You are on page 1of 42

ESTADO DO RIO DE JANEIRO PREFEITURA MUNICIPAL DE MACUCO

Edital de Concurso Público - Nº 001/2012
O Prefeito do Município de Macuco, no uso de suas atribuições legais, torna público que estarão abertas as inscrições para o CONCURSO PÚBLICO destinado ao preenchimento de vagas existentes para o Quadro Geral de Servidores da Prefeitura Municipal, com a execução técnico-administrativa do Instituto Nacional de Concurso Público – INCP, nos termos da Constituição Federal e das demais legislações pertinentes que regulamentam a realização de concursos públicos e normas contidas no presente Edital.

01 – DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES
1.1. Este Concurso Público 01/2012 dar-se-á em conformidade com as Leis Municipais pertinentes e em vigor, bem como por este Edital que será organizado e desenvolvido pelo INCP. 1.2. Este edital contém as cláusulas e condições que regem o Concurso Público conforme a legislação vigente. A realização da inscrição implica a concordância do candidato com as regras aqui estabelecidas, com renúncia expressa a quaisquer outras. 1.3. O Concurso Público terá validade de 02 (dois) anos, a contar da data de publicação da homologação do resultado final, prorrogável uma vez, a critério do chefe do poder executivo, por igual período, se houver candidatos aprovados e ainda não nomeados. 1.4. Todas as comunicações referentes ao Concurso Público serão providenciadas e expedidas pela Comissão Organizadora de Concurso da Prefeitura de Macuco. 1.5. Este Concurso estará aberto a todo aquele que: 1.5.1. For brasileiro nato ou naturalizado ou cidadão português que tenha adquirido a igualdade de direitos e obrigações civis e ainda esteja no gozo dos direitos políticos, conforme o Decreto Federal n.º 70.436, de 18 de abril de 1972, e a Constituição Federal - § 1º do Artigo 12, comprovado por documento oficial fornecido pelo Ministério da Justiça, caso em que não serão aceitos quaisquer protocolos de requerimento. 1.5.2. Tiver idade mínima de 18 (dezoito) anos completos até o dia da posse no cargo público. 1.5.3. Estiver quite com o Serviço Militar, para o sexo masculino, e com a Justiça Eleitoral, para ambos os sexos. 1.5.4. Preencher os requisitos especiais para inscrição no respectivo cargo, quando for o caso. 1.6. Fica o candidato obrigado a acompanhar as publicações oficiais relativas ao Concurso Público, que serão divulgadas através do Órgão de Publicação Oficial do Município de Macuco ou pelo portal www.incp.org.br. 1.7. O candidato ao cargo de Agente Comunitário de Saúde deverá ser domiciliado no município de Macuco, e sua inscrição será válida apenas para a área geográfica na qual sua residência está inserida, conforme o artigo 6º da Lei Federal nº. 11.350, de 5 de outubro de 2006. 1.8. O candidato ao cargo de Agente Comunitário de Saúde terá uma classificação por localidade (área geográfica da Unidade de Saúde da Família – USF) em que se inscreveu. 1.9. Os candidatos inscritos para os cargos de Nível Superior além da prova objetiva estarão sujeitos a Prova de Títulos com os seguintes valores de pontuação e condições:

a) b)

a prova escrita, com questões objetivas, valerá até 90 (noventa) pontos; e a prova de títulos valerá até 10 (dez) pontos.

1.10. Os candidatos aprovados fora do número de vagas oferecidas no presente Edital farão parte de um Cadastro Reserva e serão convocados de acordo com a conveniência e necessidade da Administração, durante o prazo de validade do concurso do qual participam, respeitando o número de vagas disponíveis no Edital. 1.11. Os programas mínimos das provas e as sugestões bibliográficas, estão contidos no Edital do Concurso, que estará disponível para consulta e cópia no site www.incp.org.br. 02- DAS VAGAS E REQUISITOS LEGAIS EXIGIDOS 2.1. As vagas definidas pela Prefeitura para este Concurso Público estão distribuídas de acordo com o quadro de vagas, neste Edital. 2.1.1. Em cumprimento ao disposto na Constituição Federal, artigo 37, VIII, e pela Lei Estadual nº. 2.482/95 Decreto Federal nº. 3.298/99, alterado pelo Decreto nº. 5.296/04, e de acordo com as disposições contidas no art. 95º da Lei Orgânica, serão reservados 5% (cinco por cento) das vagas às pessoas com necessidades especiais, respeitando o critério de arredondamento preconizado por lei. As vagas reservadas às pessoas portadoras de necessidades especiais estão expressamente mencionadas neste Edital. 2.2. A pessoa portadora de deficiência participará da seleção em igualdade de condições com os demais candidatos

1

ESTADO DO RIO DE JANEIRO PREFEITURA MUNICIPAL DE MACUCO
às vagas de ampla concorrência no que se refere ao conteúdo e avaliação das provas, duração, horário e local de aplicação das mesmas e nota mínima exigida. 2.3. Os códigos dos Cargos/Disciplinas, pré-requisitos/escolaridade, remuneração mensal e o valor da inscrição são os estabelecidos no quadro a seguir: 2.4. Quadro de Vagas:
QUADRO DE VAGAS VENCIMENTO BASE R$ CARGA HORÁRIA SEMANAL VALOR DA INSCRIÇÃO

CÓDIGO

CARGO

TOTAL

VAGAS AC

PD

REQUISITOS

101

Agente de Endemias *Agente Comunitário de Saúde – ESF DA RETA *Agente Comunitário de Saúde – ESF Volta do Umbigo

05

-

-

Nível Fundamental Completo 622,51

102

08

07

01

Nível Fundamental Completo 622,51

40 horas

R$ 37,50

103

06

-

-

Nível Fundamental Completo 622,51

*Anexo II dos Locais dos ESF
QUADRO DE VAGAS DO ESF/ ESTRATÉGIA E SAÚDE DA FAMÍLIA VAGAS AC VENCIMENTO BASE R$ CARGA HORÁRIA SEMANAL VALOR DA INSCRIÇÃO

CÓDIGO

CARGO

TOTAL

PD

REQUISITOS

201

Atendente do ESF

03

-

-

Nível Fundamental Completo Nível Médio completo, curso de Técnico de Enfermagem e Registro no Órgão de Classe

622,51

40 horas

R$ 37,50

202

Técnico de Enfermagem do ESF

02

-

-

662,51

40 horas

R$ 52,50

QUADRO DE VAGAS DO ESF/ ESTRATÉGIA E SAÚDE DA FAMÍLIA - CONTINUAÇÃO VENCIMENTO BASE R$ CARGA HORÁRIA SEMANAL VALOR DA INSCRIÇÃO

CÓDIGO

CARGO

TOTAL

VAGAS AC

PD

REQUISITOS

203

Enfermeiro do ESF

02

-

-

Curso de Nível Superior em Enfermagem – Registro no Órgão de Classe Curso de Nível Superior em Medicina – Registro no Órgão de Classe Curso de Nível Superior em Fisioterapia – Registro no Órgão de Classe Curso de Nível Superior em Odontologia – Registro no Órgão de Classe

1.144,00

40 horas

204

Médico do ESF

04

-

-

3.800,00

20 horas R$ 62,50

205

Fisioterapeuta do ESF

02

-

-

1.525,33

40 horas

206

Dentista do ESF

01

-

-

2.288,00

40 horas

2

ESTADO DO RIO DE JANEIRO PREFEITURA MUNICIPAL DE MACUCO
QUADRO DE VAGAS DO NIVEL SUPERIOR VENCIMENTO BASE R$ CARGA HORÁRIA SEMANAL VALOR DA INSCRIÇÃO

CÓDIGO

CARGO

VAGAS TOTAL *AC

*PD

REQUISITOS

301

Médico Generalista

03

-

-

Curso de Nível Superior em Medicina – Registro no Órgão de Classe Curso de Nível Superior em Medicina com Especialização na Área – Registro no Órgão de Classe Curso de Nível Superior em Medicina com Especialização na Área – Registro no Órgão de Classe Curso de Nível Superior em Medicina com Especialização na Área – Registro no Órgão de Classe Curso de Nível Superior em Medicina com Especialização na Área – Registro no Órgão de Classe Curso de Nível Superior em Medicina com Especialização na Área – Registro no Órgão de Classe Curso de Nível Superior em Medicina com Especialização na Área – Registro no Órgão de Classe Curso de Nível Superior em Medicina com Especialização na Área – Registro no Órgão de Classe Curso de Nível Superior em Medicina com Especialização na Área – Registro no Órgão de Classe Curso de Nível Superior em Medicina com Especialização na Área – Registro no Órgão de Classe Curso de Nível Superior em Medicina com Especialização na Área – Registro no Órgão de Classe Curso de Nível Superior em Medicina com Especialização na Área – Registro no Órgão de Classe Curso de Nível Superior em Medicina com Especialização na Área – Registro no Órgão de Classe Curso de Nível Superior em Medicina com Especialização na Área – Registro no Órgão de Classe Curso de Nível Superior em Farmácia– Registro no Órgão de Classe

1.144,00

24 horas

302

Médico Dermatologista

01

-

-

1.144,00

20 horas

303

Médico Neurologista

01

-

-

1.144,00

20 horas

304

Médico Urologista

01

-

-

1.144,00

20 horas

305

Médico Psiquiatra

01

-

-

1.144,00

20 horas

R$ 62,50

306

Médico Otorrinolaringologista

01

-

-

1.144,00

20 horas

307

Médico Ginecologista

01

-

-

1.144,00

20 horas

308

Médico Angiologista

01

-

-

1.144,00

20 horas

309

Médico Endocrinologista

01

-

-

1.144,00

20 horas

310

Médico Ortopedista

01

-

-

1.144,00

20 horas

311

Médico Pneumologista

01

-

-

1.144,00

20 horas

312

Médico Pediatra

01

-

-

1.144,00

20 horas R$ 62,50

313

Médico Gastroenterologista

01

-

-

1.144,00

20 horas

314

Médico Oftalmologista

01

-

-

1.144,00

20 horas

315

Farmacêutico

01

-

-

1.144,00

20 horas

3

ESTADO DO RIO DE JANEIRO PREFEITURA MUNICIPAL DE MACUCO
03- DAS INSCRIÇÕES 3.1. Antes de efetuar a inscrição, o candidato deverá ler o Edital e certificar-se de que preenche todos os requisitos exigidos. 3.1. 1. A inscrição ao Concurso Público da Prefeitura Municipal de Macuco poderá ser feita de duas maneiras: presencial, no local abaixo indicado ou pela Internet, exceto ao cargo de Agente Comunitário de Saúde que poderá ser somente na forma presencial.
MANEIRAS DE INSCRIÇÕES VIA INTERNET PERIODOS 05 A 20/03/2012 LOCAL www.incp.org.br LOCAL: MULTIPLO USO VIA PRESENCIAL 05 A 20/03/2012 ENDEREÇO: RUA DR. MARIO FREIRE S/N – CENTRO MACUCO/RJ.

3.1.2. A inscrição Presencial para o Concurso Público será realizada: 3.1.2.1. PERÍODO: 05 a 20 de março de 2012. 3.1.2.2. HORÁRIO: das 10 às 16 horas (exceto sábados, domingos e feriados). 3.1.2.3. LOCAL: MULTIPLO USO
ENDEREÇO: RUA DR. MARIO FREIRE S/N – CENTRO MACUCO/RJ.

3.1.3. A inscrição deverá ser feita pelo candidato ou por seu procurador, com instrumento específico e individual com firma reconhecida por autenticidade, acompanhada dos originais do Procurador, e das cópias dos documentos de identidade do candidato e do procurador, caso este em que as cópias das identidades e a procuração serão anexadas ao requerimento de inscrição. 3.1.4. O candidato inscrito por procuração assume total responsabilidade pelas informações prestadas por seu procurador no requerimento de inscrição, arcando com as consequências de eventuais erros de preenchimento do documento de inscrição. 3.1.4.1. Não será aceito, em hipótese alguma, pedido de alteração do cargo/função para o qual o candidato se inscreveu. 3.1.4.2. Para efetuar a inscrição, é imprescindível o número de Cadastro de Pessoa Física (CPF) do candidato. 3.1.4.3. Será permitido número livre de inscrições, mas a PREFEITURA MUNICIPAL DE MACUCO e o INCP, não se responsabilizarão por eventuais coincidências de datas e horários de provas e quaisquer outras atividades, que, se caso ocorrerem, deverá o candidato optar por apenas 1 (um) cargo. 3.2. Para inscrever-se no Concurso Público, o candidato deverá: 3.2.1. No Posto de Inscrição Presencial: a) O candidato deverá dirigir-se local de inscrição, localizado à RUA DR. MARIO FREIRE S/N – CENTRO MACUCO/RJ, no horário das 10 às 16 h, nos dias úteis durante o período de inscrições, onde poderá tomar conhecimento do Edital do Concurso. b) Após ler atentamente o manual do candidato, pagar a taxa de inscrição, mediante depósito bancário, em espécie, em quaisquer agências dos bancos mencionados no presente Edital, em favor da PREFEITURA MUNICIPAL DE MACUCO. b.1 - Não serão aceitas inscrições por depósito em Caixa E letrônico, cheque, fac-símile (fax), transferência, ordem de pagamento condicionais e/ou extemporâneas ou por qualquer outra via que não as especificadas neste Edital. Verificado, a qualquer tempo, o recebimento de inscrição que não atenda a todos os requisitos estabelecidos, será ela cancelada. c) Após o pagamento, o candidato deverá, preencher, com clareza, em letra de forma e à tinta, o formulário de inscrição e assiná-lo. d) Caso deseje, o candidato poderá consultar o manual do candidato no próprio Posto de Inscrição, ou no endereço eletrônico: www.incp.org.br. e) O candidato PORTADOR DE DEFICIÊNCIA deverá entregar ou encaminhar o Laudo Médico, conforme especificação item 4.1 deste Edital. 3.2.2. Requisitos básicos para a inscrição para o cargo de AGENTE COMUNITÁRIO DE SAÚDE:

4

3. 3. ou cidadão português que tenha adquirido a igualdade de direitos e obrigações civis e gozo dos direitos políticos (Constituição Federal. O pagamento da taxa não significa que a inscrição está realizada e nem obriga que se processe a inscrição do candidato fora do período previsto neste Edital. Será disponibilizado o seguinte número telefônico 0XX-(22)-2726-3252. 3º e Decreto Federal nº 70.5. b) Poderá entregar no momento da inscrição presencial. nos termos do Decreto Federal nº 6. fornecer seu nome e número de inscrição.135.4. de segunda a sexta . e/ou extemporânea. conforme o disposto no Decreto nº 6.ESTADO DO RIO DE JANEIRO PREFEITURA MUNICIPAL DE MACUCO a) ser brasileiro nato ou naturalizado.3. 19. onde o candidato deverá observar o seguinte: a) SE HIPOSSUFICIENTE ECONOMICO: informar no ato da inscrição seu numero de inscrição no Cadastro Único para programas sociais do Governo Federal – CADÚNICO. Art. Comparecer ao local de inscrição.1.3. 6º da Lei Federal nº. 3.11.4.NIS e ser membro de família de baixa renda. em virtude do decurso de tempo para atualização do banco de dados do CADÚNICO a nível nacional. água ou telefone comprovando a residência do postulante. estiverem inscritos no Cadastro Único para Programas Sociais do Governo Federal – CadÚnico. de 26 de junho de 2007. no ato da inscrição. de 5 de outubro de 2006.1. nos termos do Decreto nº 6. mesmo que atualmente estes estejam divergentes ou que tenham sido alterados nos últimos 45 (quarenta e cinco) dias.5.4 deste Edital deverá ser protocolada. Em nenhuma hipótese será admitida a inscrição condicional.135. A isenção tratada no item 3. 3. 5 . declaração em que o candidato declara o local de sua residência. de 26 de junho de 2007. deverão ser protocolados. a qualquer tempo. 3.350. de 4/6/1998. de que trata o Decreto nº 6. indicação do Número de Identificação Social . Certidão do TRE de domicilio eleitoral. 3. a fim de verificar a veracidade das informações prestadas pelo candidato que requerer a isenção na condição de hipossuficiente. nos horários das 9 às 12 horas e das 14 às 17 horas. ao ligar. deste edital. conforme determina o art. via fac-simile. Banco conveniado: BANCO ITAÚ AGÊNCIA 6075 CONTA CORRENTE 05768. Todas as ligações serão gravadas e o candidato deverá. b) possuir idade mínima de 18 anos completos na data da posse. impreterivelmente. no local evidenciado no item 3. impreterivelmente.3.3.2. em nome do candidato ou de ascendente ou descendente direto. para informações ao candidato sobre o Concurso. Após o julgamento do pedido de isenção. e forem membros de família de baixa renda.3. de 26 de junho de 2007.3.5. Os Pedidos de isenção. 3. 3. O candidato que requerer a isenção na qualidade de hipossuficiente econômico deverá informar.feira. assim compreendida aquela que possua renda per capita de até meio salário mínimo ou aquela que possua renda familiar mensal de até 03 (três) salários mínimos.436.3. com a assinatura de 2 (duas) pessoas com comprovação de residência na localidade. no período de 05 e 06/03/2012.2. Art. exceto para os candidatos que. na inexistência das mesmas.1.1. 3. de 18/4/1972). seus dados pessoais em conformidade com os que foram originalmente informados ao órgão de Assistência Social de seu município responsável pelo cadastramento de famílias no CADÚNICO. c) residir na área da comunidade em que atuar.3.5.4. arcando com a exclusão do Processo Seletivo em caso da não constatação da residência. munido de original da Carteira de Identidade ou Carteira de Trabalho ou Carteira de Motorista (com foto) ou Passaporte válido ou Identificação do Órgão de Classe e CPF. o interessado deverá certificar-se de que preenche os requisitos exigidos neste Edital para a participação no Concurso Público. Documentação necessária para o cargo de AGENTE COMUNITÁRIO DE SAÚDE: a) Conta de luz. ou cônjuge ou companheiro.4 3.135. 12. 3. de 2 de outubro de 2008. no período de 05 e 06 de março de 2012.1.593. O INCP consultará o Órgão gestor do CADÚNICO. o candidato poderá efetuar a atualização dos seus dados cadastrais junto ao INCP através do sistema de inscrições online ou solicitá-la ao fiscal de aplicação no dia de realização das provas. Não haverá isenção total ou parcial do valor da taxa de inscrição. Antes de efetuar o pagamento da taxa de inscrição feita na forma presencial. § 1° e Emenda Constitucional nº.

com isso. d) apresentar documentos ilegíveis ou preenchidos incorretamente.org.936. O “Requerimento de Inscrição para Solicitante de Isenção do Pagamento da Taxa de Inscrição” deverá estar devidamente preenchido.ESTADO DO RIO DE JANEIRO PREFEITURA MUNICIPAL DE MACUCO 3.incp.5.9.10. não necessitará efetuar sua inscrição. Nome do Candidato.4. o candidato deverá clicar no hyperlink do Concurso Público desejado.org.4.1.6. dentre elas a opção FICHA DE INSCRIÇÃO.2.2. c) não observar o prazo estabelecido no subitem 3.6.5. O candidato com pedido de isenção do pagamento da taxa de inscrição indeferido poderá efetuar sua inscrição com pagamento da taxa.7. O simples preenchimento dos dados necessários da isenção de inscrição. 3.3. Estado Civil.6 deste Edital.org. Cep. deverá clicar em CORRIGIR para voltar.incp.6.br. O Processo de inscrição para Concurso Público.5. Os seguintes campos são de preenchimento obrigatório: CARGO Público.incp. O processo de inscrição pela Internet estará disponível no site: www. Para inscrever-se pela Internet. Dentro desse período as inscrições serão aceitas a qualquer hora do dia ou da noite. Após ter clicado em FICHA DE INSCRIÇÃO. 3.6. Caso algum dado esteja errado. Órgão Expedidor.5.br e clicar no hyperlink que o levará à página dos Concursos Públicos.O candidato deverá preencher corretamente a ficha de inscrição com os seus dados. na qual estará sujeita à analise e deferimento da solicitação por parte do INCP e da Comissão Organizadora de Concurso Público. e todo o processo deverá ser feito pelo site. conforme disposto neste item do Edital. do Documento de Identidade.incp. de 06 de setembro de 1979.2. o candidato deverá ter um endereço próprio de e-mail válido. 3. que deverá ser clicada. Não serão aceitos. onde serão listados todos os Concurso Públicos disponíveis. O candidato cuja solicitação de isenção do pagamento da taxa de inscrição for deferida. o disposto no parágrafo único do artigo 10 do Decreto Federal nº 83. obrigatoriamente.1. estará 6 .2. Ficha de Inscrição . através da Internet. não garante ao interessado a isenção de pagamento da taxa de inscrição. Após clicar no hyperlink do Concurso Público. 3. Nº. A declaração falsa sujeitará o candidato às sanções previstas em lei.5.org.1. Bairro.5. CPF. após a realização do pedido.5. Após preencher todos os campos. Confirmação de Dados . sujeitando-se este preenchimento às considerações e regras estabelecidas neste item do Edital quanto ao preenchimento do Requerimento de Inscrição.2. será apresentada uma página contendo as publicações disponíveis. b) fraudar e/ou falsificar documentação. Estado e e-mail. desde as 10 horas do dia 0 5 / 0 3 /2012 até as 24 horas do dia 2 0 / 0 3 /2012. 3. o candidato deverá seguir os seguintes passos: 3. Sexo. Grau de Instrução. Estado do Órgão Expedidor. Não será concedida isenção do pagamento da taxa de inscrição ao candidato que: a) omitir informações e/ou torná-las inverídicas. pois o “Requerimento de Inscrição para Solicitante de Isenção do Pagamento da Taxa de Inscrição” será considerado como Requerimento de Inscrição.5. ainda.6. Endereço.5.4. O resultado da análise da documentação apresentada será publicado no endereço eletrônico www.6.5. 3.8. O candidato deverá acessar o site: www. Data de Nascimento. 3.1. conforme o caso. Caso contrário deverá ler a declaração situada abaixo dos dados e marcar a caixa que se encontra após a declaração e.6.5.6. aplicando-se. 3. PORTAL: www. clicar no botão CONCLUIR INSCRIÇÃO. no período informado no cronograma existente no Manual do Candidato.6. 3.5. 3.Os dados preenchidos no formulário serão apresentados na tela e o candidato deverá conferi-los.5. 3.5. acréscimo ou alterações das informações prestadas. deverá ser efetuado conforme as seguintes regras e condições: 3. 3.6. 3.11. DA INSCRIÇÃO PELA INTERNET: 3.br 3. Não serão aceitas inscrições efetuadas sob qualquer forma em períodos anteriores ou posteriores aos aqui determinados.br. Município.6.

6. arcando com as consequências de eventuais erros no preenchimento desse documento.5.2. ficando o candidato inscrito pela Internet obrigado a acompanhar.9.2. às vagas especialmente reservadas às mesmas.2..1. O candidato portador de deficiência deverá encaminhar o laudo médico (original ou cópia autenticada) referidos na alínea “b” do subitem 4.298/1999.1. até o último dia de inscrição.2. 3. o candidato deverá: a) no ato da inscrição.298/1994.5. por não ter como identificá-lo.5.2. até o vencimento constante no boleto.8. sob sua inteira responsabilidade e nos termos da referida legislação. 4. A inscrição via Internet que tiver seu pagamento efetuado por outros meios que não seja o disponibilizado pelo site (boleto bancário) será invalidada e cancelada e ainda terá perdido o valor depositado. Conclusão . alterado pelo Decreto Federal 5.5. A inscrição só será efetivada após a confirmação. O INCP não se responsabiliza por solicitações de inscrições via Internet NÃO RECEBIDAS.2. 3. declarar-se portador de deficiência.3. Somente após confirmação do recebimento pela instituição bancária. Estará disponível. aberto o boleto bancário que DEVERÁ SER IMPRESSO e pago.5. Caso o boleto impresso pelo candidato se extravie. O candidato que se declarar portador de deficiência concorrerá em igualdade de condições com os demais candidatos.2. IMPRETERIVELMENTE.incp. 3. do pagamento do boleto bancário. após o período de inscrições. portanto amparadas pelo Decreto Federal 3. O pagamento do boleto bancário.br. e.2.4.10.2. o candidato terá o prazo de 48 horas para entrar com recurso sob pena de não serem acatadas reclamações posteriores.7. 3.2.incp. As inscrições não pagas até a data prevista neste edital estarão automaticamente CANCELADAS. no dia da prova.2.5. em qualquer agência bancária. e pela Lei Estadual 2.6. C) Informar o CPF utilizado no preenchimento da ficha de inscrição e clicar em “Gerar boleto”. no percentual de 5% (cinco por cento). evitando possíveis congestionamentos de comunicação nos últimos dias do prazo de inscrição. atestando a espécie e o grau ou nível da deficiência. 3.6.296/2004. Todas as despesas decorrentes da participação no Concurso Público. de 28/07/1994. o documento de identificação oficial com foto original.6. 3.13. a relação de inscrições não validadas. inclusive deslocamentos para os locais de inscrição e realização das provas serão de inteira responsabilidade do candidato.1.2. O candidato inscrito pela Internet deverá apresentar. Em hipótese alguma serão aceitos transferência ou depósito bancário para as inscrições via internet.6. D) Imprimir o boleto apresentado e pagar em qualquer Agência Bancária.13. Caso a inscrição do candidato não conste na relação de que trata o item 3. emitido nos últimos doze meses. congestionamento das linhas de comunicação. é possível emitir uma segunda via.Concurso Prefeitura de Macuco 2012.5. de 14/12/1995 poderão concorrer.br.5. 4.6. postado impreterivelmente.1.7.12. Caso o candidato tenha problemas com a confirmação da sua inscrição. 3.2. sejam de ordem técnica dos computadores.6.6. bem como outros fatores de ordem técnica que impossibilitem a transferência de dados e por procedimento indevido dos usuários. Só será aceita a inscrição pela Internet através de pagamento do boleto emitido pelo site. na forma do subitem 4. para a Central de Atendimento do Candidato – Concurso Público Prefeitura Municipal de Macuco (laudo médico). Caso não seja apresentado o documento. 3. o candidato deve seguir os seguintes passos: A) Acessar o site www. a seguir.2. 3. as inscrições serão validadas.6. 3. via SEDEX ou carta registrada com aviso de recebimento.DAS INSCRIÇÕES PARA CANDIDATOS PORTADORES DE DEFICIÊNCIA 4.ESTADO DO RIO DE JANEIRO PREFEITURA MUNICIPAL DE MACUCO concordando com os termos da mesma.2.6. CAIXA POSTAL -114341 Campos do Goytacazes/RJ – CEP 28010- 7 . 3.5. por quaisquer motivos.5. o candidato não poderá fazer a prova. pelo portal acima.2. O candidato é responsável pelas informações prestadas no Requerimento de Inscrição. e ser guardado para posterior comprovação do pagamento.6. Para concorrer a uma dessas vagas. 3. 4. bem como a provável causa da deficiência. todas as informações referentes à sua inscrição. As inscrições deverão ser feitas com antecedência.14.11.5. 3.org. emitido via Internet.6. alterada pela Lei Estadual 2.org.Na página seguinte. deve imediatamente entrar em contato com o Instituto. b) encaminhar laudo médico original ou cópia autenticada. O INCP não se responsabiliza pela NÃO CONFIRMAÇÃO DE PAGAMENTO DO BOLETO BANCÁRIO pela Instituição Financeira. Não serão aceitos protocolos e outros documentos que não estejam de acordo com o item anterior. Para tal.6.5.6. no portal www. falhas de comunicação.8.482/1995. o link para . 3. As pessoas com necessidades especiais. com expressa referência ao código correspondente da Classificação Internacional de Doenças (CID).5. poderá ser efetuado em qualquer banco até a data de vencimento constante no mesmo.2.1. declarado na ficha de inscrição preenchida no site. pela Instituição Bancária.5. Depois deverá clicar na opção CONCLUIR INSCRIÇÃO. B) Acessar o link “Segunda via de boleto bancário”. 4.

