alto desempenho. usando um barramento de apenas 4 bits. mas apenas o suficiente para uma comunicação eficiente com esses dispositivos. endereços. Sendo assim. que era barramento proprietário da IBM. wait states e todas as demais informações necessárias à sua operação. não precisa utilizar barramentos independentes de dados e endereços. mas utiliza apenas 13 pinos. o que resulta em menor custo e menor complexidade dos seus circuitos.33 MHz. Pág. Permitiam a instalação de uma placa especial de memória. dados. Já que os chips modernos são capazes de operar com clocks bem mais elevados que os usados antigamente no barramento ISA. operando a 10 e 16 MHz. operando com um número de pinos baixo.ITC – 2007 Hardware Teórico. O barramento MCA e o EISA foram dois padrões adoptados entre o final dos anos 80 e o início dos anos 90. O barramento EISA (Enhanced ISA) foi desenvolvido por diversas empresas que precisavam de um barramento mais rápido mas não podiam usar o MCA. 6 Barramentos Internos. o número total continua sendo muito grande. mas infelizmente esses barramentos Cap. Barramento VLB. Utilizado essas 4 linhas são fornecidos de forma serial. Algumas placas de CPU chegaram a utilizar barramentos locais de alta velocidade para expansões de memória. Elaborado por: Elísio Freitas . Como é destinado à conexão de dispositivos lentos. comandos. oferecendo taxas de transferência mais elevadas. Este barramento opera com 33 MHz. o LPC tira proveito disso. O LPC transfere as informações no formato serial. O MCA (Microchannel Architecture) era usado em PCs IBM PS/2 e teve várias versões. O EISA opera com 32 bits e usa clocks entre 6 e 8. Todos os dispositivos que eram tipicamente ligados ao barramento ISA operam com baixa velocidade. a Intel criou o barramento LPC (Low Pin Count). Na verdade nem precisa fornecer todos esses bits ao mesmo tempo.5. Antes do surgimento do barramento PCI. de 16 e 32 bits. alguns outros barramentos foram usados nos PCs. 6. Para resolver esses problemas.

Foi então que surgiu o VESA Local Bus (VLB).25 a 0. a memória de vídeo ocupa cerca de 2 MB. próprio para a placa de vídeo. paralela. Usando uma placa SVGA VLB era conseguido um desempenho gráfico bastante superior. que permitiam obter elevadas capacidades de memória em pouco espaço. A chegada dos processadores Pentium e suas placas de CPU equipadas com slots PCI. Elaborado por: Elísio Freitas . 9 de 19 eram proprietários. 6 Barramentos Internos. Pág. não foram usados em larga escala pela indústria de placas para PCs. Como esses barramentos não eram padronizados. Já com a resolução de 1024x768 com 16 milhões de cores. endereço e controle do processador 486. A placa IDEPLUS VLB tinha como vantagem a maior taxa de transferência da interface IDE. As antigas placas VGA de 16 bits operavam de forma satisfatória em modo texto. Entre 1994 e 1995 eram comuns as placas SVGA VLB e IDEPLUS VLB. A movimentação da tela seria extremamente lenta. quando toda a memória de vídeo ocupava apenas 300 kB.ITC – 2007 Hardware Teórico. já que suas outras interfaces (seriais. Para transferir integralmente uma tela nesta resolução para uma placa de vídeo ISA. Neste barramento era feita a reprodução quase fiel dos sinais de dados. A necessidade deste tipo de barramento cessou com a proliferação dos módulos de memória. o que criou a necessidade de um novo barramento mais veloz. A necessidade de barramentos mais rápidos voltou a ser grande quando as placas de vídeo passaram a operar com altas resoluções e elevado número de cores. Infelizmente o barramento VLB era totalmente baseado no barramento local do 486.5 segundo. e com gráficos de 640x480 com 256 cores. Este barramento era representado fisicamente por um conector adicional que ficava alinhado com os slots ISA. Também foram produzidas placas digitalizadoras de vídeo e controladoras SCSI no padrão VLB. seria necessário um tempo de cerca de 0. juntamente com a extinção dos Cap. drives de disquetes e joystick) operavam com taxas de transferência bem menores. criado pela Vídeo Electronics Standards Association. Significa que uma placa de CPU com um barramento local proprietário para expansão de memória deveria obrigatoriamente usar uma placa de expansão de memória do mesmo fabricante.

