You are on page 1of 9

RECURSO Conceito – meio de impugnação de decisões judiciais, voluntário, endoprocessual, em que se forma o ato judicial atacado, aptos a obter

deste a anulação, a reforma ou o aprimoramento. OBS: O objeto dos recursos são as decisões judiciais, não cabendo recurso contra simples despachos (art. 504 do CPC). Voluntariedade => Remessa ex officio (reexame necessário – art. 475 do CPC) não é recurso. Recurso x Ações autônoms de impugnação (EX: mandado de segurança, ação rescisória, reclamação etc). 1 – Anulação: vício no procedimento. 2 – Reforma: erro de julgamento. 3 – Aprimoramento: omissão, obscuridade ou contradição no julgado. Sucedâneos Recursais – são incidentes processuais que, por lhes faltar alguma característica essencial dos recursos, com esses não se confundem. EX: remessa necessária, suspensão de segurança etc. Princípios Recursais 1. Princípio do duplo grau de jurisdição A parte vencida, não conformada com a decisão de primeira instância, deve ter a possibilidade de submeter amplamente a matéria à segunda instância (tribunal ou turma recursal – órgão superior). Porém, não se trata de uma garantia constitucional. Exemplo de exceção: Art. 518, § 1º, do CPC => “O juiz não receberá o recurso de apelação quando a sentença estiver em conformidade com súmula do STJ ou do STF”. É igualmente válida a supressão de instância em determinadas situações, em que a lei prevê que o julgamento do mérito da demanda pode ser inaugurado no tribunal, apesar de a causa ter sido instaurada em primeira instância – art. 515, § 3º, do CPC. “Nos casos de extinção do processo sem julgamento do mérito, o tribunal pode julgar desde logo a lide, se a causa versar questão exclusivamente de direito e estiver em condições de imediato julgamento”. 2. Princípio da reformatio in pejus Garantia da impossibilidade de se ter a situação do recorrente piorada em virtude de recurso por ele interposto. Situação diversa é aquela em que ambos os litigantes recorrem (sucumbência recíproca). Nessa hipótese, ambas as partes poderão ter sua situação piorada, não em virtude dos seus recursos, mas em decorrência de eventual provimento do recurso da outra parte. Pontos relevantes: a) Súm 45/STJ – aplica-se o princípio na remessa necessária, não podendo a Fazenda Pública ter sua situação piorada com tal incidente. “No reexame necessário, é defeso, ao Tribunal, agravar a condenação imposta à Fazenda Pública”. b) A “proibição de reforma para pior” não se aplica em relação às questões de ordem pública, imperando aqui o princípio inquisitivo. c) Não se admite reformatio in mellius, ou seja, não pode o recorrente ter sua situação melhorada além do que foi consignado nas razões recursais. 3. Princípio da Singularidade (Unirrecorribilidade) Contra uma decisão não é cabível a interposição de mais de um recurso.

b) ausência de erro grosseiro c) respeito ao prazo do recurso correto ADMISSIBILIDADE RECURSAL 1. jurisprudencial ou decorrente de legislação processual nova. contra uma senença. OBS: Existem recursos que não possibilitam que o órgão a quo (prolator da decisão) realize o juízo de admissibilidade. Intrínsecos a) Interesse Recursal – a parte recorrente deve ter interesse pela utilização do recurso. bem como. Competência Regra: órgão responsável pelo julgamento do recurso. o órgão jurisdicional destinatário do recurso conhecer do recurso errado como se o certo fosse e proceder ao seu julgamento. Exame positivo no juízo de admissibilidade = cabimento / conhecimento do recurso. . havendo dúvida escusável. Taxatividade . Exceção: órgão jurisdicional que teve a decisão atacada. a utilização do recurso adesivo. 5. A admissão do do recurso por parte do juízo a quo não interfere no juízo de admissibilidade a ser feito pelo órgão ad quem. visto que a suspensão de segurança não é recurso. 3. EX: agravos (retido. Princípio da Taxatividade Previsão legal das espécies recursais. Requisitos exigidos: a) Dúvida objetiva: indefinição doutrinário. pela mesma parte. o segundo recurso não será conhecido.1. Trata-se da apreciação preliminar do recurso relativa aos requisitos necessários para se analisar o seu mérito. Dividem-se e intrínsecos (existência do direito de recorrer) e extrínsecos (exercício do direito de recorrer). ainda que dentro do prazo.EX: Caso sejam interpostas duas apelações. operando-se a preclusão consumativa. Possibilidade de interposição simultânea da suspensão de segurança e do agravo de instrumento contra uma mesma decisão. respeitados os requistosdo art. Não se admite a criação de recursos que não seja por lei. 2. Princípio da Fungibilidade Possibilidade de. é possível a interposição de recurso por ambas as partes. I. É sempre preliminar ao juízo de mérito. Juízo de admissibilidade Análise da validade da postulação. 3. interno e de instrumento). da CF/88). apresentando um benefício a ser conquistado pela sua interposição. OBS: Constitui uma exceção no ordenamento pátrio. 4. Só o legislador ordinário federal pode aumentar ou suprimir o número de recursos (art. Requisitos de admissibilidade São denominados pressupostos recursais. 22. 500 do CPC.Art. Tratando-se de sucumbência recíproca. 496 do CPC.

