Curva sem inclinação

Um automóvel descreve uma trajetória circular de raio R com velocidade constante v. Uma das principais dificuldades que apresentamos agora para resolver este problema é a de separar o movimento tangencial (uniforme com velocidade constante) do movimento radial do veículo que é o que trataremos de estudar.

Fundamentos físicos
Suponhamos que o veículo descreve uma trajetória circular de raio R com velocidade constante v. Para um observador inercial, situado fora do veículo, as forças que atuam sobre o móvel são:
  

o peso a reação da estrada a força de atrito.

Esta última, é a que faz com que o veículo descreva uma trajetória circular.

Como há equilíbrio no sentido vertical a reação do plano é igual ao peso N=mg Aplicando a segunda lei de Newton ao movimento na direção radial

Sendo v a velocidade do móvel e R o raio da circunferência que descreve A medida que é incrementada a velocidade v, é incrementada a força de atrito Fr até que alcança um valor máximo dado pelo produto do coeficiente de atrito estático pela reação do plano,  N.

A velocidade máxima v que pode alcançar o veículo para que descreva uma curva circular de raio R é. a força de atrito. no controle de edição titulado Raio o coeficiente de atrito. Observe as forças sobre o móvel Incremente a velocidade do móvel e volte a clicar no botão Começar. a trajetória do móvel deixa de ser circular. Clique no botão titulado Começar. no controle de edição titulado Coef. atrito a velocidade do móvel. no controle de edição titulado Velocidade. Analisemos o problema do ponto de vista do observador inercial As forças que atuam sobre o corpo são as mesmas que no caso da curva sem inclinação. porém com distinta orientação salvo o peso. a trajetória do veículo é uma circunferência.   O peso mg A força de atrito Fr . Obter o valor da velocidade limite máxima e compará-la com a calculada a partir da dinâmica do movimento circular. 1. que é perpendicular ao vetor velocidade. a medida que aumentamos a velocidade do móvel. por tanto Como podemos apreciar no programa interativo. tem um valor constante e igual a seu valor máximo. Para simplificar o problema supomos que os coeficientes de atrito estático e cinético tem o mesmo valor. a força de atrito cresce até alcançar o valor máximo  N. Se a velocidade do móvel é superior a máxima. Atividades Introduza    o raio da trajetória circular (menor que 500 m). Curva com inclinação Consideremos agora o caso de que a curva tem uma inclinação de um ângulo θ.

em vez de horizontal. quando atinge uma velocidade tal que Fr=μN. foi substituído a força de atrito Fr e a reação do plano N pela ação simultânea de suas componentes retangulares. o centro desta circunferência está situada neste plano e não no vértice do cone. Uma das dificuldades que tem os estudantes é a de situar corretamente a aceleração normal. Então é mostrado que a circunferência que descreve o veículo é uma secção cônica cortada por um plano perpendicular ao eixo do cone e por tanto. aplicamos a segunda lei de Newton para o movimento circular uniforme Nsenθ+Frcosθ=mv2/R O veículo começa a deslizar na direção radial. an que só colocam paralela ao plano inclinado. temos uma situação de equilíbrio Ncosθ=Frsenθ+mg  No eixo horizontal. N sistema de duas equações N(cosθ-μsenθ)=mg N(senθ+μcosθ)=mv2/R Explicitamos a velocidade máxima v que pode atingir o veículo para que descreva a curva com segurança .  No eixo vertical não tem aceleração. são mostradas as forças e na figura da direita. A reação do plano N Na figura da esquerda.

75. de modo que Ncosθ=Frsenθ+mg Nsenθ+Frcosθ=mv2/R Conhecida a velocidade do veículo v podemos calcular a força de atrito Fr e a reação do plano N. calcular a máxima velocidade com o qual o automóvel pode descrever a curva com segurança nos casos seguintes:   a curva não tem inclinação a curva tem um inclinação de 15º . A velocidade máxima que pode atingir um veículo para que descreva a curva com segurança é aquela para a qual. Do ponto de vista do observador não inercial que viaja no veículo As forças que intervém são:     O peso mg A força de atrito Fr A reação do plano N A força centrífuga Fc=mv2/R O veículo está em equilíbrio.2. a força de atrito alcança seu valor máximo Fr=μN Explicitamos a velocidade v e obtemos a mesma expressão Exemplo Um carro circula por uma curva de uma estrada de 500 m de raio. Sabendo que o coeficiente de atrito entre as rodas do automóvel e o asfalto seco é de 0.

são: N1 e N2 são as reações ou forças que exerce a estrada sobre as rodas do veículo F1 e F2 são as forças de atrito que se opõe ao deslizamento do veículo ao longo da direção radial e para fora O peso mg do veículo atua no centro de massa A força centrífuga Fc atua no centro de massa. Devido a distribuição da carga. yc tal como podemos ver na figura. as forças que atuam sobre o mesmo. com velocidade constante v. Se o coeficiente de atrito entre as rodas do veículo e a estrada é μ. . quando o automóvel descreve uma curva para a esquerda. girando ao redor de um eixo que passa pelas rodas da parte direita. Vamos determinar se     ou o veículo está em equilíbrio ou desliza para fora. Se desliza e tomba de uma vez Descrição Para um observador não inercial. que viaja com o veículo. saindo da curva ou tomba. o centro de massa está situado na posição xc.A estabilidade de um veículo Consideremos um veículo que está descrevendo uma curva de raio R.

