Área de projecto – 12ºAno Produção de Biodiesel de óleos alimentares usados 1ª fase - Planificação 12ºA

Grupo de trabalho: André Gonçalves, Carla Carmo, Diogo Nova , Irina Buraga, João Ferro

Introdução
A actividade de Projecto Laboratorial (APL) tem como objectivo proporcionar aos alunos a hipótese de efectuarem um trabalho prático que se distancie do modelo mais conhecido de “execução de um protocolo”, e por sua vez, que se avizinhe de um modelo de um “projecto de investigação”. Para a realização deste mesmo “projecto de investigação” o grupo de trabalho deverá proceder a várias pesquisas de soluções para o tema proposto, à determinação de variáveis a controlar e ensaios laboratoriais para testar hipóteses. O uso de energias renováveis aliadas à preservação do meio ambiente tem despertado interesse cada vez maior em nível nacional e internacional principalmente a utilização de biocombustíveis em substituição aos combustíveis fósseis. Desta forma, em Portugal são produzidas, anualmente, 125 mil toneladas de resíduo de óleos alimentares usados, sendo o esgoto o seu principal destino, provocando graves problemas de funcionamento nas ETAR’s. Além de ser um problema para as ETAR’s e para o meio ambiente, a não utilização dos OAU’s é um desperdício de matéria prima, que pode ser utilizada na produção de sabão ou na produção de energia, na qual se inclui o biodiesel. Os óleos alimentares usados (OAU) surgem assim como um dos resíduos que se tornou numa opção atractiva para a indústria do biodiesel. Cada vez mais os óleos alimentares usados têm surgido como um resíduo a partir do qual é possível produzir biocombustíveis. Este facto constitui uma alternativa renovável, que resolve simultaneamente dois problemas ambientais: a reutilização/valorização de resíduos e a diminuição da dependência energética de combustíveis fósseis. Assim deste modo, um Biocombustivel ou um agrocombustivel, é um combustível de origem biológica não fóssil, por sua vez, este é produzido a partir de uma ou mais plantas. normalmente é

1

Cálculos prévios. Identificar questões . assim sendo. em casa e/ou na cantina da escola. em recipiente apropriados. a recolha de óleos de cozinha usados. que para o subproduto (sabão). este trabalho irá focar-se na produção de biodiesel a partir de óleos alimentares usados. Objectivos: Os objectivos para a realização desta actividade de projecto laboratorial.problema. são:      Pesquisar métodos de obtenção do Biodiesel. Efectuar. quer para o produto principal. o Biodiesel.Portanto. Reagentes. Planificar o trabalho laboratorial – material/equipamento. as transformações químicas e escrita das respectivas equações. Procedimento experimental. Identificar as operações unitárias envolvidas. através da elaboração de um diagrama sequencial das operações a realizar.   Identificar as vantagens e desvantagens do Biodiesel. Identificar as diferentes fases do porcesso de obtenção do Biodiesel. Segurança. 2 . correctamente.

do petróleo. mais económicos. Em 1890. a tabela abaixo indicada. Tabela 1 – Vantagens e desvantagens da utilização de Biodiesel Vantagens Pode ser utilizado directamente em Motores diesel de injecção directa. os óleos foram preteridos em relação aos derivados de petróleo. que surge da reacção de óleos ou gorduras. Diesel demonstrou um protótipo de um motor movido a óleo de amendoim. resume as vantagens e as desvantagens do Biodiesel. O biodiesel é um combustível que pode ser utilizado.Fundamento teórico: A história do biodiesel teve início nos finais do séc. quando Rudolf Diesel descobriu que os óleos vegetais poderiam ser utilizados como combustíveis. 2. XIX. na exposição mundial de Paris. com um álcool. O que é o Biodiesel? O Biodiesel é um combustível amigo do ambiente e renovável. Contudo. ao diesel convencional. apresenta algumas vantagens mas também alguns inconvenientes. puro (B100) ou em misturas com o gasóleo fóssil (Bxx). na presença de um catalisador. sem Necessidade de adaptação do motor O desempenho dos motores não regista diferenças significativas na utilização de biodiesel em relação ao diesel fóssil O biodiesel é mais seguro do que os combustíveis fósseis como o diesel ou o gás natural Contribui para a diminuição das emissões de gases com efeito de estufa Desvantagens Custos elevados de produção do Biodiesel torna-o pouco competitivo a menos que existam incentivos fiscais Abaixo dos 0º C podem existir problemas de passagem do biodiesel do depósito para o motor Pode causar a dissolução da pintura sendo necessário utilizar tintas resistentes Provoca a corrosão de componentes de borracha 3 . Este é biodegradável. que é obtido a partir da reacção química denominada de “transesterificação”. em motores diesel com vantagens em termos de emissões e de desgaste do motor. 1. Vantagens e Desvantagens do Biodiesel? O Biodiesel utilizado como combustível. nos anos seguintes. existentes nos vegetais e animais. e pode ser utilizado em alternativo. abundantes e com maior conteúdo energético.