4. 4. 4. caso obtenham classificação necessária.será disponibilizado local de fácil acesso. principalmente se o candidato fizer uso de cadeira de rodas. resguardadas as ressalvas na legislação vigente. bem como a provável causa da deficiência. O INCP não se responsabiliza por qualquer tipo de extravio que impeça a chegada da documentação a seu destino. caso seja aprovado no Concurso Público.1. no ato da inscrição. A relação dos candidatos que tiveram a inscrição deferida para concorrer na condição de portadores de deficiência será divulgada na Internet. é de responsabilidade exclusiva do candidato. 4. 4. 4.7. sejam quais forem os motivos alegados. O candidato portador de deficiência reprovado na perícia médica por não ter sido considerado deficiente. se não eliminados no Concurso Público e considerados portadores de deficiência. 4.8. sobre a incompatibilidade entre as atribuições do cargo e a deficiência apresentada. e-mail ou via SEDEX. por qualquer via.necessitando 8 . As condições especiais previstas para o portador de deficiência para realização da prova são: a) deficiência visual total . Após esse período. Data ____/____/_____ Nome.10. Os candidatos que se declararem portadores de deficiência. sendo o candidato comunicado do atendimento ou não de sua solicitação quando da Confirmação da Inscrição. Modelo do Atestado Médico: MODELO DE ATESTADO MÉDICO PARA DEFICIENTES Atesto para os devidos fins que o Sr. 4. O laudo médico (original ou cópia autenticada) terá validade somente para este Concurso Público e não será devolvido.4. sendo compatível com a deficiência apresentada pelo paciente com as atribuições do cargo de ______________________ disponibilizado no Concurso Público_______________________ conforme Edital do processo de seleção. no endereço www. assim como não serão fornecidas cópias do mesmo.14. munidos de laudo médico que ateste a espécie e o grau ou nível de deficiência. que transcreverá as respostas para o candidato. b) ambliopia . não serão aceitos pedidos de revisão.4.4. Os candidatos quando convocados.a prova será confeccionada de forma ampliada. 4.3. assinatura e número do CRM do médico especialista na área de deficiência / doença do candidato e carimbo.2 acarretará a perda do direito ao pleito das vagas reservadas aos candidatos em tal condição e o não-atendimento às condições especiais necessárias. na ocasião da divulgação do edital de locais e horários de realização das provas. Havendo necessidade de condições especiais para realização da prova. d) dificuldade na escrita . c) dificuldade de locomoção por ausência ou redução de função física .2. com expressa referência ao código correspondente da Classificação Internacional de Doenças (CID).º e 2. e ainda às vagas reservadas aos portadores de deficiência. a reprovação na perícia médica ou o não comparecimento à perícia acarretará a perda do direito às vagas reservadas aos candidatos em tais condições. O candidato portador de deficiência participará do Concurso Público em igualdade de condições com os demais candidatos às vagas de ampla concorrência. 4.7. caso contrário. pessoalmente ou por meio de fax. 4.11. indicando as condições de que necessita para a realização destas. para o dia de realização das provas. se não eliminados no Concurso Público.3. observada a ordem geral de classificação.5. com tamanho de letra correspondente a corpo 16. figurará na lista de classificação geral. figurarão também na lista de classificação geral. conforme previsto no artigo 40. o portador de deficiência. parágrafos 1.12.2. deverá relacionar suas necessidades no Requerimento de Inscrição.6.a prova poderá ser realizada com o auxílio de um ledor.15.298/99 e suas alterações. O candidato portador de deficiência poderá requerer atendimento especial.2. A inobservância do disposto no subitem 4. Caso não o faça.298/99 e suas alterações. Os candidatos que. A não-observância do disposto no subitem 4. no ato da inscrição. As condições especiais solicitadas pelo candidato para o dia da prova serão analisadas e atendidas. terão seus nomes publicados em lista à parte e.incp.org. segundo critérios de viabilidade e razoabilidade.ESTADO DO RIO DE JANEIRO PREFEITURA MUNICIPAL DE MACUCO 972.º 3.br. do Decreto n. 4.º3. O candidato disporá de um dia a partir da divulgação da relação citada no subitem anterior para contestar o indeferimento. que verificarão sobre a sua qualificação como deficiente. As vagas definidas no subitem 4. 4. 4. (a) ____________________________________ é portador da deficiência ___________________código internacional da doença (CID)________. fica sob sua exclusiva responsabilidade a opção de realizar ou não a prova.º. o atestado não terá validade.2. serão convocados para se submeter à perícia médica formada por profissionais. 4. 4. deverão comparecer à perícia médica.1 que não forem providas por falta de candidatos portadores de deficiência aprovados serão preenchidas pelos demais candidatos. sendo vedadas alterações posteriores. 4. declararem-se portadores de deficiência.9. no ato da inscrição. O encaminhamento do laudo médico (original ou cópia autenticada).13. conforme especificado no Decreto n.

A relação dos candidatos que tiveram a inscrição deferida para concorrer na condição de portadores de Necessidades Especiais Momentâneas será divulgada na Internet. As vagas disponíveis na validade do Concurso Público. As condições especiais solicitadas pelo candidato para o dia da prova serão analisadas e atendidas.2.18. dia. 6. não tendo a candidata nesse momento a companhia do acompanhante. O INCP disponibilizará na medida do possível.6.havendo necessidade de amamentar no dia da prova.2.3. conforme os itens 6.DAS INSCRIÇÕES PARA CANDIDATOS COM NECESSIDADES ESPECIAIS MOMENTÂNEAS 5. 4. c) dificuldade na escrita . nele transcritos. Não serão considerados como deficiências os distúrbios de acuidade visual ou auditiva passíveis de correção simples pelo uso de lentes ou aparelhos específicos. 5. 6. o candidato deverá solicitar ao encarregado do posto de confirmação a necessária correção. PERÍODO: 03 e 04 de abril de 2012. constará em seu COMPROVANTE DE CONFIRMAÇÃO DE INSCRIÇÃO (CCI).1. respeitando a ordem de classificação.2.org. que transcreverá as respostas para o candidato. PORTAL: www. local e sala onde fará a prova.2. no endereço www. O INCP não se responsabilizará.3.1.3. por reprovação de algum candidato em alguma fase do Concurso Público. o candidato terá o auxílio de um fiscal para transcrição das respostas. obrigatoriamente: 6.1. 5.a prova será realizada com o auxílio de um ledor.2. ou o Comprovante não esteja disponível. MARIO FREIRE S/N – CENTRO MACUCO/RJ. a confirmação feita pela internet deverá ser corrigida no ato da impressão do CCI no campo destinado a esse fim. segundo critérios de viabilidade e razoabilidade. será permitida a entrada de um acompanhante que ficará com a guarda da criança em local reservado e diferente do local de prova da candidata.4. não se admitindo a realização da prova em locais distintos.CCI no local indicado neste Edital. além de não ser dado nenhum tipo de compensação em relação ao tempo de prova perdido com a amamentação.org.br.3. 4. local de fácil acesso aos candidatos que se encontrem nessa condição. HORÁRIO: das 10 às 16 horas 6. o candidato terá o auxílio de um fiscal para transcrição das respostas. ao horário e ao local de realização das provas (nome do estabelecimento. sob qualquer alegação.1 e 6. Para tanto.17.br 6. por eventuais erros de transcrição da prova provocados pelo ledor ou fiscal. sendo vedadas alterações posteriores. sendo comunicado do atendimento ou não de sua solicitação quando da Confirmação da Inscrição. SOMENTE NO LOCAL ABAIXO OU PELA INTERNET.2. A não presença de um acompanhante impossibilitará a candidata de realizar a prova.incp. A amamentação se dará nos momentos que se fizerem necessários. 4.1. 6.1. O candidato que não conferir as informações contidas no seu CCI estará assumindo total responsabilidade 9 . 5. Após a investidura do candidato. que poderá ser retirado.3.ESTADO DO RIO DE JANEIRO PREFEITURA MUNICIPAL DE MACUCO de condições especiais para escrever. 5. 6. LOCAL: MULTIPLO USO ENDEREÇO: RUA DR. sendo imprescindível o comparecimento de tais candidatos aos locais determinados. b) dificuldade de locomoção será disponibilizado local de fácil acesso. horário. salvo as hipóteses excepcionais de agravamento imprevisível da deficiência que impossibilitem a permanência do empregado em atividade. Admite-se a realização da prova em condições especiais aos candidatos que no ato da inscrição no Concurso Público tenham alguma limitação física momentânea.1.3.DA CONFIRMAÇÃO DAS INSCRIÇÕES 6. Caso haja qualquer erro.2. 5.necessitando de condições especiais para escrever. As condições especiais previstas para realização da prova são: a) limitação visual temporária . 6. As informações referentes à data. 6. Tomar conhecimento do seu número de inscrição. como também não se responsabilizará por problemas causados à lactante pela ausência de seu acompanhante.1. e ao tipo de vaga escolhida pelo candidato.incp. poderão ser preenchidas pelos demais aprovados. Na Internet: 6.2. deverá o candidato relacioná-las no formulário de inscrição.5. por contra-indicação na perícia médica ou outro motivo. a deficiência não poderá ser arguida para justificar a concessão de aposentadoria. principalmente se o candidato fizer uso de cadeira de rodas. PERÍODO: 03 e 04 de abril de 2012. na ocasião da divulgação do edital de locais e horários de realização das provas. Fazer a conferência de todos os dados.16. o candidato deverá. endereço e sala).1. 06 .3. Ao retirar o Comprovante . 5. que não forem providas por falta de candidato. d) lactante .

br ou no Posto conforme determinado no item 6.ESTADO DO RIO DE JANEIRO PREFEITURA MUNICIPAL DE MACUCO pelos dados ali registrados e suas consequências. no dia de realização das provas.6.5 2. O Cartão de Confirmação de Inscrição NÃO será enviado ao endereço informado pelo candidato no ato da inscrição. deverão ser comunicados.1. O comprovante CCI não será enviado ao candidato via Correios. também. 07. Os contatos feitos após a data estabelecida no item 6. Médio e Superior.0 2.DAS PROVAS 7. na sala de prova. conforme Edital. O mesmo deverá ser retirado pela internet site: www. 6. no endereço eletrônico do INCP: www. 7.3.4. Médio e Superior).3.0 4. 7.5 Total por Prova 25 50 25 100 Língua Portuguesa Conteúdos Gerais Saúde Pública Conhecimentos Gerais/ Atualidades Total 10 . prevalecendo os dados constantes do Cartão de Confirmação de Inscrição.incp. É de responsabilidade exclusiva do candidato a identificação correta de seu local de realização das provas e o comparecimento no horário determinado.2. Estruturação das Provas Objetivas: QUADRO DE PROVAS DO NÍVEL FUNDAMENTAL COMPLETO Agente Comunitário de Saúde e Agente de Endemias Pontuação ponderada Nº de Disciplinas questões Nota por questão Total por Prova Língua Portuguesa Conteúdos Gerais Saúde Pública Conhecimentos Gerais/ Atualidades Conteúdos Específicos Total Conteúdo Específico da Área 10 10 10 10 40 2.br. exigido para o exercício do cargo.7.1.3.5 2.0 20 20 20 40 100 Provas QUADRO DE PROVAS DO NÍVEL FUNDAMENTAL COMPLETO Atendente do ESF Provas Disciplinas Nº de questões 10 20 10 40 Pontuação ponderada Nota por questão 2.0 2. sendo apenas uma correta. que não comprometam a identificação do candidato. As provas serão organizadas considerando-se o grau de escolaridade (Níveis Fundamental.org. A prova objetiva com data prevista no calendário básico constará de 40 (quarenta) questões para os níveis: Fundamental.1. documento de identidade ou data de nascimento. As informações sobre os respectivos locais de provas estarão disponíveis.1 deste Edital não serão considerados. As questões serão de múltipla escolha contendo 04 (quatro) alternativas (A – B – C – D). 6.5. apenas. Erros referentes a nome.2.3. 6. A prova terá duração de 03 (três horas) e será considerado aprovado o candidato que obtiver o mínimo de 50% (cinqüenta por cento) do total de pontos.org.incp. junto ao fiscal que fará a correção em formulário próprio. 6.

que só será assinada. bem como a verificação de sua assinatura.0 2. Não serão aceitos protocolos. O documento de identidade do candidato deverá ser apresentado ao fiscal da sala para conferência com o Cartão Resposta e a Lista de Presença. etc. a identificação do candidato e sua assinatura. 11 . CPF.0 4. O candidato deverá comparecer ao local de realização das provas. carteiras expedidas pelas Secretarias de Segurança. Passaporte com validade e deverá conter foto e estar em perfeitas condições. pelas Polícias Militares e pelos Órgãos fiscalizadores do exercício profissional (Ordens.1. pelos Corpos de Bombeiros. identidade funcional. na entrega do Cartão.3. crachás. 7.0 Total por Prova 20 20 20 40 100 Língua Portuguesa Conteúdos Gerais Saúde Pública Conhecimentos Gerais/ Atualidades Conteúdos Específicos Total Conteúdo Específico QUADRO DE PROVAS DE TODO NÍVEL SUPERIOR Pontuação ponderada Nota por questão 2. sendo o candidato submetido a identificação especial. Serão considerados documentos de identificação oficial de identidade: Carteira de Trabalho.0 2. O candidato que não apresentar o documento oficial de identidade não realizará as provas.4. expedido no máximo há 30 (trinta) dias.2. Conselhos. 7. rigorosamente. ao término da prova.0 Total por Prova 20 20 20 30 10 100 Provas Disciplinas Nº de questões 10 10 10 10 40 Língua Portuguesa Conteúdos Gerais Saúde Pública Conhecimentos Gerais/Atualidades Conteúdos Específicos Títulos Total Conteúdo Específico 7.0 2.3. por motivo de perda. 7. Os portões de acesso aos locais de realização das provas serão fechados.4. Título de Eleitor.ESTADO DO RIO DE JANEIRO PREFEITURA MUNICIPAL DE MACUCO QUADRO DE PROVAS DE TODO NÍVEL MÉDIO Técnico de Enfermagem do ESF Provas Disciplinas Nº de questões 10 10 10 10 40 Pontuação ponderada Nota por questão 2. 7.).5. roubo ou furto. Carteira de Motorista (com foto).0 3. Caso o candidato esteja impossibilitado de apresentar documento oficial de identidade.4. deverá apresentar documento que comprove o registro do fato em órgão policial. na hora marcada para o início das mesmas. munido do Comprovante de Confirmação de Inscrição (CCI).0 2. de forma a permitir. com antecedência mínima de 01 (uma) hora do horário estabelecido para o fechamento dos portões de acesso aos locais de prova.4. 7. cópias ou quaisquer outros documentos que impossibilitem a identificação do candidato. de documento original de identificação oficial com foto e de caneta esferográfica de tinta azul ou preta (tinta fixa). com clareza. não havendo tolerância.

Caso o candidato identifique erros durante a conferência das informações contidas no cartão de respostas.ESTADO DO RIO DE JANEIRO PREFEITURA MUNICIPAL DE MACUCO 7.5. 7.7.6.7.8. gorro. portaria. sendo somente liberados quando o último deles tiver concluído a prova. manchado ou ser feito uso de borracha ou corretivo e. BIP. walkman. assinado. para julgamento posterior. Qualquer observação por parte dos candidatos será igualmente lavrada na Ata. 7. 7.4.8.7. 7. declaração falsa ou inexata.1. será substituído e terá que ser. 7.8. Em caso de descumprimento dessa determinação. 7. ao fiscal de sala. Na correção do Cartão-Resposta da prova objetiva será atribuída nota 0 (zero) à questão: 7. mesmo que tenha desistido do Concurso Público.3. boné. Os três últimos candidatos deverão permanecer juntos na sala.7. notebook. assinado pelo candidato no local determinado. O candidato só poderá sair levando o Caderno de Questões da Prova Objetiva quando faltar 1 (uma) hora para o término da prova. O candidato que se retirar antes do prazo mínimo que lhe permita levar seu Caderno de Questões não poderá copiar sua marcação de respostas.7. entrega dos 12 . O CartãoResposta não será aceito. Não haverá aplicação de provas fora do horário.7. que ficarão em dependência designada pelo Coordenador do local.7. Durante as provas não será permitido o uso de óculos escuros.1. 7. 7.8. é de inteira responsabilidade do candidato e é obrigatória. Fizer. Está prevista. compassos. a utilização do detector de metais. amassado. nem a utilização de livros. Com emenda ou rasura.6. 7. réguas. podendo acarretar a eliminação do candidato.9.7.5. Não será permitido ao candidato entrar na sala de prova portando telefone celular. 7. qualquer que seja o motivo. Será automaticamente excluído do Concurso Público. Cada candidato receberá um Bloco de Provas.2.6.3. obrigatoriamente.7.6.7. impressos. horários e locais indicados no Comprovante de Confirmação da Inscrição (CCI) do candidato e não haverá. gravador.7. Somente decorrida 01 (uma) hora do início da Prova. MP3 Player e/ou similares. boina. 7. É responsabilidade do candidato assinar o cartão de respostas.1.6.7. Com mais de uma opção assinalada.2. 7. As provas acontecerão em dias. agendas eletrônicas. relógios com mostrador digital. será considerado como desistência do candidato e resultará em sua eliminação do Concurso Público. O candidato deverá conferir as informações contidas no cartão de respostas e assinar seu nome em local apropriado. somente. o candidato é obrigado a entregar seu Cartão-Resposta. podendo acarretar a eliminação do candidato. o candidato poderá retirar-se da sala de Prova. sob pretexto algum. palmtop.2. armas ou aparelhos eletrônicos e não será admitida qualquer espécie de consulta. O Candidato não poderá alegar desconhecimento dos locais de realização das provas como justificativa por sua ausência. estes deverão ser informados. 7. obrigatoriamente. Não será permitido ao candidato realizar a prova em estado etílico (embriagado). 7. pois a correção da prova objetiva será feita somente nesse documento e por processamento eletrônico de leitura ótica. que deverá ser marcado. A transcrição correta das alternativas para o Cartão-Resposta. após a saída do candidato da sala de prova ou após o encerramento da mesma. O Candidato que se retirar antes de cumprido esse prazo estará abrindo mão.3. 7. chapéu. códigos. sob pena de não ser válido para leitura e atribuição de nota.6. comunicação entre os candidatos.7.6. Caso o telefone celular de um candidato toque durante a prova. ficando seus nomes e números de inscrição registrados pelo fiscal. sendo considerado eliminado do Concurso Público o candidato que faltar à prova escrita.6. Poderá haver revista pessoal por meio da utilização de detector de metais e os candidatos com cabelos longos deverão prendê-los.2. portões. Com exceção dos candidatos portadores de Necessidades Especiais e das candidatas que estejam amamentando lactantes. 7. os quais poderão dispor de acompanhantes. com caneta esferográfica de tinta azul ou preta (tinta fixa).5. 7.10.6. em qualquer hipótese ou meio. o fato será registrado em ata.6. contendo questões gerais. O não comparecimento à prova. o fato será registrado em ata. 7. 7. sob pena de ter sua inscrição cancelada. Ao final da prova. For descortês com qualquer membro da equipe encarregada da Inscrição. O Cartão-Resposta não poderá ser rasurado. mesmo que sua assinatura conste da folha de presença. anotações. acondicioná-lo desligado em saco plástico fornecido pelos fiscais da sala de prova. 7. em nenhuma hipótese. o candidato que: 7. Não será permitido o ingresso de pessoas estranhas ao Concurso Público no local da prova.6. para julgamento posterior.1. voluntariamente. bem como a assinatura do mesmo. manuais. Por motivo de segurança. serão adotados os seguintes procedimentos: 7.1. data e locais pré-determinados. não podendo reivindicá-lo posteriormente. em qualquer fase.6.5.4 deverá. ao fiscal de sala. 7. O candidato que portar qualquer aparelho de que trata o item 7. lenço ou qualquer outro acessório que impeça a identificação e a visão total das orelhas do candidato.4.6. ou qualquer outro receptor de mensagens. em qualquer documento. do direito de posse de seu Caderno de Questões. segunda chamada nem justificação de falta.2. e um único Cartão-Resposta. máquina de calcular.6. sob qualquer pretexto. imediatamente. como medida preventiva com vistas à segurança do concurso. 7.6. Sem opção assinalada.

Ausentar-se do recinto da prova sem permissão. As provas poderão ser aplicadas em Municípios vizinhos. Deverá ser interposto um recurso para cada questão em que o candidato se julgar prejudicado. roupas.6. 7. aprovado pelos Conselhos de Educação. Os recursos previstos no item 8.org. no corpo. O recurso deverá ser individual. itens. for constatado por meio eletrônico. Na ocorrência de caso fortuito. o candidato que se julgar prejudicado poderá recorrer. acompanhado de comprovantes que fundamentem as alegações. se recusar a entregar o Cartão – Resposta no tempo determinado para o término da prova.8. 8. Mário Freire Martins.8.8.4. 7.11. Deixar de assinar. alteração da resposta ou anulação. os pontos correspondentes às questões objetivas porventura anuladas serão atribuídos a todos os candidatos que compareceram às provas. Será indeferido. 08 – DA APRESENTAÇÃO DOS RECURSOS 8. a Comissão Organizadora do Concurso Público poderá autorizar a realização da prova nos municípios adjacentes. concomitantemente. expondo as razoes de seu recurso. devendo remeter à Comissão suas conclusões que decidirá acolhendo as razões em decisão irrecorrível.10. poderá ser alterada por ato da Comissão Organizadora do Concurso Público. informando no processo a decisão. A Ins tituição or ganizador a.8. Após o julgamento dos recursos interpostos. caso ocorra um número excessivo de candidatos inscritos e se confirmada a impossibilidade de locais suficientes para acomodar no Município de Macuco o número de candidatos inscritos. de força maior ou de qualquer outro fato imprevisível ou previsível.13. ou de alguma de suas fases. Cada recurso objetivará uma única questão.Resposta. 8. Durante a realização da prova. 7.8. de modo a viabilizar o Concurso Público. neste último caso creditando ponto a todos os candidatos.10. A data da realização das provas.8.9.8.org. Após a publicação dos gabaritos da prova objetiva. Prejudicar ou fraudar o processo de inscrição pela Internet. nº 100 – Centro Macuco/ RJ.5. 8. 7. a lista de presença e o Cartão . Caberá ao INCP fundamentar as razoes que justifiquem o indeferimento ou deferimento do recurso com a conseqüente manutenção do gabarito preliminar. devendo trazer a indicação precisa do item em que o candidato se julga prejudicado. portando ou não o cartão de respostas. 7. 7. Não realizar a prova ou ausentar-se da sala sem autorização.5.3.1.7. 8. tais como anotações em papéis.br.8. ter utilizado outros procedimentos ilícitos na realização das mesmas. 7. As provas objetivas de múltipla escolha serão elaboradas com base no conteúdo programático dos níveis de escolaridade e / ou profissão. à instituição realizadora do Concurso Público será reservado o direito de cancelar. 7. com a indicação precisa da mesma. 8. 7. For responsável por falsa identificação pessoal. através de requerimento dirigido à Ins tituiç ão or ganizador a e entregar no PROTOCOLO GERAL DA PREFEITURA MUNCIPAL DE MACUCO. devendo imprimi-lo. no período com data prevista no calendário básico. 7. em formulário próprio que se encontra no site www. 7. decidirá.8. visual ou grafológico. etc. Não devolver o Cartão-Resposta ao término da prova.br. 7.1 serão dirigidos à Ins tituiç ão organizador a.14. 8.9. dando ampla divulgação. 7.ESTADO DO RIO DE JANEIRO PREFEITURA MUNICIPAL DE MACUCO comprovantes de confirmação (CCI) e aplicação da prova. com citações de artigos de legislação. 7. porém de conseqüências incalculáveis que impeça ou prejudique a realização do Concurso Público. for surpreendido em comunicação com outro candidato ou em utilização de celular. Os gabaritos das provas objetivas serão divulgados com data prevista no calendário básico no Órgão Oficial de publicação e através do portal: www.8. 13 .4. Utilizar ou tentar utilizar meios fraudulentos para obter aprovação. não sendo admitido litisconsorte.7.11.6. situada na Rua Dr. liminarmente.incp.8. o recurso que não estiver fundamentado ou for interposto fora do prazo.incp. 7. de caráter irrecorrível. Conteúdos e Bibliografias são os constantes do Edital.12. acompanhado de comprovantes que fundamentem as alegações.3. Ministério da Educação ou Órgão competente de Educação. de interposição de recursos. independentemente. páginas de livro.12. Após as provas. e representados por petição escrita. substituir provas ou atribuir pesos compensatórios.1. 8. se necessário. nome dos autores. estatístico. Não atender às determinações deste Edital. 7.8. interposto o recurso deste capítulo. 7. antes de sair da sala.2. É de inteira responsabilidade do candidato acompanhar as publicações de todos os Atos e Editais referentes ao presente Concurso Público.10.

