Folga

Sábados, Domingos e feriados? Dias de folga - venham eles. Quando depois de rascunhar mais de meia dúzia de palavras, de esgotar ideias em que a descrição se fizesse sentir, eis que cheguei ao limite. Precisei de descanso, sim. De relaxar a cabeça e deixar fluir os sentidos, livremente. Optei então por fazer uma pausa produtiva que me levou directamente à palavra-chave. Do Latim follicare, de follere, folga relaciona-se com follis, “fole”, um instrumento usado para forçar o ar para um fogo, de modo a avivar as chamas. E eu que, durante a minha pesquisa, esperei encontrar qualquer coisa como “fole, um instrumento usado para massajar os pés de modo a provocar o relaxamento”. Falha minha. Decepção à parte, voltei ao trabalho. Mas afinal, quantos de nós não apreciam um bem passado fim-de-semana? Ou, os menos beneficiados, um bom e único dia de descanso? Pois bem, é unânime. Curioso, na verdade a folga acaba por valorizar a própria palavra “trabalho”, sendo que só somos capazes de saborear as belas “sopas e descanso” e assim desfrutar de momentos de lazer quando antes fomos levados ao cansaço. Afinal o ser humano é um animal estranho. Ou deverei dizer complexo? Trabalha incessantemente na busca de capital, atinge o objectivo financeiro e é então que dá alerta de esgotamento. Depois acaba por investir o dinheiro numa folga prolongada em formato viagem paradisíaca com direito a jantar romântico e pronto, acabou. Dois dias depois volta à mesma rotina, segue os mesmos hábitos e reinicia-se o ciclo de sempre. Derivada do verbo folgar, a palavra maravilha estimula todo e qualquer espírito de férias que haja em nós. Arriscava até dizer que a própria palavra promove o descanso.

“buraco” é também uma dívida. Estou até quase tentada a recomeçar e dedicar-me à palavra “buraco”. Desconfio que há em mim uma fome de recreio que não passa. Mas como é de folga que se trata. tal e qual como anteriormente: dois períodos de trabalho separados por um período de ócio. Bons velhos tempos de colégio em que. certo? No fundo não passa de um espaço vazio. entre um e outro bloco de aulas. Em cheio. como sempre. de um descanso. me perdia num pequeno intervalo. quebrando a semana na perfeição. Segundo o dicionário da Língua Portuguesa. teria sido acertado. horas e horas sem falar de trabalho e ainda assim nunca tocar no silêncio. amigas e uma tarde na esplanada da praia. é tempo de acabar o intervalo e continuar a trabalhar. mas nem sempre mais adultos. é certo. esses são diferentes agora. Técnicas e Expressão do Português Jornalismo B Rita Palma Borges – 6087 . folga é um dia de Domingo passado na cama. Afinal esta palavra não é nada interessante. envolta no calor do edredão e totalmente consumida pelo vício cinematográfico. Ora recreio remete-me automaticamente para a infância. não tão diversificado no que toca ao sentido. sendo esta uma época propícia ao calote. Os passatempos. Na conversa. Recreio também significa folga. qualquer coisa de infantil que se faz sentir e que agora pouco importa. Um espaço entre duas partes de um determinado mecanismo é uma folga. com tempo de chuva. uma sede de folga que não se extingue.Sim. Folga também é um buraco. Folga é também uma quarta-feira de sol. Duas estruturas separadas por uma folga.