You are on page 1of 10

AMBIENTE DE GERENCIAMENTO ADMINISTRATIVO

E PEDAGÓGICO DE CURSOS A DISTÂNCIA:

Uma proposta para a gestão e acompanhamento de


desempenho de tutores e estudantes
Abstract. This presentation aims demonstrate a virtual tool created to help
teachers’ management on tracking tutors-students’ interactions in the distance
learning environment through the activities report to be presented to teachers
by tutors about students’ achievements, problems and questions in each step of
the teaching-learning process. This tool also helps managers to keep track of
administrative and pedagogical issues related to online courses.

Resumo. Este trabalho objetiva demonstrar uma ferramenta virtual (SOFIA)


criada para auxiliar o gerenciamento, pelo professor-formador, de interações
feitas entre professores-tutores e estudantes no ambiente virtual de
aprendizagem, facilitando o acompanhamento de relatórios de atividades a
ser apresentado ao professor-formador pelo tutor, apontando os sucessos, as
lacunas e as deficiências dos estudantes em cada etapa do processo de ensino-
aprendizagem. O SOFIA também auxilia gestores no acompanhamento
administrativo-pedagógico de cursos em EaD.

Introdução e Contexto
A visão de EaD, sendo entendida como Educação a Distância ou Ensino a distância,
influencia o processo de implantação de cursos a distância nas instituições de ensino.
Essa visão pode estar mais apoiada a uma visão tradicional e ser vista como ensino, na
qual o foco está na emissão de conteúdos e no professor, ou apresentar uma visão mais
sócio-interacionista, voltada ao processo de ensino-aprendizagem e, portanto, vista aqui
como Educação a Distância e não somente Ensino. Nela, o foco é o estudante e a
construção compartilhada do conhecimento, possível pelas interações dialógicas entre os
diferentes participantes deste processo. Este trabalho assume a visão de EaD como
Educação, embasando a construção de um ambiente virtual para gerenciamento das
inúmeras questões relacionadas ao processo de ensino-aprendizagem em EaD.
É importante ressaltar que este trabalho foi desenvolvido em uma instituição
pública participante do programa Universidade Aberta do Brasil (UAB)1. Para fins de
identificação neste trabalho, denominaremos a instituição como Instituição Alfa. Com a
UAB, amplia-se significativamente a oferta de vagas à população e permite-se o acesso
ao ensino público e gratuito, estimulando a discussão sobre os processos de garantia de
qualidade. Esse programa tem um grande desafio pela frente, o de diminuir ao máximo as
barreiras e os preconceitos contra a modalidade de Educação a Distância em nosso país.

