8 - COMO AVALIAR O RISCO DE INTOXICAÇÃO Para que ocorra uma doença ocupacional, é necessário que exista uma exposição

, ou seja, a dose que o trabalhador recebe de manganês. Existem diversos fatores intervenientes na exposição, que devem ser conhecidos para que se estime o risco de uma dose excessiva. Inicialmente deve-se conhecer a forma como o manganês se encontra no ambiente e em que é transformado durante o processo produtivo. Para isto, precisamos conhecer, em detalhe, o processo, verificando sobretudo, a possibilidade de liberação de material particulado. Processos a frio, como carregamento, moagem etc, tendem a produzir poeiras, que podem ser classificadas como inaláveis, com partículas com diâmetro aerodinâmico próximos a 100 micrometros, ou de penetração torácica inferiores a 25 micrometros. Já os processos a quente, como fundição, siderurgia e soldas, originam fumos de manganês, material particulado extremamente fino, predominando partículas da ordem de 1, ou menos, micrometros. Uma vez verificada a presença e a forma do manganês, devese estimar a possibilidade que existe de um trabalhador, ao exercer uma dada função, respirar estas poeiras ou fumos, e por quanto tempo. Para isto, as atividades ou tarefas de cada função devem ser, cuidadosamente, observadas. Para aquelas funções onde se identificou a possibilidade de exposição é recomendada uma avaliação preliminar. Esta se fará inicialmente, juntando a população de trabalhadores em grupos homogêneos em relação a este risco e selecionando, aleatoriamente, trabalhadores para representar todo o grupo, seguindo critérios estatísticos de amostragem. A estimativa do nível de concentração na zona respiratória de cada trabalhador escolhido deve ser realizada com bombas portáteis fixadas ao próprio trabalhador e a coleta do material particulado em filtros membrana de ésteres de celulose. Ressalta-se que em operações a quente, é comum que os trabalhadores usem protetores faciais. Neste caso, o amostrador deve estar atrás do protetor, junto ao nariz, coletando realmente o ar que o trabalhador está respirando. Os filtros são posteriormente submetidos à análise por espectrofotometria de absorção atômica, ou espectroscopia de emissão de plasma (ICP). As coletas devem cobrir pelo menos 80% da jornada de trabalho para que cada amostra represente a média ponderada pelo tempo para o trabalhador amostrado. A média geométrica

Ressalta-se que concentrações superiores ao novo limite proposto pela ACGIH ainda são .PPRA como prevê a NR-9 3. neste caso. condições climáticas. especificando-se apenas o elemento manganês ou seus compostos inorgânicos (dosados como Mn). fabricação de vidros especiais e cerâmica. fabricação de pilhas secas e baterias. este novo Limite de Exposição Ocupacional. fabricação e uso de eletrodos de solda. como há possibilidade pela atual redação da NR-9 3. para exposições referentes à extração. A legislação brasileira estabeleceu ( NR 15 3 ) em 5 mg/m3 o. de um determinado grupo homogêneo de trabalhadores.das médias ponderadas pelo tempo. transporte do minério ou outras operações que envolvam poeira de manganês ou de seus compostos. independentemente de ser poeira ou fumo. Uma vez estimado o nível de exposição do grupo em um dado período. dificilmente será observado na maioria dos locais de trabalho. fabricação de produtos químicos. moagem. pois trata-se de uma redução de 25 vezes na concentração ambiental para o caso das poeiras e de 5 vezes para os fumos. assim chamado. variações do processo produtivo etc. Todo o conjunto de avaliação deve ser repetido sistemática e periodicamente dentro de um Programa de Prevenção de Riscos Ambientais .American Conference of Governmental Industrial Hygienists . Se aplicável ao Brasil. Limite de Tolerância para a poeira de manganês. é o Limite de Exposição Ocupacional.2 mg/m3. No caso de exposição a fumos de manganês. Mas esta entidade está propondo modificações para 1996. será a média atribuída a todo o grupo e esta será a estimativa da exposição do grupo num dado período amostrado. Os limites da legislação brasileira coincidem com a atual recomendação da ACGIH . para estimar a influência de fatores intervenientes como turnos. Estas determinações devem ser repetidas em tantos outros períodos quanto necessários. tratamento. fabricação de compostos de manganês.USA. tintas e fertilizantes ou outras exposições a fumos de manganês. considerando jornadas de até oito horas diárias. sendo referidas as seguintes operações: metalurgia de minerais de manganês. este valor deve ser comparado com um valor de referência que. devendo este limite ser reduzido para 0. o limite legalmente estabelecido no Brasil é de 1 mg/m3.