182). Os recursos de maior devolutividade e importância são interpostos no prazo de 15 dias. bem como a necessidade de interposição de agravo retido em audiência oralmente etc. Resp. o recorrente comprovará. Municípios e respectivas autarquias. Deve o recorrente demonstrar o preparo no momento da interposição do recurso (art. como atuando como fiscal da lei (art. em nome próprio.b) Legitimidade – art.2. quando exigido pela legislação pertinente. Alguns recursos não dependem de preparo. Exceção: Juizados (até 48 horas após a interposição) e Justiça Federal (apelação e no recurso ordinário – prazo de 5 dias após a interposição do recurso. não podem ser alterados por ato das partes ou do magistrado. Não interposto no prazo = preclusão temporal OBS: A Fazenda Pública. o MP. 538 do CPC). devendo obedecer rigorosamente aos ditames legais. salvo em casos expressos no CPC (comarcas de difícil transporte ou calamidade pública – nunca por mais de 60 dias – art. Ausência desse requisito = deserção São dispensados de preparo os recursos interpostos pelo MP. Os prazos recursais são peremptórios. 3. pelos Estados. o respectivo preparo. inclusive porte de remessa e de retorno. Extrínsecos a) Preparo – pagamento das custas processuais. EX: juntada das peças obrigatórias e necessárias dos agravos de instrumento. pelo terceiro prejudicado e pelo Ministério Público”. Notas importantes: a) MP pode recorrer tanto na qualidade de parte. Rext. pela União. do CPC). e não apenas econômico. . § 2º. sob pena de deserção”. b) O advogado pode. 499. A interposição de embargos de declaração interrompe o prazo recursal (art. porte de remssa e retorno (quando exigidos) que devem ser adiantados pelo recorrente. b) Regularidade Formal – caminho solene a ser seguido pelas partes. os litisconsortes com advogados distintos e a Defensoria Pública têm prazo em dobro para recorrer. c) Tempestividade – prazo de interposição da peça recursal. 511 do CPC). EX: agravo retido. e pelos que gozam de isenção legal. embargos de declaração e agravo do art. 544 (não admissão do recurso extraordinário ou especial). Insuficiência do preparo – suprimento em 5 dias). afetivo etc. c) O interesse do terceiro prejudicado tem de ser jurídico. isto é. 499 do CPC: “O recurso pode ser interposto pela parte vencida. interpor recurso para discutir os honorários advocatícios. “No ato de interposição do recurso. Recurso Ordinário e Embargos Infringentes. EX: apelação.

b) Prazo – deve ser interposto no prazo que a parte dispõe para responder ao recurso prncipal do seu adversário. do CPC). Devolutivo – consiste em atribuir ao juízo recursal (órgão julgador do recurso) o exame da matéria analisada pelo órgão jurisdicional recorrido. 500. mas aproveitando o recurso da parte contrária. II. Fazenda Pública – prazo em dobro. a) Cabimento – só é possível nos recursos de apelação. de ofício. 6. Translativo – remete ao Tribunal todas as questões de ordem pública. mas apenas aquela que reforma ou mantém o ato impugnado. tendo em vista a preclusão consumativa. reconhecendo a ilegitimidade da parte (condição da ação). pois seu regime será idêntico ao da apelação. extinguir o processo sem julgamento de mérito. Regressivo – possibilita que o magistrado que proferiu a decisão recorrida exerça o juízo de retratação. 512 do CPC).EFEITOS DOS RECURSOS 1. o recurso adesivo (recorrendo da parte da decisão em que foi sucumbente). OBS: Os agravos são desprovidos de tal efeito. nas causas internacionais. 5. 4. nem se houver ocorrido a inadmsissibilidade do recurso principal. . c) Caráter acessório – seu conhecimento sempre vai depender da admissibilidade do recurso principal. Decisão não produz efeitos. 2. Característica inerente aos agravos. EX: O autor recorrendo contra uma sentença de procedência parcial da ação. embargos infringentes. apresenta juntamente com suas contra-razões. também no recurso ordinário constitucional. O julgado que anula a decisão recorrida não produz efeito substitutivo. Devolve-se ao Poder Judiciário o exame da matéria impugnada. RECURSO ADESIVO (art. porém excepcional na apelação. Suspensivo – a eficácia da decisão sobretestada durante o trâmite do recurso. como as condições da ação e dos pressupostos processuais. Substitutivo – o julgamento proferido pelo Tribunal substituirá a decisão recorida no que tiver sido objeto de recurso (art. OBS: não pode ser utilizado para complementar recurso inicialmente interposto. que podem ser apreciadas ex officio. poderá o tribunal. recurso especial ou recurso extraordinário (art. Expansivo – possibilidade da decisão proferida no recurso gerar efeitos em relação a sujeitos distintos do recorrente e do recorrido (subjetivo) ou a atos não impugnados (objetivo). 500 do CPC) Não se trata de uma nova espécie recursal. Está presente em todos os recursos. 3. mas de uma forma de interposição para aqueles que inicialmente não tinham intenção de recorrer. Admite-se.

