Crise Ambiental

Marisa Cristina Guimarães Rocha
Nem sempre houve uma dicotomia entre o homem e a natureza. Na Grécia antiga, os primeiros filósofos, posteriormente denominados présocráticos, em suas reflexões sobre a origem e essência do Universo, tinham na natureza uma grande fonte de inspiração. A interpretação dos gregos sobre o mundo natural era muito contrastante com a da sociedade contemporânea. O homem naquela época era considerado parte integrante da natureza, com a qual comungava e era pensado como um ser constituído pelos quatro elementos: ar, água, fogo e terra. Isto demonstra que a natureza era uma referência fundamental para a existência humana. O progressivo afastamento do homem da Natureza se deu a partir da Idade Média, embora alguns sistemas filosóficos do último período da Antiguidade já apresentassem elementos demonstrando esta tendência. Com o advento do cristianismo houve o colapso do universo grego conexo que entrelaçava as expressões do homem e sua existência, o transcendente e o reino natural dando origem à imagem de um Deus inacessível e independente dos homens. Os deuses já não faziam parte deste mundo, como no dos filósofos pré-socráticos. Havia um único Deus, sendo o homem criado à sua imagem e semelhança. A forma de pensar a natureza reflete os interesses da Igreja Católica e da classe dominante daquela época. A sociedade medieval sendo predominantemente rural receava a natureza e os impactos negativos que esta poderia causar à estabilidade econômica e social. A natureza, portanto, era temida ao mesmo tempo em que era respeitada. Sendo resultante da ação divina, a natureza passou a ser sacralizada e tornou-se inacessível ao homem, podendo somente ser interpretada através dos ensinos bíblicos. O cristianismo assimilou a visão aristotélica-platônica e durante este período apregoou a separação entre espírito e matéria ao difundir a perfeição de Deus em oposição à imperfeição do mundo. O Renascimento, poderoso movimento artístico e literário que surgiu na Itália nos séculos XV e XVI irradiando-se depois para a Europa, assinalou a cisão entre ordem divina e ordem humana e entre esta última e a ordem material, com uma formulação de um profundo caráter antropocêntrico, afirmando o domínio da natureza pelo homem. Durante esta época passou-se a enfatizar a importância das observações científicas serem expressas em uma linguagem matemática precisa. A investigação da natureza, portanto, deveria se basear fundamentalmente na observação e
Marisa Cristina Guimarães Rocha -1Crise Ambiental

A partir deste momento. Embora esta idéia não fosse nova. com base na lei da gravitação universal. Com o Iluminismo no Século XVIII aprofundou-se e estabeleceu-se de vez. É neste contexto segundo o economista Marcos Arruda. surge no século XX. em um método empírico. passando a fazer parte do pensamento moderno e contemporâneo. A natureza se converte em objeto. que servia de explicação para todos os fenômenos físicos. harmonia. Com o cartesianismo. que atinge um alto nível de generalidade e de sistematização. entretanto. por Aristarco e por Copérnico. verifica-se no século XIX o aparecimento das primeiras sociedades tecnológicas. em grande parte das economias mundiais. O responsável pela grande síntese mecanicista. e a mecânica era sustentada no conceito de um tempo e espaços absolutos e a transmissão instantânea da atração gravitacional. Com a Revolução Industrial. O homem começava a intervir na natureza e a querer controlá-la. além da eliminação bem sucedida do trabalho humano na produção de bens e serviços. O universo segundo Newton era um conjunto de corpos ligados entre si e regidos por leis rígidas. composto de homens. y e z) e o tempo t como quarta coordenada. perseguidos pelos gregos de valor ficaram delegados ao passado. o mundo físico poderia ser visto a quatro dimensões e qualquer acontecimento teria lugar no espaço e tempo. Segundo Galileu. o principal objetivo de Descartes foi unificar as diferentes ciências na matemática de modo a constituir um saber universal. consolidou-se o sistema capitalista baseado no capital e no trabalho assalariado. Neste quadro. A mecanização da produção criou o proletariado rural e urbano. no campo ou nas fábricas. toda a complexidade da natureza foi reduzida à análise de suas relações. uma vez que já era considerada pelos pitagóricos. O ponto de partida