SISTEMÁTICA  DOS  SERES  VIVOS     Perante   um   tão   elevado   numero   de   seres   vivos   que   habitam   na   Terra,   os   biólogos   sentiram

  necessidade  de  os  classificar,  agrupando-­‐os  de  acordo  com  determinados  critérios.   Tentar   compartimentar   a   natureza,   que   se   apresenta   numa   contínua   mudança,   pode   gerar   grandes  dificuldades  e,  frequentemente,  controvérsia.   Do  esforço  de  discernir  ordem  na  incrível  diversidade  da  vida,  nasceu  a  SISTEMÁTICA.  A  sistemática   tem   um   inegável   valor   ao   permitir   organizar   a   diversidade   da   vida.   A   sistemática   é   um   conceito   amplo,  uma  vez  que  inclui  a  TAXONOMIA  e  a  BIOLOGIA  EVOLUTIVA.  Assim:     SISTEMÁTICA:   ciência   que   faz   o   estudo   cientifico   dos   seres   vivos,   das   suas   relações   evolutivas   e   desenvolve  sistemas  de  classificação  que  reflectem  essas  relações.  

BIOLOGIA  E  GEOLOGIA    

Classi2icação  dos  seres   vivos  (formar  grupos)   TAXONOMIA   Nomenclaturas  (dar   nome  aos  grupos)  

SISTEMÁTICA  

BIOLOGIA  EVOLUTIVA  

Ramo  da  sistemática  que   se  ocupa  das  relações  de   parentesco  entre  os   seres  vivos.  

  SISTEMAS  DE  CLASSIFICAÇÃO:  “teorias  Dinâmicas  desenvolvidas  por  nós,  para  expressar  pontos  de   vista  particulares  acerca  da  história  dos  seres  vivos.”     CLASSIFICAÇÕES   BIOLÓGICAS:   existe   uma   profunda   relação   entre   os   agrupamentos   que   se   estabelecem  e  os  critérios  que  se  utilizam.     CLASSIFICAÇÕES     ARTIFICIAIS     CLASSIFICAÇÕES     HORIZONTAIS   CLASSIFICAÇÕES     NATURAIS   CLASSIFICAÇÕES     RACIONAIS     SISTEMAS  DE   CLASSIFICAÇÕES   CLASSIFICAÇÃO   CLASSIFICAÇÕES   FILOGENÉTICAS     VERTICAIS   CLASSIFICAÇÕES   OU  EVOLUTIVAS   PRÁTICAS           Inês  Serdoura  11209  11AD2      1  

    CLASSIFICAÇÕES  VERTICAIS    Período  pós-­‐darwiniano.    Classificações  estáticas  que  privilegiam  as  características  estruturais.  mas  ainda  se  utilizam.     CLASSIFICAÇÕES  HORIZONTAIS    Período  pré-­‐darwiniano.  nenhuma  classificação  definitiva.     CLASSIFICAÇÕES  NATURAIS    Período  pós-­‐lineano  e  pré-­‐darwiniano.     CONCLUSÃO:   Qualquer   sistema   de   classificação   reflecte.     HIERARQUIA  DAS  CATEGORIAS  TAXONÓMICAS     Na   hierarquia   das   classificações   biológicas.     CLASSIFICAÇÕES  ARTIFICIAIS    Período  pré-­‐lineano  (inclui  Lineu).   cada   uma   das   categorias   taxonómicas   é   também   designada  por  taxon  (no  plural  taxa).   em   cada   época.   o   grau   de   conhecimento   cientifico.    Não  consideram  o  factor  tempo.  não  havendo.    Classificações  dinâmicas.    Transmitem  mais  informação  e  permitem  formar  grupos  mais  homogéneos.    Baseiam-­‐se  num  maior  número  de  características.     CLASSIFICAÇÕES  PRÁTICAS      Agrupamento  de  seres  vivos  de  acordo  com  o  seu  interesse  ou  utilidade  para  o  Homem.    Tem  em  conta  o  factor  tempo  e  baseiam-­‐se  nas  relações  evolutivas  entre  os  organismos.    Baseiam-­‐se  nu  pequeno  número  de  características.  nem  a  evolução  dos  organismos.  As   mais  primitivas.    São  formados  poucos  grupos  e  muito  heterogéneos.   As  sete  categorias  principais  são:   FILO   (DIVISÃO)   BIOLOGIA  E  GEOLOGIA     REINO   CLASSE   ORDEM   FAMÍLIA   GÉNERO   ESPÉCIE       Inês  Serdoura  11209  11AD2      2   .     CLASSIFICAÇÕES  FILOGENÉTICAS  OU  EVOLUTIVAS   • Os  organismos  são  agrupados  de  acordo  com  o  grau  de  parentesco  entre  eles.     CLASSIFICAÇÕES  RACIONAIS    Agrupamento  dos  seres  vivos  de  acordo  com  as  características  que  apresentam.

