Código de Transito Brasileiro.

Transporte de Animais
As leis que regulamentam o transporte de animais doméstico no transito, em veículos de passeio. A lei nº 9.503, de 23 de setembro de 1997, que instituiu o novo Código de Trânsito Brasileiro, os artigos 235 e 252 estabelecem que normas que sendo que não permite. O artigo 235 não permita o transporte de animais em caçambas de veículos abertas de pick-ups, e nem com a cabeça pra fora da janela. O artigo 252 proíbe o motorista de dirigir com o animal em seu colo Essas atividades são consideradas, respectivamente, infrações graves e médias, gerando pontuação de 5 a 4 pontos. De acordo com o Denatran transporte de animais na parte externa do carro é uma infração grave, o motorista perde cinco pontos na carteira de habilitação e a multa é de R$ 127,69 sendo que a penalidade para o transporte de animal solto dentro do carro é R$ 85,90. Para maior segurança do condutor e do animal o motorista deve conduzir o animal em um cinto de segurança especial feito para animais no banco traseiro do veiculo sempre transportado no banco de trás do veiculo ou através de uma caixa de transporte animal. O não comprimento dos artigos pode ressaltar em infração grave ou média para os condutores. Em viagens aéreas ou rodoviárias, cães e gatos transitam no País sem a necessidade da Guia de Trânsito Animal (GTA). É obrigatório, porém, o porte de atestado de saúde, emitido por um médico veterinário inscrito no Conselho Regional de Medicina Veterinária. No caso de outros animais que nos dia de hoje são considerados domésticos é necessários, a GTA, para as demais espécies de companhia, como aves, coelhos, furões ou iguanas,cobras é exigida a GTA, expedida por veterinário habilitado pelo Ministério da Agricultura ou pelo órgão executor da defesa sanitária nos estados. No caso de espécies silvestres, é necessária autorização do Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Renováveis (IBAMA).

Código de Transito Brasileiro. Transporte de Animais
No Brasil o transporte de aves cavalos e bovinos, suínos, ovinos e caprinos é feito basicamente por vias rodoviárias, com caminhões, carretas ou trailers. Além do

cumprimento das Leis do Código de Transito Brasileiro, o motorista deve atentar para as leis fiscais e sanitárias. O Código de Trânsito Brasileiro, não permite o transporte desses animais em camionetas, no caso do transporte feito através de trailer (reboques ou semi-reboques), rebocados por caminhonete, o tipo de habilitação varia de acordo com a capacidade e o peso bruto do veiculo. O peso bruto não excedendo 3500 kg a habilitação do motorista poder ser "B", o mesmo para os motoristas que transportam motos e jet-skis. (O entendimento pode ser amplo e divergente, cabendo regulamentação pelo CONTRAN). Devendo possuir uma habilitação especial, a mesma para veículos articulados, quando a capacidade de carga ultrapassar a seis mil quilogramas, cuja lotação exceda a oito lugares (passageiros) e enquadrada não categoria trailer, ou seja, necessário habilitação na categoria “E".No caso de caminhões de carga viva, o motorista deve possuir habilitação para o tipo de seu caminhão, de acordo com o peso bruto do veículo, podendo variar de “C” até a “E”, também deve estar atento ao limite de velocidade variando de 60 a 80 quilômetros por hora. Ainda no caso de caminhões com carroceria tipo Gaiola (carroceria de madeira), é obrigatório o fechamento da extremidade superior, tipo passeador, como medida para evitar acidentes, como animais pularem para fora do veículo em movimento. A multa no caso de irregularidade dos motoristas que estiverem puxando carretas ou trailers é de R$540 e o veículo só é liberado com a presença de alguém que possua a habilitação exigida. Todos os veículos de transporte de carga viva devem ter descrito de maneira clara, legível e aparente o termo CARGA VIVA. Nas rodovias o transporte de qualquer carga viva tem prioridade de tráfego, ou seja, um caminhão transportando cavalos não ficará retido mesmo que apresente alguma irregularidade "desde que não ameace a segurança do tráfego", como no caso de um veículo com licenciamento vencido. O policial (autoridade coatora) deverá efetuar a multa e liberar o veículo em seguida. No caso do transporte os cavalos suportam cerca de 20 horas de viagem sem paradas, desde que, bem embarcados e acomodados, mas, é bom não chegar a esse tempo, mesmo porque o animal pode apresentar problemas de stress, circulação e inchaços, além de poder constituir maus tratos aos animais pelo não oferecimento de alimento e água fresca. O veiculo deve sempre possuir as devidas ventilações no compartimento do animal, isso em caso de baús e em caso de gaiolas deve cobrir com lonas para evitar chuvas e insolações.

