Manual Keimelion 2010

para redação acadêmica

.
o
ã m:
ç
a
g a e br/
l
u
iv end m.
d
a a v .co
r
a
s
p
á
e
t
r
a
s
r
o
t
t
e
s
u
o
o ivr
a
e
m
d
A te L be
Es p://clu
htt

Este texto foi revisado, preparado e composto pela
Editora Keimelon.

keimelion@gmail.com
http://editorakeimelion.blogspot.com/

.
o
ã m:
ç
a
g a e br/
l
u
iv end m.
d
a a v .co
r
a
s
p
á
e
t
r
a
s
r
o
t
t
e
s
u
o
o ivr
a
e
m
d
A te L be
Es p://clu
htt
(31)3244-1245

© Públio Athayde

Públio Athayde

.
o
ã m:
ç
a
g a e br/
l
u
iv end m.
d
a a v .co
r
a
s
p
á
e
t
Manual
Keimelion
2010
r
a
s
r
o
t
t
e
s
u
o
o ipara
aacadêmica
r
redação
e
v
m
d
A te L be
Es p://clu
htt
Editora Keimelion Ltda.
Belo Horizonte
2009

Manual Keimelion 2010
para redação acadêmica

Dedico este Manual a todos os clientes
que têm confiado a mim seus textos, muitas vezes trabalhos de grande fôlego,
responsabilidade, e de elevado envolvimento emocional.
Dedico aos muitos alunos cujas dúvidas
orientaram a previsão de dificuldades.
Dedico aos colaboradores que toleraram
minha neurose de revisor.
Dedico aos colegas revisores, principalmente os da comunidade Revisores Red
Carpet Now, com quem partilhamos os
problemas técnicos e aliviamos os estresses do ofício.

4

Manual Keimelion 2010
para redação acadêmica

O Autor contou com a colaboração da equipe da
Editora Keimelion
na elaboração da primeira edição deste Manual Keimelion 2010
para redação acadêmica:
Assistente de redação: Michel Jorge Gannam (estagiário)
Apoio de formatação: Sonia Regina Athayde
Edição virtual: Fernando Pereira Silveira
Leitura crítica: Ricardo Arreguy Maia
Revisão final: Roberto Arreguy Maia
Compartilho os méritos deste trabalho com aqueles colaboradores, mas o Autor se responsabiliza individualmente pelas falhas,
principalmente considerando as grandes modificações introduzidas na presente edição.

5

Públio Athayde

Sumário

1

Apresentação ................................................. 7

2

Trabalho acadêmico .................................... 12

3

Referências e bibliografia ........................... 54

4

Quadros de normas ..................................... 71

5

Gramática e estilo ........................................ 78

6

Cem erros comuns .................................... 145

7

O acordo ortográfico ................................. 157

8

Revisão do texto ........................................ 158

9

Glossário .................................................... 165

Bibliografia ...................................................... 172
Índice analítico ................................................ 180
Índice remissivo .............................................. 189
Índice das ilustrações ..................................... 194

Manual Keimelion 2010
para redação acadêmica

1 Apresentação
Todos temos problemas de redação. A redação acadêmica apresenta problemas peculiares, dada sua natureza formal, linguagem necessariamente precisa e absoluto rigor técnico, linguístico, morfossintático e semântico requeridos.
Não espere encontrar novidades aqui, exceto as minhas opiniões
sobre algumas questões controversas e, na maior parte, sem
grande importância. Há muitos manuais disponíveis que apresentam as normas acadêmicas e muitos que atendam às questões linguísticas da redação. Este trabalho procura conjugar os
dois aspectos, de forma sistemática e prática.
Naturalmente, nesta edição, contemplamos os problemas apresentados pelo emprego da nova ortografia. A maioria das questões nesse aspecto já está pacificada.
O objetivo deste Manual Keimelion 2010 para redação acadêmica é subsidiar a produção de textos científicos, fornecer elementos para que os aspectos linguísticos e formais não constituam grandes obstáculos ao trabalho. Espera-se que aqui se encontrem algumas indicações de procedimentos a serem seguidos
ou evitados.
São fornecidas sugestões de apresentação dos trabalhos, de
acordo com as usuais formatações e regras de referência. Notese que há enormes variações entre as diferentes instituições quan“Qualquer que seja a
to a esses aspectos. As formas
coisa que queiramos dizer,
propostas são síntese simplificada
há apenas uma palavra
das exigências genéricas.
para exprimi-la, um verbo
Este trabalho é fruto de minha
experiência como revisor, atuando
especificamente com teses e dis-

7

para animá-la e um adjetivo para qualificá-la.”
G. de Maupassant.

Públio Athayde

sertações ao longo de mais de dez anos. Não é trabalho de especialista para tratar de assuntos técnicos ou teóricos, nem se
destina a especialistas; tentei montar um manual prático, a partir
de informações coletadas e reunidas da internet, por ser recurso
corrente e universalmente acessível, e em diversas outras fontes, adaptadas e modificadas segundo meu entendimento e prática, para servir de apoio a quem está escrevendo para a academia.
Muito da Gramática e estilo, um dos tópicos deste manual (p.
78), é oriundo de manuais de redação jornalística – principalmente o da Folha de São Paulo, e d’O Estado de São Paulo. O texto
foi modificado e adaptado à pratica e necessidade acadêmicas,
bastante diferentes daquelas de origem.
Assim, algumas recomendações dos manuais de redação jornalística terão sido diametralmente transformadas. Outras se aplicam integralmente.
Procurei adequar os exemplos ao texto acadêmico; este procedimento estará em construção contínua, assim com todo este
manual continua em modificação; vou publicando pela via eletrônica as sucessivas versões, já pretendendo ser útil.
Foram elaborados quatro índices ao fim do trabalho, sendo dois
deles mais importantes: o índice analítico contém o conteúdo do
trabalho organizado segundo sua disposição lógica no manual
(ver na p. 180); o outro, o índice remissivo, contém diversas entradas que ocorrem ao longo do texto, dispostas em ordem alfabética (ver na página 189). Espero que esses índices possam
fazer deste trabalho um instrumento útil.
As sugestões e indicações deste manual não dispensam qualquer texto da necessidade de ser revisado por profissional que
tenha se mantido distante das etapas de produção do documento. Nem mesmo as sugestões referentes à revisão dispensam o
trabalho do profissional. Os autores sempre estarão tão próximos
do texto que não identificarão muitos dos problemas existentes.

8

Manual Keimelion 2010
para redação acadêmica

Este Manual tem indicações de procedimento para simplificar o
trabalho para o usuário do Word na versão mais recente, pois é o
processador de texto que é hoje quase unanimidade entre os
autores.
Serão incorporadas as críticas, sempre bem-vindas, e sugestões
para ampliação de sua utilidade e precisão, pelas quais agradeço
antecipadamente.

1.1 Recomendações ao autor
Veja inicialmente algumas recomendações genéricas que se
destinam a poupar trabalho, retrabalho e perda de trabalho a
quem escreve para a academia um texto mais longo e de maior
responsabilidade. Atualmente, a maior parte das pessoas passa
por essa experiência no Trabalho de Conclusão de Curso ou em
algum trabalho monográfico ou relatoria em disciplina de maior
interesse. Ocorre que, no momento dessa experiência, o estudante ainda não costuma ter o domínio necessário dos programas de editoração de texto. Ocorre ainda que este mesmo estudante não costuma poder arcar com os custos elevados da formatação e revisão profissionais – por mais recomendável que
isso fosse.

1.1.1 Segurança
Por mais conhecida de todos que seja a necessidade de segurança com os trabalhos, a preservação com os arquivos, lembre-se
“A verdadeira eloquência
de manter cópias consecutivas do
consiste em dizer tudo o que
trabalho, à medida que ele for
é preciso e em dizer apenas
evoluindo.
o que é preciso.” La Ro-

chefoucauld

9

Públio Athayde
Este e outros livros estão disponíveis para compra
pelo sistema de impressão sob demanda! Estou
preparando para disponibilizar todos meus trabalhos.
Com o apoio de meus leitores, milhares, que se
dispuseram a ler meus trabalhos nas versões e-book.
Agora eles podem ser impressos!
Acesse http://clubedeautores.com.br/ e pesquise por
meu nome.
Se este link estiver disponível, ele vai diretamente à
minha página lá: http://migre.me/at4p

Articulando

Coletânea de artigos. Alguns são
artigos leves, outros bem mais
profundos. Alguns têm origem
em trabalhos acadêmicos e
foram simplificados para essa
edição, estando disponíveis
inclusive pela internet, suas
versões completas e anotadas.
Há artigos bem recentes e
outros de mais de dez anos.
Novo livro publicado. Não
necessariamente novos textos,
pois se trata de uma coletânea

de Públio Athayde:
"Juntei alguns artigos espalhados (mentira: estavam todos
na mesma pasta do computador), selecionei bastante
(outra mentira: coloquei tudo que era pertinente) e
organizei esse livrinho eletrônico com o que prestava (ou
eu pensei assim). O bacana é a facilidade, o baixo custo
(zero) e a provisoriedade: tudo pode e vai ser revisado
montes de vezes e nunca estará perfeito."

Clique nos links.

O objetivo deste

Manual Keimelion 2010
para redação acadêmica
é subsidiar a produção de textos
científicos, fornecer elementos
para que os aspectos linguísticos e
formais não constituam grandes
obstáculos ao trabalho. Espera-se
que aqui se encontrem algumas
indicações de procedimentos a
serem seguidos ou evitados. São
fornecidas sugestões de
apresentação dos trabalhos, de
acordo com as usuais formatações e regras de referência. Notese que há enormes variações entre as diferentes instituições
quanto a esses aspectos. As formas propostas são síntese
simplificada das exigências genéricas. Este trabalho é fruto de
minha experiência como revisor, atuando especificamente com
teses e dissertações ao longo de mais de dez anos.

Camonianas
Quatro sonetos de Luís de Camões
dão origem a 56 composições em
que o poeta Públio Athayde
desenvolve sugestões de cada um
dos versos da significativa
tetralogia. Tomado como primeira
frase dos novos poemas, o verso do
grande luso é o mote que conduz o
desempenho do sonetista ouropretano no virtuosismo de uma
delicada, difícil e audaciosa
operação.

Clique nos links.

Confissões
“confissões/ foram tantas/ nas
lições/ que me cantas”. Mais
poesias de Públio Athayde; desta
vez, poesia confessional. Crônica
completa de um amor do passado
em sonetos livremente acrósticos.
Todo ilustrado com fotos de Ouro
Preto antigas.

Dirceu
Sonetos Bem(e)Ditos
Quatorze versos cada poema de
vário amor absolutamente
bandido. Uma contorção de quem
subtrai a Musa ao tango para
trazê-la a um sabá orgírico em
ritmo de seresta. Poesia-tese é a
resposta que Doroteu nos
oferece...

Clique nos links.