 estabelecendo  regras  para  a   atribuição  de  nomes  científicos  aos  diferentes  grupos  taxonómicos.   A   segunda   palavra.  é  difícil  criar  taxa  que.   cada   taxon  está  inserido  no  que  lhe  fica  imediatamente  acima  e  contem  os  que  lhe  ficam  imediatamente   abaixo.   podem  cruzar-­‐se  entre  si.   O  reconhecimento  de  que  as  espécies  vivas  evoluíram  a  partir  de  outros  organismos  mais  remotos   colocou   um   novo   desafio:   agrupar   os   organismos   em   taxa   que   representem   linhagens   evolutivas.   A   primeira   é   um   substantivo  escrito  com  inicial  maiúscula  e  corresponde  ao  nome  do  género  a  que  a  espécie   pertence.  desses  organismos.  Por  exemplo.  Assim.  espécies  semelhante  agrupam-­‐se  para   construir   um   género.  sendo  geralmente  um  adjectivo  e  só  pode  ser  usado  quando  acompanhado   do  nome  do  género.         NOMENCLATURA  –  REGRAS  BÁSICAS     Numa   tentativa   de   universalizar   os   nomes   atribuídos   aos   seres   vivos.  representem  a  história  evolutiva.   Inês  Serdoura  11209  11AD2      3   BIOLOGIA  E  GEOLOGIA     .   os   cientistas   procuraram   criar  uma  nomenclatura  internacional  para  a  designação  dos  seres  vivos.     REGRAS:     1-­‐ O   nome   a   espécie   consta   sempre   de   duas   palavras   latinas   ou   latinizadas.  dois  seres  vivos  são  tanto  mais  próximos  quanto  maior  dor  o  numero  de  taxa   comuns  a  que  pertence.  a  partir  de  um  ancestral  comum.  os  que  pertencem  a  famílias   diferentes  divergiram  há  mais  tempo.   2-­‐ Restritivo  ou  epíteto  específico.  de  um  modo  preciso.   escrita   com   inicial   minúscula.   pois   não   existe   nenhuma   característica  biológica  que  os  delimite  objectivamente.   Contudo.MENOMÓNICA   Raio  Forte  Caiu  Ontem  Fazendo  Grandes  Estragos     A   espécie   é   a   unidade   básica   de   classificação   e   representa   um   grupo   natural   constituído   pelo   conjunto   de   indivíduos   morfologicamente   semelhantes.   designa-­‐se   por   restritivo   ou   epíteto  especifico.   A   formação   de   grupos   taxonómicos   depende   do   julgamento   humano.   géneros   mais   relacionados   formam   famílias.  Assim:   regras       Género   Homo   Nomenclatura  uninominal   • Escrito   em   latim   e   quando   manuscrito   sublinhado   Espécie   Homo1  sapiens2   Nomenclatura  binominal   1 2 3   Subespécie   Homo  sapiens  Sapiens Nomenclatura  trinominal     1-­‐ Nome  do  género  com  inicial  maiúscula.  originando  descendência  fértil.  É  o  único  agrupamento  natural.   e   assim   sucessivamente.  admite-­‐se  que.  do  que  outros  que  pertencem   à  mesma  família.   partilhando   o   mesmo   fundo   genético.   que.     Á  luz  das  classificações  evolutivas.     3-­‐ Restritivo  ou  epíteto  subespecífico.