Os ácidos gordos livres são responsáveis pela acidez dos óleos e gorduras. R2 e R3 representam grupos alquilo constituídos por átomos de carbono e de hidrogénio 4 . no caso de possuir duas cadeias de ácidos gordos é um diglicérido (DG) e se possuir três é um triglicérido (TG). que se chamam ácidos gordos livres e podem representar entre 0. Existem ácidos gordos que não se encontram ligados às moléculas de glicerol. o que faz dele um triglicerídeo. e também de água. Esta composição química é bastante importante porque influenciaas propriedades físicas essenciais do óleo.Vantagens Os gases provenientes da combustão não contêm SOx. o ponto de fusão. ou mesmo mais. 1. sendo no fundo ésteres de glicerol.3 a 2. duas ou três cadeias de ácidos gordos. Como são constituídos os óleos alimentares? Uma molécula de óleo vegetal é formada por três moléculas de ácidos gordos ligadas a uma molécula de glicerina. principais causadores das chuvas ácidas Redução na emissão de hidrocarbonetos aromáticos policíclicos (alguns destes compostos são cancerígenos) Desvantagens Pode também dissolver ou plastificar o asfalto Aumento nas emissões de aldeídos e de NOx 3.Esquema dos três tipos de glicéridos em que R1. que é um tri-álcool. como a viscosidade. quando se fala de óleos usados. Caso o éster de glicerol possua apenas um ácido gordo. Os glicéridos são o resultado de uma união entre uma molécula de glicerol e uma.0% da composição dos óleos. Os óleos e as gorduras são essencialmente constituídos por triglicéridos resultantes da esterificação de vários ácidos gordos pelo glicerol. toma a designação de monoglicérido (MG). etc. Fig.

1 Pré-tratamento de óleos alimentares usados (OAU) Como foi referido.Produção de Biodiesel O processo de produção de biodiesel compreende três fases principais: o prétratamento do OAU. O Diagrama abaixo indicado refere as principais fases do processo de obtenção do Biodiesel (operações a Realizar) Óleo Alimentar Usado (OAU) Filtração por gravidade e aquecimento NaOH ( Hidróxido de Sódio) Transesterificação Metanol Glicerina Biodiesel Diagrama 1. 4.Cada tipo de óleo origina um tipo de Biodiesel com características próprias e diferentes. a reacção de transesterificação acima descrita e a purificação da mistura resultante de ésteres metílicos (biodiesel). Contudo. 5 .Apresentação das diferentes fases de obtenção do Biodiesel 4. O ideal seria utilizar uma combinação de óleos que permitisse obter um Biodiesel com as melhores características possíveis. a maioria das matérias primas têm de sofrer um pré-tratamento antes de serem alimentadas à etapa que envolve a sua transformação em alquilésteres de ácidos gordos. as matérias primas utilizadas no processo de produção de biodiesel podem ser de diversas origens.