Marília & Dirceu
Um triângulo de dois vértices
Teatro. Drama em um ato de
Públio Athayde sobre textos de
Tomas Antônio Gonzaga, José
Benedito Donadon-Leal e Públio
Athayde. Ao fundo do palco vêemse a casa de Marília e, em último
plano, o IItacolomi, nos lados,
altares "barrocos" com ícones
gregos mencionados no texto; alguns móveis, dois leitos e
adereços de época, velas acesas, luzes cambiantes entre os
vários ambientes de cena.

Sonetos para Ser entendido
“É o próprio título que talvez forneça a principal chave de leitura
dos textos: algo como uma ascese para
se chegar ao entendimento e ser um
entendido em paz neste mundo. O
leitor, além disso, deve se manter
atento, tal como o poeta nos adverte o
poema “De atalaia”: “Porque coisa
escondida existe / Até no mais óbvio do
chiste.” [...] Como sabemos, o cômico, a
ironia, o grotesco, o escatológico, o
blasfemo, o chulo são territórios
considerados menos nobres na
literatura, ainda sob o império do apolíneo. São raros, portanto,
os autores que levam a sério a pesquisa desses territórios e
sabemos de sua luta para terem as respectivas obras
reconhecidas. [...] Encerro no poema “Pátria”, da sessão
“Sonetos infantis”, que foi escrito quando Públio era ainda um
menino e acreditava em tantas coisas importantes. É porque no
centro do riso mora uma pungência insofismável. " Ronald Polito

Clique nos links.

Eu Ouro Preto
Tópicos de História: Arquitetura,
Música, Documento, Conservação
Públio Athayde
Este livro congrega seis artigos com
uma temática comum apaixonante:
Ouro Preto. Os olhos do historiador
ouropretano convergem para a
paisagem, a arquitetura, a música e o
povo desta cidade, para as relações
destes elementos nos tempos
passado e presente de modo inequivocamente passional, mesmo
considerada a abordagem metódica e a pretensa erudição. A
paixão, confessa no primeiro artigo (Eu “Ouro Preto”), se
desdobra em considerações topográficas sobre os templos
coloniais (Adequação retórico-arquitetônica da Paróquia de
Nossa Senhora do Pilar de Ouro Preto). A mesma paixão visceral
que aguça os ouvidos para sons reais e imaginários (Música
colonial, cérebro retórico e êxtase religioso) relê a poesia
arcádica situando física e politicamente as referências do poeta
detrator (As cartas chilenas: carta terceira, notas de leitura).
Ainda com os olhos voltados para o passado, e nada é mais
presente no passado que a morte, abstrair de algumas lápides os
resquícios das paixões de outras épocas é tarefa inglória e
fascinante (Aqui jazem os restos do irmão J.F.C. falleciddo),
tanto quanto querer apontar nos requícios já arqueológicos da
mineração aurífera (Curral de Pedras: abandono e omissão) as
tensões vividas em uma época anterior cujas marcas estão por
todo lado, cravadas na essência da brasilidade. A retórica da
história clama em coros dissonantes e cada vagido é repleto de
significâncias, todas elas se articulando para dar significado ao
que somos. Cada olhar sobre a Ouro Preto de outrora completa a
visão que temos de nós mesmos, quer como agentes de uma
existência em contínua construção, quer como amantes do
pretérito edificado em magnífica herança.

Clique nos links.

As Quatro Estações
Mimeses
Este trabalho apresenta as mimeses
transversais entre duas leituras
contemporâneas de duas obras do
século XVIII e discute a invenção
baseada em emulações sobre As
Quatro Estações, de Antonio Vivaldi. O
engenho focado é um conjunto
pictórico capaz de representar
simultaneamente as Quatro Estações
como ciclo temporal e metáfora das fases da vida. A composição
pictórica integra elementos formais da iconografia antiga a
elementos da linguagem plástica contemporânea tendo como
referenciais: a iconografia de Cesare Ripa e o trabalho de Amílcar
de Castro. A proposta inclui aspectos transdisciplinares entre
poesia, a música e a pintura. Uma das leituras, a literária, feita
nos últimos anos do século passado, e outra o Programa
Iconográfico, mais recente ainda, dos primeiros anos do XXI. Essa
sobreposição de mimeses, além da emulação entre artes
distintas, compreende a transversalidade da leitura
interpretativa. O objetivo do Programa Iconográfico em questão
não foi fazer doutrina da percepção sensorial, estética ou
intersemiológica. A pretensão foi a da produção artística. Ao
cabo do processo, esse livro discute a investigação que resultou
na pintura e os resultados dela.

Adquira livros, presenteie livros.
Acesse http://clubedeautores.com.br/ e pesquise por
meu nome: Públio Athayde
Se este link estiver disponível, ele vai diretamente à
minha página lá: http://migre.me/at4p

Clique nos links.

Públio Athayde

2 Trabalho acadêmico
2.1 Conceito
Trabalho acadêmico é o texto resultado de algum dos diversos
processos ligados à produção e transmissão de conhecimento
executados no âmbito das instituições ensino, pesquisa e extensão, formalmente reconhecidas para o exercício dessas atividades.

.
o
ã m:
ç
a
g a e br/
2.2 Finalidade
l
u
iv end m.
d
a a v .co
r
a
s
p
á
e
t
r
a
s
r
o
t
t
e
s
u
o
o ivr
a
e
m
d
A te L be
Es p://clu
htt
As diversas finalidades do trabalho acadêmico podem se resumir
em apresentar, demonstrar, difundir, recuperar ou contestar o
conhecimento produzido, acumulado ou transmitido.
Ao apresentar resultados, o texto acadêmico atende à necessidade de publicidade relativa ao processo de conhecimento. A
pesquisa realizada, a ideia concebida ou a dedução feita perecem se não vierem a público; por esse motivo existem diversos
canais de publicidade adequados aos diferentes trabalhos: as
defesas públicas, os periódicos, as comunicações e a multimídia
virtual são alguns desses.

A demonstração do conhecimento é necessidade na comunidade
acadêmica, onde esse conhecimento é o critério de mérito e acesso. Assim, existem as provas, concursos e diversos outros
processos de avaliação pelos quais se constata a construção ou
transmissão do saber.
Difundir o conhecimento às esferas externas à comunidade acadêmica é atividade cada vez mais presente nas instituições de

12

Públio Athayde

3 Referências e bibliografia
Este manual usa regras adaptadas da Associação Brasileira de
Normas Técnicas (ABNT).
Há que se distinguir o que normalmente se confunde:
Referência bibliográfica é o conjunto de indicações que possibilitam a identificação de documentos, publicações, no todo ou
em parte. Referência: “‘Nota informativa de remissão’ (em publicação); ‘fonte de esclarecimento’ (para o leitor)” (AURÉLIO).

.
o
ã m:
ç
a
g a e br/
l
u
iv end m.
d
a a v .co
r
a
s
p
á
e
t
r
a
s
r
o
t
t
e
s
u
o
o ivr
a
e
m
d
A te L be
ureferência
l
c
EsFormas
3.1
de
/
/
:
p
t
ht
Bibliografia é o conjunto de obras pesquisadas a que o leitor
pode recorrer para aprofundamento sobre o assunto do trabalho.
“Documento que apresenta lista de referências bibliográficas,
usadas em ordem alfabética, relativas a um ou mais assuntos.
Parte de uma obra na qual se listam as referências bibliográficas
de obras recomendadas para leitura complementar” (AURÉLIO).
Confundem-se também referência e citação, por proximidade e
contaminação, mas vale observar que são coisas bem distintas
(ver sobre citações na página 29).

Entre as muitas formas pelas quais as referências bibliográficas
podem ser feitas, escolha-se a mais conveniente de acordo com
o tipo de trabalho e as exigências da instituição a que ele se destina.

Não há menção na NBR 10520 para que os nomes dos autores
no corpo do texto devam aparecer em maiúsculas ou versalete,
todos os exemplos da NBR 10520 estão com apenas a primeira
letra em maiúscula, mas essa prática é difundida e entendemos

54

Manual Keimelion 2010
para redação acadêmica

haver justificativa: facilita visualmente a localização dos autores
no texto.

3.1.1 Referência completa
Aplica-se raramente no texto. Essa referência reproduz integralmente os dados da obra citada, fica muito longa e é adequada
exclusivamente às listagens bibliográficas (bibliografia).
Exemplo:

.
o
ã m:
ç
a
g a e br/
l
u
iv end m.
d
a a v .co
r
a
s
p
á
e
t
r
a
s
r
o
t
t
e
s
u
o
o ivr
a
e
m
d
A te L be
Es p://clu
3.1.2
htt Referência abreviada
“… a democracia tem a demanda fácil e a resposta difícil; a
autocracia, ao contrário, está em condições de tornar a
demanda mais difícil e dispõe de maior facilidade para dar
respostas” (BOBBIO, Norberto. Il futuro della democrazia, in:
Nuova civiltà delle machine, II, verão, 1984, pp. 11-20 –
trad. bras. de Marco Aurélio Nogueira, São Paulo: Editora
Paz e Terra, 7ª ed. revista e ampliada, 2000, p. 49, Apud
RIBEIRO, Wladimir Antonio. Em busca do federalismo
perdido. Coimbra: Dissertação de Mestrado, Universidade
de Coimbra, 2001, p. 52).

É claro absurdo fazer referência assim: ela é muito maior que a
própria citação. Além disso, é referência indireta: Bobbio citado
por Ribeiro; traz mais informações que o necessário: o tradutor é
informação raramente pertinente.

É a forma mais aceita e usual, consiste simplesmente em mencionar o sobrenome do autor, o ano da publicação e letra identificadora (quando couber), seguindo-se dois pontos e o número da
página ou páginas correspondentes.
“Com base em BEAVER (1981:50) é possível identificar algumas
relevantes consequências econômicas da informação contábil…”
(MARTINEZ, 2001:18).

55

Manual Keimelion 2010
para redação acadêmica

4 Quadros de normas
4.1 ABNT
Muitas vezes se mencionam as “Normas da ABNT“ como se fossem “lei” ou documento isolado que deva ser respeitado nacionalmente e que traz tudo exatamente como deve ser feito.

.
o
ã m:
ç
a
g a e br/
l
u
iv end m.
d
a a v .co
r
a
s
p
á
e
t
r
a
s
r
o
t
t
e
s
u
o
o ivr
a
e
m
d
A te L be
Es p://clu
htt
Há muitas normas diferentes emanadas daquela instituição que
se relacionam ao trabalho científico; em cada instituição de ensino ou pesquisa, ou em cada publicação adotam-se parcial ou
totalmente essas normas, adaptando-as e modificando-as de
acordo com o interesse específico.
A Associação Brasileira de Normas Técnicas, ao contrário do
que muitos pensam, é instituição privada; suas normas são adquiridas em seus representantes, elas são documentos isolados,
custam caro e não estão reproduzidas em nenhuma publicação,
pois os direitos autorais sobre elas são fortemente resguardados.

