You are on page 1of 14

CENTRO DE ESTUDOS SUPERIORES DE MACEIÓ FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS

WILLAMS JÚNIOR SILVA CASTRO

CONTABILIDADE GERAL PASSIVO

MACEIÓ 2011

. Neste grupo está incluído por força de lei o capital próprio. e que está na entidade apoiando ou ajudando a gerar novos recursos financeiros para o devedor. O passivo monetário: representa bens numerários que ainda vão ser repassados aos seus verdadeiros proprietários em um momento futuro. provenientes de transações passadas. A classificação do capital próprio no grupo do passivo é uma mera questão para atender à necessidade da Contabilidade para garantir a igualdade entre os dois grupos (ativo e passivo). O passivo não-monetário: representa obrigações de lançamentos futuros no resultado do período daqueles ganhos já efetivados. O Passivo exigível se sub-divide em passivo exigível a curto prazo. como as duplicatas a pagar. O passivo abrange então o capital de terceiros (obrigações) e o capital próprio e suas variações. Todas as contas do passivo representam os valores negativos do patrimônio. CONCEITO O passivo representa todas as obrigações financeiras que uma empresa tem para com terceiros. porém não pertencentes ao atual exercício. O passivo é um recurso controlado por uma entidade e um acontecimento passado e do qual se esperam que fluam benefícios econômicos no futuro. por força da legislação o passivo se divide em: Passivo propriamente dito (passivo exigível) e patrimônio líquido (passivo não exigível). com data de vencimento e beneficiário certo e conhecido. apesar de não ser uma obrigação do patrimônio. realizadas a prazo. Na contabilidade brasileira. representado por um documento. Obrigações: constituem-se em ato da pessoa ou empresa dispor de algum bem ou serviço e que em troca destes originam um compromisso futuro de pagamento. cuja liquidação se espera um ex-fluxo de recursos.

passivo exigível a longo prazo e resultado de exercícios futuros (Direito Privado). que regulamenta a contabilidade pública). . Passivo financeiro e passivo permanente. Se a entidade possuir ativo se/ou passivos. Assim concluímos que a entidade terá sempre A > ou = zero. Obs. Patrimônio Líquido: é a diferença entre os valores positivos do ativo (bens e direitos) e os valores negativos do passivo (obrigações) de uma entidade em um determinado momento.320/64 (direito público. P > ou = zero e PL > = ou < zero . não tem sentido falarmos em ativos ou passivos negativos. conforme lei 4. ou não os terá .Sendo o patrimônio líquido a diferença algébrica entre o ativo e o passivo. É a parte do balanço que representa o capital investido pelos sócios e está graficamente localizado no seu lado direito. ela os terá positivamente.

001.001.1 PASSIVO CIRCULANTE 2. CLASSIFICAÇÃO 2.1.001.001.0006 IRPJ A PAGAR 2.0000 OUTRAS OBRIGAÇOES 2.001.02.01.03.002.001.1.002. PATRONAL RECOLHER 2.1.02.03.03.03.002.0005 INSS AUTONOMO A PAGAR 2.04.01.002.1.01.0001 FORNECEDORES 2.1.1.0000 OBRIGAÇOES SOCIAIS/FISCAIS 2.1.0000 OBRIGAÇOES TRABALHISTAS 2.002.04.0003 CONT.0000 EMPRESTIMOS E FINANCIAMENTOS 2.1.03.001.000.0001 PIS A PAGAR 2.0009 IRRF (PJ) A PAGAR 2.002.1.002.1.04.0004 RESCISOES A PAGAR 2.0005 IPI A PAGAR 2.03.003.001.0002 COFINS A PAGAR 2.0005 OUTRAS OBRIGAÇOES 2.03.002.04.0007 CSSL A PAGAR 2.001.0001 CAIXA ECONOMICA FEDERAL 2.002.01.1.1.1.0001 INSS A PAGAR 2.0003 FERIAS A PAGAR 2.002.0001 SALARIOS A PAGAR 2.02.002. PASSIVO 2.0008 IOF A PAGAR 2.03.0000 OBRIGAÇOES FISCAIS 2.04.001.03.0001 CAPITAL DE GIRO 2.0002 PRÓ-LABORE A PAGAR 2.002.001.0002 FGTS A PAGAR 2.001.1.0000 FIANCIAMENTOS 2.0000 OBRIGAÇOES SOCIAIS 2.1.0010 REFIS 2.0000 OUTRAS CONTAS A PAGAR 2.03.04.03.04.1.1.1.0000 FORNECEDORES 2.1.03.0003 ISS A PAGAR 2.002.0000 ADIANTAMENTO DE CLIENTES 2.1.1.03.04.003.03.1.003.002.1.04.1.0001 ADIANTAMENTO DE CLIENTES 2.1.002.03.0004 ICMS A PAGAR 2.1.000.1.001.1.1. SINDICAL A PAGAR 2.04.1.03.03.02.1.0001 FATURA AGUA/LUZ/TELEFONE 2.0000 EMPRESTIMOS 2.03.04.03.1.000.0000 FORNECEDORES NACIONAIS 2.1.0004 IRRF FOLHA PAGAMENTO 2.000.1.001.0006 C SIND.1.0002 COMISSOES A PAGAR .002.002.04.1.1.1.002.1.