1
Para saber mais sobre a Universidade Aberta do Brasil, visite o endereço www.uab.mec.gov.br
As instituições de ensino superior, financiadas pelo MEC-SEED, têm buscado melhorias
tanto na gestão como na produção de material didático específico para uma EaD de
qualidade. O processo de gestão de qualidade na EaD envolve, entretanto, muitos atores
que acabam por influenciar e direcionar a elaboração de ferramentas de gestão e
acompanhamento.
Na EaD, surgem novas figuras profissionais no trabalho docente como, por
exemplo, o docente-tutor. Entre as denominações atribuídas a este docente percebemos
tutor virtual, tutor eletrônico, mentor, tutor presencial, tutor de sala de aula, tutor local,
orientador acadêmico, animador e diversas outras. O que caracteriza este trabalhador é
sua função de acompanhar os alunos no processo de aprendizagem, que se dá, na
verdade, pela intensa mediação tecnológica. Justamente por ser um novo parceiro na
construção do conhecimento e pela falta de práticas e modelos educacionais aos quais
pudemos ter acesso, o trabalho do tutor requer atenção e cuidado de toda a equipe
envolvida em EaD.
O docente-tutor, doravante tutor, é um elemento-chave para o desenvolvimento
cognitivo do estudante nas atividades individuais e coletivas ao longo da disciplina. Ele é
responsável por acompanhar, orientar, estimular e provocar o estudante a construir o seu
próprio saber, desenvolver processos reflexivos e “criar” um pronunciamento
marcadamente pessoal [Emerenciano et al., 2007]. Autores como Litwin (2001), Gatti
(2003), Lentell (2003), Flemming et al. (2007) explicitam a importância do docente-tutor
no processo de ensino-aprendizagem do estudante, promovendo a socialização das idéias
e permitindo a construção coletiva de saberes em comum, criando laços sociocognitivos,
afetivos e motivacionais, entre o programa e sua proposta e os professores-cursistas.
Os tutores ainda se dividem, quanto à natureza de suas atividades, em tutores
presenciais e virtuais. Os presenciais são educadores que acompanham os estudantes em
encontros presenciais em pólos de apoio presencial ou ainda na própria instituição de
ensino de origem, com freqüência especificada por cada projeto pedagógico. Os tutores
virtuais (ou a distância) fazem o acompanhamento dos estudantes por meio de
tecnologias de informação e comunicação.
O diálogo entre os diferentes participantes bem como a gestão do trabalho de
todos esses atores não é tarefa fácil. A sala de aula se ampliou e com ela a necessidade
de se criar instrumentos para auxiliar o trabalho de gestores e professores, educadores de
forma geral. A visão de EaD que este trabalho assume, integra a avaliação no processo
de educar como ação constante de acompanhamento e diagnóstico da relação ensino-
aprendizagem vivenciada pelo estudante. A qualidade da aprendizagem está vinculada ao
processo formativo, sistemático e contínuo que possibilita ao professor julgar as
alternativas prévias às tomadas de decisões e ao aluno desenvolver sua autonomia de
aprendizagem.
O processo de ensino-aprendizagem na modalidade a distância oferece diferentes
variáveis a serem estudadas; por exemplo: a amplificação dos papéis assumidos neste
processo (o que antes era só de conhecimento do professor é coletivizado). Os gestores
da Instituição Alfa entendem que o coletivo de trabalho na Educação a Distância é
composto por três grupos ou equipes: 1) Equipe de Gestão e Planejamento Educacional
(Grupo 1), formada pelos coordenadores de EaD, coordenadores de curso e supervisores
de tutoria; 2) Equipe de Formação e Acompanhamento Pedagógico (Grupo 2),
constituída pelos docentes-professores coordenadores de disciplina (a) e pelos docentes-
tutores virtuais e presenciais (b). O Grupo 2 está subdividido em 2a (coordenadores de
disciplinas) e 2b (tutores), pois o professor coordenador de disciplina deve preparar os
conteúdos da disciplina, gerenciar as ações do grupo de tutores e possui uma visão mais
geral da situação pedagógica. O Grupo 2b, em parceria com o Grupo 2a, acompanham o
percurso do estudante, incluindo conquistas, lacunas e deficiências.
Para viabilizar esta interação professor-tutor-aluno, desenvolvemos um Sistema
de Organização de Feedback, Interação e Avaliação (denominado SOFIA), que
possibilita acesso virtual a professores e tutores de forma contínua durante a oferta das
disciplinas, facilitando o acompanhamento do processo de aprendizagem.
Para se entender a proposta do ambiente, vale considerar os profissionais
envolvidos no trabalho com EaD da Instituição Alfa. A equipe gestora (Grupo 1) é
formada por três professores coordenadores do projeto, cinco professores
coordenadores de curso de graduação (duas licenciaturas, dois bacharelados e um curso
de tecnólogo) e cinco supervisores de tutoria (um para cada curso). A equipe de
formação e acompanhamento pedagógico (Grupo 2a) depende do número de disciplinas
sendo ofertadas a cada semestre letivo, mas são cerca de 45 professores-formadores,
responsável pelas disciplinas de cada módulo letivo, sendo complementada pelos tutores
virtuais e presenciais (Grupo 2b). Como a proposta dessa instituição apresenta a relação
de um tutor virtual para cada 25 alunos por disciplina, tem-se uma média de 300 tutores
virtuais por Módulo ou semestre letivo. Ainda no Grupo 2b, os tutores presenciais
também apresentam a relação de 25 estudantes para cada tutor por curso (e não por
disciplina), completando um total de 45 tutores presenciais atuando a cada semestre
letivo.
Tendo este contexto de trabalho, nossa finalidade é apresentar o SOFIA como
um sistema de gestão e acompanhamento pedagógico em EaD, destacando sua
operacionalidade e suas possibilidades de aplicação. Para começar, vamos explicitar a
visão de avaliação que fundamenta a criação/implementação do SOFIA e os diferentes
procedimentos gerados em seu ambiente para acompanhamento dos processos
administrativos e pedagógicos.