Há casos de conflito interno no estabelecimento das normas, e
de conflito entre as normas apresentadas, até pelas suas diferentes datas de atualização.
É apresentada a seguir uma relação dessas normas, a título de
exemplo e para ilustrar a complexidade do assunto.

71

Públio Athayde

5 Gramática e estilo
Cada tipo de texto te normas próprias, mais ou menos rígidas em
cada caso. O texto acadêmico, na grande maioria dos casos é
regido pela Nomenclatura Gramatical Brasileira, pelo Acordo Ortográfico, pelo Vocabulário Ortográfico da Academia Brasileira de
Letras e quaisquer outras normas legais existentes ou provenientes.

.
o
ã m:
ç
a
g a e br/
l
u
iv end m.
d
a a v .co
r
a
s
p
á
e
t
r
a
s
r
o
t
t
e
s
5.1 Acentuação
u
o
o ivr
a
e
m
d
A te L be
Es p://clu
htt
O estilo, na mesma maioria dos casos, pauta-se pela impessoalidade como meta, e por um jargão peculiar à ciência e a cada
área específica de conhecimento.

Seguem-se recomendações gerais de gramática e estilo, não no
sentido de esgotar os temas, mas para breve consulta, a cada
problema que surgir. Recomendo também sua leitura longitudinal
para recordar, atualizar e conhecer o conteúdo deste manual.

Recomendamos usar todas as normas de acentuação vigentes
no Brasil e na comunidade lusófona. É obrigação de todo autor
conhecer as poucas regras práticas que determinam o uso dos
acentos. A maior parte dos problemas é resolvida pelos programas de edição de textos. Nem todos. Há casos de palavras que
o computador não pode distinguir: número e numero.
Já existe atualização para a maior parte dos corretores eletrônicos em uso, inclusive o Word.
Desconsidera-se o s que exista no final para saber se a palavra
deve ou não ser acentuada.

78

Manual Keimelion 2010
para redação acadêmica

6 Cem erros comuns
Erros gramaticais e ortográficos devem, por princípio, ser evitados. Alguns, no entanto, como ocorrem com maior frequência,
merecem atenção redobrada. Veja os cem mais comuns do idioma e use esta relação como um roteiro para fugir deles.
1 – “Mal cheiro”, “mauhumorado”. Mal opõe-se a
bem e mau, a bom. Assim:
mau cheiro (bom cheiro), malhumorado (bem-humorado).
Igualmente: mau humor, malintencionado, mau jeito, malestar.

peças. / Restaram alguns objetos. / Sobravam ideias.

.
o
ã m:
ç
a
g a e br/
l
u
iv end m.
d
a a v .co
r
a
s
p
á
e
t
r
a
s
r
o
t
t
e
s
u
o
o ivr
a
e
m
d
A te L be
Es p://clu
htt
2 – “Fazem” cinco anos. Fazer, quando exprime tempo, é
impessoal: Faz cinco anos. /
Fazia dois séculos. / Fez 15
dias.
3 – “Houveram” muitos acidentes. Haver, como existir,
também é invariável: Houve
muitos acidentes. / Havia muitas pessoas. / Deve haver
muitos casos iguais.

4 – “Existe” muitas esperanças. Existir, bastar, faltar, restar e sobrar admitem normalmente o plural: Existem muitas esperanças. / Bastariam
dois dias. / Faltavam poucas

5 – Para “mim” fazer. Mim não
faz, porque não pode ser sujeito. Assim: Para eu fazer,
para eu dizer, para eu trazer.

6 – Entre “eu” e você. Depois
de preposição, usa-se mim ou
ti: Entre mim e você. / Entre
eles e ti.
7 – “Há” dez anos “atrás”. Há
e atrás indicam passado na
frase. Use apenas há dez anos ou dez anos atrás.

8 – “Entrar dentro”. O certo:
entrar em. Veja outras redundâncias: Sair fora ou para
fora, elo de ligação, monopólio
exclusivo, já não há mais,
ganhar grátis, viúva do falecido.

9 – “Venda à prazo”. Não existe crase antes de palavra
masculina, a menos que esteja subentendida a palavra

145

Manual Keimelion 2010
para redação acadêmica

7 O acordo ortográfico
Desde 1º de janeiro de 2009, entrou em vigor no Brasil a nova
grafia do português, definida pelo Acordo Ortográfico de 1990.
O trema foi extinto, algumas palavras perderam acentos e as
regras do hífen mudaram. Agora é preciso aprender a escrever
do
jeito
novo.
Tenho
utilizado
bastante
o
site
http://www.UmPortugues.com, que foi criado para ajudar na tarefa de nos adaptarmos à nova grafia, trazendo textos e ferramentas que auxiliam no aprendizado da grafia.

.
o
ã m:
ç
a
g a e br/
l
u
iv end m.
d
a a v .co
r
a
s
p
á
e
t
r
a
s
r
o
t
t
e
s
u
o
oDestaques
a
r
e
v
m
i
7.1
do
Acordo
d
A te L be
Es p://clu
htt
A Microsoft disponibiliza gratuitamente a ferramenta de atualização que permite aos usuários do pacote de softwares Office
2007 trabalharem com as regras do novo Acordo Ortográfico da
Língua Portuguesa. Com as devidas restrições aos corretores
eletrônicos, a ferramenta tem se mostrado útil. As informações
sobre a atualização estão disponíveis no site deles: http://
www.microsoft.com/brasil/reformaortografica         

Letras K, W e Y.
O trema morreu.
"Creem" sem acento.
"Voo" sem acento.
"Ideia" e "joia" sem acento.
"Autoescola" sem hífen.
"Micro-ondas" com hífen.
"Paraquedas" sem hífen.
"Antirrugas" sem hífen e RR.

No texto acadêmico, não cabe opinar sobre o acordo – exceto
em metatexto, ou fugir á imposição da norma. Cabe assimilar.
157

Públio Athayde

8 Revisão do texto
Define-se a revisão como a introdução de interferências no texto
visando sua melhoria. Essas mudanças podem atingir palavras,
frases ou parágrafos e ocorrem por exclusões, inclusões, inversões ou deslocamentos. Todo texto deve ser submetido a diversas fases de revisão; as primeiras e a última pelo próprio autor,
mas outras pessoas devem revisar o trabalho para que os diversos tipos de problemas sejam reduzidos ao mínimo.

.
o
ã m:
ç
a
g a e br/
l
u
iv end m.
d
a a v .co
r
a
s
p
á
e
t
r
a
s
r
o
t
t
e
s
u
o
o ivr
a
e
m
d
A te L be
Es p://clu
htt
Os revisores profissionais trabalham melhor se o texto lhes for
entregue “pronto”, inteiro, de forma que não sofra mais modificações depois de revisado. A última fase do trabalho será a conferência das interferências do revisor por parte do autor, para verificar se suas intenções e ideias foram corretamente interpretadas, discutindo com o revisor, se necessário, para consolidar a
versão definitiva.
Existe também certa resistência passiva do autor em não querer
revisar o texto. Os autores não reformulam espontaneamente o
que já escreveram, apesar das anotações e sugestões dos revisores, que muitas vezes não são nem lidas pelo autor.

Apresentamos aqui procedimentos para o autor revisar seu texto,
ele próprio, nas fases preliminares, de modo a reduzir custos;
fazer isso não dispensa nunca a necessidade da revisão profissional. Mas o fato é que um texto bem escrito, e revisado pelo
autor, produzira melhor resultado que aquele cuja revisão é integralmente delegada a um profissional.
Os passos apontados são compatíveis com o editor de texto
Word, em suas diversas versões.

158

Públio Athayde
Este e outros livros estão disponíveis para compra
pelo sistema de impressão sob demanda! Estou
preparando para disponibilizar todos meus trabalhos.
Com o apoio de meus leitores, milhares, que se
dispuseram a ler meus trabalhos nas versões e-book.
Agora eles podem ser impressos!
Acesse http://clubedeautores.com.br/ e pesquise por
meu nome.
Se este link estiver disponível, ele vai diretamente à
minha página lá: http://migre.me/at4p

Articulando

Coletânea de artigos. Alguns são
artigos leves, outros bem mais
profundos. Alguns têm origem
em trabalhos acadêmicos e
foram simplificados para essa
edição, estando disponíveis
inclusive pela internet, suas
versões completas e anotadas.
Há artigos bem recentes e
outros de mais de dez anos.
Novo livro publicado. Não
necessariamente novos textos,
pois se trata de uma coletânea

de Públio Athayde:
"Juntei alguns artigos espalhados (mentira: estavam todos
na mesma pasta do computador), selecionei bastante
(outra mentira: coloquei tudo que era pertinente) e
organizei esse livrinho eletrônico com o que prestava (ou
eu pensei assim). O bacana é a facilidade, o baixo custo
(zero) e a provisoriedade: tudo pode e vai ser revisado
montes de vezes e nunca estará perfeito."

Clique nos links.

O objetivo deste

Manual Keimelion 2010
para redação acadêmica
é subsidiar a produção de textos
científicos, fornecer elementos
para que os aspectos linguísticos e
formais não constituam grandes
obstáculos ao trabalho. Espera-se
que aqui se encontrem algumas
indicações de procedimentos a
serem seguidos ou evitados. São
fornecidas sugestões de
apresentação dos trabalhos, de
acordo com as usuais formatações e regras de referência. Notese que há enormes variações entre as diferentes instituições
quanto a esses aspectos. As formas propostas são síntese
simplificada das exigências genéricas. Este trabalho é fruto de
minha experiência como revisor, atuando especificamente com
teses e dissertações ao longo de mais de dez anos.

Camonianas
Quatro sonetos de Luís de Camões
dão origem a 56 composições em
que o poeta Públio Athayde
desenvolve sugestões de cada um
dos versos da significativa
tetralogia. Tomado como primeira
frase dos novos poemas, o verso do
grande luso é o mote que conduz o
desempenho do sonetista ouropretano no virtuosismo de uma
delicada, difícil e audaciosa
operação.

Clique nos links.

Confissões
“confissões/ foram tantas/ nas
lições/ que me cantas”. Mais
poesias de Públio Athayde; desta
vez, poesia confessional. Crônica
completa de um amor do passado
em sonetos livremente acrósticos.
Todo ilustrado com fotos de Ouro
Preto antigas.

Dirceu
Sonetos Bem(e)Ditos
Quatorze versos cada poema de
vário amor absolutamente
bandido. Uma contorção de quem
subtrai a Musa ao tango para
trazê-la a um sabá orgírico em
ritmo de seresta. Poesia-tese é a
resposta que Doroteu nos
oferece...

Clique nos links.