para o conhecimento passa a ser o pensamento em vez do empirismo. mulheres e crianças submetidas a um trabalho diário e exaustivo. o livro da natureza estaria escrito em caracteres matemáticos. À maneira de uma máquina. A Revolução Industrial que ocorre neste século decorre da aliança entre a ciência e a técnica. da força e das ações dos seus elementos. dá-se a dinamização do meio técnico e científico. uma outra revolução caracterizada pela substituição do homem por autômatos. Descartes foi um dos fundadores da geometria analítica. sujeito-objeto se estabelece definitivamente. abrindo caminhos para se explorar a geometria espacial. podendo ser descrito pelas coordenadas cartesianas (x. A tendência. Com os Estados Unidos à frente na corrida tecnológica. A partir deste período. na medida em que passa a ser o instrumento de maior acuidade na revelação da realidade. ou seja. o domínio de uma razão que definia predominantemente a atuação da ciência e que concebia a natureza como um recurso infinito a ser explorado. as idéias que se propagaram pelos séculos subseqüentes acentuaram ainda mais a separação do homem e da natureza. uma vez que a ciência torna-se uma atividade que revela o caráter obscuro da natureza bastando para isso que o mundo natural fosse abordado utilizando a experimentação e a matemática. Galileu Galilei (1564-1642) considerado o Pai da Ciência Moderna apresentou provas concludentes a favor da concepção heliocêntrica do Universo. dando início ao período de maior exclusão social da história da existência humana. que passa a ser senhor do mundo que o cercava. Marisa Cristina Guimarães Rocha -2Crise Ambiental Com René Descartes a oposição homem-natureza. a utilização do método experimental e de instrumentos de medição por Galileu possibilitou a elaboração de uma descrição matemática dos movimentos dos corpos celestes. A razão torna-se a única fonte de verdades e certezas e os antigos ideais de valor. portanto. Descartes foi um dos grandes defensores do mecanicismo. Sendo o mecanicismo uma forma de reducionismo.nos experimentos. algo útil. o mundo era composto de peças ligadas entre si que funcionavam de forma regular e que poderiam ser reduzidas à lei da mecânica. A partir daí há uma mudança de valores culturais onde a ciência gradativamente desempenhará um papel social central. A natureza através desta concepção era vista como um mecanismo cujo funcionamento se regia por leis precisas e rigorosas. A tese de Galileu rompe de modo indelével com a visão clássica de mundo representada pela síntese “aristotélica-tomista” feita na perspectiva cristã de São Tomás de Aquino. No século XVII. e a metafísica torna-se o fundamento de todo o conhecimento verdadeiro. é que o trabalho de milhões de trabalhadores se torne supérfluo para a economia e o mercado capitalista. Assim. A ciência de Galileu lançou as bases para uma nova concepção da natureza que iria ser largamente aceita e desenvolvida: o mecanicismo. espírito-matéria. possibilitando o desenvolvimento de processos próprios de trabalho. A natureza passou a ser vista como um recurso. O mundo da natureza passa a ser concebido como um conjunto de objetos que se oferecem à intervenção do homem. ou seja. justiça. foi Isaac Newton (1642-1727) ao publicar o livro “Princípios matemáticos de filosofia da natureza” unificando as descobertas anteriores sob uma única teoria. que se colocam desafios que o Marisa Cristina Guimarães Rocha -3Crise Ambiental . o mundo como natureza exterior começou a se tornar espaço para o domínio humano. Em conseqüência da disseminação do ideal da ciência.

Isto significa uma especialização cada vez maior do trabalho e a desvalorização do mesmo. em vez da atual apropriação privada do sobretrabalho pelo capital. que ao expandir-se globalmente. das distâncias reduzidas. racional assegurando o direito das futuras gerações à água.das riquezas e dos benefícios gerados pelo trabalho de toda a sociedade e de promover a partilha social do tempo liberado do trabalho. O aumento da população dado pela diferença entre estes dois dados demonstra que houve um aumento anual da população. segundo Benedito Braga e colaboradores. além do perigo de haver uma submissão de todas as formas de vida cultural à supremacia da técnica e da tecnologia. mas a distribuição de renda desigual e à orientação errônea da produção agrícola. apesar da taxa