Introdução

Se você dirige um carro manual, pode ter algumas dúvidas a respeito do seu funcionamento.

Como o estranho padrão em "H" tem relação com as marchas dentro da transmissão? O que está se movendo dentro da transmissão quando eu movo o câmbio? Quando erro a mudança de marcha e ouço aquele barulho arranhado, o que realmente está arranhando? O que aconteceria se, acidentalmente, eu engatasse a marcha ré enquanto estou em alta velocidade na estrada?

Imagem cedida pela DaimlerChrysler

Mercedes-Benz Classe C, transmissão manual de 6 velocidades

Neste artigo, responderemos essas perguntas à medida que exploramos o interior de uma transmissão manual.

Os carros necessitam de transmissões devido à física do motor a gasolina. Primeiramente, todo motor possui um limite, um valor de rpm máximo, acima do qual não consegue rodar sem explodir. Em segundo lugar, se você já leu Como funciona a potência do motor sabe que os motores possuem faixas estreitas de rpm e o cavalo de força e o torque estão no seu máximo. Um motor, por exemplo, pode produzir seu máximo de cavalo de força a 5.500 rpm. A transmissão permite que a relação de transmissão entre o motor e as rodas de acionamento mude à medida que a velocidade do carro aumenta ou diminui. Trocam-se as marchas para que o motor mantenha-se abaixo do limite e próximo da faixa de rpm de sua melhor performance.

Imagem cedida pela DaimlerChrysler

Mercedes-Benz Actros, transmissão manual

Imagem cedida pela DaimlerChrysler Mercedes-Benz Classe C Sport Coupé. Aqui estão algumas relações de transmissão: Marcha Relação RPM na transmissão do eixo de saída com o motor a 3. melhorias no design tornaram-nas mais comuns. tamanho e confiabilidade. No passado. transmissão manual de 6 velocidades.000 rpm . O eixo de entrada da transmissão roda na mesma rpm que o motor. O Toyota Prius é um carro híbrido que utiliza uma CVT. ilustração gráfica Uma transmissão de cinco velocidades aplica uma das cinco relações de transmissão. A transmissão é conectada ao motor pela embreagem. as CVTs não podiam competir com as transmissões de quatro e cinco velocidades em termos de custo.O ideal seria que a transmissão fosse tão flexível nas suas relações que o motor pudesse rodar a um único valor de rpm de melhor performance. Hoje. Uma CVT possui uma gama praticamente infinita de relações de transmissão. para que o eixo de entrada produza um valor de rpm diferente no eixo de saída. pois não se viam CVTs em veículos de série. Essa é a função da transmissão continuamente variável (CVT).

510 3. o motor e o eixo verde são conectados diretamente um ao outro.315:1 1. o diagrama abaixo mostra uma transmissão de duas velocidades bem simples em ponto morto: Vamos observar cada parte desse diagrama para entender como eles se combinam:  O eixo verde vem do motor pela embreagem.1ª 2ª 3ª 4ª 5ª 2. Quando você solta o pedal da embreagem.195:1 1. você pode ler Como funcionam as CVTs (transmissões continuamente variáveis).278 Para mais informações.295 1. Quando você pisa no pedal da embreagem.000 3. de forma que o motor pode rodar mesmo que o carro esteja parado.913 2.568:1 1. Para compreender a idéia básica de uma transmissão padrão.000:1 0. Os eixos verde e vermelho são conectados diretamente por suas engrenagens . Agora vejamos uma transmissão simples. O eixo e a engrenagem verdes rodam na mesma rpm que o motor. O eixo e a engrenagem verdes estão conectados como uma só unidade. A embreagem é um dispositivo que permite conectar e desconectar o motor e a transmissão.  O eixo e as engrenagens vermelhas são chamados de eixo secundário. de forma que todas as engrenagens no eixo secundário e o próprio eixo giram como uma unidade. o motor e a transmissão estão desconectados. Eles também estão conectados como uma peça única.915:1 1.

encaixam-se em buracos nas laterais das engrenagens azuis para engatá-las. Se as rodas estiverem girando. Dessa forma. para engatar qualquer uma das engrenagens azuis. o anel pode deslizar para a esquerda ou direita ao longo do eixo amarelo. o eixo secundário recebe sua potência diretamente do motor toda vez que a embreagem é utilizada. quando engatado à primeira marcha. Os dentes no anel. assim. Se o motor estiver desligado mas o carro estiver em movimento. se o eixo verde estiver girando. O anel é conectado ao eixo amarelo pelas chavetas e gira com ele. engata a engrenagem azul à direita: . o eixo amarelo pode virar as engrenagens azuis para dentro enquanto elas e o eixo secundário estão parados.entrelaçadas. Primeira marcha A figura abaixo mostra como o anel. o eixo amarelo estará girando. Entretanto. portanto giram no eixo amarelo.  A função do anel é conectar uma das duas engrenagens azuis ao eixo motor amarelo.  As engrenagens azuis giram em mancais.  O eixo amarelo é um eixo serrado que conecta-se diretamente ao eixo motor pelo diferencial às rodas de acionamento do carro. o vermelho também estará. chamados de dentes caninos.