Marília & Dirceu
Um triângulo de dois vértices
Teatro. Drama em um ato de
Públio Athayde sobre textos de
Tomas Antônio Gonzaga, José
Benedito Donadon-Leal e Públio
Athayde. Ao fundo do palco vêemse a casa de Marília e, em último
plano, o IItacolomi, nos lados,
altares "barrocos" com ícones
gregos mencionados no texto; alguns móveis, dois leitos e
adereços de época, velas acesas, luzes cambiantes entre os
vários ambientes de cena.

Sonetos para Ser entendido
“É o próprio título que talvez forneça a principal chave de leitura
dos textos: algo como uma ascese para
se chegar ao entendimento e ser um
entendido em paz neste mundo. O
leitor, além disso, deve se manter
atento, tal como o poeta nos adverte o
poema “De atalaia”: “Porque coisa
escondida existe / Até no mais óbvio do
chiste.” [...] Como sabemos, o cômico, a
ironia, o grotesco, o escatológico, o
blasfemo, o chulo são territórios
considerados menos nobres na
literatura, ainda sob o império do apolíneo. São raros, portanto,
os autores que levam a sério a pesquisa desses territórios e
sabemos de sua luta para terem as respectivas obras
reconhecidas. [...] Encerro no poema “Pátria”, da sessão
“Sonetos infantis”, que foi escrito quando Públio era ainda um
menino e acreditava em tantas coisas importantes. É porque no
centro do riso mora uma pungência insofismável. " Ronald Polito

Clique nos links.

Eu Ouro Preto
Tópicos de História: Arquitetura,
Música, Documento, Conservação
Públio Athayde
Este livro congrega seis artigos com
uma temática comum apaixonante:
Ouro Preto. Os olhos do historiador
ouropretano convergem para a
paisagem, a arquitetura, a música e o
povo desta cidade, para as relações
destes elementos nos tempos
passado e presente de modo inequivocamente passional, mesmo
considerada a abordagem metódica e a pretensa erudição. A
paixão, confessa no primeiro artigo (Eu “Ouro Preto”), se
desdobra em considerações topográficas sobre os templos
coloniais (Adequação retórico-arquitetônica da Paróquia de
Nossa Senhora do Pilar de Ouro Preto). A mesma paixão visceral
que aguça os ouvidos para sons reais e imaginários (Música
colonial, cérebro retórico e êxtase religioso) relê a poesia
arcádica situando física e politicamente as referências do poeta
detrator (As cartas chilenas: carta terceira, notas de leitura).
Ainda com os olhos voltados para o passado, e nada é mais
presente no passado que a morte, abstrair de algumas lápides os
resquícios das paixões de outras épocas é tarefa inglória e
fascinante (Aqui jazem os restos do irmão J.F.C. falleciddo),
tanto quanto querer apontar nos requícios já arqueológicos da
mineração aurífera (Curral de Pedras: abandono e omissão) as
tensões vividas em uma época anterior cujas marcas estão por
todo lado, cravadas na essência da brasilidade. A retórica da
história clama em coros dissonantes e cada vagido é repleto de
significâncias, todas elas se articulando para dar significado ao
que somos. Cada olhar sobre a Ouro Preto de outrora completa a
visão que temos de nós mesmos, quer como agentes de uma
existência em contínua construção, quer como amantes do
pretérito edificado em magnífica herança.

Clique nos links.

As Quatro Estações
Mimeses
Este trabalho apresenta as mimeses
transversais entre duas leituras
contemporâneas de duas obras do
século XVIII e discute a invenção
baseada em emulações sobre As
Quatro Estações, de Antonio Vivaldi. O
engenho focado é um conjunto
pictórico capaz de representar
simultaneamente as Quatro Estações
como ciclo temporal e metáfora das fases da vida. A composição
pictórica integra elementos formais da iconografia antiga a
elementos da linguagem plástica contemporânea tendo como
referenciais: a iconografia de Cesare Ripa e o trabalho de Amílcar
de Castro. A proposta inclui aspectos transdisciplinares entre
poesia, a música e a pintura. Uma das leituras, a literária, feita
nos últimos anos do século passado, e outra o Programa
Iconográfico, mais recente ainda, dos primeiros anos do XXI. Essa
sobreposição de mimeses, além da emulação entre artes
distintas, compreende a transversalidade da leitura
interpretativa. O objetivo do Programa Iconográfico em questão
não foi fazer doutrina da percepção sensorial, estética ou
intersemiológica. A pretensão foi a da produção artística. Ao
cabo do processo, esse livro discute a investigação que resultou
na pintura e os resultados dela.

Adquira livros, presenteie livros.
Acesse http://clubedeautores.com.br/ e pesquise por
meu nome: Públio Athayde
Se este link estiver disponível, ele vai diretamente à
minha página lá: http://migre.me/at4p

Clique nos links.

Manual Keimelion 2010
para redação acadêmica

9 Glossário
Algumas palavras do jargão editorial se aplicam ao texto científico e há necessidade eventual delas para melhor compreensão
das colocações deste manual ou para diálogo entre os autores e
revisores ou editores.
Acesso: “Possibilidade de
consulta a um arquivo, como
resultado de autorização legal” (CAMARGO e BELLOTTO,
1996:1).

Artigo corrigido ou republicado: A republicação de artigo para retificar, ampliar ou
restaurar o texto ou dados do
artigo originalmente publicado.

Aditamento: “Parte acrescida
ao final de um documento
para alterar, explicar ou corrigir seu conteúdo” (CAMARGO e
BELLOTTO, 1996:2).

Artigo de revista: Tipo de
publicação predominante para
artigos e outros itens indexados para as bases de dados.

.
o
ã m:
ç
a
g a e br/
l
u
iv end m.
d
a a v .co
r
a
s
p
á
e
t
r
a
s
r
o
t
t
e
s
u
o
o ivr
a
e
m
d
A te L be
Es p://clu
htt
Anexação: “Ação pela qual se
reúne documento a outro, em
caráter complementar, guardando ambos relativa autonomia” (CAMARGO e BELLOTTO, 1996:3).

Artigo clássico: A apresentação atual de artigo impresso
previamente e que estabelece
um marco na história da ciência. É geralmente acompanhado de comentários introdutórios salientando sua republicação.

APA: American Psychological
Association – ou a nroma de
referencia adotada por essa
instituição, publicações e profissionais da área.
Bibliografia: A bibliografia
difere da lista de referências
bibliográficas por tratar-se de
um levantamento bibliográfico
sobre o tema ou a ele relacionado, incluindo documentos
não consultados. Tem por
objetivo possibilitar ao leitor
condições para um maior aprofundamento no assunto.

165

Públio Athayde

Magalhães, Claudia Freitas. Organização do espaço turístico
de MUNICÍPIOS mineiros: uma proposta metodológica. Belo Horizonte: Instituto de Geociências da UFMG, Dissertação de Mestrado, 2000.
MARTINEZ, Antônio Lopo. “Gerenciamento” dos resultados
contábeis: estudo empírico das companhias abertas brasileiras.
São Paulo: Universidade de São Paulo, Tese de Doutorado em
Controladoria e Contabilidade, 2001.
MARTINS FILHO, Plínio. O bom revisor de textos. Em: RIBEIRO,
Ana Elisa; COSCARELLI, Carla Viana (org.). Conversas com editores. Belo Horizonte: UFMG, 2007. (Cadernos Viva Voz)

.
o
ã m:
ç
a
g a e br/
l
u
iv end m.
d
a a v .co
r
a
s
p
á
e
t
r
a
s
r
o
t
t
e
s
u
o
o ivr
a
e
m
d
A te L be
Es p://clu
htt
MARTINS, Eduardo. Manual de redação e estilo – O Estado de
São Paulo (Estadão ). O Estado de S. Paulo. São Paulo: Disponível em
<http://www.estado.estadao.com.br/redac/manual.html>. Acesso
em 14 de março de 2002.
MEDEIROS, Domingos Oliveira. A vírgula e a luta contra os privilégios. Usina de Letras. 13/02/2002 – 09h47min. Disponível
em <www.usinadeletras.com.br>. Acesso em 12 de março de
2002.
MICHAELIS: Veja-se: TUFANO, Douglas.

MINIGRAMÁTICA: Veja-se Núcleo Interinstitucional de Linguística
Computacional.

NASSIF, Cláudio. Exploração do Método de Thompson na aplicação em problemas com várias escalas de comprimento.
Belo Horizonte: Instituto de Ciências Exatas da UFMG, Tese de
Doutorado, 2002.

NEVES, Maria Helena de Moura. Gramática de usos do português. São Paulo: Editora UNESP, 2000.
NÚCLEO Interinstitucional de Linguística Computacional, USPSão Carlos. Minigramática. Disponível em

176

Manual Keimelion 2010
para redação acadêmica

<http://nilc.icmc.sc.usp.br/minigramatica/sejabem.vindo..htm>.
Acesso em 13 de fevereiro de 2002.
PINTO, Maria de Lourdes Moreira. O uso da informática no ensino fundamental – um estudo de caso em escolas de Belo Horizonte. Florianópolis: Universidade Federal de Santa Catarina,
Dissertação de Mestrado, 2001.
PODER. Conselho Assessor. Disponível em
<http://www.poderonline.com.br/NR/exeres/6876DB25-5CD14BBB-8E0D-8A65F6176BAE.htm>. Acesso em 8 de abril de
2002.

.
o
ã m:
ç
a
g a e br/
l
u
iv end m.
d
a a v .co
r
a
s
p
á
e
t
r
a
s
r
o
t
t
e
s
u
o
o ivr
a
e
m
d
A te L be
Es p://clu
htt
PRATA, Mário. Uma tese é uma tese. O Estado de São Paulo.
São Paulo: 7 de out. 1998. Disponível em
<http://www.sulsites.com/e-tese/cronica.asp>. Acesso em 8 de
março de 2002.

PREFEITURA de Vitória – ES. Manual de redação e estilo do
Vitória On Line. Disponível em
<http://www.vitoria.es.gov.br/manual/apresenta.htm>. Acesso em
3 de fevereiro de 2002.

REIS, José Cláudio de Sousa. Sistema de acompanhamento da
aprendizagem e avaliação do aluno universitário via internet:
uma ferramenta de apoio ao professor e ao aluno. Belo Horizonte: Faculdade de Educação da UFMG, Dissertação de Mestrado,
2001.
RIBEIRO, Ana Elisa. Em busca do texto perfeito: (in)distinções
entre as atividades do editor de texto e do revisor de provas na
produção de livros. Anais do XII Congresso Brasileiro de Ciências da Comunicação da Região Sudeste, Juiz de Fora
(MG). São Paulo: Intercom, 2007.
RIBEIRO, Ana Elisa. Recados ao revisor de textos: representações do profissional de texto nas crônicas de Eduardo Almeida
Reis. Verso e Reverso. v. 22, 2008.