0000 OUTRAS PROVISOES 2.001.01.04. PASSIVO NÃO CIRCULANTE 2.01.0000 EMPRESTIMOS E FINANCIAMENTOS 2.4.0001 FÉRIAS 2.01.000.4.4.1.4.4.03.0003 (-) DISTRIBUIÇAO DE LUCRO .4.2.01.2.05.001.06.0000 RESERVAS DE CAPITAL 2.0000 RESERVAS DE LUCROS 2.2008) 2.4.000.0000 CAPITAL SOCIAL SUBSCRITO 2.01.05.4.4.06.000.0002 13 SALARIO 2.01.0000 LUCROS/PREJUIZOS ACUMULADOS 2.001.000.003.02.1.00.2.001.001.1.1.0000 RESERVAS DE REAVALIAÇAO (extinta em 01.001.0003 OUTRAS CONTAS A PAGAR 2.06.4.06.05.0001 LUCRO EXERCICIO ANTERIOR 2.2.001.4.02.0002 LUCRO DO EXERCICIO 2.05.1.000.2.0000 LUCROS OU PREJUIZOS ACUMULADOS 2.001.000.000.0000 CAPITAL SOCIAL 2.06.0000 OBRIGAÇOES FISCAIS/ TRIBUTARIAS 2.000.0000 TRABALHISTAS 2.0000 AJUSTES DE AVALIAÇÃO PATRIMONIAL 2.0001 CAIXA ECONOMICA FEDERAL 2.05.01.4.001.001.000.0001 CAPITAL SOCIAL 2.2.4.0000 EMPREST/FINANC BANCARIOS 2.001.04.000.0000 PATRIMÔNIO LIQUIDO 2.

as obrigações.404/76 nos artigos 180. Observação: o art. portanto os valores classificados nesse grupo deverão ser reclassificados para outras contas do Passivo Não Circulante. sendo os demais ajustados quando houver efeito relevante. III .184 da Lei 6.as obrigações.as obrigações em moeda estrangeira.quando se vencerem no exercício seguinte. Critérios de Avaliação do Passivo Conforme dispõe o art.941/2009o qual deixou de existir. que dispunha sobre o Resultado de Exercício Futuro foi revogado pela MP 449/2008. convertida pela Lei 11.404/76. a classificação no circulante ou não circulante terá por base o prazo desse ciclo. de 2008).941/2009) Na companhia em que o ciclo operacional da empresa tiver duração maior que o exercício social. inclusive financiamentos para aquisição de direitos do ativo não-circulante. 180 da Lei 6. observado o disposto no parágrafo único do art. (Redação dada pela Medida Provisória nº 449. serão computados pelo valor atualizado até a data do balanço. ESTRUTURAÇÃO DOS GRUPOS E SUBGRUPOS DO PASSIVO Sobre as contas a serem classificadas no passivo. os elementos do passivo serão avaliados de acordo com os seguintes critérios: I . encargos e riscos. serão convertidas em moeda nacional à taxa de câmbio em vigor na data do balanço. conhecidos ou calculáveis. a Lei 6.404/76. . (Redação dada pela Medida Provisória nº 449. 181 da Lei 6. com cláusula de paridade cambial.404/76 As obrigações da companhia. de 2008.convertida pela Lei 11. II . encargos e riscos classificados no passivo não-circulante serão ajustados ao seu valor presente. 179. serão classificadas: passivo circulante. no balanço. 181 e 184 estabelece: Consoante art. e passivo não-circulante se tiverem vencimento em prazo maior. inclusive Imposto sobre a Renda a pagar com base no resultado do exercício.