2. exclusivamente. inclusive os inscritos como portadores de deficiência. da Lei Federal nº 10. O desempate dos candidatos aos cargos obedecerá aos seguintes critérios. que é de 50% (cinqüenta por cento) do total de pontos. 8. da Lei Federal nº 10. fax-símile ou e-mail. até o dia de realização da prova objetiva.3. dos candidatos habilitados inscritos como portadores de deficiência. os seguintes critérios: B) Ter obtido maior nota na parte específica da prova objetiva. encerrando-se assim. os pontos de todas as questões. vista do CartãoResposta. D) Persistindo o empate. na forma do disposto no parágrafo único do art. 14 . simplesmente. 8. C) Ter obtido maior nota na prova de português. 9. contendo as notas das provas objetivas. E) Persistindo o empate. que poderá ser feita somente via internet. Deverão entregar seus títulos somente aqueles candidatos que obtiverem. 27. 10 – DA PROVA DE TÍTULOS 10. na forma do disposto no parágrafo único do art. 50% (cinqüenta por cento) do total de pontos.1. 9. 9. nesta ordem e sucessivamente: A) Ter idade igual ou superior a 60 (sessenta) anos. D) Ter obtido maior nota na prova títulos. O resultado final do Concurso Público será divulgado por meio de duas listas.1. Após o julgamento dos recursos interpostos. nesta ordem e sucessivamente: A) Ter idade igual ou superior a 60 (sessenta) anos.org. os seguintes critérios: B) Ter obtido maior nota na parte específica da prova objetiva (quando houver). e as provas serão corrigidas de acordo com o novo gabarito oficial definitivo. A Publicação do resultado preliminar e gabarito pós-recursos serão em data prevista no calendário básico. para todos os cargos e persistindo o empate serão adotados. O gabarito divulgado através do Órgão Oficial do Município ou através do portal www. por nome e código de inscrição. o candidato poderá solicitar. Os resultados serão divulgados em listagem por ordem classificatória. conforme disposições contidas nos site www.741.br no Link correspondente ao Concurso Público.3. o percentual mínimo exigido para a aprovação. que serão publicadas com o ato de homologação do Concurso pelo Órgão para o qual o candidato concorreu. No caso de apuração de resultado por processo eletrônico.incp.3. 09 – DOS RESULTADOS E CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO DE CLASSIFICAÇÃO DOS CANDIDATOS 9.incp. 9.1.11. a saber: a)lista contendo a classificação de todos os candidatos habilitados.1. já considerando os critérios de desempate. com os desempates já realizados.2.10. terá preferência o candidato com mais idade. 8. as atribuições do Instituto Nacional de Concurso Publico (INCP). no mínimo. sendo somente considerados habilitados os candidatos que obtiverem.11. C) Ter obtido maior nota na prova de português.741. b) lista contendo a classificação. em listagem específica com nota final. A classificação dos candidatos será apresentada em ordem decrescente de pontos.br poderá ser alterado em função dos recursos impetrados.ESTADO DO RIO DE JANEIRO PREFEITURA MUNICIPAL DE MACUCO 8.org. 9.1. para todos os cargos e persistindo o empate serão adotados. a ser concedida através de cópia do cartão. 9. sucessivamente. sucessivamente. Todo o processo de convocação e nomeação do candidato classificado no Concurso Público é de competência da Prefeitura Municipal de Macuco.1. as notas atribuídas pela In s tituição or ganizadora serão as notas definitivas dos candidatos. de 01 de outubro de 2003.3.1. até o dia de realização da prova objetiva. terá preferência o candidato com mais idade. na prova escrita. com acesso pelo candidato com o fornecimento de dados referentes a inscrição do candidato. para dissipar eventual dúvida sobre as alternativas assinaladas. 9. de 01 de outubro de 2003. A Publicação do resultado final será na data prevista no calendário básico.1.2. 27.9. 9. O desempate dos candidatos aos cargos de Nível Superior obedecerá aos seguintes critérios. Não serão aceitos recursos interpostos por via postal. A nota final da Prova será calculada somando-se. através do Sistema Eletrônico de Interposição de Recursos. Todos os candidatos terão sua Prova Objetiva corrigida por meio de processamento eletrônico.2. apenas no prazo recursal.

1. Máximo de Títulos Pontuação Máxima Especificação Título de Doutor ou Título de Mestre 5 1 5 Curso de Pós-Graduação Lato Sensu em nível de Especialização com no mínimo 360 (trezentas e sessenta) horas na área para a qual se inscreveu 3 1 3 Certificado de Curso de Extensão.4. com no mínimo 90 horas. nas seguintes condições: 10.DISCRIMINAÇÃO DE PONTOS POR TÍTULOS NIVEL SUPERIOR: Ponto por Título Nº.4.3. O envelope. por cópias. Não serão considerados os documentos que não estejam em perfeitas condições.1.3. dispensarão autenticação cartorial. HORÁRIO: das 10 às 16 horas. de forma a permitir. O envelope com a Folha de Rosto e os títulos deverá ser entregue no local.4.4. 10. desde que acompanhados de seus originais. com assinatura logo abaixo do último título e colocada dentro do envelope de remessa e devidamente lacrado. Quadro I .org.4. A Qualificação Profissional.6.1. considerada como título. 10. DESTINATÁRIO: Concurso Público do Município de Macuco CAIXA POSTAL – 114341.4.Campos do Goytacazes / RJ.1.4. horário e datas seguintes: 10. PERÍODO PRESENCIAL: 14 e 15 de maio de 2012.3. A apresentação dos títulos do nível médio e Superior deverá ser feita na data prevista no calendário básico não sendo aceitos os postados após a data limite. POSTO ÚNICO: MULTIPLO USO ENDEREÇO: RUA DR. número de inscrição e categoria profissional do cargo à qual o candidato concorre. 10. O envelope com a Folha de Rosto e os títulos.4. MARIO FREIRE S/N – CENTRO MACUCO/RJ. 2 1 2 Pontuação Máxima da Prova de Títulos 10.2.incp. para serem visitados pelo conferente que os receberem.7. 10. O enquadramento dos títulos apresentados far-se-á considerando sua relação com o conteúdo ocupacional do cargo respectivo.3.2. 10. com clareza.5. no “site” www. 10. deverá conter o Requerimento de Entrega de Títulos e as cópias autenticadas dos títulos.1. devidamente autenticados em cartório. 10.1. deverá ser postado através de AR ou registrado. no verso. com nome. Os títulos entregues no local. Aperfeiçoamento e/ou Capacitação. para ser preenchida. 10.0 10.4. 10. ou no ato de entrega dos Títulos. o candidato ao cargo de Nível Superior poderá merecer a pontuação máxima de até 10 (dez) pontos.ESTADO DO RIO DE JANEIRO PREFEITURA MUNICIPAL DE MACUCO 10. e ser identificado. 15 .6. (infracionáveis). A obtenção da Folha de Rosto dos títulos do candidato poderá ser retirada pela Internet. Por seu esforço de aperfeiçoamento. completa e corretamente.1. fornecido pelo candidato.br. 10. 10. refere-se a cursos realizados pelo candidato e relacionados com o cargo para o qual o mesmo está concorrendo. CEP 28010-972.2. PERIODO PELOS CORREIOS : 10 a 15 de maio de 2012. a sua leitura e avaliação.

Estar em dia com as obrigações eleitorais. O provimento dos cargos obedecerá.5.18. arcando com as conseqüências de eventuais erros de preenchimento do documento. para avaliação. nos termos do artigo 48.11. somente sendo aceitos cursos da área para a qual o candidato concorre. 11.9. e com o certificado fornecido por instituição reconhecida.17. já finalizado. 11 – DO PROVIMENTO DO CARGO 11.13.2. 10. neste Edital.2.º 9. 11. com rasuras ou emendas.1. monitoria e estágios. O candidato que porventura não entregar nenhuma titulação será classificado somente com a pontuação obtida na Prova Objetiva. por espécie (em caso do candidato ter participado de mais de um curso com o mesmo conteúdo programático. na forma da Lei. Os aprovados que vierem a ingressar no Quadro de Provimento Efetivo da Prefeitura estarão sujeitos à jornada de trabalho correspondente ao que este preceitua.7. inclusive em razão de demissão por atos de improbidade.21. Para a comprovação da conclusão de cursos de Pós-Graduação Stricto Sensu em nível de Mestrado será aceito diploma registrado ou certidão de conclusão. 11. bem como poderão ser convocados para trabalhar em regime de plantão para o bom desempenho do serviço. 10.Para receber a pontuação relativa aos cursos de Pós-Graduação Lato Sensu em nível de Especialização serão aceitos somente o certificado ou certidão expedida por instituição reconhecida. O aperfeiçoamento. apenas os cursos cuja avaliação indique sua correlação com a área onde se situa o cargo pretendido. nem os que não atenderem às especificações contidas neste Edital. declarações ou diplomas de conclusão de curso. O candidato aprovado obriga-se a manter atualizado seu endereço junto ao Órgão pelo qual se inscreveu.. com carga horária expressa. à ordem de classificação dos candidatos aprovados. 11.394/96). cursos de informática.5. a procuração ficará retida juntamente com o requerimento. Ter sido aprovado no presente concurso. 10.CPF.13. sob pena de não serem considerados para efeito de pontuação. deverá ser comprovado por cópia legível.5. deverão ter cargas horárias explícitas. Estar em dia com as obrigações militares. para os candidatos de sexo masculino.5. O diploma de Mestrado expedido por universidades estrangeiras deverão estar revalidados por universidades públicas. 10.5. com poderes específicos. Apresentar documento pessoal de identidade e Cadastro de Pessoa Física da Receita Federal . firma reconhecida em cartório. Não haverá atribuição de pontos cumulativos e a pontuação dos títulos será atribuída a um só título. Não serão recebidos títulos por fax-símile ou e-mail. denotando contribuição para o aperfeiçoamento de seu exercício. Não serão avaliados os títulos de tempo de serviço. do certificado.16. Não estar incompatibilizado com a investidura no cargo. 11.12. individual. 10. rigorosamente. Fica comunicado ao candidato classificado que sua nomeação e posse só lhe serão atribuídas se atender às exigências que seguem: 11. Não serão aceitos como títulos. regularizado. O certificado exigido (requisito) para o exercício do cargo não será computado como título de aperfeiçoamento e não deverá ser enviado para avaliação.19. § 2º e § 3º da Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional (lei n. conforme as normas do Conselho Nacional de Educação.1. Serão computados. como títulos. comprovados por meio de sindicância e/ou Inquérito Administrativo. 11. 11. na data da posse.15. 10.5.1. O candidato poderá entregar seus Títulos por meio de procuração. apesar de em diferentes instituições).5. assumindo total responsabilidade pelas informações prestadas por seu procurador no requerimento de Entrega de Títulos. inclusive com alterações que vierem a se efetivar. 10. 10. 10. Possuir escolaridade mínima exigida no cargo. 10. Os títulos enviados à Comissão de Concurso.3.8. 10. Não serão aceitos protocolos de requerimento de certificado de conclusão do curso. 11. 11.4. expedido por instituição cujo curso seja devidamente reconhecido pela CAPES/MEC ou com validade no Brasil. Não serão considerados documentos ilegíveis.20. Não será aceita a entrega de títulos antes ou depois das datas previstas. 16 . 10.22.8.5. no qual conste a carga horária mínima de 360 (trezentas e sessenta) horas. Ser considerado apto nos exames médicos admissionais.5. 10. 10.6. acompanhada do histórico escolar. 11.5.10.ESTADO DO RIO DE JANEIRO PREFEITURA MUNICIPAL DE MACUCO 10. Ter 18 anos completos até a data da posse.14. 10.3. protocolos de requerimentos de certidões.

11.3. 11. 11. coloridas e recentes.3.1.7. no qual deverá 17 . observando-se a ordem de classificação.6.6. inclusive CEP. 11.9. 11. terá uma carga horária de 40 horas. serão considerados desistentes e eliminados da seleção pública. 11.6. em igual número de desistentes/eliminados. Original e xerox do Comprovante de Escolaridade correspondente ao cargo.2.6.6. desde que aprovada na prova escrita objetiva de múltipla escolha. será coordenada pela Secretaria Municipal de Saúde e desenvolvida pelos enfermeiros da rede de atenção básica municipal através da utilização do Módulo Introdutório. 11.6.2. Será divulgado edital de convocação para participação no Curso Introdutório de Formação Inicial e Continuada dentro do quantitativo de corte especificado abaixo. 11.1. Original e xerox do PIS ou PASEP (quando possuir).6. 12. obedecida a ordem de classificação. Original e xerox do Diploma e/ou Comprovante de especialização. água ou telefone). Certidão Negativa de Antecedentes Criminais do local de residência.6. Esta etapa.8.12. serão exigidos do candidato habilitado os seguintes documentos: 11. candidatos habilitados para se matricularem no Curso de Introdutório de Formação Inicial e Continuada. O Edital de convocação para o Curso de Formação Inicial irá informar: a) o período e o local onde o curso será realizado.4. onde conste seu endereço completo. emitido por órgão oficial.6. e e) as sanções para o candidato que não formalizar a matrícula ou não comparecer às aulas. c) os critérios para a aferição da frequência.4. 12. Original e xerox da Certidão de Nascimento ou de Casamento.11.10. 12.5.ESTADO DO RIO DE JANEIRO PREFEITURA MUNICIPAL DE MACUCO 11. Original e xerox do Comprovante de quitação de anuidade vigente correspondente ao cargo no Conselho Regional da classe a que pertence. a ser oferecido pela Secretaria Municipal de Saúde. 02 (duas) fotos 3 x 4. Original e xerox do Título de Eleitor e do último comprovante de votação (1° e 2° turnos ou único turno). 11. Original e xerox do Comprovante de Residência em seu nome (última conta de luz. O candidato ao cargo de Agente Comunitário de Saúde e Agente de Endemias deverá frequentar Curso Introdutório de Formação Inicial e Continuada.14. de caráter eliminatório. Original e xerox do Certificado de Reservista. d) os mecanismos de avaliação. b) procedimentos para a formalização da matrícula. se do sexo masculino.7.2.2.6. gás. Original da Carteira de Trabalho e Previdência Social.6.6. 12 – DO PROCESSO DE SELEÇÃO DO AGENTE COMUNITARIO DE SAÚDE E AGENTE DE ENDEMIAS 12.2.2.6.2. quando exigido no presente Edital.6. Os candidatos convocados que não efetivarem suas matrículas no Curso de Introdutório de Formação Inicial e Continuada dentro do prazo. Original e xerox da Carteira de Identidade. 12. Por ocasião da nomeação.6. 11. estas serão preenchidas pelos demais candidatos. 11. Original e xerox da Certidão de Nascimento de Filhos menores de 18 anos (homem) e 21 (mulher). 11. Original e xerox CPF e Declaração de Imposto de Renda (última declaração).1. correspondente a cada cargo. Havendo desistências ou eliminações deverão ser convocados.5.6.13. 11. de acordo com a classificação obtida do maior para o menor: Cargo Agente de Endemias Agente Comunitário de Saúde Quantidade de candidatos convocados para prova pratica 10 candidatos 28 candidatos 12. Na desistência ou eliminação de algum candidato aprovado dentro do número de vagas.2. 11. Os candidatos à AGENTE COMUNITARIO DE SAÚDE e AGENTE DE ENDEMIAS submeter-se-ão a mais uma etapa: 12.

Verificada. em qualquer documento. após a prova. poderão ser divulgadas outras normas complementares ou avisos oficiais. sem prejuízo das sanções penais aplicáveis à falsidade de declaração. isso importará em insubsistência da inscrição. gabaritos. data e hora designados.br e www. levando ou conduzindo) armas ou aparelhos eletrônicos (bip. de 5 de outubro de 2006. a apresentação de declaração ou documentos falsos ou inexatos e/ou a não apresentação dos documentos exigidos. Caberá à Secretaria Municipal de Saúde emitir certificado aos candidatos que concluírem com aproveitamento o Curso de Introdutório de Formação Inicial e Continuada. gravador. n) não mantiver atualizado seu endereço junto ao INCP (até a homologação do concurso) ou à Prefeitura Municipal de Macuco (após a homologação do concurso).2. A nomeação do AGENTE COMUNITARIO DE SAÚDE E AGENTE DE ENDEMIAS. site na Internet e nas capas das provas. A carga horária cursada será comprovada pela freqüência registrada pelos profissionais instrutores do Curso. 14. também poderá ser eliminado do concurso público o Candidato que: a) Chegar ao local de prova após o fechamento dos portões ou comparecer para a realização da prova em local diferente do designado. 12. códigos. 14.4. portando ou não o cartão de respostas.org. impressos. quer nas dependências do seu local de prova. grafológico ou qualquer meio em Direito admitido – ter o candidato se utilizado de meios ilícitos. tais como Editais. resultados das provas. somente ocorrerá após a conclusão.rj. quando convocado. Além do disposto neste Edital. f) desrespeitar membro da equipe de fiscalização ou perturbar a ordem e a tranquilidade necessárias à realização da prova. 12.gov. no final do curso. Manual do Candidato. conforme fixa a Lei nº.br. 11. quer nas dependências do seu local de prova.6.prefeituramacuco. c) for surpreendido durante o período de realização de sua prova portando (carregando consigo. 12.incp. O candidato poderá obter informações e orientações sobre o Concurso Público. processo de inscrição. for surpreendido em comunicação com outro candidato ou pessoa não autorizada.br.350. quer na sala. não comparecer ao local. l) não atender às determinações do presente Edital e de seus Anexos.350/2006. As disposições e instruções contidas no Manual do Candidato. 12.1.3. walkman. j) deixar de assinar o cartão de respostas ou a lista de presença.5. após sua convocação. for constatado – por meio eletrônico. palmtop.7.o) quando. O candidato classificado. telefone celular. do Curso Introdutório de Formação Inicial e Continuada. pagers. também constituem normas que complementam o presente Edital. etc). d) utilizar-se de livros.2. não cabendo qualquer reclamação. Não caberá recurso do resultado divulgado do Curso Introdutório de Formação Inicial e Continuada. se houver alguma tentativa de fraude no processo. com aproveitamento.1. nulidade da habilitação e perda dos direitos decorrentes. Sempre que necessário.2. caso haja necessidade futura de comparação de dados.4.6º e 7º da Lei Federal nº 11. Serão considerados aptos para admissão ao cargo de Agente Comunitário de Saúde e Agente de Endemias os candidatos que concluírem com aproveitamento o Curso de Introdutório de Formação Inicial e Continuada. agenda eletrônica. no Órgão Oficial do Município de Macuco e no site www.2. conforme art.org. receptor.02 serão publicadas em jornal de circulação local. I) não devolver o cartão de respostas. deverá submeter-se a exame médico para avaliação de sua capacidade física e mental para exercício do cargo. caso o candidato não compareça dentro do prazo fixado. m) quando. 12.2. 14 – DAS DISPOSIÇÕES GERAIS 14. e) fizer.ESTADO DO RIO DE JANEIRO PREFEITURA MUNICIPAL DE MACUCO ter aproveitamento mínimo de 50% da avaliação objetiva.3. máquinas calculadoras e similares. 13 – DA ELIMINAÇÃO DO CANDIDATO DO CONCURSO PÚBLICO 13. 12. local de prova. notebook. estatístico.9. em qualquer época. quer na sala. bem como frequência mínima de 75% durante o curso.8.incp. 14. b) durante a realização da prova. declaração falsa ou inexata. visual. de frequência mínima. As convocações de que trata o subitem 12. h) não realizar a prova ou ausentar-se da sala sem autorização. g) descumprir quaisquer das instruções contidas na capa da prova. exame este de caráter eliminatório e que constitui condição e 18 . telefones celulares ou qualquer tipo de consulta durante o período de realização de sua prova. 14. convocações e resultado final da Prova Objetiva na página do Concurso Público no endereço eletrônico www. Os candidatos poderão ser fotografados em cada sala de provas.

10. obrigados a acompanhar todas as publicações oficiais relativas ao Concurso Público.8.17.20. 14. não poderá permanecer no estabelecimento onde a mesma foi realizada. Toda menção a horário neste Edital terá como referência o horário de Brasília. 05 de Março de 2012.incp. A legislação com entrada em vigor após a data de publicação deste Edital. Caso o candidato não possa comprovar o exigido. será desclassificado por não atender às condições legais exigidas para o cargo. O candidato convocado que não se apresentar no local e prazos estabelecidos. Somente quando convocados para nomeação.1. Rogério Bianchini Prefeito Municipal 19 .14. Nesse caso. 14. no que tange à realização deste Concurso Público.11. 14. O candidato. O não cumprimento a essa determinação poderá ocasionar sua ausência à convocação no prazo previsto. 14. excetuando-se aqueles que digam respeito a questões relativas à matéria de prova.7. apostilas ou outras publicações referentes a este Concurso Público. o candidato será considerado desistente. É expressamente proibido fumar durante a prova. enquanto este Concurso Público estiver dentro de seu prazo de validade. não cabendo ao candidato qualquer recurso quanto às normas contidas neste Edital.incp. A homologação do Concurso Público e as convocações são responsabilidade e competência do Município de Macuco. O candidato será responsável pela atualização de seu endereço residencial junto ao setor competente do Órgão em que o candidato se inscreveu.16. deixar de fornecer a documentação exigida ou for INAPTO nos exames médicos pré-admissionais será eliminado do Concurso Público. providenciar a publicação final dos resultados.org. 14.br não terão caráter oficial. A inscrição no Concurso Público implicará a aceitação irrestrita das condições estabelecidas. Ficam.13. 14. 14. juntamente com a Comissão Organizadora. O prazo de impugnação deste Edital será de 15 (quinze) dias corridos a partir da sua data de publicação.2. conforme declaração na ficha de inscrição e aceitação no processo de inscrição pelo site. bem como nas dependências do local de provas.12. 14. sempre que requisitadas. Os casos omissos serão resolvidos pelo INCP. 14. Os resultados divulgados no site www. 14. após o término de sua prova. 14. os candidatos apresentarão os documentos comprobatórios do atendimento aos requisitos especificados no quadro de vagas. Caso haja necessidade de alterações nas normas contidas neste Edital. A Prefeitura Municipal de Macuco e o Instituto Nacional de Concurso Público – INCP não se responsabilizam pelo fornecimento de quaisquer cursos. apreciar os recursos apresentados. sendo meramente informativo. 14. Macuco (RJ). os candidatos serão comunicados através da Imprensa Oficial Local e/ou através do Portal www. divulgar os resultados das provas. assim.10.19.ESTADO DO RIO DE JANEIRO PREFEITURA MUNICIPAL DE MACUCO pré-requisito para que se concretize sua nomeação. Quaisquer alterações nas regras fixadas neste Edital só poderão ser feitas por meio de Edital de Retificação. REGISTRE-SE E PUBLIQUE-SE.org. 14. 14.18. bem como alterações em dispositivos legais e normativos a ele posteriores não serão objeto de avaliação nas provas do Concurso Público. 14. 14. O Regime Jurídico será estatutário. Deliberar sobre os pedidos de inscrição e casos omissos não previstos neste Edital. Os prazos para interposição e recursos em qualquer fase deverão ser contados com estrita observância da hora e dia de sua publicação oficial.10. 14.6. prestar às autoridades competentes as informações necessárias sobre o andamento do certame. À Comissão Organizadora de Concurso Público compete: 14.8.15.9.br.1.

TUFANO. Sintaxe: termos das orações. O papel das Normas Operacionais Básicas no Processo de Descentralização e Regionalização. Ed. História das Políticas de Saúde no Brasil. Chiquito. Indicadores de saúde. Moderna. Ribeirão Dourado. Luís Antonio. Pontuação. O Sistema Único de Saúde. Nova Macuco. História da Epidemiologia. Setor Privado: Histórias. FTD. Engenho da Serra. FERREIRA. Indicadores de Saúde.NÍVEL FUNDAMENTAL COMPLETO CONTEÚDOS COMUNS A TODOS OS CARGOS DO NIVEL FUNDAMENTAL COMPLETO Total 06 14 PROGRAMA DE LINGUA PORTUGUESA: Leitura e interpretação de textos. Principais Características dos Subsistemas Públicos e Privados que Integram o SUS. ênclise e mesóclise). televisão e/ou sites na internet). Classes de palavras: identificação e flexões. Concordância Verbal e Nominal. Distritos Sanitário. enfoque estratégico. SP. Vigilância Epidemiológica. Córregos dos Patos e Fazenda Oliveira) 06 TOTAL GERAL ANEXO III – Conteúdo Programático ESCOLARIDADE . SAÚDE PÚBLICA: Organização dos serviços de saúde no Brasil: Sistema Único de Saúde – Princípios e diretrizes. Atual Editora. SACCONI. Scipione. orações coordenadas e subordinadas. Colocação pronominal (próclise. Medidas de Posição/ Dispersão. Epidemiologia das Doenças Crônicas não Transmissíveis. Ed. rádio. Ortoépia. Saúde da Família. Sanitária e Ambiental. parônimos e homônimos. Quilombo. Zona Rural (São Damas. Modalidades e Formação. Paraíso. ambigüidade. Boa Vista. Semântica: denotação e conotação.Nº 001/2012 QUADRO DE VAGAS DE AGENTE COMUNITÁRIO DE SAÚDE DISTRIBUÍDO POR BAIRRO UNIDADE ESF Unidade de Saúde de Família da Reta Código 102 AREAS BAIRRO Reta. São José. História Natural e Prevenção de Doenças. Nossa Gramática. Nova Fronteira. Douglas. Estadual e Nacional. Volta da Ferradura. Bioestatística. BIBLIOGRAFIA: 20 . medidas de controle e tratamento. Sistema de notificação e de vigilância epidemiológica e sanitária. Organização da Atenção Hospitalar. ênfase em Substantivos e Adjetivos. Endemias/epidemias: Situação atual. Ernani.ESTADO DO RIO DE JANEIRO PREFEITURA MUNICIPAL DE MACUCO ANEXO II Edital de Concurso Público . Testes de Hipóteses. Princípios e Base Legal do SUS. Orçamento da Seguridade Social e Formas de Financiamento do Setor. Barreira. Planejamento e programação local de saúde. Estudos de Gramática. Ponte de Cassiano. Centro. amplamente veiculados na imprensa escrita e/ou falada (jornais. antônimos. Dr. prosódia. Zona Rural (Paraíso. SP. Ática. Gramática. Acentuação tônica e gráfica. Regência Verbal e Nominal. Fazenda Saúde. Aurélio Buarque de Holanda. Ed. sinônimos. controle social. Noções de Probabilidade. Ed. Val de Palmas e Fazenda Santa Teresinha) Nº DE VAGAS 01 08 Total 08 Unidade de Saúde de Família da Volta do Umbigo Código 103 02 Volta do Umbigo. Mora de Santos Reis. GIACOMOZZI. Ed. Divisão silábica. Gramática. TERRA. Conjugação de verbos pronominais. Maravilha. Giglio et allii. revistas. Glória. Testes Diagnósticos. A Reforma Sanitária e a Construção do SUS. Noções de Amostragem. Gramática. irregulares e auxiliares. CONHECIMENTOS GERAIS/ATUALIDADES: Sobre o Município e atualidades: Assuntos de interesse geral nas esferas: Municipal. Ortografia. BIBLIOGRAFIA: FARACO & MOURA. Crase. Organização da Média e Alta Complexidade. Novo Dicionário da Língua Portuguesa. Verbos regulares.