de natalidade também apresentar reduções desde aquela época até os dias atuais. econômica. pelo desemprego estrutural crescente. da comunicação instantânea. Assim. Dentro dessa perspectiva de crescimento. portanto. caracterizada pelos grandes grupos econômicos e financeiros operando a nível global. Marisa Cristina Guimarães Rocha -5- Crise Ambiental .4 vezes maior do que a da mortalidade. Alguns estudiosos atribuem o problema da fome no mundo de hoje não ao aumento populacional. então. pela existência de grandes complexos industriais com uma movimentação de volumes elevados de recursos materiais e energéticos e seus resíduos. pela pulverização do capital. seria necessário somente 12 meses para repor os 75 milhões de mortos. A sociedade deste início de século XXI é. com a Revolução Industrial (FIGURA I) pode ser visualizada como um dos retratos da crise ambiental. Assim. se o crescimento é encarado como um fim e não como um meio? Como crescer a todo custo e Marisa Cristina Guimarães Rocha -4Crise Ambiental preservar os recursos naturais? Como desenvolver mecanismos eficientes para acabar com a miséria absoluta de 20% da população? Quais são as chances de sobrevivência das gerações futuras? Como caminhar em direção à sustentabilidade do desenvolvimento? A expansão do crescimento populacional. A taxa bruta de natalidade. A situação em Bangladesh tende a se tornar crítica nos próximos anos. A Tabela I apresenta a densidade demográfica de alguns países. às fontes de matérias primas do planeta e distribuir de forma eqüitativa a produção. o século XXI surge em meio a duas questões fundamentais: produzir de forma ética. causa várias formas de degradação sócioambiental. era 2. da cibernética. é óbvio que em longo prazo a sociedade tem que arranjar um modo consensual de diminuir o crescimento populacional. do individualismo. marcada por profundas crises. por exemplo. das infovias. à energia. importante encontrar respostas para as seguintes questões: Como enfrentar estes desafios. se por um lado. a competição por mercados mais acirrada e há o domínio das sociedades detentoras de tecnologia sobre as que não a detém. tais como: a necessidade de desmercantilizar a capacidade produtiva e criativa do ser humano. pela rapidez e abundância com que inovações e novos produtos são introduzidos no mercado e a imprevisibilidade dos efeitos da sua aplicação. Revela-se a sociedade atual como uma sociedade predominantemente urbana. ou segundo Krüger. que ocorre desde meados do século XIX. Em 2002. do aumento da violência. responsável pelo aumento da taxa de crescimento populacional. a disponibilidade dos recursos naturais nos tempos vindouros torna-se bastante questionável. Com esta taxa de crescimento. da competição acirrada e. Assim.3 %. Estas crises demonstram a esgotabilidade de um processo produtivo. de desenvolver políticas e leis que garantam a distribuição eqüitativa da renda. Torna-se.sistema do capital não parece apto a responder. da robótica. portanto. por outro lado provoca alterações na vida social. a sociedade do ter em detrimento do ser. apresentam taxas de ocupação de solo bastante elevadas. nos países que se industrializavam houve um aumento na produção de alimentos assim como nas condições sócio-econômica e sanitária conduzindo à redução da taxa bruta de mortalidade. enquanto que a taxa bruta de mortalidade era de 149 597 habitantes por dia. vítimas da peste bubônica que assolou a Europa entre 1347 e 1351. a tecnologia ajuda ao homem à satisfazer suas necessidades básicas de conforto. possibilitando um maior desenvolvimento de seus potenciais. como pode ser inferido a partir da sua taxa de crescimento anual. O ciclo de produtos e processos se torna cada vez mais curto. o que corresponde a 78 milhões por ano de novos habitantes no planeta. de criar novas formas de remuneração do trabalho. que alguns como Bangladesh e Japão. política e ambiental nem sempre desejáveis. pelo acelerado desenvolvimento tecnológico. mas também. A partir da Revolução Industrial. da clonagem. da manipulação genética. alivia o homem da tarefa de sobreviver. de cerca de 1. Pode ser verificado. da degradação do meio ambiente. a taxa mundial bruta de natalidade era de 365 682 habitantes por dia. mesmo que o problema da fome possa ser atribuído a interesses políticos e econômicos dos países desenvolvidos e não a uma superpopulação.