10 de 19 processadores 486. tipicamente aquelas que têm “tudo onboard”. Em algumas placas mais simples. O barramento VLB tinha várias desvantagens que contribuíram para que não fosse prolongado o seu uso depois da criação do PCI. portanto operavam também com 33 MHz. fez com que o barramento VLB também caísse em desuso. Note que a maioria das placas de expansão VLB não suportava operar acima de 33 MHz. como ocorre com o barramento PCI. portanto o barramento VLB acompanhava este clock. Barramento PCI. podemos encontrar apenas um ou dois slots PCI. Elaborado por: Elísio Freitas . 5 ou 6 slots PCI. Cap. A figura 2 mostra os conectores usados no barramento PCI (Peripheral Component Interconnect). Para suportar 40 MHz era preciso utilizar wait states que eram programados através de jumpers nas placas VLB. 6 Barramentos Internos. 4. Por exemplo. Taxas de Transferência do VLB. e a taxa de transferência resultante era de 100 MB/s. Os slots VLB foram muito utilizados em placas de CPU 486 com clock externo de 33 MHz. Nas placas de CPU modernas podemos encontrar 3. o 486DX2-50 operava externamente a 25 MHz. O facto de não ter sido criado sob a liderança da Intel e da Microsoft também contribuiu para que não fizesse tanto sucesso no mercado. 6.6. Esta taxa variava de acordo com o clock externo do processador. As placas eram extremamente longas e maus contactos no conector eram bastante comuns. Tabela 3.ITC – 2007 Hardware Teórico. São slots de 32 bits. Não oferecia o recurso Plug and Play. A tabela a seguir mostra alguns processadores e as taxas obtidas nos seus barramentos VLB. Pág. e a 33 MHz oferecem uma taxa de transferência teórica máxima de 133 MB/s.

próprias para servidores. Tipos de PCI. através dos slots. Placa de Interface SCSI. Nos slots PCI. etc. as interfaces para disco rígido e as interfaces USB embutidas na placa de CPU são controladas através do barramento PCI. Alguns exemplos típicos de placas de expansão PCI são: • • • Placa de Vídeo (SVGA). Por exemplo. A tabela abaixo mostra as principais opções: Cap. é importante notar que Barramento PCI não é sinónimo de Slot PCI. como circuitos da placa de CPU. 6. Como no barramento ISA. 11 de 19 Figura 2. e atingem tanto as placas de expansão. Pág. Slots PCI. o clock do barramento PCI pode estar indevidamente programado para 37. Elaborado por: Elísio Freitas . O Barramento PCI é um conjunto de sinais digitais que partem do chipset e do processador. o barramento PCI opera com 32 bits e utiliza um clock de 33 MHz. Na maioria das placas de CPU.5 MHz ou 41.ITC – 2007 Hardware Teórico. nos quais temos barramentos PCI de 64 bits e 66 MHz. resultando em mau funcionamento. Em placas que operam com overclock externo.6. Em placas de CPU antigas podemos encontrar o barramento PCI operando com 25 ou 30 MHz. 6 Barramentos Internos. apesar de não utilizar os slots. Placa de Rede.1. A taxa de transferência máxima teórica do barramento PCI depende portanto das suas características.6 MHz. conectamos placas de expansão PCI. Existem ainda as placas de CPU de alto desempenho. Podemos entretanto encontrar algumas variações.