Avaliação processual: base da construção da ferramenta SOFIA

O processo de avaliação na Instituição Alfa é vista como uma ação constante de


acompanhamento da relação ensino-aprendizagem vivenciada pelo estudante durante o
seu desenvolvimento no curso. A qualidade da sua aprendizagem está vinculada ao
processo formativo, sistemático e contínuo que possibilita, ao professor, julgar as
alternativas prévias às tomadas de decisões e, ao aluno, desenvolver sua autonomia de
aprendizagem. Tal qualidade apóia-se em características apresentadas por Ângelo e
Cross (1993) e reforçadas por Pallof e Pratt (2004) e adequadas às particularidades dos
cursos de graduação em EaD, como pode ser visto abaixo:
a) Avaliação Centrada no Estudante: O percurso do estudante para alcançar os
objetivos de aprendizagem propostos pelo professor, incluindo suas conquistas, lacunas e
deficiências, deve ser acompanhado e diagnosticado pelos tutores e comunicado ao
professor com a principal finalidade de melhorar o processo e/ou produto da
aprendizagem. Este sistema possibilita ao estudante a sua recuperação e, ao professor e
tutores (especialmente os tutores virtuais), o reconhecimento do ponto em que o aluno
não está atingindo tais objetivos. Desta forma, consideramos as seguintes finalidades
para a avaliação:
 Acompanhar o processo de construção do conhecimento pelo estudante;
 Diagnosticar suas lacunas e defasagens, bem como, suas conquistas;
Ajudá-lo a superar suas dificuldades a cada nova unidade de ensino;
Dar base ao docente para tomadas de decisões em seu cotidiano de trabalho.
b) Avaliação Dirigida pelo professor: O professor quem decide o que avaliar, como
avaliar e, juntamente com o tutor virtual, propõem respostas às atividades avaliativas
enviadas pelos estudantes. Os critérios de avaliação podem ser úteis para determinar
como o material de reflexão do estudante será avaliado. Além disso, um bom sistema de
avaliação possibilita ao docente a revisão da sua prática em busca dos objetivos de
ensino-aprendizagem.
c) Avaliação Mutuamente benéfica: A participação do estudante na sua própria
avaliação reforça sua capacidade de entender o conteúdo do curso e de fortalecer suas
habilidades de auto-avaliação [Ângelo e Cross, 1993]. Quando o educando avalia
colaborativamente o seu próprio processo e o curso como um todo, irá confiar nos
princípios básicos da comunidade de aprendizagem, engajando-se no processo de
aprendizagem e, também, na melhoria de si próprio e dos outros participantes do grupo.
d) Avaliação Formativa: Quando os alunos participam da avaliação, refletindo e
oferecendo feedback ao longo do curso, estão criando em conjunto um curso que atende
às suas necessidades de aprendizagem. Por meio deste retorno, o professor pode alterar
o material de forma a ser melhor compreendido pelos estudantes; modificar a ferramenta
utilizada para facilitar a interação; propor novos prazos para entrega das atividades de
acordo com a realidade dos alunos etc.
e) Avaliação Específica ao contexto: O acompanhamento do professor e do tutor
virtual ao desempenho dos estudantes deve ser uma resposta às necessidades e
peculiaridades de cada educando, professor, tutor e/ou, matéria que se estuda.
f) Avaliação Contínua: Uma boa avaliação começa no primeiro dia e vai até o final do
processo. Sendo contínua, a avaliação deve compreender situações prévias ao início da
disciplina (avaliações diagnósticas) e também as condições posteriores (avaliações
somativas e prospectivas). Do ponto de vista do aluno, a avaliação pode ser incentivada
desde a composição do grupo e continuar ao longo do curso.
Desta forma, o processo de avaliação pode ajudar o aluno a compreender a sua
construção de conhecimentos e se está caminhando para os seus objetivos de
aprendizagem. Ajuda também ao docente no redirecionamento do seu trabalho.
Pensando nisto, a Instituição Alfa criou o SOFIA, isto é, o sistema de avaliação e
acompanhamento pedagógico para Educação a Distância. Pelo SOFIA, os tutores entram
com informações sobre os alunos (geradas no ambiente virtual de aprendizagem),
possibilitando que os coordenadores de disciplina e gestores acompanhem todo o
processo e repensem as ações didático-pedagógicas. Assim, as informações fornecidas
pelos tutores ao SOFIA permitem aos participantes dos Grupos 1 e 2 visualizar e
acompanhar a aprendizagem do aluno, como poderá ser visto no item a seguir.