A regra é a interposição de agravo retido. art. por meio de emb de declaração). “Causa Madura” – nos casos de extinção do processo sem julgamento do mérito. casos de inadmissão da apelação. c) Causas Internacionais: recurso ordinário constitucional. reformando a sentença recorrida. b) Lei de Execução Fiscal: embargos infringentes. e) Efeitos – devolutivo. o tribunal. Cabível contras decisões interlocutórias. etc). 2. no prazo de 5 dias após a interposição do recurso. ECA – 10 dias. em primera instância. só subindo ao tribunal quando for interposta apelação ao final do processo. Inadmissibilidade: agravo de instrumento (10 dias). Ficará “preso” em primeira instância. Agravo Retido Visa evitar a preclusão de decisões interlocutórias proferidas no transcurso do feito. 463 – erro de cálculo ou inexatidão material. se a causa versar exclusivamente de direito. pode julgar desde logo a lide. 2. d) Juízo de admissibilidade – admite 4 juízos de admissibilidade: órgão prolator da sentença => juíz (reexame) => tribunal => chegando os autos ao tribunal (relator) => colegiado. Admissibilidade: em primeira instância é irrecorrível. Exceção: Justiça Federal – permite o preparo na apelação e no recurso ordinário. Súm 622 STF – “não cabe agravo regimental contra decisão do relator que concede ou indefere liminar em mandado de segurança”. b) no tribunal – agravo interno (contra decisões monocráticas no tribunal) e agravo (Resp e Rext inadmitidos). bem como terceiro prejudicado (STJ). deserção. o juíz não receberá o recurso de apelação.1. quando tratar de decisões proferidas em audiência – oral e imediatamente). Não cabe recurso adesivo pelo MP quando funcionar como fiscal da lei. a) Prazo – 10 dias (salvo. 522 – decisão que causar lesão grave e de dificil reparação. translativo (ordem pública).d) Legitimidade – partes do processo. Apelação Não será idôneo para impugnar uma sentença em: a) Juizados Cíveis: recurso inominado. OBS: o agravo retido não será conhecido se a apelação não for admitida. c) Súmula impeditiva – se a sentença estiver em conformidade com súmula do STJ ou do STF. a) Não cabimento – Nos Juizados (exceção – decisões que tratem de medidas cautelares). a) Prazo – 15 dias (recorrer e contrarrazoar). regressivo (apenas excepcionalmente. e não de agravo de instrumento (art. d) Lei de falência: agravo de instrumento. . 520). a fim de viabilizar futura interposição de Resp ou Rext. OBS: será veículo idôneo para requerer que o tribunal se manifeste expressamente sobre as questões que devem ser prequestionadas.exceção no art. suspensivo (em regra . Agravos a) em primeiro grau – agravo de instrumento e agravo retido. b) Preparo – deve ser demonstradono momento da interposição do recurso. RECURSOS EM ESPÉCIE 1.