estava previsto o funcionamento com 64 bits. o clock externo é 60 MHz. Taxa de Transferência do PCI. Com clock externo de 66 MHz. Slots PCI de 32 e 64 bits. Obviamente só encontramos esta configuração em servidores e estações de trabalho de alto desempenho. por exemplo. com sua taxa de transferência máxima de 533 MB/s. O barramento PCI de 66 MHz e 64 bits. Pág. portanto o barramento PCI passa a operar com apenas 25 MHz. Possui duas secções. o clock externo é de 50 MHz. Pentium-120 e Pentium-150. capazes de operar com taxas de 320 MB/s. Nas placas de CPU Pentium antigas. a metade do clock do processador. O slot PCI de 64 bits é diferente do de 32 bits. Quando é feito overclock externo Cap. Este aumento foi motivado principalmente pelas novas interfaces SCSI. tanto em 32 como em 64 bits. Figura 3.ITC – 2007 Hardware Teórico. Da mesma forma no Pentium-90. 6 Barramentos Internos. apesar de operar com 32 bits. sendo uma análoga ao de 32 bits e outra menor. já que tais placas são programadas para usar no barramento PCI. portanto o barramento PCI opera com 30 MHz. Mais recentemente o barramento PCI sofreu uma revisão e agora suporta também a operação em 66 MHz. 12 de 19 Tabela 4. Elaborado por: Elísio Freitas . suporta perfeitamente este tipo de interface. No processador Pentium-75. Logo na primeira versão do PCI. com os sinais necessários ao funcionamento em 64 bits. o clock do barramento PCI era sempre igual à metade do clock externo do processador. o resultado era o barramento PCI operando a 33 MHz.

o barramento PCI opera com a metade desses valores. O barramento PCI é totalmente Plug and Play (PnP). Elaborado por: Elísio Freitas . precisam que sejam configurados os recursos de hardware a serem usados. resultando em 33 MHz. Linhas de interrupção. Para que interfaces e placas de expansão funcionem. as placas de expansão ISA antigas. bem como os dispositivos das placas de CPU ligadas ao Cap. Cabe ao sistema operativo providenciar a instalação dos drivers correctos para cada dispositivo instalado. Esses recursos de hardware são: • • • • Endereços de Memória.6 MHz. Nos PCs antigos cabia ao utilizador ou ao técnico instalador. obrigando o processador a operar com 75 ou 83 MHz externos. sem que o utilizador precise intervir. mas pode resultar em valores maiores quando é usado overclock. e que sejam instalados os drivers apropriados. 6. Intel e outros fabricantes foi feito no sentido de possibilitar a configuração automática desses recursos. Pág. o que corresponde a 37.2. a configuração desses recursos de forma manual. o barramento PCI opera com 1/3 do clock externo do processador. 6 Barramentos Internos. Na maioria das placas de CPU com clock externo de 100 MHz. Tecnologia Plug and Play. Canais de DMA. Um grande esforço da Microsoft.6. Endereços de E/S. 13 de 19 nessas antigas placas. As configurações são feitas de forma automática pelo BIOS da placa de CPU e/ou pelo sistema operacional. Já o barramento ISA não possui recursos PnP nativos. mesmo que o processador esteja usando overclock externo.5 MHz e 41. Isto significa que qualquer dispositivo PCI é beneficiado pela configuração automática oferecida pelo Plug and Play. switches ou de programas de configuração específicos para cada dispositivo. Muitas placas de CPU mais recentes têm geradores de clock independentes para o processador e para o barramento PCI. ou seja. Desta forma o barramento PCI pode ser mantido em 33 MHz. através de jumpers.ITC – 2007 Hardware Teórico.