Fig. Pode tornar-se bastante demorada. As partículas removidas por filtração e os depósitos resultantes da decantação. Deste modo esta técnica permite que aos óleos alimentares usados (OAU) lhes sejam retiradas todas as suas impurezas para que se obtenha um Biodiesel mais puro possível. que por sua vez deve estar devidamente identificado (rotulado). A mistura passa através de um filtro que retém as partículas de sólido. pois este é um dos factores que poderá influenciar na qualidade do Biodiesel. É geralmente antecedida pela decantação. procede-se a uma recolha dos óleos usados. 4. poderão ser objecto de compostagem. utilizando um recipiente de recolha. após a recolha dos óleos usados. se ficar entupido pelas partículas sólidas. uma forma de valorização deste resíduo. de forma a torná-lo mais puro possível. ou serem encaminhadas para aterro sanitário. onde deve estar descrito o número de vezes que o óleo foi utilizado. para evitar a saturação do filtro.2 Quais as técnicas iniciais aplicadas na produção do Biodiesel? Na 1ª parte desta actividade de projecto laboratorial. deve-se proceder a uma filtração por gravidade do óleo recolhido.4. nomeadamente no caso dos OAU. 6 .Ciclo dos óleos Usados Na primeira fase. deixando passar o líquido. Deste modo a filtração por gravidade ocorre devido ao efeito da gravidade sobre a mistura a separar. ou seja. sobretudo se o filtro ficar saturado.

Na maioria dos casos. O Biodiesel transesterificado na forma mais comum utiliza metanol. 7 . Na prática. é sempre utilizado um excesso de álcool de modo a aumentar o rendimento em ésteres e permitir a separação do glicerol formado. deve-se proceder ao aquecimento de todo o óleo já filtrado de forma a retirar toda a água existente no mesmo. que é convertido para metóxido de sódio.3 Como se processa a reacção de transesterificação? Os triglicerídeos de origem animal. 5.Fig. neste caso utilizou-se como catalisador NaOH. em que os monoglicéridos e os diglicéridos são os intermediários.Filtração por gravidade Na segunda parte do processo de obtenção do Biodiesel. para produzir Biodiesel de ésteres metila (éster metila de ácido gordo). NaOH. 4. produzindo glicerol (subproduto) e o éster metílico de ácido gordo. embora o etanol também possa ser utilizado como álcool. reagem com o metanol. O processo global de transesterificação de óleos vegetais e gorduras é uma sequência de três reacções reversíveis e consecutivas. é utilizado um catalisador (por exemplo. na presença de um catalisador. Na ou KOH) de forma a acelerar a reacção.

onde o metóxido de sódio reage com os triglicéridos. Os alcóxidos. formando o metóxido de sódio.Portanto. No segundo passo. este processo tem vindo a ser amplamente praticado à escala industrial. 3. através da reacção de um álcool com uma base forte. Fig. conduzindo a rendimentos muito elevados num reduzido tempo de reacção (cerca de 30 minutos é suficiente). A transesterificação por catálise básica ocorre em dois passos. nomeadamente o metóxido de sódio. Em condições alcalinas. R3 e R’ representam os grupos alquil a) Transesterificação por catálise básica A transesterificação por catálise básica é o mecanismo mais utilizado para produção de biodiesel. sendo um processo rápido que envolve reagentes e equipamentos de menor custo.Três reacções consecutivas e reversíveis. ocorre a transesterificação propriamente dita. aparenta ter menos consequências ambientais nocivas. pois apresenta taxas de conversão bastante elevadas. Inicialmente. 2-Reacção de transesterificação Fig. além da extensa investigação laboratorial. R2. nada mais do que a separação da glicerina do óleo vegetal. a presença de água pode provocar a hidrólise de alguns ésteres e a consequente saponificação. são os catalisadores mais activos. processo que não só desactiva o catalisador 8 . Deste modo. geralmente o hidróxido de sódio. Além disso. R1. entende-se por este processo de transesterificação.