com base na competência conferida pelo § 3o do art. As divergências devem ser apuradas pelo setor contábil e pelo financeiro. em um formulário chamado composição de saldos. CSSL. as aquisições a prazo. . determina que A Comissão de Valores Mobiliários estabelecerá. Obrigações Fiscais e Tributárias. PIS. que envolvem fornecedores. 177. seja confrontado com os saldos constantes na Contabilidade. posteriormente.941/2009. Até mesmo. 184-A. incluído pela Medida Provisória nº 449 de 2008. empréstimos e financiamentos salários a pagar.404/76. existe um forte indício de descontrole. Fornecedores: devem estar de acordo com o relatório das contas a pagar emitido pelo setor financeiro. relatório constando os fornecedores em aberto (não pagos). a empresa tenha lucro e no seguinte prejuízo. a cada final de mês. pois pode ocorrer que. normas especiais de avaliação e contabilização aplicáveis à aquisição de controle. Inexistindo o confronto entre a Contabilidade e o relatório de contas a pagar. acarretarão no pagamento a maior ou antecipado de IRPJ. se não contabilizadas pelo regime de competência. IPI e ICMS. Obrigações Sociais. fornecedores. podendo acarretar desembolsos a maior de tributos ou desnecessário de multa se juros. convertida pela Lei 11. tanto contábil como financeiro. Principalmente IRPJ e CSSL. Dessa forma. COFINS. Ex. o setor financeiro deverá emitir. para que. De nada adiantará o lançamento de despesas no período em que houver prejuízo. participações societárias ou segmentos de negócios. em um exercício. provisão para férias. da Lei 6. Passivo Circulante Composto por todas as obrigações com prazo de vencimento em até12 (doze) meses. por atraso no pagamento dos fornecedores.Critérios de Avaliação em Operações Societárias O art.

Exemplo: O PIS referente ao mês de julho/2005 deve ser contabilizado no mês de julho/2005 (regime de competência) e não no mês de agosto/2005. Contribuição Sindical paga no mês subseqüente da data do Balanço/Balancete. ISS.Empréstimos e financiamentos: devem ser conciliados com os respectivos contratos objetivando a contabilização dos juros e das atualizações pelo período de competência. INSS. IRRF e outros relacionados. bem assim a retenção de Contribuições e Tributos (PIS. ICMS. COFINS. Estando em dia os recolhimentos. mesmo que pagas no mês seguinte. quando do seu pagamento. Obrigações Tributárias: as contribuições sofrem o faturamento e lucro da empresa ou retidos de terceiros a serem recolhidos. . IRRF. da GPS. CSSL) de terceiros prestadores de serviços sem o correspondente recolhimento aos cofres públicos caracteriza crime tributário conforme art. IRPJ. IOF.137/1990. IPI. A incorreção mais comum nestas contas se refere aos juros e atualizações monetárias de empréstimos que são contabilizados quando pagos e não proporcional aos dias transcorridos no mês. provavelmente o saldo constante na Contabilidade é o valor da DARF. COFINS. Obrigações Sociais: oriundas da folha de pagamento dos funcionários: INSS. A retenção do imposto de renda na fonte e do INSS dos funcionários. a qual servirá com suporte na contabilização dos encargos financeiros pelo regime de competência. 2º da Lei 8. CSSL. O setor Financeiro ou a Contabilidade devem manter uma planilha de controle dos encargos cobrados. FGTS. Os valores consignados nessas contas deverão estar em conformidade com a folha de pagamento do último mês ou apontadas às diferenças. Exemplo: PIS. Essas obrigações deverão ser contabilizadas no mês a que se referem. Contribuição Sindical.