5 .5 1. temos que N1+N2=mg Fc=F1+F2 Tomando momentos relativo a O. Estamos no caso μ<xc/yc O veículo começa a deslizar quando se cumpre que v2/R= μg. se μ<xc/yc o veículo começa a deslizar no momento em que se cumpre que v2/R= μg 2.Se o veículo permanece em repouso ao longo da direção radial. então. então . yc=1. quando v=49. xc=0.0 Seja μ=0. aumenta a força centrífuga Fc=mv2/R. Um incremento da velocidade faz com que o veículo comece a tombar. Explicitamos N1 nesta última equação Examinamos as distintas situações:  O veículo tomba A medida que aumenta a velocidade v do veículo. A condição para que comece a tombar é N1=0 ou v2/R=gxc/yc  O veículo desliza A força de atrito F1+F2=Fc não pode superar o valor máximo μN1+μN2= μmg A condição para que o veículo comece a deslizar é que v2/R=μg Se mgxc>Fcyc o veículo não tomba Se Fc< μmg o veículo não desliza 1. A condição de equilíbrio é expressa -N1·a-Fc·yc+mg·xc=0 Sendo a a distância entre as rodas. até que N1 seja zero.7. Se μ>xc/yc o veículo começa a tombar no momento em que se cumpre que v2/R=gxc/yc Exemplo 1:   Posição do c. Se mgxc>μmgyc.m.

o veículo desliza Calculamos o valor de N1 Como N1>0 o veículo não tomba Exemplo 2:   Posição do c.8·m. A força centrífuga vale Fc=mv2/R=m·502/500=5·m. A força centrífuga vale Fc=mv2/R=m·492/500=4. xc=0. A força de atrito F1+F2=Fc é maior que seu valor máximo.8·m=4. yc=1. A força de atrito F1+F2=Fc é menor que seu valor máximo.9·m  Seja v=49 m/s. logo. A força centrífuga vale Fc=mv2/R=m·582/500=6.84·m  Seja v=58 m/s. o veículo não desliza .m/s Comprovação: O máximo valor da força de atrito é μmg=0.5·9.8 2.8·9.73·m.6 m/s Comprovação O máximo valor da força de atrito é μmg=0.7.m. quando v=58.0 Seja μ=0.8·m=7. A força de atrito F1+F2=Fc é menor que seu valor máximo. Estamos no caso μ>xc/yc O veículo começa a tombar quando se cumpre que v2/R=gxc/yc. o veículo não desliza Calculamos o valor de N1 Como N1>0 o veículo não tomba  Seja v=50 m/s.

v=62. A força centrífuga vale Fc=mv2/R=m·602/500=7.8·9. da curva foi fixado no programa interativo o valor R=500 m. então a posição (xc. atrito. yc) do c.2·m. atuando na barra de deslocamento titulada velocidade. atuando na barra de deslocamento titulada Coef.0 m Clique no botão titulado Novo  A velocidade do veículo v (em m/s). o veículo não desliza Calculamos o valor de N1 Como N1<0 o veículo tomba A partir da velocidade v2/R= μg. A largura do veículo (distância entre rodas) foi fixado no valor a=2.8.m. A força de atrito F1+F2=Fc é menor que seu valor máximo.Calculamos o valor de N1 Como N1>0 o veículo não tomba  Seja v=60 m/s. no interior do retângulo da mesma cor.. O coeficiente de atrito μ. O raio R. Clique no botão titulado começar Observe o comportamento do veículo:    Se está em equilíbrio Se desliza Se tomba . movendo com o ponteiro do mouse o pequeno círculo de cor vermelha.6 m/s o veículo desliza e tomba de uma vez Atividades Introduza     A distribuição de carga no veículo. então v2/500=0.

 Se desliza e tomba de uma vez. 447-448. J. Phys. Representamos as forças sobre o veículo. Am. Arrastar com o ponteiro do mouse o pequeno círculo de cor vermelha Referências Para o segundo tópico. Role of the centrifugal force in vehicle roll. . e damos os valores (da força por unidade de massa) de algumas delas. Estabilidade de um veículo Cross R. 67 (5) May 1999. pp.

Sign up to vote on this title
UsefulNot useful