em que no caso da produção de Biodiesel. Fig. após a transesterificação é necessário a existência de um andar de purificação. 6. a glicerina ficará no final da ampola e o Biodiesel ficará por cima (Biodiesel Cor de mel. É por isso de extrema importância que quer o óleo quer o álcool utilizados no processo de transesterificação tenham um baixo teor em água. utilizando uma ampola de decantação. Nesta situação verifica-se uma redução do rendimento da produção de ésteres associado a um aumento de dificuldade tanto na recuperação como na purificação do Biodiesel. processo físico que consiste na separação de dois líquidos. tais como os monoglicéridos e os diglicéridos.como conduz à formação de sabões.cor castanho . com base na diferença de densidades dos líquidos. Este processo permite separar dois ou mais líquidos imiscíveis (que não se misturam). Por esta razão. após a adição do metóxido de sódio terá de se proceder à realização de várias decantações. Numa posterior fase. Glicerina .Decantação de dois líquidos recorrendo a uma ampola de Decantação 9 . mas em muito menor quantidade.4 Purificação mistura resultante de ésteres metílicos (biodiesel) Na fase de Biodiesel ficarão as moléculas de triglicéridos não convertidas ou semiconvertidas. para tal utiliza-se um funil de decantação. 4.escuro). bem como água e as impurezas acima referidas.

Quais são os produtos obtidos a partir da reacção de transesterificação? Os produtos da reacção são.0 0.0 6. é necessário fazer-se um tratamento com o objectivo de conseguir o maior grau de pureza possível. essencialmente. Quais os parâmetros de qualidade do Biodiesel? Tabela 2 – Parâmetros de conformidade do Biodiesel. A glicerina representa cerca de 10% do produto formado na reacção de produção do biodiesel. por isso. o álcool e ácidos gordos livres na forma de sabões. Os produtos são ésteres de ácidos gordos (80-90%) e glicerina (10-20%). assim como o metanol e o metóxido de sódio que não reagiram. que irão formar duas fases distintas. A glicerina mais densa arrasta consigo a maioria das impurezas existentes. de acordo com a norma europeia EN 14214:2009 Propriedades Teor em ésteres Densidade a 15ºC Viscosidade a 40ºC Ponto de inflamação Teor em enxofre Resíduo carbonoso (nos 10% do resíduo de destilação) Índice de cetano Teor em cinzas sulfatadas Teor em água Contaminação total Estabilidade à oxidação. As principais impurezas presentes na glicerina.5 860 3. responsáveis pela sua solubilidade na água. três grupos (-OH) que são hidrofílicos e. o Biodiesel e a glicerina. Glicerina segundo IUPAC é propano-1. 110ºC Índice de iodo Unidades % (m/m) kg/m3 mm2/s ºC mg/kg % (m/m) Mínimo 96. são o catalisador.2. 5. apresentando valor comercial. oriunda da produção de biodiesel.00 10.3 % (m/m) mg/kg mg/kg horas g I2/100g 51. tal como os sabões.50 101 - Máximo 900 5.0 - 0. Por este motivo.3-triol apresenta.5.02 500 24 120 10 .

A norma impõe limites para diversos parâmetros físicos e químicos e define quais as normas de ensaio a serem utilizadas para a avaliação destes parâmetros. procedeu-se à construção das seguintes questões .0 A qualidade do Biodiesel é regulada através da norma europeia EN14214 (Tabela 2).20 0. se formam paralelamente com o Biodiesel e qual o nome da reacção que lhes dá origem?  Qual o papel desempenhado pelo hidróxido de sódio na reacção de preparação do Biodiesel? 11 .20 0.problema: Para a realização desta actividade de Projecto Laboratorial.20 0.0 4. Identificação das questões . os compostos sólidos que.80 0.  Quais os problemas de poluição relacionados com a produção de Biodiesel?  De que modo é possível produzir Biodiesel a partir dos óleos alimentares?  Qual a designação da reacção subjacentes à preparação do Biodiesel?  Como se designam genericamente. eventualmente.25 5.problema:  Será possível obter a partir de óleos alimentares Biodiesel de um rendimento de 100%? . 6.02 0.Éster Metílico do ácido linolénico Ésteres metílicos polinsaturados (4 duplas ligações) Teor em metanol Teor em monoglicéridos Teor em diglicéridos Teor em triglicéridos Glicerol livre Glicerol total Metais alcalinos Teor em fósforo % (m/m) % (m/m) - 12 1 % (m/m) % (m/m) % (m/m) % (m/m) % (m/m) % (m/m) mg/kg mg/kg - 0.