 bactérias  e  fungos.   Quando   uma   espécie   tem   subespécies.   para   designar   cada   uma   delas.     NOTA:  Porque  é  que  por  vezes  não  se  pode  servir  de  base  ao  nome  da  família?   Porque  uma  família  engloba  vários  géneros.  havendo.   obtém-­‐se   acrescentando   a   terminação   idae   à   raiz   do   nome  de  um  dos  géneros  desta  família.  separada  por  vírgula.  contudo.  isto  é.  Nas  plantas.  Normalmente  usa-­‐se  o  itálico.   Esses   nomes   são.  atribui  o  nome  cientifico.     OS  REINOS  DA  VIDA             1   2                       3       4           1-­‐  Sistema  de  classificação  e  dois  reinos     O   reino     Plantae   abrange   uma   grande   diversidade   de   organismos:   seres   vivos   fotossintéticos.   no   caso   dos   animais.  a  terminação  que  identifica  a  família  é   acea.   utiliza-­‐se   uma   nomenclatura  trinominal.   espécie   e   subespécie   são   escritos   em   latim   e   num   tipo   de   letra   diferente   da  do  texto.  consta  de  uma  palavra  que   é  um  substantivo.   Os   nome   do   género.  escrita  com  inicial  maiúscula.   os   mesmos   para   todo   o   mundo.   À  frente  do  nome  da  espécie  deve  escrever-­‐se  em  letra  de  texto  o  nome  ou  abreviatura  do   nome  do  taxonomista  que.   Pode   citar-­‐se   a   data   da   publicação   do   nome   da   espécie.   assim.2-­‐ 3-­‐ 4-­‐ 5-­‐ 6-­‐ 7-­‐   Existem   associações   internacionais   de   taxonomia   que   oficializam   os   nomes   científicos   dos   organismos   de   acordo   com   as   respectivas   regras.   sem   locomoção  e  sem  ingestão.   Inês  Serdoura  11209  11AD2      4   BIOLOGIA  E  GEOLOGIA     A  designação  dos  grupos  superiores  à  espécie  é  uninominal.   .  seguindo-­‐se  ao  nome  da  espécie  o  restritivo  subespecifico.   O   nome   da   família.   sendo   essa   data   colocada   a   seguir   ao   nome  do  autor.  portanto.  a  partir  de  1758.  universalidade  na  classificação  biológica.  Há.  excepções.

  este   reino   incluía   formas   mais   primitivas     ambíguas.       3-­‐  Sistema  de  classificação  de    Copeland   O   sistema   de   classificação   em   quatro   reinos:   monera   –   seres   procariontes.   2-­‐  Sistema  de  classificação  de  Haeckel   Embora   as   fronteiras   do   Reino   Protista   tenham   variado   conforme   os   autores.                   ERVA     COELHO   LOBO               *  a  seta  evidencia  a  devolução  ao  meio  abiótico  de  elementos  químicos  essenciais  à  vida.   os   nutrientes   circulam   ciclicamente/continuamente:   passam   do   meio   abiótico   para   os   produtores   e   destes   para   os   macroconsumidores.   cujas   características   não   são   claramente   de   animais   nem   de   vegetais.  dizem  respeito  ao  nível  de  organização  estrutural.   Inicialmente.   Plantae   e   Animalia.   A   descoberta   da   microscopia   electrónica   permitiu  descobrir  a  complexidade  da  célula  eucariótica  e  a  sua  diferença  com  a  célula  procariótica     4-­‐  Sistema  de  classificação  de  Whittaker   Sistema   de   classificação   em   cinco   reinos.   animalia.   regressando   ao   meio   abiótico   através   dos   decompositores.   respectivamente   unicelulares   ou   pluricelulares.  Incluem:  seres  unicelulares  e  seres  multicelulares.   Este   novo   reino   permitiu   a   inclusão   de   seres   com   classificação  duvidosa.   também   chamado   sistema  de  classificação  em  cinco  reinos.   Após   o   reconhecimento   das   limitações   do   Inês  Serdoura  11209  11AD2      5   .   no   qual   os   fungos   passam   a   constituir   um   reino   independente.   protozoários   e   fungos.   Whittaker     distribui   as   algas   por   dois   reinos   –   Protista   e   Plantae   –     consoante   fossem.     SISTEMA  DE  CLASSIFICAÇÃO  DE  WHITTAKER:  OS  TRÊS  CRITÉRIOS  BÁSICOS     Os   critérios   que   serviram   de   base   ao   sistema   de   classificação   de   Whittaker.  os  elementos  químicos  essenciais  à  vida  não  poderiam  ser  utilizados  pelos  produtos.   Fungi.   Este   sistema   de   classificação   em   cinco   reinos:   Monera.   como   bactérias.  ao  tipo  de   nutrição  e  às  interacções  no  ecossistema.  era  coerente.  não   seriam  reciclados  e  ficariam  para  sempre  retidos  nos  compostos  orgânicos.BIOLOGIA  E  GEOLOGIA     O   reino   Animalia   abrange   seres   não   fotossintéticos   que   tem   locomoção   e   obtém   os   alimentos   por   ingestão.   plantae.     Assim.  Se  as   bactérias   saprófitas     e/ou   os   fungos   não   decompusessem   a   matéria   orgânica   em   matérias   mineral   inorgânica.  quer  com  o  registo  fóssil  quer  com  os  dados  moleculares  mais  recentes.   protista   –   seres   eucariontes   unicelulares   e   fungos.   Protista.