177

Públio Athayde

RIBEIRO, Wladimir Antônio. Em busca do federalismo perdido.
Coimbra: Universidade de Coimbra, Dissertação de Mestrado,
2001.
RODRIGUES, Ronan Silva. Agricultura familiar e sustentabilidade nos nichos agrícolas de Bom Jardim – município de Mário Campos – MG/2001. Belo Horizonte: Instituto de Geociências
da UFMG, Dissertação de Mestrado, 2002.
SALGADO, Luciana S. O autor e seu duplo nos ritos genéticos
editoriais. Eutomia, n. 1 (525-546), 2008.
SALGADO, Luciana S. Ritos genéticos no mercado editorial:
autoria e práticas de textualização. Tese (Doutorado), Universidade Estadual de Campinas. Campinas, 2007.
SAMPAIO, Jurema L. F. Disponível em
<http://www.geocities.com/CollegePark/Union/2695/testos-emdigital.htm>. Acesso em 15 mar. 2002.
SANTIAGO, Salette Lobão Torres. Análise molecular de isolados do vírus da bronquite infecciosa das galinhas em Minas
Gerais – Brasil. Belo Horizonte: Escola de Veterinária da UFMG,
Dissertação de Mestrado, 2002.
SAYÃO, Bidu. Opera arias & brazilian folksongs. Sony Music
Ent., 1996.
SCHFFER, Carmen Cristina Rodrigues. Verificando a apropriação da teoria piagetiana do desenvolvimento cognitivo usando tecnologia computacional: estudo de caso na formação
de psicólogos. Belo Horizonte: Centro Federal de Educação Tecnológica – CEFET-MG, Dissertação de Mestrado, 2001.
SILVEIRA, Gelson. Criação de Textos. Disponível em
<http://pessoal.onda.com.br/gel/>. Acesso em 12 de abril de
2002.

178

Manual Keimelion 2010
para redação acadêmica

SIMÕES. Jussara P. Mitos e lendas dos estrangeirismos. In: Jornal Eletrônico Novo Milênio. Disponível em
<http://www.novomilenio.inf.br>. Acesso em 9 de abril de 2002.
TRIBUNAL de Contas da União. Técnicas de apresentação de
dados. Brasília: TCU – Secretaria-Adjunta de Fiscalização,
2001. 90p. Disponível em <http://www.tcu.gov.br>. Acesso em 3
de mar. 2002.
TUFANO, Douglas. Guia prático da nova ortografia. São Paulo:
Editora Melhoramentos Ltda. 2008.
VIGNEAU, François et al. La révision de texte: une comparaison
entre réviseurs débutants et expérimentés. Révue des sciences
de l’éducation. vol. XXIII, n. 2, pp. 271-288, 1997.
VITA, Ercilene Maria de Souza. O sujeito, o outro e suas relações com o texto na revisão de textos escolares. Dissertação
(Mestrado), Universidade de São Paulo. São Paulo, 2006.
YAMAZAKI, Cristina. Editor de texto: quem é e o que faz. Anais
do XXX Congresso Brasileiro de Ciências da Comunicação,
Santos (SP). Intercom: São Paulo, 2007.
YAMAZAKI, Cristina. Por uma edição de livros sem preconceitos.
Anais do XIII Colóquio Internacional de Comunicação para o
Desenvolvimento Regional, Pelotas (RS). Intercom: São Paulo,
2008.

179

Públio Athayde

Índice analítico
Sumário ......................................................................................................... 6
1

Apresentação ........................................................................................ 7
1.1
Recomendações ao autor ................................................................. 9
1.1.1 Segurança ......................................................................................... 9
1.1.2 Produção do texto .......................................................................... 10

2

Trabalho acadêmico ............................................................................ 12
2.1

Conceito .......................................................................................... 12

2.2

Finalidade ....................................................................................... 12

2.3
Tipos ................................................................................................ 13
2.3.1 Tese................................................................................................. 13
2.3.2 Dissertação ..................................................................................... 14
2.3.3 Monografia ..................................................................................... 15
2.3.4 Artigo .............................................................................................. 15
2.3.5 Comunicação .................................................................................. 16
2.3.6 Relatório ......................................................................................... 16
2.3.7 Resenha .......................................................................................... 17
2.4
Estrutura ......................................................................................... 17
2.4.1 Pré-texto ......................................................................................... 18
2.4.1.1 Capa......................................................................................... 18
2.4.1.2 Folha
2.4.1.3 Ficha catalográfica ................................................................... 20
2.4.1.4 Folha
2.4.1.5 Nominata ................................................................................. 21
2.4.1.6 Dedicatória .............................................................................. 21
2.4.1.7 Agradecimento ........................................................................ 21
2.4.1.8 Sumário ................................................................................... 21
2.4.1.9 Epígrafe ................................................................................... 21
2.4.1.10 Resumo.................................................................................. 22

180

Manual Keimelion 2010
para redação acadêmica

2.4.2 Texto ............................................................................................... 22
2.4.2.1 Introdução ............................................................................... 23
2.4.2.2 Desenvolvimento dos capítulos ............................................... 23
2.4.2.3 Conclusões ............................................................................... 26
2.4.3 Pós-texto ......................................................................................... 26
2.4.3.1 Anexos ou apêndices ............................................................... 26
2.4.3.2 Glossário .................................................................................. 26
2.4.3.3 Lista bibliográfica (bibliografia) ............................................... 27
2.5
Forma e conteúdo ........................................................................... 28
2.5.1 Formato........................................................................................... 28
2.5.2 Paginação ........................................................................................ 29
2.5.3 Citações ........................................................................................... 29
2.5.3.1 Citação direta ou textual ......................................................... 30
2.5.3.2 Citação de citação .................................................................... 31
2.5.3.3 Citação indireta........................................................................ 32

.
o
ã m:
ç
a
g a e br/
l
u
iv end m.
d
a a v .co
r
a
s
p
á
e
t
r
a
s
r
o
t
t
e
s
u
o
o ivr
a
e
m
d
A te L be
Es p://clu
htt
2.6
Ilustrações ....................................................................................... 32
2.6.1 Desenhos ......................................................................................... 34
2.6.2 Diagramas ....................................................................................... 35
2.6.3 Fotografias ...................................................................................... 36
2.6.4 Gráficos ........................................................................................... 37
2.6.5 Tabelas e quadros ........................................................................... 38
2.6.5.1 Tabelas ..................................................................................... 38
2.6.5.2 Quadros ................................................................................... 40
2.7
Recomendações............................................................................... 40
2.7.1 Abreviatura, siglas e símbolos ......................................................... 40
2.7.2 Abreviaturas dos meses .................................................................. 46
2.7.3 Arredondamento ............................................................................ 47
2.7.4 Aspectos éticos ............................................................................... 48
2.7.5 Biossegurança ................................................................................. 48
2.7.6 Desdobramento em volumes .......................................................... 48
2.7.7 Direitos autorais .............................................................................. 48
2.7.8 Estilo ................................................................................................ 49
2.7.9 Nomes comerciais ........................................................................... 51
2.7.10 Notas de rodapé............................................................................ 51
2.7.10.1 Bibliográficas.......................................................................... 52

181

Públio Athayde

2.7.10.2 Explicativas ............................................................................ 52
2.7.11 Numeração progressiva ................................................................ 52
2.7.11.1 Seções primárias ................................................................... 52
2.7.11.2 Seções secundárias e terciárias ............................................. 53
2.7.11.3 Título ..................................................................................... 53
3

Referências e bibliografia .................................................................... 54
3.1
Formas de referência ...................................................................... 54
3.1.1 Referência completa ....................................................................... 55
3.1.2 Referência abreviada ...................................................................... 55
3.1.3 Referência codificada ..................................................................... 56
3.1.4 Referência numerada ..................................................................... 56

.
o
ã m:
ç
a
g a e br/
l
u
iv end m.
d
a a v .co
r
a
s
p
á
e
t
r
a
s
r
o
t
t
e
s
u
o
o ivr
a
e
m
d
A te L be
Es p://clu
htt
3.2
Localização das referências às citações .......................................... 57
3.2.1 Antes do texto ................................................................................ 57
3.2.2 No texto .......................................................................................... 57
3.2.3 Referência em pé de página ........................................................... 57
3.2.4 Ao final de cada parte, capítulo ou do trabalho ............................. 58
3.3
Listagem bibliográfica..................................................................... 60
3.3.1 Livros............................................................................................... 60
3.3.2 Artigos publicados ou inéditos ....................................................... 62
3.3.3 Tipos de referência segundo a autoria ........................................... 62
3.3.3.1 Autor pessoa física .................................................................. 63
3.3.3.2 Até três autores ....................................................................... 63
3.3.3.3 Mais de três autores................................................................ 63
3.3.3.4 Sem nome do autor................................................................. 63
3.3.3.5 Autor corporativo .................................................................... 63
3.3.4 Referência de parte da obra ........................................................... 64
3.3.4.1 Quando o autor do capítulo citado é também autor da obra . 64
3.3.4.2 Quando o autor do capítulo citado não é o autor da obra ..... 64
3.3.5 Publicações periódicas e institucionais .......................................... 64
3.3.5.1 Anais de congresso no todo .................................................... 64
3.3.5.2 Artigo sem assinatura.............................................................. 65
3.3.5.3 Artigo de jornal assinado......................................................... 65
3.3.5.4 Artigo de um autor .................................................................. 65
3.3.5.5 Artigo de mais de um autor .................................................... 65

182

Manual Keimelion 2010
para redação acadêmica

3.3.5.6 Artigos de jornal sem assinatura ............................................. 66
3.3.5.7 Coleção em parte ..................................................................... 66
3.3.5.8 Coleção toda ............................................................................ 66
3.3.6 Decretos, leis, portarias .................................................................. 66
3.3.7 Dissertação / tese............................................................................ 66
3.3.8 Obras de referência......................................................................... 67
3.3.8.1 Dicionário................................................................................. 67
3.3.8.2 Enciclopédia ............................................................................. 67
3.3.8.3 Anuário .................................................................................... 67
3.3.8.4 Pareceres, resoluções .............................................................. 67
3.3.9 Trabalho publicado em anais de congresso e outros eventos ........ 68
3.3.10 Documentação eletrônica ............................................................. 68
3.3.10.1 Correio eletrônico (e-mail) .................................................... 68
3.3.10.2 Listas de discussão e grupos .................................................. 68
3.3.10.3 Página na internet (web site)................................................. 68
3.3.11 Multimídia ..................................................................................... 69
3.3.11.1 Apresentações ....................................................................... 69
3.3.11.2 Áudio, CDs, LPs, músicas e letras ........................................... 69
3.3.11.3 Vídeo, Filmes, TVs, fotos ........................................................ 70

.
o
ã m:
ç
a
g a e br/
l
u
iv end m.
d
a a v .co
r
a
s
p
á
e
t
r
a
s
r
o
t
t
e
s
u
o
o ivr
a
e
m
d
A te L be
Es p://clu
htt
4

Quadros de normas ............................................................................. 71