O SOFIA como um Ambiente de Gestão e Acompanhamento da


Aprendizagem
O acesso ao ambiente SOFIA é restrito, sendo necessário que o usuário identifique-se
(entrada de login e senha) para se conectar. As páginas (ou visões) a que os participantes
terão acesso são diferenciadas, dependendo das funções que cada um exerce no
ambiente, como descrito a seguir:
 Grupo 1 (visão de gestor): tem acesso ao ambiente e visualizam tudo, mas com
poder de edição limitado (a senha de coordenador geral possibilita o controle de
liberação de bolsa).
 Grupo 2 (visão de docente): tem acesso ao ambiente e podem editar as páginas de
acompanhamento dos estudantes. Podem alimentar o sistema com informações
diversas e visualizar tudo o que tiver disponível no ambiente.
Neste trabalho, apresentaremos algumas telas do SOFIA para demonstrar suas
funcionalidades no processo de gestão da EaD (Categoria Administrador), de
acompanhamento específicos do desempenho dos estudantes, de forma individual
(categoria Alunos) ou do desempenho coletivo em cada disciplina (categoria Relatório
de Atividades). Demonstraremos ainda como acompanhar o trabalho do tutor (categoria
Tutores), apresentando as telas referentes ao acompanhamento das atividades dos alunos,
local no qual podem organizar as informações para o relatório que será gerado para os
professores coordenadores de disciplina2. A Figura 1 apresenta a tela visão de gestor
(Grupo 1), no perfil de administrador:

3
Figura 1. Tela de abertura do SOFIA (visão de gestor) .

Na Figura 1, temos as seguintes possibilidades de acesso aos membros do Grupo 1:

2
Na apresentação do trabalho será divulgado os caminhos de navegação do ambiente e as diferentes
informações que podem ser obtidas nele.
3
Todas as referências ou indicações a nomes, da instituição ou dos atores do processo, foram suprimidos
e apagados para garantia do anonimato requerido.
a. Cursos: visão do ambiente filtrada por cursos, para acesso às disciplinas;
b. Disciplinas: acesso à disciplina e inclusão das atividades avaliativas para
preenchimento das informações pelo tutor;
c. Alunos: acompanhamento geral do desempenho do aluno no curso;
d. Relatório de Atividades: acompanhamento dos relatórios enviados pelos tutores
a cada atividade avaliativa;
e. Manual: informações específicas de navegação do ambiente (tutorial);
f. Tutores: acesso ao grupo de tutores de cada disciplina e às suas páginas de
identificação (perfil);
g. Liberação de Bolsas4: acesso ao recurso de liberação de bolsas, onde a
coordenação geral comunica a liberação das bolsas UAB.
Para visualizar o desempenho dos estudantes em todas as disciplinas do curso, o
gestor deverá clicar na categoria ALUNOS, selecionar o curso que deseja e ainda poderá
filtrar os estudantes pela letra inicial de seus nomes ou selecionar todos. O resultado
aparecerá como na Figura 2.

Figura 2. Tela de navegação na categoria ALUNOS (vários estudantes em uma situação).

Pela Figura 2, pode-se perceber os estudantes de um determinado curso, sua


distribuição nos pólos de apoio presencial, seu Registro Acadêmico (RA) e seu
desempenho no curso, demonstrado pela barra lateral esquerda. Na barra Desempenho,
os educadores cadastrados no SOFIA podem visualizar como os alunos estão se saindo
nas diferentes atividades das diferentes disciplinas. As categorias apresentadas para a
avaliação da performance são:
 Plenamente satisfatório: índice 3 (relativo às notas de 8 a 10), cor verde;
 Satisfatório: índice 2 (relativo às notas de 6 a 7,9), cor azul;
 Insatisfatório: índice 1 (relativo às notas inferiores a 5,0), cor vermelha;
 Não fez: índice 0 (referente ao não cumprimento da(s) atividade(s)), cor branca.