como o mostrado na figura 5. mas normalmente ficam localizadas no BIOS. por exemplo). especificamente para acelerar o desempenho de placas de vídeo em PCs equipados com o Pentium II e processadores mais modernos. Elaborado por: Elísio Freitas . Não existe local padrão para essas informações. 2) Que cada dispositivo PCI ou ISA PnP informe os recursos de hardware de que necessita. 6 Barramentos Internos. ou no chip CMOS. 14 de 19 barramento ISA (interfaces seriais e paralelas. porém de forma compatível com os dispositivos Plug and Play.7. Trata-se do Accelerated Graphics Port. Placas de expansão ISA produzidas a partir de 1995. A arquitectura Plug and Play foi criada de forma que não apenas dispositivos PCI possam usá-la.ITC – 2007 Hardware Teórico. A arquitectura Plug and Play tem seu funcionamento dependente do BIOS e do sistema operativo. ou dispositivos de legado) possam ser configurados de forma manual. 3) Que os dispositivos não Plug and Play (Legacy Devices. É formado por um único slot. bem como interfaces existentes nas placas de CPU modernas e ligadas ao barramento ISA. em Flash ROM. Esta área existe em todas as placas de CPU modernas. Novos dispositivos ISA puderam passar a utilizar as mesmas configurações automáticas disponíveis nas placas PCI. mas existem diferenças subtis do ponto de vista Cap. A distribuição de recursos de hardware de forma automática depende de três factores: 1) Que exista uma área no sistema que indique quais são os recursos de hardware disponíveis e quais estão em uso por quais interfaces. Observe que este slot é muito parecido com os utilizados no barramento PCI. e chama-se ESCD (Extended System Configuration Data). não possuem recursos de configuração automática. Barramento AGP. também são Plug and Play. Pág. Este barramento foi lançado em 1997 pela Intel. e que possa ser programado para utilizar os recursos a ele destinados por um Gestor de Recursos. 6.

não possuem slot AGP. usado exclusivamente para placas de vídeo projectadas no padrão AGP. Elas têm os circuitos de Cap. Por outro lado. sem slot AGP.ITC – 2007 Hardware Teórico. bem maior que a verificada no barramento PCI. As primeiras placas de CPU a apresentar slot AGP foram as que usavam o chipset Intel i440LX. Figura 5. Slot AGP. muitas placas de CPU para PCs de baixo custo.7. O AGP é um slot solitário.1. Elaborado por: Elísio Freitas . Muitos modelos de placas de vídeo são produzidas nas versões PCI e AGP (ex: Voodoo 3 3000 AGP e Voodoo 3 3000 PCI). Outros fabricantes de chipsets passaram a desenvolver produtos que também davam suporte ao barramento AGP.) também passaram a apresentar slot AGP. Pág. Em outras palavras. essas placas possuem barramento AGP mas não possuem slot AGP. é impossível encaixar neste slot. Foram produzidas várias placas de CPU com vídeo onboard. Placas de CPU para a plataforma Super 7 (K6. 6 Barramentos Internos. além de possuir uma separação interna diferente da existente no slot PCI. tipicamente as que possuem vídeo onboard. 6. uma placa que não seja AGP. entretanto com os circuitos de vídeo internamente ligados ao barramento AGP. etc. para Pentium II. Desta forma. e depois as que usavam o i440BX. Placas de CPU com slot AGP começaram a se tornar comuns a partir de 1998. Actualmente todas as placas de CPU de alto desempenho apresentam um slot AGP. 15 de 19 mecânico. AGP e vídeo Onboard. Fica um pouco mais deslocado para a parte frontal do computador. A principal vantagem do AGP é a sua taxa de transferência. com raras excepções. K6-2.