4.1

5

ABNT

Gramática e estilo ............................................................................... 78

5.1
Acentuação...................................................................................... 78
5.1.1 Trema .............................................................................................. 79
5.1.2 Proparoxítonas ................................................................................ 79
5.1.3 Paroxítonas ..................................................................................... 79
5.1.4 Oxítonas .......................................................................................... 79
5.1.5 Átonas ............................................................................................. 80
5.1.6 Hiatos .............................................................................................. 80
5.1.7 Acento diferencial ........................................................................... 81
5.2
Adjetivo ........................................................................................... 81
5.2.1 Formas analíticas dos adjetivos anômalos ...................................... 81
5.2.2 Grau dos adjetivos .......................................................................... 82

183

Públio Athayde

5.3
Advérbio .......................................................................................... 83
5.3.1 Artigo .............................................................................................. 83
5.3.2 Artigo definido ................................................................................ 84
5.3.2.1 Artigo definido obrigatório ..................................................... 84
5.3.2.2 Artigo definido facultativo ...................................................... 85
5.3.2.3 Artigo definido vedado............................................................ 86
5.3.3 Artigo indefinido ............................................................................. 86
5.4
Concordância .................................................................................. 87
5.4.1 Concordância nominal .................................................................... 87
5.4.1.1 Plural de palavras compostas .................................................. 87
5.4.1.2 Plural majestático .................................................................... 88
5.4.2 Concordância verbal ....................................................................... 89
5.4.3 Coletivos ......................................................................................... 89
5.4.4 Com................................................................................................. 90
5.4.5 Gradação/ resumo .......................................................................... 90
5.4.6 Nem ................................................................................................ 90
5.4.7 Ou ................................................................................................... 90

.
o
ã m:
ç
a
g a e br/
l
u
iv end m.
d
a a v .co
r
a
s
p
á
e
t
r
a
s
r
o
t
t
e
s
u
o
o ivr
a
e
m
d
A te L be
Es p://clu
htt
5.5
Pronomes ........................................................................................ 91
5.5.1 Pronomes de tratamento ............................................................... 91
5.5.2 Quem/ que ..................................................................................... 91
5.5.3 Um .................................................................................................. 91
5.5.4 Verbo antes do sujeito composto................................................... 92
5.5.5 Sujeitos infinitivos........................................................................... 92
5.5.6 Concordância por atração .............................................................. 93
5.5.7 Nomes de empresas ....................................................................... 93
5.5.8 Nomes de obras .............................................................................. 93
5.5.9 Nomes próprios .............................................................................. 93
5.6
Conjunção ....................................................................................... 94
5.6.1 Se .................................................................................................... 95
5.6.1.1 Índice de indeterminação do sujeito ....................................... 95
5.6.1.2 Partícula apassivadora ............................................................ 95
5.7
Crase ............................................................................................... 96
5.7.1 Casos especiais ............................................................................... 97
5.7.2 Até as/ até às .................................................................................. 98

184

Manual Keimelion 2010
para redação acadêmica

5.8
Divisão silábica ................................................................................ 98
5.8.1 Não se separam............................................................................... 98
5.8.2 Separam-se ..................................................................................... 99
5.8.3 Estrangeirismo ................................................................................ 99
5.9
Locuções ........................................................................................ 101
5.9.1 A cores........................................................................................... 101
5.9.2 A fim de/ afim ............................................................................... 101
5.9.3 À medida que ................................................................................ 101
5.9.4 A meu ver ...................................................................................... 101
5.9.5 A nível de / em nível de................................................................. 101
5.9.6 A partir do momento .................................................................... 102
5.9.7 Além disso/ além do que .............................................................. 102
5.9.8 Ao contrário/ diferentemente ...................................................... 103
5.9.9 Ao invés de/ em vez de ................................................................. 103
5.9.10 Ao mesmo tempo........................................................................ 103
5.9.11 Ao passo que ............................................................................... 103

.
o
ã m:
ç
a
g a e br/
l
u
iv end m.
d
a a v .co
r
a
s
p
á
e
t
r
a
s
r
o
t
t
e
s
u
o
o ivr
a
e
m
d
A te L be
Es p://clu
htt
5.10
Maiúsculas e minúsculas ............................................................... 104
5.10.1 Uso obrigatório de maiúsculas .................................................... 104
5.10.2 Uso de minúsculas ...................................................................... 105
5.10.3 Título de obras ............................................................................ 108

5.11
Numerais e algarismos .................................................................. 108
5.11.1 Algarismos romanos.................................................................... 108
5.11.2 Numerais ..................................................................................... 109
5.12
Pontuação ..................................................................................... 111
5.12.1 Dois-pontos ................................................................................. 111
5.12.2 Ponto de exclamação .................................................................. 111
5.12.3 Ponto-e-vírgula ........................................................................... 111
5.12.4 Reticências .................................................................................. 112
5.12.5 Travessão .................................................................................... 112
5.12.6 Vírgula ......................................................................................... 113
5.13
Pronomes ...................................................................................... 114
5.13.1 Colocação .................................................................................... 114
5.13.1.1 Próclise (pronome antes do verbo) ..................................... 115
5.13.1.2 Ênclise (pronome depois do verbo) ..................................... 115

185

Públio Athayde

5.13.1.3 Mesóclise (pronome no meio do verbo) ............................. 116
5.13.2 Este/ esse .................................................................................... 116
5.13.2.1 Em relação à pessoa que fala .............................................. 116
5.13.2.2 Em relação a espaço e tempo ............................................. 116
5.13.2.3 Em relação ao próprio texto................................................ 117
5.13.3 Lhe/ o .......................................................................................... 118
5.13.4 Por que, porque, por quê, porquê .............................................. 119
5.14
Sinais gráficos ............................................................................... 120
5.14.1 Aspas........................................................................................... 120
5.14.2 Asterisco ..................................................................................... 121
5.14.3 Colchetes .................................................................................... 121
5.14.4 Hífen ........................................................................................... 122
5.14.4.1 Usa-se o hífen ...................................................................... 122
5.14.4.2 Não se usa hífen .................................................................. 123
5.14.5 Parênteses .................................................................................. 124

.
o
ã m:
ç
a
g a e br/
l
u
iv end m.
d
a a v .co
r
a
s
p
á
e
t
r
a
s
r
o
t
t
e
s
u
o
o ivr
a
e
m
d
A te L be
Es p://clu
htt
5.15
Verbo............................................................................................. 124
5.15.1 Tempo e modo do verbo ............................................................ 125
5.15.1.1 Tempo verbal ...................................................................... 125
5.15.1.2 Modo verbal ........................................................................ 127
5.15.1.2.1 Indicativo ..................................................................... 127
5.15.1.2.2 Subjuntivo .................................................................... 127
5.15.1.2.2.1 Subjuntivo e orações subordinadas...................... 127
5.15.1.2.2.2 Subjuntivo e verbos modais ................................. 127
5.15.1.2.3 Imperativo.................................................................... 129
5.15.1.2.4 Infinitivo ....................................................................... 129
5.15.1.2.4.1 Infinitivo flexionado.............................................. 129
5.15.1.2.4.1.1 Sujeito próprio .............................................. 130
5.15.1.2.4.1.2 Preposição ..................................................... 130
5.15.1.2.4.1.3 Verbos abundantes ....................................... 130
5.15.1.2.4.2 Verbos reflexivos .................................................. 131
5.15.1.3 Gerúndio ............................................................................. 131
5.15.2 Vozes do verbo ........................................................................... 132
5.15.2.1 Verbo passivo, reflexivo ou pronominal ............................. 133
5.15.2.1.1 Voz ativa....................................................................... 133
5.15.2.1.2 Voz passiva ................................................................... 134
5.15.2.2 Regência .............................................................................. 135

186

Manual Keimelion 2010
para redação acadêmica

5.15.3 Haver ........................................................................................... 137
5.16
Vícios de linguagem ...................................................................... 138
5.16.1 Ambiguidade ............................................................................... 140
5.16.1.1 Abuso da preposição de ...................................................... 140
5.16.1.2 Ausência de vírgulas ............................................................ 140
5.16.1.3 Colocação do que em outra posição que não logo depois do
nome que substitui ............................................................................ 140
5.16.1.4 Posição inadequada do adjunto adverbial .......................... 141
5.16.1.5 Sucessão inadequada de termos, orações ou frases ........... 141
5.16.2 Barbarismo .................................................................................. 141
5.16.3 Neologismo ................................................................................. 142
5.16.4 Obscuridade ................................................................................ 142
5.16.5 Pleonasmo................................................................................... 142
5.16.6 Repetição de palavras ................................................................. 143
5.16.7 Solecismo .................................................................................... 143
5.16.8 Vícios de sonoridade (eufonia) ................................................... 144
5.16.8.1 Cacófato ............................................................................... 144
5.16.8.2 Eco ....................................................................................... 144
5.16.8.3 Hiato .................................................................................... 144
5.16.8.4 Colisão ................................................................................. 144

.
o
ã m:
ç
a
g a e br/
l
u
iv end m.
d
a a v .co
r
a
s
p
á
e
t
r
a
s
r
o
t
t
e
s
u
o
o ivr
a
e
m
d
A te L be
Es p://clu
htt
6

Cem erros comuns............................................................................. 145

7

O acordo ortográfico ......................................................................... 157

7.1

8

Destaques do Acordo..................................................................... 157

Revisão do texto ............................................................................... 158

8.1

Autorrevisão .................................................................................. 159

8.2

Roteiro de autorrevisão ................................................................. 160

8.3
Revisão primária............................................................................ 161
8.3.1 Ativação dos controles de alteração ............................................. 161
8.3.2 Retirar macros e comandos-fantasma no arquivo original ........... 161
8.3.3 Formatação primária..................................................................... 161
8.3.4 Revisão eletrônica primária .......................................................... 162

187

Públio Athayde

8.3.5 Erros comuns ................................................................................ 163
8.4

Revisão secundária ....................................................................... 164

9

Glossário ........................................................................................... 165

10

Bibliografia ........................................................................................ 172

Índice analítico........................................................................................... 180
Índice remissivo ......................................................................................... 189

.
o
ã m:
ç
a
g a e br/
l
u
iv end m.
d
a a v .co
r
a
s
p
á
e
t
r
a
s
r
o
t
t
e
s
u
o
o ivr
a
e
m
d
A te L be
Es p://clu
htt
Índice das ilustrações ................................................................................. 194