Nébia Maria Almeida de. MINISTÉRIO DA SAÚDE.gov. CONFALONIERI. Aborto e saúde pública no Brasil : 20 anos / 2009 .htm >. 2006. Lei n. Ciência & Saúde Coletiva. Dispõe sobre as condições para a promoção.. BRASIL.14(3):911-918.142/90. Secretaria de AAtenção à Saúde. 2009 A história da saúde pública. Gabinete do Ministro. (Et al. A. Portaria n.203/96.gov. roedores e animais peçonhentos em estabelecimentos comerciais e residências. ed.. Malária. Informe Epidemiológico do SUS. Aborto e saúde pública no Brasil: 20 anos.142/90). Uga.080. Departamento de Ciência e Tecnologia.MIGUEZ. 3. S. a organização e o funcionamento dos serviços correspondentes e dá outras providências. Controle de vetores. de 19/9/1990 . UEC. Paulo Antônio de Carvalho. Gabinete do Ministro. FIGUEIREDO. História da Saúde no Brasil) Epidemiologia & saúde . FLETCHER.1997.Bioética e Saúde Pública.br/ccivil_03/Leis/L8080. 2009.º 373/02. oferta e utilização de serviços de saúde.htm>. Gabinete do Ministro. São Paulo:EPU. Ministério da Saúde. Isabela Soares. Maria Zélia. O mix públicoprivado no Sistema de Saúde Brasileiro: financiamento. Roberto A. Esquistossomose e outras doenças infecciosas e parasitárias prevalentes.br/sislex/paginas/42/1990/8142. Seção II.1997.. BRASIL. Lei Nº 8. Carlos Henrique Mudado. Epidemiologia clínica: elementos essenciais.. Tecnologia e Insumos Estratégicos. 1. BRASIL. Maria Zélia. Lei n.3. MALETTA. CHAVES. 2. Noções Básicas de epidemiologia. Um .planalto. / 1994 . Institui a Norma Operacional de Assistência à Saúde do Sistema Único de Saúde. Ministério da Saúde. MINISTÉRIO DA SAÚDE. Epidemiologia & saúde. MINISTÉRIO DA SAÚDE. NOAS – SUS 01/2002. BIBLIOGRAFIA: ALMEIDA FILHO. O SUS necessário e o SUS possível: estratégias de gestão. George. Ministério da Saúde. dataprev. M. 2006Epidemiologia MEDRONHO.º 2. 2 ( Série I. Ciênc. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan. saúde coletiva [online].). JDG. ed. São Paulo: Atheneu. The hygienic hypothesis and transformations in etiological knowledge: Paim JS & Teixeira CF.. Noções de ética e cidadania. Brasília. BRASIL.. ZOBOLI. Aprova a Política Nacional de Atenção Básica. Visita Domiciliar. Portaria Nº 648/GM de 28 de março de 2006.ESTADO DO RIO DE JANEIRO PREFEITURA MUNICIPAL DE MACUCO FORTES. Robert H. ed. Dispõe sobre a participação da comunidade na gestão do Sistema Único de Saúde (SUS) e sobre as transferências intergovernamentais de recursos financeiros na área da saúde e dá outras providências.. SAM. 4.2003. BRASIL. proteção e recuperação da saúde. Epidemiologia e Saúde Pública. KRUG. ed. meio ambiente e saneamento.Dispõe sobre as condições para a promoção. Maria Alicia Dominguez e Porto. Divulga o Pacto pela Saúde 2006 – Consolidação do SUS e aprova as Diretrizes Operacionais do Referido Pacto. ROUQUAYROL. ed.ROSEN. Vol. Naomar de. Santos. Suzanne W. proteção e recuperação da saúde. <http://www010. Belo Horizonte:. Constituição Federal de 1988 .2.Vol. Mudanças globais e desenvolvimento: importância para a saúde.n.. Rio de Janeiro: FLETCHER. Elma Lourdes Campos Pavone. Epidemiologia e Saúde Pública. artigos 196 a 200. Noções básicas de doenças com Leishmaniose Visceral e Tegumentar. NAJAR.. Saúde da família: limites e possibilidades CONTEÚDOS ESPECÍFICOS DO NIVEL FUNDAMENTAL COMPLETO AGENTE DE ENDEMIAS: Princípios e Diretrizes do Sistema Único de Saúde (SUS) e a Lei Orgânica da Saúde (Lei 8. Brasilia. São Paulo: UNESP. NOBRE C. HACON. Brasília: Ministério da Saúde.Belo Horizonte:[s. BRASIL. Brasília: Ministério da Saúde. Portaria n. a organização e o funcionamento dos serviços correspondentes e dá outras providências.. CORTESÃO J. BRASIL. 21 . Saúde da família :um retrato . Porto Alegre: Artmed.2008. D. Luis Eugenio Portela Fernandes de Souza.º 8.142. Rev Saúde Pública 2006. BRASIL.BRASIL. DF: Ministério da Saúde. Institui a Norma Operacional Básica do Sistema Único de Saúde. ROUQUAYROL. Ensinando a Cuidar em Saúde Pública. Lei Nº 8. CHAME. São Paulo:LOYOLA. estabelecendo a revisão de diretrizes e normas para a organização da Atenção Básica para o Programa Saúde da Família (PSF) e o Programa Agentes Comunitários de Saúde (PACS).capítulo II. Silvia Marta. Disponível em:< http://www. T.].. 2006. CZERESNIA. Epidemiologia. BRASIL. de 28/12/1990. Gabinete do Ministro.º 8. Saúde da família: um retrato. Política e gestão em saúde. Giovanella L et al. Introdução a Epidemiologia.080/90.080 e 8. Uma história da saúde pública. Portaria Nº 399/GM de 22 de fevereiro de 2006. 2002. Uma reflexão a partir de uma experiência concreta. 1996. de 19 de setembro de 1990. 2. Dengue. 2008. de 28 de dezembro de 1990. DF: Ministério da Saúde. Avaliação das áreas de risco ambiental e sanitário. Carlos Henrique Mudado. MALETTA. Emenda Constitucional Nº 29. NOB – SUS 01/96. Secretaria de Ciência.

Departamento de Ações Programáticas Estratégicas.saude. ed. Wanda de Oliveira. Conhecimentos geográficos da área/região/município de atuação. Política Nacional de Promoção da Saúde / Ministério da Saúde. 3. 25.gov. ed. Ministério da Saúde. 3ª reimpressão. 22. HumanizaSUS: documento base para gestores e trabalhadores do SUS.gov.br/bvs/publicacoes/politica_nacional_promocao_saude_3ed. Disponível em: < http://bvsms. Brasília: Ministério da Saúde.gov. Secretaria do Ambiente. 23. Fundação Nacional de Saúde. SAUPE. rev. Condições de risco social: violência.cfm?id_area=1108 > 2.br/fma/vetores-pragas-urbanas. educação e comunicação: conceitos. Atenção Básica à Saúde da criança. Conceito de territorialização. Secretaria de Vigilância em Saúde. C. Conceitos e critérios de qualidade de atenção à saúde: acessibilidade. do adulto e do idoso. 1993. Sistema de Informação em Saúde.pdf>. A pessoa com deficiência e o Sistema Único de Saúde / Ministério da Saúde. 408 p. . Secretaria de Vigilância em Saúde.br/bvs/publicacoes/pessoa_ deficiencia_sus_2ed. Fundação Nacional de Saúde. Secretaria de Políticas de Saúde. BRASIL. Técnicas de levantamento das condições de vida e de saúde/doenças da população. 20. Secretaria de Atenção à Saúde.br /fma/ medidas-preventivas. Atenção Integrada às doenças Prevalentes na infância (AIDPI). Secretaria de Atenção à Saúde. analfabetismo.saude. Disponível em: <http://bvsms. – 2. 7. Texto de apoio para Agente Comunitário de Saúde.br/bvs/publicacoes/guia_bolso_4ed. Cadastramento familiar e territorial: finalidade e instrumentos. Medidas preventivas para controle de vetores e pragas urbanas. outros.rj. 8.inea. AGENTE COMUNITÁRIO DE SAÚDE: 1.html>. Processo saúde-doença e seus determinantes/condicionantes.gov.br/bancoconhecimento/tematico/EtiCid. 14. desemprego. 3.saude. 2003. CARVALHO. BIBLIOGRAFIA: 1. fatores facilitadores e/ou dificultadores da ação coletiva de base popular.asp?cat=50 >. 13. Noções de ética e cidadania. Ministério da Saúde.gov. – Brasília : Editora do Ministério da Saúde. G.gov. 6. 98p. Departamento de Vigilância Epidemiológica. 2008. infância desprotegida. – 4.gov. de.saude. Disponível em < http://portal. Informação. eficiência e efetividade em saúde coletiva. 2006.ESTADO DO RIO DE JANEIRO PREFEITURA MUNICIPAL DE MACUCO BRASIL. humanização do cuidado. Rosita. tipos. Cienc Cuid Saude. Ministério da Saúde.pdf> 3. BRASIL. INSTITUTO ESTADUAL DO AMBIENTE.anvisa. 19. 12.uem. Rev.SIAB: Manual do Sistema de Informação de Atenção Básica/Secretaria de Assistência e Saúde. Disponível em:< http://www. 2. Saúde e Cidadania. Principais problemas de saúde da população e recursos existentes para o enfrentamento dos problemas. Banco de Conhecimento e Estudos Temáticos da Assembléia Legislativa do Estado de Minas Gerais. microárea e área de abrangência. Disponível em: <http://bvsms. BRASIL . . CASTRO.gov. Secretaria de Vigilância em Saúde. BRASIL. Disponível em: < http://periodicos. 4. Visita Domiciliar: Tecnologia Para o Cuidado. 24. 11.saude. outros. 10.br/dab/docs/publicacoes/geral/manual_siab2000.br/portal/saude/profissional/area.– Brasília: Ministério da Saúde. Pessoas portadoras de necessidades especiais.saude.rj. 2000. 2010. BRASIL. Disponível em: <http://www. Saúde da criança. Ministério da Saúde. instrumentos e técnicas. br/legis/portarias/1428_93. Manual de controle de roedores. 2001. Secretaria de Vigilância em Saúde. Aline. ampl. tipos e processos de constituição de lideres populares.pdf > 6. do adolescente. Estatuto da criança. Secretaria de Atenção à Saúde. C.pdf >. BRASIL. Formas de aprender e ensinar em educação popular. equidade. culturais e epidemiológicos. Indicadores epidemiológicos. 4. de 20/11/1993. ALMEIDA. abordagem. Ministério da Saúde.br/ojs/index. 7. Núcleo técnico da política Nacional de Humanização. E. LOPES. Critérios operacionais para definição de prioridades: indicadores sócioeconômicos. Disponível em: < http://www. ed. ed – Brasília: editora do Ministério da Saúde.asp? cat=110>. gov. Disponível em: < http://www.br/gestores/sala_de_leitura/ saude_e_cidadania/ed_01/03. Cultura popular e sua relação com os processos educativos.pdf>.saude. Disponível em: <http://www.saude. 17. Secretaria de Atenção à Saúde. Coordenação de Saúde da Comunidade: Brasília Ministério da Saúde.br/portal/arquivos/pdf/manual_roedores.pdf > 22 . Disponível em: < http://bvsms.php/CiencCuidSaude/ article/view/ 5012/3247>. 18. Manual de saneamento. Ética e Cidadania. Doenças infecciosas e parasitárias: guia de bolso / Ministério da Saúde. Conceitos de eficácia. 3.sc. Distritos sanitários: concepção e organização. Brasil. Lei 8080 de 19 de setembro de 1990 e Lei 8142 de 28 de dezembro de 1990.gov. Ministério da Saúde. 7(2):241-247.almg. Disponível em: < http://portal. Promoção da saúde: conceitos e estratégias. Brasília. DOU. ed. Portaria 1428..Brasília: Ministério da Saúde. O Trabalho do Agente Comunitário de Saúde. 2. Ministério da Saúde. INSTITUTO ESTADUAL DO AMBIENTE. Departamento de Vigilância Epidemiológica. Departamento de Ações Programáticas Estratégicas.htm>. Departamento de Atenção Básica. 21. 5. Interpretação demográfica.gov. 2000. 26. A. diferenças e interdependência.br/bvs/publicacoes/cd09_05a.br/ internet/ arquivos/biblioteca/eng/eng_saneam. – Brasília : Ministério da Saúde.gov. Secretaria de Atenção à Saúde. 2004. LISBOA. MASSAROLI. BRASIL. S. Regulamento técnico da inspeção sanitária de alimentos. Participação e mobilização social: conceitos. Princípios e Diretrizes do Sistema Único de Saúde e a Lei Orgânica da Saúde. 2006. Disponível em: < http://dtr2004. o Ensino e a Pesquisa. ausência ou insuficiência de infra-estrutura básica.funasa. Fundação Nacional de Saúde. Intersetorialidade: conceito e dinâmica político-administrativa do município. 15. Secretaria do Ambiente. Disponível em: < http://www. – 3. do adolescente e do idoso. O Conceito de Saúde e do Processo Saúde e Doença.gov. Vetores e Pragas Urbanas. 16.pdf> 5. processos migratórios. 2002. satisfação do usuário e do trabalhador. 9. 2008 Abr/Jun.inea. Estratégia de avaliação em saúde: conceitos. Luis Carlos Ludovikus Moreira de. Lideranças: conceitos. medidas facilitadoras de inclusão social e direito legais.Brasília: Fundação Nacional de Saúde. J.pdf BRASIL. BRASIL.

p. Conselho Nacional de Saúde. et al. Noções de Amostragem.Bioética e Saúde Pública. Brasília: Ministério da Saúde. Disponível em: < http://www. Bioestatística. 11. Disponível em: < http://www. BRASIL. Roseli Esquerdo. BIBLIOGRAFIA: FORTES. Testes Diagnósticos. BRASIL. Vigilância Epidemiológica. Carlos Henrique Mudado. ZOBOLI. Epidemiologia das Doenças Crônicas não Transmissíveis. Indicadores de saúde. Cad. Epidemiologia e Saúde Pública. proteção e recuperação da saúde.html>. Elma Lourdes Campos Pavone. J. BARRIOS.. Disponível em: < http://www.pdf >.142/90. 15. Constituição Federal de 1988 . FERREIRA. ATENDENTE DE ESF: SAÚDE PÚBLICA: Organização dos serviços de saúde no Brasil: Sistema Único de Saúde – Princípios e diretrizes.epsjv. Portaria n. ed. LOPES. Principais Características dos Subsistemas Públicos e Privados que Integram o SUS.br/editora/produtos/livros/popup/05_0118. Medidas de Posição/ Dispersão. Gabinete do Ministro. M.ESTADO DO RIO DE JANEIRO PREFEITURA MUNICIPAL DE MACUCO 8. 23 . artigos 196 a 200.Belo Horizonte:[s. 12./dez. – Brasília: Ministério da Saúde. Planejamento em Saúde. Disponível em: <http://www. Ana Paula Serrata. NOAS – SUS 01/2002.n. 17. saude.1997. a organização e o funcionamento dos serviços correspondentes e dá outras providências. E. Ministério da Saúde. BRASIL. MINISTÉRIO DA SAÚDE. História Natural e Prevenção de Doenças. Revista Saúde e Cidadania. S. – Brasília: Editora do Ministério da Saúde. 13a Conferencia Nacional de Saúde : saúde e qualidade de vida : políticas de Estado e desenvolvimento : relatório final/Ministério da Saúde. BRASIL. Organização da Média e Alta Complexidade. Nébia Maria Almeida de. Lei n. E.sc. – (Série E. Cedes. G.htm>. Orçamento da Seguridade Social e Formas de Financiamento do Setor. O território da Saúde: A organização do sistema de saúde e a territorialização. CARVALHO. Brasília: Ministério da Saúde.º 8. História da Epidemiologia..saude. BRASIL. MINISTÉRIO DA SAÚDE. 10. São Paulo:EPU. J. Seção II.saude.saude.sc. A Reforma Sanitária e a Construção do SUS.saude.br/gestores/sala_de_leitura/saude_e_cidadania/ed_07/index. BRASIL. controle social. Ministério da Saúde.gov. BRASIL.pdf>. 2009 Disponível em: < http://www. B. O papel das Normas Operacionais Básicas no Processo de Descentralização e Regionalização. Vigilância em Saúde Pública. 9. – Brasília : Editora do Ministério da Saúde. TANCREDINI.br/pdf/ ccedes/v29n79/06..R. Gabinete do Ministro. de P. Gabinete do Ministro. – (Série E. Indicadores de Saúde.br/ gestores/sala_de_leitura/saude_e_cidadania/ ed_02/ 04_ 01. Campinas. Secretaria de Atenção à Saúde.gov. Endemias/epidemias: Situação atual.br/gestores/sala_de_leitura/ saude_ e_cidadania/ed_06/index. ed. Belo Horizonte:.br/upload/ArtCient/20. set. GONDIM Grácia M. H.gov. Disponível em: < http://www. 79. A saúde de adolescentes e jovens : uma metodologia de auto-aprendizagem para equipes de atenção básica de saúde : módulo básico / Ministério da Saúde.203/96. rev. Sanitária e Ambiental.º 2. enfoque estratégico.gov. 2009. Emenda Constitucional Nº 29. 13. BRASIL. Legislação de Saúde).html>. Epidemiologia e Saúde Pública. 2007. de O.pdf>. Organização da Atenção Hospitalar.2003. 2002. N. Educação popular. Planejamento e programação local de saúde.capítulo II.L.. vol. MALFITANO. Mobilização Social um Modo de Construir a Democracia e a Participação. Secretaria de Atenção à Saúde.º 373/02. Paulo Antônio de Carvalho.º 8. Disponível em: < http://bvsms. D. medidas de controle e tratamento. 14. MALETTA. Sistema de notificação e de vigilância epidemiológica e sanitária. Dispõe sobre a participação da comunidade na gestão do Sistema Único de Saúde (SUS) e sobre as transferências intergovernamentais de recursos financeiros na área da saúde e dá outras providências. São Paulo:LOYOLA. Disponível em: <http://dtr2001. História das Políticas de Saúde no Brasil. Ministério da Saúde. Portaria n. 114 p. Institui a Norma Operacional Básica do Sistema Único de Saúde. – Brasília: Editora do Ministério da Saúde. pdf>. Departamento de Ações Programáticas Estratégicas.sc.br/ bvs/publicacoes/estatuto_idoso_2ed. 2. Testes de Hipóteses. A. Legislação de Saúde). Ensinando a Cuidar em Saúde Pública. F. 1. Portaria Nº 399/GM de 22 de fevereiro de 2006.2008. Revista Saúde e Cidadania. O Sistema Único de Saúde. Sistema de Informação em Saúde para os Municípios. demandas e intervenções sociais: o papel dos Agentes Comunitários de Saúde. FIGUEIREDO. html>.aracati. 361-372. MINISTÉRIO DA SAÚDE. WALDMAN.. – 2. Distritos Sanitário. Departamento de Ações Programáticas Estratégicas.scielo. M. Institui a Norma Operacional de Assistência à Saúde do Sistema Único de Saúde. A. TORO A. Setor Privado: Histórias.Vol. Estatuto do Idoso / Ministério da Saúde. 2005..br/portal/pdfs/13_ Biblioteca/ Publicacoes/mobilizacao_social. de 19/9/1990 . NOB – SUS 01/96. B. WERNECK. Conselho Nacional de Saúde. Saúde da Família. n. ações em saúde. T. B. BRASIL. Ministério da Saúde. BRASIL.]. EDUARDO. Carlos Henrique Mudado. M. Modalidades e Formação. Revista Saúde e Cidadania. de 28/12/1990. Estatuto da Criança e do Adolescente / Ministério da Saúde. Noções de Probabilidade. Lei n.org. 70 p. 1996. 29. Vol. atual. ROSA. da C. 16. Princípios e Base Legal do SUS.1997. MALETTA.080/90.Dispõe sobre as condições para a promoção. BRASIL.fiocruz.gov. 2009. – 2.

SAÚDE PÚBLICA: Organização dos serviços de saúde no Brasil: Sistema Único de Saúde – Princípios e diretrizes. estabelecendo a revisão de diretrizes e normas para a organização da Atenção Básica para o Programa Saúde da Família (PSF) e o Programa Agentes Comunitários de Saúde (PACS). TERRA. RJ. São Paulo: Atheneu. PASQUALE &ULISSES. Ed. 2. conjugação pronominal. S. classificação das coordenadas e subordinadas. sufixos e radicais.ESTADO DO RIO DE JANEIRO PREFEITURA MUNICIPAL DE MACUCO Divulga o Pacto pela Saúde 2006 – Consolidação do SUS e aprova as Diretrizes Operacionais do Referido Pacto. Ática. relativos). Ministério da Saúde. antônimos. DF: Ministério da Saúde. verbos (conjugação dos regulares. Ernani. Ministério da Saúde. Uma história da saúde pública. Departamento de Ciência e Tecnologia. Endemias/epidemias: Situação atual. indefinidos. 2009 A história da saúde pública. BIBLIOGRAFIA: BECHARA.. NOBRE C.NÍVEL MEDIO COMPLETO CONTEUDO GERAIS PARA TODOS OS CARGOS DO NÍVEL MÉDIO PROGRAMA DE LÍNGUA PORTUGUESA: Leitura e interpretação de texto. William Roberto e MAGALHÃES. O papel das Normas Operacionais Básicas no 24 . possessivos. Nova Fronteira. Estadual e Nacional.3. NAJAR. Distritos Sanitário. (Et al. Uma reflexão a partir de uma experiência concreta. Informe Epidemiológico do SUS. 2008. Rio de Janeiro: FLETCHER. Ed. The hygienic hypothesis and transformations in etiological knowledge: Paim JS & Teixeira CF. CONHECIMENTOS GERAIS/ATUALIDADES: Sobre o Município e atualidades: Assuntos de interesse geral nas esferas: Municipal. Portaria Nº 648/GM de 28 de março de 2006. SAM. / 1994 . CORTESÃO J. et allii. Robert H. Atual Ed. O mix públicoprivado no Sistema de Saúde Brasileiro: financiamento. Scipione.2. Maria Zélia. Gramática Escolar da Língua Portuguesa. preposição. FARACO &MOURA. Saúde da família: limites e possibilidades. T. ed. 3. interjeição. O Sistema Único de Saúde. UEC. Epidemiologia & saúde. saúde coletiva [online]. HACON. Secretaria de AAtenção à Saúde. A Reforma Sanitária e a Construção do SUS. Gramática da língua Portuguesa. Ed... medidas de controle e tratamento. pronomes (pessoais. CHAME. classes de palavras – identificação e flexões: substantivos. Ed.14(3):911-918. 4. televisão e/ou sites na internet). crase. Figuras de linguagem. ESCOLARIDADE . FLETCHER. ROUQUAYROL. FTD. conotação. interrogativos. Ortografia: emprego de letras.. Fonologia/ fonética: letra/fonema. irregulares e auxiliares nas formas simples e compostas. 2009. Tereza Cochar.MIGUEZ. Porto Alegre: Artmed. Gramática. CONFALONIERI. Epidemiologia. Ministério da Saúde. adjetivos. Concordância nominal e verbal. Planejamento e programação local de saúde. ed. Ciênc. Mudanças globais e desenvolvimento: importância para a saúde. Isabela Soares. Giglio. Scipione. CEREJA. Semântica: denotação. CHAVES. amplamente veiculados na imprensa escrita e/ou falada (jornais. ed. Secretaria de Ciência. de tratamento. Roberto A. BRASIL. Princípios e Base Legal do SUS. homônimos e parônimos. Aborto e saúde pública no Brasil : 20 anos / 2009 . pontuação. Brasilia. Política e gestão em saúde. M. enfoque estratégico. História das Políticas de Saúde no Brasil. polissemia e ambigüidade. Luis Eugenio Portela Fernandes de Souza. KRUG. A. Regência nominal e verbal. GIACOMOZZI. revistas. Lucerna. Aurélio Buarque de Holanda. Rev Saúde Pública 2006. ed.. acentuação tônica e gráfica. Morfologia: Processo de formação de palavras: prefixos. advérbios. consonantais e dígrafos. Tecnologia e Insumos Estratégicos.. Sistema de notificação e de vigilância epidemiológica e sanitária. Brasília. George.. Um . Maria Alicia Dominguez e Porto.BRASIL. Estudos de Gramática.. Ed. 2006Epidemiologia MEDRONHO. Orçamento da Seguridade Social e Formas de Financiamento do Setor. Uga. Ed. CZERESNIA. Gramática Reflexiva. 2006. Aprova a Política Nacional de Atenção Básica. sinônimos. Giovanella L et al. JDG.. Gramática. O SUS necessário e o SUS possível: estratégias de gestão. Sintaxe: termos das orações. 2 ( Série I. Santos. Gabinete do Ministro. Evanildo. Epidemiologia clínica: elementos essenciais. ed. Ciência & Saúde Coletiva. DF: Ministério da Saúde. uso de maiúsculas e minúsculas. rádio. demonstrativos. Indicadores de saúde. conjunção. encontros vocálicos. Suzanne W. controle social. FERREIRA.. Níveis de linguagem: informal coloquial e formal culta. artigo. Aborto e saúde pública no Brasil: 20 anos. numeral. Novo Dicionário da Língua Portuguesa.ROSEN. Silvia Marta.). vozes verbais).. oferta e utilização de serviços de saúde. Saúde da família :um retrato . D. Saúde da família: um retrato. História da Saúde no Brasil) Epidemiologia & saúde . São Paulo: UNESP.

