You are on page 1of 11

Instituto Superior Politécnico Gaya

Escola Superior de Desenvolvimento Social e Comunitário
Ano lectivo: 2009/2010 Unidade Curricular: Seminário Externo

Redes de Cooperação para o Desenvolvimento Regional Relatório do Evento

Márcia Raquel Fernandes de Castro Carvalho

14 de Abril de 2010 Docente: Mestre Fernando F. Lemos

pelo que foi proposta a implementação prática do evento. concepção. passando pelas várias etapas do pré-evento. cabendo aos alunos a organização efectiva e total do evento. O que se segue a esse momento de avaliação é o presente relatório final de todo o evento decorrido. Foi proposto que os trabalhassem em grupos para organizar um evento submetido ao tema “Redes de Cooperação para o Desenvolvimento Regional”. transevento e pós-evento. como planeamento. em sinergia com grupos do 2º ano de Serviço Social e do 2º ano de Administração Pública. execução e avaliação do evento. .Introdução Para a unidade curricular de Seminário Externo. pois permite a aplicação dos conhecimentos adquiridos ao longo do seu percurso académico e o contacto com profissionais qualificados da área. foi proposto organizar um evento científico. De acordo com os objectivos da licenciatura. a unidade curricular consiste na organização de um evento de carácter científico. ainda que sob orientação dos docentes. do 3º ano da licenciatura em Turismo. A organização de seminários é de extremamente importante para o desenvolvimento das competências dos alunos.

formado por mim e pelos colegas Elisabete Resende. e Dr. dado que elementos inseridos nos grupos de trabalho seriam alunos do regime pós-laboral. da escolha dos oradores e do contacto com os mesmos. cartas estas se basearam em modelos de cartas enviadas em eventos anteriores com a devida adaptação. Após algum tempo de tentativas de contacto com alguns oradores inicialmente propostos pelos alunos. isto por parte de alguns docentes. as “Redes de Cooperação para o Desenvolvimento Regional”. o Dr. referido anteriormente na introdução. Numa fase inicial. Posteriormente foi-nos informado que o evento iria consistir num serão. para assim os convidar a estarem presentes no evento. O grupo onde estive inserida. Lígia Leal e Pedro Gomes. até que finalmente se deu luz verde para se proceder ao envio de cartas e convites. A princípio os oradores propostos incluiam a professora Dr.ª Paula Cardona sendo Assessora da Câmara Municipal do Porto. isto antes de tomar conhecimento ao certo da tipologia do evento e se o mesmo se enquadraria dentro da mesma tipologia de eventos que o grupo realizou em anos lectivos anteriores como sendo seminários a decorrer durante o período diurno. sendo que o .Metodologia A fim de se organizar o evento. com funções de coordenação técnica da Associação de Empresários para o Desenvolvimento do Turismo Cultural no Porto e Região. Serviço Social e Administração Pública. também a escolha dos oradores foi sofrendo alterações. Seguidamente propôs-se a temática das Redes de Cooperação para o Desenvolvimento Regional. o evento foi algumas vezes adiado. reuniu-se e debateu inicialmente várias temáticas possíveis que cruzassem vertentes dos três cursos.ª Mónica Montenegro sendo docente do Instituto de Planeamento e Desenvolvimento do Turismo. Nuno Fazenda sendo Perito-coordenador da Agenda Regional de Turismo para o Norte na Comissão de Coordenação e Desenvolvimento Regional do Norte (CCDRN). faltavam pequenas informações acerca da tipologia do evento dado os grupos de trabalho serem formados por alguns elementos do regime pós-laboral. Lídia Cabral. certificados e cartões de identificação para os membros da organização. cruzando vertentes de Turismo. foi proposto um tema.