188

Manual Keimelion 2010
para redação acadêmica

Índice remissivo

abreviações .......................... 74
abreviatura ............................ 40
abreviaturas dos meses........ 46
acesso................................. 165
aditamento .......................... 165
agradecimento ...................... 21
anexação ............................ 165
anexos .................................. 26
antipatizar ........................... 137
aonde, onde ........................ 163
apa ...................................... 165
apêndices ............................. 26
apresentação da tabela ........ 38
apresentação de originais..... 77
arial ....................................... 28
arquivo modelo ..................... 10
arredondamento ................... 47
artigo15, 65, 83, 84, 85, 86, 165,
170, 180, 182, 184
artigos de periódicos ............. 72
aspirar ................................. 135
assistir ................................. 135
através ................................ 163
balanço do trabalho .............. 25
bibliografia ...................... 11, 27
bibliografia .......................... 165
biosegurança ........................ 48
bireme ................................. 166
cacófato .............................. 164
capa ...................... 18, 180, 194
caractere ............................. 166
carta .................................... 166
chamar ................................ 135

chegar ................................. 136
citação de citação ................. 31
citação direta ......................... 31
citação direta ......................... 30
citação indireta ...................... 32
citação textual ....................... 30
citações ................................. 75
citações ................................. 29
comissão de ética ................. 48
computadores ....................... 10
comunicação 16, 166, 177, 179,
180
conclusões ............................ 26
configurar página .................. 28
conflito de versões ................ 11
conhecimento produzido ....... 13
conjuntos de dados estatísticos
.......................................... 38
consistência .......................... 50
consistência de categoria ..... 50
consistência de expressão .... 50
consistência de sequência .... 51
conteúdo ............................... 28
contra-capa ........................... 18
cotejamento......................... 166
cursos de mestrado............... 15
dedicatória ..................... 21, 180
defesa pública ....................... 15
demonstração do conhecimento
.......................................... 12
depósito legal ...................... 166
desdobramento em volumes . 48
desenhos ............................... 34

.
o
ã m:
ç
a
g a e br/
l
u
iv end m.
d
a a v .co
r
a
s
p
á
e
t
r
a
s
r
o
t
t
e
s
u
o
o ivr
a
e
m
d
A te L be
Es p://clu
htt

189

Públio Athayde

desenvolvimento dos capítulos23
desobedecer ....................... 136
diagrama ............................... 35
diagramação ................... 10, 21
difundir o conhecimento ........ 12
direitos autorais..................... 48
discussão dos resultados ..... 25
dissertação............................ 14
dissertações ... 8, 16, 17, 22, 84,
170, 175
do / da ................................. 163
do que ................................. 163
documentação .................... 166
dois volumes ......................... 48
editoração eletrônica .......... 167
editorial ............................... 167
enquanto ............................. 163
epígrafe ................................. 21
erros de digitação ............... 164
esquecer ............................. 136
estilo na redação .................. 49
estudo experimental . 14, 15, 16
eufonia ................................ 164
expressões coloquiais .......... 49
ficha catalográfica ......... 20, 180
finalidades do trabalho
acadêmico......................... 12
folha de aprovação ............... 20
folha de rosto ........................ 76
folha de rosto ...................... 167
forma ..................................... 28
formatação . 161, 162, 167, 187,
194
formato .................................. 28
formato a-4............................ 74
fotografias ............... 17, 36, 109
glossário................................ 26
gráficos ................................. 10
gráficos ................................. 37

gramática e estilo .. 6, 8, 78, 183
guia ...................................... 167
guia de fontes ...................... 167
hífen .................................... 162
ilustrações .... 6, 32, 33, 36, 109,
188, 194
implicar ................................ 136
imprenta .............................. 167
indexação ............................ 167
índice ................................... 168
inexistência do fenômeno ..... 39
informar ............................... 136
inserir e número de página ... 29
inserir notas de rodapé ......... 51
introdução.............................. 23
inventário ............................. 168
ir 136
isbn ...................................... 168
iso ........................................ 168
issn ...................................... 168
lauda .................................... 168
layout da página .................... 29
leitura primária..................... 164
leitura secundária ................ 164
lembrar ................................ 136
levantamento bibliográfico .. 168
lilacs .................................... 168
linguagem científica .............. 49
linguagem precisa ................. 49
lista bibliográfica .................... 27
literatura de revisão ............. 168
livro ...................................... 169
mais de um volume ............... 48
mancha........................ 169, 173
marcas................................... 51
meses .................................... 46
método decimal ................... 169
metodologia empregada . 24, 25
monografia .................... 15, 180

.
o
ã m:
ç
a
g a e br/
l
u
iv end m.
d
a a v .co
r
a
s
p
á
e
t
r
a
s
r
o
t
t
e
s
u
o
o ivr
a
e
m
d
A te L be
Es p://clu
htt

190

Manual Keimelion 2010
para redação acadêmica

monografias 17, 22, 76, 77, 170,
175
namorar............................... 137
nível de ............................... 163
nomes comerciais ................. 51
nominata ....................... 21, 180
norma para datar .................. 72
notas de rodapé .............. 51, 57
notebook ............................... 10
numeração das páginas ....... 48
numeração das páginas
introdutórias ...................... 29
numeração progressiva ........ 52
numeração progressiva das
seções............................... 73
numerais cardinais .............. 110
numerais fracionários ......... 110
numerais multiplicativos...... 110
numerais ordinais ............... 110
obedecer ............................. 136
obras individuais ................... 27
ordem alfabética ................... 74
pagar ................................... 136
paginação ............................. 29
palavra-chave ..................... 169
pendrive ................................ 10
perdoar................................ 136
pesquisas experimentais 23, 25
pleonasmos ........................ 164
pós-texto ............................... 29
pós-texto ................. 18, 26, 181
preferir................................. 136
preparação do texto ............ 169
pré-texto .................. 17, 18, 180
processo de conhecimento ... 12
produção do texto ................. 10
publicações periódicas ......... 72
quadro ................................... 40
quadros ................. 38, 109, 181

qualificadores ...................... 169
quebras ................................. 29
querer .................................. 137
recensão ............................. 169
recomendações..................... 26
recomendações..................... 40
recomendações ao autor ........ 9
recuperação do conhecimento13
redação acadêmica ............... 49
referência ............................ 169
referência bibliográfica ........ 169
referência bibliográfica sintética
........................................ 169
referência cruzada .............. 169
regência .............................. 135
registro .................................. 49
relação do material consultado27
relatório ......................... 16, 180
relatório de evento .............. 169
relatórios ................. 17, 77, 169
relatórios técnico-científicos .. 77
remissiva ............................. 169
resenha ......................... 17, 180
resultados novos ................... 25
resumo .......................... 22, 170
resumos ................................ 74
reticências ........................... 162
revisão acadêmica .............. 170
revisão da literatura............. 170
revisão de provas ................ 170
revisão final ......................... 170
revisão primária................... 170
revisão recíproca................... 11
revisão tutorial ..................... 170
seções primárias ................... 52
seções secundárias .............. 53
segurança ............................... 9
separata .............................. 171
siglas ..................................... 40

.
o
ã m:
ç
a
g a e br/
l
u
iv end m.
d
a a v .co
r
a
s
p
á
e
t
r
a
s
r
o
t
t
e
s
u
o
o ivr
a
e
m
d
A te L be
Es p://clu
htt

191

Públio Athayde

símbolos ................................ 40
símbolos das unidades de
medida .............................. 41
simpatizar............................ 137
sumário ............. 21, 72, 74, 171
tabelas10, 17, 22, 25, 38, 39, 40,
109
template ................................ 11
tese .. 14, 66, 88, 125, 154, 160,
177, 183
teses ....... 7, 14, 16, 17, 22, 170
texto ...................................... 29
texto ................................ 17, 22
texto acadêmico8, 12, 13, 78, 85,
86, 88, 91, 100, 111, 120, 129,
144, 157
texto dissertativo ................... 14
times new roman .................. 28
titulo ...................................... 53
título de mestre ..................... 15
título do trabalho ............. 18, 53

títulos de lombada ................. 76
trabalho acadêmico6, 12, 13, 14,
15, 16, 17, 180
trabalho de conclusão de curso9
trabalhos acadêmicos13, 17, 34,
48, 98, 170
trabalhos acadêmicos formais13
traduções ............................... 77
transcrever o que outro autor
escreveu ............................ 29
transcrição de entrevistas ..... 31
transmissão de conhecimento12
tratamento de imagens ......... 10
travessão ............... 31, 112, 162
um, uma .............................. 163
versal ................................... 171
versalete .............................. 171
visar ..................................... 137
voz ativa .............................. 133
voz passiva.......................... 134
word .........9, 11, 34, 52, 78, 158

.
o
ã m:
ç
a
g a e br/
l
u
iv end m.
d
a a v .co
r
a
s
p
á
e
t
r
a
s
r
o
t
t
e
s
u
o
o ivr
a
e
m
d
A te L be
Es p://clu
htt

192

Manual Keimelion 2010
para redação acadêmica

Índice das ilustrações
Figura 1 - Capa ........................................................................ 19
Figura 2 - Capa ........................................................................ 20
Figura 3 - Desenho.................................................................. 34
Figura 4 - Diagrama ................................................................ 35
Figura 5 - Gráfico radar .......................................................... 37

.
o
ã m:
ç
a
g a e br/
l
u
iv end m.
d
a a v .co
r
a
s
p
á
e
t
r
a
s
r
o
t
t
e
s
u
o
o ivr
a
e
m
d
A te L be
Es p://clu
htt
Figura 6 - Página de texto ...................................................... 59

Tabela 1 - Exemplo de tabela ................................................. 39
Tabela 2 - Abreviaturas........................................................... 42

Tabela 3 - Abreviaturas dos meses ....................................... 46
Tabela 4 - Numerais .............................................................. 110
Tabela 5 - Voz ativa ............................................................... 133

Tabela 6- Voz passiva ........................................................... 134
Tabela 7 - Regências verbais ............................................... 135

Tabela 8 - Pleonasmos viciosos .......................................... 142

Quadro 1 - Normas da ABNT
Quadro 2 - Por que, porque, por quê, porquê ..................... 119
Quadro 3 - Formatação primária .......................................... 162
Quadro 4 - Erros comuns ..................................................... 163
Quadro 5 - Revisão secundária............................................ 164
Foto 1 - Colégio e Santuário do Caraça................................. 36

193

Públio Athayde

Índice onomástico
Casos
ABNT .......................... passim
Academia Brasileira de Letras
........................78, 122, 172
Almeida, Jalcione ............... 64
Alves-Mazzotti .............. 29, 30
André, 1995........................ 31
Aquadoce, 2002 ............... 127
Arreguy, Ricardo ................ 65
Associação Brasileira de
Normas Técnicas ...... 54, 71
Associação Brasileira de
Tecnologia Educacional .. 66
Athayde, Públio .......... 68, 172
Athayde, Yara Athayde69, 172
Aurélio ......................... passim
Bastos .................65, 102, 173
Bortoletto, Marisa Cintra ..... 65
Brasil ........................... passim
Brito............................ 39, 173
Bryant ................................. 63
Camargo e Bellotto, 1996
................................ passim
Chaves, 1998 ..................... 32
Ciro dos Anjos .................. 133
Conselho Nacional de
Educação ........................ 67
Consolaro, 2002 ....... 134, 135
Côrtes ................................ 65
Educação e Ciências Sociais
....................................... 66