Mas. a metade do Limite de Exposição Ocupacional. ainda teremos a possibilidade de aparecimento de algum sinal ou sintoma. o que representa a maioria das exposições usualmente encontradas. se respeitado. O Nível de Ação. e coincidindo com o disposto na NR-9 3. com uma tendência de redução constante de acordo com o avanço dos conhecimentos. O risco de intoxicação ocupacional para um trabalhador exposto a manganês só será zero se o manganês for eliminado do processo produtivo. Para operações de solda. em avaliações ambientais realizadas no Brasil. como relatado na proposta de redução da ACGIH. Sob o ponto de vista legal. depois. quando os níveis de exposição medidos como já foi referido. analisar o . Quanto maior a variabilidade. com relativa facilidade. contudo nunca será zero. Deve ser lembrado ainda que. O Nível de Ação é. atingirem ou ultrapassarem o Nível de Ação. Por isto os Limites de Exposição Ocupacional são dinâmicos em relação ao tempo. É neste marco que será feita uma abordagem inicial para.COMO EVITAR A INTOXICAÇÃO Tradicionalmente.encontradas. porém. por exemplo. um trabalhador deve ser considerado exposto e ser submetido à Monitorização Ambiental e Biológica e Controle Médico. este valor equivale a 15% do Limite de Exposição Ocupacional. os aspectos preventivos são tratados segundo o modelo epidemiológico da história natural de uma enfermidade em três níveis de atuação. Porém. do ponto de vista técnico deve ser considerado como guia de orientação e como um parâmetro que. menor será o Nível de Ação. os Limites de Exposição podem ser considerados como um nível de exposição acima do qual este ou aquele benefício é devido aos trabalhadores. tendo em vista os efeitos graves e irreversíveis causados por esta exposição. 9 . mesmo respeitando-se os Limites de Exposição Ocupacional. do ponto de vista técnico. de uma forma geral. este objetivo deveria ser proposto para ser implantado num cronograma a ser discutido pelos copartícipes sociais envolvidos no problema. é função da variabilidade das exposições encontradas. a maioria dos trabalhadores estará protegida e a possibilidade de aparecimento de desvios da saúde será bastante reduzida.

é o enclausuramento. A robotização tem trazido soluções muito importantes no sentido de tornar desnecessária a presença do trabalhador em locais que envolvem riscos para a saúde. férias. Medidas preventivas que se referem mais diretamente à pessoa do trabalhador. isolando-o no ponto de origem. dos determinantes político-sociais da intoxicação. Para alguns de seus usos ainda não se encontrou substituto o que faz prever que durante muito tempo será ainda utilizado. Estes métodos preventivos podem ser considerados como um trabalho sem risco e deveriam ser escolhidos prioritariamente. salário. tratando precocemente a intoxicação. Uma das maneiras de se conseguir este isolamento é a automatização do processo de maneira que o operador não necessite entrar diretamente na área de produção. detectando a sintomatologia inicial. A substituição do manganês nos processos industriais nem sempre é. impedindo que o trabalhador tenha contato com o agente. não só a física mas também a reabilitação profissional bem como o ressarcimento previdenciário das conseqüências do dano à saúde. A prevenção de uma doença profissional causada por uma carga química poderá ser planejada de acordo com a seguinte sequência: eliminando o agente. Outro modo. tecnologicamente. no carregamento da carga de manganês nos fornos de siderurgia. bom relacionamento no trabalho. mais holística. (não deixa de ser um tipo de automatização). por exemplo. treinamento sobre uso de medidas protetoras. possível. Nestas medidas promocionais da saúde podem ser incluídas boas condições de alimentação. Uma outra medida preventiva a ser pensada é o afastamento do trabalhador da área de risco. visando promover sua saúde são também consideradas da maior importância para a prevenção. Pode ser utilizada.assunto por meio de uma visão epidemiológica. avaliando biologicamente o nível de exposição. dificultando a penetração e absorção pelo organismo. etc. habitação. porque eles praticamente independem da vontade do trabalhador ou de sua chefia para serem usados corretamente. onde a operação que desprende a carga química prejudicial é mantida completamente fechada e o trabalhador a opera do lado de fora. reduzindo o dano da doença pela reabilitação. . higiene pessoal.