147.: Introdução à Engenharia Ambiental – Benedito Braga et alii.86 Nordeste 2.000 .331 137.505 ? .167.48 1.8 0.255 119.34 5. As demais nações são os denominados países em desenvolvimento ou subdesenvolvidos.218 146. FIGURA I (A Curva de crescimento exponencial da população) Ref.196 ? . estes países tenham três vezes mais habitantes do que têm hoje.8 -0. sendo que somente poucas destas nações são pertencentes ao grupo dos considerados países desenvolvidos.126. uma vez que se espera que em 2050.43 Centro Oeste 5.88 1. educação.64 TABELA II (Taxa média geométrica de crescimento anual da população residente no Brasil) A situação se torna mais grave quando se constata que a população mundial encontra-se dividida em 230 nações nos cinco continentes.362 .16 1.1.003 .947 116.econômicas mais severas.266.5 2. sofrerão mais com o incremento populacional atual.: Introdução à Engenharia Ambiental – Benedito Braga et alii. quando o Brasil atingiu o auge do seu crescimento populacional começou a haver uma redução da taxa de crescimento. 1999 e Population Reference Bureau.39 Brasil 2.581 .06 2. Segundo dados do Instituto Osvaldo Cruz.8 TABELA I (Países mais populosos: população e taxa de crescimento anual) Fonte: UM.807 .77%.31 Sudeste 3. Prentice Hall. com certeza.05 2. 2002. empregos.6 1. 32% da população mundial se concentrava nos países desenvolvidos. Este desequilíbrio tende a se agravar ainda mais. maior degradação sócio-ambiental. enquanto que a população teve um crescimento de 6. O crescimento populacional do Brasil pode ser visualizado na Tabela II.998. Estes mesmos países são os que enfrentam crises Marisa Cristina Guimarães Rocha -6Crise Ambiental O crescimento populacional ocorrido a partir da Revolução Industrial gerou uma maior demanda de energia e de materiais e Marisa Cristina Guimarães Rocha -7Crise Ambiental . Os dados demográficos mostram que em 1950.757 .15 2. e as estimativas mostram que em 2050 somente 13% da população mundial total habitará estes países.36 4.126. a população das favelas da cidade do Rio de Janeiro cresceu 25% entre 1991 e 2000.09 Sul 4. em 1998.35 1.410 .02 2. A partir de 1950.08 2. Belém e São Paulo tenha aumentado em um ritmo quase três vezes superior à média brasileira.152.945 Densidade demográfica 2 (Hab / Km ) 1999 132 304 29 110 20 191 9 882 335 118 Taxa de Crescimento (%) Anual 0. Prentice Hall.988 82. Ref.8 0. maior escassez de alimentos e maiores dificuldades em atender às necessidades básicas de saúde.276.44 1. Países China Índia Estados Unidos Indonésia Brasil Paquistão Rússia Bangladesh Japão Nigéria População (milhares) 1980-1999 996. 2000.07 1.108. Grandes Regiões e Unidade da 1950-1960 1970-1980 1991-2000 Federação Norte 3.209. com os restantes 80% da população. este número se reduziu a apenas 20%.838 675.99 2. entre outros.6 1.135 . Estes países são habitados por 20 por cento da população mundial total.056 227. embora a população das favelas principalmente no Rio de Janeiro. 2002.58 1. Torna-se evidente que os países em desenvolvimento são os que.

2% das emissões dos gases de efeito estufa (GEE) até 2012 e a sua maior absorção pelos sumidouros nacionais. consomem 25% da energia comercial mundial. sendo apenas transformada de uma forma em outra. cuja taxa de crescimento tende a triplicar nos próximos 55 anos. isto é. A redução de emissões de gás carbônico. que surgiram em quantidades maiores que a capacidade de absorção da natureza dando origem a problemas ambientais graves como a poluição do solo. na verdade.000 Kcal/dia) quando a madeira era utilizada para movimentar máquinas assim como para as demais atividades produtivas. Os Estados Unidos. assim como do processo de combustão dos derivados de petróleo. Os gases naturais que existem na atmosfera são capazes de reter parte desta radiação. entretanto. regionais e globais. A segunda lei mostra também que a tendência natural de um sistema fechado. são soluções paliativas. da devastação de florestas. devendo. mas passíveis de serem reciclados pelo meio através dos ciclos naturais.conseqüentemente uma maior poluição. o mecanismo de desenvolvimento limpo e a implementação conjunta. não ratificaram o Protocolo de Quioto. o efeito estufa é vital para manter a temperatura necessária para a existência de vida no planeta. entretanto. que