já após o início do semestre seguinte. tudo isto assim que se tomou conhecimento da data definitiva. Lino Tavares Dias e o Eng. o Dr.ª Catarina Sá. que recusou o convite mas propôs como alternativa ser um membro da organização a realizar o discurso de abertura. Procedeu-se também a convidar a prof. deram-se algumas alterações.ª Paula Cardona para moderadora do evento. dado que neste ano lectivo os alunos dos cursos em questão são dispensados das aulas de forma a poderem estar todos presentes nos eventos organizados pelos colegas fomentando assim a participação nestes encontros científicos e o debate com profissionais das suas áreas. o prof. pois seria uma oportunidade relevante de participação na organização e uma forma de desenvolvimento de competências (como o carisma para enfrentar o público). e para a sessão de encerramento foi convidado o Mestre João Monteiro que de imediato aceitou o convite. Dr. Nuno Almeida. elaborou um poster para então se proceder à divulgação do evento. devido a indisponibilidades. o colega David Silva e eu estivémos também encarregues do registo fotográfico. as colegas Lídia Cabral e Lígia Leal e outros colegas ajudaram a preparar a sala para o Porto de Honra. Finalmente foi escolhida a prof. de Administração Pública.colega David Silva. debatendo novas propostas de oradores e também para tomar outras decisões importantes na fase do planeamento tais como decisões relativamente a realizar-se um coffeebreak ou um porto de honra. também os colegas se reuniram várias vezes e sempre que possível. Os oradores presentes foram portanto a Dr. todos colaboraram nos preperativos . Relativamente ao espaço físico que rapidamente se concluiu que seria mais viável realizar-se o evento dentro das instalações do ISPGaya pelo motivo de se garantir a presença do público. dificuldades ao nível das tentativas de contacto com os possíveis oradores. Até essa data. No decorrer do evento. e outros pequenos contratempos foram também contornados da melhor forma possível fazendo os ajustes considerados necessários. Fernando Perpétua. Dr. sendo que nos dias antecedentes ao evento preparei-me realizando uma pequena recolha de informação subordinada à temática com vista a fazer uma breve e clara introdução. desafio este aceitei prontamente após um pequeno debate da questão com o meu grupo de trabalho. Dr.ª Tânia Pinho para a sessão de abertura do serão.

Todos os membros da organização participaram nos custos financeiros necessários para a realização do evento como impressão de documentos e o Porto d'Honra. a preparação e a decoração do auditório.imediatos anteriores ao serão como a preparação das capas a distribuir pelo público. .

Enquadramento teórico A temática das Redes de Cooperação para o Desenvolvimento Regional baseia-se na necessidade verificada em experiências no âmbito do desenvolvimento de se criar estratégias de desenvolvimento a nível local e regional que se possam complementar com dinâmicas a nível nacional e a nível global. que por vezes podem ser dinâmicas que apenas melhoram ou preenchem superficialmente lacunas. diferentes organismos e actores. O desenvolvimento regional pode entender-se como sendo uma especificação do conceito de desenvolvimento. optimizando recursos e fomentando a participação de diferentes actores no processo de desenvolvimento. e garantir a participação dos cidadãos autóctones na resolução de problemas. a Administração Pública e o Serviço Social. procurando também solucionar impactos negativos e problemáticas das dinâmicas de desenvolvimento a nível global. aproveitar de forma justa e equilibrada os recursos. que se fundamenta em realçar o resultado positivo das políticas de desenvolvimento a nível global e considerar uma forma mais equilibrada e justa de dinamização de um território. mas não são suficientes para responder a desequilíbrios socioeconómicos. é cada vez mais importante na resolução de equilíbrios que as políticas de desenvolvimento global podem gerar. . A cooperação e articulação entre diferentes áreas como o Turismo. É importante combater o desequilíbrio e as assimetrias regionais.

O objectivo desta temática é que se compreenda a importância das redes de cooperação entre variados organismos no desenvolvimento regional. e permitem o contacto directo dos alunos com a realidade do mundo do trabalho. o Turismo. o Serviço Social e a Administração Pública. para que então se responda a problemáticas do desenvolvimento global e se possa colmatar impactos negativos do desenvolvimento desequilibrado. reforçar a ligação do ISPGaya com empresas e instituições.Síntese Descritiva dos Objectivos e dos Conteúdos do Seminário A unidade curricular em si tem como objectivos principais promover a integração socioprofissional dos alunos. desenvolver competências. A articulação entre diversas áreas de estudo podem permitir desenvolver directrizes para atingir objectivos em comum. Eventos destes além de promoverem ambiente de encontro científico. . permitem integrar experiências e aplicar conhecimentos. e o seminário promove um ambiente de debate acerca de temáticas relacionados com as áreas já referidas.