.  microconsumidores   EXEMPLOS:  algas  (espirogira.  macieira.   com   progressivo   grau   de   diferenciação:  sem  parede  celular.  polipódio.   multicelularidade   presente   em   muitas   formas..  microconsumidores   EXEMPLOS:  bactérias  fotossintéticas.     REINO  ANIMALIA     NÍVEIS   DE   ORGANIZAÇÃO   CELULAR:   eucariótico....  paramécias.  pinheiro..   reduzida  diferenciação  celular.  (por  absorção)     INTERAÇÃO  NOS  ECOSSISTEMAS:  produtores.     REINO  FUNGI     NÍVEIS   DE   ORGANIZAÇÃO   CELULAR:   eucariótico.   TIPOS  DE  NUTRIÇÃO:  autotrofismo  (por  fotossíntese)   INTERAÇÃO  NOS  ECOSSISTEMAS:  produtores   EXEMPLOS:  funária.  Parede  celular  de  natureza  celulósica..   multicelulares.  minhoca.  atendendo  à  sua  simplicidade  estrutural..  com  ou  sem  parede  celular.)  protozoários  (amibas.  Os  fungos  multicelulares   têm  uma  rede  de  filamentos  ramificados  chamados  hifas   TIPOS  DE  NUTRIÇÃO:  heterotrofismo  (por  absorção)   INTERAÇÃO  NOS  ECOSSISTEMAS:  microconsumidores   EXEMPLOS:  leveduras.  algas  verdes.   solitários..  rã..)  mixomicetes.   TIPOS  DE  NUTRIÇÃO:  autotrofismo  (fotossíntese).  as  algas  foram  colocadas  no   Reino  Protista.  quimiossintéticas.  .  parede  celular  quando  existe.     REINO  PROTISTA     NÍVEIS   DE   ORGANIZAÇÃO   CELULAR:   eucariótico.   TIPOS  DE  NUTRIÇÃO:  heterotrofismo  (por  ingestão)   INTERAÇÃO  NOS  ECOSSISTEMAS:  macroconsumidores   EXEMPLOS:  Homem.  macroconsumidores.  com  quitina.  apesar  da  pluricelularidade  de  muitas  delas.   REINO  MONERA     NÍVEIS   DE   ORGANIZAÇÃO   CELULAR:   procariótico.   alguns   coloniais   e   outros  multicelulares  com  diferenciação  reduzida.   a   maioria   unicelular.   parede  celular  presente  na  maioria  das  células  (peptidoglicano)   TIPOS  DE  NUTRIÇÃO:  autotrofismo  (fotossíntese  e  quimiossíntese).  cogumelos  e  bolores     REINO  PLANTAE     NÍVEIS   DE   ORGANIZAÇÃO   CELULAR:   eucariótico.   multicelulares   com   progressivo   grau   de   diferenciação  celular.  heterotrofismo.   unicelulares   solitários   ou   formando   colónias.  este  realiza  algumas  mudanças  na  posição  das  algas..  heterotrofismo  (por  absorção  ou  ingestão)   INTERAÇÃO  NOS  ECOSSISTEMAS:  produtores.BIOLOGIA  E  GEOLOGIA     seu  sistema.           Inês  Serdoura  11209  11AD2      6   .  saprófitas  e  cianobactérias.  Assim.

                                                            Domínio  –  taxon  mais  amplo     DOMÍNIOS   BACTERIA   REINOS   Eubacteria         BIOLOGIA  E  GEOLOGIA     ARCHAEA   Archaeabacteria     EUKARIA   Animalia   Fungi   Plantae   Protista     É   importante   notar   que   a   não   existe   um   sistema   de   classificação   definido.           OCUPAÇÃO  ANTRÓPICA  E  PROBLEMAS  DE  ORDENAMENTO     Inês  Serdoura  11209  11AD2      7   .   uma   vez   que   a   sistemática  e  as  ciências  ligadas  a  esta.  são  dinâmicas  estando  em  constante  mudança.

