RESUMO 2 SEMESTRE PSICODIAGNÓSTICO DEVOLUÇÃO DE INFORMAÇÃO NO PROCESSO PSICODIAGNÓSTICO DEVOLUÇÃO DE INFORMAÇÃO Entendemos por devolução de informação a comunicação verbal

e do sificada que o psicólogo faz ao paciente,familiares,pais e grupos dos resultados obtidos SEGUNDO OBJETIVO PÓS DEVOLUÇÃO O segundo objetivo constiste em observar a resposta verbal e pré verbal do paciente e seus familiares ante a infomação passada pelo psico PONTO DE VISTA DO PACIENTE Com chd a devolução de informação fundamenta -se em: 1- A comunicação não pode ser só do paciente para psicólogo ,mais sim circular ,paciente,psicólogo e vice versa,o fato de ser chd não pode priva-lo desse tratamento 2-No exame psicologico a um processo no qual a identidade do paciente é atacado ,onde certos aspectos o sujeito reconhece (identidade manifesta0e outros aspectos não reconhece (identidade latente)Então deve -se reitegrar essa identidade latente ao paciente 3- Se essa reintegração não se produz o paciente fica ligado ao psicologo em uma relação objeto que o privou e o psicólogo experimenta dificuldades em conseguir uma boa separação ,porque sente -se em divida com o paciente 4- Terceiro excluido=Se não for feito a devolução com o chd ele sente sua identidade depositada nos pais ou psicólogo ,já que seu problema é o motivo central da consulta PONTO VISTA DOS PAIS DO PACIENTE É impressendivel a devoluçãode informação aos pais que vem consultar por um filho: 1-Eles pediram a consulta para saber o que se passa com esse filho,ou com todo grupo familiar e é preciso que conheçam a opinião de um profissional.Se nada for-lhes dito aumentam as fantasias ,suspeitas de doenças graves. 2-Porque é preciso reintegrar a imagem do filho,familiares,corrigida, ampliada ou restringida,que nem sempre coincide em tudo que eles trazem a consulta (Ex : Mostrando que o filho é diferente do que eles pensam ) 3- Se os pais não vem por iniciativa própria e sim (escola,pediatra)que encaminha ,a entrevista de devolução funciona como uma oportunidade para que consigam certo insight a respeito da situação real PONTO DE VISTA DO PSICÓLOGO Não são só os pais e pacientes que são beneficiados com a devolução mais tb os psicologos 1-A devolução de informação é recomendavel para preservar a saude mental do psicólogo ,restituindo ao paciente seus depósitos conscientes e inconsciente ,desta forma o psicólogo esta preservando sua saude mental . 2- O causal informativo é importante não só ao profissional que fara o psicodiagnóstico como tb ao terapeuta que ira atendelo ex:se a negação,se ele dissocia. 3-Para o psicólogo a devolução serve como resposta da realidade,de sua tarefa anterior ,ou seja suas hipósteses elaboradas e se consegue

planejar corretamente a tática de abordagem mais recomendada. 4- Instrumentalização da ansiedade = S e o sentimento angustioso se mantem dentro de certos limites e o ego do psicólogo consegue manter intacta sua capacidade de pensar ,instrumentalizar isso torna-sr um instrumento util ao longo da devolução o que permitira um insight mais feliz A TÉCNICA DA DEVOLUÇÃO Uma boa devolução começa com um bom conhecimento de caso que proporcione uma base firme para proceder com eficácia. 1- Concluidas as entrevistas,apli/ de testes,jogos (se for chd),temos que ter um amplo material para estudar,elaborar hipóteses explicativas e incluir a natureza familiar de cada membro. 2-Saber o que pode e o que não pode ser dito é importante .Com esses elementos podemos confeccionar um plano de devolução ,suficientemente flexivel para que se possa mudar durante o andamento e reação dos pacientes 3-Intorelancia verba por parte do paciente Ex: dizer esse não sou eu 4-Intolerancia não verbal ex: paciente começa tossir,chega atrasado. 5- Usar uma comunicação clara e utilizar o material de teste 6-Devemos desconfiar quando não há picos e se aceita td que o psico logo diz:QUEM NÃO É CAPAZ DE PERCEBER CERTO SOFRIMENTO ,DIFICILMENTE É CAPAZ DE ACEITAR AJUDA TERAPEUTICA TECNICA DE DEVOLUÇÃO AO PACIENTE O psicólogo tem que treinar a comunicação com a criança e td que a DEVOLUÇÃO A CRIANÇA chd gesticula ,dramatiza,tem tão ou mais importancia que a verbalização.A mensagem não verbal deve ser detectada e compreendida EX: coçar o olho ,desenhar gotinhas,mostrara com isso que esta triste. DEVOLUÇÃO AO ADOLESCENTE Tudo que se alica a chd ,só que mais dosificado para não feri-lo por um lado infantilizadou ou adultificando - o DEVOLUÇÃO A ADULTOS Observação da chd e adolescente se aplica ao adulto ,só que no adulto o que tem que prevalecer é a verbal sobre a pré verbal e caso prevaleça a pré verbal temos que ratificar o diagnóstico de mecanismos muito regressivos TÉCNICA DE DEVOLUÇÃO EM CASAL Na profissão de psicólogo é um trabalho muitas veze é fundamental MÉDICO X PSICÓLOGO fazer esse trabalho em parceria ,temos que pensar no paciente é uma comunicação verbal dosificada um acrecentando no trabalho do outro ENQUADRAMENTO Trabalhamos com 3 cadeiras em circulo para uqe o paciente sente -se com médico onde se sentir melhor.A duração da entrevista é de 60 a 90minutos e comunicar isso ao paciente MÉTODO TRABALHO Trabalhar sempre um homem e mulher = triangulo EVOLUÇÃO NEGATIVA PACIENTE Quando o paciente depois do diagnóstico não segue as indicações teraputicas CAPITULO 1 PSICODIAGNOSTICO UMA PRATICA EM CRISE OU UMA PRATICA NA CRISE? SITUAÇÃO DE/NA CRISE O fato novo o paciente quando vai a busca ajuda é porque ele não esE PSICODIAGNÓSTICO COMPREENSIVO ta conseguindo lidar sozinho com seus problemas e sua tentativas de resolução foram infrutigeras nesse caso temos que manter um relacionamente de dialogo isso significa incluir o paciente no processo psico diagnóstico fazendo assinalamentos