possuem 4. gera efeitos adversos como o aquecimento global da atmosfera. há uma produção de resíduos maior que a capacidade de reciclagem do meio ocorre uma situação de desequilíbrio com condições desastrosas para o meio ambiente. o que agrava a condição futura de disponibilidade de energia. o que implica maior desordem nos sistemas locais. parte da energia solar é absorvida pela superfície da Terra e outra parte é irradiada para a atmosfera. o consumo per capita diário de energia é de 125.5 % da energia mundial. entretanto. contudo. O aumento da poluição ambiental surge com os avanços tecnológicos e com o desenvolvimento decorrente. para os quais a pobreza é considerada o principal Marisa Cristina Guimarães Rocha -9Crise Ambiental . entretanto. Quando. entretanto. a tendência é que haja um aumento da poluição global. assim como o Universo é aumentar a sua entropia.7 por cento da população mundial. do ar. Pela Lei da Conservação da Massa sabe-se que a matéria não é criada. Assim. a ocorrência de tempestades cada vez mais freqüentes.000 Kcal/dia) até o século XIX (60. que requerem medidas de controle eficientes.000 Kcal/dia. Este elevado consumo de energia. enquanto que a Índia com 16% da população mundial consome somente 1. como o comércio de certificados de carbono. De acordo com a 2ª Lei da Termodinâmica nas transformações naturais. Cada país recebeu uma meta diferente de redução dos níveis de poluição. Para alcançar os seus objetivos. aumentando o desequilíbrio entre as nações. entretanto. Assim. A Revolução Industrial introduziu novos padrões de gerações de resíduos. As mudanças climáticas globais poderão causar efeitos desastrosos para a humanidade. Os países em desenvolvimento. se deu a partir da utilização do petróleo. A combustão de combustíveis fósseis como o gás natural. desde a época das sociedades primitivas (2. em virtude da dissipação da radiação solar. Sendo assim. O efeito estufa. que atualmente são responsáveis por 69% do consumo. se não forem tomadas medidas de controle ambientais eficientes. Como a matéria não pode ser consumida até a sua aniquilação. ser mantida a meta global combinada. um mercado interno de negociações pela Chicago Board of Trade que negocia contratos entre empresas americanas que possuem cotas nacionais de emissão. foi muito mais acentuado nos países desenvolvidos. Este consumo. Alguns gases. como o metano e o dióxido de carbono são capazes de reter o calor do sol sem o qual a Terra esfriaria. falta de alimentos. Atualmente. Em 1997 foi adotado o Protocolo de Quioto cujo objetivo principal é a redução de 5. é óbvio que toda a atividade humana vai gerar resíduos indesejáveis para quem os gerou. da agricultura extensiva. Durante o dia. da água. O grande salto em termos de consumo de energia. O aumento da concentração de gases estufa na atmosfera. os países poderiam reduzir a emissão dos GEE em seu território ou negociar com outros países outros mecanismos flexíveis. é um fenômeno que ocorre de forma natural na atmosfera. uma vez que as taxas de emissão de carbono não diminuirão a menos que haja uma desaceleração do crescimento econômico. Estes dados mostram que há uma relação entre desenvolvimento e consumo de energia. não existe uma reciclagem completa de energia. apontado como um dos principais causadores das alterações climáticas no planeta. assim como o aumento da eficiência do uso da energia. oriundos tanto das atividades industriais. requer a utilização de quantidade cada vez Marisa Cristina Guimarães Rocha -8Crise Ambiental maior de combustíveis fósseis. nem eliminada. falta de água. petróleo e o carvão gera dióxido de carbono (CO2 ). a energia definida como a capacidade de realizar trabalho se “degrada” de uma forma organizada para uma desordenada. Já há. como o aumento significativo do nível do mar. a energia térmica. Os Estados Unidos. impedindo a dispersão total deste calor para o espaço exterior. que demanda quantidades cada vez maiores de materiais e energia para atender aos padrões de consumo da sociedade. O histórico da crise energética mostra que houve um aumento do consumo de energia. entre outros.