4
No Sistema da UAB, as bolsas são pagas pelo FNDE, mas as IFES é que liberam o seu pagamento. A
ferramenta não libera o pagamento diretamente ao FNDE, mas informa ao tutor que elas foram
liberadas, economizando tempo no processo de divulgação e de gestão do processo.
Caso o gestor ainda deseje verificar o desempenho de um mesmo estudante nas
diferentes disciplinas para entender possíveis dificuldades, clicará no nome do aluno
desejado e a tela a ser visualizada será como na Figura 3.

Figura 3. Tela de navegação na categoria ALUNOS (um estudante em várias situações).


Na Figura 3, pode-se obter as seguintes informações: vinculação do aluno por
curso/pólo, tutores responsáveis nas diferentes disciplinas, desempenho do estudante nas
diferentes atividades de cada disciplina. Para acessar esse último recurso, é necessário
clicar na setinha ao final do nome da disciplina, para que as atividades registradas no
ambiente virtual de aprendizagem sejam visualizadas, bem como o desempenho do
estudante em cada uma delas. Esses dados são contabilizados depois na visão de
desempenho geral do estudante no curso. A disciplina 2, por exemplo, mostra-se
contraída por não ter sido acessada pelo usuário.
Há comentários inseridos pelos tutores a respeito do estudante que podem ser
visualizados clicando-se no ícone referente aos tutores responsáveis pelo estudante.
Como resultado, a tela que a ser aberta é a Figura 4.

Figura 4. Tela de navegação na categoria ALUNOS (com comentários do tutor).


O usuário tutor (virtual e presencial) poderá fazer comentários mais gerais para
os professores coordenadores de disciplina , constando no perfil do estudante, como visto
acima, pelo formulário da Figura 5.
Figura 5. Tela de navegação na categoria ACOMPANHAMENTO.

É importante ressaltar que na barra de navegação, quando acessado com o perfil


do tutor, há menos possibilidades de navegação e gerenciamento, mas há duas categorias
não visualizadas pelos gestores: ACOMPANHAMENTO e RELATÓRIO DE CICLO.
Já demonstramos o acompanhamento individual dos estudantes, mas podemos também
visualizar o acompanhamento de uma disciplina, do desempenho de todos os estudantes
nela vinculados (Figura 6).

Figura 6. Tela de navegação na categoria RELATÓRIO DE ATIVIDADES (visão de gestor)


Percebe-se pela, Figura 6, que há dois ícones disponíveis para o gestor: um deles
gera um relatório em formato .doc (ou .rtf) e o outro em formato .pdf. Esses arquivos
dizem respeito ao relatório dos tutores sobre cada atividade realizada pelos estudantes
no ambiente virtual de aprendizagem e o download pode ser realizado clicando-se em
cada um deles. Para compor esse relatório, o tutor insere em formulário específico
(Figura 7) as contribuições dos estudantes (caso haja alguma) e as dúvidas suscitadas na
atividade (caso haja alguma), além de comentários pessoais para o professor
coordenador de disciplina.
Figura 7. Tela de navegação na categoria RELATÓRIO DE CICLO (perfil tutor).
Com base no feedback dos tutores nos relatórios gerados, o professor
coordenador de disciplina terá condições mais efetivas de orientar os estudantes nas
diferentes atividades, dando um feedback coletivo no ambiente virtual de aprendizagem,
podendo congratular as contribuições de forma nominal e alertar para possíveis
incompreensões sobre o conteúdo abordado, de forma coletiva. Ainda pelos relatórios,
os gestores podem investigar os problemas que estejam ocorrendo, uma vez que ambas
as atividades presenciais e virtuais são registradas no ambiente.
Há ainda a possibilidade de gestão administrativa e avaliação do histórico de
atuação do tutor na instituição. Acessando-se o link TUTORES, visualiza-se a tela da
Figura 8.