º 8. A Estratégia de Saúde da Família. Portaria Nº 399/GM de 22 de fevereiro de 2006. Constituição Federal de 1988 . O SUS necessário e o SUS possível: estratégias de gestão.ROSEN. (Et al. a organização e o funcionamento dos serviços correspondentes e dá outras providências. ed. 3. Desinfecção.º 8. Elma Lourdes Campos Pavone. 8. Testes Diagnósticos. Belo Horizonte:.. MINISTÉRIO DA SAÚDE.Dispõe sobre as condições para a promoção. NAJAR. Dispõe sobre a participação da comunidade na gestão do Sistema Único de Saúde (SUS) e sobre as transferências intergovernamentais de recursos financeiros na área da saúde e dá outras providências. Epidemiologia clínica: elementos essenciais. saúde coletiva [online]. 2. DF: Ministério da Saúde. 2008. Uma reflexão a partir de uma experiência concreta. A Política Nacional de Atenção Básica.. 2. FIGUEIREDO. 2 ( Série I. São Paulo:LOYOLA. Secretaria de AAtenção à Saúde. MALETTA. Modalidades e Formação. George. Maria Zélia. Saúde da família: um retrato. oferta e utilização de serviços de saúde. Gabinete do Ministro. S. Carlos Henrique Mudado. D. Bioestatística. CHAME. BIBLIOGRAFIA: FORTES. 3.142/90. microárea e área de abrangência. Porto Alegre: Artmed. KRUG. Epidemiologia e Saúde Pública. 7. BRASIL. Portaria n. ZOBOLI.. Ciênc. Ensinando a Cuidar em Saúde Pública. Gabinete do Ministro.1997. Noções de Amostragem. Sanitária e Ambiental. estabelecendo a revisão de diretrizes e normas para a organização da Atenção Básica para o Programa Saúde da Família (PSF) e o Programa Agentes Comunitários de Saúde (PACS). CZERESNIA. São Paulo:EPU. História da Epidemiologia. 5.2003. Suzanne W. Seção II. JDG. Saúde da Família. ed. HACON. de 19/9/1990 .º 373/02. BRASIL. História da Saúde no Brasil) Epidemiologia & saúde . Brasilia. Aborto e saúde pública no Brasil : 20 anos / 2009 ... ed. Gabinete do Ministro. Epidemiologia e Saúde Pública. BRASIL. BRASIL. 2009 A história da saúde pública. Nébia Maria Almeida de. 4. Vol.n. 1996. BRASIL. Institui a Norma Operacional de Assistência à Saúde do Sistema Único de Saúde. Um . CHAVES. ed. DF: Ministério da Saúde. Secretaria de Ciência. BRASIL. A comunicação nas relações interpessoais em saúde.. Saúde da família: limites e possibilidades CONTEÚDOS ESPECÍFICOS DO NIVEL MÉDIO TECNICO DE ENFERMAGEM (ESF): 1.Bioética e Saúde Pública. SAM. BRASIL. Setor Privado: Histórias. Conceito de territorialização. Mudanças globais e desenvolvimento: importância para a saúde. O mix públicoprivado no Sistema de Saúde Brasileiro: financiamento. NOAS – SUS 01/2002. A. Assistência Domiciliar e visitas domiciliares. Luis Eugenio Portela Fernandes de Souza.). Brasília: Ministério da Saúde. Vigilância Epidemiológica. 4. Rev Saúde Pública 2006. 2006. Giovanella L et al. NOBRE C.203/96. ed. Institui a Norma Operacional Básica do Sistema Único de Saúde.capítulo II. MINISTÉRIO DA SAÚDE.. Aprova a Política Nacional de Atenção Básica. artigos 196 a 200. Departamento de Ciência e Tecnologia. Ministério da Saúde. Convivendo com o alcoolismo na familia.1997. Maria Alicia Dominguez e Porto. Portaria Nº 648/GM de 28 de março de 2006. Medidas de Posição/ Dispersão.14(3):911-918. Indicadores de Saúde. FLETCHER. Lei n.3. Portaria n. 2009. NOB – SUS 01/96. Gabinete do Ministro. Saúde da família :um retrato . Silvia Marta. Epidemiologia. CORTESÃO J. 6. Lei n. Paulo Antônio de Carvalho. São Paulo: UNESP.. MINISTÉRIO DA SAÚDE. Roberto A. T. M. Ciência & Saúde Coletiva. São Paulo: Atheneu. 2. Diagnóstico 25 . Política e gestão em saúde.2008.]. Testes de Hipóteses. CONFALONIERI.º 2.MIGUEZ. The hygienic hypothesis and transformations in etiological knowledge: Paim JS & Teixeira CF. Esterilização e Limpeza. proteção e recuperação da saúde.Vol. MALETTA. 10. A Política Nacional de Saúde no Brasil – Sistema Único de Saúde. Epidemiologia das Doenças Crônicas não Transmissíveis. Aborto e saúde pública no Brasil: 20 anos. Carlos Henrique Mudado.ESTADO DO RIO DE JANEIRO PREFEITURA MUNICIPAL DE MACUCO Processo de Descentralização e Regionalização. Organização da Atenção Hospitalar.080/90. Informe Epidemiológico do SUS. Cuidando de famílias durante o ciclo vital. Brasilia. Ministério da Saúde. 2006Epidemiologia MEDRONHO. Organização da Média e Alta Complexidade. Robert H. Tecnologia e Insumos Estratégicos. Isabela Soares. Santos.2. de 28/12/1990. BRASIL... Assepsia. Principais Características dos Subsistemas Públicos e Privados que Integram o SUS. Emenda Constitucional Nº 29. Uma história da saúde pública. Rio de Janeiro: FLETCHER. Brasília: Ministério da Saúde. Noções de Probabilidade. Epidemiologia & saúde. UEC.BRASIL. ROUQUAYROL. Divulga o Pacto pela Saúde 2006 – Consolidação do SUS e aprova as Diretrizes Operacionais do Referido Pacto. Uga.Belo Horizonte:[s. Ministério da Saúde. 1. 2002. História Natural e Prevenção de Doenças.. / 1994 . 9.

gov. de 19 de setembro de 1990. Cadernos de Atenção Básica . Saúde da família e vigilância em saúde: em busca da integração das práticas.pdf > VILASBÔAS. Ministério da Saúde. 2006.br/dab/docs/publicacoes/revistas/revista_saude_familia16. Disponível em: <http://bvsms. tuberculose.Q. Ética e exercício profissional da enfermagem. Saúde da criança: acompanhamento do crescimento e desenvolvimento infantil / Ministério da Saúde.gov. tuberculose. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Disponível em: http://bvsms. Secretaria de Políticas de Saúde. Disponível em: < http://www.º 16.br/dab/docs/publicacoes/cadernos_ab/abcad15.pdf > BRASIL. Departamento de Atenção Básica. p. – (Série E. 13.SIAB. proteção e recuperação da saúde. color . 96 p. Ingrid. Disponível em < http://bvsms.gov. Disponível em: http://bvsms. Comunicação tem remédio: a comunicação nas relações interpessoais em saúde.saude.saude. Secretaria de Atenção à Saúde. 18. 2006. Secretaria de Atenção à Saúde. (Série A. de 28/03/2006.gov. Diabetes Mellitus.htm?sid=168 > BRASIL. Noções Básicas sobre doenças transmissíveis e não transmissíveis (dengue. Área técnica de Saúde da Mulher: Pré natal e Puerpério: Atenção qualificada e humanizada – manual técnico/Ministério da Saúde.gov. Ministério da Saúde.br/dab/atencaobasica. hanseníase.n. 14. Ministério da Saúde. Lei Nº 8. Brasília: Ministério da Saúde.br/bvs/publicacoes/glossario_ms. – Brasília: Editora do Ministério da Saúde. Disponível em: http://bvsms.º 15. Disponível em: < http://dtr2004.gov.br/bvs/publicacoes/partes/guia_psf1.saude. TEIXEIRA. Atenção Básica e a Saúde da Família.saude. a organização e o funcionamento dos serviços correspondentes e dá outras providências.R. Envelhecimento e saúde da pessoa idosa / Ministério da Saúde. MINISTÉRIO DA SAÚDE. (Série Cadernos de Atenção Básica. Estatuto da Criança e do Adolescente / Ministério da Saúde. Brasília: Ministério da Saúde.br/bvs/publicacoes/estatuto_crianca_adolescente_3ed. 12.pdf 26 . Departamento de Atenção Básica. Manual para utilização da caderneta de saúde da criança / Ministério da Saúde. Legislação de Saúde).exe/sys/start. Secretaria de Atenção à Saúde.pdf > BRASIL.S. Aprova a Política Nacional de Atenção Básica. Disponível em: http://bvsms. (Série Direitos sexuais e direitos reprodutivos nº 5). Departamento de Ações programáticas estratégicas.br/bvs/publicacoes/abcad19. Hipertensão Arterial sistêmica.pdf BRASIL.gov.Série A.pdf > BRASIL.pdf BRASIL. 11. Calendário de vacinação..saude. Disponível em: http://bvsms.L.F. Departamento de Ações programáticas estratégicas. Secretaria de Atenção à Saúde.gov. A. Departamento de Atenção Básica – Brasília: Ministério da Saúde. Dispõe sobre as condições para a promoção. Secretaria de Políticas de Saúde. C. 2002. 2006. 11). Revista Brasileira de Saúde da Família.br/dab/docs/publicacoes/cadernos_ab/abcad16. Ministério da Saúde. Área Técnica da Saúde da Criança e Aleitamento Materno.saude. Brasília: Ministério da Saúde. M. 163 p.br/bio/cgi/cgilua. 2005. Secretaria de Atenção à Saúde.saude.ESTADO DO RIO DE JANEIRO PREFEITURA MUNICIPAL DE MACUCO comunitário. 100 p. Ministério da Saúde.br/bvs/publicacoes/manual_estrutura_ubs. 2004. Ministério da Saúde. Programa Nacional de Imunização. Maria Julia Paes. 2005. Secretaria de Políticas de Saúde.saude. Fundação Oswaldo Cruz.S. São Paulo: Editora Loyola. O viver em família e sua interface com a saúde e a doença. n. Brasília: Ministério da Saúde. Ministério da Saúde. 2006.saude.saude. Noções Básicas sobre doenças transmissíveis e não transmissíveis (dengue. Secretaria de Políticas de Saúde.br/bvs/publicacoes/manual%200902. Disponível em: < http://dtr2004. Ministério da Saúde. hepatites.gov. 2006. 648. 15. – Brasília: Ministério da Saúde. BRASIL. 2004 Disponível em: <http://bvsms. Cadernos de Atenção Básica . Brasília: Ministério da Saúde. BIBLIOGRAFIA: BRASIL. ed.br/portal/arquivos/pdf/LEI8080.63-67. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. – (Série A.gov. – 3. Disponível em: http://portal.br/bvs/publicacoes/crescimento_desenvolvimento. Glossário do Ministério da Saúde: projeto de terminologia em Saúde/Ministério da Saúde. 16.pdf BRASIL.gov. .php > BRASIL.saude. Normas e Manuais Técnicos). Programa de Assistência à Criança.br/bvs/publicacoes/manual_tecnico_prenatal_puerperio. Normas e Manuais Técnicos. Vigilância em saúde. SILVA. 38 p. Departamento de Atenção Básica. Ministério da Saúde. Normas e Manuais Técnicos).pdf BRASIL.gov. 17.: il. Disponível em: < http://dtr2004.pdf > BRASIL.saude. 2002.saude. 2008. Brasília: MS. Secretaria de Atenção à Saúde. hepatites. Sistemas de Informação da Atenção Básica .gov. MINISTÉRIO DA SAÚDE.. Portaria nº. Ministério da Saúde. Disponível em: < http://dtr2004. diabetes e hipertensão). Disponível em: < http://dtr2004.pdf > BRASIL. Disponível em: <http://bvsms. Departamento de Ações programáticas estratégicas. diabetes e hipertensão).pdf BRASIL. Manual e estrutura física das unidades básicas de saúde: saúde da família. Adolescente. Violência na família. S. Preparo e Administração de medicamentos/soluções.saude. Mulher e Idoso. Guia prático do programa de saúde da família. 19.saude. Nº 16. SILVA.br/dab/docs/legislacao/portaria_648_28_03_2006.: il.gov. Brasília: MS.pdf > ELSEN. Técnicas Básicas de Enfermagem. Ministério da Saúde. 2004. Área técnica de Saúde da Mulher: Agenda da Mulher. MARCON.pdf > BRASIL.n.gov.fiocruz. hanseníase.080.br/bvs/publicacoes/agenda_mulher. Maringá: Editora da Universidade Estadual de Maringá.

: il. Decreto nº 94. vol. 2001. FAVERO.2000. 754 p. Scipione. polissemia e ambigüidade. emprego e valores semânticos. de 25 de junho de 1986. MATTIONI. ed. – (Série A. Ática. regência nominal e verbal. que dispõe sobre o exercício da Enfermagem. 2005. Ed. Lei 7498 de 25 de junho de 1986 – Dispõe sobre a regulamentação do exercício da enfermagem e dá outras providências.406. antonímia. Secretaria Executiva. Lições de texto. Ltda.. – (Serie B.gov. S. Secretaria Executiva. Secretaria de Atenção a Saúde. paronímia.gov. Curso de gramática aplicada ao texto.br/servicosaude/controle/processamento_artigos.anvisa. 1985. Resolução 311/2007 – Código de ética dos profissionais de enfermagem. Administração de Medicamentos – Revisando uma Pratica de Enfermagem. : il. e dá outras providências. – Brasília: Ministério da Saúde.498. Disponível em: http://dtr2001.portalcofen.ESTADO DO RIO DE JANEIRO PREFEITURA MUNICIPAL DE MACUCO BRASIL. Coordenação Nacional de DST/Aids.saude. Coesão e coerência textuais.511-519.Cirúrgica.gov. Evanildo. 1997. Tratado de Enfermagem Médico . 27 .1999. José Luiz. o texto.SIAB: Manual do Sistema de Informação de Atenção Básica/Secretaria de Assistência e Saúde.NÍVEL SUPERIOR CONTEÚDO COMUM A TODOS OS CARGOS DO NIVEL SUPERIOR PROGRAMA DE LÍNGUA PORTUGUESA: A Comunicação: linguagem. Contexto. COM. Prática de Texto. Disponível em: http://www. acentuação e pontuação.Brasília.br/2007/section. de. Concepções de violência e práticas de cuidado dos usuários da estratégia de saúde da família: uma perspectiva cultural.br/dab/docs/publicacoes/geral/manual_siab2000.Texto e coerência. Fernanda Carlise. Ministério da Saúde.pdf > BRASIL.asp?sectionParentID=35&sectionID=30 CONSELHO FEDERAL DE ENFERMAGEM.portalcofen. CONSELHO FEDERAL DE ENFERMAGEM. Scipione.Legislação do SUS (Sistema Único de Saúde). N. texto e discurso. Ed.gov. São Paulo: Difusão Paulista de Enfermagem. Maria de Lourdes Denardin.pdf BRASIL. Normas e Manuais Técnicos). ESCOLARIDADE . INFANTE. ISSN 0104-0707. 2008. homonímia.. SAVIOLI. Nova Fronteira. Moderna Gramática Portuguesa. gíria. sinonímia. 50 p.Leonor. Disponível em: http://www. Rio de Janeiro. Secretaria de Atenção à Saúde. jul. BIBLIOGRAFIA: BECHARA.enferm. M. Disponível em: < http://dtr2004. crase. S.gov. Carlos Alberto e TEZZA. dialetos e registros. Ministério da Saúde. A Política do Ministério da Saúde para atenção integral a usuários de álcool e outras drogas / Ministério da Saúde. Coesão e Coerência. Ed. Disponível em: http://www. -. Texto contexto . Semântica: denotação e conotação.asp?sectionParentID=35&sectionID=30 CONSELHO FEDERAL DE ENFERMAGEM. Gramática da Língua Portuguesa. Francisco Platão e FIORIN. – Brasília : Editora do Ministério da Saúde. 1995. Vozes. SUDDARTH. 60 p. Coordenação Nacional de DST e Aids. Tereza Cochar. 2003.gov. L. 1999. PASQUALE e ULISSES. Coordenação de Controle de Infecção Hospitalar. 2000. -. Lucerna. Ministério da Saúde. Celso Ferreira e LINDLEY. 98p. 1999.gov. Ed. Sintaxe: Termos e Orações coordenadas e subordinadas.saude. sintaxe de colocação. MACHADO. D.br/2007/section. KOCK.saude.1994. Tiago da Silva et al.portalcofen. BECHARA. Cortez. Secretaria de Atenção a Saúde. Textos Básicos de Saúde). Luiz. 2001./set.saude. Atual Ed. 2007. Disponível em: http://bvsms. Textos Básicos de Saúde).16.br/editora/produtos/livros/pdf/06_0004_M. BRASIL . 10ª ed. com ênfase em verbos. Ulisses. Lucerna. Intertextualidade e polifonia. conjunções e preposições.pdf Brasil.pdf Lei 8080/90 e 8142/90 .br/editora/produtos/livros/pdf/03_0277_%20M. pronomes. Saúde do adolescente: competências e habilidades / Ministério da Saúde. Saúde integral de adolescentes e jovens: orientações para a organização de serviços de saúde / Ministério da Saúde. Gramática Reflexiva. Ed. 1999.br/2007/section. A Língua: norma culta e variedades lingüísticas. Nova Gramática do Português Contemporâneo.br/bvs/publicacoes/saude_adolescente_competencias_habilidades. 44p. Secretaria de Atenção à Saúde. Ed. Departamento de Ações Programáticas Estratégicas. CUNHA. Ed.Luiz Carlos. figuras de linguagem. 2005. 3ª reimpressão. Língua padrão: ortografia. – (Série B. CEREJA. Coordenação de Saúde da Comunidade: Brasília Ministério da Saúde.3. classes de palavras: flexões.Ingedore e TRAVAGLIA. William Roberto e MAGALHÃES. p.2. – Brasília: Editora do Ministério da Saúde. Cristóvão.pdf BRUNNER. Departamento de Ações Programáticas Estratégicas. Ministério da Saúde. Ed. 2000.: il.asp?sectionParentID=35&sectionID=30 FIGUEIREDO.gov. no. concordância nominal e verbal. Morfologia: estrutura e processos de formação de palavras. Disponível em: http://dtr2001. contexto e a construção dos sentidos. BUDO. Evanildo. de 08 de junho de 1987 – Regulamenta a Lei nº 7. Disponível em: http://www. Gramática Escolar da Língua Portuguesa. FARACO. Processamento de Artigos e Superficies em Estabelecimentos de Saúde. Guanabara Koogan.

. O Sistema Único de Saúde. Portaria n. Rio de Janeiro: FLETCHER. Portaria Nº 648/GM de 28 de março de 2006. MINISTÉRIO DA SAÚDE.080/90. Roberto A. Ministério da Saúde. Portaria n. MALETTA. Medidas de Posição/ Dispersão. Divulga o Pacto pela Saúde 2006 – Consolidação do SUS e aprova as Diretrizes Operacionais do Referido Pacto. CZERESNIA. MINISTÉRIO DA SAÚDE. a organização e o funcionamento dos serviços correspondentes e dá outras providências. SAM. D. Silvia Marta. amplamente veiculados na imprensa escrita e/ou falada (jornais.. controle social. T. Ciência & Saúde Coletiva. Giovanella L et al. Aborto e saúde pública no Brasil : 20 anos / 2009 .. Bioestatística. Brasilia. Uga. The hygienic hypothesis and transformations in etiological knowledge: Paim JS & Teixeira CF. CONFALONIERI. BRASIL. ed. Epidemiologia das Doenças Crônicas não Transmissíveis. BIBLIOGRAFIA: FORTES. Tecnologia e Insumos Estratégicos. Constituição Federal de 1988 .. Belo Horizonte:.). KRUG. 2.142/90. ZOBOLI. Saúde da Família. (Et al.ROSEN. Organização da Atenção Hospitalar. Noções de Amostragem. rádio. HACON. ed. NOAS – SUS 01/2002. São Paulo:EPU. Brasília: Ministério da Saúde. Gabinete do Ministro. Um . DF: Ministério da Saúde. Aborto e saúde pública no Brasil: 20 anos. Uma história da saúde pública. O mix públicoprivado no Sistema de Saúde Brasileiro: financiamento. BRASIL. Epidemiologia clínica: elementos essenciais. História da Epidemiologia.º 373/02. ROUQUAYROL.º 8. 2 ( Série I.BRASIL. Epidemiologia e Saúde Pública. 2009. CHAME. 2008.MIGUEZ.Dispõe sobre as condições para a promoção. de 19/9/1990 . Epidemiologia. O papel das Normas Operacionais Básicas no Processo de Descentralização e Regionalização. 1. Carlos Henrique Mudado. Endemias/epidemias: Situação atual. Informe Epidemiológico do SUS. Orçamento da Seguridade Social e Formas de Financiamento do Setor. NAJAR. Indicadores de Saúde.º 2. CHAVES. M..º 8. UEC.ESTADO DO RIO DE JANEIRO PREFEITURA MUNICIPAL DE MACUCO CONHECIMENTOS GERAIS/ATUALIDADES: Sobre o Município e atualidades: Assuntos de interesse geral nas esferas: Municipal. 2006Epidemiologia MEDRONHO.]. Seção II. Carlos Henrique Mudado. Secretaria de Ciência. História Natural e Prevenção de Doenças. Princípios e Base Legal do SUS. Estadual e Nacional. JDG. FLETCHER.203/96. SAÚDE PÚBLICA: Organização dos serviços de saúde no Brasil: Sistema Único de Saúde – Princípios e diretrizes. Ministério da Saúde. Saúde da família :um retrato . Mudanças globais e desenvolvimento: importância para a saúde..3. Santos. Sanitária e Ambiental. Epidemiologia & saúde.Vol. 3. 4. Saúde da família: um retrato.. Suzanne W. Uma reflexão a partir de uma experiência concreta. Rev Saúde Pública 2006. de 28/12/1990. George.1997. São Paulo: UNESP..capítulo II. MALETTA. São Paulo:LOYOLA.Bioética e Saúde Pública. Política e gestão em saúde. O SUS necessário e o SUS possível: estratégias de gestão. Setor Privado: Histórias. BRASIL. Isabela Soares. DF: Ministério da Saúde.2003. Planejamento e programação local de saúde. Emenda Constitucional Nº 29. Paulo Antônio de Carvalho. Luis Eugenio Portela Fernandes de Souza. Modalidades e Formação. 2. 2006. Indicadores de saúde. Vol.2008.1997. / 1994 . Ensinando a Cuidar em Saúde Pública.14(3):911-918. BRASIL. BRASIL. Epidemiologia e Saúde Pública. ed. Robert H. Nébia Maria Almeida de. NOB – SUS 01/96. Brasilia. Lei n. História da Saúde no Brasil) Epidemiologia & saúde . Maria Alicia Dominguez e Porto. Brasília: Ministério da Saúde.2. ed. Secretaria de AAtenção à Saúde. Porto Alegre: Artmed. São Paulo: Atheneu. estabelecendo a revisão de diretrizes e normas para a organização da Atenção Básica para o Programa Saúde da Família (PSF) e o Programa Agentes Comunitários de Saúde (PACS). BRASIL. 2002. Distritos Sanitário. saúde coletiva [online].. revistas. Elma Lourdes Campos Pavone. Vigilância Epidemiológica. medidas de controle e tratamento. Gabinete do Ministro. Ministério da Saúde. Institui a Norma Operacional de Assistência à Saúde do Sistema Único de Saúde. S. Departamento de Ciência e Tecnologia. 1996.. artigos 196 a 200. Gabinete do Ministro.. 2009 A história da saúde pública. BRASIL. Saúde da família: limites e possibilidades 28 . Gabinete do Ministro. proteção e recuperação da saúde. Organização da Média e Alta Complexidade. Lei n.Belo Horizonte:[s. Dispõe sobre a participação da comunidade na gestão do Sistema Único de Saúde (SUS) e sobre as transferências intergovernamentais de recursos financeiros na área da saúde e dá outras providências. Noções de Probabilidade. Portaria Nº 399/GM de 22 de fevereiro de 2006. FIGUEIREDO. BRASIL. NOBRE C. Sistema de notificação e de vigilância epidemiológica e sanitária. História das Políticas de Saúde no Brasil. Institui a Norma Operacional Básica do Sistema Único de Saúde. ed. Testes Diagnósticos. Ciênc. oferta e utilização de serviços de saúde. televisão e/ou sites na internet). A Reforma Sanitária e a Construção do SUS.n. enfoque estratégico. Aprova a Política Nacional de Atenção Básica. MINISTÉRIO DA SAÚDE. Testes de Hipóteses. A. CORTESÃO J. Maria Zélia. Principais Características dos Subsistemas Públicos e Privados que Integram o SUS.

(Série Direitos sexuais e direitos reprodutivos nº 5). 100 p. 24.saude. Manual para utilização da caderneta de saúde da criança / Ministério da Saúde.gov.br/bvs/publicacoes/agenda_mulher. Disponível em: http://bvsms. Doenças sexualmente transmissíveis (sífilis. Manual Técnico para o controle da Tuberculose. Metodologia da Assistência de Enfermagem.ESTADO DO RIO DE JANEIRO PREFEITURA MUNICIPAL DE MACUCO CONTEÚDOS ESPECÍFICOS DO NIVEL SUPERIOR ENFERMEIRO (ESF): 1. Brasília: Ministério da Saúde. ed. . Disponível em: < http://dtr2004. Brasília: MS. Departamento de Atenção Básica. Tuberculose.gov. n. Afecções gastrintestinais. 9. Departamento de Atenção Básica. 29.: il.br/bvs/publicacoes/manual%200902. Agenda de compromissos para a saúde integral da criança e redução da mortalidade infantil / Ministério da Saúde. 2005. SINAN. Saúde do Adolescente. 12.pdf BRASIL. Secretaria de Atenção à Saúde.br/dab/docs/publicacoes/cadernos_ab/abcad15. Sistemas de Informação (SIAB. 22.saude.º 10. color . Coordenação de Saúde da Comunidade: Brasília Ministério da Saúde. 4.gov. MINISTÉRIO DA SAÚDE. tratamento dos transtornos mentais e Assistência de Enfermagem. MINISTÉRIO DA SAÚDE. Departamento de Atenção Básica. – Brasília: Ministério da Saúde.n. 26. Normas e Manuais Técnicos. – (Série A.pdf BRASIL. Segurança e Saúde no trabalho em Serviços de Saúde. Ministério da Saúde. gonorréia. Conceitos Básicos de Epidemiologia. Brasília: Ministério da Saúde. 18. 38 p. Cadernos de Atenção Básica . BIBLIOGRAFIA BRASIL. 27. 7. Assistência Domiciliar e visitas domiciliares. Hipertensão Arterial Sistêmica. Legislação de Saúde). Disponível em: http://bvsms. (Série B. Ministério da Saúde.gov.br/bvs/publicacoes/guia_bolso_4ed.saude.gov.br/bvs/publicacoes/estatuto_crianca_adolescente_3ed. Saúde da Mulher. (Série A.gov. 21. Política Nacional de Atenção Básica .gov. Sistematização da Assistência de Enfermagem .gov.: il. 10. 25. Dimensões de saúde e doença mental. Textos Básicos de Saúde). 2000.br/bvs/publicacoes/crescimento_desenvolvimento.saude.PNAB . 19. Ética . Brasília: Ministério da Saúde.pdf > BRASIL. Departamento de Vigilância Epidemiológica. Disponível em: http://bvsms.saude. Consulta de Enfermagem e educação em saúde.pdf 29 . 11. 2005. Disponível em: http://bvsms. MINISTÉRIO DA SAÚDE.br/editora/produtos/livros/pdf/05_0080_M. Área técnica de Saúde da Mulher: Agenda da Mulher. 14. 5.br/dab/docs/publicacoes/cadernos_ab/abcad16. Disponível em: http://bvsms. 11). Secretaria de Políticas de Saúde. Conhecimentos/Princípios que fundamentam as técnicas e os procedimentos de Enfermagem. Departamento de Ações programáticas estratégicas. Estatuto da Criança e do Adolescente / Ministério da Saúde. Violência na família. Princípios e Diretrizes do Sistema Único de Saúde e a Lei Orgânica da Saúde. Enfermagem em Psiquiatria. – 3. 28. Disponível em: < http://dtr2004. Secretaria de Políticas de Saúde.gov.Série A. Conhecimentos/Princípios que fundamentam a Estratégia de Saúde da Família.pdf BRASIL. Secretaria de Atenção à Saúde. 31. – Brasília: Editora do Ministério da Saúde. Normas e Manuais Técnicos). Saúde da criança: acompanhamento do crescimento e desenvolvimento infantil / Ministério da Saúde. Cadernos de Atenção Básica n. Cadernos de Atenção Básica n. Diabetes Mellitus. Programa de Saúde do Trabalhador. 98p.pdf BRASIL .br/bvs/publicacoes/manual_tecnico_prenatal_puerperio.SIAB: Manual do Sistema de Informação de Atenção Básica/Secretaria de Assistência e Saúde.saude. em especial a Estratégia de Saúde da Família. Afecções do aparelho geniturinário. 2. 2002. – (Série E. Hanseníase.saude. Ministério da Saúde.Processo e diagnóstico em Enfermagem Fundamentos de Enfermagem. 2006. Brasília: MS.gov. (Série Cadernos de Atenção Básica.pdf BRASIL. Saúde Mental. Área Técnica da Saúde da Criança e Aleitamento Materno. Disponível em: http://bvsms. Secretaria de Atenção à Saúde.saude. Lei do Exercício Profissional.saude. 2006.pdf BRASIL. 80 p – Disponível em: http://dtr2001. 2002. 2008. Classificação dos transtornos mentais. Disponível em: http://bvsms. 2005. Guia para o controle da Hanseníase.saude.gov. Imunização (Calendário de vacinação. 2005. 2002. Ministério da Saúde.br/bvs/publicacoes/guia_de_hanseniase. Secretaria de Políticas de Saúde. 23. Departamento de Ações programáticas estratégicas. AIDS e HPV). 17. – Brasília: Ministério da Saúde. Doenças e agravos não transmissíveis (Diabetes. 6. Departamento de Ações programáticas estratégicas. Educação Permanente em Saúde. Secretaria de Políticas de Saúde. Hipertensão e Neoplasias). Vigilância em Saúde: notificação compulsória.Portaria n° 648/GM/2006.pdf > BRASIL.pdf BRASIL. Ministério da Saúde. Departamento de Atenção Básica. 13. Ministério da Saúde. 96 p. Modelos de atenção à saúde.º 15. 3. Secretaria de Políticas de Saúde.pdf BRASIL. 20.br/dab/docs/publicacoes/geral/manual_siab2000. Secretaria de Atenção à Saúde.saude. 2006.saude. Doenças Transmissíveis (Dengue.gov.n. 163 p. 30. 16. Brasília: MS. Doenças infecciosas e parasitárias: guia de bolso. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica.br/bvs/publicacoes/caderno_atencao_basica. SIM. Área técnica de Saúde da Mulher: Pré natal e Puerpério: Atenção qualificada e humanizada – manual técnico/Ministério da Saúde. Saúde e Sociedade.º 06. MINISTÉRIO DA SAÚDE. Normas e Manuais Técnicos). 3ª reimpressão. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Ações Programáticas Estratégicas. SINASC). Cadernos de Atenção Básica . 15. Brasília: Ministério da Saúde. Ministério da Saúde. Brasília: MS. tricomoníase. Secretaria de Vigilância em Saúde.pdf > BRASIL.º 16. Rede de Frios e Acondicionamento de Imunobiológicos). 8. Secretaria de Atenção à Saúde. Saúde da Criança. Disponível em: < http://dtr2004. Hepatites. Disponível em: http://bvsms. Secretaria de Políticas de Saúde. Saúde do Idoso.Legislação Aplicada à Enfermagem.

