You are on page 1of 4

GIARDÍASE A giardíase, também conhecida por lambliose, é uma infecção intestinalcausada pelo protozoário flagelado Giardia lamblia.

Ele pode se apresentar em forma de cisto ou trofozoíto, sendo que a primeira é a responsável por causardiarreia crônica com cheiro forte, fraqueza e cólicas abdominais no hospedeiro (cão, gato, gado, roedores, ser humano, dentre outros), graças às toxinas que libera. Essas manifestações podem gerar um quadro de deficiência vitamínica e mineral e, em crianças, pode causar a morte, caso não sejam tratadas. Ocorre em todo o mundo, mas é mais frequente em regiões onde as condições sanitárias e de higiene são precárias. Os protozoários são transmitidos pela ingestão dos cistos oriundos das fezes de indivíduo contaminado, podendo estar presentes na água, alimento, nas mãos, e até mesmo durante sexo oral-anal. Moscas e baratas também podem transportá-los. No estômago, dão origem aos trofozoítos. Esses colonizam o intestino delgado, se reproduzem e seus descendentes, após sofrerem processo de encistamento, são liberados para o exterior do hospedeiro, quando este defecar. O período de incubação é entre uma e quatro semanas e a infecção pode ser assintomática. O diagnóstico é feito via exame de fezes ou, em casos raros, biópsia de material duodenal. A prevenção é feita adotando-se hábitos de higiene, como lavar as mãos após ir ao banheiro, trocar fraldas, brincar com animais e antes de comer ou preparar alimentos; ingerir unicamente água tratada; higienizar os alimentos antes do consumo e cura dos doentes. Vale lembrar que o cloro não mata os cistos e que, portanto, alimentos ou água tratados unicamente com cloro não impedem a infecção por este protozoário. O tratamento pode ser feito com uso de fármacos receitados pelo médico. Adultos que têm contato mais próximo com crianças e pessoas que trabalham no setor alimentício devem se afastar de suas funções até a cura total. COLÉRA De acordo com relatos bem antigos, a cólera estava presente desde os primeiros séculos da humanidade, causando diarreias agudas de aspecto semelhante à água de arroz, vômitos e, em casos mais acentuados, câimbras, perda de peso intensa e olhos turvos. Causada pela bactéria Vibrio cholerae, é uma doença com grande facilidade de dissipação. O período de incubação é de aproximadamente cinco dias. Vencendo a acidez estomacal, multiplica-se no intestino delgado de forma bastante rápida e, em razão de seus sintomas, pode causar desidratação, perda de sais minerais e diminuição acentuada da pressão sanguínea em curto espaço de tempo, com possibilidades de causar a morte das pessoas afetadas. É transmitida pela ingestão da água, alimentos, peixes, frutos do mar e animais de água-doce contaminados por fezes ou vômito de indivíduo portador da doença, sem o devido tratamento. Mãos que tiveram contato com a bactéria ou mesmo moscas e baratas podem provocar a infecção por este patógeno. Esses últimos podem funcionar como vetores mecânicos, transportando o vibrião para a água e para os alimentos.