conforme já foi analisado. em grau maior ou menor da vontade do trabalhador ou das chefias. de maneira a reduzir o número de expostos. No caso do manganês. . numa etapa mais avançada. se esta já se tiver instalado. adotando medidas específicas de prevenção que são os equipamentos de proteção individual. não incluiu o manganês entre os parâmetros para controle biológico da exposição ocupacional a alguns agentes químicos. de certa forma. a segregação. ventilação local exaustora e ventilação geral diluidora ( têm como finalidade retirar as cargas químicas do ambiente ou reduzir a sua concentração ) Outras medidas coletivas de importância são a ordem e limpeza no local de trabalho. pensar-se-á em dificultar que a carga química atinja o trabalhador.ou em certas horas com menos movimento ) ou no espaço ( executar a operação num local mais distante da área habitual de produção ). Começará. (trabalhar só a noite . Como índice de exposição. Isto poderá ser feito numa primeira etapa por meio dos indicadores biológicos de exposição e. etc. que consiste em procurar detectar como o trabalhador está reagindo a este toxicante. que consiste em limitar a área de maior risco no tempo. protetores respiratórios. Entre estes métodos podem ser citados a umectação (de grande importância em certas fases da mineração). guarda pouca correlação com a intensidade da exposição e com o desenvolvimento da enfermidade.Os métodos coletivos de proteção vêm a seguir em termos de ordem de prioridades. tais como. o manganês penetrará no organismo. avaliando o grau de comprometimento orgânico por meio de índices de intoxicação. estas medidas que. então. a manutenção correta dos equipamentos com especial atenção ao sistema de ventilação ( os filtros devem ser objeto de cuidados muito especiais ) No caso de não conseguir implantar estas medidas de manter um trabalho sem risco ou assegurar um trabalho protegido por medidas de proteção coletiva. Se as medidas preventivas até aqui assinaladas não forem adotadas. Sua utilização já depende. não controlada. tentam limitar os efeitos do dano à saúde ocasionados pela exposição. luvas. ao manganês. calçados de segurança. conforme já foi visto. são muito pouco eficientes. na urina ou nas fezes. a dosagem de manganês no sangue. um outro nível de ação preventiva. A legislação brasileira que estabelece as diretrizes do programa de controle médico de saúde ocupacional.

sempre que estes limites forem ultrapassados. (boxes 2 e 3) Box 2 . na reintegração. uma série de indicações que. e de controle. infelizmente frequente. o trabalho não deveria ser permitido e o empregador instado. Ela identifica graves falhas na prevenção. resumidamente. considera como insalubre em grau máximo ( adicional salarial equivalente a quarenta por cento do salário mínimo da região ) as atividades e operações realizadas com o manganês. 3 além de estabelecer o Limite de Tolerância já referido. a reabilitação será muito importante não só para a recuperação física do paciente. Considerando a gravidade da intoxicação. não tem muito sentido aguardar esta etapa do acompanhamento da saúde dos trabalhadores expostos para agir. Sem a correção destas falhas. No caso. serão comentados a seguir. de alguma forma. assim como o afastamento imediato do trabalho no caso de qualquer sinal ou sintoma que possa lembrar os efeitos do manganês. poderá envolver necessidade de tratamento hospitalar. da NR 15. Enumera. poder-se-á reduzir a intensidade dos seus efeitos com um tratamento bem conduzido. O anexo 12. também. devem ser conhecidas pelos trabalhadores e pelos profissionais que intervêm nos ambientes de trabalho onde haja manganês. são os seus aspectos legais que. como também e principalmente. são requeridos cuidados especiais para a prevenção das escaras de decúbito. a saná-las. Este tratamento. um bom exame clínico. de sequelas. além do esquema medicamentoso já referido.Recomendações e medidas de prevenção. Nos casos muito adiantados onde o paciente permanece constantemente no leito. legalmente indicadas para as operações com manganês e seus compostos: . resta identificar muito precocemente a sintomatologia para afastar o paciente da exposição antes que seu estado de saúde se agrave. com ênfase na anamnese ocupacional e na semiótica neurológica serão imprescindíveis. Um aspecto de grande significado para os que trabalham com manganês.Não havendo indicadores conhecidos até o momento que sejam confiáveis. Neste sentido. deste paciente na força de trabalho. educacional ou coercitivamene. pela sua significância. Se apesar de todas estas medidas ocorrer a intoxicação.