agricultura. descrever o total de machos e o total de fêmeas a serem transportados. pois. O total de machos e de fêmeas deverá ser somado e escrito por extenso no item 10: TOTAL POR EXTENSO. . a fiscalização do trânsito de animais. que contém as informações sobre o destino e condições sanitárias. www. bem como a finalidade do transporte animal. Cada espécie animal possui uma norma específica para a emissão da guia de trânsito. Executores de defesa sanitária animal.br/animal//http://www. Imediatamente após a emissão da GTA deve ser realizada a baixa do quantitativo movimentado junto ao cadastro da exploração pecuária sob controle dos órgãos executores de defesa sanitária animal.sp. Sempre lembrar que cada GTA somente poderá ser emitida para uma espécie.gov. Essas quadrículas são mutuamente excludentes.gov. Os campos para a quantidade de animais deverão ser preenchidos discriminando os machos(M) das fêmeas (F) por faixa etária.741 de 30 de março de 2006. no caso de carregamentos envolvendo. de acordo com o cadastro e os registros sob controle dos órgãos.No caso do transporte de eqüino exemplo de garanhões e éguas deve ser separados. A movimentação somente pode ser autorizada caso exista saldo na respectiva faixa etária e Sexo envolvidos no trânsito e após verificação do cumprimento das medidas sanitárias estabelecidas na legislação. significando que. a apresentação de documentação é obrigatória. O documento oficial para transporte de animal no Brasil é a Guia de Trânsito Animal (GTA). Transporte de Animais segundo o Ministério da Agricultura O Ministério da Agricultura prevê no Decreto nº 5. deverá ser expedida uma GTA para cada espécie. Acesse no filtro de busca abaixo as informações referentes a cada uma delas. O assoalho deve estar em perfeitas condições e possuir um acessório (estrado ou piso emborrachado) que evite o escorregamento dos animais. No campo total. Seja qual for a via de trânsito.br GTA para o Transporte de Bovinos e Bubalinos Deve ser assinalada a quadrícula referente a “bovinos” ou a “bubalinos”.cda. podem causar lesões graves nos olhos dos cavalos. Muitos motoristas usam serragem porém esta não deve ser muito fina. bovinos e bubalinos.

Caso o estabelecimento não tenha um nome comercial.  UF: escrever a sigla. bairros. da Unidade Federativa onde se localização município descrito no campo acima. no Item . Nesse caso. os campos de procedência deverão indicar o local de realização do evento em questão.   Código do Estabelecimento: escrever o código do estabelecimento de acordo com o cadastro do órgão executor de defesa sanitária animal.17 “Observação” deverão ser registradas as GTAs (UF/Série/Nº). deverão ser registradas no Item “Observação” todas as respectivas GTAs que acompanharam o ingresso dos animais ao evento. vilas ou outras localidades do município. acompanhadas do nome do município de emissão.Até a implantação da GTA eletrônica em todas as UFs. . no caso do trânsito de animais com diferentes origens. Assim. repetir a informação quando for necessário. mesmo que seja o mesmo nome do produtor relacionado no campo anterior. como exposições e leilões. do produtor responsável pela exploração pecuária para onde os animais forem transportados. com duas letras maiúsculas. Atenção. colocar o nome da Pessoa Física ou Jurídica que detenha a posse do estabelecimento. ser preenchidos. Estabelecimento: escrever o nome completo do estabelecimento de procedência dos bovinos ou dos bubalinos. Município: escrever o nome completo do município no qual está localizado o estabelecimento indicado nos campos acima. com objetivo de facilitar o rastreamento dos animais. Que deram origem aos animais para participação no evento. com exceção do campo “Código do Estabelecimento”. No caso de aglomerações de animais.  Documentos de Procedência Principais Documentos para o preenchimento da GTA de bovinos e Bubalinos   O CPF ou CNPJ. Não usar a expressão “o mesmo” e sim. não empregar nomes de distritos.que acontecera até o ano de 2015 todos os campos deverão obrigatoriamente. de acordo com a base de municípios do IBGE.

Não usar a expressão “o mesmo” e sim. ser preenchidos. SIE ou SIM). responsável pela exploração pecuária para onde são destinados os animais. vilas ou outras localidades do município. obrigatoriamente.  Município: escrever o nome completo do município no qual está localizado o estabelecimento indicado nos campos acima. com duas letras maiúsculas. repetir a informação quando for necessário. todos os locais de aglomeração deverão estar cadastrados e possuir código de 11 dígitos. barras ou hífen. Os números não devem conter símbolos como pontos. Atenção. não empregar nomes de distritos. Após adoção da GTA eletrônica esse campo também será de preenchimento obrigatório. Os números não devem conter símbolos como pontos. com exceção do campo “Código do Estabelecimento”. obrigatoriamente. informar. mesmo que seja o mesmo nome do produtor relacionado no campo anterior. para onde os animais serão transportados.  CPF/CNPJ: escrever o número de “Cadastro de Pessoa Física” (CPF) ou o número do “Cadastro Nacional de Pessoa Jurídica” (CNPJ) do produtor responsável pela exploração pecuária para onde são destinados os animais. Com a implantação da GTA eletrônica. de acordo com o cadastro dos órgãos executores de defesa sanitária animal.  Nome: escrever o nome completo do produtor detentor do CPF ou do CNPJ registrado no campo anterior. Caso o estabelecimento não tenha um nome comercial colocar o nome da Pessoa Física ou Jurídica que detenha a posse do estabelecimento. o tipo e o número do serviço de inspeção (SIF. de acordo com a base de municípios do IBGE. · CPF/CNPJ: escrever o número de “Cadastro de Pessoa Física” (CPF) ou o número do “Cadastro Nacional de Pessoa Jurídica” (CNPJ) do produtor responsável pela exploração pecuária para onde são destinados os animais. da Unidade Federativa onde se localiza o município descrito no campo acima.  Estabelecimento: escrever o nome completo do estabelecimento de destino dos bovinos e bubalinos. barras ou hífen. escrever o código do estabelecimento de destino dos animais.  UF: escrever a sigla. No caso de estabelecimentos de abate.Documentos de Destino Até a implantação da GTA eletrônica em todas as UFs. todos os campos deverão. .  Código do Estabelecimento: quando disponível. bairros.