 São  fonte  de  alimento  e  nas  suas  margens  existem.   que   compreende   uma   acção   de   meteorização  e  erosão.   O   crescimento   de   zonas   urbanas   e   de   vias   de   comunicação   faz   com   que   se   verifique   uma   impermeabilização  dos  solos.  de  transporte  e  de  deposição  dos  materiais  ou  sedimentação.       BACIAS  HIDROGRÁFICAS     Porque  é  que  as  pessoas  procuram  viver  nas  margens  dos  rios?   Os   rios   constituem   vias   de   comunicação   muito   utilizadas   pela   Humanidade   fornecendo   água   para   uso  doméstico.   é   necessário   definir   regras   de   ordenamento   do   território   para   se  assegurar  um  processo  integrado  de  organização  do  espaço  biofísico.  ocupação  antrópica  e  portanto  ordenamento  do  território.           ACÇÕES  GEOLÓGICAS  DE  UM  RIO     O  comportamento    de  um  rio  depende  do  seu  regime  hidrológico.   A  área  do  território  drenada  por  uma  rede  hidrográfica  constitui  a  BACIA  HIDROGRÁFICA.     O   conjunto   de   todos   os   cursos   de   água   ligados   a   um   rio   principal   constitui   uma   REDE   HIDROGRÁFICA.   Para  melhor  compreender  é  importante  estudar  três  situações  problema:   BACIAS  HIDROGRÁFICAS.     Os   rios   desempenham   um   triplo   trabalho   geológico.• • • • •   BIOLOGIA  E  GEOLOGIA     A     ocupação   de   grandes   áreas   de   superfície   terrestre   desencadeia   uma   pressão   sobre   o   ambiente  que  pode  criar  desequilíbrio  nos  subsistemas  superficiais.  e  industrial.  ZONAS  COSTEIRAS  e  ZONAS  DE  VERTENTE  e  todos  os  riscos  associados  a   estes.   solos  férteis  devido  à  deposição  de  materiais  transportados  pelo  rio.  a  hidrosfera  e  a  biosfera.     O  estudo  das  bacias  hidrográficas  é  importante  uma  vez  que  à  bacia  hidrográfica  estão  associados   riscos  para  as  populações.  aumentando  a  probabilidade  de  inundações.  dificultando  a  infiltração  das  águas  e  a  interacção  entre  subsolo.   Ocorrem   por   vezes   cheias   causadoras   de   inundações  que  podem  provocar  mortes  e  destruição  de  estruturas  e  bens.  por  vezes.  que  por  sua  vez.       Viver   junto   de   um   rio   pode   acarretar   alguns   riscos.   RISCO   é   a   probabilidade   de   acontecimentos   perigosos   (maioritariamente   naturais)   ocorrerem   numa  dada  área  e  num  determinado  período  de  tempo.     METEORIZAÇÃO(ALTERAÇÂO)  E  EROSÃO(DESGASTE/DESAGREGAÇÃO/REMOÇÃO)     Inês  Serdoura  11209  11AD2      8   .  depende  das   inter-­‐relações  complexas  das  condições  da  bacia  hidrográfica.   A   presença   e   intervenção   antrópicas   tem   agravado   a   vulnerabilidade   das   populações   relativamente  aos  riscos  naturais.  agrícola.  a   atmosfera.   Para   diminuir   essa   probabilidade.  tendo  como  objectivo  a   sua  ocupação  e  transformação  de  acordo  com  as  capacidades  do  referido  espaço.  com  prejuízos  humanos  e  materiais.