os quais serão liquidados nos meses seguintes. Neste grupo também são classificadas as seguintes contas: adiantamentos de sócios. Também são dedutíveis os encargos calculados sobre a provisão de férias e do13 º Salário. telefone. Provisões Trabalhistas: a provisão de férias e 13º Salário são dedutíveis como custos ou despesa operacional. por funcionário: o salário mensal + variáveis. o número de meses que tem direito às férias e 1/3 Constitucional e ao 13º Salário. férias e outras contas a pagar provenientes a folha de pagamento dos funcionários. As contas do Passivo Não Circulante devem ser verificadas com relação aos documentos suportes de movimentação no ano. Outras Contas a Pagar: referem-se a diversas contas a pagar: água. a empresa deve manter relatórios das respectivas provisões. tais como: FGTS (8. etc. Passivo Não Circulante Representa as obrigações com prazo de vencimento após 12(doze) meses. adiantamentos de acionistas. cálculo do FTGS e do INSS. fornecedores de materiais de escritórios. na apuração do Lucro Real (tanto para o IRPJ como para a CSL).8%)+ percentual de aposentadoria especial caso houver). Ex: empréstimos bancários e financiamentos.Obrigações Trabalhistas: salários. luz. quando o empregador não paga os salários. a classificação superior a 12 meses após encerramento do balanço e planilhas subsidiárias. empréstimos de coligadas e empréstimos de controladas. O saldo contábil existente nessas contas dificilmente será superior ao valor de 01 mês da folha de pagamento. constando discriminadamente. . rescisões. No entanto. conforme artigo 337 e 338do RIR/99.5%). pois há pesadas multas trabalhistas e denúncias a Sindicados. INSS ( empresa (20% + sat (3%) + terceiros ( 5.

12.404/76. adiantamentos de acionistas. por analogia ao inciso II. serão classificados integralmente no Passivo Não Circulante. como exemplo os parcelamentos de tributos a longo prazo. o grupo Passivo Exigível a Longo Prazo .404/76. No entanto. artigo 179 da Lei 6.000. um contrato com saldo de R$ 360. que não constituírem negócios usuais na exploração do objeto da companhia.2008. 180 da Lei 6. será classificado da seguinte forma: 12 parcelas*¹ x 10.00 = 120. as obrigações com prazo de vencimento após 12 (doze) meses estavam registradas no Passivo Exigível a Longo Prazo.000. restando 36 parcelas a vencer.00 -> serão reclassificadas para o Passivo Circulante. Deforma a cumprir o disposto no art. Porém os adiantamentos de sócios. gerenciais e econômicos que serão extraídos das Demonstrações Financeiras.12. empréstimos de coligadas e controladas.000. em 31. desde que no Balanço encerrado em 31. nos próximos 36 meses.Nos contratos com vencimento a longo prazo. Bem assim.00 = 240.00.2008.2008.2008. devem ser reclassificadas para o Passivo Circulante as parcelas a vencer no período de 12 meses após o encerramento do balanço de 31. Observação: até 03. a reclassificação pode ser feita no último dia do balanço e revertida no primeiro dia do ano seguinte. 24 parcelas*² x 10.12.000. a partir de 04. As contas do Passivo Não Circulante devem ser verificadas com relação aos documentos suportes de movimentação no ano.12. para manter consistentes os índices financeiros. os empréstimos a terceiros a longo prazo.00 -> estarão registradas no Passivo Não Circulante. Tratamento idêntico deve ser adotado para as demais contas. Dessa forma. constem as reclassificações para o Passivo Circulante.000.12.2008. a classificação superior a 12 meses após encerramento do balanço e planilhas subsidiárias. Por opção da empresa.