de acordo com as seguintes opções: · ABATE: bovinos e bubalinos destinados a estabelecimento de abate (abatedouros e frigoríficos) com inspeção veterinária oficial.Para casos em que um indivíduo/empresa adquira bovídeos e deseje que os animais sejam transportados direto para um frigorífico para abate. feiras ou outras aglomerações de animais. permitindo o estabelecimento de fluxos de comercialização de animais. · ESPORTE: bovinos e bubalinos destinados à participação em eventos esportivos como. realizados em propriedades rurais. Estabelecimento. Município e UF – dados do estabelecimento onde serão abatidos. feiras ou outras aglomerações de animais. · EXPOSIÇÃO: bovinos e bubalinos destinados à permanência temporária em parques de exposição. Quando da expedição do documento para saída dos animais do leilão. feiras ou outras aglomerações de animais. Para casos específicos de trânsito inter estadual. Principal Finalidade de Transporte de Bovinos e Bubalinos Somente pode ser indicada uma finalidade por GTA. OBS: Deve-se ter rigor no preenchimento dos itens 11 e 12. entre outras questões de importância sanitária. a Centros de Coleta e Processamento de Embriões (CCPE’s). envolvendo regiões . Por exemplo. escrever os números das GTAs que os acompanharam na chegada ao evento. A definição correta da procedência do destino dos animais é de fundamental importância para o sistema de defesa sanitária animal. vaquejadas e provas de laço. o campo destino poderá ser preenchido da seguinte forma: Nome e CPF/CNPJ – comprador dos animais. com objetivo de comercialização. visando posterior abate. à monta natural em propriedades rurais ou a outras atividades reprodutivas. parques de exposição. tanto no aspecto de rastreamento de problemas sanitários como na análise de dados. com objetivo principal de avaliação zootécnica. Também deve ser utilizada para movimentação de vacas cujo propósito seja produção de leite. · LEILÃO: bovinos e bubalinos destinados à curta permanência em parques de exposição. · ENGORDA: bovinos e bubalinos destinados a estabelecimentos rurais com a finalidade de ganhar peso. Código do estabelecimento. assinalando uma das quadrículas disponíveis. · REPRODUÇÃO: bovinos e bubalinos destinados a Centros de Coleta e Processamento de Sêmen (CCPS’s).

os animais devem estar acompanhados também dos exames negativos e válidos de brucelose e tuberculose. em grande parte. parte das regiões pantaneira e amazônica. empresas de pequeno porte. A produção de leite de cabra é de cerca de 21 milhões de litros e envolve. A ovinocultura tem representatividade na região Nordeste e no estado do Rio Grande do Sul. por meio da Coordenação do Trânsito e Quarentena Animais – CTQA. Pernambuco. BOVINOS E BUBALINOS – Nota de Produtor ou Nota Fiscal ou outro documento hábil da Secretaria da Fazenda. com ênfase para Bahia. 45.781/2001 e Seção IV do Anexo II. 03. Piauí e Ceará. III. para definição é padronização dos procedimentos necessários. GTA para o Transporte de Ovinos e Caprinos Instruções para movimentação de ovinos e caprinos ITENS 01. ITEM 06: CAPRINOS Deve ser assinalada a quadrícula quando do trânsito de caprinos. por exemplo. 04. (Seção XII do Dec. colocou o Brasil em 18º lugar do ranking mundial de exportações. os órgãos executores de defesa sanitária animal. com rebanho estimado em 14 milhões de animais. . A criação de caprinos. de 17-01-2002 ) de Criação de Ovinos e Caprinos no Brasil A caprinocultura e a ovinocultura têm se destacado no agronegócio brasileiro. distribuído em 436 mil estabelecimentos agropecuários. 08 e 09: Devem permanecer em branco. em conjunto com as SFAs. 1. As situações não previstas neste Manual de Saúde Animal deverão ser comunicadas ao DAS (Departamento de Saúde Animal). Seção XII do Anexo IV. como. pois estes itens referem-se a outras espécies animais.(Superintendência Federal de Agricultura Pecuária e Abastecimento) deverão estabelecer os controles que permitam a melhor definição da origem e do destino dos animais. 02.de difícil acesso e controle. SAA no. da Res. Carne. pele e lã estão entre os principais produtos. Grande parte do rebanho caprino encontra-se no Nordeste.Quando destinados à reprodução e para eventos de concentração. 05.

Caso o estabelecimento não tenha um nome comercial colocar o nome da Pessoa Física ou Jurídica que tem a posse do estabelecimento. ● Estabelecimento: escrever o nome completo do estabelecimento de procedência dos ovinos e caprinos. como o código da propriedade determinado no cadastro. da Unidade Federativa onde se localiza o município. . com duas letras maiúsculas. Documentos de Procedência ● CPF /CNPJ: escrever o número de “Cadastro de Pessoa Física” (CPF) ou o número do “Cadastro Nacional de Pessoa Jurídica” (CNPJ). ● Nome: escrever o nome completo da Pessoa Física ou Jurídica que receberá a posse dos ovinos e caprinos que serão transportados e a qual pertencem o CPF ou CNPJ inscrito na linha acima. ● Município: escrever o nome completo do município no qual está localizado o estabelecimento onde os ovinos e caprinos estão alojados e a partir do qual serão transportados. ● UF: escrever a sigla. ● Código do Estabelecimento: espaço para utilização pelas Unidades Federativas que adotem identificação computadorizada ou outra definida por esses. da pessoa que tem a posse dos animais.ITEM 07: OVINOS Deve ser assinalada a quadrícula quando do trânsito de ovinos. Documentos de Destinos ● CPF/ CNPJ: escrever o número de “Cadastro de Pessoa Física” (CPF) ou o número do “Cadastro Nacional de Pessoa Jurídica” (CNPJ) da pessoa que receberá a posse dos animais.