Guanabara Koogan.Saúde do trabalhador / Ministério da Saúde.saude. Fundação Oswaldo Cruz. 60 p. Textos Básicos de Saúde).2. de 08 de junho de 1987 – Regulamenta a Lei nº 7. Área Técnica de Saúde do Trabalhador .pdf BRASIL.saude. 2001.br/editora/produtos/livros/pdf/06_0004_M. 131). Disponível em: http://bvsms. Programa Saúde da Família. Secretaria Executiva. Secretaria de Atenção à Saúde.br/bvs/publicacoes/manual_estrutura_ubs. Disponível em: http://www. Tratado de Enfermagem Médico . Disponível em: < http://www. Disponível em : http://bvsms. M. Concepções de violência e práticas de cuidado dos usuários da estratégia de saúde da família: uma perspectiva cultural.br/dab/docs/publicacoes/geral/importancia_sim_sinasc. Aprova a Política Nacional de Atenção Básica. Ministério da Saúde. Legislação de Saúde . Brasília: . Texto contexto .cfm?id_area=460 BRASIL. 10ª ed. n.shtml BRASIL. Departamento de Atenção Básica. 648.htm?sid=168 > BRASIL. Ministério da Saúde. Departamento de Ações Programáticas Estratégicas.ISBN 85-334-1047-6 Disponível em: http://bvsms.saude.br/dab/docs/legislacao/portaria_648_28_03_2006. CIANCIARULLO. ISSN 0104-0707. Disponível em: http://dtr2001.gov.311/2007 – Código de ética dos profissionais de enfermagem.br/bvs/publicacoes/cad03_educacao.080.pdf > BRASIL. Secretaria de Vigilância em Saúde. Lei Nº 8. CONSELHO FEDERAL DE ENFERMAGEM.272/2002 . 50 p.saude.Brasília. Saúde do adolescente: competências e habilidades / Ministério da Saúde.saude. 2001. Ministério da Saúde. Ministério da Saúde. jul. 754 p.br/bvs/publicacoes/saude_adolescente_competencias_habilidades. p.portalcofen. Ministério da Saúde.saude.124 p.gov. Coordenação de Controle de Infecção Hospitalar.gov. ed. elaborado e organizado por Letícia Coelho da Costa– Brasília : Ministério da Saúde.: il. 5) Disponível em: http://bvsms. de 25 de junho de 1986.pdf BRASIL Ministério da Saúde. – Brasília: Ministério da Saúde. Dispõe sobre as condições para a promoção. Disponível em: http://www. 2003. – Brasília: Editora do Ministério da Saúde.pdf BRASIL.gov. – (Série A. que dispõe sobre o exercício da Enfermagem.br/portal/svs/area.gov. Manual de Normas de Vacinação.63p.gov.ESTADO DO RIO DE JANEIRO PREFEITURA MUNICIPAL DE MACUCO BRASIL.br/legislacao/lsus. Rio de Janeiro: Rúbio. Ministério da Saúde. E.1994.142. 2004. – (Série B. Normas e Manuais Técnicos. Violência intrafamiliar: orientações para prática em serviço / Secretaria de Políticas de Saúde. Disponível em: http://portal./set. Calendário de vacinação. Lei nº 7498 de 25 de junho de 1986 – Dispõe sobre a regulamentação do exercício da enfermagem e dá outras providências. Disponível em: http://dtr2001. Sistemas de Informações sobre Mortalidade (SIM) e Nascidos Vivos (SINASC) para os profissionais do Programa Saúde da Família.pdf BRASIL. – (Série Cadernos de Atenção Básica.br/bvs/publicacoes/partes/guia_psf1. Departamento de Atenção Básica.rj.pdf BRASIL.cfm?idtxt=28894 BRASIL.saude. Brasília: Ministério da Saúde. SUDDARTH. Área Técnica de Saúde do Trabalhador. Secretaria de Atenção a Saúde.saude. Ministério da Saúde. Disponível em: http://bvsms.pdf BRASIL. 2005. – Brasília : Editora do Ministério da Saúde. Portaria nº.gov. A Política do Ministério da Saúde para atenção integral a usuários de álcool e outras drogas / Ministério da Saúde.gov.br/editora/produtos/livros/pdf/03_0277_%20M.406. atual. n. Departamento de Atenção Básica.saude. 2007.pdf BRASIL.br/2007/section. S.: il.gov. Secretaria de Atenção à Saúde. A. 2004. Ministério da Saúde.saude. Departamento de Ações Programáticas Estratégicas. Departamento de Ações Programáticas Estratégicas. Saúde da família: uma abordagem interdisciplinar. Disponível em: http://www. Ministério da Saúde. vol.br/bvs/publicacoes/cd05_19.saude. Rio de Janeiro. ed. 2001. Saúde integral de adolescentes e jovens: orientações para a organização de serviços de saúde / Ministério da Saúde. – Brasília: Ministério da Saúde. -. Maria de Lourdes Denardin. CARBONI.fiocruz.pdf BRUNNER. 2006. BUDO. MINISTÉRIO DA SAÚDE.saude. Resolução COFEN . 2000.pdf BRASIL.exe/sys/start. – Brasília: Ministério da Saúde.br/bvs/publicacoes/guia_vig_epid_novo2.gov.anvisa. de 28/03/2006. Ministério da Saúde. Disponível em: http://bvsms. MATTIONI. Disponível em: http://dtr2004. de 28 de dezembro de 1990.gov. ed. 5). Disponível em: http://portal.asp?sectionParentID=35&sectionID=30 COSTA. Área Técnica de Saúde do Trabalhador Caderno de saúde do trabalhador : legislação / Ministério da Saúde. Departamento de Ações Programáticas e Estratégicas. Secretaria Executiva. 30 . Brasília: Ministério da Saúde: Fundação Nacional de Saúde. 816 p. 2008. 2001. Secretaria de Políticas de Saúde. Disponível em: http://bvsms. rev.pdf BRASIL. 8) – (Série A.saude. 44p. : il. Departamento de Ações Programáticas Estratégicas. 96 p. -. Secretaria de Políticas de Saúde. 3ª ed.Sistema de Assistência de enfermagem: evolução e tendências .pdf BRASIL.br/bvs/publicacoes/trabalhador_leg.gov. Secretaria de Atenção a Saúde.br/bio/cgi/cgilua.saude.3. Fernanda Carlise.br/servicosaude/controle/processamento_artigos.br/portal/saude/visualizar_texto.16. Processamento de Artigos e Superficies em Estabelecimentos de Saúde. : il. de 19 de setembro de 1990.saude. Educação Permanente. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Tiago da Silva et al. Disponível em: < http://bvsms.Dispõe sobre a Sistematização da Assistência de Enfermagem . 6.pdf BRASIL.gov. Secretaria de Políticas de Saúde.SAE nas Instituições de Saúde Brasileira. 2. Coordenação Nacional de DST/Aids.gov. Lei Nº 8. Resolução COFEN .Cirúrgica.2005. Sistema de Informação.São Paulo: editora Ícone. – (Serie B. Guia de Vigilância Epidemiológica / Ministério da Saúde. D. Manual e estrutura física das unidades básicas de saúde: saúde da família. Área Técnica de Saúde do trabalhador.498. Decreto nº 94. proteção e recuperação da saúde. 40 p. – (Cadernos de Atenção Básica. E. e dá outras providências. M. no. Normas e Manuais Técnicos). – (Série E. Ministério da Saúde..gov. Tâmara Iwanow . Disponível em: http://dtr2004.br/bvs/publicacoes/cd03_12.: il. MACHADO. Brasília. Ministério da Saúde. Textos Básicos de Saúde). Guia prático do programa de saúde da família. a organização e o funcionamento dos serviços correspondentes e dá outras providências. 2005.gov.enferm. Ministério da Saúde. L. 2004..511-519. 2001 72p. S. Caderno 3. Ministério da Saúde. Coordenação Nacional de DST e Aids.gov.

Anticoncepção na Adolescência. A. Dores Musculoesqueléticas. Doenças Infecciosas: AIDS.. Vigilância Epidemiológica.Instituto para o Desenvolvimento da Saúde. nº.gov. histologia.pdf MÉDICO (ESF): Abordagem da Família: Promoção à Saúde. Rinofaringites e Faringoamigdalites.homolog. Medicina ambulatorial: Condutas de atenção primária baseadas em evidências 3ª edição. Brasília.br/072005/legislacoes/anexos/nr_32. Asma. Transtornos Ansiosos. 2 ed. Acidente Vascular Cerebral. A. Incontinência Fecal. Ministério da Saúde.br/php/level. 20p. Z. Insuficiência Arterial dos Membros. Dieta e Nutrição do Lactente. Disponível em: http://www.corensp. H. Litíase Urinária. doença de Alzheimer. Dor Pélvica. Atenção à Criança e o Adolescente: Semiologia Pediátrica. Depressão. Infecções do Trato Urinário em Adultos e Idosos.php?lang=pt&component=68&item=20 ROUQUAYROL. Ripsa. Dispepsia Funcional. Universidade de São Paulo. Otites e Sinusites. Hanseníase. Incontinência Urinária. 4ª edição. Neuropatias Periféricas. Atenção à Mulher: Alterações do Ciclo Menstrual.: il. Rino-sinusites. Diabetes. Climatério. Pré-natal da Adolescência. Fundamentos de Enfermagem.saude.63-67. Doenças Sexualmente Transmissíveis. Assistência em planejamento familiar: Manual técnico. Nº 16. 2001.Q.br/editora/produtos/livros/genero/s_mulher. Brasília – DF. Icterícias. Avaliação do Risco Cardiovascular. Epistáxes. Dependência de Drogas. Ano-Rectais. Saúde da família e vigilância em saúde: em busca da integração das práticas.doc POTTER P. fisioterapia aplicada à: pediatria. REDE Interagencial de Informação para a Saúde. Afecções da Coluna Cervical. Leptospirose. 2006. Brasília: Organização Pan-Americana da Saúde.htm PORTARIA Nº 198/GM de 13 de fevereiro de 2004 . Revista Brasileira de Saúde da Família. 2003. Problemas de Saúde na Adolescência. – Epidemiologia e Saúde. A. Crescimento Normal e Baixa Estatura. 2005. neurologia. Hérnias da Parede Abdominal. Dor Precordial. 349 p. VILASBÔAS. Prostatismo. Parasitoses Intestinais. FISIOTERAPEUTA DO ESF: legislação coffito. SPS). Sinais e Sintomas mais Freqüentes na Prática Clínica: Alterações da Pele da Criança e do Adulto. 2006. Obstipação Intestinal.J. Aspectos Metodológicos da Vigilância da Saúde.gov.ESTADO DO RIO DE JANEIRO PREFEITURA MUNICIPAL DE MACUCO FIGUEIREDO. 3ª ed. 2008. Bárbara Atenção Primária: Equilíbrio entre necessidades de saúde. Giugliani – Artmed . Síndrome de Olho Vermelho. Brasília. 2001. TEIXEIRA. Afecções. 2004. Doença da Tireóide. Doença da Vulva e da Vagina. Doença Pulmonar Obstrutiva Crônica.org.br/editora/produtos/livros/genero/s_mulher. Diagnóstico de Gravidez e Contracepção. Diverculite Aguda. Queimaduras. O desenvolvimento Normal e os Sinais de Alerta. Indicadores de Saúde no Brasil: conceitos e aplicações. 2000. Atenção ao Adulto: Hipertensão Arterial. Varizes dos Membros Inferiores. biomecânica geral e cinesiologia. DF. Ministério da Saúde – Brasília: Ministério da Saúde. BRASIL. Disúria e Hematúria. á traumato-ortopedia.6ª ed. adulto e pediátrica. Úlcera Péptica. 6ª Ed.ripsa. Departamento de Atenção Básica.gov. Maria Inês Schmidt e Elsa R. 13. Diarréia. Pneumonias Agudas. Tontura e Vertigem. Dores Recorrentes. Osteoartrose. Disponível em: < http://www. Principais Problemas Ortopédicos na Criança. serviços e tecnologia.gov. Assistência Pré-natal. Hemorragia Digestiva. Glomerulenefrite Difusa Aguda.Tremores e doenças de Parkinson. Anemias. 1ª Ed. & PEGORARO.saude. 2001. MS. Obesidade. Elsevier. Artrite Reumatóide. neurofisiologia. HERMANN. PERRY AG. 2006.pdf > OGUISSO T.F. Ética e Bioética: Desafios para a Enfermagem e a Saúde. Prevenção do Câncer Genital Feminino e da Mama. 2002 Starfield. Manual de Hipertensão Arterial e Diabetes Mellitus. Bruce B Duncan. 2002. Alteração da Cavidade Oral.2006.saude. Ministério da Saúde. (Secretaria de Política de Saúde. MS.br/admin_ses/diretoria_desenv_humano/educacaopermanente/PORTARIA%20198.L. Lombalgia. Alterações de Equilíbrio e Prevenção de Quedas no Idoso. 2002. Disponível em: http://dtr2001. Problemas mais Comuns na Gestação. Desidratação.Princípios e Diretrizes . Disponível em: http://www. Eplepsia. Como lidar com o Paciente Fora da Possibilidade de Terapeuta de Cura.Disponível em: http://dtr2004.. Vacinação a Criança e no Adulto. Câncer de Pulmão. Diarréia Aguda e Persistente.br/dab/docs/publicacoes/revistas/revista_saude_familia16. Cadernos de Atenção Básica: Controle dos cânceres do colo do útero e da mama. p. Atenção ao Idoso: Avaliação clínica do Idoso. Nébia Maria de. Guia Prático do Programa Saúde da Família. Brasília: Ministério da Saúde. São Paulo: Difusão Paulista de Enfermagem. Enfermagem em Doenças Transmissíveis. Brasília. Administração de Medicamentos – Revisando uma Pratica de Enfermagem. Tabagismo. Malária. Pré-natal. Manole. reumatologia. anatomia e fisiologia humana geral. Dengue e Febre Amarela. Tratamento de Alcoolismo.sc. Regurgitações. Cefaléia. Colecistite. Brasília. UNESCO / MS. Angina e Cuidados Pós-Infarto do Miocárdio. M. Distúrbio Nutricional Calórico Protéico. C. Hepatite a Vírus.Institui a Política Nacional de Educação Permanente em Saúde como estratégia do Sistema Único de Saúde para a formação e o desenvolvimento de trabalhadores para o setor e dá outras providências. aparelho 31 .org. São Paulo: EPU. – Rio de Janeiro: Medsi. Principais problemas Oculares. Doenças Alérgicas. Anemia. ZOBOLI ELCP. M S. Asma. NR32 – Segurança e Saúde no trabalho em Serviços de Saúde. Rede Interagencial de Informação para a Saúde. 2006. Ltda. COM. Ed. Infecção Urinária. Perspectiva da Eqüidade no Pacto Nacional pela Redução da Mortalidade Materna e Neonatal: Atenção à Saúde das Mulheres. BIBLIOGRAFIA: Manual de Condutas Médicas: Programa Saúde da Família .htm Política Nacional de Atenção Integral à Saúde da Mulher . Síndrome do Intestino Irritável. Vômitos e Refluxo-Gastroesofágicos. Doenças Benignas da Mama.Ministério da Saúde 82p. Insuficiência Cardíaca Congestiva. Tuberculose.saude. Chiado no Peito. Ombro. Disponível em: http://dtr2001. Esquistossomose. Puerpério Normal e Aleitamento Materno.. Raquitismo.

TECKLIN. Rio de Janeiro: Medici. GRANDJEAN. Rio de Janeiro. -OLIVEIRA. As Cadeias Musculares. Procedimentos Odontológicos: Preparos Cavitários. STOLLER. 2000. 2000.São Paulo: Robe. Biossegurança: esterilização e desinfecção: normas universais de biossegurança.Reabilitação : amputados amputações próteses. -GRAZIANI. 2004. -SHEAR. Rio de Janeiro:Guanabara Koogan. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan. D. KISNER.2000.2002.Porto Alegre:Artmed. B. BIBLIOGRAFIA: -BRASIL. Processamento de artigos e superfície em estabelecimentos de saúde. Periodontia. 2002 DENTISTA (ESF): Odontologia Social: Caracterização. STARKEY. LUNDY-EKMAN. Maitland. -FONSECA. Anatomia Palpatória: Tronco. 2002. de. cinesioterapia.. ANDREWS. 3 ed. dermato-funcional . Odontologia Social. -PAIVA e ANTONIAZZI. São Paulo: Manole 2003 FLECK. Hierarquização. 2000. Coordenação de controle de infecção hospitalar. Manipulação vertebral de maitland. Anatomia Palpatória: Pelve e Membros Inferiores. Mário M.São Paulo: Manole. coluna e extremidades. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan. nutrição e desempenho humano. J. Fisiologia do exercício: Energia. -CORRÊA. BECKER. Ortodontia Preventiva na Clínica Odontológica. 1997. M. M. 2001 MURPHY. Manole. S. Manual de Ergonomia . -NEDER.Adaptando o Trabalho ao Homem. Exercícios Terapêuticos. Secretaria de Assistência e Promoção à Saúde. BIBLIOGAFIA NETTER. Porto Alegre: Artmed. Dentística Operatória. -MARZOLA. Belo Horizonte: Busquet. S. -_______. Mobilização do Sistema Nervoso. Recursos Terapêuticos em Fisioterapia. 2000 BANCKS K. JUNQUEIRA L. KNIGHT. L. Prevenção de Cárie Dentária. Anestesiologia. M.2000 BOCCOLINI. 2001. 1994.S.. Antibióticos na Clínica Dentária. Ministério da Saúde. Anestesia Geral. -UETI e MATSON. Fisioterapia Pediátrica. 4 v HAMILL & KNUTZEN Bases biomecânicas do movimento humano. L. Controle de infecções e a prática odontológica em tempos de AIDS. Conselho Federal de Odontologia: Código de ética odontológica. Oclusão. São Paulo: Manole. São Paulo: Manole. Endodontia-bases para a prática clínica. fisioterapia do trabalho e ergonomia. W. Rio de Janeiro: Elsevier. S. HEBERT. PNF – Método Kabat: Facilitação Neuromuscular Proprioceptiva. Adamastor. Anestesia Local. Rio de Janeiro: Elsevier. E. Crioterapia no Tratamento das Lesões Esportivas Rio de Janeiro: Guanabara Koogan. Neurociência: Fundamentos para a Reabilitação. Tratado de Fisiologia Médica. Brasília. Brasília. hidroterapia. Métodos de Prevenção. BIENFAIT. São Paulo:Manole. osteopatia. W. Ortopedia e Traumatologia. 2000 BUTLER. disfunções crânio-cervico-mandibulares. Dentística operatória. Ministério da Saúde. Colby. ginecologia e obstetrícia. 6 ed. JUNQUEIRA L. Ombro e Membros Superiores. São Paulo: Summus. -_______. ADLER. Brasília. 2002. Radiologia. Tratamento dos Principais Problemas. Fernando. Clóvis. Porto Alegre: Artmed. 2002 BUSQUET. 2003. Porto Alegre: Artes Médicas. 1994. José. ARTMED. F.. -MONDELLI. 1999. Anestesiologia: Dor. -______ . Porto Alegre. 2003. Farmacologia e Terapêutica: Mecanismos Básicos de Ação das Drogas. Reabilitacao fisica das lesoes desportivas. Cirurgia. Cirurgia buco-maxilo-facial. Fundamentos da terapia respiratória de EGAN . recursos terapêuticos manuais. David J. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan. L. Técnicas de Reabilitação em Medicina Desportiva. Neurociência: Fundamentos para a Reabilitação. LUNDY-EKMAN. MCARDLE. Propedêutica ortopédica. Cistos na região buco-maxílo-facial diagnóstico e tratamento. fototerapia. Ministério da Saúde. 1998. Traumatologia Buco-Facial. 1997. 32 .G. termoterapia. Psicofarmacologia. Princípios Ao do Tratamento De Fraturas. Recomeçando outra vez. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan. Porto Alegre: Artmed. São Paulo. Terapêutica Odontológica. Mário. São Paulo: Manole. 2004. 2003. Farmacologia para cirurgiões dentistas. métodos de reeducação postural. 2004. Efeitos sobre o Sistema Nervoso. W. Fundamentos e Técnicas.As Bases da Fisiologia da Terapia Manual. Pescoço. São Paulo: Manole. Avaliação Musculoesquelética. J. PRENTICE. 2001. Terapia Aquática Moderna. Endodontia: Prótese e Oclusão. -______ .ESTADO DO RIO DE JANEIRO PREFEITURA MUNICIPAL DE MACUCO cardiorrespiratório ambulatorial e cti (adulto e neonatal). S. Ética Odontológica.. -FREITAS. São Paulo: Atheneu. DAVIES. 1999. 2002. MAGEE. 2003. 2001. -CHAVES. Prontuário odontológico. R. São Paulo: Manole. HOPPENFELD. Fernandes. Atlas de Anatomia Humana. São Paulo: Manole. Prótese fixa. Sedação. GUYTON. . Fundamentos Do Treinamento De Força Muscular. 2004. P.. eletroterapia. A. Almir R.

Cefaléias. Micardiopatias e Miocardites.Neves. 1ª ed.O. Doenças Vasculares Cerebrais. Dermatology in general medicine. Carências Nutricionais. Dermatoviroses. Micoses profundas. Moléstias Infecciosas. MINISTÉRIO DA SAÚDE/SAÚDE DA FAMÍLIA/SAÚDE BUCAL. Doenças Sexualmente Transmissíveis. Tratado de fisiologia médica. Afecções do tecido hipodérmico. Dor Torácica.saude. Obstrução das Vias Urinárias. Cirurgia dermatológica. Afecções neurocutâneas. Cor Pulmonale. BIBLIOGRAFIA: 1. Ricardo Veronesi e Col . Farmacologia geral. Azulay. Terapêutica dermatológica – agentes químicos. R.Azulay. Tricoses e alopecias. Goodmman/Gilmann – As bases da Farmacologia e Terapêutica. Dispnéia e Edema Pulmonar. Insuficiência Renal Crônica. Amato Neto. O. São Paulo. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan. Discromias. MÉDICO NEUROLOGISTA: Anatomia. JAN Tratado de Periodontia clínica e implantodontia oral. Sintomas das doenças neurológicas. Demências. ROWLAND. [et al.] (Ed. http://dtr2004. D. Elsevier. microbacterioses atípicas. Afecções do tecido conjuntivo. 6-Gadelha AR.ESTADO DO RIO DE JANEIRO PREFEITURA MUNICIPAL DE MACUCO -RAMFJORD. Estado de Mal Asmático. Roca. 4ª edição. Tumores. São Paulo. Doença Pulmonar Obstrutiva Crônica. Insuficiência Coronária. Infecções do sistema nervoso. Doenças vasculares. BETHLEM. Distúrbios dos líquidos cefalorraquidiano e cerebral. 2001. Síndrome de Choque. Reações por agentes mecânicos e térmicos. Dermatoses ocupacionais. 1997. Síndrome de Angustia Respiratória do Adulto. Lupi. 5. 3 ed. Compendium da odontologia Legal. Arthur S. 2006. Problema de Saúde do Idoso. Doenças do Pâncreas. Anemias. 2004. Lesões de parto e anormalidades do desenvolvimento. DENNIS AUSIELLO. Merri. Atheneu.. 2003. Hipertensão Arterial. S/D.R. São Paulo: Artes Médicas. Rio. 10ª ed. Vasculites. Acidose e Alcalose. Fisiologia do Sistema Nervoso Central e Periférico. Ventilação Mecânica. MÉDICO DERMATOLOGISTA: Embriologia. Cateterismo e Angiografia Cardíaca. Dor Lombar e Cervical. Rio de Janeiro: Medsi. Tratado de Neurologia. Irwin M.php .G.) Fitzpatrick’s. Colapso e Morte Cardiovascular Súbita. 2001 4. ed. Constipação Diarréia e Distúrbios da Função Ano Retal. Infecções bacterianas.A. Moacyr da. Glomerulopatias. Doenças Ocupacionais. Dermatoses zooparasitárias e leishmaniose. psicossomáticas e neurogênicas. Como selecionar testes diagnósticos. Distúrbios da Coagulação. GUYTON. 2. 2ª ed. A. Distúrbios do movimento. Onicopatias. LEE GOLDMAN. hanseníase e tuberculose. TalhariI. Fisiopatologia e imunologia do tegumento. 3ed. Farmacologia do Sistema Nervos Central e Periférico. Biologia do Envelhecimento. Hepatite Aguda e Crônica. -STAFNE / GIBILISCO. anatomia e fisiologia do tegumento. Rio de Janeiro. Princípios do Atendimento Clínico anamenese. Doenças da medula. Ataxias. Cianose. Artrite Infecciosa. Aumento e Perda de Peso. Rivitti. Doença Articular Degenerativa. Tromboembolismo Pulmonar. Antonio Carlos. Distensão Abdominal e Ascite. 5ª ed. Dermatologia Básica. Dor Fisiopatologia.Sampaio. Neuropatias periféricas. 1995. S. Neoplasias. Distúrbios glandulares cutâneos.Cucé. 2002. Tumores benignos e Tumores malignos e afecções pré – neoplásticas e paraneoplasias. Distúrbios da Regulação Térmica. Dor Abdominal. 9ª edição. Pneumologia. Taquiarritmias. R. Doenças genéticas do sistema nervoso central. Tosse e Hemoptise. RJ: Guanabara Koogan. Castro.Freedberg. Doenças Sexualmente Transmissíveis e AIDS. 22ª Ed. Erupções por drogas e toxinas. Sigund P. Distúrbios atróficos e escleróticos. Fisiologia. Insuficiência Renal Aguda. Diagnóstico radiográfico bucal. 9. Disfasia. Código de Ética Odontológica . Dermatologia. Erupções eritematoescamosas.DIP .LINDHE. Endocardite Infecciosa. Insuficiência Cardíaca. BIBLIOGRAFIA: Lopes. LC. alérgicas e eczematosas. RM. Doenças de Notificação Compulsória. Elsevier. Erupções pápulo – pruriginosas. Afecções psicogênicas. Avaliação e Diagnóstico das Doenças Infecciosas. Micoses superficiais. 2005.Editora Guanabara Koogan. Diarréia Infecciosa Aguda e Intoxicação Alimentar. 6ªed. Traumatismo Cranioencefálico e Raquimedular. Vicente. Hematêmese Melena. N. Líquidos e Eletrólitos. -SILVA. Acidose Lático.D.E. Coledocolitiase. MN. Bradiarritmias. Hemorragia e Trombose. DISPONÍVEL EM: MÉDICO GENERALISTA: Código de Ética Médica. Edema. Artrite Reumatóide. Espamos. Febre Reumática. físicos e medicamentos. Rio de Janeiro. Fisiologia básica e dos sistemas. Fotodermatoses e radiodermites. Infarto Agudo do Miocárdio. no diagnóstico e na orientação. Dores Musculares. Hipóxia e Policitemia. McGraw-Hill. 1ª ed. Acidentes do Trabalho. Afecções vasculares. Festa C. Cirrose. Diagnóstico e Manuseio das Afecções Mais Comuns da Pessoa Idosa. P. Atheneu. Editora Atheneu. Coma. Afecções granulomatosas e inflamatórias não infecciosas. S. LEVY. Doenças da Tireóide.. Diabetes Mellitus. 4 ed.C. Calafrios e Febre.M. Distúrbios da junção 33 . Tratado de Clínica Médica. Introdução à oclusão funcional. CECIL TRATADO DE MEDICINA INTERNA. Farmacologia básica. São Paulo. 2005. Erupções vesiculosas e bolhosas. Preenchimento da Declaração de óbito. Viroses do Sistema Nervoso Central: Meningites e Encefalites.. Cãibras e Fraqueza Muscular. Lupus Eritematoso Sistêmico. E. Costa IMC Cirurgia Dermatológica em Consultório. Parada Cardio-respiratória.gov. Encefalomiopatias mitocôndrias.br/dab/cnsb/saude_familia. Traumatismo. Semiologia dermatológica e testes cutâneos. 2000 3. Acne e erupções acneiformes. Icterícia e Hpatomegalia. Genodermatoses. Embriologia. BERNE. Editora Guanabara Koogan. R. Câncer da Pele. Afecções metabólicas.