  Os   fragmentos   sólidos   resultantes   do   desgaste  das  rochas.  quer  na  foz.   Essa   acção   de   desgaste   deve-­‐se.  Após  a  deposição.  sendo   principalmente  importante  em  época  de  cheias.  porque  o  leito  ordinário  do  rio  (espaço  que  pode  ser  ocupado  pelas  águas   e   pelos   materiais   que   transportam)   sofre   uma   mudança   –   as   águas   sobem   de   nível   e   ficamos   na   presença   do   leito   de   cheia   (   espaço   que   é   inundável   em   época   de   cheia.   • Podem  evitar  inundações  fluviais  catastróficas  a  jusante.  formando  depósitos  no  leito  de   cheia  chamados  aluviões  (são  responsáveis  pela  fertilidade  dos  solos  nas  margens).   como   lateralmente.   para   irrigação   de   terras  agrícolas  e  pode  ter  aproveitamento  hidroeléctrico.   podendo   transportar   em   poucas   horas   ou   dias  mais  detritos  do  que  em  vários  anos  normais.   aprofundando   o   canal   fluvial.   principalmente.     Os   materiais   mais   pesados   e   de   maiores   dimensões   normalmente   depositam-­‐se   mais   para   montante   e   os   de   pequenas   dimensões   e   mais   finos   depositam-­‐se   próximo   da   foz   (jusante)   u   são   mesmo  transportados  para  o  mar.   por   saltação.  devido  ao  controlo  do  caudal.   ao   efeito   de   arrastamento   dos   materiais   sólidos   transportados.       INTERVENÇÂO  ANTRÓPICA  NOS  RIOS  –  RISCOS  GEOLÓGICOS       BARRAGENS     CONSEQUÊNCIAS  DA  CONSTRUÇAÕ  DE  BARRAGENS     • A   água   armazenada   pode   ser   usada   para   abastecimento   das   populações.  são  designados  detritos  e  constituem   parte  da  carga  sólida  do  curso  de  água.   tanto   verticalmente.   Mesmo   os   materiais   depositados   no   fundo   das   albufeiras   são   remobilizados.  O  transporte  dos  detritos  pode  fazer-­‐se  por  vários   processos:   em   suspensão   se   são   materiais   finos.  em  que  é  maior  a  velocidade  da  águas.   A  deposição  de  materiais  é  importante  quando  ocorrem  cheias.     Inês  Serdoura  11209  11AD2      9   .       TRANSPORTE     Os   materiais   podem   ser   levados   para   maiores   distâncias.     *  As  cheias  acontecem.     SEDIMENTAÇÂO     Consiste  na  deposição  dos  materiais.  A   sedimentação  é  geralmente  ordenada  de  acordo  com  as  dimensões.BIOLOGIA  E  GEOLOGIA     As   águas   em   movimento   podem   provocar   um   desgaste   físico   e   química   das   rochas   do   leito.   alargando   esse   canal.   quando   o   nível   das   águas   ultrapassa  os  limites  do  leito  normal).   Todos  os  materiais  soltos  são  removidos  devido  à  pressão  exercida  pela  água  em  movimento.   rolamento   ou   arrastamento   para   materiais  mais  pesados  e  grosseiros.   Os   rios   transfiguram-­‐se   completamente.  os  materiais  designam-­‐se  sedimentos.  o  peso  dos  detritos  e   com  a  velocidade  da  corrente.  pois   aumenta   a   velocidade   das   águas.   A  capacidade  d  transporte  da  carga  sólida  aumenta  extraordinariamente  durante  as  cheias.  quer  ao  longo  do  leito.  independentemente  das  suas  dimensões.  a  forma.   • Permitem  controlar  cheias  *.  quer  na  suas  margens.