2ª Fase: Filtração do óleo Alimentar: Material e equipamento: .Papel de filtro ou pano. Reagente: .Recipiente para guardar o óleo já filtrado  Procedimento Experimental: 1. Ensaio 1º Ensaio 2º Ensaio Volume de óleo a utilizar (ml) 100 ml (BD100) 500 ml (BD500) Esta actividade Laboratorial pode ser divida em diferentes fases: 1ª Fase: Recolha dos óleos Alimentares Usados (OAU):  Recipiente de Recolha do óleo Usado (dever ser identificado correctamente.Gobelé de 250 ml – 4. Materiais e Reagentes e Procedimento experimental Implementado: Nesta actividade laboratorial irá proceder-se à realização de dois ensaios para diferentes volumes de óleo Alimentar usado (OAU).Se o óleo ainda contiver impurezas deve-se proceder a mais do que uma filtração.Suporte para filtração por gravidade-1.2. .1 2. 1 A filtração deverá ser realizada a todo o óleo recolhido 12 .Funil de Vidro .Proceder à realização de uma filtração por gravidade ao óleo alimentar usado recolhido previamente.óleo alimentar usado (OAU) .7. contendo o número de vezes que o óleo foi utilizado) (Rotulado). . .

. .Óleo alimentar usado (OAU) já filtrado 4ª Fase: Preparação do metóxido de Sódio Material e equipamento: .Garra-1.Gobelé de 600 ml .Termómetro-1. .Balança digital-1  Procedimento Experimental: 3. . . utilizando uma placa de aquecimento e um agitador magnético até cerca de 100 ºC.Balança digital-1. Reagentes: . .Suporte Universal -1.O aquecimento tal como para a filtração.Aquecer o óleo usado.3ª Fase: Aquecimento do óleo previamente filtrado (Remoção de água): Material e equipamento: .Hidróxido de Sódio (NaOH).Metanol (CH3OH) .Pesar o Gobelé que contém a quantidade de óleo aquecer e registar o valor.Placa de aquecimento com agitador-1.2 5. Reagente: . deverá ser feito para todo o óleo alimentar já previamente filtrado 13 . .Pesar o Gobelé que contém o óleo aquecido. -Vareta de Vidro-1.Gobelé de 100 ml-1.Agitador magnético-1. e registar o valor. .1 2 . 4.Pipeta volumétrica de 10 ml.Determinar a massa de água perdida. . 6. .Espátula .2.

14.Vareta de vidro-1.1. 13. Procedimento Experimental: 7.O volume de Metanol a medir diz respeito ao 1º Ensaio a realizar para um volume de 100 ml de óleo alimentar 3 14 .Com o auxílio de uma pipeta volumétrica medir 20 ml de Metanol e adicionar ao Gobelé que contém o hidróxido de sódio pesado anteriormente4. . . e o volume a medir de Metanol é 100 ml.Metóxido de Sódio (Metanol + Hidróxido de Sódio). -Agitador magnético .Dissolver o hidróxido de Sódio no Metanol com o auxílio de uma vareta de vidro.1 Reagentes: .Placa de aquecimento com agitador-1. .Manter a solução sob agitação magnética por aproximadamente 20 minutos. 10. 12. 9.45g de Hidróxido de Sódio3.1.Funil de vidro-1. . .Misturar a solução preparada no passo 9 do procedimento experimental ao óleo aquecido (100 ml de óleo . 500 ml de óleo – 2º Ensaio). .Colocar a mistura numa ampola de decantação e deixar repousar por 30 minutos. 8.Após o repouso.1º Ensaio. 5ª Fase: Sedimentação e decantação Material e equipamento: .A massa de Hidróxido de Sódio diz respeito ao 1º Ensaio a realizar para um volume de 100 ml de óleo alimentar 4.Com o auxílio de uma balança digital pesar 0.Para o segundo ensaio a massa a pesar de Hidróxido de sódio é 2. proceder à decantação (Glicerina no fundo da ampola – cor castanha – escura).Ampola de Decantação .Óleo aquecido anteriormente  Procedimento Experimental: 11.Erlenmyer de 250 ml.27 g.