distúrbios das Glândulas supra-renais. Infecções Inespecíficas do Trato. GUYTON. J.esquizoafetivos e delirantes. e CARVALHAL. Insuficiência Renal crônica e Diálise. Guanabara Koogan. Neurociências. Sintomas de distúrbios do Trato genitourinário. W. Editora Guanabara Koogan. Delirium. W. Urologia Geral. CECIL TRATADO DE MEDICINA INTERNA. Tumores genitais. Doenças da bexiga. GARDNER. 4ª Edição – 1999. Campbell`s Urology. Urologia – Princípios e Praticas. Guanabara Koogan. Fisiologia e Farmacologia do sistema urinário. Neurobiologia do comportamento. 2000. MÉDICO PSIQUIATRA: Código de Ética Médica. Distúrbios do ureter e Punsão ureteropélvica. Doenças sexualmente transmitidas no homem. Anormalidades da Diferenciação sexual. Amato Neto. Anatomia. G. Diagnóstico das doenças renais clínicas. BRODAL.1989. do humor. SMITH. Exame Físico do Trato Genitourinário. LENT. Imunologia dos tumores genitourinário. Oligúria. Antonio Carlos. distúrbio do testículo. Rio de Janeiro. USA. P. MERRITT Tratado de Neurologia. Elsevier. psiquiátricos associados ao uso de substâncias psicoativas. USA. BIBLIOGRAFIA: ROWLAND. Quimioterapia dos tumores urológicos. F. A. Tratado de fisiologia médica. Distúrbios: esquizotípicos. 3ª ed. demência e transtornos amnésticos. LEE GOLDMAN. 5th edition. Roca. As Bases Farmacológicas da Terapêutica. LEVY. Mark F. DENNIS AUSIELLO. th TANAGHO. SP. alimentares (anorexia e bulimia nervosa). Elsevier. Doenças sistêmicas e medicina geral. 2004. Esquizofrenia. Gray O`Rahilly. CálculosUrinários. Abordagens Biológica. Tangho. LP. Artmed. Instrumentação Retrógada do Trato Urinário. Suicídio e tentativa de suicídio. RJ: Atheneu. A célula e a biologia do neurônio. LEE GOLDMAN. percepção. O desenvolvimento do sistema nervoso. transtornos de personalidade e comportamentos em adultos. Guanabara Koogan. da próstata e das vesículas seminais. BERNE. Fisiologia e Farmacologia básica. Distúrbios do pênis e da uretra masculina. psicológica e social dos Transtornos Mentais História da Psiquiatria no Brasil e no Mundo. São Paulo. Vicente. Robert M. 1999.ESTADO DO RIO DE JANEIRO PREFEITURA MUNICIPAL DE MACUCO neuromuscular. distúrbios dos rins. Philadelphia. A. Guanabara Koogan. Doenças de Notificação Compulsória. Arthur S. Roberto. do sono e do controle de impulsosMedicina Interna e Psiquiatria. Obstrução e Estase Urinária. Columbus. Elsevier. Elsevier. Artes Médicas Sul: Porto Alegre. 22ª ed. Guanabara Koogan. Editora Guanabara Koogan. GOLDMAN & GUIMAN. Drogadição. Litotripsia por onda de choque extracorpórea. Tratado de Clínica Médica. Smith`s General Urology. somatoformes e dissociativos (ou conversivos). Lesões do trato genitourinário. Fisiologia. Cem bilhões de neurônios. Anatomia. Sauders. 10ª ed. mistos de ansiedade e depressão etc. (Editors). Formas de Tratamento e sua Evolução Histórica. Koeppen Stanton. Distúrbios autonômicos. 1988. Ureter e Pelve Renal. Lange Medical Books/McGraw-Hill. Infertilidade masculina. Transplante Renal. As bases farmacológicas da terapêutica. Atheneu 2001. 2005. Emergências Psiquiátricas. Cirurgia com laser. Tratado de Clínica Médica. Editora Guanabara Koogan. S. Vicente. MACHADO. São Paulo. C. Deficiência mental. LEVY. Amato Neto. BEAR. 2006. GARDNER. 1998. Antonio Carlos. Excroto e cordão espermático. WALSH. psiquiátricos associados à epilepsia. Distúrbios: mentais orgânicos (agudos e crônicos). 15 edition.Roca. MN. As bases farmacológicas da terapêutica. Psicofisiologia geral. Atheneu. Psicofarmacologia. B. Socioterapias. Brasil. H. Transtornos neuróticos relacionados ao estresse e somatoformes.). Anatomia neurological com correlações clínicas. Doenças desmielinizantes. Disfunção sexual masculina. Carcinoma uretolial: Cânceres na bexiga. Rio de Janeiro. 1ª ed. E. Lopes. Distúrbios paroxísticos. As bases neurais da cognição. Excitação. Transmissão sináptica. 1ª ed. et. 2002. doenças cutâneas genitália externa. 10ª ed BERNE. A. Hipertensão renovascular. Tratamento biológico em psiquiatria. ansiosos (de pânico. Transtornos relacionados e substâncias Sexualidade humana Transtornos alimentares. Imageamento por Radionuclídeos. pensamento. Arthur S. Miopatias. emoção e comportamento homeostase. Henrique Sarmento Barata. Psicoterapias. Embriologia do Sistema genitourinário. movimento. 5ª edição. Condutas no paciente grave. (Editora). Preenchimento da Declaração de óbito.. 22ª ed. NETO JR. Princípios do Atendimento Clínico anamnese. Distúrbios Neorogênicos da Bexiga. Elias. Distúrbios da uretra feminina. KNOBEL. Psiquiatria Infantil. 2005. Endourologia Percutânea e Ureterorrenoscopia. esquizofreniformes. Nelson Rodrigues – Urologia Prática – Atheneu . GUYTON. Neoplasia do Parênquima Neoplasias da próstata. 2006 GOODMAN E GUILMAN. Editora Guanabara Koogan. 2007. Fisiologia. DENNIS AUSIELLO. Estudos Urodinâmicos. Rio de Janeiro. Artmed 2002. Neuroanatomia funcional. no diagnóstico e na orientação. do sono. BIBLIOGRAFIA: BARATA. CECIL TRATADO DE MEDICINA INTERNA. Derivação Urinária e substituição vesical. Neurologia ambiental. Insuficiência Renal aguda. 5ª ed. Liguagem. e McANINCH. (Editors). MÉDICO UROLOGISTA: Anatonomia do trato urinário. 13ª ed. al. 4ª edição. Rio de Janeiro. GOODMAN E GILMAN. Refluxo vesicouretral. Ed. RM. 2005 LOPES. 1984. Reabilitação. Roca. Gustavo Franco Carvalhal: Princípios e Práticas. Emergências em psiquiatria. Tratado de fisiologia médica. Ed. Radiologia do Trato Urinário. humor aprendizado e memória. 34 . Exames Laboratoriais Urológicos. Radiologia de Intervenção Vascular. .

. SUGESTÕES BIBLIOGRÁFICAS: ALFRED. 1988. Anatomia e fisiologia dos seios paranasais. Otoemissões. Genética pré-natal. 4ª edição. Viroses das vias respiratórias. Ed. Neurectomia do Vidiano. . BEAR. 2003. Imunodeficiência. Vicente. CARDIOLI. GOODMAN E GUILMAN.Puerpério. Rinites agudas e crônicas. infertilidade. Problema das amígdalas e vegetações adenóides. Gemelidade. Tratado de Fisiologia Médica. Otites médias serosa/secretora.Lactação. Elsevier. Síndromes hipertensivas na gestação. Amato Neto. 10ª edição.Dismenorreia e síndrome de tensão pré-menstrual.Contratilidade uterina. HUNGRIA. . BERNE. TAVARES. Atheneu 2001 MÉDICO GINECOLOGISTA: Anticoncepção.RJ:Guanabara Koogan. corpo uterino. 5ª edição. Patologia imunológica da faringe. . O`Rahilly. Amato Neto. Timpanoplastias. GOODMAN. Próteses auditivas. Rinoplasia estética. Paralisia de Bell. 2005. Traumatismo genital. colo.Hiperandrogenismo.13.RJ: Atheneu. BIBLIOGRAFIA: BARACAT. Blastomas da faringe.Desenvolvimento e crescimento fetal. Koeppen Stanton. . LOPES.Avaliação da vitalidade fetal. São Paulo.Sofrimento fetal agudo. Endometriose e Adenomiose. As bases farmacológicas da terapêutica. LEVY.Neoplasias trofoblásticas gestacionais. 2003 MÉDICO OTORRINOLARINGOLOGISTA: Código de Ética Médica. hemorragias e distúrbios da lactação).Urgências ginecológicas. GILMAN.Prenhez ectópica. Fisiologia. Infecção puerperal. 1995. Mark F. Gravidez prolongada. Roberto.Tuberculose genital. Laringectomia total simples. Editora Guanabara Koogan. Microcirurgia endolaríngea. Rio de Janeiro. Neurociências. Paralisias laríngeas. Anginas. 2005 LOPES. . Propedêutica da gravidez . Fisiologia. Impedanciometria. . Ed. Aristides Volpato – Psicofarmacos – 3ª Edição – Editora Artmed – 2005. Doenças de Méniere. . .Hemorragia uterina disfuncional. Otoneurocirurgia indicações. Roca. Ed.Doenças da Laringe: Anatomia e fisiologia. 35 . Kolppen Stanton. . Complicações das otites médias.Infecção das vias genitais. Otosclerose . Fendas glóticas. Sinusites agudas e crônicas. vulva. Cem bilhões de neurônios. Patologia do ouvido externo. Outras causas de vertigem. Correlações sistêmicas das sinusites. 22ª ed. W. Noções de foniatria. Malformações congênitas. Rinite vasomotora. Trauma sonoro. 5ª edição. 2004. Robert M. Indicações de traqueostomia. LENT. GRAY. Manifestações alérgicas nasossinusais. . Tocurgia. Artmed. uterino. planejamento familiar.RJ: Guanabara Koogan. Antonio Carlos. Manole.S.. Laringites agudas e crônicas. : Embriologia. LEVY. . Semiologia da audição.Amenorréia. Imunologia elementar. J. PORTH. Granulomatoses nasais. Arthur S. Otites médias agudas.Tratado de ginecologia. fisiologia e propedêutica. Mark F. Câncer de laringe. Ed. Patologia do sistema amniótico.Estudo clínico e assistência ao parto. M.ed. . 1ª ed. Diagnóstico de gravidez.Patologias Ginecológicas benignas e malignas da mama. Macgraw Hill. 5ª edição.Síndrome dos ovários policísticos. Tratado de fisiologia médica. . Audiometria eletroencefálica. Incontinência urinária. 6ª edição. 2004. Hemorragias da primeira e segunda metade da gravidez.ESTADO DO RIO DE JANEIRO PREFEITURA MUNICIPAL DE MACUCO BIBLIOGRAFIA: Kaplan. fisiologia e propedêutica das fossas nasais. Fisiologia e farmacologia básica Doenças das fossas nasais e cavidades paranasais: Anatomia. Fisiologia vestibular. Blastomas nasais e paranasais. GUYTON. R. Labirintopatias vasculares e metabólicas. Anatomia Gardner. Ed.Doenças da Faringe: Anatomia.Endocrinologia da gravidez. Antonio Carlos. 7. 2006.2002. Paralisia facial endotemporal. . 1994. surdez infantil. Malformação do septo nasal. Sofrimento fetal agudo. CECIL TRATADO DE MEDICINA INTERNA. Doenças do Sistema Auditivo: Anatomia e fisiologia da audição. KANDEL JAMES H. Tratado de otorrinolaringologia.Drogas e gravidez. A voz humana. . Otorrinolaringologista. Diagnósticos por imagens. Manole. 4ª edição. 2004. Sadock e Greebb. otites médias crônicas.Prematuridade. 1993. Atheneu 2001. Roca. .Doenças sexualmente transmissíveis.Trocas materno-ovulares. Antibióticoterapia em Otorrinolaringologia.Repercussões clínicas das adaptações do organismo materno. DENNIS AUSIELLO. Elsevier. . AIDS. . 1ª ed. . H. Esvaziamentos cervicais (indicações e técnicas). Blastomas benignos de laringe. SCHWARTZ. Corpos estranhos. BERNE. Doenças intercorrentes do ciclo grávido-puerperal. Patologia do puerpério (infecção puerperal. . Guanabara Koogan. Princípios da Neurociência ERIC R. Neurociências. . Surdez súbita. LEE GOLDMAN. Infecção focal. Septoplastias. Compêndio de Psiquiatria. Arthur S. C. Editora Guanabara Koogan. Alterações do olfato. Roca. Carol Mattson. . . Roberto.ed.Gestação de alto risco. . Tratado de Clínica Médica. Artmed 2002 . 2006 OCTACILIO & CAMPOS.Menopausa. Fraturas do osso temporal. vagina e ovários. Elsevier. . Guias de Medicina Ambulatorial e Hospitalar. SP: Ed. Vicente. . Complicações das sinusites.Ginecologia pediátrica e do adolescente. Artmed 2002. Cirurgia funcional das malformações congênitas dos ouvidos. São Paulo. UNIFESP/EPM. Guanabara Koogan. Cem bilhões de neurônios. BEREK. Neuroma do acústico. Manual de antibióticos e quimioterápicos antinfecciosos. Rinites específicas. As bases farmacológicas da terapêutica. Tratado de Clínica Médica. Fisiopatologia. Guanabara Koogan.Doença hemolítica perinatal. ..tratamento cirúrgico.NOVAK. LENT. 10ª Ed. BEAR. Ronco e síndrome de apnéia do sono. GUYTON. E. 9ª edição.Assistência pré-natal.

Ateroesclerose: biologia celular e formação da placa. e DZAU.br/manuais.Cultura Médica.br/manuais. www. www. www. ed.febrasgo. L. G.htm MÉDICO ANGIOLOGISTA: Anatomia do sistema vascular. 2. Ministério da Saúde – 2002. FEBRASGO – 2005. FEBRASGO. Tratado de Ginecologia. Rock – 9ª edição – 2003. Tromboembolismo venoso.br/manuais. 2004 Manual de assistência ao parto e tocurgia. Manual Técnico de gestação de auto risco.febrasgo. Epidemiologia. A. LOSCALZO. Manual de Anticoncepção. tratamento.Prevenção de amputações em pacientes com diabetes. Doença cerebrovascular. Noman L.ESTADO DO RIO DE JANEIRO PREFEITURA MUNICIPAL DE MACUCO O. H. métodos diagnósticos. Willians – 21ª edição – 2001 Ultrassonografia em Ginecologia e Obstetrícia. SALVATORE. Sang choon – 1ª edição – 2004 Obstetrícia Básica. Little Brown and Co.. FEBRASGO – 2004.org. FEBRASGO.htm Humanização do parto. www. T. 1. Vascular Medicine . REZENDE.org. Pastore Ceni – 5ª edição – 2003 Ultrassonografia em Obstetrícia e Ginecologia. Anticoagulantes e fibrinolíticos.br/manuais. Fisiopatologia da trombose. FEBRASGO – 2003. Burrow – 6ª edição -2004 Ética em Ginecologia e Obstetrícia.htm.org. Vascular Diseases in the Zimbs. Pediatric & Adolescent Ginecology. 2. quadro clínico. Semiologia vascular: o exame do paciente. Ultrassonografia em Ginecologia e Obstetrícia. Trauma vascular. 2001. Endocrinologia de la Reproducción Yen – 5ª edição – 2004.htm Manual de Ginecologia Endócrina. Neme – 3ª edição – 2006 Obstetrics.br/manuais. SanFilippo – 2ª edição – 2001.RJ. Obstetrícia. MAFFEI. y SHEPHERD.br/manuais. BIBLIOGRAFIA: BROWSE. DUARTE. 36 .febrasgo.htm TeLinde’s operative Ginecology.org. Protocolos de Condutas em Gestação de Alto Risco. Mecanismo normal da hemostasia e da fibrinólise. Pastore e Cerri – 5ª edição – 2003. Ultrassonografia em Ginecologia e Obstetrícia. 2000 FEBRASGO.febrasgo. Vasculites.htm Manual de Uroginecologia e cirurgia vaginal.org. Urgências e Emergências Maternas.. Allan T.A textbook of vascular biology and diseases. Doenças Venosas.febrasgo.br/manuais. . Varizes. CREAGER. ed. www. Ateroesclerose.htm Manual uso do Misoprostol. F. Úlceras de origem vascular.br/manuais. Síndrome isquêmica aguda das extremidades.org. FEBRASSGO – 2002. Editora Revinter. Callen – 4ª edição – 2002. Cha. www. métodos diagnósticos invasivos e não-invasivos. Assistência pré-natal.KASER/HIRSH. D. Doenças Vasculares Periféricas.. disfunção endotelial nas doenças vasculares.org.org. BRITO.br/diretrizes. Metabolismo lipídico. J. Ministério da Saúde.febrasgo. ed. Fenômeno de Raynaud. Projeto Diretrizes. Programas preventivos . 1. FEBRASGO – 2004. 7ª edição – 2004. Mechanisms end Principles of Treatment. 9 ed. BURNAND. www. FEBRASGO – 2001. M.febrasgo.br/diretrizes. FEBRASGO – 2004.br/manuais. Manual de violência sexual. Tratado de Obstetrícia.Atlas da cirurgia ginecológica.org. J.org. Callen – 4ª edição – 2002 Projeto Diretrizes.1987. ed.Endocrinologia ginecológica.htm Manual de diabetes e Hipertensão na Gravidez. 3a.htm Manual de Climatério.htm Medicina Fetal. Linfedemas. ed. 2000. FEBRASGO. www. FEBRASGO – 2004. J.org. AMB – CFM – FEBRASGO.org.br/manuais. vol. Editora Guanabara Koogan. www.Carlos Alberto. FEBRASGO – 2004. Trombose venosa e embolia pulmonar: fatores de riscos.htm FEBRASGO. ed.febrasgo. Manual de Assistência ao Parto e Tocurgia. J. ed. Síndrome da compressão neurovascular da cintura escapular. A.febrasgo. V. Aneurisma da aorta e seus ramos. Editora Revinter CLEMENT. Ética em Ginecologia e Obstetrícia CREMESP – 2ª edição – 2002.febrasgo. Mosby Year Book. 2000. Impotência vasculogênica.febrasgo.htm Manual de Diabete e Hipertensão na Gravidez.. Linfangites e erisipelas. CREMESP 2ª edição – 2002. 2003 Medical Complicatios During Pregnamcy. Keving e IRVINE.br/manuais. AMB – CFM – FEBRASGO. www.febrasgo. Carlos José de. PÓVOA/QUINET. Alterações vasoespásticas.febrasgo. Cirurgia Vascular. Síndrome da insuficiência nervosa crônica. Manual de Orientação. 2.Mastologia prática.htm Manual de DST/AIDS. www. 2002. www. Interconsulta. 3. O Endotélio Vascular: funções fisiológicas. www. 2000 MINISTÉRIO DA SAÚDE / FEBRASGO. FUNPEC editora. Manual Técnico. 1 e 2.org. Clinical gynecologic endocrinology & infertility – Speroff.

Antonio Carlos.. Gray O`Rahilly. Ortopedia e Fraturas em Medicina e Reabilitação. LOPES. BROWNER. Osteocondrites. Fraturas Luxações do Carpo. BEAR. Doenças de Notificação Compulsória. Afecções Ortopédicas Comuns da Infância. Robert M. Lee. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan. 2 v GOODMAN. retardada e precoce. Preenchimento da Declaração de óbito. Ginecomastia. Princípios do Atendimento Clínico anamenese. Elsevier. Pâncreas: Diabetes Mellites. no diagnóstico e na orientação. Joel G. Síndrome de Cushing. 2003 BERNE. Hipercalcemas. RUTHERFORD. 2006. 5ª edição. lues. Código de Ética Médica. Hipoe Hiperaldosteronismo. Farmacologia básica e do sistema endócrino. (Et al. 1998. MMII e Coluna). BENNETT. Editora Byk. Louis. 2001. Fraturas do Úmero. HALL. Histogênese óssea. Atheneu 2002. Elsevier. Tumores Ósseos. Raquitismo. Displasia Congênita do Quadril. Goodman & Gilman as bases farmacológicas da terapêutica. Anatomia do Sistema Muscular. Guanabara Koogan. Arthur C. Fratura do Joelho. GARDNER. São Paulo. GILMAN. Complicações agudas e crônicas. GOODMAN E GUILMAN. RM. Amenorréias. Tireóide: Hipo e Hipertiroidismo. Vicente. Infecções Ósseas Específicas-tuberculose. Anatomia Cirúrgica: vias de acesso em cirurgia ortopédica e traumatológica. Solomon. 10. São Paulo. Aneroxia e Bulimia Nervosa. Osteomielites e Pioartrites. Doenças Ósseas Metabólicas. Elsevier. MOORE.). Vascular Surgery. Lombalgia. Lesões Traumáticas da Mão.. Tiroídes. LEVINE e TRAFTON Traumatismos do sistema musculoesquelético 2º edição Editora Manole CAMPBEL.ESTADO DO RIO DE JANEIRO PREFEITURA MUNICIPAL DE MACUCO MELLO. Legislação do SUS. Editora Saunders. Louis S. Introdução ao Estudo da Biomecânica. Koeppen Stanton. Lombociatalgia e Hérnia Discal. Paralisia Cerebral. Robert M. Hirsutismo. Doenças osteometaboemas e da Paratireóide: Hipo e Hiperparatirodismo. Cervicobraquialgias. Donald James. Anatomia : estudo regional do corpo humano. 2000. Fisiologia. 6ª edição 2002.). Saunders Company. A grahan. Guanabara Koogan. Tumores secretantes e não secretantes da hepofíse. Ombro Doloroso. LEVY. 5. Insuficiência Adrenal. Ed. ed. Anatomia.. Deformidades Congênitas. Anatomia dos Vasos e Nervos. B. Espondilolise e Espondilolistese. Tratado de Clínica Médica. Vicente. GARDNER. 21. Neuroendocrinologia: Diabetes Insépidus. 2005 MÉDICO ENDOCRINOLOGISTA: Fisiologia básica e do sistema endócrino. Consolidação e retardamento de consolidação das fraturas. Escoliose. Tratado de Fisiologia Médica. Moléstia de Perthes. N. Emergências. Roca. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan. 10ª edição. Fundamentos de Guyton : tratado de fisiologia médica. MELLO. 2006 LEE GOLDMAN. Feocromocitoma. 2004. Sistema Reprodutivo: Hepogonadismo. 5ª edição. Fraturas e Luxações da Cintura Pélvica. Mark F. Tumores do pâncreas endócrino. John E. Síndromes Vasculres. Claude (Ed. O'RAHILLY. micoses. J. Tumores e incidentalomas. ed. Artmed 2002. GUYTON. GOLDMAN. Biomecânica Localizada (MMSS. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan. São Paulo. 5ª ed. Antonio Carlos. Bernardo Leo. Tratamento das Artroses do MMII. Fraturas Supracondilianas do Fêmur. Obesidade.. Obesidade Infantil. ed. 22ª ed. Angiologia. 1999. Dislipidemias. Waychemberg. Fisiologia. Tratamento de Seqüelas de Paralisia Infantil. L. Fisiologia. Distúrbios congênitos da osteogênese do desenvolvimento. Lesões Ligamentares e Meniscais do Joelho. 4. Amato Neto. BIBLIOGRAFIA: APLEY. Robert M. MÉDICO ORTOPEDISTA: Princípios do Atendimento Clínico anamnese. ed. Fratura da Diáfise Tibial e Fraturas do Tornozelo. 1978 BERNE. Elsevier. Roca. Ronan. A. Rio de Janeiro. Rio de Janeiro: Elsevier. Roca. 5. Fraturas e Luxações da Cintura Escapular. Cecil tratado de medicina interna. B. Pé Equinovaro Congênito. LEVY. Fraturas do Punho (Fratura de Colles). Fraturas Expostas. 1ª ed. JUPITER. ed. et al. Goodmman e Guilmann – As bases Farmacológicas da Terapêutica 10ª ed. Fraturas de Escafóide. MN. Fraturas Supracondilianas do Úmero na Criança. Paralisia Obstétrica. Rio de Janeiro. Koeppen Stanton. HALL. Neurociências. Editora Guanabara Koogan. W. Bócios. 10. 2005 Lopes. Fratura dos Ossos do Tarso. . Transtornos Alimentares. Editora Guanabara Koogan. BERNE. As bases farmacológicas da terapêutica. Anomalias do desenvolvimento sexual. Alfred Goodman. osteomalácia. Fisiologia. N. Wesley. BIBLIOGRAFIA: Tratado de Endocrinologia Clínica. Crescimento e Desenvolvimento: Baixa estatura. BERNE. 2004 GUYTON. Epifisiolistese Proximal do Fêmur. GRAY. Amato Neto. Embriologia Humana. Exame Músculo-Articular. Nódulos e Carcinoma. c2002. Adrenal: Hipeplásia adrenal congênita. Cirurgia Ortopédica. Fraturas do Terço Proximal do Fêmur. CECIL TRATADO DE MEDICINA INTERNA. 2004. Fisiologia e Bioquímica Óssea. DENNIS AUSIELLO. 37 . Farmacologia. Hallux Valgus. Anatomia do Sistema Ósteo-Articular. no diagnóstico e na orientação. Pé Plano Postural. Vascular Surgery. Ernest Dean. 1ª ed. Anatomia e Radiologia em Ortopedia e Traumatologia. A. 1988. Defeitos da síntese. Fraturas do Colo do Fêmur na Criança. 4ª edição. R. Fraturas dos Ossos do Antebraço. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan. LEVY. Puberdade normal. ed. HARDMAN. Hipoglicemias. Tratado de Clínica Médica.