A cólera afeta. não resiste a temperaturas acima de 80°C e tampouco à exposição ao cloro. choleraeO139. a fervura ou cloração de água e alimentos antes de sua ingestão e evitar o uso de gelo em bebidas. locais onde o saneamento básico é precário. o único método necessário. vive bem em temperaturas entre 10 e 30°C. LEPTOSPIROSE A Leptospirose é o nome genérico de um grupo de doenças infecciosas causadas por bactérias espiroquetas do gênero Leptospira. A bactéria sobrevive por até cinco dias em temperatura ambiente e é resistente ao congelamento. sendo dois de seus sorotipos. prescrever antibióticos. os responsáveis. existem mais de 195 sorotipos diferenciados. referentes apenas à espécie Leptospira interrogans. o hospedeiro Rattus norvegicus (rato de esgoto). salvo quando este tiver sido feito com água tratada. Apenas 10% das pessoas afetadas desenvolvem o quadro sintomático. já que este portador é capaz de transmitir a doença sem ao menos ter conhecimento deste fato. Para tratamento. No ambiente marinho. o V. caso seja necessário. a imersão destas. são medidas necessárias. manifesta-se de forma assintomática e este é um dos principais motivos que facilitam sua propagação. Assim. lavar as mãos constantemente. adicionado no mínimo meia hora antes da sua utilização como bebida ou para o preparo de alimentos. e evitar alimentos de ambiente aquático de região onde houve surto da cólera. enterrar as fezes longe de fontes de água. A Organização Mundial de Saúde recomenda a proporção de seis mL de cloro para cada litro de água. Essa doença ocasionou sete pandemias (epidemia simultânea em muitos países ou continentes). agrupados em 19 sorogrupos conforme as propriedades antigênicas. já que facilitam a multiplicação da bactéria por diminuírem o peristaltismo intestinal. por meia hora. em dois mL para cada litro de água. em casos de risco de infecção elevado. em pessoas cujas secreções ácidas estomacais são reduzidas. principalmente. em consequência da forma desordenada de ocupação urbana associada ao hábito do agente vetor. para desinfecção de frutas e verduras. Para se ter uma ideia. No meio rural recebem destaque os seguintes sorogrupos: . A mais frequente é provocada pelo sorogrupo icterohaemorrhagiae. sendo depois lavadas com água tratada. são algumas das principais medidas para impedir a manifestação da doença. Os pacientes liberam os vibriões em suas fezes por cerca de vinte dias. Medicamentos antidiarreicos não são indicados. Estes são os únicos tipos desta bactéria que liberam toxinas: as enterotoxinas. Entretanto. reaquecimento dos alimentos já cozidos. Entretanto.Na maioria dos casos. Coleta de lixo rigorosa. na maioria dos casos. sendo requeridas apenas como medida complementar. a reidratação é essencial e é. a visita ao médico é indispensável. Recomenda ainda. já que só ele será capaz de analisar o caso e. cholerae O1 e o V. importante em termos de saúde pública. quando não houver saneamento básico adequado na região. O diagnóstico consiste no isolamento e identificação do vibrião nas fezes do paciente. Vacinas possuem restrições de uso. a fim de evitar a proliferação de vetores.