● REPRODUÇÃO: ovinos e caprinos destinados a CCPS’s (Centros de Coleta e Processamento de Sêmen). No caso de estabelecimentos de abate.● Nome: escrever o nome completo da Pessoa Física ou Jurídica que receberá a posse dos ovinos e caprinos que serão transportados e a qual pertence o CPF ou CNPJ inscrito na linha acima. da Unidade Federativa onde se localiza o município. Caso o estabelecimento não tenha um nome comercial colocar o nome da Pessoa Física ou Jurídica que tem a posse do estabelecimento. ● Código do Estabelecimento: Espaço para utilização pelas Unidades Federativas que adotem identificação computadorizada ou outra definida por essas. Principal Finalidade de Transporte de Ovinos e Caprinos. ● UF: escrever a sigla. ● Município: escrever o nome completo do município para o qual se destina a mercadoria. para onde os animais serão transportados. considerando: ● ABATE: ovinos e caprinos destinados a estabelecimento de abate (abatedouros) com inspeção veterinária oficial. informar obrigatoriamente o número do serviço de inspeção. ou outras atividades . bem como destinados à monta natural em propriedade específica. CCPE’s (Centros de Coleta e Processamento de Embriões). Indicar a finalidade do transporte dos ovinos e caprinos. com duas letras maiúsculas. ● Estabelecimento: escrever o nome completo do estabelecimento de destino dos ovinos e caprinos. ● ENGORDA: ovinos e caprinos destinados a um estabelecimento de engorda e permanência neste até posterior transporte para estabelecimento de abate. como o código da propriedade estabelecido no cadastro.

provas de laço e demais atividades esportivas que utilizem estes animais). 14 (Meio de Transporte). devendo ser conferida a sua integridade nos postos de fiscalização do MAPA(Ministério da Agricultura Pecuária e Abastecimento) até o destino final. escrever os números das GTAs que os acompanharam na chegada ao evento. 07(Ovinos). Quando necessário.reprodutivas. cujo evento seja leilão e não exposição ou prática de esporte. 15 (Vacinações) e 16 (Atestado de Exames).(MAPA) identificando esses itens na GTAs. cujo evento não seja leilão ou prática de esporte e onde não ocorra comercialização dos animais. conforme orientações transcritas pelo. assinalar todos os transportes utilizados. Na quadrícula denominada Lacre discriminar o número do lacre. feiras ou outras aglomerações de animais. feiras ou outras aglomerações de animais. numerando-os em ordem crescente a seqüência dos transportes utilizados da origem até o destino. Quando se utilizar mais de um meio de transporte. ● ESPORTE: ovinos e caprinos destinados à estabelecimentos cujo evento seja a prática de esporte (vaquejadas. ● EXPOSIÇÃO: ovinos e caprinos destinados a parques de exposição. . MEIO DE TRANSPORTE Assinalar a quadrícula que representa o meio de transporte utilizado para o trânsito dos ovinos e caprinos. aposto pelo serviço oficial no veículo transportador dos animais. Quando da expedição do documento para saída dos animais do leilão. escrever os dados complementares dos ITENS 06 (Caprinos). ● LEILÃO: ovinos e caprinos destinados a parques de exposição.

forma utilizada para a contagem dos animais. · No caso do transporte de cargas mistas. Atualmente. leilão. sendo que o número do certificado deverá ser transcrito e uma cópia do certificado autenticada pelo serviço veterinário oficial do local de origem deverá ser anexada à GTA. Item 4: SUÍDEOS. sendo os estados de Santa Catarina. ATESTADO DE EXAMES / CERTIFICAÇÃO Nº. Estudos e investimentos na suinocultura posicionaram o Brasil em quarto lugar no ranking de produção e exportação mundial de carne suína. GTA para o Transporte de Suídeos.recria para reprodução ou quarentena de exportação. ficando uma cópia anexada à via arquivada na unidade do serviço veterinário oficial emitente. quando não for possível precisar o sexo.Criação de Suídeos no Brasil. exposição. · Na GTA referente ao trânsito de egresso de estabelecimento autorizado para permanência temporária de animais procedentes de GRSC deverá constar no item 16: . a GTA só poderá ser emitida mediante a apresentação do registro de produtor junto ao IBAMA e da Autorização para Transporte (AT) obtida junto ao IBAMA.· Marcar a quadrícula referente a “Unidades”. chegando a lucrar mais de US$ 1 bilhão por ano. deixar os respectivos campos em branco e preencher apenas o campo Total. · Marcar com “X” a quadrícula “Suídeos”. · A quadrícula referente ao item 16: CERTIFICAÇÃO Nº deverá ser assinalada no caso de trânsito de suídeos procedentes de GRSC para as finalidades de reprodução. e exclusivamente para as finalidades de abate e engorda. cujos originais deverão acompanhar a GTA. · Para o transporte de javalis. Conseqüência de investimento. Entende-se por suídeos os animais das espécies Susscrofa domesticus (suíno doméstico) e Sus scrofa scrofa (javali europeu). Paraná e Rio Grande do Sul os principais produtores de suínos do País. a produção vem crescendo em torno de 4% ao ano. · Preencher os campos “Macho”. “Fêmea” e “Total” com o respectivo número de animais que serão transportados. o Brasil representa 10% do volume exportado de carne suína no mundo.