pois existindo alguma questão de ordem pública.OBS: não tem preparo. As decisões monocráticas. 3. b) Prazo – 15 dias (possível interpor embargos infringentes adesivos). ou houver julgado procedente ação rescisória. atribuir efeito suspensivo ao recurso. quando tratarem do mérito da demanda. Embargos Infringentes Caberá quando o acórdão não unânime houver reformado. ou deferir. o relator pode converter em AR. c) Efeitos Ação rescisória – efeito devolutivo e suspensivo. contra o acórdão. Acórdão proferido em julgamento de apelação – mesmos efeitos que foram conferidos à apelação. ou seja. serão cabíveis os EI. Recebido o AI no tribunal. b) Preparo – acompanhará a petição. O agravo interno tem o poder de transformar em colegiada a decisão do tribunal. têm aptidão de fazer coisa julgada material. 2. o relator poderá dar provimento ao recurso. por meio de petição. b) Juízo de admissibilidade – feito apenas pelo Tribunal. podendo dar ensejo ao ajuizamento de ação rescisória. Caso falte alguma peça obrigatória ou indispensável. c) Agravo infundado ou inadmissível – o tribunal condenará o agravante a pagar ao agravado multa entre 1 e 10% do valor corrigido da causa. após verificar a admissibilidade dos embargos infringentes. Podem ser prolatadas pelo relator do recurso. Se a decisão estiver em confronto com com súmula ou com jurisprudência dominante do STF ou de Tribunal Superior. interposto e julgado agravo interno. imprescindível será a interposição de agravo interno para esgotar a instância. OBS²: Se a apelação ou a ação rescisória forem julgadas monocraticamente. Negada a admissibilidade.2. em grau de apelação. Agravo de Instrumento (10 dias) Só quando não for interposto agravo retido. 2. não haverá possibilidade de juntá-la posteriormente. B(2) e C (3) => realização da média aritmética dos votos. Diferentemente deste. soma-se os votos e divide-se pelo número de juízes votantes. não pelo órgão a quo. Decisões proferidas nestas hipóteses são irrecorríveis => nesse caso será possível impetrar mandado de segurança. etc). caberá agravo interno (5 dias). OBS: Não possui efeito suspensivo (exceção – prisão civil. adjudicação. A regular formação do instrumento é de inteira responsabilidade do advogado. deve o tribunal apreciá-la. a) Voto médio – A (1). OBS: Possui efeito translativo. a pretensão recursal. preenchido os demais requisitos. b) Processamento – dirigido diretamente ao tribunal competente. b) Esgotamento de instância – pretedendo as partes interporem Resp ou Rext. a sentença de mérito. d) Juízo de Admissibilidade – feito pelo relator. OBS: Não tem preparo. a) Prazo – 5 dias. remição de bens. bem como pelo presidete ou vice-presidente do tribunal. em antecipação de tutela.3. Agravo Interno (Regimental) Contra decisões monocráticas proferidas nos tribunais. . será interposto diretamente no Tribunal. nem contraditório (exeções por magistrados – 5 dias). a) Juízo de Admissibilidade – relator da Câmara do Tribunal.

de um lado. 5. . Dirigido ao próprio órgão prolator da decisão. a) Cabimento a.4. quando a decisão recorrida: . HD e MI. oralmente). a. OBS: admite-se o cabimento de embargos infringentes e recurso adesivo em face do acórdão que julga ROC.2.1. a) Cabimento a. c) Interrupção dos prazos – interrompem o prazo para qualquer outro recurso. Pode corrigir de ofício nos casos de inexatidão material ou erros de cálculo.contrariar tratado ou lei federal. decididos em única instância pelos Tribunais Superiores. 6.declarar incostitucionalidade de tratado ou lei federal. constitucionais e infra.contrariar dispositivo da CF. como se fosse um complemento. Município ou pessoa residente ou domiciliada no País.julgar válida lei local contestada em face de lei federal. Intempestivos) não têm pode de interromper o prazo dos outros recursos. Possui efeito integrativo.julgar válida lei ou ato de governo local contestado em face da CF. e) Reformatio in pejus – pode a conclusão do julgado ser prejudicial ao embargante. Recurso extraordinário ou especial São modalidades recursais direcionadas para o STJ e STF. Estado estrangeiro ou organismo internacional. b) Prazo – 5 dias. b) Prazo – 15 dias. . . Embargos de declaração Cabível contra sentença ou acórdão quando houver obscuridade. a. . . Súm 272 STF – “Não se admite como ordinário recurso extraordinário de decisão denegatória de MS”. e sim por agravo de instrumento. ou negar-lhes vigência. d) Forma – por escrito (exceção – Juizados.1) STF – contra acórdãos proferidos em MS. Recurso Ordinário Constitucional Devolutividade ampla – poderão o STJ e STF apreciar livremente questões fáticas. e só volta a correr a partir do julgamento dos embargos. nas causas decididas em única ou última instância.julgar válido ato de governo local contestado em face de lei federal. Resp => STJ (TRF’s. . atuando como verdadeiras Cortes ordinárias. que têm por objetivo imediato a uniformização da jurisprudência. omissão ou contradição. pois a decisão dos embargos de declaração passa a integrar a decisão embargada. Rext => STF. OBS: Não tem preparo. c) Decisão que inadmite o ROC – não deve ser impugnada por meio de agravo de agravo regimental. nem contraditório (exceção – quando houver efeitos infringentes – 5 dias). e não mudança de posicionamento do juíz. OBS¹: embargos inadmitidos (ex. e do outro. Test e do DF) . a) Efeito Infringente – correção de omissão ou contradição.der a lei federal interpretação divergente da que lhe haja atribuído outro tribunal.2) STJ – contra acórdãos proferidos em MS decididos em única instância pelos TRF’s ou Test e do DF. na hipótese das causas em que forem partes.