o desenvolvimento deve ser pensado para além da acumulação de riqueza. como melhoria da qualidade de vida duma população. destaca-se por exemplo a cooperação entre Organizações NãoGovernamentais e o Estado através de acordos.Apresentação e Análise do Tema do Seminário Neste evento. destaca-se a importância que a cooperação a nível regional tem em por exemplo reforçar a coesão económica e social e reduzir disparidades entre níveis de desenvolvimento em diferentes regiões. . potenciando o desenvolvimento de forma a obter dele resultados optimizados. e constitui também uma forma de modernizar e democratizar a Administração Pública.e. i. sendo um acordo que institui alianças estratégicas. em concordância com temáticas abordadas em contexto de aulas e trabalhos académicos nos passados semestres. ampliando recursos e promovendo a eficiência dos mesmos. A problemática do crescimento económico traz desequilíbrios que não significam desenvolvimento. conseguindo isso através da articulação com membros do Governo e promovendo a actuação coordenada dos serviços de âmbito regional. As redes aprofundam laços de cooperação. O ponto em comum nestas dinâmicas variadas é portanto a base de complementar diferentes competências com vista a atingir objectivos. A cooperação. o que contribui para a dita coesão do território nacional. A cooperação em rede consiste em actividades realizadas numa lógica de sistema através de uma dinâmica gerida por diversos actores. sendo que tudo isso se baseia em complementar competências e recursos. e a exposição da Dr.ª Catarina Sá. Nuno Almeida sendo Coordenador da Unidade para a Cooperação Estratégica da CCDR-N. permite conjugar benefícios a nível global e a nível individual. sendo um processo assente numa lógica de sistema. relativamente à temática. financiamento. A CCDR-N em si é uma instituição pública que tem como missão o desenvolvimento integrado e sustentável do Norte de Portugal. de acordo com a exposição do Dr. valorização da acção das instituições.. intriduzir melhores formas de aproveitamento de recursos.

o envolvimento dos estudantes. barulhos de fundo. Razoável e Fraco. tem sido um factor presente em vários eventos. Ao analisar os resultados dos questionários de satisfação por parte do público que esteve presente – questionário esse apresentava perguntas como por exemplo acerca da divulgação do evento. e o Bom. a corrupção do governo central. a organização e o Porto d'Honra. pois tudo isto está assente na lógica da cooperação e articulação de directrizes que vão de encontro a objectivos em comum. na minha opinião. projectos de intervenção social. isto de forma geral. protecção de crianças e jovens em risco. já desde o percurso académico até à realidade do mundo do trabalho. em alguns casos Razoável. da escolha dos oradores e dos factores mais ou menos agradáveis do serão. situações de atraso. eram pequenas questões e imprevistos um pouco fora do alcance como o tempo de duração das exposições. relacionamento entre autarquias. estratégias para o desenvolvimento da economia regional. isto dentro de opções possíveis como o Muito Bom. temas de administração pública e economia. horário do serão. Entre o que mais agradou o público destacam-se o facto do tema ser transversal a diferentes áreas de estudo. De entre pontos interessantes do serão destacaram-se subtemas como violência doméstica. e que a qualidade da organização no geral encontra-se entre o Muito Bom. o atraso dos oradores a confirmarem presença. o sistema de som que. problemáticas sociais. expansão do turismo. Bom. competitividade de recursos humanos. a . pelo que se costuma dizer pelo ISPGaya. os oradores. Destaca-se que entre os factores mais atraentes do evento estão o tema em si e os oradores. da qualidade da divulgação. a decoração do espaço. eventos. regionalização. da qualidade da organização. o tema. a criação de hotéis e resorts auto-sustentáveis a nível da energia e água.Avaliação Crítica e Resultados Obtidos Penso que este evento contribuiu positivamente para se reconhecer a base comum que têm as sinergias entre diferentes áreas de estudo. e o que menos agradou destacam-se factores que. questões ambientais. com espaço para se fazer algumas outras observações – os resultados foram muito positivos de uma forma geral. dos factores mais atraentes do mesmo. e houve quem notasse a falta de folhetos. turismo em espaço rural.

entre outros pontos. respostas estas me deixam plenamente satisfeita. De uma forma geral. propondo sugestões como realizar-se os serões mais cedo. satisfeita também com o facto de se ter conseguido responder a vários desafios aquando da organização do serão. Como sugestões e outros comentários observam-se a muito boa organização.despovoação dos Centros Históricos e como evitar.b. apontam para o equipamento audiovisual e o sistema de som. encurtar a duração das exposições. de facto. sendo que a maior parte destas sugestões. um ponto importante que também notei que é o facto de não deixar os telemóveis junto das colunas. . e outros pontos a ver com a dimensão física como o conforto do auditório. pois o público conseguiu de facto destacar de forma geral as três vertentes do Turismo. com os resultados que se obtiveram de todo este evento. da Administração Pública e do Serviço Social. tripé para o microfone. ou relativamente ao horário. encontro-me satisfeita q. desenvolvimento estratégico e sustentável. entre outras. e penso que o encontro científico respondeu positivamente a objectivos inicialmente propostos. e é da minha opinião que a equipa de organização conseguiu. a melhoria audiovisual e do sistema de som. levar este evento “a bom porto”.

www.cdr.ccdr-n.pt/ .Bibliografia e sites consultados • • • Slides deixados pelos oradores presentes Site oficial da Agência de Desenvolvimento Regional de Setúbal .pt Site oficial da Comissão de Coordenação e Desenvolvimento Regional do Norte http://www.