  como   a   subida  do  nível  médio  das  águas  do  mar.   A   energia   mecânica   das   ondas.   A  abrasão  ocorre.  devido  à  acção  humana.   constituindo  uma  superfície  designada  por  plataforma  de  abrasão.  chamadas  arribas.   Antes   dessas   construções.  tornando-­‐a  mais  resistente.   que   podem   circunscrever-­‐se  a  áreas  relativamente  restritas.   rápidas   (resultam   de   curtos   períodos   chuvosos.   fazendo   uma   gestão  adequada  dos  espaços  evitando  a  ocupação  urbana  e  industrial  de  zonas  de  risco.   Por   este   motivo   deve   ser   assegurado   um   correcto   ordenamento   do   território.     ZONAS  COSTEIRAS  –  OCUPAÇÃO  ANTRÓPICA  DA  FAIXA  LITORAL     O   litoral   constitui   um   sistema   que   se   encontra   em   equilíbrio   dinâmico   e   que   resulta   da   interferência  de  inúmeros  factores.   podem   considerar-­‐se  as  formas  de  erosão  e  as  formas  de  deposição.   mas   de   grande   intensidade.  principalmente.   podendo  seguir  para  jusante.   através   da   urbanização   caótica   que  levam  ao  ocupamento  dos  leitos  de  cheia.     • As   precipitação   abundante   em   curtos   períodos   de   tempo.   • As   barragens   servem   de   barreiras   artificiais   ao   movimento   de   clastos/detritos   com   uma   consequente  acumulação  de  sedimentos  a  montante.  sobretudo.  originando  a  saturação  progressiva   dos   solos.   No   entanto.     FORMAS  DE  EROSÃO:  resultam  do  desgaste  provocado  pelo  impacto  dos  movimentos  das  águas   do   mar   sobre   a   costa.   originando   uma   resposta   rápida  do  escoamento  superficial)   As   cheias   são   consequência   do   mau   ordenamento   de   território.  Afectam  as  grandes  bacias  hidrográficas.  mas.  precipitando   assim   as   inundações   nas   zonas   mais   baixas.     O   problema   é   que   a   erosão   tem   aumentando   de   ano   para   ano   não   só   por   causa   naturais.   Como   resultado   dessa   acção.  o  que  diminui  a  capacidade  de  detritos   a  alcançar  o  mar.   das   correntes   e   das   marés   é   um   importante   factor   modelador.  que   podem  durar  semanas.   • A   exploração   intensiva   de   inertes(fundamentalmente   areias)   do   leito   do   rio   e/ou   margens   pode  levar  ao  desfalcamento  de  pilares  de  pontes  ou  ao  desaparecimento  de  praias  fluviais.   Os   efeitos  da  abrasão  são  especialmente  notórios  em  costas  altas  e  escarpadas.  a  montante  e  ser  necessário  a  abertura  das  comportas.   os   sedimentos   Inês  Serdoura  11209  11AD2      10   .   o   enchimento   progressivo   das   albufeiras   e   o   transbordo   dos   seus   grandes   afluentes).   • Como   qualquer   obra   de   engenharia   tem   determinado   período   de   vida   útil   podendo   existir   riscos  de  rotura.   sobretudo   das   faixas   costeiras   das   áreas   continentais.   podem   exceder   a   capacidade   de   retenção  das  albufeiras.   quando   é   necessário   abrir   as   comportas   parte   dos   sedimentos   acumulados   no   fundo   da   albufeira   são   mobilizados.  se  os  sedimentos  fluíssem  alimentavam  a  costa.  na  base  da  arriba.  A  construção  de   barragens   nos   rios   retém   grande   parte   dos   sedimentos.  em  que  o  impacto  das  águas  sobre  as  rochas   vai   escavando   e   provocando   a   queda   de   detritos   que   se   acumulam   nas   zonas   mais   baixas.   • Impacte  negativo  nos  ecossistemas  terrestres  e  aquáticos.     O  ser  humano  usa  e  abusa  do  território  que  circunda  os  cursos  de  água  e  os  danos  materiais  e   financeiros  causados  pelas  cheias  tem  sido  cada  vez  mais  avultados  e  graves.BIOLOGIA  E  GEOLOGIA     As  cheias  podem  ser  de  dois  tipos:  progressivas  (são  causadas  por  longos  períodos  chuvoso.   A   este   desgaste   provocado   pelo   mar   dá-­‐se   o   nome   de   abrasão   marinha.  Afectam  pequenas  bacias  de  drenagem.  onde  a  forte   intensidade   das   chuvas   ultrapassa   a   capacidade   de   infiltração   dos   solos.