+ O 2 + M → O 3 + M* O3 + hν → O . como por exemplo. solventes e sprays. ( 8 ). . + O3 → O2 + onde M é alguma outra partícula como N 2 ou O2 .11 - Crise Ambiental . A radiação eletromagnética do sol. sem afetar o uso de energia. A energia necessária para a etapa ( 1 ) é fornecida pela absorção de luz ultravioleta de comprimento de onda menor que 250 nanômetros. a molécula de ozônio é quebrada conduzindo à formação de O . tornou-se o segundo maior importador de petróleo do mundo. A energia para este processo é fornecida por radiação ultravioleta de comprimento de onda entre 250 e 300 nanômetros. A interconversão de oxigênio em ozônio ( 2 ) e do ozônio em oxigênio em ozônio ( 3 ) mantém a concentração de ozônio em um nível constante. Esta tecnologia envolve o seqüestro do dióxido de carbono. A redução da camada de ozônio da estratosfera é um outro grave problema ambiental.problema. A redução da camada de ozônio observada até o momento é decorrente de apenas uma fração pequena de CFCs. entretanto estes gases são transparentes aos comprimentos de onda entre 250 e 300 nanômetros. ( 8 ). tentam acelerar o seu crescimento econômico. protegendo a Terra de grande parte da radiação de alta energia.. uma vez que estes compostos Marisa Cristina Guimarães Rocha . até cerca de 300 nanômetros podem danificar as moléculas envolvidas em processos biológicos. As projeções mostram que em 2020. até finalmente: O. e O 2 . Logo foi verificado que a fonte de cloro na atmosfera superior era decorrente da ação de clorofluorocarbonetos (CFCs). o ozônio presente na estratosfera absorve radiação com comprimento de onda neste intervalo. Na década de 70. protegendo a Terra do seu efeito deletério. é composta de luz visível e invisível. visando a redução das emissões de dióxido de carbono para atmosfera. ( 2 ). entretanto. + Cl . A aplicação desta tecnologia. que apresentou um crescimento de 9. ( 7 ). (1) (2) (3) Ocorrem então as etapas ( 2 ). O radical livre formado em ( 2 ) colide com as moléculas de oxigênio havendo formação de ozônio e a colisão com um terceiro corpo M . estudos realizados em laboratórios mostraram que os átomos de cloro poderiam quebrar a cadeia ( 2 ) e ( 3 ) e reduzir a taxa de formação de ozônio. ( 3 ). A reação apresentada em (_7_) destrói o ozônio necessário para a etapa (_3_) e a reação em (_8_) destrói o O. Até mesmo radiações de energia mais baixa. É através da reação ( 3 ) que há a blindagem da radiação de maior energia pela camada de ozônio. muito usados em refrigeradores. ainda não é viável. e a luz ultravioleta de comprimento de onda mais curto. e o seu posterior armazenamento em reservatórios porosos cobertos por rochas impermeáveis para impedir vazamentos. a molécula do DNA que controla a hereditariedade e dirige a síntese de outras biomoléculas. necessário para a etapa (_2_). O ozônio é formado pela ação da luz ultravioleta no oxigênio. + O. ( 3 ). A luz de comprimento de onda entre 400 e 750 nanômetros é a luz visível. a China se tornará o maior emissor de dióxido do carbono do mundo. Uma nova tecnologia tem sido desenvolvida. + O 3 → ClO + O 2 Cl O + O. + M → O 2 + M* O2 (4) (5) O.1% em 2003.. + O 2 Ocorrem então as etapas ( 7 ). A China. → Cl . + O 2 O . como mostrado abaixo: O2 + hν → O . de comprimento de onda maior que 750 nanômetros e de energia mais baixa. O oxigênio e o nitrogênio presentes na atmosfera absorvem comprimentos de onda até 250 nanômetros.10 - Crise Ambiental Marisa Cristina Guimarães Rocha . A luz ultravioleta de alta energia pode causar fotólise de moléculas e promover uma série de reações químicas.. menor que 400 nanômetros e de maior energia.. Os CFCs atuam na cadeia produtora de ozônio da seguinte forma: F3 C: Cl + hν → F3 C . que se situa no espectro entre a radiação infravermelha. Felizmente. (6) (7) (8) Cl . Cada uma destas reações destrói a cadeia produtora de ozônio. Na etapa 3 . vital para a existência de vida no planeta. + O.