várias versões foram lançadas no que diz respeito à voltagem e velocidade. Da mesma forma existem placas AGP de 3. Existem entretanto placas de CPU com vídeo onboard mas que possuem um slot AGP disponível para expansões.5 como com 3. Pág.0 são capazes de operar tanto com 0. As Várias Voltagens do AGP. Para possibilitar a operação em modo 4x.2. Elaborado por: Elísio Freitas . Para manter compatibilidade total.3 volts. e os slots AGP universais.3 volts.7 volts quanto Cap. A nova versão 3. o utilizador que quiser melhorar o desempenho do vídeo precisa se contentar com uma placa de vídeo PCI.3 volts. capazes de operar exclusivamente com este nível de voltagem. Placas de CPU com esta característica podem ser usadas para montar computadores simples. de forma compatível com a placa de CPU. As placas de vídeo AGP também operavam com os mesmos 3. 16 de 19 vídeo embutidos.ITC – 2007 Hardware Teórico.0 da especificação AGP. os níveis de voltagem foram alterados para 1.3 volts (a exemplo das memórias. As placas de CPU tinham slots AGP operando com 3. Surgiram então os slots AGP para 1.5 volts. placas AGP de 1. respectivamente. chipsets e o barramento externo dos processadores). que suporta o modo de transferência em 8x.5 volts.7. Como na maioria dos casos o vídeo onboard é de baixo desempenho (mesmo sendo AGP). opera com tensão de 0. capazes de operar tanto com 1. entretanto é utilizado o mesmo tipo de soquete para placas de 1. As primeiras versões operavam com 3. através da instalação de placas de expansão apropriadas. porém não permitem que o utilizador desactive o vídeo onboard e instale uma placa de vídeo AGP. Desde que o barramento AGP foi criado. Inicialmente foi lançado o AGP de velocidade simples (AGP 1x). tanto as placas de CPU quanto as placas de vídeo AGP 3. depois o AGP 2x e o AGP 4x. ligados ao barramento AGP.3 volts.5 volts.5 volts e placas AGP universais. mas que podem posteriormente ser convertidos em modelos mais avançados. 6. 6 Barramentos Internos.7 volts. duas a 4 vezes mais velozes.

Outro ponto importante é a velocidade de operação. As velocidades suportadas são 1x.3 volts não pode ser conectada em um slot AGP de 1. Slots AGP. prevalecerá a máxima velocidade que seja suportada simultaneamente pela placa e pelo slot.5 volts. Figura 6. O modo 4x exige a tensão de 1.3 volts. Elas se aplicam obrigatoriamente na comunicação entre a placa de vídeo e a placa de CPU. Pág. a Cap.3 volts e suportavam apenas o modo AGP 1x. estamos a referir nos apenas à voltagem usada pelos sinais digitais que trafegam ao longo do slot. mas poderá ser encaixada em um slot AGP universal. por exemplo. Depois surgiram placas de CPU com chipsets capazes de operar em AGP 2x. mas quando a placa de vídeo é 2x. Esses slots suportam o modo 4x.5 volts” ou “placa AGP de 0. através dos quais as voltagens correctas são seleccionadas.5 volts. também com 3. Portanto quando dizemos “placa AGP de 3. 4x e 8x. 17 de 19 com 1.5 volts são encontrados nas placas capazes de operar em 4x. ou “placa AGP de 1. 1.5 volts mas usar tensões de 1.5 volts e 0. Os slots AGP universais e os de 1.7 volts”. Elaborado por: Elísio Freitas .ITC – 2007 Hardware Teórico. com 2.7 volts não se referem necessariamente ao funcionamento dos chips da placa. Quando uma placa AGP é encaixada em um slot AGP de voltagem compatível (note que é impossível fazer o encaixe quando as voltagens não são compatíveis). Ambas as placas são identificadas por novos sinais MB_DET e GC_DET. Uma placa de vídeo pode ter seus chips operando. 6 Barramentos Internos. ao longo do slot.3 volts.5 volts. 2x. Uma placa AGP 2x de 3. As primeiras placas de CPU com barramento AGP operavam com 3.3 volts”. o mesmo ocorrendo com o modo 8x.5 volts na comunicação com a placa de CPU. Note que essas tensões de 3.