    FORMAS   DE   DEPOSIÇÃO:   os   materiais   podem   constituir   formas   diversas   como   praias.   obedecendo   a   certos   parâmetros   e   deve   ser   levado   a   cabo   com   o   apoio  de  geólogos  especializados  em  geologia  costeira  ou  em  geologia  marinha.   Sendo   zonas   de   elevada   instabilidade   geomorfológica.   tornando-­‐a   resistente.   A   resolução  do  problema  numa  zona  veio  agravar  a  situação  nos  locais  que  se  situavam  mais  a  oriente.   No   entanto.  outra  advoga  que  se  deve  fazer  a  realimentação   artificial   das   praias   com   areias.   restingas.   com   consequências.  pela  perturbação  que  causam  na  dinâmica  da  evolução  da  faixa  costeira.   são   locais   onde   a   erosão   é   muito   acentuada.  como  os  quebra-­‐ mares.   No  que  se  refere  à  gestão  faixa  litoral.   o   que   conduziu   à   construção   de   sucessivos   esporões.   sendo   o   seu   estudo   muito   importante.  constituindo  diferentes  formas  de  deposição.   A   construção   de   esporões   na   costa   ocidental   favorece   a   deposição   de   sedimentos   arrastados   pelas   correntes.   No  entanto.   é   de   salientar   que   algumas   dessas   construções   são   indispensáveis   para   o   desenvolvimento  económico  e  social  do  país.   Devido   ao   acentuado   declive   que   muitas   destas   zonas   apresentam.   aumentou   a   erosão.   construções  paralelas  aderentes  à  linha  de  costa.   Movimentos  de  massa  consistem  em  deslocamentos.  verificou-­‐se  a  retenção  das  areias  a  ocidente  deste.   como   esporões.   têm   sido   construídas   ao   longo   da   costa   obras   de   protecção.  como  paredões.  a  norte  do  esporão.   implicam   que   os   materiais   geológicos   situados   nas   zonas   superiores   tendam   a   ser   mobilizados   para   as   zonas   inferiores.     O  movimento  de  materiais  depende  de  vários  factores:     FACTORES  NATURAIS   • Inclinação  do  terreno  relacionada  com  a  força  da  gravidade.   As   areias   e   outros   materiais   arrancados   pelo   mar   ou   transportados   pelos   rios   depositam-­‐se   quando  as  condições  o  propiciam.  ou  destacadas.   Essas   obras   são   de   três   tipos:   obras   transversais   à   linha   da   costa.     OBRAS  DE  INTERVENÇÃO  NA  FAIXA  LITORAL     Na   tentativa   de   proteger   a   faixa   litoral.   A   retirada   de   areias   para   a   construção  civil  é  outra  causa  do  empobrecimento  em  areias  das  regiões  litorais.   Excluindo  algumas  construções.  tômbolos.     ZONAS  DE  VERTENTE  –  PERIGOS  NATURAIS  E  ANTRÓPICOS|     As     zonas   de   vertente   são   uma   das   formas   básicas   de   relevo.  .  após  a  construção  de  esporões.  mas  agrava  a  erosão  a  sul  desse  esporão.BIOLOGIA  E  GEOLOGIA     fluíam   para   os   rios   e   alimentavam   a   costa.  de  solo  ou  substrato  rochoso.   mas   ocorreu   deficiência   de   abastecimento   de   areias   nos   locais   situados   a   oriente   e.  as  chamadas  “obras  de  protecção”  já  foram  proibidas  em  alguns   países.  há  a  considerar  duas  posições:  uma  delas  defende  que  se   deve  deixar  o  litoral  o  litoral  evoluir  naturalmente.  de  grandes  volumes   de  materiais.   O   movimento   nessas   zonas   pode   ocorrer     sob   a   forma   de   movimentos   de   material  solto  ou  sobre  a  forma  de  movimentos  de  massa.  em  zonas  de  vertente.   ilhas-­‐barreiras...   consequentemente.     Inês  Serdoura  11209  11AD2      11   .

  o Grau  de  meteorização/alteração.  não  há  movimentação     • Tipo  de  rocha  relacionado  com:   o Orientação  e  inclinação  das  camadas.BIOLOGIA  E  GEOLOGIA     FS = FR   GT   FS-­‐  factor  de  segurança  de  uma  vertente   FR-­‐  forças  de  resistência.   o Grau  de  facturação.   • Saturação  do  terreno  por  excesso  e  rega  agrícola.   • Tipo  de  solo  relacionado  com  a  menor  ou  maior  facilidade  de  infiltração  da  água.  forças  que  se  opõem  ao  movimento:  atrito  e  grau  de  coesão  dos  materiais   GT-­‐  componente  tangencial  da  força  da  gravidade   €   Se  FS<1  .               Inês  Serdoura  11209  11AD2      12   .   • Sismos  e  movimentos  relacionados  com  o  movimento  brusco  de  materiais  do  solo.   • Cobertura  vegetal  relacionada  com  a  maior  ou  menor  retenção/fixação  dos  materiais  do  solo.     FACTORES  ANTRÓPICOS   • Desflorestação:  por  incêndios  e  por  abate  de  árvores.   • Construção   de   habitações   e   de   vias   de   comunicação   na   zona   de   vertente   –   má   politica   de   ordenamento  do  território.  ocorrem  movimentos  em  massa   Se  FS>1.  por  vezes  condicionado  pelas  variações  de  temperatura  (dilatação   e  contracção  dos  materiais)     • Quantidade  de  água  existente  no  solo  relacionada  com  a  pluviosidade.   • Exploração  a  céu  aberto.  devido  à  extracção  de  materiais.

Sign up to vote on this title
UsefulNot useful