CRITICA AO PSICODIA/ COMPREENSIVO DEFESA O CAMPO

O psicólogo na tarefa diagnóstica ,deve limitar -se a fazer uma investigação Assinalamentos só devem ser feitos em circunstancias especificas na entrevista inicial caso o paciente demosntre bloqueio devido a nasiedade ou paralisação devido a angustia PSICODIAGNÓSTICO EM CRISE Em crise porque o psicólogo faz um psicodiagnóstico emcaminha para um profissional e ele vai e faz outro psicodiagnóstico CAPITULO 2 PSICODIAGNÓSTICO PROCESSO DE INTERVENÇÃO O vários sentidos de intervenção pode ser encontrado na pratica do psicodiagnóstico .Há portanto diferentes niveis de intervenção e atitudes diferentes de acordo com a postura teórica ou filosófica que adotarem . Seja no modelo tradicional ou compreensivo,Toda atuação do psicólogo é uma ação de intervenção cujo significado será dados pelo campo relacional que se estabelece entre as partes CAPITULO 3 PSICODIAGNÓSTICO FORMAL E AVALIAÇÃO INFORMAL No psicodiagnóstico são utilizados pelo menos 2 formas de avaliação: 1- A primeira ocorre de um trabalho sistematizado = psicodiagnóstico formal 2- A segunda ocorre decorrente a um processo mais pessoal pelo qual se avalia alguns aspectos da relação psicólogo-paciente que não são passiveis de ser analisado no processo convencional do psicodiagnóstico a esse processo chamamos de avaliação informal CAPITULO 6 REFORMULAÇÃO DO PAPEL DO PSICÓLOGO NO PSICODIAGNÓSTICO FENOMENOLÓGICO - EXISTENCIAL E SUA REPERCUSSÃO SOBRE OS PAIS No nosso dia a dia convivemos com objetos de uso recorrente ,pessoas ,familiares,filhos sem nos perguntarmos a respeito de seus significados.No entando quando a uma ruptura ou seja nos falta algo é que vamos perceber.No psicodiagnóstico fenomenologico -existencial tanto o psicólogo quanto o cliente estão organizando um quebra cabeça juntos com peças diferentes e essa será um trabalho em conjunto,não se trata dizer o que os pais ou a criança fizeram ,mais como compreendemos os comportamentos ,a visão desse relacionamento pais,e filhos ,não é dizer o que um fez ou deixou de fazer e sim como vejo esse relacionamento com o outro e a partir disso entenderemos a dinamica familiar e poderemos abrir com esse trabalho novas formas de dinã mica de relacionamento e abrir novas perspectivas de convivencia. CAPITULO 7 O PSICODIAGNÓSTICO FENOMENOLÓGICO E OS DESENCONTROS POSSÍVEIS Uma das dificuldades que encontramos no exercicio da profissão de psicólogo é o distânciamento entre teoria e pratica .Muito do que se passa hoje no contexto de atendimento ,não encontra eco em nenhuma abordagem teorica .Possibilitando cada caso a uma interpretação diferente para as atuações possiveis que necessitam ser avaliadas e algumas indefinições podem afetar o desempenho do psicólogo ao atender o cliente e um desses aspectos que podem interfirir nesse atendimento é nossas posições pessoais e idealistas .