no espaço destinado ao Nome. a carne de frango tem destaque na região Sul. A região Centro-Oeste. O serviço veterinário oficial na UF de origem dos animais somente poderá autorizar a emissão da GTA mediante apresentação de autorização de ingresso emitida pelo serviço veterinário oficial da UF de destino. sendo os estados do Paraná e Rio Grande do Sul os principais fornecedores. Presente em todo território nacional. do atestado emitido pelo serviço veterinário oficial quanto à manutenção da condição sanitária de animais procedentes de GRSC. vem crescendo no setor e recebendo novos investimentos. . o frango. que não tenham se alimentado. Seu bem principal. pelo menos. O País se tornou o terceiro produtor mundial e líder em exportação. aptos para a incubação e eclosão. Conforme determina a Instrução Normativa nº 44 de 02/10/2007.CERTIFICAÇÃO o número do certificado da GRSC de origem desses animais. zona tampão ou Unidades de Federação classificadas como. e a mesma deverá estar acompanhada da cópia da GTA do trânsito inicial. ii) da cópia do certificado da GRSC (Granja de Reprodutores Suídeos Certificada) devidamente autenticada pelo serviço veterinário oficial. Atualmente. países. a avicultura brasileira tem apresentado altos índices de crescimento. a carne nacional chega a 142. Transporte de Aves Importadas: Para animais importados. em caso de animais destinados às zonas livres de febre aftosa. · Adultos: aves adultas de qualquer espécie. GTA Para o Transporte de Aves e Ovos Férteis: · Pintos de um dia são aves de no máximo 72 horas após a eclosão e ratitas de até sete dias após a eclosão. nem bebido água. Criação de Aves no Brasil: Nas últimas três décadas. o Fiscal Federal Agropecuário do PNSA(Programa Nacional de Sanidade Avícola) deverá preencher no campo 12. conquistou os mais exigentes mercados. a GTA emitida deve estar acompanhada de atestado zoossanitário. · Ovos férteis são os ovos de aves fecundadas. por ser grande produtora de grãos. de risco médio. o local especificado.

médico veterinário ou funcionário autorizado. a GTA deverá ser emitida por médico veterinário oficial ou habilitado pelo MAPA. ou penas. · granjas de matrizes (matrizeiras). ovos. · granjas de bisavós (bisavoseiras). De acordo com artigo 11 da IN 17 / 2006. · criações comerciais de avestruzes e emas. e · estabelecimentos de aves de corte. · granjas de avós (avoseiras). · granjas de reprodutoras primárias (linhas puras). deverá ser discriminado no campo 17 (Observação) o número do Certificado Zoossanitário Internacional que acompanhou o animal.funcionário autorizado pelo órgão estadual de Serviço de Defesa Sanitária Animal a dar cumprimento a tal tarefa.Autorização de Importação do animal. . destinadas à reprodução e à produção comercial de carnes. Transporte de Aves Unidade Expedidora Campo destinado à aposição do carimbo ou outra forma de identificação da unidade expedidora oficial onde está cadastrado o estabelecimento de origem das aves ou ovos férteis. como sendo: · Médico veterinário: vinculado ao governo federal. · estabelecimentos produtores de frangas para postura comercial. para o trânsito interestadual de aves e material genético procedentes das explorações abaixo relacionadas. consideradas exóticas ou não. Transporte de Aves Eminente Consta de quatro quadrículas para marcação com um “X” pelo emitente quanto à sua condição funcional no âmbito do Serviço de Defesa Sanitária Animal. governo estadual ou autônomo habilitado pelo governo federal ou. ornamentais ou não. quando responsável Técnico pelo estabelecimento de origem das aves e ovos férteis. Nesse campo só poderá ser assinala uma quadrícula. · estabelecimentos livres de patógenos específicos ou controlados. Nesses casos. · estabelecimentos de exploração de outras aves.