náusea e vômito. Sintomas . hemorragias digestivas. . Existem casos de doentes assintomáticos ou que desenvolvem uma forma grave com constante hemorragia e falência renal. educação sanitária da população. e vacinação dos animais domésticos. O tratamento é feito com antiparasitários. Estes ocorrem em diversas regiões do mundo.são liberadas e só continuam seus ciclos de vida se alojarem-se em caramujos do gênero Biomphalaria. Hemorragias. a doença se manifesta por meio de vermelhidão e coceira cutâneas. combate aos caramujos. As larvas. dor muscular. saneamento básico. geralmente coincidentes com períodos chuvosos intensos. manifestando período de incubação que varia de 10 a 20 dias. Há também como diagnosticar verificando. vômito. surgem aproximadamente cinco semanas após o contato com as larvas. reproduzem-se e eliminam ovos a partir de veias do fígado e intestino. alternadas ou não por constipações intestinais. córregos e outros ambientes de água doce. também. ou quando chegam até estes locais pelas enxurradas. Evitar contato com água represada ou de enxurrada e usar roupas adequadas ao entrar em contato com água suspeita de estar infectada são medidas individuais necessárias. evitando locais onde proliferam ratos. O diagnóstico é feito via exames de fezes em três coletas. Na água. dilatação do fígado. ou por biópsia da mucosa do final do intestino. A prevenção consiste em identificação e tratamento das pessoas adoecidas. a presença de anticorpos específicos. lesões na pele. e informação à população de risco. Em contato com a pele e mucosa humanas.. O indivíduo pode. no Brasil. obstruindo-as. Pessoas contaminadas permitem com que outros indivíduos adquiram a doença ao liberar ovos do parasita em suas fezes e urina. quando aparecem. geralmente em dose única. desenvolvem-se. fraqueza. mal-estar. combate aos roedores. e aumento do abdome (barriga-d’água) são outras manifestações possíveis. Na fase aguda (a mais comum). como hospedeiros intermediários. em amostra sanguínea. Na fase crônica. onde se verifica a presença de ovos do verme. e caramujos de água doce do gênero Biomphalaria. dor de cabeça. tratamento do lixo. sendo que. se desenvolvem e são liberadas na água. ter diarreias. fígado e baço podem aumentar de tamanho. A transmissão se dá através do contato direto com animais infectados ou com água contaminada por sua urina. a larvas denominadas miracídios . Estes possuem como característica principal concha achatada nas laterais e de cor marrom acinzentada.panoma: com tropismo.Febre. . agora denominadas cercárias. penetram no organismo e podem causar inflamação. quando estas são depositadas em rios. com ocorrência de enchentes.hardjo: afinidade com bovinos (instalado no gado). Os sintomas. febre. calafrio. por exemplo. capacidade de infectar animais suínos (instalado no porco). Medidas preventivas → Identificação de focos de água contaminada. ESQUISTOSSOMOSE A esquistossomose é causada por platelmintos da classe Trematoda. Este tem a espécie humana como hospedeiro definitivo. Lá. problemas respiratórios e conjuntivite que duram de alguns dias a três semanas. com liberação de sangue em vômitos e fezes. o responsável pela doença é o Schistossoma mansoni. coceira e vermelhidão nessas regiões. Podem ser confundidos com sintomas de gripe ou de dengue. podendo levar à morte.

Para diagnóstico. convulsões e esgotamento físico e mental são algunssintomas que podem se apresentar. estas podem ser liberadas juntamente com a tosse ou muco. . alcançando novamente o intestino. permitindo a liberação de alguns dos seus aproximados 200 mil ovos diários. tem corpo cilíndrico e alongado. e estes apresentam a cauda enrolada. ingerir somente água tratada. pelas fezes. A contaminação por ele se dá pela ingestão de seus ovos. Devido ao espalhamento das larvas. ou. náuseas.ASCARIDÍASE A ascaridíase é o resultado da infestação do helminto Ascaris lumbricoides no organismo. dependendo do órgão que foi afetado. Aproximadamente 25% da população mundial possui estes parasitas. sendo mais frequentemente encontrado no intestino. que é feito com uso de fármacos e adotando medidas de higiene básica. No intestino delgado. Quanto à prevenção. lavar bem frutas e legumes antes de ingeri-los. febre. Lá. sendo tais ocorrências típicas de regiões nas quais o saneamento básico é precário. é necessário que se faça exames de fezes. pneumonia. um único hospedeiro pode apresentar até 600 destes indivíduos. dor de barriga. dente outras. e pode chegar até 40 centímetros de comprimento. Este patógeno. conhecido popularmente como lombriga. bronquite. serem deglutidas. não defecar em locais inapropriados. Fêmeas são maiores e mais robustas que os machos. se espalhando pelo organismo. liberam larvas que atravessam as paredes deste órgão e se direcionam aos vasos sanguíneos e linfáticos. Existe tratamento. em muitos casos a verminose se apresenta assintomática. ainda. alimentos e mãos que tiveram um contato anterior com fezes humanas contaminadas. Atingindo a faringe. água. propiciando a contaminação de outras pessoas. Surpreendentemente. lavar sempre as mãos. fazem parte desta lista. onde podem ser encontrados os ovos deste animal. Entretanto. reproduzem-se sexuadamente. diarreia. geralmente encontrados no solo.