mantendo-se os atuais padrões de consumo de água e estimando-se uma população mundial de cerca de 8.5 96. que variam devido ao movimento de translação da Terra.27% do volume de água doce e a cerca de 0. Assim.400.5 2.1 1.2 Km 3 / ano para abastecimento doméstico e cerca de Marisa Cristina Guimarães Rocha .0012 1.007% do volume total de água no planeta.4726 2.7362 1.1 12. caracterizados por baixa umidade e das florestas tropicais. quando as nações produtoras de 89% destas substâncias o haviam ratificado. (Tabela III). caracterizadas por alta umidade.1159 0.7597 0.0002 0.6 300. Com o passar dos anos e com a ampla divulgação do problema foi subscrito em 1987. A contaminação da água pelos mais diversos tipos de substâncias contribui também para a redução da disponibilidade da água. Os primeiros sinais do estreitamento da camada de ozônio na estratosfera terrestre começaram a ser mostrados no início dos anos 80.0 TABELA III (Distribuição de água na terra) Marisa Cristina Guimarães Rocha .029. Do total de água existente no planeta.1 % são águas doces. As projeções efetuadas para 2025. o metil – clorofórmio e o brometo de metila. cerca de 2. nem toda a água é diretamente aproveitada pelo homem. entretanto.5274 100.5585 0. o tetracloreto de metila. Existe também a variabilidade temporal da precipitação em função das condições climáticas.4 11.0029 0.6 Km3/ano ( Tabela IV ).13 Crise Ambiental .0 10. sendo a sua disponibilidade um dos fatores mais importantes a moldar os ecossistemas.0032 0.0121 0.1 1.2384 0. É fundamental que os recursos hídricos apresentem quantidade e qualidade adequadas para a sua utilização pelos seres vivos.0 83. Reservatório Oceanos Subsolo Água doce Água salgada Umidade do solo Áreas congeladas Antártida Groelândia Ártico Montanhas Solos congelados Lagos Água doce Água salgada Pântanos Rios Biomassa Vapor d’água na atmosfera Armazenamento total de água salgada Armazenamento total de água doce Armazenamento total de água Volume 3 3 (10 Km ) % do volume total % do volume de água doce 1.1 bilhão de pessoas não têm acesso à água tratada e em países mais pobres até 95% dos esgotos e 70% dos detritos industriais são simplesmente lançados no meio ambiente.0 21.0001 0. o primeiro a gerar ações para a preservação do ozônio. 4 Km 3 para usos diversos. constituindo um recurso natural renovável por meio do ciclo hidrológico. cobrindo cerca de 70% do planeta.42% do volume total de recursos superficiais de água doce do planeta não se pode afirmar que o atendimento da demanda a ser exigida para o desenvolvimento das atividades humanas estará garantido a médio e longo prazo.5% correspondem a águas salgadas e conseqüentemente.12 Crise Ambiental 3884. resultando em um consumo total de água igual a 4.4 35. cerca de 97.0008 0.530.0009 97.3 bilhões de pessoas.6883 0.870. as quais se encontram em reservatórios subterrâneos.9 1. A água é uma das substâncias mais comuns existentes na natureza. A água doce é distribuída de maneira muito heterogênea no espaço e no tempo.0216 0. Apesar de existir em abundância.0 2. entretanto.340. Todos os organismos necessitam de água para sobreviver. 5379 1.984.1688 0. como os clorofluorocarbonetos.6629 6.350. e em 1983 foi subscrito o Convênio de Viena.0 30. A meta é conseguir o fim da utilização destas substâncias até 2010. com a participação de 20 países. in natura. o Protocolo de Montreal determinando o banimento progressivo das substâncias que afetam a camada de ozônio.7% destes recursos.995.5.0368 100.0 24.338.5 40. A inspeção da Tabela IV mostra que o consumo mais elevado de água é dos países ricos.9286 0.4 85. Cerca de 68. É encontrada principalmente no estado líquido.5% correspondem a águas doce. os hidroclorofluorocarbonetos. Até abril de 2004.498.0471 68. Embora este valor represente apenas 4.atingem a camada da atmosfera onde sofrem a fotólise de forma muito lenta. a água doce encontrada nos rios e lagos corresponde a apenas 0.0607 0. Este Protocolo.6802 0. A disponibilidade de água para as gerações futuras é um dos problemas mais sérios a ser enfrentado pela sociedade contemporânea.0 12. causando epidemias e provocando mortes. entrou em vigor somente em 1989. são constituídos por águas armazenadas nas regiões polares e em geleiras diversas e cerca de 30. O Protocolo de Montreal gerou outras instâncias como um Fundo Multilateral destinado a ajudar os países em desenvolvimento na substituição tecnológica necessária para deixar de usar estas substâncias.6971 61.0 23. Os dados mostram que atualmente 1.0062 0.064.000.0066 0.0060 0. 186 países haviam ratificado o Protocolo de Montreal.0061 0. Essa distribuição heterogênea pode ser verificada pela existência dos desertos.600.0 16.8564 0.0 1764 91. apontam uma demanda total de água doce próxima a 614.385.2598 0.0328 0.