logo em seguida aparecem as regiões Nordeste.4 milhões. Holanda. responsável pela geração de 3. · Fone: escrever o número da linha telefônica com o código de área do escritório local ou unidade local de atuação do emitente.Para o trânsito interestadual de aves de descarte de granjas de reprodução e granja produtora de ovos para consumo. Itália.movimentando R$ 7.O rebanho envolve mais de 30 segmentos. Quando o assunto é exportação de cavalos vivos. criação e destinação final e compõe a base do chamado Complexo do Agronegócio Cavalo. distribuídos entre insumos. o destino. o meio de transporte.8 mil para US$ 4. também consumida nos Estados Unidos. Somados aos muares (mulas) e asininos (asnos) são 8 milhões de cabeças. Criação de Equídeos no Brasil O Brasil possui o maior rebanho de equinos na América Latina e o terceiro mundial. · Data: escrever a data em que a GTA está sendo emitida.3 bilhões. Japão e França são os principais importadores da carne de cavalo brasileira. · Validade: escrever a data até a qual a GTA terá validade. concentra maior registro de asininos e muares. . Centro-Oeste. Destaque para o Nordeste. as condições das vias a serem percorridas e a conversações desenvolvidas com a parte interessada. que além de eqüinos.. os números são significativos: a expansão alcançou 524% entre 1997 e 2009. somente com a produção de cavalos. A maior população brasileira de eqüinos encontra-se na região Sudeste. só é permitida a emissão de GTA por médico veterinário oficial e o destino deverá ser obrigatoriamente um estabelecimento com Serviço de Inspeção Federal – SIF. passando de US$ 702. Emissão · Local: escrever o nome do município onde a GTA esteja sendo emitida.2 milhões de empregos diretos e indiretos. O Brasil é o oitavo maior exportador de carne eqüina. Sul e Norte. · Hora: escrever a hora em que a GTA está sendo emitida. Bélgica. O emitente deverá fixar esse prazo levando em consideração a procedência.

separados por dois pontos sobrepostos. · Validade: escrever a data até a qual a GTA terá validade. O emitente deverá definir esse prazo levando-se em consideração a distância entre a procedência e o destino. Exemplo: 08:20 (oito horas e vinte minutos). Nesse caso assinalar a quadrícula correspondente a Médico Veterinário Estadual. · Hora: escrever a hora em que a GTA foi emitida. Nesse caso assinalar a quadrícula correspondente ao Funcionário Autorizado. . dois dígitos para o mês e quatro dígitos para o ano. assinalar a quadrícula correspondente a Médico Veterinário Habilitado e outros funcionários autorizados dos órgãos executores de defesa sanitária animal. dois dígitos para o mês e quatro dígitos para o ano. médicos veterinários autônomos habilitados pela Superintendência Federal de Agricultura. com dois dígitos para a hora e dois dígitos para os minutos. os funcionários que estejam autorizados a emitir a GTA. A data deverá ser registrada com dois dígitos para o dia. EMISSÃO Local: escrever o nome do município onde a GTA foi emitida. designarem através de ato administrativo formal. com dois dígitos para o dia. Nesse caso. Os órgãos executores de defesa sanitária animal adotarão as providências cabíveis para. Nesse caso. ocupantes do cargo de Fiscal Federal Agropecuário. após treinamento específico. As SFAs correspondentes manterão o controle dos atos normativos em questão. especificando inclusive os municípios que constituem a área de jurisdição dos mesmos. · Data: escrever a data em que a GTA foi emitida. assinalar a quadrícula correspondente a Médico Veterinário Federal. Pecuária e Abastecimento da Unidade Federativa de procedência dos animais.GTA Para Eqüídeos EMITENTE A emissão da GTA para eqüídeos poderá ser feita por: · médicos veterinários do MAPA.· médicos veterinários dos órgãos executores de defesa sanitária animal. o meio de transporte e outras informações pertinentes ao tempo de percurso do trânsito dos animais.

· Fone: escrever o número da linha telefônica.CZIs deverão acompanhar os animais até o destino final. Poderá ser preenchida uma GTA para mais de uma espécie de eqüídeos. Para esses casos. cujo original deverá acompanhar a GTA. Por exemplo. com o código de área. GTA Para Animais Silvestres Quando exigido pelo IBAMA. . Animais importados e em trânsito do ponto de ingresso no Brasil até o local de destino estão isentos de apresentar documentos que atestam os resultados negativos para mormo e AIE e a vacinação para influenza eqüina junto à GTA. Nesse caso. a GTA deverá ser emitida mediante a apresentação da Autorização para Transporte (AT). O emitente da GTA deverá se certificar junto ao IBAMA local da necessidade de autorização de transporte para a espécie em questão. animais procedentes de criadouros com finalidade econômica e industrial e jardins zoológicos registrados na entidade. O passaporte eqüino é um documento de identificação e não substitui a GTA ou o resenho que deverá ser preenchido a cada vez que o animal for submetido aos testes para mormo e AIE (Ofício Circular DSA n° 94/2008). exige-se apenas nota fiscal. poderão constar na mesma Guia de Trânsito Animal eqüinos e asininos. estes animais poderão transitar com a GTA acompanhada de passaporte eqüino. Como opção à apresentação de resenho. por exemplo. o número do CZI que acompanhou os animais do país de procedência até o Brasil deverá constar no campo 17) OBSERVAÇÃO. assim como a descrição da UVAGRO de ingresso do animal no campo 11) PROCEDÊNCIA. uma vez que essas exigências foram cumpridas no país de procedência. do escritório de atendimento à comunidade onde foi realizada a emissão ou do responsável pela emissão. A Portaria n° 117 de 15 de outubro de 1997 do IBAMA dispensa a Autorização para Transporte para alguns casos como. quando se tratar de médico veterinário habilitado. a cópia dos Certificados Zoosanitários Internacionais . No entanto. As informações mínimas que deverão constar no atestado de saúde estão descritos no anexo V . Um atestado sanitário emitido por médico veterinário com inscrição no CRMV da UF de procedência do animal deverá acompanhar a GTA durante todo o percurso. ficando uma cópia anexada à via arquivada na unidade do serviço veterinário oficial emitente.