194

EMATER-MG ...................... 57
Embrapa ... 109, 111, 119, 174
Enciclopédia Saraiva de
Direito .............................. 67
Estado de São Paulo ...passim
Fernando Pereira Silveira ..... 5
Ferreira, 2001 ................... 126
Ferreira, Aurélio .......... 67, 173
Ferreira, M. L .... 92, 102, 116,
117, 120
Ferreira, N. R. S ..... 27, 30, 31,
116
Folha............................passim
Folha de São Paulo ........ 8, 56
Fórum Educacional ............. 66
Freire, 2002 ...................... 132
Gannam ................................ 5
Garcia, 2000 ..... 22, 23, 26, 51
Instituto Brasileiro de
Geografia e Estatística ... 63,
67, 175
Jackwood ............................ 68
Johnston ............................. 63
Keimelion .....................passim
Lakatos ......................... 29, 30
Leffa, 1976 ........................ 159
Magalhães, 2000 ................ 36
Magalhães, José Luiz
Quadros de ..................... 64
Marconi ......................... 29, 30
Martinez, 2001 .............passim
Mecenas Augusto Athayde124

Manual Keimelion 2010
para redação acadêmica

Medeiros, 2002 ................. 113
Michaelis ................... 122, 176
Michel Jorge Gannam ........... 5
Microsoft ..... 69, 100, 157, 172
Minigramática 82, 83, 127, 176
Moigne ................................ 27
Morin................................... 27
Nassif, 2001 ...................... 102
Nassif, 2002 ........................ 34
Navarro, Zander .................. 64
Neves, 2000.............. 106, 108
Normas da ABNT ................ 71
O Globo .............................. 66
Office 2007 ....................... 157
Oliveira, Armando Serafim .. 63
Pacheco .................... 120, 173
Pinto Bastos........................ 65
Pinto, 2001.......... 37, 113, 137
Poder, 2002 ........................ 82
Prata, 1998 ......................... 14
Públio Athayde .................. 2, 3
Rede Globo de Televisão.... 70
Regina Athayde .................... 5
Reis, 2001................... 32, 114
República Federativa do Brasil
........................................ 66
Revisores Red Carpet Now, .. 4
Ribeiro, 2001 ..... 58, 117, 126,
131
Ricardo Arreguy Maia ........... 5
Roberto Arreguy Maia ........... 5
Rodrigues, 2001 ................. 93
Rodrigues, 2002 ..........passim
Saddam Hussein................. 93
Santiago, 2001.................... 24

Santiago, S. L. T................. 68
Sayão, Bidu ................ 69, 178
Schffer, 2001 .............. 82, 131
Seminário do Projeto
Educação........................ 64
Silva, José Graziano da...... 64
Silveira, 2002 ..................... 14
Sonia Regina Athayde .......... 5
Souza, M. B. ....................... 66
Tancredo Neves ............... 138
Tannure .............................. 65
UFRGS ........................ 48, 64
Villa-Lobos, Heitor .............. 69

195

Públio Athayde
Este e outros livros estão disponíveis para compra
pelo sistema de impressão sob demanda! Estou
preparando para disponibilizar todos meus trabalhos.
Com o apoio de meus leitores, milhares, que se
dispuseram a ler meus trabalhos nas versões e-book.
Agora eles podem ser impressos!
Acesse http://clubedeautores.com.br/ e pesquise por
meu nome.
Se este link estiver disponível, ele vai diretamente à
minha página lá: http://migre.me/at4p

Articulando

Coletânea de artigos. Alguns são
artigos leves, outros bem mais
profundos. Alguns têm origem
em trabalhos acadêmicos e
foram simplificados para essa
edição, estando disponíveis
inclusive pela internet, suas
versões completas e anotadas.
Há artigos bem recentes e
outros de mais de dez anos.
Novo livro publicado. Não
necessariamente novos textos,
pois se trata de uma coletânea

de Públio Athayde:
"Juntei alguns artigos espalhados (mentira: estavam todos
na mesma pasta do computador), selecionei bastante
(outra mentira: coloquei tudo que era pertinente) e
organizei esse livrinho eletrônico com o que prestava (ou
eu pensei assim). O bacana é a facilidade, o baixo custo
(zero) e a provisoriedade: tudo pode e vai ser revisado
montes de vezes e nunca estará perfeito."

Clique nos links.

O objetivo deste

Manual Keimelion 2010
para redação acadêmica
é subsidiar a produção de textos
científicos, fornecer elementos
para que os aspectos linguísticos e
formais não constituam grandes
obstáculos ao trabalho. Espera-se
que aqui se encontrem algumas
indicações de procedimentos a
serem seguidos ou evitados. São
fornecidas sugestões de
apresentação dos trabalhos, de
acordo com as usuais formatações e regras de referência. Notese que há enormes variações entre as diferentes instituições
quanto a esses aspectos. As formas propostas são síntese
simplificada das exigências genéricas. Este trabalho é fruto de
minha experiência como revisor, atuando especificamente com
teses e dissertações ao longo de mais de dez anos.

Camonianas
Quatro sonetos de Luís de Camões
dão origem a 56 composições em
que o poeta Públio Athayde
desenvolve sugestões de cada um
dos versos da significativa
tetralogia. Tomado como primeira
frase dos novos poemas, o verso do
grande luso é o mote que conduz o
desempenho do sonetista ouropretano no virtuosismo de uma
delicada, difícil e audaciosa
operação.

Clique nos links.

Confissões
“confissões/ foram tantas/ nas
lições/ que me cantas”. Mais
poesias de Públio Athayde; desta
vez, poesia confessional. Crônica
completa de um amor do passado
em sonetos livremente acrósticos.
Todo ilustrado com fotos de Ouro
Preto antigas.

Dirceu
Sonetos Bem(e)Ditos
Quatorze versos cada poema de
vário amor absolutamente
bandido. Uma contorção de quem
subtrai a Musa ao tango para
trazê-la a um sabá orgírico em
ritmo de seresta. Poesia-tese é a
resposta que Doroteu nos
oferece...

Clique nos links.

Marília & Dirceu
Um triângulo de dois vértices
Teatro. Drama em um ato de
Públio Athayde sobre textos de
Tomas Antônio Gonzaga, José
Benedito Donadon-Leal e Públio
Athayde. Ao fundo do palco vêemse a casa de Marília e, em último
plano, o IItacolomi, nos lados,
altares "barrocos" com ícones
gregos mencionados no texto; alguns móveis, dois leitos e
adereços de época, velas acesas, luzes cambiantes entre os
vários ambientes de cena.

Sonetos para Ser entendido
“É o próprio título que talvez forneça a principal chave de leitura
dos textos: algo como uma ascese para
se chegar ao entendimento e ser um
entendido em paz neste mundo. O
leitor, além disso, deve se manter
atento, tal como o poeta nos adverte o
poema “De atalaia”: “Porque coisa
escondida existe / Até no mais óbvio do
chiste.” [...] Como sabemos, o cômico, a
ironia, o grotesco, o escatológico, o
blasfemo, o chulo são territórios
considerados menos nobres na
literatura, ainda sob o império do apolíneo. São raros, portanto,
os autores que levam a sério a pesquisa desses territórios e
sabemos de sua luta para terem as respectivas obras
reconhecidas. [...] Encerro no poema “Pátria”, da sessão
“Sonetos infantis”, que foi escrito quando Públio era ainda um
menino e acreditava em tantas coisas importantes. É porque no
centro do riso mora uma pungência insofismável. " Ronald Polito

Clique nos links.

Eu Ouro Preto
Tópicos de História: Arquitetura,
Música, Documento, Conservação
Públio Athayde
Este livro congrega seis artigos com
uma temática comum apaixonante:
Ouro Preto. Os olhos do historiador
ouropretano convergem para a
paisagem, a arquitetura, a música e o
povo desta cidade, para as relações
destes elementos nos tempos
passado e presente de modo inequivocamente passional, mesmo
considerada a abordagem metódica e a pretensa erudição. A
paixão, confessa no primeiro artigo (Eu “Ouro Preto”), se
desdobra em considerações topográficas sobre os templos
coloniais (Adequação retórico-arquitetônica da Paróquia de
Nossa Senhora do Pilar de Ouro Preto). A mesma paixão visceral
que aguça os ouvidos para sons reais e imaginários (Música
colonial, cérebro retórico e êxtase religioso) relê a poesia
arcádica situando física e politicamente as referências do poeta
detrator (As cartas chilenas: carta terceira, notas de leitura).
Ainda com os olhos voltados para o passado, e nada é mais
presente no passado que a morte, abstrair de algumas lápides os
resquícios das paixões de outras épocas é tarefa inglória e
fascinante (Aqui jazem os restos do irmão J.F.C. falleciddo),
tanto quanto querer apontar nos requícios já arqueológicos da
mineração aurífera (Curral de Pedras: abandono e omissão) as
tensões vividas em uma época anterior cujas marcas estão por
todo lado, cravadas na essência da brasilidade. A retórica da
história clama em coros dissonantes e cada vagido é repleto de
significâncias, todas elas se articulando para dar significado ao
que somos. Cada olhar sobre a Ouro Preto de outrora completa a
visão que temos de nós mesmos, quer como agentes de uma
existência em contínua construção, quer como amantes do
pretérito edificado em magnífica herança.

Clique nos links.

As Quatro Estações
Mimeses
Este trabalho apresenta as mimeses
transversais entre duas leituras
contemporâneas de duas obras do
século XVIII e discute a invenção
baseada em emulações sobre As
Quatro Estações, de Antonio Vivaldi. O
engenho focado é um conjunto
pictórico capaz de representar
simultaneamente as Quatro Estações
como ciclo temporal e metáfora das fases da vida. A composição
pictórica integra elementos formais da iconografia antiga a
elementos da linguagem plástica contemporânea tendo como
referenciais: a iconografia de Cesare Ripa e o trabalho de Amílcar
de Castro. A proposta inclui aspectos transdisciplinares entre
poesia, a música e a pintura. Uma das leituras, a literária, feita
nos últimos anos do século passado, e outra o Programa
Iconográfico, mais recente ainda, dos primeiros anos do XXI. Essa
sobreposição de mimeses, além da emulação entre artes
distintas, compreende a transversalidade da leitura
interpretativa. O objetivo do Programa Iconográfico em questão
não foi fazer doutrina da percepção sensorial, estética ou
intersemiológica. A pretensão foi a da produção artística. Ao
cabo do processo, esse livro discute a investigação que resultou
na pintura e os resultados dela.

Adquira livros, presenteie livros.
Acesse http://clubedeautores.com.br/ e pesquise por
meu nome: Públio Athayde
Se este link estiver disponível, ele vai diretamente à
minha página lá: http://migre.me/at4p

Clique nos links.

Sign up to vote on this title
UsefulNot useful