0 e use slot de 1. novas opções de voltagem foram introduzidas. Isto é muito mais que os 30 Hz necessários para ter sensação visual de continuidade de movimentos. O barramento AGP é bastante semelhante ao PCI.66 MHz x 4 bytes = 266 MB/s Esta é uma taxa de transferência fantástica. cada clock realiza uma transferência de 32 bits (4 bytes). 6.ITC – 2007 Hardware Teórico. supondo uma resolução gráfica de 1024x768x32 bits. mas com algumas modificações voltadas para placas de vídeo.0. Com ela é possível preencher todo o conteúdo da memória de vídeo cerca de 90 vezes por segundo (90 Hz).0 que oferece transferências em até 8x. e finalmente a 3. O tráfego de dados no barramento AGP não é simplesmente a transferência de “frames” para a memória de vídeo.3. Pág. Por exemplo. para que sejam automaticamente e rapidamente aplicadas sobre os polígonos que formam as imagens Cap. Esta versão oferecia os modos 1x e 2x. Como são 66 MHz (na verdade são 66. Opera com 32 bits e 66 MHz. Placas de CPU AGP 3. aceitará operar nos modos 4x e 8x. Portanto 90 Hz pode parecer um exagero. O barramento AGP versão 1. 18 de 19 taxa de transferência será limitada pela placa de vídeo. desde que seja respeitado o tipo de conector. porém as primeiras implementações operavam apenas em 1x. É preciso fazer continuamente a leitura de texturas que ficam na memória RAM da placa de CPU.7. Cada versão nova tem compatibilidade com as versões anteriores. A próxima especificação foi a AGP 2.0 universais suportam também operações em modos 1x e 2x. o número total de bytes por segundo que podem passar pelo barramento AGP 1x é: 66.66 MHz). apesar da placa de CPU poder chegar até 4x. que estendeu a velocidade para 4x. Além do aumento de velocidade. Na sua versão inicial (AGP 1x). uma placa de CPU compatível com AGP 3. mas não é. Elaborado por: Elísio Freitas . Versões AGP.5 volts. bem como algumas outras modificações no funcionamento. 6 Barramentos Internos. temos 66 milhões de transferências por segundo. Sendo as transferências de 4 bytes.0 foi o primeiro a ser utilizado em placas de CPU e placas de vídeo.

muitas delas chegando a dissipar mais de 50 watts. O tráfego de dados pelo barramento AGP tende a ser ainda mais elevado quando são usadas resoluções mais elevadas. Esta taxa é obtida com o uso de 8 transferências por ciclo. Sua principal característica é o uso de taxas de transferência 8 vezes maiores que as oferecidas pelo AGP 1x. Apesar do clock ser de 66 MHz. Por isso existem versões novas do barramento AGP. Os instantes de subida desses dois sinais marcam a transferência dos dados. a taxa de transferência teórica máxima é de 2133 MB/s. 19 de 19 tridimensionais. O slot AGP Pro é uma versão ampliada do AGP. Elaborado por: Elísio Freitas . Seu slot é maior. capazes de operar com taxas ainda mais elevadas. Em modo 8x. cuja principal característica é a maior capacidade de fornecimento de corrente. similar aos utilizados nos processadores. possuindo inclusive um cooler sobre o seu chip gráfico. quando são geradas imagens complexas e quando a resolução das texturas é muito elevada. Pág. o barramento tem dois sinais complementares AD_STBS e AD_STBF. O maior fornecimento de corrente é necessário para as placas AGP de maior desempenho. e nesses contactos adicionais existem mais linhas de alimentação. cujas transições são 4 vezes mais rápidas que o clock do barramento AGP. com maior número de contactos.0. 6 Barramentos Internos.ITC – 2007 Hardware Teórico. O modo AGP 8x faz parte da especificação AGP 3. Cap. usando o mesmo clock básico de 66 MHz utilizado por todas as versões do AGP.