fêmea e total. Este valor deverá ser escrito por extenso no campo 10. OUTRAS ESPÉCIES Para a emissão da GTA para os demais animais silvestres. desde que todos os animais estejam incluídos dentro do mesmo grupo de não susceptíveis à febre aftosa/ susceptíveis à febre aftosa sem importância epidemiológica (anexos I e III) ou susceptíveis à febre aftosa com importância epidemiológica (anexo II). Preencher com o número de animais o campo referente a macho. à exceção de: · aves silvestres.. o nome comum e científico poderão ser especificados no campo 17. coleta de sêmen. Se não houver espaço. Caso o sexo dos animais seja desconhecido ser marcado apenas o número total de animais. · animais de laboratório da Ordem Lagomorpha. deixar os respectivos campos em branco e descrever apenas o número total.Para transporte de aves silvestres deverá ser marcada quadrícula em branco no campo 3 e descrita a espécie e nome vulgar.OBSERVAÇÃO. · animais de laboratório da Ordem Rodentia.) . · REPRODUÇÃO: animais destinados a outros estabelecimentos para utilização em qualquer atividade com finalidade reprodutiva (monta natural. quando não for possível precisar o sexo.OBSERVAÇÃO. pois essa será a forma utilizada para a contagem da espécie. punção folicular etc. Finalidade para o transporte de animais silvestres Somente pode ser indicada uma finalidade por GTA. Marcar com “X” também a quadrícula referente à “Unidades”. assinalando uma das quadrículas disponíveis. transferência de embrião. de acordo com as seguintes opções: · ABATE: animais destinados a estabelecimento de abate (abatedouros e frigoríficos) com inspeção veterinária oficial com prévia autorização do serviço veterinário oficial. No caso do transporte de cargas mistas. Deverá ser emitida uma GTA para cada espécie. o campo 5 da deverá ser marcado com “X” e o nome comum e científico deverão ser especificados no campo 17.

No campo 17)OBSERVAÇÂO deverá ser escrita por extenso a finalidade em questão (Ex: P.· EXPOSIÇÃO: animais destinados à permanência temporária em locais de aglomerações de animais. animais transportados a um Posto de Vigilância Agropecuária para saírem do País.: atendimento veterinário.Cient. Cir.   Caso a finalidade da movimentação dos animais não se encontre entre as listadas no documento.: animais destinados a quarentenário aprovado pelo serviço oficial.: exportação.San. com objetivo principal de exibição ou comercialização em parques. laboratórios.: abate sanitário. seja para exportação ou que ingressarem o país.Vet. a emissão será exclusiva por Fiscal Federal Agropecuário. assinalar com um “x” na última quadrícula em branco e. ·  P. Para aves da Ordem Passeriforme. a GTA deverá ser emitida exclusivamente por médico veterinário oficial. a emissão de GTA para esta finalidade é exclusiva de médico veterinário oficial (IN 17 de 07/04/06). à direta.Bio: produção de produtos biológicos. animais destinados a instituições de pesquisa. escrever os números das GTAs que os acompanharam na chegada ao local. Os estabelecimentos destinados a aglomerações de animais deverão estar cadastrados junto aos órgãos executores de defesa sanitária animal. ·  Quar. Quando da expedição do documento para saída dos animais da exposição. .Zoo: apresentações em circos. escrever o código de uma das finalidades abaixo.  Entre as opções que podem ser descritas nessa quadrícula estão: ·  Ab. Quando houver quarentena na origem.: pesquisa científica. manutenção em zoológicos ou unidades de conservação. instituições de ensino ou capacitação técnica. · ·  At. feiras etc. ·   Export. = Pesquisa Científica).Cient. · Pr.

deverão ser observadas as orientações do “Manual de Preenchimento para Emissão de Guia de Trânsito Animal de Animais Silvestres”. peixes.: companhia Para aves da Ordem Passeriforme. Caso sejam utilizados mais de um lacre por veículo transportador. crocodilos etc. moluscos. esponja marinha etc.: competição Canora: canora (canto) Cia. devendo ser conferida a sua integridade nos postos de fiscalização e no destino final. a seguir.· · · ·   Ornam. anfíbios. de forma a registrar os meios de transporte utilizados para o trânsito dos animais. ANIMAIS AQUÁTICOS Entende-se por animais aquáticos: répteis de vida aquática (quelônios aquáticos. escrever no “CAMPO 17 – OBSERVAÇÃO” a palavra “Lacres nº”. na quadrícula denominada “Lacre nº” discriminar o número do lacre empregado pelo Serviço Veterinário Oficial para selar a carga do veículo transportador dos animais.) com finalidade de produção (carne. água-viva.: ornamentação Comp. a emissão de GTA para eventos agropecuários ou locais com aglomeração de animais é exclusiva de médico veterinário oficial (IN 17 de 07/04/06) MEIO DE TRANSPORTE Podem ser assinaladas mais de uma quadrícula. Para répteis de vida terrestre ou não destinados à produção. anêmonas. Quando necessário. escrever na quadrícula “Lacre nº” as palavras “VIDE 17” e. crustáceos e demais invertebrados aquáticos (corais. seguida da numeração dos lacres empregados. couro etc.). .) em qualquer fase de seu desenvolvimento. GTA Para Transporte de Animais Aquáticos .