Stanley. BIBLIOGRAFIA: BETHLEM. Arthur S. Guanabara Koogan. Medicina de Reabilitação Aplicada a Ortopedia e Traumatologia. Edson Passos. Propostas de intervenção na morbimortalidade. Diagnóstico Hematológico. 1995. Ministério da Saúde. T. TACHDJIAN ORTOPEDIA PEDIÁTRICA – Diagnóstico e Tratamento 1º Edição Editora Revinter. Traumatismos Torácicos. Julia Maria d’Andréa. MIHRAN O. Marcos Martins. Brasília. Diarréia aguda e crônica: aspectos epidemiológicos. Elsevier. Princípios do Atendimento Clínico: a importância da anamnese. 2005 LOPES. 2006 MÉDICO PEDIATRA: Código de Ética Médica. Pneumonias e Broncopneumonias. triagem neonatal: “teste do pezinho”. Importância e operacionalização da terapia de reidratação oral. necessidades nutricionais e higiene alimentar da criança e do adolescente. Crescimento e desenvolvimento da criança e do adolescente: conceitos de normalidade e distúrbios mais comuns. HOPPENFELD. O Eletrocardiograma em Pneumologia. MURPHY Princípios ao do tratamento de fraturas Editora ARTMED – 2002. Preenchimento da Declaração de óbito. diagnóstico e tratamento. etiologia. CECIL TRATADO DE MEDICINA INTERNA. Pneumopatias de Hipersensibilidade: Insuficiência Respiratória. Fisiologia. Malformações do Sistema Respiratório. Câncer de Pulmão. Doenças do Diafragma. desconforto respiratório. PORTH. CHIBANTE. Tomografia Computadorizada. 1994.. Pneumotórax. RIBEIRO. S. Rio de Janeiro. Funções e Biópsias. Diagnóstico das Doenças Pulmonares. Ed. LEVY. principais características e morbidades mais comuns do RN normal e do prematuro. SCHENCK.M. G. Farmacologia básica e do Sistema Respiratório. Edema Pulmonar. M. Alimentação: aleitamento materno. 2004. II CONSENSO BRASILEIRO NO MANEJO DA ASMA. 22ª ed. KOEPPEN STANTON. Tumores do Mediastino. Tuberculose. I CONSENSO BRASILEIRO DE TUBERCULOSE. Guanabara Koogan. REIDER. Manifestações Pulmonares das Colagenoses. Anatomia do Sistema Respiratório. O Sistema Respiratório nas Atividades de Mergulho e Hiperbáricas. Métodos de Diagnóstico Radiológico. Métodos de Diagnóstico Funcional. Anatomia Gardner. Roca 1999. Doenças de Notificação Compulsória. Pneumopatias Profissionais. Traumatologia osteoarticular. distúrbios metabólicos. A.ESTADO DO RIO DE JANEIRO PREFEITURA MUNICIPAL DE MACUCO GREVE. 5ª edição. 1989. O` Rahilly. Ed. LEE GOLDMAN. pesquisa do reflexo vermelho (triagem oftalmológica). O Exame Físico em Ortopedia. Guanabara Koogan. Fisioterapia Respiratória. Amato Neto. A. Doenças da Pleura. Cintigrafia Pulmonar. Métodos de Diagnóstico Histopatológico. Ressonância Magnética. 1997. M. imunobiológicos especiais e centros de referência (CRIEs) e imunização passiva. HOPPENFELD. Antonio Carlos. Sarcoidose. Síndrome da Angústia Respiratória no Adulto (SARA). Doenças da pleura. principais afecções da criança e do adolescente. . Carol Mattson. Asma. Acidentes: principais características da morbidade e mortalidade. Imunizações: imunização ativa [calendários e atualizações (Ministério da Saúde e Sociedade Brasileira de Pediatria). Síndrome Pulmão-Rim. Ed. GRAY. Divisão de Pneumologia Sanitária. 2001. Métodos de Diagnóstico Citopatológico. Tratado de Fisiologia Médica. Métodos de Diagnóstico Clínico. Ultrasonografia do Tórax. Tratado de Clínica Médica. Supurações Broncopulmonares. Secretaria de Programas Especiais de Saúde. Hipertensão Pulmonar e Cor Pulmonale. cuidados com o RN normal e de baixo peso. Atenção integral à criança em idade escolar: assistência individual e ações coletivas na escola e na creche. Elsevier. Doenças respiratórias: aspectos epidemiológicos. diagnóstico e terapêutica. Transplante de Pulmão. Radiologia Intervencionista no Tórax. Embriologia e Histologia do Sistema Respiratório. Métodos de Diagnóstico Bioquímico. Robert C. ed. Microbactérias Atípicas. Mecanismos de Defesa Pulmonar. Vias Respiratórias Superiores e Inferiores Correlações Fisiopatológicas e Clínicas. Infecções Respiratórias Agudas. Revisão Anatomofisiológica do Sistema Respiratório. Editora Revinter. Poluição Atmosférica. Costais. Controle da Tuberculose: Uma proposta de integração ensino-serviço. 1978. Amatuzzi. Pneumopatias Intersticiais. 1ª ed. 6ª Edição. Bruce. R. DENNIS AUSIELLO. Roca. Distúrbios da Respiração Durante o Sono. Tumores Pleurais. Editora Interlivros Edições. Fisiologia básica e do Sistema Respiratório. Outras Doenças de Causa Desconhecida. 10ª edição BERNE. 1988. Radiografia Digital. Aspergilose Broncopulmonar Alérgica e Alveolite Alérgica Extrínseca. Medicina Esportiva e Treinamento Atlético. Pneumologia. 4ª edição BRASIL. Fisiopatologia. 1998. P. São Paulo. Afogamento. Guanabara Koogan. Neonatologia: exame físico e diagnóstico das condições do recém-nascido (RN). Manifestações Pulmonares na Síndrome de Imunodeficiência Adquirida (AIDS). Radicais Livres em Pneumologia. N. Propedêutica Ortopédica. 4ª edição. 2004. 2001. “teste da orelhinha” (teste de emissões otoacústicas). Roca 3ª ed. 1984. Micoses Pulmonares. RJ: Livraria Atheneu. 1990. Editora Manole – 2ª edição MÉDICO PNEUMOLOGISTA: Código de Ética Médica. Avaliação do Pré e Pós-Operatório – Risco Cirúrgico. Tromboembolismo Pulmonar. Adolescência: principais necessidades e problemas de saúde. O Aparelho Respiratório no Meio Aeroespacial. Doenças Pulmonares Obstrutivas Crônicas. diagnóstico e tratamento dos 38 . RÜEDI e W. Métodos de Diagnóstico Imunológico. Partes Moles e Outros. Vicente.RJ: Guanabara Koogan.Vias de acesso em cirurgia ortopédica. icterícia. GUYTON. Principais Aspectos da Pneumologia Infantil. LILLINGTON. Métodos de Diagnóstico Bacteriológico. Editora Atheneu. 4. Campnha Nacional contra a Tuberculose. o diagnóstico e a orientação.

http://bvsms. http://bvsms. Hipotireoidismo Congênito.saude.saude. éticos e jurídicos.gov.pdf 18. Kliegman R.gov. aspectos éticos. Ramos JLA Pediatria Básica: Pediatria Clínica Especializada Tomos III 9ed Sarvier.gov.br/php/level.br/bvs/publicacoes/manual%200902.br/portal/arquivos/pdf/manual_pni_janeiro_2007.Marcondes E. 1006p 3. Carvalho LHF et al Imunizações: Fundamentos e Práticas 1ed Atheneu. Sociedade Brasileira de Pediatria. . 2002.cfm?idtxt=21463 35. http://bvsms.pdf 31.nutrition. radiação e trauma. definição e comunicação do diagnóstico (aspectos éticos e operacionais). http://pediatrics. anemias carenciais. http://bvsms. Doença do refluxo gastroesofágico. Vaz FAC.br/portal/saude/visualizar_texto.saude. Weckx LY.pdf 13. BIBLIOGRAFIA: 1.php?lang=pt&component=51&item=26 25.gov. imunizações e profilaxias. diagnóstico. http://bvsms.pdf 30. Artrites e Artralgias: principais etiologias e diagnóstico diferencial na infância e adolescência.gov. Intoxicações exógenas.gov. Helicobacter 39 . leptospirose e hanseníase).gov.br/bvs/publicacoes/crescimento_desenvolvimento. meningites e encefalites.pdf 16. Okay Y.pdf 29.Marcondes E.1024p 11. http://www. 2240p 6.pdf 14.pdf 22.cfm?id=73&area=Conceito 26. http://bvsms. http://bvsms. http://jn.pdf 27.1991. AAP Red Book. disvitaminoses. Tumores do esôfago.pdf 12.pdf 17.br/bvs/publicacoes/sas_dab_caderneta_da_crianca_2007_menor. aspectos clínicos. http://bvsms.br/img/manuais/manual_alim_dc_nutrologia. Doenças do esôfago causadas por infecções.gov. 320p th 9. 1ed. Tomos I 9ed Sarvier.br/bvs/publicacoes/Diretriz_ultima_versao_170505. Diagnóstico precoce das neoplasias mais comuns da infância.et al Pediatria Básica: Pediatria Clínica Geral Tomos II 9ed Sarvier.saude.Marcondes E. http://bvsms. doenças exantemáticas.pdf 23. Afecções cirúrgicas mais comuns da criança e adolescência. Insuficiência Cardíaca Congestiva. Divertículos. Dores recorrentes: cefaléia.paho. São Paulo. doenças sistêmicas. http://bvsms. Lesão cáustica do tubo digestivo alto.saude. http://portal. Distúrbios hidroeletrolíticos e do equilíbrio ácido-básico. http://www.who. http://bvsms. 566p 8. Convulsões.sbp. Aspectos sociais. http://bvsms. Farhat CK. http://www. Endocardites.3ª edição Atheneu.saude.int/childgrowth/publications/algorithms. 2006.pdf 20. Miocardites e Pericardites. Cardiopatias Congênitas.Parasitoses intestinais: aspectos epidemiológicos.pdf 28. Gastrites e gastropatias.pdf 24.saude. Vaz FAC.int/childgrowth/standards/second_set/technical_report_2. 27 .saude. perinatal e ao lactente jovem. Particularidades das doenças infecciosas e parasitárias na infância . Doença do refluxo gastro-esofágico e suas complicações.saude. medicações. 2004.who. Injúrias intencionais (violência) e não intencionais (acidentes): Aspectos psico-sociais.cfm?idtxt=21462 34. 2007.saude.br/bvs/publicacoes/cd03_13.br/img/cadernosbpfinal. algumas das grandes endemias (dengue.br/bvs/publicacoes/partes/infeccoes_respiratorias1. Distúrbios motores do estômago e duodeno. abordagem terapêutica. classificação. Lopez FA.saude.pdf 21.gov.gov. Declaração de Nascido Vivo.br/bvs/publicacoes/partes/doencas_diarreicas1.saude. hepatites.br/portal/saude/visualizar_texto.saude. Campos Júnior D Tratado de Pediatria . Lesões gastro-intestinais induzidas por anti-inflamatórios não esteróides.br/familia/temas. 843p 2. http://portal. 1116p 7. Jenson Hb Nelson: Tratado de Pediatria 17ed Elsevier 2005.pdf 36. 2006. Congulopatias e Púrpuras.gov. Farhat CK.gov. E Nutrição clínica em pediatria. Carvalho LHF. Carrazza.who.ESTADO DO RIO DE JANEIRO PREFEITURA MUNICIPAL DE MACUCO acidentes mais freqüentes na infância e adolescência. http://bvsms. clínicos e psico-sociais. 992p 10. Diabetes Melittus.saude.gov. tuberculose (aspectos epidemiológicos.opas.com. Problemas ortopédicos mais comuns na infância e adolescência.pdf 15.br/bvs/publicacoes/partes/infeccoes_respiratorias2. http://portal.sbp.Distúrbios motores do esôfago: diagnóstico e tratamento.gov. Infectologia pediátrica .pdf 33. Behrman RE.int/growthref/growthref_who_bull. 1a ed. Vaz FAC.br/bvs/publicacoes/cd03_13. Adenomegalias e hepatomegalias: principais etiologias e diagnósticos diferenciais na infância e adolescência. Choque.gov.saude. 2008.Barbosa ADB.br/bvs/publicacoes/partes/amamentacao_drogas1. 2003. Okay Y et al Pediatria Básica: Pediatria Geral e Neonatal. Afecções dermatológicas freqüentes no atendimento da criança e do adolescente. Úlcera péptica gastroduodenal.org/portuguese/ad/fch/ca/CA_manual_estudiante_11_07. Diagnósticos e tratamento.org/cgi/reprint/100/5/e8 32.org.gov. Fisiologia e Farmacologia do Tratogastrointestinal.com. Menezes. Sarvier: São Paulo.pdf 19.br/bvs/publicacoes/manual_desnutricao_criancas. Síndrome da imunodeficiência adquirida na infância: Prevenção: aspectos relacionados ao período gestacional. http://www.aappublications.saude. Anemias Hemolíticas. Marcondes. diagnóstico e condutas. traumatismo crânio-encefálico (TCE). esquistossomose.br/bvs/publicacoes/partes/amamentacao_drogas2. 3000p 5.br/bvs/publicacoes/partes/doencas_diarreicas2. abordagem especial em puericultura. Afecções do dos rins e vias urinárias: Infecções do Trato urinário. http://www. Problemas oftalmológicos mais comuns na infância. Report of the Committee on Infectious Diseases.org/cgi/reprint/137/1/144.gov. Manole.pdf MÉDICO GASTROENTEROLOGISTA: Anatomia. abordagem diagnóstica e terapêutica). Medicina Neonatal. http://www. http://bvsms2. RF. Succi RC. http://www.saude. Glomerulonefrite Aguda e Síndrome Nefrótica. 750p 4. dor abdominal e dor em membros. ed 2006. membranas e anéis do esôfago. tratamento e prevenção. Distrofias: desnutrição.

Silvia Voiztman. Doenças vasculares do fígado. 2006 GUYTON.. Koeppen Stanton. M. Ruth M. Doenças hepáticas metabólicas.Sistema Lacrimal de Drenagem. Anatomia Gardner. Arthur S. 1 e 2. Rio de Janeiro. NEWELL. 3ª edição. 2001 Feldman M. Clinical Ophthalmology. 1999. 2004. Condutas em gastroenterologia-Federação Brasileira de Gastroenterologia. Doença hepática induzida por drogas. Lopes.Principles and Concepts. Textbook of Gastroenterology. Dantas e Antônio Luiz Zangalli. Current Diagnosis and Treatment in gastroenterology. vol. VAUGHAN. CECIL TRATADO DE MEDICINA INTERNA. R. Guanabara Koogan. 2005 KANSKI. Alpers DH. 5ª edição. Rio de Janeiro. Friedman LS. Anatomia. Anatomia. Constipação. Fisiopatologia. Álcool e aparelho digestivo. LEE GOLDMAN. Manifestações oculares das doenças sistêmicas. fisiologia e patologia do cristalino. Ed. 10ª edição. PORTH. Riuitiro. GUYTON. Exames complementares em Oftalmologia.vol. Anatomia. Revinter. Retocolite ulcerativa inespecífica. Alfred Goodman. Guanabara Koogan. Anatomia. CECIL TRATADO DE MEDICINA INTERNA. fisiologia e patologia de retina. Russell La Fayette: Tratado de Medicina Interna. Carlos A.Glaucoma. fisiologia e patologia da conjuntiva. Lesões químicas. Guanabara Koogan. São Paulo. Oftalmologia Clínica. Ed. Catarata. fisiologia e patologia das pálpebras. 10ª edição MÉDICO OFTALMOLOGISTA: Embriologia. Tumores do pâncreas. Doença diverticular dos cólons. Oftalmologia Geral. Jack J. 4ª edição. T. McQuaid KR. NIES. Pancreatite crônica.2002. Guanabara Koogan. 1999. Pancreatite aguda. Hepatites virais agudas e crônicas. Ed. 2006. Hepatite auto-imune. 2000 Coleção de Manuais do CBO 1ª edição: 1 . 22ª ed.Doenças Externas Oculares e Córnea. Santos e Sylvia R. Doenças anoretais. Doenças do apêndice. Miguel. Arthur S. Saunders. 1999. Anatomia. 1ª ed.Glaucoma. Diagnóstico diferencial das icterícias. Anatomia. 2004. Adalmir M. fisiologia e patologia das vias ópticas. Duodenites e outras afecções do duodeno. Ed. Roca. fisiologia e patologia do vítreo. Lentes de contato. Manifestações digestivas da síndrome de imunodeficiência adquirida. Estrabismo. 2ª edição. 40 . Tratado de Fisiologia Médica. Trauma palpebral da órbita e ocular. Anatomia. 2003 ALVES. 2000. Guanabara Koogan. Transplante hepático. Daniel. SUGESTÕES BIBLIOGRÁFICAS: Yamada T. Lippincott Willians & Wilkins. fisiologia e patologia do disco óptico.ESTADO DO RIO DE JANEIRO PREFEITURA MUNICIPAL DE MACUCO pylori e afecções associadas . Guanabara Koogan. Atheneu GRAY. Elsevier. Doenças funcionais do aparelho digestivo. Soares e Valênio P. Tumores oculares. LEVY. 2006 LEE GOLDMAN. Fisiologia. cólon e reto. Tratado de Fisiologia Médica. Theodore W. Síndrome do intestino irritável. Prevenção da cegueira.Anatomia. Tratado de Clínica Médica. TAYLOR. 1ª edição. Esteatose e esteato-hepatite não alcoólicas. José Wilson Cursino. Distúrbios moleculares adquiridos. Neuroftalmologia. Eduardo Jorge C. Terapêutica medica. 2005 Lopes. Neuroanatomia Funcional. Neoplasias malignas do intestino delgado. Butterworth-Heinemann. Jack J. DENNIS AUSIELLO. As bases Farmacológicas da Terapêutica. Refração. cirrose hepática e suas complicações. Hipertensão porta. Ophthalmology . 4ª edição. Elsevier. Exame ocular: técnicas e testes diagnósticos. Neoplasias gástricas e duodenais. Tumores benignos do intestino delgado e cólon e síndromes de polipose. 6 – Óptica Refração Ocular. 2000. Hemorragia digestiva alta. 22ª ed. Anatomia. BERNE. fisiologia e patologia da córnea. MACHADO.Guanabara Koogan. 2003 PADILHA. Grendell JH. 2004. 7 – Visão Subnormal. E Marcos Ávila. 4 . Doença de Crohn. fisiologia e patologia da uvea. Gilmar. Urgências. Síndrome de má absorção. Tumores malignos das vias biliares extra-hepáticas. 8 – Rotina e Vítreo. Mosby. Oftalmopediatria. Ricardo Uras. Doenças hepáticas colestáticas. Descolamento de Retina. 2ª edição. fisiologia e patologia da esclera. 10ª edição. São Paulo. 9 – Patologia Ocular. Dispepsia funcional. Ângelo. fisiologia e patologia da órbita. fisiologia e patologia das vias lacrimais. Antonio Carlos. Tumores primitivos do fígado. SUGESTÕES BIBLIOGRÁFICAS: KANSKI. Vicente. França. Anatomia. DENNIS AUSIELLO.Sleisenger MH. Sleisenger & Fodtran´s Gastrointestinal and liver Disease-Pathophysiology / Diagnosis / Mangement. 1 e 2 – Ana Luisa Hoflling. Friedman SL. Ed. 2004. 2 . Antonio Carlos. Doenças da vesícula biliar e vias biliares. 1999. Tratado de Clínica Médica. 8ºed. Maria Cristina Nishiwaki Dantas e Milton Ruiz Alves. 2000. Nutrição em gastroenterologia. Aderbal de A. Parasitoses intestinais. ASBURY. Amato Neto. Amato Neto.Frank. Roca. Anatomia. CECIL.Neuro-Oftalmologia. 1ª ed. 1999. Epidemiologia em oftalmologia. Diarréias agudas e crônicas. Ed. Patologia vascular dos intestinos. 2º edição. Gastroenterologia Esssencial.Estrabismo. Carol Mattson. Rall. YAMANI. Editora Revinter. anestésicos e toxinas. Mcgraw Hill 2ºed. Carlos Souza Dias. Remo Susanna Jr. Vicente. Refração ocular. Fígado e gravidez. 4ª edição. 3 . Semiologia Ocular. Obstrução intestinal e íleo. 2002. Cirurgia em oftalmologia. Cursino. fisiologia e patologia da musculatura extrínseca. Dani R. 5 . Elsevier. Editora Revinter. Anatomia. Anatomia. Moreira Jr.

distribuição e eliminação de fármacos. Atenção e Assistência Farmacêutica.anvisa. Editora Guanabara Koogan. Pedrosa. Carlos Eduardo Leite Arieta. . aquisição. Nutrição Parenteral. Noções de Farmácia Galênica de A. Gestão para a Qualidade. Renato Camargos. comprimidos. 2003.Uriel Zan. Uveites e AIDS. Nutrição Parenteral. antineoplásica e antiparasitária. Farmácia Clínica. Relação Nacional de Medicamentos Essenciais. Grillo Nogueira. Estudo de utilização de medicamentos. Ética Farmacêutica BIBLIOGRAFIA: COUTO.Couto. respiratório. 41 . Antibioticoterapia de Enio Roberto Pietra Pedrosa e Manoel Otavio da Costa. de Abreu.Editora de Publicações Biomédicas LTDA .Editora Guanabara Koogan. distribuição e informações sobre medicamentos. estabilidade. Farmácia hospitalar: Controle de infecções hospitalar.Segunda Edição. Quimioterapia: antimicrobiana. Quimioterapia antineoplásica e manipulação de outras misturas intravenosas. extratos. GOODMAN & GILMAN. preservação e aditivos utilizados em medicamentos. cremes e pastas.com. FARMACÊUTICO: Farmacologia: Farmacocinética: Absorção. Soluções. Código de Ética Farmacêutica – Site do Conselho Federal de Farmácia – www.br Site da Agencia Nacional de Vigilância Sanitária (ANVISA) – www. Tania M. Farmacologia Clinica Incrivelmente Facil .Rio de Janeiro – Medsi. Farmacovigilância. armazenamento. Cleusa Coral-Ghanem e Newton Kara-José. Infecção Hospitalar – Enio Roberto Pietra Pedroso. colírios e injetáveis. Editora MEDSI. Jose Mauro . Biossegurança: equipamentos de proteção individual e equipamentos de contenção.Epidemiologia.Primeira Edição – 1999. tinturas e xaropes. Regulamento Técnico para o gerenciamento de resíduos de serviços de saúde.Anderson de Oliveira Ferreira .org. Formas farmacêuticas obtidas por dispersão mecânica: emulsões. Controle. gastrointestinal.Almir Lourenço da Fonseca . Fármacos utilizados no sistema urinário. Guia Pratico de Farmácia Magistral . técnicas de esterilização e desinfecção. Vitaminas. Mariza T.cff. Qualidade da Assistência Medico-Hospitalar . manipulação. C. mapas de risco. Farmacodinâmica: Mecanismos de ação de fármacos. Rio de Janeiro. Infecção Hospitar: Epidemiologia e Controle . Boas Práticas de Fabricação e controle de qualidade na produção de medicamentos. 11 – Cristalino e Catarata. Outras formas farmacêuticas: supositórios. Legislação Farmacêutica: Regulamento técnico sobre substâncias e medicamentos sujeitos a controle especial. 2002. Princípios básicos da toxicologia: tratamento de intoxicações. 1999.ESTADO DO RIO DE JANEIRO PREFEITURA MUNICIPAL DE MACUCO 10 – Inflamações Oculares. Fármacos que atuam no sistema nervoso autônomo e sistema nervoso central. Farmacotécnica: Formas farmacêuticas obtidas por divisão mecânica: pós. Medicamentos genéricos. Rio de Janeiro. Estrutura organizacional e funções da farmácia hospitalar: seleção. As bases Farmacológicas da Terapêutica.LE HIR. R. suspensões e aerossol. Infecção hospitalar . Decima primeira edição. uso racional de antibióticos terapêuticos e profiláticos. 2002. ed. 2.br Guia Básico Para Farmácia hospitalar do Ministério da Saúde. Pomadas. reprodutor e hematopoéitico. cardiovascular. drágeas e cápsulas. Quimioterápicos na Clínica Diária . Desenvolvimento farmacêutico: sistema de liberação de fármacos. 12 – Lentes de Contato.

publicação da relação dos inscritos e divulgação dos locais das provas.incp.org.org.org.incp.br Realização da Prova Objetiva Divulgação do gabarito Preliminar da Prova Objetiva Portal www.br Período de Entrega de Títulos pelos Correios Período de Entrega de Títulos Presencial (Local) Resultado da Avaliação de Títulos Resultado dos Recursos de Cartão Resposta Período de Recursos de Títulos Resultado dos Recursos de Títulos Resultado Final 05/03/2012 05/03/2012 a 20/03/2012 05 e 6/03/2012 15/03/2012 03 e 04/04/2012 22/04/2012 23/04/2012 24 e 25/04/2012 10/05/2012 11 e 12/05/2012 10 a 15/05/2012 14 e 15/05/2012 30/05/2012 30/05/2012 31/05 e 01/06/2012 05/06/2012 08/06/2012 42 .incp.org.br (a partir das 18 horas) Prazo dos Recursos contra os gabaritos preliminares Divulgação da resposta aos recursos contra a Prova Objetiva Divulgação das notas da Prova Objetiva Período de Recurso de Cartão Resposta Portal www.CRONOGRAMA PREVISTO EVENTOS DATAS PREVISTAS Publicação Edital Portal www. Mural na Prefeitura de Macuco e Portal www.br Período de inscrições presenciais e internet Período de solicitação de isenção da taxa de inscrição Divulgação das isenções deferidas e indeferidas Confirmação do cartão de inscrição (CCI).incp.ESTADO DO RIO DE JANEIRO PREFEITURA MUNICIPAL DE MACUCO ANEXO I .