0 54.0 Outros usos (m3 per capta) 315. a visão da vida em sociedade como uma luta competitiva pela existência. Deve se ter em mente que se a sociedade realmente quiser caminhar em direção à sustentabilidade do desenvolvimento deve apreender esta nova realidade. de percepção. É uma percepção espiritual. O paradigma atual concebe o mundo como um todo integrado. uma crise de valores. A discussão da questão ambiental tem se aprofundado em encontros como o Primeiro Encontro Mundial sobre o Meio Ambiente em Estocolmo. quando a humanidade sofrer uma mudança radical nos seus valores..5 136. e a Conferência das Nações Unidas sobre o Meio Ambiente.0 conectado com o cosmos.0 468. Nas últimas décadas tem começado a se delinear uma nova postura em relação ao meio ambiente. Segundo Capra.15 - Crise Ambiental . a humanidade agora está no princípio de uma mudança de paradigma tão radical como foi a revolução copernicana. uma crise muito maior. a visão do corpo humano como uma máquina. a crença em uma sociedade na qual a mulher é considerada inferior ao homem. a percepção ecológica profunda reconhece a independência fundamental de todos os fenômenos e o fato de que.0 529. enquanto indivíduos e sociedades. TABELA IV (Consumo médio de água no planeta) Os dados apresentados neste texto são apenas pálidos indicativos de uma crise que na verdade é uma crise da sociedade no ambiente. Suécia em 1972. que mostraram para o mundo a importância da implantação de políticas de conservação do meio ambiente e dos recursos naturais.PAÍSES Países com baixa renda Países com média renda Países com alta renda Brasil Média mundial Uso doméstico 3 (m per capta) 24. O novo paradigma refuta a visão mecanicista do passado em que o Universo era visto como um sistema mecânico.. nas suas percepções e no seu pensamento poderá então encontrar soluções para os principais problemas do nosso tempo.14 Crise Ambiental Marisa Cristina Guimarães Rocha .Nossa esperança é a de que surja um novo planeta. estamos todos encaixados nos processos cíclicos da natureza. uma vez que o ser humano sente-se Marisa Cristina Guimarães Rocha . com um novo governo mundial e uma nova civilização” . A maioria dos nossos líderes políticos infelizmente não compreende a urgência da mudança que se faz necessária e continua a utilizar o ritmo do crescimento do Produto Interno Bruto (PIB) como medida de progresso e desenvolvimento. e não como uma coleção de partes dissociadas.0 74. Assim.0 67.0 499. A ecologia profunda reconhece a importância de todos os seres vivos e concebe os seres humanos apenas como um fio particular na teia da vida.0 191. As novas concepções da física que ocorreram durante os 30 primeiros anos do século XX têm gerado uma profunda modificação da visão de mundo da humanidade. conhecido como Rio-92. Ainda segundo Capra. composto de blocos elementares. Parafraseando Leonardo Boff “Há um novo paradigma de cidadania. o crescimento econômico e tecnológico como um fim e não como um meio.

http://www. Depto de Engenharia Hidráulica e Sanitária. vol. Rio Claro.org. Garcia. Protocolo de Quioto e o desenvolvimento sustentável. I.. M.pdf 15 ..Friedmann. http://www.br/port/srh/doc/spz1. S. 10 .Reis. S.mirhasperu. 2004.Capra. J.br/~fil/aires. A Teia da Vida .17 Crise Ambiental .Santos. T. A crise ambiental na sociedade atual: uma crise de percepção. L. 04 . Introdução à Engenharia Ambiental. Universidad de Barcelona. Inc. 09 . F. F.. R. J.cefetpr.pacs. Editora Cultrix.. V. http://www. Organic Chemistry..Calsing.mma. P. M. São Paulo.. http://www. São Paulo. Porto. Relação homem/natureza no modo de produção capitalista. 1992.. Spencer.br/revista/vol.Braga.ul.pt/docentes/opombo/seminario/descartes 14 . 2001.cfh.Kruger. A. Out of energy box. New Jersey. R.. J. VI 119 (18).. N. 2002. C. Água um bem que precisa ser cuidado. T.Mierzwa. Sérgio Fabris. 1998. L. C. S. Boyd. Uma abordagem sistêmica da atual crise ambiental. Hespanhol. M. Revista Eletrônica de Geografia y Ciências Sociales. M. O uso racional e o reuso como ferramentas para o gerenciamento de águas e efluentes na indústria: estudo de caso da Kodak Brasileira. Revista Educação &Tecnologia. 06 . Y. M.ppgte. F. Juliano.Almeida. Foreign Affairs. Tese de Doutorado. M. Homer-Dixon.. Escola Politécnica da Universidade de São Paulo. 05 . 2( 2 ). R. Estudos Geográficos. 2005. Carvalho.16 Crise Ambiental Marisa Cristina Guimarães Rocha . Trabalho emancipado. Homem e natureza por meio do corpo.gov. 07 . E. http://www. O mundo de Sofia. M. T. direito ao 13 . Conejo.Bibliografia: 01 . 81-86. S. Scripta Nova. H. L. A. 2002. São Paulo.pdf 11 .ufsc..Arruda.Morrison.fc. I.S.educ.Gaarder. Cia das Letras. L.6/artigos/ 08 . N. 2002. Machado.Carvalho. 02 .htm Marisa Cristina Guimarães Rocha . Eigert. Nov/Dec. R. 2004.br/artigospublicação 12 .Brasil. 03 . Prentice hall International. A. Nucci. http://www. G. B. J. Prentice Hall... K.org/ultimas/documentacion/06/02.uma nova compreensão científica dos sistemas vivos. Seminário Descartes. L. A.Oliveira. Barros. Filosofia e ciências da natureza: alguns elementos históricos. N.

Sign up to vote on this title
UsefulNot useful