art. inclusive lucros/prejuízos acumulados estão corretos.941/2009. Ex: capital social.404/76. convertida pela Lei 11. reservas de reavaliação. convertida pela Lei 11.12. Bem como o registro do saldo deverá evidenciar a receita diferida e o respectivo custo diferido. contingência. 178 da Lei 6. No mesmo sentido.2008.404/76. Saldos contábeis em 31.12. em seu art. 03. 299-B à Lei 6. Ex: receita antecipada e custos atribuídos à receita antecipada. as realizações das reservas de reavaliação motivadas por vendas e depreciações de bens reavaliados e se as movimentações das demais contas. reservas de capital. investimentos e lucros a realizar). 36.passou a ser denominado Passivo não Circulante por ocasião da MP 449/2008.36.404/76. modificou a composição dos grupos patrimoniais constante no art. acrescentou o art. que alterou o art. Extinção dos resultados de exercícios futuros: a MP 449/2008. o art. Resultado de Exercícios Futuros: compreende as receitas recebidas antecipadamente quede acordo com o regime de competência pertence a exercícios futuros. este subgrupo deixa de existir. que dispõe: “O saldo existente no resultado de exercício futuro em 31 de dezembro de 2008 deverá ser reclassificado para o passivo não-circulante em conta representativa de receita diferida”. Patrimônio Líquido Representa o capital que pertence aos proprietários.941/2009. estatutária.2008. passivo nãocirculante e patrimônio líquido. não citando o resultado dos exercícios futuros. 37 da MP 449/2008. . 178 da Lei 6. convertida pela Lei 11.941/2009. lucros acumulados ou prejuízos acumulados. e estabeleceu que o passivo será composto pelo passivo circulante. reservas de lucros (legal. Portanto. As contas do Patrimônio Líquido devem refletir o capital social de acordo com o contrato social e alterações.

2008. pela entidade. o produto da alienação de partes beneficiárias. serão classificadas como reservas de capital as contas que registrarem: a) a correção monetária do capital realizado.por força da Lei 11. d) até 31. por força por força da Lei 11. não será distribuído aos sócios e deverá permanecer como uma reserva para a aplicação na atividade da empresa (reserva para compra de imobilizado com o objetivo de não descapitalizar a empresa). inclusive nos casos de conversão em ações de debêntures ou partes beneficiárias.01. e) até 31. foi extinta a reserva de reavaliação. Reservas de Reavaliação: registram os aumentos de valor atribuídos a elementos do ativo em virtude de novas avaliações feitas pela entidade com base em laudo.404/76. Reservas de Capital: são as contas que registram doações recebidas. eventualmente. o ágio na emissão de ações. Exemplo: Na Assembléia dos acionistas ou no próprio contrato social os sócios (ou acionistas) determinam que X por cento do lucro da empresa.638/2007. as doações e as subvenções para investimentos.638/2007. o prêmio recebido na emissão de debêntures. A partir de01.Capital Social: discrimina o valor subscrito e o valor que ainda será realizado pelos sócios ou acionistas. c) o produto da alienação de partes beneficiárias e bônus de subscrição.2007 .12. . No caso de sociedades anônimas. entre outras.12.2007 . Reservas de Lucros: são reservas originadas dos lucros e destinadas para reenvestimento na empresa.por força da Lei 11. b) a contribuição do subscritor de ações que ultrapassar o valor nominal e a parte do preço de emissão das ações sem valor nominal que ultrapassar a importância destinada à formação do capital social.638/2007. De acordo com o parágrafo 1º do artigo 182da Lei nº 6.

A diferença para a Reserva de Lucros. ao titular ou ao acionista. é a de que os Lucros Acumulados estão à disposição dos sócios para distribuição ou não e a Reserva de Lucros já foi destinada a permanecer na empresa e não poderá ser distribuída.quando ainda não distribuídos aos sócios. acima mencionada.Lucros ou Prejuízos Acumulados: registra os resultados acumulados pela empresa. Reserva de Lucros já foi destinada a permanecer na empresa e não poderá ser distribuída. .

 FONTE DE PESQUISA Livro – Contabilidade Comercial I  AUTOR (A) Manoel Martins do Carmo Filho.Universidade Federal do Amazonas – UFAM Manaus .Amazonas  2009 ANO DE PUBLICAÇÃO . SC . D.