É dispensável a formação de instrumento. não há necessidade de interposição do agravo (apreciação ampla). objetivando destrancar tais recursos para que seja analisados pelo STJ ou STF (mesmo sendo uma decisão monocrática).2 – tal julgamento terá preferência em relação aos demais feitos.544 Visa impugnar decisão do presidente ou vice dos tribunais que não admite Resp ou Rext. não possuindo. a) Prazo – 10 dias. 7. no tribunal que proferiu o acórdão recorrido. e) Preparo – devem ser pagos. Agravo do art. caberá agravo interno no prazo de 5 dias. A petição de agravo será dirigida à presidência ou vicepresidência do tribunal de origem. g) Repercussão geral – requisito exigido apenas para o Rext.1 – o seu julgamento será proferido diretamente pelas Seções ou Corte Especial. os autos serão remetidos ao STJ (art. ou não remeta o recurso ao tribunal superior. só sendo preterido em relação ao julgamento de processos em que há reu preso e habeas corpus. A inexistência de RG só pode ser decretada pelo voto de 2/3 dos membros do STF. questões constitucionais. negar-lhe provimento ou reformar o acórdão recorrido. b) Juízo de admissibilidade – não poderá ser feito pelo tribunal de origem. Trata-se da necessidade do recurso tratar de questões relevantes no ponto de vista econômico. OBS: O tribunal de origem poderá exercer o juízo de retratação (efeito regressivo). a parte deverá ajuizar ação cautelar perante o órgão competente (STJ ou STF). OBS²: STJ pode apreciar. h) Recursos Repetitivos h. para apreciação do Rext. b) Interposição simultânea – é possível. conforme o caso (art. h.544.543 CPC). Da decisão do relator que não admitir o agravo. OBS³: STJ entende ser cabível a interposição de Resp contra decisão da remessa necessária. Concluído o julgamento do Resp. igualmente. conforme o caso. Caso o recurso excepcional seja parcialmente admitido. OBS¹: Súm 86/STJ – “cabe Resp contra acórdão proferido no julgamento de agravo de instrumento”. nem de decisões prolatadas em primeira instância (apenas Tribunais). para o STF ou para o STJ. . f) Prequestionamento – consiste na necessidade da matéria a ser conduzida à apreciação do STJ ou STF ter sido objeto de manifestação pelo órgão que proferiu o acórdão recorrido. serão remetidos ao STF. i) Inadmissibilidade dos Resp e Rext Caberá agravo. j) Efeitos Serão recebidos no efeito devolutivo. OBS²: A medida cautelar interposta perante o STJ ou STF é instrumento idôneo para destrancar tais recursos diante de situações urgentes. social ou jurídico. d) Prazos – 15 dias. E caso o tribunal negue a admissibilidade ao agravo do art. no prazo de 10 dias. o porte de remessa e retorno dos autos ao STJ e STF (súm 187/STJ). Admitidos ambos os recursos. c) Juízo de admissibilidade – dois juízos – primeiramente. Pretendendo obter tal efeito.OBS¹: não será possível sua interposição contra acórdãos de Turmas Recursais. incidentalmente. político. e o segundo no próprio STJ ou STF. mas apenas pelos tribunais superiores destinatários do recurso inadmitido. em regra. será idônea a reclamação constitucional. efeito suspensivo (visa possibilitar a execução provisória do julgado).544).

b) Competência – algum órgão do Tribunal. Não possui efeito suspensivo. da seção ou do órgão especial. b) em Rext. na hipótese do próprio Resp ou Rext estar em julgamento. Admite-se o cabimento de embargos de divergência em julgamento de agravo do art. É embargável a decisão da turma que: a) em Resp. Embargos de Divergência É cabível contra decisões proferidas pelas TURMAS do STJ ou do STF em Resp ou Rext. Trata-se de recurso interno ao tribunal. a) Prazo – 15 dias. divergir do julgamento de outra turma. . superior àquele que proferiu o acórdão embargado. divergir do julgamento da outra turma ou do plenário.544 do CPC.8.