e que na mesma zona de cultivo não tenha sido constatado nenhum caso destas enfermidades nos últimos 90 (noventa) dias. . Nota 1: A certificação está isenta para animais destinados ao Abate Sanitário. OBSERVAÇÃO e o médico veterinário deverá atestar que: a) Para animais procedentes de estabelecimentos de aqüicultura: os animais procedem de estabelecimentos onde no ciclo de produção atual e anterior não tenha sido constatado nenhum foco de doenças de notificação compulsória. não há a necessidade de apresentação de documentação do IBAMA (Instrução Normativa n° 203 de 22/10/2008 do Ministério do Meio Ambiente ). em função de ocorrência sanitária.Para o transporte de animais aquáticos silvestres. Para o trânsito intra-estadual de peixes ornamentais. a GTA só poderá ser emitida mediante a apresentação da Autorização para Transporte (AT) obtida junto ao IBAMA. Nota 3: Animais importados procedentes de Unidades/Serviços de Vigilância Agropecuária estão isentos de atestado de exame e a cópia do Certificado Zoossanitário Internacional deverá acompanhar a GTA. a finalidade a ser marcada na GTA é o “Abate Sanitário”. O número do atestado deverá constar no campo 17. ATESTADO SANITÁRIO Para a emissão de GTA para animais aquáticos. Nota 2: No primeiro ciclo de produção após ocorrência de doença de notificação compulsória. c) Para animais obtidos por meio da pesca ou extrativismo: os animais procedem de uma bacia hidrográfica onde não houve registro de ocorrência de doenças de notificação compulsória nos 90 (noventa) dias anteriores à captura dos animais. Nesse caso. b) Para animais procedentes de estabelecimento sem caracterização de ciclos de produção: os animais procedem de estabelecimentos que não tenham sido submetidos à restrição de trânsito nos últimos 30 (trinta) dias. a única possibilidade para movimentação da produção do estabelecimento afetado será o abate com aproveitamento condicional mediante prévia autorização oficial do serviço veterinário oficial. é necessária a apresentação de um atestado sanitário numerado assinado por médico veterinário com inscrição no CRMV da Unidade Federativa de procedência dos animais. ficando uma cópia anexada à via arquivada na unidade do serviço veterinário oficial emitente. cujo original deverá acompanhar a GTA.

quando requerido. . Ex: transporte rodoviário seguido de transporte aéreo.Para a emissão de GTA para abelha. A GTA deverá ser emitida somente para espécies de insetos vivos de interesse zootécnico (abelhas e bicho-da-seda exclusivamente) e parasitas vivos de interesse veterinário (endo e ectoparasitas e suas formas jovens ou em estado latente que acometam os animais). · número da Autorização para Transporte (AT) emitida pelo IBAMA que acompanhará a GTA. · Ordem dos meios de transporte. a unidade de medida deverá ser Unidades. bicho-da-seda e outros invertebrados terrestres. o interessado deverá consultar previamente o IBAMA e o Ministério da Saúde a fim de cumprir a legislação vigente para o trânsito da espécie em questão. a unidade de medida a ser utilizada deverá ser Kilograma. os seguintes itens devem ser preenchidos: A espécie em questão e a quantidade devem ser discriminadas. · Número do Atestado de Saúde emitido por médico veterinário que acompanhará a GTA. em caso de transporte multimodal. Deve ser preenchido o quantitativo por extenso.Discriminação das espécies (nome comum e vulgar) ou número de lista contendo o nome das espécies e quantidade (“packing list”).Para abelha: a unidade de medida será quantidade total de colméias. · número do Certificado Zoossanitário Internacional que acompanhou o animal importado do país de procedência até o Brasil. · Código e discriminação da finalidade utilizada no campo em branco do item 13) FINALIDADE. o Departamento de Sanidade Vegetal do MAPA deverá ser consultado sobre a necessidade de emissão de algum documento de trânsito.Para bicho-da-seda: para larva ou casulo. Para os demais invertebrados terrestres. GTA Para Abelhas e outros Invertebrados Para o trânsito de invertebrados terrestres (excetuando-se abelhas e bicho-da-seda). ou Unidades de rainhas quando do trânsito de rainhas. Para as mariposas do bicho-da-seda. quando do trânsito de colméias.

. ordem dos meios de transporte. Deverá ser preenchida uma GTA para cada espécie. Quando se utilizar mais de um meio de transporte. · código e discriminação da finalidade utilizada no campo em branco do item 13) FINALIDADE. Ex: transporte rodoviário seguido de transporte aéreo. indicando a seqüência dos transportes utilizados da origem até o destino no campo 17). Quando da emissão do documento para trânsito permanente de animais/colméias. marcar todos. Os Médicos Veterinários Habilitados devem encaminhar relatório semanal de trânsito das propriedades que atenderam para os escritórios de atendimento nos municípios onde se encontram as propriedades de origem dos animais. Para o trânsito de rainhas e colmeias. · números da GTAs que foram emitidas para o ingresso em locais de aglomerações de animais.devem ser emitidas GTAs distintas. o Serviço Oficial Veterinário deve atualizar o cadastro das propriedades com o respectivo saldo de animais/colméias. · número do Certificado Zoosanitário Internacional que acompanhou o animal importado do país de procedência até o Brasil. O Serviço Veterinário Oficial poderá exigir o lacre em situações que julgar necessárias.MEIO DE TRANSPORTE Assinalar a quadrícula correspondente corretamente. em caso de transporte multimodal.