O garfo desliza o anel no eixo amarelo para engatar uma das duas engrenagens. todos os dentes de engrenagem estão completamente entrelaçados o tempo todo. . o eixo verde do motor gira o eixo secundário. sem sucesso. assim. O som arranhado é dos dentes caninos tentando. que por sua vez gira a engrenagem azul da direita. a engrenagem azul da esquerda está girando. Dessa explicação. A alavanca de troca de marchas move uma haste conectada ao garfo. A transmissão manual de cinco velocidades é considerada padrão nos carros de hoje. Como você pode ver nestes diagramas.  A transmissão mostrada aqui não possui "sincronizadores" (abordados mais adiante neste artigo). Na dupla embreagem. engatar-se aos buracos nas laterais das engrenagens azuis. controladas por suas relações no eixo secundário. se você estivesse utilizando essa transmissão. Essa engrenagem transmite sua energia pelo anel para conduzir o eixo motor amarelo. daí o nome "dupla embreagem". A cada troca de marcha você tem de pisar e liberar a embreagem duas vezes. a transmissão está em ponto morto. pode-se responder a várias perguntas:  Quando você comete um erro na troca de marchas e escuta um som arranhado. Agora vejamos uma transmissão real. ela é como na figura abaixo. teria de utilizar a dupla embreagem.  Você também pode ver como um pequeno movimento linear na alavanca permite a troca de marchas. A dupla embreagem era comum em carros antigos e ainda é em alguns carros de corrida. não tendo efeito sobre o eixo amarelo. Então você pisa no pedal de embreagem novamente e trava o anel na nova marcha. Isso tira a pressão dos dentes caninos para que você possa mover o anel para o ponto morto. Enquanto isso. Quando o anel está entre duas engrenagens (como mostrado na primeira figura). Então você libera o pedal da embreagem e o motor rotaciona para a "velocidade correta". para que os dentes caninos possam engatar.Nesta figura. A idéia é pegar a engrenagem azul da próxima marcha e o anel rotacionando na mesma velocidade. As engrenagens azuis ficam à esmo no eixo amarelo em relações diferentes. A animação a seguir mostra o funcionamento interno de uma transmissão de quatro velocidades com marcha ré. mas está solta no seu mancal. você pisa no pedal de embreagem uma vez para desengatar o motor da transmissão. você não está ouvindo o som do dente da engrenagem mal engatada. A velocidade correta é o valor de rpm sob o qual o motor deveria rodar na próxima marcha. Internamente.

elas são assim em marcha ré. Olhando as hastes de câmbio de cima. .Há três grafos controlados por três hastes que estão engatadas pela alavanca de câmbio. primeira e segunda marchas.

Você pode ver que. está na realidade puxando a haste e o garfo para a primeira marcha. Quando você empurra a alavanca para frente para engatar a primeira marcha. ao mover o câmbio para a esquerda e direita. Mover a alavanca para frente e para trás move o anel para engatar a uma das engrenagens. . anéis diferentes).Tenha em mente que a alavanca de câmbio possui um ponto de rotação no meio. portanto. você está engatando garfos diferentes (e.

Isso permite que o anel e a engrenagem sincronizem suas velocidades antes de os dentes precisarem engatar. seria impossível jogar a transmissão para a marcha ré enquanto o carro está indo para frente. pois os dentes caninos nunca engatariam. Contudo. Sincronizadores As transmissões manuais nos carros de passeio utilizam sincronizadores para eliminar a necessidade da dupla embreagem. a engrenagem de ré azul nesse diagrama está girando na direção oposta de todas as outras engrenagens azuis.A marcha ré é controlada por uma pequena engrenagem intermediária (em roxo). Em todos os momentos. Assim. O objetivo de um sincronizador é permitir que o anel e a engrenagem tenham atrito antes de os dentes caninos terem contato. . farão um enorme barulho. como mostrado abaixo.

mas essa é a idéia geral.O cone na engrenagem azul encaixa na área em forma de cone do anel e o atrito entre o cone e o anel sincroniza o anel e a engrenagem. A porção externa do anel então desliza para que os dentes caninos possam se engatar à engrenagem. Para mais informações sobre transmissões e tópicos relacionados. Cada fabricante implementa as transmissões e os sincronizadores de maneiras diferentes. . confira os links na próxima página.

Sign up to vote on this title
UsefulNot useful