Adicionar lentamente água destilada à ampola de decantação. 19.Medir o pH da água com o auxílio de papel indicador.Rolha-1.Gobelé de 250 ml-1. 21.Papel indicador de pH. adicionar Sulfato de Sódio à mistura.Repetir o processo até a água retirada apresentar um pH próximo de 7 e que não forme bolhas de Sabão. 18.Agitar suavemente a mistura e deixar repousar a mistura por 5 minutos. 17. 22.Realizar uma nova filtração para a remoção de Sulfato de Sódio. . .Espátula. ou bolhas à superfície. 20. .Ampola de Decantação – 1.Garrafa de esguicho c/ água destilada-1 Reagentes: -água destilada.Gobelé de 600 ml-1. 23.Obtenção de Biodiesel 15 .Retirar a água depositada no fundo da ampola. o liquido deve ser novamente lavado com água. . .Filtrar a mistura utilizando o papel de filtro.Com o auxílio de uma espátula. . 5) Perigosidade: . . 16. 24.Papel para filtração ou pano-1. .Se aparecerem substâncias esbranquiçadas. .Sulfato de Sódio (Na2SO4)  Procedimento Experimental: 15.Vareta de vidro-1. .Suporte para filtração por gravidade.6ª Fase: Lavagem e Secagem Material e equipamento: .Funil de vidro-2.

45 g de Hidróxido de Sódio 150 ml ------------------------0.45 g 2. Cálculos prévios: Para a pesquisa desta actividade laboratorial.x X= X= 20 ml de Metanol 9.30 ml 100 ml------------------------.68 g 100 ml------------------------. Perigosidade : 16 .30 ml 500 ml------------------------.27 g 20 ml 100 ml  Cálculos realizados: o Para calcular a massa de hidróxido de Sódio para um volume de 100 e de 500 ml: 150 ml ------------------------0.27 g de Hidróxido de Sódio o Para calcular o volume a pipetar de Metanol para um volume de 100 e de 500 ml: 150 ml -----------------------.8.68 g Volume de Metanol (ml) 30 ml Mas o grupo decidiu realizar outros ensaios para avaliar a qualidade do Biodiesel e o rendimento obtido.x X= X= 2. Ensaio Volume de óleo (ml) Massa de Hidróxido de Sódio (g) Volume de Metanol (ml) 1º Ensaio 2º Ensaio 100 ml 500 ml 0.x X= X= 100 ml de Metanol 150 ml -----------------------.68 g 500 ml------------------------.x X= X= 0. o procedimento inicial adoptava para : Volume de óleo (ml) 150 ml Massa de Hidróxido de Sódio (g) 0.

R23/24/25. usar equipamento de protecção para olhos e cara Não respirar poeiras. S26. exposição contínua Tóxico R11. S36/37/39. S45 Usar vestuário de protecção apropriado e luvas apropriadas. evitar contacto com a pele e com os olhos Irritante para a pele. S36/37. o grupo procedeu a uma pesquisa sobre a perigosidade no manuseamento dos reagentes em estudo: Reagente Hidróxido de Sódio (NaOH) Símbolo de aviso Significado Corrosivo Frases de risco e de Cuidados a ter segurança R35. irritante para os olhos EPIS Bata Luvas Óculos Máscara Sulfato de sódio Irritante S-22-24/25 R 37-38 R42-43 Bata Luvas Óculos Máscara Metanol A Bata Inflamável e S1/2. Luvas pode causar lesões Óculos nos olhos. Pode deixar a pele Máscara seca e quebradiça. S1/2. S7. S16. S45 Irritante. 17 .Para a realização desta planificação da APL2. R36/38.