d) exames periódicos de acordo com os tipos de atividades de cada trabalhador. admissionais e periódicos. h) controle da poeira a níveis abaixo dos permitidos. variando de períodos de 3 a 6 meses para trabalhadores de subsolo e de 6 meses a anualmente para os trabalhadores de superfície. f) uso de máscaras autônomas para casos especiais e treinamentos específicos. c) ventilação adequada. g) rotatividade das atividades e turnos de trabalho para os perfuradores e outras atividades penosas. por pequenos períodos. de órdem médica e de higiene.Precauções legais. antes de reiniciarem os trabalhos. b) exames adicionais para as causas de absenteísmo prolongado. . c) não admissão de empregado portador de lesões respiratórias orgânicas. em áreas altamente contaminadas. acidentes ou outros casos. doença. Box 3 . obrigatórias para todos os trabalhadores expostos às operações com manganês e seus compostos: a) exames médicos. para trabalhos. e) análises biológicas de sangue. d) uso de equipamentos de proteção respiratória com filtros mecânicos para áreas contaminadas. b) perfeita ventilação após detonações.a) substituição de perfuração a seco por processos úmidos. afastamento imediato de pessoas com sintomas de intoxicação ou alteração neurológicas ou psicológicas. do sistema nervoso central e disfunções sanguíneas para trabalhos em exposição ao manganês. durante os trabalhos em áreas confinadas. e) uso de equipamentos de proteção respiratória com linha de ar mandado.

que. é um direito do trabalhador exposto contar com profissionais que asseguram condições adequadas de trabalho. a partir de 50 trabalhadores. ainda.2. terá que contratar 2 técnicos de segurança. . o trabalhador está protegido. Nesta norma.os dois últimos em tempo parcial). seja.3: "Outros exames complementares usados normalmente em patologia clínica para avaliar o funcionamento de órgãos e sistemas orgânicos podem ser realizados. ou ainda decorrente de negociação coletiva de trabalho". ou por notificação do médico agente de inspeção do trabalho. O médico poderá basear-se em seu tirocínio clínico e no item 7. pelo Programa de Prevenção de Riscos Ambientais previsto na NR 9. h) proibição de se tomarem refeições nos locais de trabalho. ainda há referências a várias providências a serem adotadas no caso de constatação de danos à saúde causados pela exposição a cargas de trabalho de origem química como: quando emitir a comunicação de acidente do trabalho . tanto no que se refere ao ambiente de trabalho como aos danos que o manganês possa ocasionar a sua saúde. etc.CAT. Portanto. critérios de afastamento do trabalho. encaminhamento à Previdência Social. g) troca de roupa de passeio/serviço/passeio. as empresas que trabalham com manganês são consideradas como de risco 4 ( é o de maior nível e implica.4. seja pelo que prescreve a NR 15 como a NR 4. não há referência específica a exames para expostos ao manganês. a critério do médico coordenador ou encarregado. Na NR 7 que trata dos exames periódicos.f) banho obrigatório após a jornada de trabalho. 1 engenheiro de segurança e 1 médico do trabalho .SESMTs. deverá contar com os serviços de um técnico de segurança do trabalho e se o número de empregados estiver entre 101 e 250. Para fins de enquadramento previsto na NR 4 3 que trata dos Serviços Especializados em Engenharia de Segurança e Medicina do Trabalho . Em termos legais. em termos de dimensionamento de SESMT.

d) fabricação de pilhas secas e acumuladores. f) fabricação de vidros especiais e cerâmicas.Especificação legalmente estabelecida para a aposentadoria especial referente ao manganês. c) siderurgia.Agente químico patogênico . h) fabricação de tintas e fertilizantes. A legislação previdenciária 2 reconhece. em termos de legislação previdenciária. g) soldagem com eletrodos contendo manganês.l conforme Anexo II do Decreto 611/92 sobre os planos de Benefícios da Previdência Social 2. i) curtimento de couro.Manganês e seus compostos tóxicos.Os trabalhadores intoxicados. ( Lista das Doenças Profissionais ) Trabalhos que contêm o risco: a) extração. Box 4 . que os trabalhadores expostos podem aposentar-se com 25 anos de serviço permanente e habitual em trabalhos especificados no box 5. e) preparação de permanganato de potássio e fabricação de corantes. tratamento e trituração de pirolusita (dióxido de manganês). A forma de inserção do manganês na Lista de Doenças Profissionais pode ser visualizada no box 4. b) fabricação de ligas e compostos de manganês. Box 5 . têm sua enfermidade enquadrada como Doença Profissiona. também. .

fabricação de compostos de manganês.fabricação de pilhas secas. .extração. Mas será mesmo que estas medidas resolvem o problema do manganismo? . contendo compostos de manganês. são estas as medidas que se costuma elencar como suficientes e necessárias para assegurar a saúde dos trabalhadores que trabalham com o manganês. indústria de cerâmicas e outras operações com exposição permanente a poeiras de pirolusita ou de outros compostos de manganês. . Como se assinalou no início deste item. tratamento e trituração do minério por processos manuais ou semi-automáticos.fabricação de vidros especiais. tradicionalmente.. .