Figura 8. Tela de navegação na categoria TUTORES.


Pela tela da Figura 8, pode-se ter informaç ões específicas do tutor, sua ficha
cadastral, quais disciplinas participou, quantas bolsas foram liberadas e quantas
recebidas5. Está em desenvolvimento a inserção de um campo Avaliação do tutor, no
qual aparecerá uma avaliação quantitativa e qualitativa e indicará por meio de
porcentagem o índice de satisfação dos estudantes em relação ao trabalho do tutor, bem
como uma avaliação dos professores coordenadores de disciplina. Essa avaliação

5
Nesta seção, com o perfil de gestor, libera-se individualmente ou em conjunto (grupo de tutores) as
bolsas. No perfil de tutor, o usuário informa aos gestores se as bolsas foram recebidas, pois com o perfil
de tutor o comando de liberar, do perfil de gestor, é substituiído pelo comando recebido.
permitirá que ações específicas de orientação ao trabalho do tutor sejam tomadas,
indicando a recontratação do tutor ou o seu desligamento do programa.
Considerações finais
Com a ampliação dos cursos a distância e com o surgimento de novos sujeitos
participantes do processo de ensino-aprendizagem, o acompanhamento e a avaliação do
desempenho dos estudantes, bem como dos próprios professores-tutores tornaram-se
questões fundamentais para os gestores de EaD. A criação do ambiente SOFIA buscou
auxiliar o trabalho dos diferentes envolvidos. Para os tutores, facilitando o processo de
elaboração de relatórios para os professores coordenadores de disciplina e auxiliando na
comunicação e na troca de informações com os tutores presenciais, uma vez que ambos
podem verificar o desempenho dos estudantes sob sua responsabilidade nas atividades
propostas e compará-lo ao desempenho em outras disciplinas. Para os professores
coordenadores de disciplina, verificando o desempenho dos estudantes de forma geral
(todos os grupos) e de forma individualizada; recebendo relatórios específicos com
feedback sobre os sucessos, as contribuições e as dúvidas geradas em cada atividade,
para auxiliar o feedback que dará aos estudantes no ambiente virtual de aprendizagem.
Para os coordenadores de curso e do programa UAB, gerenciando todas as questões
específicas mencionadas anteriormente e ainda organizando as informações
administrativas sobre o tutor, incluindo o recebimento de bolsas, avaliação de
desempenho e histórico de atuação.

Referências Bibliográficas
Angelo, T. and Cross, K. P. (1993) Classroom Assessment Techniques, Jossey-Bass, San
Francisco.

Emerenciano, M.S.J.; Sousa, C.A.L.; Freitas, L.G. (2002) Ser Presença como Educador,
Professor e Tutor, In: “Associação Brasileira de Educação a Distância (ABED)”,
Publicado em: http://www.abed.org.br/publique/cgi/cgilua.exe/sys/start.htm?Use
rActiveTemplate=4abed&infoid=124&sid=120. Acesso em 24/05/2007.

Flemming , D.M.; Luz, E.F.; Luz, R.A. Monitorias e Tutorias: Um Trabalho


Cooperativo na Educação a Distância (2002). In: “Associação Brasileira de Educação
a Distância (ABED)”, http://www.abed.org.br/publique/cgi/cgilua.exe/sys
/start.htm?UserActiveTemplate=4abed&infoid=142&sid=114 Acesso em 25/05/2007.

Gatti, B. (2003) Formação continuada de professores: a questão psicossocial, “Cadernos


de Pesquisa”, n.119, 15p. http://scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=SO100-
15742003000200010. Acesso em 12/08/2003.
Lentell, H. (2003). The Importance of the Tutor in Open and Distance Learning. In A.
Tait & R. Mills (Eds.), “Rethinking Learner Support In Distance Education”,
RoutledgeFalmer, London, p. 64-76.
Litwin, E. (2001) Educação a distância: temas para o debate de uma nova agenda
educativa, Artmed, Porto Alegre.
Pallof, R. M.; Pratt, K. (2004) O aluno virtual: um guia para trabalhar com estudantes
on-line, Trad. Vinícius Figueira, Artmed, Porto Alegre.